Você está na página 1de 32

Interbits – SuperPro ® Web

1. (Ufrgs 2018) Uma barra metálica de 1m de comprimento é submetida a um processo de


aquecimento e sofre uma variação de temperatura. O gráfico abaixo representa a variação Dl ,
em mm, no comprimento da barra, em função da variação de temperatura DT, em � C.

Qual é o valor do coeficiente de dilatação térmica linear do material de que é feita a barra, em
unidades 10-6 � C?
a) 0,2.
b) 2,0.
c) 5,0.
d) 20.
e) 50.

2. (Uece 2018) Seja um anel metálico construído com um fio muito fino. O material tem
coeficiente de dilatação linear α e sofre uma variação de temperatura DT. A razão entre o
comprimento da circunferência após o aquecimento e o comprimento inicial é
a) αDT.
b) 1 (1 + αDT)
c) 1 αDT.
d) 1 + αDT.

3. (Uefs 2018) A figura representa duas barras metálicas, A e B, de espessura e largura


desprezíveis, que apresentam, à temperatura inicial θ0 , comprimentos iniciais L0 e 2 �
L0 ,
respectivamente.

Quando essas barras sofreram uma mesma variação de temperatura Δθ, devido à dilatação
térmica, elas passaram a medir L A e LB . Sendo α A e αB os coeficientes de dilatação térmica
linear de A e B, se α A = 2 �
αB , então
a) LB - L A < 0
b) LB - L A = L A

Página 1 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

c) LB - L A = L0
d) LB - L A > L0
e) LB - L A < L0

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


Na(s) questão(ões) a seguir, quando necessário, use:

- Aceleração da gravidade: g = 10 m s2 ;
- sen 19�= cos 71�= 0,3;
- sen 71�= cos 19�= 0,9;
108 m s;
- Velocidade da luz no vácuo: c = 3,0 �
10-34 J �
- Constante de Planck: h = 6,6 � s;
10-19 J;
- 1 eV = 1,6 �
- Potencial elétrico no infinito: zero.

4. (Epcar (Afa) 2018) Considere dois tubos cilíndricos (1 e 2), verticais, idênticos e feitos do
mesmo material, contendo um mesmo líquido em equilíbrio até a altura de 50,0 cm, conforme
figura a seguir.

As temperaturas nos dois tubos são inicialmente iguais e de valor 35 � C. O tubo 1 é resfriado
até 0 �C, enquanto o tubo 2 é aquecido até 70 � C, e a altura do líquido em cada tubo passa a
ser o valor indicado na figura. Sabendo-se que o coeficiente de dilatação térmica dos tubos é
desprezível quando comparado com o do líquido, o coeficiente de dilatação volumétrica do
líquido, considerado constante, é, em �C-1,
10 -3
a) 1,2 �
10 -3
b) 1,6 �
10 -3
c) 2,4 �
10-3
d) 3,6 �

5. (G1 - ifsul 2017) O que aconteceria se o vidro de um termômetro expandisse mais ao ser
aquecido do que o líquido dentro do tubo?
a) O termômetro quebraria.
b) Ele só poderia ser usado para temperaturas abaixo da temperatura ambiente.
c) Você teria que segurá-lo com o bulbo para cima.
d) A escala no termômetro seria invertida, aproximando os valores mais altos de temperatura
do bulbo.

6. (Uefs 2017) Quase todas as substâncias, sólidas, líquidas ou gasosas, se dilatam com o
aumento da temperatura e se contraem quando sua temperatura é diminuída, e esse efeito tem
muitas implicações na vida diária. Uma tubulação de cobre, cujo coeficiente de dilatação linear
é 1,7 ‫װ‬10-5 C, de comprimento igual a 20,5 m, é usada para se obter água quente.

Página 2 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

Considerando-se que a temperatura varia de 20 �


C a 40 �
C, conclui-se que a dilatação sofrida
pelo tubo, em mm, é igual a
a) 7,43
b) 6,97
c) 5,75
d) 4,86
e) 3,49

7. (G1 - ifsul 2017) A cada ano, milhares de crianças sofrem queimaduras graves com água de
torneiras fervendo. A figura a seguir mostra uma vista em corte transversal de um dispositivo
antiescaldante, bem simplificado, para prevenir este tipo de acidente.

Dentro do dispositivo, uma mola feita com material com um alto coeficiente de expansão
térmica controla o êmbolo removível. Quando a temperatura da água se eleva acima de um
valor seguro preestabelecido, a expansão da mola faz com que o êmbolo corte o fluxo de água.
Admita que o comprimento inicial L da mola não tensionada seja de 2,40 cm e que seu
coeficiente de expansão volumétrica seja de 66,0 �10-6 �
C-1.

Nas condições acima propostas o aumento no comprimento da mola, quando a temperatura da


água se eleva de 30 �
C, é de
a) 1,58 �10-3 cm
b) 4,74 �10 -3 cm
c) 3,16 �10-3 cm
d) 2,37 �10 -3 cm

8. (Fatec 2017) Numa aula de laboratório do curso de Soldagem da FATEC, um dos exercícios
era construir um dispositivo eletromecânico utilizando duas lâminas retilíneas de metais
distintos, de mesmo comprimento e soldadas entre si, formando o que é chamado de “lâmina
bimetálica”.
Para isso, os alunos fixaram de maneira firme uma das extremidades enquanto deixaram a
outra livre, conforme a figura.

Considere que ambas as lâminas estão inicialmente sujeitas à mesma temperatura T0 , e que a
relação entre os coeficientes de dilatação linear seja α A > αB .

Página 3 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

Ao aumentar a temperatura da lâmina bimetálica, é correto afirmar que


a) a lâmina A e a lâmina B continuam se dilatando de forma retilínea conjuntamente.
b) a lâmina A se curva para baixo, enquanto a lâmina B se curva para cima.
c) a lâmina A se curva para cima, enquanto a lâmina B se curva para baixo.
d) tanto a lâmina A como a lâmina B se curvam para baixo.
e) tanto a lâmina A como a lâmina B se curvam para cima.

9. (Unisc 2017) Duas barras metálicas representadas por (A) e (B) possuem comprimentos
iniciais L0A e L0B , coeficientes de dilatação lineares α A e αB e sofreram variações de
temperatura ΔTA e ΔTB , respectivamente. Sabendo que L0A = 5 � L0B , αB = 8 �
αA e
ΔTA = 2 �ΔTB , podemos escrever que a razão entre as variações de comprimento ΔL A e ΔLB ,
ou seja, ΔL A ΔLB vale
a) 0,25
b) 0,50
c) 0,80
d) 1,25
e) 1,50

10. (Uece 2017) Considere a dilatação térmica de duas barras longas e finas, feitas de mesmo
material. Uma delas tem o dobro do comprimento da outra: L1 = 2L2 . Nos dois casos, as barras
sofrem uma mesma mudança de temperatura, ΔT, e dilatam ΔL1 e ΔL 2 . Assim,
ΔL2 ΔL
a) = 2 1.
L2 L1
ΔL 2 ΔL1
b) = .
L2 L1
ΔL2 ΔL1
c) 2 = .
L2 L1
ΔL2 ΔL
d) = 3 1.
L2 L1

11. (G1 - ifsul 2017) Uma chapa retangular, de lados 20 cm e 10 cm, feita de um material cujo
coeficiente de dilatação linear é igual a 22 �10-6 �
C-1, tem um furo circular no seu centro, cujo
diâmetro é 5 cm, à 25 � C. Se a chapa for aquecida até 125 �C, afirma-se que a área do furo
a) diminui e que o diâmetro passa a ser 4,985 cm.
b) não se altera e que o diâmetro continua sendo 5,000 cm.
c) aumenta e que o diâmetro passa a ser 5,011 cm.
d) diminui e que o diâmetro passa a ser 4,890 cm.

