Você está na página 1de 5

Curso: ENGENHARIA MECÂNICA

Disciplina: TROCADORES DE CALOR E TUBULAÇÕES


Período: 10º
Professor: Sérgio Souza Dias
Proposta de APS
N° APS: Carga Horária: Data de Aplicação:
1 – V1 2 h/a Agosto/2019
Tema:
Utilizar os conhecimentos de Física e Hidrostática para resolver problemas de aproveitamento de calor
sensível, que seria desperdiçado pelo descarte de resíduos em alta temperatura, bem como um modo
operacional de condução e controle de fluidos.

Objetivo: Resolver os diversos problemas de implantação e utilização de trocadores de calor e


tubulações, quanto aos materiais construtivos e fluidos conduzidos.
Competências: Levar em conta a fundamentação teórica aprendida em sala de aula.

Fundamentação Teórica
Possíveis implicações e acontecimentos que ocorrem num ambiente industrial onde existam trocadores de calor e
tubulações operando entre as suas unidades de processos.

1) Dois corpos materiais, quando postos em contato, trocam calor entre si, até atingir o
equilíbrio térmico. Quando isso acontece, eles passam a ter iguais:
a) capacidades térmicas;
b) massas;
c) temperatura;
d) calores específicos;
e) quantidade de calor.

2) Dois corpos em equilíbrio térmico recebem quantidades iguais de calor e, em função disso,
sofrem variações iguais na temperatura. A partir desses dados, podemos concluir que:
a) os corpos têm massas iguais;
b) os corpos têm a mesma capacidade térmica;
c) os corpos têm o mesmo calor específico;
d) os corpos têm a mesma densidade;
e) os corpos têm densidades diferentes.

3) Um corpo com alta temperatura é colocado em contato com outro corpo de baixa
temperatura e, até atingirem o equilíbrio térmico, suas temperaturas variam igualmente. Para
que essa mudança ocorra, é necessário que:
( )- haja transferência de temperatura de um corpo para outro;
( )- haja transferência de calor de um corpo para outro;
( )- as massas dos corpos sejam iguais;
( )- os calores específicos dos corpos sejam iguais;
( )- as capacidades térmicas dos corpos sejam iguais.
4) No interior de um recipiente termicamente isolado e de capacidade térmica desprezível, são
colocados, simultaneamente, três corpos: X, Y e Z. Ao fim de um lapso de tempo, ocorre a
elevação das temperaturas dos corpos X e Y. A partir desses dados, é correto afirmar que:
( )- o corpo Z perdeu calor em quantidade igual à que foi ganha pelo corpo X;
( )- os corpos X e Y ganharam calor sensível;
( )- o corpo Z ganhou uma determinada quantidade de calor;
( )- o corpo Z perdeu calor;
( )- o corpo Z ganhou calor, mas não é possível precisar em que quantidade.

5) Numa garrafa térmica ideal que contém 500 cm3 de café a 90 ºC, acrescentamos 200 cm3
de café a 20 °C. Admitindo-se que só haja trocas de calor entre as massas de café, a
temperatura final dessa mistura será:
a) 80 °C
b) 75 °C
c) 70 °C
d) 65 °C
e) 60 °C

6) Mistura-se 20 g de água inicialmente a 80 °C com 80 g de água a 20 °C. Sabendo-se que


cagua = 1 cal/g ºC, podemos dizer que a temperatura final da mistura é:
a) 32 °C
b) 100 °C
c) 80 °C
d) 50 °C
e) 40 °C

7) No interior de um recipiente adiabático de capacidade térmica desprezível, são colocados


100 g de água a 20 °C e 200 g de água a 40 °C. A água atingirá o equilíbrio térmico:
a) a 30 °C
b) a 40 °C
c) abaixo de 30 °C
d) entre 30 °C e 40 °C
e) acima de 40 °C

8) Um cozinheiro coloca um litro de água gelada (à temperatura de 0 °C) em uma panela que
contém água à temperatura de 80 °C. A temperatura final da mistura é 60 °C. A quantidade de
água quente que havia na panela, não levando em conta a troca de calor da panela com a
água, era, em litros:
a) 2
b) 3
c) 4
d) 5
e) 6

