Você está na página 1de 259

PROF.

CARLOS ROSA

“SEGREDOS” DA
HISTÓRIA DO
BRASIL
TUDO QUE VOCÊ SEMPRE QUIS
SABER E NINGUÉM LHE ENSINOU

1
2 – Segredos da História do Brasil

Outras obras do autor

* Vias Venenosas – de como o cigarro, o álcool e as


drogas conduzem ao suicídio
* Como Acabar com Qualquer Tipo de Medo
* Como Enriquecer Honestamente
* O Jarro Amarelo
* Histórias Exemplares (esgotado)
* Numerologia Cabalística – A Última Fronteira
* A Magia das Chamas
* O Poder Mágico dos Salmos

2
Carlos Rosa – 3

PREFÁCIO
Narrar e dizer: esta é a verdade, esta é a verdadeira história –
quem poderá afirmar?
Que interesses estão envolvidos, quais os dados de que se valeu,
quem o faz? São muitas perguntas para múltiplas respostas. A
história é a narrativa do viver, e como tal o viver tem muitas
facetas. A cada momento e a cada olhar, por ângulos diferentes o
vilão poderá se transformar em herói e vice-versa.
E como dito pelo Maior da nossa língua “Navegar é preciso,
viver não é preciso”, porque para se chegar ao ponto certo em meio
ao oceano é necessária precisão no navegar, e no viver não há
métrica. Podemos estabelecer táticas e estratégias para conduzir e
acertar melhor pela matéria, pela rota, mas para viver não há
previsibilidade plena e sempre o princípio da dúvida predomina a
cada passo que damos aos nossos olhos; mesmo aqui no presente,
aos nossos olhos pode escapar num instante o que nos pareceu
verdadeiro, real.
Imagine o viver de tempos idos, que balizamento nos trará a
verdadeira precisão dos fatos, senão o bom senso e a ligação de
todos os elos que compõem os acontecimentos depois de que os
conhecemos com todo o seu desenvolvimento, dando coerência em
toda a teia do que passou.
O autor recompõe a história usando de várias e magistrais
metáforas de ambientes para dar à narrativa maior dinâmica e
interesse ao leitor, que tem a sensação de que está lendo um roman-

3
4 – Segredos da História do Brasil

ce. Essa mistura de ficção e realidade leva a provocar no leitor a


imaginação e compreender além da história os caminhos periféricos
e indagadores, do que aconteceu de fato.
O que está nos livros escolares contrapõem-se com esta
narrativa que é baseada em longos estudos e documentos, como o
fato do Brasil ter sido emancipado de Portugal em 7 de setembro de
1822, e na verdade em 1825 ainda havia negociações de D. João VI
com D. Pedro I em receber duas mil Libras esterlinas para a
compra desta suposta independência.
Ainda, a postura de José Bonifácio, “Patriarca da Independên-
cia” que se passa por herói, como os políticos de hoje totalmente
oportunistas e até contrário aos interesses do Brasil liberto, e se
aproveitou da lucidez dos que dirigiam a Maçonaria para no
momento propício se revelar como o principal articulador do
processo de emancipação.
Por isso, leia com calma e atenção cada linha e monte a sua
própria teia de entendimento desta “Fantástica” História do Brasil.

Eng. Antonio Carlos Rocca .:

4
Carlos Rosa – 5

Mesmo quando os fatos são


conhecidos, a maioria das pessoas
prefere a lenda e recusa-se a acreditar
na verdade quando de algum modo ela
prejudica o mito.
John M. Brown

5
6 – Segredos da História do Brasil

PROF. CARLOS ROSA

“SEGREDOS” DA
HISTÓRIA DO
BRASIL
TUDO QUE VOCÊ SEMPRE QUIS
SABER E NINGUÉM LHE ENSINOU

6
Carlos Rosa – 7

“A história é a testemunha dos tempos, luz da verdade, a


vida da memória, a mestra da vida, a anunciadora da
antiguidade” (De Orator II – Cícero, falecido em 143 a.C.).

“A história é êmola do tempo, depósito de ações, testemunha


do passado e aviso do presente, advertência do futuro” (O
engenhoso fidalgo Don Quixote de La Mancha – Cervantes, 2ª
parte, cap. IX).

“A história é, na verdade, pouco mais do que o registro de


crimes, loucuras e infortúnios da humanidade, uma galeria de
quadros onde há poucos originais e muitas cópias” (L’Ancient
Régime et la Révolution – Tocqueville)

“Existe uma história imparcial? E que é a história? A


representação escrita dos eventos passados. Mas o que é um
evento? Um fato qualquer? Não! É um fato notável. Ora, como
julga o historiador que um fato é notável ou não? Julga-o
arbitrariamente, segundo o seu gosto e caráter, de acordo com
suas ideias, enfim, como artista. Por que os fatos, por si só, não
se dividem em históricos e não históricos” (Le Jardin d’Épicure
– Anatole France).

7
8 – Segredos da História do Brasil

“A história do Brasil, para


maior coerência, deveria ser
escrita em papel higiênico”.
Humberto de Campos

8
Carlos Rosa – 9

ÍNDICE

10 – O Descobrimento do Brasil

65 – A fundação da cidade de São Paulo

79 – José de Anchieta – “Apóstolo”

119 – O Brasil colonizado pelos Holandeses

149 – O Julgamento de Joaquim Silvério dos Reis

167 – O “Herói” Tiradentes

179 – As Aventuras, Amores, Juras e Falsidades de


um Príncipe

238 – O Falso Patriarca

9
10 – Segredos da História do Brasil

O DESCOBRIMENTO
DO BRASIL

Quem quiser cumprir a sua missão,


deve ter um ideal, isto é, um propósito
dominante, que se sobreponha a todas as
suas aspirações e oriente toda a sua vida.
Bate

10
Carlos Rosa – 11

Em 1514, em algum ponto de Lisboa, Affonso de Albuquerque


estudava atentamente uma carta náutica, quando é interrompido
pelo seu criado:
- Senhor, ele chegou.
- Manda-o entrar.
Momentos depois surge uma figura imponente, de
aproximadamente 1,85 metros de altura, ombros largos, longa
barba quase que totalmente esbranquiçada assim como os cabelos,
também longos e muito bem tratados; porte elegante e vistoso,
vestia-se com esmero e classe, e, diríamos melhor, muito acima da
média. Do lado esquerdo do cinto, pendia-lhe maravilhoso florete
com empunhadura cravejada de pedras semipreciosas e revestido
de ouro. Ao pescoço, um magnífico colar de pedras preciosas,
todas de grande valor, tendo ao centro a cruz de Cristo, e na mão
direita magnífico chapéu de cetim com quatro plumas de pavão a
orná-lo.
- Entre, meu amigo, disse Albuquerque.
- Com vossa permissão, assentiu Pedro Álvares Cabral.
- Fiquei muito feliz em saber que Sua Majestade deveras
reconheceu, sabiamente, todo o serviço que tens prestado ao reino,
presenteando-te com 200 mil Reais.
- Ora, Albuquerque, deixemo-nos de rodeios. Nós dois sabemos
que isso nunca teria acontecido se tu não tivesses interferido
perante Sua Alteza Real.
- Qual, meu caro! Para que são feitos os amigos? Deixemo-nos
disso. Senta-te, pois que tenho uma surpresa das maiores para ti, e
estando de pé, tenho certeza que irás cair ao te contar.

11
12 – Segredos da História do Brasil

E, apanhando uma poltrona bastante confortável que estava ao


seu lado direito, ainda sem esperar que o visitante se acomodasse,
perguntou:
- Cabral, meu amigo, por acaso sabes o que as pessoas dirão em
2017 quando perguntadas, “Quem descobriu o Brasil”? Senta-te!
- Não, respondeu Cabral – já sentado.
- Que foste tu!
- Eu???
- Isso mesmo, tu.
- Como sabes disso? Nós estamos em 1514 e, se a minha
memória não estiver deturpada, ainda faltam para tal data 503 anos!
Explica-te.
- Cabral, Cabral, tens andado por demais alheio ao desenvolvi-
mento do nosso planeta! As coisas mudaram muito desde aquele
tempo em que andavas no mar! O mundo progrediu. Portugal
modernizou-se. Temos até o melhor jogador de futebol do mundo,
o Cristiano Ronaldo, o famoso CR-7, que já ganhou a Bola de Ouro
quatro vezes: 2008, 13, 14 e 16. Também tivemos a Luis Figo, em
2001 como o melhor do mundo. Nunca conseguimos ser campeões
mundiais, mas tivemos o Eusébio – o Pantera Negra – como era
conhecido, e perdemos o campeonato mundial de 1966 em Londres
– roubado, é claro. Fomos terceiros colocados. O nosso treinador
era brasileiro, Otto Glória; gajo bestial. Em 2014 o campeonato
mundial foi realizado no Brasil, e o campeão foi a Alemanha que
venceu a Argentina na prorrogação por 1 x 0. O Brasil passou
vergonha, pois na semifinal foi derrotada pela Alemanha por 7 x 1
(o pior resultado da história) e na disputa do 3º lugar, também
perdeu por 3 x 0 para a Holanda, que ficou com o 3º lugar. Uma
vergonha para o chamado “país do futebol”. Mas em 2016
vencemos a Eurocopa que foi realizada na França. Na partida final
vencemos os franceses por 1 x 0. Magnífico! Muitas coisas foram
mudadas e para melhor. Estamos na era do computador! É... Não
fiques aí com essa cara de palerma, pensando que sou algum da-

12
Carlos Rosa – 13

queles monstros criados pelos navegadores veteranos a fim de


amedrontar e afugentar os navegantes calouros.
Albuquerque foi até a um pequeno bar que ficava do lado
esquerdo da sala, pegou uma garrafa e dois copos e disse:
- Vamos tomar um gole desta esplêndida bagaceira, para que os
teus nervos se acalmem e possas entrar no clima que estás prestes a
desfrutar.
Cabral agradeceu e solveu a bebida de uma única vez, o que fez
com que o anfitrião soltasse uma grande gargalhada – dessas que só
os portugueses são capazes de dar – e serviu outra dose ao
convidado, bebendo também a sua do mesmo modo, ou seja, de
uma só vez.
E se dirigindo a um móvel que ficava no outro extremo da sala
coberto com uma colcha cor de marfim, disse:
- Prepara-te, pois vais agora ter conhecimento da nossa
competência tecnológica e dentro de algumas horas não serás mais
o homem que és neste momento.
E com um gesto rápido, descobriu o móvel e eis que aparece
reluzente, magnífico, estranho, ameaçador, um objeto que até então
Cabral jamais havia visto, ou mesmo tivesse ideia que existisse.
- Meu amigo, eis um tocador de Blu-Ray/DVD Player 4D, Full
HD com Internet, entrada USB! O melhor, o mais evoluído! É o
que há de mais avançado em todo o mundo. E tem mais: agora para
completar, um televisor Smart TV Cinema 4D LED 65” Ultra HD
com Wi-Fi, seletor de canais automático, controle remoto, etc., etc.
Cabral não se movia. Boca semiaberta, olhos esbugalhados,
mãos e testa suando, pernas trêmulas...
- A partir de agora, meu amigo, vamos assistir à verdadeira
descoberta do Brasil, desde o seu projeto inicial: a política, a
politicagem, as guerras, as vendas de favores... enfim, neste DVD –
mostrando um pequeno disco para Cabral – está contido tudo. E
introduzindo-o no local apropriado no aparelho, disse: – Acorda,
homem, o filme vai começar!

13
14 – Segredos da História do Brasil

- Ah, deixa-me explicar – prosseguiu Albuquerque: – existe


atualmente em nossa terra algo muito interessante – chama-se
novela. Foi inventada no Brasil. É uma maneira inusitada de contar
fatos verídicos ou não, tal qual Cervantes, em suas Novelas
Exemplares. Tais novelas são de um despropósito que beira as raias
do ridículo. Isso não quer dizer que o que verás é mentira! Não. É
que o estilo é semelhante, ou seja, a história é contada em
capítulos, em partes, compreendes? Pois assim terás uma visão do
que dirão os futuros historiadores quanto à compreensão total dos
fatos e que cada um tire suas próprias conclusões.
E pegando o controle remoto, apertou a tecla Play, e deu início à
maravilhosa aventura.

A UNITED ARTISTS
APRESENTA

A DESCOBERTA DO BRASIL

ESTRELANDO:
Alonso Ojeda
João Rodrigues da Fonseca
Pero Alves Gouveia, conhecido como Pedro Álvares Cabral
Salvador Fernandes Zarco, conhecido como Cristóvão Colombo
Américo Vespúcio
João Ponce de Leão
Diogo Velásquez
João de Esquivel
João de La Cosa
Diogo de Nicoesa

14
Carlos Rosa – 15

Cristóvão Jacques
Enésio – o bacharel
Fernando Pizarro
Sua Majestade a Rainha Izabel – a Católica

PRODUÇÃO E DIREÇÃO
Steven Spielberg

Em um rico salão decorado, onde pendiam castiçais dourados e


ornado de cortinas de veludo azul, tendo ao centro o escudo e o
brasão dos reis católicos, João Rodrigues Fonseca, diretor do
Departamento das Índias Ocidentais, fazia os últimos preparativos
para a segunda viagem que Colombo faria às “Índias Ocidentais”,
quando é bruscamente interrompido pelo barulho de vozes altas
que vinham do aposento ao lado. Dirigiu-se rapidamente ao local
da discussão, e abrindo a porta, disse:
- Ah! É você de novo, Ojeda? Todos os dias há um problema
contigo; o que é agora?
- Desculpe, senhor, mas eu lhe disse que o senhor estava
ocupado, mas ele não quis me ouvir – disse o criado que discutia
com Ojeda.
- Pode deixar – disse educadamente João Rodrigues ao auxiliar
– e olhando para o intruso, mandou que entrasse em seu escritório,
perguntando: – Que queres?
- Meu senhor, disse Ojeda, fiquei sabendo da nova viagem de
Colombo, e venho pedir-lhe que me inclua na tripulação.
- Serás um problema! Vives a provocar discussões com todos.
És arruaceiro, mentiroso, vagabundo, mulherengo, matas a torto e a
direito e por isso vivo metido em encrencas com meus superiores
para te salvar. Não!
- Por favor, implorou Ojeda, caindo de joelhos. Realmente, não
tenho sido grande coisa, mas dê-me uma chance. Sou forte,
destemido e com certeza serei um bom braço nessa viagem. Serei

15
16 – Segredos da História do Brasil

muito mais proveitoso à coroa lutando contra inimigos do que


ficando cá, onde os problemas são uma atração para mim.
O diretor franziu a testa, andou alguns passos pela sala e fitando
atentamente o seu protegido, ajudou-o a levantar-se, dizendo:
- Ojeda, Ojeda, estás com 34 anos e apesar de descenderes de
família nobre, estás completamente na miséria. Colombo não vai
gostar, mas... está bem. É a tua última oportunidade. Não a percas.
Mais uma vez Ojeda ajoelhou-se e beijou a mão do seu protetor
em agradecimento.
No dia seguinte, Colombo foi convidado a comparecer perante o
diretor que, entre outros assuntos, informa-lhe que Alonso Ojeda
será seu imediato. Colombo estremeceu. Sabia bem que não podia,
nem devia discutir ordens; porém, conhecia de sobra Ojeda para
antever grandes problemas.
Vinte e cinco de setembro de 1493. Porto de Cadiz em festa. No
tombadilho, com uniforme de gala, além de Alonso Ojeda, estavam
presentes Diogo Velásquez, João de Esquivel e João Ponce de
Leão, a quem se atribui ter descoberto a Flórida. Colombo
ocupava-se da rota, juntamente com os navegadores.
Eram 14 caravelas e três grandes navios carregados com víveres,
armamento, incluindo cavalaria, além de 1200 homens muito bem
treinados e com fama de sanguinários.
O poder de Ojeda na esquadra é imenso, pois só se reporta a
Colombo, e este fica a maior parte do tempo ocupado com a nave-
gação, deixando seu imediato encarregado de todos os problemas
da frota. Manda em tudo, pode tudo, é o protótipo da eficiência!
Colombo confidencia a Diogo Velásquez:
– Durante muito tempo, tive uma ideia diferente sobre Ojeda. É
um homem fantástico! Se tivéssemos dez iguais a ele, seriamos
invencíveis. Esse homem tem fibra de aço, está sempre pronto a
enfrentar o perigo e, com certeza, não corre sangue em suas veias, e
sim chumbo derretido, pois é capaz das maiores atrocidades, sem
demonstrar qualquer reação de pudor ou arrependimento.
Em todos os acontecimentos importantes, lá está ele.

16
Carlos Rosa – 17

Ancorado ao sul da atual República Dominicana, Colombo fica


sabendo por nativos que na região de Cibao – que significa “lugar
onde as rochas são abundantes” –, localizada na parte norte da ilha,
existia riquíssimas jazidas de ouro. Fica sabendo também que o
local é dominado por certo Caonabo, líder e comandante de
milhares de nativos ferozes e inimigos dos invasores espanhóis.
Envia Ojeda para pesquisar e conquistar, se necessário, a região.
Este escolhe 50 dos melhores homens, os mais sanguinários, e
parte para a empreitada. Subjuga a região, aprisiona Caonabo e
outros chefes “indígenas” e passa a fio de espada todo o restante da
população – homens, mulheres e crianças – e retorna abarrotado
das areias auríferas dos regatos e do saque aos “indígenas”, sem
que sofresse uma única baixa.
As suspeitas iniciais de Colombo começam a concretizar-se:
Alonso Ojeda é um homem perigoso, e Colombo confidencia a
João de Esquivel: – Estou arrependido de ter trazido Ojeda. Ele é
um monstro! Tudo que ele toca morre. Mas o pior é que a
tripulação o adora e tem-no como um herói. Colombo estava
enciumado.
As discussões entre ambos aconteciam a todo instante, até que
um dia chegaram às vias de fato. No auge de uma dessas
discussões, Ojeda saca da espada e pede a Colombo que se
defenda; este recua, sabendo que não teria qualquer possibilidade
de duelar com tamanha besta. Os companheiros interferem. Ojeda é
aprisionado e mandado de volta à Espanha, pobre e de mãos
abanando.
Enquanto subia no barco que o levaria de volta à Espanha,
aprisionado, disse a um dos soldados que o conduziam: – Nunca
mais terei chefes.
Nesse momento, os dois navegadores são interrompidos por
alguém batendo à porta. Albuquerque pega o controle remoto e
aperta a tecla “pause”, pedindo licença para ver quem era.
Alguns minutos depois, Albuquerque volta, dizendo a Cabral:

17
18 – Segredos da História do Brasil

- Meu amigo, estou sendo requisitado no palácio real. Continua-


remos amanhã. Que tal chegares por volta do meio dia; almoçare-
mos e depois veremos a continuação do filme?
Cabral disse que assim faria, não sem antes dizer:
- Affonso, meu amigo, isto é a maior loucura que já presenciei e
participei. Já estou ansioso para que amanhã chegue.
E pegando o seu chapéu, é acompanhado pelo criado até à porta
de saída.
Imediatamente a saída de Cabral, a carruagem já está pronta
para que Albuquerque se dirija ao palácio real.
No outro dia, precisamente às 12 horas, Pedro Álvares Cabral
chega à casa de Affonso de Albuquerque, e encontra-o em uma
conversa animada com um velho amigo, Cristóvão Jacques, que
depois desse encontro viria a se tornar um dos mais importantes
navegadores e posteriormente Governador das Partes do Brasil.
Nasceu no Algarve, de descendência aragonesa; também era
conhecido por Cristóvão Valjaques.
Veio pela primeira vez ao Brasil em 1503 na frota de Gonçalo
Coelho. Mais à frente, falaremos um pouco mais dessa excelsa
figura.
- Cabral, meu amigo, como sempre pontual. Pega uma
aguardente e vem sentar-te conosco, pois o Cristóvão está aqui a
perguntar-me o que aconteceu ontem na minha reunião com Sua
Alteza Real, visto que hoje de manhã foi confirmada a sua nova ida
ao Brasil, daqui a um ano e meio, lá pra março de 1516.
- Ora, ora – disse Cabral estendendo a mão a Cristóvão Jacques
– fico feliz por ti, meu caro.
E dirigindo-se a Cabral, Affonso de Albuquerque disse:
- Não vais perguntar o que me levou ao palácio Real na tarde de
ontem?
- Já que insistes... por que fostes chamado ao palácio?
- Sua Alteza Real mandou-me chamar para que lhe indicasse um
homem de fibra, excelente marinheiro e destemido, para patrulhar a

18
Carlos Rosa – 19

costa brasileira. Como tu já te aposentaste, indiquei o amigo aqui.


Que achas?
- Não teria feito melhor – disse Cabral – estendendo a mão a
Cristóvão Jacques, adiantando:
- Amigo Cristóvão, a empreitada não vai ser fácil, pois fiquei
sabendo que os corsários franceses estão em toda a costa brasileira
e dando muito trabalho ao Governador, principalmente em
Pernambuco e na Bahia.
- Bem – disse Albuquerque – creio que o almoço já deve estar
quase pronto. Vou ver a quantas anda.
Tão logo Albuquerque sai, Cristóvão Jacques pergunta a
Cabral:
- Que diabo estás fazendo aqui?
- Amigo Cristóvão, não sabes de nada! O Albuquerque te disse
alguma coisa, acerca de um filme que vamos continuar assistindo
hoje?
- Filme? O que é que isso?
- Se é o que eu estou pensando, tu não serás mais o homem que
és depois de assistir ao tal filme. Silêncio, ele está chegando.
Com efeito, Affonso de Albuquerque chega avisando que o
almoço será servido em instantes, e convida os visitantes a
acompanhá-lo até ao salão de refeições.
Durante a refeição, fala-se de tudo, menos do “filme” que
Cabral começou a assistir no dia anterior. Terminada a refeição,
Albuquerque pega uma garrafa do mais fino licor de cacau e diz ao
criado para levar-lhe três copos à sala de projeções.
Na sala de projeções, Albuquerque aponta aos visitantes duas
cadeiras e o criado entrega-lhes os copos de licor, que são servidos
pelo anfitrião, que acrescenta:
- Cristóvão, eu o chamei aqui hoje, para lhe mostrar um filme
que versa sobre o descobrimento do Brasil, no qual o nosso Cabral
foi o autor...
- Um momento – interrompe Cristóvão Jacques – que palhaçada
é essa? Cabral foi o quê? Descobridor do Brasil?

19
20 – Segredos da História do Brasil

- Calma, Cristóvão – diz Albuquerque – acenando com a mão


direita e acrescentando: – isso é o que dirão os historiadores no ano
2017, quando perguntados: Quem descobriu o Brasil?
Nesse momento, Cabral interveio:
- Permite? Dirigindo-se a Albuquerque. Claro, claro – disse o
grande navegador, sentando-se e solvendo um gole do precioso
licor. E tomando a palavra, disse a Cristóvão Jacques:
- Amigo Cristóvão, eu não sei como, mas ele – apontando para
Affonso de Albuquerque – tem algo que precisas ver e ouvir.
Chama-se “filme”, e é dirigido por um tal de Steven Spielberg, e
conta a verdadeira descoberta do Brasil. Aconselho-te a que fiques
o mais receptivo possível e que não interrompas o dito “filme”. Eu
assisti uma parte ontem e não consegui dormir nem um minuto a
noite passada. Tenho certeza que tu também não dormirás após
assistir o tal “filme”.
Affonso de Albuquerque deu uma estrondosa risada, ante o
olhar espantado de ambos os navegadores visitantes, e dirigindo-se
ao fim da sala, descobriu o aparelho e a tela já conhecidos por
Cabral, mas tremendamente ameaçadores para Cristóvão Jacques,
que dando um pulo da cadeira, disse:
- O que é isso?
- Calma, meu amigo, disse Cabral, puxando-o pelo braço.
Aquilo – apontando para os aparelhos – é o que existe de mais
evoluído em matéria de tecnologia atualmente em nosso país. E
acrescentou: – tens andado por demais alheio ao desenvolvimento
do nosso planeta! As coisas mudaram muito! O mundo progrediu.
Portugal modernizou-se. Temos até o melhor jogador de futebol do
mundo, o Cristiano Ronaldo, o CR-7, que ganhou em 2016 a Bola
de Ouro pela quarta vez...
Albuquerque interveio: – Calma, Cabral! Não vamos assustar o
nosso amigo. Vamos deixar que ele assista ao filme e depois
podemos comentar sobre o que foi visto. E apertando a tecla play,
reiniciou o filme que havia sido interrompido quando da prisão de

20
Carlos Rosa – 21

Alonso Ojeda, onde dizia a um dos guardas: “Nunca mais terei


chefes”.
- Fantástico! Maravilhoso! É esplêndido! É o maior! Gritavam
todos. De fato, Colombo voltou de sua segunda viagem coberto de
glórias. A viagem foi um sucesso. A nobreza espanhola começava a
se inquietar. Os fidalgos não podiam suportar tão grande
humilhação. Um estrangeiro, um “genovês” coberto de glória.
Cristóvão Jacques, levantando-se da cadeira, interveio em altos
brados:
- Mentira, ele não é genovês coisa nenhuma, é português.
Albuquerque que mantinha o controle remoto na mão, apertou a
tecla “pause” e dirigindo-se com um sorriso amistoso a Cristóvão
Jacques, disse:
- Eu sei e nós sabemos disso, mas a história é quase sempre
manipulada, principalmente os descobrimentos. Fica calmo, assiste
ao filme e no final discutiremos o assunto, certo?
Cristóvão Jacques concordou com a cabeça, sentou-se e fez um
gesto ao anfitrião para que continuasse, o que este o fez apertando a
tecla “play”.
Colombo, ou melhor, Salvador Fernandes Zarco, além de
excelente navegador, também se revela um ótimo ator, criando
acontecimentos mirabolantes, corroborados pelos seus pares e que
só faz aumentar o ódio que os nobres nutrem por ele.
Colombo parte para a terceira viagem, e como das vezes
anteriores, chega carregado de triunfo. Ouro, prata, madeira de lei
e, como presente especial a Sua Majestade, um suntuoso séquito de
selvagens americanos, além de um sem número de especiarias e
joias.
Era demais! Passara da conta.
Como era possível dar a um estrangeiro todo o crédito e glória
por feitos que também e em grande parte outros espanhóis
participaram? Criou-se então a conspiração para derrubar Colombo.
Os ouvidos da rainha andavam atordoados com todo tipo de
maledicências a respeito de Cristóvão Colombo. O que mais cochi-

21
22 – Segredos da História do Brasil

chava aos ouvidos reais era o protetor do famigerado Ojeda, João


Rodrigues Fonseca.
Mais uma vez Cristóvão Jacques interferiu: – Eu conheço esse
desgraçado, é um falso, um mentiroso, referindo-se ao protetor de
Ojeda.
Albuquerque mais uma vez aperta a tecla “pause”, e levantando-
se disse aos convidados:
- Vamos tomar um cálice de vinho do Porto e descansar um
pouco, e acrescentou: – Eu sabia que isso seria demais para ti, por
isso te convidei. Tu não tens ideia do que vais encontrar na tua
próxima empreitada no Brasil.
Cabral, levantando-se, disse:
- Posso ir ao banheiro?
- Claro, fica atrás daquela porta, apontando para uma porta em
particular que ficava do outro lado da sala – acrescentou
Albuquerque.
Enquanto Cabral estava ausente, Cristóvão Jacques entrou em
conversa com Albuquerque:
- Você está brincando, não está?
- Sobre o quê? – perguntou admirado Albuquerque.
- Sobre esse negócio de “filme” e todas essas coisas esquisitas
que você tem aqui.
- Claro que não! Tudo isto é verdade. E tem muito mais que
você nem sonha.
Cristóvão balançou a cabeça em sinal de “desespero” e
acrescentou:
- Me responda com total sinceridade: – eu estou sonhando, não é
verdade?
- Não, meu amigo; você está acordado e bem acordado.
Cabral chegou, depois de poucos minutos, e o anfitrião pediu
que se sentassem e novamente apertou a tecla “play”.
Ainda como diretor do Departamento das Índias Ocidentais,
João Rodrigues Fonseca era uma das pessoas mais influentes do

22
Carlos Rosa – 23

reino, tendo livre acesso a todas as reuniões que versavam sobre


finanças, descobertas e comércio em geral.
Demorou, foram aproximadamente 5 anos, mas o nosso diretor
conseguiu que a rainha firmasse um contrato com ele, na qual seria
meeiro de uma companhia à nova terra.
Logo que o decreto foi assinado, uma figura ilustre veio juntar-
se à empresa: Américo Vespúcio.
- Traidor! Gritou Cristóvão Jacques, levantando-se abruptamen-
te, ao que Albuquerque colocando o dedo indicador sobre a própria
boca, fez sinal para que se calasse.
O narrador continuou: – Tudo tinha sido arquitetado por João
Rodrigues Fonseca, pois faltava dinheiro para a expedição e a
presença de tão grande navegador, rico, nobre e respeitado, atrairia
outros investidores.
Não precisaram esperar muito. João de La Cosa, piloto de
grande prestígio, veterano de outras empresas, onde acumulou
fortuna, se junta ao grupo e consegue armar 4 caravelas e no ano de
1499, zarpam do porto de Santa Maria, rumo ao ocidente.
É por demais importante dizer que durante o tempo em que foi
mandado de volta à Espanha até sua partida, Ojeda portou-se a
conselho do diretor da Companhia das Índias Ocidentais, como
homem nobre, conseguindo angariar simpatias nos meios mais
elevados da sociedade.
Sua promessa de nunca mais ter chefes, parecia concretizada. Na
nau capitânia, Alonso Ojeda era a expressão da vitória. Na torre de
comando, homens iam e vinham às pressas comunicar ao
comandante do andamento da partida.
Américo Vespúcio e João de La Cosa, viajantes afamados, eram
simples coadjuvantes perto do Titã que refulgia em grande
esplendor no comando da esquadra. Meta: golfo de Paria, que fica
no delta do rio Orenoco, na Venezuela.
João Rodrigues achou melhor e mais seguro essa região, pois
Colombo já tinha feito mapas e roteiros bastante precisos e com-

23
24 – Segredos da História do Brasil

provadamente era uma localidade sabidamente rica. Com Ojeda,


era melhor não arriscar.
Mas acima da vontade dos homens, está a vontade do destino.
Após dois dias de tempo bom, violenta tempestade desvia a frota
e as correntes marinhas levam-nos à embocadura de um grande rio:
era o Amazonas.
Nesse momento, Cabral, que a tudo assistia atentamente, grita:
- Não, não é o Amazonas! É o Orenoco.
Affonso de Albuquerque apertou a tecla “pause” mais uma vez.
- Bem, Cabral, aí existe uma grande controvérsia; alguns
afirmam que era o Amazonas, outros o Orenoco; o certo é que
ambos têm dimensões enormes em sua foz e a violência das águas
com o oceano em ambos os casos é muito grande. Como podes ver,
provas concretas não existem. Mas uma coisa é certa: em 1499 eles
chegaram à América do Sul e mais provável ainda, que tivesse sido
o Brasil, como veremos a seguir. Vamos ver o filme e depois
tiramos nossas conclusões.
A tecla “pause” é novamente apertada e o filme continuou.
Após passarem alguns dias em reparos e descansar da
tempestade, seguiu a esquadra rumo ao norte, indo os navios aproar
no Suriname. Aí não se demoraram, não por culpa própria, mas por
exigência dos nativos que os expulsam depois de ferozes combates.
Ojeda segue em busca das pérolas maravilhosas e toca nas ilhas
Trindade e Margarida. Outra decepção: os nativos são tão
agressivos que não os deixam desembarcar.
A situação piora dia a dia, e após três meses de desespero,
conseguem aportar em Maracaibo. A tripulação está doente; a
viagem está perdida. Raros os homens que podem trabalhar, pois a
sua grande maioria está com escorbuto; os navios estão podres. Só
existe uma saída: voltar à Espanha.
Dois navios são destruídos a fim de salvar os restantes e,
completamente angustiado e decepcionado, Ojeda retorna pela
segunda vez a Castela com as mãos vazias.

24
Carlos Rosa – 25

Quando todos imaginavam que Ojeda estava liquidado, eis que


consegue reunir capital, arma 4 navios e mete-se de novo ao mar,
rumo às Antilhas. Era o ano de 1502. Desta vez vai direto ao golfo
de Paria.
Nesta altura, é fundamental se dizer que tanto Cabral como
Cristóvão Jacques, estavam como extasiados, não mexendo um
músculo sequer, sentando-se, ambos, na ponta da cadeira, prontos
para pular em cima da televisão, caso alguma coisa que não
gostassem os ameaçasse. Mas vamos continuar.
Em Coquibaçoa, ergue um forte e funda uma povoação. Os
nativos, que a princípio eram hostis, tornam-se pacíficos e
hospitaleiros; não por índole, mas por medo, pois Ojeda manda
degolar uns trinta ou quarenta, a fim de mostrar a sua força e poder.
Depois dessa “demonstração” de força, consegue dos “selvagens”,
pérolas de inestimável valor. Tudo corria como planejado, porém...
Os abusos começaram, principalmente por causa do estupro de
mulheres e crianças por parte dos soldados espanhóis, e em pouco
tempo os nativos voltaram a ficar hostis e a combaterem os
invasores a todas as horas do dia, causando-lhes enormes e irrepa-
ráveis perdas. Para piorar a situação, os próprios companheiros
levantam-se contra Ojeda, acusando-o de lesar a coroa e seus
próprios camaradas. Mais uma vez é feito prisioneiro e levado à
ilha de Haiti.
Mas Ojeda é um homem fortíssimo, e aproveitando um descuido
da guarda, quebra os ferros e atira-se ao mar. Só uma criatura
espantosamente confiante em suas forças, era capaz daquele ato.
Ainda com parte dos ferros presos ao corpo, debate-se com o mar
revolto, tentando chegar à praia. Mas seus “companheiros” o
queriam vivo. É capturado e enviado a São Domingos, onde é
processado, condenado à prisão e ao pagamento de pesada multa à
coroa.
Apela para a justiça da Espanha, e com a ajuda de João
Rodrigues – sempre ele – consegue ser absolvido, mas está
arruinado.

25
26 – Segredos da História do Brasil

Tal qual a “Fênix”, Ojeda renasce. Tem inimigos mortais, mas


também tem amigos fieis.
João de La Cosa consegue que os reis lhe concedam uma nova e
derradeira empreitada. Dois novos aliados vêm juntar-se: Diogo de
Nicoesa e o bacharel Enésio, homem muito rico, habitante de São
Domingos.
O quadro parecia formado; não faltaram homens, navios,
armas,... a conquista está prestes a recomeçar. Mas, como já diz o
velho ditado, “desgraça pouca é bobagem”, eis que entre a tripula-
ção está um elemento que consegue se sobressair dos demais em
crueldade e selvageria e que anos depois, ficará famoso por
conquistar o Peru: é Fernando Pizarro, aquele que conseguiu
aniquilar com toda a população Inca em nome de Cristo.
Ah, é bom frisar que Alonso Ojeda era cristão fervoroso, e que
mantinha sempre preso ao pescoço uma imagem flamenga da
Virgem Maria. O sadismo desse bandido ia às raias do impossível,
pois após ter trucidado aldeias inteiras, inclusive crianças, tirava a
imagem do pescoço, pendurava-a em um galho de árvore e orava
com a convicção e a profundeza de um santo.
Juntamente com Ojeda e Pizarro, vão 300 homens escolhidos a
dedo, carregados de armas de fogo e vários missionários
empunhando a cruz de Cristo.
Um dos objetivos da expedição era implantar o cristianismo a
todos os rincões da nova terra. Em todas as localidades onde
aportavam, tentam subjugar os nativos, proclamando que aqueles
que não se submeterem a Cristo e ao rei da Espanha, serão
sumariamente exterminados como pagãos.
Os nativos desdenham. Batem-se contra os invasores em lutas
terríveis. Os espanhóis vencem quase todos os combates, pois além
de possuírem melhores armas, são mais fortes, mais astuciosos e,
sobretudo, mais cruéis. Mas apesar das vitórias, as baixas também
são sentidas e o número de combatentes começa a se reduzir
rapidamente.

26
Carlos Rosa – 27

Os ataques não cessam e em uma emboscada, morre João de La


Cosa. Uma perda irreparável; além de amigo, era um homem afeito
à guerra; fará muita falta.
Quando as coisas parecem perdidas, eis que mais uma vez a
sorte bafeja nosso “herói”. Diogo de Nicoesa chega com sua
esquadra.
Ojeda fica transtornado, e urrando como um animal bravio
lança-se com todos os homens disponíveis contra a mais importante
aldeia de Cartagena. Não deixa pedra sobre pedra. Brandindo a
espada e gritando a plenos pulmões, vai dizimando tudo o que
encontra pela frente e que se move. Homens, mulheres e até
crianças de peito são degoladas sem a menor hesitação ou
compaixão. Até Pizarro, um dos maiores sanguinários da história
da humanidade está perplexo. Nunca havia visto tamanha selvage-
ria em um único homem (aliás, Pizarro foi um extraordinário aluno
de Ojeda, pois no Peru, imitou com todos os requintes de barbárie,
o que viu seu mestre fazer em Cartagena).
Ao término da “luta” e juntamente com os companheiros, é
abençoado pelo sacerdote de Cristo, por ter realizado tudo como
pretendia...
Mas, como “não há mal que sempre dure, nem bem que se
acabe”, a tranquilidade dos invasores durou pouco.
Os caraíbas tornam a vida dos espanhóis um inferno.
Emboscadas, barulho contínuo dia e noite, não deixando que os
companheiros de Ojeda dormissem, ataques de surpresa, enfim, a
coisa estava feia mais uma vez.
Recolhidos às fortificações, vão os invasores sendo dizimados,
um a um, por flechas certeiras apesar de que, muito maior número
de baixas é imposto aos gentios. Era incrível, quanto mais
silvícolas matavam, mais apareciam!
Alonso Ojeda vê seus homens fraquejarem pela primeira vez.
Num gesto fulgurante e até heroico, salta a paliçada e incita seus
homens à luta corpo-a-corpo com o inimigo. Um punhado de
bravos o seguem. Uma chuva de flechas cai sobre eles. Ojeda é so-

27
28 – Segredos da História do Brasil

berbo! Sozinho, consegue sobrepujar mais de trinta selvagens! É o


alvo principal dos atiradores inimigos e, quando tenta defender-se
de uma lança atirada no seu lado direito, uma flecha atinge-lhe a
coxa esquerda. Ojeda é atirado ao chão, tal a violência do
arremesso.
Os índios correm para cima dele, porém, seus companheiros
protegem-no, cercando-o e defendendo-o com valentia.
Levado ao forte, somente após alguns minutos recobra os
sentidos, não sabendo bem o que havia acontecido.
A flecha fora extraída e um pano servia de torniquete a fim de
evitar hemorragia. A perna ardia-lhe como fogo. A flecha estava
envenenada.
Não perde a calma. Pergunta ao médico o que pode ser feito.
- A única solução para o caso – disse o médico – é queimar a
ferida com ferro em brasa.
- Pois o que espera! Queime-a imediatamente.
- Não posso, senhor. A dor será tão violenta que não é possível
existir homem algum que consiga aguentá-la – disse o médico.
- Queima ou morre – ruge-lhe Ojeda – de faca em punho.
O cheiro da carne queimada invade o pequeno aposento.
Aqueles homens afeitos às maiores atrocidades, frios e sanguinári-
os, não podiam acreditar no que estavam vendo. Alonso Ojeda não
mexe um único músculo da face; fica impassível, calmo e a fitar
atentamente o médico.
Nesse momento, Cristóvão Jacques pede para Albuquerque dar
um “pause” no filme, pois precisa ir ao banheiro com urgência,
pois caso contrário vomitaria ali mesmo, na sala de projeção.
Passaram-se uns cinco ou seis minutos, antes de Cristóvão
voltar. Os outros navegadores ficaram em total silêncio até à volta
do amigo, que com um lenço cobrindo-lhe a boca, disse a
Albuquerque:
- Continue...
Albuquerque contemplou o amigo, e perguntou, antes de apertar
a tecla “play”:

28
Carlos Rosa – 29

- Tudo bem?
Cristóvão Jacques disse que sim a o filme continuou.
O trabalho estava encerrado; o ferro penetrou até o osso, a
calcinação é perfeita, mas o veneno da flecha foi mais rápido e já
havia se propagado pelo corpo do infeliz. A febre persiste por
quase dois meses. São dias horríveis: delírios, convulsões, gritos.
Panos ensopados em vinagre é o único bálsamo que consegue
serenar o braseiro que arde e queima interiormente.
As esperanças de salvação são remotíssimas.
Mas, quem é talhado a ferro e fogo como Ojeda, não é qualquer
febre ou flecha que o farão recuar.
Durante o tempo de convalescência, as escaramuças não
diminuem, pelo contrário, os ataques dos caraíbas eram cada vez
mais intensos e, se não fosse Pizarro, por certo todos seriam
mortos.
Uma comissão propõe-lhe que abandone a fortificação, pois que
nem água para beber tinham mais.
- Vamos para o Haiti, diziam.
Ojeda repele a proposta. Não sabe recuar. Não sabe fazer outra
coisa na vida a não ser lutar.
E chegando às raias do inimaginável, diz aos seus comandados
que a hostilidade dos da terra era bastante benéfico, pois assim
conseguia manter-se em forma.
Como não podia deixar de acontecer, estoura a revolta. Ojeda é
obrigado a negociar com os insurretos. Pede-lhes quarenta dias de
espera, pois pretende viajar a São Domingos buscar socorro. Caso
não consiga, diz: – todos podem abandonar a colônia, ou agir como
melhor lhes aprouver.
Em um velho navio completamente podre, o único que restava
da frota, o antigo imediato de Colombo lança-se com um punhado
de bravos à louca aventura; louca, pois somente pessoas treslouca-
das ou insanas, teriam coragem de navegar em tão frágil
embarcação.