12. (Mackenzie 2017) Um cubo regular homogêneo de aresta 20,0 cm está inicialmente a
20,0 �C. O coeficiente de dilatação linear médio do material com que foi fabricado é
2,00 ‫װ‬10 -5 C-1. Aquecendo-se uniformemente o cubo com uma fonte de calor constante
durante 50,0 s, a temperatura se eleva para 120,0 �
C. A dilatação ocorrida em uma das
superfícies do cubo é
a) 4,00 �10 -1 cm2
10 -1 cm2
b) 8,00 �
10 -1 cm2
c) 12,0 �
10 -1 cm2
d) 16,0 �
10 -1 cm2
e) 20,0 �

Página 4 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

13. (G1 - cps 2017) A caminho da erradicação da pobreza, para poder contemplar a todos com
o direito à habitação, as novas edificações devem ser construídas com o menor custo e
demandar cuidados mínimos de manutenção.

Um acontecimento sempre presente em edificações, e que torna necessária a manutenção, é o


surgimento de rachaduras. Há muitas formas de surgirem rachaduras como, por exemplo, pela
acomodação do terreno ou ocorrência de terremotos. Algumas rachaduras, ainda, ocorrem
devido à dilatação térmica.

A dilatação térmica é um fenômeno que depende diretamente do material do qual o objeto é


feito, de suas dimensões originais e da variação de temperatura a que ele é submetido.

Para um objeto como um muro, o acréscimo ou decréscimo da área da superfície do muro é


calculado pela expressão:

ΔS = S0 ��
β Δθ

Em que:
ΔS � representa a variação (acréscimo ou diminuição) da área da superfície que o muro
apresentará;
S0 � é a área original da superfície do muro, antes de ocorrer a dilatação térmica;
β � é uma constante que está relacionada com o material que foi utilizado em sua construção;
Δθ � é a variação de temperatura à qual o muro é submetido.

Considere dois muros feitos com o mesmo material, sendo que o menor deles possui uma área
de superfície igual a 100 m2 , enquanto que o maior tem 200 m2 .

Se o muro menor sofrer uma variação de temperatura de +20 � C e o maior sofrer uma variação
de + 40 �
C, a variação da área da superfície do muro maior em relação à variação da área da
superfície do muro menor, é
a) quatro vezes menor.
b) duas vezes menor.
c) a mesma.
d) duas vezes maior.
e) quatro vezes maior.

14. (Pucrj 2017) Uma placa de vidro possui as dimensões de

1,0 m �1,0 m �1,0 cm

quando está à temperatura ambiente. Seu coeficiente de dilatação linear é 9 �10-6 �


C-1.

Se a placa sofrer uma variação de temperatura de 10 �


C, de quanto será a variação de volume
da placa, em cm3 ?
a) 7,3 �10-11
b) 7,3 �10 -7
c) 9,0 �10 -3
d) 9,0 �10 -1
e) 2,7

15. (Epcar (Afa) 2017) Em um laboratório de física é proposta uma experiência onde os alunos
deverão construir um termômetro, o qual deverá ser constituído de um bulbo, um tubo muito
fino e uniforme, ambos de vidro, além de álcool colorido, conforme a figura abaixo.

Página 5 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

10-2 cm2
O bulbo tem capacidade de 2,0 cm3 , o tubo tem área de secção transversal de 1,0 �
e comprimento de 25 cm.

No momento da experiência, a temperatura no laboratório é 30 � C, e o bulbo é totalmente


preenchido com álcool até a base do tubo. Sabendo-se que o coeficiente de dilatação do álcool
é 11‫װ‬10-4 C-1 e que o coeficiente de dilatação do vidro utilizado é desprezível comparado ao
do álcool, a altura h, em cm, atingida pelo líquido no tubo, quando o termômetro for utilizado
em um experimento a 80 � C, é
a) 5,50
b) 11,0
c) 16,5
d) 22,0

16. (Upe-ssa 2 2017) Neste sábado, começa a maior, mais famosa e mais esperada
competição do ciclismo mundial, o Tour de France. (...) Do dia 2 ao dia 24 de julho, os ciclistas
vão encarar as grandes montanhas francesas e as mais belas paisagens em busca da tão
sonhada camisa amarela. (...) Serão vinte e duas etapas – nove planas, uma de alta montanha,
nove de montanha e duas de relógio individual – e 3.519 km percorridos ao longo de todo o
território francês, uma média de 167,5 km pedalados por dia.

Fonte: http://espn.uol.com.br/noticia/610082_equipes-favoritos-camisas-e-curiosidades-saiba-
tudo-sobre-o-tour-de-france-2016.
Acessado em 15 de julho de 2016. (Adaptado)

Ao longo dessa competição, um ciclista viaja por diversos locais, onde ele e sua bicicleta
experimentam as mais diferentes temperaturas. Desejando um melhor desempenho
aerodinâmico na prova, um atleta analisa o comportamento geométrico dos raios (barras
cilíndricas maciças) disponíveis para instalar nas rodas de sua bicicleta, com a variação de
temperatura. Em seu experimento, dois raios de alumínio, A e B, de comprimentos L e 2L e
diâmetros 4r e 2r, respectivamente, são aquecidos até a mesma temperatura, a partir de uma
mesma temperatura inicial.

A razão entre o aumento de volume do raio A com respeito ao raio do tipo B é


a) 1: 1
b) 1: 2
c) 2 : 1
d) 1: 4
e) 4 : 1

17. (Pucpr 2017) Considere um recipiente de vidro com certo volume de mercúrio, ambos em
equilíbrio térmico numa dada temperatura θ0 , conforme mostra a figura a seguir.

Página 6 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

O conjunto, recipiente de vidro e mercúrio, é colocado num forno à temperatura θ, com θ > θ0 .
Sejam os coeficientes de dilatação volumétrica do vidro e do mercúrio iguais, respectivamente,
a 1,2‫װ‬10-5 C-1 e 1,8‫װ‬10 -4 C-1.

De quantas vezes o volume do recipiente deve ser maior que o volume inicial de mercúrio, para
que o volume vazio do recipiente permaneça constante a qualquer temperatura?
a) 11.
b) 12.
c) 13.
d) 14.
e) 15.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


Considere o campo gravitacional uniforme.

18. (Pucrs 2017) As três placas de um mesmo material metálico, A, B e C, representadas na


figura abaixo são submetidas a um mesmo aumento na temperatura.

Assumindo que todas as placas inicialmente estejam em equilíbrio térmico entre si, o maior
aumento na dimensão paralela ao eixo x e o maior aumento na área ocorrem,
respectivamente, nas placas
a) A e B.
b) A e C.
c) B e A.
d) C e B.
e) C e A.

19. (Udesc 2016) Uma placa de alumínio com um furo circular no centro foi utilizada para
testes de dilatação térmica. Em um dos testes realizados, inseriu-se no furo da placa um
cilindro maciço de aço. À temperatura ambiente, o cilindro ficou preso à placa, ajustando-se

Página 7 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

perfeitamente ao furo, conforme ilustra a figura abaixo.

O valor do coeficiente de dilatação do alumínio é, aproximadamente, duas vezes o valor do


coeficiente de dilatação térmica do aço. Aquecendo-se o conjunto a 200 � C, é correto afirmar
que:
a) o cilindro de aço ficará ainda mais fixado à placa de alumínio, pois, o diâmetro do furo da
placa diminuirá e o diâmetro do cilindro aumentará.
b) o cilindro de aço soltar-se-á da placa de alumínio, pois, em decorrência do aumento de
temperatura, o diâmetro do furo aumentará mais que o diâmetro do cilindro.
c) não ocorrerá nenhuma mudança, pois, o conjunto foi submetido à mesma variação de
temperatura.
d) o cilindro soltar-se-á da placa porque sofrerá uma dilatação linear e, em função da
conservação de massa, ocorrerá uma diminuição no diâmetro do cilindro.
e) não é possível afirmar o que acontecerá, pois, as dimensões iniciais da placa e do cilindro
são desconhecidas.

