Você está na página 1de 18

PT – Especialidade Cirúrgica 1

1) Paciente de 62 anos, com histórico de infarto agudo do miocárdio (IAM) há quatro meses, é
encaminhado ao setor de emergência do hospital com quadro de hemorragia digestiva devido
a úlcera duodenal. Ele é submetido a terapêutica endoscópica com sucesso. Após doze horas
o paciente volta a apresentar hematêmese e é submetido a nova endoscopia com clipagem de
um vaso visível. Após 24 horas o paciente apresenta quadro de instabilidade hemodinâmica e
um episódio de hematêmese. O médico responsável pelo tratamento do paciente solicita uma
arteriografia para embolização do vaso com sangramento. Sobre esta conduta podemos
afirmar:
a) A arteriografia não apresenta bons resultados para este tipo de condição e leva a um
atraso na cirurgia.
b) A cirurgia com rafia do vaso apresenta menos risco de vida para este paciente.
c) Nova endoscopia com terapêutica endoscópica deve ser indicada antes de qualquer outro
procedimento mais invasivo.
d) Arteriografia apresenta resultados similares a cirurgia com menos risco de complicações e
pode ser indicada antes da cirurgia se disponível.

2) Um paciente de 58 anos, obeso (IMC: 38) é submetido a laparotomia para tratamento de uma
úlcera perfurada com um abscesso subdiafragmático. No primeiro dia após a cirurgia o
paciente questiona seu médico sobre o risco de apresentar uma hérnia incisional? Qual das
respostas abaixo é correta?
a) O aparecimento de hérnia incisional é quase sempre reconhecido dentro dos dois
primeiros meses de pós operatório.
b) A incidência de hérnia incisional em incisões medianas para correção de úlcera perfurada
é baixa e próxima de 2%.
c) A chance de o paciente apresentar uma hérnia incisional nesta situação é próxima de 20%.
d) A obesidade apresentada pelo paciente aumenta o risco de deiscência de parede, mas
não de hérnia incisional.

3) Uma paciente de 78 anos procura o pronto socorro do hospital com história de várias
evacuações de fezes de coloração escura misturada com coágulos de sangue nas últimas oito
horas. Ela relata hipertensão arterial, e diabetes mellitus controlados com medicamentos. Ao
exame físico apresenta pressão arterial de 100 / 70 mmHg, pulso de 115 btm e frequência
respiratória de 22 ipm. O Exame abdominal não apresentou nenhuma anormalidade e o
exame retal apresentou fezes melanóticas e ausência de massa na ampola retal. Uma
endoscopia digestiva alta foi solicitada e não apresentou alterações. Com relação ao quadro
apresentado pela paciente, quais as causas mais prováveis de sangramento?
a) Diverticulose, angiodisplasia e neoplasia de cólon direito
b) Intussuscepção, doença inflamatória intestinal e aneurisma de aorta abdominal roto.
c) Colite isquêmica, doença inflamatória intestinal e diverticulose
d) Angiodisplasia, divertículo de Meckel e infarto entero mesentérico.

4) Um paciente de 65 anos, sem comorbidades, submetido a cirurgia de prótese de quadril inicia


quadro de distensão abdominal no quinto dia de pós operatório associada a dor abdominal,
parada de eliminação de fezes, náuseas, vômitos e dor abdominal. Uma tomografia de
abdome revela distensão do cólon direito e transverso com um ceco com diâmetro de oito cm
e não é visto nenhum ponto de obstrução. Após 48 horas de tratamento conservador, o
paciente não apresenta sinais de melhora do quadro e uma nova tomografia de abdome
mostra o ceco com 12 cm de diâmetro. O próximo passo na condução deste paciente é:
a) Monitorização do paciente e neostigmine duas mg endovenoso.
b) Descompressão do ceco guiada por tomografia.
c) Colonoscopia com descompressão do ceco.
d) Colectomia total e ileostomia.
PT – Especialidade Cirúrgica 2

5) Uma paciente de 38 anos foi submetida a uma laparotomia de emergência para uma
apendicite perfurada com peritonite localizada há cinco dias. Desde a cirurgia a paciente vem
apresentando prostração, hiporexia e febre intermitente. Sua sonda vesical foi removida no
primeiro dia de pós operatório e ela não apresenta queixas urinárias. Ao exame físico ela
apresenta temperatura de 38,5 oC, pulso de 105 btm, e pressão arterial de 120 / 80 mmHg. O
exame cardiorrespiratório não apresenta nenhuma anormalidade. Seu abdome está distendido
e doloroso à palpação. A incisão cirúrgica está aberta e sem sinais de infecção. Ela está no
quinto dia de terapia com cefoxitina e metronidazol e um leucograma revela leucocitose de
22.600 / mm3. Em relação ao caso acima qual medida deve ser adotada?
a) Solicitar uma série de radiografias para abdome agudo.
b) Solicitar uma tomografia de abdome.
c) Ampliar a cobertura com antibióticos e observar 24 horas.
d) Realizar uma laparoscopia diagnóstica.

6) Um homem de 35 anos é submetido a cirurgia aberta para a correção de uma hérnia inguinal
indireta. Durante a dissecção do saco herniário quais são os nervos mais passíveis de serem
lesados?
a) Nervo ileoinguinal e nervo femoral cutâneo lateral.
b) Nervo ileoinguinal e ramo genital do nervo genitofemoral.
c) Nervo íleo-hipogástrio e ramo genital do nervo genitofemoral.
d) Nervo íleo hipogástrio e nervo femoral cutâneo lateral.

7) Uma mulher de 78 anos, hipertensa controlada, procura emergência referindo massa dolorosa
na região da virilha direita há 6 horas. Após o exame físico é constatado a presença de uma
hérnia femoral encarcerada e a cirurgia de urgência é indicada. Qual a melhor abordagem
para esta paciente entre as alternativas abaixo:
a) Reparo de McVay
b) Reparo de Lichtestein.
c) Reparo de Bassini
d) Incisão mediana e observação da viabilidade das alças.

8) Um paciente de 62 anos, obeso, diabético em uso de hipoglicemiantes orais procura a unidade


de pronto atendimento do hospital referindo dor intensa em região abdominal inferior e região
perineal. Ao exame físico nota edema, hiperemia e creptação a palpação da região perineal e
bolsa escrotal. A conduta para este paciente é:
a) Iniciar antibiótico e observar o paciente por 24 horas.
b) Solicitar uma tomografia computadorizada.
c) Desbridamento em região perineal e bolsa escrotal agressivo.
d) Laparotomia exploradora.