9) Um bloco de alumínio de massa 400 g e à temperatura de 120 °C é introduzido em um


calorímetro de cobre de massa 300 g que contém 900 g de água a 25 °C. Supondo que não
haja perda de calor para o ambiente, a temperatura final de equilíbrio, em °C, vale:
Dados: - c água = 1,0 cal/g . °C – c Al = 0,20 cal/g. °C – c Cu = 0,10 cal/ g. °C
a) 61
b) 52
c) 47
d) 33
e) 28
10) Têm-se inicialmente três volumes de água de 1 litro, 2 litros e 3 litros às temperaturas de
10 °C, 20 °C e 30 °C, respectivamente. Esses volumes são então misturados entre si em um
recipiente. Desprezando-se as trocas de calor com o recipiente pode-se concluir que a
temperatura final dos 6 litros de água será de aproximadamente:
a) 20,0 °C
b) 15,5 °C
c) 23,3 °C
d) 25,0 °C
e) 17,3 °C

11) No café da manhã de uma fábrica, é oferecida aos funcionários uma certa quantidade de
café com leite, misturados com massas iguais, obtendo-se uma mistura a uma temperatura de
50 °C. Supondo que os calores específicos do café e do leite são iguais, indique qual a
temperatura que o café deve ter ao ser adicionado ao leite, caso o leite esteja a uma
temperatura inicial de 30 °C.
a) 40 °C
b) 50 °C
c) 60 °C
d) 70 °C
e) 80 °C

12) No interior de um calorímetro adiabático de capacidade térmica desprezível, são


colocados dois cilindros, um de prata (c = 0,056 cal/g.°C) e um de cobre (c = 0,092 cal/g.°C),
cujas massas são iguais. Nessas condições, a temperatura no interior do calorímetro é igual a
20 °C. São introduzidos 100 g de água a 80 °C no calorímetro, e a temperatura em seu
interior, após as trocas de calor, passa a ser de 60 °C. A partir desses dados, assinale o que
for correto:
( ) Após algum tempo, verifica-se que o cilindro de prata e o cilindro de cobre no interior do
calorímetro têm a mesma temperatura, e que esta é diferente da temperatura da água.
( ) O cilindro de cobre absorve mais calor que o cilindro de prata.
( ) A quantidade de calor absorvido pelo cilindro de prata vale, aproximadamente, 757 cal.
( ) O processo que ocorre no interior do calorímetro é espontâneo.
( ) A massa de cada cilindro é, aproximadamente, igual a 338 g.

13) Para se determinar o calor específico de um sólido foi utilizado um calorímetro com
capacidade de 50 cal/°C, inicialmente em equilíbrio térmico com 200 g de água a 20 °C. Em
seguida, forma adicionados 40 g desse sólido a 122 °C. Após novo equilíbrio térmico, a
temperatura anotada foi de 22 °C. Determine o calor específico do sólido.
a) 0,100 cal/g .°C
b) 0115 cal/g .°C
c) 0,120 cal/g .°C
d) 0,125 cal/g .°C
e) 0,150 cal/g .°C

14) No laboratório de Física, um estudante realiza a seguinte experiência: em um calorímetro