20. (Uece 2016) Considerando a unidade de medida de temperatura o grau Celsius, a unidade
de medida do coeficiente de dilatação térmica no Sistema Internacional de Unidades é
a) �C-1 .
C-1.
b) m ��
C)-1.
c) (m ��
d) m-1 ��
C.

21. (Mackenzie 2016)

O gráfico mostra a variação da área lateral de um cilindro metálico em função da temperatura,


quando submetido a uma fonte de calor constante. O coeficiente de dilatação volumétrica
média do material que constitui o cilindro é
a) 60,0 ‫װ‬10-6 C-1
b) 120 ‫װ‬10-6 C-1
c) 180 ‫װ‬10 -6 C-1
d) 240 ‫װ‬10-6 C-1

Página 8 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

e) 300 ‫װ‬10-6 C-1

22. (Pucmg 2016) Deseja-se passar uma esfera metálica através de um orifício localizado no
centro de uma chapa metálica quadrada. O diâmetro da esfera é levemente maior que o
diâmetro do furo. Para conseguir esse objetivo, o procedimento CORRETO é:
a) aquecer igualmente a esfera e a chapa.
b) resfriar apenas a chapa.
c) resfriar igualmente a esfera e a chapa.
d) aquecer a chapa.

23. (Upe-ssa 2 2016) Por que os lagos congelam só na superfície?

Porque a camada de gelo funciona como uma espécie de cobertor, impedindo que a água mais
profunda congele. "A capa gelada faz o papel de isolante térmico. Como o gelo é um mau
condutor, ele evita que o resto da água perca calor para a atmosfera", afirma o glaciologista
Jefferson Cardia Simões, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Disponível em: http://mundoestranho.abril.com.br/materia/por-que-os-lagos-congelam-so-na-


superficie, acessado em:

O comportamento diferenciado da densidade da água em baixas temperaturas, quando


comparada com outras substâncias, permite que o fundo dos lagos não congele, preservando a
vida nesses ecossistemas, nos períodos de inverno. Sobre isso, o gráfico que melhor descreve
a variação da densidade da água, d, com a temperatura, T, está indicado na alternativa

a)

b)

c)

d)

Página 9 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

e)

24. (G1 - ifsul 2016) Nos rolamentos de automóveis, são utilizadas algumas pequenas esferas
de aço, para facilitar o movimento e minimizar desgastes, conforme representa a figura abaixo.

Após certo tempo de funcionamento, a temperatura das esferas aumenta em 300 �


C devido ao
atrito.

Considere que o volume de uma esfera contida em um rolamento é 1mm3 e que o coeficiente
de dilatação linear do aço é 11�10-6 � C-1. Nas condições propostas acima, conclui-se que a
variação do volume e o volume de cada esfera, após o aquecimento em virtude do
aquecimento por atrito, são, respectivamente:
a) 1,0099 mm3 e 0,0099 mm3 .
b) 0,0066 mm3 e 1,0066 mm3 .
c) 0,0099 mm3 e 1,0099 mm3 .
d) 1,0066 mm3 e 0,0066 mm3 .

25. (Upe-ssa 2 2016) Com base nos conhecimentos acerca da expansão térmica dos sólidos,
sabe-se que, ao aquecer uma esfera feita de alumínio, em 100�
C, o maior aumento percentual
vai ocorrer na (no)
a) sua área de superfície.
b) seu volume.
c) seu diâmetro.
d) sua densidade.
e) sua massa.

26. (G1 - ifce 2016) Uma esfera de aço tem volume de 1.000 cm3 em uma temperatura de
20 �C. Este material possui um coeficiente de dilatação linear médio de 1,2 �10-5 �
C-1. A
esfera é aquecida até 220 �C.

Nestas condições, a dilatação sofrida pela esfera após o aquecimento, em cm3 , é


a) 3,6.
b) 6,0.

Página 10 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

c) 4,8.
d) 7,2.
e) 2,4.

27. (G1 - cftmg 2016) Para verificar se uma pessoa está febril, pode-se usar um termômetro
clínico de uso doméstico que consiste em um líquido como o mercúrio colocado dentro de um
tubo de vidro graduado, fechado em uma das extremidades e com uma escala indicando os
valores de temperatura. Em seguida, coloca-se o termômetro debaixo da axila e aguardam-se
alguns minutos para fazer a leitura.

As afirmativas a seguir referem-se ao funcionamento do termômetro.

I. A temperatura marcada no termômetro coincidirá com a temperatura de ebulição do mercúrio


do dispositivo.
II. A temperatura marcada na escala do termômetro está relacionada com a dilatação térmica
do mercúrio.
III. O tempo de espera citado acima refere-se ao tempo necessário para que se atinja o
equilíbrio térmico entre o paciente e o termômetro.
IV. Se a substância do mesmo termômetro for trocada por álcool, a temperatura indicada será a
mesma.

As afirmativas corretas são


a) I e II.
b) I e IV.
c) II e III.
d) III e IV.

28. (Eear 2016) Um cidadão parou às 22h em um posto de combustível para encher o tanque
de seu caminhão com óleo diesel. Neste horário, as condições climáticas eram tais que um
termômetro, bem calibrado fixado em uma das paredes do posto, marcava uma temperatura de
10 �C. Assim que acabou de encher o tanque de seu veículo, percebeu o marcador de
combustível no nível máximo. Descansou no mesmo posto até às 10h do dia seguinte quando
o termômetro do posto registrava a temperatura de 30 �C. Observou, no momento da saída,
que o marcador de combustível já não estava marcando nível máximo.

Qual afirmação justifica melhor, do ponto de vista da física, o que aconteceu? Desconsidere a
possibilidade de vazamento do combustível.
a) O calor faz com que o diesel sofra contração.
b) O aumento da temperatura afeta apenas o tanque de combustível.
c) O tanque de combustível tem coeficiente de dilatação maior que o próprio combustível.
d) O tanque metálico de combustível é um isolante térmico, não permitindo o aquecimento e
dilatação do diesel.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


Se necessário, use
aceleração da gravidade: g = 10 m / s2
densidade da água: d = 1,0 kg / L
calor específico da água: c = 1 cal / g �
C
1 cal = 4 J
109 N �
constante eletrostática: k = 9 ,0 � m2 / C2
constante universal dos gases perfeitos: R = 8 J / mol �
K

29. (Epcar (Afa) 2016) Consultando uma tabela da dilatação térmica dos sólidos verifica-se
que o coeficiente de dilatação linear do ferro é 13 ‫װ‬10 -6 C-1. Portanto, pode-se concluir que

Página 11 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

C o comprimento de uma barra de ferro de 10,0 m


a) num dia de verão em que a temperatura variar 20�
sofrerá uma variação de 2,6 cm
b) o coeficiente de dilatação superficial do ferro é 169 ‫װ‬10 -6 C-1
C de variação de temperatura, o comprimento de uma barra de 1,0 m desse
c) para cada 1�
10 -6 m
material varia 13 �
d) o coeficiente de dilatação volumétrica do ferro é 39 ‫װ‬10-18 C-1

30. (Ufrgs 2015) Duas barras metálicas, X e Y, mesmo comprimento (I) em temperatura
ambiente T0 , são aquecidas uniformemente até uma temperatura T. Os materiais das barras
têm coeficientes de dilatação linear, respectivamente α X e a Y , que são positivos e podem ser
considerados constantes no intervalo de temperatura DT = T - T0 .
Na figura abaixo, a reta tracejada X representa o acréscimo relativo Dl / l no comprimento da
barra X, em função da variação da temperatura.