9) Após uma laparotomia de urgência, com uma incisão na linha média xifo-umbilical, para rafia
de uma úlcera duodenal perfurada o cirurgião vai fechar a cavidade abdominal. Qual a melhor
opção entre as abaixo com relação ao risco de deiscência de parede e hérnia incisional?
a) Polyglactin 910 (Vicryl), pontos separados por planos separados
b) Polypropylene (prolene), pontos separados, por planos separados.
c) Polydioxanone (PDS), sutura contínua, plano único.
d) Seda, sutura contínua, plano único.
PT – Especialidade Cirúrgica 3

10) Uma mulher de 70 anos, encaminhada ao ambulatório de cirurgia gastrointestinal refere


emagrecimento de 15 kg nos últimos 6 meses. Ela relata que mais ou menos neste período
passou a apresentar progressivamente dor abdominal em cólica, peri umbilical, cerca de trinta
minutos após a ingesta alimentar com duração de uma hora. Embora ela sinta fome e com
medo destas dores ela vem se alimentando cada vez menos e somente com caldos. Ela nega
febre, náuseas, vômitos, mal estar ou constipação. De antecedentes pessoais ela refere ser
hipertensa e é tabagista de uma carteira de cigarros por dia. Ao exame físico ela se encontra
emagrecida, orientada. Suas mucosas estão coradas, úmidas e não apresenta icterícia. O
exame das carótidas apresenta sopros bilaterais. O exame cardiopulmonar não evidencia
anormalidades. O abdome é escavado, flácido, indolor à palpação e sem massas palpáveis. O
toque retal apresenta fezes normais em dedo de luva. Foi solicitado um hemograma, dosagem
de glicose no soro, eletrólitos, uréia e creatinina todos dentro dos limites normais. Um
eletrocardiograma, um ultrassom de abdome total, uma endoscopia digestiva alta e uma
colonoscopia são solicitadas e estão normais. Sobre está paciente podemos afirmar que entre
as alternativas abaixo o diagnóstico mais provável é:
a) Isquemia mesentérica crônica.
b) Pancreatite crônica.
c) Doença de Crohn.
d) Pinçamento aórtico mesentérico.

11) Um paciente de 48 anos procura emergência do hospital com história de dor abdominal em
cólica há 14 horas, acompanhada de vômitos biliosos. Ele nega sintomas semelhantes
anteriormente e refere apenas uso de lozartana para hipertensão arterial e cirurgia para
apendicite há cinco anos. Ao exame físico apresenta temperatura de 36,7º C, pulso de 95 btm,
pressão arterial de 130 / 80 mmHg e frequência respiratória de 16 ipm. Seu abdome está
distendido com uma cicatriz mediana infra umbilical bem cicatrizada, apresentando dor à
palpação difusa e sem sinais de dor a descompressão ou defesa. Os ruídos hidroaéreos estão
aumentados, não se identifica hérnias e o toque retal não revela massa e não há fezes na
ampola retal. Um hemograma é solicitado e seu hematócrito é de 43% com hemoglobina de
14 g / dL e leucócitos de 8.300 / mm3 (74% segmentados, 0,2% eosinófilos, 0,2% basófilos,
15,2% linfócitos típicos e 10,3% de monócitos). Uma radiografia de abdome mostra imagens
sugestivas de suboclusão intestinal Qual é o próximo passo na condução deste paciente?
a) Enema opaco terapêutico.
b) Descompressão nasogástrica, re-hidratação e analgesia.
c) Laparoscopia diagnóstica
d) Laparotomia exploradora.

12) Uma paciente de 24 anos, com diagnóstico de púrpura trombocitopênica imune (PTI) é
encaminhada ao ambulatório de cirurgia para avaliação e discussão sobre tratamento
cirúrgico. Ela está sendo tratada com corticoides há dois anos, mas vem requerendo doses
cada vez mais elevadas para manter a remissão do quadro e passou a apresentar hipertensão
arterial e obesidade. Qual das alternativas abaixo não representa indicação de esplenectomia
para esta paciente.
a) Uso de corticoide em paciente jovem.
b) Uso crônico de corticoide por mais de um ano.
c) Uso de dose tóxica de corticoide.
d) Ausência de remissão com uso de corticoide.
PT – Especialidade Cirúrgica 4

13) Um paciente de 48 anos retorna ao ambulatório de cirurgia no 12º pós-operatório de


laparotomia exploradora com ressecção segmentar de 15 cm de alça ileal há 50 cm da válvula
ileocecal devido a quadro de obstrução intestinal. O histopatológico da peça revela um tumor
carcinoide de quatro cm obstruindo a luz intestinal e invasão do mesentério adjacente. Sobre
este caso é correto afirmar:
a) A possibilidade deste paciente apresentar metástase é baixa.
b) A dissecção extensa do mesentério não aumenta a sobrevida neste caso.
c) A ocorrência de tumor multicêntrico neste paciente é de 20% a 30%.
d) Este paciente apresenta acima de 70% de chance de apresentar a síndrome carcinoide.

14) Paciente de 38 anos, masculino, etilista procura o pronto socorro com forte dor em epigástrio e
região torácica após vômitos com raias de sangue. Ao exame físico o paciente se encontra
taquicárdico, hipotenso, agitado e com presença de enfisema subcutâneo em região cervical.
Qual o diagnóstico clínico apresentado pelo paciente e qual exame ideal para confirmar o
diagnóstico?
a) Síndrome de Boerhaave e esofagograma com contraste hidrossolúvel.
b) Síndrome de Bouveret e endoscopia esôfago-gastro-duodenal.
c) Síndrome de Mallory-Weiss e radiografia de tórax.
d) Síndrome de Budd Chiari e arteriografia.

15) Mãe procura unidade de pronto atendimento referindo que seu filho, oito meses de idade e
previamente hígido começou a apresentar episódios de choro forte e contínuo, vômitos
alimentares e agitação há 6 horas. Ela notou fezes com muco e sangue na frauda da criança.
Ao exame físico a criança está em bom estado geral, com temperatura de 37,3º C, pulso de 95
btm e eupneica. O exame abdominal revela um abdome pouco distendido, sem hérnias da
parede abdominal, uma massa palpável no quadrante superior direito e uma fossa ilíaca direita
vazia à palpação. Ao toque retal nota-se fezes vermelho escuro e mucoides em dedo de luva.
Considerando o quadro clínico e a idade do paciente pode-se afirmar que o diagnóstico clínico
mais provável é:
a) Estenose hipertrófica de piloro
b) Pâncreas anular
c) Invaginação intestinal
d) Brida congênita

16) Paciente internado com história de plenitude pós-prandial, epigastralgia sem conseguir se
alimentar corretamente há dois meses e, sem comer nada há uma semana. Apresenta perda
de peso de aproximadamente 15 Kg neste período. Realizou Endoscopia Digestiva Alta (EDA)
diagnosticando lesão de aspecto neoplásico antral obstruindo quase totalmente o piloro, mas
sendo possível a passagem de uma Sonda Nasoenteral para alimentação. Foi iniciada
alimentação enteral hiperproteica e hipercalórica. Paciente apresentou piora no estado geral
com alterações hidroeletrolíticas como hipocalemia e hipofosfatemia. Dentre as alternativas
abaixo qual é a que melhor correlaciona com a piora do paciente:
a) Um provável quadro séptico decorrente de uma perfuração gástrica durante a EDA.
b) Síndrome da Realimentação em um paciente desnutrido.
c) Provável insuficiência renal pela desnutrição.
d) Existência de doença metastática
PT – Especialidade Cirúrgica 5

17) Pacientes portadores do anel de Schatzki geralmente apresentam qual sintomatologia:


a) Disfagia episódica pós alimentar.
b) Odinofagia frequente, quase diária por irritação da mucosa.
c) Episódios de tosse pós alimentar.
d) Dispepsia e eructações.