29
30 – Segredos da História do Brasil

Porém é bom lembrar que o comandante da expedição era


Alonso Ojeda.
Lança-se ao mar com bom vento a favor e, após um dia inteiro
de bom tempo, irrompe violenta tempestade que dura vários dias,
fazendo com que o contingente de pessoal fosse reduzido à metade.
O barco parecia desmanchar-se de encontro às ondas. Ninguém
mais pensava salvar-se. Bem, “ninguém”, não era o nome do
comandante; ele tinha fé!
Tira a miniatura da Virgem Maria que traz ao peito, dependura-a
no mastro e reza, reza, enquanto o barco vagueia ao acaso, pois que
não era mais possível controlá-lo.
O céu serena. Os ares tornam-se amenos. No firmamento refulge
o azul. O rumo fora mudado e o barco ou o que restou dele, vai dar
às costas de Cuba.
Tão logo pisa chão firme, Ojeda faz erguer uma capela e coloca
a miniatura da Virgem Maria no altar e obriga os índios a adorá-la,
sob pena de serem degolados.
Os homens estão esquálidos, extenuados. Os selvagens da ilha
apiedam-se deles e fornecem-lhes alimentos e canoas que os levam
à Jamaica. Embarcam esperançosos de melhores dias.
Mas o destino .... Ah! O destino, sempre brincando com Ojeda!
Mal pisa o solo fértil da ilha é imediatamente preso por ordem
do governador João Esquivel, inimigo feito na sua passagem por
São Domingos.
Não se sabe como, tão logo consegue restabelecer-se, o prisio-
neiro solicita uma audiência com o magistrado e, após longa
conversa, este muda repentinamente de comportamento,
oferecendo-lhe teto, mesa e um barco.
Essa nau tem um rumo: Haiti.
A meio caminho muda de rumo e vai para São Domingos.
- Ali – dizia ele – muitos me devem favores. Não terei
problemas em conseguir ajuda. Quando lá chegarmos, todas as
portas se abrirão.

30
Carlos Rosa – 31

Bem se via que nosso navegador conhecia muito pouco da alma


humana. Realmente, a maioria dos homens que mencionara viviam
em grande opulência; eram senhores bem-sucedidos e, esse tipo de
pessoas não gostam de fracassados.
Todas as portas lhe são fechadas. Não pode voltar a Cartagena.
Está doente, muito doente; o ânimo parece que desta vez
arrefeceu de todo. Não tem lar, pão e o que é pior, sem meios de
consegui-lo.
Esmola! Dorme ao relento. Vive a implorar de porta em porta,
um pedaço de pão. É dado como louco. Quando consegue algo, este
lhe é atirado de longe, pois todos tem medo de seus furores.
É nesse quadro de tristeza e miséria, que a história registra um
dos momentos mais curiosos e extraordinários vividos por um ser
humano.
Mendigava Ojeda, quando um bando de soldados desordeiros e
bêbados barra-lhe o caminho e procuram divertir-se com o infeliz.
Porém, logo percebem com quem estão lidando e um grita:
- Tu miserável! Foste tu que me tiraste do seio de minha família
na Europa e atiraste-me neste nojento lugar!
Os outros exclamaram mais ou menos a mesma coisa. Eram
todos ex-combatentes de expedições anteriores capitaneadas por
Ojeda.
Atiram-se sobre ele. Mas Ojeda não estava morto. De um salto,
arranca a espada da mão de um dos soldados, encosta-se à parede e
demonstra àquela caterva que ainda não tinha nascido homem que
conseguisse tirar-lhe a vida.
Na luta, três desordeiros foram eliminados, alguns feridos e
carregados pelos demais que corriam em fuga desordenada, nunca
mais tornando a importunar tão nobre mendigo.
Mas os anos pesavam-lhe. Estava cansado, meio coxo,
proveniente do ferimento causado pela flecha. Recolhe-se ao
convento de São Francisco.

31
32 – Segredos da História do Brasil

Três anos de tranquilidade, recolhimento, orações e de extrema


bondade, foram vividos por Alonso Ojeda que, em uma tarde
serena de setembro, aos 50 anos de idade, disse adeus a esta vida.
Conta-se que foi um dos mais suaves e penitentes frades do
convento.
O filme termina e tanto Cabral como Cristóvão Jacques, parecia
que estavam anestesiados. Affonso de Albuquerque fê-los voltar à
realidade.
- E então, que acharam do filme?
Cabral suspirou; levantou-se, foi direto a uma mesa onde havia
várias garrafas, pegou um copo e despejou uma dose generosa de
legítimo Scotch, no que foi imitado por Cristóvão, e disse:
- Nunca em minha vida poderia imaginar que tal indivíduo
pudesse existir. Tinha ouvido falar dele, mas por alto. É espantoso
como o destino o maltratou, brincou com ele; apesar de tudo, no
fundo admiro-o.
Albuquerque interrompe-o:
- Qual, meu caro! Não te deixes levar pelas aparências! O
diretor do filme sempre faz isso. Transforma vilões em heróis e
vice-versa. Já ganhou dois ou três Oscars e um cem número de
outros prêmios de menor valor. É Steven Spielberg, um dos
maiores gênios da tela! Bem, bem, isso não é importante, o nosso
caso é o descobrimento do Brasil. Que achaste?
Cabral olhou para Cristóvão Jacques que enchia outro copo de
whisky e solvia-o de um único gole, e disse:
- Enganei-me. Apesar de não ser dos melhores alunos em
geografia, tenho absoluta certeza que o Suriname fica ao norte da
foz do grande rio; logo, Ojeda aportou no Amazonas e não no
Orenoco, como achava. O Orenoco fica na Venezuela, bem acima
do Suriname e se Ojeda seguiu para o norte, é óbvio que estava no
Amazonas.
- Calma, meu rapaz, interrompe o anfitrião. Como te disse no
início, essa história é contada em capítulos, e o que acabamos de
assistir, foi somente o primeiro.

32
Carlos Rosa – 33

- Que queres dizer – grita Cristóvão Jacques.


- Quero dizer que, antes de vocês formarem uma ideia final
acerca do descobrimento, devem assistir aos outros capítulos ou
filmes, se assim preferem chamá-los, que ainda tenho para lhes
mostrar.
- Existem outros? Perguntou Cabral.
- Claro, vários. De vários autores, diretores e com os mais
diversos atores. Tenho plena certeza que vais gostar.
- Ótimo, vamos assistir a eles, disse Cabral com entusiasmo.
- Não, por hoje chega. As novelas são feitas em capítulos
diários. Já é tarde e estou cansado. Quero que os dois venham
almoçar comigo amanhã, e então teremos a tarde toda para assistir
aos filmes e nos deleitarmos com o segundo capítulo.
Cristóvão Jacques não dizia uma única palavra; apenas bebia.
Cabral serviu-se de mais uma dose generosa de whisky e
brindando com Cristóvão, sorveu o mesmo de um único gole, e
dirigindo-se à porta, acrescenta: – Caro amigo, agora começo a
compreender o porquê daquela nação estar no estado que hoje se
encontra. Boa noite...
Cristóvão Jacques com a garrafa na mão e um copo meio cheio,
já um tanto cambaleante, pergunta a Albuquerque:
- Posso levar a garrafa?
- Claro, claro. É toda sua – disse Affonso de Albuquerque
sorrindo – despedindo-se com um aceno e recolhendo-se aos seus
aposentos.
No dia seguinte, pontualmente às 12 horas, os dois navegadores
chegam à casa do amigo e encontram-no deveras alegre.
- Entrem meus caros e sirvam-se de um drinque. Estamos com
sorte!
- Por quê? Pergunta Cabral, enquanto se dirige ao bar.
- Acabei de ler no jornal, na coluna da TV, e fiquei sabendo que
hoje, às 15 horas, vai passar um documentário na Rede Mundial,
acerca dos grandes descobrimentos. Que tal?

33
34 – Segredos da História do Brasil

- Na rede o quê? No jornal? Que conversa mais confusa é essa?


Explica-te melhor que eu não estou entendendo nada, disse
Cristóvão Jacques, no que é acompanhado por Cabral.
- Desculpem-me, é que me esqueço que vocês vivem em outro
mundo. E apontando para Cristóvão, disse: – Traz a garrafa e
vamos à biblioteca conversar um pouco até que o almoço seja
servido.
Era uma sala magnífica. As paredes, apesar de não se verem
muito, pois eram cobertas ora por magníficos quadros, ora por
maravilhosas tapeçarias, eram brancas. Quatro janelas amplas na
parede em frente, deixavam entrar bastante luz para o aposento,
pois as cortinas verdes com bordados dourados em volta e alguns
brasões que não podiam ser distinguidos, estavam amarradas no
espaço entre elas. Uma estante tomava toda a parede à direita e
deveria conter aproximadamente uns três mil livros. Era imponente.
À esquerda, algo desconhecido dos visitantes, que não conseguindo
decifrar os estranhos objetos, perguntam quase que a uma só voz:
- Que diabo é aquilo?
- Uma televisão gigante. Um telão, como é mais comumente
chamado.Tem tecnologia LED – exterior N-LV e aquilo – apontan-
do para um aparelho que estava preso ao teto – é um DATA
SHOW Epson Z8255NL, 10000 lúmens, contraste 5.000:1,
resolução 1024 x 768/XGA, tecnologia LCD. É o que existe de
mais moderno. Ontem não lhes mostrei, porque estava com um
pequeno problema de nitidez, motivado pela alteração da posição
do satélite e, dessa maneira, a nossa antena parabólica teve de ser
reajustada. Agora está tudo OK. Passa-me o whisky.
Cabral estava estupefato.
Cristóvão Jacques balbuciava:
- Meu Deus, Rede Mundial, televisão, data show...
Albuquerque interrompe:
É uma subsidiária da Rede Globo do Brasil. Uns dizem ser a
melhor emissora de televisão do mundo, outros a segunda, outros a

34
Carlos Rosa – 35

terceira. A verdade é que a dita cuja monopoliza tudo. Se você


quiser saber de algo, liga na Globo, disse sorrindo.
Albuquerque calou-se, ao que Cabral prontamente disse:
- Não, não, continua.
- Amigos, como lhes disse ontem, os tempos mudaram muito, e
para melhor. Aos poucos vocês irão absorvendo essa nova tecnolo-
gia e como são inteligentes, não demorarão a ficar completamente
familiarizados com as novidades. A Rede Mundial vai retransmitir,
é claro, o programa chamado Globo Repórter, que normalmente,
como o nome diz, trata-se de uma reportagem sobre acontecimen-
tos que deram notícia em passado recente ou muito importante.
Porém, como estamos em abril, mês da tua chegada ao Novo
Mundo – apontando para Cabral – mais precisamente dia 22, o
programa será sobre descobrimentos.
Cabral confirma com um aceno de cabeça, e Albuquerque
continuou:
- Mas que fique claro uma coisa: em 2017, a data de 22 de abril
não será mais essa. Por quê? É que houve uma reforma no
calendário e as datas foram alteradas em alguns dias, mas isso é
assunto que discutiremos posteriormente. O que eu quero saber
agora é como você dois passaram de ontem para hoje, após
assistirem ao filme?
Cristóvão Jacques, ainda meio tonto com tanta informação, diz:
- Caro amigo, eu fiquei sabendo que o tal filme que assistimos
ontem teve um começo que não assisti. Só vi a segunda parte e
gostaria muito de ver a primeira. Como posso assistir a essa
primeira parte?
- Sem problema – diz Albuquerque – e acrescenta: – hoje
mesmo mandarei instalar na tua casa um aparelho de televisão com
um tocador de DVD, igual ao que vocês viram ontem, e assim
poderás, ainda hoje à noite, assistir ao filme na sua totalidade.
Dirigindo-se ao anfitrião, Cabral acrescenta:
- Ainda não consegui concatenar bem as ideias. Tens que me dar
tempo. É tudo muito estranho e digo mais, muito interessante. Eu

35
36 – Segredos da História do Brasil

só não sabia que iria haver uma controvérsia tão grande sobre uma
coisa que várias pessoas sabiam da verdade. É incrível a deturpação
dessa verdade.
- Tens razão, meu amigo – diz Affonso de Albuquerque,
solvendo um grande gole de whisky – e acrescenta: – as controvér-
sias ficam ainda maiores é quando entram interesses políticos,
como no teu caso... É por demais sabido que nós portugueses já
tínhamos conhecimento do Brasil bem antes de lá chegares, mas o
que me intriga, é que os documentos foram simplesmente
extraviados ou escondidos tão bem, que somente em meados do
século 20 vão começar a ser descobertos e, até lá, e mesmo depois,
a controvérsia continuará, em detrimento da verdade, como verás
nos filmes que tenho.
Neste bate-papo descontraído, são interrompidos pelo criado que
avisa que o almoço está servido.
Durante a refeição, Albuquerque explica a ambos que o
documentário a qual irão assistir é baseado em documentos “ditos
verdadeiros”, e que a emissora teve grande trabalho para reunir tais
documentos, conforme havia lido e que culminaria com o feito
atribuído a Cabral.
Faltavam 15 minutos para as três horas, quando os três
navegadores dirigiram-se à biblioteca a fim de assistirem ao tal
programa.
- Não queremos ser interrompidos, disse Albuquerque ao criado.
O telão foi ligado e antecediam ao programa esperado, alguns
comerciais que deixaram tanto Cabral como Cristóvão Jacques,
completamente intrigados, principalmente quando aparece um
homem juntamente com três elementos com caras pintadas de azul.
- Quem são esses elementos azuis? Quem é esse sujeito que está
com eles? Pergunta Cabral assustado.
Albuquerque dá uma imensa gargalhada e explica aos amigos:
- Isso é um comercial de uma prestadora de serviços de celular.
Aqui em Portugal, isto – apresentando um aparelho celular aos
amigos – chama-se telemóvel. A empresa é a TIM, e o elemento

36
Carlos Rosa – 37

que vocês viram com os caras pintadas, chama-se Luciano Huck, e


é apresentador da Rede Globo, muito famoso por lá, casado com
uma loira linda, chamada Angélica. Formam um belo par.
Eram precisamente 15 horas, quando a voz de Sergio Chapelin
invade o aposento e anuncia:
- Boa noite! (É bom lembrar que o programa no Brasil é levado
ao ar às sextas-feiras no período noturno, mais precisamente após a
novela das 9). O programa desta noite é uma homenagem aos
destemidos homens que, em seus pequenos barcos, chamados
caravelas, desbravaram os mares e oceanos. Alargaram os mundos
e aproximaram as pessoas. Esses heróis deixaram uma lição que até
hoje é descrita como a mais audaciosa e destemida de toda a
existência do homem na terra.
Nesse momento, Cristóvão Jacques não se conteve e disse:
- Já estou começando a gostar desse gajo.
- Psisssss – disse Albuquerque – colocando o dedo indicador
sobre a boca.
Sergio Chapelin continuou:
- Nossa história começa com um homem aplicado às ciências.
Casto e austero, curioso das notícias do Oriente que na descrição de
Marco Polo tem fulgurações de lenda. Leitor insaciável, colecionou
tudo o que se escreveu sobre cosmografia e navegação, transferiu
para a sua vila de Terça Naval, junto de Sagres e do Cabo de São
Vicente um séquito de matemáticos judeus, cartógrafos catalães,
pilotos de várias origens e outros que para isso educava e com eles
criou seminários de estudos náuticos. Era chamada de Escola de
Sagres e seu idealizador, foi o Infante D. Henrique.
E continua:
- Não havia em toda a Europa personalidade mais empolgante.
Derruba uma velha credulidade: “Que depois deste Cabo – o
Bojador – não há aí gente nem povoação alguma, e o mar é tão
baixo que a uma légua de terra não há fundo mais que uma braça.
As correntes são tamanhas, que o navio que lá passe jamais nunca

37
38 – Segredos da História do Brasil

poderá tornar. E, portanto, os nossos antecessores nunca se intro-


meteram para passá-lo”.
- Nestes argumentos tímidos – continuava Chapelin – desfeitos
pelo sábio raciocínio do Infante, tal como se vê na Crônica de
Gomes Eannes de Zurara, assistimos ao despontar palpitante da
civilização Moderna.
- Era o ano de 1433, que Duarte Pacheco Pereira resumiu no
Esmeraldo De Situ Orbis em 1505, como última concepção do
cosmos: “Que o mar oceano não cerca a terra, como os filósofos
disseram, mas antes a terra deve cercar o mar, pois jaz dentro de
sua concavidade”.
E o narrador, continua:
- No dia em que transposto o Cabo Bojador, se dissipasse a
fantasia das águas inavegáveis, cairia a construção hipotética do
Universo conforme os autores e as lendas. Ruiria o sistema
geográfico de Ptolomeu, de Stabo, de Plínio, de Pompônio.
Estender-se-ia os rumos intercontinentais. Para incorporar a África
ao império, bastava contorná-la; e porque nessas explorações se
apuravam os processos de navegar, aperfeiçoando-se os navios a
cargo de hábeis marinheiros, na realidade se inteirava D. Henrique
dos meios e dos instrumentos necessários à criação de um mundo
diferente, fora do mundo histórico.
- A Civilização Moderna começa com as viagens descobridoras
– afirma o locutor – e acrescenta em tempo: – pois é justo antedatar
o ano de 1433 como o fim da Idade Média. No próximo bloco,
trataremos das primeiras expedições, das dificuldades, das lendas
que cercavam o mar e o mundo desconhecido.
- E então – perguntou Albuquerque – no momento que era dado
início ao bloco de comerciais, que deveria demorar mais ou menos
2,5 minutos (importante frisar que o tempo dos comerciais varia de
acordo com o interesse do programa. Começa normalmente com
2,5 minutos e à medida que o programa vai ficando mais
interessante, o tempo de intervalo é ampliado até 5 minutos ou
mais, o que, convenhamos, é um exagero).

38
Carlos Rosa – 39

- Bem, até aqui estou satisfeito, principalmente com a colocação


do locutor no caso da “Escola de Sagres”, que não era escola
nenhuma. Era a casa do nosso príncipe, transformada em local de
estudos, disse Cabral.
- Eu também estou gostando muito, disse Cristóvão Jacques, e
acrescentou: – Será que tenho tempo de ir ao banheiro?
- Creio que sim, mas não demores – respondeu Albuquerque.
Sabes onde é?
- Sei!
O programa ia começar quando Cristóvão Jacques retornou e a
um aceno do anfitrião, sentou-se.
- A par dos estudos astronômicos – começou o locutor –
dispensou o Infante uma especial atenção à carpintaria dos barcos.
Eram, na opinião de Cadamosto “Os melhores navios que andavam
sobre o mar e, sendo providos de tudo o necessário, julgava-se
impossível não poderem navegar por toda a parte”.
- É importante dizer – continuava o narrador – que o primeiro
documento em que surge a caravela é de 1258; pequena e ágil, de
50 a 90 toneladas, tornou-se o barco mais próprio para costear a
África e fazer-se ao mar desconhecido.
- Já em 1343, por ordem do rei D. Affonso IV, os portugueses
avançavam sobre o Atlântico e aí, no ocidente, onde descobriram
terras habitadas por homens nus e animais diversos, terras lindas e
férteis, o rei de Portugal não perdeu tempo em assegurar para a
coroa a posse dessas terras.
Nessa época – dizia Sergio Chapelin – o árbitro supremo de
todas as disputas, era o Papa, chefe da cristandade. D. Affonso IV
fez secretamente, como convinha aos interesses portugueses,
minuciosa carta ao Papa Clemente VI, com data de 12 de fevereiro
de 1343 em Monte-Mór-O-Novo, em que descreve as terras, e entre
outras coisas, diz:

“Diremos reverentemente a Vossa Santidade, que os nossos


naturais foram os primeiros a acharem as mencionadas ilhas.

39
40 – Segredos da História do Brasil

Dirigimos para aí os olhos do nosso entendimento e desejando pôr


em execução o nosso intento, mandamos lá as nossas gentes e
algumas naus para explorarem a qualidade da terra, as quais,
abordando as ditas ilhas, se apoderaram de homens, animais e
outras coisas e as trouxeram com grande prazer aos nossos
reinos”.

- Este importante documento – diz o locutor – esquecido há mais


de seis séculos, encontra-se no livro 138, folhas 148 e 149, no
arquivo do Vaticano. E continua: – Por ordem de Carlos V, rei da
França, em 1375, foi feito um mapa-múndi, que se encontra atual-
mente na Biblioteca Nacional de Paris, e nele consta a posição e
semelhança da América Latina e inserida uma ilha com o nome de
Brasil. E acrescenta: – Outros documentos comprovam com
absoluta certeza a existência do Brasil, muito antes da chegada de
Cabral.
E o narrador continua entusiasmado:
- Portugal, nessa época, foi mais do que um país de
descobridores. Acima de tudo, foi um país de heróis, heróis
desmistificadores de lendas como: regressar do Cabo Não, esmagar
as serpentes do Bojador, zombar dos monstros do Mar das Trevas,
que durante séculos tinham conservada prisioneira a Europa, dissi-
par os vapores, desfazer as intrincadas vegetações, despedaçar
colunas e estátuas, erguendo padrões em seu lugar.
- No próximo bloco falaremos do grande navegador e suas
descobertas.
- Maravilhoso, disse Cabral. Até então, tudo o que tenho visto e
ouvido, não é senão a verdade. Que diabo aconteceu para que a
história tivesse sido deturpada? As provas são evidentes, ou não?
- Claro, claro – disse Albuquerque. E acrescenta: – Motivos
torpes e interesses pessoais de alguns governantes, fizeram com
que a verdadeira história fosse completamente deturpada ao ponto
de afirmarem que Cristóvão Colombo descobriu a América e tu o
Brasil.

40
Carlos Rosa – 41

Cristóvão Jacques não se conteve, e explodiu em uma enorme


gargalhada, quase perdendo o fôlego, acrescentando:
- Como é que é? Tu descobriste o Brasil? – apontando para
Cabral. E continuou ainda meio sem fôlego: – E o Colombo o quê?
Ele descobriu a América? Desculpa-me, meu amigo – dirigindo-se
a Albuquerque – isso é demais para a minha cabeça. Não posso
acreditar no que estou ouvindo; só posso estar dormindo e
sonhando, ou completamente louco.
Cabral retoma a palavra:
- É um disparate! Os documentos comprovam o contrário.
- Os documentos, ora os documentos – diz Albuquerque – e
acrescenta: – Acabaste de ver que um dos mais importantes ficara
“escondido” por séculos e mesmo depois de achado, os
historiadores não aceitam o que está escrito! Política, meu caro,
política suja. Um whisky?
Cabral acedeu com um gesto de cabeça e Albuquerque serviu
três doses bem generosas, com gelo.
- Ainda não compreendo: se a televisão está mostrando a
verdade, por que ela não é aceita por todos? O que estamos vendo
não está escrito em algum lugar? – acrescentou Cristóvão Jacques.
- Claro que é verdade, e os modernos assim como os antigos
historiadores sabem disso – diz Albuquerque. E acrescenta: –
Porém, os interesses tanto de Portugal como da Espanha, eram e
são grandes. Ambos por pura vaidade, interesse econômico ou pelo
simples prazer de deturpar a verdade a fim de não deixar o inimigo
na vanguarda, tudo fizeram para que a história não fosse ensinada
nas escolas com a veracidade dos fatos.
Os portugueses diziam-se os todos poderosos, enquanto o
opositor dava esse título a si próprio. Esconderam-se informações,
roubaram-se projetos, queimaram-se cartas náuticas de importância
vital, matou-se, enfim, esses dois países tão probos em conquistas e
descobertas, com os povos dos mais destemidos que o mundo
conheceu, são mesquinhos e desleais, ladrões e intrigantes, queren-

41
42 – Segredos da História do Brasil

do só para si todas as glórias. Silêncio que vai começar o programa.


- Curioso é ressaltar – começa o locutor – que de todos os
grandes navegadores, nenhum recebeu cognome mais preciso que o
Infante D. Henrique – o Navegador – e mais curioso ainda, é que o
referido, descontando uma curta expedição militar a Ceuta, jamais
embarcou em uma nau. Não obstante, tem com certa razão tal
apelido, pois por toda a vida, dedicou sua fortuna e tempo à
navegação e aos navegantes.
- De todos os navegadores – acrescenta Chapelin – um em
especial é citado por quase todos os historiadores como sendo o
maior: Fernão de Magalhães.
Fernão de Magalhães nasceu no norte de Portugal, em 1480. A
vila de Sabrosa, a freguesia da Sé do Porto – Vila Nova de
Gaia e Ponte da Barca reclamam a sua naturalidade. Era filho de
Rui de Magalhães e de Inês Vaz Moutinho. Seu pai foi cavaleiro
fidalgo da casa de D. Afonso. Tinha cerca de dez anos quando se
tornou pajem da corte da Rainha D. Leonor, esposa de D. João II.
Casou-se em Sevilha em dezembro de 1517 com Beatriz Barbosa,
sua parenta, filha de Diogo Barbosa e de Maria Caldeira, e teve
dois filhos: Rodrigo, que faleceu muito novo, e Carlos, que faleceu
ao nascer.
Em Março de 1505, com 25 anos, alistou-se na Armada da
Índia, na frota de 22 navios enviada para instalar D. Francisco de
Almeida como primeiro vice-rei da Índia. Embora o seu nome não
figure nas crônicas, sabe-se que ali permaneceu oito anos, e que
esteve em Goa, Cochim e Quíloa. Participou da batalha naval
de Cananore em 1506, onde tem seu batismo de fogo e é ferido,
voltando a Portugal. Em 1509 partiu com Diogo Lopes de
Sequeira na primeira embaixada a Málaca, onde seguia também
Francisco Serrão, seu amigo e primo. Chegados a Málaca em
setembro, foram vítimas de uma conspiração e a expedição
terminou em fuga, na qual Magalhães teve um papel crucial
avisando Sequeira e salvando Francisco Serrão que havia desem-

42
Carlos Rosa – 43

barcado. Para trás ficaram dezenove prisioneiros. A sua atuação


valeu-lhe honras e uma promoção.
A serviço do novo governador, Affonso de Albuquerque,
participou junto com Fernando Serrão, da conquista de Málaca em
1511. Após a conquista da cidade os seus caminhos separaram-se:
Magalhães promovido, com um rico saque e na companhia de um
escravo malaio, regressou a Portugal.
Em 1513, lá está ele novamente engajado numa expedição que o
levará ao Marrocos numa batalha contra os Mouros. Recebe vários
ferimentos e uma lança atinge-lhe a rótula esquerda que ficará para
sempre inchada e semiparalisada.
Nessa mesma época, foi acusado de comércio ilegal com os
mouros, e com várias das acusações comprovadas, cessaram as
ofertas de emprego.
Mais tarde, em 1515, surgiu uma oferta para membro da
tripulação de um navio Português, mas Magalhães rejeitou-a. Em
Lisboa dedicou-se a estudar as mais recentes cartas, investigando
uma passagem para o pacífico pelo Atlântico Sul e a possibilidade
de as Molucas estarem na zona espanhola definida pelo Tratado de
Tordesilhas, em parceria com o cosmógrafo Rui Faleiro.
Em 1517 foi a Sevilha com Rui Faleiro, tendo encontrado nele
um adepto do projeto que concebera: dar à Espanha a possibilidade
de atingir as Molucas pelo Ocidente, por mares não reservados aos
portugueses no Tratado de Tordesilhas e, além disso, segundo
Faleiro, provar que as ilhas das especiarias se situavam no
hemisfério castelhano.
Com a influência do bispo de Burgos conseguiram a aprovação
do projeto por parte de Carlos V, e começaram os morosos
preparativos para a viagem, cheios de incidentes; o cartógrafo de
origem portuguesa Diogo Ribeiro que começara a trabalhar para
Espanha em 1518, na Casa de Contratación em Sevilha participou
no desenvolvimento dos mapas utilizados na viagem. Depois da
ruptura com Rui Faleiro, Magalhães continuou a aparelhagem dos
cinco navios que, com 256 homens de tripulação, partiram
de Sanlúcar de Barrameda em 20 de setembro de 1519.

43
44 – Segredos da História do Brasil

Antonio Pigafetta, escritor italiano que havia pago do seu


próprio bolso para viajar com a expedição, escreveu um diário
completo de toda a viagem, possibilitado pelo fato de Pigafetta ter
sido um dos 18 homens a retornar vivo para a Europa. Dessa forma,
legou à posteridade um raro e importante registro de onde se pode
extrair muito do que se sabe sobre este episódio da história.
A armada fez escala nas ilhas Canárias e alcançou a costa
da América do Sul, chegando em 13 de dezembro ao Rio de
Janeiro. Prosseguindo para o Sul, atingiram Puerto San Julian à
entrada do estreito, na extremidade da atual costa da Argentina,
onde o capitão decidiu hibernar. Irrompeu então uma revolta que
ele conseguiu dominar com habilidosa astúcia. Após cinco meses
de espera, período no qual a nau "Santiago" foi perdida em uma
viagem de reconhecimento, tendo os seus tripulantes conseguido
ser resgatados, Magalhães encontrou o estreito que hoje leva seu
nome, aprofundando-se nele. Em outra viagem de reconhecimento,
outra nau foi perdida, mas desta vez por um motim na nau "San
Antonio" onde a tripulação aprisionou o seu capitão Álvaro de
Mesquita, primo de Magalhães, e iniciou uma viagem de volta à
Espanha com o piloto Estevão Gomes, espalhando na Europa
ofensas contra Fernão de Magalhães.
Apenas em novembro a esquadra atravessaria o Estreito,
penetrando nas águas do Mar do Sul, e batizando o oceano em que
entravam como “Pacífico” por contraste às dificuldades encontra-
das no Estreito. Depois de cerca de quatro meses, a fome, a sede e
as doenças (principalmente o escorbuto) começaram a dizimar a
tripulação. Foi também no Pacífico que encontrou as nebulosas que
hoje ostentam o seu nome - as nebulosas de Magalhães.
Aqui – diz o locutor – gostaríamos de fazer uma pausa no relato
do nosso navegador, para alertar os telespectadores de quão
ingratos foram os reis espanhóis e portugueses para com seus
heróis. E continua: – apenas para mencionar alguns, lembramos o
caso de Colombo, que voltou acorrentado para Sevilha e acabou
morrendo como indigente, pobre e esquecido. Cortez caiu em
desgraça real; Pizarro é assassinado; Nuñes de Balboa o descobri-

44
Carlos Rosa – 45

dor dos Mares do Sul é decapitado; Camões é metido em cárcere e


os poucos sobreviventes que a morte rejeitou nas colônias, são
enterrados na pátria sem glória, como cães sarnentos.
- Mas muita coisa ainda estava por acontecer – disse o
apresentador, e continuou: – Nessa viagem épica, Magalhães
conquistou terras e mares para a coroa espanhola, prestígio,
respeito e temeridade por onde passava. Mas, como o destino é
incomensurável, se interpôs entre a glória final e um simples
desentendimento tribal, a figura de um rei chamado Silapu-lapu,
rajá de uma minúscula ilha chamada Sebú.
- Nas Filipinas – continua Chapelin – Magalhães subjugou a
todos os reis e converteu quase todos ao cristianismo, claro que à
custa de verdadeiras barbaridades. Como tinha que partir, deixou
encarregado de zelar pelos interesses da coroa, um tal de Carlos
Humabon, que jurara fidelidade ao rei da Espanha e havia-se
convertido ao cristianismo, chegando mesmo a ser batizado.
- Silapu-lapu não concordou em receber ordens de um rei
desconhecido, e rebelou-se contra Magalhães. Era a oportunidade
que o grande navegador tinha para demonstrar ao monarca rebelde
o quanto podia ser prejudicial não obedecer às ordens do senhor do
trovão e, mais ainda, essa era a grande oportunidade de mostrar a
todos os reis do arquipélago quem era o mais poderoso.
- Senhor de si, o grande navegador deixou-se levar pela vaidade
e menosprezando mais de mil homens de Silapu-lapu, levou apenas
sessenta soldados para subjugar o ímpio rajá.
- Era uma sexta-feira, 26 de abril de 1521. Flechado nos braços
e pernas, com um terrível ferimento na cabeça, após demorada luta,
cai mortalmente ferido Fernão de Magalhães, com a maioria dos
seus homens.
- Deste modo tão absurdo, termina a vida, em meio à realização
de uma proeza imortal, do maior navegador da história, vítima de
insignificante escaramuça, contra a horda de índios nus. Seu corpo
jamais foi encontrado.

45
46 – Segredos da História do Brasil

- No próximo e derradeiro bloco, falaremos de Pedro Álvares


Cabral e da descoberta do Brasil.
- Não concordo, disse Cabral gritando. Como podem atribuir a
um homem que somente foi comandante de uma pequena esquadra,
o título de o maior navegador de todos os tempos! Protesto! E
Vasco da Gama e Bartolomeu Dias e João Vaz da Corte Real e tu,
o maior entre os maiores, como ficam?! Aliás, não foi ele teu su-
bordinado em 1511 em Goa. Decididamente, não concordo!
- Calma, meu amigo, calma! Diz Albuquerque.
- Calma o quê, homem! Interrompe a discussão Cristóvão
Jacques. Um fulano diz uma loucura dessas e tu nos pedes calma?
E acrescenta: – Eu tenho algumas perguntas a fazer.
- Vá em frente – diz calmamente Albuquerque.
- Nós estamos em 1514 e esse tal de locutor, Sergio não sei das
quantas, está falando de fatos que ainda não aconteceram, como a
viagem do Magalhães em 1519 e a sua morte em 21. Isso é demais
para a minha cabeça. Vou para casa repousar, colocar em ordem as
minhas ideias e amanhã conversaremos.
E pegando o chapéu e a capa, saiu apressado, sem que nenhum
dos outros dois navegantes pudessem detê-lo.
Retomando a palavra após a saída abrupta de Cristóvão Jacques,
Cabral disse:
- Eu conheci Magalhães; vivia a pedir favores a todos que lhe
davam atenção: maldizia o nascimento, falava das dificuldades que
passava, enfim, era um sujeito deveras desagradável. Não sei como
se tornou um homem de fibra como o que acabaram de pintar.
Estou surpreso e admirado. Quem diria! Sim, não entendi bem: ele
morreu durante a viajem, certo? E quem foi o capitão que a
concluiu?
- Sebastião del Cano, o comandante da caravela “Vitória” –
disse Albuquerque.
- Logo, meu caro, del Cano foi o primeiro homem a dar a volta
ao mundo e não o desertor Fernão de Magalhães.
- É, os fatos expostos friamente assim o comprovam, porém...

46
Carlos Rosa – 47

- Não tem porém nenhum. Os fatos falam por si. Diz-me uma
coisa: quando chegou essa nau “Vitória” ao porto de Sevilha?
- Precisamente no dia 8 de setembro de 1522, com apenas 18
homens na tripulação – disse Albuquerque.
- Aí está. Se não me engano, um ano e quatro meses depois da
morte de Magalhães.
- Perfeito – disse Magalhães – não havia pensado nisso...
- Bem, independente de ser ele ou não o primeiro a dar a volta
ao mundo, estou interessado em saber detalhes da viagem; tens
alguma coisa a respeito?
- Tudo. Mas isso é assunto para outro livro, sobre a História
Universal.
De repente ouve-se: “Plim, plim”, e Albuquerque diz: – O
programa já vai começar – e acrescenta: – que pena que o Jacques
foi embora; ele é fraco de mente, apesar de forte de músculos.
- Com o sucesso da viagem de Vasco da Gama – diz o narrador
– D. Manuel I decide mandar uma esquadra maior e mais
preparada, que pudesse estabelecer feitorias seguras nas Índias.
Portugal tratava de desenvolver as bases para seu império
comercial. Para chefiar essa esquadra, procura um conhecedor da
arte de navegar, bom soldado, cristão devoto, leal e capaz de
entender os seus projetos políticos e comerciais. Esse homem é
Pedro Álvares Cabral.
- Nasceu em 1467 ou 68, no castelo da vila de Belmonte, na
Beira Baixa, filho de D. Izabel de Gouveia e Dom Fernão Cabral.
Seu pai tinha o apelido de “Gigante da Beira”, por sua grande
estatura e era respeitado tanto pela bravura e nobreza de seus
antepassados, como pelo talento de guerreiro e habilidade de
administrador.
- Com onze anos foi mandado para a corte de Afonso V, onde
além de receber instrução literária, histórica e científica, aprendeu a
usar as armas. Com dezesseis anos é nomeado moço fidalgo da
corte de D. João II. Ali, viveu um ambiente de heroísmo, cercado

47
48 – Segredos da História do Brasil

de histórias de batalhas e de descobertas. Todos falam da conquista


da África, das viagens marítimas, dos caminhos das Índias.
Enquanto Sergio Chapelin narra a vida de Cabral, este é
observado de “soslaio” por Affonso de Albuquerque, que
indiferente ao que está sendo dito na televisão, prefere observar o
futuro “descobridor oficial do Brasil”. Um sorriso disfarçado sai-
lhe pelos lábios, e um aceno de cabeça parece confirmar as palavras
de Chapelin. Percebe que Albuquerque o observa e, virando-se
rapidamente, pergunta:
- O que estás a olhar?
- Nada, nada! – diz o anfitrião sorrindo.
E a narrativa continua:
- Com 33 anos, Cabral é um homem culto. Embora não seja
marinheiro experiente, conhece os problemas da navegação. D.
Manuel acreditava encontrar em Cabral as qualidades de chefe
militar e de diplomacia. Tinha-o como homem certo para comandar
a segunda esquadra portuguesa com destino às Índias e lá negociar.
- No comando das treze embarcações que compõem a esquadra,
estão alguns dos mais ilustres navegadores do reino: entre eles,
Sancho de Tovar, subcapitão da frota e imediato de Cabral;
Bartolomeu Dias, descobridor do cabo da Boa Esperança e seu
irmão Diogo Dias; Nicolau Coelho e Pero de Escobar, que foram
com Vasco da Gama na sua primeira viagem à Ásia. Os navios
levavam também um cirurgião, o físico Mestre João, os
franciscanos chefiados por frei Henrique Soares de Coimbra e Pero
Vaz de Caminha, o escrivão da feitoria que se ia fazer em Calicute.
São aproximadamente 1200 homens, entre mercadores, pilotos,
oficiais maiores, carpinteiros, caldeireiros, ferreiros, torneiros,
soldados e técnicos em navegação.
- Cinco dias após a partida, atingem as ilhas Canárias e a 22 de
março, avistam as ilhas de Cabo Verde. Dali partem para o
ocidente, a fim de evitar as calmarias nas costas da África.
Nesse momento, Cabral não se conteve e grita:
- Mentira, mentira! As ordens eram para seguir rumo ao Brasil.

48
Carlos Rosa – 49

Albuquerque interrompe:
- Calma, meu amigo. Vamos continuar vendo e ouvindo a
narração e depois comentaremos.
Cabral calou-se, balançando a cabeça em sinal de negativo. O
narrador continuava:
- Na noite seguinte, uma das naus, a do capitão Vasco de Ataíde
não se encontrava mais à vista. Procuraram-na por algum tempo,
mas ela desaparecera sem nenhuma razão aparente. Não poderia ter
naufragado no mar tranquilo, nem se desviado com o vento fraco.
Nunca mais ninguém veria a nau perdida. Era o inexplicável, o
desconhecido. Mas esses fatores estiveram sempre presentes em
todas as navegações. E a viagem continuou.
- Entre os marinheiros correm rumores. As doze naus navegam
há semanas sem ver terra. Os veteranos do mar não compreendem:
eles não estão indo para as Índias pela rota que Vasco da Gama
acabara de descobrir. Como então se afastam tanto da África,
rumando para o ocidente? E o perigo? E os dragões e as serpentes
aladas de que falavam as velhas histórias do grande oceano
desconhecido? – dizia entusiasmado o locutor, e continuou: –
Apesar de tudo, os comandantes dos navios não pareciam
preocupados: repetem a ordem de seguir para sudoeste, sempre
para sudoeste.
- O 43º dia de viagem vai acabando como os outros; por todos
os lados os barcos balançando, os trabalhos de rotina e, no fim do
dia, a hora de rezar.
- O Sol está desaparecendo quando a notícia de espalha: existe
alguma coisa no mar. Toda a tripulação corre para a amurada. Entre
as ondas, boiam algumas algas marinhas. Anoitece, nada mais se
pode fazer. Mas uma coisa é certa para todos: existe terra por perto.
- A noite é de festa, conversas, esperanças de fortuna... Mas
também há dúvida e medo. Que terra seria aquela – diz Sergio
Chapelin com ar de surpresa – e continua a narrativa:
- Mal amanhece, todos os olhos estão no horizonte. Decepção.
Lá apenas a imagem de sempre: mar, mar. Mas, antes que alguém

49
50 – Segredos da História do Brasil

duvide dos sinais da véspera, outras plantas marinhas e depois


algumas aves confirmam: há mesmo terra por perto. Lentamente
avançam as naus e caravelas da maior armada jamais saída de
Portugal. Há tensão entre os homens. Na hora do almoço, enquanto
se alimentam com sopa, biscoitos duros, carne e peixe salgados,
arroz e cevada, tudo já meio velho, meio apodrecido, os
marinheiros conversam sobre frutas e verduras frescas, pensando
no que poderão comer ao chegar àquele lugar anunciado por
arbustos e aves. E água? Água fresca no lugar do líquido sujo e
amargo dos tonéis! Isso os deixa entusiasmados, chegando mesmo
a esquecer que ninguém sabe onde vão desembarcar.
E o relato continua de forma efusiva:
- Só ao entardecer a tripulação pode ver, bem ao longe, um
monte alto, redondo. Em volta do morro, mais terras, com grandes
árvores. À luz do crepúsculo, momento de oração; os homens
olham em silêncio para o monte que se chamará Pascoal. Atrás
dele, o Sol se vai escondendo. Era a noite de 22 de abril de 1500.
Os marinheiros recolhem as velas e baixam âncoras. Os navios vão
esperar o dia para se aproximar da costa. Na proa do seu barco, um
homem não tira os olhos da montanha que a noite vai apagando. É
o almirante Pedro Álvares Cabral.
Affonso de Albuquerque olha para o amigo, e encontra-o com
um sorriso nos lábios e maneando a cabeça como que não
acreditando no que está vendo e ouvindo. Cabral não percebe que
está sendo observado, e o narrador continua:
- O Sol acabara de nascer. Lá está a terra descoberta: a foz de
um rio e um punhado de indivíduos bronzeados andando pela praia.
Os capitães se reúnem na nau de Cabral. Pero Vaz de Caminha, na
carta que enviará depois ao rei D. Manuel, conta que Cabral, como
primeira medida, resolve mandar um pequeno barco, com Nicolau
Coelho, para ver o lugar de perto. Junto à boca do rio, dezoito ou
vinte homens “pardos” se aproximam do escaler, “todos nus, sem
nenhuma coisa que lhes cobrisse as vergonhas”. Os homens traziam
arcos e setas, mas, a um sinal dos portugueses, baixaram as armas.

