Você está na página 1de 49

ENGENHARIA TERMOTÉCNICA

3ºANO

AULA 06
DATA – 14/08/2019

CAPÍTULO III – PODER CALORÍFICO


III. PODER CALORÍFICO
3.4 RELAÇÃO DE PODERES CALORÍFICOS COM CALORES DE
COMBUSTÃO

Em uma reacção química, ligações atómicas se rompem e novas


ligações se formam (dando origem a novos compostos). Em geral, a
energia química associada às ligações é diferente para os reagentes e
produtos.
Portanto, o calor libertado durante uma combustão (processo
exotérmico) é dado pelo balanço de energia no processo (base molar).
2
III. PODER CALORÍFICO
Ou seja, a entalpia de combustão é a diferença entre a entalpia dos
produtos em um estado especificado e a entalpia dos reagentes no
mesmo estado, para uma reacção completa.

Para calcular a entalpia de formação de um produto, atribuí-se o


valor de referência zero à entalpia de formação de todos os elementos
estáveis (O2, N2, H2, C e S) a 25ºC e 1 atm.

Note que a entalpia de combustão dum dado elemento é igual à


entalpia de formação do óxido do tal elemento.
1 𝑘𝐽
𝐻2(𝑔) + 𝑂2(𝑔) → 𝐻2 𝑂(ℓ) ∆𝐻 = −285.830 (25 ℃; 1 𝑎𝑡𝑚)
2 𝑚𝑜𝑙
1 𝑘𝐽
𝐻2(𝑔) + 𝑂2(𝑔) → 𝐻2 𝑂(𝑞) ∆𝐻 = −241.820 (25 ℃; 1 𝑎𝑡𝑚)
2 𝑚𝑜𝑙
3
III. PODER CALORÍFICO
O poder calorífico superior (PCS) é definido como a entalpia de
combustão com sinal trocado, considerando a água formada no
estado líquido.
O poder calorífico inferior (PCI) é definido como a entalpia de
combustão com sinal trocado, considerando a água formada no
estado gasoso.
𝑄 = −𝐻𝑃𝑅
No cálculo do poder calorífico inferior de combustíveis que
contenham humidade e/ou água combinada, deve ser subtraída do
valor encontrado, a quantidade de calor necessária para vaporizar a
massa de água combinada e/ou a massa de humidade.
° ° 𝑘𝐽
𝑄𝑖 = 𝑄𝑠 − 𝑛𝐻2 𝑂 ∆𝐻ℓ,𝐻2 𝑂 → ∆𝐻ℓ,𝐻2 𝑂 = 44.000
𝑘𝑚𝑜𝑙
4
Tabela 3.4 Entalpias de formação de algumas substâncias a 25 ºC e 1 atm

III

PC
OA
DL
EO
RR
Í
F
I
C
O
5
Cont…
Tabela 3.4 Entalpias de formação de algumas substâncias a 25 ºC e 1 atm
III

PC
OA
DL
EO
RR
Í
F
I
C
O
6
III. PODER CALORÍFICO
EXERCÍCIO RESOLVIDO 3.7

Calcular o poder calorífico superior e inferior do Metano.

Resolução:
𝑄 = − 𝐻𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢𝑡𝑜𝑠 − 𝐻𝑟𝑒𝑎𝑔𝑒𝑛𝑡𝑒𝑠

𝐶𝐻4 + 𝑂2 → 𝐶𝑂2 + 2 𝐻2 𝑂

𝑄 = − 𝐻𝑝𝑟𝑜𝑑 − 𝐻𝑟𝑒𝑎𝑔 = − 𝑛𝐶𝑂2 𝐻𝐶𝑂2 + 𝑛𝐻2 𝑂 𝐻𝐻2 𝑂 − 𝑛𝐶𝐻4 𝐻𝐶𝐻4


𝑄 = − 1𝐻𝐶𝑂2 + 2𝐻𝐻2 𝑂 − 1𝐻𝐶𝐻4
𝑄𝑖 = −393.769 − 2 × 241.997 − −74920 = 802.843 𝑘𝐽/𝑘𝑚𝑜𝑙
𝑄𝑠 = −393.769 − 2 × 286.028 − −74920 = 890.905 𝑘𝐽/𝑘𝑚𝑜𝑙 7
III. PODER CALORÍFICO
Tabela 3.5 Entalpias de combustão de algumas substâncias a 25 ºC e 1 atm

8
III. PODER CALORÍFICO
3.5 RELAÇÃO DE PODERES CALORÍFICOS EM MASSAS
DIFERENTES

Para se calcular o poder calorífico inferior do combustível da massa


de trabalho a partir da massa seca utiliza-se a seguinte expressão:

𝒕
𝒅 𝟏𝟎𝟎−𝑾
𝑸𝒕𝒊 = 𝑸𝒊 − 𝟎, 𝟎𝟐𝟓 𝑾𝒕 𝐌𝐉Τ𝐤𝐠
𝟏𝟎𝟎

Para se calcular o poder calorífico inferior do combustível da massa


de trabalho a partir da massa do combustível utiliza-se a seguinte
expressão:
𝒕 𝒕
𝟏𝟎𝟎 − 𝑨 + 𝑾
𝑸𝒕𝒊 = 𝑸𝒄𝒊 − 𝟎, 𝟎𝟐𝟓 𝑾𝒕 𝐌𝐉Τ𝐤𝐠
𝟏𝟎𝟎
9
III. PODER CALORÍFICO
3.6 FRACÇÕES VOLÚMICAS

Volume dos Gases de Combustão [m³/Kg]

𝑽𝐠 = 𝑽𝑹𝑶𝟐 + 𝑽𝑹𝑶 + 𝑽𝑯𝟐 𝑶 + 𝑽𝑶𝟐

A fracção Volúmica real dos Gases Triatómicos Secos nos Gases de


Combustão é dada por:
𝑽𝑹𝑶𝟐
𝒓𝑹𝑶𝟐 =
𝑽𝐠

A fracção Volúmica real dos Gases Biatómicos Secos nos Gases de


Combustão é dada por:
𝑽𝑹𝟐
𝒓𝑹𝟐 =
𝑽𝐠
10
III. PODER CALORÍFICO
FRACÇÕES VOLÚMICAS

A fracção Volúmica real da Água nos Gases de Combustão é dada


por:
𝑽𝑯𝟐 𝑶
𝒓𝑯𝟐 𝑶 =
𝑽𝐠

A fracção Volúmica real do Oxigénio excedente nos Gases de


Combustão é dada por:
𝑽𝑶𝟐
𝒓𝑶𝟐 =
𝑽𝐠

11
III. PODER CALORÍFICO
3.7 CÁLCULO DA ENTALPIA DO AR

A entalpia teórica do ar e dos produtos de combustão calcula-se


usando as seguintes expressões [m³/Kg] :

𝑰𝐠 = 𝒓𝑹𝑶𝟐 𝑪𝜽 𝑹𝑶𝟐 + 𝒓𝑵𝟐 𝑪𝜽 𝑵𝟐 + 𝒓𝑯𝟐 𝑶 𝑪𝜽 𝑯𝟐 𝑶 + 𝒓𝑶𝟐 𝑪𝜽 𝑶𝟐

Onde:
(C)RO2 - entalpia específica dos gases triatómicos;
(C)N2 - entalpia específica do nitrogénio;
(C)H2O - entalpia específica do vapor de água;
(C)O2 - entalpia específica do oxigénio.
12
Tabela 3. 5
Entalpia (kJ/m³ ) de
1m³ de Gases a
temperatura dada e
pressão de 1bar

13
III. PODER CALORÍFICO

3.8 CÁLCULO DA ENTALPIA DOS PRODUTOS DE COMBUSTÃO

Valor Reduzido de Cinzas nos Produtos de Combustão [g/MWs]


𝒓
𝒓𝒆𝒅
𝟏𝟎 𝑨 𝒂𝒂𝒓
𝑨 = 𝒓
𝑸𝒊
Se 𝑨𝒓𝒆𝒅 > 4, no cálculo dos produtos de combustão deve-se levar em
consideração a entalpia de cinzas
𝑰𝐜𝐢𝐧𝐳 = 𝟎, 𝟎𝟎𝟏𝑨𝒓 𝒂𝒂𝒓 𝑪𝜽 𝐜𝐢𝐧𝐳

Entalpia dos Produtos de Combustão [kJ/m³]


𝑰𝒑𝒄 = 𝑰𝒈 + 𝑰𝐜𝐢𝐧𝐳
A entalpia dos produtos de combustão será calculada para a faixa de
temperatura de 800 – 2200 ºC, sendo esta, a recomendada para as
fornalhas. 14
III. PODER CALORÍFICO

3.9 PONTOS DE INFLAMABILIDADE

PONTO DE FULGOR

O ponto de fulgor é a temperatura mínima na qual a substância


(combustível) começa a libertar seus vapores inflamáveis. O ponto de
fulgor que álcool etílico é aproximadamente 13 ºC, que é um valor
baixo (por isso os vapores de álcool se inflamam facilmente). Já o da
madeira é 150 ºC, necessitando muito calor para gerar essa
temperatura, que irá libertar gases.