18) São considerados fatores predisponentes do carcinoma espinocelular (CEC) do esôfago,


exceto:
a) Estenose cáustica.
b) Megaesôfago Chagásico.
c) Helicobacter Pylori.
d) História de neoplasia de cabeça e pescoço.

19) Sobre os tumores estromais gastrointestinais (GIST), assinale a alternativa incorreta:


a) Tilose representa um fator de risco para seu aparecimento.
b) Originam-se das células de Cajal.
c) Tem como marcador de positividade o c- Kit.
d) O potencial de malignidade se correlaciona com o tamanho tumoral.

20) Paciente com 82 anos queixando-se de dificuldade para engolir a meses, de caráter
progressivo e associado à perda de peso. Relata ainda desconforto no pescoço após engolir,
como “um barulho”. Sobre o caso acima podemos afirmar que se trata de:
a) Divertículo Epifrênico..
b) Divertículo de Tração.
c) Divertículo intra mural.
d) Divertículo de Zencker.

21) Mulher 70 anos, branca, aposentada, natural e procedente de São José do Rio Preto, foi
submetida a retossigmoidectomia com princípios oncológicos há 2 meses, devido a tumoração
em colo sigmoide. No pré operatório tomografias de tórax, abdome e pelve não constataram
metástases e o valor do CEA era 2ng/ml. O exame anátomopatológico da peça cirúrgica
constatou adenocarcinoma moderadamente diferenciado T3NO. Diante desse caso, assinale
a alternativa correta:
a) Aproximadamente 60% dos pacientes com doença no estágio I-III
desenvolvem doença recorrente após o tratamento inicial.
b) Os objetivos da vigilância após o tratamento do câncer colorretal (CCR) com intenção
curativa são: detecção de recidiva local, tumores metacrônicos e metástases à distância,
em pacientes assintomáticos e tratáveis.
c) Depois do tratamento com intenção curativa, os pacientes iniciam um programa de
vigilância que geralmente dura três anos.
d) A detecção precoce de CCR recorrente pode aumentar a elegibilidade do paciente para
uma gama de tratamentos, porém, sem melhorar a sobrevida global.

22) Paciente masculino, 59 anos de idade, refere dor anal há um dia. Nega febre e nega
alterações do habito intestinal. Ao exame físico foi constatado enduração e hiperemia em
margem anal esquerda. Qual a melhor conduta?
a) Exploração cirúrgica.
b) Antibioticoterapia domiciliar de amplo espectro.
c) Ressonância magnética de pelve para confirmação diagnóstica.
d) Retossigmoidoscopia
PT – Especialidade Cirúrgica 6

23) Paciente masculino, 48 anos, com quadro de prurido anal há 1 ano. Ao exame proctológico foi
constatado ulcera em borda e canal anal medido 3 cm. Realizado biopsia que constatou
carcinoma espinocelular (CEC). Diante desse caso, pode se afirmar:
a) Infecção pelo HPV é o principal fator de risco para o CEC do canal anal e nos casos de
câncer invasivo o tratamento deve ser com quimioterapia e radioterapia.
b) História familial é o principal fator de risco para o CEC do canal anal e nos casos de câncer
invasivo o tratamento deve ser cirúrgico e a quimioterapia reservada para doença
metastática.
c) Nesses casos, sempre que possível deve ser feita avaliação molecular para diagnóstico de
síndromes hereditárias com predisposição ao câncer colorretal.
d) A colonoscopia deve ser realizada durante o estadiamento e no seguimento pós
operatório, quando deverá ser repetida anualmente.

24) Mulher, 60 anos, branca, aposentada, natural e procedente de Jales. Procurou emergência
medica com quadro de um episódio de enterorragia há 12 horas. Nega dor abdominal, nega
história de alteração do habito intestinal e história familial para câncer colorretal. Refere uso de
AAS, metformina e lozartana. Ao exame físico encontrava-se consciente e orientada,
descorada ++/4+, FC: 92 bpm; PA: 110 / 70 mmHg. O abdome era flácido e indolor. Ao toque
retal foi constatada pequena quantidade de sangue coagulado em dedo de luva. Considerando
esse caso, assinale a correta:
a) Quando a causa do sangramento é doença diverticular dos cólons, na maioria dos casos,
há necessidade de tratamento cirúrgico de urgência.
b) A causa mais frequente de enterorragia nessa faixa etária é câncer colorretal.
c) Em pacientes que apresentaram enterorragia e encontram-se hemodinamicamente
estáveis, a endoscopia digestiva alta não deve ser realizada rotineiramente no atendimento
de urgência.
d) A arteriografia deve ser realizada após a estabilização do paciente e quando não houver
sinais de sangramento ativo.

25) Mulher, 40 anos, branca, natural e procedente de Fernandópolis. Procurou o ambulatório de


coloproctologia com quadro de eliminação de secreção purulenta pelo ânus há 30 dias. Refere
cirurgia para drenagem de abscesso anal há dois meses. Nega febre, nega dor anal, nega
história de alteração do habito intestinal e história familial para câncer colorretal. Refere uso de
lozartana. Ao exame físico encontrava-se em bom estado geral. O abdome era flácido e
indolor. Ao exame proctológico constatou-se orifício externo de fistula anorretal às 5h e
distando 1,5cm da borda anal. Ao toque retal foi constatado esfíncter normotônico, ampola
retal de paredes lisas e ausência de sangue ou pus em dedo de luva. Considerando esse
caso, assinale a correta:
a) A causa mais frequente de fistula anorretal é doença de Crohn.
b) A causa mais frequente de fistula anorretal é proctite actínia.
c) A ressonância magnética de pelve deve ser solicitada para o diagnóstico de fistulas anais
baixas com suspeita de trajeto interesfinctérico.
d) A maioria das fístulas anorretais origina-se a partir de uma cripta de uma glândula anal
infectada.
PT – Especialidade Cirúrgica 7

26) Homem, 25 anos, branco, engenheiro, natural e procedente de Campinas, procurou


consultório médico solicitando que fossem realizados exames para prevenção do câncer
colorretal. Nega alterações do habito intestinal. Refere que seu pai teve câncer em cólon aos
35 anos. Ao exame físico encontrava-se em bom estado geral. Foi realizado colonoscopia e
constatado lesão ulcero vegetante de 3 cm em ceco; cujo estudo histológico constatou
adenocarcinoma mucinoso. Realizado imuno-histoquímica para pesquisa de instabilidade de
micros satélites que constatou sinais de instabilidade nos genes MSH2 e MSH6.
Considerando esse caso, é possível afirmar:
a) Provavelmente trata-se de uma síndrome hereditária com predisposição ao câncer
colorretal (CCR), A síndrome de Lynch é o diagnóstico mais provável, porém para sua
confirmação há necessidade de preenchimento dos critérios de Amsterdã.
b) Provavelmente trata-se de síndrome de Lynch, sendo que nessa síndrome a progressão
tumoral ocorre de forma acelerada, quando comparada a polipose adenomatosa familiar.
c) Provavelmente trata-se de síndrome de Lynch, sendo essa síndrome caracterizada pela
maior chance de tumores sincrônicos e menor chance de tumores metacrônicos.
d) Provavelmente trata-se de síndrome de Lynch, sendo essa síndrome caracterizada pela
associação com tumores desmoides.

