Você está na página 1de 4

Filosofia e, em certos casos, afastadas.

(CHAUI,
M. Filosofia. São Paulo: Ática, 2003, p. 111.)
1) Formas de conhecimento:
1.1) Conhecimento mitológico: foi a primeira 2) Passagem do pensamento mítico-religioso para o
tentativa de explicação do mundo feita pelo pensamento filosófico:
homem, ainda que de maneira fantasiosa. Os Se quisermos entender um pouco dessa relação entre
mitos são carregados de imaginação e crença, a mitologia e filosofia, devemos lembrar que a
o que nos leva a concluir que não passam pela mitologia grega anunciou uma posição diferenciada
sistematização do conhecimento. do homem no universo, ao presentar um mundo
1.1.1) A questão da crença inclusive aproxima conduzido por deuses que demonstravam as mesmas
o mito da religião. O mito é uma fraquezas humanas e que se desentendiam
representação coletiva, transmitida por constantemente, criando dificuldades à vida humana.
meio de várias gerações e que relata Decorre daí que o conhecimento tem um preço, que
uma explicação do mundo. Trata-se de necessariamente não se define como um bem ou um
uma maneira de a sociedade explicar os mal, mas, sim, como um instrumento para o homem
fenômenos que a cercam, assim como compreender e dominar a natureza e os outros
uma tentativa de explicar a si próprio. homens ao seu redor.
1.1.2) Mito: relato fabuloso, de caráter O uso do conhecimento pode tanto incentivar o
religioso, que diz respeito a seres que desenvolvimento e a prosperidade dos povos quanto
personificam agentes naturais, O mito levá-los à submissão ou extinção.
tende a fornecer uma resposta e uma A narrativa mítica é atemporal, estando deslocada
explicação satisfatórias. Possui do espaço-tempo conhecido por nós, como se
igualmente uma função que assegura a vivesse em um “eterno presente”. Tal caráter resulta,
coesão social. principalmente, da forma como o mito se reproduz,
1.2) Conhecimento filosófico: trata-se de um tipo por meio da tradição oral, que vai reforçando a
de conhecimento essencialmente teórico, existência de várias narrativas, muitas vezes
adquirido por quem o pratica por meio de uma contraditórias, o que não impede a veracidade da
exaustiva reflexão crítica acerca da realidade, narrativa mítica. Ou seja, o mito procura ser uma
da ação humana e dos seus valores. primeira forma de explicação do homem para tudo o
1.2.1) O filósofo não se contenta em “contar que existi e para o que ele considera existir, ainda
uma história” sobre as origens do que seja etéreo; no caso da narrativa mítica, o que é
mundo e do ser humano; ao contrário, “etéreo” passa a assumir a forma dos seres
busca entender e explicar fantásticos que interferem na existência da
racionalmente essas origens, por meio humanidade.
da sistematização do pensamento. A mitologia foi, portanto, criada para nos auxiliar a
Este raciocínio está ligado ao lidar com as dificuldades humanas mais
encadeamento lógico que visa não problemáticas. Ela ajudou as pessoas a encontrarem
cair em contradições. É a razão seu lugar no mundo e sua verdadeira orientação.
tentando buscar a realidade e a Todos queremos saber de onde viemos, mas, como
verdade das coisas. os primórdios se perderam nas brumas da pré-
1.3) Conhecimento científico: desenvolvido a história, criamos mitos sobre nossos antepassados,
partir do conhecimento filosófico, é uma que não são históricos, porém ajudam a explicar
forma de conhecimento elaborada por meio atitudes atuais em relação ao nosso ambiente, nossos
dos métodos rigorosos de investigação, entre semelhantes, nossos costumes.
eles a utilização da experiência, que busca Também queremos saber para onde vamos, por isso
obter leis de explicação racional e de validade elaboramos histórias que falam de uma existência
universal para os fenômenos analisados. póstuma. (...) E queremos explicar os momentos
1.3.1) Antes de mais nada, a ciência desconfia sublimes, quando parece que somos transportados
da veracidade de nossas certezas, de para além de nossas preocupações ordinárias. Os
nossa adesão imediata às coisas, da deuses nos ajudavam a explicar a experiência da
ausência de crítica e da falta de transcendência.
curiosidade. Por isso ali onde vemos
coisas, fatos e acontecimentos, a atitude 3) O pensamento filosófico contrapondo-se ao mundo
científica vê problemas e obstáculos, fantástico:
aparências que precisam ser explicadas Ao contrário do mito, a filosofia procura tratar das
questões da origem de tudo de forma distinta,
eliminando as explicação e seres fantásticos, assim em instituições religiosas, políticas, sociais e
como o caráter atemporal do mito; para o econômicas complexas.