50
Carlos Rosa – 51

E a narração continua de forma empolgante:


- Ali, naquela praia, deu-se a troca de presentes entre os
descobridores e os indígenas. Nicolau Coelho deu-lhes um barrete
vermelho, uma carapuça de linho e um chapéu preto, e recebeu em
troca um cocar de plumas compridas, que terminava com penas
vermelhas e castanhas, e um colar de pequenas contas brancas.
Depois os portugueses voltaram a bordo.
- A noite foi de chuva e ressaca, tornando impraticável o
desembarque. Era preciso encontrar porto mais seguro. Subiram à
costa durante todo o dia. Após 10 léguas aproximadamente,
encontraram “um recife com um porto dentro, muito bom e muito
seguro, com uma mui larga entrada” – a atual baía de Cabrália,
entre a ilha da Coroa Vermelha e a baía rasa de Santa Cruz, no
estado da Bahia.
- O piloto Afonso Lopes foi mandado a terra fazer sondagens e
quando regressou trouxe consigo dois naturais a bordo. Quando
chegaram, todo o cenário já estava montado. O intuito era
impressionar. Cabral sentou-se com majestade numa cadeira de
espaldar elevada e todos os oficiais sobre um tapete aos seus pés.
Um dos indígenas pôs logo o olhar no colar do capitão, que reluzia
e começou a acenar para terra e depois para o colar, parecendo
insinuar que lá havia ouro. Os homens ficaram radiantes: era tudo
quanto queriam.
- No dia seguinte, pela manhã, Cabral mandou Nicolau Coelho e
Bartolomeu Dias levarem os dois homens a terra, e deu a cada um
deles uma camisa nova, uma carapuça vermelha e um rosário de
contas brancas, que os índios enrolaram no braço, além de vários
chocalhos e guizos. E mandou com eles um criminoso condenado
ao exílio, de nome Afonso Ribeiro, que ficou em terra.
- O dia 25, domingo, amanheceu ensolarado – disse sorridente
Chapelin – e Cabral mandou celebrar uma missa. Os capitães o
acompanharam a uma ilhota verde, hoje Coroa Vermelha, dentro da
baía. Armaram um tosco altar e frei Henrique celebrou a missa.

51
52 – Segredos da História do Brasil

- O comandante Gaspar de Lemos volta a Portugal a dar as


novas ao rei D. Manuel. Leva além das cartas do Capitão-Mor, as
do físico Mestre João e a do escrivão Pero Vaz de Caminha, além
de amostras de vegetação local, toras de pau-brasil, arcos e flechas,
enfeites indígenas e papagaios de cores berrantes.
No mesmo dia 2 de maio, toma-se o caminho das Índias. Ficam
em terra dois degredados e dois grumetes que fugiram das naus
para ficarem com os indígenas – ou com as indígenas – acrescenta
o narrador, sorrindo.
- Cabral não tinha noção da terra que descobriu. Deu-lhe o nome
de Ilha de Vera Cruz, que deveria medir de 20 a 25 léguas de costa
a sertão a perder de vista.
E concluiu:
- Muita coisa já foi dita acerca do nosso descobrimento e muita
coisa ainda o será; Brasil – terra cantada como o “país lendário e a
ilha mágica” por James Joyse, o “vértice da suprema
humanidade” por Withman (poeta americano do século XIX), a
“Nova Jerusalém com povos e línguas de toda a terra” por
William Blake, “a Terra prometida, com riqueza inconcebível, de
onde emanarão leite e mel” pelo santo italiano Dom Bosco,
“nação exemplar e país do futuro” pelo famoso escritor austríaco
Stephan Zweig – foi também alvo de muitas outras previsões e
profecias ao longo da história, todas apontando num sentido muito
positivo para o nosso país; por exemplo, a de que seria sede, a
partir mais ou menos desta época, do Quinto Império profetizado
por Daniel, ao interpretar o sonho de Nabucodonosor, que segundo
ele, haveria no futuro uma sucessão de quatro impérios humanos
cada vez mais decadentes, sendo o primeiro de ouro, o segundo de
prata, o terceiro de bronze e o quarto e último (do poder econômico
anglo-americano atual) de ferro e barro; no fim dos tempos tais
impérios seriam substituídos pelo quinto Império, que seria o
divino, numa terra onde todas as raças viverão juntas e em paz. Na
verdade, a nação homenageada como “a pátria de Deus” pelos
sambistas tem sido foco de atenção de um sem número de profetas,

52
Carlos Rosa – 53

místicos, santos e videntes, reis, literatos e políticos, que viram


nesta nação a Terra Prometida do futuro, berço de incomensuráveis
riquezas das quais queriam se aproveitar (e querem até hoje). Este
país, para alguns descoberto por acaso, progrediu, cresceu, povoou-
se, engrandeceu-se, seu povo é hoje uma mistura de todas as
raças, caminha para o futuro, não muito distante glorioso, onde
vivemos em paz com todos os povos da humanidade, onde a
fome será utopia, a violência dará lugar à compreensão e todos
viverão felizes e contentes, pois que nossos governantes serão
homens íntegros, defensores dos fracos e oprimidos, justos e leais
às leis que regem nossa querida nação.
- Boa noite!
Cabral estava como que anestesiado. Boca semiaberta, olhos
esbugalhados, respiração ofegante, era o protótipo do imbecil.
Albuquerque chama-o à realidade:
- O programa acabou; acorda homem! O que tens a dizer?
- Dizer o quê? Tu sabes que não aconteceu nada disso – gritou
Cabral, levantando-se e indo em direção ao bar, que depois de
servir-se de uma dose dupla de whisky, disse: – meu amigo, tenho
que tomar um gole duplo, pois essa é dura de engolir.
- Não fiques nervoso – disse Albuquerque – o que acabamos de
assistir é o que ensinam na escola, porém, existem alguns
historiadores que se preocupam com a verdade, por isso, como
ainda verás em outro filme, a verdade triunfará.
- Não compreendo. Tá certo; ouve interesse do governo
português em esconder a descoberta; agora, por que tanta mentira?
Será que eles pensaram que todas as pessoas iriam engolir tal
versão?
- Não só pensaram, como todos, em princípio a engoliram –
disse Albuquerque.
- Tens mais alguma surpresa preparada?
- Bem – disse Albuquerque – esta não foi preparada. O
documentário não foi idealizado por mim, lembras-te? O que
acabamos de ver e ouvir não quer dizer que seja a verdade. Esta é a

53
54 – Segredos da História do Brasil

opinião reinante em 2017 e não a verdadeira. Vamos deixar as


coisas bem claras.
- Certo, certo, desculpa-me – disse Cabral de forma suplicante.
- Qual, meu caro! Eu tenho um encontro daqui a pouco e vou ter
de te deixar, mas amanhã continuaremos o assunto e aí, sim, serei o
responsável por tudo o que vais ver e ouvir. Nada de truques –
disse Albuquerque sorrindo.
- É uma pena que tenhas de te ausentar, pois tenho um monte de
perguntas a te fazer acerca do que acabamos de ver.
- Tem mais uma coisa – acrescenta Albuquerque: – enquanto
estávamos aqui assistindo o programa, mandei um técnico especia-
lizado instalar na tua casa um computador de última geração; é um
Dell OptiPlex – 9020, All-in-One, com tela touchscreen; é o que há
de melhor. O técnico continua lá e vai-te auxiliar no funcionamen-
to. Também mandei instalar Internet e uma série de programas que
serão necessários para que possas fazer as tuas pesquisas acerca das
descobertas. No Google existe muita coisa acerca do descobrimen-
to do Brasil e de outras localidades. Claro que nem tudo é verdade,
mas encontrarás muitas novidades. E termina: – que tal amanhã às
10 horas?
Completamente embasbacado, Cabral olhando para o amigo, diz
com a voz intercortada:
- Excelente...
E pegando lentamente o chapéu e a capa, dirige-se à porta de
saída, deixando Affonso de Albuquerque rindo da situação.
Cabral atrasou-se. Não era do seu feitio. Algo ou alguém o havia
atrasado. Albuquerque estava impaciente, pois já eram 11h30min e
seu convidado não aparecia.
A sineta da porta tocou e Aristides foi atender.
Era Cabral, completamente esbaforido e com alguns livros e
papéis debaixo do braço.
- Meu senhor está preocupadíssimo com vossa mercê. Por favor,
entre – disse a Cabral – e acrescentou: – ele está na biblioteca.

54
Carlos Rosa – 55

Pedro Álvares foi o mais depressa que pode e encontrou o ex-


governador das Índias a folhear alguns papiros displicentemente.
- O que se passou, homem?
- Affonso, meu amigo, não consegui pregar olho desde ontem.
Quando ia a caminho de casa, pus-me a pensar: computador,
Internet, Google e toda essa deturpação e ocultação da verdade
sobre os descobrimentos portugueses no século XV. Mandei o
cocheiro mudar de rumo e fui ter à casa de um velho amigo,
cristão-novo e muito sábio, e contei-lhe amiudamente o que tinha
visto e ouvido nesta sala, além, é claro, dos aparelhos que
mandastes instalar na minha casa. Esse velho amigo escutou-me
com atenção e ao final da minha narrativa dirigiu-se a uma das
muitas estantes de sua maravilhosa biblioteca e retirou alguns
volumes, depositando-os em cima da mesa de trabalho, e olhando
fixamente para mim, perguntou:
- Tens pressa?
Fiz um aceno que não, e ele continuou:
- Amigo, creio que posso te ajudar a desvendar todo ou quase
todo o mistério que envolveu o descobrimento do Brasil. E
acrescentou: – seria interessante compararmos o que tenho nestes
volumes, com o que pode ter nesse tal de Google. Que achas de
irmos à tua casa agora?
- Fomos lá pra casa, encontramos o técnico em informática, o
Cândido, elemento bestial. Ensinou-nos tudo. Ficou conosco até
agora. Albuquerque, meu amigo, o que descobri é qualquer coisa
de estarrecer. Não tens ideia. No Google encontra-se quase tudo,
porém a grande maioria dos fatos está deturpada, ou ligeiramente
alterada, para que não se saiba a verdade. Espantoso!
- Bravo – disse Albuquerque – fico deveras lisonjeado com o
interesse que te despertou tão enfadonho emaranhado de segredos e
mentiras! Que tens aí?
Cabral depositou os livros e os papéis na mesa, e Albuquerque
pegou um a um, lendo-lhes os títulos, os autores e folheando tudo,
sendo observado atentamente por Cabral.

55
56 – Segredos da História do Brasil

- Muito bem, que tens em mente?


- Amigo Albuquerque, por que em vez de ficarmos perdendo
tempo com todas essas baboseiras de que foi fulano ou sicrano que
descobriu o Brasil, não expomos definitivamente a verdade?
- Muito bem – disse Albuquerque – e acrescentou: – você se
acha preparado para tal tarefa?
- Depois do que vi e li esta noite, tenho certeza que sim – disse
Cabral levantando o queixo, de forma a impressionar o grande
navegador.
- Ótimo, vejamos o que temos a oferecer ao nosso futuro leitor –
disse Albuquerque com entusiasmo.
E Cabral com o mesmo entusiasmo, diz:
- Que tal começarmos pelo nome Brasil? De onde teria surgido
esse nome? Foi por causa da madeira cor de brasa que lá existia, ou
foi por outra razão? E olhando em volta como que admirado,
pergunta a Albuquerque: – Cadê o Cristóvão? Tivestes alguma
notícia dele?
- Não. Ainda não deu sinal de vida, e estou preocupado. Vou
mandar o Aristides a casa dele saber se vem ou não continuar a
nossa conversa.
Cabral maneia a cabeça como que não entendendo a atitude do
amigo Cristóvão e, retomando a postura, diz com firmeza:
- Boa ideia.
Albuquerque pede licença e ausenta-se por uns poucos minutos,
e quando retorna encontra Cabral com um livro na mão e ansioso
para ler o que descobrira acerca do nosso país.
Vamos começar – diz Albuquerque – e acrescenta: – já mandei o
Aristides à casa do Jacques saber dele.
E Cabral retomando a palavra diz:
- Não vou ficar nas meras teorias ou mesmo falando de coisas
sem interesse. Vou direto ao assunto. E começa: – na verdade, o
vocábulo Brasil não deriva da madeira vermelha que foi lá
encontrada, de nome pau-brasil, mas foi um termo utilizado para

56
Carlos Rosa – 57

designar aquela terra muito antes da chegada das naus portuguesas


ao Novo Mundo; a palavra Brasil, já aparecia nos mapas medievais
como o nome dado a uma das “Ilhas Mágicas”. Oficialmente sabe-
se que os portugueses já no ano de 1324 estiveram naquelas terras
enviados pelo então rei de Portugal Afonso IV, filho de Dom Diniz.
E continua com entusiasmo:
- O primeiro registro da Ilha Brasil encontra-se na Carta Náutica
do cartógrafo genovês Angel Dalorto, elaborada em 1325, onde ela
figura a oeste da costa da Irlanda, 175 anos antes do Brasil ser
oficialmente descoberto por mim.
- E como podia um cartógrafo genovês saber da existência dessa
terra, que os irlandeses da época chamavam de Ilha de São
Brandão? Simples! Pode ser de duas maneiras: ou porque teve
acesso a mapas existentes (como os dos templários) – ou porque, já
na época, navegadores portugueses, orientados por genoveses,
cruzavam os mares e aportando no Novo Mundo.
- Para mim – continuou Cabral – a segunda hipótese é a mais
plausível, pois convém lembrar que o rei Dom Diniz, de Portugal,
nascido em 1260 e considerado o pai do projeto dos
descobrimentos, contratou navegadores genoveses para a
construção da primeira armada portuguesa, com vistas às
navegações marítimas futuras. Foi este monarca que plantou
pinhais pelo reino, para fornecer a madeira necessária ao feitio das
embarcações.
E efusivamente, continua:
- O ano de 1325, em que apareceu a Carta Náutica de Dalorto,
foi também o ano em que morreu dom Diniz, subindo ao trono seu
filho Afonso IV. Dezoito anos após a morte de Dom Diniz, em
1343, foi oficiada ao papa a descoberta da Insula Brasil, conforme
registra Felipe Cocuzza: “Sancho Brandão foi o navegador
português que, a mando de D. Afonso IV chegou ao Brasil na
Idade Média, conforme atesta Assis Cintra, em seu livro
“Revelações Históricas para o Centenário”, em 1923. Essa
navegação foi informada por Afonso IV ao papa Clemente VI em

57
58 – Segredos da História do Brasil

carta de 12 de fevereiro de 1343, acompanhada de um mapa com a


inscrição de “Insula do Brasil ou de Brandam”. O nome Sancho,
de Sanctius, o mais santo, ajudou a convergência para São
Brandão”.
E Cabral continuou de forma brilhante:
- Segundo este mesmo autor, mapas e textos europeus da Idade
Média, entre eles o célebre “The Canterbury Tales”, de Geolfroy
Chaucer (1380) ligam sempre o nome do Brasil ao de Portugal, às
vezes dando ideia inequívoca de posse: Brasil de Portugal.
- As mais antigas grafias – como “Ho Brasile”, “O Brasil”,
“Hy Brasil” – demonstram claramente tratar-se de um nome celta,
grupo de línguas da Irlanda e do País de Gales. O sentido...
Cabral é interrompido por alguém abrindo a porta abruptamente:
é Cristóvão Jacques que, arfante, diz:
- Perdi alguma coisa?
- As boas maneiras – diz Affonso de Albuquerque ao visitante.
- Com mil desculpas – diz Cristóvão Jacques – colocando as
mãos como em oração, e acrescentando: – posso participar da
conversa?
- Claro, será um grande prazer – diz sorrindo o anfitrião, ao que
Cabral acrescenta: – então, vamos recapitular:
- O Brasil tem esse nome, não é por causa da madeira cor de
brasa, mas porque esse nome deriva de um nome celta, grupo de
línguas da Irlanda e do País de Gales. O sentido seria – continuou
Cabral – “Terra dos bem-aventurados”, “Ilha da Felicidade”, ou
“Terra Prometida”, já que a raiz “bras”, em irlandês, significa
nobre, sortudo, feliz, encantado... Os portugueses, no século XIV,
produziram diversos mapas com a “Ilha Brasil”, situada mais ao
sul, na frente da Península Ibérica e dos Açores.
- Logo – conclui Cabral – aquilo que é atribuído a mim, ou seja,
o descobrimento do Brasil em 1500, nada mais foi do que “tomada
de posse”, uma vez que já era por demais sabido da existência
daquelas terras, como acabei de provar. Se me perguntarem quem

58
Carlos Rosa – 59

efetivamente descobriu o Brasil, oficialmente diria que foi Sancho


Brandão em 1324, sob a ordem do rei Afonso IV.
- Magnífico, magnífico – gritou Albuquerque – e acrescentou: –
vamos almoçar, pois o Aristides já me fez sinal de que o almoço já
está servido. Depois continuaremos.
Durante o almoço, nada se falou sobre o tema, mas Affonso de
Albuquerque inquiriu Cristóvão Jacques:
- O que aconteceu contigo desde ontem e porque a chegada
daquela maneira?
- Governador – dirigindo-se a Albuquerque – quando saí daqui,
fui direto para casa e dei de cara com um sujeito estranho sentado
no sofá da minha sala, me esperando.
- Quem é você? – perguntei.
- O meu nome é Augusto e sou o técnico em eletrônica que o
governador Albuquerque mandou para lhe ensinar a usar os
aparelhos que acabei de instalar.
- Ficamos até altas horas da noite a ver os filmes sobre o
descobrimento do Brasil e outros descobrimentos. Simplesmente
sensacional! Demais! Acordei por volta das 10 horas, tomei o meu
pequeno almoço e aqui estou para continuar a viagem.
- Viagem??? – inquiriu Cabral.
- Amigo Cabral – disse Cristóvão Jacques – tudo isto para mim
é uma grande viagem.
Affonso de Albuquerque não se conteve e soltou uma espantosa
risada, que espantou os outros navegadores, e disse:
- Muito bem, depois do almoço peço-te que prestes a máxima
atenção ao que Cabral tem a nos dizer, visto que ele acabou de
fazer uma grande pesquisa sobre a verdade do descobrimento.
O almoço transcorreu de maneira alegre, tendo sido servido
cabrito assado ao molho de curry, purê de batatas, cebolas assadas
e, como sobremesa, pastéis de Belém e delicioso licor de cereja.
De volta à biblioteca, Cabral retomou a palavra:
- A história é deveras ingrata; quem primeiramente conseguiu
sucesso nas navegações portuguesas, foram os reis Dom Diniz e

59
60 – Segredos da História do Brasil

Afonso IV, mas o monarca que ficou com a fama dos


descobrimentos foi Dom Manuel I, o Venturoso, já que foi ele
quem tratou da oficialização perante o mundo da descoberta do
Brasil, assim como eu de tê-lo descoberto. O alegado
“descobrimento casual” foi, na verdade, resultado de um plano
cuidadosamente preparado durante séculos pelos reis templários
lusitanos.
- Acreditar, como é ensinado que o descobrimento do Brasil se
deve a uma chegada fortuita – diz calmamente Cabral – e, mais,
que o interesse pelo monopólio das especiarias motivou a expansão
marítima portuguesa e os descobrimentos é ter a visão limitada das
pessoas que só enxergam até onde a miopia do dinheiro lhes
permite.
- Assim como o Império Romano se deveu à austeridade de
caráter, Portugal do século XIV ao XVI foi dono da metade do
planeta e ainda invencível em terra e nos mares porque tinha um
alvo muito além do mero interesse pelas riquezas, que certamente
houve – diz Cabral com eloquência – e continua:
- O Porto do Cálice ou Porto do Graal (Portugal), país templário
por excelência, era naquele período um conjunto de forças e
aspirações superiores condensados num só sentido: a expansão da
fé de Cristo e a formação do Reino do Espírito Santo, baseado na
tradição templária, com uma visão joanina, fundamentada na
doutrina de Gioachino de Fiori sobre o advento da Terceira Idade –
impelindo-os a fé no destino de uma pátria messiânica portuguesa.
Nesse momento, Cabral depositou o volume que tinha na mão
na mesa, e levantando-se lentamente, esticando as costas e os
braços, disse:
- Aqui, deste ponto em diante, não há necessidade de livros e
autores outros, pois sei bem o que se passou. E continuou agora
com as próprias palavras, pedindo licença a Albuquerque para
encher os copos da maravilhosa aguardente, ao que esse assentiu
prontamente.

60
Carlos Rosa – 61

- Quando em 1498, os navios de Vasco da Gama passaram os


ilhéus atlânticos de São Pedro e São Paulo, a cerca de 1300
quilômetros da costa brasileira e a 1500 da costa da Guiné – o que
representa uma larguíssima volta pelo interior do oceano, para
quem vai descobrir a Índia! – realizaram uma festa a bordo, por se
acharem em frente de terra portuguesa. Só depois rumaram para
oriente.
E continua:
- Dois anos depois, fui “enviado também para a Índia” (já
descoberta por Vasco da Gama), com 13 navios e 1200 homens e
tudo preparado para oficializar um grande descobrimento. O que
talvez os historiadores, por ignorância, por descuido ou política,
como tu defines – apontando para Affonso de Albuquerque – não
se aperceberam foi que uma das naus não tinha a menor condição
de navegar tão grande extensão, principalmente sabendo-se das
dificuldades que encontraríamos no mar do Cabo da Boa
Esperança, e a tal nau, com mantimentos, era muito velha para tal
empreitada, limitando-se a chegar ao Brasil.
Durante toda a viagem – continuou Cabral – não sofremos a
menor tempestade e ancoramos em frente à Vera Cruz, no dia 23 de
abril. Contudo, a política do sigilo forçou a diplomacia do Reino a
declarar que tal desvio de longitude na rota pré-estabelecida (ir ao
Brasil, quando o itinerário da viagem seria contornar o sul do
continente africano) se operara em virtude de terríveis ventos
tempestuosos. Ora, essa mentira diplomática verificou-se em 1500,
cinco anos depois da ratificação do Tratado das Tordesilhas.
Nesta altura do relato, é fundamental dizer que Cristóvão
Jacques a tudo ouvia com absorta atenção, limitando-se a manear a
cabeça, ora concordando, ora indiferente, mas permanecendo em
total silêncio, conforme Albuquerque assim lhe pedira. Mas vamos
ouvir o que Cabral tem a nos dizer:
- Comigo seguiu Mestre João que de lá (do Brasil) mandou
notícias a El-Rei D. Manuel I, por aquela velha nau que já estava
programada para regressar ao Reino, já que não tinha a menor con-

61
62 – Segredos da História do Brasil

dição para seguir viagem rumo ao oriente. A carta dizia: “...


quando, senhor, ao sítio desta terra, mande Vossa Alteza trazer um
mapa-múndi que tem Pedro Vaz Bizagudo, e por aí poderá ver
Vossa Alteza o sítio desta terra; mas aquele mapa-múndi não
certifica se esta terra é habitada ou não; é mapa-múndi antigo, e
ali achará Vossa Alteza escrita também a Mina.”
E Cabral continuou:
- Seria, portanto, uma carta geográfica posterior a 1471, pois já
indicava a Mina, descoberta nessa data; mas só seria uma tradução
da costa, visto ainda não indicar se o Brasil era habitado. Logo,
tratava-se de um mapa executado em 1487, quando da viagem para
oeste de Pedro Bizagudo, e da carta de Mestre João se deduz
claramente terem sido feitas outras viagens, nas quais se verificara
ser o Brasil habitado.
Numa outra carta – continua Cabral – de Pero Vaz de Caminha,
enviada pelo mesmo navio ao soberano, o seu autor – que não era
geólogo nem agrônomo, nem sequer lavrador – repete várias vezes
a frase: “... plantando dá...”. Ora, os índios do Brasil não
conheciam a agricultura de plantação. Caminha limitou-se a
verificar o bom resultado das plantações de espécies europeias ou
africanas que, logicamente, foram efetuadas antes de lá chegarmos,
como era nosso costume na política de agricultura experimental.
Cabral fez uma pausa solicitando ao seu anfitrião licença para ir
ao sanitário.
Albuquerque estava deveras impressionado com o que estava
ouvindo, pois, apesar de Cabral, como ele, fazerem parte da Ordem
de Cristo, o nosso oficial descobridor tivera conhecimentos de
muitos segredos que ele, mesmo tendo sido um dos maiores do
Reino, desconhecia. Quando Cabral retornou, disse:
- Espantoso! E eu pensando que era senhor de segredos e de
saber! Quem diria! Você sabe tudo e nunca disse nada.
- Ora, amigo Affonso, creio que te esqueceste do nosso
juramento de total silêncio que fizemos na Ordem de Cristo!

62
Carlos Rosa – 63

- Não! Em absoluto. Mas, também, confesso que jamais poderia


imaginar que estavas a par de tão fechado segredo.
- Deixamos disso e vamos tomar mais um gole desta
maravilhosa aguardente. Temos muito tempo para discutir sobre
outros descobrimentos e personalidades da época.
- Desta vez quem está deveras curioso sou eu – disse Affonso de
Albuquerque – levantando o copo de aguardente – e acrescentou –
quando vamos ter outra aula sobre os nossos heróis e suas
maravilhosas caravelas?
Nesse momento, Cristóvão Jacques, que a tudo ouvia, não se
conteve e perguntou:
- Na realidade, o que eu vou fazer no Brasil, governador?
Albuquerque solveu a sua bebida de uma só vez e, colocando a
mão no ombro de Jacques, disse:
- Você será encarregado do patrulhamento da costa brasileira, a
fim de desestimular as incursões de corsários franceses. E
continuou: – consta dos livros de história que no rio da Prata você
vencerá uma grande batalha e aprisionará muitos franceses e deverá
ficar nesse cargo até 1519. Voltará ao Brasil em 1521, mas antes
fundará em Pernambuco a feitoria de Itamaracá. Em 1526, será
nomeado por D. João III governador das Partes do Brasil em
substituição a Pero Capico. Em 1527, aprisionará três galeões
franceses no Recôncavo da Bahia, neste que é considerado o
primeiro combate naval no Brasil. Depois, bem, depois... deixemos
pra lá... E dirigindo-se a Cabral, disse:
- E então, mais alguma coisa, ou vamos dar por encerrado o
assunto?
Cabral sorriu, solveu de uma só vez a bebida, apanhou o chapéu
e disse:
- Governador, creio que como me disse no início deste nosso
reencontro, tenho estado muito afastado dos avanços e dos
problemas atuais. Em breve continuaremos nossas tardes didáticas,
e por certo muitas outras coisas obscuras ficarão às claras.

63
64 – Segredos da História do Brasil

Cristóvão Jacques, também se levantando pediu a Cabral se


poderia acompanhá-lo, ao que este concordou com um aceno de
cabeça.
Albuquerque acompanhou os amigos à porta e, depois das
despedidas formais, retornou à biblioteca e pôs-se a telefonar para
uma meia dúzia de pessoas que, em princípio, davam a entender ser
importantes, ao qual ele, Albuquerque, as tratava de Excelências e
os convidava para uma reunião-jantar, a fim de lhes relatar algo até
então impublicável.

FIM

64
Carlos Rosa – 65

A FUNDAÇÃO
DA CIDADE DE
SÃO PAULO

A alma humana sem educação é


como o mármore em bruto: oculta a sua
beleza interna até que o escultor lhe dá
forma, lhe lavra a superfície e descobre
as veias que atravessam a sua massa.
Arnold

65
66 – Segredos da História do Brasil

Era uma boa sala de aula; paredes azulejadas de cor azul-claro


até o teto, chão de lajotas cinza e cadeiras de madeira, em estilo
moderno. Trinta e dois alunos dispostos em quatro fileiras de oito
cada, sendo que as do centro eram ocupadas por meninas e as das
extremidades por meninos.
Dona Rosalina, professora jovem, 25 anos, nem feia nem bonita;
morena clara, um metro e sessenta de altura, magra, simpática, bem
falante e com experiência de quatro anos no ensino fundamental.
Aula de história do Brasil; terceira série.
- Crianças, infelizmente a data da fundação da nossa cidade
nunca pode ser comemorada pela escola, pois a mesma acontece
enquanto estamos de férias. Mas, isso é apenas um detalhe. Para
nós, a comemoração da fundação da nossa cidade será daqui a dez
dias. Nessa data, nossa escola vai fazer uma grande festa para
comemorar nossa fundação e até lá, quero que vocês façam um
“trabalho” acerca da fundação de São Paulo. Deve ter no mínimo
duas e no máximo quatro páginas. A escola vai premiar o melhor
trabalho, dando ao aluno, uma medalha alusiva à data. Alguma
pergunta?
Vários alunos levantam-se e começam a falar ao mesmo tempo.
- Calma, calma, um de cada vez – gritou a “pró”.
Com a voz mais grave do que os demais colegas, Daniel, um
menino espigado, magro, olhar penetrante, fez com seu vozeirão
com que os demais lhe prestassem atenção:
- Esse “trabalho” é individual ou em grupo?
- Individual – respondeu Dona Rosalina.

66
Carlos Rosa – 67

- A senhora faz questão de que as fontes de consulta sejam


somente os livros didáticos do ano, ou posso consultar outros,
assim como a Internet? Perguntou altaneiro Daniel.
- Consulte o que quiser, desde que as respostas sejam
verdadeiras. Se for usar a Internet, procure não fazer o que a
maioria faz: copiam na íntegra o que lá encontram, sem se certificar
da veracidade dos fatos. Simplesmente resumem ao “CtrlC/CtrlV.
Espero que não façam isso – dirigindo-se à sala – pois é facilmente
detectável.
Daniel sentou-se com um sorriso matreiro.
A professora que também era estudante de psicologia cursava o
7º semestre, percebeu o ar do aluno. Continuou a responder às
outras perguntas dos demais educandos, porém, estava bastante
intrigada com o astuto Daniel.
- Que diabo ele está pensando – indagou consigo.
Daniel era o que comumente chamamos de menino prodígio, ou
melhor, problemático. Tinha nove anos e parecia ter doze ou treze.
Introspectivo, atento, observador e questionador. As aulas de
geografia com a professora Adélia e história com a “pró” Rosalina
eram um inferno para as educadoras. Daniel sabia tudo e mais um
pouco: perguntava, discutia e, sobretudo, discordava...
As “prós” já se haviam reunido a fim de tratar da questão,
aguardando tão somente uma oportunidade de levar o dito cujo ao
diretor.
Rosalina continuou a aula, falando sobre o Tratado das Tordesi-
lhas e vez por outra, flagrava Daniel com o mesmo sorriso matrei-
ro, que disfarçava, tão logo percebia que estava sendo observado.
Durante os dez dias que antecederam a entrega do “trabalho”,
houve muita discussão por parte de vários alunos, pois alguns
possuíam alguns livros mais antigos (que foram dos pais e avós), e
esses continham assuntos que foram subtraídos ou simplesmente
ignorados dos novos, e também algumas dúvidas com respeito à

67
68 – Segredos da História do Brasil

Internet, mais precisamente ao Google, que tinha centenas de sites


sobre o assunto e muitos divergiam.
Uma coisa intrigava a professora Rosalina: o Daniel não discutiu
absolutamente nada durante o período, e dava a impressão, quando
a discussão acontecia, de já saber todas as respostas.
O grande dia chegou.
Quando os alunos entraram na sala, “pró” Rosalina já estava em
sua escrivaninha, corrigindo provas de outras turmas.
Após os cumprimentos habituais, foram os alunos, um a um,
depositando sobre a mesa da educadora, a atividade exigida pela
mesma.
Dona Rosalina pôs-se a folhear o maço de escritos, como que à
procura de algo muito especial. Encontrou!
Era quatro folhas (o máximo permitido), escritas em compu-
tador, com letras bem minúsculas, fonte Times New Roman – 8, o
que na realidade, se manuscritas como a maioria o fez, seriam no
mínimo oito páginas.
Dona Rosalina olhou por sobre os óculos em direção a Daniel, e
este estava com um ar radiante a fitar a professora.
- Desta vez ele me paga – pensou Rosalina – e antes de ler os
“trabalhos”, perguntou:
- João Alberto, vamos ver se você acertou: – quem fundou São
Paulo?
- Nóbrega e Anchieta, professora.
- Muito bem. Em que dia, Maria Alice?
- 25 de janeiro de 1554.
- Excelente... Já vi que estudaram.
Uma risada ecoou pela sala.
- O que é isso, Daniel? Comporte-se!
- Qual professora; eu nunca ouvi tanta besteira junta.
- Como besteira? Que modos são esses, menino? Peça já
desculpas aos seus colegas, ou irá para a diretoria – disse furiosa
Dona Rosalina.

68
Carlos Rosa – 69

- Desculpe pessoal, mas vocês não sabem nada da Fundação da


Cidade de São Paulo. Quando lerem meu “trabalho”, aí sim, terão
aprendido o que é certo. E sentou-se.
Dona Rosalina tremia. Algumas folhas caíram-lhe da mão.
De posse das quatro páginas escritas no computador do Daniel,
sentou-se e disse ainda trêmula:
- Muito bem, senhor sabe-tudo, vamos ver o que o senhor
escreveu. Façam silêncio. E começou a ler:
Bem, a história do Brasil, como ela é contada, é fantástica!
Datas são mudadas, heróis são transformados em vilões,
covardes galgam postos e elevam-se sobre homens insignes,
enfim, nossa história é uma verdadeira balbúrdia e, com absoluta
razão, o grande escritor Humberto de Campos disse: “Para maior
coerência, a história do Brasil deveria ser escrita em papel
higiênico”.
A fundação da cidade de São Paulo não foge à regra. Datas
são mudadas, nomes são trocados, pessoas que nada ou pouco
fizeram, são enaltecidas, tudo por que alguns escritores energú-
menos, ignorantes da verdadeira história, ou tiveram padrinhos
dentro das editoras e essas dirigidas normalmente por pessoas
sem o menor escrúpulo, ou a fim de atender a interesses escusos
de políticos inescrupulosos, editaram verdadeiras aberrações que
foram incutidas na mente dos nossos jovens e que até a presente
data, com as exceções naturais, ainda fazem sucesso.
É triste saber que a verdade histórica é diferente e não
podermos fazer nada.
Dona Rosalina deu uma parada, maneou a cabeça em sinal de
aprovação, olhou por cima dos óculos para a direção de Daniel, e
encontrou-o sorrindo, deitado com os braços cruzados em cima da
carteira, como a dizer: – Que tal o meu “trabalho”? É ou não
excelente? E continuou desta vez com calma e, diríamos, maior
interesse:
Durante a semana da Pátria, de 4 a 11 de setembro de 1954,
ou seja, há 63 anos, em São Paulo, realizou-se no Instituto
Histórico e Geográfico de São Paulo, o Congresso de História
Comemorativa do IV Centenário da fundação da cidade de São

69
70 – Segredos da História do Brasil

Paulo. No dia 6, foi lida, aprovada e calorosamente aplaudida, a


moção que o Dr. Eugênio Vilhena de Morais fez ao Instituto
Histórico e Geográfico Brasileiro, em 26 de maio de 1928, e
confirmada pelo IV Congresso de História Nacional sediado no Rio
de Janeiro, de 21 a 28 de abril de 1949.
Foi-lhe acrescentado o seguinte: “PROPOMOS que a moção
supra, unanimemente aprovada nas sessões do Instituto Histórico
e Geográfico Brasileiro, e ratificada no IV Congresso de História
Nacional, seja aprovada neste Congresso de História comemorati-
va do IV Centenário da Fundação de São Paulo, como homena-
gem ao padre Manoel da Nóbrega, fundador de São Paulo,
porque se Nóbrega não foi o primeiro devassador do Vale do
Tietê, em compensação, hoje se sabe que ele FUNDOU A
ALDEIA DE PIRATININGA, em 29 de agosto de 1553; que a
casa de São Paulo que ele fez no Pátio do Colégio, foi inaugurada
a 25 de janeiro de 1554, conforme documenta o irmão José de
Anchieta: “Em 1554, o padre Manoel da Nóbrega mudou os filhos
dos índios do Campo (que estavam em São Vicente) a uma
povoação nova chamada Piratininga, que os índios faziam por
ordem do mesmo padre, para receberem a fé”. Sala das sessões,
6 de setembro de 1954. (aa) Ernesto de Souza Campos, Tito Lívio
Ferreira, José Pedro Leite Cordeiro, Luiz Tenório de Brito, Affonso
de E. Taunay, José Carlos de Macedo Soares, Alfredo
Gomes,Herti Hoeppner Ferreira, Nicolau Duarte Silva, Arlindo
Veiga dos Santos, José Cássio de Macedo Soares, Aurelino Leite,
Paulo da Silveira Santos, Carlos da Silveira, J. B. Martins Ramos,
Henrique Fontes, Hernani Cidade, Mons. Manoel de Aquino
Barbosa, Walfrido Morais, Gil Methódio Maranhão, Manoel
Rodrigues Ferreira, Lúcio Rosales, Álvaro Soares Brandão, Mário
Melo, Herbert Baldus, Erasmo de Farias Nuzzi, Luiz Gonzaga de
Faria, Dr. Synésio Rangel Pestana, Nelson Abel de Almeida,
Renato José Costa Pacheco, Hernando Sanábria-Fernandez,
Odilon Nogueira de Matos, José dos Santos Rodrigues, José
Augusto da Silva Ribeiro, José de Melo Pimenta, João de
Magalhães, Manoel Lopes de Almeida, Vitorino Nemésio, Álvaro J,
da Costa Pimpão, Humberto Alves Morgado, Alfredo Lancastre da
Veiga, Frederico de Barros Brotero, Almeida Magalhães, Eldino
Blancante, Dácio Pires Correia, Fausto Ribeiro de Barros, Manoel

70
Carlos Rosa – 71

Pereira do Vale, Edgard C. Falcão, Álvaro da Veiga Coimbra,


Ordival C. Gomes, Olga Pantaleão, Manoel Xavier Pedrosa,
Joaquim Alfredo Fonseca, Arthur Martins Franco”. (original no
Arquivo do Congresso de História comemorativa do IV Centenário
da Fundação de São Paulo; Instituto Histórico e Geográfico de
São Paulo).
E então, será que todos estes doutos senhores eram
ignorantes ou imbecis? Claro que não! Eram elementos da mais
alta estirpe intelectual paulista e brasileira. Mas qual...
É de vital importância que nesta data, todas as pessoas que
queiram conhecer a verdade, prestem atenção ao que se segue:
A 9 de julho de 1553, Inácio de Loyola (1491-1556) fundador
da Companhia de Jesus, nomeia o padre Manoel da Nóbrega,
primeiro provincial de Jesus no Brasil. O título ou patente, amplia-
se a jurisdição para toda a América: “Nóbrega, Provincial na Índia
do Brasil, sujeito ao Sereníssimo rei de Portugal, e NOUTRAS
REGIÕES MAIS ALÉM...” Tal fato confere ao Brasil a categoria de
“sui juris” e ao padre Nóbrega a de Prelado regular, com as
prerrogativas que lhe são inerentes, de acordo com o Instituto da
Companhia e o direito Canônico. E dava-lhe perante o bispo
maior autoridade. Aliás, a desinteligência com o bispo D. Pedro
Fernandes Sardinha, foi de consequências felizes para nosso
país, e principalmente para a Capitania de São Vicente. Já o
segundo bispo, D. Pedro Leitão, entendeu-se perfeitamente não
só com Nóbrega, mas com todos os seus comandados.
Thomé de Souza regressa a Portugal e o padre Quadros
informa a Roma o que se passa no Brasil: “O governador Thomé
de Souza, vinha sumamente edificado do padre Nóbrega e da
maneira que tinha com os próximos”. Até então, o jesuíta primaz
do Brasil era chefe de fato de seus companheiros. Agora o é de
direito.
Novo ânimo agita-lhe a alma; faz-lhe pulsar mais forte o
coração; alerta-lhe a inteligência; sente-se mais livre para realizar
seus pensamentos. Por isso, já em fins de 1553, Nóbrega havia
subido a serra do Mar e atingido o Campo de Piratininga, onde se
dera, anos antes, um grave incidente com o padre Leonardo
Nunes. A conselho deste, João Ramalho (1493-1580) erguera a

71
72 – Segredos da História do Brasil

ermida consagrada a Santo André da Borda do Campo. Depois, o


padre Nunes quer casar o velho povoador com Bartira, filha do
cacique Tibiriçá, chefe dos brasilíndios. Terá de se confessar
antes do casamento.
Durante a confissão, Ramalho diz:
- Padre, creio que não posso me casar oficialmente com
Bartira.
- Por quê? Pergunta o padre espantado.
- É porque eu já sou casado em Portugal.
Padre Nunes enfurece-se dentro do confessionário:
- Como se atreve a ter relações sexuais com outra mulher sem
ser a sua?
O que João Ramalho não sabia nessa data, é que a sua
esposa, Catarina Fernandes que deixou em sua terra natal –
Vouzela – já havia falecido, e dessa maneira não poderia haver
impedimento para o dito casamento com Bartira.
Antes de continuarmos o relato sobre a fundação de São
Paulo, creio que é de fundamental importância também falarmos
deste aventureiro português que aqui naufragou e construiu
família. E que família!
João Ramalho era filho de João Vieira Maldonado e Catarina
Afonso de Balbode, e casou-se com Catarina Fernandes, a quem
nunca mais viu depois de sua partida em 1512 em uma nau
buscando a “Ilha do Paraíso” no Brasil. Naufragou na costa da
futura capitania de São Vicente, hoje estado de São Paulo, por
volta de 1513.
Encontrado pela tribo dos Guaianases, adaptou-se à vida no
Novo Mundo, ganhando prestígio junto aos índios com quem vivia.
Amasiou-se com Bartira, filha do cacique Tibiriçá, que depois de
batizada pelo padre Manoel da Nóbrega, passou a chamar-se
Izabel Dias.
Dessa união, resultaram nove filhos, porém Ramalho teve
filhos também com numerosíssimas índias, já que na cultura
nativa havia grande liberdade sexual e, além do mais, Ramalho
queria agradar os demais caciques e estabelecer vínculos, ao
receber suas filhas.

