Você está na página 1de 10

DEMOCRACIA E CIDADANIA b) 1950-1960 – fim do voto secreto.

Cidadania não é uma questão de persuasão ou c) 1960-1970 – direito de voto para as mulheres.
opção puramente racional entre virtude e pecado. d) 1970-1980 – fim do voto obrigatório.
Ela é vivida como necessidade do eu, como desejo. e) 1980-1996 – direito de voto para os analfabetos.
Mesmo quando agimos em torno do bem comum, a QUESTÃO 02 (ENEM 2011)
atividade implica em motivação individual: ninguém é É difícil encontrar um texto sobre a Proclamação da
movido por interesses universais e abstratos e não República no Brasil que não cite a afirmação de
se pode pedir ao homem que abandone a esfera Aristides Lobo, no Diário Popular de São Paulo, de
pessoal de busca da felicidade, mas deve impedir que ―o povo assistiu àquilo bestializado‖. Essa
que esta busca cerceie a dos outros. A democracia é versão foi relida pelos enaltecedores da Revolução
a tentativa constante de regeneração de suas de 1930, que não descuidaram da forma republicana,
definitivas imperfeições por meio de um processo de mas realçaram a exclusão social, o militarismo e o
aperfeiçoamento permanente, razão pela qual é o estrangeirismo da fórmula implantada em 1889. Isto
sistema superior de organização da sociedade. porque o Brasil brasileiro teria nascido em 1930.
―Onde quer que seja, existirão sempre homens e MELLO, M. T. C. A república consentida.
Rio de Janeiro: FGV, 2007 (adaptado).
mulheres, grupos e indivíduos singulares, minorias e
camadas particulares, submetidos a algum tipo de O texto defende que a consolidação de uma
humilhação, degradação, injustiça ou opressão‖ determinada memória sobre a Proclamação da
(Marco Aurélio Nogueira) . Cidadania diz respeito ao
República no Brasil teve, na Revolução de 1930, um
cidadão, ou seja, habitante da cidade, o mesmo que de seus momentos mais importantes. Os defensores
polis, na Grécia antiga. A palavra polis também da Revolução de 1930 procuraram construir uma
gerou em português a palavra "política" tão visão negativa para os eventos de 1889, porque esta
conhecida e que por vezes adquire um sentido era uma maneira de
pejorativo, pois ao inverso do que ela postula, é a) valorizar as propostas políticas democráticas e
usada para beneficiar o interesse particular sobre o liberais vitoriosas.
público. O conceito de cidadania não teve sua b) Resgatar simbolicamente figuras ligadas à
gênese no Estado Moderno. Em Roma, por exemplo, Monarquia.
era um estatuto unitário do qual desencadeava-se a c) criticar a política educacional adotada durante a
igualdade de direitos entre os cidadãos. Entretanto, é República Velha.
inquestionável ter a Grécia, alcançado de forma mais d) legitimar a ordem política inaugurada com a
ampla seu sentido através da participação dos chegada desse grupo ao poder.
cidadãos atenienses nas assembléias do povo, e) destacar a ampla participação popular obtida no
tomando efetivamente decisões políticas. Mas ser processo da Proclamação.
cidadão é ter acesso à decisão política, ser um QUESTÃO 03 (ENEM 2011)
possível governante, um homem político. Ter direito Completamente analfabeto, ou quase, sem médica,
não apenas a eleger representantes, mas a participar não lendo jornais, nem revistas, assistência nas
diretamente na condução dos negócios da cidade. É quais se limitava a ver figuras, a não ser em casos
verdade que em Roma nunca houve um regime esporádicos, tem o patrão na conta de benfeitor. No
verdadeiramente democrático. Mas na Grécia os plano político, ele luta com o ―coronel‖ e pelo
cidadãos atenienses participavam das assembléias ―coronel‖. Aí estão os votos de cabresto, que
do povo, tinham plena liberdade de palavra e resultam, em grande parte, da nossa organização
votavam as leis que governavam a cidade - a Polis - econômica rural.
LEAL, V. N. Coronelismo, enxada e voto. São Paulo: Alfa-
tomando decisões políticas. Ômega, 1978 (adaptado).
QUESTÃO 01 (ENEM 2011) O coronelismo, fenômeno político da Primeira
GOMES, A. et al. A República no Brasil. Rio de Janeiro: Nova
República (1889-1930), tinha como uma de suas
Fronteira, 2002.
A análise da tabela permite identificar um intervalo principais características o controle do voto, o que
de tempo no qual uma alteração de tempo no qual limitava, portanto, o exercício da cidadania. Nesse
uma alteração na proporção de eleitores inscritos período, esta prática estava vinculada a uma
resultou de uma luta histórica de setores da estrutura social
sociedade brasileira. O intervalo de tempo e a a) igualitária, com um nível satisfatório de
conquista estão associados, respectivamente, em distribuição da renda. 2
a) 1940-1950 – direito de voto para os ex-escravos.
b) estagnada, com uma relativa harmonia entre as QUESTÃO 06 (ENEM 2011)
classes. Segundo Aristóteles, "na cidade com o melhor
c) tradicional, com a manutenção da escravidão nos conjunto de normas e naquela dotada de homens
engenhos como forma produtiva típica. absolutamente justos, os cidadãos não devem viver
d) ditatorial, perturbada por um constante clima de uma vida de trabalho trivial ou de negócios – esses
opressão mantido pelo exército e polícia. tipos de vida são desprezíveis e incompatíveis com
e) agrária, marcada pela concentração da terra e do as qualidades morais –, tampouco devem ser
poder político regional e local. agricultores os aspirantes à cidadania, pois o lazer é
QUESTÃO 04 (ENEM 2011) indispensável ao desenvolvimento das qualidades
Na década de 1990, os movimentos sociais morais e à prática das atividades políticas".
camponeses e as ONGs tiveram destaque, ao lado VAN ACKER, T. Grécia. A vida cotidiana na cidade-Estado.