conhecimento filosófico, existe necessidade de Estas primeiras civilizações, em especial a egípcia e
entender as coisas como eram e como são; assim, a a mesopotâmica, constituíram os primeiros Estados
filosofia procura se servir de alguns instrumentos que centralizaram tais instituições e justificaram sua
como a lógica e a razão para cumprir seus objetivos, existência por meio do sobrenatural, da esfera
instrumentos que podem ser manuseados por religiosa: eram os Estados teocráticos de regadio.
qualquer ser humano, já que são comuns e externos A sacralidade do soberano era proclamada de muitas
a todos. maneiras. Chamavam-lhe “rei do país” (isto é, do
A origem de tudo estaria, então, associada a forças mundo) ou “das quatro regiões do Universo”, títulos
que poderiam ser compreendidas pelo homem, reservados originariamente aos deuses. Tal como
motivo pelo qual os primeiros filósofos procuraram nos deuses, uma luz sobrenatural brilhava-lhe em
observar a natureza ao seu redor e identificar que volta da cabeça.
elementos naturais seriam responsáveis pela Já antes do seu nascimento, os deuses o haviam
composição de tudo: elimina-se a explicação predestinado à soberania. O rei, ainda que
fantástica e procura-se uma explicação natural, fruto conhecesse a sua progenitura terrestre, era tido como
da observação humana. “filho de deus” (...). Essa dupla descendência fazia
Sendo distintos, devemos, então, perguntar: o que dele o legítimo intermediário entre os deuses e os
leva o homem a abandonar as explicações míticas e homens.
aderir ou avançar rumo às explicações filosóficas? O soberano representava o povo perante os deuses, e
Onde e de que forma, afinal, surgiu a filosofia? era ele quem expiava os pecados dos seus súditos.
O conhecimento filosófico não admite uma De quando em quando tinha de sofrer a morte pelos
explicação única para a realidade, exigindo que se crimes do seu povo; é por esse motivo que os
questione esta realidade em direção a um assírios tinham um “substituto do rei”.ELIADE,
conhecimento contemplativo, metafísico, que Mircea.
minimize os riscos de sermos tragados pelo senso A centralização política era necessária como forma
comum e pelo imediatismo de nossas conclusões. de organizar o trabalho agrícola e garantir a
Conhecer não é aceitar o que existe, mas questionar- sobrevivência da coletividade que, para tanto,
se e espantar-se continuamente com tudo aquilo que precisava se dedicar à construção de diques de
nos cerca. É alimentar e atiçar nossa curiosidade. contenção de água, de canais de irrigação para
regiões mais distantes das margens dos rios e ao
4) O conhecimento na antiguidade oriental e na assoreamento de pântanos, práticas que procuravam
ocidental: ampliar a área fértil e o sustento da sociedade em
O conhecimento assume formas distintas. Sua geral.
primeira forma de manifestação, no entanto, foi Tais conhecimentos, dentre os quais podemos
prática, resultante da necessidade dos primeiros incorporar a astronomia – voltada para a prevenção
grupos humanos de sobreviverem, o que acabou por de enchentes –, ainda que exigissem o domínio de
levar ao desenvolvimento de ferramentas e à princípios matemáticos e físicos, eram voltados
necessidade de dominar certos elementos, como o essencialmente para as necessidades práticas destas
fogo. sociedades. Uma vez solucionado o problema, não
Este período denominado por historiadores como a haveria por que ir além no desenvolvimento daquele
pré-história da humanidade, foi superado quando os conhecimento.
primeiros grupos humanos aprenderam a domesticar Essas características eram limitadoras do
plantas, desenvolvendo a agricultura e inaugurando desenvolvimento de um pensamento lógico e
o período neolítico. racional e de uma atitude questionadora, ações do
O trabalho camponês realizado às margens dos rios pensar e do conhecimento filosófico. Seja pela
para o cultivo envolveria, entre outros aspectos, a inexistência de um elemento que incentivasse a
mistura da água e da terra, resultando em lama, de ampliação do conhecimento, seja pela existência de
acordo com sua densidade, poderia ser moldada e um soberano divinizado, o predomínio da visão
assumir formas variadas que, como resultado do religiosa e a existência de uma estrutura sacerdotal
calor do sol e, mais, tarde, do fogo, adquiriria uma acabaram por fortalecer as tradições e dogmas,
dureza fixadora. inviabilizando o questionar e “condenando” tais
Esse conhecimento agrícola e artesanal é base para o sociedades à manutenção de uma visão cosmogônica
surgimento das primeiras civilizações no Antigo do mundo.