72
Carlos Rosa – 73

Com os filhos, estabeleceu postos no litoral para fazer


comércio com europeus, vendendo índios prisioneiros para serem
escravizados, construindo bergantins, reabastecendo os navios
em trânsito e negociando o pau-brasil. Nas excursões pelo interior
para capturar índios para serem vendidos como escravos, ele e os
filhos, mamelucos, comportavam-se com extrema crueldade.
Fundou no planalto de Piratininga uma povoação que batizou
de Santo André da Borda do Campo, elevada em 1553 à categoria
de vila, da qual foi capitão, alcaide e vereador. O então rei de
Portugal, D. João III, nomeou-o “Guarda-mor das terras altas de
Piratininga”, título entregue por Martim Afonso de Sousa, quando
recebido por Ramalho no Planalto.
Sabe-se, também, que ajudou a fundar a vila de São Vicente
em 1532, e que após Manoel da Nóbrega fundar a vila de
Piratininga em 1553, mudou-se para lá com toda a família.
Em 10 de julho de 1562, foi um dos responsáveis pela
expulsão dos Tamoios confederados que haviam assaltado a
então vila de São Paulo. Depois desse incidente com os Tamoios,
retirou-se para o vale do Paraíba, voltando para a vila de São
Paulo somente em 1578, e lá morreu em 1580.
A sirene da escola tocou anunciando o intervalo. Ninguém se
moveu. Os alunos estavam como que anestesiados, e a “pró”
Rosalina teve de chamá-los à realidade:
- Meninos, ora do recreio.
Os alunos foram saindo, um a um, em completo silêncio, coisa
totalmente fora da realidade; Daniel foi o último a sair, e quando o
fez, olhou para a professora com um sorriso matreiro na boca, ao
que esta, também sorrindo e maneando a cabeça em sinal de
aprovação, disse:
- Estou espantada! Parabéns!
Vinte minutos depois, os alunos retornam sorrindo e brincando,
parecendo que haviam esquecido o relato do “trabalho” do Daniel.
Dona Rosalina espera que todos estejam acomodados, e pedindo
silêncio, diz:

73
74 – Segredos da História do Brasil

- Crianças, vamos fazer silêncio e ouvir sobre o “trabalho” do


colega. E começou:
Depois da confissão, ainda enfurecido, o padre Nunes dirige-se
à capela com a finalidade de rezar uma missa. João Ramalho está
presente no seu acento preferido, ao que o prelado “intima” o
Alcaide-mor do Campo a retirar-se do recinto sagrado. Posto fora
da igreja, excomungado por viver maritalmente com mulher
ilegítima, João Ramalho afasta-se da capela. Terminada a missa,
os filhos do Patriarca avançam sobre o padre. O sacerdote
ajoelha-se na iminência de ser agredido. Nesse instante surge
Bartira e grita com seus filhos:
- Parem! Parem imediatamente. O que pensam que estão
fazendo? Vocês acham bonito agredirem um homem de Deus? E
acrescenta: – vosso pai sabe o que fazer. Voltem às suas
atividades.
O padre Nunes sai de Santo André, para não mais voltar.
Nóbrega chega ao topo do planalto juntamente com o padre
Manoel de Paiva e o irmão António Rodrigues, bom conhecedor
da língua tupi-guarani, pois que outrora andou pelo Paraguai a
pregar. Padre Manoel de Paiva era primo de João Ramalho.
A primeira autoridade jesuítica do Brasil e a primeira autoridade
civil de Piratininga (peixe seco) encontram-se na casa do fundador
de Santo André. Ramalho confessa-se ao provincial, como se
confessara ao padre Nunes. Nóbrega ouviu-o e compreendeu-o.
Ambos eram feitos para se entenderem.
Ali mesmo no sertão, Nóbrega escreveu a Portugal. Mas a
quem haveria de confiar tão delicado assunto? A carta foi levada
por um dos padres da Companhia, aquele que mais prestígio tinha
na corte de Lisboa, tanto que viria a ser depois, mestre de El-Rei
D. Sebastião, o padre Luiz Gonçalves da Câmara.
Nesse precioso documento para a fundação de São Paulo, diz
Nóbrega: “Ontem, que foi dia da degolação de São João – 29 de
agosto de 1553 – vindo a uma aldeia onde se ajuntam e apartam
os que se convertem e onde pus dois irmãos para os doutrinar, fiz
solenemente uns 50 catecúmenos, dos quais tenho boa esperan-
ça de que serão bons cristãos e merecerão o batismo e será
mostrada por obras a fé que tomam agora”. Está aí o núcleo inicial

74
Carlos Rosa – 75

da Casa dos Jesuítas. É a própria aldeia de Piratininga, que daí a


alguns meses se batizaria com o nome de São Paulo. A data de
29 de agosto de 1553 é, pois, a primeira data histórica. Nesse
lugar, o alto do Inhapuambuçu (lugar que se vê longe), hoje Pátio
do Colégio, Nóbrega fez pessoal e solenemente uns 50 catecú-
menos (aqueles que se preparam para receber o batismo).
Celebra missa nesse dia, como sempre a celebrava, mal chega à
terra desconhecida. Assim foi na baia da Guanabara e mais tarde
em Iperoig, conforme o testemunho de seu secretário. A ela
assistiram João Ramalho, Bartira, André Ramalho, filho mais
velho do Patriarca e guia de Nóbrega no planalto e na viagem
até Maniçoba, perto de Itu, além dos chefes Tibiriçá e sua tribo no
Largo de São Bento, e Caiubi e sua gente na esplanada do
Carmo. E Nóbrega diria tempo depois: “Que direis da fé do grão
velho Caiubi, que deixou sua aldeia e roças e se veio morrer de
fome em Piratininga, POR AMOR DE NÓS, cuja vida costumes e
obedientes, mostram bem a fé do coração”.
Nóbrega pede ao rei mais padres para que a sua obra de
catequese, evangelização e educação dos meninos não fosse
interrompida.
Com o segundo governador, Duarte da Costa, vieram sete
jesuítas: padre Dr. Luiz da Grã, formado em direito civil pela
Universidade de Coimbra e antigo Reitor do colégio de Coimbra,
padres Ambrósio Pires, Braz Lourenço, irmãos Gregório Serrão e
João Gonçalves (portugueses), irmão António Blasquez
(castelhano) e o noviço José de Anchieta, canarino.
Logo depois do dia de Reis, o grupo formado por treze padres,
liderado por Manoel da Nóbrega sobe a serra do Mar em direção à
vila de Santo André, que não passava de um amontoado de
casebres de taipa que servia como o feudo de João Ramalho.
Após 18 dias de árdua jornada na subida da serra, enfrentando os
despenhadeiros e penedos soltos daquela terrível jornada,
chegaram sãos e salvos nos altos do paredão no Paranapiacaba
(de onde se avista o mar), 800 metros acima.
No dia seguinte, guiados por um dos filhos de João Ramalho,
tomam o caminho do planalto de Piratininga (peixe seco), num
local chamado de Inhapuambuçu (lugar que se vê longe), onde

75
76 – Segredos da História do Brasil

Nóbrega já providenciara tudo. Desde 29 de agosto de 1553, a


casa dos jesuítas estava à espera deles.
A construção ficava perto de um despenhadeiro, com vista para
o Leste, local de vigilância contra as incursões Tupinambás que
chegavam do Litoral Norte e do Vale do Paraíba. Esta colina era
de fato um pequeno planalto, construído de mata densa com
alguns caminhos como os do Inhapuambuçu (atual rua XV de
Novembro), e o Caminho do Sertão (Rua Direita). Este local
abrigaria os treze jesuítas e que serviria ao mesmo tempo como
dormitório, enfermaria, salas de aula, refeitório e cozinha. Por
algum tempo, serviu também como capela. Redes eram as camas
e as fogueiras eram usadas como cobertores.
Além da catequese dos índios Tupiniquins, Carijós e da nação
Tamoios que haviam por lá, o local também tinha como objetivo o
ponto de partida para as entradas em direção às minas do Peru, a
fim de por mão nas pratas do Potosí. Plano que jamais se
consumou.
Nóbrega designara, na véspera, o padre Manoel de Paiva para
celebrante da missa padroeira. Amanhece o dia. Do alto de
Inhapuambuçu, avista-se longe. Rodeiam a colina os rios Anhan-
gabaú e Tamanduateí. A linha verde-esmeraldina do horizonte
recorta-se no espaço claro. E no silêncio augusto dessa remota
manhã, paira o mistério envolvente dos acontecimentos
imponderáveis pela paupérrima singeleza.
Estão presentes João Ramalho, Bartira, André Ramalho, as tribos
dos guianas, dos tupiniquins, dos muiramomis, que se agrupam
em derredor dos respectivos caciques. Vai ter início o ofício divino.
Aquele que sustém nas mãos a patena das ablações é o jesuíta
Manoel de Paiva; ajuda-o o irmão José de Anchieta (ajudante de
missa, missal); ao lado, padre Manoel da Nóbrega, com os olhos
no céu, pede bênçãos para a terra... Terminado o Santo Sacrifício,
o padre Nóbrega indica o padre Paiva para superior da Casa, o
irmão António Rodrigues para primeiro mestre-escola e o irmão
Anchieta – que mais tarde seria seu secretário – para professor de
latim do colégio nascente, já que Anchieta era o único que tinha
alguns conhecimentos do idioma de Virgílio.

76
Carlos Rosa – 77

Dona Rosalina para mais uma vez, respira fundo, tira os óculos,
esfrega suavemente o nariz e diz baixinho, sem que qualquer
criança ouvisse:
- Fantástico! Fantástico. E continua a leitura da última página:
A fundação do Colégio decorre de uma necessidade imperiosa.
Nóbrega cita três razões:
Primeira: “Que daquele lugar poderiam mais facilmente e
comodamente acudir, não só às aldeias dos índios que ali
moravam, mas a outro grande número de almas, que habitavam
por esse sertão em circuito; e com esta vizinhança dos padres,
poderiam mais facilmente evocar, ou pelo menos remediar por
meio das missões dos intérpretes, que já estão muito peritos,
entre eles, Pedro Correia, Manoel de Chaves, António Rodrigues
e Diogo Jácomo. Segunda razão: porque no lugar onde estavam
(São Vicente), já eram muitos e tinham à sua conta para
sustentar, grande número de meninos do seminário, e a terra
estava muito pobre e não podia as esmolas abranger a tantos.
Terceira: porque era necessário, sendo o Brasil província de per
si, haver estudos e criar súditos em tal número que acudissem
com socorro a possíveis incursões de estrangeiros sobre o Brasil”.
Bem, o espaço está acabando, mas ainda é possível fazer uma
retrospectiva do que acabamos de ler: o padre Manoel da
Nóbrega funda em 29 de agosto de 1553 juntamente com os
padres Manoel de Paiva, primo de João Ramalho e António
Rodrigues, a aldeia de Piratininga, que daí a alguns meses se
batizaria com o nome de São Paulo.
O padre (irmão menor sem ordem de missa) José de Anchieta
foi um mero coadjuvante na fundação do Colégio São Paulo, pois
que a missa ali celebrada por ocasião do fato foi celebrada pelo
jesuíta Manoel de Paiva, sendo Anchieta seu ajudante.
Muito bem, após todo esse relato, espero ter colocado um
ponto final na questão. Anchieta foi sem sombra de dúvida, um
homem de grande valor; mas nada ou muito pouco teve a ver com
a fundação da maior cidade do Brasil. Os méritos são todos para o
padre Manoel da Nóbrega, que gostaria de imortalizá-lo nestas
páginas, porém, o espaço reservado é pequeno. Ficará para outra
oportunidade. – Daniel.

77
78 – Segredos da História do Brasil

Dona Rosalina suspirou fundo; olhou para a classe: todos


estavam como que anestesiados, menos Daniel que, olhando para
todos os lados com um sorriso nos lábios, era a personificação do
sucesso.
- Muito bem, Daniel, estou impressionada! Onde você
conseguiu estes dados?
- Simples professora; enquanto a maioria das pessoas bebe,
fumam, gastam dinheiro com coisas supérfluas, na nossa casa
compramos livros, “livros à mão cheia...” e assim, não me é muito
difícil saber coisas que a maioria das crianças da minha idade e até
bem maiores não sabem. Meu pai costuma citar o filósofo
Diógenes quando diz: “A base de todo o Estado é a educação da
sua juventude”. Concorda?
- Perfeitamente, Daniel, perfeitamente. Quero falar com você
depois da aula...

78
Carlos Rosa – 79

JOSÉ DE ANCHIETA
“apóstolo”

Melhor que os ignorantes são os que leem


livros; melhor que estes são os que retêm o
lido na memória; melhores ainda são os que
entendem o que leram; mas os melhores de
todos são os que começam a agir.
- Provérbio indiano

79
80 – Segredos da História do Brasil

A balbúrdia estava formada; ninguém se entendia; todos


falavam ao mesmo tempo: “Não é possível! O que ele fez para
merecer tal honraria?” – dizia um. “Ficaremos desmoralizados” –
dizia outro. Outro até: “É um desplante, uma heresia, um
descalabro!”.
A realidade é que todos estavam revoltados e cada um fazia a
sua imprecação sem se lembrarem do local em que habitavam: o
céu.
S. Pedro teve muita dificuldade para conter os preclaros douto-
res da igreja, tendo se socorrido de S. Paulo, elemento de fala fácil
e de voz tonitruante.
Os ânimos se acalmaram na “Congregação dos Santos”, em
local especial no céu, onde uma reunião extraordinária foi convo-
cada por um grande número de “santos” para pedir explicações ao
“Supremo” sobre a canonização de um “brasileiro”, canonização
essa efetuada pelo Papa Francisco, no dia 3 de maio de 2014, coisa
que em absoluto não concordavam, visto tal elemento não possuir
os pré-requisitos desejáveis para alcançar tal honraria.
S. Pedro argumentou:
- Ouçam, por favor. O Brasil é o país com maior número de
católicos do planeta, e que até a presente data tem somente dois
santos: Madre Paulina (nascida na Itália, que foi canonizada 60
anos após a sua morte em 2002), e Frei Galvão (brasileiro nato) que
recebeu o título em 2007, 185 anos após o seu falecimento. Logo –
continuava S. Pedro: - Esta é uma rara oportunidade, visto o citado
país estar em total decadência moral, não se vislumbrando a curto e

80
Carlos Rosa – 81

médio prazo qualquer cidadão com qualidades para ocupar tão


almejado laurel.
Infelizmente os argumentos de S. Pedro foram insuficientes. Os
ânimos continuavam acirrados e a dita reunião desordenou-se por
completo, tendo às pressas de se chamar o “Supremo”, pois com o
rumo que as coisas estavam tomando, o inferno com certeza
ganharia novos moradores brevemente.
Foi exigido dos “revoltosos” que apresentassem suas justificati-
vas por escrito para negar o ingresso do “canarino”.
Uma comissão imediatamente foi formada pelos mais doutos
habitantes do paraíso, que redigiram em menos de um mês, um
documento acusatório que foi apresentado ao alto escalão da “boa
vida eterna”.
A comissão era formada por: S. Francisco de Assis (presidente),
S. Tomás de Aquino (vice-presidente), S. Marcos (secretário),
Santo Agostinho (relator), e mais, Santo Antônio (de Lisboa), S.
Judas Tadeu, Santo Onofre, Santo Expedito, S. Benedito, Santa
Rita de Cássia, Santa Edwiges, S. João Batista, Santo André, São
Carlos e S. Bento (o mais exaltado de todos).
O “alto Escalão”, ou seja, os juízes que iriam julgar o
documento acusatório era formado por três Arcanjos: Arcanjo
Miguel (presidente), Arcanjo Rafael (vice-presidente) e Arcanjo
Uriel (secretário),
Coube, como era de praxe ao “relator”, expor de maneira verbal
a peça acusatória. Santo Agostinho ajeitou-se no púlpito a ele
designado, e começou:

81
82 – Segredos da História do Brasil

A ACUSAÇÃO
Capítulo I
- Exmº Senhor Presidente e demais membros do Alto Escalão da
Congregação dos Santos; é de fundamental importância que
começamos esta nossa peça acusatória contra o padre José de
Anchieta, nos remetendo ao dia 30 de junho de 1980, quando o
então Papa João Paulo II, em passagem triunfal pelo Brasil, na
incumbência de “confirmar os filhos da igreja católica numa fé
intrépida e irradiante”, conforme palavras do próprio pontífice,
dirige-se diretamente ao presidente da República Federativa do
Brasil:
- Nascido à sombra da cruz, batizado com o nome de Vera e
Santa Cruz e logo alimentado com a primeira Eucaristia celebrada
em Porto Seguro, tornou-se a nação que possui o maior número de
Católicos de toda a Terra – observou Sua Santidade naquela
oportunidade.
Já na homilia proferida na catedral de Brasília, João Paulo II,
disse:
- No conjunto das nações latino americanas, sua cultura é
radicalmente católica. E dominado por esse sentimento católico,
Pedro Álvares Gouveia (depois Cabral), trazia em suas caravelas
sob ordens de frei Henrique de Coimbra, sete frades franciscanos
missionários, oito capelães e um vigário. E junto com os primeiros
aventureiros, os missionários franciscanos integraram a obra de
colonização da nova terra.
E continuou:
- A fé católica, não apenas em sua formação abstrata, mas em
sua concretização prática, nas normas que ela inspira e nas
atividades que ela sucinta, está na raiz da formação do Brasil,

82
Carlos Rosa – 83

especialmente de sua cultura. Pretender cancelar esta fé é esvaziar


séculos de história no que ela tem de mais autêntico, é mutilar a
mensagem do evangelho, é condenar-se a desconhecer a razão
profunda de determinados traços da personalidade religiosa dos
brasileiros.
- De todos os missionários, avulta José de Anchieta, na
condição de catolicizador que o promove a Apóstolo do Brasil e na
capacidade de operar fantásticos prodígios, o faz o Taumaturgo
do Novo Mundo. Por causa de suas peregrinas qualidades é nome
difícil de adjetivar, Anchieta, a fascinante figura do bem-
aventurado, tão ligado à história religiosa e civil deste querido
Brasil, que viveu o espírito do Apóstolo dos Gentios (Paulo) –
enalteceu o Papa em sua prédica durante a missa no Campo de
Marte, em São Paulo. Prédica essa concluída com o apelo à
intercessão do já beato José de Anchieta em favor do Brasil.
- Senhor presidente e senhores membros do Alto Conselho da
Congregação dos Santos, a proclamada atuação do Apóstolo do
Brasil, como fascinante figura de catolicizarão, por ventura confe-
re com a realidade dos fatos? Evidentemente, que não, e vamos
prová-lo. No dia 22 de junho de 1980 – Senhor Presidente - o então
Papa João Paulo II, decretou em Roma a “beatificação” do padre
José de Anchieta, da Companhia de Jesus.
Perante o presidente da República, no momento do desembar-
que, quando da aludida visita demonstrou-se jubiloso, e disse:
- Pela glória dos altares, conferida a Anchieta, pioneiro da
evangelização da gente brasileira.
Falhou infalivelmente Sua Santidade, mesmo que o Concílio
Vaticano I, no dia 18 de julho de 1870, presidido pelo Papa Pio IX
tivesse dito que “todos” os papas são infalíveis.
É por demais clamorosa a desinformação do Papa no tocante à
história do Brasil, pois como todos aqui sabem, Anchieta não é o
pioneiro da evangelização desse país.
Quando lá chegou em junho de 1553, chefiado pelo padre Luiz
da Grã, na companhia do segundo donatário, Duarte da Costa,

83
84 – Segredos da História do Brasil

muito já se tinha feito em favor de Cristo e da religião, por


inúmeros antecessores.

Capítulo II
- Senhor Presidente e demais membros do Alto Conselho da
Congregação dos Santos; os jesuítas, membros da Sociedade de
Jesus ou companhia de Jesus, ordem religiosa fundada por Inácio
de Loyola (1491-1556); loyolistas – indivíduos dissimulados,
astutos, fingidos, hipócritas (dicionário Aurélio, 1ª Ed. – 13ª
impressão), somente chegaram ao Brasil em 1549, após mais de 40
anos de atividades catequéticas dos franciscanos e outros clérigos.
Antes mesmo de Anchieta, o pretenso pioneiro da evangelização
chegar ao Brasil, já estava criada a diocese da Bahia, por Pedro
Fernandes Sardinha, seu primeiro bispo, em 1552, um ano antes da
chegada do “canarino”.
Apesar de desinformado, o senhor Karol Wojtyla (João Paulo II)
em virtude da beatificação de José de Anchieta, foi agraciado com
o título de “Cidadão Paulistano” pela municipalidade, cujo perga-
minho foi-lhe entregue pessoalmente por uma comitiva de vereado-
res, especialmente escolhidos para o evento, comitiva essa que já
havia viajado a Roma, à custa do dinheiro sofrido do povo paulista-
no. Dinheiro gasto imerecidamente, pois o pontífice polonês nunca
fez absolutamente nada por merecer tal laurel, e o dinheiro gasto
nessa viagem poderia ter servido para construir casas populares
para pessoas de baixa renda, ou financiar milhares de metros de
esgoto para a sofrida capital paulista.
Afinal, para que toda essa despesa? Acaso a beatificação é um
acontecimento assim tão importante?
Como todos aqui sabem de sobra, na contextura do tratado sobre
a vida dos santos romanista, é o terceiro estágio do processo da
canonização. O primeiro é: Servo de Deus; o título é recebido
depois que o bispo local autoriza o início do processo de canoniza-

84
Carlos Rosa – 85

ção. O segundo, Venerável: quando é reconhecido o martírio ou as


virtudes heroicas do candidato. Fiéis podem rezar em seu nome,
mas não podem ser construídas igrejas ou realizadas missas. O
terceiro é o beato, que pode ser reconhecido pelo martírio ou por
um milagre, no qual o padre Anchieta não preenche os requisitos
mínimos exigidos. Também, e isso mais recentemente (oficializado
no Concílio Vaticano II – fato que não concordamos), a
beatificação pode-se dar pela sua fama de santidade, mesmo sem
qualquer milagre, coisa que também não é reconhecida em
Anchieta. O quarto estágio é a canonização, que é declarada pela
comprovação de um segundo milagre, ou pela amplitude de sua
devoção, que também não é o caso de Anchieta.
Longe de nós, excelsos membros do Alto Conselho da
Congregação dos Santos, especializada a desenvolver os processos
de canonização, ensinar-lhes a profissão. Porém, exigem todos os
processos, além de outros encargos, o postulador favorável à
investidura e o contrário à mesma, contrário esse, também chamado
popularmente de “advogado do diabo”. Pergunta: Houve esse
“advogado do diabo”? Com absoluta certeza, não!
Como é do conhecimento dessa ilustre bancada, a canonização
abrange várias partes ou fases distintas:

1ª – PROCESSO INFORMATIVO DIOCESANO


É feito sob a responsabilidade de um bispo que decide tentar a
beatificação de alguém. O tribunal por ele designado, tem como
objetivo reunir informações sobre a fama de santidade ou sobre a
virtude heroica do candidato. Reúne também todos os seus escritos
e faz uma investigação sobre milagres atribuídos a ela antes e
depois de sua morte. O tribunal examina também se há algum culto
público ao candidato, que seria ilegal. Nesse caso, ele procura
investigar suas causas e o processo é suspenso. Desde essa etapa
até o fim do processo, atuam um postulador da causa, que é uma
espécie de advogado de defesa, e um promotor da fé, mais conheci-

85
86 – Segredos da História do Brasil

do como “advogado do diabo”, como já citamos anteriormente. A


função deste último é impedir a beatificação de quem não seja
merecedor dela. Com esse objetivo, chama a atenção dos juízes
para os atos do candidato passíveis de crítica e para textos onde
possam ser encontrados erros de doutrina. Também levanta dúvidas
quanto à autenticidade dos milagres que lhe são atribuídos.

2º - INTRODUÇÃO DA CAUSA
Terminado o processo informativo diocesano, se o bispo que o
patrocinou julgar que a causa é digna de prosseguir, envia todo o
material recolhido para Roma. Lá a Sagrada Congregação para as
Causas dos Santos, um dos organismos do Vaticano, examina os
escritos do candidato para ver se contém erros relativos à fé ou à
moral. Se há informações de caráter duvidoso que o Papa absorva
pessoalmente, ou se não há erro de todo, a Congregação analisa os
depoimentos sobre a vida do candidato e decide se a causa é digna
de ser introduzida.

3º - PROCESSO APOSTÓLICO
Aprovada a introdução da causa, o Papa nomeia juízes e instala
tribunais nos lugares em que o candidato passou partes mais
significativas de sua vida. O processo apostólico é uma espécie de
repetição da primeira etapa, o processo informativo diocesano. Só
que agora, os tribunais se reúnem sob a orientação direta do Papa e
procuram, sobretudo, esclarecer questões que o processo diocesano
informativo tenha deixado obscuras. A principal preocupação do
tribunal nessa etapa é reunir informações sobre a reputação do
candidato, sobre suas virtudes e os milagres atribuídos a ele.

4º - JULGAMENTO
O material reunido no processo apostólico é enviado a Roma.
Com base nele, os cardeais da Congregação para a Causa dos
Santos julgam quatro pontos:

86
Carlos Rosa – 87

a) Se o processo apostólico é válido, ou seja, se ele obedece


rigorosamente às orientações do papa para o caso e as
normas gerais da igreja.

b) Se o candidato exercia as virtudes realmente em grau


heroico.

c) Se os milagres atribuídos ao candidato são autênticos (para


ser autêntico, um milagre precisa atender a dois requisitos:
em primeiro lugar, o de ser um acontecimento realmente
extraordinário, para o qual não se tem explicação natural; em
segundo, o de ter acontecido depois de uma invocação
explícita do candidato à beatificação). Para que o julgamento
seja favorável ao candidato, o processo deve apresentar pelo
menos dois milagres autênticos.

d) Se convier ao bem da igreja, beatificar o candidato.

5º - CANONIZAÇÃO
Solenemente celebrada pelo próprio Papa depois de completado
todo o inquérito processual canônico, incluindo-se outros dois ou
três milagres feitos pelo beato. Com a canonização, o santo passa a
gozar do culto público em toda a igreja de rito latino e suas
imagens podem ser expostas em toda a parte.

Capítulo III
O processo de canonização de Anchieta se arrastou por séculos
pelos corredores do vaticano. Falecido em 1597, vinte anos após,
ou seja, em 1617, os jesuítas do Brasil introduziram via bispado da
Bahia, junto à Santa Sé, o pedido de sua beatificação e canoniza-
ção. Somente em 1730, cento e vinte anos depois – senhor presi-
dente – foram para exame, remetidos a Roma os escritos poéticos

87
88 – Segredos da História do Brasil

do candidato às honras dos altares. Em 10 de agosto de 1736, o


então papa Clemente XII declarou-o por constarem suas virtudes
exercitadas em “grau heroico”, VENERÁVEL.
Senhor Presidente e demais membros desta excelsa congrega-
ção, esta fase se arrastou por 244 anos, porquanto somente em 22
de junho de 1980, atingiu o estágio de beato ou bem-aventurado,
com direito a ter imagens oficialmente exibidas e seu nome
invocado em culto público em seu país natal, a Espanha, já que
José de Anchieta nasceu na ilha de Tenerife no arquipélago das
Canárias, em Portugal, onde estudou e no Brasil, onde viveu a
maior parte da sua vida. Nas outras nações, lhe é vetado quaisquer
manifestações públicas de culto.
Ora, se Anchieta quisesse atingir a última fase, chegar ao estágio
supremo de santo, precisaria satisfazer as exigências desta última
parte do seu processo de canonização, inclusive fazendo dois ou
três portentosos milagres. Se o estágio anterior se arrastou lenta-
mente por séculos, por total falta de provas da sua santidade, como
foi possível que decorridos somente 34 anos o mesmo fosse canoni-
zado sem as devidas provas, ou seja, dois ou três portentosos
milagres?
Não é muito difícil compreender o que aconteceu. Em primeiro
lugar, o atual Papa Francisco é jesuíta, como Anchieta, e valendo-
se de uma prerrogativa (nova, diga-se de passagem), prerrogativa
essa inteiramente política, pois o único objetivo da “Santa Sé” é
lucrar com beatificações e canonizações completamente desprovi-
das de qualquer coisa que se pareça com santidade no postulante.
Se não, vejamos:
A canonização de Anchieta foi oficializada por “decreto”,
dispensando a exigência de comprovação de um milagre que seja,
apesar de ser a ele – Anchieta – atribuído um sem número deles,
conforme “relataremos” a seguir. A iniciativa de fazer desse modo
partiu do próprio Papa Francisco, jesuíta como Anchieta, conforme
já ressaltamos anteriormente.

88
Carlos Rosa – 89

O privilégio é para poucos. Tal situação é chamada de


canonização “equipolente”, ou seja, quando um homem ou uma
mulher se torna santo pelo “conjunto da obra”. Nesse caso, o
candidato tem de ter fama de milagreiro e ser alvo de grande
devoção, que não é o presente caso, como ainda vamos provar.
Mas pasme, senhor Presidente, com o que disse o atual
arcebispo da cidade de São Paulo, Dom Odilo Scherer, no dia 2 de
abril de 2014, referindo-se à demora da canonização de Anchieta:
- A demora de 417 anos no processo de canonização de
Anchieta, decorreu da difamação sofrida pelos padres jesuítas no
século 18, o que levou à expulsão da ordem do Brasil em 1759. E
continua: – Outro entrave para o processo era a falta de
comprovação de milagres. Tradicionalmente, são necessários pelo
menos dois para que alguém seja declarado santo – um para a
beatificação e outro para a canonização. Anchieta não tem
nenhum atestado de realização de milagres, apesar de serem
várias as narrativas históricas a esse respeito.
E conclui o cardeal Scherer:
- O milagre, porém, foi dispensado pelo Papa Francisco.
Milagre não é o mais importante. Não é o santo que faz o milagre,
é Deus, por intercessão do homem.
Um murmurinho tomou conta do recinto, pois além dos
membros da Congregação para a Causa dos Santos e dos já citados
membros do libelo acusatório, o plenário estava repleto de outros
“santos” e “santas” que, indignados, falavam palavras de ordem,
pois não concordavam em absoluto com os argumentos do cardeal
Odilo Scherer.
O presidente da Comissão Acusatória – S. Francisco de Assis -
pediu a palavra, no que foi prontamente atendido:
- Senhor Presidente, meus amigos e minhas amigas. Fui
canonizado pelo papa Gregório IX em 16 de julho de 1228, menos
de dois anos após o meu falecimento em 3 de outubro de 1226, e
nestes 786 anos de convivência neste recinto sagrado, já vi muita

89
90 – Segredos da História do Brasil

iniquidade e muito desmando, mas não como este que estamos


presenciando.
E em completo silêncio, o patrono dos animais e do meio
ambiente, continuou com voz firme e suave:
- Neste recinto sagrado – apontando para todos os lados –
encontram-se elementos da mais alta consideração e da mais
sagrada conduta. Vejo, por exemplo – apontando diretamente para
o elemento – o mártir Afonso Rodrigues, Santo Albano, Santa
Bárbara, São Bartolomeu, o papa São Bonifácio I, São Cristóvão, o
padroeiro dos automobilistas, Santa Engrácia de Braga, Papa São
Fabiano, São Francisco de Sales e São Francisco de Paula, São
Luis Gonzaga, Santa Rosa do Viterbo, São Vicente Ferrer, e muitos
outros, que com certeza estão tão indignados quanto eu.
- Senhor presidente – dirigindo-se à mesa diretora – nenhum dos
que estão aqui presentes tiveram qualquer regalia para estar neste
lugar. Eu, por exemplo, tenho comprovadamente, no mínimo uns 3
mil milagres; São Cristóvão, já perdeu a conta de quantos milagres
já fez com os motoristas loucos e bêbados do planeta, Santa
Bárbara, a todo instante é solicitada a salvar ou ajudar aqueles que
se sentem perdidos em tempestades, e por aí vai.
- Seria por demais enfadonho – senhor Presidente – ficar aqui
desfilando todos os milagres que estes santos e santas já fizeram e
continuam fazendo ao longo dos tempos. Sim, eu sei e todos aqui
sabem que nós somos os intermediários entre Deus e os homens
comuns. Mas ouvir da boca de um cardeal que não é importante a
comprovação de um milagre para galgar à distinção de santo, creio
que passou da conta.
- Apoiado! Muito bem! É isso aí – gritavam todos a uma só voz.
O Presidente teve um pouco de trabalho para acalmar a plateia.
Com os ânimos mais serenados, Francisco de Assis, concluiu:
- Senhor Presidente, peço desculpas pela intervenção na leitura
do nosso manifesto, tão brilhantemente apresentada por Santo
Agostinho, mas não podia deixar passar em branco o meu repúdio à

90
Carlos Rosa – 91

fala do cardeal Odilo Scherer, assim como a inclusão desse


elemento de nome Anchieta na nossa sagrada ordem. E sentou-se.
Aplausos! O Arcanjo Miguel, com um aceno fez com que todos
se acalmassem e pediu a Santo Agostinho que continuasse a leitura
do manifesto de Repúdio à canonização de José de Anchieta.
- A interferência política – senhor Presidente – como todos aqui
sabem é decisiva no encaminhamento do processo canonizatório.
Aliás, o então presidente do Movimento Nacional pró-canonização
de Anchieta, professor Dagmar Chaves, já falecido, lembrou há
alguns anos atrás que existem influências políticas dentro da
própria igreja, quando se trata de canonizar alguém! Por isso, conta
muito a nacionalidade ou a ordem religiosa do candidato, como é o
presente caso.
- Esse movimento, de resto, foi criado exatamente para influir na
evolução do processo do então “primeiro santo brasileiro”, e teve
como seu primeiro presidente o senador Danton Jobin.
Embora – senhor Presidente – o episcopado brasileiro sempre
quisesse se apresentar independente do Governo civil, na verdade
dele sempre dependeu, não só para lhe sugar gordas verbas, mas até
para empurrar a geringonça anchietana.
Nesse intuito, o presidente de então, o general Castelo Branco,
pelo decreto nº 55599 de 1965, criou no MEC o Dia Nacional de
Anchieta.

Capítulo IV
- Senhor Presidente e demais membros deste Colegiado, este
quarto capítulo é por demais importante para o caso, mesmo que
alguns o achem enfadonho ou mesmo desnecessário, porém trata-se
da origem de Anchieta.
- São desacertadas as notícias de sua origem familiar. Uns dizem
ser filho de certo João de Anchieta. Alguns identificam seu pai
como Adolfo Coster (Anchieta et la famille de Loyola, Paris, 1930)
como sendo o vigário de S. Sebastião de Soreazu que teve José de

91
92 – Segredos da História do Brasil

uma aventura amorosa com uma freira. Outros ainda, ser filho de
João Lope de Anchieta, casado com Maria de Ayala, portanto a
mãe de José. Já o historiador espanhol Francisco Mateos em
(Ultimas Investigaciones Historicas sobre la Vida y Obra Del Padre
José de Anchieta – São Paulo, 1965), identifica como pai do bem-
aventurado brasileiro o funcionário público João Lopez de
Anchieta, casado com a viúva de Nuno Nuñez de Villavicencio,
senhora Mencía Díaz de Clavijo y Llarena, de origem judia.
- Com efeito – senhor Presidente – o jornalista Valdir Sanches
do jornal O Estado de S. Paulo e do Jornal da Tarde, grandes
diários da cidade de São Paulo e de renome mundial, em abril de
1980, logo após o anúncio da beatificação de Anchieta, foi a S.
Cristóvão de La Laguna, em Tenerife, nas ilhas Canárias, colher in
loco informes referentes ao novo bem-aventurado. Dirigiu-se à
matriz da atual paróquia de S. Domingos de Gusmão, antiga
paróquia dos Remédios, onde José foi batizado.
- D. Xisto, o então pároco, gentilmente permitiu-lhe franco
acesso aos antigos escritos paroquiais guardados em um velho
armário empoeirado. “No primeiro destes livros, encadernados em
pergaminho – diz o jornalista – nas primeiras páginas comidas
pelo tempo, está escrito, com letra do século XVI, ‘Livro Primeiro
de Batismo da Igreja Paroquial dos Remédios, de 30 de maio de
1530 até junho de 1552’. Na página 31 verso – continua Valdir –
correspondente ao ano de 1534, estão registrados os nascimentos
de várias crianças, na maioria meninos. O quarto deles chama-se
Joseph, filho de Juande Anchieta e de sua mulher, que foi batizado
no dia 7 de abril por Juan GTTB (um apelido abreviado), vigário.
Foram padrinhos Domingo Rifo e Dona Alonso” (o Estado de S.
Paulo, 13 de abril de 1980).
- Como vê, senhor Presidente, o lacônico assento do batismo em
nada favorece as conclusões de Francisco Mateos quanto a origem
paterna de Anchieta. Ao contrário, mantém as antigas suposições.
- E, de fato, por ser naquele tempo o catolicismo a religião
oficial também na Espanha, não havia o Registro Civil de nasci-

92
Carlos Rosa – 93

mento em cujo lugar valia o lançamento de batismo. Por


conseguinte, o único documento oficial válido para nós, ainda é
esse do batismo. Ora, nele não se define com clareza o pai e o
nome da mãe é simplesmente omitido, aparecendo, contudo, o da
madrinha, Dona Alonso.
E para concluir este importante capítulo – senhor Presidente –
queremos deixar bem claro que a origem familiar do chamado
“Apóstolo do Brasil” permanece uma interrogação. Se o registro de
seu batismo oculta o nome de sua mãe, quiçá não favorece aquela
primeira suposição? A de ser ela uma freira?
- Excomunguem-no! Excomunguem-no!
O presidente levantou os dois braços pedindo calma e anunciou:
- Senhoras e senhores, estamos todos cansados. Vamos fazer um
recesso até amanhã, depois das 14 horas; e bateu o martelo dando
por encerada a audiência.

Capítulo V
Precisamente às 14 horas, todos ficam de pé aguardando a figura
do Presidente, que após adentrar o recinto e passar os olhos pelo
plenário, sentou-se. Santo Agostinho já estava no seu lugar – o
púlpito destinado à acusação. Antes de autorizar o doutor da igreja
a continuar, disse a todos com voz suave e firme:
- Não vou tolerar mais qualquer manifestação, seja a favor ou
contra. Lembrem-se do local em que estão. Alguma pergunta?
Santa Edwiges levanta a mão.
- Sim, minha filha – diz espantado o Arcanjo Miguel.
- Se não podemos nos manifestar, não seria melhor esvaziar o
recinto e esperar o resultado do julgamento do lado de fora?
As manifestações foram imediatas; umas a favor, e outras
contra, como é crível em uma democracia.
Com calma e habilidade, o Presidente sorriu e, dirigindo-se à
santa dos pobres e endividados, disse com carinho:

93
94 – Segredos da História do Brasil

- Irmã, com certeza você já há algum tempo não assiste a um


julgamento. Desde que aqui chegou em 1267, tem andado muito
ocupada a ajudar os menos favorecidos; é compreensivo! Porém,
quero lhe alertar que em um julgamento, principalmente este, o
silêncio e a compreensão dos fatos são de suma importância, para
que possamos fazer justiça. Justiça é o que interessa. Certo?
Santa Edwiges assentou com a cabeça, pediu desculpas – que
foram imediatamente aceitas – e sentou-se em silêncio.
O Presidente, perguntou mais uma vez:
- Alguém mais tem alguma coisa a dizer antes de Santo
Agostinho continuar a ler o seu libelo? Como ninguém mais se
manifestou, foi dada a autorização para o filho de Santa Mônica
(que estava presente ao evento) continuar.
- Anchieta foi para Coimbra em 1548, então com 14 anos e lá
permaneceu até os 18 anos. Em 1551, ingressou na recém-fundada
Ordem dos Jesuítas, por Inácio de Loyola, também espanhol, do
qual falarei mais adiante, quando da sua presença neste local.
Alguns santos ameaçaram se manifestar ante a exposição de
relator, mas a um sinal do Presidente, sossegaram, e Agostino
continuou:
- Coincidência interessante, é o ano do nascimento do canarino
1534, também o ano do estabelecimento da Companhia Loyolista.
- Infelizmente o noviciado é um período de severíssimas provas
quando o jovem ingressa em uma ordem religiosa. Submeteu-se
José a dura penitência com prolongados jejuns, dolorosas macera-
ções, e incontáveis horas seguidas de orações. Com o espírito em
delírio e máximo fervor, em absoluto jejum, sempre de joelhos,
todas as manhãs ajudava seguidamente a todas as missas. Tamanho
e desumano esforço causou-lhe grande enfermidade que o levou a
cama por longos meses e lhe deixou marcas pelo resto da vida, com
sérias dificuldades até para andar.
- Aqui – senhor Presidente – gostaria, se me permite, fazer uma
pausa na leitura da peça acusatória, para externar o meu repúdio a
essas Ordens ditas Religiosas – todas – que nada mais são do que

94
Carlos Rosa – 95

câmaras de tortura, sem qualquer objetivo concreto. Por ventura


quer Deus do ser humano esse horror de penitência? A aniquilação
do corpo humano? Será que Deus se sente honrado com tanto
flagelo? Tenho absoluta certeza que não. Esses flagelos só podem
ser cobrados pelo demônio e não por um Deus bondoso e justo.
Com certeza Deus não foi mais glorificado nos padecimentos do
noviço Anchieta. Mas continuemos:

Capítulo VI
- Para melhor compreensão da vida de Anchieta – senhor
presidente – não podemos nos furtar de saber como foi o desenvol-
vimento da Companhia de Jesus durante sua existência, fatos que
normalmente são omitidos dos historiadores brasileiros, sempre
propensos a ocultar a verdade em detrimento de interesses outros.
- Fundada nos moldes militares ortodoxos de então, seus
correligionários eram obrigados à obediência irrestrita e cega.
- Tendo à frente o Geral, mas conhecido como “papa negro”,
eleito vitaliciamente e investido de autoridade ilimitada, cujas
decisões são inapeláveis, é cercado de um conselho formado de seis
“assistentes”. Antes de morrer, o Geral tem de designar o “vigário”
ou substituto que governará interinamente até a eleição do novo
Geral e dos assistentes, eleitos por uma “Congregação Geral”,
composta de todos os “provinciais”.
- Pasme – senhor Presidente – que o “Geral” é chamado de
“papa negro” por possuir quase tantos poderes quanto o Sumo
Pontífice romano. O adjetivo “negro” distingue-o do Papa, que
habitualmente veste-se de branco e ele de sotaina preta.
- Divide-se a Companhia em províncias, regida cada uma por
um “provincial” coadjuvado por um conselho composto de
consultores. Cada casa de ordem tem um superior próprio,
submetido ao provincial.

