Você está na página 1de 59

-

Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Editorial
“É a Noite, é a Morte, é um Laço, é o Anzol”. Viemos abrir o ano thelemita V:V, com as
águas de março, e celebrando os cento e quinze anos de recepção da lei para uma nova era de
Luz, Vida, Amor e Liberdade.
Da Noite, para a Luz, temos os artigos de H418, dos nossos irmãos do Sabedoria
Arcana tratando de temas caros aos mistérios da iniciação. Da sina dos aluados, lunáticos,
percalços iniciáticos, e contrainiciáticos, em grande profundidade, enquanto Verónica Rivas,
nossa convidada de honra, emenda falando sobre a relação do desejo, destino, e iniciação, e
do pai do culto lunar, cujo símbolo é a mão e o olho: frater Yihoveaum (A.O.S.).
Da Morte, até a Vida, falam frater QVIF, sempre muito esclarecedor e lúcido como um
bom irmão mais velho, e o estreante nas nossas páginas frater AmeN, e suas percepções sobre
Presença, a Verdadeira Vontade, e a Grande Obra.
Do Amor, o único Laço capaz de unir o dividido, fala frater Boddhichita, fazendo a união
entre a visão psicológica e a mística thelemita. Também imbuídas pelo mesmo tema central
thelemita, de amor, escrevem Soror Lótus e Bride ov Kaos.
Do Anzol representado pelo diabo fala Diogo Santana, e da ligação entre Yezidis e
thelema, num artigo científico e preciso. Como em thelema o Anzol é o condutor da
Liberdade, frater F.V.L te ajuda a se libertar do, tantas vezes engessado e ultrapassado,
conceito de Ordem, e sugere um salto em direção a Liberdade da prática plena.
A Arte que embeleza e conecta todos os temas desta edição, fica por conta de quatro
quadros do irmão Sagus 93, e suas pinceladas mágicas (www.sagus93.com). E a arte textual
pela primeira vez inclui um conto, do frater Amaranthus.

Nossa sétima publicação confirma nossa própria maturidade editorial, e a firmeza da


nossa intenção de criar um veículo único de divulgação da Lei, e da produção nacional de
estudos e artigos de alta qualidade, a serviço da Santa Ordem. Não por coincidência o sete é
o número da sephira da Vitória e Perpetuação. A Espada Flamejante continuará a ressurgir a
cada equinócio e solstício.

I.156

2
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Índice

No Mundo da Lua ou Nove Considerações sobre Yesod ..………………………. 04

Iniciação e contrainiciação …………………………………………..…………………………. 09

Lisa the goat ……………………………………………………………………………………………. 14

Muitas órbitas, muitos espíritos …………..….……………………………………………… 15

O Agente Mágico do Destino ……………….……..………………………………………….. 17

Pan and Pinetrees ………………………...…………………………………………………………. 23

Yezides e Thelemitas: De Adoradores Do Diabo


À Buscadores Da Verdadeira Vontade ……...………..…….. 24

Amor sob vontade: Um diálogo da fórmula


thelêmica do “amor” com a psicologia ……..…...………….. 34

Adoration of Nuit ……………………….……………………………………...….……………….. 39

Abaixo o privilégio da Ordem …………………………………………………...…………… 40

Pela chance de união …………………………………………………………….……………….. 44

A dicotomia Thelêmica entre a pomba e a serpente


e a sua relação com o “Espírito Santo” ……….………….…. 49

Kisses of the Stars ……………………………………………………………………..……………. 54

A Visão e a Presença …………………………………………………………………..…………... 55

O telhado e a bola …………………………………………………………………..………………. 57

Harpocrates ………………………………………………………………………..…………………… 59

3
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

No Mundo da Lua Ou
Nove Considerações sobre Yesod

Nesses dois anos de Revista 777 tem um texto que gosto muito de ler e reler e indico
bastante a certos leitores que é um texto do frater QVIF chamado 10 considerações a
respeito de Malkuth, sempre ensejei escrever uma continuação dele, não no mesmo estilo, até
porque são vivencias diferentes, mas a vontade foi aquilo que permaneceu, além de uma certa
cara de pau, assim escrevo essa missiva à respeito das minhas nove considerações sobre a
nona Sephirah que é chamada Yesod, significando "Fundação". Ao mesmo tempo que faço
uma carta àqueles que vivem no mundo da Lua, sem referências aos esquecidos ou aluados,
muito menos ao Joseph Smith e seus mórmons, também escrevo para qualquer pesquisador
ou até mesmo um curioso.

Uma primeira consideração ou curiosidade sobre esta sephirah é que ela também é
chamada El Shaddi, ou Shaddai El Chai, que tem sido traduzido como "Deus Vivo Todo-
Poderoso", mas a tradução mais correta segundo alguns cabalistas seria "seios fluidos de
Deus", estabelecendo assim certas "noções de fertilidade", que abordaremos a frente.
Segundo os antigos cabalistas estas imagens de Yesod, estavam ligados a uma imagem de um
deus andrógino. "Na tradição rabínica, El Shaddai é dado como o nome da divindade em
lugares, por exemplo, "anda adiante de mim" (Gênesis 17: 1), e pode originalmente ter
significado "Deus, uma das montanhas". Seu principal símbolo a Lua (refletindo Tiphareth, o
Sol) é conhecida também como a Chama Lunar. Ela também tem sido chamada de "Espelho"
ou "Prisma", que reflete as esferas ou níveis mais elevados, e é dito que é o “lugar” onde as
visões ocorrem, claro que esse lugar é dentro.

Prosseguindo num segundo ponto, além de ter a alcunha de a inteligência


purificadora, é comumente chamada de “plano astral” ou “alma do mundo”, Yesod é aquele
fundamento de sutil substância eletromagnética no qual todas as forças mais elevadas estão
focalizadas, constituindo a base ou o modelo final sobre o qual o mundo físico é construído,
uma planta um blueprint. Como Yesod tem natureza lunar, a experiência do grau de Yesod, é
relatada como ter a experiência da visualização da mecânica do Universo, além do controle
das fundações do ser.

A mecânica do Universo tende a ser um pouco mais complexa que um motor de Fusca,
mas note que ao deparar com a tampa do motor aberto e ver aquela visão, temos a noção do
som, do cheiro e da temperatura, mas você saberia tudo que está ocorrendo para ele
funcionar? No Universo manifestado de Assiah nada nasce sem sexo, nem um pensamento,
mas Yesod é também passagem para um outro universo, qual será a chave dessa porta? De
sobre maneira as fundações de um ser definem um tanto sobre o que somos e de onde
viemos, podemos até citar um “do pó vieste ao pó retornarás”, mas “Ai daquele que na Glória
do momento de um beijo de Nuit lhe der pó...”. O sistema simpático e parassimpático também
fundações do corpo trabalhando em estímulos e desestímulos viscerais, os dois trabalham em

4
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

harmonia para a coordenação da atividade visceral adequando o funcionamento de órgãos as


diversas situações no qual é submetido, não esqueçamos que tudo na vida são glândulas
endócrinas e plexos solares e esplênicos.

Ah sim que gana! Que força! Que tesão! Sim que tesão! Que instinto, adentramos em
outra poderosa força física e animal que nos trouxe até aqui e assim no terceiro aspecto ou
consideração.
Yesod está associada à forte imagem primal e aos sentimentos de nossa natureza
animal. Não é necessário ficar imóvel de corpo e mente por longos períodos de tempo todos
os dias, mas para alcançar a perspectiva em Yesod é necessário dominar Asana, isto é, estar
verdadeiramente imóvel e confortável por um momento. Pode levar mais de um ano de
prática diária para alcançar algum sucesso, Pranayama lhe ajudará no restante principalmente
no quesito do que fazer e como se comunicar, e vivenciará o Ritmo, depois de certo domínio
de ambos, nós acessamos o plano astral através de nossas mentes subconscientes, ou como
Freud queria: o inconsciente. O oculto está oculto sob a superfície, no reino do inconsciente, o
reino instintivo lunar.

A partir disso, nossa quarta consideração esclarece que alguns cabalistas dizem que
o universo manifesto é uma expulsão espiritual da "queda" denotada em Gênesis. Daí uma
alusão ao Corpo que é o Nephesch; geralmente se refere a Yesod, mas em Assiah o
processamento de energia que circula pelo corpo, assunto que ainda ousarei abordar mais a
frente. O mundo dual é "o todo" e Yesod é a base ou a Fundação na manifestação dual. Yesod
é também o portão que abre o universo Yetzirático, onde a sephirot ganha a alcunha de
fundação da Psiquê, local onde a humanidade forma a imagem que fazem parte de seus
corpos, no indivíduo representa o impulso sexual e todos os outros reflexos de sobrevivência
é também o lar do inconsciente coletivo de Jung, "contém toda a herança espiritual da
evolução da humanidade", então existem dois métodos de estudar o inconsciente coletivo:
Mitologia e Análise, segundo Regardie a maioria das travas psico sexuais da humanidades
reside nessa esfera, não à toa alguns cabalistas chamam esse processo de fundação de Zelem,
ou o vaso de sombras no qual o corpo é moldado e alcança a maturidade, assim como outro
título de Yesod “a Tesouraria de Imagens” ou as relações das personalidades arquetípicas que
são um reflexo zodiacal, tema sobre o qual aborda o Liber 963 ou CMLXIII Θησαυρου
Ειδωλων.

As fundações do ser, tratam do inconsciente em si mesmo o reflexo do Sol, reflexo de


Neshama , a parte astral de Nephesh, Todas, ou quase todas, as características atribuídas
pelos psicanalistas ao subconsciente são analogamente atribuíveis a Nephesh, ou ao menos
àquele aspecto de Nephesh que diz respeito aos instintos e impulsos, e que atua como um
depósito automático de sensações e impressões, tal como a expressão inconsciente coletivo
pode muito bem ser aplicada ao nosso conceito de luz astral. Todos os instintos fundamentais
de um homem, os impulsos radicais primários ou condicionamentos que ele vivencia,
pertencem ao fundamento do qual toda a energia vital flui.

5
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

O mecanismo do Universo parte do pré suposto da visão de que você é o centro do seu
próprio Universo, seu Sol, solis internum, mesmo isso escrito e escancarado em muitos lugares
tende a passar despercebido, toda a vez que isso é negligenciado o universo nos ataca com os
trancos dos vícios elementais que na medida que estamos um pouco mais despertos as
rebarbas se tornam mais fortes, alguns chamam isso de distração.

Assim nosso 5º apontamento é que ao receber o reflexo do Sol ou as emanações da


Lua, nosso Sol menor vemos o binômio de que mudança é estabilidade, e estabilidade é
mudança, a mudança da equação refere se a volatilidade do elemento Ar e do Ruach que são
as forças predominantes em Yesod e de certo modo o gerador de nossos obstáculos, aqui
encontramos a sutil substância eletromagnética na qual todas as forças superiores estão
focalizadas, o éter, e constitui a base ou modelo final sobre o qual o mundo físico é
construído. Sua atribuição elemental é a do Ar, sempre fluindo, mudando, e em um fluxo
constante - mas por causa desse fluxo, em perpétuo, O Zelator quebra a ilusão da duração e
rigidez da manifestação terrena representada por Saturno - O Universo do Tarô e se liberta da
percepção de aprisionamento. A percepção é que não há permanência real no mundo e, no
esquema maior das coisas, temos pouca importância. A liberdade ante a distração que tende a
turvar as ideias de permanência, ou seja, aquilo que fica. (which that remains). Antes desse
autoconhecimento é necessário a vivência das imobilidades e do ritmo, fora disso vira tudo
mera especulação.

Na 6ª consideração trataremos ainda que poeticamente de uma definição de caminho,


não intelectual embora, sabemos que cada um escolhe por si manifestar em seu microcosmo
ou em seu macrocosmo sua visão aspirada, fruto das suas bases piramidais já construídas e
agora ampliadas por sua vontade. As formas fugazes e o movimento de “maré sonsa” de
Yesod com todas as suas implicações constituem a permanência e uma estranha sensação de
segurança do mundo físico, o prazer remete uma sensação de segurança enquanto a dor é um
lugar onde o prazer aparentemente descansa. Com o passar do tempo a segurança se
transforma na prisão do Ruach, daí a necessidade da mudança, pois é nas trocas de marés, nos
períodos de calmaria e solavancos do mar que se pode zarpar com perspicácia enquanto a
estabilidade consiste na visão do SAG experienciado nos quatro noves arcanos menores do
tarot de Thoth. Estabilidade é mudança.

De modo que Marte em Gêmeos (nove de espadas, Crueldade) seja sempre uma agonia
mental onde o Ruach é consumido em beligerância da instabilidade (um inquisidor que se
sentencia e se consome na própria fogueira), porém pode se transformar em uma força (ainda
que desvairada) poderosa de dissolução de males físicos se corretamente utilizada ou uma
fúria dos apetites em grosseria sem refinamento, necessária mudança. A carta Ganho (nove
de discos, Vênus em Virgo), dá o argamassa da estabilidade desde que mantenhamos a visão
do SAG em mente o que via de regra ocorre é um ordálio da estagnação muito bem salientado
no Taoísmo a combinação dos discos ou moedas nesta carta quando visualizados por muito
tempo costumam pregar peças, sua coloração verde e rosa inevitavelmente me lembra alguns
sambas da Mangueira, e sua marcação rítmica estável, mas seguindo. Em Felicidade (nove de

6
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

copas, Jupiter em Piscis) temos peixes em toda sua ilusão no Ar, ou seja, é uma carta de júbilo
pois é o mais benfazejo aspecto da água, corresponde a Laetitia entretanto o apego ao
momento estável pode ser sinal de perigo. E em Força (nove de bastões, Lua em Sagitário)
temos a simbologia dupla da Lua na arvore da vida, a carta representa em si o trabalho de
Yesod, de tudo que foi escrito até aqui, em Liber 418 no décimo primeiro Aethyr IKH nos
revela coisas interessantes, e simboliza em si a mudança e a estabilidade, equilibrando isso
tudo mais a visão do maquinário, a mudança garante a ordem da Natureza.

O 7º ponto é: Qesheth como a conclusão da provação de Zelator em Yesod alude à


conexão mística entre Yesod e Da'ath (o Abismo). Qesheth então finalmente traz o Aspirante
para Hod e então a flecha se inclina para a esquerda na Árvore, em vez de diretamente para
Tiphareth (o que requer o sucesso do percurso de Paroketh) tanto quanto de Tiphareth, a
flecha se curva para a esquerda na Árvore, trazendo o Aspirante para Binah ao invés de
Kether, o zelator se lança a esquerda buscando o equilíbrio intelectual, a comunicação verbal e
não verbal em Kokab ou em Reqia depois a direita buscando o equilíbrio emocional e ardente,
as mobilidades padrões de Nogah ou Shechaqin somente depois disso e ouvindo os reflexos
de uma conversa que se iniciou há algum tempo ele volta da onde saiu, um passo à frente
ainda vendo e recebendo o esplendor através de um véu, Tiphareth, que é o Sol, e chove sobre
Yesod. É essa luz que deve ser adorada e vista como o ponto de partida da ascensão da
Consciência. Essa luz que é vista pela primeira vez em Yesod é a luz fraturada do Véu de
Qesheth. É a fonte da infinita diversidade da vida - as muitas estrelas e suas órbitas e seus
sistemas, a partir daí resta me o silêncio.

A 8ª consideração sobre o ponto de vista do trabalho em Yesod, é o Svadisthana


Chakra, o lótus de seis pétalas ou o chakra da lua crescente, sempre associado aos órgãos
sexuais. Aqui devemos aprender a volitivamente direcionar nossa energia sexual e criativa,
procurando vencer a inércia, a ira, a dispersão e a morbidez emocional, todas distrações. No
lugar de habitação do eu, nossa prática é pessoal e claro o que é bom para um pode não ser
para o outro, toda prática do ponto de vista Thelêmico é sempre em direção à Grande Obra,
pode ser um mantra, uma visualização, uma asana ou tudo isso junto, por isso temos em Liber
AL,1: 52, "... se o ritual não for sempre para me: então esperai os terríveis julgamentos de Ra
Hoor Khuit!" Uma boa dica de prática é sempre procurar levar as sensações para o corpo
físico, pois novas formas de comunicação acontecerão. Todos que se descobriram como
centro de seu próprio universo, devem percorrer sua órbita soberana, provações ou ordálias
irão ocorrer até para que cada um tenha sua trajetória testada.

9ª consideração:
Imobilidade que também é responsável por desfazer a consciência automática e
anatômica além de destruir as rupturas do corpo estático também se chama ASANA.
O Ritmo de foles que desfaz a consciência psicológica e destrói os condicionamentos
involuntários do corpo Rupa, também se chama PRANAYAMA.
Asana e Pranayama são suas ferramentas mais importantes para os que desejam o sucesso
pois há também os aluados.

7
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Força e fogo são de nós.


H418
hoor@abadiadethelema.com

Referências Bibliográficas:
Livro de Thoth Aleister Crowley
Liber 333 Aleister Crowley
Curso Tarot de Thoth - Frater QVIF
O Caminho da Kaballah Zev Ben Shimon Halevi
O trabalho do Kaballista Zev Bem Shimon Halevi
The complete Golden Dawn Israel Regardie
Tree Work and Tarot Tableus Madonna Compton
New Aeon Magick Gerald Del Campo
Self Initiation into the Golden Dawn Tradition Chic e Sandra Cicero

8
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Iniciação e contrainiciação

Em todas as Sociedades, Ordens ou Fraternidades existentes desde tempos imemoriais


existem cerimônias de iniciação para receber e preparar o candidato aos novos conhecimentos
ou mistérios mais avançados, além de colocá-lo no caminho (odós em grego). Alguns chamam
de “entrar na via de perfeição”. A palavra “iniciar” provém do latim initiare, de onde “iniciação”
adviria de initium, no caso significando “início ou começo”. Initiare é derivada de duas outras:
in, para dentro, e ire, ir, originando a noção de ir para dentro, penetrar ao interior e começar um
novo estado de coisas. Por isso o candidato fica só, consigo mesmo, nas antecâmaras. Este
estado interior – o de iniciado – é reconhecido, desde tempos imemoriais, como um estado
difícil de ser alcançado e, mais ainda, de ser compreendido mesmo que intelectualmente. Ser
um iniciado, no sentido amplo e total, implica na qualidade de buscar a perfeição física, moral,
mental e espiritual. Nestes quatro campos da constituição do ser, como que em um convite
para os quatro mundos da Cabala, nas suas muitas árvores.

Dessa forma, a Árvore da Vida, ou Otz Chim, pode servir como um mapa simbólico dos
ordálios a serem enfrentados, bem como na localização do caminho onde se encontra ou onde
precisa chegar. Uma bússola para os iniciados das tradições ocidentais.

Pode-se ver a importância de tal palavra – iniciado, em seu sentido mais amplo,
também no Oriente, onde tal palavra é considerada sinônimo, muitas vezes, para o estado de
iluminado. Nas escolas ocultistas, a iniciação ao grau inicial é o primeiro passo na via que, em
primeira instância, nunca se completará. Para alguns, isso se dá após Daath, no grau de Mestre
do Templo, quando outra etapa da senda de realização se apresenta. Assim, vemos a
necessidade do estudo constante para aqueles que adentram na via iniciática, seja mística ou
ocultista, algo que se faz evidente desde a sua recepção. Compreender o verdadeiro valor e
sentido de tudo o que se passa com cada um é dever para todo buscador sincero, pois o
estudo faz parte dos trabalhos de construção do seu Templo interior. Vejamos Liber Tzaddi vel
Hamus Hermeticus, de V.V.V.V.V., em algumas de suas passagens:

1. Em nome do Senhor da Iniciação, Amém.


23. Existe alegria no começo; existe alegria na jornada; existe alegria no objetivo.
26. O fraco, o tímido, o imperfeito, o covarde, o pobre, o lamurioso – estes são meus inimigos, e eu
vim para destruí-los.