de capacidade térmica 10 cal/°C que contém 150 g de água (c = 1 cal/g .°C) a 20 °C, ele
coloca um bloco de alumínio (c = 0,2 cal/g .°C) de 100 g a 100 °C. Alguns minutos após o
equilíbrio térmico, o estudante verifica que a temperatura do sistema é de 28 °C. A perda de
calor do sistema até o instante em que é medida essa temperatura foi de:
a) 288 cal
b) 168 cal
c) 160 cal
d) 152 cal
e) 120 cal
15) Um grupo de amigos compram barras de gelo para um churrasco, num dia de calor. Como
as barras chegam com algumas horas de antecedência, alguém sugere que sejam envolvidas
num grosso cobertor para evitar que derretam demais. Essa sugestão:
a) é absurda, porque o cobertor vai aquecer o gelo, derretendo-o ainda mais depressa.
b) é absurda, porque o cobertor facilita a troca de calor entre o ambiente e o gelo, fazendo
com que ele derreta ainda mais depressa.
c) é inócua, pois o cobertor não fornece nem absorve calor ao gelo, não alterando a rapidez
com que o gelo derrete.
d) faz sentido, porque o cobertor facilita a troca de calor entre o ambiente e o gelo, retardando
o seu derretimento.
e) faz sentido, porque o cobertor dificulta a troca de calor entre o ambiente e o gelo,
retardando o seu derretimento.

16) Um trocador de calor casco-tubo é composto por um feixe de tubos e um casco que o
envolve. Considerando essa proposição, é correto afirmar que
a) a área de troca térmica de um trocador de calor casco tubo que opere em contracorrente é
maior do que aquela de um que opere em mesmo fluxo.
b) as incrustações existentes nas superfícies interna e externa nos tubos formadores do feixe
provocam um aumento de área de troca térmica, acarretando um aumento no coeficiente
global de transferência de calor.
c) o fluido que provoca maior incrustação deve escoar pelo casco, face à facilidade de
limpeza.
d) o fluido, em um trocador CT 1-2, passa uma vez pelos tubos e duas vezes pelo mesmo
casco.
e) os depósitos que vão sendo formados, ao longo dos anos, nas paredes interna e externa
dos tubos do feixe, fazem com que trocadores de calor percam eficiência de troca térmica.

17) As operações unitárias são largamente empregadas na condução de etapas físicas


primárias de preparação de reagentes, na separação e purificação de produtos, no
reaproveitamento de reagentes não convertidos e no controle de transferência de energia em
equipamentos de separação e reatores químicos. No que concerne a operações unitárias,
assinale a opção correta.
a) As operações unitárias que constituem os diferentes processos industriais estão baseadas
essencialmente nos fenômenos de transferência de calor, massa e momento. Esses
fenômenos ocorrem isoladamente na maioria dos processos químicos.
b) Operações unitárias de transferência de massa são caracterizadas pela difusão térmica de
um ou mais componentes presentes em uma mistura. Os secadores em leito de mistura são
um exemplo típico desse tipo de operação unitária.
c) A desidratação é usada para a remoção de água dos alimentos. Em sistemas como este,
dispositivos de troca térmica são usados para transferir quantidade de movimento entre
correntes de processo.
d) O transporte pneumático é uma operação unitária de transferência de calor, que se
caracteriza pela utilização de ar ou gás inerte para escoamento ou movimentação de sólidos
particulados.
e) A fluidização é uma operação unitária de transferência de quantidade de movimento, que
se caracteriza por conferir a um leito de partículas inicialmente estagnadas, o comportamento
de um fluido, por meio de sua suspensão em um gás ou líquido.

18)No dimensionamento de um vaso de pressão, a dimensão da parede deve atender, além


da pressão de trabalho, a uma espessura mínima que considere também:
a) a necessária resistência estrutural que garanta estabilidade em condições de variações nas
fundações da base.
b) uma eventual margem para efeito de corrosão do material e resistência estrutural.
c) compensação de eventuais falhas no material das chapas.
d) desgastes por corrosão independentemente do meio de instalação e do tipo de
revestimento e pintura adotados.
e) a neutralização de possíveis falhas no processo de instalação.

19)A aplicação do teste hidrostático em vasos de pressão deve atender à seguinte condição:
a) garantir que seja executado a uma pressão igual à pressão de projeto, não ultrapassando a
tensão admissível do material.
b) expor o material a uma pressão superior à pressão de projeto, provocando no material uma
tensão superior à tensão admissível.
c) submeter a uma temperatura superior à temperatura de trabalho.
d) não superar a pressão máxima de trabalho admissível do vaso.
e) submeter a uma condição equivalente a duas vezes a pressão de projeto.