27) Paciente de 23 anos de idade, apresentando dor abdominal e diarreia crônica, foi submetido a
colonoscopia que constatou úlceras profundas no canal anal, íleo e ceco, intercaladas por
áreas de mucosa de aspecto endoscópico normal. A análise histopatológica dos fragmentos
dessas úlceras resultou em processo inflamatório crônico com granulomas não caseosos.
Diante desse caso, é correto afirmar que:
a) O comprometimento anal é mais frequente na doença de Crohn do que na retocolite
ulcerativa idiopática (RCUI).
b) São metas no tratamento dessa paciente: alcançar remissão clínica, remissão sem
esteroides, redução de internações hospitalares, melhora na qualidade de vida,
independente da cicatrização da mucosa.
c) A possibilidade de tuberculose intestinal deve ser desconsiderada pela característica dos
granulomas encontrados.
d) O quadro é sugestivo de (RCUI), porém outros exames são necessários para excluir
doenças infecciosas.

28) Homem, 26 anos, branco, advogado, natural e procedente Barretos, procurou consultório
médico solicitando que fossem realizados exames para prevenção do câncer colorretal. Refere
constipação intestinal crônica e que seu pai teve câncer em reto aos 35 anos. Ao exame físico
encontrava-se em bom estado geral. Foi realizada colonoscopia e ressecção endoscópica de
três pólipos cólicos, todos sésseis e medindo entre 0,5 e 1,5cm; cujo estudo histológico
constatou adenoma tubular com displasia de baixo grau em todas as lesões. Considerando
esse caso, é possível afirmar:
a) Provavelmente trata-se de uma síndrome hereditária com predisposição ao câncer
colorretal (CCR), a polipose adenomatosa familiar é o diagnóstico mais provável e deve
ser confirmado pela identificação de mutação nos genes de reparo do DNA.
b) São sinais de alerta para o diagnóstico de síndromes hereditárias com predisposição ao
câncer colorretal (CCR): idade precoce ao diagnóstico do CCR, história familial de CCR,
história pessoal de CCR, tumores sincrônicos e metacrônicos.
c) Provavelmente trata-se CCR esporádico e o acompanhamento deve ser feito de acordo
com protocolos de seguimento para câncer esporádico.
d) Provavelmente trata-se de uma síndrome hereditária com predisposição ao câncer
colorretal (CCR). A síndrome de Lynch é o diagnóstico mais provável e deverá ser
confirmado pelos critérios de Amsterdã.
PT – Especialidade Cirúrgica 8

29) Paciente masculino, 52anos, com quadro de hematoquezia indolor há um ano. Ao exame
proctológico foi constatado hemorroidas internas de segundo grau. Diante desse caso, pode-
se afirmar:
a) Para pacientes maiores de 50 anos com queixa de hematoquezia, mesmo após o
diagnóstico de doença hemorroidária pela anuscopia, a realização da colonoscopia deve
ser indicada.
b) A perda da fixação dos coxins vasculares não é aceita como etiologia da doença
hemorroidária.
c) As hemorróidas externas originam-se do plexo hemorroidário superior e são recobertas por
epitélio colunar.
d) As hemorróidas internas de segundo grau devem ser tratadas, inicialmente, por meio de
hemorroidectomia aberta.

30) Homem, 60 anos, branco, engenheiro, natural e procedente de Votuporanga. Assintomático,


nega alterações intestinais. Nega história familial de câncer colorretal. Foi submetido a
colonoscopia para rastreamento do câncer colorretal, que constatou lesão vegetante em reto,
medindo 3 cm e estava localizada a 6 cm da borda anal, ocupava 20% da luz e circunferência
retal. Foi realizado biopsia e a analise histológica indicou adenocarcinoma moderadamente
diferenciado. Ao toque retal foi constatado lesão vegetante e móvel, em reto médio. Diante
desse caso, foi indicada ressonância magnética de pelve e ultrassom endorretal que
constataram lesão retal restrita a camada submucosa do órgão e sem sinais de
comprometimento linfonodal. Tomografias de tórax e abdome sem sinais de metástases. A
conduta inicial foi ressecção da lesão por micro cirurgia transanal. Considerando esse caso,
assinale a correta:
a) A melhor conduta é complementar o tratamento com retossigmoidectomia laparoscópica e
excisão total do mesorreto.
b) A melhor conduta é complementar o tratamento com retossigmoidectomia laparoscópica e
excisão parcial do mesorreto.
c) A melhor conduta é adjuvância com quimioterapia e radioterapia.
d) Tumor retal menor que 4 cm, localizado nos 8 centímetros distais, móvel, uT1 , que
compromete menos de 40% da circunferência e baixo risco histológico (sem invasão
linfovascular, bem ou moderadamente diferenciado, sem componente mucinoso), pode ser
tratado exclusivamente por micro cirurgia transanal.

31) Paciente masculino, 32 anos, com quadro de dor anal há um dia. Nega alterações do habito
intestinal, sangramento e trauma local. Ao exame proctológico foi constatado enduração,
hiperemia e dor em margem anal esquerda. Diante desse caso, pode-se afirmar:
a) O sintoma inicial e principal de um abscesso anal é a dor.
b) O tratamento do abscesso anal é clinico com antibioticoterapia de amplo espectro.
c) Em cerca de 90% dos pacientes submetidos à drenagem de abscesso ocorre cronicidade
do processo com formação da fístula anal.
d) A maioria das fístulas anais é secundária a doença de Crohn.

32) Mulher de 43 anos, com diagnóstico de Adenocarcinoma moderadamente diferenciado de


antro próximo ao piloro submetida ao estadiamento pré-operatório sem mostrar doença
avançada. Indicado cirurgia com intenção curativa. Das alternativas abaixo, qual etapa não
necessita ser realizada neste procedimento cirúrgico:
a) Esvaziamento da cadeia da Artéria Gástrica Esquerda.
b) Esvaziamento do hilo esplênico.
c) Ressecção do folheto anterior do Mesocólon Transverso.
d) Esvaziamento da artéria hepática.
PT – Especialidade Cirúrgica 9

33) Paciente portador de Carcinoma Espinocelular (CEC) de esôfago deu entrada no Hospital com
mal estado geral, dificuldade para deglutir e tosse desencadeada pela ingesta de alimentos ou
líquidos. Analisando o que foi exposto acima assinale a alternativa correta.
a) Como hipótese diagnóstica a pneumonia decorrente da baixa imunidade.
b) Tosse por provável invasão tumoral para o parênquima pulmonar, associado à pneumonia.
c) Quadro sugere uma fístula esôfago traqueal, com provável processo infeccioso pulmonar.
d) Avaliar a possibilidade de tromboembolismo pulmonar.