15
III. PODER CALORÍFICO
PONTO DE COMBUSTÃO

A temperatura mínima, na qual acima dela o combustível mantém


sua queima, é chamado de ponto de combustão da substância.

No ponto de Combustão, o combustível está produzindo vapores


inflamáveis em quantidade suficiente para sustentar a combustão.

Resumindo, no ponto de fulgor, as chamas dos vapores se apagam


facilmente e, no ponto de combustão em diante, o aquecimento
continua. 16
III. PODER CALORÍFICO

TEMPERATURA DE IGNIÇÃO

No ponto de combustão, embora os vapores não se apaguem


facilmente, ainda é necessário que exija uma fonte de energia,
fornecendo calor para que o processo continue.

Se o calor fornecido continuar e a temperatura do combustível


aumentar, chegará um momento que os gases desprendidos,
junto com o oxigénio, começarão a pegar fogo sem a
necessidade de fornecimento de calor.

Esse ponto ocorre na chamada Temperatura de Ignição.


17
III. PODER CALORÍFICO

Lembrar que a madeira, ao virar carvão, continua queimando


sozinha. Pode-se parar de fornecer calor para o
carvão/madeira, pois ele continuará pegando fogo sem a
necessidade de calor externo, pois os gases libertados pela
madeira entram em contacto com oxigénio e alimentam o
combustível. É a temperatura de ignição.

18
III. PODER CALORÍFICO

19
III. PODER CALORÍFICO
3.10 TEMPERATURA DE COMBUSTÃO

A temperatura téorica, ou de chama adiabática, é a


temperatura máxima atingida durante a combustão quando a
queima é completa, estequiométrica e nenhum calor é
perdido para a vizinhança.

Trata-se de um parâmetro de projecto importante para


câmaras de combustão, turbinas a gás e bocais, uma vez que a
selecção dos materiais depende da temperatura do processo

20
III. PODER CALORÍFICO
TEMPERATURA DE COMBUSTÃO
A temperatura da combustão é entendida como a temperatura que
os produtos de combustão adquirem do calor envolvido na
combustão. Existe diferença entre a temperatura teórica e
calorimétrica da queima.

A temperatura teórica de queima é determinada tendo em conta a


dissociação nos produtos de combustão, isto é:
𝑸𝒕𝒘 − 𝒒𝒅𝒊𝒔
𝑻𝒕 =
𝑽𝒑𝒄 𝒄𝒗,𝒑
Onde: Qtw - é o poder calorífico do combustível kJ/m³ ou kJ/kg;
qdis - é o calor despendido na dissociação kJ;
Vpc - é o volume dos produtos de combustão por unidade de
combustível m³;
cv - o calor específico dos volumes de combustão kJ/(m³∙K). 21
III. PODER CALORÍFICO
TEMPERATURA DE COMBUSTÃO
A temperatura calorimétrica é calculada assumindo que todo o calor
envolvido é gasto em elevar a temperatura dos produtos de
combustão, sem trocas de calor com o ambiente.

𝑸𝒕𝒘
𝑻𝒕 =
𝑽𝒑𝒄 𝒄
Onde:
𝑡
𝑄𝑤 - é o poder calorífico do combustível kJ/m³ ou kJ/kg;
𝑉𝑝𝑐 - o volume dos produtos de combustão por unidade de combustível
m³;
c - é o calor específico dos volumes de combustão kJ/(m³∙K).
22
III. PODER CALORÍFICO
TEMPERATURA DE COMBUSTÃO
Com o pré-aquecimento de ar ou de combustível, a temperatura
calorimétrica pode se calcular da fórmula:
𝒕
𝑸𝒘 + 𝑸𝒑𝒉
𝑻𝒕 =
𝑽𝒑𝒄 𝒄
𝑄𝑝ℎ - é o calor usado para o aquecimento do ar ou do combustível.

Outro método de cálculo da temperatura dos produtos de combustão


é usando a entalpia específica que é o produto entre o calor específico
e a temperatura.
𝑰𝒑𝒄 = 𝒄𝒗,𝒑 𝑻𝒕 [𝐤𝐉Τ𝒎𝟑 ]
23
III. PODER CALORÍFICO
TEMPERATURA DE COMBUSTÃO
Combinando as equações anteriores
𝑸𝒕𝒘 = 𝑰𝒑𝒄 𝑽𝒄𝒑 [𝐤𝐉]