Um princípio emancipador diz respeito aos direitos naturais de todos os cidadãos de


um Estado, e que garante a liberdade civil ditada pela Constituição. Temos a liberdade moral,
própria e pessoal de cada indivíduo, e que se manifesta pelo livre arbítrio de escolher entre o
bem e o mal não só para si como para os demais indivíduos da sociedade. É uma regra
sociológica por si só, na qual a utilização do livre arbítrio é uma das condições mais difíceis
para o ser humano, como se pode averiguar pela história humana. A iniciação não pode estar
em conflito com o que restringe a liberdade de consciência e de pensamento, pois são

9
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

atributos inerentes a todos os homens, sem distinções de qualquer tipo, desde o nascimento.
São valores de ordem metafísica na busca pelo conhecimento e a verdade. Luz, vida, amor e
liberdade, eis um padrão iniciático a ser medido por aqueles que escolhem determinado
caminho. Se não somos livres, por consequência somos escravos: “Eu sou único e
conquistador. Eu não sou dos escravos que perecem. Sejam eles danados & mortos! Amén
(Isto é dos 4: existe um quinto que é invisível, & ali sou Eu como um bebê em um ovo)”. (Liber
Al vel Legis, II:49).

Conhecimento e verdade são alicerces para uma sociedade mais justa e, para alcançá-
los, deve-se ser livre. Assim, um homem que não seja livre em todos os sentidos não pode ser
iniciado, isso para o cumprimento de nossos deveres. “A palavra de Pecado é Restrição” (Liber
Al vel Legis, I:41). Ainda, como nos diz A. Crowley em “O Dever” (Seu dever para com a
humanidade, nº 1): “Portanto é incumbência de todo homem e toda mulher dar os passos
adequados para obrigar as revisões de todos os estatutos existentes com base na Lei de
Thelema. Sendo esta Lei uma Lei de Liberdade, o objetivo da legislação deverá ser o de
garantir a mais ampla liberdade para cada indivíduo no estado, abstendo-se de que qualquer
ideal positivo é digno de ser obtido”.

Na liberdade procuramos a grande fraternidade entre os homens e as mulheres neste


novo Aeon. Todos devem ter os mesmos direitos e oportunidades, independente de diferenças
de qualquer natureza e priorizando o amor, tema central de qualquer iniciação em Tradições
que busquem a elevação da humanidade a novos patamares. Somos irmãos e irmãs no seio de
uma grandiosa família universal, pois como também já nos diz o Livro da Lei, “Amor é a Lei,
amor sob vontade”.

No texto “Das consagrações: com um Tratado da natureza e da criação do elo mágico”,


Mestre Therion explicita ainda que os trabalhos de magia envolvem a iniciação em si mesmo
no seu sentido mais elevado, e que isso é um passo no Absoluto. Sem dúvida uma tentadora
expressão para o que muitos negligenciam: o valor dos rituais de passagem. O “Liber Cordis
Cincti Serpente”, em seu Cap. III:3, por exemplo, nos dá uma excelente amostra: “Então a
palavra de Adonai veio a mim pela boca do meu Mestre, dizendo: Ó coração que estás
circundado pelas espirais da velha serpente, erga-te até a montanha da iniciação!”

Em “Liber Cordis Cincti Serpente”, no cap. V:2, vemos que esse processo também é uma
entrega: “Não é o céu estrelado sacudido como uma folha ao trêmulo êxtase de vosso amor?
Não sou eu a esvoaçada fagulha de luz arremessada longe pelo grande vento da vossa
perfeição.” Tal entrega pressupõe a liberdade individual, mas que busca o encontro com algo
mais alto, mais sagrado do que o ego individual. E então, através dessa entrega, se depara com
a serpente que envolve seu coração e o domina por todo o caminho. Essa analogia é
profundamente gnóstica, deixando subentendido que o conhecimento “libertador” está
vinculado à via cardíaca.

10
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

O próprio mestre Therion, no “livro das mentiras” - Liber 333, comentário 73, “O diabo,
o avestruz e a criança órfã” diz sobre a iniciação:

O parágrafo 1 implicaria num dogma de morte como a mais alta forma de


iniciação. Iniciação não é um simples fenômeno. Qualquer iniciação deve ter
seu lugar em vários planos, e não é conferida sempre em todos estes
simultaneamente. Percepção moral e intelectual da verdade muitas vezes,
alguns diriam comumente, precedem as percepções espirituais e físicas.
Alguém seria tolo de alegar iniciação, a menos que esta fosse completa em
todos os planos. (…) O parágrafo 4 identifica a recompensa da iniciação com
a morte; é a parada de tudo aquilo que chamamos vida, num modo pelo qual
o que chamamos morte não o é. 3, prata, e a lua, são correspondentes a
Gimel, a letra da Aspiração, posto que Gimel seja o caminho que conduz do
Microcosmo, em Tiphareth, ao Macrocosmo, em Kether.

Da análise dessa passagem, podemos inferir que a iniciação promove uma mudança
radical na visão de mundo que o iniciado passa a ter. A morte é a morte do ego do aspirante,
ou seja, de sua natureza inferior, visando abrir espaço para um Estado Superior de
Consciência.

Além disso, o processo iniciático não se dá em todos os planos simultaneamente. É um


erro pensar que somente passando por um ritual, por mais elaborado que ele seja, será
suficiente para que o adepto se considere iniciado. São raros os casos que isso se dá e
demanda não só de uma ritualística bem-feita e bem idealizada, mas de um adepto que esteja
verdadeiramente apto para tal, coisa que é bem rara. O processo de dissolução e
reorganização da visão de mundo do aspirante ocorre de forma automática. Somente a
aspiração é voluntária, todo o resto, o reflexo e reverberação dessa aspiração em todos os
planos espirituais ocorrem sem a direta ação de qualquer pessoa, só a Verdadeira Vontade que
permite essa reverberação.

Essa tal morte do ego, é justamente a carne se desprendendo dos ossos, como
apresentada em tantos mitos iniciáticos como o esquartejamento de Osíris, a morte de Hiram
e a crucificação do “Cristo”.

Quanto à contrainiciação, não há muito o que se dizer. Possuindo em si a ideia contrária


de tudo o que se relaciona com a iniciação, ela busca desviar o buscador dos propósitos
descritos anteriormente neste texto. Se “Todo homem e toda mulher é uma estrela”, como
vemos em Liber Al vel Legis I:3, toda busca que permita a interferência em outras órbitas não
pode ser a senda do SAG. Ainda citando o texto “O Dever”, lembremos que: “Avançai, ó
crianças, sob as estrelas, e tomai a vossa plenitude de amor” (I:12), cujo comento é: “Uni-vos
apaixonadamente com todas as outras formas de consciência, assim destruindo a sensação de
separação do Todo, e criando um novo patamar no Universo a partir do qual possa medi-lo”.
Se há, pois, o intento da destruição da separação do Todo, nada pior do que a contrainiciação

11
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

proposta por falsos magos em falsos caminhos. O obscurantismo da estrutura de


determinadas organizações, assim como a descida “desenfreada” pelas Qliphoth, indicam ou
dão sinais de um caminho perigoso no sentido da futura falta de liberdade na qual o buscador,
ou buscadora, irá adentrar.

Os ditos demônios não existem somente nas Qliphoth, mas também em nós mesmos,
sendo partes de nosso subconsciente, partes das forças das estruturas de nossos cérebros.
Essas estruturas, quando agem de forma a impedir ou interferir em nosso progresso iniciático,
agem conforme demônios. Destruir não é a forma correta de lidarmos, pois dessa forma
estamos nos mutilando. O correto é subjugar e dominar as forças cegas de nosso ser. Esses
aspectos representam a aversão, a separação da existência. Ao afastá-las negamos a
possibilidade de desenvolvimento da capacidade de manifestação mais sutil daquilo que elas
são capazes de produzir em nosso ego. Este é a base do erro que os “irmãos negros” incorrem.
As mesmas ditas forças demoníacas são as forças de evolução do universo. Os demônios só se
rebelam quando aspiramos a um plano superior de existência, quando tentamos evoluir além
da massa, acelerando nosso processo evolutivo.

Segundo Marcelo Motta, os “magos negros”, aqueles que ascenderam a um grau


superior da iniciação e deturpam o trabalho visando seus próprios interesses egoístas,
trabalham na contrainiciação: deturpam um sistema iniciático válido e acabam, muitas vezes,
por organizar uma religião amaldiçoada ou organizações contrainiciáticas. Em alguns casos, o
aspirante entra na senda, mas sua aspiração não é pura, seu comprometimento é fraco, sua
disciplina é falha. Com isso temos os ordálios e os ditos “demônios internos”, estes enquanto
reflexos de nossas estruturas cerebrais se manifestam, e tiram o aspirante do caminho real da
iniciação. O “irmão negro” é aquele que não consegue subjugar esses demônios internos à sua
Verdadeira Vontade.

Enquanto a iniciação busca levar o aspirante a uma ressignificação de sua consciência,


elevando-a a estados superiores, a contrainiciação leva à estagnação e a condição de
escravidão. A iniciação leva a uma transformação radical de sua visão de mundo. Passamos a
ver o mundo com novos olhos, como uma criança, redescobrimos a realidade. Essa
ressignificação se torna maior quanto mais planos espirituais atinge. Em uma possibilidade
extrema, a contrainiciação poderia levar até mesmo a loucura, ao descontrole total de si
mesmo.

Desse ponto, o autocontrole promovido pela iniciação e autoconhecimento nos leva a


reger nosso Microcosmo. Ao controlar nosso Microcosmo, abre-se a possibilidade de controle
do Macrocosmo. Partindo do ponto de vista thelêmico, podemos citar “Liber al vel Legis”
(I:61):

Porém, me amar é melhor do que todas as coisas: se debaixo das


estrelas noturnas no deserto tu presentemente queimas incenso perante
mim, invocando-me com um coração puro e a chama da Serpente ali, tu

12
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

virás a repousar um pouco em meu seio. Por um beijo tu estarás então


disposto a dar tudo; mas todo aquele que der uma partícula de poeira
perderá tudo naquela hora. Vós devereis reunir bens e fartura de
mulheres e especiarias; vós vestireis ricas joias; vós excedereis as nações
da terra em esplendor e orgulho; mas sempre no amor de mim e então
vós vireis ao meu prazer. Eu vos ordeno seriamente a vir perante mim
em um robe único, e coberto com um rico ornamento na cabeça. Eu vos
amo! Eu vos desejo! Pálido ou púrpura, velado ou voluptuoso, Eu que
sou toda prazer e púrpura e embriaguez no sentido mais íntimo, vos
desejo. Colocai as asas, e elevai o esplendor enrolado dentro de vós:
vinde a mim!

Portanto, o caminho da contrainiciação também é uma escolha, pois todo homem e


toda mulher é uma estrela. E quando chega a hora de cruzar o abismo, se o anjo ainda estiver
inteiro, com suas asas rufando em seu rosto, e o medo da dissolução devora o iniciado,
provavelmente o mesmo se tornará um irmão negro.

Entretanto, é importante também lembrar que nada é eterno, e a gravidade sempre nos
puxa para o centro que na árvore é Kether. Sendo assim, mesmo que em algum momento o
iniciado tenha se enveredado pelos caminhos da contrainiciação, a natureza encontrará um
jeito de se reequilibrar e trazê-lo de volta à rota original.

Por fim, como sugestão, além dos textos aqui mencionados, indicamos o podcast
“Sabedoria Arcana”, episódio 1, que trata justamente do tema aqui abordado, “Iniciação e
contrainiciação”, encontrado no endereço:
https://www.sabedoriaarcana.com.br/podcast.

Além, é claro, de todos os textos de Marcelo Ramos Motta e seus respectivos


comentários, muitas vezes abordando o assunto. Por exemplo, de sua obra “Ataque e defesa
astral”, reeditada recentemente no Brasil numa parceria entre a Sabedoria Arcana e a Abadia
Het-Heru, com prefácio do Irmão Qvif, do Cap. VI trazemos a lembrança e destacamos:

Tentar impedir, ou subverter, a livre expressão da vontade espiritual de


qualquer ser vivo é uma forma de magia negra. Diz o Livro da Lei: “Tu
não tens direito a não ser fazer a tua vontade. Faze aquilo, e nenhum
outro dirá não”.

Frater Gimel 93
Frater Sendivogius
Frater Djedji

13
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Lisa The Goat

14
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Muitas órbitas, muitos espíritos

Olá a todos, 93.

Um dos assuntos mais polêmicos por ser fato de muita curiosidade e pouquíssima
literatura entre os thelemitas é a questão do Sagrado Anjo Guardião.

Alguns defendem a ideia de que ter a Visão e Conversação do Sagrado Anjo Guardião,
uma experiência essencial para o Thelemita membro da A∴A∴, é uma coisa dificílima, só
alcançável por seres que se isolam para uma dedicação exclusiva. Outros ainda afirmam que
esta experiência, que transforma o buscador em um Adepto, faz desse adepto alguém acima
de outro e qualquer ser humano, tal como um escolhido. Ainda outros, dizem que tais adeptos
são pessoas seríssimas, hieráticas e que estão além da mundanidade, representando uma
verdade, um espirito.

Nem na literatura gerada por Mestre Therion, nem na daqueles que alcançaram esta
condição de Adepto, os pontos acima ficam evidentes ou servem de base para tais afirmações.

A primeira questão que temos que abordar é se o SAG é externo ou interno a nós.

Da história da recepção do Liber Al vel Legis nos dias 8,9 e 10 de abril de 1904 no
Cairo, nos leva a crer que é uma entidade externa a Crowley. Mas quando Lemos o Ofício de
Anthem, na Missa Gnóstica (Liber XV), por exemplo nada nos leva a crer que o SAG não seja
interno.
Isso vai acontecer em toda a literatura de Mestre Therion: ora externo, ora interno. Tem,
entretanto um outro problema, quando é considerado interno, é muitas vezes, apontado como
nosso "EU"(ou segundo alguns teosofistas o Eu Superior), que é diferenciado, é claro, do nosso
ego personalidade.
Alguns, se recusam a esta explicação e existe, nitidamente, duas opiniões entre os thelemitas
sobre a natureza do SAG, assim compartilho com vocês mais um causo.

Questionado sobre isso, em uma reunião na casa do Euclydes Lacerda de Almeida


(Frater Aster) em julho de 1992 ev., o velho mestre nos informou: " O Marcelo Motta discutiu
muito comigo sobre isso, afirmando que Karl Germer (Frater Saturnvs), o havia convencido de
que o SAG é tanto interno, quanto externo, sendo esta última natureza, uma projeção da
primeira".

"Fantástico", disseram os presentes, e alguém, não me lembro mais, perguntou: "Mas


isso é difícil, não é? Não consigo entender como chegar a tal altíssima condição espiritual".
Frater Aster, com aquele jeito zombeteiro não perdeu a oportunidade e completou: "Meu
nego, respirar é lá 'altíssima condição espiritual'? Preste atenção numa coisa, a Visão e
Conversação do Sagrado Anjo Guardião é uma condição natural, tão natural como respirar ou
você pensa que a condição em que você vive agora é que é a normal?"

15
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

A seguir, o velho Mestre discorreu sobre alguns pontos que considerou essenciais e
que, até então não tínhamos acesso à informação. Nos disse que lêssemos e relêssemos os
Pequenos Ensaios em Direção à Verdade e o Coração do Mestre. Que buscássemos traduzir o
processo em termos cabalísticos, em Nephesh, o Ruach e o Neshamah. Que, estudando esta
relação, entendêssemos que, teoricamente, há polaridades envolvidas; que sendo assim, a
Visão Central de Thipharet que está em Ruach é oposta àquela que está em Yesod, que está
vinculada ao Nephesh (Sol e Lua) e como tal, para que haja uma verdadeira experiência de
Conversação, há de se notar que o, SAG de um homem se mostra como uma mulher e/ou vice
versa, além de certas considerações sobre os mundos de Yetzirá, Beri’ah’ e Aziluth. Enfim
desse casamento, vem a "voz", aquela que nos guiará, Nosso(a) Verdadeiro(a) Mestre(a),
representando por um Anjo, uma figura que na cultura ocidental é andrógina, bem a calhar
não acham?

Teoricamente o Caminho foi dado... Na Prática, cada um dos exercícios dados, de


maneira progressiva, mais a leitura direcionada, nos faz caminhar por cada uma das Sephiroth
trabalhando nossa percepção, preparando-nos para esse Casamento Alquímico, até que
cruzamos um Véu e, então, esta união terá uma imagem e essa imagem nos dará um nome,
que será nosso Verdadeiro Nome. E como aquele que cruza um rio, não precisa mais do barco
e não precisa levá-lo, assim quem realizou este casamento não precisa mais dos rituais de
outros, pois agora ele tem a "Visão e a Voz" própria.

Esses dois parágrafos acima foram a minha versão ou compreensão das palavras de
Frater Aster, que hoje não me lembro literalmente, mas ele terminou dizendo que Marcelo
Motta estava certo, isto que é, que SAG é interno a nós como realização mágicka e externo
como projeção. Justificou também, porque Motta havia mudado a perspectiva da sua
manifestação da (S)O.T.O. dos rituais elaborados e abandonados por Crowley, para uma
baseada nas chaves do Livro A Visão e a Voz (Liber 418), o que o velho Mestre usou, tendo
elaborado seus dois livros chaves "A Deusa Negra e Meu Verdadeiro Nome".

É nisso que está meu respeito a Frater Aster e seu trabalho. Não em tapinha nas costas
ou pretensas proclamações de frequência à casa ou contato com o velho Mestre. Euclydes era
arredio com a questão do segredo, pois não é conhecê-lo que o invalidamos, é não
experimentarmos que o desperdiçamos. Como legítimo membro da A.'. A.'. ele proclamava "
Mistério é inimigo da verdade". Vide o Postulado da Magia (vide Magick Parte III, introdução. -
O que é Magick).

Boa reflexão a todos.

93.93/93

Frater QVIF

abadiahetheru@gmail.com

16
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

O Agente Mágico do Destino

Muitas vezes, como praticantes de alguma técnica do caminho espiritual, podemos nos
perguntar qual é a função do desejo nas nossas vidas e, sobretudo, na nossa prática. Existem
muitos caminhos e religiões que propõem que a melhor forma de atingir estados elevados de
espirito é abandonar todo desejo e apego às aparências e coisas materiais, porque neles não
poderemos encontrar a felicidade genuína. Entretanto, na Índia, e talvez como efeito colateral
das crenças religiosas lá estabelecidas, surgiu uma proposta na qual o desejo ocupa um papel
fundamental, sendo considerado como uma manifestação da verdadeira natureza da mente e
constituindo a via para se atingir o siddhi 1 supremo; estamos nos referindo ao Tantrismo. O
termo Tantra, assim como o que se entende como filosofia tântrica, é bastante complexo de
definir e, geralmente, os académicos que tem se dedicado ao estudo histórico e filosófico do
Tantra preferem trabalhar na base de uma definição construtiva, isto é, não uma definição
fechada mas sim aberta - o que a torna ao mesmo tempo, paradoxalmente, em uma definição
problemática. Desde outros setores, o termo Tantra parece a aludir a uma infinidade de coisas,
mas sobretudo ao que implica sexualidade. Dada a complexidade deste tema, é impossível
para o presente trabalho fazer uma exposição completa sobre as bases históricas e o
desenvolvimento da filosofia tântrica e sobre sua problematização, assim que nos limitaremos
em falar do aspecto que se relaciona com a técnica de sigilização proposta por Spare.