São Paulo: Atual. 1994
de outros sujeitos coletivos. Na sociedade brasileira,
a ação dos movimentos sociais vem construindo O trecho, retirado da obra Política, de Aristóteles,
lentamente um conjunto de práticas democráticas no permite compreender que a cidadania:
interior das escolas, das comunidades, dos grupos a) possui uma dimensão histórica que deve ser
organizados e na interface da sociedade civil com o criticada, pois é condenável que os políticos de
Estado. O dialogo, o confronto e o conflito têm sido qualquer época fiquem entregues à ociosidade,
os motores no processo de construção democrática. enquanto o resto dos cidadãos tem de trabalhar.
SOUZA, M. A. Movimentos sociais no Brasil contemporâneo: b) era entendida como uma dignidade própria dos
participação e possibilidades das práticas democráticas. grupos sociais superiores, fruto de uma concepção
Disponível em: http://www.ces.uc.pt. Acesso em: 30 abr. 2010 política profundamente hierarquizada da sociedade.
(adaptado).
c) estava vinculada, na Grécia Antiga, a uma
Segundo o texto, os movimentos sociais contribuem percepção política democrática, que levava todos os
para o processo de construção democrática, porque: habitantes da pólis a participarem da vida cívica.
a) determinam o papel do Estado nas d) tinha profundas conexões com a justiça, razão
transformações socioeconômicas. pela qual o tempo livre dos cidadãos deveria ser
b) aumentam o clima de tensão social na sociedade dedicado às atividades vinculadas aos tribunais.
civil. e) vivida pelos atenienses era, de fato, restrita
c) pressionam o Estado para o atendimento das àqueles que se dedicavam à política e que tinham
demandas da sociedade. tempo para resolver os problemas da cidade.
d) privilegiam determinadas parcelas da sociedade QUESTÃO 07
em detrimento das demais. A definição de eleitor foi tema de artigos nas
e) propiciam a adoção de valores éticos pelos órgãos Constituições brasileiras de 1891 e de 1934. Diz a
do Estado. Constituição da República dos Estados Unidos do
QUESTÃO 05 (ENEM 2011) Brasil de 1891:
TEXTO I Art. 70. São eleitores os cidadãos maiores de 21
A ação democrática consiste em todos tomarem anos que se alistarem na forma da lei.
parte do processo decisório sobre aquilo que terá A Constituição da República dos Estados Unidos do
consequência na vida de toda coletividade. Brasil de 1934, por sua vez, estabelece que:
GALLO, S. et al. Ética e Cidadania. Campinas: Papirus, 1997
(adaptado). Art. 180. São eleitores os brasileiros de um e de
TEXTO II outro sexo, maiores de 18 anos, que se alistarem na
É necessário que haja liberdade de expressão, forma da lei.
fiscalização sobre órgãos governamentais e acesso Ao se comparar os dois artigos, no que diz respeito
por parte da população às informações trazidas a ao gênero dos eleitores, depreende-se que:
público pela imprensa. a) a Constituição de 1934 avançou ao reduzir a idade
Disponível em: http://www.observatoriodaimprensa.com.br. mínima para votar.
Acesso em: 24 abr. 2010. b) a Constituição de 1891, ao se referir a cidadãos,
Partindo da perspectiva de democracia apresentada referia-se também às mulheres.
no Texto I, os meios de comunicação, de acordo com c) os textos de ambas as Cartas permitiam que
o Texto II, assumem um papel relevante na qualquer cidadão fosse eleitor.
sociedade por: d) o texto da carta de 1891 já permitia o voto
a) orientarem os cidadãos na compra dos bens feminino.
necessários à sua sobrevivência e bem-estar. e) a Constituição de 1891 considerava eleitores
b) fornecerem informações que fomentam o debate apenas indivíduos do sexo masculino.
político na esfera pública. QUESTÃO 08
c) apresentaram aos cidadãos a versão oficial dos A política foi, inicialmente, a arte de impedir as
fatos. pessoas de se ocuparem do que lhes diz respeito.
d) propiciarem o entretenimento, aspecto relevante Posteriormente, passou a ser a arte de compelir as 3
para conscientização política.
e) promoverem a unidade cultural, por meio das
transmissões esportivas.
pessoas a decidirem sobre aquilo de que nada CHIAVENATTO, J. J. Genocídio americano: A Guerra do
Paraguai. São Paulo: Brasiliense, 1979 (adaptado).
entendem.
VALÉRY, P. Cadernos. Apud BENEVIDES, M. V. M. O imperialismo inglês, "destruindo o Paraguai,
A cidadania ativa. São Paulo: Ática, 1996. mantém o status quo na América Meridional,
Nessa definição, o autor entende que a história da impedindo a ascensão do seu único Estado
política está dividida em dois momentos principais: economicamente livre". Essa teoria conspiratória vai
um primeiro, marcado pelo autoritarismo excludente, contra a realidade dos fatos e não tem provas
e um segundo, caracterizado por uma democracia documentais. Contudo essa teoria tem alguma
incompleta. repercussão.