A quantidade de calor transferido na combustão por unidade de


combustível é o produto da entalpia pelo volume dos produtos de
combustão, que também se pode escrever:
𝑸𝒕𝒘
𝑰𝒑𝒄 = [𝐤𝐉Τ𝒎𝟑 𝐨𝐮 𝐤𝐉Τ𝐤𝐠]
𝑽𝐠
Para o caso de aquecimento do ar a entalpia do ar (Iar) calcula-se da
seguinte fórmula:
𝑻𝒂𝒓 𝒄𝒑𝒂𝒓 𝜶𝑽𝟎𝒂𝒓
𝑰𝒂𝒓 = [𝐤𝐉Τ𝒎𝟑 ]
𝑽𝐠
24
III. PODER CALORÍFICO
TEMPERATURA DE COMBUSTÃO
Para o caso de aquecimento do combustível ao Entalpia do
combustível (Icomb) calcula-se da seguinte fórmula
𝑻𝒄𝒐𝒎𝒃 𝒄𝒑𝒄𝒐𝒎𝒃 𝟑
𝑰𝒄𝒐𝒎𝒃 = 𝐤𝐉 𝒎 𝒐𝒖 𝐤𝐉Τ𝐤𝐠
Τ
𝑽𝐠
Onde:
Tar – é a temperatura a que o ar é aquecido;
cpar – é o calor específico do ar;
𝛼 – ó o coeficiente de excesso de ar
𝑉𝑎𝑟 – volume teórico do ar;
0

Tcomb – temperatura a que o combustível é aquecido;


cpcomb - calor específico do combustível;
Vg – volume dos gases de escape.
25
III. PODER CALORÍFICO
TEMPERATURA DE COMBUSTÃO
A partir das combinações das equações anteriores:

𝑸𝒕𝒘
𝑰𝒑𝒄 = 𝑰𝐠 + 𝑰𝐜𝐢𝐧𝐳 =
𝑽𝐠

O procedimento agora consiste em atribuir temperaturas aos


produtos de combustão, retirar as entalpias das tabelas e
substituir na expressão até que a parte esquerda da equação se
iguale a direita, ai retira-se a temperatura teórica de combustão.
𝒕
𝑸𝒘
𝒓𝑹𝑶𝟐 𝑪𝜽 𝑹𝑶𝟐 + 𝒓𝑵𝟐 𝑪𝜽 𝑵𝟐 + 𝒓𝑯𝟐 𝑶 𝑪𝜽 𝑯𝟐 𝑶 + 𝒓𝑶𝟐 𝑪𝜽 𝑶𝟐 + 𝑰𝐜𝐢𝐧𝐳 ≈
𝑽𝒑𝒄
26
III. PODER CALORÍFICO
TEMPERATURA DE COMBUSTÃO
Considerando que o ar é pré-aquecido tem-se a expressão:
𝑸𝒕𝒘 + 𝑻𝒂𝒓 𝒄𝒑𝒂𝒓 𝜶𝑽𝟎𝒂𝒓
𝑰𝒑𝒄 = 𝑰𝐠 + 𝑰𝐜𝐢𝐧𝐳 =
𝑽𝐠

Considerando que o combustível é pré-aquecido tem-se a expressão:


𝑸𝒕𝒘 + 𝑻𝐜𝐨𝐦𝐛 𝒄𝒑𝐜𝐨𝐦𝐛
𝑰𝒑𝒄 = 𝑰𝐠 + 𝑰𝐜𝐢𝐧𝐳 =
𝑽𝐠

Considerando que o combustível e o ar são pré-aquecidos tem-se a


expressão:
𝒕 𝟎
𝑸𝒘 + 𝑻𝒂𝒓 𝒄𝒑𝒂𝒓 𝜶𝑽𝒂𝒓 + 𝑻𝐜𝐨𝐦𝐛 𝒄𝒑𝐜𝐨𝐦𝐛
𝑰𝒑𝒄 = 𝑰𝐠 + 𝑰𝐜𝐢𝐧𝐳 =
𝑽𝐠
27
III. PODER CALORÍFICO
MARCHA DE CÁLCULO
1. Calcula-se a massa de trabalho do combustível;
2. Calcula-se o volume teórico do ar;
3. Calcula-se o volume teórico dos Gases Biatómicos;
4. Calcula-se o volume teórico de água;
5. Calcula-se o volume dos Gases Triatómicos;
6. Calcula-se o volume real dos Gases Biatómicos;
7. Calcula-se o volume real de água;

28
III. PODER CALORÍFICO
MARCHA DE CÁLCULO

8. Calcula-se o volume do Oxigénio excedente;


9. Calcula-se o volume dos Gases de Combustão;
10. Calcula-se as fracções dos gases;
11. Calcula-se o Poder Calorífico Inferior;
12. Calcula-se a entalpia determinada pelo poder calorífico;
13. Calcula-se a entalpia dos gases de combustão; e
14. Através de cálculo iterativo obtém-se a temperatura teórica de
combustão.
29
Entalpia (kJ/m³ ) de
1m³ de Gases a
temperatura dada e
pressão de 1bar