Antes de tudo, seria interessante mencionar que os caminhos tântricos se desenvolveram


de forma diferente se falamos da Índia ou se falamos de Nepal ou Tibet. Também, nos referir
ao Tantra como algo que necessariamente involucra sexo ou práticas que, de alguma maneira,
envolvam sexualidade é errôneo, já que existem textos anónimos (por exemplo, alguns
recolhidos no Sadhanamala2) aonde praticantes solitários expõem suas práticas e expressam,
ou pelo menos parecem dizer, que tinham renunciado às praticas físicas de sexo. De fato, os
estudos históricos e arqueológicos demonstram que praticas sexuais yogi-eróticas estavam
presentem em tradições pré-tântricas e em outras que não se enquadram dentro do que
poderia se considerar uma tradição tântrica. Parte da dificuldade de falar sobre Tantra vem
basicamente de duas fontes: primeiro, do fato que de que os primeiros que trouxeram o
conhecimento dessas práticas para o Ocidente eram geralmente missionários católicos que
estavam longe de entender o que estavam vendo, e que não conseguiam enxergar mais do
que um grupo de pessoas degeneradas e possuídas pelo demônio. E, em segundo, também
que o Tantra é a confluência de várias escolas filosóficas e místicas que, em certo momento,

1 Siddhi é um termo sánscrito que significa realização, logro ou poder, sobretudo da mente. Nas diferentes
filosofias e escolas místicas que se desenvolveram na India, podemos encontrar que eram considerados
siddhis o levitar, o conhecer das vidas passadas, o realizar de qualquer desejo, o controlar as forças
naturais, o tornar-se muito pesado ou muito leve ou o ir de um lugar a outro sem ser visto ou notado. No
Budismo Vajrayana, ou Budismo Tántrico, também se fala de siddhis como os enumerados anteriormente,
e do siddhi supremo que seria a realização da verdadeira natureza da mente.
2 A palavra Sadhanamala quer dizer algo assim como “guirlanda da realização” e alude a uma compilação
de textos ritualísticos (sadhanas) escritos por vários autores, muitos deles anónimos. Os diferentes textos
parecem ter sido escritos entre os séculos V e XI aproximadamente e reunem práticas mágicas de muito
rico conteúdo dirigidas a propósitos mundanos, como sucesso material, proteção contra pragas ou
inimigos, assuntos amorosos, mas também contém rituais orientados a obter elevadas realizações
espirituais. O Sadhanamala contém um total aproximado de 312 textos de acordo com o grande estudioso
e académico Benoythosh Bhattacharyya (1897-1964).

17
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

deram origem ao que hoje é divulgado como Tantra. Em realidade, seria mais seguro falar de
uma filosofia tântrica mais do que de Tantra em si.

Essas várias formas religiosas nós podemos decidir chamar de Tântricas para diferenciá-las
das formas mais antigas ou diferentes das mesmas religiões, mas não devemos tentar
separá-las como uma entidade religiosa particular que escolhemos chamar de Tantrismo,
uma entidade que provavelmente nunca existiu como tal.3

Um aspecto muito importante das religiões ou caminhos espirituais tântricos é a


predominância do culto a divindades femininas em uma forma ou aspecto feroz ou irado. Esta
característica é predominante sobretudo naquelas divindades que se relacionam com a
eliminação de obstáculos, a abertura dos caminhos e a prosperidade. As práticas consideradas
tântricas foram fortemente criticadas e até proibidas durante algum tempo, na que parece ter
sido sua terra de origem, a Índia; mas, quando unidas ao Budismo chegaram a um grande
florescimento em Nepal e Tibete, sobretudo com o surgimento da escola Vajrayana baseada
nos ensinamentos do grande yogi e mestre de diversas técnicas mágicas conhecido como
Padmasambhava. No Budismo que se desenvolve em Tibete, unido às práticas que já existiam
herdeiras do Bon Primitivo, o desejo forma parte do caminho ao reconhecimento da
verdadeira natureza da mente. Estamos falando de um caminho altamente simbólico aonde se
utilizam como base da prática a representação de diversas divindades, em diferentes
manifestações e aspectos, como forma de se representar os diferentes estados da mente.

Muitas técnicas e caminhos espirituais de influencia tântrica começaram a conquistar


fortemente Ocidente, sobretudo desde inicios do século XX, entre elas a Yoga e algumas
escolas Budistas. Também na China, o tantrismo se amalgamou e progressivamente se uniu ao
Taoísmo e ao Neo-Confucionismo. O conceito de Energia é uns dos pilares fundamentais dos
caminhos mágicos e religiosos orientais. Aqui vemos que, na maioria dos tratados que tem
chegado até nós, se dá um ênfase muito grande ao fato de se entender o que a Energia é mas,
sobretudo, sobre como ela se comporta e como ela pode ser manipulada ou gerada. E são
estas as concepções que vão impregnar a mente do artista e ocultista Austin Osman Spare. A
seguir, vamos nos ocupar brevemente sobre o conceito de Energia no qual Spare baseia sua
conhecida e divulgada técnica de sigilização.

De forma simplificada, a técnica de sigilização se baseia na expressão de um desejo, que


logo é plasmado no aspecto material na forma de um símbolo ou conjunto de símbolos ao que
da o nome de sigilo. Mas o que é um sigilo? A palavra sigilo provém do Latim sigillum, que
significa selo. Na Magia Cerimonial europeia, nos livros de práticas mágicas conhecidos
comumente como Grimorios, aparecem muitos selos que eram usados para invocar entidades
espirituais e que são constituídos pelo que parece ser uma espécie de conjunto de signos de
significado oculto. Esses selos não eram aparentemente criados pelos praticantes e sim eram
revelações dadas pelos espíritos. Na Índia, podemos encontrar os yantras que possuíam uma
função similar e cujo uso está longe de ser simplista. Esses yantras tinham diversas funções:
3 André Padoux. “What Do We Mean by Tantrism” em The Roots of Tantra. Editado por Katherine Anne
Harper e Robert L. Brown. (USA, State University of New York Press, 2002), 23.

18
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

desde invocação de divindades até complexos rituais de proteção e cura. Basicamente, são as
escolas tântricas as que usam os yantras como forma de invocação de divindades e espíritos
em geral, mas, também, para representar ou provocar certo tipo de manifestação energética
no corpo do praticante. Geralmente, os yantras podem ser revelados ou comunicados por uma
divindade ao praticante ou podem ser criados pelas pessoas com propósitos específicos.
Tratados anónimos citados por alguns académicos sugerem a criação de yantras com
finalidades de exorcismos, para resolver assuntos amorosos e até para fazer adoecer ou matar
uma pessoa. Também mencionam o uso de materiais como diferentes tipos de pós e tintas
que, unidos a sangue de partes específicas do corpo, ou sangue menstrual, eram usados para
desenhar os yantras sobre papel, pedra ou tecidos específicos, entre outros.

Spare observa que os sigilos, por constituírem um conjunto de símbolos que, para a mente
lógica, parecem desconexos, conseguem acessar realidades que estão além da nossa
compressão baseada na dialética sujeito-objeto de conhecimento. Desta forma, propõe Spare,
podemos criar sigilos para modificar a nossa realidade, como expressão de um desejo.
Basicamente, o que temos que fazer é escrever nosso desejo em tempo presente, e com seus
caracteres ir criando um símbolo ou conjunto de símbolos. Posteriormente, vamos
simplificando seu aspecto até chegar a uma forma que praticamente não signifique nada para
nossa mente ordinária. Quando temos o nosso sigilo criado procedemos à fase principal da
prática: o empoderamento. Para esse empoderamento, diz Spare, precisamos acessar essa
fonte de Energia que reside em nós, aquela fonte de Energia primordial que forma parte do
nosso ser, mas que não acessamos facilmente. Assim, o sigilo se torna uma espécie de ponte
entre uma realidade que queremos criar, que já existe em nós em forma de desejo, e a fonte
da Energia mesma.

O conceito de Energia pode ser considerado o pilar fundamental da técnica de sigilização


de Spare. Este conceito no nosso autor é fortemente influenciado pelos conceitos taoistas que
circulavam na época. Com certeza, as escolas taoistas não são a única influencia no conceito
de kia de Spare, mas é provavelmente no misticismo chinês aonde achamos o seu pilar
fundamental. Nosso autor enfatiza que kia não pode ser expresso nem definido, não podemos
atribuir a ele uma forma ou um nascimento. Ele sempre esteve e está em tudo, e não pode se
esgotar nunca.

Kia transcendendo a concepção, é imutável e inesgotável, não há necessidade de iluminação


para vê-lo. Se abrirmos nossas bocas para falar dele, não é dele [que falamos], mas de nossa
dualidade, por mais que seja poderoso em sua simplicidade inicial! Kia, sem conceber,
produz seu encontro como a plenitude da criação. Sem afirmação, a energia mais poderosa,
sem pequenez, pode parecer a menor entre as coisas. Sua posse é nossa sem pedir, sendo
livre, a única coisa que é livre.4

Para ter uma compreensão cabal de kia e de como funciona em uma operação mágica
devemos de nos aproximar do conceito de qi. O qi é a chave para entender a cosmologia e a
filosofia chinesa, mas esse conceito parece ter sofrido mudanças na sua interpretação ao

4 Austin Osman Spare. The Book of Pleasure (Self-Love), 8.

19
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

longo do tempo. Segundo o estudioso Juwen Zhang, que publicou uma tradução e
comentários do Zang Shu5 escrito por Guo Pu, a palavra qi etimologicamente é um substantivo
que significa ar, derivando de nuvem. Mas que, em diferentes tratados, tem sido traduzido
como principio material, éter ou força, força vital, grande hálito universal, poder ou energia, e
também como essência vital. Esta última interpretação é a que predomina no pensamento de
Lao Tzu6 e, portanto, na filosofia Taoista em geral.

O autor Laszlo Legeza diz que o qi é o espírito cósmico que vitaliza e dá vida a todas as
coisas, dando energia aos seres humanos, fazendo a agua se mexer e as plantas crescerem.
Continua dizendo que é exalado pelas montanhas, que são onde os espíritos residem, e desta
forma a fumaça do incenso ou da erva que queimamos representa simbolicamente o qi que
reside em tudo e que é origem de tudo. Nesta concepção, uma vida não acaba, somente se
transforma constantemente. A impermanência nestes termos pode ser definida como um
constante de fluxo de geração que possibilita a existência mesma.

Na concepção chinesa, quem consegue entender como funciona ou como se movimenta o


qi é quem atinge a sabedoria, consegue modificar sua realidade e até banir espíritos
malévolos. A astrologia chinesa fornece uma explicação da forma em que o qi estava
configurado no momento em que nascemos e, desta forma, podemos explicar as nossas
circunstancias e também conseguir modifica-las ao nosso favor. O Feng Shui nos mostra a
configuração energética da paisagem, da nossa casa, mesmo tendo sido inicialmente uma
técnica aplicada às práticas funerárias, como nos mostra o Zang Shu. Mas, o qi também
representa a energia sexual. Algumas fontes dizem que os órgãos sexuais são grandes veículos
da força primordial. Desta forma, uma pratica sexual qualquer é um ato mediante o qual a
Energia Cósmica se manifesta. Provavelmente este seja um dos motivos pelo qual Spare
propõe como uma das formas de empoderar sigilos o clímax sexual. Segundo ele, quando o
clímax é atingido se manifesta ou acessamos a fonte mesma da Energia Primordial, através da
qual o sigilo se empodera e o desejo se plasma na nossa realidade. Em Spare, o sigilo adquire
um caráter sagrado: ele é capaz de integrar o desejo e a intenção, mas ao mesmo tempo se
torna energia gerativa.

Esta força ou Energia Primordial pode ser pensada como o Grande Agente Mágico se
lembramos de Eliphas Levi. Esse autor expressa que, mediante o direcionamento deste
Agente, é possível saber o que acontece em outras partes quando não estamos presentes,
fazer acontecer durante a noite o fenômeno do dia, mudar o curso das coisas e até curar ou
5 Zang Shu, também conhecido como O Livro dos Sepulcros, foi escrito por Guo Pu entre os anos 276 a
324. O Zang Shu é uma obra muito importante para entender conceitos básicos da cultura chinesa no que
se refere à Geomância. É considerado a primeira obra que define os conceito fundamentais do Feng Shui
(o estudo do espaço físico e das forças na natureza para lograr uma integração harmônica). Como o Zang
Shu mostra, inicialmente o que hoje conhecemos como Feng Shui se aplicava aos sepulcros baseando-se
na crença de que do bem-estar dos ancestrais depende a felicidade, sucesso e abundancia do resto da
família. Atualmente existem muitas escolas de Feng Shui e algumas delas negligenciam o Zang Shu como
uma dos textos mais importantes para entender os conceitos básicos que compõem o Feng Shui clássico.
6 Também conhecido como Laozi, Li Er, Lao Dun entre outros nomes. Apesar de ser uma figura muito
importante na filosofia Chinesa, é uma figura obscura e pouco se conhece de sua vida. De acordo com
algumas fontes parece ter vivido no século V antes da Era Cristã, mas existem outras que o colocam no
século IV ou VI. Atribui-se a ele a famosa obra conhecida como Tao Te King (Dao De Jing), mas na
verdade muitos autores questionam que realmente seja o autor da obra, e até alguns postulam que Lao
Tzu tenha sido um personagem fictício.

20
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

ferir à distancia. A Magia é possível por causa desta força não criada e omnipresente. Em
palavras do próprio Levi:

O GRANDE Agente Mágico, por nós denominado a Luz Astral, por outros a alma da terra, e
designado por velhos químicos sob os nomes de Azoth e MAGNÉSIA, esta força oculta,
única e indubitável, é a chave de todo império, o segredo de todo poder. É o dragão alado
de Medéia, a serpente do mistério edênico; é o vidro universal das visões, o laço das
simpatias, a fonte do amor, profecia e glória. Saber como fazer uso deste Agente é ser o
administrador do próprio poder de Deus; toda a Magia real e eficaz, toda a força oculta
está aqui e sua demonstração é o único fim de todos os livros genuínos da ciência. Para ter
o controle do Grande Agente Mágico, são necessárias duas operações - concentrar e
projetar, ou, em outras palavras, fixar e mover. Fixação foi fornecida como base e garantia
de movimento pelo Autor de todas as coisas: o Mago deve ir trabalhar da mesma maneira. 7

Lendo estas palavras de Levi, além de vermos a essência da técnica da sigilização, não
podemos deixar de pensar na técnica desenvolvida pelo Mikao Usui em Japão entre o final do
século XIX e os inícios do XX. Usui, movido pelo desejo de achar uma técnica simples de usar,
accessível a todos em todo momento e que constituísse, ao mesmo tempo, um caminho
mágico de realização espiritual, desenvolveu o método que denominou Reiki Ryoho. Da mesma
forma em que Levi o expressa ao falar do Agente Mágico, o método desenvolvido por Usui se
baseia basicamente em concentrar a energia e logo projeta-la e canaliza-la. Quem é praticante
de Reiki se torna um canal da Energia Universal ou Energia Primordial e é capaz de transferi-la
a uma pessoa, objeto, ambiente, etc. Finalmente, Levi também explica que este Agente, ao
longo do tempo, foi representado e adorado de diversas formas, como o Espirito Santo dos
Gnósticos, adorado pelas bruxas no Sabbat ou na figura do Baphomet.

Sigilizar não é simplesmente traduzir o nosso desejo em caracteres. Sigilizar compreende o


processo inteiro que vai desde a formulação do desejo, passando pela criação do sigilo e seu
consequente empoderamento. Peter Carroll expressa este conceito em outras palavras
quando diz que sigilizar é banir o desejo da mente. Este autor explica que o desejo precisa
necessariamente viajar aos domínios subconscientes da mente, porque se fica na superfície do
ego, as emoções aflitivas que constantemente surgem atrapalham o êxito da sua realização.
Neste caso, poderíamos dizer que o medo do fracasso ou a excessiva focalização
provavelmente dificultam o empoderamento do sigilo e, portanto, a realização do desejo. E,
este principio pode ser aplicado a qualquer operação mágica que realizemos.

Como forma de conclusão podemos dizer que os sigilos são formas especificas de realizar
o qi. Cada vez que criamos um sigilo estamos tentando materializar o qi de uma forma
específica. É uma espécie de dialogo entre um desejo e uma intenção, pelo que o desejo se
torna uma via para poder atingir desde simples mudanças no dia a dia até a realização
suprema, se é que estamos trabalhando em prol dela. Ser praticantes de Reiki, usar a técnica
de sigilização ou praticar algum outro sistema mágico é, portanto, assumir certos fatos, os

7 Eliphas Levi. Dogme et Rituel de la Haute Magie. Part I: The Doctrine of Transcendental Magic. Traduzido
por A. E. Waite. ( Publicado por Rider & Company, England, 1896), 52.

21
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

quais muitas vezes não queremos admitir. Sobretudo o fato de sermos responsáveis pela
nossa vida e o nosso destino, tendo que assumir um papel ativo e não passivo, esperando o
favor de um deus todo-poderoso que dite e guie as nossas vidas. Estamos constantemente
escolhendo e tudo o que está feito pode ser mudado ou criado novamente. Se considerarmos
que Magia é o fato de entender o que a energia é, como se comporta e tentar influenciar seu
curso ou a sua vibração, então entendemos que nós somos os constantes demiurgos do nosso
destino.

Verónica Rivas

Bibliografia:

Carroll, Peter. Liber Null & Psychonaut: An Introduction to Chaos Magic. Kindle Edition.

Feuerstein, Georg. Tantra. The Path of Ecstasy. Ed. Shambala Publications, Inc. USA, 1998.

Legeza, Laszlo. Tao. The Chinese Art of the Occult. Ed. Pantheon Books. First American Edition, 1975.

Levi, Eliphas. Dogme et Rituel de la Haute Magie. Part I: The Doctrine of Transcendental Magic. Traduzido
por A. E. Waite. Publicado por Rider & Company, England, 1896

Osman Spare, Austin. The Book of Pleasure (Self-Love)

Padoux, André. “What Do We Mean by Tantrism” em The Roots of Tantra. Editado por Katherine Anne
Harper e Robert L. Brown. Ed. State University of New York Press, USA, 2002.

Pu, Guo. A Translation of the Chinese The Book of Burials (Zang Shu). Traduzido por Juwen Zhang. Ed. The
Edwin Mellen Press. USA, 2004.

Rivas, Verónica. Rei Kia. Reiki, Magia e Sigilização. Clube de Autores, Brazil, 2018.

https://www.britannica.com

“Laozi (Lao-tzu, fl. 6th cn. B.C.E.)”.Ronnie Littlejohn .https://www.iep.utm.edu/laozi/

22
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Pan and Pinetrees

23
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Yezides e Thelemitas: De Adoradores Do Diabo À Buscadores Da


Verdadeira Vontade

A expansão do Islã sobre o oriente médio a partir do séc. VII d. C. se estabeleceu em


grande medida, além de uma estratégia política e interesses econômicos, a partir de um
discurso religioso, cuja complexidade exigia aos povos conquistados o apagamento de sua
história na adesão irrestrita da nova fé, até sua liberdade quase de maneira integral, exceto
pelo pagamento do imposto devido aos conquistadores, o jizya, uma forma de consentimento
sobre a supremacia política do islã sobre o território. Políticas que variavam de império
(islâmico) à império, contudo, cuja oscilação implicava ora em conversões forçadas, produto de
uma demonização da cultura ancestral (e por isso também de seu esquecimento histórico) dos
povos originários da região, ora no velamento dessas mesmas culturas através da produção de
sincretismos, garantindo assim a sua sobrevivência em caráter iniciático. Religiões tradicionais
da região como o zoroastricianismo, o mazdeísmo e o zurvanismo, garantiram sua
sobrevivência, parcialmente mesclando-se à religião islâmica através de uma releitura, que por
outro lado, incidiram o declínio institucional desses mesmos cultos.