Considerando o texto, qual é o elemento comum a (DORATIOTO. F. Maldita guerra: nova história da Guerra do
Paraguai. São Paulo: Cia. das Letras, 2002 (adaptado).
esses dois momentos da história política?
a) A distribuição equilibrada do poder. Uma leitura dessas narrativas divergentes demonstra
b) O impedimento da participação popular. que ambas estão refletindo sobre:
c) O controle das decisões por uma minoria. a) a carência de fontes para a pesquisa sobre os
d) A valorização das opiniões mais competentes. reais motivos dessa Guerra.
e) A sistematização dos processos decisórios. b) o caráter positivista das diferentes versões sobre
QUESTÃO 09 essa Guerra.
Quem construiu a Tebas de sete portas? c) o resultado das intervenções britânicas nos
Nos livros estão nomes de reis. cenários de batalha.
Arrastaram eles os blocos de pedra? d) a dificuldade de elaborar explicações convincentes
E a Babilônia várias vezes destruída. Quem a sobre os motivos dessa Guerra.
reconstruiu tantas vezes? e) o nível de crueldade das ações do exército
Em que casas da Lima dourada moravam os brasileiro e argentino durante o conflito.
construtores? QUESTÃO 11
Para onde foram os pedreiros, na noite em que a I – Para consolidar-se como governo, a República
Muralha da China ficou pronta? precisava eliminar as arestas, conciliar-se com o
A grande Roma está cheia de arcos do triunfo. passado monarquista, incorporar distintas vertentes
Quem os ergueu? Sobre quem triunfaram os do republicanismo. Tiradentes não deveria ser visto
césares? como herói republicano radical, mas sim como herói
BRECHT, B. Perguntas de um trabalhador que lê. cívico-religioso, como mártir, integrador, portador da
Disponível em: http://recantodasletras.uol.com.br. Acesso em: 28 imagem do povo inteiro.
abr. 2010. CARVALHO, J. M. C. A formação das almas: O imaginário da
Partindo das reflexões de um trabalhador que lê um República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
livro de História, o autor censura a memória I – Ei-lo, o gigante da praça, / O Cristo da multidão! É
construída sobre determinados monumentos e Tiradentes quem passa / Deixem passar o Titão.
ALVES, C. Gonzaga ou a revolução de Minas. In: CARVALHO. J.
acontecimentos históricos. A crítica refere-se ao fato M. C. A formação das almas: O imaginário da República no Brasil.
de que: São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
a) os agentes históricos de uma determinada A República brasileira, nos seus primórdios, precisava
sociedade deveriam ser aqueles que realizaram constituir uma figura heroica capaz de congregar
feitos heroicos ou grandiosos e, por isso, ficaram na diferenças e sustentar simbolicamente o novo regime.
memória. Optando pela figura de Tiradentes, deixou de lado
b) a História deveria se preocupar em memorizar os figuras como Frei Caneca ou Bento Gonçalves. A
nomes de reis ou dos governantes das civilizações transformação do inconfidente em herói nacional
que se desenvolveram ao longo do tempo. evidencia que o esforço de construção de um
c) grandes monumentos históricos foram construídos simbolismo por parte da República estava relacionado
por trabalhadores, mas sua memória está vinculada a) ao caráter nacionalista e republicano da
aos governantes das sociedades que os construíram. Inconfidência, evidenciado nas ideias e na atuação de
d) os trabalhadores consideram que a História é uma Tiradentes.
ciência de difícil compreensão, pois trata de b) à identificação da Conjuração Mineira como o
sociedades antigas e distantes no tempo. movimento precursor do positivismo brasileiro. c) ao
e) as civilizações citadas no texto, embora muito fato de a proclamação da República ter sido um
importantes, permanecem sem terem sido alvos de movimento de poucas raízes populares, que
pesquisas históricas. precisava de legitimação.
QUESTÃO 10 d) à semelhança física entre Tiradentes e Jesus, que
Substitui-se então uma história crítica, profunda, por proporcionaria, a um povo católico como o brasileiro,
uma crônica de detalhes onde o patriotismo e a uma fácil identificação.
bravura dos nossos soldados encobrem a vilania dos e) ao fato de Frei Caneca e Bento Gonçalves terem
motivos que levaram a Inglaterra a armar brasileiros liderado movimentos separatistas no Nordeste e no
e argentinos para a destruição da mais gloriosa Sul do país. 4
república que já se viu na América Latina, a do
Paraguai.
QUESTÃO 12
A ética precisa ser compreendida como um empreendimento coletivo a ser constantemente retomado e rediscutido,
porque é produto da relação interpessoal e social. A ética supõe ainda que cada grupo social se organize sentindo-se
responsável por todos e que crie condições para o exercício de um pensar e agir autônomos. A relação entre ética e
política é também uma questão de educação e luta pela soberania dos povos. É necessária uma ética renovada, que se
construa a partir da natureza dos valores sociais para organizar também uma nova prática política.
CORDI et al. Para filosofar. São Paulo: Scipione, 2007 (adaptado).