95
96 – Segredos da História do Brasil

- Toda essa forte hierarquia – senhor presidente – prende-se ao


Geral por rigorosa disciplina sustentada também, pela prática de
cada membro da sociedade, seja qual for a sua condição, ter ao seu
lado um irmão encarregado de “policiar” o seu procedimento, ou
seja, um “dedo duro”, como está mais em moda atualmente.
- Perinde ac baculos, perinde ac cadaver (semelhante a uma
bengala, semelhante a um cadáver), deve ser o súdito nas mãos do
seu superior. Esta norma de sujeição absoluta, como seu princípio
básico, imprime energia vital à sociedade loyolista.
- Submisso ao chefe, o jesuíta não tem pátria. Subjugado à
Sociedade, adapta-se às suas bases: – mobilidade e cosmopolitis-
mo. Por isso – senhor Presidente – para as casas dos jesuítas de
cada país podem ser enviados superiores estrangeiros, os quais
devem sempre usar o idioma corrente do país de sua residência a
qual estuda para versá-la com absoluta maestria.
- O então pensador católico Tristão de Ataíde, em “O Jornal”,
Rio de Janeiro, 29 de setembro de 1940, apresentou magnífica
descrição do jesuitismo: – Não existe para a Ordem nenhum
objetivo, nenhum método específico: estão às ordens do papa
negro. Tanto se fazem apóstolos dos párias como Francisco Xavier
nas Índias, como se fazem “brahmanes”, como Roberto Nobile, ou
“mandarim”, como o padre Ricci, e não dão confiança aos párias,
ou a quem quer que seja brahmane ou mandarim. Procura
guardar-se intangível em face da mobilidade das coisas. Conserva
os traços da fisionomia impassível em face das emoções: é um
vulcão coberto de neve. É uma máscara. O jesuíta é realista.
Combate todo o romantismo e todo o excesso. Nenhuma tolerância
com as fibras femininas de toda a alma humana. E o dever
inflexível não admite tolerância com o coração. Um jesuíta não
sabe o que é remorso. Ou perde ou se salva, ou faz o dever e
recebe friamente a palma, ou não o faz e recebe friamente a
punição. A formação do jesuíta não é pela formação da
personalidade, mas é pela contração da personalidade. A
Companhia é o que vale, não o seu filho”.

96
Carlos Rosa – 97

Um murmurinho correu o recinto. Todos conversavam com


todos. Alguns mais exaltados como São Jorge e Santo Expedito,
homens afeitos à guerra enquanto vivos, não escondiam seu
repúdio pela Ordem jesuítica.
Após alguns minutos, o Presidente, com um aceno, pediu para o
relator continuar:
- Várias causas – senhor Presidente – contribuíram para o
desaparecimento da Companhia, destacando-se dentre elas, o
ignóbil propósito de servir à mentira religiosa. Além desta, podem-
se assinalar outras duas: a ganância material e a prepotência na
política, coisas que estamos presenciando neste momento, ou seja,
em 2017, com o pontificado do Papa Francisco, jesuíta.
- Cheios de zelo, arrastaram para suas fileiras numerosas
pessoas ricas das quais exigiam a entrega completa de suas posses
(como o fazem atualmente os ditos evangélicos) e as quais usavam
para manobrar influências sobre magnatas do dinheiro. Nessa
perspectiva argentária, a Sociedade jesuíta descuidou-se da forma-
ção intelectual dos seus membros. Aquela sujeição incondicional
ao superior, por outro lado, impediu as expansões da inteligência.
Em resultado, os seus expoentes se reduziram a uns poucos nomes.
- Atuantes na política, tornaram-se incapazes de discernir a reli-
gião fora desses interesses. Participaram da confusão das nações,
na trama de conspirações e no desencadeamento de guerras.
- Nas escolas – senhor Presidente – seus mestres, como Suarez e
Giovani Mariana, pelo menos em teoria, ensinavam a legalidade
das execuções de reis e rainhas.
- Suarez, por exemplo, ensinava que um soberano deposto pelo
Papa perde o reino, não podendo, de direito, possuí-lo.
“Por isso, desde então pode ser tido e tratado como tirano e,
consequentemente, pode ser morto por qualquer particular”.
- Já Giovani Mariana, nos brinda com esta preciosidade: “Que
importa matá-lo com punhal ou veneno? O que se faz com veneno
se faz com menos perigo e com maior segurança de impunidade.
Eu escolheria o veneno, se tivesse de fazer isso... Com os tais (os

97
98 – Segredos da História do Brasil

soberanos depostos pelo Papa) deve-se agir como com os cães


danados... Deve-se louvar aquele que, com perigo de vida, serve à
utilidade pública”.
Em meio a palavras como: “isso é um absurdo!”, “Isso é um
ultrage!”, “Isso não pode ficar assim – temos de tomar providências
urgentes”, uma voz se fez ouvir: era o próprio filho de Deus, Jesus,
o Cristo. Fez-se um silêncio sepulcral. Adentrando ao recinto pelo
vão central do plenário, disse, ainda de pé, fazendo uma reverência
à mesa e virando-se para a plateia:
- Senhor Presidente, demais membros desta excelsa Congrega-
ção, meus amigos e minhas amigas. Tenho acompanhado tudo da
minha sala pela televisão, e tenho-me contido, mesmo desejoso de
estar neste recinto para contestar certas coisas que estes jesuítas
fizeram e estão fazendo no planeta Terra. Porém, senhor
Presidente, não podia ficar alheio a este tipo de acusação. Em
nenhum momento da minha vida terrena, jamais incentivei a vio-
lência, seja ela física, psíquica ou espiritual. Jamais disse ou escrevi
qualquer coisa que esses jesuítas estão fazendo em meu nome.
Jamais autorizei quem quer que seja a praticar barbárie em meu
nome, muito menos os Papas, que se dizem meus representantes na
Terra, mas que na realidade são, isto sim, demônios disfarçados de
anjos, com as devidas exceções, é claro.
É desnecessário dizer que todos estavam atônitos com a presen-
ça do filho de Deus naquele recinto, pois que jamais tal fato
aconteceu, ou seja, Ele nunca interferia nas votações da
Congregação para a escolha dos santos e santas. Jesus continuou:
- Senhor Presidente, quero deixar bem claro o meu repúdio a
toda e qualquer manifestação de tortura, constrangimento ou
punição por qualquer ordem religiosa. Se o fazem é por sua livre e
espontânea vontade, não tendo qualquer base legal que a apoie,
nem minha e muito menos do meu Pai. Peço desculpas pela
interferência, e vou voltar à minha sala e de lá continuarei a ver
pelo canal exclusivo o desenrolar deste caso. Espero, senhor
Presidente, que se faça justiça. E retirou-se.

98
Carlos Rosa – 99

Foram necessários uns 30 ou 40 segundos para que todos


concatenassem as ideias e o julgamento pudesse continuar. O
Presidente rompeu o silêncio:
- Minhas irmãs e meus irmãos; como acabaram de ver e ouvir,
este julgamento é por demais importante. Não nos cabe argumentar
e muito menos discutir as palavras do nosso Mestre, cabe-nos, sim,
concluir este julgamento com a maior lisura possível. Peço ao
senhor relator que continue.
Ainda um tanto abalado com a presença do Mestre, Santo
Agostinho deu início à sua fala:
- Senhor Presidente, os alunos jesuítas, imbuídos dessa tese de
que os fins justificam os meios, em surgindo a oportunidade,
punham em prática as teorias aprendidas, tornando a sua Ordem,
pelo menos indiretamente, responsáveis de muitos assassinatos que
abalaram o mundo como o de Abraham Lincoln; sua atuação na
revogação do édito de Nantes e na expulsão dos protestantes da
França; sua influência na ruína da Casa dos Stuart sob James II, sua
cooperação no atival, sob o reinado dos dois últimos Valois, as
labaredas dos ódios políticos contra os huguenotes; sua constante
conspiração contra a Inglaterra no reinado de Elizabeth; sua
ingerência na guerra dos Trinta Anos e nas misérias religiosas da
Boêmia.
- Em 1542 – senhor Presidente – apenas após a sua fundação,
dezesseis jesuítas foram banidos de Paris por perturbação da ordem
e bons costumes. Em 1554, o parlamento confirmou o banimento e
os repeliu. Relutantes, retornaram em 1594 e os comerciantes, os
vereadores, a municipalidade e os administradores dos hospitais
exigiram do parlamento a definitiva expulsão deles. E, de fato,
foram expulsos como “corruptores da mocidade e inimigos do rei e
do Estado”.
- Em 1762, o congresso francês atendendo ao clamor de toda a
França, por unanimidade, suprimiu a instituição dos jesuítas em
todo o país, declarando-a incompatível com uma nação civilizada e
contrária ao direito Natural, sublinhando o decreto: “A moral dos

99
100 – Segredos da História do Brasil

jesuítas é perversa, destruidora de toda a probidade, perniciosa à


sociedade, atentatória da segurança individual dos cidadãos e da
pessoa real, própria para excitar as maiores perturbações nos
Estados, formar e entreter a mais profunda corrupção do coração
do homem”.
- Em 1764 – senhor Presidente – a confirmar a resolução do
parlamento, o rei francês, em 1º de dezembro, promulgou um édito
de banimento de todos os jesuítas.
- Em 1570, menos de 30 anos de sua fundação, a rainha da
Inglaterra, Elizabeth, ordenara a expulsão deles de todo o Reino.
- Em 1598, são forçados a sair da Holanda, por perturbarem a
ordem pública e como mandantes do assassinato do príncipe
Maurício de Nassau.
- Em 1618, a Boêmia exigiu a sua retirada. Em 1619, a Morávia.
Em 1621 é a vez de a Polônia lançá-los fora dos seus domínios por
haverem suscitado uma guerra civil. Até no Japão em 1631, foram
expelidos. Em 1643, a ilha de Malta impossibilitada de conservá-
los, adotou a medida extrema do seu banimento.
- Um padre romano, o cardeal Carlos Borromeo, em 1604
eliminou-os do colégio Broda. Em 1606 é a vez de Veneza
escorraçá-los de seus limites. Em 3 de setembro de 1759, sob o
domínio do marquês de Pombal, apoiado pelos bispos, a ordem
jesuíta é varrida de Portugal e de suas colônias, inclusive o Brasil.
- A 2 de abril de 1767, Carlos III, confiscou os bens dos
loyolistas adquiridos ilicitamente e expulsou-os da Espanha,
exemplo esse também adotado pelos Estados de Nápoles e de
Parma.
- E para concluir este relato de crimes e expulsões dos jesuítas,
quero deixar bem claro que, em 1773, o papa Clemente XIV,
quando a Ordem tinha quarenta e uma províncias, 22.589 membros,
dos quais 11.295 eram sacerdotes, na plenitude dos seus poderes
pontifícios, com o breve “Dominus ac redemptor noster”, extinguiu
a sociedade de Inácio de Loyola.

100
Carlos Rosa – 101

- Senhor Presidente e demais membros desta sagrada


Congregação, depois de terem ouvido todos estes desmandos desta
famigerada ordem, somos obrigados a engolir, goela abaixo, as
palavras sádicas e mentirosas do cardeal Odilo Scherer, quando diz:
“A demora de 417 anos no processo de canonização de Anchieta,
decorreu da difamação sofrida pelos padres jesuítas no século 18,
o que levou à expulsão da ordem do Brasil em 1759”.
- Não houve difamação nenhuma, senhor Presidente; o que
ouve foi, de fato, malversação dos ritos da igreja e desvio dos
princípios cristãos, sempre em benefício próprio como acabaram de
ouvir.
O Presidente interrompeu:
- Vamos fazer um recesso de trinta minutos para tomar uma
aguinha, e depois retornaremos.
Nem é preciso dizer que nesses poucos minutos, formaram-se
“rodinhas”, cada qual com as já tradicionais “panelinhas”, ou seja,
aqueles que comungam de um mesmo ideal, e cada um expunha
seus pontos de vista sem, contudo, chegarem a qualquer conclusão,
como é tradição em qualquer plenário, seja ele no céu ou no
Congresso em Brasília.

Capítulo VII
Anchieta faleceu em 9 de junho de 1597 e já no ano
subsequente, o jesuíta Fernão Cardim encaminhou ao Vaticano sua
primeira biografia elaborada por Quiricio Caxa, também jesuíta.
Seguiram-se também outros escritos informativos, incorporando-se
todos como peças do processo. Era necessário um “santo”
brasileiro, um “santo” da Companhia; Anchieta fora o escolhido!
- Só em 1617, ou seja, 20 anos depois – senhor Presidente – a
Santa Sé considerou as petições. Decorreram ainda muitos anos e
apenas em 1736, o papa Clemente XII declarou Anchieta
“Venerável”, por constar serem suas virtudes “em grande grau”.

101
102 – Segredos da História do Brasil

- As graves crises nas quais se envolveu a organização,


culminando com o decreto do papa Clemente XIV, em 1773,
embaraçaram ainda mais o prosseguimento do processo.
- Para a maioria, leigos, a demora na conclusão do processo de
canonização de Anchieta, deve-se ao fato de haver ele, Anchieta,
interferido na execução do calvinista João de Bolés. Contudo, esse
episódio é de menos, pois muitos outros, como Domingos de
Gusmão, foram canonizados exatamente por terem assassinado
judeus, protestantes e evangélicos.
- A lentidão processual – senhor Presidente – se deve a dois
fatores: a possível origem espúria dele, porquanto é provável que
sua procedência paterna recaia num sacerdote e a materna numa
freira; e os trinta “milagres” incluídos no processo, milagres esses
que atingem as raias do fantástico, do absurdo e do ridículo.
Milagres de absoluta inverossimilhança e de total carência de
comprovação. Nos moldes da antiga processualística da Sagrada
Congregação dos Ritos, jamais Anchieta seria elevado aos altares.
As novas normas do concílio Vaticano II, porém, favoreceram-lhe
a ascensão. Seu processo foi desengavetado e “admitidos” os
testemunhos dos seus prodígios, tudo passando a transcorrer em
rumo de sua glória canônica, não descartada, é claro, a pressão do
governo espúrio brasileiro.

Capítulo VIII
- Neste capítulo – senhor Presidente e demais membros da
Congregação – demonstraremos, sem deixar qualquer margem a
dúvida, que Anchieta é um embusteiro, e que não fez qualquer tipo
de milagre. Os milagres a ele atribuídos suplantam o absurdo. São
fantasmagóricos. Provém unicamente do interesse dos jesuítas de
guindá-lo aos píncaros da glória. Com o novo Papa, também jesuíta
(e que fique bem claro que é a primeira vez que se elege um papa
jesuíta, o qual não nos cabe aqui discutir os porquês disso) estava

102
Carlos Rosa – 103

na hora de transformar o canarino em herói de sua grei. Os relatos


de seus portentos são de autoria exclusiva de jesuítas e são
deslavadas mentiras, beirando as raias do inimaginável.
- São tão absurdos, que só as facilidades do concílio Vaticano II
poderiam empurrar a canonização de Anchieta. Vejamos alguns
“milagres” inseridos no processo de canonização:
A SOMBRA BENFAZEJA – Descrito pelo padre Pero
Rodrigues, alegando tê-la ouvido de Pero Leitão, seu colega jesuíta.
“Atravessava de canoa a baia do Rio de Janeiro o nosso Anchieta
em companhia de alguns irmãos loyolistas. A todos incomodava o
calor intenso do Sol inclemente do meio-dia daquele verão. Em
dado instante, viu Anchieta planando nos céus grandes aves
conhecidas como guarazes. Chamou-as com acenos e voz forte.
Chamou-as para com as suas asas abaná-los? Não! Ordenou-lhes
o taumaturgo: ‘Ide chamar vossas parentas e vinde-nos aqui fazer
sombra’. Obedientes, foram-se e logo regressaram em
considerável bando. Daí, juntas, asas abertas, sombrearam a
canoa dos padres por muitos quilômetros, até o Sol amainar”.
Risos ecoaram pelo recinto. Santo Agostinho aguardou alguns
segundos e disse, sorrindo:
- Senhor Presidente, meus amigos e minhas amigas, vocês ainda
não ouviram nada. E continuou:
A COBRA SUBMISSA – Um indígena, companheiro de viagem,
picado por uma serpente venenosíssima, gritou por Anchieta. De
pronto este acudiu. Autoritário, imperativo, ordenou à víbora que
se lhe chegasse aos pés e falou-lhe: Oh! É demais; já não te
repreendi outras vezes? E por que não te emendas?
Reprimenda dada, levemente calca-a Anchieta aos pés e como
quem zomba da cobra, diz-lhe: “Morde agora, morde e vinga em
mim quantas ofensas tenho feito a Deus, meu e teu criador”. A
pobre serpente, humilhada, levantando um tanto a cabeça, pôs-se a
lamber o santo pé que a calcava, e assim esteve como que pedindo

103
104 – Segredos da História do Brasil

perdão, até receber do santo homem a benção. Ouviu a terminante


ordem de nunca mais fazer mal a ninguém e, cabisbaixa, foi-se.
Santo Onofre não se conteve: – Além de ridículo é cômico!
OUTRA COBRA – Surgira na selva a atacar os companheiros
do padre, uma “víbora muito peçonhenta”. Todos fugiram menos
José. Chamou este a cobra. Dele se aproximou o réptil venenoso.
Pô-la o padre no regaço. Afagou-a. Aproximaram-se os medrosos
companheiros, agora pasmados. Depois, o sacerdote “deitou uma
benção à cobra e a mandou que fosse quietamente, como fez”.
Santa Rita de Cássia levantou-se e dirigindo a palavra ao
presidente da Comissão Acusatória, São Francisco de Assis, disse:
- Mestre, você pode ser o santo protetor dos animais, mas das
cobras, com certeza é esse Anchieta!
Ninguém se conteve; os risos ecoaram por todos os lados.
Primeiro, porque não era normal Santa Rita falar, e muito menos
ser espirituosa.
Santo Agostinho continuou:
A RESSUSCITAÇÃO DOS MICOS – Por diversão, os índios a
flechadas matavam micos. Surpreendeu-os Anchieta nesse esporte
de péssimo gosto. Repreendeu-os. E compadecido dos pobres
macaquitos, ressuscita-os. E diante do pasmo dos silvícolas, os
micos em grande regozijo com assovios e momices, festejaram o
padre benfeitor.
Um “Que loucura, meu!” – ecoou pela sala e mais risos.
AS ONÇAS FAMINTAS – Anchieta e um seu colega de batina,
com os índios pescava tranquilamente nas imediações de Maricá.
Na praia surgiram duas ferozes onças famintas. Difícil interromper
o serviço da pescaria. Ordena-lhes Anchieta que voltem mais
tarde. Penetram os pescadores mar adentro, retornando com
grande quantidade de pescado ao fim do dia e ancorando distante
do ponto de partida. Anchieta exige voltar aquele ponto, pois havia
pedido às onças que voltassem mais tarde e palavra de “santo” é

104
Carlos Rosa – 105

sagrada. Com efeito, logo que chegaram ao local determinado, lá


estavam as duas onças a esperá-lo. Com elas palestrou e saciou-
lhes a fome, cedendo-lhes uma boa porção de peixes.
Santo Antônio não se conteve: – Esta nem o mestre de Assis
acredita! Mais risos.
A ABERTURA DO MAR - Como o portento anterior – senhor
Presidente – este é também relatado pelo sacerdote jesuíta Simão
de Vasconcelos: – Volvem os bons clérigos com os índios noutro
dia à pesca no mesmo sítio de Maricá. Retira-se Anchieta sem, de
início, perceberem seus companheiros a ausência. Após largas
horas, dão eles pela sua falta. Apreensivos, procuram-no.
Surpreendem-no, após longos minutos de busca, bem avançado
mar adentro. Prodígio admirável! – exclama Vasconcelos.
Renovara o senhor Deus, por Seu servo, a maravilha portentosa
dos filhos de Israel ao passarem o mar vermelho, porque indo
crescendo a maré, as águas se separavam, deixando José ileso
entre paredes d’água de um e outro lado dele, e deixara a preamar
em seco um círculo em cujo centro permanecia o padre Anchieta,
imóvel. Em seco ficara igualmente uma larga passagem até ele.
Rodeado assim totalmente pela muralha das ondas marulhantes,
ali está ele, assentado, os braços cruzados sobre o peito, absorto,
olhos postos no céu. Juntaram-se as águas somente após o
taumaturgo alcançar a companhia dos colegas que, no mato, o
aguardavam.
Ante a estrondosa risada que ecoava pelo salão, uma voz se fez
ouvir: era de um dos membros da Comissão Acusatória, São Judas
Tadeu:
- Desculpem-me, meus amigos, mas acho que Moisés já tem um
sósia! Mais risos.
- Existem muitos outros “portentos” – senhor presidente e
demais membros da Comissão – e, se me permitem, vou somente
relatar mais dois, que julgo de fundamental importância para o
caso:

105
106 – Segredos da História do Brasil

A METAMORFOSE, A LEVITAÇÃO E O ODOR CELESTE –


Apesar de ser de carne e osso (mais osso que carne, é verdade),
sujeito às contingências e às limitações da matéria, o sobrenatural
da mistificação dotara-o do poder de bilocar-se, de metamorfosear-
se, ou melhor, de estar ao mesmo tempo em dois lugares diferentes.
Vezes incontáveis, segundo o relato do embuste, achou-se Anchieta
simultaneamente em São Paulo de Piratininga e em São Vicente.
Destilava de si um celestial aroma a embalsamar suas vestes,
seus aposentos, tudo quanto suas mãos tocavam e o ar que
respirava.
Depõem testemunhas, sob juramento, dizendo que: “Caminhan-
do ao seu lado sob a chuva, puderam ver que a sua batina se
conservava seca”.
Índios ferozes, querendo devorar-lhe as carnes, aprisionam-no.
Tudo estava pronto para o desfecho fatal; o barulho dos
atabaques, o som maquiavélico dos gritos das velhas índias, o
grito alucinante dos guerreiros ávidos pela carne doce daquele
branco, previam na alma de Anchieta o desfecho da festa.
Ajoelha-se a encomendar a alma a Deus. Apenas começa a
rezar, em doce êxtase é arrebatado, à vista de todos, muitos metros
de altura. Suspenso no ar fica muito tempo imóvel, com o rosto
inflamado e chamejante qual dum serafim. A fúria dos índios
transmuda-se em devoção e, de joelhos, veneram o “santo”. O
banquete de carnes doces transubstanciara-se em banquete de
devoção religiosa.
Santa Joana D’Arc (1412 – 1431), que foi uma importante
personagem da história francesa, durante a Guerra dos Cem Anos
(1337-1453), quando seu país enfrentou a rival Inglaterra, foi
queimada na fogueira da inquisição e canonizada em 1920, não se
conteve:
Senhor presidente, meu Mestre S. Francisco de Assis, meus
amigos; adoraria saber como esse Anchieta escapou, de fato, das
labaredas dos índios selvagens. Eu já ouvi muitas mentiras na
minha pequena vida, mas isso é demais!

106
Carlos Rosa – 107

- Bravo! É isso aí! Tô contigo, Joana!


O Arcanjo Miguel, presidente do júri, deu uma risadinha pelo
canto da boca, quase imperceptível e fez sinal para que o silêncio
se fizesse presente, sendo mais ou menos atendido, pois santa Joana
d’Arc era tida na mais alta estima por todos, e a sua opinião foi
muito bem recebida por aqueles que se opunham ao acesso do José
de Anchieta à categoria dos santos.
Santo Agostinho continuou:
CARDÁPIO VARIADO – Esta – senhor Presidente – sucedeu no
Estado do Espírito Santos e foi contada, como a anterior, por
Sainte-Foy: – Em vão aqueles indígenas batalharam tantas horas.
Peixe algum o mar lhes oferecia. Enervava-os a fome. Combalia-
lhes as forças, a canseira. Encontra-os Anchieta em amarga
tristeza. Ordena-lhes que retornem ao mar (tal qual Jesus).
Estranham a ordem e embora resmungando protestos por já muito
haverem tentado, retornam à faina das redes. Com eles sobe
Anchieta. Pergunta-lhes o sacerdote: “Que peixe queres tu? E tu?
E tu?...” E assim, em seguida a cada um. Cada qual pediu-lhe o
peixe de sua preferência. “Pois bem – disse – lançai a rede. Tu, à
direita; e tu à esquerda; e tu mais além, e tu ali...” Pouco tempo
depois, enchia-se a barca com incomum quantidade de pescado. E
cada um com o peixe do seu agrado.
Santo Onofre mais uma vez não se conteve e, em meio à
algazarra, disse:
- Desculpe, mestre Jesus, mas a multiplicação dos peixes e dos
pães feitos pelo senhor, parece brincadeira de criança comparado
com esse.
Depois que os ânimos serenaram, Santo Agostinho retomou a
postura e a palavra e disse:
- Senhor Presidente, meus amigos e minhas amigas. Existem
muito mais e se vocês se derem ao trabalho, podem pesquisar na
nossa biblioteca, pois todos estes “portentos” e muitos mais
encontram-se no relatório inicial enviado pelos jesuítas a fim de
transformar Anchieta num santo.

107
108 – Segredos da História do Brasil

Capítulo IX
- Senhor Presidente – continuou o relator – antes de chamar para
depor o “santo” Inácio de Loyola, fundador da Ordem Jesuítica,
queremos deixar bem claro a todos que, o padre José de Anchieta
sempre foi um embuste e nada, absolutamente nada do que dizem e
disseram dele é verdade. Senão, vejamos: – Jovem ainda, dezenove
anos, vai Anchieta para o Brasil desvinculando-se completamente
do seio intelectual da Europa e mais particularmente da famosa
Universidade de Coimbra, onde deu os primeiros e únicos passos
para a cultura. Diz-nos o francês Charles Sainte-Foy, seu biógrafo:
“Feito superior, foi-lhe mister ter uma cela; porém, nada de mesa,
de cama, de cadeira, nem livros...”
- Padre Antônio Franco, seu panegirista, fala do seu nulo
conceito junto à comunidade jesuíta no Brasil, ilustrando-a com o
juízo que dele fizera um confrade quando de sua chegada à Bahia
para ser ordenado sacerdote: – “Um irmão vendo-o curvado, roto,
humilde, com semblante e feições menos airosas, começou a dizer:
‘Que vem fazer cá isto?’ – tendo-o dentro de si por um homem
inútil e de pouca serventia”.
- Pero Rodrigues, seu primeiro biógrafo (Anais da Biblioteca
Nacional, vol. XIX, pág. 34) confirma o depoimento de Franco e
garante que Anchieta não possuía qualquer livro.
- Quando foi nomeado Reitor da Província – senhor Presidente –
tanto os sacerdotes como o povo, recorreram a Roma por ter ele,
Anchieta, limitações intelectuais, um “ludíbrio da ocupação ou
cargo”. O motivo desse recurso aos altos escalões romanos foi a
“incompetência intelectual de Anchieta, que jamais teve curso
regular de estudos e, no Brasil, jamais os fez metodicamente em
qualquer matéria! Mesmo a gramática da língua geral (Tupi-
guarani) que a ele se atribui, foi completada e corrigida por outro!”
Diz o seu biógrafo Paternida que: “Anchieta começou uma gramá-

108
Carlos Rosa – 109

tica e vocabulário desta língua e que o padre Viegas a completou,


ou antes ampliou e concluiu” (Henrique Leal, apontamentos para a
História dos Jesuítas, vol. III, pág. 107/108).
- De tão inexpressiva a figura de Anchieta – senhor Presidente –
que o padre Manoel da Nóbrega, na condição de Provincial, em
suas cartas de 1549 a 1560 deixa por completo de citar o seu nome.
Nem uma vez ele é mencionado.
- Mas, apesar do que os senhores estão ouvindo ou lendo, os
loyolistas com a pretensão de guindá-lo às glórias dos altares,
inventaram um poema “De Beata Virgine Dei Matre Maria”
(sobre a bem-aventurada virgem Maria, mãe de Deus),
provavelmente o mais extenso poema escrito em latim: 5744 versos
que sua prodigiosa memória “decorou e reteve” para sempre.
- Foi em Peroig – hoje Ubatuba, São Paulo – quando se achou
refém e à mercê de silvícolas enfurecidos; não satisfeito com a
catequização dos ímpios e das demoradas meditações, a veia
poética do taumaturgo vibrou mais alto e ele, sem qualquer
instrumento plausível para tal mister (papel e lápis), munido apenas
de um bastão como caneta e das areias da praia como papel,
escreveu e decorou 5744 versos em puro latim, que convenhamos –
senhor Presidente – nem mesmo o mais extraordinário poeta latino,
Virgílio, seria capaz de fazer.

Capítulo X
- E para encerrar este libelo – senhor Presidente – peço que seja
chamado ao plenário o fundador da Ordem dos Jesuítas, o “santo”
Inácio de Loyola – disse com altivez santo Agostinho.
O Presidente expediu a ordem de trazer ao plenário o referido
“santo”, que após alguns minutos adentrou ao recinto com cara de
poucos amigos e desconfiado, como sempre foi do seu feitio. O
presidente pediu que se sentasse no banco destinado às testemunhas

109
110 – Segredos da História do Brasil

e orientou-o de que ficasse calmo e respondesse a todas as


perguntas com clareza e a verdade, ao que Loyola assentou com a
cabeça.
É também escusado dizer que o “juramento” que as testemunhas
normalmente fazem na Terra, é completamente dispensável no céu,
por razões óbvias.
Levantando-se, o Presidente da Comissão Acusatória, São
Francisco de Assis, dirigindo-se à bancada, disse:
- Senhor Presidente, demais membros dessa régia Comissão,
designo para fazer as perguntas ao “santo” Inácio de Loyola, São
Bento de Núrsia.
Burburinho no plenário, pois todos sabiam da rigidez do Patrono
da Europa e da Alemanha. Era irmão gêmeo de Santa Escolástica –
também presente ao evento – e fundador da Ordem dos Benediti-
nos, uma das maiores e mais rígidas ordens monásticas do mundo.
Logo, profundo conhecedor do assunto. Fez-se silêncio sepulcral e
são Bento começou:
- Seu nome de batismo e data de nascimento e localidade.
- Iñigo López, nascido no castelo de Loyola, em Guipuzcua,
Espanha, em 31 de maio de 1491.
- Na sua ficha – mostrando São Bento a ficha a Loyola – diz que
na sua juventude o senhor foi pajem do rei Fernando II, o Católico,
dispersando seu precioso tempo com frivolidades. É verdade?
- Sim, senhor!
- Aqui também diz que, quando a família Cuellar, seus parentes
e protetores caíram em desgraça real, o senhor amparou-se no
duque de Nagera e se fez soldado. É verdade?
- Sim, senhor!
- Na sua ficha consta que o senhor se armou cavaleiro e no
serviço das armas, adotou como sua dama, a rainha Germana,
esposa do rei Fernando II. É verdade?
- Sim, senhor!
- Senhor Presidente – diz seriamente São Bento – se os hábitos
da época exigiam fidelidade à dama dos seus pensamentos, omiti-

110
Carlos Rosa – 111

am-se quanto a pureza dos costumes. Por isso, integrado naquela


torpe sociedade de nobres vilões católicos, o depoente tornou-se
um rapaz de ínfima conduta moral, conforme documentos em meu
poder, distinguida pela devassidão, pelas orgias e pelo
temperamento “manhoso”, “violento” e “vingativo”. Sua indigni-
dade – senhor presidente - levou-o certa feita a praticar um furto e a
deixar um pobre inocente a sofrer o castigo em seu lugar, sem
jamais sentir qualquer remorso. É mentira? Gritou São Bento em
direção ao depoente.
- Não senhor.
São Bento deu uma parada, tirou os óculos e limpando-os
laconicamente, continuou:
- Pelo que aqui está escrito, o senhor sempre quis se tornar um
herói pelas armas, ou seja, ficar famoso, contudo, as oportunidades
pareciam escapar-lhe. Porém – senhor Presidente – em 1521, surgiu
a grande ocasião, e contrariando as ordens do comando de campo,
com um pequeno grupo de soldados, oferece resistência ao exército
francês, entrincheirado próximo de Pamplona. O que aconteceu
nesse fatídico dia?
- Eu fui ferido por uma bala de canhão na perna direita e os
soldados que comigo estavam foram todos mortos.
- E quantos soldados estavam com o senhor?
- Creio que uns 40.
- E o senhor queria fazer frente a um exército de milhares de
soldados com somente 40 elementos?
- Eu pensei que pudesse fazer algo de heroico.
- Na minha ficha – “santo” Inácio – diz que o senhor aguardou
durante semanas a recuperação, e que inconformado com o defeito
que ficara, por ter sido a perna “mal encanada”, quebrou-a
novamente a fim de ser submetido a nova operação. O senhor
confirma isso?
- Sim, senhor.
- Aqui também diz que todas as tentativas de se ver perfeito
fisicamente foram baldadas e o senhor ficou totalmente desaponta-

111
112 – Segredos da História do Brasil

do ao se ver com um membro mais curto. Também diz que se


submeteu a um doloroso aparelho, a fim de estender a perna preju-
dicada, que resultou em absoluto fracasso. O senhor confirma isso?
- Sim, senhor.
- Aqui – senhor Presidente – quero fazer uma ressalva, para
mostrar a todos até onde pode levar a “vaidade” de um homem,
como bem disse o “diabo” no filme “O Advogado do Diabo”,
extraordinariamente interpretado por Al Pacino. Esse elemento –
apontando para Loyola – desapontado e revoltado com o destino,
admitindo-se inapto para concretizar seus ardentes sonhos no
exercício das armas, renunciou-as. E passou a ler a vida dos
“santos”, leitura que na época arrebatava e empolgava os
preguiçosos e os desanimados.
E continuou com a mesma ênfase:
- Não se conformou com o anonimato! Impelido pelas circuns-
tâncias e de imaginação acicatada pelas singularidades e esquisiti-
ces das vidas dos “santos”, trocou a rainha Germana pela virgem
Maria, sua família pela igreja e os guerreiros inimigos, por todos os
adversários do papa. Muito inteligente!
Como Inácio de Loyola não manifestasse qualquer emoção
diante da fala do seu inquiridor, este se dirigindo àquele, perguntou
em tom sério e desafiador:
- Estou falando alguma mentira?
- Não, senhor – disse o depoente.
- No impulso dessa decisão – senhor Presidente – o depoente
lançou bases para a sua companhia. Expoente da corrupta nobreza
espanhola, aceitou o apoio da igreja não menos corrupta em troca
da espada com que a defendia dos hereges.
- Em 1524, de volta de uma peregrinação à Terra Santa, com 33
anos, começou a estudar a gramática de sua língua. Aprendeu
rudimentos de filosofia e noções de teologia. Foi para Paris em
1528 e conseguiu reunir seis discípulos. Esse mesmo grupo –
senhor Presidente – em 1534, na igreja de Nossa Senhora de
Montmartre, fez votos de se consagrar ao serviço da igreja e as suas

112
Carlos Rosa – 113

pessoas à disposição incondicional do Papa, estabelecendo-se assim


a Companhia. E voltando-se para Loyola, perguntou:
- Está correto o que até aqui tenho dito, ou o senhor quer
acrescentar ou reduzir algo?
- Absolutamente certo – disse Inácio de Loyola.
- Depois de instalada a Companhia – senhor Presidente –
entregou-se Loyola a penitência, a jejuns, a flagelações. Pedia
esmolas pelas ruas, rezava de joelhos horas a fio na sofreguidão de
se tornar herói religioso, como em vão havia sonhado tornar-se
herói militar.
- Passando por Veneza, na Itália, recebeu a ordenação
sacerdotal. Homem de limitadíssima cultura – um semianalfabeto –
e de poucas ideias, dispusera-se a substituir o exército das armas
bélicas por sua companhia, a sociedade que com aqueles seis
discípulos criara e que o papa Paulo III aprovara em 1540.
- Veja, senhor Presidente, o que nos diz Diego Lainez, um dos
seis discípulos e seu imediato sucessor: – “Muito poucos dentre os
grandes homens houve que dispusessem de um tesouro de ideias
próprias tão “limitadas” como o fundador da ordem dos jesuítas,
mas que em compensação, raríssimos foram dentre esses os que
souberam tomar as suas ideias tão a sério como ele”.
E dirigindo-se diretamente a Loyola:
- O senhor sabia deste depoimento do seu assessor direto?
- Não, senhor.
- E o que senhor tem a dizer a respeito?
- É engraçado que ele tenha dito isso, pois na minha frente
sempre se mostrou obediente e cumpridor das minhas ordens.
- Creio senhor Loyola, que na realidade ele foi um excelente
aluno seu, pois quando em vida, o senhor assim agiu por centenas
de vezes, ou seja, dizia uma coisa e fazia outra completamente
diferente, e isso se espalhou para todos os seus seguidores até os
tempos atuais, que estão culminando com o chamado Papa
Francisco, o responsável por este inquérito.

113
114 – Segredos da História do Brasil

Neste ponto – senhor Presidente – quero demonstrar a todos os


presentes, mesmo sabendo que a grande maioria o sabe, o que é na
realidade um jesuíta, e para tal, peço que São Tomás de Aquino,
vice-presidente da nossa comissão, que venha até este local e faça a
leitura do juramento dos jesuítas.

O JURAMENTO DOS JESUÍTAS


São Tomás de Aquino dirige-se ao púlpito, com o semblante de
sempre: sério, introspectivo e com cara de poucos amigos.
- Senhor Presidente, iminentes membros da Comissão para os
Assuntos dos Santos, minhas irmãs e meus irmãos. Mesmo que
alguns aludam que este juramento é falso, que jamais se soube que
alguém sofreu qualquer das mazelas que contém, não acreditem.
Aliás, não acreditem em absolutamente nada do que diz um jesuíta.
Sempre que um deles abre a sua boca, está mentindo. Eu disse,
sempre!
- Peço a todos que se mantenham no mais absoluto silêncio, e
que só após o término da leitura do referido juramento, se
manifestem. Vamos a ele:
“EU (fulano de tal), em presença de Deus onipotente, da Bem
aventurada Virgem Maria, do Bem Aventurado São João Batista,
São Pedro e São Paulo, Superior Geral da Companhia de Paulo
III, e continuada até hoje, pelo ventre da Virgem Maria, Mãe de
Deus, e por Jesus Cristo, declaro e juro que sua santidade o Papa
é o vigário de Cristo e o único verdadeiro chefe da igreja católica
ou universal em toda a terra, que em virtude das chaves para abrir
e fechar, dadas a sua Santidade por meio do meu Salvador Jesus
Cristo, tem ele poderes para depor os reis hereges, príncipes,
Estados, comunidades e governos e destruí-los sem crime algum.
Assim, pois, com todas as minhas forças defenderei esta
doutrina e os direitos e os costumes de Sua Santidade contra todos

114
Carlos Rosa – 115

os usurpadores heréticos ou autoridades protestantes, especial-


mente da Igreja Luterana da Alemanha, Holanda, Dinamarca,
Suécia e Noruega, e dos demais ramos da mesma especialidade
estabelecidos na Irlanda ou no continente americano e de todos os
aderentes a quem se considera hereges e usurpadores, inimigos da
Santa Madre Igreja de Roma.
Declaro mais e prometo que não terei opinião e vontades
próprias, nem reserva mental alguma, senão que, como cadáver,
obedecerei incondicionalmente a cada uma das ordens que receba
de meus superiores da milícia do Papa e de Jesus Cristo.
Prometo e declaro que farei, quando se me apresente a
oportunidade, guerra sem quartel, secreta ou abertamente, contra
todos os hereges, protestantes ou maçons, tal como se me ordena
fazer, extirpá-los-ei da face da terra, que não tomarei em conta
idade, sexo ou condição, que enforcarei, queimarei, destruirei,
envenenarei, cegarei, estrangularei vivos a esses infames hereges,
abrirei os ventres das suas esposas e baterei com a cabeça de seus
filhos nas paredes, a fim de aniquilar essa execrada raça.
Que, quando não possa fazer isso abertamente, empregarei
secretamente a taça de veneno, a estrangulação, o aço do punhal,
a bala de chumbo, sem ter consideração à honra, à classe,
dignidade ou autoridade das pessoas, quaisquer que sejam suas
condições na vida política ou privada, tal como me tenha sido
ordenado em qualquer tempo pelos agentes do Papa ou pelo
superior da Irmandade do Santo Papa, Padre da Companhia de
Jesus.
Para isso, consagro-lhe toda minha alma e todas as minhas
forças físicas, e com a adaga que agora recebo, escreverei meu
nome com sangue em testemunho deste juramento; se manifestar
falsidade ou fraqueza em minhas determinações, podem meus
irmãos e camaradas, soldados da milícia do Papa, cortar as
minhas mãos e os meus pés, enforcar-me, abrir o meu ventre e nele
queimar enxofre e aplicar-me todos os castigos que se possam

115
116 – Segredos da História do Brasil

conceber e executar sobre a terra, e que minha alma seja torturada


pelos demônios nas chamas infernais para todo o sempre”.
Tão logo São Tomás terminou a sua fala, é escusado dizer que a
balbúrdia tomou conta do plenário. Todos falavam ao mesmo
tempo e ninguém se entendia. Ouvia-se um dizer:
– Expulsem-no deste sagrado recinto.
Ainda outro:
- Ele não é digno da nossa companhia!
Outro ainda:
- Como pode um elemento desse tipo ter sido feito “santo”?
Expulsem-no!
E, de repente, a uma só voz:
- Expulsem-no! Expulsem-no! Expulsem-no!
O Presidente teve muito trabalho para calar a todos. Batia
insistentemente com o martelo, mas parecia que ninguém ouvia, ou
não queria ouvir. Calmamente, São Bento retomou o seu lugar e
pedindo que todos se acalmassem, retomou a palavra:
- Senhor Presidente, meus amigos e minhas amigas; quero
alertar a todos, que muitos – ignorantes é claro – poderão dizer:
esse juramento é uma mentira, pois não se conhece nenhum caso
em que as pessoas tenham tido os seus ventres abertos, ou alguma
criança tenha a sua cabeça despedaçada, etc., etc., etc. Porém,
senhor Presidente, é bom que se saiba que estamos no século XXI,
onde as coisas estão muito mais serenas, mais calmas, pois a
imprensa nesta época tem muito mais poder do que tinha
antigamente, onde o medo imperava e só se noticiava o que as
autoridades, políticas e eclesiásticas permitiam, sob pena de
excomunhão e até pena de morte, caso insistissem em noticiar a
verdade.
- Se não, vejamos: – Os espanhóis dizimaram os Maias, os
Astecas e os Incas, sempre sob a proteção da igreja, mais
precisamente dos jesuítas, que sempre acompanhavam os
assassinos espanhóis nas suas incursões pelos países americanos.
Em todos os países em que se instalaram, principalmente no Brasil,

116
Carlos Rosa – 117

no Peru, na Argentina e no Paraguai, sempre em nome de Deus e


de Jesus Cristo, esses clérigos fizeram ou autorizavam os soldados
espanhóis a matar, estuprar, degolar, extirpar a todos os ímpios que
se recusavam a seguir os seus ensinamentos. Antes de negar este
juramento, peço a todos os pseudos historiadores que estudem um
pouco mais sobre as incursões espanholas na América, e assim
poderem discordar deste real juramento.
E virando-se para o depoente:
- Santo Inácio, em princípio, o que o senhor tem a dizer sobre o
juramento que os noviços são obrigados a professar quando da sua
entrada na Ordem? Em segundo, foi o senhor que criou este
Juramento?
- Eu vou começar respondendo a segunda questão. Realmente,
fui eu que criei o juramento, e o objetivo era acabar definitivamente
com os inimigos do clero, principalmente os protestantes, os
maçons e os islâmicos, além daqueles que não queriam se converter
ao catolicismo.
- O senhor tem noção de quantas pessoas foram assassinadas por
causa desse juramento? – perguntou São Bento a Inácio de Loyola.
- Creio que mais de um milhão de hereges.
- Não tenho mais perguntas – disse São Bento – dirigindo-se à
mesa da congregação.
- O senhor está dispensado – disse o Presidente a Inácio de
Loyola.
Palavras ecoaram por todo o plenário:
- Fora! Fora! Fora!

