Você está na página 1de 80

NOTAS DE AULAS

MECÂNICA QUÂNTICA II

Prof.: Dr. Salviano A. Leão

Goiânia 17 de agosto de 2018


Sumário

Capa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0
Sumário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . i

1 Spin 1
1.1 O que é um Spin? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.1.1 Natureza Quântica do Spin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.1.1.1 Sistema de partículas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.2 Momentum angular intrínseco: spin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.3 Evidências experimentais do spin do elétron . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.4 Descrição quântica: os postulados de Pauli . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.5 Postulados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.6 Propriedades especiais para partículas de spin s = 1/2 . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.7 Matrizes de Pauli . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.8 Propriedades do operador de spin S . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.9 Descrição não-relativística de uma partícula de spin 1/2 . . . . . . . . . . . . . . 10
1.9.1 Observáveis e vetores de estado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.10 Representação {|r, εi} . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.11 Operadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.11.1 Operadores de spin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.11.2 Operadores Orbitais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.11.3 Operadores mistos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.11.3.1 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.12 Cálculos das probabilidades para uma medida física . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.12.1 Medindo a componente Sx . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

2 Spin - Rotação 17
2.1 Operadores de rotação para uma partícula de spin 1/2 . . . . . . . . . . . . . . 17
2.1.1 Momentum angular total . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
2.1.2 Produto tensorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
2.1.3 Rotação do estado de spin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
2.1.4 Operador associado com uma rotação de 2π . . . . . . . . . . . . . . . . 18
2.1.5 Natureza vetorial versus rotação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
2.1.6 Rotação de um spinor com duas componentes . . . . . . . . . . . . . . . 22

i
Sumário

3 Adição de Momenta Angulares 23


3.1 Adição de Momenta Angulares: Caso clássico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
3.1.1 Lei Fundamental da Dinâmica das Rotações . . . . . . . . . . . . . . . . 25
3.1.2 Conservação do Momentum Angular: Simetrias e as leis de conservação . 27
3.2 Momentum Angular Na Mecânica Quântica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
3.2.1 Considerações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
3.2.2 Momentum angular total de duas partículas . . . . . . . . . . . . . . . . 30
3.2.3 Base em termos de Jz e J2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
3.3 Adição de dois Spin 1/2: Método elementar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
3.3.1 Formulação do problema: Espaço de estados . . . . . . . . . . . . . . . . 31
3.3.2 O Espaço de Estados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
3.3.3 O Spin Total S: Relações de comutação . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
3.3.4 Mudança de base a ser realizada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
3.3.5 Os autovalores de Sz e o seus graus de degenerescência . . . . . . . . . . 35
3.3.6 Diagonalização de S2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
3.3.6.1 Cálculo dos elementos de matriz de S 2
. . . . . . . . . . . . . . 36
3.3.6.2 Matriz S 2
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
3.3.6.3 Autovalores e autovetores de S2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
3.3.7 Resultado: estados tripletos e singletos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
3.3.8 Comentários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
3.4 Revisão da teoria do momentum angular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
3.5 Propriedades do subespaço E(k, j) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
3.6 Espaço de estados de dois momenta angulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
3.6.1 Momentum angular total: Relações de comutação . . . . . . . . . . . . . 41
3.6.2 Mudança de base a ser realizada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
3.7 Autovalores de J e Jz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
2
45
3.7.1 Caso especial: Dois spins 1/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.7.2 Autovalores de Jz e o seu grau de degenerescência . . . . . . . . . . . . . 46
3.7.3 Degenerescência de Jz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
3.7.4 Autovalores de J 2 : primeira forma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
3.7.5 Autovalores de J : segunda forma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
2
49
3.8 Autovetores comuns de J2 e Jz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
3.8.1 Caso especial spin 1/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
3.8.2 Duas partículas de spin 1/2: O subespaço E(S = 1) . . . . . . . . . . . . 51
3.8.3 O estado |S = 0, M = 0i . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
3.9 Caso geral, com j1 e j2 arbitrários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
3.9.1 O subespaço E(J = j1 + j2 ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
3.9.2 Os outros subespaços E(j) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
3.10 Coeficientes de Clebsch-Gordan . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
3.10.1 Relações de Ortogonalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

Prof. Salviano A. Leão ii


Sumário

3.10.2 Relações de Recorrência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59


3.10.3 Convenção de Fase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
3.10.4 Os coeficientes hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, Ji: fase do ket |J, Ji . . . . . . . . . . . 61
3.10.5 Outros Coeficientes de Clebsch-Gordan . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
3.10.6 Algumas relações úteis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
3.10.6.1 Os Sinais de alguns coeficientes . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
3.10.6.2 Mudança de ordem de j1 e j2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

4 Teorema de Wigner-Eckart 65
4.1 Operadores escalares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
4.2 Operadores vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
4.2.1 Definição dos operadores vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
4.3 O teorema de Wigner-Eckart para operadores vetores . . . . . . . . . . . . . . . 67
4.3.1 Elementos de matriz não-nulos de V na base padrão . . . . . . . . . . . 67
4.3.2 Proporcionalidade entre os elementos de matriz J e V dentro de um
subespaço E(k, j) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
4.3.2.1 Elementos de matriz de V+ e V− . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
4.3.2.2 Elementos de matriz de Vz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
4.3.2.3 Generalização para uma componente arbitrária de V . . . . . . 70
4.3.2.4 Cálculo da constante de proporcionalidade: O teorema da projeção 70
4.3.2.5 Comentários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
4.4 Aplicação: Cálculo do fator de Landé gj de um nível atômico . . . . . . . . . . . 72
4.4.1 Degenerescência rotacional: Multipletos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
4.4.2 Remoção da degenerescência por um campo magnético . . . . . . . . . . 73

Prof. Salviano A. Leão iii


Chapter 1

Spin

1.1 O que é um Spin?


Viu-se que tratar o elétron como sendo uma partícula que possui três graus de liberdade
associados, os quais são as suas três coordenadas espaciais (x, y, z), e que é caracterizado
quanticamente por uma função de onda ψ(x, y, z), a qual depende apenas das coordenadas
cartesianas (x, y, z) é insuficiente. Essa abordagem já foi usada em diversos sistemas produzindo
bons resultados. Entretanto, como foi visto, o elétron é melhor caracterizado como sendo uma
partícula que possui as seguintes propriedade intrínsecas: massa, carga e o spin. A ordem de
grandezas desses parâmetros que caracterizam o elétron são apresentados na tabela a seguir.

Propriedade Símbolo Valor Unidade


Massa me 9, 11 × 10 −31
kg
Carga e− −1, 602 × 10−19 C
Spin S ± 12 ~ J·s

Apesar do spin possuir as mesmas dimensões de momentum angular, ele deve ser considerado
como uma propriedade intrínseca do elétron sem análogo clássico, ou seja, um “momentum
angular intrínseco”. Note que toda e qualquer tentativa de fazer uma analogia clássica traz mais
problemas do que benefícios para a compreensão deste conceito.

Example 1.1. Mostre que no modelo clássico que trata o elétron como uma pequena bolinha
que gira em torno de um eixo próprio, a velocidade superficial do elétron tem de ser mais de
60 vezes a velocidade da luz, para produzir um momentum angular de (1/2)~. Por isso, esse
modelo não é adequado.

Solution 1.2. O momentum angular é dado por:

1
L = Iω = me vs re = ~,
2

1
1.1. O que é um Spin?

+ =

Figure 1.1: Modelo clássico para o elétron, o qual o trata-o por uma pequena bolinha que gira com
uma velocidade angular ω em torno do seu eixo.

na qual vs é a velocidade superficial do elétron e re é o raio clássico do elétron ou raio de Lorentz


e é dado por [3, Ver pág. 83, na seção Energia própria de uma carga puntiforme]1 :
e2 1 me e2
  2
1 ~
re = 2
= 2
,
4πε0 me c 4πε0 ~ m2e c2
1
= · (αa0 )2 = α2 a0
a0
= 2.8179403267(27) × 10−15 m

na qual usou-se o fato de que o raio de Bohr cujo valor é a0 = 0.52917724924 × 10−10 m também
é expresso por:
~2 4π0 ~2
a0 = (CGS) e a0 = (M KSA) (1.1)
me e2 me e 2
e que em termos da contante de estrutura fina α = 1/137, 035989561 ele também pode ser
expresso por
~ ~
a0 = (CGS) e a0 = (M KSA) (1.2)
αme c αme c

e2 1
α= = (M KSA)
4πε0 ~c 137, 035989561
Então temos que
~ 1 ~ c 1 c 1
vs = = 2
= αa0 2 = c ≈ 68, 52 · c
2me re 2 m e c α a0 2 α a0 2α
Portanto, a velocidade superficial é da ordem de 68 vezes a velocidade da luz.

1.1.1 Natureza Quântica do Spin


A mais comum das analogias clássicas do spin, é aquela na qual ele é associado ao momentum
angular intrínseco de uma bolinha girando em torno do seu eixo. Entretanto, como viu-se no
exemplo anterior tal analogia é muito grosseira e insatisfatória, e além disso ela deixa de explicar
algumas de suas propriedade, dentre elas, o fato dele ser quantizado.
1
Para obter o raio clássico do elétron, o mesmo é tratado com um partícula pontual uma vez que sua carga é
a elementar e ela não é divisível. No cálculo da autoenergia de uma esfera carregada surge um fator 3/5, o qual
é ignorado aqui devido a natureza elementar da carga do elétron.

Prof. Salviano A. Leão 2


1.1. O que é um Spin?

S N

e−
e−

N S
m = + 21 m = − 12
Figure 1.2: A analogia do momentum angular intrínseco de uma bolinha girando em torno do seu
eixo com o spin é insatisfatória.

A existência do spin está na inclusa mecânica quântica relativística, elaborada por Dirac [9, 10].
Na equação de Schrödinger, o spin é incorporado de forma a parte ao formalismo da mecânica
quântica de Schrödinger.
De acordo com Landau [2], a lei de conservação do momentum angular, tanto na mecânica
clássica quanto na mecânica quântica, é uma consequência direta da isotropia espacial em
um sistema fechado, e isso, é uma evidência direta da relação entre o momentum angular e
as propriedades de simetria com relação as rotações. Na mecânica quântica, essas relações
de simetria com relação as rotações constituem a essência do conceito de momentum angular
de uma partícula, já que a sua definição clássica, como o produto vetorial r × p, perde seu
significado direto pois não se pode medir simultaneamente a posição e o momentum.
Foi mostrado que as relações de comutação do momentum angular orbital de uma partícula
podem ser vistas como uma consequência da estrutura não-comutativa do grupo de rotações
geométricas. Estabeleceu-se também que os números quânticos l e mL determinam a dependência
angular da função de onda de uma partícula, e portanto, todas as suas propriedades de simetria
com relação às rotações. A conservação do momentum angular, de forma geral, estabelece
a lei de transformação dos autoestados do momentum angular nas rotações do sistema de
coordenadas.
Para um sistema de partículas, os autoestados do momentum angular |l, mL i, com os valores
específicos do momentum angular l e de sua projeção m, não serão alterados apenas no caso de
rotações do sistema de coordenadas em torno do eixo Oz. Qualquer rotação que mude a direção
do eixo z terá como consequência que a projeção do momentum angular sobre o eixo Oz não
será mais um valor bem determinado. Pois no novo sistema de coordenadas, os autoestados
|l, m0L i em geral se transformam em uma superposição dos 2l + 1 autoestados |l, mL i da seguinte
forma,
i
X
|l, m0L i = CL,τ e− ~ L·û |l, τ i (1.3)
τ

a qual corresponde a cada um dos possíveis valores de mL para um dado l.


Nas rotações do sistema de coordenadas os 2l + 1 autoestados |l, mL i transformam-se

Prof. Salviano A. Leão 3


1.2. Momentum angular intrínseco: spin

em combinações lineares uns nos outros. A lei que governa essas transformações, isto é, os
coeficientes Cl,τ da superposição dos autoestados (como funções do ângulo de rotação do sistema
de coordenadas), é determinada completamente ao especificarmos o valor de l. Desse modo,
o momentum angular adquire o significado de um número quântico, o qual classifica o estado
do sistema de acordo com suas propriedades de transformação sobre uma rotação do eixo de
coordenadas do sistema.
Note que esse aspecto do conceito de momentum angular na mecânica quântica é particu-
larmente importante porque ele não está diretamente relacionado com a dependência angular
explicita dos autoestados do sistema, (as funções de onda): a lei de transformação mútua desses
autoestados pode ser expressa de modo independente, sem se fazer referência a essa dependência
angular.

1.1.1.1 Sistema de partículas

Consideremos uma partícula composta, como por exemplo um núcleo atômico, o qual está
em repouso como um todo (ou seja seu CM está em repouso) e encontra-se em um estado interno
bem definido. Além disso, ela tem uma energia interna e um momentum angular de magnitude
l, devido ao movimento das partículas que compõem o núcleo. Esse momentum angular pode
ter 2l + 1 diferentes orientações no espaço.
Nota
Portanto, ao considerarmos o movimento de uma partícula complexa
como um todo devemos, além de suas coordenadas, atribuir a ela uma
variável discreta: a projeção do seu momentum angular interno sobre
uma direção qualquer do espaço.

1.2 Momentum angular intrínseco: spin


Portanto, após uma reflexão sobre os argumentos precedentes a respeito do conceito de
momentum angular, pode-se concluir que as questões que surgem a respeito de sua origem
não são mais essenciais, e com isso chegamos naturalmente ao conceito de momentum angular
intrínseco, o qual deve ser atribuído a uma partícula independente do fato dela ser composta ou
elementar.
Nota
Deste modo, na mecânica quântica deve-se atribuir à partícula el-
ementar um momentum angular intrínseco, não relacionado ao seu
movimento espacial.

Esta propriedade das partículas elementares é especificamente de natureza quântica (ela


desaparece na passagem em que tomamos o limite ~ → 0), e portanto, em princípio ela não tem
uma interpretação clássica (um análogo clássico).

Prof. Salviano A. Leão 4


1.3. Evidências experimentais do spin do elétron

Nota
O momentum angular intrínseco de uma partícula é chamado de spin da
partícula, em distinção ao momentum angular da partícula associado
ao movimento da partícula no espaço, denominado de, momentum
angular orbital.

Quanto a partícula em si, tanto faz se a partícula concebida é elementar ou composta, o que
importa é que ela se comporta como uma partícula elementar no fenômeno em questão (por
exemplo, o núcleo atômico).
Quanto ao spin da partícula temos:

• O spin de uma partícula, é medido como o momentum angular orbital, em unidades de ~


e será denotado por s.

• Para partículas possuidoras de spin, a descrição do estado mediante a função de onda


deve determinar não somente as probabilidades das suas diversas posições no espaço, mas
ainda as probabilidades das diversas orientações possíveis de seu spin. Portanto, a função
de onda deve depender não só das três variáveis contínuas, isto é, das coordenadas da
partícula, mas também de uma variável de spin discreta que determina o valor da projeção
do spin sobre uma direção escolhida no espaço (o eixo Oz) e que só pode ter um número
limitado de valores discretos, os quais denotaremos por σ.

1.3 Evidências experimentais do spin do elétron


Há numerosas demonstrações experimentais da existência do spin do elétron, entre elas
pode-se destacar:

• As propriedades magnéticas de inúmeras substâncias, particularmente os metais ferromag-


néticos, só podem ser explicados se o spin for levado em conta.

• A estrutura fina das linhas espectrais na física atômica.

• O efeito Zeeman.

• O experimento de Stern-Gerlach [4, 5, 7, 8]. A experiência de Stern-Gerlach foi realizada


em Frankfurt, Alemanha em 1922 por Otto Stern e Walther Gerlach.

1.4 Descrição quântica: os postulados de Pauli


Em 1924, Wolfgang Pauli propôs um novo grau de liberdade quântico [4, 8], para explicar as
inconsistências entre o espectro molecular observado e os desenvolvimentos da mecânica quântica.
Ele formulou o Princípio de exclusão, talvez seu mais importante trabalho, que estabelece que
nenhuma partícula (por exemplo, os elétrons) pode existir no mesmo estado quântico.

Prof. Salviano A. Leão 5


1.5. Postulados

Em 1925 George Eugene Uhlenbeck e Samuel Abraham Goudsmit [4, 6], para explicarem os
resultado experimentais do experimento realizado por Stern-Gerlach em 1922, propuseram a
seguinte hipótese: o elétron possui um momentum angular intrínseco chamado spin, identificaram
o grau de liberdade extra do elétron proposto por Pauli como sendo o spin. Além disso, para
interpretar corretamente os resultados experimentais propuseram que o momentum magnético
MS associado a este momentum angular intrínseco S fosse dado por

µB µB
M S = gs S e ML = gl L (1.4)
~ ~

Note que o coeficiente de proporcionalidade entre o momentum angular de spin S e o seu


momento magnético é duas vezes aquele para o momentum angular orbital L, ou seja,
α
gs = 2(1 + + · · · ) = 2, 0 × 1, 001159657(4) = 2.0023193043617(15) e gl = 1, 0 (1.5)

Nesse caso diz-se que:

Nota
A razão giromagnética do spin é duas vezes a razão giromagnética
orbital.

Em 1927, Wolfgang Pauli [1, 4] enunciou mais precisamente essa declaração e forneceu
uma descrição quântica para o spin, a qual era válida no limite não-relativístico. Seu trabalho
influenciou Paul A.M. Dirac na descoberta da equação de Dirac para o elétron relativístico.

1.5 Postulados
Para uma partícula como o elétron, associamos respectivamente a sua posição r e ao seu
momentum linear p, os observáveis R e P que atuam no espaço de estados Er , o qual é isomórfico
ao espaço das funções de onda F.
Todas quantidades físicas são funções das variáveis fundamentais r e p, e a regra de
quantização nos permite associarmos a elas observáveis que atuam no espaço de estados Er .
Agora iremos chamá-lo de o espaço de estados orbital Er .
A essas variáveis orbitais adicionaremos as variáveis de spin, as quais satisfazem os seguintes
postulados:

i) O operador de spin S é um momentum angular intrínseco, e portanto, satisfaz a mesma


álgebra. Isso significa que suas três componentes são observáveis que satisfazem as
seguintes relações de comutação:

[Sx , Sy ] = i~Sz ; [Sz , Sx ] = i~Sy ; [Sy , Sz ] = i~Sx . (1.6)

[Sα , Sβ ] = i~α,β,γ Sγ com α, β, γ = x, y, z. (1.7)

Prof. Salviano A. Leão 6


1.6. Propriedades especiais para partículas de spin s = 1/2

ii) Os operadores de spin atuam atuam em um novo espaço, o espaço de estados Es , no


qual S2 e Sz constituem um conjunto completo de observáveis que comutam entre
si, um C.S.C.O. Portanto, o espaço de estados Es é expandido pelo conjunto de
autoestados |s, mi comuns à S2 e Sz , com

S2 |s, mi = s(s + 1)~2 |s, mi (1.8)


Sz |s, mi = m~ |s, mi (1.9)

De acordo com a teoria do momentum angular, desenvolvida anteriormente, sambemos


que s deve ser um inteiro ou um semi-inteiro, e além disso que m = −s, −s+1, . . . , s−
1, s.
Quando uma dada partícula é caracterizada por um único valor de s: diz-se que ela
possui um spin s e portanto o seu espaço de estado de spin Es é sempre de dimensão
finita (2s+1), e todos os estados de spin são autovetores de S2 com o mesmo autovalor
s(s + 1)~2 .

iii) O espaço de estados E da partícula em questão é dado pelo produto tensorial de Er


por Es :
Er ⊗ Es .
Portanto, todos os observáveis de spin comutam com todos os observáveis orbital.
Exceto para o caso particular em que s = 0, não é o suficiente especificarmos um ket
de Er para caracterizar um estado de uma partícula.

iv) O elétron é uma partícula de spin 1/2, (s = 1/2) e o seu momento magnético intrínseco
é dado por:
µB
MS = 2 S. (1.10)
~
Portanto, para o elétron o espaço Es é bidimensional.

1.6 Propriedades especiais para partículas de spin s = 1/2


O espaço de estados do spin Es é bidimensional. Considerando uma base ortonormal
{|+i , |−i} dos autoestados comuns de S2 e Sz que satisfazem:
3
S2 |±i = ~2 |±i (1.11a)
4
1
Sz |±i = ± ~ |±i (1.11b)
2
e além disso, da ortonormalização temos

h+ | −i = 0; h+ | +i = h− | −i = 1, (1.12)

e vale também a completeza


|+i h+| + |−i h−| = 1. (1.13)

Prof. Salviano A. Leão 7


1.7. Matrizes de Pauli

O estado de spin mais geral é descrito por um vetor arbitrário de Es

|χi = c+ |+i + c− |−i , (1.14)

em que c+ e c− são números complexos.


De acordo com (1.11a), todos os kets de Es são autovetores de S2 com o mesmo autovalor
3~/4, logo S2 deve ser proporcional ao operador identidade 1 de Es , ou seja,
!
3 3 1 0
S2 = ~2 1 ou S2 = ~2 (1.15)
4 4 0 1

Como S é por definição um momentum angular, ele possui todas as propriedades gerais de
um operador momentum angular. Portanto, a ação do operador

S± = Sx ± iSy (1.16)

sobre os vetores da base |+i e |−i é dada por

S+ |+i = 0 |+i S+ |−i = ~ |+i (1.17a)


S− |+i = ~ |−i S− |−i = 0 (1.17b)

Qualquer operador atuando em Es pode ser representado, na base {|+i , |−i} por uma matriz
2 × 2.