O Século XX teve de repensar a ética para enfrentar novos problemas oriundos de diferentes crises sociais, conflitos
ideológicos e contradições da realidade. Sob esse enfoque e a partir do texto, a ética pode ser compreendida como
a) instrumento de garantia da cidadania, porque através dela os cidadãos passam a pensar e agir de acordo com valores
coletivos.
b) mecanismo de criação de direitos humanos, porque é da natureza do homem ser ético e virtuoso.
c) meio para resolver os conflitos sociais no cenário da globalização, pois a partir do entendimento do que é efetivamente
a ética, a política internacional se realiza.
d) parâmetro para assegurar o exercício político primando pelos interesses e ação privada dos cidadãos.
QUESTÃO 13
A República brasileira, nos seus primórdios, precisava constituir uma figura heroica capaz de congregar diferenças e
sustentar simbolicamente o novo regime.
Optando pela figura de Tiradentes, deixou de lado figuras como Frei Caneca ou Bento Gonçalves. A transformação do
inconfidente em herói nacional evidencia que o esforço de construção de um simbolismo por parte da República estava
relacionado:
a) ao caráter nacionalista e republicano da Inconfidência, evidenciado nas ideias e na atuação de Tiradentes.
b) à identificação da Conjuração Mineira como o
movimento precursor do positivismo brasileiro.
c) ao fato de a proclamação da República ter sido um movimento de poucas raízes populares, que precisava de
legitimação.
d) à semelhança física entre Tiradentes e Jesus, que proporcionaria, a um povo católico como o brasileiro, uma fácil
identificação.
e) ao fato de Frei Caneca e Bento Gonçalves terem liderado movimentos separatistas no Nordeste e no Sul do país.
MORAL E ÉTICA
Existe alguma confusão entre o Conceito de Moral e o Conceito de Ética. A etimologia destes termos ajuda a distingui-los,
sendo que Ética vem do grego ―ethos‖ que significa modo de ser, e Moral tem sua origem no latim, que vem de
―mores‖, significando costumes.
Esta confusão pode ser resolvida com o estudo em paralelo dos dois temas, sendo que Moral é um conjunto de normas
que regulam o comportamento do homem em sociedade, e estas normas são adquiridas pela educação, pela tradição e
pelo cotidiano. É a ―ciência dos costumes‖. A Moral tem caráter normativo e obrigatório.
Já a Ética é ―conjunto de valores que orientam o comportamento do homem em relação aos outros homens na
sociedade em que vive, garantindo, assim, o bem-estar social‖, ou seja, Ética é a forma que o homem deve se comportar
no seu meio social.
A Moral sempre existiu, pois todo ser humano possui a consciência Moral que o leva a distinguir o bem do mal no contexto
em que vive. Surgindo realmente quando o homem passou a fazer parte de agrupamentos, isto é, surgiu nas sociedades
primitivas, nas primeiras tribos. A Ética teria surgido com Sócrates, pois se exige maior grau de cultura. Ela investiga e
explica as normas morais, pois leva o homem a agir não só por tradição, educação ou hábito, mas principalmente por
convicção e inteligência. Ou seja, enquanto a Ética é teórica e reflexiva, a Moral é eminentemente prática. Uma completa
a outra.
Em nome da amizade, deve-se guardar silêncio diante do ato de um traidor? Em situações como esta, os indivíduos se
deparam com a necessidade de organizar o seu comportamento por normas que se julgam mais apropriadas ou mais
dignas de ser cumpridas. Tais normas são aceitas como obrigatórias, e desta forma, as pessoas compreendem que têm o
dever de agir desta ou daquela maneira. Porém o comportamento é o resultado de normas já estabelecidas, não sendo,
então, uma decisão natural, pois todo comportamento sofrerá um julgamento. E a diferença prática entre Moral e Ética é
que esta é o juiz das morais, assim Ética é uma espécie de legislação do comportamento Moral das pessoas.
Ainda podemos dizer que a ética é um conjunto de regras, princípios ou maneiras de pensar que guiam, ou chamam para
si a autoridade de guiar, as ações 5
de um grupo em particular, ou, também, o estudo da argumentação sobre como nós devemos agir.
QUESTÃO 01
Observe as duas afirmações de Montesquieu (1689-1755), a respeito da escravidão:
A escravidão não é boa por natureza; não é útil nem ao senhor, nem ao escravo: a este porque nada pode fazer por
virtude; àquele, porque contrai com seus escravos toda sorte de maus hábitos e se acostuma insensivelmente a faltar
contra todas as virtudes morais: torna-se orgulhoso, brusco, duro, colérico, voluptuoso, cruel.
Se eu tivesse que defender o direito que tivemos de tornar escravos os negros, eis o que eu diria: tendo os povos da
Europa exterminados os da América, tiveram que escravizar os da África para utilizá-los para abrir tantas terras. O açúcar
seria muito caro se não fizéssemos que escravos cultivassem a planta que o produz. (Montesquieu, O espírito das leis.)
Com base nos textos, podemos afirmar que, para
Montesquieu,
a) o preconceito racial foi contido pela moral religiosa.
b) a política econômica e a moral justificaram a escravidão.
c) a escravidão era indefensável de um ponto de vista econômico.
d) o convívio com os europeus foi benéfico para os escravos africanos.
e) o fundamento moral do direito pode submeter-se às razões econômicas.