Um exemplo à parte se encontra entre os grupos étnico-religiosos reunidos


contemporaneamente sob o slogan cultual de Iazdânismo (culto dos anjos) e representa
religiões distintas reunidas antropologicamente a partir de características comuns: o
yarsanismo no Irã, o alevismo na Turquia e o yezidismo no Iraque. Compartilham entre si a
noção de que a criação se deu a partir de uma divindade indiferente, relegando a sete
arcanjos8 a atribuição de manutenção do cosmos. O primeiro e mais importante deles, Melek
Taus, o rei, deus ou anjo pavão que diante da intervenção religiosa feita pelo islã na região,
mas antes também por cristãos e judeus, será identificado a shaitãn 9 ou iblis, determinando
entre os yezidis a alcunha maldosa de “adoradores do diabo10”.

Através da política de sincretismos Melek Tawus é endossado como Shaitan entre


os yezidis, contudo, não sem antes uma transvaloração significativa do valor deste
personagem e de toda a mitologia que o cerca 11. Contudo, numa sociedade fortemente
cristianizada (como a europeia), tal relação provocou muitos mal entendidos, incluindo dentro
de tradições esotéricas ocidentais. Segundo Churton 12, Helena Blavatsky possuía uma imagem

8Correspondentes aos sete planetas na astrologia antiga, a sete arcanjos na angelologia islâmica, sete animais sagrados e a
sete Sheikhs sufis, oriundos do império Omíada.
9Em árabe a palavra Shaitan consiste num substantivo que indica “aquele que está longe”ou “exilado”.
10Um exemplo bem similar pode ser reconhecido entre nós na maneira como os exus de tradição afro-brasileira são
interpretados dentro de um contexto cultural de tradição cristã, motivando assim um intenso conflito religioso, progredindo
ao cenário político e econômico.
11Segundo a versão islâmica Allah ao concluir a criação do homem exige que todas as hostes celestiais lhe prestem
reverência, Iblis contudo se nega a fazê-lo e é exilado, expulso do paraíso por sua desobediência. A versão yezidi contudo
endossa essa postura como um teste do criador. A recusa de curvar-se diante do homem corresponde ao amor e fidelidade
radical de Iblis por entender que tal postura é apenas digna ao criador e a nenhuma criatura. Iblis aceita o exílio e a
maldição de ser reconhecido como um desobediente por amor, e é por esse amor que ele será novamente reconduzido a seu
patamar original.
12CHURTON. 2017. p. 191.

24
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

depreciativa dos yazidis como praticantes de magia negra 13. E será essa imagem uma das
primeiras a serem conhecidas no ocidente sobre eles, inclusive para Aleister Crowley, origem
de seu entusiasmo por essa comunidade, a ponto de afirmar num comentário ao Liber Al Vel
Legis de 1923:
Aiwaz não é, como eu supunha, uma simples fórmula, como muitos nomes angelicais,
mas é o verdadeiro e mais antigo nome do Deus dos Iazidis, e, portanto, remonta à
mais longínqua antiguidade. Nossa obra tem, portanto, autenticidade histórica; é a
redescoberta da Tradição Suméria (CROWLEY. 1923. Apud. CHURTON. 2017. p.182).

A identificação entre Aiwaz, Shaitan e o Deus dos Yezidis 14 como a mesma entidade
que teria se manifestado à Rose Kelly e ditado por sua boca o Liber Al é atestada não apenas
por Crowley como também por seu secretário e discípulo Kenneth Grant (1924- 2011) como a
manifestação de seus sagrado anjo guardião, e cuja revelação anunciada (Thelema) possui suas
raízes na tradição religiosa dos yezidis.

O tema do trabalho de Crowley é o seu ritual para atingir acesso ao Eu Superior, ou o


sagrado anjo guardião. Para esta finalidade ele adaptou com sucesso um rito acádio, ou
sumério, usado pelos Iazidis - Os “adoradores do "diabo da Baixa Mesopotâmia.
Crowley identificou seu "diabo" com Aiwaz, seu próprio sagrado anjo guardião (GRANT.
2015. p. 14).

Uma identificação que possui uma história e muitas questões sem uma resposta
definitiva, porém, muito bem elucidada por Tobias Churton em seu artigo Aleyster Crowley and
the Yezidis (2015)15. Até 1923, época da relação entre os yezidis e thelema feita por Crowley,
os trabalhos acadêmicos sobre esta comunidade curda, oriunda da cidade de Lalish, ao norte
do Iraque estavam em ascensão. Em 1840 o missionário anglicano George Percy Badger
(1815-1888) realizou uma série de incursões pela Síria, Turquia e Iraque, pesquisando sobre as
comunidades de cristãos nestorianos16 na região, descreve de maneira bem detalhada seu
encontro com os yezidis e seus costumes. Suas anotações mais tarde foram publicadas sob o
título The Yezidi’s: mysteries and religion (1840). Em 1919 há o trabalho de Isya Joseph Devil

13Segundo consta em seu livro ISIS SEM VÉU V. II, ela esclarece como a prática da devoção a entes
demoníacos em muitos povos da índia e do oriente médio (o que inclui os yezidis), corresponde antes
a uma forma de precaução a fim de não sofrerem represarias desses seres. Ela escreve : “Nós conhecemos
algumas seitas que realmente praticam feitiçaria. Uma delas são os Yezidis, considerado por alguns um ramo dos Curdos,
embora acreditemos erroneamente (...). Eles são chamados e conhecidos em toda parte como adoradores do diabo; e
certamente não é por ignorância ou obscurecimento mental que eles estabelecem a adoração e uma inter-comunicação
regular com os mais baixos e os mais maliciosos dos elementais. Eles reconhecem a atual maldade do chefe das "potências
negras"; mas, ao mesmo tempo, temem seu poder e, assim, tentam conciliar-se com seus favores. Ele está em uma briga
aberta com Allah, eles dizem, mas uma reconciliação pode ocorrer entre os dois a qualquer dia; e aqueles que mostraram
marcas de seu desrespeito ao “obscuro" agora, podem sofrer por isso em algum momento futuro, e assim ter Deus e o
Diabo contra eles. Foi-nos dito por um Ockhal, da seita dos drusos, que depois de ter estado presente em uma das "missas
do diabo" de Yezidis, como são chamadas, essa extraordinária dama [Lady Hester Stanhope], tão notável por sua coragem
pessoal e ousada bravura, desmaiou (...). Pessoalmente, lamentamos dizer que todos os nossos esforços para testemunhar
uma dessas apresentações falharam” (BLAVATSKY. Helena. 1981. Pág. 571-572). .
14Entre eles também o deus Set.
15Publicado no livro Aleister Crowley And Western Esotericism de Henrik Bogdan & Martin. P. Starr (orgs.).
16O nestorianismo foi uma doutrina defendida por Nestório, patriarca de Antioquia (425-431) no qual Cristo possuía duas
naturezas distintas e não conjuntas. Motivo pelo qual torna Maria mãe de Jesus, mas não do Cristo, do logos, do próprio
Deus, gerando assim um cisma nas igrejas orientais.

25
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Worship - The Sacred Books and Traditions of the Yezidiz. Michelangelo Guido (1886-1946)17
publica na Rivista di Studi Orientali dois artigos de suma importância às pesquisas
antropológicas sobre os Yezidis: Origine Dei Yazidi e Storia Religiosa Dell’Islãm e Del Dualismo
(setembro de 1932) e Nuove Ricerche Sui Yazidi (1933), todavia, é pelos trabalhos e a amizade
com Ethel Stefana Drowel (1879-1972) antropóloga britânica18, que realiza uma expedição ao
oriente médio em 1921 e com o intelectual, editor e tipógrafo persa-assírio Samuel Aiwaz
Jacob (1890-1971)19 que Crowley se aproxima da tradição yezidi.

É inevitável que este tipo de aproximação esteja carregado de intenso lirismo pela
crença de tais pesquisadores em relegar aos yezidis um tipo de tradição religiosa ainda
preservada e oriunda dos grandes impérios da antiguidade no oriente médio. Assim Ethel
Drowel descreve sua impressão com os yezidis:
Também me agrada, que me levantei cedo e vi o santuário no seu momento mais
sagrado do primeiro amanhecer. Pois foi então que fiquei convencida de que alguns
Yezidis, inarticulados e vagos como eles são sobre seus próprios dogmas e crenças,
possuem em um grau raro uma faculdade tão sensível quanto as antenas de um inseto,
o que os torna conscientes de coisas fora do material. Possuem o instinto de
permanecerem e adorarem, que é a própria essência de religião. E de todos os lugares
sagrados que já visitei, durante 60 anos de Vida no Oeste e no Leste, no vale de Shaikh
'Adi, a Meca de pessoas extremamente perseguidas e deturpadas no mundo, parece-
me o mais lindo e mais santo. Aqui podemos encontrar o espírito do Santo Graal, ou
talvez antes a piedade feliz do Santo de Assis. Alguma coisa permanece aqui não
poluída, eterno e bonita: algo tão silencioso como a alma e os olhos claros como o
espírito (DROWEL. 1941. Apud. CHURTON. 2016. Pág.187-88).

Não podemos excluir Crowley dessa forma do entusiasmo de primeiro momento. O


que se manifesta na identificação de Aiwaz com Melek Tawus, o deus do yezidis. Atualmente,
comportando-se como comunidade endogâmica, entre os yezidis é vetada a iniciação de
estrangeiros, assim como o casamento com pessoas de fora da comunidade, o que implica em
exclusão. Entretanto, a complexa estrutura de sincretismos que permeia a religiosidade do
povo de Lalish com a tradição islâmica sufi, bem com a veneração de vários Sheikhs de tais
tradições como reencarnações de tais arcanjos20, revela talvez, uma comunidade que foi se
fechando aos poucos, incorporando em sua própria mitologia a natureza de uma comunidade

17Filho do orientalista e semititista italiano Ignatius Guidi (1844-1935), seguiu a carreira paterna, contudo, se
concentrando nos estudos islâmicos e árabes.
18Especialista em mandeísmo, tendo desenvolvido vários trabalhos sobre o assunto, publicou um livro sobre os yezidis
com o título PEACOCK ANGEL: Being Some Account of Votaries of a Secret Cult and their Sanctuaries (1941).
19Fundou em 1920 em nova York a editora Golden Eagle Press. Em 1918 Samuel Aiwass Jacob fascinado com um artigo
de Crowley, publicado na revista norte americana The International, propriedade do empresário alemão George Sylvester
Viereck, sobre uma operação mágica, uma entrevista com uma inteligência denominada Amalantrah, dentre os quais, tendo
por objetivo obter a ortografia hebraica do grego θHPION. Crowley buscava uma transliteração fonética que somasse 666.
A resposta de Amalantrah estava errada, o que lhe fez chegar a conclusão de ser a ortografia de tal palavra desconhecida.
Samuel, fascinado com o trabalho de Crowley escreve ao editor da revista solucionando o problema. Curiosamente sua
carta é datada no mesmo dia da realização da operação por Crowley, um domingo de 24 de fevereiro. Crowley responde ao
Sr. Jocob solicitando a ortografia hebraica de Aiwaz, cujas letras somam 93, o número de thelema e do livro da lei.

20Sheikh Adi Ibn Musafir (1070-1160/62 ED) foi um místico sufi que nasceu na síria e estudou teologia em Bagdá.
Procurando uma vida de contemplação, viajou até a mesopotâmia, sitiando-se em Lalish. Lá mudou os costumes religiosos
da população estabelecida na região, mas também foi por eles modificado. Os yezidis o consideram a reencarnação de
Melek Taus.

26
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

distinta das demais21. Sendo assim, é plausível que pessoas de fora da comunidade de Lalish já
tiveram acesso a tais segredos, muito embora não podemos afirmar até quando isso acorreu.

Teria Crowley acesso a tais segredos? A princípio, não diretamente de um yezidi 22.
Conhecimento indireto, especulativo e/ou falsificado. A amizade23 com Samuel Aiwaz Jacob
torna-se vital neste processo. Como um tipógrafo de renome, o interesse de Samuel Jacob
pelas letras não se limitava a seu aspecto artístico (publicou vários poetas de renome em sua
editora), mas também metafísico e esotérico. A Encliclopaedia Iranica esclarece a questão:
Jacob, vivendo absorvido em letras da juventude (...), pode ter tido um forte interesse
em 'elm al-ohoruf, isto é, a ciência de interpretar letras e seus valores numéricos, além
disso, ele também estudou a prática derivada disto, isto é, magia “baseada nas
propriedades ocultas das letras do alfabeto e dos nomes divinos e angélicos que eles
formam” (Fahd, pág. 595, veja também Krotkoff). Em 1918, ele escreveu de Bridgeport
para a revista de Nova York The International, resolvendo uma questão numerológica
proposta por seu editor e colaborador regular, o qabalista Aleister Crowley (1875-
1947), para quem era uma questão de importância (Crowley, 1930- 2004, pp. 242-43;
Kaczynski, p. 325). O nome do meio do escritor da carta, "Aiwaz", parecia apontar para
o próprio revelador reivindicado de Crowley, uma "Inteligência" chamada Aiwass (um
nome cujo valor numérico Crowley calculou a partir de uma ortografia grega). Em
correspondência mútua, Crowley soube de Jacobs que o valor numérico ortográfico de
'ywz "Aiwaz" era 93 (70 + 10 + 6 + 7). Crowley cita o nome em letras hebraicas, mas o
valor é o mesmo em sírio ou em árabe. Este número era um sinal para ele de
autenticidade, uma vez que corresponde aos seus próprios cálculos para os termos-
chave, grego thelēma "will" e agapē "love" (2004, p. 238; 1979, página 834). Refletindo
um pouco mais, ele encontrou uma maneira de conciliar as gravações grega e hebraica
como representando uma e a mesma entidade (1979, página 834).

Samuel Jacob reconhecia que seu sobrenome paterno “Aiwaz” era o equivalente
persa de “satanás” ou Shaitan e gostava de usá-lo como provocação. Crowley por sua vez
considerou seriamente essa relação. O Shaitan ou Iblis mulçumano constitui uma síntese entre
cultos pré-islâmicos e hermenêutica corânica. A metafísica religiosa árabe é extensa e
diversificada, por outro lado, corresponde a um reflexo da organização social semi-nômade de
muitas tribos que se identificavam como descendentes do patriarca Abraão através de seu
filho Ismail (Gen. 16). Uma complexidade que por ora podemos simplificar em três grandes
grupos: seres de luz (angélicos), seres de barro (humanos) e seres de fogo (Jinns), sendo estes
dois últimos dotados de livre-arbítrio. Iblis é um Jinn (um gênio) e por conta disso, um ser do
fogo dotado de livre arbítrio. Al-Gazali destaca porém, sua elevada devoção a Allah, que por
sua vez lhe permite acesso a sua presença e contextualiza a principal referência corânica sobre
ele:
11 Criamo-vos e vos demos configuração, então dissemos aos anjos: Prostrais-vos ante
Adão! E todos se prostraram, menos Iblis, que se recusou a ser dos prostrados. 12

21Toda a traição religiosa dos yezidis parte da oralidade (os qewls ou hinos religiosos), todavia, a fim de ganharem certa
legitimidade política, em pé de igualdade com os “povos do livro”, há uma compilação dessa tradição em dois livros que
muitos julgam uma falsificação (produto tardio e estrangeiro): o Kitab Al-Jilwa (o livro da revelação) e o Meshaf Resh (O
livro negro). Neste último, a cosmologia yezidi é descrita e com ela a origem do próprio povo, segundo o qual, descendem
diretamente apenas de Adão, originalmente sem o intercurso sexual, diferente do resto da humanidade.
22Crowley nunca esteve em Lalish.
23Crowley e Samuel Jacob nunca se conheceram pessoalmente, entretanto, trocaram muitas cartas, nos quais a extensão de
tal diálogo é desconhecida.

27
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Perguntou-lhe (Deus): Que foi que te impediu de prostrar-te, embora to tivéssemos


ordenado? Respondeu: Sou superior a ele; a mim criaste do fogo, e a ele do barro.(483).
13 Disse-lhe: Desce daqui (do Paraíso), porque aqui não é permitido te
ensoberbeceres. Vai-te daqui, porque és um dos abjetos! (Surata 7. Al-Araf).

Se entre a ortodoxia mulçumana tais versos indicam o nascimento do “anjo


rebelde”, a tradição sufi por outro lado o identificará como um monoteísta radical, a partir da
alegação de que sua desobediência é oriunda de uma profunda devoção ao criador. Iblis
torna-se assim um exemplo para todo mulçumano fiel, mesmo tendo que sofrer as
consequências de sua decisão. Essa é a interpretação de Al-Gazali, assim como de muitas
etnias posteriormente islamizadas em contato com o sufismo, dentre os quais os Yezidis. Uma
versão yezidi dos versos corânicos (há muitas delas) atesta a identidade entre Melek Tawus e
Iblis, assim como o posiciona como logos divino:

Satanás, ou Malak Tâwûs, era um dos anjos mais amados de Deus,


criado a partir da própria luz de Deus antes de Deus criar o mundo e
seus habitantes. Quando Deus completou a ação da criação soprando o
próprio fôlego em Adão, a quem Ele havia moldado do barro, Ele
ordenou que todas as Suas criaturas se prostrassem diante de Adão.
Malak Tâwûs foi o único a recusar, protestando que “não é certo que
alguém criado a partir da luz de Deus se ajoelhe diante de uma criatura
de mero barro; Só me prostro diante do próprio Deus ”. Até agora, isso
não difere da narrativa dos sufis, mas Ahmad deu um toque diferente ao
final da história. Dando esta ordem, Deus tinha de fato testado os anjos
e outras criaturas, e Malak Tâws foi o único que provou ser um
verdadeiro monoteísta. Em vez de puni-lo, como calunia humana, Deus
recompensou Satanás dando-lhe poder sobre os assuntos do mundo.
Adão e seus descendentes nunca perdoaram a Satanás por não lhe
mostrar o mesmo respeito que ele mostrou a Deus. Adão certa vez
tentou obrigar Satanás a abaixar a cabeça, convidando-o para uma casa
com uma porta muito baixa, mas o anjo notou isso, é claro, e ergueu a
viga superior da abertura para que ele pudesse entrar sem se dobrar.
Desde então, muitos humanos criaram o hábito de amaldiçoá-lo, como
fazem os muçulmanos. Mas as pessoas de conhecimento e compreensão
estão cientes de que ele é o senhor deste mundo. Em questões deste
mundo, é sábio invocar o apoio de Satanás; ele ajudará, enquanto Deus
está muito distante e não intervém diretamente (BRUINESSEN. Martin
van. 2014. Pág. 17).