ÚLTIMO CAPÍTULO
Santo Agostinho retoma a palavra:
- Senhor Presidente, demais membros desta egrégia
Congregação, meus amigos e minhas amigas. E por todos os moti-

117
118 – Segredos da História do Brasil

vos ora expostos, nós, legítimos doutores e santos da Madre


Igreja Católica, consideramos o “novo santo” José de Anchieta,
canarino de nascimento, INAPTO para o cargo, solicitando a todos
os órgãos desta Congregação, que impeçam o ingresso do referido
nesta Congregação.

Ass:...........................................
...........................................
..................................etc., etc., etc.

118
Carlos Rosa – 119

O BRASIL
COLONIZADO
PELOS
HOLANDESES

O mundo é um mercado onde tudo tem o seu


preço; e tudo que compramos com nosso tempo,
com o nosso trabalho ou com a nossa habilidade,
seja riqueza, prazeres, fama, honestidade ou
saber, devemos aproveitá-lo com decisão, e não
fazer como as crianças que, quando lhes
compram aquilo que queriam, arrependem-se e
choram desejosas de outras coisas.
- Mathews

119
120 – Segredos da História do Brasil

- Nunca, se os holandeses tivessem colonizado o Brasil, isto


seria uma maravilha!
- Que nada, cara! Você é louco.
- Por quê? Você acha que é melhor como está?
- Claro!
- Você está bêbado; os portugueses só fizeram roubar nosso
ouro. Taí, você que defende a colônia me diz: quem está melhor,
Portugal ou Holanda?
- Isso não tem nada a ver com a colonização do Brasil.
- Como não?
- Claro que não; são fatos completamente distintos.
- Que nada; são fatos bem pertinentes.
Com algumas pequenas diferenças, foi isso que ouvi há alguns
minutos atrás, quando parei no bar da esquina a fim de tomar um
Campari antes do jantar, como faço costumeiramente.
Os homens falavam em altos brados e ambos pareciam ter razão.
Uma pequena plateia assistia sem interferir.
Lembrei-me da minha juventude, onde passava horas intermina-
veis debruçado nos livros e cadernos de história, a matéria que mais
detestava, pois os professores queriam que eu “decorasse” nomes,
datas e fatos, o que, convenhamos, é horrível, para não dizer coisa
pior.
É escusado dizer que a discussão não chegou a bom termo, pois
ambos os debatedores “pareciam” ter certeza do que diziam, e não
abriam mão das suas teses, e como ninguém interferiu, as opiniões
dos debatedores continuaram sem solução.
Raciocinei: – um dos dois está errado! Qual?

120
Carlos Rosa – 121

Hoje não sou mais o adolescente de outrora, tenho 47 anos,


trabalho como técnico em eletrônica numa empresa multinacional e
ganho razoavelmente para manter a família, composta de esposa e
duas filhas. Casei tarde, 32 anos. Curti bastante. A filha mais velha
está com 13 anos e a outra 10. Minha esposa tem um pequeno
negócio de venda de bijuterias, a fim de auxiliar no orçamento
familiar. Em suma, somos felizes com o que temos.
Sim, mas o que você tem com isso? Que loucura! Comecei
falando da discussão de dois homens acerca da colonização do
Brasil e estou falando da minha família. Vamos voltar ao debate.
Enquanto tomava meu aperitivo e depois, já me dirigindo para
casa, pus-me a pensar que devia haver milhões de pessoas como eu
que não sabiam os benefícios e malefícios de termos sido
colonizados por portugueses e não por holandeses.
Em princípio, já que matemática é o meu forte, deduzi: entre
frequentadores e atendentes, estavam no recinto 19 pessoas, sendo
16 fregueses, o dono do bar e dois garçons. Dois homens discutem
sobre um determinado assunto; dezessete ouvem; se soubessem
algo sobre o assunto, interfeririam! Dedução: somente 10,5 por
cento das pessoas tem opinião formada sobre o assunto. Bem,
opinião formada não quer dizer que estejam certas! Um dos dois
está errado.
“Estas mal traçadas linhas” – estão sendo escritas duas horas
após o debate a que me referi, e se por acaso alguém vier a ler isto,
peço imensas desculpas, pois que jamais tive e provavelmente
venha a ter pretensão de ser escritor, principalmente de história,
mas estou resolvido a desvendar esse grande mistério. A partir de
amanhã, começarei a comprar livros e pesquisar na Internet tudo
sobre o assunto, ocupando o tempo que tenho ocioso, pois que com
a nova lei trabalhista, somente trabalho seis horas diárias, ficando o
restante do tempo livre para ver televisão, jogar sinuca, tomar uns
tragos com os amigos, ou qualquer outra coisa que sirva para passar
o tempo. Um vidão!

121
122 – Segredos da História do Brasil

A minha ideia é estudar tudo sobre os holandeses no Brasil e


depois tentar traçar um paralelo com o que os portugueses nos
legaram.
Tão logo cheguei a casa, comentei o fato com a minha mulher e
filhas, e todas ficaram muito entusiasmadas com a ideia,
prometendo toda a ajuda possível.
No dia seguinte, por coincidência era sexta-feira, e em vez de
trabalharmos até às 16 horas como normalmente acontece, o
expediente encerrou-se às 12, pois ninguém é de ferro e a
“lourinha” já estava nos esperando no bar da esquina.
Que loucura! Mais uma vez me desviei do assunto holandeses e
falei bobagem. Me desculpe – não tornará a acontecer.
Como disse anteriormente, comecei a escrever este relato
aproximadamente duas horas após ter ouvido os dois homens
discutirem; porém, este durou algumas semanas a ser escrito, pois
além da complexidade do assunto, a minha experiência como
historiador e principalmente como escritor não é das melhores.
Acredite, foi um grande lance. Durante todo o estudo, nossa
família pela primeira vez esteve realmente unida e nenhuma
discussão ou qualquer tipo de desentendimento houve em nossa
casa, a não ser por razões estritamente didáticas, pois que cada um
tomou para si o encargo de pesquisar, escrever e dissertar sobre um
determinado capítulo da invasão dos holandeses no Brasil.
Ah! É importante frisar que ao longo deste trabalho, a televisão
somente foi ligada no horário do telejornalismo, sendo vetado
qualquer programa, inclusive novelas.
Por volta das três da tarde dessa sexta-feira, dirigi-me a uma
livraria das mais conceituadas da cidade, e um gentil balconista
atendeu-me com um belo sorriso:
- Boa tarde, posso ajudá-lo?
- Boa tarde – respondi. – O senhor tem algo sobre a ocupação
holandesa no Brasil?
- Como?

122
Carlos Rosa – 123

- Senhor, eu gostaria de saber quais os livros que sua livraria


tem sobre a invasão e ocupação dos holandeses em nossa terra.
- O senhor sabe o nome dos livros, ou pelo menos dos autores?
- Que livros? Que autores? Respondi rispidamente.
- O senhor sabe pelo menos a editora?
- Estou em apuros, pensei. Em princípio a coisa parecia que ia
ser fácil. Após respirar duas ou três vezes e recuperar o meu bom
humor, indaguei o vendedor com um sorriso:
- Meu amigo, eu gostaria que me ajudasse: eu não entendo nada
de história, mas estou curioso sobre esse assunto e, sendo assim,
recorro ao senhor para me ajudar.
- Sinto muito! Nós não trabalhamos assim – disse secamente.
- E como é que vocês trabalham? Perguntei já um tanto irritado.
- Ou o senhor dá o nome do livro, ou o nome do autor, ou em
último caso, o nome da editora – disse sarcasticamente.
Já a ponto de explodir, perguntei também sarcasticamente:
- Será que na sua livraria não existe alguém culto? Ou melhor,
desculpe-me, que entenda de história?
- É possível. André...
- Sim!!!
- André, este senhor quer lhe falar.
- Pois não...
Era uma verdadeira “boneca”, mas, enfim...
- Meu amigo – disse – o senhor sabe se a casa tem alguma coisa
acerca da invasão e ocupação dos holandeses no Brasil?
- Claro! Que livro o senhor pretende?
- Eu não sei meu amigo; eu gostaria que o senhor me ajudasse a
escolher.
- Sinto muito, nós não trabalhamos assim. E concluiu: – Posso
lhe ajudar em qualquer outra coisa?
- Não, muito obrigado – disse secamente – e saí completamente
decepcionado da livraria, mas, não sou homem de desistir no
primeiro obstáculo.

123
124 – Segredos da História do Brasil

Dirigi-me a outra livraria e assim que o balconista se aproximou


aparentemente gentil, fui logo perguntando secamente:
- Posso falar com o gerente?
O rapaz um tanto surpreso com a minha pergunta, indicou-me
um elemento, nem velho nem novo, que estava sentado no fundo da
loja e atendia a uma senhora, pretensa cliente.
Após disfarçar por alguns instantes, fingindo ler os títulos dos
livros expostos, tão logo a senhora se levantou, dirigi-me ao
gerente que me recebeu friamente:
- Sim...
- Boa tarde – disse e acrescentei: – o meu filho está querendo
fazer um trabalho acerca da invasão e colonização holandesa na
nossa terra, e o senhor sabe como é, já faz algum tempo que saí da
escola... o Google traz alguns artigos sobre o assunto, mas muito
superficialmente e me disseram que a sua livraria era a melhor da
cidade; será que pode me ajudar?
- É possível – disse com um leve sorriso matreiro, e acrescentou:
– O senhor tem alguma referência?
- Nada – respondi secamente.
- Um momento.
Levantou-se e dirigiu-se a um compartimento lateral que não
havia notado e demorou-se uma eternidade. Estava impaciente; por
que tanta demora? Será que o infeliz me tinha esquecido? Ou
melhor, ele foi embora me deixando ali, como um imbecil? Ei-lo!
- Meu amigo – disse – desculpe-me a demora; se o seu filho
quiser fazer um trabalho sobre tão palpitante assunto, além da
Internet, terá de ler e estudar todos estes livros.
E passou-me uma relação de vários títulos e autores, muito bem
escritos.
- O senhor tem todos estes livros? Perguntei.
- Nenhum.
- Como? O senhor não tem nenhum? Disse esbravejando.
- Calma. O senhor os encontrará no SEBO.
- No SEBO?

124
Carlos Rosa – 125

- Exatamente! Esses são os livros mais recomendados sobre esse


fantástico assunto, porém, todos têm edições esgotadas. Não há
interesse em reeditá-los, compreende? E continuou: – A nossa
história, meu amigo, está cada dia mais deturpada e nada se faz
para resgatá-la. Os grandes livros, dos grandes autores estão
esgotados e somente uns poucos sabem a verdade. Uma vergonha!
Na Internet o senhor pode até conseguir um ou outro, mas é muito
difícil, pois não existe muita gente interessada no assunto. Se fosse
um livro de algum desses vigaristas que existem por aí, que
prometem felicidade, riqueza ou um lugar no céu, como do padre
Marcelo Rossi, do Edir Macedo ou outro de igual valor, com
certeza já estaria à disposição, mas como é sobre a nossa pobre
história...
- Eu estou perplexo – disse – e acrescentei: – como podem as
editoras manipular os dados e fatos históricos, e ninguém, ou
melhor, nada se faz para dar fim a esse descalabro?
Mas o gerente continuou:
- O senhor me parece alheio a esse problema, não é verdade?
Mas faça isso: procure esses livros no SEBO e com certeza seu
filho fará um excelente trabalho sobre o assunto. Passe bem.
Olhei para o papel timbrado da livraria e li:
1º QUANDO O BRASIL AMANHECIA (Alberto Rangel);
2º MAURÍCIO DE NASSAU – O BRASILEIRO (Vicente
Themudo Lessa);
3º TERRA DE SANTA CRUZ (Viriato Corrêa);
4º O PAÍS DO PAU DE TINTA (Viriato Corrêa);
5º HISTÓRIA DO BRASIL (Frei Vicente do Salvador);
6º CAPÍTULOS DA HISTÓRIA COLONIAL (Capistrano de
Abreu);
7º HISTÓRIA DO BRASIL (Henrique Handelman).
Sem perda de tempo, dirigi-me a uma das citadas livrarias e
mostrei a lista que trazia ao livreiro, homem idoso e de aspecto
taciturno.

125
126 – Segredos da História do Brasil

Sem dizer uma única palavra, o homem caminhou em direção a


uma estante no fundo do estabelecimento e retirou dali alguns
volumes que em seguida depositou à minha frente, dizendo:
- Infelizmente o Lessa e o Capistrano só poderei lhe entregar
daqui a uns 5 dias, pois tenho de pedir à matriz em São Paulo; o
restante está tudo aí; pode conferir.
Depois de passar em revista os títulos e os autores, sempre com
o homem a me fitar, perguntei:
- Quanto custa todos estes livros?
Ele pegou uma pequena máquina de calcular e após algumas
operações, disse calmamente:
- Um pelo outro, sai por R$ 400,00; os cinco são R$ 2.000,00.
- Dois mil Reais por cinco livros velhos? Disse.
- Velhos? – esbravejou o comerciante – e continuou: – O senhor
sabe quanto custa uma primeira edição de qualquer desses livros de
sua lista? E continuou enfático, passando a dar-me uma aula sobre
o valor e a importância das obras que buscava.
- Muito bem, muito bem, disse – mas o senhor deve convir que,
nos tempos atuais com o salário mínimo a R$ 937,00...
- Ora, meu senhor, quem quer comer bem tem que pagar! O
senhor está querendo o melhor – o melhor custa caro, compreende?
E continuou: – Eu não sei quem lhe deu essa lista de obras, mas
quem o fez, sabia bem o que estava fazendo, isso eu garanto. Para
que o senhor quer todos esses livros? Acrescentou.
Menti mais uma vez. – Meu filho, sabe, o professor exigiu um
trabalho profundo sobre os holandeses no Brasil e forneceu estes
livros como referência.
- Grande professor, esse do seu filho! Escolheu o que há de
melhor. – aludiu o livreiro fazendo uma cara de satisfação.
Nesse momento, entrou outro cliente na livraria e o livreiro
deixou-me só com minhas reflexões e ponderações:
- Onde fui me ter – disse por entre os dentes e esperando o outro
cliente ser atendido. Quando este saiu, perguntei em tom
suplicante:

126
Carlos Rosa – 127

- Pagando à vista tem algum desconto?


- O senhor vai pagar no cartão, no cheque ou dinheiro?
- Cheque especial – disse.
- Muito bem; diga-me, o senhor pretende levar também os livros
faltantes?
- Se for compensador, sim – disse altaneiro.
- Ótimo, nesse caso vou lhe dar 20% de desconto em todos os
livros. Está melhor assim? – concluiu.
- Sem dúvida. Apesar de que a minha mulher nem deve sonhar
quanto paguei por estes livros. Rimos a valer com essa minha frase.
Após entregar o meu cartão com o meu telefone para que tão
logo chegassem as demais brochuras eu fosse informado, o comer-
ciante esmerou-se em fazer um lindo pacote com os cinco volumes,
perguntando-me por fim:
- O senhor quer nota fiscal?
- Sim – respondi. – é para o imposto de renda, sabe...
- Claro! Claro! – disse com um sorriso matreiro, o velho livreiro.
Não fui direto para casa, pois como já disse anteriormente, era
sexta-feira e o grupo de amigos já estava me esperando a fim de
fazermos um joguinho de sinuca, coisa trivial nesse dia.
O pacote chamou a atenção do pessoal, mas consegui me sair
bem da interpelação, alegando tratar-se de livros das minhas filhas;
livros de culinária e decoração.
Até agora não sei por que menti! Acho que é vício.
Depois do café, pela manhã de sábado, a família reunida,
desembrulhei o pacote e tanto minhas filhas como minha mulher,
ficaram muito satisfeitas com a minha aquisição (claro que nem
sonhavam com o que paguei), lamentando somente, que não tivesse
conseguido todos os volumes que necessitava. Após minhas
explicações sobre o caso, todas se puseram a folhear os volumes e a
fazer infinitas perguntas que, evidentemente, não tinha a menor
noção das respostas.
Depois de demorada discussão, chegamos à conclusão que, o
mais acertado era que cada um de nós lesse um livro e depois este

127
128 – Segredos da História do Brasil

seria narrado e eu tentaria resumir e transcrever para o papel,


traçando assim, o perfil dos nossos invasores e a parte mais
importante: o paralelo entre portugueses e os holandeses, motivo
primordial deste.
Distribuímos as tarefas: fiquei em princípio com o maior
volume: “História do Brasil” de Henrique Handelman, que me
pareceu o mais extenso e o mais complicado; minha mulher gostou
do nome e, por isso, coube-lhe “O País do Pau de Tinta” de Viriato
Corrêa, a minha filha mais velha a Internet e o livro “História do
Brasil” de Frei Vicente do Salvador, e a mais nova o outro livro de
Viriato Corrêa, “Terra de Santa Cruz”. Deixamos temporariamente
de lado o “Quando o Brasil Amanhecia” de Alberto Rangel, que vai
ser estudado juntamente com os dois faltantes.
Naquele momento, nossas vidas transformaram-se; durante
semanas lemos, discutimos, escrevemos, copiamos, dialogamos,
enfim, eu nunca poderia imaginar que nossas vidas fossem sofrer
tamanha transformação, e para melhor.
As páginas a seguir foram a síntese do que lemos nos sete
volumes citados, mais as pesquisas no Google, pois que, após uma
semana, o gentil livreiro do SEBO ligou para casa informando da
chegada dos volumes faltantes, e que foram igualmente
“deglutidos” como os demais.
Antes de passar à narrativa propriamente dita, quero deixar bem
claro a você que, em princípio eu não acredito em nada que me
dizem ou leio. Eu explico: a frase que mais gosto é: “E
conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” – a Bíblia,
João, 8:32. Logo, se após a leitura dos feitos dos holandeses e
portugueses em nossa terra não o convencerem, faça como nós
fizemos, procure se certificar da “verdade”, e assim poderá discutir
melhor este assunto que já deu e continuará a dar “muito pano pra
mangas”.
Depois de dois dias de estudo, quando estávamos reunidos na
sala para discutir sobre o que havíamos aprendido sobre o assunto,

128
Carlos Rosa – 129

a minha filha mais velha, a Christina que estava encarregada de


pesquisar o assunto na Internet, disse:
- Vocês sabiam que nós já fomos colônia da Espanha?
- Como é que é? – disse a minha esposa.
Como já disse anteriormente, eu sempre fui muito fraco em
história, mas já havia lido algo por cima, mas confesso, não me
lembrava mais. Por isso, também disse:
- O Brasil foi colônia da Espanha? Quando? – conclui.
- Entre 1580 e 1640, ou seja, durante 60 anos. E acrescentou: –
e, acreditem, foi durante esse período, que os holandeses nos
invadiram, logo aconselho um estudo sobre o assunto para que
possamos entender melhor a situação.
Bem, já que contra fatos não há argumentos, decidimos estudar
um pouco sobre esse período em que estivemos sob o domínio de
Madrid.
Peço desculpas por este desvio, mas é de fundamental
importância para compreender melhor a invasão holandesa no
Brasil, que falemos do período em que estivemos sob o domínio da
Espanha – de 1580 a 1640.

O BRASIL SOB O DOMÍNIO DA ESPANHA


(1580 – 1640)
Foi em 1580 que Portugal e todas as suas colônias caíram sob a
soberania do rei da Espanha. Havendo falecido o cardeal D.
Henrique, último filho de D. Manuel, que sucedera em 1578 ao
malogrado D. Sebastião, o trono português foi disputado por alguns
pretendentes, dentre os quais, o mais forte era Felipe II que, por
parte de sua mãe, era neto de D. Manuel – O Venturoso.

129
130 – Segredos da História do Brasil

A anexação do reino, é claro, se fez sob imensos protestos dos


portugueses, protestos esses facilmente abafados pelos exércitos
espanhóis, sob o comando do duque de Alba.
A grande expansão que Portugal teve por mais de um século,
trouxera como consequência o enfraquecimento do seu poder
político e o grande vácuo que se instalou em seguida ao seu período
de mais vivo esplendor.
O domínio da Espanha aprofundara ódios antigos no coração
dos portugueses e, conquanto tivessem de se submeter à força, a
alma nacional não se deixou matar pelo despotismo estrangeiro.
Tanto assim que, no primeiro instante em que as circunstâncias o
permitiram, a ressurreição da pátria se operou sob os delírios de
todo o povo, que parecia ter vivido dessa esperança durante
sessenta anos.
Em regra, os historiadores portugueses se referem com amargura
ao período em que esteve o reino sujeito à tirania dos Felipes.
Naturalmente, a situação a que se viram, reduzidos a vassalos da
coroa vizinha, a antiga rival na conquista dos mares, e sofrendo a
prepotência dos agentes espanhóis, não era de certo a mais própria
para consolar os portugueses do declínio de sua fortuna.
Enquanto o velho Portugal empobrecia, esmagado por tributos e
aviltamento, reduzido quase à condição de simples província do
vasto império espanhol, o espírito de nacionalidade parecia
ressurgir daquele eclipse em outro hemisfério. Foi o Brasil o
refúgio, por assim dizer, da alma portuguesa naquele doloroso
momento. Pelos fins do século XVI começou a fazer-se um
verdadeiro êxodo para o Brasil. Até então, quase todos os que
vinham para a América eram aventureiros, atraídos pelas notícias
de riquezas fáceis. Tais elementos, em regra, não se fixavam: eram
ondas que se sucediam sem deixar aqui vestígios, a não ser o das
devastações.
Uma curiosidade um tanto infantil talvez possa nos ser altamente
reveladora. Afinal, o adjetivo pátrio, aquele que nos indica origem ou
procedência de alguém, geralmente se expressa pelos sufixos ense ou

130
Carlos Rosa – 131

ês ou, ainda iano. Assim, temos o francês, o português, o inglês entre


tantos. Ou ainda, o italiano, o peruano, o venezuelano, equatoriano
entre outros tais. Há ainda outras variações, como o paraguaio o
guatemalteco, que nos parecem muito originais e para os quais não
encontramos paralelo. O mesmo se passa com brasileiro. Embora os
franceses nos chamem bresilien, os ingleses brazilian e os italianos
brasiliano, nós, insistimos em nos chamar brasileiros usando esse
sufixo eiro que não se aplica a nenhum outro adjetivo pátrio.
A palavra brasileiro designava, no período colonial, aquele que
vivia de explorar e fazer comércio com o pau-brasil, madeira de cor
de brasa de grande valor comercial à época. O sufixo eiro, nesse caso,
tem, entre outras funções, a de assinalar uma ação, uma função, uma
profissão como em madeireiro, mineiro, pistoleiro, grileiro ou
garimpeiro. Logo, a verdade é que o nome brasileiro designava aquele
que vinha para o Brasil para explorar (explorador, ladrão). Agora você
compreende o porquê de “certas coisas” que existem neste país?
A partir de 1580, porém, começaram a emigrar, do reino para as
colônias, e principalmente para o Brasil, os melhores elementos.
Dir-se-ia que, tornando-se um povo submisso na Europa, os
portugueses continuavam a entender que o Brasil era sempre a sua
antiga colônia, um pedaço da mãe-pátria sobrevivente neste lado do
Atlântico, onde não reinava o domínio dos Felipes. Assim, esta
terra ficou sendo um asilo seguro, aberto a todos os que se sentiam
oprimidos pela prepotência da Espanha.
Tanto da península como dos Açores, da Madeira, das Ilhas
Cabo Verde, vinham numerosas famílias para o Brasil, convencidas
de que encontrariam aqui a velha pátria viva e renascente.
O governo de Madrid não compreendeu a situação da vasta
colônia e, por isso mesmo, tratou os interesses do Brasil com total
indiferença, não enviando imigrantes espanhóis para contrabalançar
a presença do elemento português e, pior ainda, foi ao ponto de
abandonar o país aos assaltos e à invasão de estrangeiros. Até 1640,
durante sessenta anos, o Brasil manteve vivo o sentimento de

131
132 – Segredos da História do Brasil

nacionalidade e permaneceu em colisão armada e tremenda com os


intrusos, dando provas, portanto, do vigor com que sabia se
defender.
Quando chegamos nesta altura dos estudos, a minha esposa – a
Glória – se manifestou:
- Pessoal, isto é muito interessante, mas creio que estamos nos
desviando do assunto.
Todos concordaram. Acrescentei:
- Muito bem, vamos dar uma parada no assunto (o Brasil sob o
domínio da Espanha). Acho que já dissemos o bastante. Se alguém
quiser saber mais, é só ir à Internet ou então comprar livros sobre o
assunto. Algum comentário? – perguntei.
Todas disseram que não e continuamos a estudar e a escrever
exclusivamente sobre os holandeses e suas incursões e invasões na
nossa pátria.

O MEU CUNHADO
Acordamos cedo para um domingo – 8 horas. A Glória preparou
o café auxiliada pela Fabiana – a filha mais nova. A conversa, é
claro, versou sobre os holandeses no Brasil. Aliás, esse era o nosso
único assunto havia mais de quinze dias.
Quando a família está em paz, unida e com um propósito defini-
do, parece que o tempo passa mais rápido e com melhor qualidade.
Terminamos o café por volta das 9:30 horas, mais porque fomos
despertados pelo barulho da campainha da porta.
- Quem será a esta hora? – perguntou a Glória.
- Só pode ser o teu querido e amado irmão; querido sim e amado
nem tanto – acrescentei sarcasticamente.
A Glória me olhou de soslaio e foi atender à porta.
- Ora, ora, vocês por aqui tão cedo?
Virei-me para as filhas e disse:

132
Carlos Rosa – 133

- Eu não disse? E completei: – acabou o nosso domingo. As


meninas riram disfarçadamente para que a mãe e as “visitas” não
percebessem.
- Bom dia, meninas; bom dia cunhado – disse alegremente o
André, meu cunhado, que chegou com a esposa – a Célia – que
também saudou as meninas e a mim. Aliás, ela era muito educada,
mas um tanto tímida. Talvez a timidez fosse provocada pela
estranha irreverência do marido.
- Eu disse “irreverência” ou ignorância? Deixa pra lá!
- Chegamos na hora certa! Ainda não tomamos café – disse
alegremente o “irreverente”.
A Glória colocou mais duas xícaras, pão, mais queijo, manteiga
e geleia, e ficamos ali jogando conversa fora, até que o dito cujo
vislumbrou alguns livros sobre o armário, e perguntou:
- Que livros são aqueles?
Eu ia dizer que eram da escola das meninas, mas a Fabiana –
inocente – adiantou-se:
- É que estamos estudando sobre a invasão holandesa no Brasil e
os livros são sobre esse assunto.
- Quem está estudando? – perguntou admirado o intruso.
- Todos nós – respondeu a Fabiana.
Você, amiga ou amigo leitor, tem alguma ideia do que
aconteceu a seguir? Com absoluta certeza, não! A primeira coisa
que o infeliz disse, foi: – E desde quando vocês estendem alguma
coisa de história?
É importante frisar que aos 46 anos, André ainda morava com a
mãe (numa casinha de dois quartos no fundo do quintal da casa da
velha). Nunca estudou, ou melhor, fez o ensino fundamental (não
sei como). Fez de tudo na vida, desde camelô – vendendo frutas,
passando por garçom, lavador de carros, pintor de paredes, servente
de pedreiro... Atualmente estava trabalhando como vendedor de
carros usados na agência de um sobrinho na periferia.

133
134 – Segredos da História do Brasil

A esposa, 15 anos mais nova que ele, bonita e bem feita de


corpo, era caixa em um supermercado. Não tinham filhos; ele era
estéril.
Ante a alusão de que não entendíamos nada de história,
perguntei:
- Por acaso você sabe alguma coisa sobre a invasão dos
holandeses no Brasil?
- Tudo!
- Legal tio – disse Christina entusiasmada – e concluiu: – o
senhor vai nos ajudar.
- O que é que você quer saber sobre isso? – perguntou meu
cunhado.
- A discussão – disse a Glória – é saber se nós, brasileiros,
teríamos sido mais felizes se fôssemos colonizados pelos
holandeses em vez dos portugueses.
- Só isso? – disse o infeliz – e acrescentou: – com toda a certeza
estaríamos muito melhores se os holandeses fossem nossos
colonizadores.
- Baseado em que? – perguntei com ar de interrogação.
A resposta foi fantástica:
- Qualquer criança sabe disso. Só você não sabe – acrescentou.
Entreolhamo-nos – eu, minha esposa e as filhas – e disse:
- Nos convença.
- É fácil! – disse, e continuou: – quem está melhor, Portugal ou a
Holanda?
Claro que o resto do dia foi um desastre: falamos de futebol, de
assassinatos, roubos, de políticos corruptos, entre outros de igual
valor, pois entre os assuntos que o André mais gosta, está a
violência, a corrupção e o enriquecimento ilícito.
Eu não vou detalhar tudo o que aconteceu, mas como sei que
você é inteligente, não vai ter muita dificuldade em descobrir.
Foram embora depois das 21 horas, após o jantar.
Tomei um banho de ervas (arruda, espada de S. Jorge, guiné,
quebra demanda, palha de alho, espinheira santa e sal grosso) e fui

134
Carlos Rosa – 135

dormir, pois parecia que tinha acabado de correr uma Maratona.

OS HOLANDESES NO BRASIL
Não nos cabe, nem mesmo é de nossa competência, descrever
como foi a invasão da Bahia, de Pernambuco, do Maranhão ou de
qualquer outra localidade que por ventura os holandeses tivessem
se apossado; nosso intuito é tão somente o que os mesmos fizeram
após se instalarem como senhores da terra. Tentaremos ser o mais
imparcial possível e com absoluta certeza, traçaremos nestas linhas
os pensamentos e os estudos realizados pelos escritores anterior-
mente citados, e que se não são do agrado de todos, com certeza o
são da maioria. Ficou claro? Vamos aos fatos.
Falso é o que alguns escritores pensam e dizem dos holandeses
em relação aos povos ibéricos, mais precisamente com respeito a
Portugal.
O contrário sim: a função do holandês na história daqueles
grandes dias está longe de comparar-se à dos portugueses, pois
enquanto este criava, como a causa suprema para a Europa naquele
tempo, a expansão do espírito ocidental por todo o mundo, o que é
que a Holanda fazia?
Construía diques, cuidava da sua economia doméstica e
observava! Principalmente, observava.
Esperou o momento oportuno para sair da sua “toca” e disputar
aos heróis dos descobrimentos (os portugueses) os proveitos e
vantagens da obra realizada.
Tal qual aves de rapina, armaram-se de todas as maneiras e
iniciaram, instigados pela fortuna fácil, o trabalho de invadir as
possessões portuguesas já consolidadas e recolher os despojos.
Não tem, portanto, o direito de ser considerados como
pregoeiros e defensores de um princípio que foram os primeiros a

135
136 – Segredos da História do Brasil

desmentir, começando espertamente pelo tráfico, não só de


escravos, mas também de açúcar, de pau-brasil, ou de qualquer
outra coisa que lhe caísse na mão.
Daí para o corso (corsários, piratas), foi um “pulinho”. Armados
com navios roubados aos espanhóis e portugueses – sendo estes
últimos os maiores construtores de então – com a marinhada quase
sempre mercenária, criaram formidáveis quadrilhas marítimas que
enriqueceram cidades e grandes casas holandesas, até que acaba-
ram usurpando desafrontadamente o que a outros custara trabalho e
sacrifício, tudo isso com a aquiescência do governo déspota e
sanguinário holandês.
De pescadores, fizeram-se marinheiros de alto mar; de simples
mercantes, passaram ao corso, logo à pirataria, ao roubo
desenfreado; até que, sentindo uma exagerada confiança no destino,
apossaram-se pela força de terras que outros haviam descoberto e
colonizaram.

AS PRIMEIRAS EXPEDIÇÕES

Oliver van Noort


A primeira expedição holandesa à nossa terra deu-se em 1599. A
pretexto de explorações e comércio, a armada comandada por
Oliver van Noort desce a costa brasileira. É recebido hostilmente
no Rio de Janeiro, São Vicente e Espírito Santo.
Já pirata consagrado, van Noort, após perder um dos seus navios
em São Vicente, não teve alternativa a não ser seguir para o estreito
de Magalhães à procura das costas do Pacífico.

136
Carlos Rosa – 137

Almirante Leynssen
No mesmo ano (1599), a Bahia (Salvador) foi assaltada por sete
navios da esquadra de Leynssen. Estes navios faziam parte da
formidável esquadra de Piter van der Does, de setenta navios e que
não dissimulava os seus intuitos nos mares da América.
Mesmo sem as vantagens do assalto às povoações, só a captura
de barcos pela costa e pelas baías indefesas, já assegurava aos
piratas, pelo menos, lucro certo e grosso.
Cientes do êxito das expedições que garantiam opulentos lucros
nos mares da América, não tinham os holandeses razão alguma
para abrandar seu ímpeto contra as colônias portuguesas – quase
sempre desprotegidas, ou então mal policiadas.

Paulo van Caarden


Em 1604, nova quadrilha, capitaneada pelo pirata Paulo van
Caarden e composta também por sete navios, invade o recôncavo
baiano, apressando e incendiando embarcações, e só não
desembarcou por que encontrou forte resistência dos habitantes
locais, avisados das incursões dos batavos em outras localidades da
Bahia.
Desenfreou-se de tal modo a pirataria nos mares e por toda a
costa até o Amazonas que – diz Varnhagem – durante o ano de
1616, tomaram os holandeses vinte e oito navios de carreira do
Brasil. E para se ver como crescia espantosamente aquele negócio
(pirataria) com que a Holanda se enriquecia, basta notar que em
1623, já o número de navios apressados (aprisionados) no mar e
nos nossos portos ascendia a setenta.
Tudo estava claro; o alvo principal dos holandeses era com
certeza o Brasil.

137
138 – Segredos da História do Brasil

A INVASÃO DA BAHIA
Pelos fins de 1623, estava equipada uma poderosa frota de vinte
e seis navios, montando quinhentas bocas de fogo, sob o comando
em chefe de Jacó Willekens, tendo como vice-almirante, o temível
Pieter Heyn. A guarnição era de 3300 homens, sendo 1700 de tropa
de terra, às ordens do coronel Johan van Dorth, que também seria o
governador da conquista.
A 9 de maio de 1624 pela madrugada, os navios transpuseram a
barra e sob o comando de Pieter Heyn, tomaram posição defronte à
praia (hoje praia da Barra) onde deviam desembarcar. A cidade foi
facilmente conquistada, como todos já devem saber, e só o
governador ficou em seu posto com alguns oficiais.
Antes de tudo, os invasores trataram de recolher os fartos
despojos daquela fácil vitória. Além de dinheiro, de objetos de ouro
e prata, de mobiliário, de alfaias das igrejas (é importante frisar que
TODAS as igrejas existentes, foram completamente saqueadas e os
padres proibidos de dizer missa, assim como os moradores de
frequentá-las, e aqueles que desobedeceram tais ordens, foram
sumariamente assassinados), etc., arrecadaram grande quantidade
de mercadorias, tanto dos armazéns e casas de comércio, como das
embarcações que se achavam no porto, carregando-se logo vários
navios que partiram apressadamente para a Holanda sob o comando
de Willekens.
Nem só do que havia na cidade e no porto se aproveitaram os
invasores: durante alguns meses foram apreendendo barcos
mercantes que, nada suspeitando daquela mudança (não havia
telefone, Internet ou qualquer meio de comunicação), entravam na
baia certos de serem bem recebidos, como já era costume.
Tudo isso era rapina oficial; isto é, a que se fazia por conta da
empresa, sem falar, também, do saque com que se premiou o
“heroísmo” da soldadesca.
Durante o ano que permaneceram os holandeses na cidade do
Salvador, nada, absolutamente nada, fizeram em prol da cidade,
limitando-se unicamente a viver dos frutos da rapinagem e a guer-

138
Carlos Rosa – 139

rear com os da terra, que desde os primeiros dias não lhes deram
trégua.
Numa dessas escaramuças, morre Johan van Dorth, e seu
sucessor, o coronel Albert Schouten, não teve melhor sorte.
Capitularam no dia 1º de maio de 1625, mas nem por isso o
fracasso dessa aventura fez os holandeses desistirem do Brasil.
A Christina, a minha filha mais velha que estava encarregada de
pesquisar o assunto na Internet, conseguiu descobrir um livro
sensacional: “RELAÇÃO DA CONQUISTA E PERDA DA CIDADE
DO SALVADOR PELOS HOLANDES EM 1624-1625” de Johann
Gregor Aldenburgk, que entre outras coisas muito importantes, diz:
- Fatos extraordinários aconteceram em tão breve espaço de
tempo, não deixando dúvida, que a ocupação batava não passava
de pura rapinagem e que sua gente, afeta à guerra, não possuía
qualidades colonizadoras, muito menos inteligência para negociar
com os nativos, que os usou como escudos para seus soldados, e
sendo impiedosos ao extremo, inclusive com os seus.
E continua:
- Centenas de casas foram incendiadas nos arrabaldes de São
Salvador e os despojos divididos com a marujada. Junto com
Willikens, embarcaram para a Holanda, todos os jesuítas, frades e
oficiais que conseguiram capturar, sendo passados a mosquetão
(fuzilados) todos os soldados que lhe caíram na mão.
Resumindo, foi uma tragédia para o Brasil a primeira invasão
holandesa.
No início de janeiro de 1627, chegava à Bahia o novo
governador geral, Diogo Luis de Oliveira, conde de Miranda,
militar português a serviço da Espanha que, tendo passado por
Pernambuco, Mathias de Albuquerque lhe transmitiu o governo.
Procurou o novo governante prevenir-se como lhe era possível,
para qualquer contingência; e andava em tal trabalho, quando nos
primeiros dias de março, é surpreendido por uma grande esquadra
às ordens do temível Pieter Heyn.

139
140 – Segredos da História do Brasil

Com uma ferocidade inverossímil, penetra este na baía e


apodera-se de todos os navios que estavam no porto. Sem nenhum
pensamento de ocupar a cidade, o intuito de Pieter era pilhar o
Recôncavo e castigar os baianos. Por isso, não satisfeito com as
presas, faz bombardear cruelmente a cidade antes de deixar a baía,
tomando rumo sul.
Desceu até Cabo Frio; esteve outra vez no Recôncavo. Resolve
tudo à bala, fazendo larga rapina; e por fim, saiu para a Holanda,
onde se foi por à frente da mais poderosa expedição a dar caça a
frota espanhola.