QUESTÃO 02
A lei não nasce da natureza, junto das fontes frequentadas pelos primeiros pastores: a lei nasce das batalhas reais, das
vitórias, dos massacres, das conquistas que têm sua data e seus heróis de horror: a lei nasce das cidades incendiadas,
das terras devastadas; ela nasce com os famosos inocentes que agonizam no dia que está amanhecendo.
FOUCAULT. M. Aula de 14 de janeiro de 1976. In. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes. 1999
O filósofo Michel Foucault (séc. XX) inova ao pensar a política e a lei em relação ao poder e à organização social. Com
base na reflexão de Foucault, a finalidade das leis na organização das sociedades modernas é
a) combater ações violentas na guerra entre as nações.
b) coagir e servir para refrear a agressividade humana.
c) criar limites entre a guerra e a paz praticadas entre os indivíduos de uma mesma nação.
d) estabelecer princípios éticos que regulamentam as ações bélicas entre países inimigos.
e) organizar as relações de poder na sociedade e entre os Estados.
QUESTÃO 03
Na ética contemporânea, o sujeito não é mais um sujeito substancial, soberano e absolutamente livre, nem um sujeito
empírico puramente natural. Ele é simultaneamente os dois, na medida em que é um sujeito histórico-social. Assim, a
ética adquire um dimensionamento político, uma vez que a ação do sujeito não pode mais ser vista e avaliada fora da
relação social coletiva. Desse modo, a ética se entrelaça, necessariamente, com a política, entendida esta como a área de
avaliação dos valores que atravessam as relações sociais e que interliga os indivíduos entre si.
SEVERINO. A. J. Filosofia. São Paulo: Cortez, 1992 (adaptado).
O texto, ao evocar a dimensão histórica do processo de formação da ética na sociedade contemporânea, ressalta
a) os conteúdos éticos decorrentes das ideologias político-partidárias.
b) o valor da ação humana derivada de preceitos metafísicos.
c) a sistematização de valores desassociados da cultura.
d) o sentido coletivo e político das ações humanas individuais.
QUESTÃO 04
O príncipe, portanto, não deve se incomodar com a reputação de cruel, se seu propósito é manter o povo unido e leal. De
fato, com uns poucos exemplos duros poderá ser mais clemente do que outros que, por muita piedade, permitem os
distúrbios que levem ao assassínio e ao roubo.
MAQUIAVEL, N. O Príncipe, São Paulo: Martin Claret, 2009.
No século XVI, Maquiavel escreveu O Príncipe, reflexão sobre a Monarquia e a função do governante.
A manutenção da ordem social, segundo esse autor, baseava-se na
a) inércia do julgamento de crimes polêmicos.
b) bondade em relação ao comportamento dos mercenários.
c) compaixão quanto à condenação de transgressões religiosas.
d) neutralidade diante da condenação dos servos.
e) conveniência entre o poder tirânico e a moral do príncipe.
QUESTÃO 05
A questão étnica no Brasil tem provocado diferentes atitudes:
I. Instituiu-se o ―Dia Nacional da Consciência Negra‖ em 20 de novembro, ao invés da tradicional celebração do 13 de
maio. Essa nova data é o aniversário da morte de Zumbi, que hoje simboliza a crítica à segregação e à exclusão social. 6
II. Um turista estrangeiro que veio ao Brasil, no O discurso de Robespierre, de 5 de fevereiro de
carnaval, afirmou que nunca viu tanta convivência 1794, do qual o trecho transcrito é parte, relaciona-se
harmoniosa entre as diversas etnias. a qual dos grupos político-sociais envolvidos na
Também sobre essa questão, estudiosos fazem Revolução Francesa?
diferentes reflexões: a) À alta burguesia, que desejava participar do poder
Entre nós [brasileiros], (...) a separação imposta pelo legislativo francês como força política dominante.
sistema de produção foi a mais fluida possível. b) Ao clero francês, que desejava justiça social e era
Permitiu constante mobilidade de classe para classe ligado à alta burguesia.
e até de uma raça para outra. Esse amor, acima de c) A militares oriundos da pequena e média
preconceitos de raça e de convenções de classe, do burguesia, que derrotaram as potências rivais e
branco pela cabocla, pela cunhã, pela índia (...) agiu queriam
poderosamente na formação do Brasil, adoçando-o. reorganizar a França internamente.
(Gilberto Freire. O mundo que o português criou.) d) À nobreza esclarecida, que, em função do seu
[Porém] o fato é que ainda hoje a miscigenação não contato, com os intelectuais iluministas, desejava
faz parte de um processo de integração das “raças” extinguir o absolutismo francês.
em condições de igualdade social. O resultado foi e) Aos representantes da pequena e média burguesia
que (...) ainda são pouco numerosos os segmentos e das camadas populares, que desejavam justiça
da “população de cor” que conseguiram se integrar, social e direitos políticos.
efetivamente, na sociedade competitiva. QUESTÃO 07
(Florestan Fernandes. O negro no mundo dos brancos.) Na década de 30 do século XIX, Tocqueville escreveu
Considerando as atitudes expostas acima e os as seguintes linhas a respeito da moralidade nos
pontos de vista dos estudiosos, é correto aproximar EUA: ―A opinião pública norte-americana é
a) a posição de Gilberto Freire e a de Florestan particularmente dura com a falta de moral, pois esta
Fernandes igualmente às duas atitudes. desvia a atenção frente à busca do bem-estar e
b) a posição de Gilberto Freire à atitude I e a de prejudica a harmonia doméstica, que é tão essencial
Florestan Fernandes à atitude II. ao sucesso dos negócios. Nesse sentido, pode-se
c) a posição de Florestan Fernandes à atitude I e a dizer que ser casto é uma questão de honra‖.
de Gilberto Freire à atitude II. TOCQUEVILLE, A. Democracy in America. Chicago:
d) somente a posição de Gilberto Freire a ambas as Encyclopædia Britannica, Inc., Great Books 44, 1990 (adaptado).
atitudes. Do trecho, infere-se que, para Tocqueville, os norte-
e) somente a posição de Florestan Fernandes a americanos do seu tempo
ambas as atitudes. a) buscavam o êxito, descurando as virtudes cívicas.