A identificação feita pelos yezidis entre Melek Tawus e Shaitan de um lado e entre
Aiwaz e Shaitan por Samuel Jacob, levará Crowley a determinar uma correspondência, a
identificar no “anjo pavão” a origem de seu sagrado anjo guardião, estrangeiro no Egito,
mensageiro de Hoo-Paa-Kraat, ipsissimus, chefe secreto da A.A. Em comentário de 1920 a
Liber Al escreve:

28
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Agora estou inclinado a crer que Aiwass não é apenas o Deus ou Demônio ou Diabo
um dia considerado sagrado na Suméria, e meu próprio anjo da guarda, mas também
um homem como eu sou, na medida em que Ele usa um corpo humano para fazer sua
ligação mágica com a Humanidade, a quem ele ama, e que ele é assim um Ipississimus,
o chefe da A.’A.’. (...) Não quero dizer necessariamente que ele é um membro da
sociedade humana de modo normal. Ele pode em vez disso formar para Si um corpo
humano conforme as circunstâncias indicam, a partir dos elementos apropriados, e
dissolvê-lo quando a ocasião para seu uso tiver passado. Digo isso porque recebi
permissão para vê-lo nos anos recentes em uma variedade de aparências físicas, todas
igualmente “materiais” no sentido de que meu próprio corpo o é (CROWLEY. 2017. p.
181).

Segundo Churton, essa correspondência por outro lado não indicaria uma
equivalência, mas sim, a comunicação de uma mesma essência, usando como exemplo “a
exclusiva frase ‘Eu e o Pai somos um’ encontrado nos lábios de Cristo no evangelho de João, foi
levado por Crowley para indicar que o orador estava experimentando Samadhi ou união com sua
fonte” (CHURTON. 2017. p. 185). Os nomes dos deuses são intercambiáveis, contudo sua
essência é sempre a mesma, o que explica a flexibilidade pelos quais o nome de uma mesma
divindade recebe entre os yezidis várias grafias diferentes, assim como sua possibilidade de
sincretismo com outras crenças, “Yezidis não teriam nenhum problema em ver um "sheykh" em
Crowley como sendo uma manifestação de um poder divino, uma vez convencido de que o poder
era realmente manifestado nessa pessoa” (CHURTON. 2017. p. 187). A mesma identificação de
uma manifestação divina ocorre em Sheikh Adi, onde

Manuscritos descobertos no Sinjar atribuído a Sheykh 'Adi tornam claro que seu autor
considerava ter alcançado em si a divindade: ‘Como ousa me negar quando sou
verdadeiramente seu Deus (...). Como se atreve a me negar (. . .) quando eu, o antigo do
tempo, criou o mundo? E me pergunte sobre minha morada mais baixa. Eu falo sobre
domínio que foi estabelecido na rocha. "Além disso:" Eu sou um único Sheykh; E eu, eu
mesmo, crio coisas. Sou eu que recebi um livro, um livro de boas novas. Ele veio do
meu Deus atravessando as montanhas. É para mim que todos os homens vêm. Então
venha em submissão e beije meus pés (CHURTON. 2017. p. 199).

Identificação que afeta Aleister Crowley de igual modo, posto que “No sistema de
Crowley, Sheykh 'Adi era Ipsissimus. A esse nível, Crowley e o Sheykh deveriam estar em algum tipo
de comunhão impalpável e exaltada” (CHURTON. 2017. p. 200) e no qual Aiwaz compreende
uma dessas manifestações, motivo pelo qual, ainda no calor de suas primeiras impressões de
1904, ainda desconhecendo com quem precisamente interagia, seu modo de portar-se e se
vestir “não era árabe; isto sugeriu Assíria ou Pérsia, mas muito vagamente” (CHURTON. 2017. p.
184).

Crowley estabelece a relação entre thelema e os Yezidis através da identidade de


seu sagrado anjo guardião. Como porém situar o deus pavão yezidi como ministro do deus
egípcio Hoor- Paar-Kuit? É correto afirmar que a adesão feita por Crowley se estabelece,
conforme sua descrição, numa versão antropomorfizada desse mesmo deus. Entre os Yezidis
essa mesma versão possuiu duas formas distintas na história da comunidade: como o Shaikh
Omíada Yazid I (647 EC – 683EC), sendo representado como um jovem e o Shaikh Omíada

29
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

‘Adi Adi b. Musafir (1070 EC -1160 EC), sendo este representado como um ancião. É evidente
a partir da descrição de mestre Therion que provavelmente se refere a Shaikh Yazid I, contudo,
a partir daqui incorremos em pura especulação. Teria Crowley se identificado como a
reencarnação de uma das manifestações de seu sagrado anjo guardião, Shaikh ‘Adi?

Segundo o historiador Persa, filósofo e teólogo islâmico Al-Shahrastani, em seu


livro Kitab al-Milal wa al-Nihal (lit. O Livro das Seitas e Credos ) “acreditava que Deus enviaria um
apóstolo dentre os persas, e revelaria a ele um livro que já está escrito no céu, e revelaria todo o
(livro) para ele de uma vez, e como resultado ele deixaria a religião de Maomé (...) e seguiria a
religião dos sabianos mencionados no Corão. Mas Yezid se associou com o povo do Livro que
reconheceu o Escolhido como um profeta, mesmo embora eles não aceitassem a religião dele (AL-
SHAHRASTANI. Mohammed. In JOSEPH. Isya. 1919. Pág. 18-19)24. A lenda do profeta persa
fora muito difundida no oriente médio, inspirando uma infinidade de movimentos messiânicos
até cem anos antes do nascimento de Shaikh ‘Adi no Líbano. Passou sua juventude estudando
teologia e direito em Bagdá, sendo aluno do grande mestre sufi Al-Gazali. Devido a polêmicas
teológicas com a comunidade mulçumana, assim como problemas políticos e econômicos da
região, se retira para as montanhas do Hakkari antigo. Em Lalish é recebido pelos seguidores
do anjo pavão, tendo uma experiência de deificação pelo qual lhe permitirá escrever alguns
poemas místicos e recomendações teológicas, sendo identificado pela comunidade como a
reencarnação do próprio Melek Tawus. Segundo seus biógrafos, é um homem reservado que
depois de seus escritos nunca mais evocou entre seus discípulos sua experiência iniciática,
sendo porém capaz de realizar muitas proezas.

Teriam os seus escritos o valor de escritura sagrada entre os Yezidis? A ênfase


yezidi na tradição oral (Qewlê) indica que não, muito embora o próprio shaikh tenha
enfatizado esse valor em seua escritos, por outro lado, é venerado como a própria
personificação da divindade. Baba Sheikh Khurto Hajji Ismail, atual líder religioso dos yezidis,
afirma em entrevista no youtube que “Existia um livro da religião yezidi, mas alguns estrangeiros,
árabes, turcos ou persas os roubaram. Principalmente os mulçumanos foram os que levaram nossos
livros sagrados” (DAVIS. Siraj. 2017)25. A ausência de um livro sagrado yezidi é então entendida
como adiamento da prescrição da religião islâmica (assim como das religiões abrãamicas,
representadas no aeon de Osíris) anelada pela profecia. Teria Crowley compreendido a si
mesmo como reencarnação de Shaikh ‘Adi e deste como manifestação contemporânea do
profeta persa?

24É possível igualmente uma identificação com o mitológico rei Persa Tahmouras e seu posterior sincretismo com o
arquétipo do santo guerreiro cristão, São Jorge. Como afirma Edgar Blochet: “estudei o que se tornara a representação do
rei da Pérsia, Tahmouras, cavalgando sobre o demônio Ahriman (...) como o rei do ato heróico do Irã, que durante trinta
anos galopou o demônio em torno dos sete climas da terra, se tornou o Santo Jorge dos Atos Apócrifos, ou melhor, como
ele se diluiu neste caráter complexo e multifacetado, que é sincretizar as entidades religiosas mais diversas e díspares do
mundo antigo” (BLOCHET. Edgar. 1908-9. Págs. 717-718).

25DAVID. Siraj. Interview with Khurto Hajji Ismail: Religious Leader of Yazidi Religion. Youtube. 05 de outubro de
2017. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=tfm-DxP1Sh . Acesso em 05/05/2018.

30
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Como é possível identificar uma deidade yezidi como mensageiro de um deus


egípcio? John Guest esclarece em seu livro sobre a presença de yezidis no Egito:
Os governantes mongóis da Pérsia e do Iraque, chamados Ilkhans, confiaram
cada vez mais em cristãos e judeus para governar suas terras
predominantemente muçulmanas. Com o aperto mongol diminuindo, os
curdos emergiram novamente para atacar os cristãos complacentes do Iraque.
Em 1275, treze anos depois do saque de Mosul, um cronista contemporâneo
registrou notícias da comunidade Adawi. Dois irmãos pertencentes à família do
xeque Adi estavam em disputa porque o mais novo tinha tomado uma esposa
mongol. O irmão mais velho utilizou uma breve pausa na guerra mongol-
mameluca para se mudar para a Síria com quatrocentos seguidores e seus
cavalos, ovelhas e bois. No ano seguinte, o irmão mais novo fugiu para o Egito
com sua esposa” (GUEST. Johrn.1993. pág.26).

A enciclopaedia Iranica por sua vez indica que o “ termo turco otomano ayvaz ( ‫ععع‬
‫ )ع‬era um título aplicado a servos e funcionários domésticos não-muçulmanos”, o que incluía
também os curdos e assírios, dentre os quais os yezidis fazem parte, tornando plausível assim
a presença de um yezidi numa corte egípcia, justificando assim a recepção do livro da lei e o
principal elemento mítico que o configura.

A lógica intrínseca ao livro da lei se assemelha a maneira como muitos mestres sufis
legitimavam sua tradição: na interseção entre as linhas paralelas do tempo e da eternidade,
uma série de manifestações sobrenaturais torna-se possível, dentre elas a iniciação e o
recebimento de uma revelação divina. Contudo, é preciso considerar que na relação entre tais
categorias, uma interfere no plano da outra. A eternidade interfere no tempo assim como o
tempo interfere na eternidade. É o que permite a um mestre sufi legitimar sua linhagem
através tanto de uma sucessão convencionalmente hierárquica e historicamente determinada,
onde o anterior legitima o posterior, como também, através da alegação de uma iniciação no
plano atemporal realizada por um mestre falecido a muito tempo, ou ainda, a alegação de um
mestre do presente ser o iniciador de um mestre do passado, posto que na eternidade e na
ascensão e essa realidade todos os mestres são contemporâneos.

No plano temporal a presença de um yezidi no Egito se estabelece quando a terra


dos faraós já estava ocupada por mulçumanos e antes deles pelo império bizantino. No plano
atemporal porém, os deuses constituem um contraste que estabelece uma realidade paralela.
Quando essas duas realidades se aproximam o deus dos yezidis que migraram para o Egito
torna-se o mensageiro de Hoor- Paar-Kuit contra a ordem estabelecida de um Deus único e
absoluto das religiões abrâamicas, não apenas numa região geograficamente determinada,
mas em toda uma era. É um equívoco porém a associação feita por Crowley de Aiwaz como o
nome mais antiga do deus dos yezidis, quando na verdade esse mesmo nome especifica uma
função atribuída a essa deus.

Nosso empenho futuro consiste em comprovar ou desmentir a possibilidade de


acesso por Aleister Crowley a tais fontes (a lenda do profeta persa, os escritos de shaikh ‘Adi e
alguma fonte que ateste a presença de yezidis no Egito) em sua época. Sendo viável, se

31
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

anterior ou posterior a 1904. Se inviável, o mistério permanece, endossando a justificativa do


livro da lei como fonte revelada.

Crowley se empenhou, durante toda a vida, a elucidar os mistérios envolvidos na


recepção do livro da lei. No processo, a obscuridade do texto e a desconfiança em relação a
seu conteúdo, foram cedendo a uma série de experimentações rituais e iniciáticas, pesquisa
histórica, linguística, psicanalítica e especulações filosóficas das mais diversas. Alguns
objetivos se tornaram mais claros do que outros: integrar o homem consigo mesmo, de si para
o mundo e do mundo para o universo. Todavia, as chaves para tal progresso, justificadas na
descoberta da própria divindade humana ainda estão em curso de serem exploradas, o que
significa que embora algumas portas tenham sido abertas no caminho, muitas delas ainda
estão fechadas e apenas serão abertas pela aquisição de legitimidade, fazendo da vida (e não
apenas uma parte dela) um evento sagrado a ser interpretado de dentro para fora.

Sendo assim, o Liber Al objetivamente falando, continuará obscuro e selado a todo


aquele desprovido da mesma experiência decisiva que permitiu a Crowley iniciar a sua senda
em direção a comunicação com seu sagrado anjo guardião. O que pretendo afirmar com isso é
que ausente de uma experiência que nos impulsiona à senda iniciática pessoal, todo esforço é
um comprometimento da própria sanidade e briga de egos, pois significa tornar a experiência
do outro a plataforma pelo qual todas as outras experiências devem ser reguladas. Uma
espécie de autoritarismo distante do que significou todo o processo de descoberta e
interpretação de um fenômeno que levou uma vida inteira para ser parcialmente elucidado.

Experimentação contra o ponto fixo por onde se apoiam os dogmas, o que significa,
não tornar a própria senda de Crowley uma regra, mas sim, compactuar com seus objetivos
(pois são universais e singulares ao mesmo tempo) e ser crítico a seus resultados. É nesse
sentido que as egrégoras se diferenciam (pelo método) mas também se identificam (pelo
objetivo).

Diogo Santana 26

Referências Bibliográficas
ALCORÃO SAGRADO. Tradução e comentários de Samir El Hayek. 14ª ed. 2009.
AÇIKYILDIZ. Birgul. The Yezidis: the history of a community, culture and religion . I.B. Tauris. 2015.
ASATRIAN. Garnik S. & ARAKELOVA. Victoria. The Religion of Peacock Angel: the yazidis and their
spirit world. Routledge. 2014.
BADGER. George Percy. The Yezidi’s: mysteries and religion. S/D.
BLAVATSKY. Helena P. Isis Sem Véu. v. II. Ed. Pensamento. 1981.
BLOCHET. Edgar. Études Sur le Gnosticisme Mulsuman. Rivista di Estudi Orientali. Vol. 2. Fasc. 4. 1908-
9. Págs.717-756.

26Graduando em filosofia pela universidade do estado do Rio de Janeiro (UERJ). Membro do núcleo de estudos em
cristianismos orientais (NECO/ UERJ) e do núcleo de pesquisas em filosofia judaica, islâmica e oriental (NUR/
UNIFESP). Possui artigos publicados sobre o pensamento do filósofo dinamarquês Søren Kierkegaard. É membro da ordo
saturni.

32
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

BRUINESSEN. Martin van. Veneration of Satan Among the Ahl-e Haqq of the Gûrân Region . Fritillaria
Kurdica. Bulletin of Kurdish Studies. Nº 3-4. 2014.

CHURTON. Tobias. Aleister Crowley and the Yezidis. In. BOGDAN. Henrik & STARR. Martin P. Aleyster
Crowley and Western Esotericism. Oxford University Press. 2017.
_______________. Deconstructing Gurdjieff: Biography of a Spiritual Magician. Inner Traditions. 2017.
CROWLEY. Aleister. Liber Al Vel Legis. Editora Chave. 2017.
DROWER. E. S. Peacock Angel: being some account of votaries of a secret cult and their
sanctuaries. Butler & Tanner LTD. London. 1941.
Encyclopaedia Iranica. Verbete “JACOBS. Samuel Aiwaz”. http://www.iranicaonline.org/articles/jacobs-
samuel . Acessado em 09/03/2018.
GUEST. Johrn. Survival Among the Kurds: a history of the Yezidis. Routledge Publisher. 1993.
GUIDI. Michelangelo. Origine Dei Yazidi e Storia Religiosa Dell’islãm e del Dualismo . Rivista degli
studi orientali. Vol. 13. Fasc. 3 (settembre 1932), pp. 266-300.
_________________. Nuove Ricerche Sui Yazidi. Rivista degli studi orientali. Vol. 13. Fasc. 4 (Gennaio 1933),
pp. 377-427.
GRANT. Kenneth. O Renascer da Magia. Penumbra Livros. 2015.
JOSEPH. Isya. Devil Worship: the sacred books and traditions of the yezidis . Gorham Press. 1919.
SPAT. Eszter. Late Antique Motifs in Yezidi Oral Tradition. 2009.

33
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Amor sob vontade 27:


Um diálogo da fórmula thelêmica do “amor” com a psicologia

● Amor como iniciador e amante

Diversos autores da psicologia junguiana se debruçaram sobre o mito de Eros e Psique


como representação do processo de individuação (tornar-se a si mesmo) da alma (psique)
através de sua relação com o amor (eros). Em termos sintéticos, a alma aspira o amor e, o
amor, a profundidade da alma. Ambos são feridos – ela, pela flecha de Eros e ele, pelo óleo da
luz de Psique – e ambos são iniciados a partir dos encontros, dores e desencontros dessa
relação. O amor seria mesmo o propulsor da atividade que o psicólogo James Hillman chamou
“fazer alma”, empregando o sentido atribuído pelo poeta John Keats ao próprio mundo, de que
este não seria um vale de lágrimas, mas sim um “vale de fazer alma”.

Seria excessivo nos determos aqui nos pormenores do mito de Eros e Psique. Mas
podemos nos enriquecer de uma breve incursão psicológica no tema da relação iniciática
entre amantes, que protagonizam momentos diferentes da coniunctio (conjunção alquímica dos
opostos), sendo o próprio amor um psicopompo (isto é, um guia da alma):
A existência universal do Daimon ou Gênio como mediador universal nos remete aos
arquétipos da anima e do animus como os descreveu Jung, como sendo fatores
condutores até o si-mesmo ou self, com fatores mediadores entre o ego e o
inconsciente coletivo (BOECHAT, 2010, p. 113).

Crowley identificou esse daimon na forma do Santo Anjo Guardião. Em The Wake World
(O mundo desperto), ele representa graus de iniciação da alma por meio da relação com seu
daimon-amante, o Anjo, que a ascende pelas sephiroth da Árvore da Vida, símbolo gráfico na
Cabala que representa os estágios da criação do universo.

Lola Daydream (“daydream” sendo sonhar acordado, ou divagar), que se apresenta como
uma menina de dezessete anos, é a alma em seu estado natural, associada por Crowley à Virgo
Mundi, a matéria-prima da Grande Obra:
Meu nome é Lola [...] e as outras crianças no meu sonho me chamam Lola Daydream.
Quando estou acordada, veja você, eu sei que estou sonhando, então elas
devem ser crianças muito bobas, você não acha? Há também pessoas no sonho
que são bem crescidas e horríveis; mas a coisa realmente importante é a
pessoa desperta. Há apenas um, pois nunca poderia haver alguém como ele. Eu
o chamo de meu Príncipe Encantado. Ele monta um cavalo com belas asas,
como um cisne, ou às vezes uma estranha criatura como um leão ou um touro,
com uma face e seios de mulher e ela tem olhos insondáveis (CROWLEY, 1990,
p. 3).

27Esse artigo do autor é parte adaptada do seu trabalho de conclusão de curso referente a pós-graduação lato sensu em
psicologia junguiana.

34
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

A imagem da alma em estado infantil e sonhador é comparável à figura mítica de Psique


no começo de seu arco. A figura idealizada do daimon-amante, cavalgando a Esfinge, desperta
Lola com um tônus erótico:
Sua boca é mais vermelha que qualquer rosa que você já tenha visto. Eu acordo
bastante quando nos beijamos e não há mais sonho. Mas quando não estão
tremendo sobre os meus, eu vejo beijos em seus lábios, como se ele estivesse
beijando alguém que não se pode ver (CROWLEY, 1990 p. 3).

