Você está na página 1de 12

1.

Sistema elétrico a ser analisado:


O sistema elétrico a ser feito uma análise computacional de contingências
está apresentado na figura 1.
Figura 1

1.1. Caso base:


A simulação do sistema elétrico da figura 1 apresenta sobrecarga nas linhas
(2-11) e (4-6) e no Trafo (5-6), além do baixo nível de tensão encontrado nas
barras 4, 5, 6, 7, 8, 10, 11 e 12. Portanto o sistema fora das condições
operacionais como mostra a figura 2.
Figura 2
1.2. Correção:
Para a elevação da tensão nas barras foi adicionado um banco de
capacitores nas barras 7(150Mvar), 11(100Mvar) e 12(60Mvar), outra função
dos bancos de capacitores eram folgar o fluxo de carga das linhas de
transmissão injetando potência reativa na rede. Foi ajustado a geração da
barra 9 para 200MW e o da barra 3 reduzido para 100MW. A partir disso, o
sistema entrou dentro das condições de operação como na figura 3 mostra.
Figura 3

2. Contingências:
2.1.1. Contingência 1: Perda da linha(2-4):
A perda da linha (2-4) causou uma sobrecarga nas linhas (10 11) e (8 10) como
mostra a figura 4. Diante disso o sistema não pode operar nessas condições.
Figura 4

2.1.2. Correção:
Para corrigir tal problema a potência do gerador da barra 3 foi aumentado
para 185 Mw a fim de reduzir p fluxo de potência das linhas sobrecarregadas.
Figura 5

2.2.1. Contingência 2: Perda da usina geradora da barra 9:


A perda da usina geradora da barra 9 compromete 4 linhas de trasmissão
como é possivel ver na figura 6, além de abaixar os níveis de tensão de
inúmeras barras.
Figura 6

2.2.2. Correção:
A correção foi feita aumentando a potência do gerador da barra 3 para
140Mw e assim diminuindo o fluxo de potência em outras partes, bem como o
corte da carga da barra 8 a para isso também foi preciso diminuir os banco de
capacitores para da barra 11 para 70Mvar e da barra 7 para 55Mvar.
Figura 7
2.3.1. Contingência 3: Aumento de 50% na carga ativa e reativa na barra 12:
O aumento de demando de potência ativa e reativa da carga elevou o fluxo
na linha (11-12), (2-11) e (6-8) além de exceder a potência máxima do gerador
da barra 1. A figura 8 demonstra a situação:

Figura 8

2.3.2. Correção:
Para corrigir esse excedente de potência ativa e reativa o gerador da barra 3
foi ajustado para 120Mw e o banco de capacitores poderia ser mantido, mas
para aliviar foram ajustados para 90Mw, como mostra a figura 9.
Figura 9
2.4.1 Contingencia 4: Perdas simultâneas das linhas (2-4) e (10-11):
As perdas das linhas (2-4) e (10-11) causou uma sobrecarga na linha (8-
10), como mostra a figura 10, essa linha não pode operar nessa condição.
Figura 10

2.4.2. Correção:
Para solucionar tal entrave a potência do gerador da barra 9 foi reduzido
para 155 Mw assim como demonstra a figura 11. A partir disso ele pode operar
tranquilamente
Figura 11
3. Fluxo de carga DC:
3.1. Primeiro ano:
Figura 12
3.2. Segundo ano:
Figura 13:
3.3. Terceiro ano:
Figura 14
3.4. Quarto ano:
Figura 15
3.5. Quinto ano:
Figura 16
3.6. Comentários:
Conforme se passa os anos as cargas reativas e ativas aumentando, nota-
se que de acordo com os dados das figuras 12, 13, 14, 15, 16 que é necessário
um aumento da quantidade de potência gerada, principalmente no quarto ano
onde o sistema chega praticamente ao limite de todos os geradores existentes.
Para tanto, umas soluções possíveis para a demanda de energia pode ser feita
com a ampliação das usinas geradoras, o acréscimo de outra fonte geradora
no sistema ou o incentivo a geração distribuída onde os consumidores
passaram a ser colaboradores do sistema fazendo que essa demanda de
potência no quinto ano seja reduzida e o sistema consiga operar
tranquilamente. Em todos os anos as potências geradas foram ajustadas.
As tensões são afetadas com o aumento das cargas indutivas, com isso
elas tendem a cair ano após ano, além de que as linhas de transmissão sofrem
com a questão da sobrecarga pois tanto a potência ativa quanto a reativa
aumentam e estressam as linhas de transmissão, principalmente a linha (4-6)
por ter um limite baixo. Diante disso, bancos de capacitores nas barras são
necessários para elevação da tensão e injeção de potência reativa no sistema
para aliviar as linhas ao invés delas transportarem essa potência. No entanto, é
de suma importância elevar a capacidade de transmissão seja colocando mais
linhas ou elevando capacidade delas, pois o aumento do fluxo de potência
aumenta ano após ano.
Os ângulos de defasagem diminuem a cada ano, o que significa que as
cargas aumentam seu poder indutivo assim como as linhas contribuem para
isso defasando a corrente em relação a tensão. Banco de capacitores foram
acrescentados a partir do segundo ano.