E b) tinham na vida moral uma garantia de
QUESTÃO 06 enriquecimento rápido.
Em nosso país queremos substituir o egoísmo pela c) valorizavam um conceito de honra dissociado do
moral, a honra pela probidade, os usos pelos comportamento ético.
princípios, as conveniências pelos deveres, a tirania d) relacionavam a conduta moral dos indivíduos com
da moda pelo império da razão, o desprezo à o progresso econômico.
desgraça pelo desprezo ao vício, a insolência pelo e) acreditavam que o comportamento casto
orgulho, a vaidade pela grandeza de alma, o amor ao perturbava a harmonia doméstica.
dinheiro pelo amor à glória, a boa companhia pelas QUESTÃO 08
boas pessoas, a intriga pelo mérito, o espirituoso A figura abaixo é parte de uma campanha publicitária.
Com Ciência Ambiental, n.o 10, abr./2007.
pelo gênio, o brilho pela verdade, o tédio da volúpia
pelo encanto da felicidade, a mesquinharia dos Essa campanha publicitária relaciona-se diretamente
grandes pela grandeza do homem. com a seguinte afirmativa:
HUNT, L. Revolução Francesa e Vida Privada. In: PERROT, M. a) o comércio ilícito da fauna silvestre, atividade de
(Org.) História da Vida Privada: da Revolução Francesa à Primeira grande impacto, é uma ameaça para a biodiversidade
Guerra. Vol. 4. São Paulo: Companhia das Letras, 1991 nacional. 7
(adaptado).
b) a manutenção do mico-leão-dourado em jaula é a
medida que garante a preservação dessa espécie
animal.
c) o Brasil, primeiro país a eliminar o tráfico do mico-
leão-dourado, garantiu a preservação dessa espécie.
d) o aumento da biodiversidade em outros países
depende do comércio ilegal da fauna silvestre
brasileira.
e) o tráfico de animais silvestres é benéfico para a
preservação das espécies, pois garante-lhes a
sobrevivência.
QUESTÃO 09
A situação abordada na tira torna explícita a
contradição entre a
a) relações pessoais e o avanço tecnológico.
b) inteligência empresarial e a ignorância dos
cidadãos.
c) inclusão digital e a modernização das empresas.
d) economia neoliberal e a reduzida atuação do
Estado.
e) revolução informática e a exclusão digital.
QUESTÃO 10
Leia estes textos.
Texto 1
(QUINO. O mundo da Mafalda. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
p. 3)
Texto 2
Sonho Impossível
Sonhar
Mais um sonho impossível
Lutar
Quando é fácil ceder
Vencer o inimigo invencível
Negar quando a regra é vender
Sofrer a tortura implacável
Romper a incabível prisão
Voar num limite improvável
Tocar o inacessível chão
É minha lei, é minha questão
Virar esse mundo
Cravar esse chão
Não me importa saber
Se é terrível demais
Quantas guerras terei que vencer
Por um pouco de paz
E amanhã se esse chão que eu beijei
For meu leito e perdão
Vou saber que valeu delirar
E morrer de paixão
E assim, seja lá como for
Vai ter fim a infinita aflição
E o mundo vai ver uma flor
Brotar do impossível chão.
(J. Darione – M. Leigh – Versão de Chico Buarque
de Hollanda e Ruy Guerra, 1972.)
A tirinha e a canção apresentam uma reflexão sobre
o futuro da humanidade. É correto concluir que os
dois textos
a) afirmam que o homem é capaz de alcançar a paz.
b) concordam que o desarmamento é inatingível.
c) julgam que o sonho é um desafio invencível.
d) têm visões diferentes sobre um possível mundo
melhor.
e) transmitem uma mensagem de otimismo sobre a
paz.