1.7 Matrizes de Pauli


A matriz S, pode ser escrita em termos das matrizes de Pauli σ, da seguinte forma
~
S= σ (1.18)
2
com suas componentes sendo dadas por
~ ~ ~
Sx = σx , Sy = σy , Sz = σz . (1.19)
2 2 2
e as matrizes de Pauli são:
! ! !
0 1 0 −i 1 0
σx = , σy = , σz = . (1.20)
1 0 i 0 0 −1

As matrizes de Pauli possuem as seguintes propriedades:

σx2 = σy2 = σz2 = 1, (1.21)

σx σy + σy σx = 0, σy σz + σz σy = 0, σz σx + σx σz = 0, (1.22)

[σx , σy ] = 2iσz ou [σα , σβ ] = α,β,γ 2iσγ (1.23)

Prof. Salviano A. Leão 8


1.8. Propriedades do operador de spin S

em que α,β,γ é o tensor de Levi-Civita. Temos ainda que

σx σy = iσz , σy σz = iσx , σz σx = iσy (1.24)

Essas relações anteriores podem ser escritas em uma forma mais compacta, como

σα σβ = iα,β,γ σγ + δα,β I. (1.25)

Temos ainda que


Tr σx = Tr σy = Tr σz = 0, (1.26)

Det σx = Det σy = Det σz = −1. (1.27)

Nota
Qualquer matriz 2 × 2 pode ser escrita como uma combinação linear,
com coeficientes complexos, das três matrizes de Pauli e da matriz
identidade.

Para as matrizes de Pauli, vale a seguinte propriedade:

(σ · A)(σ · B) = A · B + iσ · (A × B) (1.28)

em que A e B são dois vetores arbitrários, ou dois vetores operadores cujas três componentes
comutam com aquelas do spin S, ou seja,

[Ai , Sj ] = 0 i, j = x, y, z. (1.29a)
[Bi , Sj ] = 0 i, j = x, y, z. (1.29b)
[Ai , Bj ] = 0 i, j = x, y, z. (1.29c)

Se A e B não comutarem entre-si, a identidade permanece válida se A e B aparecerem na


mesma ordem em ambos os lados da identidade.

1.8 Propriedades do operador de spin S


Destas propriedades seguem imediatamente que

~2
Sx2 = Sy2 = Sz2 = , (1.30)
4
Sx Sy + Sy Sx = 0, Sy Sz + Sz Sy = 0, Sz Sx + Sx Sz = 0, (1.31)

[Sx , Sy ] = i~Sz ou [Sα , Sβ ] = i~Sγ α,β,γ (1.32)


i i i
Sx Sy = ~Sz , Sy Sz = ~Sx , Sz Sx = ~Sy (1.33)
2 2 2
S+2 = S−2 = 0 (1.34)

Prof. Salviano A. Leão 9


1.9. Descrição não-relativística de uma partícula de spin 1/2

1.9 Descrição não-relativística de uma partícula de spin


1/2

1.9.1 Observáveis e vetores de estado


Quando todos os graus de liberdade são levados em conta, o estado quântico de um elétron
é caracterizado por um ket pertencente ao espaço E o qual é um produto tensorial de Er por Es .
Entre os vários C.S.C.O podemos escolher qualquer um dos seguintes:

{X, Y, Z, S2 , Sz }
{Px , Py , Pz , S2 , Sz }
{H, L2 , Lz , S2 , Sz }

Note que como todos os kets de E são autovetores de S2 com o mesmo autovalor, então pode-se
omitir S2 desse conjunto de observáveis.
Usando o primeiro conjunto, e usaremos como base de E uma na qual o ket |ri = |x, y, zi ∈ Er
e a outra |εi ∈ Es , logo podemos escrever

|r, εi ≡ |x, y, z, εi = |ri ⊗ |εi (1.35)

Por definição temos o vetor |r, εi é um autovetor comum de X, Y , Z, S2 , Sz :

X |r, εi = x |r, εi (1.36a)


Y |r, εi = y |r, εi (1.36b)
Z |r, εi = z |r, εi (1.36c)
3
S2 |r, εi = ~2 |r, εi (1.36d)
4
~
Sz |r, εi = ε |r, εi (1.36e)
2
Temos ainda que:
hr0 , ε0 | r, εi = δε0 ,ε δ(r0 − r) (1.37)

e a relação de completeza
Xˆ ˆ ˆ
d r |r, εi hr, ε| = d r |r, +i hr, +| + d3 r |r, −i hr, −| = 1
3 3
(1.38)
ε

1.10 Representação {|r, εi}


Qualquer vetor de estado |ψi pode ser expandido na base {|r, εi}, e para isso, basta usar a
completeza da seguinte forma

|ψi = d3 r |r, εi hr, ε | ψi (1.39)
ε

Prof. Salviano A. Leão 10


1.10. Representação {|r, εi}

O vetor de estado |ψi pode ser representado por uma função de onda

hr, ε | ψi = ψε (r), (1.40)

a qual depende dos três índices contínuos x, y e z e do índice discreto ε (+ ou −).


Para caracterizarmos completamente o estado de um elétron, será necessário especificarmos
as duas funções de onda das variáveis espaciais, ou seja,

ψ+ (r) = hr, + | ψi e ψ− (r) = hr, − | ψi . (1.41)

Essas duas funções, geralmente são escritas na forma de um spinor de duas componentes
!
ψ+ (r)
[ψ](r) = (1.42)
ψ− (r)

O bra hψ| associado ao ket |ψi é dado pelo adjunto de (1.39):



hψ| = d3 r hψ | r, εi hr, ε| (1.43)
ε

o qual, pode ser reescrito como



hψ| = d3 r ψε∗ (r) hr, ε| . (1.44)
ε

Portanto, o bra hψ| é representado pelas duas funções ψ+



(r) e ψ−

(r), as quais podem ser
reescritas na forma de um spinor

[ψ † ](r) = (ψ+
∗ ∗
(r) ψ− (r)). (1.45)

Com essa notação, produto escalar de dois vetores de estado |ψi e |ϕi pode ser escrito como:

hψ | ϕi = d3 r hψ | r, εi hr, ε | ϕi
ˆε
= ∗
d3 r [ψ+ ∗
(r)ϕ+ (r) + ψ− (r)ϕ− (r)] (1.46)

o qual ainda pode ser escrito como


ˆ
hψ | ϕi = d3 r [ψ]† (r)[ϕ](r). (1.47)

A normalização do ket |ψi é dada por


ˆ ˆ

hψ | ψi = d r [ψ] (r)[ψ](r) = d3 r [|ψ+ (r)|2 + |ψ− (r)|2 ] = 1
3
(1.48)

Entre os vetores de E, alguns são produtos tensoriais de um ket de Er por um ket de Es .


Considere por exemplo, o caso em que o vetor de estado é do seguinte tipo:

|ψi = |ϕi ⊗ |χi , (1.49)

Prof. Salviano A. Leão 11


1.11. Operadores

em que ˆ
|ϕi = d3 r ϕ(r) |ri ∈ Er (1.50)

|χi = c+ |+i + c− |−i ∈ Es (1.51)

logo, o spinor associado a ele toma a seguinte forma:


! !
ϕ(r)c+ c+
[ψ](r) = = ϕ(r) . (1.52)
ϕ(r)c− c−

Esse resultado, deve-se a definição do produto escalar em E, e neste caso temos:

ψ+ (r) = hr, + | ψi = hr | ϕi h+ | χi = ϕ(r)c+ (1.53a)


ψ− (r) = hr, − | ψi = hr | ϕi h− | χi = ϕ(r)c− (1.53b)

O quadrado da norma de |ψi é então dado por:


ˆ
2
hψ | ψi = hϕ | ϕi hχ | χi = (|c+ | + |c− | ) 2
d3 r |ϕ(r)|2 (1.54)

1.11 Operadores
Seja A um operador tal que

A |ψi = |ψ 0 i com |ψi , |ψ 0 i ∈ E (1.55)

usando a completeza (1.38), podemos reescrever (1.55) como


XXˆ ˆ
0
|ψ i = 3
dr d3 r0 |r0 , ε0 i hr0 , ε0 | A | r, εi hr, ε | ψi (1.56)
ε ε0

Agora vamos obter cada elemento do spinor. Primeiro vamos projetar o ket |ψ 0 i em |r, +i, assim

0 0
ψ+ (r) = hr, + | ψ i = d3 r hr, + | A | r, εi hr, ε | ψi (1.57)
ε

e projetando em |r, −i, obtemos



0
ψ− (r) 0
= hr, + | ψ i = d3 r hr, − | A | r, εi hr, ε | ψi (1.58)
ε

Portanto, de acordo com os resultados anteriores |ψi e |ψ 0 i podem ser representados por um
spinor de duas componentes [ψ](r) e [ψ 0 ](r).
Agora mostraremos que podemos associar com o operador A uma matriz 〚A〛 2 × 2, tal que

[ψ 0 ](r) = 〚A〛[ψ](r) (1.59)

em que os elementos de matriz, em geral, permanecem operadores diferenciais em relação a


variável r.

Prof. Salviano A. Leão 12


1.11. Operadores

1.11.1 Operadores de spin


Esses foram definidos inicialmente em Es , portanto, eles atuam somente sobre o índice ε dos
vetores da base |r, εi. Considere por exemplo o caso da ação do operador S+ sobre um vetor
|ψi, resultando em |ψ 0 i: ˆ
0
|ψ i = ~ d3 r ψ− (r) |r, +i . (1.60)

Note que o operador S+ aniquila todos os kets |r, +i e transforma os kets |r, −i em ~ |r, +i.
As componentes de |ψ 0 i na base {|r, εi} são:

hr, + | ψ 0 i = ψ+
0
(r) = ~ψ− (r) (1.61)
hr, − | ψ 0 i = ψ−
0
(r) = 0. (1.62)

Portanto, o spinor representando |ψ 0 i é


!
ψ− (r)
[ψ 0 ](r) = ~ (1.63)
0

Esse é de fato o resultado obtido ao multiplicarmos a matriz do spinor por


!
~ 0 1
〚S+ 〛 = (σx + iσy ) = ~ . (1.64)
2 0 0

pois,

[ψ 0 ](r) = 〚S+ 〛[ψ](r)


! !
0 1 ψ+ (r)
=~
0 0 ψ− (r)
!
ψ− (r)
=~
0

1.11.2 Operadores Orbitais


Ao contrário dos operadores de spin, os operadores orbitais sempre deixam inalterados o
índice ε dos vetores da base |r, εi: suas matrizes 2 × 2 associadas no termo de spin são sempre
proporcionais a matriz identidade. Entretanto eles atuam sobre a dependência em r do spinor,
da mesma forma como atuam sobre uma função de onda ordinária.
Considere por exemplo o caso da ação dos operadores X e Px sobre um vetor de estado |ψi,
resultando respectivamente em |ψ 0 i e |ψ 00 i:

|ψ 0 i = X |ψi e |ψ 00 i = Px |ψi , (1.65)

logo suas componentes na base {|r, εi} são respectivamente

ψε0 (r) = hr, ε | X | ψi = xψε (r) (1.66a)


~ ∂
ψε00 (r) = hr, ε | Px | ψi = ψε (r) (1.66b)
i ∂x

Prof. Salviano A. Leão 13


1.11. Operadores

Os spinores [ψ 0 ](r) e [ψ 00 ](r) foram obtidos do spinor [ψ](r) por meio das matrizes 2 × 2:
 
! ∂
x 0 ~ 0 
〚X〛 = e 〚Px 〛 =  ∂x ∂  . (1.67)
0 x i 0
∂x
Note que, ! ! !
x 0 ψ+ (r) ψ+ (r)
[ψ 0 ](r) = 〚X〛[ψ](r) = =x (1.68)
0 x ψ− (r) ψ− (r)
e que  
∂ ! !
~ 0  ψ+ (r) ~ ∂ ψ+ (r)
[ψ 00 ](r) = 〚Px 〛[ψ](r) =  ∂x = (1.69)

i ∂  ψ (r) i ∂x ψ− (r)
0 −
∂x

1.11.3 Operadores mistos


A forma mais geral de um operador atuar em E é representada, em uma notação matricial,
por uma matriz 2 × 2 cujos elementos são operadores diferenciais com relação a variável r. Por
exemplo,
~ ∂
 
~ 0
〚Lz Sz 〛 =  i ∂ϕ (1.70)

2 ~ ∂ 
0 −
i ∂ϕ
ou
~
〚S · P〛 = (σx Px + σy Py + σz Pz )
2
∂ ∂ ∂
 
~2  − i
= ∂z ∂x ∂y 
∂ ∂ ∂
2i

+i −
∂x ∂y ∂z

1.11.3.1 Notas

• A representação spinorial na base {|r, εi} é análoga a representação na base {|ri} de Er .


O elemento de matriz hψ | A | ϕi para um operador A qualquer de E é dado por
ˆ
hψ | A | ϕi = d3 r [ψ]† (r)〚A〛[ϕ](r) (1.71)

na qual, 〚A〛 designa uma matriz 2 × 2 a qual representa o operador A.

• Obviamente que há também a representação {|p, εi} cujos vetores da base são autovetores
comuns do C.S.C.O {Px , Py , Pz , S2 , Sz }. A definição do produto escalar em E produz:
1
hr, ε | p, ε0 i = hr | pi hε | ε0 i = eip·r/~ δε,ε0 (1.72)
(2π~)3/2

Nessa representação, temos !


ψ̄+ (p)
[ψ̄](p) = (1.73)
ψ̄− (p)

Prof. Salviano A. Leão 14


1.12. Cálculos das probabilidades para uma medida física

com
ψ̄+ (p) = hp, + | ψi e ψ̄− (p) = hp, − | ψi (1.74)

Ainda pode-se escrever ψ̄ε (p) como



ψ̄ε (p) = hp, ε | ψi = d3 r hp, ε | r, ε0 i hr, ε0 | ψi
ε0
ˆ
1
= d3 r eip·r/~ ψε (r).
(2π~)3/2

1.12 Cálculos das probabilidades para uma medida física


Considere um elétron, descrito pelo estado |ψi normalizado cujas componentes são ψ+ (r) e
ψ− (r), que medimos simultaneamente sua posição e a componente ao longo do eixo Oz do seu
spin. Desde que, X, Y , Z e Sz constituem um C.S.C.O, há um único vetor de estado o qual
corresponde a um dado resultado: x, y, z e ±~/2.
A probabilidade d3 P(r, +) do elétron ser encontrado no elemento de volume infinitesimal
d3 r em torno do ponto r(x, y, z) com o seu spin para cima (Sz = +~/2) é igual a:

d3 P(r, +) = |hr, + | ψi|2 d3 r = |ψ+ (r)|2 d3 r (1.75)

e analogamente para o spin para baixo (Sz = −~/2), temos

d3 P(r, −) = |hr, − | ψi|2 d3 r = |ψ− (r)|2 d3 r (1.76)

1.12.1 Medindo a componente Sx


Considere um elétron, descrito pelo estado |ψi normalizado cujas componentes são ψ+ (r)
e ψ− (r), que medimos simultaneamente sua posição e a componente ao longo do eixo Ox
do seu spin. Desde que, X, Y , Z e Sz constituem um C.S.C.O, o resultado de uma medida
{x, y, z, ±~/2}, corresponde há um único vetor de estado o qual é dado por:
1
|ri |±ix = √ [|r, +i ± |r, −i] (1.77)
2

A probabilidade d3 P(r, +) do elétron ser encontrado no elemento de volume infinitesimal


d3 r em torno do ponto r(x, y, z) com o seu spin para cima (Sx = +~/2) é igual a:
2
1 1
d P(r, +) = √ [hr, + | ψi + hr, − | ψi] × d3 r = |ψ+ (r) + ψ− (r)|2 d3 r
3
2 2

e analogamente para o spin para baixo (Sx = −~/2), temos


2
1 1
d P(r, −) = √ [hr, + | ψi − hr, − | ψi] × d3 r = |ψ+ (r) − ψ− (r)|2 d3 r
3
2 2

Prof. Salviano A. Leão 15


1.12. Cálculos das probabilidades para uma medida física

Prof. Salviano A. Leão 16


Capítulo 2

Spin - Rotação

2.1 Operadores de rotação para uma partícula de spin 1/2


2.1.1 Momentum angular total
Uma partícula de spin 1/2, possui um momentum angular orbital L e um momentum angular
de spin S. O momentum angular total J é definido como a soma dos dois momenta angular:

J=L+S (2.1)

Aqui os operadores R, P e S são observáveis vetoriais.


No espaço de estado da partícula em questão, o operador de rotação Rû (α) está associado
com a rotação geométrica Rû (α) através de um ângulo α em torno do vetor unitário û por:
i
Rû (α) = e− ~ αJ·û (2.2)

em que J é o momentum angular total.

2.1.2 Produto tensorial


Desde que L atua somente em Er e S em Es (o que significa, que todas as componentes de L
comutam com as de S), podemos escrever o operador rotação Rû (α) na forma de um produto
tensorial:
Rû (α) = (r) Rû (α) ⊗ (S) Rû (α) (2.3)
no qual
i i
(r)
Rû (α) = e− ~ αL·û e (S)
Rû (α) = e− ~ αS·û (2.4)
são os operadores de rotação associados com Rû (α) em Er e em Es respectivamente.
Portanto, se realizarmos uma rotação Rû (α) sobre uma partícula de spin 1/2, cujo estado é
representado pelo produto tensorial,

|ψi = |ϕi ⊗ |χi com |ϕi ∈ Er e |χi ∈ Es . (2.5)

seu estado após a rotação será

|ψ 0 i = Rû (α) |ψi = (2.6)


(r)
Rû (α) |ϕi ⊗ (S) Rû (α) |χi
  

17
2.1. Operadores de rotação para uma partícula de spin 1/2

2.1.3 Rotação do estado de spin


Como S = ~2 σ, então o operador de rotação toma a forma:
i α
(S)
Rû (α) = e− ~ αS·û = e−i 2 σ·û (2.7)

Para fazermos isso, usamos a definição de um operador exponencial:


α 1  α 2 1  α n
(S)
Rû (α) = 1 − i σ · û + −i 2
(σ · û) + . . . + −i (σ · û)n + . . . (2.8)
2 2! 2 n! 2
Agora usando a identidade,

(σ · A)(σ · B) = A · B + iσ · (A × B) (2.9)

e fazendo A = B = û vê-se que


(σ · û)2 = û2 = 1 (2.10)

o que nos leva à 


1 Se n par
(σ · û)n = (2.11)
σ · û Se n ímpar

Portanto, se agruparmos os termos pares e ímpares da expansão anterior

(−1)p  α 2p
 
(S) 1  α 2
Rû (α) = 1 − + ... + + ...
2! 2 (2p)! 2
(−1)p  α 2p+1
 
α 1  α 3
− iσ · û − + ... + + ...
2 3! 2 (2p + 1)! 2

ou seja,
α α
(S)
Rû (α) = cos − iσ · û sen (2.12)
2 2
Posto dessa forma, agora é fácil calcular a ação do operador (S)
Rû (α) sobre um estado de spin
qualquer.
(1/2)
Usando essa expressão, podemos escrever a matriz de rotação Rû (α) explicitamente na
base {|+i , |−i}, como
!
(1/2) cos α2 − iuz sen α2 (−iux − uy ) sen α2
Rû (α) = (2.13)
(−iux + uy ) sen α2 cos α2 + iuz sen α2

2.1.4 Operador associado com uma rotação de 2π


Para um ângulo de rotação α = 2π, a rotação geométrica Rû (α) coincidi, se o vetor û for
unitário, com a rotação identidade. Entretanto, se fizermos α = 2π na eq. (2.12), vemos que:

(S)
Rû (0) = 1 e com (S)
Rû (2π) = −1 (2.14)

Portanto, o operador associado com uma rotação de 2π não é o operador identidade, mas o
negativo desse operador. Logo, as leis de transformação de grupo, são conservadas somente

Prof. Salviano A. Leão 18


2.1. Operadores de rotação para uma partícula de spin 1/2

localmente na correspondência entre as rotações geométricas e os operadores de rotação em Es .


Ou seja, somente as leis de transformações infinitesimais são conservadas. Isso , deve-se ao valor
semi-inteiro do momentum angular de spin da partícula em questão.
Da eq. (1.15), vê-se que:
(S)
Rû (4π) = 1

somente uma rotação de 4π é igual a unidade. Isso seria equivalente a estar sobre a superfície
de uma Fita de Möebius.

Figura 2.1: Analogia da invariância por rotação de 4π do spin, (S) R (4π) = 1, com a fita de Möebius.