34) Paciente do sexo feminino com 13 anos de idade foi encaminhada ao ambulatório porque seu
pai apresentou câncer medular de tireoide e foi submetido a tratamento cirúrgico. O exame
físico é normal. Na investigação diagnóstica você iria fazer todos exames abaixo, exceto:
a) Catecolaminas séricas
b) Gastrina sérica
c) Cálcio sérico
d) Calcitonina sérica

35) Paciente do sexo feminino com 43 anos de idade notou aparecimento de uma massa em
região anterior de sua coxa direita há dez meses. Foi encaminhada ao ambulatório para
investigação diagnóstica. No exame físico apresentava massa de 8 cm de diâmetro em face
anterior da região medial da coxa direita, aparentemente aderida ao plano muscular abaixo,
mas a pele sobre ela está solta. O próximo passo mais importante na conduta é:
a) Biopsia excisinal
b) “Core-biopsy”
c) Punção aspirativa com agulha fina
d) Biopsia incisional

36) Paciente do sexo feminino com 38 anos de idade apresenta quadro de hiperpigmentação
cutânea, níveis elevados de ACTH e expansão do tumor hipofisário após adrenalectomia
bilateral como terapia para doença de Cushing. Esta tríade caracteriza a:
a) Síndrome de Conn
b) Síndrome de Nelson
c) Síndrome de Cushing
d) Síndrome de Zuckerkandl

37) Uma mulher de 50 anos apresenta queixas de fraqueza, anorexia, indisposição, constipação e
dor nas costas. Durante a evolução do quadro clínico, ela começou a ficar ligeiramente
letárgica. Os exames mostraram um raio X de tórax normal, albumina sérica de 3,2 mg/dl,
cálcio sérico de 14 mg/dl, fósforo sérico de 2,6 mg/dl, cloro sérico de 108 mgldl, uréia de 32
mg/dl e creatinina de 2,0 mgldL. A conduta inicial adequada inclui?
a) Uso de mitramicina
b) Administração de diuréticos tiazídicos
c) Administração de fósforo intravenoso
d) Infusão de solução fisiológica

38) Uma mulher de 50 anos apresenta queixas de fraqueza, anorexia, indisposição, constipação e
dor nas costas. Durante a evolução do quadro clínico, ela começou a ficar ligeiramente
letárgica. Os exames mostraram um raio X de tórax normal, albumina sérica de 3,2 mg/dl,
cálcio sérico de 14 mg/dl, fósforo sérico de 2,6 mg/dl, cloro sérico de 108 mgldl, uréia de 32
mg/dl e creatinina de 2,0 mgldL. Após uma conduta inicial adequada, os sintomas da paciente
regrediram. Nesse momento, uma avaliação apropriada para elaborar um diagnóstico incluiria
todos os testes seguintes, EXCETO:
a) Teste para Sarcoidose.
b) Tomografia Computadorizada abdominal e torácica
c) Dosagem de paratormônio sérico
d) Mamografia e exame das mamas
PT – Especialidade Cirúrgica 10

39) Paciente do sexo masculino com 43 anos de idade e queixa de tonturas, letargia e convulsões
foi encaminhado ao ambulatório para investigação diagnóstica. A dosagem do peptídeo C foi
de 10,2 ng/ml (Normal = 1,1 a 5,0 ng/mL). O exame físico era normal. Qual o diagnóstico?
a) Glucagonoma
b) Insulinoma
c) Vipoma
d) Gastrinoma

40) A síndrome clinica descrita por Verner-Morrisson em 1958 e caracterizada por diarréia aquosa,
hipocalemia, acloridria e acidose é decorrente do excesso da produção de:
a) Glucagon
b) Somatostatina
c) VIP
d) Polipeptídio P

41) Tumor de partes moles associado com síndromes hereditárias (síndrome de Gardner),
gravidez (especialmente na segunda gestação) e com hormônios femininos endógenos ou
exógenos em adultos:
a) Rabdomiossarcoma
b) Leiomiossarcoma
c) Angiolipossarcoma
d) Desmoide

42) Sobre melanoma assinale a incorreta:


a) A biópsia do LNS não é recomendada em pacientes com tumores primários superiores a 1
mm de espessura de Breslow, e sem evidência de metástases regionais ou distantes
b) O linfonodo sentinela nem sempre é o mais próximo da lesão;
c) O linfonodo sentinela é o primeiro linfonodo para qual drena a lesão;
d) A linfadenectomia sentinela contribui para o aumento de sobrevida dos pacientes;

43) Uma mulher com 38 anos apresenta massa firme de 3 cm de diâmetro no lobo tireoidiano
esquerdo e um linfonodo de 1,0 cm de diâmetro, ipsilateral, na região cervical IV. A punção
aspirativa por agulha fina (PAAF) mostrou carcinoma pilífero em ambos. Qual seria o
tratamento apropriado?
a) Lobectomia esquerda, istimectomia e irradiação da região cervical ipsilateral.
b) Tireoidectomia total com esvaziamento cervical modificado ipsilateral.
c) Tireoidectomia total com esvaziamento cervical modificado bilateral.
d) Tireoidectomia total com esvaziamento cervical radical ipsilateral.

44) Mulher 32 anos, vítima de acidente automobilístico após colisão lateral chega ao pronto
atendimento com sinais evidentes de choque hemorrágico classe IV. Realizado ultrassom
FAST que não evidenciou líquido livre em cavidade abdominal, radiografia de tórax que não
mostrou alteração, e radiografia de pelve que evidenciou fratura de bacia com abertura da
articulação sacro-ilíaca esquerda (tipo III de Burgess & Young). Ainda no pronto atendimento,
foi realizado fechamento do anel pélvico com lençol, deflagrado protocolo de transfusão
maciça e iniciada administração de droga vasoativa, com instabilidade hemodinâmica
persistente. A próxima conduta mais adequada seria:
a) Fechamento do anel pélvico com fixador externo seguido de angioembolização de ilíaca
interna.
b) Empacotamento pélvico extra-peritoneal seguida de passagem de balão intra-aórtico.
c) Fechamento do anel pélvico com fixador externo seguida de empacotamento pélvico extra-
peritoneal.
d) Angioembolização de ilíaca interna seguida de empacotamento pélvico extra-peritoneal.
PT – Especialidade Cirúrgica 11

45) Um jovem de 29 anos, vítima de ferimento por arma branca em hipocôndrio direito é levado ao
centro cirúrgico para exploração cirúrgica da cavidade abdominal. Durante a laparotomia, Foi
evidenciado sangramento ativo e intenso em região de pâncreas e de veia porta. Rapidamente
o paciente fica hipotenso e pouco responsivo a passagem de cristalóide. Neste momento, o
anestesista ativa o protocolo de transfusão maciça e solicita uma troboelastrometria (ROTEM)
com a seguinte curva:

A melhor conduta neste momento, seria a reposição de:


a) Plaquetas
b) Fibrinogênio
c) Plasma Fresco congelado
d) Repetir a dose de ácido Tranexâmico