QUESTÃO 11 8
A conversa entre Mafalda e seus amigos ação, a partir do que a teoria se supõe separada da
a) revela a real dificuldade de entendimento entre prática; a expressão desta fragmentação é a grade
posições que pareciam convergir. curricular, que distribui as diferentes disciplinas com
b) desvaloriza a diversidade social e cultural e a suas cargas horárias por séries e turmas de forma
capacidade de entendimento e respeito entre as aleatória, supondo que a unidade rompida se
pessoas. recupere como conseqüência "natural" das práticas
c) expressa o predomínio de uma forma de pensar e curriculares, ficando por conta do aluno a
a possibilidade de entendimento entre posições reconstituição das relações que se estabelecem
divergentes. entre os diversos conteúdos disciplinares; as
d) ilustra a possibilidade de entendimento e de estratégias taylorizadas de formação de professores,
respeito entre as pessoas a partir do debate político que promovem capacitação parcelarizada, por temas
de idéias. e disciplinas, agrupando os profissionais por
e) mostra a preponderância do ponto de vista especialidade, de modo a nunca discutir o trabalho
masculino nas discussões políticas para superar pedagógico em sua totalidade, a partir do espaço de
divergências. sua realização: a escola;o plano de cargos e
AS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E AS salários, que prevê a contratação dos profissionais
NOVAS DEMANDAS DE EDUCAÇÃO da educação por tarefas, ou jornadas de trabalho, e
As profundas modificações que têm ocorrido no até mesmo por aulas ministradas, de modo que eles
mundo do trabalho trazem novos desafios para a se dividem entre diversos espaços, sem desenvolver
educação. O capitalismo vive um novo padrão de sentido de pertinência à escola; quando se
acumulação decorrente da globalização da economia representam, os professores evidenciam identidade
e da reestruturação produtiva, que passa a com a área ou disciplina de sua formação, e não de
determinar um novo projeto educativo para os professores da escola a fragmentação do trabalho
trabalhadores, independentemente da área, das dos pedagogos, nas distintas especialidades, que
atribuições ou do nível hierárquico em que atuem. foram criadas pelo Parecer 252/69 do Conselho
Como resposta às novas exigências de Federal de Educação, praticamente superadas pelas
competitividade que marcam o mercado globalizado tentativas de unificação nas agências de formação e
a exigir cada vez mais qualidade com menor custo, a nas escolas; esta fragmentação agora foi reeditada
base técnica de produção fordista, que dominou o pela Lei 9394/96, no art 64.
ciclo de crescimento das economias capitalistas no O trabalho pedagógico, assim fragmentado,
pós 2ª guerra até o final dos anos sessenta, vai aos respondeu, e continua respondendo, ao longo dos
poucos sendo substituída por um processo de anos, às demandas de disciplinamento do mundo do
trabalho resultante de um novo paradigma trabalho capitalista organizado e gerido segundo os
tecnológico apoiado essencialmente na princípios do taylorismo/fordismo, em três
microeletrônica, cuja característica principal é a dimensões: técnico, político e comportamental. 9
flexibilidade. Este movimento, embora não seja novo,
uma vez que se constitui na intensificação do
processo histórico de internacionalização da
economia, reveste-se de novas características, posto
que assentado nas transformações tecnológicas, na
descoberta de novos materiais e nas novas formas
de organização e gestão do trabalho.
Estabelecem-se novas relações entre trabalho,
ciência e cultura, a partir das quais constitui-se
historicamente um novo princípio educativo, ou seja,
um novo projeto pedagógico através do qual a
sociedade pretende formar os
intelectuais/trabalhadores, os cidadãos/produtores
para atender às novas demandas postas pela
globalização da economia e pela reestruturação
produtiva. O velho princípio educativo, decorrente da
base técnica da produção taylorista/fordista vai
sendo substituído por um outro projeto pedagógico
determinado pelas mudanças ocorridas no trabalho.
Do paradigma taylorista/fordista decorrem várias
modalidades de fragmentação no trabalho
pedagógico, escolar e não escolar, que se
constituem na expressão da divisão entre classes
sociais no capitalismo: a dualidade estrutural, a partir
da qual se definem tipos diferentes de escola,
segundo a origem de classe e o papel a elas
destinado na divisão social e técnica e trabalho; a
fragmentação curricular, que divide o conhecimento
em áreas e disciplinas trabalhadas de forma isolada
que passam a ser tratadas como se fossem
autônomas entre si e da prática social concreta, a
partir da pretensa divisão da consciência sobre a
TRABALHO E A QUALIFICAÇÃO DO Carlos Guilherme Mota
TRABALHADOR Sobre Karl Marx e Friedrich Engels, é incorreto
As novas demandas de qualificação, portanto, afirmar:
referem-se a um trabalhador de novo tipo, que atue a) A obra que sintetizou as suas teorias econômicas,
na prática a partir de uma sólida base de sociais, políticas e culturais foi O capital, que
conhecimentos científico-tecnológicos e socio- retomava a tradição do pensamento dialético,
históricos, e ao mesmo tempo acompanhe a aprofundando-o na linha do materialismo histórico.
dinamicidade dos processos e resista ao "stress". Ao b) A sociedade capitalista é contraditória, uma vez
mesmo tempo, as novas tecnologias exigem cada que produz um trabalho excedente que jamais
vez mais a capacidade de comunicar-se retorna ao trabalhador, isto é, a mais-valia.
adequadamente, através do domínio das formas c) As lutas de classes entre proprietários e
tradicionais e novas de linguagem, incorporando, trabalhadores eram percebidas por eles como uma
além da língua portuguesa, a língua estrangeira, a contradição fundamental do sistema capitalista e que
linguagem informática e as novas formas trazidas levariam a abolição da ordem burguesa e do estado
pela semiótica; a autonomia intelectual, para resolver que sobre ela se sustentava.
problemas práticos utilizando os conhecimentos d) Formularam um socialismo de um novo tipo,
científicos, buscando aperfeiçoar-se continuamente; baseado na concepção de que o capitalismo deve
a autonomia moral, através da capacidade de evoluir progressiva e pacificamente para o
enfrentar as novas situações que exigem socialismo.