A INVASÃO DE PERNAMBUCO
Com o êxito dessa nova proeza de Pieter Heyn, os holandeses
não tiveram mais dúvidas e, durante o ano de 1629, preparou-se a
grande expedição cujo comando se confiou ao general Hendrik
Lonck, dando-se ao coronel Diederik van Waerdenburck o governo
das tropas de terra.
A esquadra era composta de mais de 50 navios, montando 1100
canhões, com cerca de 8000 homens.
A 9 de fevereiro de 1630, teve-se aviso que a poderosa esquadra
havia saído de Cabo Verde, tomando o rumo do Brasil. No dia 15,
apresentava-se diante do Recife.
A conquista da capitania, assim como os lances heroicos de
ambas as partes, deve ser lido e estudado em outros livros, pois é
realmente admirável sob todos os pontos de vista.
Mas, não podíamos deixar de narrar alguns lances épicos que
nos legaram os participantes da luta.
Demorou para que Madrid compreendesse a gravidade do
problema (como sempre os espanhóis eram lerdos em perceber
alguma coisa); a vitória flamenga afetaria altamente o domínio

140
Carlos Rosa – 141

castelhano. Era preciso, portanto, amparar o Brasil para não


comprometer os interesses de toda a monarquia.
Prepara-se então um socorro aos pernambucanos. Constava de
2000 homens, sendo 1000 destinados ao Arraial do Bom Jesus e os
restantes devendo aumentar as guarnições da Bahia e da Paraíba.
Com estas forças vinham, entre outros capitães já notáveis no
Brasil, o conde de Bagnolo e o próprio donatário da capitania de
Pernambuco, Duarte de Albuquerque Coelho. Vinham sob o
comando de Dom Antônio de Oquendo, que se destinava ao
México para comboiar a frota espanhola.
A expedição chegou à Bahia e ali se demorou cerca de um mês e
meio, enquanto de distribuíam os socorros de acordo com as ordens
trazidas.
Quando no Recife se soube disso, preparou o almirante Adriaan
Pater a sua frota, e saiu ao mar com o intuito de impedir que
desembarcassem os socorros. Saíra do Recife no último dia de
agosto de 1631 e só pela tarde do dia 11 de setembro, avistara ao
longe a frota de Oquendo.
Na manhã seguinte trava-se a batalha, que é uma das mais
famosas dos nossos anais.
O historiador Viriato Corrêa em “O País do Pau de Tinta”,
páginas 94, 95, 96 e 97, dá-nos uma esplêndida narrativa sobre a
morte e a famosa frase do almirante batavo:
“A luta começa por volta das oito horas da manhã. Os navios
inimigos agridem-se destruidoramente com as suas rajadas de fogo
e bala. O dia inteiro os canhões estrondam de lado a lado. São
quatro horas da tarde e a vitória não se decidiu nem de um lado,
nem de outro. A certa altura, uma bala espanhola pega de jeito o
tombadilho do capitânia holandês. O navio que começa a ser
devorado pelas chamas, vê-se perdido e vê perdida a sorte de sua
esquadra. A triste visão do revés humilha-o. Prefere a morte à
vergonha da derrota.
E o que se passa tem uma alta expressão de grandeza épica:
Pater, cercado de labaredas, enrola-se na bandeira do seu país,

141
142 – Segredos da História do Brasil

corre à proa do barco e atira-se ao mar, bradando ao estrondar


dos canhões: – O oceano é o único túmulo digno de um almirante
batavo!
Maravilhoso! Comovedor!”
Eu vou fazer aqui um parêntese para informar ao leitor mais
incauto que, Viriato Corrêa, assim como muitos de nós, lemos em
livros de História do Brasil, mais ou menos o relato que você
acabou de ler, porém, tal fato não corresponde à verdade, pois foi,
como veremos mais adiante, narrado pelo mesmo autor, tudo
imaginação de um historiador de mente fértil. Viriato continua:
“Uma das minhas maiores decepções, quando me veio a paixão
pelas coisas históricas do meu país, foi verificar que todo aquele
fulgurante espetáculo que eu guardava na lembrança, não passava
de uma refinada mentira.
A história é uma ciência duvidosa. E sê-lo-á por toda a vida,
porque um dos alicerces mais seguros é o testemunho humano, e
testemunho humano é a coisa mais falível e mais precária do
mundo. Não podemos confiar no nosso próprio testemunho.
Os fatos estão sujeitos às virtudes ou aos defeitos do indivíduo
que os narra. Se o indivíduo tem imaginação fraca, o fato narrado
se aproxima da verdade, mas se ele tem imaginação flamante, o
fato adquire vestimentas de tão vivos coloridos que se transforma
em fábula.
Alfonse de Beauchamp, autor de ‘Histoire du Brésil’, devia ser
uma criatura de imaginação transbordante. Foi ele que inventou o
episódio épico de Pater, a célebre frase que deu ao oceano a
dignidade de ser o túmulo dos almirantes da pátria holandesa.
Não tenhamos dúvida do caráter fabuloso do episódio. Pura,
puríssima inversão de Beauchamp. Se Pater, à hora da morte,
tivesse pronunciado a frase maravilhosa, seria de esperar que os
historiadores flamengos a registrassem ciosamente e cuidassem de
divulgá-la. Mas os historiadores flamengos a desconhecem.
Vejamos os historiadores contemporâneos do fato:

142
Carlos Rosa – 143

Laet, nos ‘Anais dos feitos da Companhia’, contando a morte de


Pater diz apenas isto; ‘Travou-se uma renhidíssima peleja e outros
galeões vieram em auxílio de seu capitão. Nosso Senhor, porém,
quis punir os nossos, pois no meio do combate ateou-se fogo na
proa do navio do general Pater e, posto que se empregasse toda a
diligência para apagar o incêndio, ele tomou tal incremento, que a
guarnição teve de refugiar-se na parte dianteira do navio, e
nenhum outro meio de salvação havia senão ser recolhido pelos
outros navios. Nisto, eles se houveram muito mal: não se aproxi-
maram, e o general tendo estado muito tempo suspenso num cabo
diante da proa de seu navio, desfaleceu de cansaço e afogou-se.’
Jansen Hes, na ‘Relação de perda do almirante Pater’,
contando do incêndio, escreve: ‘O senhor general Pater postou-se
sobre o mastro de gurupés para se salvar, mas estando este mastro
ainda em parte ligado pela cordoalha, não era possível
permanecer sentado nele por causa da agitação das vagas e o
senhor general afogou-se e com ele a maior parte da equipagem’.
Vejam os senhores a que ficou reduzida a cena retumbante de
heroísmo de Pater, a frase maravilhosa do seu patriotismo. O
pobre homem caiu ao mar desfalecido pelo cansaço. Ciência
precária a história”.
Nessa mesma batalha, a certa distância do episódio que você
acabou de ler, luta semelhante se dava entre o navio do vice-
almirante Thyzzoon e o vice-almirante espanhol Valezilla,
perecendo este e queimando-se o navio holandês.
Os holandeses ficaram em grande aflição no Recife. Temendo
agora investidas por mar e por terra. Tanto se agravaram as
condições da praça alarmada, que se chegou a tomar a resolução de
abandonar Olinda, concentrando todos os esforços na guarda do
Recife. Durante uma semana, trabalhou-se em demolir todos os
edifícios de Olinda, cujos materiais podiam ser aproveitados; e por
fim, destruiu-se tudo o mais, e queimou-se o que era difícil
demolir, abandonando a vila em ruínas.

143
144 – Segredos da História do Brasil

No Recife, com cerca de 7000 homens e muitos navios, os


holandeses se julgavam inexpugnáveis. Não se animando a investir
contra os pernambucanos no interior, entenderam que o expediente
mais prático, em tais condições era conquistar outros pontos da
costa; pois com isso, não só ampliariam as rendosas explorações do
corso, como desviariam do Recife as atenções daquelas temerosas
quadrilhas que do Arraial investiam contra eles.
Pouco ou nada os flamengos se aventuraram pelo interior, e
quando o faziam, eram violentamente repelidos pelos verdadeiros
donos da terra, que se tinham aquartelado nos arrabaldes da cidade.
Várias tentativas fizeram os holandeses para desembarcar tropas
com a finalidade única de lucro fácil na Paraíba, no Rio Grande, no
Maranhão, ao norte e ao sul do cabo de Santo Agostinho, sendo
repelidos em todos os lugares.
Mas em abril de 1632, a história começou a mudar e a partir da
adesão do mulato de Porto Calvo, Calabar, os holandeses
começaram a adentrar pelo sertão, não com o intuito de colonizá-lo
ou dar-lhe melhor condição de vida, mas, com interesse do mesmo
e único objetivo até aqui apresentado: lucro fácil.
Em 27 de Janeiro de 1627, chega a Pernambuco João Maurício,
Conde de Nassau-Siegen, alemão de nascimento, porém com
descendência holandesa. Contava nessa época 32 anos e muito se
esperava do jovem príncipe.
Ficou em Pernambuco 17 longos anos, e muito fez em favor e
contra a capitania.
Foi exonerado pelo Conselho dos Dezenove, pois a Companhia
das Índias Ocidentais queria apenas lucro; Nassau preocupava-se
em fundar uma nacionalidade. Essa divergência de intuitos
produziu uma funda incompatibilidade entre o príncipe e a
Companhia. Nassau estava desiludido. No dia 11 de maio de 1644,
despediu-se da sua “Mauritsstad”, e foi por terra à Paraíba, onde
embarcou a 22 para a Holanda.
Aqui, um novo parêntese, para dizer que existem centenas de
livros e artigos no Google sobre o Conde de Nassau. Não fique

144
Carlos Rosa – 145

muito entusiasmado, pensando que ele fosse algum “salvador da


pátria”; nada disso! Mas vale a pena pesquisar. Vamos continuar:
Após a partida do Conde de Nassau, os seus sucessores não tem
a sua habilidade nem a sua visão política. Pernambuco transforma-
se em pouco tempo numa senzala governada por feitores. A
situação se agrava a cada mês e, no ano seguinte, em 1645, estala a
insurreição para derrotar os intrusos.
A situação torna-se desesperadora. A Companhia oferece
novamente ao Conde o governo do Brasil Holandês.
Porém, este faz tantas exigências que a Companhia das Índias
Ocidentais e o governo holandês desistiram de seu concurso: pediu
o governo do Brasil perpetuamente, com poder de soberano, o
mesmo ordenado que recebia na Holanda, mais 500 mil florins para
pagar suas dívidas e aviar-se, 9000 homens dados pelos Estados
Gerais e 3000 pela Companhia e gente de mar necessária e
contínuos socorros subsequentes. Era demais!
E por que Nassau pediu tanto para voltar ao Brasil?
Quando Portugal (já independente da Espanha) soube do
propósito dos holandeses de enviar o Conde de Nassau para nossa
terra, colocou em ação Francisco de Sousa Coutinho (1597-1660),
uma figura interessante na história portuguesa. Interessante pela
inteligência, pela argúcia, pela finura e pela habilidade. Diplomata,
já naquele tempo, tinha a visão infernal de que a arma maior da
diplomacia é o dinheiro (provavelmente nossos políticos atuais
leram a sua biografia e se espelharam nele).
E Sousa Coutinho comprava tudo. Para ele a honestidade era
uma fortaleza que se vencia conforme as forças que a atacavam:
todo o homem tinha o seu preço. E as vitórias diplomáticas
fizeram-se comprando homens.
Era, portanto, necessário impedir que Maurício de Nassau
embarcasse. E como? Arrastando-o a não aceitar as propostas que o
governo holandês lhe fazia.
E de que maneira? Comprando-o, é claro!
Sousa Coutinho estava acostumado a comprar homens.

145
146 – Segredos da História do Brasil

Ninguém se aproxima de uma criatura e lhe diz à queima roupa


que quer comprá-la, principalmente quando essa criatura é um
aristocrata do vulto de Maurício de Nassau.
Quem havia de ser o intermediário naquele complicado
negócio?
Vivia na Holanda um homem como que feito sob medida para a
empreitada. Era Gaspar Dias Ferreira. Português, cristão novo e
natural de Lisboa. Chegou a Pernambuco em 1618 com a disposi-
ção de enriquecer e conseguiu seu intento, tendo casas, terras e
engenhos.
Teve a habilidade de tornar-se amigo de Nassau e, durante o
governo do príncipe, ganhou muito dinheiro.
Foi com ele para a Holanda e lá requereu carta de naturalização
como súdito dos Estados Gerais.
Não havia, portanto, ninguém melhor do que ele para tratar do
caso. Sousa Coutinho comprou-o atirando-o contra o príncipe.
Um homem da proeminência de Nassau, de seu imenso valor,
não se comprava por quatro vinténs. Só uma soma vultosa, dessas
que abalam os alicerces do caráter humano, seria capaz de
interessar ao ex-governador de Pernambuco. E, de fato, foi uma
soma estrondosa que Sousa Coutinho mandou-lhe oferecer.
Quanto? Um milhão e quatrocentos mil florins. Um milhão se o
príncipe conseguisse negociar um acordo com a inclusão de
Portugal em “trégua larga” – o que realmente aconteceu – e mais
quatrocentos mil florins, se o príncipe se recusasse a não embarcar
para o Brasil.
A soma prometida abalou os alicerces da sua honestidade e esta
caiu como se tivesse sofrido os efeitos funestos de um terremoto.
Sousa Coutinho venceu. Ele sabia lidar com os homens. Sabia
comprar até criaturas da proeminência de Nassau.
Por cá ficaram os holandeses até 1654, quando foram
definitivamente expulsos do nosso território.

146
Carlos Rosa – 147

Bem, acho que chegamos ao fim; será que é necessário fazer


uma apologia de comparação entre a colonização lusa e a
holandesa? Querem? Com todo o prazer! Senão, vejamos:
Enquanto os flamengos pouco ou nada se aventuravam no
interior, os lusitanos ao contrário, desbravavam os sertões com suas
Entradas e Bandeiras, com seus engenhos e, atrás do ouro e pedras
preciosas, deixaram em seu rastro inúmeras povoações que foram
crescendo, prosperando, até se tornarem as cidades que conhece-
mos atualmente. Igrejas suntuosas que os hereges saqueavam,
foram erigidas em todos os rincões, dando padrão de vida aos da
terra e, principalmente, fazendo deste inóspito país, um modelo de
colonização por todos admirado.
Enquanto os portugueses construíam cidades, os holandeses as
destruíam; os colonos estavam fixos a terra e havia fartura de todo
tipo de hortaliças e frutas; o primeiro ato do príncipe de Nassau foi
mandar destruir todas as plantações. Os portugueses, sempre, desde
a descoberta, lutaram para a catequização dos silvícolas; os
holandeses os reprimiram. Nenhum holandês deixou saudade ao
deixar nosso país, a não ser o conde Maurício de Nassau, e isso se
deve a grande campanha publicitária que desde o seu tempo já
existia (o PT atual, faz isso com maestria), a fim de cativar os
legítimos donos da terra, para que esses se tornassem adeptos do
calvinismo.
Enfim, pelo exposto, tenho neste momento, a absoluta certeza
que se nós tivéssemos sido colonizados pelos holandeses, grande
coisa não seríamos, e a prova mais contundente deste fato é que
não existe uma única nação que tenha sido colonizada pelos
flamengos, que esteja de alguma maneira superior ao nosso país.
Não devemos nos esquecer de que os nossos colonizadores não
foram só os portugueses, pois como ficou dito anteriormente, todos
os povos eram bem vindos à época da colonização e estes por aqui
foram ficando, fincando raízes, desbravando o sertão, construindo,
enfim, dando sua contribuição para o aprimoramento da nossa raça.

147
148 – Segredos da História do Brasil

Ah! Caso você não tenha ficado satisfeito com estas


explicações, sugiro que vá imediatamente a uma livraria (SEBO) e
adquira os livros aqui mencionados, ou outros que se equivalem, a
fim de que todas as dúvidas lhe sejam esclarecidas. Quanto a mim,
estou satisfeito e a partir de hoje, quando em algum lugar ouvir a
aberração: “Se o Brasil tivesse sido colonizado pelos holandeses,
nós seríamos muito mais desenvolvidos”, acredite, o infame que
proferir tal tolice, terá pela frente um guerreiro insistente, disposto
a ir às últimas consequências para defender nossos colonizadores.

148
Carlos Rosa – 149

O JULGAMENTO DE
JOAQUIM SILVÉRIO
DOS REIS

O essencial é ter na vida um ideal


elevado e definido com aptidão e
perseverança suficientes para atingi-lo.
Goethe

149
150 – Segredos da História do Brasil

- Senhor Joaquim Silvério dos Reis, o senhor é acusado de: alta


traição e infâmia, no processo da Inconfidência Mineira, na qual se
tramava a Independência do Brasil. O senhor tem algo a declarar
em sua defesa?
Com essas palavras, o emissário do diabo começa o processo do
famigerado Joaquim Silvério dos Reis, que pleiteava a sua entrada
no céu e que via a cada instante, suas argumentações serem inúteis
em virtude de difamação (a maioria de cunho político) aqui na
Terra, e que contribuíram sobremaneira para cada vez mais (sua)
inocência fosse provada.
O anjo de Deus – o advogado de defesa – mostrava-se tranquilo,
pois tinha plena confiança que no final, seu Senhor daria uma
demonstração de sabedoria e sapiência, e com certeza o problema
em questão seria facilmente resolvido...
- Senhores juízes – disse Joaquim Silvério – o meu caso é de
pura interpretação; o que os historiadores dizem a meu respeito é
uma tolice sem tamanho.
Burburinho no plenário. Gritos de: traidor, covarde, grande, é
um herói, fez muito bem... Todos ao mesmo tempo gritavam
palavras de ordem, ou a favor, ou contra.
O juiz Presidente teve bastante trabalho para conter a plateia e
os preclaros que superlotavam o recinto do julgamento, e somente
houve calma, quando o mesmo usando de sua autoridade, disse em
alta voz:
- Aviso aos senhores presentes que não vou mais tolerar
nenhuma interferência nos trabalhos, pois se isso acontecer
mandarei evacuar o recinto. Silêncio geral – Continue senhor
Silvério.

150
Carlos Rosa – 151

- Senhor Presidente, poucas pessoas se lembram – começou o


réu – que eu era português, não havendo, portanto, infâmia alguma
em denunciar as tramitações escusas que se faziam em favor de
uma pseuda Independência do Brasil em detrimento de Portugal.
- Infâmia – senhor Presidente – seria se me calasse e consentisse
em semelhante propósito.
- Meu gesto foi um gesto de patriota. É bem verdade que eu
devia uma quantia ao reino, e isso poderia ser amenizado, pois se
tal verba não fosse paga em tempo, poderia ser deportado para a
África, ou mesmo enforcado. E continuou:
- Com respeito às VV.SS., quero afirmar que minha postura era
sobremaneira humana, visto que, ambição e fortuna faziam parte do
cotidiano naqueles dias de Nosso Senhor, e eu como todos aqui
devem saber, não era nenhum aprendiz.
- Como na época atual – senhor Presidente – nossos políticos
passavam de um partido para o outro, como o “diabo esfrega o
olho”, diziam alguns, e na sua grande maioria, essas trocas somente
favoreciam o próprio político, pois que os seus eleitores eram e
continuam a serem os menos favorecidos, os mais ignorantes e, de
preferência, os mais analfabetos.
- No entanto – senhor Presidente – todos disseram que fui
infame porque carregando nas costas o peso de duzentos e tantos
contos, delatei um movimento contra a pátria que me acolheu. Que
injustiça!
- Essa injustiça é ainda maior, quando na história, omite-se o
nome de “verdadeiros traidores”, como o tenente-coronel Basílio
de Brito Malheiros, também português e que a 15 de abril de 1789,
denunciou a conjuração ao visconde de Barbacena; e tal denúncia –
senhor Presidente – foi com o intuito de receber algo em benefício
próprio. O próprio Basílio, indivíduo sem qualquer tipo de
escrúpulos, confessa o crime no seu testemunho, queixando-se de
não ter recebido a paga de tal vil labuta. E havia em sua denúncia
outro sentimento – uma vingança. Basílio de Brito Magalhães de

151
152 – Segredos da História do Brasil

Lago – seu verdadeiro nome – era inimigo pessoal do poeta


Gonzaga, e jurara vingar-se, e sua vingança foi a delação.
- Vivia na casa dos “revolucionários”, bisbilhotando, a fim de
contar ao governador.
- Outro delator (traidor) – senhor Presidente – foi o mestre de
campo Ignácio Corrêa Pamplona, também português, que a 20 de
abril, e fez a denúncia por escrito. Esse elemento foi realmente
traidor, pois vivia camuflado em casa do vigário Carlos de Toledo,
tal qual ave rapinante, a ouvir as conversas e os planos da dita
“conspiração” e a correr ao Barbacena, colocando-o a par dos
mesmos.
- E, no entanto – senhor – somente eu, eu a história condenou!
- Tu foste o primeiro denunciado – disse o emissário do diabo –
folheando o libelo (artigo ou escrita com acusações contra alguém),
como parecendo estar preparado para a esperteza do acusado.
Silvério não se perturbou, e acrescentou:
- Sim, mas se este júri tiver realmente o interesse em divulgar a
verdade, a verdade que se passou naqueles anos, basta que tenha
um pouco de paciência, e que tenha um senso de justiça aguçado
para com os fatos que passarei a relatar, caso me seja permitido.
- Fale – disse o juiz – e que ninguém o interrompa a não ser sob
minha expressa ordem.
E Silvério continuou seu discurso laudatório:
- Como todos aqui sabem, minha dívida para com a Coroa era de
aproximadamente 250 contos. Isso se deveu a algumas transações
erradas que não vem ao caso. Naquele tempo vivia Portugal numa
insaciabilidade de ouro que fazia tremer o mais forte dos
brasileiros. No Brasil não perdoava um Real que fosse. Ou eu
pagava a dívida, ou seria, com certeza, deportado ou enforcado.
Imagine – senhor Presidente – a minha situação.
- Tudo corria para esse fim quando, pela graça de Deus, em
fevereiro de 1789, vindo de visita a meu regimento, parei no arraial
da Lage. Nessa parada, encontrei-me com o sargento-mor, Luiz

152
Carlos Rosa – 153

Vaz de Toledo Pisa, irmão do pregador frei Antônio de Santa


Úrsula Rodovalho.
- O mesmo me falou de assuntos revolucionários; assuntos esses
que em princípio, interessavam-me, pois como já disse, tinha
minhas “diferenças” financeiras com a Coroa.
- Nessa mesma noite, eu e Luiz Vaz, seguimos para a fazenda do
capitão José Resende da Costa. Através dos anfitriões, fiquei
sabendo da conspiração que se preparava e que também figuravam
os senhores desembargador Thomas Antônio Gonzaga, Cláudio
Manuel da Costa, o coronel Ignácio José Alvarenga, o padre José
da Silva Oliveira Rollin e muitos outros.
- Sem entrar em pormenores, que já é por demais sabido, fiquei
sabendo que, o coronel Ignácio de Alvarenga contava com 200
homens, o padre Rollin com o mesmo tanto e o tenente-coronel
Francisco de Paula Freire de Andrade com um grande regimento.
- O sargento-mor inquiriu-me: “O senhor é dos nossos, não é
verdade”?
- José Resende que sabia do meu débito para com a fazenda,
respondeu: “Se a revolução vingar será dado a quitação a todos que
se acharem em débito com a Fazenda Real, e você lucrará
enormemente”. Realmente isso era verdade!
- Senhor Presidente, eu não tinha jeito para conspirador. Não
disse sim, nem não. O sargento-mor acrescentou:
- A troco da vossa dívida, você nos facilitará a aquisição de
alguns barris de pólvora, e como tem mais de 200 escravos, todos
serão recrutados para a luta. Alguma pergunta? – acrescentou o
sargento.
- Fiz com a cabeça que não, e o José Resende temendo minha
atitude, disse:
- Veja lá; se nossa conversa vazar, você morrerá.
- Não posso negar que nos dias subsequentes minha mente ficou
tentada para a revolução. Porém, nunca fui homem de me deixar
impressionar no primeiro momento.

153
154 – Segredos da História do Brasil

- Alguns dias após, indo à vila de São José, estive na casa do


vigário Carlos Corrêa de Toledo Pisa, irmão do sargento-mor e o
mesmo confirmou tudo o que havia ouvido na fazenda do
Alvarenga. Confesso que fiquei com medo! Aquela gente não tinha
a menor discrição e prudência necessária para um levante daquela
magnitude.
- Senhor presidente, fui colocado a par de detalhes e minúcias
do que se ia fazer e até da senha: “hoje é o dia do batizado”.
- Eu, um português, eu, que nunca tinha tido ou manifestado
qualquer tendência para republicano, pensei: – pobre conspiração.
E tinha minhas razões; conhecia muito bem o tenente-coronel
Francisco de Paula Freire de Andrade, que era lotado no regimento
de dragões e o principal elemento da “revolução”, e sabia muito
bem que o mesmo era indivíduo lerdo, indeciso e dado a defeitos
que não são permitidos a líderes revolucionários. Do desembarga-
dor Thomas Antônio Gonzaga, corria de boca em boca uma história
um tanto embaraçosa, que não convinha a tão “ilustre” senhor, e
que era o fato do mesmo ter bordado o vestido nupcial de sua
noiva, dona Maria Joaquina Dorothéa de Seixas.
- Quanto ao Dr. José Álvares Maciel – senhor Presidente –
conhecia-o bem; homem inteligente, boa cultura, loquaz, lépido,
porém, com os excessos da juventude. Mas o pior de tudo, aquilo
que me fez definitivamente duvidar da empresa, foi quando tomei
conhecimento de que o alferes Joaquim José da Silva Xavier – o
Tiradentes – fazia parte na conspiração.
- Tal elemento – senhor Presidente – era sobejamente conhecido
por sua indiscrição e imprudência. Foi mercador ambulante,
mineiro, biscateiro, arruaceiro e mentiroso contumaz, também
conhecido como grande “falador”, e já nesse tempo ouvi dizer que
os demais já estavam aborrecidos com as bravatas ditas pelo alferes
que, na época, nada mais era do que simples correio do senhor José
Alves Maciel, que quando queria enviar alguma mensagem aos
demais, o fazia via alferes, a fim de evitar aborrecimentos futuros
com documentos comprometedores. Tal processo não deu bons

154
Carlos Rosa – 155

resultados, pois que o que Tiradentes fazia antes de entregar as


mensagens aos destinatários era pôr-se a relatar o seu teor com seus
companheiros de armas, a fim de mostrar sua importância na
conjuração.
Meritíssimo, como poderia eu, um coronel de cavalaria da
comarca de Rio das Mortes, português, a serviço de Sua Alteza,
Dona Maria I, ser convidado a participar de tal empreitada,
somente porque uns poucos conjurados sabiam do meu problema
financeiro. Uma revolução não é feita dessa maneira.
- Os conjurados – senhor Presidente – sem exceção, eram
homens covardes, e o provaram durante o processo. Mentiram
vergonhosamente, abjurando suas ideias, segundo seus atos e
bajularam seus carrascos; e destruíram com sua covardia a beleza
de seus ideais.
- Do mais ilustre, Thomas Gonzaga, ao mais humilde, Joaquim
Xavier, não procederam os “inconfidentes” com dignidade e honra.
- Choraram como crianças, negaram suas crenças políticas,
elogiaram os portugueses, pediram perdão aos carrascos,
santificaram a rainha Dona Maria I, etc., etc., etc.
- Acusam-me de traidor; não – senhor Presidente – jamais fui
traidor e sim delator. Delatar, conforme está escrito em qualquer
bom dicionário, é denunciar como culpado; acusar como autor de
crime ou delito, ao passo que traição é crime de quem perfidamente
entrega, denuncia ou vende alguém ou alguma coisa ao inimigo. E
de quem fui delator? De um sonho de poetas, conforme descreveu o
Visconde de Taunay.
- Os conjurados – senhores – propriamente ditos, não se
preocuparam em formular princípios orientadores, nem estabelecer
bases ideológicas da sua ação. Os únicos que pela sua maior
instrução poderiam ter tentado uma teorização do movimento,
Alvarenga e Maciel, não o fizeram. Em Maciel, nada indica a
menor inclinação ao filossofismo francês. Suas tendências eram
mais para o lado dos anglo-saxões. Quanto a Alvarenga, superfici-
almente e imbuído de antiguidade clássica, sua República, prova-

155
156 – Segredos da História do Brasil

velmente, lembraria mais as de Roma e Grécia do que a


estabelecida pelos patriarcas americanos ou a futura República
Francesa.
Nesta altura do depoimento, quase todos estavam sonolentos,
como você, pois que o depoimento de Silvério, mesmo sendo
interessante, é tremendamente chato, a não ser para aqueles que se
interessam pelo assunto, coisa que eu duvido que você tenha
qualquer interesse. O juiz determinou:
- Vamos fazer uma pausa para o almoço, e retornaremos às 16
horas, pois ninguém é de ferro – acrescentou sorrindo.
É escusado dizer que o almoço foi muito concorrido e, em cada
mesa, as discussões se sucediam, com alguns participantes
defendendo o réu, outros contra, e alguns indecisos, esperado o
final do julgamento para depois imitirem suas opiniões, como
acontece quase sempre.
Um elemento que era a favor da inocência de Silvério, dizia:
- Pelo que ouvi até agora, o Joaquim Silvério é totalmente
inocente da acusação de traição.
Ao que outro, contrário, acrescentou:
- Sim, aparentemente, ele é inocente, mas você só ouviu a defesa
feita por ele mesmo. Vamos ver se você continua com a mesma
opinião quando a acusação começar.
E assim se passou o horário de almoço. Às 16 horas em ponto, a
sessão recomeçou com o juiz pedindo ao Silvério que continuasse
com as suas alegações.
- Senhor Presidente, é bem possível, entretanto – começou
Silvério – que os conjurados propositalmente tivessem deixado esta
tarefa, ou seja – princípios orientadores – às mentalidades
consagradas do levante, isto é, Gonzaga, Cláudio e o cônego
Vieira. Ora, dos três, só Gonzaga nos legou através de seus
escritos, um conjunto de ideias que nos permite conhecer seu
pensamento. Este, porém, nada tem de revolucionário. Homem do
século XVIII, aristocrata por temperamento e educação, Gonzaga

156
Carlos Rosa – 157

como Voltaire, favorecia, politicamente, um Estado regido por um


príncipe justo e progressista, o déspota esclarecido. Voltaire, aliás,
estava bem representado nas bibliotecas da Capitania de Minas
Gerais e o cônego Vieira possuía também “L’Esprit des Loís” de
Montesquieu e trabalhos sobre os enciclopedistas.
- Bem mais subversiva era a literatura que se passava de mão em
mão entre os conjurados e seus simpatizantes; obras que se recita-
vam mesmo de cor. Eram as leis e a História dos Estados Unidos e
era este Best-seller do século XVIII, “Histoire Philosophique et
Politique des Établissements e du Commerce des Européens dans
les deux Indes”, do abade Raynal. Obra superficial e confusa era,
porém, eminentemente destrutiva, solapando as bases do antigo
Regime.
- Na biblioteca do cônego Vieira, havia também um exemplar do
abade Mably, “Observation sur le Gouvernement des Etats Unis de
L’Amérique”, além de outras histórias da América. Estavam, pois,
representados nas Minas, os dois maiores propagandistas do
espírito revolucionário da época: Raynal e Mably.
- Em fase da destruição trazida por esses escritores – senhor
Presidente – o que se apresentava aos conjurados de construtivo?
Apenas a Constituição americana. Sabe-se que alguns a estudaram
e o próprio Tiradentes interessava-se em conhecê-la e pedira a um
amigo que traduzisse alguns trechos. Ignoro, porém, até que ponto
seria utilizada. Numa reunião em casa de Cláudio, discutiu-se a
fórmula de que se aproximasse do regime da América do Norte.
Tudo era muito vão.
- Não foi como podem bem aquilatar, uma insurreição de
letrados, mas de homens descontentes com o jugo português.
Homens descontentes e mal preparados, sem liderança, sem ideal
mais profundo e composto por elementos que não tinham qualquer
habilidade nem discernimento para uma empreitada de tal enverga-
dura. É o que tenho para dizer, meritíssimo juiz. E sentou-se.
- A acusação com a palavra – disse o juiz.

157
158 – Segredos da História do Brasil

- Muito bem, coronel Silvério – disse o emissário do diabo


sarcasticamente – e continuou no mesmo tom: – o senhor foi muito
hábil ao traçar o perfil de alguns conjurados, dando-nos a impres-
são que este julgamento seria desses elementos, porém, o que está
em julgamento é a sua conduta perante a conjuração. Em outro
capítulo ou talvez em outro julgamento, trataremos dos demais
conjurados. Por ora, atemo-nos ao senhor. E continuou:
- Não é verdade que após a “denúncia” da conspiração, a sua
dívida para com a Coroa foi perdoada?
- Sim.
- Não é verdade que como “prêmio” o senhor obteve uma
pensão de 400 contos anuais?
- Bem, mas isso...
- Por favor, responda sim ou não – disse secamente o emissário
do diabo.
- Sim.
- Também não é verdade que o senhor, depois da “delação” foi
feito fidalgo e agraciado com o Hábito de Cristo, entre outros
favores?
- Sim.
- O senhor disse que “não foi traidor” e sim “delator” e até citou
que isso poderia ser lido em um bom dicionário, a fim de que
ficassem bem claras as suas observações. Mas, o senhor omitiu
ainda no mesmo dicionário, certos adjetivos para a palavra “trair”,
como: denunciar, entregar por traição, delatar, abandonar traiçoei-
ramente, não cumprir, etc.
- Ora, senhores jurados, o réu não só traiu a conspiração fazendo
com que um dos seus elementos fosse condenado à morte e
executado, como tirou proveito do fato e isso por si só, já é uma
prova concludente e como tal, o devem condenar. Peço, pois, aos
senhores, que seja indeferido o pedido de “entrada no céu” deste
réprobo indivíduo, cheio de astúcia, ladino, e que o mesmo
continue a arder nas chamas do inferno, para sempre.

158
Carlos Rosa – 159

- Se ninguém tiver mais nada a dizer – disse o Presidente –


passarei a palavra à defesa, a fim da mesma tentar, não sei como, a
absolvição do réu. Que fale o anjo do Senhor.
- Senhor Presidente, antes de iniciar a minha narrativa em defesa
do réu, apelo para a acrossofia (sabedoria divina), a fim de que este
julgamento seja encimado de pleno êxito.
- Meritíssimo, senhores jurados, a acusação durante seu
pronunciamento, baseou-se exclusivamente nos finalmentes,
esquecendo-se por completo dos entretantos, que foram por assim
dizer, o que levaram o acusado a praticar o ato de delação na
Conjuração Mineira.
- Em primeiro lugar – continuou o anjo – a figura do alferes
Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, quando da entrada na
conjuração, já era um elemento tido como pernicioso ao movimen-
to. O padre Manuel Rodrigues da Costa já várias vezes havia
chamado a sua atenção, aconselhando-lhe discrição. Poucas pesso-
as o levavam a sério, pois que o tal senhor era um teimoso
contumaz, falador, eterno iconoclasta, ora tirando dentes em Vila
Rica, ora minerando e, nos começos de sua vida, mercador
ambulante nos sertões de Minas Gerais.
- Protesto; o senhor Joaquim José não está em julgamento e, por
isso, os seus atos anteriores ao movimento não devem ser levados
em consideração – disse o “promotor”.
- Protesto aceito. O senhor deve-se ater a fatos que dizem
respeito ao movimento, exclusivamente – disse o Presidente.
- Perdão meritíssimo, o meu intuito é demonstrar por que o réu
agiu como o fez e isso sem sombra de dúvida, deveu-se também ao
citado Tiradentes, sobejamente conhecido do coronel Silvério Reis.
- Está bem, mas, por favor, atenha-se aos fatos – disse o juiz
com semblante sério.
- Gostaria de chamar para depor, o réu, coronel Joaquim Silvério
dos Reis – disse o anjo.

159
160 – Segredos da História do Brasil

O meirinho fez com que o réu pronunciasse as palavras pelas


quais sua alma estaria perdida para sempre se não fossem a total
expressão da verdade.
- O senhor jura dizer a verdade, somente a verdade em nome de
Deus?
- Juro.
- Coronel Silvério dos Reis, o senhor está arrependido do que
fez? – pergunta o anjo do Senhor.
- Não tenho do que me arrepender – respondeu. E continuou: – a
história é que me tem feito uma injustiça horrível. Aponta-me
como traidor da Inconfidência e, no entanto, nunca fui traidor de
coisa nenhuma. Sou delator, repito, nunca traidor.
- E quando o senhor decidiu delatar a conspiração? – perguntou
o advogado de defesa.
- Eu já havia assistido a umas cinco ou seis reuniões e em todas,
os elementos se alternavam; alguns concordavam com o que o Dr.
José Álvares Maciel (o mais loquaz) dizia, outros não. Essas
reuniões continuavam nas residências dos participantes e em 24
horas, já era voz corrente o que se tinha em segredo.
- E o que se falava nessas reuniões? – perguntou o advogado.
- O que se via e ouvia, senhor advogado, eram nada mais, nada
menos, do que representações teatrais, de elementos vaidosos,
fanfarrões, com discursos vãos e sem qualquer tipo de brilho ou
conteúdo. Tinha total certeza que o movimento seria um fracasso.
- O que o senhor fez quando percebeu o fracasso do levante?
- Fiz o que mandou o meu instinto de conservação. Com certeza
poderia tirar proveito do momento e salvar-me da forca ou do
degredo. Outros já estavam propensos a delatar o movimento,
como o fizeram. Não havia tempo a perder; se não fosse o primeiro,
na certa morreria.
- Em que dia deu-se a delação? – perguntou o anjo.
- 15 de março de 1789.
- O senhor poderia fazer um resumo do ocorrido – pediu o
emissário de Deus.

160
Carlos Rosa – 161

- Perfeitamente – disse Silvério – e continuou: – Dirigi-me ao


palácio do visconde de Barbacena, na Cachoeira do Campo, a umas
três léguas de Vila Rica. O visconde era um sujeito estranho,
fechado, sombrio, pode-se mesmo dizer sinistro, de poucas
palavras e poucos amigos. Passava os dias afastado de todos,
apartado do mundo, como um bicho. Ali vivia como um cão de fila,
olho aberto, nariz ao vento, como que escondido de propósito,
naquele canto para ouvir melhor o grande rumor da capitania.
Parecia um tipo intratável. Não era. Todo ele se adoçava e sorria de
gozo quando lhe vinham contar novidades. Como ia dizendo,
dirigi-me ao visconde e contei-lhe tudo.
- Isso foi traição – disse o emissário do diabo.
- Não, senhor, foi delação – gritou o coronel. E continuou: –
Traição seria se me tivesse comprometido com os conspiradores. E
não há prova nenhuma desse compromisso.
- Foi uma infâmia!
- Também não, senhor emissário; infâmia seria se eu tivesse
conspirado contra o meu país. É isso que até hoje a história não tem
sabido, ou melhor, não tem querido considerar.
- Dentro do meu critério de português – continuou o coronel – o
meu gesto foi um gesto patriótico. É verdade que o meu intuito foi
livrar-me, como me livrei da dívida. Mas isso é humano. É preciso
ver a época, e esta era a da ambição e do delírio da fortuna. O que
fiz naquele tempo é o que hoje fazem a maioria dos políticos
proeminentes brasileiros. Não se passam eles para os lados opostos
se lhes sorri a felicidade de posições brilhantes? E eu não me passei
para lado nenhum, fui para o lado que me arrastava o meu sangue e
a minha raça. Os políticos atuais acham muito natural abandonar
seus compromissos deste lado, pela sedução dos interesses do
outro. No entanto, toda a gente diz que fui infame porque,
carregando nas costas o peso de duzentos e tantos contos que
seriam a minha morte, delatei o movimento contra a riqueza e a
grandeza de minha pátria! Que injustiça!
E não satisfeito, o coronel Silvério continuou entusiasmado:

161
162 – Segredos da História do Brasil

- Neste momento, lanço um desafio ao senhor emissário do


diabo ou a qualquer outra pessoa que prove que jurei ou
simplesmente em algum momento concordei com semelhante
conjuração, disse furioso.
Houve um silêncio momentâneo na sala.
O anjo do Senhor retomou a palavra:
- Coronel Silvério dos Reis, o senhor em algum momento
imaginou a consequência do seu ato?
- Não senhor. Jamais poderia imaginar que aquela conspiração
de oito ou dez sonhadores indiscretos tomasse o vulto que tomou.
- Explique-se melhor – disse o emissário do diabo.
- A chamada Inconfidência Mineira – continuou o coronel
Silvério – não tinha a importância que se lhe deu. Com a suspensão
do lançamento da “derrama”, jamais botaria a cabeça de fora. Era
um bando de platônicos, um levante de poetas, e essa gente nunca
tinha feito qualquer revolução. A importância foi inventada,
construída, pedra por pedra pelo visconde de Barbacena e pelo
vice-rei Luiz de Vasconcelos, que tinham enorme interesse nisso.
Calmamente, o coronel continuou:
- Barbacena era uma criatura arguta, ambiciosa, sob aquela capa
de homem medíocre e calado. Sabia perfeitamente que não era a
anormalidade do seu cargo que o havia de recomendar aos altos
postos e aos mimos da Corte portuguesa. Precisava de um caso.
- Era um homem astuto, ladino e na sua ausência de governo,
esperava. Quando lhe narrei os pormenores da conspiração, não
contraiu um só músculo da face. Ficou impassível, fitando-me
como se fosse todo ouvidos. Calou-se. Era o que eu precisava. Era
o seu tesouro e não queria perdê-lo. E, no silêncio e nas sombras do
arvoredo do palácio, pôs-se a apalpar pulsação por pulsação da
Inconfidência. Quando viu que a presa não mais lhe podia escapar,
pulou-lhe em cima.
- O senhor imaginava que o visconde agiria como o fez? –
perguntou o anjo de Deus.