O fato de que o estado de spin muda o sinal durante uma rotação através de um ângulo de
2π não é perturbador, já que os dois vetores de estado diferem somente por um fator de fase
global, tendo as mesmas propriedades físicas. É mais importante estudarmos e compreendermos
como um observável se transforma durante uma rotação como essa.
Considere os autovetor |χn i é submetido a uma rotação tal que

|χ0n i = (S) Rû (α) |χn i (2.15)

e que além disso, ele é uma autovetor do operador A, assim

A |χn i = an |χn i (2.16)

então como deve ser o operador A0 tal que

A0 |χ0n i = an |χ0n i . (2.17)

Substituindo a eq. (2.15) na (2.17), e multiplicando o resultado obtido, a esquerda de ambos os


lados da igualdade, por (S)
Rû† (α) e usando o fato de que os operadores de rotação são unitários,
obtém-se que

(S)
Rû† (α)A0(S) Rû (α) |χn i = an (S) Rû† (α)(S) Rû (α) |χn i = an |χn i (2.18)

Prof. Salviano A. Leão 19


2.1. Operadores de rotação para uma partícula de spin 1/2

da qual, comparando com a (2.16), podemos concluir que

A =(S) Rû† (α)A0(S) Rû (α) (2.19)

ou ainda que
A =(S) Rû† (α)A0(S) Rû (α) (2.20)

ou ainda
A0 =(S) Rû (α)A(S) Rû† (α). (2.21)

Desta última expressão segue então que:

A0 =(S) Rû (2π)A (S) Rû† (2π) = A (2.22)

Esse resultado é totalmente satisfatório, já que uma rotação através de 2π não pode modificar
o dispositivo de medida de A. Portanto, o espectro de A0 deve permanecer o mesmo de A.
Note que já mostramos anteriormente que

(r)
Rû (2π) = 1 (2.23)

portanto, temos que no espaço de estado global E = Er ⊗ Es , assim com em Es que

Rû (2π) = (r) Rû (2π) ⊗ (S) Rû (2π) = −1 (2.24)

2.1.5 Natureza vetorial versus rotação


Considere o estado de spin |χi arbitrário. Mostramos que, a menos de um fator de fase
global, há dois ângulos θ e ϕ tais que |χi pode ser reescrito como:

θ θ
|χi = e−iϕ/2 cos |+i + eiϕ/2 sen |−i (2.25)
2 2
o que significa que |χi é um autovetor associado com o autovalor +~/2 da componente S · v do
spin S ao longo do vetor unitário v definido pelos ângulos polares θ e ϕ.

Prof. Salviano A. Leão 20


2.1. Operadores de rotação para uma partícula de spin 1/2

Chamaremos de v0 o resultado da transformação de v pela rotação em questão. Desde que S


é um observável vetorial, o estado |χ0 i após a rotação deve ser um autovetor com um autovalor
de +~/2, da componente S · v0 do spin S ao longo do vetor unitário v0 :

|χi = |+iv =⇒ |χ0 i = R |χi ∝ |+iv0 (2.26)

com
v0 = Rv (2.27)

Aqui iremos simplesmente fazer uma verificação desse resultado, para um caso bem específico.
Portanto, considere o caso em que o vetor v é um vetor unitário ao longo do do eixo Oz , ou
seja, ele é dado por v = êz e que por sua vez o vetor v0 é um vetor unitário arbitrário, com
ângulos polares θ e ϕ.
O vetor v0 é obtido a partir do vetor v = êz por uma rotação através de um ângulo θ em
torno do vetor unitário û, o qual é fixado pelos ângulos polares:
π π
θû = e ϕû = ϕ + (2.28)
2 2
Portanto, devemos mostrar que:

(S)
Rû (θ) |+i ∝ |+iv0 (2.29)

As componentes cartesianas do vetor û são:

ux = − sen ϕ ; uy = cos ϕ ; uz = 0, (2.30)

então o operador (S)


Rû (θ) pode ser escrito, usando a eq. (2.12) como

θ θ
(S)
Rû (θ) = cos − iσ · û sen (2.31)
2 2
θ θ
= cos − i (−σx sen ϕ + σy cos ϕ) sen (2.32)
2 2
θ 1 θ
σ+ e−iϕ − σ− eiϕ sen (2.33)

= cos −
2 2 2
com
σ± = σx ± iσy (2.34)

Entretanto como
σ+ |+i = 0 e que σ− |+i = 2 |−i (2.35)

então, o resultado da transformação do |+i pelo operador (S)


Rû (θ) é:

θ θ
(S)
Rû (θ) |+i = cos |+i + eiϕ sen |−i (2.36)
2 2
O qual, a menos de um fator de fase, é o ket |+iv0 :

(S)
Rû (θ) |+i = eiϕ/2 |+iv0 (2.37)

Prof. Salviano A. Leão 21


2.1. Operadores de rotação para uma partícula de spin 1/2

2.1.6 Rotação de um spinor com duas componentes


Para um partícula de spin 1/2 cujo estado é representado pelo ket |ψi do espaço de estado
E = Er ⊗ Es . O ket |ψi pode ser representado pelo spinor [ψ](r), de componentes

ψε (r) = hr, ε| ψi . (2.38)

Se realizarmos uma rotação geométrica arbitrária R sobre esta partícula, seu estado torna-se:

|ψ 0 i = R |ψi (2.39)

com
R =(r) R ⊗ (S)
R (2.40)

é em E o operador associado com a rotação geométrica R. Como é o spinor [ψ 0 ](r), o qual


corresponde ao estado |ψ 0 i obtido do spinor [ψ](r) ?
Note que como
ψε0 (r) = hr, ε| ψ 0 i = hr, ε| R |ψi (2.41)

ao inserirmos uma completeza relativa a base {|r0 , ε0 i} entre R e |ψi, obtemos:



0
ψε (r) = d3 r0 hr, ε| R |r0 , ε0 i hr0 , ε0 | ψi . (2.42)
ε0

Agora, desde que os vetores da base {|r, εi} são dados por um produto tensorial, então os
elementos de matriz do operador R nessa base pode ser decomposto na seguinte forma:

hr, ε| R |r0 , ε0 i = hr|(r) R |r0 i hε|(S) R |ε0 i (2.43)

como já sabemos que:

hr|(r) R |r0 i = R−1 r r0 i = δ r0 − (R−1 r) (2.44)



 

e introduzindo a notação
(1/2)
hε|(S) R |ε0 i = Rε,ε0 (2.45)

temos que
(1/2)
ψε0 (r) = Rε,ε0 ψε0 (R−1 r) (2.46)
P
ε0

Mais explicitamente, temos


! (1/2) (1/2)
! !
0
ψ+ (r) R+,+ R+,− ψ+ (R−1 r)
0
= (1/2) (1/2) (2.47)
ψ− (r) R−,+ R−,− ψ− (R−1 r)

Prof. Salviano A. Leão 22


Capítulo 3

Adição de Momenta Angulares

3.1 Adição de Momenta Angulares: Caso clássico


Considere um sistema formado por um número n qualquer de partículas, e seja mi a massa
da partícula i (i = 1, 2, . . . , n), cujos vetores posição e velocidade em relação a uma dada origem
O no instante t são respectivamente ri (t) e vi (t). O momentum angular total do sistema em
relação a origem O do sistema de coordenadas é

r4 r5

ri
r1 r
r2 3
y

x
Figura 3.1: Aqui temos um sistema composto por n partículas, e cada uma com o vetor posição ri e
velocidade vi dados em relação a origem do sistema de coordenadas.

n
X n
X
L= ri ×pi = mi ri ×vi (3.1)
i=1 i=1

Em geral, como no caso de uma partícula, L depende do ponto O em relação ao qual é


tomado. Para o momentum linear total P do sistema obtém-se uma simplificação considerável

23
3.1. Adição de Momenta Angulares: Caso clássico

nas equações do sistema, ao tomar-se a origem O do sistema de coordenadas no centro de massa


(CM) do sistema de partículas, cujo vetor posição R é dado por

n
1 X m1 r1 + m2 r2 + · · · + mn rn
R= mi ri = (3.2)
M i=1 m1 + m2 + · · · + mn

Se r0i e vi0 são os vetores posição e velocidade da partícula i em relação ao CM, temos então que

n
X
ri = r0i + R =⇒ mi r0i = 0, (3.3)
i=1

n
X n
X
vi = vi0 + V =⇒ mi vi0 = p0i = 0, (3.4)
i=1 i=1

n
X dR
P=V mi = M V = M , (3.5)
i=1
dt

na qual V é a velocidade do CM. A eq. (3.4) significa que o momentum linear do movimento
interno, ou seja, o momentum resultante em relação ao CM, se anula. Já a eq. (3.5) nos diz que
o CM move-se como se o momentum total P do sistema estivesse concentrado todo nele.
Para ver o que ocorre com o momentum angular total L, basta substituir (3.3) e (3.4) em
(3.1):
n
X
L = mi (r0i + R) × (vi0 + V)
i=1
n n
!
X X
= mi r0i × vi0 + R× mi vi0 +
i=1 i=1
n
! n
X X
mi r0i ×V+ mi R × V
i=1 i=1

Usando (3.3) e (3.4), obtemos


L = L0 + R×P, (3.6)

em que,
n
X n
X
L =0
mi r0i × vi0 = r0i × p0i (3.7)
i=1 i=1

é o momentum angular total do sistema em relação ao CM e R×P é o momentum angular do


CM em relação a O, considerado como se o momentum total P do sistema estivesse concentrado
nele.
Note que,

• chamamos de L0 o momentum angular interno do sistema e R×P de momentum angular


externo.

Prof. Salviano A. Leão 24


3.1. Adição de Momenta Angulares: Caso clássico

• se o CM do sistema de partículas está em repouso (P = 0), temos

L = L0 (CM em Repouso) (3.8)

o que é independente da escolha do ponto de referência O, pois corresponde ao momentum


angular interno.

• ao contrário do momentum linear do movimento interno (relativo ao CM), que sempre


se anula (cf. eq. (3.4)), o momentum angular L0 do movimento interno em geral não se
anula.

3.1.1 Lei Fundamental da Dinâmica das Rotações


O análogo da segunda lei de Newton para rotações, a lei fundamental da dinâmica das
rotações para uma partícula é

dL
τ = r×F = , em que L = r×p, (3.9)
dt

a qual, iremos aplicar a um sistema de muitas partículas.


Derivando (3.1) com relação ao tempo obtemos que
n
! n n
dL d X X dri X dvi
= mi ri × vi = mi × vi + mi ri × ,
dt dt i=1 i=1
dt i=1
dt

logo
n n
dL X dvi X
= mi ri × = mi ri × ai . (3.10)
dt i=1
dt i=1

Se o referencial é inercial, podemos aplicar a segunda lei de Newton a partícula i, escrevendo

n
X
mi ai = FExt.
i + Fij (i = 1, 2, . . . , N ) (3.11)
j=1
j6=i

na qual Fij é a força interna sobre a partícula i devido a partícula j.


Substituindo (3.11) em (3.10) obtemos,
n n n n n n
dL X XX X XX
= ri ×FExt.
i + ri ×Fi,j = τiExt. + ri ×Fij (3.12)
dt i=1 i=1 j=1 i=1 i=1 j=1
j6=i j6=i

A dupla somatória em (3.12) pode ser escrita como,


n X
n n n
X 1X X
ri ×Fi,j = [ri ×Fi,j + rj ×Fj,i ] (3.13)
i=1 j=1
2 i=1 j=1
j6=i j6=i

Prof. Salviano A. Leão 25


3.1. Adição de Momenta Angulares: Caso clássico

mi Fij

rij = ri − rj
ri
Fji

O rj mj
Figura 3.2: Força de interação entre duas partículas de massas mi e mj , cuja a linha de ação está
dirigida segundo a linha que une as duas partículas.

da terceira lei de Newton temos que Fi,j = −Fj,i , logo


n X
n n n
X 1X X
ri ×Fij = (ri − rj )×Fij (3.14)
i=1 j=1
2 i=1 j=1
j6=i j6=i

Considerando que as forças internas de interação entre partículas são tais que sua linha de
ação está dirigida segundo a linha que une as duas partículas, ou seja, Fij é paralela ao vetor
(ri − rj ) o que implica (ri − rj )×Fij = 0, então
n X
n n n
X 1X X
ri ×Fij = (ri − rj )×Fij = 0 (3.15)
i=1 j=1
2 i=1 j=1
j6=i j6=i

Logo, o resultante interno dos torques internos do sistema é nulo. Este resultado permanece
válido em condições mais gerais, sem que seja preciso fazer a hipótese acima sobre a linha de
ação das forças de interação.
Substituindo (3.15) em (3.12), obtemos
n n
dL X X
= ri ×FExt.
i = τiExt. = τ Ext. (3.16)
dt i=1 i=1

que é a lei fundamental da dinâmica das rotações para um sistema de partículas: a taxa de
variação com o tempo do momento angular total do sistema em relação a um ponto O (num
referencial inercial) é igual à resultante de todos os torques externos em relação a O que atuam
sobre o sistema.
A restrição a um referencial inercial decorre de termos usado a 2a¯ lei de Newton em (3.11).
O referencial do CM não é necessariamente inercial: se a resultante das forças externas não se
anula, o CM tem uma aceleração A dada por
dP
= M A = FExt. (3.17)
dt
Apesar disto, vamos mostrar que (3.16) permanece válida quando referida ao CM, mesmo que
ele esteja acelerado. Para isto voltemos à (3.10), que vale em qualquer referencial, e apliquemo-la
ao referencial do CM: n n
dL0 X dv0 X
= mi r0i × i = mi r0i × a0i . (3.18)
dt i=1
dt i=1

Prof. Salviano A. Leão 26


3.1. Adição de Momenta Angulares: Caso clássico

Se ai é a aceleração da partícula i num referencial inercial, dada por (3.11), temos, por (3.4),

ai = a0i + A, (3.19)

de modo que a eq. (3.18) pode ser reescrita como


n n
!
dL0 X X
= mi r0i × ai − mi r0i ×A
dt i=1 i=1
n n
!
X X
= r0i ×(mi ai ) − mi r0i ×A
i=1 i=1

usando (3.3) e (3.11), podemos reescrever a equação anterior como


n n n
dL0 X 0 XX
= ri ×FExt.
i + r0i ×Fi,j (3.20)
dt i=1 i=1 j=1
j6=i

Note que o último termo de (3.20) se anula pelo mesmo argumento empregado para obter a eq.
(3.16). Portanto, por (3.3), r0i − r0j = ri − rj , de modo que a demonstração permanece válida.
Obtemos então n n
dL0 X 0 X Ext.
= ri ×FExt.
i = τi0 Ext. = τ 0 (3.21)
dt i=1 i=1

em que τ 0Ext. é a resultante dos torques externos em relação ao CM. Vemos portanto que a eq.
(3.16) permanece válida com relação ao CM, mesmo que este esteja acelerado.

3.1.2 Conservação do Momentum Angular: Simetrias e as leis de


conservação
A lei de conservação do momentum angular para qualquer sistema de partículas decorre da
eq. (3.16), assim
τ 0Ext. = 0 ⇐⇒ L = L0 = constante (3.22)

ou seja, se a resultante dos torques externos em relação a um dado ponto se anula, então o
momentum angular do sistema em relação a esse ponto se conserva.
Os principais resultados vistos foram:

• Quando o τ 0Ext. = 0 na ausência de forças externas, ou seja, para um sistema isolado;


neste caso, como o torque é nulo em relação a qualquer ponto do espaço, o momentum
angular em relação a qualquer ponto se conserva.

• A eq. (3.22) é uma lei de conservação vetorial. Isto significa que a conservação de L
implica na:

– conservação de seu módulo, direção e sentido.


– que ela se aplica separadamente a cada componente.

Prof. Salviano A. Leão 27


3.2. Momentum Angular Na Mecânica Quântica

• Se uma dada componente do torque resultante se anula, a componente correspondente do


momento angular total se conserva, independentemente do que se sucede com as demais.

Sabe-se da mecânica clássica que as lei de conservação do momentum angular está a uma
simetria espacial, ou seja, com a isotropia espacial. Portanto, em um sistema físico cujo o espaço
é isotrópico o momentum angular do sistema é conservado.

3.2 Momentum Angular Na Mecânica Quântica


Agora veremos como tratar um sistema de partículas na mecânica quântica. Considere o
caso de duas partículas não-interagentes, cujo o Hamiltoniano do sistema na representação
{|r1 , r2 i} é:
~2 2
H0 = H1 + H2 com Hi = − ∇ + V (Ri ) i = 1, 2 (3.23)
2µi i
em que para cada partícula i temos que, µi é sua massa, Ri é o operador posição, V (Ri ) é o
potencial central sob o qual ela está submetida e ∇i é o operador Laplaciano atuando sobre
suas coordenadas.
Ao estudarmos momentum angular, foi deixado como exercício demostrar os seguintes
comutadores:
[Lk , Pj ] = i~kjn Pn e [Lk , Rj ] = i~kjn Rn (3.24)
e que
Lk , P2 = Lk , R2 = [Lk , R · P] = 0. (3.25)
   

Como o comutador  
1 Rj
n
, Pj = −i~ n+2 , (3.26)
R R
segue então que
 
1
, Lj = 0. (3.27)
Rn
Dessas relações de comutação segue-se imediatamente, que as três componentes do operador
Li comuta com Hi , ou seja,

[Li , Hi ] = 0 com i = 1, 2 (3.28)

portanto, cada uma das três componentes Li do operador momentum angular L são constantes
do movimento.
Agora considere o caso clássico em que as duas partículas interagem e que a correspondente
energia potencial da interação U (r1 , r2 ) depende somente da distância entre elas, ou seja,

U (r1 , r2 ) = U (|r1 − r2 |) (3.29)

no qual
(3.30)
p
|r1 − r2 | = (x1 − x2 )2 + (y1 − y2 )2 + (z1 − z2 )2 .

Prof. Salviano A. Leão 28


3.2. Momentum Angular Na Mecânica Quântica

Nesse caso, o Hamiltoniano do sistema é dado por

H = H1 + H2 + U (|R1 − R2 |) = H0 + U (|R1 − R2 |). (3.31)

Portanto, agora temos que o comutador de Li com H reduz-se a forma

[Li , H] = [Li , U (|R1 − R2 |)]. (3.32)

o qual em geral é diferente de zero. Note que para a componente Liz , em coordenadas cartesianas
temos:  
~ ∂U ∂U
[Liz , H] = [Liz , U (|R1 − R2 |)] = xi − yi . (3.33)
i ∂yi ∂xi
Em geral temos que

[Li , H] 6= 0 e [Liz , H] = [Liz , U (|R1 − R2 |)] 6= 0, (3.34)

logo Li não é mais uma constante de movimento.


Por outro lado, as componentes do operador momentum angular total L,

L = L1 + L2 (3.35)

são constantes do movimento, pois, note por exemplo que

[Lz , H] = [L1z + L2z , H] = [L1z + L2z , U (|R1 − R2 |)]


 
~ ∂U ∂U ∂U ∂U
= x1 − y1 + x2 − y2 ,
i ∂y1 ∂x1 ∂y2 ∂x2

porém como na representação das coordenadas U = U (|r1 − r2 |) = U (r), temos que

∂U ∂U ∂r ∂U x1 − x2
= =
∂x1 ∂r ∂x1 ∂r r
∂U ∂U ∂r ∂U x1 − x2
= =− .
∂x2 ∂r ∂x2 ∂r r
Portanto,
 
~ ∂U y1 − y2 x1 − x2 y1 − y2 x1 − x2
[Lz , H] = x1 − y1 − x2 + y2
i ∂r r r r r
~ 1 ∂U
= [(x1 − x2 )(y1 − y2 ) − (y1 − y2 )(x1 − x2 )]
i r ∂r
= 0. (3.36)

Portanto, pode-se concluir que as componentes do momentum angular total são constantes do
movimento.

3.2.1 Considerações
Note que:

Prof. Salviano A. Leão 29


3.2. Momentum Angular Na Mecânica Quântica

1. Até o momento não mencionamos o spin das partículas.

2. Se considerarmos uma partícula com spin s num campo de força central U (R), cujo
Hamiltoniano é H e o seu momentum angular orbital é L, temos que

[L, H] = 0; [S, H] = 0 e [L, S] = 0. (3.37)

Posteriormente, veremos que ao introduzirmos correções relativísticas no Hamiltoniano da


partícula, surgirá um termo chamado acoplamento spin-órbita cuja a forma é a seguinte,

Hso (r) = ξ(R)L · S. (3.38)

Nessa expressão ξ(R) é uma função conhecida e de uma única variável, o operador R.
Ao introduzirmos essa correção, devido ao acoplamento spin-órbita, na Hamiltoniana H do
sistema, vemos que os operadores L e S não comutam mais com o Hamiltoniano H.
Por exemplo, observe que,

[Lz , Hso ] = ξ(r)[Lz , Lx Sx + Ly Sy + Lz Sz ]


= ξ(r) ([Lz , Lx ]Sx + [Lz , Ly ]Sy ))
= i~ξ(r) (Ly Sx − Lx Sy )) (3.39)

e de modo similar que

[Sz , Hso ] = ξ(r)[Sz , Lx Sx + Ly Sy + Lz Sz ]


= ξ(r) (Lx [Sz , Sx ] + Ly [Sz , Sy ]))
= i~ξ(r) (Lx Sy − Ly Sx )) (3.40)

Definindo operador momentum angular total da partícula como sendo

J = L + S, (3.41)

vemos que
[Jz , H] = [Lz + Sz , H] = 0. (3.42)

Logo como as componentes do operador J comutam com o Hamiltoniano, então ele é uma
constante do movimento.