O duplo-vínculo dos beijos do Anjo é com sua amada, no mundo terreno e com o Deus
invisível. Ele age como mediador entre Kether (a coroa) e Malkuth (o reino), a primeira e última
esfera da criação. O Anjo percorre todos os caminhos que ligam as esferas da Árvore da Vida,
mas suas “câmaras nupciais” estão em Tiphereth, a esfera central e intermediária da Árvore,
associada à realização da individualidade, ao Sol e ao ouro alquímico.
Então ele me tomou e sentou-me em seu cavalo e eu agarrei-me ao seu pescoço,
enquanto ele galopava noite adentro. Então ele me contou que iria me levar ao
seu Palácio e me mostrar tudo e um dia, quando nos casássemos, eu seria a
senhora disso tudo. Então eu quis me casar com ele de uma vez e então eu
percebi que não poderia ser assim, porque eu estava tão sonolenta e tinha
sonhos ruins e ninguém pode ser uma boa esposa se está sempre fazendo esse
tipo de coisa (CROWLEY, 1990, p. 6).

O que Crowley entende como o Advenit Adonai, a “chegada do Senhor”, inaugura um


processo gradual até o matrimônio: “E eu disse: Beije-me! Então ele disse: Cada passo que
você dá só é possível quando você fala isso” (CROWLEY, 1990, p. 7). A consciência é
aumentada a cada etapa de êxtase da coniunctio.

Podemos dialogar com a psicologia junguiana. Jung nos disse que “se o confronto com a
sombra é a obra do aprendiz, o confronto com a anima é a obra-prima” (JUNG, 2012a, §61),
insinuando um ponto chave da iniciação rumo à individuação. A anima no homem e o animus
na mulher, como pensados pela psicologia junguiana, também têm traços de psicopompo e de
consorte:
No homem [...] cada anima se comporta como uma “outra” personalidade individual
diferente, a quem ele está “amarrado” ou com quem está “casado”. No interesse
da individuação, é necessário que ele descubra como é essa outra
personalidade, como ela sente, pensa e tende a agir (WHITMONT, 2002, p.
165).

A relação consciente com esse(a) bem-amado(a) secretamente casado(a) conosco é ponto


central das obras tanto de Jung como de Crowley. Podemos ver, quando este fala do Anjo:
“Sua manifestação depende somente do preparo do Aspirante [...] É sua constante e eterna
Vontade se tornar um com o Aspirante e, no momento que as condições deste último
tornarem isso possível, Aquele Casamento é consumado” (CROWLEY, 1997, p. 235).

35
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

A tentativa de uma correlação entre os conceitos das teorias de Crowley e Jung é


obviamente estimada, mas precisa considerar o Santo Anjo Guardião como imagem do Self,
simultaneamente ao arquétipo da alteridade (anima/animus), que fundamenta nossa interação
com o outro. De todo modo, à parte o paralelo conceitual, a intensidade da experiência desses
“guias” e “amantes” une Jung e Crowley em suas vivências íntimas. Assim como o
relacionamento com Aiwass – que Crowley concebeu como sendo seu Anjo –, a experiência
de Jung com a figura imaginal Filêmon – descrita e ilustrada no seu Livro Vermelho – foi
crucial em sua carreira:
A importância de Filêmon era que ele acolhia os deuses. Seu segredo era que
ele era um amante – um amante de sua alma – que havia unido o que estava
separado [...] Para Jung, Filêmon representava o conhecimento superior e era
como um guru para ele (SHAMDASANI, 2014, p. 104).

Interessantemente, Filêmon (ΦІΛΗΜΩΝ) deriva do verbo Philéo (φιλέω), “amar”,


significando “gentilmente” ou “carinhoso” (LIDDELL, H. G; SCOTT, R., 1996). Encontramos
ainda as seguintes definições para o verbo φιλέω: 1) amor, considerar com afeto; 2) tratar
afetuosamente ou gentilmente, receber, entreter um hóspede; 3) tratar com afeto aqueles por
quem se tem paixão; 4) demonstrar sinais externos de amor, especialmente beijar; 5) de coisas
como objetos de amor.

O Filêmon de Jung, enquanto “amante de sua alma”, confirma a ideia amorosa da


própria etimologia. Seu relato segue desdobrando o impacto desse encontro:
Inicialmente [Φιλήμων] foi para mim um mago que vivia num país distante,
mas depois senti sua proximidade [...] sei que Φιλήμων me embriagou e me
inspirou uma linguagem estranha a mim mesmo e um outro sentir [...] Mas eu
senti que ele trilhava outros caminhos e não o meu [...] A grande maioria do
que escrevi nas primeiras partes deste livro [o Livro Vermelho] foi Φιλήμων
que me inspirou (JUNG, 2010 p. 339).

O relato de Crowley sobre Aiwass coaduna com a experiência de Jung, principalmente


no que tange a autonomia e alteridade deste guia e também a sua vivência enquanto “amante
da alma”:
Após dezessete anos de progresso espiritual sem paralelos, de êxtases
inimaginavelmente intensos, de beatitudes prolongadas por meses inteiros, de
iniciações indescritivelmente exaltadas, de prova em cima de prova de Seu
poder, Seu amor, após ser protegido e energizado com aptidão incrível [...] Isso
é certamente uma prova esmagadora que Aiwass não sou eu mesmo, mas meu
mestre [...] (CROWLEY, 1991, p. 169).

Num senso estritamente psicológico, podemos pensar essas personagens como


processos de personificação do inconsciente, que se apresenta como um “outro”,
independente do ego. Mas o sentido empírico desse tipo de experiência só pode ser inferido
por relatos pessoais. Recordemos que Crowley atribuiu a Aiwass a autoria do Livro da Lei, não
a si mesmo. Numa entrevista em 1946, quando perguntado sobre suas experiências

36
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

espirituais, Crowley leu um trecho do Livro da Lei e, com os olhos marejados, sussurrou: “foi
uma revelação de amor” (KACZYNSKI, 2002, p. 442).

● A Criança Divina como símbolo do amor

O apogeu do mito de Eros e Psique acontece em seu casamento no Olimpo, na exaltação


de ambos a partir desse novo encontro, na divinização de Psique e no nascimento de sua filha,
Voluptas. Um tema importante no mitologema amoroso do hierogamos é a ocorrência de uma
fecundação. Vemos esse tema também em Crowley:
“Em breve”, ele sussurrou, sempre tão suave: “você será uma mãe; haverá um
Príncipe Encantado para fugir novamente com outra linda Dorminhoca”. Então
eu vi que quando Príncipes Encantados eram realmente e verdadeiramente
casados, eles se tornavam Reis Encantados; e que eu estava mesmo bastante
errada de ter me envergonhado por ser apenas uma pequena garota e com
medo de estragar as suas perspectivas, porque realmente, veja você, ele nunca
poderia ter se tornado um Rei e ter um filho Príncipe Encantado sem mim
(CROWLEY, 1990, p. 15-16).

Primeiramente, há aqui a temática implícita de um Eros que garante “não apenas a


continuidade das espécies, mas a coesão interna do cosmo” (BRANDÃO, 1997, p. 186-188).
Ele atua como motivo da perpetuação inexorável da existência como um todo. Para Crowley, a
Árvore da Vida, símbolo desse crescimento e renovação contínuos, teria como base mitológica
o encontro eterno de Príncipes com Princesas, que se tornam Reis e Rainhas que produzem,
por meio de seu hierogamos, novos Príncipes e Princesas, para todo o sempre.

Segundamente, a experiência da fecundidade de Lola – ou de Psique – amadurece a


consciência de sua própria importância no processo da coniunctio. Afinal, o transcendental
nunca poderia se manifestar se não fosse o campo psicológico, ou imanência, da psique. A
consciência do poder criativo de Lola é capaz de transformá-la, ao fim da história, em Lola
Wide-Awake (Lola Bem-Desperta). Seu filho, por sua vez, inaugura uma nova era espiritual na
história contínua do universo.

A essa altura, somos remetidos ao tema arquetípico da Criança, principalmente nos seus
aspectos de “futuro potencial” ou prenunciadora de “desenvolvimentos futuros” (JUNG,
2012b, §278). Jung se aprofunda nas suas aparições simbólicas:
No processo de individuação [a Criança] antecipa uma figura proveniente da
síntese dos elementos conscientes e inconscientes da personalidade. É,
portanto, um símbolo da unificação de opostos, um mediador, um portador da
salvação, um propiciador de completitude (JUNG, 2012b, §278).

A Criança, enquanto fruto de uma coniunctio, une os opostos de seus “pais” originais. O
método de magia sexual de Aleister Crowley é erigido diretamente sobre a matriz mitológica
dessa Criança Divina, interpretada num sentido semelhante ao de Jung. Ela seria “Macho-
fêmea, quintessencial, um, homem-ser velado em mulher-forma”, identificada ainda com o

37
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Espírito Santo, enquanto “Pomba que deifica a humanidade” (Liber XV, a Missa Gnóstica).
Portanto, uma portadora da salvação e redentora.

A ideia é que os “pais” – isto é, os participantes na operação de magia sexual –


constelam intencionalmente (isto é, através do “amor sob vontade”), o arquétipo da Criança,
produzindo um “filho mágico”, detentor da natureza e Vontade de seus pais. A princípio, esse
“filho mágico” é entendido por Crowley de maneira simbólica, interpretado como a geração de
uma espécie de entidade astral, mágica e capaz de atuação indireta no mundo físico. Sua ação
no mundo também se daria através de graças espirituais conferidas aos magos da operação
sexual, de um modo afinado ao tema de uma “concepção milagrosa” (JUNG, 2012b, §282). Em
seu romance Moonchild, Crowley descreve o que seria a geração de um filho mágicko literal,
por vias biológicas e não simbólicas.

Para ambos os autores é premente a aparição da Criança como mediadora. Jung chega a
falar em “laço do amor” (JUNG, 2012c, §454) como vinculum que engendra a alma, uma vez
que ela é sempre uma anima media natura (alma de natureza intermediária), habitando o
“entre” dos encontros. Esse laço aparece em sentido semelhante no Livro da Lei: “Ó homem!
Não recuses tua esposa, se ela quer! Ó amante, se tu queres, parte! Não há laço que possa
unir o dividido que não o amor; todo o resto é uma maldição” (Liber AL I:41).

Em ambos os autores está também presente a ideia de um adulto ser aquele capaz de,
primeiramente, relacionar-se com a alteridade e, segundamente, fecundar, gerar e ser criativo
– ou, num sentido psicológico, constelar a Criança. Observamos essa construção de Jung em
seu Livro Vermelho:
Se sois rapazes, então vosso Deus é uma mulher / Se sois mulheres, então
vosso Deus é um rapaz / Se sois homens, então vosso Deus é uma moça /
Deus está onde vós não estais / Portanto: é sábio que tenhas um Deus. Isto
serve para vossa perfeição. / Uma moça é futuro parturiente / Um rapaz é
futuro gerativo / Uma mulher é: ter parido / Um homem é: ter gerado /
Portanto: se sois crianças enquanto seres atuais, então vosso Deus descerá da
altura da maturidade para a velhice e a morte / Mas se sois seres adultos que
geraram ou pariram, seja no corpo ou no espírito, então vosso Deus subirá de
um berço radioso para a altura incomensurável do futuro, para a maturidade e
plenitude do tempo que há de vir (JUNG, 2010, p. 234).

Salta aos olhos o tema do “tempo que há de vir”, principalmente à luz do novo aeon,
regido por Hórus, a Criança Coroada e Conquistadora, que por sua vez convida cada indivíduo
a se tornar adulto, gerador e parturiente de uma nova realidade, que se dá a partir de um ato
de amor sob vontade.

Frater Bodhicitta

Bibliografia
BOECHAT, W. A mitopoese da psique. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

38
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

BRANDÃO, J. S. Mitologia Grega. Volume I. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.


CROWLEY, A. The wake world. In: Konx om pax. Chicago: Teitan Press, 1990.
CROWLEY, A. The law is for all. Tempe, AZ: New Falcon Publications, 1991.
CROWLEY, A. Magick: Book 4 (Liber ABA). San Francisco, CA: Red Wheel/Weiser, 1997.
JUNG, C. G. O Livro Vermelho. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.
JUNG, C. G. Sobre os arquétipos do inconsciente coletivo. In: ____. Os arquétipos e o inconsciente coletivo.
Obras Completas de C. G. Jung. Volume 9/1. Tradução de Dora Mariana R. Ferreira da Silva e Maria Luiza
Appy . Petrópolis: Vozes, 2012a. p. 11-50.
JUNG, C. G. A psicologia do arquétipo da criança. In: ____. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Obras
Completas de C. G. Jung. Volume 9/1. Tradução de Dora Mariana R. Ferreira da Silva e Maria Luiza Appy .
Petrópolis: Vozes, 2012b. p. 152-183.
JUNG, C. G. A psicologia da transferência. In: ____. Ab-reação, análise dos sonhos e transferência. Obras
Completas de C. G. Jung. Volume 16/2. Tradução de Maria Luiza Appy. Petrópolis: Vozes, 2012c. p. 46-210.
LIDDELL, H. G; SCOTT, R. A Greek English Lexicon with a revised supplement. Oxford: Clarendon Press,
1996.
KACZYNSKI, R. Perdurabo – The life of Aleister Crowley. Berkeley: North Atlantic Books, 2010.
SHAMDASANI, S. C. G. JUNG - uma biografia em livros. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.
WHITMONT, E. A busca do símbolo. São Paulo, SP: Pensamento-Cultrix, 2002.

Adoration of Nuit

39
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Abaixo o privilégio da Ordem

“Como faço para entrar para a Ordem?” é a pergunta que eu recebo quase
semanalmente em diversos espaços que eu atuo. Só um deles efetivamente é uma Ordem.

O interlocutor com quem eu quero dialogar é alguém que tem esse sentimento de que
não pode progredir por que mora longe, por que “não tem ninguém na cidade dele”. E dessa
pessoa que eu gostaria de exorcizar a mentalidade de que a prática cerimonial só é possível
com uma ordem.

No caso específico da Santa Ordem, a resposta deste questionamento é


aparentemente simples: Encontre um membro da primeira ordem disposto a te instruir (ou
entre encontre um através do contato eletrônico de uma ou outra linhagem) e cumpra
adequadamente o período de probacionista. Pronto, entrou para a Astrum Argentum.

Mas na minha experiência, dificilmente o que está se perguntando é efetivamente


“Como faço para entrar para a Ordem?” a maioria dos casos poderia se traduzir por “Faça eu
sentir que estou fazendo o certo com a minha vida”.

Não existe qualquer demérito em estar um pouco perdido, todos nós já estivemos em
algum momento. Aprendi que a forma mais eficiente de lidar com esse pedido disfarçado de
questionamento é ser sincero em explicar para a pessoa por que o que ela busca não está na
Astrum Argentum, e possivelmente não está em ordem nenhuma.

No contexto da A∴A∴ esse pedido velado fica mais evidente por que (na minha visão e
como eu aplico na minha vida) o que a Ordem oferece é um treinamento para alcançar dois
objetivos específicos e delineados. Nunca tive aulas de rituais ou longas palestras sobre
sonhos. Ainda que eu tenha um instrutor excelente, o mérito do meu êxito é proporcional ao
meu engajamento. Dessa forma não há nada análogo ou próximo que um curioso poderia
tocar na A∴A∴ que o lembrasse do que ele tem expectativa: cursos, palestras, encontros, etc.
Os pedidos que recebo de contato via A∴A∴ com essa natureza expressam estar buscando
“orientação”, “recomendações”, “aprender magia”. Não há por que caçoar ou “perder a
paciência” com estas pessoas por seus anseios mal leem o site antes de estender a mão para o
contato. Quem aqui nunca se entregou a emoção sem ler direito o que estava escrito né?

Ainda assim, é palpável a angústia das pessoas ao perceber que a sede imensa que
carregam por “algo” não pode ser sanada ali naquele local. Consideremos que o problema é
esse. Que a A∴A∴ tem uma proposta bem clara, e que não atende a todos os anseios, mas que
podem haver outros espaços onde esse anseio genérico seja devidamente atendido.

Fica evidente ao menos que essas pessoas estão buscando não só um sistema ou
treinamento mas principalmente estão buscando um sentimento.

40
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Eu estou também presente em outros espaços fora do formato de Ordem e neles eu


ouço a mesma pergunta “como faço pra entrar pra ordem?”. Em espaços onde se oferece
estudo e educação ou comunidade, convívio e experimentação, o que está por de trás da
pergunta não é a busca por um instrutor, mas por um afago e um sentimento de
pertencimento. Quase como um movimento natural da classe média de fazer faculdade. “Vai
fazer prova pra que?” “Ah, sei lá, todos os meus amigos tão fazendo...”

Existe um imaginário de que a Ordem é a instituição que não só é capaz de sanar


problemas, mas por sua natureza capaz “magicamente” transformar um indivíduo em alguém
que “pratica magia de um jeito muito sério”. Ignora-se que a passagem entre o ponto A de
iniciante e o ponto B de “iniciado” perpassa por muito esforço pessoal e estudo individual.

Para aqueles que entram em uma Ordem, parabéns! Confesso que quando entrei para a
Santa Ordem não sabia bem o que ela tinha a oferecer pra mim, mas ali eu me encontrei. Em
outros espaços além de aprender e treinar, descobri o que eu não quero mais fazer ou
conviver.

Nada como uma experimentação real e concreta para nos balizarmos do que queremos
ou não queremos. Afinal não é assim que fazemos com as outras coisas na nossa vida?

Imaginem que para fazer sexo a retórica fosse: “É muito perigoso fazer sexo sem
estudar muito antes! Para aprender você precisa se matricular em uma das tradicionais escolas
de sexo, só depois disso você vai poder fazer sexo da forma certa” o detalhe não mencionado
é que normalmente esse tipo de escola está localizada no eixo rio-são Paulo, se você está
distante, ficará sem sexo.

Certamente algumas pessoas se beneficiariam de um curso de boas maneiras em


relações, mas para além disso paira sobre as nossas cabeças esse fantasma cultural de que a
pessoa vai de um estágio onde está sentada em um sofá até “magão/magona” por meio da
“Ordem”.

Quando depositamos em qualquer lugar único a expectativa de que ali nossos


problemas vão se resolver, sem olhar em volta no que não está ainda devidamente
estruturado e organizado, estamos criando uma armadilha pra nós mesmos.

Esse é um erro comum que cometemos nos relacionamentos amorosos, achar que a
parceira ou parceiro irão nos colocar nos trilhos, nos preencher de tudo que falta e depois que
eles tiverem feito isso tudo por nós, ai sim seremos capazes de realizar nossas
potencialidades. Em suma, assim como é comum buscar uma figura materna/paterna no
parceiro/a também acho que essa busca se espalha para as ordens. Fica de lado o que a ordem
efetivamente se propõe: se é o treinamento, se é o convívio, se é um segredo, o que importa
é que a ordem atenda essa demanda “mãe, já acabei”.

41
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

E como em um ambiente familiar, para segurar “a família junta” se abre mão de certos
preceitos. Aquela pessoa que é insuportável, passa a ser nosso ordálios para ama-lo como
irmão. A outra tóxica que faz comentários só para testar sua capacidade de agredir, é um
“irmão confuso que está no seu próprio processo e é preciso ser paciente”.

Sem dúvida existe valor em se conhecer através do atrito, lapidando a tal pedra bruta,
mas será que esse desejo insaciável pela “ordem magicka” não tira a nossa perspectiva do
quanto queremos nos engajar o trabalho a cada momento?
Assim como a carência nos leva para relacionamentos meio-merda, talvez devesse ser um
compromisso com nós mesmos de procurar uma ordem quando sentíssemos que conseguimos
minimamente funcionar de forma autônoma na nossa vida espiritual, ou ao menos temos uma
noção do que queremos e do que não queremos.
Um meme sobre budismo conta que o discípulo pergunta ao mestre qual o segredo
para o caminho da iluminação, no que o mestre responde “fazer boas escolhas”, “Como saber
quais são as boas escolhas?” indagou o discípulo, no que o mestre retrucou “fazendo más
escolas”.