30
III. PODER CALORÍFICO
COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E SÓLIDOS
EXERCÍCIO RESOLVIDO 3.8

Um combustível sólido que se queima num forno, tem a


seguinte composição, dada em massa de combustível: Carbono
47%, Hidrogénio 12%, Nitrogénio 8%, Oxigénio 30%, Enxofre
3%, Cinzas 4%, Humidade 5% e com o excesso de ar de 35%.

Determinar a temperatura de Combustão.


31
III. PODER CALORÍFICO
COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E SÓLIDOS
Resolução
Dados em massa de combustível:

Cc = 47 % Conversão em massa de
Trabalho:
Hc = 12 % Ct = 42,77 %
Nc = 8 %
Fórmula Ht = 10,92 %
Oc = 30 %
Nt = 7,28 %
Sc = 3 % 100 Ot = 27,30 %
A=4% 𝑥𝑐 = 𝑥𝑡
100 − 𝐴𝑡 + 𝑊 𝑡 St = 2,73 %
W=5%
𝟏𝟎𝟎 − 𝑨 𝒕
+ 𝑾 𝒕 A=4%
Xt =? → 𝒙𝒕 = 𝒙𝒄
𝟏𝟎𝟎 W=5% 32
III. PODER CALORÍFICO
2. O volume teórico do ar é dado por:
3
0
𝑉𝑎𝑟 𝑡
= 0,0889 𝐶 + 0,375 𝑆 𝑡 𝑡 𝑡 𝑚
+ 0,269 𝐻 − 0,0336 𝑂 = 5,913 ൗkg

3. O volume teórico dos gases biatómicos calcula-se de:


3
0 0 𝑡 𝑚
𝑉𝑁2 = 0,79 𝑉𝑎𝑟 + 0,008 𝑁 = 4,730 ൗkg

4. O volume teórico de água obtém-se de:


3
𝑉𝐻02 𝑂 𝑡 𝑡
= 0,1119𝐻 + 0,0124 𝑊 + 0,0161 0
𝑉𝑎𝑟 𝑚
= 1,379 ൗkg

5. Volume teórico dos gases triatómicos:


𝐶 𝑡 + 0,375 𝑆 𝑡 𝑚 3
𝑉𝑅𝑂2 = 1,867 = 0,818 ൗkg
100
III. PODER CALORÍFICO
6. O volume real dos gases biatómicos calcula-se de:
3
0 0
𝑉𝑅𝑂 = 𝑉𝑁2 + 𝛼 − 1 0,79 𝑉𝑎𝑟 = 6,365 𝑚 ൗkg

7. O volume real de água obtém-se de:


3
𝑉𝐻2 𝑂 = 0
𝑉𝐻2 𝑂 + 0,0161 𝛼 − 1 0
𝑉𝑎𝑟 = 1,413 𝑚 ൗkg

8. O volume do oxigénio excedente obtém-se de:


3
0
𝑉𝑂2 = 0,21 𝛼 − 1 𝑉𝑎𝑟 = 0,435 𝑚 ൗkg

9. O volume dos gases de combustão calcula-se de:


3
𝑉𝑔 = 𝑉𝑅𝑂2 + 𝑉𝑅𝑂 + 𝑉𝐻2 𝑂 + 𝑉𝑂2 = 9,030 𝑚 ൗkg
III. PODER CALORÍFICO

10. Fracção Volúmica real:

dos Gases Triatómicos


𝑉𝑅𝑂2
𝑟𝑅𝑂2 = = 0,091
𝑉g
dos Gases Biatómicos
𝑉𝑅2
𝑟𝑅2 = = 0,705
𝑉g
da Água
𝑉𝐻2 𝑂
𝑟𝐻2 𝑂 = = 0,156
𝑉g
do Oxigénio excedente
𝑉𝑂2
𝑟𝑂2 = = 0,048
𝑉g 35
III. PODER CALORÍFICO
11. Cálculo do Poder Calorífico Inferior (Combustível sólido)
𝑄𝑖𝑡 = 4,187 81 𝐶 𝑡 + 300 𝐻𝑡 − 26 𝑂𝑡 − 𝑆 𝑡 − 6 𝑊 𝑡 + 9 𝐻𝑡 = 22.181 𝑘𝐽/kg