posicionamento ético; finalmente, a capacidade de
comprometer-se com o trabalho, entendido em sua QUESTÃO 02 (ENEM)
forma mais ampla de construção do homem e da Até o século XVII, as paisagens rurais eram
sociedade, através da responsabilidade, da crítica, marcadas por atividades rudimentares e de baixa
da criatividade. produtividade. A partir da Revolução Industrial,
Era preciso qualificar trabalhadores que atendessem porém, sobretudo com o advento da revolução
as demandas de uma sociedade cujo modo tecnológica, houve um desenvolvimento contínuo do
dominante de produção, a partir de uma rigorosa setor agropecuário.
divisão entre as tarefas intelectuais (dirigentes) e as São, portanto, observadas consequências
operacionais, caracterizava-se por tecnologia de econômicas, sociais e ambientais inter-relacionadas
base rígida, relativamente estável. A ciência e a no período posterior à Revolução Industrial, as quais
tecnologia incorporadas ao processo produtivo, incluem
através de máquinas eletromecânicas que trazem a) a erradicação da fome no mundo.
em sua configuração um número restrito de b) o aumento das áreas rurais e a diminuição das
possibilidades de operações diferenciadas que áreas urbanas.
exigem apenas a troca de uns poucos componentes, c) a maior demanda por recursos naturais, entre os
demandavam comportamentos operacionais pré- quais os recursos energéticos.
determinados e com pouca variação. Compreender d) a menor necessidade de utilização de adubos e
os movimentos necessários a cada operação, corretivos na agricultura.
memorizá-los e repeti-los ao longo do tempo, não e) o contínuo aumento da oferta de emprego no
exige outra formação escolar e profissional que o setor primário da economia, em face da
desenvolvimento da capacidade de memorizar mecanização. 10
conhecimentos e repetir procedimentos em uma
determinada seqüência.
Compreendida desta forma, a qualificação depende
das possibilidades de acesso a informações, de
interagir com meios e processos de trabalho mais
avançados, de exercer sua autonomia e criatividade,
de participar da definição das normas e das decisões
que afetam suas atividades. Para desenvolvê-la é
preciso outro tipo de pedagogia, determinada pelas
transformações ocorridas no mundo do trabalho
nesta etapa de desenvolvimento das forças
produtivas, de modo a atender às demandas da
revolução na base técnica de produção, com seus
profundos impactos sobre a vida social. O objetivo a
ser atingido é a capacidade para lidar com a
incerteza, substituindo a rigidez pela flexibilidade e
rapidez, de modo a atender a demandas dinâmicas,
sociais e individuais, políticas, culturais e produtivas
que se diversificam em qualidade e quantidade.
QUESTÃO 01 (UFMG)
No século XIX, o mundo do trabalho fez surgir novas
perspectivas para a compreensão da sociedade
contemporânea. O Manifesto comunista (1848), de
Marx e Engels, indica a mudança de concepções
abstratas e utópicas sobre a sociedade, para outras
mais concretas e combativas.
QUESTÃO 03 (ENEM)
Populações inteiras, nas cidades e na zona rural, dispõem da parafernália digital global como
fonte de educação e de formação cultural. Essa simultaneidade de cultura e informação
eletrônica com as formas tradicionais e orais é um desafio que necessita ser discutido. A
exposição, via mídia eletrônica, com estilos e valores culturais de outras sociedades, pode
inspirar apreço, mas também distorções e ressentimentos. Tanto quanto há necessidade de
uma cultura tradicional de posse da educação letrada, também é necessário criar estratégias
de alfabetização eletrônica, que passam a ser o grande canal de informação das culturas
segmentadas no interior dos grandes centros urbanos e das zonas rurais. Um novo modelo de
educação.
BRIGAGÃO, C. E.; RODRIGUES, G. A globalização a olho nu: o mundo conectado. São Paulo: Moderna, 1998
(adaptado).
Com base no texto e considerando os impactos culturais da difusão das tecnologias de
informação no marco da globalização, depreende-se que
a) a ampla difusão das tecnologias de informação nos centros urbanos e no meio rural suscita
o contato entre diferentes culturas e, ao mesmo tempo, traz a necessidade de reformular as
concepções tradicionais de educação.
b) a apropriação, por parte de um grupo social, de valores e ideias de outras culturas para
benefício próprio é fonte de conflitos e ressentimentos.
c) as mudanças sociais e culturais que acompanham o processo de globalização, ao mesmo
tempo em que refletem a preponderância da cultura urbana, tornam obsoletas as formas de
educação tradicionais próprias do meio rural.
d) as populações nos grandes centros urbanos e no meio rural recorrem aos instrumentos e
tecnologias de informação basicamente como meio de comunicação mútua, e não os veem
como fontes de educação e cultura.
e) a intensificação do fluxo de comunicação por meios eletrônicos, característica do processo
de globalização, está dissociada do desenvolvimento social e cultural que ocorre no meio rural.
QUESTÃO 04 (UFMG)
Uma das principais críticas feitas por Marx aos socialistas utópicos foi:
a) a propriedade privada defendida por Charles Fourier, que afirmava a necessidade dos
patrões defenderem as associações e corporações dentro de seus domínios.
b) a luta de classes propostas pelos socialistas mais próximos do anarquismo, adeptos a não
existência do estado.
c) ao fato de não se basearem, como Marx, num estudo científico da história para aprender as
leis da sociedade e da economia.
d) Aos falanstérios e às corporações propostas pelos utópicos, em que de nada adiantaria colaboração
entre as classes (patrões e empregados) sem que houvesse um rompimento maior com o sistema
capitalista.