3.2.2 Momentum angular total de duas partículas


Considere agora o caso de duas partículas com spin de momentum angular total J = J1 + J2 ,
para o qual temos que

[J1 , H] 6= 0; [J2 , H] 6= 0; e [J1 , J2 ] = 0. (3.43)

[J21 , H] 6= 0; [J22 , H] 6= 0; e [J21 , J22 ] = 0. (3.44)

Prof. Salviano A. Leão 30


3.3. Adição de dois Spin 1/2: Método elementar

Portanto, escolher os operadores J1z , J21 , J2z e J22 como C.S.C.O não é uma boa escolha apesar
de formarem uma base de autovetores comuns. Note que nem J1 e nem J2 são constantes do
movimento, porém o operador
J = J1 + J2 , (3.45)

é uma constante de movimento, pois

[J, H] = 0 e [J2 , H] = 0. (3.46)

Portanto, usando a base formada pelos autovetores comuns dos operadores J1z , J21 , J2z e J22 ,
tentaremos construir uma nova base formado pelos autovetores comuns dos operadores de Jz e
J2 , ou seja,

{J1z , J21 , J2z , J22 } =⇒ {Jz , J2 }

3.2.3 Base em termos de Jz e J2


Quanto a essa nova base podemos concluir que:

• Para determinar os estados estacionários do sistema, isto é, os autoestados de H, é mais


simples diagonalizar a matriz que representa H nessa nova base.

• Como [Jz , H] = [J2 , H] = 0, a matriz H pode ser ser dividida em blocos associados aos
auto-subespaços dos vários conjuntos de autovalores de Jz e J2 .

• A estrutura da matriz H é mais simples nessa base do que na base dos autovetores comuns
de J1z , J21 , J2z e J22 , já que em geral nem J1z e nem J2z comutam com H.

3.3 Adição de dois Spin 1/2: Método elementar

3.3.1 Formulação do problema: Espaço de estados


Considere um sistema composto por duas partículas de spin s = 1/2 (por exemplo, elétrons
ou átomos de prata em seu estado fundamental), para o qual o spin será o único grau de
liberdade da partícula. Seja S1 e S2 os operadores de spin das duas partículas, para os quais
temos
S2i |si , mi i = ~2 si (si + 1) |si , mi i com (i = 1, 2) (3.47)

e
Siz |si , mi i = ~mi |si , mi i com (i = 1, 2). (3.48)

O espaço de estado desse sistema, será constituído pelo produto tensorial do espaço de estado
de cada partícula, assim
|s1 , m1 ; s2 , m2 i ≡ |s1 , m1 i ⊗ |s2 , m2 i (3.49)

Prof. Salviano A. Leão 31


3.3. Adição de dois Spin 1/2: Método elementar

Agora, para não carregarmos a notação usaremos a seguinte notação:

|ε1 i = |s1 , m1 i |ε2 i = |s2 , m2 i (3.50)

|ε1 , ε2 i = |s1 , m1 ; s2 , m2 i = |s1 , m1 i ⊗ |s2 , m2 i (3.51)

3.3.2 O Espaço de Estados


Para sistema como o descrito acima, o seu espaço de estados já foi definido, e de acordo com
o que foi visto, ele é um espaço quadridimensional, resultante do produto tensorial dos dois
espaço de estado de spin de cada partícula.
A base ortonormal para esse espaço será:

{|ε1 , ε2 i} = {|+, +i , |+, −i , |−, +i , |−, −i} (3.52)

Note que o spin da cada partícula pode ser si = 1/2, logo o spin total será s = 0, 1. Nessa
notação os possíveis valores para ε1 e ε2 são:

ε1 = ±1 e ε2 = ±1 (3.53)

Esses vetores são os autoestados dos quatro observáveis:

{S21 , S22 , S1z , S2z } (3.54)

para os quais temos que


3
S21 |ε1 , ε2 i = S22 |ε1 , ε2 i = ~2 |ε1 , ε2 i (3.55)
4
1 1
S1z |ε1 , ε2 i = ε1 ~ |ε1 , ε2 i e S2z |ε1 , ε2 i = ε2 ~ |ε1 , ε2 i (3.56)
2 2
Portanto, S21 , S22 , S1z e S2z formam um C.S.C.O. Note que os dois primeiros observáveis são
realmente múltiplos do operador identidade, e o conjunto de operadores restante permanecerá
completamente regular se eles dois forem omitidos.

3.3.3 O Spin Total S: Relações de comutação


Definimos o spin total S do sistema como sendo

S = S1 + S2 (3.57)

Sabendo que tanto S1 quanto S2 são momenta angulares regulares, mostrar que S também o é,
é simples. Basta mostrar que suas componentes satisfazem as mesmas relações de comutação
que S1 e S2 .
Devemos lembrar que:

k = 1, 2
[S1 , S2 ] = 0 e [Skα , Skβ ] = i~α,β,γ Skγ com
α, β, γ = x, y, z.

Prof. Salviano A. Leão 32


3.3. Adição de dois Spin 1/2: Método elementar

Para isso, considere o comutador

[Sα , Sβ ] = [S1α + S2α , S1β + S2β ] com α, β, γ = x, y, z.


= [S1α , S1β ] + [S2α , S2β ]
= i~α,β,γ S1γ + i~α,β,γ S2γ
= i~α,β,γ Sγ

O operador S2 é dado por

S2 = (S1 + S2 )2 = S21 + S22 + 2S1 · S2 (3.58)

já que [S1 , S2 ] = 0. O produto escalar S1 · S2 pode ser expresso em termos das componentes dos
respectivos operadores,
S1 · S2 = S1x S2x + S1y S2y + S1z S2z (3.59)
mas como 
S
kx = 21 (Sk+ + Sk− )
Sk± = Skx ± iSky (3.60)
1
S
ky = 2i
(Sk+ − Sk− )
então podemos escrever
1
S1 · S2 = [(S1+ + S1− )(S2+ + S2− ) − (S1+ − S1− )(S2+ − S2− )] +
4
S1z S2z
1
= [S1+ S2+ + S1+ S2− + S1− S2+ + S1− S2− −
4
S1+ S2+ + S1+ S2− + S1− S2+ − S1− S2− ] + S1z S2z
1
= (S1+ S2− + S1− S2+ ) + S1z S2z
2
Portanto, podemos escrever

S2 = (S1 + S2 )2 = S21 + S22 + 2S1z S2z + S1+ S2− + S1− S2+ (3.61)

Note que como,


[S1 , S21 ] = [S2 , S22 ] = [S21 , S22 ] = [S1 , S2 ] = 0. (3.62)
logo temos que

[Sz , S21 ] =0 [Sz , S22 ] =0 
[S2 , S21 ] =0 [S2 , S22 ] = 0 (3.63)

[Sz , S1z ] = 0 [Sz , S2z ] = 0

Além disso, S2 não comuta com S1z e nem com S2z , assim

[S2 , S1z ] = [S21 + S22 + 2S1 · S2 , S1z ]


= 2[S1 · S2 , S1z ]
= 2[S1x S2x + S1y S2y + S1z S2z , S1z ]
= 2 ([S1x , S1z ]S2x + [S1y , S1z ]S2y + [S1z , S1z ]S2z )
= 2i~ (−S1y S2x + S1x S2y ) (3.64)

Prof. Salviano A. Leão 33


3.3. Adição de dois Spin 1/2: Método elementar

Analogamente temos que,

[S2 , S2z ] = [S21 + S22 + 2S1 · S2 , S2z ]


= 2[S1 · S2 , S2z ]
= 2[S1x S2x + S1y S2y + S1z S2z , S2z ]
= 2 (S1x [S2x , S2z ] + S1y [S2y , S2z ] + S1z [S2z , S2z ])
= 2i~ (−S1x S2y + S1y S2x ) (3.65)

Note, portanto que como Sz = S1z + S2z , então

[S2 , Sz ] = [S2 , S1z + S2z ]


= [S2 , S1z ] + [S2 , S2z ]
= 2i~ (−S1y S2x + S1x S2y − S1x S2y + S1y S2x )
= 0. (3.66)

Note que S2 não comuta nem com S1z e nem com S2z , porém ele comuta com Sz = S1z + S2z ,
que é a soma dos dois.

3.3.4 Mudança de base a ser realizada


A base
{|ε1 , ε2 i} = {|+, +i , |+, −i , |−, +i , |−, −i} (3.67)

como vimos é composta pelos autovetores comuns do C.S.C.O:

{S21 , S22 , S1z , S2z } (3.68)

Foi mostrado que os quatro observáveis,

{S21 , S22 , S2 , Sz } (3.69)

comutam, portanto eles também formam um C.S.C.O.


Ao adicionarmos duas partículas de spin S1 e S2 , levando em conta somente o grau de
liberdade de spin, podemos construir um base ortonormal baseada no conjunto de observáveis
(3.69). O vetores de estado dessa base será

{|S, M i}, (3.70)

na qual os autovalores de S21 e S22 permanecem intrinsecamente os mesmos. Portanto, os vetores


|S, M i , satisfazem as seguintes relações

3


 S21 |S, M i = S22 |S, M i = ~2 |S, M i

 4
2 2
S |S, M i = S(S + 1)~ |S, M i (3.71)



Sz |S, M i = M ~ |S, M i

Prof. Salviano A. Leão 34


3.3. Adição de dois Spin 1/2: Método elementar

Sabemos que S é um momentum angular, consequentemente S deve ser um número inteiro


ou semi-inteiro, e além disso M deve variar de −S até S com um passo unitário.
Agora o problema é encontrar quais os valores que S e M podem ter para podermos expressar
os vetores |S, M i em termos daqueles da base conhecida |ε1 , ε2 i.

3.3.5 Os autovalores de Sz e o seus graus de degenerescência


Como os observáveis S21 e S22 são facilmente tratados, pois possuem sempre o mesmo autovalor,
logo todos os vetores da base {|S, M i} serão autovetores deles.
Como Sz comuta com os quatro observáveis {S21 , S21 , S1z , S2z }, então os vetores da base
|ε1 , ε2 i serão automaticamente autovetores de Sz . Assim
1
Sz |ε1 , ε2 i = (S1z + S2z ) |ε1 , ε2 i = (ε1 + ε2 )~ |ε1 , ε2 i (3.72)
2
portanto |ε1 , ε2 i é um autoestado de Sz com autovalor:
1
M = (ε1 + ε2 ) (3.73)
2
Desde que ε1 = ±1 e ε2 = ±1, segue que os possíveis valores de M são: M = −1, 0, 1,.
Note que os valores M = 1 e M = −1 não são degenerados. Somente um único autovetor
corresponde a cada um deles.
1 1
Sz |+, +i = ( + )~ |+, +i = ~ |+, +i
2 2 (3.74)
1 1
Sz |−, −i = (− − )~ |−, −i = −~ |−, −i
2 2
Porém, M = 0 é duplamente degenerado, logo
1 1
Sz |+, −i = ( − )~ |+, −i = 0
2 2 (3.75)
1 1
Sz |−, +i = (− + )~ |−, +i = 0.
2 2
Portanto, qualquer combinação linear desses dois vetores é um autoestado de Sz com autovalor
0.
Esses resultados aparecem claramente na representação matricial de Sz na base |ε1 , ε2 i
 
h+, +|Sz |+, +i h+, +|Sz |+, −i h+, +|Sz |−, +i h+, +|Sz |−, −i
 
h+, −|Sz |+, +i h+, −|Sz |+, −i h+, −|Sz |−, +i h+, −|Sz |−, −i
(Sz ) = ~ 
  (3.76)
 h−, +|S z |+, +i h−, +|Sz |+, −i h−, +|S z |−, +i h−, +|Sz |−, −i 

h−, −|Sz |+, +i h−, −|Sz |+, −i h−, −|Sz |−, +i h−, −|Sz |−, −i
 
1 0 0 0
 
0 0 0 0 
(Sz ) = ~ 
0 0 0 0 
 (3.77)
 
0 0 0 −1

Prof. Salviano A. Leão 35


3.3. Adição de dois Spin 1/2: Método elementar

3.3.6 Diagonalização de S2
Tudo que resta a ser feito é diagonalizar a matriz que representa S2 na base |ε1 , ε2 i. Já
sabemos que ela não é diagonal.

3.3.6.1 Cálculo dos elementos de matriz de S2

Usaremos seguinte expressão:

S2 = S21 + S22 + 2S1z S2z + S1+ S2− + S1− S2+ (3.78)

e além disso, usaremos o fato de que:

S+ |+i = 0 |+i S+ |−i = ~ |+i


(3.79)
S− |+i = ~ |−i S− |−i = 0

Logo,
 
2 3 2 3 2 1
S |+, +i = ~ + ~ |+, +i + ~2 |+, +i = 2~2 |+, +i
4 4 2
 
2 3 2 3 2 1
S |+, −i = ~ + ~ |+, −i − ~2 |+, −i + ~2 |−, +i = ~2 (|+, −i + |−, +i) .
4 4 2
  (3.80)
2 3 2 3 2 1
S |−, +i = ~ + ~ |−, +i − ~2 |−+i + ~2 |+, −i = ~2 (|−, +i + |+, −i) .
4 4 2
 
2 3 2 3 2 1
S |−, −i = ~ + ~ |−, −i + ~2 |−, −i = 2~2 |−, −i
4 4 2

3.3.6.2 Matriz S2

 
h+, +|S2 |+, +i h+, +|S2 |+, −i h+, +|S2 |−, +i h+, +|S2 |−, −i
h+, −|S2 |+, +i h+, −|S2 |+, −i h+, −|S2 |−, +i h+, −|S2 |−, −i
 
2
(S ) = ~  
h−, +|S2 |+, +i h−, +|S2 |+, −i h−, +|S2 |−, +i h−, +|S2 |−, −i (3.81)
 
h−, −|S2 |+, +i h−, −|S2 |+, −i h−, −|S2 |−, +i h−, −|S2 |−, −i
 
2 0 0 0
 
 0 1 1 0 
2 2
(S ) = ~ 
  (3.82)
 0 1 1 0 

0 0 0 2
Comentários:

• Os zeros já eram esperados, pois os autovetores |+, +i e |−, −i não possuem autovalores
degenerados para Sz .

• Como S2 comuta com Sz , ela portanto, terá elementos de matriz não-nulos somente entre
os autovetores de Sz associados com o mesmo autovalor, ou seja, os degenerados.

Prof. Salviano A. Leão 36


3.3. Adição de dois Spin 1/2: Método elementar

3.3.6.3 Autovalores e autovetores de S2

A matriz (S2 ) pode ser dividida em três submatrizes, como mostradas, sendo duas delas
unidimensionais, pois os vetores |+, +i e |−, −i são autovetores de S2 , e ambos possuem o
mesmo autovalor 2~2 .
Para encontrarmos os outros dois autovetores de (S2 ), devemos diagonalizar a submatriz
2 × 2: !
1 1
(S2 )0 = ~2 (3.83)
1 1
a qual representa S2 no subespaço bidimensional expandido pelos vetores |+, −i e |−, +i, isto é,
o subespaço de Sz correspondendo aos autovalores com M = 0. Os autovalores da submatriz
(3.83) são obtidos resolvendo a equação (S2 )0 |ψiλ = ~2 λ |ψiλ , ou na forma matricial
! ! !
2 1−λ 1 a 1−λ 1
~ = 0 =⇒ det =0 (3.84)
1 1−λ b 1 1−λ

Resolvendo a equação característica, obtemos que



0
(1 − λ)2 − 1 = 0 =⇒ λ= (3.85)
2

Portanto, os autovalores de S2 são 0 e 2~2 . Bom agora devemos encontrar seus respectivos
autovetores. Para isso Considere inicialmente o caso em que λ = 0, para o qual

|ψiλ=0 = a |+, −i + b |−, +i e S2 |ψi = ~2 λ |ψi (3.86)

logo, na forma matricial temos


! ! ! !
1−λ 1 a 1 1 a
~2 =0 ou =0 (3.87)
1 1−λ b 1 1 b

Essa equação fornece duas equações idênticas

a+b=0 =⇒ a = −b (3.88)

Nesse caso, precisamos de uma condição extra, que é o fato de hψ | ψi = 1, ou seja, a normalização
de |ψi. Essa condição leva a
|a|2 + |b|2 = 1 (3.89)

Usando o fato de que a = −b, na equação anterior, obtemos que


1 1
a= √ e b = −√ (3.90)
2 2
Portanto,
1
|ψiλ=0 = √ (|+, −i − |−, +i) Autovalor 0 (3.91)
2

Prof. Salviano A. Leão 37


3.3. Adição de dois Spin 1/2: Método elementar

Note que, este também é um autovetor Sz = S1z + S2z com autovalor,

1
Sz |ψiλ=0 = √ (Sz |+, −i − Sz |−, +i)
2
 
1 1 1 1 1
= √ + ~ |+, −i − ~ |+, −i + ~ |−, +i − ~ |−, +i
2 2 2 2 2
=0. (3.92)

Então o autovalor de Sz desse autovetor é zero.


Para λ = 2 temos que

|ψiλ=2 = a |+, −i + b |−, +i e S2 |ψi = ~2 λ |ψi (3.93)

logo, na forma matricial temos


! ! ! !
1−λ 1 a −1 1 a
~2
=0 ou =0 (3.94)
1 1−λ b 1 −1 b

Essa equação fornece duas equações idênticas

a−b=0 =⇒ a=b (3.95)

Com a normalização |a|2 + |b|2 = 1, e o fato de que a = b, temos

1 1
a= √ e b= √ (3.96)
2 2

Portanto,
1
|ψiλ=2 = √ (|+, −i + |−, +i) Autovalor 2~2 (3.97)
2
Note que, este também é um autovetor Sz = S1z + S2z e que o seu autovalor é dado por

1
Sz |ψiλ=2 = √ (Sz |+, −i + Sz |−, +i)
2
 
1 1 1 1 1
=√ ~ |+, −i − ~ |+, −i − ~ |−, +i + ~ |−, +i
2 2 2 2 2
= 0. (3.98)

Então o autovalor de Sz desse autovetor é também é zero.


Nota

• O operador S2 possui somente dois autovalores distintos: 0 e 2~2 .

• O autovalor 0 de S2 é não-degenerado.

• O autovalor 2~2 de S2 é triplamente degenerado.

Prof. Salviano A. Leão 38


3.3. Adição de dois Spin 1/2: Método elementar

3.3.7 Resultado: estados tripletos e singletos


Obtivemos todo o espectro de autovalores de S2 e Sz , e como na base {|S, M i} temos

S2 |S, M i = S(S + 1)~2 |S, M i ; Sz |S, M i = M ~ |S, M i (3.99)

então temos que S(S + 1) = 0 o que significa S = 0 ou S(S + 1) = 2 o que significa S = 1. O


valor S = 0 está associado com um único vetor da base |ε1 , ε2 i, que também é um autovetor
de Sz , com autovalor M = 0. Já que ele é uma combinação linear de |+, −i e |−, +i, podemos
chamá-lo na base {|S, M i} de |0, 0i, assim
1
|0, 0i = √ (|+, −i − |−, +i) (3.100)
2
e os outros três vetores para S = 1 e com diferentes valores de M são:

|1, 1i = |+, +i
1
|1, 0i = √ (|+, −i + |−, +i) (3.101)
2
|1, −1i = |−, −i

Pode-se mostrar facilmente que,

• os quatro vetores |S, M i anteriores formam uma base ortonormal. Ao especificarmos os


valores de S e M , selecionamos um único vetor de estado dessa base.

• que S2 e Sz constituem um C.S.C.O. no qual poderia ser incluído os operadores S21 e S22 ,
embora não seja necessário.

Quando adicionamos dois spins 1/2 (s1 = s2 = 1/2) o número quântico S que caracteriza os
autovalores S(S + 1)~2 dos autovetores |S, M i do observável S2 , pode ter dois valores: 0 ou 1.
Com cada um desses valores de S está associado uma família de (2S + 1) vetores de estado
ortogonais (três para S = 1 e um S = 0) correspondendo aos (2S + 1) valores de M , os quais
são compatíveis com S.

3.3.8 Comentários
1. A família dos três vetores |S = 1, M i, com M = −1, 0, 1, constitui os estados tripletos,
enquanto o vetor |S = 0, M = 0i é chamado de um estado singleto.

2. Os estados tripletos são simétricos com relação a troca de dois spin, enquanto o estado
singleto é anti-simétrico. Isso significa que se cada vetor |ε1 , ε2 i for trocado pelo vetor
|ε2 , ε1 i, os estados tripletos na base {|SM i} permanecerão invariantes enquanto, o estado
singleto irá trocar de sinal.

Prof. Salviano A. Leão 39


3.4. Revisão da teoria do momentum angular

3.4 Revisão da teoria do momentum angular


Considere um espaço de estados E, composto pelos autovetores comuns a J2 e Jz , com uma
base {|k, j, mi}, tal que
J2 |k, j, mi = j(j + 1)~2 |k, j, mi
(3.102)
Jz |k, j, mi = m~ |k, j, mi .
Vimos que os operadores J± = Jz ± iJy , atuam sobre os vetores |k, j, mi da seguinte forma

(3.103)
p
J± |k, j, mi = j(j + 1) − m(m ± 1)~ |k, j, m ± 1i .