12. Cálculo da entalpia determinada pelo poder calorífico;


𝑄𝑖𝑡
𝐼𝑝𝑐 = = 2.446 𝑘𝐽/𝑚3
𝑉g

13. Cálculo de Entalpia total dos gases

𝑡 0
𝑄𝑤 + 𝑇𝑎𝑟 𝑐𝑝𝑎𝑟 𝛼𝑉𝑎𝑟 + 𝑇𝑐𝑜𝑚𝑏 𝑐𝑝𝑐𝑜𝑚𝑏
𝐼𝑝𝑐 = = 2.446 𝑘𝐽/𝑚3
𝑉g

36
III. PODER CALORÍFICO
14. Determinação da temperatura
𝐼g = 𝑟𝑅𝑂2 𝐶𝜃 𝑅𝑂2 + 𝑟𝑁2 𝐶𝜃 𝑁2 + 𝑟𝐻2𝑂 𝐶𝜃 𝐻2 𝑂 + 𝑟𝑂2 𝐶𝜃 𝑂2

Deve-se atribuir temperaturas aos produtos de combustão, retirar as entalpias


das tabelas e substituir na expressão acima até que a parte esquerda da equação
se iguale a da direita e daí retira-se a temperatura teórica de combustão.

37
Temperatura CO2 N2 H2O O2 Ar Seco Cinzas Temp Ig
100 172,00 130,13 150,18 131,98 130,51 81,00 100 137,15
200
300
361,67
564,24
260,60
392,41
303,47
461,36
267,38
407,48
261,94
395,42
169,80
264,00
200
300
276,78
419,48
III. PODER
400 777,44 526,89 623,69 551,85 532,08 360,00 400 565,92 CALORÍFICO
500 1001,78 664,58 791,55 700,17 672,01 458,00 500 716,69
600 1236,77 805,06 964,68 851,64 814,96 560,00 600 871,36
700 1475,41 940,36 1143,60 1005,24 960,75 662,50 700 1023,72
800 1718,96 1094,65 1328,10 1162,32 1109,05 768,00 800 1190,96
900
1000
1972,43
2226,75
1243,55
1393,86
1517,90
1713,30
1319,67 1259,36
1480,11 1411,86
825,00 900
985,00 1000
1356,13
1523,40
Ou por interpolação, achar a
1100 2485,34 1546,14 1913,70 1641,02 1565,94 1092,00 1100 1693,25
1200 2746,44 1699,76 2118,80 1802,76 1721,36 1212,00 1200 1865,04 temperatura teórica:
1300 3010,58 1857,74 2328,00 1966,05 1879,27 1360,00 1300 2040,90
1400 3276,75 2012,36 2540,30 2129,93 2036,87 1585,00 1400 2215,09
1500 3545,34 2170,55 2758,40 2296,78 2196,19 1758,00 1500 2393,07 𝑇1 − 𝑇0
1600 3815,86 2328,65 2979,10 2463,97 2356,68 1880,00 1600 2571,58 𝑇g = 𝑇0 + 𝐼g − 𝐼0
1700 4087,10 2486,28 3203,10 2632,09 2517,60 2065,00 1700 2750,38 𝐼1 − 𝐼0
1800 4360,67 2646,74 3429,90 2800,48 2680,01 2182,00 1800 2931,84
1900 4634,76 2808,22 3657,90 2971,30 2841,43 2385,00 1900 3114,37 1600 − 1500
𝑇g = 1500 + 2446 − 2393,07
2000 4910,51 2970,25 3889,70 3142,76 3006,26 2514,00 2000 3298,07 2571,58 − 2393,07
2100 5186,81 3131,96 4121,80 3314,85 3169,77 2640,00 2100 3481,66
2200 5464,20 3295,84 4358,80 3487,44 3338,21 2762,00 2200 3667,68
2300 5746,39 3457,20 4485,30 3662,33 3500,54 2300 3835,18
2400 6023,25 3620,58 4724,40 3837,64 3665,80 2400 4021,25 𝑇g = 1536 ℃
2500 6303,53 3786,09 5076,70 4014,29 3835,29 2500 4226,91

38
Tg= 1 536
III. PODER CALORÍFICO
EXERCÍCIO RESOLVIDO 3.9

Determinar a temperatura de combustão de um combustível líquido


que se queima num forno, tendo este a seguinte composição, dada
em massa seca: Carbono 42%, Hidrogénio 16%, Nitrogénio 9%,
Oxigénio 28%, Enxofre 5%, Cinzas 0%, Humidade 2% e com o
excesso de ar de 40%.