46) Com relação ao Protocolo de Transfusão Maciça no Trauma, podemos afirmar que:
a) O criopreciptado entra nos primeiros pacotes de transfusão para corrigir o fibrinogênio, que
normalmente encontra-se baixo
b) O ácido tranexâmico deve ser administrado até seis horas do trauma, na dose de ataque
de 1,0 grama, em adultos
c) O pacote contendo 10 unidades de plaquetas deve ser dado no início, antes mesmo da
passagem de plasma e criopreciptado;
d) O Fator VII deve ser dado no início da transfusão

47) Qual dos exames abaixo, representa pior prognóstico em um paciente vítima de trauma, que
está em choque hemorrágico?
a) Hemoglobina de 10 g/dL
b) Lactato de 12 mmol/L
c) PCR de 15 mg/dL
d) pO2 de 56 mmHg
PT – Especialidade Cirúrgica 12

48) Homem 34 anos vitima de acidente motociclístico em rodovia, colisão frontal com veículo
compacto, chega à emergência do hospital com os seguintes sinais: pressão arterial de 70/50
mmHg; frequência cardíaca de 150 bpm e frequência respiratória de 28 ipm. Sua saturação de
oxigênio é de 90% com máscara 10 L/min e Glasgow 14. Ao exame físico as vias aéreas estão
pérveas; murmúrio vesicular presente bilateralmente, porém discretamente diminuído à direita.
A ausculta cardíaca as bulhas estão rítmicas, normofonéticas sem sopros, e paciente está
taquicárdico. Pupilas isoforeagentes. Sem sangramento externo. Apresenta-se com perda do
tônus esfincteriano anal e perda de sensibilidade abaixo de T8. Realizado reposição de dois
litros de cristaloide aquecido. Qual o próximo passo na investigação deste paciente?
a) Ultrassom FAST
b) Exame físico seriado
c) Tomografia de tórax e abdome
d) Lavado peritoneal diagnóstico

49) Um homem de 68 anos, vítima de queda da própria altura há 2 horas, com trauma em hemi-
tórax esquerdo, com queixas de dor torácica ventilatório dependente. Apresenta hematoma
em cotovelo esquerdo e pequeno cefalo-hematoma occipital. Nega perda de consciência,
estável hemodinamicamente, apresentando saturação de 92%, eupneica. Realizou RX de
tórax que revelou fratura de três arcos costais sem alterações pleuro-pulmonares. A
tomografia de tórax evidenciou um pneumotórax laminar ipsilateral a fratura. A conduta mais
adequada neste caso é?
a) Drenagem pleural fechada.
b) Fixação cirúrgica de arcos costais.
c) Repetir TC de tórax em 24 horas.
d) Observação e exame físico seriado.

50) Passageiro de veículo, que colidiu com uma árvore em alta velocidade na rodovia, usando
cinto de segurança, sem dispositivo de “airbag”, chega à emergência consciente e orientado,
com queixa de dor abdominal. O exame primário estava normal e no secundário observa-se
marca do cinto de segurança tatuada no abdome, com dor a palpação superficial e profunda.
O exame FAST evidenciou líquido em dois quadrantes e uma tomografia de abdome
evidenciou líquido livre sem lesão de víscera maciça. Qual conduta tomaria neste caso?
a) Laparotomia exploradora.
b) Lavado peritoneal diagnóstico (LPD).
c) Exame físico seriado.
d) Controle de hematimetria de 4 em 4 horas.

51) Homem 20 anos com história de queda a cavaleiro a uma altura de dois metros é levado a
emergência. Ele está estável e apresenta uretrorragia, hematoma na região perineal e
retenção urinária. Uma uretrocistografia é realizada. Sobre este caso qual é a região da uretra
mais afetada?
a) Bulbar
b) Prostática
c) Membranosa
d) Peniana

52) Cerca de 12% dos homens e 5% das mulheres apresentarão cálculos urinários até os 70 anos
com uma maior prevalência na idade adulta. Pergunta-se: Qual destes cálculos é o mais
prevalente?
a) Oxalato de cálcio
b) Fosfato de cálcio
c) Ácido Úrico
d) Cistina
PT – Especialidade Cirúrgica 13

53) O tumor renal é o 3º mais frequente do aparelho genito-urinário e representa cerca de 3% das
neoplasias nos adultos. Qual é o tipo de hematúria que acompanha este tumor na maioria das
vezes?
a) hematúria total com dor
b) Hematúria inicial sem dor
c) Hematúria total sem dor
d) Hematúria final com dor

54) Homem de 55 anos procura ambulatório de urologia referindo dificuldade para urinar com
hesitação inicial, jato fino e nictúria. Após os exames é realizado o diagnóstico de hiperplasia
benigna da próstata. Entre as alternativas abaixo qual deve ser o tratamento cirúrgico
proposto?
a) Adenomectomia via laparoscópica
b) Adenomectomia por modelo de micro-ondas
c) Adenomectomia via perineal
d) Ressecção via transuretral

55) O câncer de próstata é o tumor interno mais prevalente no homem. Existem várias formas de
tratamento para o câncer de próstata além da observação e vigilância ativa. Pergunta-se: Nos
casos de escape tumoral fora do sitio da próstata, qual seria a melhor forma de tratamento?
a) Quimioterpia
b) Hormonioterapia
c) Radioterapia
d) Braquiterapia

56) Paciente do sexo masculino, 62 anos, tabagista, com diabetes mellitus tipo II, apresentando
desconforto em hipocôndrio direito e emagrecimento de 10 Kg há 30 dias. Há uma semana
iniciou quadro de icterícia, colúria e acolia fecal. A ressonância magnética de abdome mostrou
obstrução da via biliar ao nível da junção dos ductos direito e esquerdo, sem invasão de vasos
e sem comprometimento linfonodal. O bio-marcador CA 19.9 resultou em 1000 ng/mL. O
diagnóstico mais provável é:.
a) Tumor de cabeça de pâncreas com metástase para o fígado.
b) Metástase hepática de tumor de cólon.
c) Tumor de Klatskin.
d) Coledocolitíase.

57) Paciente de 50 anos está em avaliação para hepatectomia de segmento lateral esquerdo. A
gravidade do paciente foi aferida pelas classificações de Child-Pulg A e tem Meld de nove.
Para sua surpresa na véspera da cirurgia o paciente tem um episódio de encefalopatia. Quais
os fatores desencadeantes mais comuns da encefalopatia que devem ser pesquisados?
a) Hemorragia digestiva, obstipação e infecção.
b) Infecção, ingesta excessiva de carboidratos e uso sedativos.
c) Uso de sedativos e obstipação e ingesta excessiva de carboidratos.
d) Diarreia, uso de fármacos e presença de TIPS.