Sabendo que α Y = 2α X , assinale a alternativa que indica a reta que melhor representa o
acréscimo Dl / l no comprimento da barra Y, em função da variação da temperatura.
a) 1
b) 2
c) 3
d) 4
e) 5

31. (Pucrs 2015) Num laboratório, um grupo de alunos registrou o comprimento L de uma
barra metálica, à medida que sua temperatura T aumentava, obtendo o gráfico abaixo:

Pela análise do gráfico, o valor do coeficiente de dilatação do metal é

Página 12 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

10 -5 C-1
a) 1,05 �
10-5 C-1
b) 1,14 �
10-5 C-1
c) 1,18 �
10 -5 C-1
d) 1,22 �
10-5 C-1
e) 1,25 �

32. (Unesp 2015) Dois copos de vidro iguais, em equilíbrio térmico com a temperatura
ambiente, foram guardados, um dentro do outro, conforme mostra a figura. Uma pessoa, ao
tentar desencaixá-los, não obteve sucesso. Para separá-los, resolveu colocar em prática seus
conhecimentos da física térmica.

De acordo com a física térmica, o único procedimento capaz de separá-los é:


a) mergulhar o copo B em água em equilíbrio térmico com cubos de gelo e encher o copo A
com água à temperatura ambiente.
b) colocar água quente (superior à temperatura ambiente) no copo A.
c) mergulhar o copo B em água gelada (inferior à temperatura ambiente) e deixar o copo A
sem líquido.
d) encher o copo A com água quente (superior à temperatura ambiente) e mergulhar o copo B
em água gelada (inferior à temperatura ambiente).
e) encher o copo A com água gelada (inferior à temperatura ambiente) e mergulhar o copo B
em água quente (superior à temperatura ambiente).

33. (Epcar (Afa) 2015) Com relação à dilatação dos sólidos e líquidos isotrópicos, analise as
proposições a seguir e dê como resposta a soma dos números associados às afirmações
corretas.

(01) Um recipiente com dilatação desprezível contém certa massa de água na temperatura de
1� C, quando é, então, aquecido lentamente, sofrendo uma variação de temperatura de
6�C. Nesse caso, o volume da água primeiro aumenta e depois diminui.
(02) Quando se aquece uma placa metálica que apresenta um orifício, verifica-se que, com a
dilatação da placa, a área do orifício aumenta.
(03) Quando um frasco completamente cheio de líquido é aquecido, este transborda um pouco.
O volume de líquido transbordado mede a dilatação absoluta do líquido.
(04) O vidro pirex apresenta maior resistência ao choque térmico do que o vidro comum porque
tem menor coeficiente de dilatação térmica do que o vidro comum.
(05) Sob pressão normal, quando uma massa de água é aquecida de 0� C até 100� C sua
densidade sempre aumenta.
(06) Ao se elevar a temperatura de um sistema constituído por três barras retas e idênticas de
ferro interligadas de modo a formarem um triângulo isósceles, os ângulos internos desse
triângulo não se alteram.
a) 07.
b) 10.
c) 11.
d) 12.

Página 13 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

34. (Uern 2015) A tabela a seguir apresenta os coeficientes de dilatação linear de alguns
metais:

Metais C -1 )
Coeficiente de dilatação linear (�
ferro 10-6
12 �
cobre 10-6
17 �
alumínio 10 -6
22 �
zinco 10 -6
26 �

Uma placa de metal de área 1m2 a 20�


C é aquecida até atingir 100�
C apresentando uma
variação de 35,2cm2 em sua área. O metal que constitui essa placa é o
a) ferro.
b) cobre.
c) zinco.
d) alumínio.

35. (Upe 2015) Ao lavar pratos e copos, um cozinheiro verifica que dois copos estão
encaixados firmemente, um dentro do outro. Sendo o copo externo feito de alumínio e o
interno, de vidro, sobre as formas de separá-los, utilizando os princípios básicos de dilatação
térmica, analise os itens a seguir:

I. Aquecendo apenas o copo de vidro.


II. Esfriando apenas o copo de alumínio.
III. Aquecendo ambos.
IV. Esfriando ambos.

Dados: os coeficientes de dilatação térmica do alumínio e do vidro são iguais a


a Al = 24 �10-6 �
C-1 e avidro = 0,5 �10 -6 �
C-1, respectivamente.

Está(ão) CORRETO(S) apenas


a) I e II.
b) I.
c) II.
d) III.
e) IV.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


Considere os dados abaixo para resolver a(s) questão(ões), quando for necessário.

Constantes físicas
Aceleração da gravidade próximo à superfície da Terra: g = 10m s2
Aceleração da gravidade próximo à superfície da Lua: g = 1,6m s2
Densidade da água: ρ = 1,0 g cm3
Velocidade da luz no vácuo: c = 3,0 �108m s
Constante da lei de Coulomb: k 0 = 9,0 �109 N �
m2 C2

36. (Cefet MG 2015) A FIG. 1(a) mostra como duas barras de materiais diferentes estão fixas
entre si e a um suporte e a FIG. 1(b) mostra essas mesmas barras, após terem sofrido uma
variação de temperatura ΔT.

Página 14 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

Sabendo-se que os coeficientes médios de expansão linear dessas barras são α1 e α 2 , é


correto afirmar que
a) Se α1 < α 2 , então ΔT > 0.
b) Se α1 > α 2 , então ΔT < 0.
c) Se α1 > α 2 , então ΔT > 0.
d) ΔT < 0, independentemente de α1 e α 2 .
e) ΔT > 0, independentemente de α1 e α 2 .

37. (Udesc 2014) Certo metal possui um coeficiente de dilatação linear α. Uma barra fina
deste metal, de comprimento L0 , sofre uma dilatação para uma dada variação de temperatura
ΔT. Para uma chapa quadrada fina de lado L0 e para um cubo também de lado L0 , desse
mesmo metal, se a variação de temperatura for 2ΔT, o número de vezes que aumentou a
variação da área e do volume, da chapa e do cubo, respectivamente, é:
a) 4 e 6
b) 2 e 2
c) 2 e 6
d) 4 e 9
e) 2 e 8

38. (Upe 2014) Uma barra de coeficiente de dilatação α = 5 π �10-4 �


C-1, comprimento 2,0 m
e temperatura inicial de 25 �
C está presa a uma parede por meio de um suporte de fixação S.
A outra extremidade da barra B está posicionada no topo de um disco de raio R = 30 cm.
Quando aumentamos lentamente a temperatura da barra até um valor final T, verificamos que
o disco sofre um deslocamento angular Δθ = 30�no processo. Observe a figura a seguir:

Supondo que o disco rola sem deslizar e desprezando os efeitos da temperatura sobre o
suporte S e também sobre o disco, calcule o valor de T.
a) 50 �C
b) 75 �C
c) 125 �C
d) 300 �C
e) 325 �C

39. (Uepb 2014) Quando ocorre um impedimento à livre dilatação ou contração de um corpo,
surgem forças internas de tensão que podem levá-lo a se romper ou a se deformar. Por isso,
há muitas situações do cotidiano em que a dilatação ou contração técnica é “facilitada” para
evitar problemas desse tipo. Por exemplo: nas ferrovias, as barras de trilho devem ser

Página 15 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

assentadas com um espaço entre elas, para permitir a livre dilatação quando a temperatura
variar. Se isso não fosse jeito, os trilhos poderiam se entortar, devido à tensão a que ficariam
submetidos.

(Adaptado de JUNIOR. F. R. Os Fundamentos da Física. 8. ed. vol. 2. São Paulo: Moderna.