E ai vem o pulo do gato e dos relacionamentos. Não almeje que o seu primeiro
relacionamento nem uma ordem magica: 1) Seja aquilo que vai colocar a sua vida e a sua
prática nos trilhos 2) Seja o que vai te ensinar didaticamente como você deve se comportar ou
falar enquanto adulto 3) Imponha a você uma disciplina perfeita, que não é onerosa de mais,
mas é desafiadora e estimulante. 4) Que é razoável sem ter qualquer tipo de bagagem ou
experiência no seu primeiro relacionamento você se mude de cidade só para estar perto deste
parceiro salvador.

Idealmente ao invés de escolhas erradas, deveríamos tentar fazer escolhas erradas de


forma que elas sejam o menos danosas possíveis. Imagino o quanto deva ser doloroso almejar
algo por anos e descobrir que não era bem aquilo que a pessoa esperava, ou essa experiência
completamente transformadora e arrebatadora que prometeram, e que quando você volta
para casa depois da seção, gira, encontro, loja, ainda é a sua mesma casa vazia como o seu
coração. Como no sexo, relacionamentos ou esportes, a chave é “Faz ai”. Mas faz ai mesmo, o
que está faltando para você saber e fazer periodicamente o ritual menor do pentagrama?

Há quem vá dizer que “magia é uma coisa muito perigosa” e que “só com um verdadeiro
iniciado se pode aprender esta arte de forma segura”. Pego emprestado uma sabedoria do
livro sagrado de não velar os vícios com palavras virtuosas. Pertencer a uma “Ordem Magicka
Séria” é um privilégio, se você nasceu no lugar certo, na camada social certa, o acesso é bem
simples, se o seu arranjo foi diferente o acesso é extremamente dificultado por questões
sociais. No fim das contas o acesso a essa “coisa” é promulgado com “salvador” e
“transformador de vidas” o que torna razoável as pessoas ansiarem desesperadamente o
pertencimento, mesmo que o que exista uma outra rica possibilidade logo ali do lado.

42
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Não acho que as ordens magickas tem que acabar, mas enxergo como danoso essa
continua percepção de que a comunidade maigicka só pode se desenvolver ao redor dessa
pedra rígida. O despertar iniciático de cada um, não será no dia que vocês viajarem centenas
de quilômetros para passar por um ritual com pessoas “muito sérias com 20 anos de
ocultismo”. O despertar vai ser quando você juntar mais três amigos e tentar fazer algum ritual
da Golden Dawn “do jeito que dá”.

Vasculhem a internet por rituais publicados e façam na sala de casa quando seus pais
saírem. Tantas e tantas coisas que ao nos tornarmos adultos descobrimos que temos que nos
virar. E certamente a maioria das coisas na nossa vida não será tão boa quanto aquela pessoa
que você tem como referencial que é muito boa, mas ao fazer do jeito que dá, você se junta ao
clubinho das pessoas que “faz” e esse sim que é o lugar certo e perfeito para se estar para a
realização da Grande Obra. Transmutemos o pensamento de “falta X para fazer” em direção a
“Vou ter que dar um jeito de fazer sem X”.

Fr. F.V.L.
Frfvl93@gmail.com

43
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Pela chance de união

Faze o que tu queres será o todo da Lei.

Este pequeno ensaio propõe algumas reflexões no tocante da magia sexual, sendo UM
ponto de vista. Esta prática não é condicionada ao ato sexual e também pode ser aplicada
através de tipos ritualísticos que usam do simbolismo e projeções energéticas como é o caso
da Missa Gnóstica, rito central da Ecclesia Gnostica Catholica, o braço eclesiástico da Ordo
Templi Orientis. Espero que possa contribuir para aqueles que buscam Thelema, afinal, a
popularmente chamada Nova Era bateu à porta e já entrou.

Amor é a lei, amor sob vontade.

***

Muitos cientistas afirmam que o corpo da mulher evoluiu ao longo dos milhares de
anos de nossa espécie para separar os mecanismos reprodutivos do orgasmo. Acreditam que
nos tempos iniciais do desenvolvimento humano o orgasmo feminino era essencial para a
reprodução e ainda especulam que essa separação teria sido o meio pelo qual a espécie
alcançou uma forma eficaz de se manter e perpetuar.

Para o homem, ainda que fluídos liberados durante a excitação contenham pequenas
porcentagens de esperma e além de haverem ejaculações sem orgasmo e orgasmos secos,
este ainda mantém maior relação com sua qualidade reprodutora. Talvez seja por isso que se
tenha dado tanta atenção para o orgasmo e fluído corporal do homem quando tratamos de
magia sexual, por este conter não apenas energia criativa, mas por seu produto, o sémen,
trazer em si carga genética.

Mas como aludido, o clímax da mulher atua de forma emancipada. A mulher produz
fluídos que são desnecessários para que haja uma concepção e o seu orgasmo é potente,
podendo ser contínuo ou múltiplo. Não sabemos a razão disso.

Contudo é extremamente limitador pensar que a magia sexual via cópula tenha seu
valor e poder devido à princípios biológicos gerando possíveis competitividades destrutivas.

Não é incomum encontrar estudos milenares e contemporâneos sobre o assunto,


principalmente ou exclusivamente escritos por homens, em explicações e análises das práticas
de magia sexual entre sujeitos héteros, que deixa vaga a questão sobre como a mulher se
beneficia. Ainda mais comum é encontrar certo discurso empobrecedor sobre a mulher,
colocando-a como um sujeito secundário, como um veículo para a realização masculina, onde
os fluídos vaginais, por exemplo, têm seu papel de oferecer ao homem certo tipo de poder.

44
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

E de fato a mulher pode oferecer enormes energias, do mesmo modo que sem Shakti os
Devas Shiva, Brahma e Vishnu não poderiam atuar e que “em sua mulher chamada a Mulher
Escarlate está todo poder dado.” (Liber AL vel Legis, Cap. I:15). A questão está no tom
inferiorizante dado às mulheres, quase sempre de caráter simbólico, sejam nos textos ou nas
falas cotidianas de alguns homens magistas ou possuidores de outros títulos.

A associação da magia sexual com determinismos biológicos, a alta valorização do


órgão sexual masculino e seus fluídos e a penetração como via prevalecente para a
transformação, a ascenção, a comunhão e a iniciação (seja através do agente ativo ou passivo)
tem sido usados como argumentos VELADOS e explícitos para a misoginia, impedindo as
mulheres de tomarem lugares de liderança ou de participarem de certas práticas ritualísticas e
iniciações em muitas organizações e grupos, seja no ocidente ou oriente.

Em resposta a esta falácia, usando do “raciocínio da reprodução”, é cabível argumentar


que as mulheres NASCEM com milhares de óvulos – enormes sóis dourados – e que
posteriormente, a cada menstruação, deságua-se este enorme poder. E se os fluídos vaginais
liberados durante o sexo são tão importantes para o homem em suas aspirações mágicas e
espirituais, o que alega-se sobre os seres que os produz? Arrisco a dizer que as mulheres
magistas, yoginis, sacerdotisas, bruxas, etc. são verdadeiros bálsamos, alinhadas com os
princípios do Sagrado Graal, a Taça da Redenção e em Thelema representada por nossa
Senhora Babalon e Nuit.

Outro ponto significativo é a menopausa (do grego mēn: “mês” ou “luas”; e pausis:
“cessação”, “pausa” ou “término” – Pausa do Ciclo Lunar ou Mensal): ainda que o sangue cesse,
a capacidade orgástica permanece. A mulher continua gerando essa energia criativa. Existem
milhares de relatos de mulheres de mais de 60 anos e até com 90 anos que mantém orgasmos
regulamente, como é apresentado pelo projeto de pesquisa OMGYES. O possível bloqueio
que algumas mulheres sofrem é fruto da cultura culpabilizadora sobre a sexualidade feminina
que resiste há séculos na psique humana. Modificações corporais causadas pela idade são um
fato da experiência humana, mas não uma barreira intransponível no caso do prazer feminino.
Já os homens, quando atingem a vetustez, são afetados pela disfunção erétil e, mesmo que
ainda possam ser férteis, a qualidade do esperma cai significativamente.

Há na história cultural da ciência uma má interpretação sobre a mulher enquanto ser


vivo complexo, e na magia sexual, uma omissão e submissão sobre sua potência e atividade
que não é, de maneira alguma, a de um sujeito secundário ou passivo. E ainda assim é
relevante como a ciência aos poucos vêm dando maior atenção para as características do
corpo fêmea (pesquisas avançam na fecundação entre óvulos e nos lembremos das
mitocôndrias!) e, em magia sexual, Hsi Lai talvez seja um dos nomes mais expressivos por
trazer à tona a ancestralidade das Tigresas Brancas.

Em um entendimento pessoal, a magia sexual se interessa pela energia gerada através


da excitação capaz de desbloquear, expandir e permitir a saudável e intensa fluência através

45
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

dos chakras, atuando juntamente com a capacidade dos praticantes em visualizar e conduzir
essa energia para atingir a união do Ser Menor com o Ser Maior, o Eu Divino, o Sagrado Anjo
Guardião, o encontro ou manifestação da Verdadeira Vontade ou qual for a intenção ou escola
da(o) magista. Se interessa em prolongar esse estado e busca certa elevada qualidade do
orgasmo, para que seja possível alcançar o Sagrado e o Divino: pois por este ato tocamos, em
uma escala menor, Aquilo que está Acima, a energia de Deus desprovido de gênero e cultura,
a forma criativa primeira e o meio pelo qual tudo existe. A magia sexual é uma reprodução
infinitamente menor do princípio divino, como uma escala longínqua de um fractal.

E quanto à magia sexual para indivíduos que estão fora da heteronormatividade, no


tocante das mulheres lésbicas? Simples: são energias transcendentes colocadas em
movimento do mesmo modo! E se qualquer pessoa quiser argumentar que duas mulheres não
atingem qualquer efeito em magia sexual, então dois homens também não atingem nada. E
assim caem por terra muitos dos princípios das ordens e dos grupos formados exclusivamente
por homens e que utilizam desta vertente mágica via ato sexual; ou é válido apenas para eles?
Mais uma vez: trata-se da prevalência da penetração como meio transformador e de iniciação,
colocando em segundo plano a multiplicidade de experiências exequíveis. Não há meios
melhores ou piores, menos ou mais eficientes, há apenas o diferente.

Nos recordemos sempre: ” Ab-rogados estão todos os rituais, todos os ordálios, todas
as palavras e sinais. Ra-Hoor-Khuit tomou seu assento no Leste ao Equinócio dos Deuses; e
que Asar esteja com Isa, que também são um. Mas eles não são de mim. Deixe Asar ser o
adorador, Isa o sofredor; Hoor em seu secreto nome e esplendor é o Senhor iniciando.” (Liber
AL vel Legis, Cap. I:49).

Em “A Fórmula de IAO”, Aleister Crowley sugere que no Aeon de Osíris se inicia a idade
patriarcal. Uma de suas diferenças em relação ao antecedente Aeon de Isis, causando a
mudança do matriarcado para o patriarcado, seria a queda da ideia da partogêneses. Mas o
presente Aeon de Hórus (o Aeon da Criança Coroada e Conquistadora) está livre desses
paradigmas e pode ser entendido a partir da integração dos opostos fêmea/macho, não física
ou estéticamente, mas de maneira alquímica, interna:

“O masculino deveria ter se completado e se tornado andrógino; o feminino,


ginândrico. Esta incomplenitude impregna a alma. Pensar ‘não sou mulher, mas homem’ ou
vice-versa, é limitar-se a si mesmo, estabelecer um padrão para o movimento de alguém. É a
raiz do ‘fechamento’ que culmina em tornar-se ‘Maria Inviolada’ ou ‘Irmão Negro’.”. (Aleister
Crowley. Comentários sobre Liber LXV, Capitulo V, v:44).

As polaridades e gênero podem ser transcendidos e mais: nossas culturas e valores nem
sempre estão alinhados de maneira racional ou imperativa com essências divinas. Então não
há provas que uma mulher seja incapaz ou esteja proibida de expressar a força masculinizada
de Therion ou que um homem não possa se deleitar com a imanência de Babalon.

46
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

No ritual Rubi Estrela (Liber XXV) as polaridades estão balanceadas: Therion-Babalon | Nuit-
Hadit. O ritual conduz para o esforço de realização da alquimia particular, de união e
dissolução das oposições internas, então os self masculino e feminino devem ser
(re)conhecidos e unidos para atingir o sublime. Nesse rito, quando se profere “O Phalle”,
enganam-se aqueles que entendem como um princípio restrito ao homem ou algum tipo de
falicismo: trata-se da força sexual refinada e controlada, da força potente e pungente
existente em todos os seres, do astral, da esfera de Yesod… e a mulher tem força fálica! E isso
não é simples inveja: vide o funcionamento do clitoris, para martelar mais uma vez nas peças
biológicas ou freudianas, ainda que antiquadas.

O sinal de NOX finaliza com a amamentação, a nutrição da luz gerada na escuridão,


além da postura de Babalon / Baphomet sendo esse último representante claro do ser que
atingiu a alquimia da união, como a letra Vav representa a resultante da comunhão entre o Yod
e o He no Tetragrammaton, simbolizada também na esfera Tiphareth da Árvore da Vida.

Concernente às mulheres, não se trata de distanciar do phallus como se fosse algo


ruim, em uma rígida associação em magia com a cultura machista e criar o gueto da yoni. Foi, e
inelizmente ainda é, em vários casos, a mentalidade de muitos homens que deturpa e
confunde os sentidos dos símbolos e as relações sociais e políticas de poder, mantendo uma
enorme gama de características limitantes do período osiriano. Nas mulheres a força fálica
está na forma de falar, de lutar, e em inúmeras outras expressões. Trata-se da força que cria e
projeta algo de dentro para fora, que alcança um objetivo ou objeto que será unido e
transformado, sublimado, e essa força não precisa necessariamente ser dependente do órgão
sexual masculino para se manifestar. A yoni, por sua vez, representa aquilo que é capaz de
conter e onde a transmutação é possível, onde algo pode vir a existência, e os homens
também são capazes de atuar dessa maneira. Talvez as características biológicas possam
facilitar um estado em detrimento do outro, mas não impossibilita a expressão do oposto nas
essências particulares.

“A alma está além do masculino e feminino, pois está além da vida e da morte. Mesmo
que o Lingam e o Yoni sejam apenas desenvolvimentos diversos de Um Órgão, também a Vida
e a Morte são duas fases do Estado Único. Assim também o Absoluto e o Condicionado são
apenas formas daquilo”. (Aleister Crowley. O Livro das Mentiras, Cap. 35).

Quando tratamos do phallus em magia ele não deve ser associado categoricamente ao
pênis, um símbolo menor e imperfeito – assim como a vulva não deve ser um retrato fiel da
yoni – mas representam um conceito, um tipo de energia criadora, um tipo de estado mental e
espiritual, um tipo de energia que somos capazes de mover. Somos Deuses. “Todo homem e
toda mulher é uma estrela.” (Liber AL vel Legis, Cap. I:3).

Acredito que o cerne da questão para a percepção da mulher e do feminino em meios


espirituais, ocultistas, em Thelema, em grupos e ordens e na prática da magia sexual está na
Grande Obra das mulheres em avaliar, propor e definir de maneira heterodoxa o que é esse

47
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

feminino e o papel da mulher a partir de experiências e interpretações particulares e


comungadas, sem as cargas do que até então foi imposto, sendo esse último o mais
desafiador. E isso vale também para os homens que precisam rever seus papéis e o conceito
de masculino no Novo Aeon.

Todos devemos rever e reestabelecer, em conjunto e no seio das individualidades, esses


valores e ideias, seja de maneira sócio-cultual, psicológica ou mágicka, para que o sexo retorne
à sua dimensão sagrada e para que possamos atingir a sacro união alquímica e assim nos
autointitular Thelemitas, Crianças Coroadas e Conquistadoras do Aeon de Hórus.

“Esta é a criação do mundo, que a dor da divisão é como nada, e a alegria da dissolução tudo.”
(Liber AL vel Legis, Cap. I:30).

Soror Lótus

48
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

A dicotomia Thelêmica entre a pomba e a serpente e a sua


relação com o “Espírito Santo”

Faze o que tu queres, há de ser tudo da Lei

Eu decidi escrever este artigo para expressar minha própria opinião sobre o mistério
presente em Liber AL I, 57

“Invoque-me sob minhas estrelas! O Amor é a Lei, Amor sob Vontade. Nem deixe que
que os tolos confundam o Amor; pois há Amor e amor. Há a pomba e há a serpente. Escolha-
os bem! Ele, meu profeta, escolheu, conhecer a Lei do forte, e o grande mistério da casa de
Deus. Todas essas velhas letras de meu livro são certeiras; mas não é a Estrela. Isto também é
segredo: meu profeta revelará isso aos sábios”. *

Também é meu interesse apresentar algumas reflexões que venho estudando sobre o
conceito de Espírito santo no saber Thelêmico.

Tenho lido opiniões diversas de pessoas falando em grupos públicos em mídias sociais
sobre esse assunto e percebo que muitas pessoas pensam que a afirmação da deusa Nuit
nesse verso é algum tipo de teste para o adepto de Thelema, e que de acordo com ele, ele ou
ela devem fazer uma escolha entre “opostos” a pomba e a serpente. Desta forma, um deles
deveria ser algo “negativo” e o outro, consequentemente, algo “positivo”. Mas seria verdade
essa interpretação? Se for, o julgamento de ambos como positivo ou negativo dessas duas
possibilidades dependeria da perspectiva de cada leitor.

Muitas das opiniões que encontrei relacionam a pomba com as crenças cristãs e
consequentemente algo “desprezível” de acordo com seus próprios entendimentos dos
ensinamentos Thelêmicos. Visto que o cristianismo parece ensinar a rejeição ao símbolo da
serpente (o que é verdade, mas não verdade absoluta) torna-se fácil pensar que a escolha
correta para um Thelemita, entre a pomba e a serpente, seria então a serpente em vez da
pomba. E sim, esta é a opinião geral dos Thelemitas que participam de discussões sobre
Thelema na internet.

Mesmo assim, podemos encontrar na bíblia algumas referências a serpentes que


poderiam ser consideradas praticamente ideias positivas sobre elas, como segue:

Matheus 10:16
“Eis que te envio como ovelhas no meio de lobos; então seja perspicaz como serpente e
inocente como pombas”

João 3:14 – 15
"Assim como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem
seja levantado; para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna"

49
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Números 21 – 7
"Então o povo veio a Moisés e disse:" Pecamos, porque temos falado contra o SENHOR e
você, e intercedemos com o SENHOR, para que Ele retire as serpentes de nós. "E Moisés
intercedeu pelo povo. Então o SENHOR Disse a Moisés: “Faze uma serpente de fogo, e põe-
na em um padrão; e acontecerá que todo aquele que for mordido, quando olhar para ela,
viverá. ” E Moisés fez uma serpente de bronze e a colocou o padrão, e aconteceu que, se uma
serpente mordesse qualquer homem, quando ele olhava para a serpente de bronze, ele vivia "

Êxodo 7 -11 -12


"Então Faraó também chamou os sábios e feiticeiros, e eles também, os magos do Egito,
fizeram o mesmo com suas artes secretas. Para cada um deles, eles jogaram seus cajados e se
transformaram em serpentes. Mas o bastão de Arão engoliu seus cajados. ".

Eu nunca me senti satisfeita com essa resposta, simplesmente escolher a serpente em


vez da pomba, penso que a dicotomia que a deusa Nuit apresenta nessa sentença deveria ser
mais profunda, indo “para além da imagem”. Então durante minhas pesquisas sobre as
possíveis interpretações dessa afirmação eu encontrei algumas que satisfizeram meus
sentimentos sobre o tema.