58) Paciente com 55 anos, esta no 12o mês de pós-operatório de ressecção de cólon esquerdo
por adenocarcinoma. A tomografia de controle evidenciou imagem nodular de 3,0 cm de
diâmetro entre os segmentos II e III do fígado com características de metástase. Descartado
metástases extra-hepáticas. Apresenta bom estado geral e sem outras doenças. A melhor
conduta para este paciente é:
a) Hepatectomia direita para remoção da metástase e encaminhar para avaliação do
oncologista.
b) Hepatectomia lateral esquerda para remoção da metástase e encaminhar para avaliação
do oncologista.
c) Quimioterapia, pois a localização e tamanho da lesão classificam-na como irressecável.
d) Sintomáticos e encaminhar para tratamento paliativo.
PT – Especialidade Cirúrgica 14

59) Paciente com cirrose por NASH foi diagnosticado com um tumor no fígado e será submetido a
hepatectomia de dois segmentos, os exames pré-operatório mostraram ultrassom sem ascite,
os exames laboratoriais como albumina, coagulograma e bilirrubinas estão normais. No exame
físico não ficou comprovado encefalopatia. Quais as complicações maiores mais comuns
esperadas no pós-operatório deste paciente.
a) Abscesso intra-abdominal, Insuficiência hepática e sangramento abdominal.
b) Insuficiência hepática, sangramento abdominal e trombose de veia mesentérica.
c) Sangramento abdominal, trombose da veia porta e da veia mesentérica.
d) Insuficiência hepática, insuficiência renal e pneumonia.

60) Um paciente com doença hepática avançada esta em lista de transplante de fígado, quando
for ofertado um órgão para ele o que vai definir se ele devera ou não receber o órgão neste
momento é um critério de gravidade chamado MELD, o qual é composto pelos seguintes
exames:
a) INR, albumina e creatinina.
b) Bilirrubina, gamaGT e albumina.
c) Bilirrubina, INR e creatinina.
d) INR, creatinina e gamaGT.

61) Paciente com diagnóstico de cirrose hepática. Child Pugh B. Traz endoscopia digestiva alta
(EDA) mostrando varizes de esôfago de grosso calibre com sinais de fragilidade. Segundo o
Consenso de Baveno VI qual a melhor conduta para este paciente?
a) Betabloqueador não seletivo (propranolol) e endoscopia digestiva alta (EDA) com ligadura
elástica.
b) EDA com esclerose das varizes com cianoacrilato.
c) Betabloqueador não seletivo (propranol) e EDA com esclerose das varizes com
cianoacrilato.
d) Betabloqueador não seletivo (propranol).

62) Paciente com cirrose avançada e ascite chega ao pronto atendimento queixando-se que no
último dia seu abdome distendeu um pouco mais. Nega febre e refere está com boa diurese. O
médico de plantão sugere um punção do líquido ascítico e estudo do mesmo, pois ele esta
suspeitando de uma peritonite bacteriana espontânea. Para confirmar a sua hipótese ele deve
pedir a contagem de polimorfonucleares e será afirmativo para comprovar a sua hipótese se a
contagem vier maior que:
a) 50 células\mm3
b) >100 células\mm3
c) >200 células\mm3
d) >250 células\mm3

63) Em uma consulta de rotina é diagnosticado criptorquidia em um recém nascido. Qual a idade
ideal para a indicação cirúrgica.
a) Entre 1 e 2 anos de idade
b) Entre 3 e 4 anos de idade
c) Entre 4 e 5 anos de idade
d) Logo após o diagnóstico

64) Uma hérnia inguinal é diagnosticada em uma criança. Qual a idade ideal para a indicação
cirúrgica.
a) Entre um e dois anos de idade
b) Logo após o diagnóstico
c) Com cinco anos de idade
d) Após os nove anos de idade
PT – Especialidade Cirúrgica 15

65) Obstetra vem acompanhando uma parturiente que apresenta diabetes mellitus. Diante do
quadro o obstetra comunica o pediatra que ele deve manter-se na expectativa de que o recém
nascido poderá exigir a presença de um cirurgião pediatra se ocorrer qual das situações
abaixo:
a) Atresia de duodeno
b) Síndrome do cólon esquerdo pequeno e trombose da veia renal
c) Íleo meconial
d) Doença de Hieschsprung

66) Em relação a avaliação pré operatória em cirurgia torácica, podemos afirmar que a
pletismografia:
a) Complementa os achados da tomografia computadorizada
b) Evita muitas vezes a ressonância magnética do tórax
c) Avalia quantitativamente e qualitativamente os volumes pulmonares
d) Não tem valor no pré-operatório

67) Paciente em pós operatório de coarctação de aorta, evoluiu com derrame pleural volumoso à
direita no segundo dia de pós operatório. Foi realizada uma toracocentese que demonstrou
liquido cuja análise bioquímica revelou: PH 7,35; DHL 564 UI/L; glicose 87 mg/dL; proteínas
totais 4,5 e triglicérides 159 mg/dL. Baseado nas informações acima, a conduta inicial para
este caso é:
a) Dieta zero associado à nutrição parenteral e octreotide
b) Drenagem pleural associado a pleurodese
c) Videotoracoscopia
d) Toracotomia exploradora

68) Homem de 64 anos com história de neoplasia prostática há seis anos comparece no
ambulatório devido a achado radiológico de lesão espiculada em lobo superior esquerdo
medindo 3,2 centímetros. Qual a conduta para este caso?
a) Quimioterapia associada a radioterapia
b) Segmentectomia pulmonar
c) Punção guiada por tomografia
d) Acompanhamento radiológico em três meses

69) Mulher de 34 anos vitima de trauma torácico penetrante, submetida à drenagem pleural
esquerda no atendimento inicial com saída de 400 ml de secreção hemorrágica. No terceiro
dia de internação, a paciente encontra-se estável porém ao exame físico apresenta ausculta
diminuída em base esquerda. O RX de tórax mostra velamento do hemi-tórax esquerdo. O
dreno apresenta débito de 50 ml em 24 horas, sem fuga aérea e não oscilante. Considerando
a hipótese de hemotórax retido, qual a conduta mais apropriada para este caso?
a) Videotoracoscopia
b) Toracotomia exploradora
c) Infusão pleural de fibrinolíticos
d) Fisioterapia respiratória associada a ventilação não invasiva
PT – Especialidade Cirúrgica 16

70) Homem de 65 anos, tabagista de 50 anos/maço, em exame de rotina foi evidenciado nódulo
pulmonar de três centímetros sem calcificações e bordos regulares. O paciente não apresenta
nenhum exame anterior para comparação. O seguimento diagnóstico correto deste paciente
compreende:
a) Considerar exames invasivos para diagnóstico anatomopatológico, pois o atraso no
diagnóstico pode significar a perda de possibilidade do tratamento curativo, em caso de
neoplasia broncogênica
b) Exames de imagem sequenciais para avaliar o comportamento do nódulo.
c) Alta uma vez que o paciente tem epidemiologia negativa para neoplasia pulmonar.
d) Conduta expectante, pois os bordos regulares sugerem benignidade.