2003, p. 32)

Com base nas informações acima, analise a seguinte situação-problema:


Em geral, os trilhos de uma ferrovia têm um comprimento de 15 m e são instalados sobre os
dormentes quando a temperatura é de 25 � C. Considere que os trilhos têm um coeficiente
linear de 10 �10 -6 C-1. Em um dia ensolarado de verão, a temperatura dos trilhos pode atingir
55 �C. Qual deve ser a distância de dilatação mínima entre os trilhos de modo a evitar que as
extremidades de dois trilhos consecutivos se juntem e se deformem, podendo ocasionar um
acidente?
a) 9,0 �10 -4 m
b) 9,0 �10 -3 m
c) 4,5 �10 -4 m
d) 4,5 �10 -3 m
e) 24,0 �10-3 m

40. (Fuvest 2014) Uma lâmina bimetálica de bronze e ferro, na temperatura ambiente, é fixada
por uma de suas extremidades, como visto na figura abaixo.

Nessa situação, a lâmina está plana e horizontal. A seguir, ela é aquecida por uma chama de
gás. Após algum tempo de aquecimento, a forma assumida pela lâmina será mais
adequadamente representada pela figura:

Note e adote:
O coeficiente de dilatação térmica linear do ferro é 1,2 �10-5 �
C-1.
O coeficiente de dilatação térmica linear do bronze é 1,8 �10-5 �
C-1.
Após o aquecimento, a temperatura da lâmina é uniforme.

a)

b)

c)

d)

e)

Página 16 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

41. (G1 - cps 2014) Quem viaja de carro ou de ônibus pode ver, ao longo das estradas, torres
de transmissão de energia tais como as da figura.

Olhando mais atentamente, é possível notar que os cabos são colocados arqueados ou, como
se diz popularmente, “fazendo barriga”.

A razão dessa disposição é que


a) a densidade dos cabos tende a diminuir com o passar dos anos.
b) a condução da eletricidade em alta tensão é facilitada desse modo.
c) o metal usado na fabricação dos cabos é impossível de ser esticado.
d) os cabos, em dias mais frios, podem encolher sem derrubar as torres.
e) os ventos fortes não são capazes de fazer os cabos, assim dispostos, balançarem.

42. (Pucrs 2014) O piso de concreto de um corredor de ônibus é constituído de secções de


20m separadas por juntas de dilatação. Sabe-se que o coeficiente de dilatação linear do
concreto é 12 �10-6 � C-1, e que a variação de temperatura no local pode chegar a 50°C entre
o inverno e o verão. Nessas condições, a variação máxima de comprimento, em metros, de
uma dessas secções, devido à dilatação térmica, é
a) 1,0 �10-2
b) 1,2 �10-2
c) 2,4 �10 -4
d) 4,8 �10 -4
e) 6,0 �10 -4

43. (Enem PPL 2014) Para a proteção contra curtos-circuitos em residências são utilizados
disjuntores, compostos por duas lâminas de metais diferentes, com suas superfícies soldadas
uma à outra, ou seja, uma lâmina bimetálica. Essa lâmina toca o contato elétrico, fechando o
circuito e deixando a corrente elétrica passar. Quando da passagem de uma corrente superior à
estipulada (limite), a lâmina se curva para um dos lados, afastando-se do contato elétrico e,
assim, interrompendo o circuito. Isso ocorre porque os metais da lâmina possuem uma
característica física cuja resposta é diferente para a mesma corrente elétrica que passa no
circuito.

A característica física que deve ser observada para a escolha dos dois metais dessa lâmina
bimetálica é o coeficiente de
a) dureza.
b) elasticidade.
c) dilatação térmica.

Página 17 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

d) compressibilidade.
e) condutividade elétrica.

44. (Upf 2014) O diâmetro externo de uma arruela de metal é de 4,0 cm e seu diâmetro interno
é de 2,0 cm. Aumentada a temperatura da arruela de ΔT, observa-se que seu diâmetro externo
aumenta em Δd. Então, pode-se afirmar que seu diâmetro interno:
a) diminui de Δd.
b) diminui de Δd 2.
c) aumenta de Δd.
d) aumenta de Δd 2.
e) não varia.

45. (Ufg 2014) Uma longa ponte foi construída e instalada com blocos de concreto de 5 m de
comprimento a uma temperatura de 20°C em uma região na qual a temperatura varia ao longo
do ano entre 10°C e 40°C. O concreto destes blocos tem coeficiente de dilatação linear de 10 -
5
°C-1. Nessas condições, qual distância em cm deve ser resguardada entre os blocos na
instalação para que, no dia mais quente do verão, a separação entre eles seja de 1 cm?
a) 1,01
b) 1,10
c) 1,20
d) 2,00
e) 2,02

Página 18 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

Gabarito:

Resposta da questão 1:
[D]

A dilatação linear é dada pela expressão:


ΔL = L0 � α�ΔT

Onde:
ΔL = dilatação linear em metros;
L0 = Comprimento inicial em metros;
C-1;
α = Coeficiente de dilatação linear em �
ΔT = Variação da temperatura em °C.

Do gráfico dado, escolhemos um ponto:

Juntando a expressão da dilatação linear ΔL com os dados fornecidos pelo enunciado e pelo
gráfico, temos:
ΔL 10 -3 m
1,2 �
ΔL ‫=\=װ‬ α =Δ���
L0 � T α= α α 20 10-6 C
ΔT
L0 ‫�װ‬ 1m 60 C

Resposta da questão 2:
[D]

Pela equação da dilatação linear, temos:


L = L0 ( 1 + αΔT )
L
\ = 1 + αΔT
L0

Resposta da questão 3:
[C]

Considerando a dilatação linear, o comprimento final de cada barra é:


( 1 + α A �Δθ) = L0 �( 1 + 2 �αB �Δθ)
L A = L0 �
LB = 2 � ( 1 + αB �Δθ)
L0 �

Assim, fazendo a diferença:

Página 19 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

LB - L A = 2 � ( 1 + αB �Δθ) - L0 �( 1 + 2 �αB �Δθ)


L0 �
LB - L A = 2 �
L0 + 2 �
L0 � Δθ - L0 - 2 �
αB � αB �
L0 � Δθ
LB - L A = L0

Resposta da questão 4:
[A]

Sendo Ab a área da base de cada cilindro, a variação do volume deles será:


ΔV1 = 47,9A b - 50A b = 2,1A b cm3
ΔV2 = 52,1A b - 50A b = 2,1A b cm3

Variação das temperaturas dos cilindros:


Δθ1 = 0�C - 35�C = 35�C
Δθ2 = 70�
C - 35�
C = 35�
C

Escolhendo os dados de quaisquer um dos cilindros para o cálculo, obtemos:


ΔV = V0 γΔθ
2,1A b = 50A b �
γ�35
‫װ‬ = \ γ 1,2 10-3 C-1

Resposta da questão 5:
[D]

Neste caso, o aumento de temperatura dilataria mais o vidro do que o fluido termométrico,
fazendo com que o valor da escala diminuísse ao invés de aumentar. Portanto, o bulbo deveria
ser calibrado para a temperatura mais baixa, com a máxima quantidade de fluido, e sua escala
estaria invertida.

Resposta da questão 6:
[B]

Usando a expressão da dilatação linear colocando o comprimento inicial em milímetros:


ΔL = L0 �
α�ΔT
-�‫��װ‬
ΔL �20,5 103 =mm 1,7 10 -5 C -1 ( 40 20 ) C
ΔL = 6,97 mm

Resposta da questão 7:
[A]

A dilatação térmica da mola é dada por:


ΔL = L0 �α� ΔT

São dados o comprimento inicial da mola L0 , a variação de temperatura ΔT e o coeficiente de


expansão volumétrica γ. Este último dado é uma “pegadinha”, pois necessitamos é do
coeficiente de dilatação linear do material α, que é a terça parte do coeficiente volumétrico:
γ 66,0 �10-6 �
C -1
α= �α = \ α = 22,0 �10-6 �
C -1
3 3

Agora calculando a dilatação linear, temos:


ΔL = 2,40 cm �22,0 �10 -6 �C -1 �
30 � C
10 -3 cm
\ ΔL = 1,584 �

Página 20 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

Resposta da questão 8:
[D]

A lâmina de maior coeficiente (A) sofre maior dilatação e tende a envolver a de menor
coeficiente (B) e ambas se curvam para baixo, como ilustrado na figura.

