Você está na página 1de 5

TAQUIPNÉIA TRANSITÓRIA DO RECÉM NASCIDO

O tratamento para a taquipneia transitória do recém-nascido, que pode surgir até 2


horas após o nascimento com sintomas como respiração rápida e pele azulada,
normalmente é feito apenas com reforço de oxigênio para ajudar o bebê a respirar
melhor, uma vez que problema resolve sozinho. Por isso o bebê pode precisar utilizar
uma máscara de oxigênio durante 2 dias ou até os níveis de oxigênio se encontrarem
normalizados.

Além disso, quando a taquipneia transitória provoca uma respiração muito rápida, com
mais de 80 movimentos respiratórios por minuto, o bebê não deve ser alimentado pela
boca, pois existe um grande risco de o leite ser aspirado para os pulmões, provocando
uma pneumonia. Nesses casos, o bebê pode ter que usar uma sonda nasogástrica, que é
um pequeno tubinho que vai desde o nariz até ao estômago e que, normalmente, só é
utilizada pelo enfermeiro para alimentar o bebê.

A melhora dos sintomas da taquipneia transitória do recém-nascido pode surgir entre


12 a 24 horas após início do tratamento, mas, em alguns casos, pode ser necessário
manter o oxigênio até 2 dias. Após o tratamento, o recém-nascido não fica com
qualquer tipo de sequela, nem apresenta maior risco de desenvolver problemas
respiratórios como asma ou bronquite.

O QUE É ?
A Taquipnéia transitória do recém-nascido é um distúrbio respiratório causado pelo
retardo da absorção do líquido pulmonar, gerando um quadro de desconforto
respiratório agudo (devido ao edema na parede dos alveolos pulmonares), iniciado logo
após o parto ou, no máximo, algumas horas depois. Costuma ser uma afecção benigna e
auto-limitada, com resolução geralmente em 24h, mas podendo durar até cinco dias. O
grupo de risco consiste em RN a termo, ou próximo do termo, e filhos de mães
diabéticas. RN pré-termo também podem ser acometidos, mas geralmente a ausência
do surfactante é mais pronunciada do que o excesso de líquido pulmonar.
FISIOPATOLOGIA
O Líquido pulmonar é produzido na vida intra-uterina a partir da 18 semana de
gestação, cuja função é propiciar a expansão do pulmão. Ao final da gestação, cerca de
dois dias antes do início do trabalho do parto as células do epitélio pulmonar iniciam o
processo de absorção do líquido pulmonar , que é intensificado com o início de trabalho
de parto, devido a estímulos hormonais. Durante o parto vaginal a pressão exercida pelo
canal de parto estimula o feto a expelir uma parte do líquido pulmonar pela boca. Logo,
num parto cesáreo eletivo, o feto não passa nem pelo estímulo físico nem pelo
hormonal, causando a retenção do líquido pulmonar no interstício, levando ao edema
pulmonar.

SINTOMAS
Os principais sintomas de taquipneia transitória no recém-nascido incluem:

- Respiração rápida com mais de 60 movimentos respiratórios por minuto;

- Dificuldade para respirar, emitindo sons(gemido);

- Abertura exagerada das narinas;

- Pele azulada, especialmente nas narinas, lábios e mãos.

Quando o bebê apresenta estes sintomas é recomendado fazer exames de diagnóstico,


como raios X do tórax e exames de sangue, para confirmar o diagnóstico e iniciar o
tratamento adequado.

CAUSAS
A taquipneia transitória do recém-nascido surge quando os pulmões do bebê não
consegues eliminar todo o líquido amniótico após o nascimento e, por isso, há maior
risco de desenvolver o problema em casos de:
- Recém-nascido com menos de 38 semanas de gestação;

- Recém-nascido com baixo peso;

- Mãe com historial de diabetes;

- Parto por cesárea;

- Atraso no corte do cordão umbilical.

Assim, uma forma de prevenir o desenvolvimento de taquipneia transitória do


recém-nascido consiste em fazer injeção de remédios corticoides, diretamente na veia
da mãe, 2 dias antes do parto por cesárea, especialmente quando acontece entre as 37
e as 39 semanas de gravidez.

Além disso, manter uma gravidez saudável com uma dieta equilibrada, prática de
exercício físico regular e diminuição do uso de substâncias como o álcool e café, ajuda a
diminuir o número de fatores de risco.

DIAGNÓSTICO
Os sintomas da taquipneia transitória podem ser associados a outros problemas de
saúde do recém-nascido, o que pode dificultar o diagnóstico do problema. Para
diagnosticar a taquipneia transitória, o médico precisará reavaliar a gestação, o parto e
as complicações sofridas. O médico também examinará o bebê. Alguns exames poderão
ser necessários para confirmar o diagnóstico. Esses exames incluem:

- hemograma completo e cultura de sangue para verificar se o bebê apresenta uma


infecção, como pneumonia;

- determinação de gases sanguíneos para verificar o nível de oxigênio no sangue do


bebê;

- radiografia do tórax para avaliação dos pulmões e para detectar as causas de angústia
respiratória;

- monitoramento com um oxímetro de pulso, um sensor de oxigênio conectado ao pé


do bebê, permitindo ao médico monitorar o funcionamento dos pulmões.
Se não houver mais nenhuma causa para os sintomas do bebê, o médico poderá fazer o
diagnóstico de taquipneia transitória do recém-nascido.

Em alguns casos, sintomas como os de taquipneia desaparecem em um dia ou dois. Por


esse motivo, o médico pode decidir esperar um ou dois dias depois do nascimento para
fazer o diagnóstico.

TRATAMENTO
Se apresentar sintomas de taquipneia transitória, o bebê receberá oxigênio suplementar
para manter os níveis de oxigênio no sangue estáveis. O oxigênio geralmente é
administrado por um tubo que é colocado ao redor da cabeça do bebê e inserido dentro
do nariz (cânula nasal). A maior parte dos bebês responde ao tratamento depois de 12 a
24 horas. Durante esse período de tempo, a quantidade de oxigênio suplementar
necessária deverá diminuir.

Recém-nascidos com problemas de respiração podem não amamentar adequadamente.


Se isso ocorrer, também serão administrados líquidos e nutrientes por via endovenosa
para o bebê (através da veia do bebê). Pode ser difícil distinguir a taquipneia transitória
de uma infecção e, por isso, o médico também poderá prescrever antibióticos. Se os
resultados dos exames mostrarem que não existe nenhuma infecção, o uso dos
antibióticos será interrompido.

Em casos raros, pode ser necessário o uso de um respirador devido a dificuldades


respiratórias. Um respirador é uma máquina que ajuda o bebê a respirar até que ele
possa respirar sozinho.

PREVENÇÃO
Não existe maneira de previnir, porém a mãe pode aumentar suas chances de conceber
um bebê saudável adotando medidas como :

- Realizar o pré natal corretamente

- Fazer acompanhamento médico de forma correta


- Não usar drogas nem bebidas alcoolicas durante a gestação.

- Não fazer uso de medicamentos sem prescrição médica .

ETC