Em primeiro lugar, remeti-me à interpretação do próprio profeta sobre isso, que está
escrito em AL, o comentário chamado D, (o trabalho de Djeridensis) por 666

57. “Nuit: dever da humanidade para invocá-la. Nuit ordena que a humanidade a
invoque, isto é, que cumpra sua máxima individualidade, sob Suas estrelas, isto é, pelo estudo
de todos os outros Pontos de Visão ao lado do seu. O método da Magia: Ame o modo no qual
a Vontade opera. O método da Magick neste - e em todos - Trabalho é: “amor sob vontade”. A
palavra amor (Agaph em grego) tem o valor de 93, como o de Θελημα, vontade. Isso implica
que o amor e a vontade são, na verdade, una e a mesma, duas fases de um tema. O amor é
assim mostrado como o meio pelo qual a vontade pode ser trazida ao sucesso. Amor: seus
dois principais tipos: seus possíveis defeitos. Os homens são advertidos contra o erro nesta
questão de amor. Existem dois modos principais de amor, o símbolo de um ser a pomba, do
outro a serpente. Esses símbolos e seus significados na ética, com sua influência na “lei do
forte e no grande mistério da Casa de Deus”, são explicados por mim totalmente em outro
lugar ”.

Então, há o Amor e o amor, ambos são amor e ambos são a Lei. A deusa Nuit está
dizendo que aqueles que não escoherem sabiamente são “tolos” e isso pode ser visto como
um aviso sobre a possibilidade de cometer um engano ao escolher uma delas, mas,
sinceramente, penso que esse verso necessita ser interpretado através da perspectiva de
estarem intimamente ligados ao verso 56 do mesmo capítulo.

"Não espere ele do Oriente, nem do Ocidente; pois de nenhuma casa esperada vem

50
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

aquela criança. Aum! Todas as palavras são sagradas e todos os profetas verdadeiros; salvo
apenas que eles entendam um pouco; resolva a primeira metade da equação, deixe o segundo
não foi atacado. Mas tu tens tudo na luz clara, e alguns, embora não todos, no escuro ".

Então, essa escolha entre a pomba e a serpente é algo relacionao à equação


mencionada por Nuit, ela até nos dá ais uma pista sobre isso quando diz:
"Mas tu tens tudo na luz clara, e alguns, embora não todos, no escuro". Eu entendo isso como
a aplicaão do princíprio do equilíbrio, meso duranto o momento da escolha entre as duas
opções. Então os “tolos” errarão, ou não.

A menção à palavra “tolos”, penso que deve ser relacionada ao “Atu 0” o tolo, o qual é o
viajante da jornada dos trunfos do tarô. Nuit também mencionou que o profeta “Escolheu
bem conhecer a lei da fortaleza e o mistério da casa de Deus” o qual Crowley interpretou
como a representação de Atu XVI, a torre (a fortaleza e morada de Deus) e que o pensamento
foi confirmado no verso, quando é imediatamente mencionado:
"... todas as letras do meu livro estão corretas, mas tzaddi não é a estrela

De acordo com o livro de Thoth: Atu XVI A Torre


"... Banhada pela refulgência deste Olho (que agora assume até mesmo um terceiro
sentido, o indicado em Atu XV) é a Pomba que contém um ramo de oliveira e a Serpente:
como na citação acima. A Serpente é retratada como a Serpente Leão Xnoubis ou Abraxas,
que representam as duas formas de desejo, o que Schopenhauer teria chamado de Vontade de
Viver e Vontade de Morrer, representam os impulsos feminino e masculino, a nobreza do
último é possivelmente baseada no reconhecimento da futilidade do desejo. Isto é, talvez,
porque a renúncia do amor em todos os sentidos comuns da palavra tem sido tão
constantemente anunciada como o primeiro passo em direção à iniciação.Esta é uma visão
desnecessariamente rígida.Essa Trunfo não é a única carta no Pacote, nem é a vontade de
viver e a vontade de morrer são incompatíveis. Isso fica claro assim que a vida e a morte são
compreendidas (veja Atu XIII) como fases de uma única manifestação de energia”.

De acordo com a opinião da Soror Meral, a escolha é feita pelo profeta quando afirma
“Ele, meu profeta, escolheu...”, não havia ainda se confirmado no momento e que foi escrito o
Livro da Lei, mas apenas quando Crowley calculou a diferença entre as cartas a Estrela e o
Imperador, atribuição das letras hebraicas na organização do tarô Atus; ela disse:

"Meu profeta escolheu Hé." Ela lê isso como uma pista para o que ainda está por vir, a
atribuição de Heh (Hé) para a estrela ".

Dessa forma, de acordo com esse ponto de vista, o pensamento fatalista de alguns
Thelemitas ao pensar que eles necessitam escolher entre a pomba e a serpente a fim de
preencher algum requisito sobre o ideal de um praticante de Thelema, seria a mais absoluta
bobagem.

51
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Visto que a pomba e Amor, e a serpente é também Amor, ambas são a esma coisa no fim das
contas. Dois aspectos do Amor: A serpente e o símbolo do amor erótico e sexual (kundalini) e
a pomba do espírito do amor fraternal, ou ágape. Ambos, como disse Crowley, duas fases
diferentes da mesma coisa, e podemos usar ambos sem medo de errar.

Encontrei essa lúcida interpretação em um site de discussão sobre Thelema:

"A pomba da paz e da harmonia é um verdadeiro poema do Espírito Santo pairando nos
céus celestes do amor fraternal. A serpente da sabedoria e deleite é um verdadeiro falo da
Luxúria mergulhando em ciclos infernais de imortalidade da pele (claro, como acontece com
qualquer interpretação verdadeira da interação simbólica, toda a metáfora pode ser virada
completamente de cabeça para baixo: a serpente pode representar a sublimação espiritual da
personalidade através da varinha da vontade [cf. Avalon, O PODER DA SERPENTE, as varas de
Moisés e Arão, etc. ], enquanto as asas labiais e bico clitoriano da pomba mal podem esconder
em si a taça molhada e à espera de Babalon) - A pomba é também um símbolo ligado a Vênus
"*

Me pergunto por que alguns Thelemitas pensam que a pomba é um símbolo contrário
aos valores Thelêmicos, talvez eles ainda não tenham percebido o imaginário contido no
Lamen da O.T.O?

A pomba simboliza o “ESPÍRITO SANTO” descendo para iluminar o que está abaixo, é o
êxtase espiritual, o fogo que parte de cima descendo como um raio, penetrando os domínios
inferiores, sendo também uma representação sexual – na minha opinião, o Espírito Santo é
aquela manifestação da energia primordial, pura, que está presente em tudo e que é o centro
de tudo ao mesmo tempo, sendo nada menos que o próprio Hadit sendo ele próprio também
a serpente, o êxtase sexual, o fogo que parte de baixo, kundalini ascendendo para alcançar os
planos mais altos – Kundalini Shakti, literalmente significa “energia enrolada (ou serpenteada)”
através da coluna espinhal. Algo experimentado durante o yoga tântrico a fim de alcançar uma
elevação através dos planos, sendo, além disso, também uma tarefa espiritual. “O segredo da
serpente enrolada prestes a saltar” referido no Liber AL, II:26

"Eu sou a serpente secreta enrolada para a primavera: no meu enrolamento há alegria.
Se eu levantar minha cabeça, eu e minha Nuit somos um. Se eu cair na minha cabeça e atirar
veneno, então é o arrebatamento da terra. e eu e a terra somos um ".

Mostrando-nos que kundalini tem dois caminhos pelos quais a energia flui; quando levanta
sua cabeça para unir-se com Nuit é a essência de Agape, e quando ela deixa cair sua cabeça e
atira veneno “através da carne” é a essência de Eros. Uma compreensão de ambos os versos
conectados, dá-nos uma perspectiva na qual a afirmação: “Escolhei bem!” não seria um aviso
fatalista, ao invés disso, uma pista que nos guia a buscar o equilíbrio de ambas as forças ou
formas de expressão da energia kundalini (energia sexual e espiritual) em nosso corpo (A casa
de Deus)

52
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

*Forum de discussão em heruraha.net

O Amor é a Lei, Amor sob Vontade

Nota da autora : este ensaio fora previamente publicado em meu antigo blog “alphabet of daggers”.

Bride ov Kaos (Star Ruby)


rubymarencosierra@yahoo.com

Traduzido por: Fr. HUE (Bernardo Coldebella)

53
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Kisses of the stars

54
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

A Visão e a Presença

Em todo sistema de desenvolvimento pessoal uma das premissas básicas que se espera
do estudante é a construção de seus parâmetros pessoais. É apenas através deles que se pode
checar realmente se há progresso ou não. No meio thelêmico, o diário mágico está associado a
essa função auxiliando ao estudante a catalogar os seus resultados e compreender o que
funciona e o que não funciona para si. Todo estudante sério já considerou alguma vez na vida
quais são as variáveis e influências que permeiam a obtenção do resultado almejado e talvez
avaliar o contexto de forma lúcida seja a melhor maneira de entender as nossas potências e os
nossos desafios. É com base nesse conhecimento que podemos falar sobre a construção de
nossos parâmetros e assim avaliar melhor o que a nossa prática de desenvolvimento pessoal
pode realmente fazer por nós.

A magia estima demais a experiência e o tempo de serviço. O argumento de autoridade


preferido nas discussões mágicas é o de tempo de estudo/prática, e isso acontece por que
pressupõe-se que o estudante mais velho terá maior conhecimento acerca de si mesmo e de
como o seu microcosmo se comporta nas diversas experimentações às quais ele se submeteu.
Infelizmente nem sempre isso é verdade, justamente pela miopia cognitiva e a voluntária
seleção do túnel de realidade de cada um. Dessa forma, podemos dizer que o diário mágico de
cada estudante é um recorte feito e editado pela persona mágica que veste aquele motto
durante as práticas em questão, complementado por alguns comentários de outras personas
que eventualmente se dão conta do que está sendo trabalhado quando o templo está aberto.

Mas, embora a percepção seja parcial e enviesada, a conquista do trabalho geralmente é


evidente e incondicional. Permanece a velha máxima de que “fazendo certas coisas, certos
resultados se seguem”, o que não está devidamente explicado é que ao empregar nossa
consciência com maior Presença no que fazemos e na projeção do resultado que almejamos,
ampliamos nossas chances de sucesso. Isso quer dizer que nessa equação há essa variável,
Presença, que pode não ter sido considerada previamente pelo estudante e que pode
trabalhar ao nosso favor.

Se o resultado é absoluto, independente da perspectiva de cada um, e a meta é única – o


objetivo da Religião –, então podemos dizer que a prática constante e a execução da
Verdadeira Vontade de cada Estrela deve conduzir à relativização das pequenas verdades do
ser e à desopilação de suas perspectivas e percepções excessivamente pessoais. Em outras
palavras, a trilha à Grande Obra é um caminho de despersonalização e de expansão
consciencial, mesmo que estas propriedades sejam meras consequências do trabalho realizado
e se somem ao magista inconsciente e despropositadamente – e nesse caso temos de perdoar
a ingenuidade do adepto.

Mas Thelema não é um sistema baseado no perdão, e muito menos na ingenuidade, e


se há variáveis que não estamos considerando e ferramentas que podem ampliar nossa

55
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

Vontade e, consequentemente, a nossa Presença, então elas devem ser consideradas e


experimentadas com a devida metodologia de cada um. É aqui que os parâmetros se fazem
necessários, para que o estudante consiga verificar que o abandono de seus preconceitos e de
suas crenças rasas intensificam seus sucessos e lhe aproximam de suas metas.

Longe de nós querer ditar a forma como cada um organiza o seu sistema de crenças e
suas ambições. Aqui fazemos apenas a demonstração de uma fórmula, que é amplamente
utilizada mas muito pouco discutida: ao executar a assunção de uma forma-Deus, o adepto
deve esvaziar a sua mente e deixar-se impregnar pelas qualidades daquela divindade de forma
passiva e contemplativa, até que consiga, de fato, se fundir com aquela consciência. Quando
estamos tratando da execução da nossa Verdadeira Vontade o mesmo se dá: é pela quietude
dos ruídos dissonantes e o êxtase do essencial – Estado de Gnose – que alcançamos e melhor
canalizamos esta espécie de propósito inerente. Em outras palavras, ao calar os ecos de
nossos instintos e das influências externas somos capazes de ampliar a nossa Presença e atuar
com maior propriedade no mundo. Fundirmo-nos com o núcleo de nossa Vontade é nos dispor
a ouvir a voz de Adonai – eis a via perfeita.

A questão é que o estudante sempre acredita que está plenamente apto. Ele não tem
ciência de seus túneis de realidade constritos e de que os seus parâmetros estão embasados
em sua própria experiência e por isso não têm qualquer ressonância real. Seu diário é um
acúmulo de recortes de suas convicções e, com o excesso de certezas extinguem-se as
possibilidades. Quão mais certo o estudante está acerca de si mesmo e do mundo, menor é a
propensão de se vivenciar qualquer experiência que transforme suas perspectivas. Quanto
mais engessadas suas concepções, menor é o calibre do canal pelo qual se manifesta a sua
Vontade, menor a fluidez e a espontaneidade com que a vida se manifesta, menor é a sua
Presença, que se apresenta opaca e indistinta – mas disso ele não se dá conta.

O que lhe falta, portanto, é o refino do êxtase. É ter padrões, parâmetros, que
realmente façam jus à imensidão do que sua Essência ambiciona. Para ser capaz de incorporar
a nossa Vontade com perfeição é preciso, como dito anteriormente, alcançar o estado da
passividade receptiva, da contemplação do Real e do entendimento das perspectivas alheias
que cercam ao adepto e que o percebem de uma forma que ele nunca se percebeu. Dissolver
os próprios apegos à ideias e comportamentos pré-concebidos, analisar e reconstruir a própria
lógica de interação com o Todo, expor-se ao inédito e permitir-se exibir o brilho que a sua
estrela contém em si. É esse brilho que configura a nossa Presença, e é apenas através da
Visão, desopilada e aprimorada, que conseguimos perceber e, assim, interagir com o Real.
Menos que isso é ilusão.

Frater AmeN

56
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

O Telhado E A Bola

“Vizinhos malditos”, pensou.

Carlos se desconcentrou por um momento durante a arrumação do quarto, com o


edredon nas mãos. A janela do quarto, antes sempre aberta, agora permanecia fechada - como
tudo na casa. Aquele barulho? Velho conhecido; amado e odiado seu. Crianças, futebol e... o
telhado da casa do Carlinhos, como era conhecido na vizinhança: não havia combinação
melhor para fazer alguém passar raiva numa manhã de sábado. Carlos não era de modo algum
ranzinzo, mas a baixa qualidade do telhado unida ao longo tempo sem manutenção fazia com
que o barulho fosse escutado a três ruas, da travessa da Mossamedes com a Benedito Alves
até a avenida Nordestina. Ainda mais agora. Parecia que um míssil balístico intercontinental
caía sobre a casa.

Calmo e acostumado com o evento, esboçando uma cara malvada - precisava


repreender a molecada de alguma maneira -, saiu do quarto dos fundos, andou pelo corredor
de sete metros e meio de comprimento, ladeado por pequenos vasos com cactos. Aliás os
cactos representavam bem a aridez de emoções dessa época de vida de Carlos. Aridez
lembrava deserto, e deserta era a vida. Respirou fundo, num único suspiro prolongado, e abriu
a cortina. Era o grupo de sempre: cinco meninos da vizinhança, olhando espantados para a
janela, esperando concessão de acesso ao quintal para recuperar a bola, que estava bem
próxima à porta. Certamente se o portão não estivesse com o cadeado, a molecada pegaria a
bola e continuaria jogando a bola no telhado como se nada tivesse acontecido. Aliás a casa
vivia trancada. Assim como as diversas coisas que Carlos gostaria de dizer.

Carlos olhou e piorou um pouco a cara forjada de mau; ensaiou um personagem raivoso
desses de telenovela. Desacreditava ainda que a cara de mau surtisse efeito respeitoso sobre
os garotos, mas instintivamente era mais fácil para ele e não tinha muita opção. Era também
um cuidado para que não percebessem sua condição. Talvez não dizer nada ainda atribuísse
mais aura de temor e respeito. Controlando sua ansiedade, respirou fundo. Estava preocupado
com possível zombaria do grupo: abriu a porta, pegou a bola e levou aos garotos. Simples e
direto. Praticamente um general de exército etíope marchando em direção ao inimigo; era
negro, alto e esguio. Os cabelos curtos, os membros bem torneados. O mundo silenciava para
admirar tal cena. E por dentro? Rebuliço total.

Que engraçado esse sentimento de silenciamento do mundo; um sarcasmo maldito e


uma piada de extremo mau gosto feita da vida para ele. Como ele se sentia mal com os
próprios sentimentos e emoções sobre silêncio, calma, paz. Cogitou mesmo fugir de casa dia
desses. Não teria que “falar” com ninguém, nem repreender garotos, nem suportar bolas em
telhados. Em outras ocasiões a bola nos telhados lhe dava sentimentos de profunda gratidão

57
Revista 777 – A ponta de lança da Thelema Brasileira

por poder ouvir aquele barulhão de meteoro caindo em qualquer parte da Sibéria. Ele percebia
que seu modo de viver desde então parecia lentificado: mais devagar avançava o tempo. E ele
mais atento.

“Obrigado”, expressou Tomás, filho da dona Josefa, que morava na esquina da rua.
Carlos arregalou os olhos. Não sabia muito bem como reagir, ainda mais naquela situação -
não diria nada como de costume. Era a primeira vez que passava pelo clássico “bola no
telhado” desde semanas atrás. E pior: não havia nada fisicamente que demonstrasse sua
situação crítica e o abalo sofrido. Fechou o portão e entrou correndo. Pensou na vontade
enorme de gritar um “não façam mais isso!” para a molecada, como de costume quando tinha
seu jardim destruído.

Pela janela, as crianças ainda espantadas com a falta de reação de Carlos, que sempre
reclamava e fazia pelo menos três reclamações de uma vez: lembrava do vidro quebrado de
anos atrás, da invasão do quintal à procura de pipas e das constantes bolas que terminavam
por destruir seu telhado velho e umedecido pelas águas de Janeiro. Todo esse clima de chuvas,
calor e frio se harmonizavam com o estado emocional incerto de Carlos. Ele certamente cairia
em depressão nos próximos meses e, apesar de consciente do fato e repleto de informações,
não aceitava.

Aqueles segundos de reflexão provavam a ansiedade que afligia Carlos e o seu


profundo desejo de reabilitação. O impacto em sua vida social era claro: vivia mais trancado
desde a batida do carro na volta da festa de formatura. Se arrependera dos longos dias que
passava em casa antes e não dizia mesmo bom dia aos seus pais e à sua irmã Camila; e de não
ter dito tantas coisas para as pessoas que amava, para seus amigos - para si mesmo. Não sabia
se tinha real esperança de as longas conversas de bar com os amigos voltarem a acontecer.

O dia mais feliz da sua vida acadêmica foi também divisor de águas entre a existência e
a morbidez de algo que para ele era a morte. Até mesmo seu namoro estava prestes a
terminar, tão difícil era lidar com o caso raro. Se sentia injustiçado: mal teve tempo de
aprender uma nova opção de comunicação. Era um misto de agradecimento por não ter
morrido no acidente com ódio da vida por ter roubado sua fala e transformado seus dias numa
eterna tentativa de se comunicar. Carlos precisaria aprender a conviver com o trauma da
mudez. Aprender a lidar com o vazio de voz. A amar o silêncio.

Frater Amanrathus

58