Resposta da questão 9:
[D]

A dilatação de cada barra é dada por:


ΔL A = L 0A �
αA �ΔTA e
ΔLB = L0B � αB �ΔTB

Dividindo as duas equações e substituindo os valores informados, temos:


L � α � ΔTA 5� L0B �α A ��2 ΔTB
ΔL A ΔLB = 0A A � ΔL A ΔLB = \ ΔL A ΔLB = 1,25
αB �
L0B � ΔTB 8 α A �ΔTB
L0B ��

Resposta da questão 10:


[B]

� ΔL1
�ΔL1 = L1 α ΔT � = α ΔT
� L1 ΔL2 ΔL1
� � = .
� ΔL 2 L2 L1
ΔL2 = L 2 α ΔT � = α ΔT
� L2

Resposta da questão 11:


[C]

O furo responde a um aumento de temperatura do mesmo modo como se fosse o metal, ou


seja, aumenta sua área.

O cálculo da área do furo pode ser feita com a equação da dilatação superficial:

ΔS = S0 ��
β Δ T = S0 �
2α �
ΔT
π
( 5 cm ) 2 2= 22 10-6 C-1 ( 125 25 ) C
ΔS �-��‫��״‬
4
π
25 cm2 =2 22 10-6 C -1 100 C 275 π 10 -4 cm2
ΔS �=‫��״�װ‬
4
ΔS = 2,75 π �10-2 cm2

A superfície final é a soma entre a superfície inicial e a dilatação:

S = S0 + ΔS
25 π 25,11π
S= cm2 + 2,75 π �10 -2 cm2 \ S = cm2
4 4

Portanto, o diâmetro final é:

Página 21 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

D = 25,11 \ D = 5,011 cm

Resposta da questão 12:


[D]

ΔA = A 0 ��
β Δθ
β = 2α
ΔA = A 0 �
2α �
Δθ
ΔA = 202 � 105 ) �
2(2,00 � (120 - 20)
10 -1 cm2
ΔA = 16,0 �

Resposta da questão 13:


[E]

Dilatação térmica do muro maior:


S0=\
ΔS1 ‫�װ‬ =1���
β‫�װ‬Δθ ΔS=
1 200 m2 β 40 C ΔS1 8000 m2 β C
1

Dilatação térmica do muro menor:


S0=\
ΔS2 ‫�װ‬ =���
β Δθ
‫�װ‬ 2 ΔS=2 100 m2 β 20 C ΔS2 2000 m2 β C
2

A razão das dilatações térmicas será:


ΔS1 8 000 m2 ‫�װ‬
β C ΔS1
= \ =4
ΔS2 2000 m2 ‫�װ‬β C ΔS 2

Portanto, a razão será 4 vezes maior.

Resposta da questão 14:


[E]

V0 = 102 �
102 ��
1 V0 = 104 cm3
ΔV = 3 �
α� 9 10-6 �
Δθ � ΔV = 3 ��
V0 � 10 4 �
10 � ΔV = 2,7 cm3

Resposta da questão 15:


[B]

Dados: V0 = 2cm3 ; γ = 11�10 -4 ; A = 1�10-2 cm2 ; θ0 = 30 °C; θ = 80 �


C.

Aplicando a expressão da dilatação volumétrica:


V0 γ-( θ - θ0 ) ‫ ״‬10-4 ( 80 30 )
2 11
ΔV = V0 γ ( θ - θ0 ) � A h = V0 γ ( θ - θ0 ) � h = = � h = 11 cm.
A 1�10-2

Resposta da questão 16:


[C]

A dilatação volumétrica de cada barra cilíndrica é dada por:


ΔV = V0 � γ� ΔT

Logo, a razão entre as dilatações das duas barras cilíndricas será:


ΔVA V0A � γ� ΔT
=
ΔVB γ�
V0B � ΔT

Página 22 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

Como os materiais das barras e as diferenças de temperaturas são iguais, simplificamos,


ΔVA V0A
=
ΔVB V0B

Os cilindros estão representados na figura:

π 2
E sabendo que o volume de um cilindro é calculado com a equação: V = D h
4
π
ΔVA
( 4r ) 2 �L ΔVA 16 r 2 ΔV
4 2
= � = \ A =
ΔVB π ΔVB 2 ΔVB 1
( 2r ) 2 �2L 8r
4

Resposta da questão 17:


[E]

As equações que representam as dilatações volumétricas do vidro e do mercúrio são:


ΔVvidro = V0,vidro � ΔT ( 1)
α vidro �
ΔVHg = V0,Hg �
α Hg �
ΔT ( 2)
As dilatações volumétricas tanto do vidro como do mercúrio devem ser iguais para permanecer
o volume de vazios constantes, portanto:
ΔVvidro = ΔVHg ( 3 )

Igualando as duas equações e simplificando as variações de temperatura:


αHg �ΔT ( 4 )
α vidro �ΔT = V0,Hg �
V0,vidro �

Fazendo a razão entre os volumes iniciais e substituindo os coeficientes de dilatação


volumétrica para cada material, temos:
V0,vidro αHg
= ( 5)
V0,Hg α vidro
V0,vidro ‫ װ‬-4 C-1
1,8 10 V0,vidro
= � = 15
V0,Hg -5 -1 V0,Hg
‫װ‬
1,2 10 C

Resposta da questão 18:


[E]

Página 23 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

A dilatação linear depende do comprimento inicial, do material e da diferença de temperatura,


portanto, como as placas são do mesmo material e sofrem a mesma variação de temperatura,
a dilatação depende do comprimento na direção paralela ao eixo x, sendo assim as placas
com maior comprimento em x, as placa A e C, terão maior dilatação neste eixo. E o maior
aumento de área depende da maior área inicial, sendo a placa A a que terá maior dilatação
superficial.
Portanto, a resposta correta é a [E].

Resposta da questão 19:


[B]

Como o coeficiente de dilatação do alumínio é maior que o coeficiente de dilatação do aço, logo
o alumínio irá se dilatar mais que o aço.

Resposta da questão 20:


[A]

A expressão da dilatação térmica linear é:


ΔL
ΔL = L0 α ΔT � α = .
L0 ΔT

Aplicando as unidades do Sistema Internacional:


�m �
α =�
��
�� � �� α =�
�� K -1 �
.
�m �K�� � �

Por falta de opções, adota-se a alternativa [A].

Resposta da questão 21:


[C]

A dilatação superficial é dada por:


ΔA = A 0 ��
β ΔT (1)

Sendo o coeficiente de dilatação superficial relacionado ao coeficiente de dilatação linear


β = 2α (2)

E para responder a pergunta necessitamos do coeficiente de dilatação volumétrica γ que


também se relaciona com o coeficiente de dilatação linear na seguinte forma:
γ = 3α (3)

Substituindo a equação (2) na equação (1) e explicitando α :


ΔA ΔA ΔA
β= � 2α = �α =
A0 � ΔT A0 �ΔT 2�A0 �ΔT
( 5,06 - 5,00 ) m2
\ α = α 6 10 -5 C-1
5 m2 �
2� ( 110 - 10 ) �C
E, finalmente, usando a equação (3):
γ ‫=װ‬3‫װ‬α=\‫�װ‬ 3 =6 10 -5 C-1
γ =� γ 18 10 -5 C-1 180 10 -6 C-1

Resposta da questão 22:


[D]

Como a esfera é maior que o furo, podemos reduzir o tamanho da esfera e/ou aumentar o
tamanho do furo. Para tanto, temos que resfriar a esfera e/ou aquecer a chapa,
respectivamente. A única opção possível dentro das alternativas apresentadas é da letra [D].