Seja E(k, j) o espaço de estado vetorial expandido pelo conjunto de vetores da base padrão
a qual corresponde aos valores de k e j fixos. Existem (2j + 1) desses vetores, e de acordo com
(3.102) e com (3.103) eles podem ser transformados uns nos outros pela ação dos operadores
J2 , Jz , J+ e J− . Esse espaço de estado pode ser considerado como sendo uma soma direta dos
subespaços ortogonais E(k, j) os quais possuem as seguintes propriedades:

3.5 Propriedades do subespaço E(k, j)


1. E(k, j) é um subespaço (2j + 1)–dimensional.

2. E(k, j) é globalmente invariante sobre a ação de J2 , Jz , J+ e J− , em geral de uma função


qualquer da forma F (J).

3. Os operadores J2 , Jz , J+ , J− e F (J) possuem elementos de matriz não nulos somente


dentro de cada subespaço E(k, j).

4. Dentro de um subespaço E(k, j), os elementos de matriz de uma função qualquer F (J) de
J são independentes de k.

3.6 Espaço de estados de dois momenta angulares


Considere um sistema constituído pela união de dois sistemas, cujos espaços de estados E1 (k, j)
e E2 (k, j), são conhecidos. Esse espaços de estados são dado pela base padrão {|kα , jα , mα i}
composta pelos autovetores comuns dos operadores J2α e Jαz , em que α = (1, 2). Temos que

J2α |kα , jα , mα i = jα (jα + 1)~2 |kα , jα , mα i


Jαz |kα , jα , mα i = mα ~ |kα , jα , mα i (3.104)
p
Jα± |kα , jα , mα i = jα (jα + 1) − mα (mα ± 1)~ |kα , jα , mα ± 1i .

com α = (1, 2).


O espaço de estado do sistema global é dado pelo produto tensorial

E = E1 ⊗ E 2 (3.105)

Prof. Salviano A. Leão 40


3.6. Espaço de estados de dois momenta angulares

e nessa base os vetores de estado são

|k1 , k2 ; j1 , j2 ; m1 , m2 i = |k1 , j1 , m1 i ⊗ |k2 , j2 , m2 i . (3.106)

Os espaços de estado E1 e E2 podem ser considerados como sendo a soma direta dos subespaços
E1 (k1 , j1 ) e E2 (k2 , j2 ), os quais possuem as propriedades relatadas anteriormente. Assim
X X
E1 = E1 (k1 , j1 ) e E2 = E2 (k2 , j2 ), (3.107)
⊕ ⊕

e consequentemente
X
E= E(k1 , k2 ; j1 , j2 ), com E(k1 , k2 ; j1 , j2 ) = E1 (k1 , j1 ) ⊗ E2 (k2 , j2 ).

A dimensão do subespaço E(k1 , k2 ; j1 , j2 ) é portanto

(2j1 + 1) × (2j2 + 1). (3.108)

Esse subespaço é globalmente invariante sobre a ação de uma função qualquer de J1 e J2 .

3.6.1 Momentum angular total: Relações de comutação


O momentum angular total do sistema em consideração é

J = J 1 + J2 (3.109)

Como os operadores J1 e J2 são momenta angulares regulares, pois satisfazem todas as relações
de comutação que caracterizam um momentum angular. Agora mostraremos que J também é
um momentum angular, pois suas componentes satisfazem as mesmas relações de comutação
que J1 e J2 .
Como J1 e J2 comutam com J21 e J22 , então J também irá comutar com eles,

k = 1, 2
[J1 , J2 ] = 0 e [Jkα , Jkβ ] = i~α,β,γ Jkγ com
α, β, γ = x, y, z.

[J1 , J21 ] = [J2 , J22 ] = 0 [J2 , J21 ] = [J1 , J22 ] = 0 (3.110)

[J, J21 ] = [J, J22 ] = 0 (3.111)

E além disso temos que o comutador

[Jα , Jβ ] = [J1α + J2α , J1β + J2β ] com α, β, γ = x, y, z.


= [J1α , J1β ] + [J2α , J2β ]
= i~α,β,γ J1γ + i~α,β,γ J2γ
= i~α,β,γ Jγ

Prof. Salviano A. Leão 41


3.6. Espaço de estados de dois momenta angulares

Em particular, J2 e Jz comutam com J21 e J22 :

[Jz , J21 ] = [Jz , J22 ] = 0 (3.112)


= [J2 , J22 ] = 0. (3.113)

Além disso, J1z e J2z , obviamente comutam com Jz :

[J1z , Jz ] = [J2z , Jz ] = 0, (3.114)

mas não com J2 , já que esse operador pode ser escrito em termos de J1 e J2 na forma:

J2 = (J1 + J2 )2 = J21 + J22 + 2J1 · J2 . (3.115)

Como [J1 , J2 ] = 0. O produto escalar J1 · J2 pode ser expresso em termos das componentes
dos respectivos operadores,

J1 · J2 = J1x J2x + J1y J2y + J1z J2z (3.116)

mas como 
J
kx = 21 (Jk+ + Jk− )
Jk± = Jkx ± iJky (3.117)
1
J
ky = 2i
(Jk+ − Jk− )
então podemos escrever

1
J1 · J2 = [(J1+ + J1− )(J2+ + J2− ) − (J1+ − J1− )(J2+ − J2− )] + J1z J2z
4
1
= [J1+ J2+ + J1+ J2− + J1− J2+ + J1− J2− −
4
J1+ J2+ + J1+ J2− + J1− J2+ − J1− J2− ] + J1z J2z
1
= (J1+ J2− + J1− J2+ ) + J1z J2z
2
Portanto, podemos escrever

J2 = (J1 + J2 )2 = J21 + J22 + 2J1z J2z + J1+ J2− + J1− J2+ (3.118)

Como,

[J1 , J21 ] = 0 [J2 , J22 ] = 0


=0 [J1 , J2 ] = 0.

logo temos que

[Jz , J21 ] = [Jz , J22 ] = 0


= [J2 , J22 ] = 0
= [Jz , J2z ] = 0.

Prof. Salviano A. Leão 42


3.6. Espaço de estados de dois momenta angulares

Além disso, J2 não comuta com J1z e nem com J2z , assim

[J2 , J1z ] = [J21 + J22 + 2J1 · J2 , J1z ]


= 2[J1 · J2 , J1z ]
= 2[J1x J2x + J1y J2y + J1z J2z , J1z ]
= 2 ([J1x , J1z ]J2x + [J1y , J1z ]J2y + [J1z , J1z ]J2z )
= 2i~ (−J1y J2x + J1x J2y )

Analogamente temos que,

[J2 , J2z ] = [J21 + J22 + 2J1 · J2 , J2z ]


= 2[J1 · J2 , J2z ]
= 2[J1x J2x + J1y J2y + J1z J2z , J2z ]
= 2 (J1x [J2x , J2z ] + J1y [J2y , J2z ] + J1z [J2z , J2z ])
= 2i~ (−J1x J2y + J1y J2x )

Portanto, como Jz = J1z + J2z , segue que

[J2 , Jz ] = [J2 , J1z + J2z ]


= [J2 , J1z ] + [J2 , J2z ]
= 2i~ (−J1y J2x + J1x J2y − J1x J2y + J1y J2x )
=0

Note que J2 não comuta nem com J1z e nem com J2z , porém ele comuta com Jz = J1z + J2z ,
que é a soma dos dois.

3.6.2 Mudança de base a ser realizada


Um vetor |k1 , k2 ; j1 , j2 ; m1 , m2 i é um autoestado simultâneo dos observáveis

{J21 , J22 , J1z , J2z } (3.119)

com os respectivos autovalores

J21 |k1 , k2 ; j1 , j2 ; m1 , m2 i = j1 (j1 + 1)~2 |k1 , k2 ; j1 , j2 ; m1 , m2 i (3.120)


J22 |k1 , k2 ; j1 , j2 ; m1 , m2 i = j2 (j2 + 1)~2 |k1 , k2 ; j1 , j2 ; m1 , m2 i (3.121)
J1z |k1 , k2 ; j1 , j2 ; m1 , m2 i = m1 ~ |k1 , k2 ; j1 , j2 ; m1 , m2 i (3.122)
J2z |k1 , k2 ; j1 , j2 ; m1 , m2 i = m2 ~ |k1 , k2 ; j1 , j2 ; m1 , m2 i (3.123)

Mostrou-se que essa base é muito boa para estudarmos os momenta angulares individuais J1
e J2 de dois subsistemas.
Foi mostrado que os quatro observáveis,

{J21 , J22 , J2 , Jz } (3.124)

Prof. Salviano A. Leão 43


3.6. Espaço de estados de dois momenta angulares

 
 

 ··· 

 
 
 
 
 
 

 ··· 

 
 
 
 
 
 
 
 

 ··· 

 
 . .. .. ..
 . ..

 . . . . .


 
 
 
 
···
Figura 3.3: Ilustra a forma da matriz Jz e J2 , que são blocos diagonais.

também comutam, portanto eles também formam um C.S.C.O.


Agora encontraremos um sistema ortonormal de autovetores comuns desses observáveis: essa
nova base será bem adaptada ao estudo do momentum angular total de um sistema. Essa base é
diferente da anterior, pois J2 não comuta com J1z e nem com J2z .
Deve-se ressaltar que:

• O subespaço E(k1 , k2 ; j1 , j2 ) é globalmente invariante sobre a ação de um operador qualquer


o qual é uma função de J1 e J2 , e portanto sobre a ação de uma função qualquer do
momentum angular total J.

• As matrizes que representam J2 e Jz no subespaço E(k1 , k2 ; j1 , j2 ) são bloco diagonais;

• Para diagonalizar o sistema, devemos diagonalizar em cada subespaço o bloco de uma


submatriz de dimensão (2j1 + 1) × (2j2 + 1), o que consiste em uma mudança de base,
específica para cada bloco, ou seja, em cada subespaço E(k1 , k2 ; j1 , j2 ).

• Os elementos de matriz na base {|k1 , k2 ; j1 , j2 ; m1 , m2 i} de uma função qualquer de J1 e


J2 são independentes de k1 e k2 , disso segue, J2 e Jz também são independentes de k1 e
k2 .

• Portanto, o problema da diagonalização de J2 e Jz é o mesmo dentro de todos os subespaços


E(k1 , k2 ; j1 , j2 ) os quais corresponde ao mesmo valor de j1 e j2 .

• Por isso, diz-se que adiciona-se os momenta angulares j1 e j2 , sem especificarmos os outros
números quânticos.

Prof. Salviano A. Leão 44


3.7. Autovalores de J 2 e Jz

• Então para simplificar a notação, de agora em diante omitiremos os índices k1 e k2 . Assim

E(j1 , j2 ) ≡ E(k1 , k2 ; j1 , j2 ) (3.125)


|j1 , j2 ; m1 , m2 i ≡ |k1 , k2 ; j1 , j2 ; m1 , m2 i (3.126)

Como o subespaço E(j1 , j2 ) é globalmente invariante sobre a ação de um operador qualquer,


o qual é uma função do momentum angular total J, então E(j1 , j2 ) é uma soma direta dos
subespaços ortogonais E(k, J), cada um dos quais são globalmente invariante sobre a ação dos
operadores J21 , Jz , J+ e J− :
X
E(j1 , j2 ) = E(k, J), (3.127)

Portanto, agora ficamos com dois problemas:

1. Dado j1 e j2 , quais são os valores de J que aparecem em (3.127), e quantos são os


subespaços distintos E(k, J) que estão associados com cada um deles?

2. Como podemos expandir os autovetores de J21 e Jz pertencentes a E(j1 , j2 ) sobre a base


{|j1 , j2 ; m1 , m2 i}?

3.7 Autovalores de J 2 e Jz

3.7.1 Caso especial: Dois spins 1/2


Iremos por um questão de simplicidade considerar inicialmente o caso em que os espaços
de estados E1 e E2 , constituem o subespaço de cada uma das partículas de spin 1/2, assim
E = E1 ⊗ E2 = E(j1 , j2 ), com j1 = j2 = 1/2. Por se tratar de spin, em vez de j, chamaremos de
S, portanto temos que

S = 0 ⇒ M =0
S = j1 + j2 = 1 =⇒ (3.128)
S = 1 ⇒ M = −1, 0, 1

Nesse caso temos que:

• O espaço de estados E = E(1/2, 1/2) deve ser uma soma direta dos subespaços E(k, S) de
(2S + 1)-dimensão.

• Cada um desses subespaços contém um e somente um autovetor de Sz , correspondendo a


cada um dos valores de M tal que |M | ≤ S.

• Os autovalores de Sz , M = ±1, são não-degenerados enquanto M = 0, ele é duplamente


degenerado.

Prof. Salviano A. Leão 45


3.7. Autovalores de J 2 e Jz

3.7.2 Autovalores de Jz e o seu grau de degenerescência


O subespaço E(j1 , j2 ) tem dimensão (2j1 + 1) × (2j2 + 1). Aqui iremos considerar que,

j1 ≥ j2 .

Os vetores |j1 , j2 ; m1 , m2 i são autoestados de Jz , com

Jz |j1 , j2 ; m1 , m2 i = (J1z + J2z ) |j1 , j2 ; m1 , m2 i (3.129)


= (m1 + m2 )~ |j1 , j2 ; m1 , m2 i (3.130)
= M ~ |j1 , j2 ; m1 , m2 i (3.131)

e os correspondentes autovalores M ~ são tais que

M = m1 + m2 . (3.132)

Consequentemente M pode ser qualquer um dos seguintes valores:

M = j1 + j2 , j1 + j2 − 1, j1 + j2 − 2, . . . , −(j1 + j2 ) + 2, −(j1 + j2 ) + 1, −(j1 + j2 )

Usaremos um procedimento geométrico para encontrar a degenerescência gj1 ,j2 (M ).


A cada vetor |j1 , j2 ; m1 , m2 i, associamos em um diagrama bidimensional os pontos cuja
abcissa é m1 e cuja ordenada é m2 .

• Todos esses pontos estão situados dentro, ou sobre os lados de um retângulo cujo os cantos
são: (j1 , j2 ), (j1 , −j2 ), (−j1 , −j2 ) e (−j1 , j2 ).

• Na figura 3.4 representamos os 15 pontos associados com os vetores da base no caso em


que j1 = 2 e j2 = 1.

• Todos os pontos situados sobre a mesma linha pontilha vermelha correspondem aos mesmos
valores de M = m1 + m2 .

• O número de tais pontos é portanto, igual a degenerescência gj1 ,j2 (M ) deste valor de M .

3.7.3 Degenerescência de Jz
Quanto a degenerescência de Jz , note que:

gj1 ,j2 (j1 + j2 ) = 1 na figura gj1 ,j2 (3) = gj1 ,j2 (−3) = 1 (3.133)

enquanto para

gj1 ,j2 (j1 + j2 − 1) = 2 na figura gj1 ,j2 (2) = gj1 ,j2 (−2) = 2
gj1 ,j2 (j1 + j2 − 2) = 3 na figura gj1 ,j2 (1) = gj1 ,j2 (−1) = 3
gj1 ,j2 (j1 + j2 − 3) = 3 na figura gj1 ,j2 (0) = 3

Prof. Salviano A. Leão 46


3.7. Autovalores de J 2 e Jz

m2

(-2,1) (-1,1) (0,1) (1,1) (2,1)

M
M

M
=

=
=

=

2
m1

0
1

1
(-2,0) (-1,0) (0,0) (1,0) (2,0)
M
=

2

(-2,-1) (-1,-1) (0,-1) (1,-1) (2,-1)

Figura 3.4: Par de possíveis valores (m1 , m2 ) para os kets |j1 , j2 ; m1 , m2 i. Aqui j1 = 2 e j2 = 1.
Os pontos associados com um dado valor de M = m1 + m2 estão situados sobre uma linha reta de
inclinação −1 (linha pontilhada vermelha).

g2,1 (M )

M
0

−3 −2 −1 0 1 2 3
Figura 3.5: Valores do grau de degenerescência gj1 ,j2 (M ) como uma função de M . Aqui j1 = 2 e
j2 = 1. Os graus de degenerescência gj1 ,j2 (M ) são obtidos simplesmente pela contagem do número de
pontos sobre as correspondentes linhas pontilhadas vermelhas da figura 3.4.

Prof. Salviano A. Leão 47


3.7. Autovalores de J 2 e Jz

3.7.4 Autovalores de J 2 : primeira forma


Note que, quanto a valor de M temos que:

• se j1 e j2 forem ambos semi-inteiros ou ambos inteiros, então J = j1 + j2 será inteiro, e


portanto M será um inteiro.

• Se j1 ou j2 for semi-inteiros e o outro inteiro, então J = j1 + j2 será semi-inteiro, e portanto


M será um semi-inteiro.

• O valor máximo alcançado por M foi j1 + j2 , e nenhum dos valores de J, maiores do que
j1 + j2 são encontrados em E(j1 , j2 ) e portanto não aparecem na soma direta,
X
E(j1 , j2 ) = E(k, j). (3.134)

• Como o valor de J = j1 + j2 , está associado a um subespaço invariante, desde que


M = j1 + j2 exista, e somente um, desde que M = j1 + j2 não seja degenerado. Nesse sub-
espaço E(J = j1 +j2 ), há um e somente um vetor o qual corresponde a M = M = j1 +j2 −1;
porém esse valor de M é duplamente degenerado em E(j1 , j2 ); portanto, J = j1 + j2 − 1
também ocorre, e a ele corresponde um único sub-espaço invariante E(J = j1 + j2 − 1).

• Como o valor de J = j1 + j2 e M = J = j1 + j2 , está associado a um e somente um


subespaço invariante E(J = j1 + j2 ), pois a degenerescência gj1 ,j2 (j1 + j2 ) = 1.

• Para J = j1 + j2 − 1, o valor de M é duplamente degenerado, em E(j1 , j2 ), portanto,


J = j1 + j2 − 1 ocorre e corresponde a um único subespaço invariante E(J = j1 + j2 − 1).

Classicamente o comprimento da soma de dois vetores satisfazem a seguinte desigualdade:

|J1 − J2 | ≤ |J1 + J2 | ≤ |J1 + J2 | = J1 + J2 (3.135)

Com Jz = J1z + J2z , temos então que M = m1 + m2 e como os valores máximos de m1 e m2


são respectivamente j1 e j2 então o valor máximo de Mmax = m1max + m2max = j1 + j2 e como
|M | ≤ J, então podemos concluir que Jmax = j1 + j2 .
Para determinar o valor mínimo de J (Jmin ), usaremos o fato de que há (2j1 + 1) × (2j2 + 1)
kets |J, M i. Para cada valor de J há (2j + 1) autoestados |J, M i, então temos que;

JX
max

(2j + 1) = (2j1 + 1) × (2j2 + 1) (3.136)


j=Jmin

Note que a soma dos termos de uma progressão aritmética é dada por
nf
X (nf − ni + 1) · (anf + ani )
ai = , (3.137)
i=ni
2

Prof. Salviano A. Leão 48


3.7. Autovalores de J 2 e Jz

J2
J2

J2
J1 +

2
J1 + J
J2

−J2 J1 J1
J1

2
J1 + J
J2
J1 −
Alinhamento qualquer Alinhamento com Alinhamento com
soma máxima soma mínima
Figura 3.6: Classicamente os valores mínimo e máximo de soma de dois vetores, satisfazem a
desigualdade do triângulo: |J1 − J2 | ≤ |J1 + J2 | ≤ J1 + J2 .

logo, usando este fato, podemos escrever


1
(Jmax − Jmin + 1) · (2Jmax + 1 + 2Jmin + 1) = (2j1 + 1) × (2j2 + 1)
2
[(Jmax + 1) − Jmin ] · [(Jmax + 1) + Jmin ] = 4j1 j2 + 2j1 + 2j2 + 1
(Jmax + 1)2 − Jmin
2
= 4j1 j2 + 2j1 + 2j2 + 1
2 2
Jmax + 2Jmax + 1 − Jmin = 4j1 j2 + 2j1 + 2j2 + 1
(j1 + j2 )2 + 2j1 + 2j2 − Jmin
2
= 4j1 j2 + 2j1 + 2j2
j12 + j22 + 2j1 j2 − Jmin
2
= 4j1 j2
j12 + j22 − 2j1 j2 = Jmin
2

(j1 − j2 )2 = Jmin
2

como J ≥ 0, então segue imediatamente que

Jmin = |j1 − j2 |. (3.138)

Portanto, temos que


|j1 − j2 | ≤ J ≤ j1 + j2 . (3.139)

3.7.5 Autovalores de J 2 : segunda forma


O resultado, também pode ser obtido, ao percebermos que de forma geral, podemos denotar
por pj1 ,j2 (J) o número de subespaços E(k, J) de E(j1 , j2 ) associados com um dado valor de J,

Prof. Salviano A. Leão 49


3.8. Autovetores comuns de J2 e Jz

isto é, o número de diferentes valores de k para esse valor de J, mantendo-se fixo os valores de
j1 e j2 . Note que há uma relação muito próxima entre os pj1 ,j2 (J) e os gj1 ,j2 (M ). Considere o
particular de M . Para ele corresponder a um e somente um vetor em cada sub-espaço E(k, J)
tal que J ≥ |M |. O seu grau de degenerescência gj1 ,j2 (M ) em E(j1 , j2 ), pode portanto ser escrito
como:

gj1 ,j2 (M ) =pj1 ,j2 (J = |M |) + pj1 ,j2 (J = |M | + 1)+


pj1 ,j2 (J = |M | + 2) + · · ·

Invertendo ela, obtemos pj1 ,j2 (J) em função de gj1 ,j2 (M ), assim

pj1 ,j2 (J) = gj1 ,j2 (M = J) − gj1 ,j2 (M = J + 1) (3.140)


= gj1 ,j2 (M = −J) − gj1 ,j2 (M = −J − 1) (3.141)

Temos que,
pj1 ,j2 (J) = 0 para J > j1 + j2 (3.142)
já que gj1 ,j2 (M ) é zero para |M | > j1 + j2 . Além disso, para J = j1 + j2 e M = J = j1 + j2 ,
temos

pj1 ,j2 (J) = gj1 ,j2 (M ) = 1


pj1 ,j2 (J − 1) = gj1 ,j2 (M − 1) − gj1 ,j2 (M ) = 1
pj1 ,j2 (J − 2) = gj1 ,j2 (M − 2) − gj1 ,j2 (M − 1) = 1

Portanto, iterativamente encontramos que

pj1 ,j2 (J = j1 + j2 ) = pj1 ,j2 (J = j1 + j2 − 1) = pj1 ,j2 (J = j1 + j2 − 2)


= · · · = pj1 ,j2 (J = j1 − j2 ) = 1

e finalmente, para o limite inferior temos:

pj1 ,j2 (J) = 0 para J < j1 − j2 (3.143)

Portanto, para valores fixos de j1 e j2 , isto é, dentro do subespaço E(j1 , j2 ) , os autovalores de


J2 são tais que
J = j1 + j2 , j1 + j2 − 1, j1 + j2 − 2, . . . , |j1 − j2 |. (3.144)

3.8 Autovetores comuns de J2 e Jz


Designaremos por |J, M i os autovetores comuns de J2 e Jz pertencentes ao espaço de estados
E(j1 , j2 ) e

J2k |J, M i = jk (jk + 1)~2 |J, M i k = 1, 2 (3.145)


J2 |J, M i = J(J + 1)~2 |J, M i (3.146)
Jz |J, M i = M ~ |J, M i (3.147)

Prof. Salviano A. Leão 50


3.8. Autovetores comuns de J2 e Jz

3.8.1 Caso especial spin 1/2

Antes de apresentarmos os resultados gerais, apresentaremos o caso particular de duas


partículas de spin 1/2, em valem todos os resultados estabelecidos para a base {|S, M i}. Nesse
caso temos:
S = S1 + S2 e Sz = S1z + S2z (3.148)

S2 |S, M i = S(S + 1)~2 |S, M i (3.149)


Sz |S, M i = M ~ |S, M i (3.150)

Aqui S = 1 e M = 1, 0, −1.