71) Um paciente vitima de trauma contuso que apresenta uma lesão traqueal ao nível da primeira
vértebra torácica e que apresenta enfisema subcutâneo no pescoço e mediastino deve ser
abordado por:
a) Cervicotomia em colar
b) Esternotomia mediana
c) Toracotomia posterior
d) Esternotomia mediana parcial associada à toracotomia anterior

72) Homem de 68 anos apresenta-se no departamento de emergência com história de cinco dias
de dor no quadrante abdominal inferior esquerdo e diarreia. Ele queixa-se de dor crescente,
náuseas, vômitos e febre. O paciente teve dois episódios prévios semelhantes que se
resolveram apenas por tratamento com antibióticos. Ele não tem nenhum fator de risco
cardíaco ou pulmonar. Ao exame físico apresenta pressão arterial de 120 / 80 mmHg,
frequência cardíaca de 105 / minuto e temperatura de 38,6º . O abdome está flácido, e
ligeiramente distendido, com sensibilidade do quadrante inferior esquerdo à palpação. Ele não
apresenta evidência de peritonite generalizada. Um hemograma completo revela uma
leucocitose de 18.000 / mm3. Qual diagnóstico é mais provável?
a) Diverticulite aguda de sigmoide
b) Apendicite aguda
c) Pielonefrite
d) Tumor de cólon perfurado

73) Uma mulher de 62 anos apresenta-se ao seu médico de cuidados primários com dor
abdominal do lado esquerdo, com duração de cinco dias, náuseas, vômitos e diarréia. Ele é
incapaz de manter sua ingestão oral em casa. Na apresentação, ele tem sensibilidade leve à
palpação do quadrante inferior esquerdo, sem sinais de peritonite. A contagem leucocitária é
de 16.000 / mm3. Ele nunca teve um episódio semelhante no passado. Qual é o tratamento
apropriado para este paciente?
a) Prescrever um curso de antibióticos ambulatorialmente, com seguimento apropriado
b) Hospitalizar para repouso intestinal, administração de fluidos e antibióticos intravenoso e
observação atenta.
c) Obter um enema de bário de emergência para diagnosticar diverticulite
d) Consultar o departamento de cirurgia para ressecção eletiva futura de sigmoide
PT – Especialidade Cirúrgica 17

74) Um paciente de 54 anos procura seu clínico para exame de rotina e comenta com ele que em
sua família existe um histórico de neoplasia de colo. Ele não refere nenhum episódio de dor,
diarreia ou sangramento intestinal. O clinico solicita uma colonoscopia de rastreio que revela
apenas a presença de orifícios em como sigmoide compatíveis com divertículos. Sobre este
paciente podemos afirmar que ele apresenta:
a) Diverticulose de sigmoide
b) Diverticulite aguda de sigmoide
c) Doença diverticular de sigmoide
d) Diverticulite crônica de sigmoide

75) Um homem de 45 anos procura a emergência com uma história de vomitar grande quantidade
de sangue vermelho vivo. O primeiro passo no tratamento desse paciente é:
a) Obter uma história clínica
b) Ressuscitação com fluidos
c) Determinar os níveis de hematócrito e hemoglobina
d) Inserir uma sonda nasogástrica

76) Após a ressuscitação e estabilização de um paciente de 75 anos com hemorragia digestiva


alta maciça qual procedimento deve ser realizado:
a) Tomografia computadorizada de abdome
b) Arteriografia
c) Ultrassom
d) Endoscopia digestiva alta

77) Atendendo uma intercorrência de urgência na enfermaria, você se depara com um paciente
com um vômito com sangue vivo em grande quantidade. Após estabilização dos sinais vitais
do paciente é visto que o paciente realizou uma endoscopia digestiva pela manhã que revelou
uma úlcera duodenal forrest IIC. Você solicita nova endoscopia digestiva e enquanto aguarda
o exame alguns procedimentos podem ser realizados. Qual dos itens abaixo representa
terapêutica desnecessária nesse paciente?
a) Passagem de balão de Sengstaken-Blakemore
b) Infusão endovenosa de bloqueador de bomba
c) Infusão endovenosa de cristalóide
d) Passagem de sonda nasogástrica

78) Homem de 27 anos procura emergência com quadro de dor que se iniciou de modo difuso e
mal caracterizado há 24 horas acompanhado de um episódio de vômito e que a 12 horas
localizou no quadrante inferior direito do abdome, acompanhado de febre de 38,2º C, anorexia
e parada de eliminação de flatos e fezes. Ao exame físico apresenta dor a descompressão
brusca no ponto de McBurney. O diagnóstico clínico do plantonista é apendicite aguda não
complicada. Diante deste quadro, a conduta deve ser:
a) Indicar a apendicetomia sem a necessidade de exames de imagem para confirmar o
diagnóstico
b) É obrigatório descartar infecção urinária antes de fechar o diagnóstico de apendicite aguda
c) Neste paciente é obrigatório a solicitação de uma tomografia computadorizada de abdome
antes de fechar o diagnóstico
d) Deve-se solicitar exame de urina, hemograma e ultrassom como rotina em todo quadro de
abdome agudo antes de fechar o diagnóstico
PT – Especialidade Cirúrgica 18

79) Homem, 66 anos procura pronto socorro referindo abaulamento em região inguinal esquerda,
intermitente, que desaparecia quando ele se deitava até a um dia atrás. Há dois dias após ele
ter realizado grande esforço o abaulamento se tornou constante não desaparecendo com o
decúbito e com o passar das horas passou a ter dor local. Ao exame físico você constata
abaulamento endurecido doloroso a palpação com enfisema e eritema local. Diante deste
quadro a melhor conduta é:
a) Administrar um relaxante muscular, reduzir a hérnia e dispensar o paciente, pois se trata
de hérnia encarcerada sem estrangulamento
b) Puncionar a massa, colher material para cultura e administrar antibiótico pois trata-se de
um abscesso
c) Administrar antibiótico para bactérias Gram. positivo, pois se trata de celulite
d) Encaminhar o paciente para avaliação de um cirurgião, pois se trata de uma hérnia
encarcerada com sinais de estrangulamento

80) Um paciente de 48 anos procura a emergência do hospital referindo dor abdominal em cólica,
vômitos com secreção entérica, parada de eliminação de flatos e fezes e distensão abdominal
há três dias. Ao exame físico ele esta desidratado, taquicárdico, com temperatura de 38,3 ºC e
seu abdome esta distendido, timpânico, com ruídos abolidos e apresentando dor difusa a
palpação. Ele nega co-morbidades e cirurgias. É solicitado radiografia de abdome em pé que
revela níveis hidroaéreos em delgado e sinal de peristaltismo de luta, uma radiografia de
abdome deitado que revela ausência de gás em colo. Sobre este paciente podemos afirmar
que:
a) Trata-se de um abdome agudo obstrutivo e ele deve ser tratado com medidas clínicas nas
primeiras 24 horas.
b) Trata-se de um abdome agudo inflamatório e uma tomografia de abdome deve ser
solicitada.
c) Trata-se de um abdome agudo obstrutivo e ele deve ser submetido a tratamento cirúrgico
após correção dos distúrbios hidroeletrolíticos.
d) Trata-se de um abdome agudo inflamatório e ele deve ser submetido a tratamento
cirúrgico após correção dos distúrbios hidroeletrolíticos.