Você está na página 1de 3

DIREITO DO TRABALHO

5. Segundo a doutrinadora Carla Tereza Martins Romar, em seu livro Direito do Trabalho
Esquematizado, edição 2017, a justificativa para a existência do princípio da proteção, como o
próprio nome já induz, é a de proteger do trabalhador enquanto parte economicamente mais fraca da
relação de trabalho, visando assegurar uma igualdade jurídica entre os sujeitos da relação.
Esse príncípio, permite assim que se atinja uma isonomia substancial e verdadeira entre as
partes envolvidas, não dando margens para que os princípios da autonomia da vontade e da
liberdade contratual que regem o contrato de trabalho, sejam levados ao “pé da letra” de modo que
os interesses do menos favorecido, que no caso do contrato de trabalho é o empregado, sejam
prejudicados mediante à prevalência de situações que revelem claramente desigualdade econômica
entre os contratantes, formando assim a exploração do mais fraco pelo mais forte.
Sendo assim, levará o mínimo de dignidade para dentro da relação patrão e empregado que
tem como ponto de desiquilíbrio o fator laboral.

10. O presente caso não caracteriza vínculo de emprego, tendo quem vista que o Capitão, apesar de
preencher os requisitos da Onerosidade, Subordinação, Pessoalidade, ser Pessoa Física, não
preenche o requisito da Habitualidade, tendo em vista que presta os serviços ao referido
supermercado apenas nos dias em que não está de plantão.

10/09

EMPREGADO DOMÉSTICO: é aquele que presta serviços de natureza contínua e de finalidade


não lucrativa à pessoa ou à família, no âmbito residencial dessas, em, pelo menos três vezes por
semana.
Quando se fala em empregado doméstico ou rural é uma modalidade de contrato. Trabalhou mais
de duas vezes por semana é considerado empregado

LEGISLAÇÃO: regido pela lei complementar 150/2015, aplicando-se a CLT forma subsidiária.
Muita gente defende que a emenda de 2013 as domésticas adquirindo equiparação dos
direitos com qualquer outro trabalhador seria mais prejudicial para elas do que ser diarista, o que
não é verdade. Não foram todos os direitos que foram transferidos, como no caso de não ter direito
de receber por trabalho insalubre ou por periculosidade. Pessoa jurídica não pode contratar
empregada doméstica.

Requisitos específicos da relação de emprego


a) Local da prestação de serviço – âmbito residencial
b) Finalidade não lucrativa dos serviços
c) Prestação do serviço para pessoa ou família – pessoa jurídica não pode ser empregador
doméstico.
d) trabalho realizado por período superior a dois dias por semana.

OBS: Necessariamente maior de 18 anos (brasil não deixa contratar menor de 18 anos)
OBS: Os requisitos para caracterizar o vínculo empregatício segundo a CLT são 4 (não
eventualidade, onerosidade, habitualidade e subordinação), fora da CLT não pode esquecer do
requisito da alteridade.

A convenção nº 182 da OIT, incluiu as atividades domésticas no rol das piores formas de trabalho
infantil.

Contratos:
→ Indeterminado
→ Determinado
– Experiência (90 dias)
– Atender necessidades de caráter transitório. (2 anos)
– Substituição de trabalhador: contrato interrompido ou suspenso. (2 anos)

OBS: A vantagem de contratar por prazo determinado e que não existe aviso prévio nem multa de
40% de FGTS.

CTPS: prazo de 48h para o empregador fazer o registro (LC, 150/15 e CLT, art. 29)
Tem que assinar a carteira de trabalho no prazo máximo de 48h.

Jornada de trabalho: 8h diárias ou/e 44h.


→ Admite-se a jornada 12x36, desde que por escrito no contrato, se não fizer pode ser que a jornada
seja de 8 e/ou 44 ou pode ser convertido em hora extra.

* Hora extra (LC 150/15, art. 2º) não precisa estar escrito autorização para fazer hora extra
→ Admite-se banco de horas desde que por escrito. (somente aqui precisa)
→ As primeiras 40h extras, não podem ser compensadas, devendo serem pagas;
→ Até 1 ano para compensação; (se for fazer no banco)
→ Acompanhar em viagens – adicional de 25% (cada hora trabalhada em viagem tem que ter um
acréscimo de 25 por cento se custa 10,00 tem que receber 12,50 no lugar de 10,00)

Intervalo
→ Intrajornada mínimo de 1h e máximo de 2h.
→ Redução para 30 minutos é possível desde que tenha termo escrito
→ Residindo no local de trabalho, poderá dividir o intervalo. (poderia tirar uma hora de manha e 3
a tarde)
→ Expressamente obrigatório o controle da jornada. (é obrigatório ter controle de jornada da
doméstica, o perigo é que se ela entrar na justiça falando que trabalha 12h por dia o empregador
vai ter que se virar para provar o horário que ela trabalhava)
Descontos Salariais (art. 18, LC 150/15)
Teto máximo para descontos com planos médicos/odontológicos e seguro de 20%. (se a doméstica
acordar)
Não pode descontar a comida e roupa que dá para ela. Se o empregador oferecer moradia fora do
ambiente de trabalho pode descontar, mas até 20%.

Obs: Proibido desconto pelo fornecimento de alimentos, vestiário, higiene e moradia.

Vale transporte: pode ser pago em dinheiro, mediante recibo.

FGTS: 8% sobre a apuração, além de 3,2%, destinado a multa de 40% do FGTS. (recolhe 8% mais
alíquota de 3,2% mensal para que somado esse valor dê 40% que é o valor que ela tem direito de
receber se for demitida, não tendo assim o empregador que pagar isso porque já está diluindo esse
valor no pagamento mensal)

Seguro desemprego:
→ Valor de um salário (só recebe um salário mínimo)
→ Período máximo de 3 meses de recebimento
→ Nos últimos 24 meses, ter trabalhado 15 ou mais (para receber)
→ 16 meses para requerer novo benefício