3.8.2 Duas partículas de spin 1/2: O subespaço E(S = 1)

O ket |+, +i é, no espaço de estado E(1/2, 1/2), o único autovetor de Sz associado com o
valor M = 1. Como [S2 , Sz ] = 0 e o valor M = 1 é não-degenerado, então o ket |+, +i deve
ser um autovetor de S2 . Assim |S = 1, M = 1i = |1, 1i, e portanto podemos escolher a fase do
vetor |1, 1i de modo que
|1, 1i = |+, +i . (3.151)

Agora é fácil encontrarmos os outros estados do tripleto, pois da teoria do momentum angular
sabemos que:
(3.152)
p
S± |S, M i = S(S + 1) − M (M ± 1)~ |S, M ± 1i ,

logo
p
S− |1, 1i = 1(1 + 1) − 1(1 − 1)~ |1, 1 − 1i

= ~ 2 |1, 0i

Consequentemente,
1
|1, 0i = √ S− |1, 1i (3.153)
~ 2

Para calcular |1, 0i explicitamente na base {|ε1 , ε2 i} é suficiente lembrar que S− = S1− + S2− ,
logo temos que

1
|1, 0i = √ (S1− + S2− ) |+, +i
~ 2
1
= √ [~ |−, +i + ~ |+, −i]
~ 2
1
= √ [|−, +i + |+, −i]
2

Prof. Salviano A. Leão 51


3.9. Caso geral, com j1 e j2 arbitrários

Finalmente, podemos aplicar novamente S− em |1, 0i, isto é,


1
|1, −1i = √ S− |1, 0i
~ 2
1
= √ (S1− + S2− ) [|−, +i + |+, −i]
~ 2
1 1
= √ √ [|−, +i + |+, −i]
~ 2 2
1
= [~ |−, −i + ~ |−, −i] = |−, −i
2~

3.8.3 O estado |S = 0, M = 0i
De fato, esse último resultado poderia ter sido obtido diretamente usando um argumento
análogo ao aplicado para |+, +i.
O único vetor do subespaço E(S = 0), o vetor |S = 0, M = 0i, é determinado a menos de
um fator constante, pela condição de que ele deve ser ortogonal aos três vetores |S = 1, M i, os
quais acabamos de construir.
Desde que ele é ortogonal a |1, 1i = |+, +i e |1, −1i = |−, −i, portanto |0, 0i deve ser uma
combinação linear dos kets |+, −i e |−, +i, assim

|0, 0i = α |+, −i + β |−, +i (3.154)

o qual será normalizado se


h0, 0 | 0, 0i = |α|2 + |β|2 = 1 (3.155)

agora usaremos o fato de que:


1
h1, 0 | 0, 0i = 0 =⇒ √ (α + β) = 0. (3.156)
2
Portanto, temos que
1
α = −β = √ eiδ (3.157)
2
em que δ é um número real qualquer. Escolhemos δ = 0 o que fornece
1
|0, 0i = √ [|+, −i − |−, +i] (3.158)
2
Dessa forma, calculamos os quatro vetores |S, M i sem ter escrito explicitamente a matriz
que representa S2 na base {|ε1 , ε2 i} .

3.9 Caso geral, com j1 e j2 arbitrários


Mostramos que a decomposição de E(j1 , j2 ) em uma soma direta dos subespaços invariantes
E(J) é:
E(j1 , j2 ) = E(j1 + j2 ) ⊕ E(j1 + j2 − 1) · · · ⊕ E(|j1 − j2 |). (3.159)

Agora veremos como determinar os vetores |J, M i que expandem esses subespaços.

Prof. Salviano A. Leão 52


3.9. Caso geral, com j1 e j2 arbitrários

3.9.1 O subespaço E(J = j1 + j2 )


Para esse caso temos que:

• O ket |j1 , j2 ; m1 = j1 , m2 = j2 i é, em E(J = j1 + j2 ), o único vetor de Jz associado com


M = j1 + j2 .

• Desde que J2 comuta com Jz e o valor M = j1 +j2 é não degenerado, então |j1 , j2 ; m1 = j1 , m2 = j2 i
também deve ser um autovetor de J2 .

• De acordo com (3.159), o correspondente valor de J só pode ser J = j1 + j2 .

Então, escolhendo o fator de fase adequadamente, temos

|J = j1 + j2 ; M = j1 + j2 i = |j1 , j2 ; m1 = j1 , m2 = j2 i
= |j1 + j2 ; j1 + j2 i
= |j1 , j2 ; j1 , j2 i .

Aplicações repetidas do operador J− sobre este vetor de estado, fornece toda a família de
vetores |J, M i, para os quais J = j1 + j2 . Portanto, de (3.103) temos, que

(3.160)
p
J± |k, j, mi = ~ j(j + 1) − m(m ± 1) |k, j, m ± 1i .

logo
(3.161)
p
J− |j1 + j2 ; j1 + j2 i = ~ 2(j1 + j2 ) |j1 + j2 ; j1 + j2 − 1i
então
1
|j1 + j2 ; j1 + j2 − 1i = p J− |j1 + j2 ; j1 + j2 i . (3.162)
~ 2(j1 + j2 )
Agora aplicando J− = J1− + J2− ao vetor |j1 + j2 ; j1 + j2 i, obtemos que
1
|j1 + j2 ; j1 + j2 − 1i = p J− |j1 + j2 ; j1 + j2 i
~ 2(j1 + j2 )
1
= p (J1− + J2− ) |j1 , j2 ; j1 , j2 i
~ 2(j1 + j2 )
1 hp p i
= p ~ 2j1 |j1 , j2 ; j1 − 1, j2 i + 2j2 |j1 , j2 ; j1 , j2 − 1i
~ 2(j1 + j2 )
isto é
s s
j1 j2
|j1 + j2 ; j1 + j2 − 1i = |j1 , j2 ; j1 − 1, j2 i + |j1 , j2 ; j1 , j2 − 1i (3.163)
j1 + j2 j1 + j2
De fato, obtivemos uma combinação linear dos dois vetores bases os quais corresponde a
M = j1 + j2 − 1, e essa combinação está normalizada diretamente. Pois
j1
hj1 + j2 ; j1 + j2 − 1 | j1 + j2 ; j1 + j2 − 1i = hj1 , j2 ; j1 − 1, j2 | j1 , j2 ; j1 − 1, j2 i + (3.164)
j1 + j2
j2
hj1 , j2 ; j1 , j2 − 1 | j1 , j2 ; j1 , j2 − 1i (3.165)
j1 + j2
j1 j2
= + = 1. (3.166)
j1 + j2 j1 + j2

Prof. Salviano A. Leão 53


3.9. Caso geral, com j1 e j2 arbitrários

Ao repetirmos o procedimento anterior, podemos construir o ket |j1 + j2 ; j1 + j2 − 2i pela


aplicação de J− em ambos os lados de (3.163). Para o lado direito devemos usar a forma
J− = J1− + J2− . Com isso
1
|j1 + j2 ; j1 + j2 − 2i = p J− |j1 + j2 ; j1 + j2 − 1i ,
~ 4(j1 + j2 ) − 2
logo,
1
|j1 + j2 ; j1 + j2 − 2i = p J− |j1 + j2 ; j1 + j2 − 1i
~ 4(j1 + j2 ) − 2
1
= p (J1− + J2− ) |j1 + j2 ; j1 + j2 − 1i
~ 4(j1 + j2 − 1) − 2
1
= p (J1− + J2− ) ×
~ 4(j1 + j2 ) − 2
"s s #
j1 j2
|j1 , j2 ; j1 − 1, j2 i + |j1 , j2 ; j1 , j2 − 1i
j1 + j2 j1 + j2
"s
1 j1 p
= p ~ 4j1 − 2 |j1 , j2 ; j1 − 2, j2 i
~ 4(j1 + j2 ) − 2 j1 + j2
s #
j2 p
4j2 − 2 |j1 , j2 ; j1 , j2 − 2i
j1 + j2

isto é
s
j1 (2j1 − 1)
|j1 + j2 ; j1 + j2 − 2i = |j1 , j2 ; j1 − 2, j2 i +
(j1 + j2 )[2(j1 + j2 ) − 1]
s
j2 (2j2 − 1)
|j1 , j2 ; j1 , j2 − 2i . (3.167)
(j1 + j2 )[2(j1 + j2 ) − 1]

Fazendo aplicações sucessivas de J− , somos capazes de calcular os primeiros 2(j1 + j2 ) + 1


vetores da base de {|J, M i}, a qual corresponde a J = j1 + j2 e M = j1 + j2 , j1 + j2 −
1, . . . , −(j1 + j2 ) e além disso podemos expandir o subespaço E(J = j1 + j2 ) de E(j1 , j2 ).
Repetindo o procedimento, podemos calcular

|j1 + j2 ; j1 + j2 − 3i
|j1 + j2 ; j1 + j2 − 4i
...

|j1 + j2 ; −(j1 + j2 )i

3.9.2 Os outros subespaços E(j)


Agora considere o subespaço ζ(j1 + j2 ), o suplementar de E(j1 + j2 ) em E(j1 , j2 ). De acordo
com (3.159), ζ(j1 + j2 ) pode ser quebrado em

ζ(j1 + j2 ) = E(j1 + j2 − 1) ⊕ E(j1 + j2 − 2) · · · ⊕ E(|j1 − j2 |). (3.168)

Prof. Salviano A. Leão 54


3.9. Caso geral, com j1 e j2 arbitrários

com,
J = j1 + j2 − 1 e M = j1 + j2 − 1 (3.169)
Portanto, podemos usar um raciocínio análogo ao anterior.
Uma forma de ver o procedimento como um todo é lembrar que:

|j1 − j2 | ≤ J ≤ j1 + j2

J M

j1 + j2 j1 + j2 j1 + j2 − 1 j1 + j2 − 2 ··· 1 0 -1 ··· −(j1 + j2 − 2) −(j1 + j2 − 1) −(j1 + j2 )


j1 + j2 − 1 j1 + j2 − 1 j1 + j2 − 2 ··· 1 0 -1 ··· −(j1 + j2 − 2) −(j1 + j2 − 1)
j1 + j2 − 2 j1 + j2 − 2 ··· 1 0 -1 ··· −(j1 + j2 − 2)
..
.
|j1 − j2 | 0

Note que a partir de J = j1 + j2 − 1, esse estado é duplamente degenerado em Jz , o próximo


J = j1 + j2 − 2 é triplamente degenerado em Jz , e assim por diante. Lembre-se que após aplicar
o operador J− em todos os estados de J = j1 + j2 , o próximo passo é iniciar com o estado
|J = j1 + j2 − 1, M = j1 + j2 − 1i, porém este estado não é conhecido, mas sabe-se que ele deve
ser uma combinação linear dos estado com M = j1 + j2 − 1 , assim

|j1 + j2 − 1, j1 + j2 − 1i = α |j1 , j2 ; j1 , j2 − 1i + β |j1 , j2 ; j1 − 1, j2 i .


Em ζ(j1 + j2 ), o grau de degenerescência gj0 1 ,j2 (M ) de um dado valor de M é menor do que
gj1 ,j2 (M ) por um fator de um, desde que E(j1 + j2 ) possui um e somente um vetor associado
com este valor de M :
gj0 1 ,j2 (M ) = gj1 ,j2 (M ) − 1 (3.170)
Isso significa que não há mais M = j1 +j2 em ζ(j1 +j2 ), e que o novo valor máximo M = j1 +j2 −1
é não degenerado. Disso pode-se concluir que o vetor correspondente deve ser proporcional ao
ket |J = j1 + j2 − 1, M = j1 + j2 − 1i.
Esse vetor pode ser expandido na base {|j1 , j2 ; m1 , m2 i} como:

|j1 + j2 − 1, j1 + j2 − 1i = α |j1 , j2 ; j1 , j2 − 1i + β |j1 , j2 ; j1 − 1, j2 i

ao impormos a normalização para esse vetor, encontramos que

|α|2 + |β|2 = 1. (3.171)

Além disso, esse vetor deve ser ortogonal ao vetor |j1 + j2 , j1 + j2 − 1i o qual pertence a E(j1 +j2 ),
e é dado por (3.163). Portanto,

hj1 + j2 , j1 + j2 − 1 | j1 + j2 − 1, j1 + j2 − 1i = 0 (3.172)
s s
j1 j2
α +β =0 (3.173)
j1 + j2 j1 + j2

Prof. Salviano A. Leão 55


3.9. Caso geral, com j1 e j2 arbitrários

logo s
j2
α=− β (3.174)
j1
Substituindo, na expressão da normalização obtemos que:
 
j1
2
|α| 1 + =1 (3.175)
j2

A menos de um fator de fase, podemos determinar α e β, escolhendo α com sendo real e positivo,
obtemos que s s
j1 j2
α= =⇒ β=− (3.176)
j1 + j2 j1 + j2
Com isso temos
s s
j1 j2
|j1 + j2 − 1; j1 + j2 − 1i = |j1 , j2 ; j1 , j2 − 1i − |j1 , j2 ; j1 − 1, j2 i (3.177)
j1 + j2 j1 + j2

Este vetor é o primeiro da nova família, caracterizada por J = j1 + j2 − 1.


Os outros vetores podem ser obtidos por aplicações sucessivas de J− sobre esse vetor. Temos
que
1
|j1 + j2 − 1; j1 + j2 − 2i = p J− |j1 + j2 − 1; j1 + j2 − 1i (3.178)
~ 2(j1 + j2 − 1)

Aqui basta aplicar J− = J1− +J2− , sobre esse estado para obtermos os outros 2(j1 +j2 −1)+1
vetores |J, M i correspondentes a

J = j1 + j2 − 1 e M = j1 + j2 − 1, j1 + j2 − 2, . . . , −(j1 + j2 − 1)

os quais expandem o subespaço E(j1 + j2 − 1).


Agora considere o espaço ζ(j1 + j2 , j1 + j2 − 1), o suplemento da soma direta E(j1 + j2 ) ⊕
E(j1 + j2 − 1) em E(j1 , j2 ):

ζ(j1 + j2 , j1 + j2 − 1) = E(j1 + j2 − 2) ⊕ E(j1 + j2 − 3) ⊕ · · · ⊕ E(|j1 − j2 |).

Em ζ(j1 + j2 , j1 + j2 − 1), a degenerescência de cada valor de M é novamente decrescida por


com relação aquela que tinha em ζ(j1 +j2 ). Em particular o valor máximo agora é M = j1 +j2 −2,
e ele é não degenerado. O correspondente vetor deve ser portanto,

|J = j1 + j2 − 2; M = j1 + j2 − 2i . (3.179)

Para calcularmos ele na base {|j1 , j2 ; m1 , m2 i} é suficiente notarmos que ele deve ser dado pela
seguinte combinação linear:

|j1 + j2 − 2; j1 + j2 − 2i =α |j1 , j2 ; j1 , j2 − 2i + β |j1 , j2 ; j1 − 1, j2 − 1i + (3.180)


γ |j1 , j2 ; j1 − 2, j2 i (3.181)

Prof. Salviano A. Leão 56


3.10. Coeficientes de Clebsch-Gordan

Os coeficientes dessa combinação, devido a condição de normalização, satisfazem a seguinte


relação:
|α|2 + |β|2 + |γ|2 = 1. (3.182)

Além disso ele deve ser ortogonal ao seguintes vetores:

hj1 + j2 ; j1 + j2 − 2 | j1 + j2 − 2; j1 + j2 − 2i = 0 (3.183)
hj1 + j2 − 1; j1 + j2 − 2 | j1 + j2 − 2; j1 + j2 − 2i = 0, (3.184)

os quais, após a realização dos passos anteriores já são conhecidos.


Esse procedimento deve ser repetido até exaurirmos todos os valores de M ≥ |j1 − j2 |.

3.10 Coeficientes de Clebsch-Gordan


Em cada espaço E(j1 , j2 ), os autovetores de J2 e Jz são combinações lineares dos vetores da
base inicial {|j1 , j2 ; m1 , m2 i}:
j1 j2
X X
|J, M i = |j1 , j2 ; m1 , m2 i hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i . (3.185)
m1 =−j1 m2 =−j2

Os coeficientes hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i dessa expansão são chamados de coeficientes de Clebsch-


Gordan.
Não há uma expressão geral para os coeficientes de Clebsch-Gordan, entretanto o procedi-
mento apresentado anteriormente nos permite obtermos todos os coeficientes.
Para determinarmos os coeficientes de Clebsch-Gordan unicamente, devemos escolher algumas
fases. Essa escolha ocorre de modo a garantir que os coeficientes de Clebsch-Gordan sejam
sempre reais.
Vimos anteriormente que os coeficientes C só serão diferentes de zero se,

M = m1 + m2
|j1 − j2 | ≤ J ≤ j1 + j2 . (3.186)

A expressão (3.186) é chamada de desigualdade do triângulo, pois pode-se formar um


triângulo com três segmentos de linhas de comprimentos j1 , j2 e J, conforme ilustra a figura.
Note que os lados do triângulo obedecem a seguintes desigualdades:

|j1 − j2 | ≤J ≤ j1 + j2 (3.187)
|J − j1 | ≤j2 ≤ J + j1 (3.188)
|J − j2 | ≤j1 ≤ J + j2 . (3.189)

Além disso, as propriedades gerais dos momenta angulares impõe que o ket |J, M i, e portanto,
os coeficientes hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i existam somente se M tiver um dos seguintes valores:

M = J, J − 1, . . . , −(J − 1), −J (3.190)

Prof. Salviano A. Leão 57


3.10. Coeficientes de Clebsch-Gordan

Desiguladade do triângulo
J
J2 |J1 − J2 | ≤ J ≤ J1 + J2

|J − J1 | ≤ J2 ≤ J + J1

|J − J2 | ≤ J1 ≤ J + J2
J1
Figura 3.7: Regra de seleção do triângulo: o coeficiente hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i pode ser diferente de
zero somente se for possível forma um triângulo com os três segmentos de reta de comprimentos j1 , j2 e
J.

e necessário ainda que


m1 = j1 , j1 − 1, . . . , −(j1 − 1), −j1 (3.191a)

m2 = j2 , j2 − 1, . . . , −(j2 − 1), −j2 (3.191b)

Se esse não for o caso, os coeficientes de Clebsch-Gordan não são definidos. Entretanto, no que
segue, será conveniente considerar que eles existem para todos os valores de m1 , m2 e M , mas
que os coeficientes serão nulos se um deles não satisfazer as condições (3.191) anteriores.
Desde que os vetores |J, M i também formam uma base ortonormal do espaço E(j1 , j2 ),
podemos expressar um vetor |j1 , j2 ; m1 , m2 i em termos dos vetores |J, M i como

j1 +j2 J
X X
|j1 , j2 ; m1 , m2 i = |J, M i hJ, M | j1 , j2 ; m1 , m2 i . (3.192)
J=|j1 −j2 | M =−J

Desde que escolhemos todos os fatores de fase para os coeficientes de Clebsch-Gordan de modo
que eles fossem reais, então segue que:

hJ, M | j1 , j2 ; m1 , m2 i = hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i . (3.193)

Portanto, os coeficientes de Clebsch-Gordan nos permite tanto expressar os vetores da base


{|j1 , j2 ; m1 , m2 i} em termos dos vetores da base {|J, M i}, quanto o contrário.