Oriente, as quais se constituíram e se organizaram
5) Civilização Grega: o nascer da filosofia um cenário adequado para o nascimento do pensar
Assim como no caso das civilizações da filosófico, a se iniciar pela liberdade resultante das
Antiguidade Oriental, a civilização grega surgiu transformações políticas que levaram à democracia
decorrente de migrações populacionais em busca de grega.
clima e de recursos naturais adequados à O livre questionamento do mito permitiu aos
sobrevivência. primeiros filósofos buscarem respostas que
Apesar da escassez de terras férteis na península satisfizessem sua curiosidade e que estivessem
Balcânica, a agricultura tornou-se originariamente a ligadas a uma realidade compreensível, motivo que
atividade econômica principal desta sociedade, ocasionou o surgimento do logos, ou seja, a razão;
elevando os grandes proprietários de terra a uma esta, ao observar a natureza, procura respostas que
condição política superior, contribuindo para a possam ser compreendidas pelo homem, sem que
formação de uma aristocracia que se apoderou do este tenha de recorrer à fantasia, ao mito ou aos
controle das instituições que organizavam as dogmas presentes na religião.
Cidades-Estado gregas. O logos confere cientificidade à filosofia, sempre
A Diáspora Grega ocorrida a partir do século VIII em busca de relações de causa e efeito que procurem
a.C., colocou os gregos em contato com egípcios e a origem de tudo, o que só pode ser possível a partir
babilônicos, passando a ter acesso aos do instante em que nos libertamos de nossas
conhecimentos matemático e astronômico destes necessidades básicas de sobrevivência.
povos. Com isso, poderíamos manter nossa atenção em
Simultaneamente, a expansão comercial também outros acontecimentos, tais como o movimento da
contribuiu para a melhora das condições de vida da maré, do Sol, da Lua e de outros fenômenos
sociedade, garantindo-lhe maior bem-estar e naturais. Daí decorria o “espanto” grego ou thauma,
libertando-a das necessidades básicas de existência, a capacidade do filósofo de questionar tudo
dando-lhe tempo livre, primeira condição para um buscando respostas lógicas e racionais, como nos
campo fértil ao pensar filosófico. esclarece o filósofo Karl Popper:
O surgimento de uma classe comercial que O que é novo na filosofia grega, o que é
começava a disputar o poder com a aristocracia rural acrescentado de novo a tudo isso, parece-me
foi outro componente importante; o grupo comercial consistir não tanto na substituição dos mitos por
procurava romper com os valores monárquicos e algo de mais “científico”, mas sim em uma nova
introduzir princípios republicanos; o choque entre atitude em relação aos mitos. Parece-me ser
estes dois grupos foi responsável por produzir um meramente uma consequência dessa nova atitude o
conjunto de instituições políticas que iriam fato de que seu caráter começa então a mudar.
institucionalizar a liberdade, dando um sentido A nova atitude que tenho em mente é a atitude
amplo e profundo à república. crítica. Em lugar de uma transmissão dogmática da
Dentro deste contexto, o escravismo teve papel doutrina (na qual todo o interesse consiste em
relevante no mundo grego. A adoção da escravidão preservar a tradição autêntica), encontramos uma
como modo de trabalho no Ocidente liberou parte da tradição crítica da doutrina. Algumas pessoas
população de cumprir determinadas tarefas físicas, começam a fazer perguntas a respeito da doutrina,
permitindo-lhe espaços para atividades imateriais, duvidam de sua veracidade, de sua verdade.
consideradas pelos antigos como “mais nobres” e A dúvida e a crítica existiram certamente antes
dentre as quais se encontrava a filosofia. disso. O que é novo, porém, é que a dúvida e a
Por fim, outro fator que contribuiu para o crítica tornam-se agora, por sua vez, parte da
surgimento da filosofia na Grécia Antiga derivava tradição da escola. Uma tradição de caráter superior
desta liberdade política, que se manifestara também substitui a preservação tradicional do dogma.
na esfera religiosa, caracterizada pela inexistência de
uma estrutura clerical-religiosa que viria a impor 6) Era pré-socrática: descobrimento da razão
valores dogmáticos aos cidadãos gregos. Considerar os primeiros passos da filosofia não é
A forma peculiar pela qual os gregos organizaram conhecer questões relativas ao Bem e ao Mal, à
um politeísmo descentralizado e marcado por estética e à ética quando o assunto é filosofia grega.
narrativas míticas muitas vezes contraditórias reflete A primeira filosofia se preocupava com o mundo
a força da história oral neste período, apenas material, com a physis (natureza), mais
superada pelo surgimento dos poetas (ou aedos), precisamente com a explicação da origem do mundo
responsáveis por preservar e dar forma final ao mito. material.[...]