Página 24 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

Resposta da questão 23:


[B]

De 0� C a 4� C a água sofre contração no seu volume, portanto, aumento na densidade.



A partir de C ela sofre dilatação, causando diminuição na densidade. Portanto, uma porção
4
de água tem densidade máxima a 4� C.

Resposta da questão 24:


[C]

A dilatação volumétrica é:

ΔV = V0 ( 3 α ) Δθ = 1�3 �11�10-6 �300 = 9,9 �10-3 � ΔV = 0,0099mm3 .

O volume final é:
V = V0 + ΔV = 1 + 0,0099 � V = 1,0099mm3 .

Resposta da questão 25:


[B]

Como o coeficiente de dilatação volumétrica é maior que o linear e o superficial,o maior


aumento percentual ocorre no volume.

Resposta da questão 26:


[D]

Aplicando a expressão da dilatação volumétrica:

Δ V =� Δθ===V0 ( 3 α ) Δθ 1.000 3 1,2 10-5 ( 220 20 )


V0-γ‫�״‬ ΔV 7,2cm3 .

Resposta da questão 27:


[C]

[I] Incorreta. A temperatura indicada é a da axila do paciente.


[II] Correta. Ao ser aquecido, o mercúrio dilata aumentando o comprimento da coluna.
[III] Correta.
[IV] Incorreta. O álcool e o mercúrio têm diferentes coeficientes de dilatação térmica,
acarretando diferentes comprimentos para a coluna.

Resposta da questão 28:


[C]

O tanque de combustível tem coeficiente de dilatação maior que o próprio combustível. Dessa
forma o combustível irá se dilatar e o tanque irá se dilatar mais que o combustível. Não
havendo vazamento de combustível.

[A] O calor faz com que o diesel sofra contração dilatação.


[B] O aumento da temperatura afeta apenas o tanque de combustível e o combustível.
[D] O tanque metálico de combustível é um isolante condutor térmico, não permitindo o
aquecimento e dilatação do diesel.

Resposta da questão 29:


[C]

Aplicando a expressão da dilatação linear ΔL = L0 �


α�ΔT e testando as alternativas:

Página 25 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

[A] (Falsa). ΔL ==10 m 13= 10 -6 C-1 20 C


�‫�װװ‬ ΔL 0,0026 m 0,26 cm
[B] (Falsa). β ‫=װ‬2‫�װ‬
α =�β = 2 13 10-6 C -1 26 10 -6 C -1.
[C] (Verdadeira). Este valor corresponde exatamente ao coeficiente de dilatação linear do
material, ou seja, 13 ‫װ‬10-6 C-1.
[D] (Falsa). γ ‫=װ‬3�‫�װ‬ ��3= 13 10 -6 C-1
α =γ γ 39 10 -6 C-1.

Resposta da questão 30:


[C]

Da expressão da dilatação linear:


Δl
Δ l = l α ΔT � = α ΔT.
l

Matematicamente, o coeficiente de dilatação ( α) representa a declividade da reta que é igual à


tangente do ângulo  que a reta forma com o eixo das abscissas. Então, como α Y = 2α X ,
tg θ Y = 2 tg θX .

Com esse raciocínio, concluímos que a reta que melhor representa o acréscimo Dl / l em
função da variação da temperatura no comprimento da barra Y, é a reta 3.

Resposta da questão 31:


[E]

ΔL 801 - 800 1
Δ L = L 0 α ΔT � α = = = = 0,125 �10-4 �
L0 ΔT 800 ( 110 - 100 ) 80.000

α = 1,25 �10-5 �
C -1.

Resposta da questão 32:


[E]

Enchendo o copo A com água gelada ele sofre contração e mergulhando o copo B em água
quente ele sofre dilatação, criando uma folga entre eles, possibilitando a separação.

Resposta da questão 33:


[D]

Análise de cada afirmativa:

[01] (Falsa) A água sofre uma dilatação anômala, pois de 0� C até 4� C o seu volume diminui
(temperatura de maior densidade da água). Além dos 4 �
C, o volume começa a aumentar
de acordo como a maioria das substâncias se comporta com o aumento da temperatura.
[02] (Verdadeira) O orifício da placa se comporta como se fosse feito com o mesmo material da
placa, portanto também se dilata, aumentando sua área.
[03] (Falsa) O volume de líquido transbordado mede a dilatação aparente do líquido, já que a
dilatação absoluta é dada pela dilatação do frasco mais o volume do líquido transbordado.
[04] (Verdadeira) Quanto menor coeficiente de dilatação térmica, menor é a dilatação térmica e
maior a resistência ao choque térmico.
[05] (Falsa) De 0� C até 4� C a densidade da água aumenta.
[06] (Verdadeira) A dilatação depende do material, do comprimento inicial e da diferença de
temperatura. Como, neste caso, temos o mesmo material e mesma variação de
temperatura, as dimensões dilatadas serão proporcionais e os ângulos internos do
triângulo isósceles serão iguais.

Página 26 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

Soma das alternativas verdadeiras é:


02 + 04 + 06 = 12.

Resposta da questão 34:


[D]

Sabendo que a dilatação superficial de uma placa é dada por


ΔA = Ao ��
β ΔT

Na qual β é o coeficiente de dilatação superficial que é igual a 2 vezes o coeficiente de


dilatação linear (α ). Assim,
ΔA = Ao ��β ΔT

( 35,2 �10-4 ) = 1�( 2 �α ) �( 80 )


10-4
35,2 �
α=
160
‫ װ‬α = 22 10-6 C-1

Desta fora, analisando a tabela fornecida, fica claro que a placa é feita de alumínio.

Resposta da questão 35:


[D]

A figura apresenta os copos A e B firmemente encaixados, sendo A de vidro e B de alumínio.

As possíveis soluções para soltá-los são:


- resfriar somente o copo A para haver contração, enchendo-o com água gelada;
- aquecer somente o copo B para haver dilatação, imergindo-o em água quente;
- fazer simultaneamente os dois processos anteriores;
- aquecer os dois copos, pois o copo B, de alumínio, tem maior coeficiente de dilatação.

Resposta da questão 36:


[C]

Pelas ilustrações do enunciado, é fácil notar que a barra 1 dilatou mais que a barra 2. Se a
dilatação linear é dada por,
ΔL = L0 �α� ΔT

Como L0 e ΔT são iguais para as duas barras, então:


α1 > α 2

Página 27 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

E como o tamanho aumentou � ΔT > 0.

Resposta da questão 37:


[B]

Para variações de temperatura ΔT e 2ΔT, as variações da área e do volume são:


ΔA1 = A 0 2 α ΔT

� ΔA 2
� � = 2.
ΔA = A 0 2 α ( 2 ΔT )
� ΔA1
� 2

ΔV1 = V0 3 α ΔT

� ΔV2
� � = 2.
ΔV = V0 3 α ( 2 ΔT )
� ΔV1
� 2

Resposta da questão 38:


[C]

Gabarito Oficial: [B]


Gabarito SuperPro®: [C]

Dados: α = 5π �10-4 �
C-1; L0 = 2 m = 200 cm; R = 30 cm; Δθ = 30�= π 6 rad.

A figura ilustra a situação.

Analisando a figura, nota-se que, quando o disco gira de um ângulo Δθ, não havendo
escorregamento entre ele e a barra, o ponto P do disco sofre um correspondente
deslocamento angular igual a a. Em relação ao centro do cilindro, a extremidade livre da barra
também avança uma distância igual a a.