3.10.1 Relações de Ortogonalidade


Ao inserirmos a relação de completeza:
j1 j2
X X
|j1 , j2 ; m1 , m2 i hj1 , j2 ; m1 , m2 | = 1 (3.194)
m1 =−j1 m2 =−j2

na relação de ortogonalidade dos kets |J, M i:

hJ, M | J 0 , M 0 i = δJ,J 0 δM,M 0 (3.195)

Prof. Salviano A. Leão 58


3.10. Coeficientes de Clebsch-Gordan

nos obtemos
j1 j2
X X
hJ, M | j1 , j2 ; m1 , m2 i hj1 , j2 ; m1 , m2 | J 0 , M 0 i = δJ,J 0 δM,M 0
m1 =−j1 m2 =−j2

Se levarmos em conta que esse coeficientes são reais, pode-se escrever,


j1 j2
X X
hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i hj1 , j2 ; m1 , m2 | J 0 , M 0 i = δJ,J 0 δM,M 0
m1 =−j1 m2 =−j2

Essa é a primeira relação de ortogonalidade dos coeficientes de Clebsch-Gordan.


Similarmente, se inserirmos a relação de completeza
j1 +j2 J
X X
|J, M i hJ, M | = 1 (3.196)
J=|j1 −j2 | M =−J

na relação de ortogonalidade

hj1 , j2 ; m1 , m2 | j1 , j2 ; m01 , m02 i = δm1 ,m01 δm2 ,m02 (3.197)

obtemos
j1 +j2 J
X X
hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i hJ, M | j1 , j2 ; m01 , m02 i = δm1 ,m01 δm2 ,m02 ,
J=|j1 −j2 | M =−J

agora levando-se em conta que esses coeficientes são reais, temos


j1 +j2 J
X X
hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i hj1 , j2 ; m01 , m02 | J, M i = δm1 ,m01 δm2 ,m02 ,
J=|j1 −j2 | M =−J

3.10.2 Relações de Recorrência


Desde que os kets |j1 , j2 ; m1 , m2 i formam uma base, temos:
p
J1± |j1 , j2 ; m1 , m2 i = ~ j1 (j1 + 1) − m1 (m1 ± 1) |j1 , j2 ; m1 ± 1, m2 i
p
J2± |j1 , j2 ; m1 , m2 i = ~ j2 (j2 + 1) − m2 (m2 ± 1) |j1 , j2 ; m1 , m2 ± 1i

Similarmente, por construção os kets |J, M i satisfazem:

(3.198)
p
J± |J, M i = J(J + 1) − M (M ± 1)~ |J, M ± 1i .

Portanto, podemos aplicar o operador J− a expressão (3.185). Desde que J− = J1− + J2− ,
obtemos (se M > −J):

p
J(J + 1) − M (M − 1) |J, M − 1i =
j1 j2
X X
hj1 , j2 ; m01 , m02 | J, M i ×
1 m0 =−j1 m0 =−j2
2
hp
j1 (j1 + 1) − m01 (m01 − 1) |j1 , j2 ; m01 − 1, m02 i +
i
j2 (j2 + 1) − m02 (m02 − 1) |j1 , j2 ; m01 , m02 − 1i (3.199)
p

Prof. Salviano A. Leão 59


3.10. Coeficientes de Clebsch-Gordan

Multiplicando a esquerda essa expressão pelo bra hj1 , j2 ; m1 , m2 |, e usando o fato de que:

hj1 , j2 ; m1 , m2 | j1 , j2 ; m01 − 1, m02 i = δm1 ,m01 −1 δm2 ,m02 (3.200)

e
hj1 , j2 ; m1 , m2 | j1 , j2 ; m01 , m02 − 1i = δm1 ,m01 δm2 ,m02 −1 (3.201)
com isso obtemos que:
p
J(J + 1) − M (M − 1) hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M − 1i =
p
j1 (j1 + 1) − m1 (m1 + 1) hj1 , j2 ; m1 + 1, m2 | J, M i +
j2 (j2 + 1) − m2 (m2 + 1) hj1 , j2 ; m1 , m2 + 1| J, M i (3.202)
p

Se o valor de M for igual a −J, então temos que J− |J, −Ji = 0, e a relação (3.202) permanece
válida, e devemos notar que:

0 se |M | > J,
hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i = (3.203)
Diferente de zero se |M | ≤ J.

Da relação (3.202) para M = −J, temos que:


s
j2 (j2 + 1) − m2 (m2 + 1)
hj1 , j2 ; m1 + 1, m2 | J, −Ji = − hj1 , j2 ; m1 , m2 + 1| J, −Ji . (3.204)
j1 (j1 + 1) − m1 (m1 + 1)

Analogamente, podemos aplicar o operador J+ a expressão (3.185). Desde que J+ = J1+ +J2+ ,
obtemos (se M < J):
p
J(J + 1) − M (M + 1) |J, M + 1i =
j1 j2
X X
hj1 , j2 ; m01 , m02 | J, M i ×
m0 =−j1 m0 =−j2
1 2
hp
j1 (j1 + 1) − m01 (m01 + 1) |j1 , j2 ; m01 + 1, m02 i +
i
j2 (j2 + 1) − m02 (m02 + 1) |j1 , j2 ; m01 , m02 + 1i (3.205)
p

Multiplicando a esquerda essa expressão pelo bra hj1 , j2 ; m1 , m2 |, e usando o fato de que:

hj1 , j2 ; m1 , m2 | j1 , j2 ; m01 + 1, m02 i = δm1 ,m01 +1 δm2 ,m02 (3.206)

e
hj1 , j2 ; m1 , m2 | j1 , j2 ; m01 , m02 + 1i = δm1 ,m01 δm2 ,m02 +1 (3.207)
com isso obtemos que:
p
J(J + 1) − M (M + 1) hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M + 1i =
p
j1 (j1 + 1) − m1 (m1 − 1) hj1 , j2 ; m1 − 1, m2 | J, M i +
j2 (j2 + 1) − m2 (m2 − 1) hj1 , j2 ; m1 , m2 − 1| J, M i (3.208)
p

Prof. Salviano A. Leão 60


3.10. Coeficientes de Clebsch-Gordan

Se o valor de M for igual a J, então temos que J+ |J, Ji = 0, e a relação (3.208) permanece
válida, e devemos notar que:

0 se |M | > J,
hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i = (3.209)
Diferente de zero se |M | ≤ J.

Da relação (3.208) para M = J, temos que:


s
j2 (j2 + 1) − m2 (m2 − 1)
hj1 , j2 ; m1 − 1, m2 | J, Ji = − hj1 , j2 ; m1 , m2 − 1| J, Ji . (3.210)
j1 (j1 + 1) − m1 (m1 − 1)

3.10.3 Convenção de Fase


As relações (3.202) e (3.208), são relações de recorrência para calcularmos os coeficientes de
Clebsch-Gordan.
A expressão (3.202) fixa a fase relativa dos kets |J, M i associados com o mesmo valor
de J. Entretanto, devemos fixar a fase de todos os coeficientes de Clebsch-Gordan, asso-
ciados aos kets |J, M i. Para isso, iremos investigar algumas propriedades dos coeficientes
hj1 , j2 ; m1 , m2 − 1| J, Ji.

3.10.4 Os coeficientes hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, Ji: fase do ket |J, Ji


No coeficiente hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, Ji, o valor máximo de m1 é m1 = j1 , e nesse caso m2 = J −j1 .
Ao decrescermos o valor de m1 por um, aumentamos o valor de m2 de um até m2 atingir seu
valor máximo m2 = −j2 e m1 o seu valor mínimo m1 = J − j2 , cujo módulo deve ser menor
que j1 . Portanto, podem haver (j1 + j2 − J + 1) coeficientes de Clebsch-Gordan não nulos
hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, Ji. Agora iremos mostrar que nunca serão nulos, para isso considere a relação
(3.210) quando M = J, na qual
s
j2 (j2 + 1) − m2 (m2 − 1)
hj1 , j2 ; m1 − 1, m2 | J, Ji = − hj1 , j2 ; m1 , m2 − 1| J, Ji , (3.211)
j1 (j1 + 1) − m1 (m1 − 1)

o radical do lado direito nunca será zero, e nem infinito. Portanto, se o coeficiente hj1 , j2 ; m1 , J − m1 | J, Ji
for zero, então todos os outros coeficientes que o sucede também serão nulos. Mas isso não é
possível, pois o ket |J, Ji é normalizado e diferente de zero. Portanto, todos os coeficientes são
diferentes de zero.
Em particular se o coeficiente hj1 , j2 ; j1 , J − j1 | J, Ji, para o qual m1 tem o seu valor máximo,
for não nulo, então para fixarmos a fase do ket |J, Ji requeremos que esse coeficiente satisfaça a
seguinte condição:

hj1 , j2 ; j1 , J − j1 | J, Ji Seja um número real e positivo. (3.212)

e da relação (3.210), segue então que todos os coeficientes

(−1)j1 −m1 × hj1 , j2 ; m1 , J − m1 | J, Ji

Prof. Salviano A. Leão 61


3.10. Coeficientes de Clebsch-Gordan

devem ser reais e o o fator (−1)j1 −m1 fornece o seu sinal.


Note que a convenção da fase escolhida para o ket |J, Ji fornece para os dois momenta
angulares J1 e J2 regras assimétricas. Ela realmente depende da ordem na qual os números
quânticos j1 e j2 estão arranjados nos coeficientes de Clebsch-Gordan: se a ordem de j1 e j2 for
permutada, a fase do ket |J, Ji é fixada pela condição

hj1 , j2 ; j2 , J − j2 | J, Ji Seja um número real e positivo. (3.213)

a qual não é necessariamente equivalente, a priori, a (3.212) [(3.212) e (3.213) podem definir
diferentes fases para o ket |J, Ji].

3.10.5 Outros Coeficientes de Clebsch-Gordan


A relação (3.202), nos permite expressarmos em termos de hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, Ji, todos os
coeficientes hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, J − 1i, e então todos os coeficientes hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, J − 2i, etc.
Essa relação, na qual nenhum número imaginário é envolvido, impõe que todos os coeficientes
de Clebsch-Gordan sejam reais:

hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i∗ = hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i (3.214)

a qual também pode ser escrita na forma

hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i = hJ, M | j1 , j2 ; m1 , m2 i (3.215)

Portanto, para M 6= J, os sinais dos coeficiente hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i não obedecem nenhuma


regra simples.

3.10.6 Algumas relações úteis


Aqui forneceremos algumas relações que complementam as fornecidas nas seções anteriores.
Para prova-las, iniciaremos fazendo uma análise dos sinais de um certo número de coeficientes
de Clebsch-Gordan.

3.10.6.1 Os Sinais de alguns coeficientes

Os coeficientes hj1 , j2 ; m1 , m2 | j1 + j2 , M i: A convenção (3.212) impõe que o coeficiente

hj1 , j2 ; j1 , j2 | j1 + j2 , j1 + j2 i

seja real e positivo, e além disso, que ele seja igual a 1. Fazendo M = J = j1 + j2 em (3.202),
vemos então que os coeficientes hj1 , j2 ; m1 , m2 | j1 + j2 , j1 + j2 − 1i são positivos. Por recorrência
então é fácil provar que
hj1 , j2 ; m1 , m2 | j1 + j2 , M i ≥ 0. (3.216)

Prof. Salviano A. Leão 62


3.10. Coeficientes de Clebsch-Gordan

Os coeficientes nos quais m1 tem seu valor máximo: Considere o coeficiente hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i.
Em princípio o valor máximo de m1 = j1 . Entretanto, temos que m2 = M − j1 , o que de acordo
com (3.191b) é possível somente se M − j1 ≥ −j2 , isto é

M ≥ j1 − j2 (3.217)

Se, por outro lado


M ≤ j1 − j2 (3.218)

o valor máximo de m1 corresponde ao valor mínimo de m2 (m2 = −j2 ) e é portanto igual a


m1 = M + j2 .
A seguir mostraremos que todos os coeficientes de Clebsch-Gordan para os quais m1 tem o
seu valor máximo, são positivos e não-nulos. Para tal, seja m1 = j1 em (3.202), assim
p p
J(J + 1) − M (M − 1) hj1 , j2 ; j1 , m2 | J, M − 1i = j2 (j2 + 1) − m2 (m2 + 1) hj1 , j2 ; j1 , m2 + 1| J, M i
(3.219)
Usando essa relação, um argumento por recorrência iniciando com (3.212) mostra que todos
os coeficientes hj1 , j2 ; j1 , M − j1 | J, M i são positivos (e não-nulos se M satisfaz a eq. (3.217)).
Analogamente, fazendo m2 = −j2 em (3.208), podemos provar que todos os coeficientes
hj1 , j2 ; M + j2 , −j2 | J, M i são positivos, se M satisfaz (3.218).

Os coeficientes hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, Ji e hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, −Ji: Vimos anteriormente que o


sinal de hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, Ji é (−1)j1 −m1 . Em particular o sinal de hj1 , j2 ; J − j2 , j2 | J, Ji é
(−1)j1 +j2 −J , ou seja,

hj1 , j2 ; J − j2 , j2 | J, Ji = (−1)j1 +j2 −J |hj1 , j2 ; J − j2 , j2 | J, Ji| (3.220)

Para determinarmos o sinal de hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, −Ji, podemos fazer M = −J em (3.202),


cujo lado esquerdo vai então a zero. Portanto, vemos que o sinal de hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, −Ji
muda se m1 ou (m2 ) variar por ±1. Desde que, de acordo com os resultados anteriores,
hj1 , j2 ; j2 − J, −j2 | J, −Ji é positivo, segue que o sinal de hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, −Ji é (−1)m2 +j2 , e
em particular: o sinal de hj1 , j2 ; −j1 , −J + j1 | J, −Ji é (−1)j1 +j2 −J , ou seja,

hj1 , j2 ; −j1 , −J + j1 | J, −Ji = (−1)j1 +j2 −J |hj1 , j2 ; −j1 , −J + j1 | J, −Ji| (3.221)

3.10.6.2 Mudança de ordem de j1 e j2

Com a convenção escolhida a fase do ket |J, Ji depende da ordem na qual os dois momenta
angulares j1 e j2 estão arranjados nos coeficientes de Clebsch-Gordan. Se eles estão na ordem
j1 , j2 a componente do ket |J, Ji ao longo do ket |j1 , j2 ; j1 , J − j1 i é positiva, o que significa que
o sinal da componente ao longo do ket |j1 , j2 ; J − j2 , j2 i é (−1)j1 +j2 −J como indicado por (3.220).
Por outro lado, se escolhermos a ordem j2 , j1 a relação (3.213) mostra que a última componente
é positiva. Portanto, se invertermos j1 e j2 o ket |J, Ji será multiplicado por (−1)j1 +j2 −J . O
mesmo é verdade para os kets |J, M i, os quais são construídos a partir do ket |J, Ji pela ação

Prof. Salviano A. Leão 63


3.10. Coeficientes de Clebsch-Gordan

de J− de tal modo que a ordem de j1 e j2 não tem efeito algum. Finalmente a troca da ordem
de j1 e j2 conduz a relação:

hj2 , j1 ; m2 , m1 | J, M i = (−1)j1 +j2 −J hj1 , j2 ; m1 , m2 | J, M i .

Prof. Salviano A. Leão 64


Capítulo 4

Teorema de Wigner-Eckart

4.1 Operadores escalares


Um operador A é dito ser um operador escalar quando ele comuta com o momentum angular
J do sistema em estudo, ou seja, [A, J] = [A, J2 ] = 0. Uma propriedade importante deste
operador é que na base padrão {|k, j, mi} os elementos de matriz não nulos hk, j, m| A |k 0 , j 0 , m0 i,
do operador escalar, devem satisfazer a condição j = j 0 e m = m0 ; além disso, este elemento não
depende de m, logo
hk, j, m| A |k 0 , j 0 , m0 i = aj (k, k 0 )δj,j 0 δm,m0 (4.1)

Se fixarmos os valores de k e j, teremos (2j+1) kets |k, j, mi com m = −j, −j+1, . . . , j−1, j,
portanto temos uma matriz (2j + 1) × (2j + 1), a qual é diagonal com todos os elementos iguais,
ou seja,
hk, j, m| A |k, j, m0 i = a(k, j)δm,m0 (4.2)

Considerando um outro operador escalar B com as mesmas propriedades do operador A,


vê-se que eles são proporcionais, logo, denotando por P (k, j) o projetor do subespaço E(k, j), os
quais são fixos, podemos escrever

P (k, j)BP (k, j) = λ(k, j)P (k, j)AP (k, j), (4.3)

na qual o projetor do subespaço E(k, j) é dado por


j
X
P (k, j) = |k, j, mi hk, j, m| . (4.4)
m=−j

A seguir iremos estudar os operadores vetores que possuem propriedades análogas aos
operadores escalares.

4.2 Operadores vetores


Se V e W são dois operadores vetores, veremos que seus elementos de matrizes obedecem a
determinadas regras de seleção. Além disso, mostraremos que ao restringirmos os operadores V

65
4.2. Operadores vetores

e W ao subespaço E(k, j), então os seus elementos de matrizes serão proporcionais, ou seja,

P (k, j)WP (k, j) = µ(k, j)P (k, j)VP (k, j). (4.5)

Este resultado constitui o teorema de Wigner-Eckart para os operadores vetores.

4.2.1 Definição dos operadores vetores


Seja V um vetor observável, cujas componentes Vx , Vy e Vz em um sistema de referências
ortonormal Oxyz, satisfaz as seguintes relações de comutação

[Jx , Vx ] = 0 [Jy , Vx ] = −i~Vz [Jz , Vx ] = i~Vy (4.6a)


= i~Vz [Jy , Vy ] = 0 [Jz , Vy ] = −i~Vx (4.6b)
= −i~Vy [Jy , Vz ] = i~Vx [Jz , Vz ] = 0. (4.6c)

então V é dito ser um operador vetor.

Exemplo 4.1. Trocando V por J em (4.6), obtemos as relações de comutação que definem o
momentum angular J.

Exemplo 4.2. Para uma partícula sem spin, cujo espaço de estado é Er , temos que J = L, logo
é imediato mostrar que R e P são operadores vetores pois:

[Lx , X] = [Y Pz − ZPy , X] = 0 (4.7a)


= [Y Pz − ZPy , Y ] = −[ZPy , Y ] = i~Z (4.7b)
= [Y Pz − ZPy , Z] = [Y Pz , Z] = −i~Y (4.7c)

[Lx , Px ] = [Y Pz − ZPy , Px ] = 0 (4.8a)


= [Y Pz − ZPy , Py ] = [Y Pz , Py ] = i~Pz (4.8b)
= [Y Pz − ZPy , Pz ] = −Py [Z, Pz ] = −i~Py . (4.8c)

Exemplo 4.3. Para uma partícula de spin S, cujo espaço de estado é Er ⊗ Es , J = L + S.


Neste caso os operadores L, S, R e P são vetores. Se levarmos em conta o fato de que todos os
operadores de spin, os quais atuam somente em Es , comutam com os operadores orbitais, os
quais atuam somente em Er , a prova destas propriedade seguem imediatamente dos exemplos
4.1 e 4.2.
Já os operadores do tipo L2 , L · S, etc, não são vetores, mas escalares. Outros operadores
vetores poderiam ser construídos, por exemplo:

R × S; (L · S) P; etc. (4.9)

Exemplo 4.4. Considere um sistema W formado pela união de dois sistemas W1 e W2 , no qual
W1 está no espaço de estados E1 e W2 está no espaço de estados E2 . Se V1 é um operador que
atua somente em E1 , e se este operador é vetor, então extensão de V1 em E1 ⊗ E2 também é um
vetor. Por exemplo, para um sistema de dois elétrons, os operadores L1 , R1 , S2 , etc, são vetores.