O ar e o combustível são pré-aquecidos até 200 ºC e 150 ºC


respectivamente. O calor específico do ar e do combustível são de 1,3
e 1,4 kJ/m³.K respectivamente.
39
III. PODER CALORÍFICO

1. A massa de trabalho do combustível calcula-se de:


𝑊 𝑡 = 2,0 %
100−𝑊 𝑡
𝐶𝑡 = 𝐶𝑑 = 41,16 %
100
100−𝑊 𝑡
𝐻𝑡 = 𝐻𝑑 = 15,68 %
100
100−𝑊 𝑡
𝑁𝑡 = 𝑁𝑑 = 8,82 %
100
100−𝑊 𝑡
𝑂𝑡 = 𝑂𝑑 = 27,44 %
100
100−𝑊 𝑡
𝑆𝑡 = 𝑆𝑑 = 4,90 %
100
100−𝑊 𝑡
𝐴𝑡 = 𝐴𝑑 =0%
100
III. PODER CALORÍFICO
2. O volume teórico do ar é dado por:
3
0
𝑉𝑎𝑟 𝑡
= 0,0889 𝐶 + 0,375 𝑆 𝑡 𝑡 𝑡
+ 0,269 𝐻 − 0,0336 𝑂 = 7,118 𝑚 ൗkg

3. O volume teórico dos gases biatómicos calcula-se de:


3
0 0 𝑡
𝑉𝑁2 = 0,79 𝑉𝑎𝑟 + 0,008 𝑁 = 5,694 𝑚 ൗkg

4. O volume teórico de água obtém-se de:


3
𝑉𝐻02 𝑂 𝑡 𝑡
= 0,1119𝐻 + 0,0124 𝑊 + 0,0161 0
𝑉𝑎𝑟 = 1,894 𝑚 ൗkg

5. Volume teórico dos gases triatómicos:


𝐶 𝑡 + 0,375 𝑆 𝑡 𝑚 3
𝑉𝑅𝑂2 = 1,867 = 0,803 ൗkg
100
III. PODER CALORÍFICO

6. O volume real dos gases biatómicos calcula-se de:


3
0 0
𝑉𝑅𝑂 = 𝑉𝑁2 + 𝛼 − 1 0,79 𝑉𝑎𝑟 = 7,994 𝑚 ൗkg

7. O volume real de água obtém-se de:


3
𝑉𝐻2 𝑂 = 𝑉𝐻02 𝑂 + 0,0161 𝛼 − 1 0
𝑉𝑎𝑟 = 1,940 𝑚 ൗkg

8. O volume do oxigénio excedente obtém-se de:


3
0
𝑉𝑂2 = 0,21 𝛼 − 1 𝑉𝑎𝑟 = 0,598 𝑚 ൗkg

9. O volume dos gases de combustão calcula-se de:


3
𝑉𝑔 = 𝑉𝑅𝑂2 + 𝑉𝑅𝑂 + 𝑉𝐻2 𝑂 + 𝑉𝑂2 = 11,285 𝑚 ൗkg
III. PODER CALORÍFICO
10. Fracção Volúmica real:

dos Gases Triatómicos


𝑉𝑅𝑂2
𝑟𝑅𝑂2 = = 0,071
𝑉g
dos Gases Biatómicos
𝑉𝑅2
𝑟𝑅2 = = 0,704
𝑉g
da Água
𝑉𝐻2 𝑂
𝑟𝐻2 𝑂 = = 0,172
𝑉g
do Oxigénio excedente
𝑉𝑂2
𝑟𝑂2 = = 0,053
𝑉g
43
III. PODER CALORÍFICO
11. Cálculo do Poder Calorífico Inferior
𝑄𝑖𝑡 = 4,187 81 𝐶 𝑡 + 300 𝐻𝑡 − 26 𝑂𝑡 − 𝑆 𝑡 − 6 𝑊 𝑡 + 9 𝐻𝑡 = 27.606 𝑘𝐽/kg

12. Cálculo da entalpia determinada pelo poder calorífico;


𝑄𝑖𝑡
𝐼𝑝𝑐 = = 2.446 𝑘𝐽/𝑚3
𝑉g
13. Cálculo de entalpia de
 aquecimento do ar
0
𝑇𝑎𝑟 𝑐𝑝𝑎𝑟 𝛼𝑉𝑎𝑟
𝐼𝑎𝑟 = = 230 𝑘𝐽/𝑚3
𝑉g
 aquecimento do combustível
𝑇𝑐𝑜𝑚𝑏 𝑐𝑝𝑐𝑜𝑚𝑏
𝐼𝑐𝑜𝑚𝑏 = = 19 𝑘𝐽/𝑚3
𝑉g
44
III. PODER CALORÍFICO
13. Cálculo de Entalpia total dos gases