Todos estes elementos em conjunto – [...] É importante entender que a natureza estudada
transformações socioeconômicas e políticas, o por estes filósofos não corresponde àquilo que
naturalismo e a transcendência religiosa – criaram entendemos como natureza hoje. Ela apresentava
outro sentido, devendo ser entendida como a política, do universo monetário e de uma vida
realidade primeira que se mostra a nós. coletiva complexa que permitiu a alguns de seus
moradores o tempo necessário para a reflexão
Quem foram os pré-socráticos? filosófica.
 Primeiros filósofos da história (secs. VI A seguir, procuraremos nos deter às principais
e V a.c). afirmações destes pensadores a respeito da origem
do Universo, afastando-se da explicação mítica e
 Investigaram a physis (natureza) e, por
inaugurando um novo tipo de conhecimento.
isso são chamados de físicos.
6.1) Tales de Mileto:
 Procuravam o princípio constitutivo do Tales é considerado o primeiro filósofo. Sua
cosmo. Os gregos usavam a palavra ruptura com o conhecimento mítico se situa na
arché para designar esse princípio. afirmação da água (hýdor) como a arché do
 Heráclito e Parmênides estão entre os Universo. O pensador de Mileto buscou um
principais pré-socráticos. elemento que poderia ser considerado a base de
todas as coisas do Universo. Quais foram as
Os primeiros filósofos, portanto, não recorriam ao razões que moveram o filosofo a entender a
fantástico como a narrativa mítica, mas também não água como este elemento?
praticavam a metafísica (além do mundo material). Sua vivência e capacidade de observação foram
Quem, afinal, eram eles? essenciais para tanto. Tales conheceu o Egito,
Os físicos, ou physiologos (filósofos da natureza), viveu um tempo neste lugar e acompanhou as
foram homens que se ocuparam da cosmologia, cheias e vazantes do rio Nilo, compreendendo a
abandonando a explicação do Universo que apelava importância da água para a vida. Teria chamado
para os deuses. Tais pensadores procuraram a água de deus inteligente, fundamento da vida
formular ideias sobre a gênese (origem e e do porvir, do movimento do Universo; ainda
desenvolvimento dos seres. conjunto de fatos ou assim, a água era matéria: a filosofia nascia aí!
elementos que contribuíram para produzir uma De acordo com Tales, só algo que pudesse
coisa), do cosmos a partir da observação da ocupar qualquer forma existente poderia ter
realidade imediata. dado origem às coisas que possuem diversas
Como isso seria possível? Ao olhar para a natureza, formas; da mesma forma, só algo que pudesse
para o mundo material, começaram a se perguntar ser encontrado em todos os estados em que se
quanto à existência de um elemento que pudesse ter encontravam as coisas poderia ter produzido
dado origem causa final da existência, assim como tais coisas.
também o meio através do qual tudo existe. Nesse Disso, observou que a água podia ocupar
sentido, haveria um princípio material do Universo, qualquer forma e que se encontrava nos estados
uma arché originária do cosmos. sólido, líquido e gasoso, o que lhe garantia uma
É neste ponto que esses pioneiros vão discordar, condição especial no mundo, sendo identificada
desenvolvendo as primeiras linhas de raciocínio em enquanto a matéria primeira do Universo, a
busca da compreensão da realidade e do princípio physis, aquela que teria dado origem a todo o
gerador, que pode ser a água, o ar, a terra, o átomo, existente.
o infinito, representantes da physis que compõem a Toda matéria, portanto, seria dotada de certa
arché. umidade que lhe conferiria vida. A inexistência
Tales de Mileto, Heráclito de Éfeso, Parmênides de de umidade, a completa seca, corresponderia à
Eleia, Pitágoras de Samos e Demócrito de Abdera não existência, à morte.
são alguns dos nomes associados à filosofia da A importância de Tales para o nascimento da
physis, ou pré-socrática. filosofia está em afirmar a ideia de que “Tudo é
É comum nos equivocarmos com o termo, um”. A esta proposição de unidade
relacionando-o a um elemento temporal, como se denominamos unitarismo. Além de Tales,
todos estes filósofos antecedessem Sócrates, mas a podemos considerar unitaristas Heráclito de
verdade é que o método investigativo destes Éfeso e Parmênides de Eleia, responsáveis pela
filósofos, pautado na busca e na compreensão da primeira grande disputa filosófica, cujo impasse
arché, difere da dúvida socrática e de seu método seria resolvido por Sócrates.
investigativo.
Repare, também, que seus nomes vêm
acompanhados das pólis das quais eram cidadãos, o
que reforça a ideia de que a filosofia nasceu com as
Cidades-Estado, fruto do debate, da palavra, da