Prof. Salviano A. Leão 66


4.3. O teorema de Wigner-Eckart para operadores vetores

4.3 O teorema de Wigner-Eckart para operadores vetores

4.3.1 Elementos de matriz não-nulos de V na base padrão


Seja

V± = Vx ± iVy (4.10a)
J± = Jx ± iJy (4.10b)

então

[Jx , V± ] = [Jx , Vx ] ± i[Jx , Vy ] = 0 ± i(i~Vz ) = ∓~Vz (4.11a)


= [Jy , Vx ] ± i[Jy , Vy ] = −i~Vz + 0 = −i~Vz (4.11b)
= [Jz , Vx ] ± i[Jz , Vy ] = i~Vy ± i(−i~Vx ) = ±~V± (4.11c)

e segue que

[J+ , V+ ] = 0 [J− , V+ ] = −2~Vz (4.12a)


[J+ , V− ] = 2~Vz [J− , V− ] = 0. (4.12b)

Note que como [Jz , Vz ] = 0 e como Jz |k, j, mi = m~ |k, j, mi, então

hk, j, m| Vz |k 0 , j 0 , m0 i = vz (k, k 0 , j, j 0 )δm,m0 . (4.13)

Agora vamos calcular o elemento de matriz hk, j, m| V± |k 0 , j 0 , m0 i, e para isso usaremos o


fato de que:
[Jz , V± ] = ±~V± =⇒ Jz V± = V± Jz ± ~V± , (4.14)

logo

Jz (V± |k 0 , j 0 , m0 i) = V± Jz |k 0 , j 0 , m0 i ± ~V± |k 0 , j 0 , m0 i
Jz (V± |k 0 , j 0 , m0 i) = (m0 ± 1)~ (V± |k 0 , j 0 , m0 i) (4.15)

Essa relação indica que V± |k 0 , j 0 , m0 i é um autovetor de Jz com autovalor (m0 ± 1)~, logo
XX
V± |k 0 , j 0 , m0 i = Ck,j |k, j, m0 ± 1i . (4.16)
k j

Portanto, dois autovetores do operador hermitiano Jz associados a diferentes autovalores são


ortogonais, segue que o produto escalar hk, j, m| V± |k 0 , j 0 , m0 i é zero se m 6= m0 ± 1.
Em síntese obtivemos as seguintes regras de seleção para os elementos de matriz de V:

Vz =⇒ ∆m = m − m0 = 0 (4.17a)
V+ =⇒ ∆m = m − m0 = +1 (4.17b)
V− =⇒ ∆m = m − m0 = −1. (4.17c)

Prof. Salviano A. Leão 67


4.3. O teorema de Wigner-Eckart para operadores vetores

4.3.2 Proporcionalidade entre os elementos de matriz J e V dentro


de um subespaço E(k, j)
4.3.2.1 Elementos de matriz de V+ e V−

Como [J+ , V+ ] = 0, então temos que

hk, j, m + 2| J+ V+ |k, j, mi = hk, j, m + 2| V+ J+ |k, j, mi . (4.18)

Inserindo na expressão (4.18), entre os operadores J+ e V+ a completeza


X
|k 0 , l0 , m0 ihk 0 , l0 , m0 | = 1, (4.19)
k0 ,l0 ,m0

temos
X
hk, j, m + 2| J+ |k 0 , j 0 , m0 i hk 0 , j 0 , m0 | V+ |k, j, mi =
k0 ,l0 ,m0
X
hk, j, m + 2| V+ |k 0 , j 0 , m0 i hk 0 , j 0 , m0 | J+ |k, j, mi . (4.20)
k0 ,l0 ,m0

que após realizar a soma, temos

hk, j, m + 2| J+ |k, j, m + 1i hk, j, m + 1| V+ |k, j, mi =


hk, j, m + 2| V+ |k, j, m + 1i hk, j, m + 1| J+ |k, j, mi . (4.21)

a qual ainda pode ser escrita na seguinte forma


hk, j, m + 1| V+ |k, j, mi hk, j, m + 2| V+ |k, j, m + 1i
= (4.22)
hk, j, m + 1| J+ |k, j, mi hk, j, m + 2| J+ |k, j, m + 1i
Como os bras e os kets nesta expressão existem se j − 2 ≥ m ≥ −j, pode-se mostrar
imediatamente que nenhum dos denominadores vai a zero. Para m = −j, −j +1, . . . , j −3, j −2,
temos
hk, j, −j + 1| V+ |k, j, −ji hk, j, −j + 2| V+ |k, j, −j + 1i
= =
hk, j, −j + 1| J+ |k, j, −ji hk, j, −j + 2| J+ |k, j, −j + 1i
hk, j, j| V+ |k, j, j − 1i
...,= = α+ (k, j). (4.23)
hk, j, j| J+ |k, j, j − 1i
na qual o coeficiente α+ (k, j) é a razão entre estes elementos de matriz. Note que α+ (k, j)
depende somente dos índices k e j e não depende do índice m. Portanto, da relação (4.23),
podemos concluir que

hk, j, m| V+ |k, j, m0 i = α+ (k, j) hk, j, m| J+ |k, j, m0 i δm0 ,m−1 , (4.24)

o que relaciona os elementos de matriz dos operadores V+ e J+ .


Um procedimento análogo ao anterior, nos permite escrever a seguinte relação

hk, j, m| V− |k, j, m0 i = α− (k, j) hk, j, m| J− |k, j, m0 i δm0 ,m+1 , (4.25)

a qual relaciona os elementos de matriz dos operadores V− e J− .

Prof. Salviano A. Leão 68


4.3. O teorema de Wigner-Eckart para operadores vetores

4.3.2.2 Elementos de matriz de Vz

Para relacionar os elementos de matriz de Vz e Jz , usamos a relação de comutação [J− , V+ ] =


−2~Vz para calcular o seguinte elemento de matriz

hk, j, m| [J− , V+ ] |k, j, mi = −2~ hk, j, m| Vz |k, j, mi , (4.26)

expandindo o comutador, temos

− 2~ hk, j, m| Vz |k, j, mi = hk, j, m| (J− V+ − V+ J− ) |k, j, mi . (4.27)

Inserindo a completeza (4.19) entre os operadores J− e V+ obtemos que


X
−2~ hk, j, m| Vz |k, j, mi = hk, j, m| J− |k 0 , l0 , m0 i hk 0 , l0 , m0 | V+ |k, j, mi − (4.28)
k0 ,l0 ,m0
X
hk, j, m| V+ |k 0 , l0 , m0 i hk 0 , l0 , m0 | J− |k, j, mi
k0 ,l0 ,m0

= hk, j, m| J− |k, l, m + 1i hk, l, m + 1| V+ |k, j, mi −


hk, j, m| V+ |k, l, m − 1i hk, l, m − 1| J− |k, j, mi
p
=~ j(j + 1) − m(m + 1) hk, j, m + 1| V+ |k, j, mi −
(4.29)
p
~ j(j + 1) − m(m − 1) hk, j, m| V+ |k, j, m − 1i

Usando a relação (4.24), podemos reescrever a expressão (4.28) como


1 np
hk, j, m| Vz |k, j, mi = − α+ (k, j) j(j + 1) − m(m + 1) hk, j, m + 1| J+ |k, j, mi − (4.30)
2 o
p
j(j + 1) − m(m − 1) hk, j, m| J+ |k, j, m − 1i
1
= − α+ (k, j) {j(j + 1) − m(m + 1) − j(j + 1) + m(m − 1)}
2
=m~α+ (k, j) (4.31)

Similarmente, usando a relação de comutação [J+ , V− ] = 2~Vz para calcular o seguinte


elemento de matriz

hk, j, m| [J+ , V− ] |k, j, mi = 2~ hk, j, m| Vz |k, j, mi , (4.32)

obtemos que
hk, j, m| Vz |k, j, mi = m~α− (k, j) (4.33)
Da igualdade das relações (4.30) e (4.33), temos que

α+ (k, j) = α− (k, j) = α(k, j). (4.34)

E com isso temos então que

hk, j, m| Vz |k, j, m0 i = α(k, j) hk, j, m| Jz |k, j, m0 i (4.35a)


hk, j, m| V+ |k, j, m0 i = α(k, j) hk, j, m| J+ |k, j, m0 i (4.35b)
hk, j, m| V− |k, j, m0 i = α(k, j) hk, j, m| J− |k, j, m0 i (4.35c)

Prof. Salviano A. Leão 69


4.3. O teorema de Wigner-Eckart para operadores vetores

4.3.2.3 Generalização para uma componente arbitrária de V

Como qualquer uma das componentes do vetor V, pode ser escrita como uma combinação
linear de Vz , V+ e V− , ou seja
1 1
Vx = (V+ + V− ) e Vy = (V+ − V− ) . (4.36)
2 2i
Portanto, podemos escrever de forma geral que

hk, j, m| V |k, j, m0 i = α(k, j) hk, j, m| J |k, j, m0 i , (4.37)

portanto, dentro do espaço de estados E(k, j), todos os elementos de matriz de V são proporcio-
nais aqueles de J. Esse resultado expressa o teorema de Wigner-Eckart, para um caso especial.
Introduzindo as “restrições” de V e J em E(k, j), podemos escrever:

P (k, j)VP (k, j) = α(k, j)P (k, j)JP (k, j) (4.38)

Note que,
X
P (k, j) = |k, j, mi hk, j, m| (4.39)
m
logo

P 2 (k, j) = P (k, j)P (k, j)


XX
= |k, j, mi hk, j, m| k, j, m0 i hk, j, m0 |
m m0
X
= |k, j, mi hk, j, m|
m

= P (k, j).

4.3.2.4 Cálculo da constante de proporcionalidade: O teorema da projeção

É fácil ver que:


[Jz , P (k, j)] = 0 e [J± , P (k, j)] = 0, (4.40)
e como
1 1
J= (J+ + J− ) êx + (J+ − J− ) êy + Jz êz (4.41)
2 2i
então segue imediatamente que
[J, P (k, j)] = 0. (4.42)
Considere o operador J·V, e sua restrição a E(k, j) é P (k, j)J·VP (k, j). Como P (k, j)VP (k, j) =
α(k, j)P (k, j)JP (k, j), segue então que

P (k, j)J · VP (k, j) = J · (P (k, j)VP (k, j))


= J · [α(k, j)P (k, j)JP (k, j)]
= α(k, j)P (k, j)J2 P (k, j)
= α(k, j) (JP (k, j))2
= α(k, j)J2 P (k, j)
= j(j + 1)~2 α(k, j)P (k, j)

Prof. Salviano A. Leão 70


4.3. O teorema de Wigner-Eckart para operadores vetores

Assim
P (k, j)J · VP (k, j) = j(j + 1)~2 α(k, j)P (k, j) (4.43)

A restrição ao espaço E(k, j) do operador J · V é portanto igual ao operador identidade


multiplicado por j(j + 1)~2 α(k, j). Portanto, se |ψik,j denota um estado normalizado e arbitrário
pertencente ao subespaço E(k, j), o valor médio hJ · Vik,j de J · V é independente do ket |ψk,j i
escolhido, desde que:

hJ · Vik,j = hψk,j | J · V |ψk,j i = α(k, j)j(j + 1)~2 . (4.44)

Note ainda que:


hJ · Jik,j = hJ2 ik,j = j(j + 1)~2 . (4.45)

Logo substituindo estes resultados em (4.38), obtemos:

hJ · Vik,j
P (k, j)VP (k, j) = P (k, j)JP (k, j)
j(j + 1)~2
hJ · Vik,j
= P (k, j)JP (k, j) (4.46)
hJ2 ik,j

ou ainda
hJ · Vik,j hJ · Vik,j
V= 2
J= J. (4.47)
hJ ik,j j(j + 1)~2
Este resultado é chamado de “teorema da projeção”. Deste modo, todo o sistema físico, no
qual tratamos com estados pertencentes ao mesmo subespaço E(k, j), podemos considerar que
todos os operadores vetores são proporcionais a J.

Interpretação clássica Se j denota o momentum


angular total de um sistema físico qualquer isolado,
todas as quantidades físicas atreladas ao sistema giram
em torno de j, que é um vetor constante. Em particular,
para uma quantidade vetorial V, tudo o que sobra após
uma média temporal é sua projeção Vq em j, isto é, um
Figura 4.1: Aqui mostramos a projeção vetor paralelo a j, dado por
de V sobre j.
j·V
Vq = j. (4.48)
j2

4.3.2.5 Comentários

1. Não pode ser deduzido de (4.47) que, no espaço de estados total (a soma direta de
todos os subespaços E(k, j)), V e J são proporcionais. Deve-se notar que a constante de
proporcionalidade α(k, j) ou hJ · Vik,j depende do subespaço E(k, j)) escolhido. Além
disso, qualquer operador vetor V pode possuir elementos de matriz não-nulos entre os
kets pertencentes a diferentes subespaços E(k, j)), enquanto os correspondentes elementos
de J são sempre zero.

Prof. Salviano A. Leão 71


4.4. Aplicação: Cálculo do fator de Landé gj de um nível atômico

2. Considere um segundo operador vetor W. Assim como V a sua restrição em E(k, j) é que
ele é proporcional a J. Portanto, dentro de um subespaço E(k, j), todos os operadores
vetores são proporcionais.

Entretanto, para calcular o coeficiente de proporcionalidade entre V e W, não podemos


simplesmente trocar J por W em (4.47). Na prova da relação (4.47), usamos o fato de
que J comuta com P (k, j), o que não é geral no caso de W. Para calcular este coeficiente
de proporcionalidade corretamente, devemos notar que, dentro do subespaço E(k, j):

hJ · Wik,j hJ2 ik,j


W= J ou J= W. (4.49)
hJ2 ik,j hJ · Wik,j

isolando J na expressão acima e substituindo na expressão para V obtemos

hJ · Vik,j
V= W (4.50)
hJ · Wik,j

4.4 Aplicação: Cálculo do fator de Landé gj de um nível


atômico
Aplicaremos o teorema de Wigner-Eckart para calcular os efeitos do campo magnético B sobre
os níveis de energia de um átomo. Veremos que o uso do teorema simplifica consideravelmente os
cálculos, e nos permite prever que, de modo geral, o campo magnético remove degenerescências,
causando o aparecimento de níveis de energia equidistantes (em primeira ordem do campo
magnético B). A diferença de energia entre estes níveis é proporcional a B e a constante gj (o
fator de Landé) o qual será calculado.
Seja L, o momentum angular orbital total dos elétrons de um átomo, ou seja,
X
L= Li (4.51)
i

e S, o seu momentum angular de spin


X
S= Si (4.52)
i

então o momentum angular interno total do átomo é:

J = L + S. (4.53)

Seja H0 o hamiltoniano do átomo na ausência de campo magnético, e ele satisfaz as seguintes


relações de comutação:

[H0 , J] = [H0 , J2 ] = [H0 , L2 ] = [H0 , S2 ] = [H0 , Jz ] = 0. (4.54)

Prof. Salviano A. Leão 72


4.4. Aplicação: Cálculo do fator de Landé gj de um nível atômico

Consideremos, então que H0 , L2 , S2 , J2 e Jz formam um conjunto completo de operadores


que comutam entre-si, formando uma base completa {|E0 , L, S, J, M i} cujos operadores são:

H0 |E0 , L, S, J, M i = E0 |E0 , L, S, J, M i (4.55)


L2 |E0 , L, S, J, M i = L(L + 1)~2 |E0 , L, S, J, M i (4.56)
S2 |E0 , L, S, J, M i = S(S + 1)~2 |E0 , L, S, J, M i (4.57)
J2 |E0 , L, S, J, M i = J(J + 1)~2 |E0 , L, S, J, M i (4.58)
Jz |E0 , L, S, J, M i = M ~ |E0 , L, S, J, M i . (4.59)

Esta hipótese é válida para um certo número de átomos leves para os quais o acoplamento
do momentum angular é do tipo L · S. Entretanto, para os átomos que possuem um outro
tipo de acoplamento este não é mais o caso. Cálculos baseados no teorema de Wigner-Eckart,
similares aos que faremos aqui, podem ser feitos, e a ideia física central permanecerá a mesma.
Por questão de simplicidade consideraremos que L e S são bons números quânticos, para os
sistemas atômicos que iremos estudar.

4.4.1 Degenerescência rotacional: Multipletos


Considere o ket J± |E0 , L, S, J, M i, como J± comuta com L2 , S2 , J2 e Jz então ele também
comuta com H0 ; portanto J± |E0 , L, S, J, M i é um autovetor de H0 com autovalor E0 . Além
disso

(4.60)
p
J± |E0 , L, S, J, M i = ~ J(J + 1) − M (M ± 1) |E0 , L, S, J, M ± 1i

A degenerescência essencial

−J ≤M ≤J =⇒ (2J + 1)-vezes degenerado (4.61)

Este é um multípleto.

4.4.2 Remoção da degenerescência por um campo magnético


Na presença de um campo magnético B = Bêz , temos

H = H0 + H1 , (4.62)

com
H1 = ωL (Lz + 2Sz ) (4.63)

(o fator 2 antes de Sz , surge da razão giromagnética do spin do elétron). A frequência angular


de “Larmor” ωL do elétron é definida em termos de sua massa m e de sua carga q por:

−qB µB q~
ωL = = − B, com µB = . (4.64)
2m ~ 2m

Prof. Salviano A. Leão 73


4.4. Aplicação: Cálculo do fator de Landé gj de um nível atômico

Para calcularmos os efeitos do campo magnético sobre os níveis de energia do átomo,


consideraremos somente os elementos de matriz de H1 dentro do subespaço E(E0 , L, S, J)
associado ao multipleto em estudo.
No subespaço E(E0 , L, S, J), de acordo com o teorema da projeção temos:

hJ · Li hJ · Si
L= J e S= J (4.65)
J(J + 1)~2 J(J + 1)~2

em que hJ · Li e hJ · Si são os valores médios dos operadores J · L e J · S, nos estado do sistema


pertencentes a E(E0 , L, S, J).
Assim, como
1 2
L · J = L · (L + S) = L2 + J − L2 − S2 (4.66a)

2
1
S · J = S · (L + S) = S2 + J2 − L2 − S2 (4.66b)

2
segue então que

~2
hL · Ji = L(L + 1)~2 + (J(J + 1) − L(L + 1) − S(S + 1)) (4.67a)
2
~2
hS · Ji = S(S + 1)~2 + (J(J + 1) − L(L + 1) − S(S + 1)) (4.67b)
2
Substituindo as equações (4.67) em (4.65), e o resultado em (4.63), obtemos que

H1 = gj ωL Jz (4.68)

na qual o fator de Landé gj é

3 S(S + 1) − L(L + 1)
gj = + . (4.69)
2 2J(J + 1)

A relação (4.68) implica que os autoestados de H1 no subespaço E(E0 , L, S, J) são simples-


mente os vetores base |E0 , L, S, J, M i com autovalores

E1 (M ) = gj M ~ωL . (4.70)

Portanto, vimos que o campo magnético remove a degenerescência dos multipletos.

Prof. Salviano A. Leão 74


4.4. Aplicação: Cálculo do fator de Landé gj de um nível atômico

M
E
+ 52

+ 32

+ 12
5
 E0
J= 2 − 12

− 32

− 52
Figura 4.2: Diagrama de energia mostrando a remoção das (2J + 1) degenerescências de um multipleto
(aqui J = 5/2) por um campo magnético B. A distância entre dois níveis de energias adjacentes são
proporcionais ao campo B e ao fator de Landé gJ .

Prof. Salviano A. Leão 75


Referências Bibliográficas

[1] Supriyo Bandyopadhyay and Marc Cahay. An Introduction to Spintronics. CRC Press INC,
2008.

[2] Lev Davídovitch Landau and L. M. Lifshitz. Quantum Mechanics, Third Edition:
Non-Relativistic Theory (Volume 3). Butterworth-Heinemann, 1981. URL: http://www.
amazon.com/Quantum-Mechanics-Third-Edition-Non-Relativistic/dp/0750635398%
3FSubscriptionId%3D0JYN1NVW651KCA56C102%26tag%3Dtechkie-20%26linkCode%
3Dxm2%26camp%3D2025%26creative%3D165953%26creativeASIN%3D0750635398.

[3] Herch Moysés Nussenzveig. Física Básica: Eletromagnetismo, volume 3. Editora Edgard
Blücher, 1 edition, 1997.

[4] Sin-Itiro Tomonaga. The story of spin. The University of Chicago Press, Ltd., London,
1997.
Introduction to Tensor Calculus for General relativity. MIT. URL: http://gen.lib.rus.
ec/book/index.php?md5=39972FE5814E97D719E56C560C0D966C.

[5] Bretislav Friedrich and Dudley Herschbach. Stern and gerlach: How a bad cigar helped
reorient atomic physics. Physics Today, pages 53–59, 12 2003. Um excelente artigo que
conta a historia real do experimento de Stern-Gerlach.

[6] Samuel Abraham Goudsmit. The discovery of the electron spin. Electronic, 1971. URL:
http://lorentz.leidenuniv.nl/history/spin/goudsmit.html.

[7] Andreas Trabesinger. Physics is set spinning. Nature, 3 2008.

[8] Nature milestones spin. http://www.nature.com/milestones/milespin/index.html, 2008.


The Milestones are a series of specially written articles, highlighting the most influential
discoveries in the field of ’spin’ since 1896. Nature Milestones in Spin also includes a
Collection of relevant articles and an online-only Library of papers and reviews from
Nature Publishing Group. This seris has a free access. URL: http://www.nature.com/
milestones/milespin/index.html.

[9] P. A. M. Dirac. The quantum theory of the electron. part ii. Proceedings of the Royal
Society A: Mathematical, Physical and Engineering Sciences, 118(779):351–361, Mar 1928.
URL: http://dx.doi.org/10.1098/rspa.1928.0056, doi:10.1098/rspa.1928.0056.

[10] P. A. M. Dirac. The quantum theory of the electron. Proceedings of the Royal Society
A: Mathematical, Physical and Engineering Sciences, 117(778):610–624, Feb 1928. URL:
http://dx.doi.org/10.1098/rspa.1928.0023, doi:10.1098/rspa.1928.0023.

Prof. Salviano A. Leão 76