Usando a definição de ângulo em radiano:


a π a
Δθ = � = � a = 5 π cm.
R 6 30

Como também não há escorregamento entre o disco e o piso, o ponto Q do disco também
sofre um deslocamento angular igual a a.

Assim, como ilustra a figura, em relação à parede, a extremidade livre da barra avança:
ΔL = 2 a = 2(5 π) � ΔL = 10 π cm.

Página 28 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

Aplicando a expressão da dilatação linear:


ΔL 10 π
ΔL = L0 α ΔT � ΔT = � T - 25 = �
L0 α 200 5‫״‬π 10 -4
105
T= + 25 = 100 + 25 � T = 125 °C.
103

Nota: Se o disco não estivesse apoiado sobre o piso, mas apoiado sobre seu próprio eixo, fixo
em relação a parede, não haveria movimento de translação, apenas de rotação, como indicado
na figura a seguir.

Então:
ΔL = a = 5 π cm.

Assim:
ΔL 5π
ΔL = L0 α ΔT � ΔT = � T - 25 = �
L0 α 200 5‫״‬π 10-4
1
T= + 25 = 50 + 25 � T = 75 °C.
2 �10-2

Que é a reposta [B] dada pelo gabarito oficial.

Resposta da questão 39:


[B]

ΔL = L0 �
α�Δθ
ΔL = 15 � 10-6 �
10 � (55 - 25)
ΔL = 4,5 �10-3 m

Possui dois trilhos de 15 metros cada, então o trilho T1 vai se dilatar 4,5 �10-3 m e o trilho T2
vai se dilatar 4,5 �10 -3 m . Dessa forma, a dilatação mínima entre os dois trilhos é:
ΔL t = 4,5 �10 -3 m + 4,5 �10 -3 m
ΔL t = 9,0 �10 -3 m

Resposta da questão 40:

Página 29 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

[D]

Coeficiente de dilatação linear do bronze é maior que o do ferro, portanto a lâmina de bronze
fica com comprimento maior, vergando como mostrado na alternativa [D].

Resposta da questão 41:


[D]

Nos dias frios, o comprimento dos fios diminui devido à contração térmica, daí a necessidade
de deixar uma folga entre cada duas torres, o que forma a barriga.

Resposta da questão 42:


[B]

ΔL = L0 α Δθ = 20 �12 �10-6 �50 � ΔL = 1,2 �10 -2 m.

Resposta da questão 43:


[C]

A curvatura da lâmina se dá devido aos diferentes coeficientes de dilatação dos metais que
compõem a lâmina.

Resposta da questão 44:


[D]

Durante o aquecimento, os dois diâmetros aumentam.


2
Δd = 4 α ΔT
� Δd 4
ΔL = L0 α ΔT � � = � 2 Δd' = Δd �
Δd' = 2 α ΔT
� Δd' 2

Δd
Δd' = .
2

Resposta da questão 45:


[B]

Dados: L0 = 5 m; α = 10-5 �
C-1; Δθ = 40 - 20 = 20 �
C.

20 = 10 -3 m = 0,1 cm.
10 -5 �
ΔL = L0 α Δθ = 5 �
d = 1 + 0,1 � d = 1,10 cm.

Página 30 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

Resumo das questões selecionadas nesta atividade

Data de elaboração: 04/11/2018 às 17:42


Nome do arquivo: lista de dilatação termica

Legenda:
Q/Prova = número da questão na prova
Q/DB = número da questão no banco de dados do SuperPro®

Q/prova Q/DB Grau/Dif. Matéria Fonte Tipo

1.............178176.....Média.............Física.............Ufrgs/2018............................Múltipla escolha

2.............179167.....Baixa.............Física.............Uece/2018............................Múltipla escolha

3.............181161......Média.............Física.............Uefs/2018.............................Múltipla escolha

4.............172862.....Baixa.............Física.............Epcar (Afa)/2018..................Múltipla escolha

5.............168116......Baixa.............Física.............G1 - ifsul/2017......................Múltipla escolha

6.............170373.....Baixa.............Física.............Uefs/2017.............................Múltipla escolha

7.............168118......Baixa.............Física.............G1 - ifsul/2017......................Múltipla escolha

8.............174433.....Baixa.............Física.............Fatec/2017...........................Múltipla escolha

9.............169958.....Média.............Física.............Unisc/2017...........................Múltipla escolha

10...........172325.....Média.............Física.............Uece/2017............................Múltipla escolha

11...........168129.....Média.............Física.............G1 - ifsul/2017......................Múltipla escolha

12...........169650.....Baixa.............Física.............Mackenzie/2017...................Múltipla escolha

13...........167881.....Baixa.............Física.............G1 - cps/2017.......................Múltipla escolha

14...........164559.....Baixa.............Física.............Pucrj/2017............................Múltipla escolha

15...........162349.....Baixa.............Física.............Epcar (Afa)/2017..................Múltipla escolha

16...........167969.....Média.............Física.............Upe-ssa 2/2017....................Múltipla escolha

17...........164376.....Média.............Física.............Pucpr/2017...........................Múltipla escolha

18...........167075.....Baixa.............Física.............Pucrs/2017...........................Múltipla escolha

19...........151226.....Baixa.............Física.............Udesc/2016..........................Múltipla escolha

20...........162159.....Média.............Física.............Uece/2016............................Múltipla escolha

21...........163964.....Baixa.............Física.............Mackenzie/2016...................Múltipla escolha

Página 31 de 32
Interbits – SuperPro ® Web

22...........161383.....Baixa.............Física.............Pucmg/2016.........................Múltipla escolha

23...........157511......Baixa.............Física.............Upe-ssa 2/2016....................Múltipla escolha

24...........161302.....Baixa.............Física.............G1 - ifsul/2016......................Múltipla escolha

25...........157510.....Baixa.............Física.............Upe-ssa 2/2016....................Múltipla escolha

26...........159204.....Baixa.............Física.............G1 - ifce/2016.......................Múltipla escolha

27...........151347.....Baixa.............Física.............G1 - cftmg/2016...................Múltipla escolha

28...........162779.....Média.............Física.............Eear/2016.............................Múltipla escolha

29...........142903.....Média.............Física.............Epcar (Afa)/2016..................Múltipla escolha

30...........138027.....Média.............Física.............Ufrgs/2015............................Múltipla escolha

31...........139285.....Baixa.............Física.............Pucrs/2015...........................Múltipla escolha

32...........140386.....Baixa.............Física.............Unesp/2015..........................Múltipla escolha

33...........142677.....Média.............Física.............Epcar (Afa)/2015..................Múltipla escolha

34...........138618.....Baixa.............Física.............Uern/2015............................Múltipla escolha

35...........137711......Baixa.............Física.............Upe/2015..............................Múltipla escolha

36...........140507.....Baixa.............Física.............Cefet MG/2015.....................Múltipla escolha

37...........129636.....Média.............Física.............Udesc/2014..........................Múltipla escolha

38...........130954.....Elevada.........Física.............Upe/2014..............................Múltipla escolha

39...........132341.....Baixa.............Física.............Uepb/2014............................Múltipla escolha

40...........128409.....Baixa.............Física.............Fuvest/2014.........................Múltipla escolha

41...........130344.....Baixa.............Física.............G1 - cps/2014.......................Múltipla escolha

42...........131972.....Baixa.............Física.............Pucrs/2014...........................Múltipla escolha

43...........141381.....Baixa.............Física.............Enem PPL/2014...................Múltipla escolha

44...........132934.....Baixa.............Física.............Upf/2014...............................Múltipla escolha

45...........128584.....Baixa.............Física.............Ufg/2014...............................Múltipla escolha

Página 32 de 32

Você também pode gostar