𝑡 0
𝑄𝑤 + 𝑇𝑎𝑟 𝑐𝑝𝑎𝑟 𝛼𝑉𝑎𝑟 + 𝑇𝑐𝑜𝑚𝑏 𝑐𝑝𝑐𝑜𝑚𝑏
𝐼𝑝𝑐 = = 2.695 𝑘𝐽/𝑚3
𝑉g

14. Determinação da temperatura


𝐼g = 𝑟𝑅𝑂2 𝐶𝜃 𝑅𝑂2 + 𝑟𝑁2 𝐶𝜃 𝑁2 + 𝑟𝐻2 𝑂 𝐶𝜃 𝐻2 𝑂 + 𝑟𝑂2 𝐶𝜃 𝑂2

Deve-se atribuir temperaturas aos produtos de combustão, retirar as entalpias


das tabelas e substituir na expressão acima até que a parte esquerda da equação
se iguale a da direita e daí retira-se a temperatura teórica de combustão.

45
Temperatura CO2 N2 H2O O2 Temp Ig=r (CO2)+r (N2)+ r (H2O)+r (O2)
III. PODER CALORÍFICO
100 172 130,13 150,2 131,98 100 136,65
200 361,67 260,6 303,5 267,38 200 275,52
300 564,24 392,41 461,4 407,48 300 417,29
400 777,44 526,89 623,7 551,85 400 562,68
500 1001,8 664,58 791,6 700,17 500 712,28
600 1236,8 805,06 964,7 851,64 600 865,68
1475,4 940,36 1144 1005,2 1016,8
700
800 1719 1094,7 1328 1162,3
700
800 1182,78 Ou por interpolação, achar a
900 1972,4 1243,6 1518 1319,7 900 1346,6
1000 2226,8 1393,9 1713 1480,1 1000 1512,6 temperatura teórica:
1100 2485,3 1546,1 1914 1641 1100 1681,17
1200 2746,4 1699,8 2119 1802,8 1200 1851,72
1300
1400
3010,6
3276,8
1857,7
2012,4
2328
2540
1966,1
2129,9
1300
1400
2026,34
2199,3
𝑇1 − 𝑇0
𝑇g = 𝑇0 + 𝐼g − 𝐼0
1500
1600
3545,3
3815,9
2170,6
2328,7
2758
2979
2296,8
2464
1500
1600
2376,1
2553,44
𝐼1 − 𝐼0
1700 4087,1 2486,3 3203 2632,1 1700 2731,12
1800 4360,7 2646,7 3430 2800,5 1800 2911,45 1700 − 1600
𝑇g = 1600 + 2695 − 2553,44
1900 4634,8 2808,2 3658 2971,3 1900 3092,87 2731,12 − 2553,44
2000 4910,5 2970,3 3890 3142,8 2000 3275,49
2100 5186,8 3132 4122 3314,9 2100 3458
2200 5464,2 3295,8 4359 3487,4 2200 3642,99
2300 5746,4 3457,2 4485 3662,3 2300 3807,67
2400 6023,3 3620,6 4724 3837,6 2400 3992,77 𝑇g = 1679 ℃
2500 6303,5 3786,1 5077 4014,3 2500 4199,14
46
III. PODER CALORÍFICO

EXERCÍCIO 3.4

Determinar a temperatura de combustão de um combustível sólido


que se queima num forno, tendo este a seguinte composição, dada
em massa seca: Carbono 44%, Hidrogénio 12%, Nitrogénio 8%,
Oxigénio 23%, Enxofre 7%, Cinzas 6%, Humidade 2% e com o
excesso de ar de 20%.

R: Tg ≈ 1734 ºC

47
EXERCÍCIO 3.5
III
Determinar a temperatura de combustão de um combustível gasoso
com a seguinte composição, de massa de trabalho, em percentagem:
P C
O A
H2 20 C3H8 5 C4H8 9
D CO 8 C2H4 7,5 CO2 6,49
L
H2S 5 C4H10 2 N2 17
E O
CH4 5 C5H12 2 O2 0
R R
Í C2 H 6 7 C3H6 6 Cinzas 0
F O excesso de ar é 30%.
O ar e o combustível são pré-aquecidos até 80 ºC e 250 ºC
I respectivamente. O calor específico do ar e do combustível são de 1,3
C kJ/m³.K e 1,4 kJ/m³.K respectivamente.
O R: Tg ≈ 1.377 ºC
III. PODER CALORÍFICO
Prof. Doutor Eng.º Jorge Nhambiu, apontamentos
InstTerm (2013), 3º ano – UEM

FIM...

49

Você também pode gostar