162
Carlos Rosa – 163

- Sinceramente, não. Pensei que faria um enorme estardalhaço,


que me recomendaria à Corte de D. Maria, mas não imaginava o
tamanho da ambição daquele homem. Pelos meus cálculos,
mandaria prender uns quatro ou cinco elementos, faz um grande
barulho, apavora o povo e depois, por falta de provas, solta todos.
Estava enganado. Tremi com o desenrolar dos acontecimentos. O
movimento não tinha a extensão que se lhe deu. Quando Tiradentes
partiu pela última vez para o Rio de Janeiro, o visconde temendo
que se evadisse, enviou-me para denunciá-lo ao vice-rei. Ao rece-
ber a carta que pedia a prisão de Tiradentes disse: “São uns loucos,
não fazem revolução nenhuma”.
- Qual foi o seu ganho com a delação?
- Fui perdoado da dívida e tive pensão anual de 400 contos. Mas
que adiantou? Minha memória vive desacreditada nos livros, nos
monumentos, nas escolas, nos lares de todo o Brasil, em tudo. Fui
obrigado a fugir de Minas Gerais para não ser assassinado. Fui dar
com os costados no Maranhão, depois de passar dois anos em
Campos, no Rio de Janeiro e lá mesmo passei vida horrível,
repelido por todos. Mudei várias vezes de nome: ora Joaquim
Montenegro, ora Leria Guites, ora Reis Leria. Uma loucura! E
calou-se.
- O senhor quer acrescentar mais alguma coisa ao seu
depoimento? – disse o presidente.
- Não. Nada mais há a acrescentar; tudo já foi dito e só me resta
acreditar na Justiça divina, já que a dos homens ainda levará algum
tempo a aceitarem o que acabaram de ouvir neste plenário.
E dirigindo-se ao advogado do diabo:
- O senhor tem 10 minutos para fazer as suas considerações
finais.
- Senhor Presidente, senhores jurados. Com certeza não usarei o
tempo que me foi designado, pois confio plenamente neste corpo
de jurados que, baseado exclusivamente nas provas dos autos,
indeferirão o pedido do réu de ingressar no céu. Senão, vejamos: a
certa altura do julgamento, perguntei-lhe: – Não é verdade que após

163
164 – Segredos da História do Brasil

a “denúncia” da conspiração, a sua dívida para com a coroa foi


perdoada; que o senhor obteve como “prêmio” uma pensão de 400
contos anuais e que fora feito fidalgo, e que foi agraciado com o
Hábito de Cristo, entre outros favores? Qual foi a resposta do réu?
A resposta foi SIM!
E continuou:
- Tudo o mais, senhores jurados, nada mais foi do que tentar
confundir e tumultuar este processo. Logo, espero sinceramente
que os senhores decidam pelo indeferimento do pedido do réu. E
concluiu: – Nada mais tenho a dizer, Meritíssimo. E sentou-se.
E dirigindo-se ao anjo de Deus:
- O senhor tem os mesmos dez minutos para as suas
considerações finais.
- Obrigado, Meritíssimo. Creio, ou melhor, tenho certeza que
este corpo de jurados quer fazer justiça. Bem, se a justiça deve
imperar, é claro que o réu deve ter o seu pedido “deferido”, já que
ficou totalmente provado que ele (o réu), não traiu a Inconfidência
Mineira, levante sem qualquer propósito ou organização, feita por
elementos amadores, poetas e desocupados, que só teve a
repercussão que se lhe atribui, por causa do interesse em subir no
conceito da Corte portuguesa o visconde de Barbacena.
Português de nascimento, oficial das armas, Silvério dos Reis
nada mais fez do que um ato de patriotismo, mesmo porque, o
Brasil à época, era colônia de Portugal e dele queria se separar.
Não sou contra a Independência do Brasil ou de qualquer país,
mas Independência não se faz daquela maneira, onde o “pseudo
líder”, era um homem completamente despreparado, alferes, que
corresponde atualmente ao posto de cabo, semianalfabeto e tagarela
contumaz. Claro que aquela conjuração não podia ir além.
Também concordo que o réu se beneficiou da delação, mas isso
é perfeitamente normal a um mortal, principalmente estando ele a
viver no Brasil, onde até hoje 95% dos políticos – de todos os
escalões – de vereador a presidente, fazem a mesma coisa, ou seja,

164
Carlos Rosa – 165

bandeiam-se para cá e para lá com a mesma rapidez com que “o


diabo esfrega o olho”.
Senhor Presidente, senhores jurados, não vejo qualquer tipo de
culpa no ato do réu, Joaquim Silvério dos Reis na dita Conjuração
Mineira. E, assim, peço ao ilustre corpo de jurados, que defiram o
pedido do réu, que outro não é senão sair do inferno em que se
encontra, e ir para o lugar que sempre lhe coube: o céu. E sentou-
se.
- Muito bem – disse o juiz. Os senhores – dirigindo-se aos
jurados – podem se retirar e deliberar se o réu é culpado ou
inocente do delito de TRAIÇÃO e INFÂMIA, atributos que lhe são
conferidos desde longa data e que este tribunal em nome dos
senhores, tem o dever de julgar e conferir ao acusado o direito de
entrada no céu como pleiteia, ou ficar para todo o tempo no
inferno.
Os jurados foram para uma sala contígua à do tribunal a fim de
deliberarem sobre a vida eterna do até então abjeto elemento.
As horas passavam. Quatro, cinco, dez...
A fadiga tomava conta de todos. O juiz intercedeu:
- Algo está acontecendo naquela sala. Há mais de dez horas que
estão reunidos e ainda não tem o veredito? Coisa muito grave está
acontecendo! Só nos resta uma alternativa: apesar de ser contra o
regulamento, chamemos os jurados a fim de saber da demora –
disse aos emissários.
Todos concordaram com a decisão, e foi pedido ao meirinho que
se dirigisse à sala dos jurados e os chamasse ao tribunal a fim de
relatar o porquê do atraso da sentença.
Momentos depois, os sete membros do Conselho adentraram a
sala de audiências e o Presidente do Júri, cansado e em desalinho,
disse:
- Meritíssimo Juiz, senhores emissários, o porquê da nossa
demora em deliberar se o acusado é ou não culpado do crime de
“traição e infâmia”, é deveras impressionante. Como todos podem
ver – continuou – somos sete jurados; nossos votos devem, de

165
166 – Segredos da História do Brasil

acordo com a lei, serem secretos; um jarro é mantido no centro da


mesa de votação e cada um de nós tem em mãos dois pedaços de
papel: um com a palavra CULPADO e outro com a palavra
INOCENTE. Um dos papéis é colocado no jarro em questão e o
outro papel me é entregue para que seja incinerado em um pequeno
fogareiro existente no canto da sala. Após a incineração, os votos
são contados. Eis aí o problema: em todas as votações, houve
empate, e desta maneira foi impossível deliberar sobre a questão.
- Continuará onde está – bradou o emissário do diabo.
Ao que o anjo do Senhor, com um leve sorriso nos lábios, como
que sabendo da matreirice que o Altíssimo havia aprontado no
referido episódio, levantando-se, disse:
- Protesto; o réu não foi condenado. Logo, deve ser levado para
o céu que é o seu lugar.
Balbúrdia geral. Ninguém se entende. Gritos, ofensas, agressões,
um horror!
O Juiz dá por encerrada a sessão.

166
Carlos Rosa – 167

O
“HERÓI”
TIRADENTES

Exige muito de ti mesmo e espera


pouco dos outros. Desta forma,
pouparás muito aborrecimento.
Confúcio

167
168 – Segredos da História do Brasil

Grande sujeito. Guerreiro ao extremo vivia com muita pressa


de obter um lugar ao sol, coisa que por vezes lhe parecia
impossível. Falante e espertalhão, jamais se ajoelhou a quem quer
que seja, e sempre manteve uma postura altaneira, mesmo nos
momentos mais desgraçados da sua vida.
Falo do amigo Jamil Castanheira dos Santos (a antonomásia
“dos Santos” lhe era totalmente adversa), paulistano de nascimento,
mas baiano de corpo e alma, como dizia.
Por vezes ficávamos meses sem nos encontrar, e lá um belo dia,
ao sabor das ondas do mar, transformávamos o Rincão Gaúcho ou
o Língua de Prata, ou qualquer outro restaurante praiano em um
areópago, coadjuvados é claro, de maravilhosa comezaina.
Estava sempre ávido por saber. Completamente incompreendido
pelos “amigos” e principalmente pelos familiares, vivia sempre
sendo incriminado pelos últimos. Por vezes o via contristado.
Aqueles dias que começavam por volta das 10 ou 11 horas da
manhã e estendiam-se até às 11 da noite, rejuvenesciam-lhe a
mente e o espírito. A sua freima se acendia e traçávamos projetos
para um futuro próximo.
Falávamos de tudo: da falta de governo, de futebol, de política
(era profundo conhecedor) nacional e internacional, de filosofia
(grande fã de Platão e Aristóteles), entre outras, e também de
história – história universal e especialmente a brasileira – que o
deixava deveras entusiasmado.
- Você é um destruidor de ídolos – dizia. Todos os meus
“heróis” foram postos por terra: D. Pedro I, Maurício de Nassau,
Tiradentes...

168
Carlos Rosa – 169

Fazia-lhe ver nessas longas conversas que os livros que ele tinha
lido tinham sido escritos por contadores de “estórias” e não por
historiadores; que os nossos governantes sempre foram avessos à
verdade, pois na sua grande maioria, se viam envolvidos nas mais
terrificantes tramas, nos mais cruciais problemas, aqueles de real
repercussão e, por isso, manipulavam os escritores e os editores ao
seu alvedrio, calando ou simplesmente fazendo com que se
ignorasse ou mesmo se punisse quem se atrevesse a contar a
verdade sobre a história do Brasil. Uma lástima!
Lembro-me de ter-lhe dito num dos nossos encontros, mais ou
menos o seguinte:
- Jamil, certa vez, no século XIX, Michelet, homenageou um
vulto secundário da história da França (Taine), lamentando que o
povo francês não fizesse justiça a alguns heróis esquecidos. E
disse: “A história é às vezes madrasta – cobre de louros os que
pouco fizeram e obscurece o mérito dos verdadeiros heróis”.
E acrescentei:
- No Brasil, também houve um extraordinário professor e
historiador, chamado Assis Cintra, que no início do século XX, ou
seja, a mais de 110 anos, disse: “Se houve na França uma
campanha em favor da verdade histórica conspurcada, porque não
a fazemos também no Brasil?”.
E continuou: “Urge que se remodele nossa história. É certo que
o investigador que isso tentar sofrerá os ataques formidáveis das
vestais da tradição, acordados pelo grasnar dos gansos capitolinos
de nossa história. Os ledores amontoarão citações dos mestres
consagrados: a multidão ignara bradará ao atrevido – demolidor.
Onde pusestes vosso patriotismo? E se não for um forte, o evange-
lizador da verdade histórica baqueará, vencido e humilhado”.
Jamil não podia acreditar no que ouvia. Às vezes tentava dar
algum “pitaco”, mas logo se calava, pois contra fatos não há
argumentos.
Nesse dia, em especial, começamos falando de futebol, passando
para a violência dentro e fora dos gramados, e quando menos espe-

169
170 – Segredos da História do Brasil

ramos, estávamos falando do “herói” Tiradentes, um dos seus


assuntos preferidos.
O que mais o deixou triste, foi quando, em certo encontro, lhe
revelei ter sido Tiradentes um frouxo, um elemento insipiente, um
indivíduo sem qualquer importância na trama da “Conspiração
Mineira”, só tendo sido elevado à categoria de “herói”, por interes-
se dos demais conspiradores. Estes sim, apesar de não entenderem
nada de revolução, eram ladinos, cultos, matreiros, que viram na
figura insignificante do alferes, a salvação dos seus corpos.
Pediu mais dois chopes e acrescentou:
- Está bem! Prove o que diz.
Eu sabia que o dia seria longo e muita conversa complicada,
pois não é nada fácil transformar um evangélico em um ateu (um
ser consciente) ou mesmo em um católico, já que o princípio
existencial, quando enraizado, fica muito difícil de demovê-lo. Mas
eu tinha fé.
Lembro-me de ter-lhe dito:
- Jamil, ensinam os mestre, com a aquiescência de nossos
governantes, o seguinte: – O alferes Joaquim José da Silva Xavier,
vulgo Tiradentes, é um vulto heroico e glorioso da nossa história,
tendo sido o protomártir da nossa política. Quanta sandice, quanta
tolice, quanta mentira! E por quê?
- Os motivos são vários, como você verá – acrescentei.
1º - Foi covarde, renegando suas ideias, se é que as teve, e seus
atos;
2º - Porque se humilhou, pedindo clemência dos déspotas que o
condenaram:
3º - Porque foi preso como revolucionário e “morreu” como
santo.
4º - Porque 28 anos antes dele ter nascido, houve um
“brasileiro” que com armas na mão, levantou a capitania de Minas
contra o opressor, visando à proclamação da República;
5º - Porque foi ele que comprometeu a Conjuração Mineira, da
qual era simples portador de recados.

170
Carlos Rosa – 171

- Se não, vejamos:

1º - O COVARDE:
Auto de perguntas feitas ao alferes Joaquim José da Silva
Xavier. Ano do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo de 1789,
aos 22 dias do mês de maio, nesta fortaleza da Ilha das Cobras,
cidade do Rio de Janeiro, onde foi vindo o desembargador José
Pedro Machado Coelho Torres, comigo, Marcellino Pereira Cleto,
ouvidor e corregedor desta comarca, e escrivão nomeado para esta
devassa, e o tabelião José dos Santos Rodrigues de Araújo para
efeito de assistir a estas perguntas, e sendo aí se procedeu a elas
na forma seguinte, de que tudo para constar fiz auto. E eu,
Marcellino Pereira Cleto, ouvidor e corregedor desta comarca e
escrivão nomeado, o escrevi. E sendo perguntado como se
chamava, de quem era filho, donde era natural, se tinha algumas
ordens, se era casado ou solteiro, e que ocupação tinha, respondeu
que se chamava Joaquim José da Silva Xavier, filho de Domingos
da Silva Santos e de sua mulher Antônia da Encarnação Xavier,
natural de Pombal, termo da vila de São João d’El Rei, capitania
de Minas Gerais, que tinha quarenta e um anos de idade, que era
solteiro, que não tinha ordens algumas, e com efeito, vendo-lhe eu
o alto da cabeça, vi que não tinha tonsura alguma, que era alferes
do regimento da cavalaria paga de Minas Gerais. E sendo-lhe
perguntado se sabia a causa de sua prisão, respondeu que não.
- Antes de continuar, mesmo não sendo este um livro oficial de
história do Brasil, este depoimento de Tiradentes está disponível na
Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro, no processo da Devassa da
Inconfidência Mineira, e pode ser acessado por qualquer pessoa
que queira saber a verdade. Mas vamos continuar:
E sendo-lhe mais instado que dissesse a verdade porque se
sabia que ele, respondente, tinha dito que os Cariocas eram uns
patifes, vis, que era bem feito que levassem com um bacalhau, visto
que queriam suportar o jugo do governo da Europa, do qual se
podiam livrar, como fizeram os americanos Ingleses, e que se

171
172 – Segredos da História do Brasil

todos tivessem o seu ânimo, já estaria isso executado, pois ele se


achava com valor de vir atacar o próprio vice-rei no seu palácio e
que nas Minas certamente se levantarão contra o governo, e que
seria bom que o Rio de Janeiro e São Paulo dessem as mãos para
a mesma empresa, respondeu que era inteiramente faltar à verdade
o dizer que ele, respondente, tinha dito semelhante proposição,
pois só se ele estivesse bêbado ou louco poderia a tal proferir. E
acrescentou que tudo é uma quimera, que ele não é pessoa que
tenha figura nem valimento, nem riqueza para poder persuadir um
povo tão grande a semelhante asneira.
E sendo instado que dissesse a verdade, porque sem que ele
tivesse as qualidades que julga necessárias para esse intento,
poderia entrar nele, seguindo o partido de algumas cabeças que o
tivessem intentado, respondeu que nem tinha entrado em
semelhante projeto, nem dele tinha notícia alguma.
E por este modo, houve o dito desembargador estas perguntas
por findas e acabadas, dando o juramento ao respondente de haver
falado a verdade nelas pelo que respeitava o direito de terceiros, e
assim assinou com o respondente e testemunhas depois deste lhe
ter lido e o acharem na verdade e assinou também o tabelião José
dos Santos Rodrigues de Araújo, que a tudo esteve presente. E eu
Marcellino Pereira Cleto, ouvidor e corregedor desta comarca e
escrivão nomeado para esta devassa, o escrevi.
Diz a emenda no princípio destas perguntas ou entrelinhas:
filho de Domingos da Silva dos Santos – e eu sobredito o escrevi e
assinei. Marcellino Pereira Cleto, Joaquim Silvério dos Reis, Joa-
quim José da Silva Xavier, João José Nunes Carneiro e José dos
Santos Rodrigues de Araújo Torres.
Eis a verdade inconteste: Tiradentes diz textualmente que só
clamaria contra a escravidão dos brasileiros se estivesse bêbado ou
louco, e que a Independência era uma asneira. Portanto, renegou
suas ideias, se é que as teve algum dia. Se isso não é covardia... Foi
um ato heroico e glorioso?

172
Carlos Rosa – 173

Jamil não movia um músculo sequer da face. Solveu um grande


gole de chope, deu uma mordida na calabresa, olhou para cima e
disse:
- Eu não posso acreditar! Eu sempre li que ele era um dos
maiores heróis brasileiros, senão o maior... Um covarde...
Continue, continue, me disse:

2º O HUMILHADO:
Relatório da Província Religiosa do Brasil em 1792:
“... e em relação do enforcamento do réu Xavier, vulgo
Tiradentes, fizemos endereçar do réu um requerimento em termos
humildes e cristãos à Sereníssima e Santa Rainha, pedindo
clemência; mas em vista de ser necessário um exemplo para conter
os exaltamentos de liberdade de que estavam possuídos e natural
escarmento dos povos, acharam o senhor visconde governador das
Minas e o vice-rei, que se não perdoasse ao supradito réu a quem
confortamos como pudemos e dele fizemos um crente conformado e
humilde. Pensamos justas as considerações expedidas pelo senhor
visconde e por isso será de bom que a rainha não perdoe, o que
não faria exemplo. E dos conjurados é sabido ter sido o réu o mais
falador e o mais insignificante do Grêmio da Sociedade desta
província, motivos que determinaram a sua escolha para morrer
como exemplo (Arquivo de S. Bento, em Lisboa).
“... e seria de bom alvitre que V. Excia. não se deixasse
impressionar pelo tom humilde da petição do alferes Xavier,
pedindo clemência. Embora tenha sido certo como ele diz que não
foi o chefe, é necessário um exemplo, e nesse caso será bom
desencaminhar a petição da Piedade de Sua Majestade. (carta do
visconde de Barbacena ao secretário de Estado de D. Maria I).
Assim, Tiradentes, pediu humildemente a clemência da rainha
de Portugal e não a obteve, apesar da sua humildade. Ora, isso não
é ser herói. Um humilhado que mendiga um perdão ao algoz não
pode ser vulto glorioso, um heroico revolucionário.

173
174 – Segredos da História do Brasil

3º UM REVOLUCIONÁRIO TRANSFORMADO EM
SANTO:
Entra o algoz para lhe vestir a alva e pedindo-lhe como de
costume perdão da morte, e que a justiça é que lhe movia os braços
e não a vontade, placidamente, voltou-se a ele e lhe disse:
– Oh! Meu amigo, deixe-me beijar-lhe as mãos e os pés.
O que fez com demonstração de humildade, e com a mesma
despiu a camisa e vestiu a alva dizendo que o seu Redentor
morrera por ele também nu (Relação circunstanciada da pérfida
conjuração descoberta em Minas Gerais e coleção de várias peças,
etc., por um amante da verdade e do trono – 1792).
Vendo Tiradentes o carrasco que entrava na prisão a pôr-lhe as
cordas, assim que o reconheceu lhe beijou os pés com tanta
humildade, que, sendo ele, carrasco, do número dos que afetam
dureza e crueldade, chegou a comover-se e deixou escapar uma
lágrima. Ao despir-se para receber a alva, despiu também a
camisa e disse assim:
- Nosso Senhor morreu nu por meus pecados. (Memória do êxito
que teve a conjuração de Minas e dos fatos relativos a ela,
acontecidos nesta cidade do Rio de Janeiro, desde o dia 17 até 26
de abril de 1792. – Arquivo do Instituto Histórico Brasileiro).
Minha amiga ou meu amigo leitor me diga com sinceridade: Um
revolucionário que morre assim como um santo (e não é qualquer
santo), como um padre pio, chorando e beijando os pés do negro
Capitânia –, o carrasco que ganhara dez patacas para enforcá-lo,
positivamente não pode ser considerado herói, ou pode?
Nem tal morte constitui um padrão de glórias. Seria a morte de
um “santo” do cristianismo, porém, não a de uma militar revoltoso.
Prenderam um revolucionário e “enforcaram” um frade.
Compare-se o procedimento de Tiradentes com o do padre
Roma: Tiradentes, oficial dum regimento de cavalaria, ao morrer,
chora e beija os pés do carrasco. O padre Roma, diante do pelotão
de fuzilamento, no atual Campo da Pólvora, em Salvador, Bahia,
brada corajosamente, apontando para o coração:

174
Carlos Rosa – 175

– Atirai aqui, soldados, que é o centro da vida. Viva o Brasil.


Ou de Felipe dos Santos:
- Morro sem me arrepender do que fiz e certo de que a canalha
do rei há de ser esmagada pelo patriotismo dos brasileiros...

4º - O FALSO PROTO-MARTIR:
Relatório de D. Pedro de Almeida, conde de Assumar, ao rei de
Portugal:
“... a revolução tomou grande vulto, sendo esmagada por duas
companhias de dragões reais e 1500 homens de infantaria e o
intuito dos revolucionários era fazer uma República do povo,
expulsar do governo todos os ministros d’El-Rei, e não admitir
outros. Prendemos Felipe dos Santos, um dos cabeças que nessa
revolta havia praticado os maiores desatinos, pelo que lhe
mandamos fazer logo sumário de suas culpas e como “tudo
confirmasse” (o grifo é nosso), o mandamos arrastar e esquartejar
vivo, pela necessidade urgente de darmos exemplo de rigor, certo
que se sua Majestade estivesse presente, maior seria ainda o
castigo”.
Ora, Felipe dos Santos fez uma revolução que somente foi
vencida por 1500 soldados de infantaria e duas companhias de
dragões reais. Confessou seus intentos republicanos, “não negou”
suas ideias e foi arrastado e esquartejado vivo no dia 16 de julho de
1720.
“... então, o senhor capitão-general mandou amarrá-lo com
couro cru em cavalos indomados, escolhidos com cuidado, e pon-
do-se pano queimado nas ventas dos animais, espatifaram num
abrir e fechar de olhos o corpo do diabólico revoltado, que queria
a República das Minas, sem a autoridade do Senhor governador e
dos juízes d’El-Rei Nosso Senhor. E noto que o caso ficará de
escarmento” (Carta do secretário do governo de Minas a D. José
Menezes de Alboim Figuerôa, da casa real).
“Era trevoso o dia pelo tempo ser de inverno pesado. O
capitão-general, à frente das tropas, fez vir o condenado à sua

175
176 – Segredos da História do Brasil

presença e querendo mostrar bondade, disse-lhe que o mandaria


enforcar, dispensando-o do esquartejamento em vida, se ele,
condenado, saudasse em altas vozes, o senhor rei, que Deus o
guarde. Com a mesma petulância com que se armara contra El-
Rei, o réprobo exclamou possesso: – Morro sem me arrepender do
que fiz e certo de que o canalha do rei há de ser esmagado pelo
patriotismo dos brasileiros, num dia que há de vir e que será a
minha vingança”.
Em carta ao rei datada de 21 de julho, diz o conde de Assumar,
entre outras coisas, referindo-se ao chefe da revolução:
“... o mais diabólico homem que se pode imaginar, chamado
Felipe dos Santos, português, que era perturbador ... para mover o
povo em todas as partes e como fosse achado em flagrante delito, e
a voz era pública de ser amotinador conhecido, estando em
algumas partes tumultuando as gentes com suas sugestões, não só
me pareceu que necessitava também de um rigoroso exemplo, mas
era extrema necessidade... eu, Senhor, bem sei que não tinha
jurisdição para proceder tão sumariamente ... o aperto era tão
grande que não havia instante a perder, a brandura já não podia
obrar e só o rigor e um exemplo horroroso faria (como fez),
alguma impressão”
Protomártir, quer dizer, primeiro mártir: proto, primeiro.
Logo, o protomártir da nossa independência, não foi Tiradentes, e
sim Felipe dos Santos.
Para se ter uma noção do feito de Felipe dos Santos Freire (seu
verdadeiro nome), a extraordinária escritora Cecília Meireles
escreveu:
Dorme, meu menino, dorme,
— que Deus te ensine a lição
dos que sofrem neste mundo
violência e perseguição.
Morreu Filipe dos Santos:
outros, porém, nascerão.

176
Carlos Rosa – 177

- Dois chopes, gritou Jamil ao garçom que passava do outro lado


do restaurante, e acrescentou:
- Sabe de uma coisa? Eu nunca ouvi falar desse tal de Felipe dos
Santos. E depois de solver um gole do delicioso e gelado líquido,
acrescentou: – Por que a nossa história é tão desgraçada, tão
mentirosa e tão desprezível?
Sorri para ele. Tomei também um trago do chope, pedi ao
garçom um filé à palito mal passado e disse-lhe:
- Caro amigo, você não é o único que não ouviu falar de Felipe
dos Santos. Tenho certeza que 99% da nossa população também
não sabe nada sobre ele. E se sabe alguma coisa, não tem a menor
ideia do que aquele homem fez em 1720. Como você ouviu –
acrescentei – ele era português, logo, não se podia dar o título de o
protomártir da Independência do Brasil a um estrangeiro, muito
menos a um português; essa glória teria de ser dada a um brasileiro
nato. Poderia ser qualquer um; a glória recaiu sobre Tiradentes.
Coisas do destino – disse.
Antes que o Jamil pudesse dizer mais alguma coisa, fiz-lhe sinal
para que não dissesse nada e disse:
- Amigo, ainda falta o quinto item: O indiscreto.

5º - O INDISCRETO DA CONJURAÇÃO:
“ ... e declararam (o Dr. José Alves Maciel e o coronel
Francisco de Paula Andrade, protagonistas de Inconfidência), que
Tiradentes nessa dita conspiração, figurou apenas como um
confidente do Dr. José Alves Maciel, limitando-se o seu papel a
simples correio para comunicar certas informações que não
convinham que fossem por escrito a fim de evitar a possibilidade
de riscos que corriam de poder o governador havê-las, sendo em
cartas, missão que ele não soube desempenhar com a cautela
devida, em vista do seu gênio exaltado e tagarela, entusiasmando-
se com a exposição Que lhe fazia o Dr. José Alves Maciel, das
vantagens que gozavam os americanos com a sua independência,

177
178 – Segredos da História do Brasil

levando o seu exaltamento e louquocidade à indiscrição de revelar


no quartel do seu regimento o projeto da conspiração, o que deu
lugar a ser denunciado por Joaquim Silvério dos Reis, e ele só foi
o único em quem se executou a pena de morte, por não ter tido
quem por ele se interessasse e estar o governo português disposto
a castigar com severidade qualquer tentativa para a
independência” (depoimento de Barbacena, publicado no Jornal
do Commércio, de 27 de novembro de 1792).
E seria possível que, numa conspiração de doutores, padres,
comandantes de regimentos, proprietários de minas, coronéis, etc.,
o chefe fosse um simples alferes, que estivera na cadeia do governo
do antecessor de Barbacena por não poder pagar suas dívidas?
Tiradentes falava demais e foi por isso que a conspiração
fracassou.
Jamil tomou o restante do chope de um único gole, comeu um
pouco do filé, respirou fundo, levantou-se, foi até à porta que dava
para a areia da praia, lá permaneceu por alguns instantes, e retornou
resoluto:
- Isso é a maior sacanagem que eu já ouvi. Quer dizer que tudo
que está lá, no museu da Inconfidência, em Ouro Preto é mentira? –
perguntou com certa raiva.
- Sim! – respondi secamente.
Ele, então, fez uma pergunta deveras interessante, e que até
àquele dia, ninguém ma havia feito:
- Me diga uma coisa; ele foi enforcado?
- Não! – respondi rindo.
Bem, mas isso é outro assunto que fica para o próximo livro.

178
Carlos Rosa – 179

“AVENTURAS,
AMORES, JURAS E
FALSIDADES DE
UM PRÍNCIPE”

As pessoas gostam de modéstia e


a modéstia é a maior arrogância do
ser humano, uma demonstração de
superioridade.
– Paulo Coelho.

179
180 – Segredos da História do Brasil

Não era a primeira vez que visitava o museu do Ipiranga. Desde


o tempo de estudante primário, tinha verdadeira alucinação pelo
local. Por diversas vezes tinha ali me dirigido a fim de na presença
de elementos físicos, me ficasse mais gravados na memória os fatos
históricos brasileiros, que tanto gostava.
Formei-me em história geral e lecionava a matéria em um
colégio estadual – 7ª e 8ª séries.
Nesse domingo de novembro, dia límpido e ensolarado, levei
pela primeira vez ao citado museu a minha família, mulher e dois
filhos, Miguel de 11 anos e Débora de 7.
Chegamos cedo; o dia tinha de ser proveitoso sob todos os
pontos de vista.
Visitamos primeiro o monumento, onde estão os restos mortais
do nosso primeiro imperador e da imperatriz Leopoldina.
Quando chegamos ao museu, eram aproximadamente dez horas
e era grande a quantidade de visitantes.
Começamos a circular por caminhos previamente traçados por
mim, em visitas anteriores e, à medida que ia descrevendo à família
os objetos e feitos de épocas remotas, percebi que um homem que
aparentava uns 35 a 40 anos, robusto, alto, bem vestido, apesar de
um pouco antiquado e de longas costeletas, vinha-nos seguindo.
Pensei de imediato tratar-se de um ladrão. Não era possível –
uma pessoa de seu porte, de maneiras aristocráticas..., não podia ser
um ladrão.
Quem seria? E porque nos seguia? Retardei o passo a fim de ter
certeza da intenção de estranho.

180
Carlos Rosa – 181

Este, logo se apercebeu de minhas intenções e prontamente


tentou desfazer esse mal-entendido, aproximando-se de nós e,
muito cordialmente, disse:
- Bom dia, meu nome é Francisco e queiram-me desculpar pela
maneira não muito correta com que me fiz apresentar. É que tenho
observado de longo tempo que o senhor sempre vinha só em visita
ao museu, porém hoje...
Meio espantado com a explicação do homem, de pronto
apresentei Cristina, minha mulher e os dois filhos.
Ao estender a mão à minha mulher, o estranho curvou-se num
gesto de grande delicadeza e tomando-a em suas mãos, beijou-a,
dizendo:
- Encantado, senhora – seus filhos são crianças belíssimas.
- E o senhor trabalha no museu? – perguntei.
- Mais ou menos – disse – e acrescentou sorrindo: – tenho
alguma coisa a ver com ele.
- Ora, então porque não nos acompanha em nosso passeio e nos
mostra o que sabe sobre o lugar? – acrescentei.
- Com muito prazer – disse.
Foi um dia maravilhoso! Nosso cicerone parecia saber tudo que
o museu continha: detalhes, datas, segredos... Como professor de
história e assíduo frequentador do lugar, pensava que não tinha
mais nada a aprender no local. Ledo engano. Nosso novo amigo
tornou-se durante todo o dia, o mais perfeito guia e, em linguagem
histórica fluente, cheia de quês e porquês, mostrou-nos, ou melhor,
mostrou-me o que não tinha visto durante anos e que pensava ter
visto.
A sirene tocou pela primeira vez alertando os visitantes que,
dentro de 15 minutos a visitação estava encerrada. Despedimo-nos
– mas antes que pudesse lhe pedir o endereço e o telefone, tirou do
bolso de dentro do paletó, dois pequenos livros, dizendo:
- Meu amigo, por longa data tenho andado por estes corredores à
procura de um homem a quem pudesse confiar estes pequenos
opúsculos; tenho certeza que o encontrei. Peço que após abalizada

181
182 – Segredos da História do Brasil

leitura, os torne públicos, para que as gerações futuras venham


realmente ter conhecimento de alguns fatos deturpados e
esquecidos da nossa história. Promete que assim o fará?
Disse que sim, e ele continuou:
- Professor, o que vai ler poderá lhe parecer à primeira vista,
uma loucura ou então ter sido escrito por um louco, um idiota, mas
não. O que estas duas pequenas brochuras contêm, são a mais pura
verdade sobre os acontecimentos nelas descritos.
- Ah! A propósito – disse ele – meu nome completo é Francisco
Gomes da Silva, e foi um grande prazer tê-lo conhecido
pessoalmente.
Despedimo-nos e de posse dos dois pequenos volumes, olhei
para minha mulher que, atônita, me fitava sem nada entender.
- Que elemento estranho – disse ela. Porque ele mesmo não
publica os escritos? Porque tinha que ser você?
Eu continuei a olhar o gentil homem que a passos lentos se
distanciava de nós por um longo corredor, virando à direita no fim
deste.
- Não sei – respondi. E acrescentei: – Talvez tivesse gostado de
mim – disse sarcasticamente.
- Como é mesmo o nome dele? – perguntou minha esposa.
- Francisco, Francisco, deixa-me ver. E folheando as primeiras
páginas de um dos livretos, li:

“AVENTURAS, AMORES, JURAS E


FALSIDADES DE UM PRÍNCIPE”
E mais abaixo:

Francisco Gomes da Silva – O Chalaça

182
Carlos Rosa – 183

Folheei o outro livro com a rapidez que me foi possível; o


mesmo nome – porém o título era:

“O FALSO PATRIARCA”
Não me contive e corri até o fim do corredor onde tinha visto o
homem virar à direita; estanquei completamente estupefato. A
única coisa que havia à direita no fim do corredor era uma pequena
entrada que dava acesso a uma janela, que pelo jeito devia estar
fechada há anos.
Fiquei como que entorpecido e somente voltei à realidade,
quando um guarda do museu tocou-me no ombro dizendo:
- O senhor está se sentindo bem? Precisa de algo?
Respondi que sim, que tudo estava em perfeita ordem e que já
estava de saída.
Minha mulher que nada entendia, ficou apreensiva com o meu
proceder. Quando cheguei de volta juntamente com o guarda, ela
tremia, tremia muito e foram necessários alguns minutos para
acalmá-la.
Saímos dali em silêncio e uma vez fora do edifício, não podendo
mais conter a curiosidade, sentamos num banco, nos jardins
fronteiriços ao museu e, prontamente, comecei a ler os livros que o
misterioso homem me havia entregado, enquanto as crianças
brincavam na grama do jardim, ao nosso lado.
Iniciei a leitura pelo: “AVENTURAS...”, e logo no prefácio que
era bastante reduzido, não tive dúvidas de que era porta-voz de algo
até então obscuro da nossa história. Dizia o prefácio:
“É com grande alegria que nesta pequena narrativa, longe de
pretender mudar o curso ou os fatos históricos, faço saber a quem
interessar possa, de fatos passados sob meus olhares e de outras
verdades incontestes, esquecidas de nossos proeminentes
historiadores, e que versam sobre meu ex-amo e senhor, o
Imperador do Brasil, Dom Pedro I.
Ass. Francisco Gomes da Silva – O Chalaça.

183
184 – Segredos da História do Brasil

“AVENTURAS, AMORES,
JURAS E FALSIDADES
DE UM PRÍNCIPE”

CAPÍTULO PRIMEIRO

“CARLOTA JOAQUINA”

Para falar da personalidade de D. Pedro I, meu ex-amo e


Imperador do Brasil, vou, antes de tudo, fazer uma rápida retros-
pectiva de como o mesmo foi educado e qual a sua descendência.
Era “filho” da famigerada Carlota Joaquina, “aberração” da
natureza – aquela que devia ter nascido homem, mas nasceu
mulher.
Ela foi a primeira filha do rei Espanhol Carlos IV com dona
Maria Luísa de Bourbon, nasceu a 25 de abril de 1775 na cidade de
Aranjuez. Aos dez anos foi obrigada a contrair matrimônio por
meio de procuração, com o príncipe português D. João, segundo
filho da rainha Maria I, a Louca. O casamento de ambos deu-se por
interesse das duas famílias, que ambicionavam um acordo entre os

184
Carlos Rosa – 185

dois países. D. João veio a tornar-se príncipe regente e em seguida


rei de Portugal, somente após a morte de seu primeiro irmão, D.
José, adquirindo então o título de D. João VI. Carlota Joaquina era
uma pessoa que não se enquadrava nos padrões de beleza – era feia
de nascimento, possuía um gênio muito forte e pretendia sempre
impor suas vontades.
De homem tinha quase tudo – a energia, as maneiras um tanto
rudes, a desenvoltura de gestos, a linguagem solta (falava muitos
palavrões), a ambição desmedida, o espírito de domínio, a
coragem, a turbulência e até o rosto cabeludo e feio.
De mulher, muito pouco – apenas a elegância, a teimosia, o
fraco pelas joias e vestidos ostentosos, e aquela ânsia de sexo que a
fez uma das mulheres mais escandalosas e devassas do seu tempo.
Há criaturas com as quais a natureza erra em quase tudo. Com
Carlota Joaquina o erro foi literal. Errou em produzi-la e errou em
escolher-lhe o marido. Deu-lhe a triste sina de ter um marido que
evidentemente nascera para mulher. D. João VI usava calças por
outra “aberração” da natureza.
D. João e Carlota Joaquina nunca se harmonizaram a não ser
num particular – ambos não conheciam a necessidade de banho.
Era sempre constrangedor, tanto para os homens, quanto para
mulheres estar em sua presença. Quando na presença de homens,
estes se sentiam constrangidos por aquela figura de saias participar
das discussões que só diziam respeito aos homens. Na presença de
mulheres, estas a achavam uma intrusa, pois as saias pareciam
simplesmente um disfarce, já que os gestos e o linguajar eram de
um homem desqualificado.
Bem poucas rainhas foram mais orgulhosas, mais invejosas,
mais agitadas e mais agitadoras do que ela. Mas poucas tiveram
também maneiras mais plebeias, gostos mais grosseiros, educação e
caprichos mais reles. Um desastre!
Na sua vida nunca se serviu de uma metáfora, nunca escolheu
um qualificativo que pudesse atenuar uma expressão escabrosa.

185
186 – Segredos da História do Brasil

Dizia tudo pelos próprios nomes, sem rodeios, sem disfarce.


Nenhuma cabeça coroada teve linguagem mais chula. Nunca o
sangue lhe subiu ao rosto ao pronunciar um palavrão, nunca
respeitou situações para desencadear o vocabulário da sarjeta.
Tem-se a impressão de que a natureza a uniu a D. João VI para
gozar o espetáculo do contraste.
Carlota Joaquina não foi para o marido apenas um trambolho;
foi um perigo, a asa negra, a sombra infernal.
A primeira conspiração que houve contra D. João VI, foi ela que
a provocou. Isto poucos anos depois de casada. D. João, ainda em
Portugal, já regente, foi atacado de uma melancolia profunda, que o
fez trocar o palácio de Queluz em Lisboa, pelo convento dos frades
na cidade de Mafra, e depois pelas paisagens do Alentejo. Quando
abriu os olhos, estava uma conspiração formada em Lisboa. Carlota
Joaquina pretendia dá-lo como incapaz – maluco – e assumir a
regência.
Não houve, realmente, mulher mais perigosa. Não tinha a mais
vaga noção da conveniência, a mais leve sombra de compostura.
No Brasil, mostrou o que era logo ao saltar do navio no Rio de
Janeiro.
Ao chegar aqui a corte portuguesa, o povo correu festivamente a
receber os monarcas. D. João mostrava-se alegre ante as
espontâneas e sinceras manifestações populares.
Carlota Joaquina, malcriada e orgulhosa, metida num vestido
liso de seda preta, cabelo cortado muito rente (que ela cortou no
próprio navio, pois estava infestada de piolhos), lenço branco preso
à cabeça, essa chorava.
De emoção, de alegria? Não. De vergonha – dizia ela – por se
ver transformada em soberana de um país de negros.
Aqui, não houve quem mais desse trabalho ao governo. Odiava
profundamente a terra brasileira. Vivia sempre com cara de cão
raivoso, sempre de “nariz torcido”, como a sentir mau cheiro em
tudo. Amaldiçoava as nossas coisas, o nosso clima, os nossos
homens e, ao voltar a Portugal, no cais de Lisboa, descalçou os

186
Carlos Rosa – 187

sapatos, atirando-os ao mar. Disse que era para não manchar a terra
dos brancos com os calçados que havia pisado a terra dos negros.
Fez terríveis confusões e conflitos com o novo costume que
instituiu: Todos deviam descobrir-se (tirar o chapéu ou qualquer
coisa que tivesse na cabeça) demoradamente à sua passagem, e
quem tivesse montado a cavalo, teria de desmontar e quem tivesse
de carruagem, teria que descer para prestar-lhe homenagem.
Muitos fidalgos e diplomatas sofreram grandes vexames por
causa dessa lei.
A vida de D. João VI e Carlota Joaquina talvez tivesse sido a
mais desarmoniosa de qualquer casal que já pisou neste mundo.
Não era dizer que não se amavam – odiavam-se. A mulher fazia
tudo para contrariar o marido; o marido tudo fazia para danar a
mulher.
D. João era apegado a D. Pedro, talvez por se julgar, de fato, pai
do príncipe. Carlota não tinha a D. Pedro nenhum carinho materno,
ou porque o não tivesse de verdade, ou porque o dissimulava para
hostilizar o marido.
Os seus carinhos eram todos para o príncipe D. Miguel, que as
“más línguas” sempre afirmaram não ser filho de D. João.
Ela própria ensinava o filho querido a desrespeitar aquele que,
pelo menos oficialmente, era seu pai.
A infidelidade de Carlota nasceu na própria lua de mel (aos 12
anos de idade). Um dos primeiros amores foi o oficial de marinha
Luiz Mota Fio que, por desconfiança de D. João, foi mandado para
Angola, como governador.
Muito cedo D. João desconfiou das leviandades da esposa, mas
certeza só teve mais tarde, durante o tempo em que fora concebida
a princesa Maria de Assunção. É que Carlota vivera quase um ano
inteiro na quinta do Ramalhão e o marido em Queluz e em Mafra...
Mas o demônio da mulher teve habilidade de convencer o marido
de que a princesinha era um fruto temporão.
Ao ser, no ano seguinte, surpreendida com nova gravidez, que
resultou no nascimento de Dona Anna de Jesus Maria, Carlota quis

187
188 – Segredos da História do Brasil

passar a noite com D. João, mas este não mais se deixou enganar e
trancou-se no seu quarto, não deixando a mulher entrar.
Carlota fez escândalo como qualquer mulherzinha da rua: gritou,
berrou, quis por a porta abaixo. Mas a porta não se abriu. D. João
também era teimoso. Nunca mais lhe dirigiu a palavra, a não ser
nas cerimônias oficiais.
E o seu desejo manifestou-se claro aos íntimos do paço: não
reconhecer a princesinha como sua filha. Não foi pequeno o
trabalho que a corte teve em demovê-lo do capricho. Cedeu porque
o escândalo teria um ruído universal.
Carlota Joaquina deu à luz nove filhos, os quais foram batizados
com os seguintes nomes: Maria Teresa, Antonio Pio, Maria Isabel
Francisca, Pedro de Bragança - que viria a ser o futuro soberano do
Brasil –, Maria Francisca, Isabel Maria, Miguel, Maria da
Assunção e Ana de Jesus.
Quando a corte se transferiu para o Brasil, a separação entre os
dois consortes era total. Viviam em casas separadas – o rei na
Quinta da Boa Vista, a rainha nas casas das Laranjeiras e no Rio
Comprido.
Nem mesmo em caso de grave doença, D. João entrava no
quarto da rainha.
No Rio de Janeiro, só em 1817, pelas festas do casamento de D.
Pedro, o rei e a rainha jantaram juntos.
D. João, além do ódio que lhe votava, tinha-lhe medo.
A vida de Carlota Joaquina fora um inferno para ela própria. A
natureza talhou-a para o domínio, e a pobre mulher nunca pode
dominar à altura dos seus desejos. A natureza fê-la orgulhosa e o
marido caprichava em diminuí-la.
Existem criaturas que dão, na vida, a impressão exata de
temporais. Carlota Joaquina teve tudo das tempestades. A primeira
borrasca que deflagrou foi no seu lar, e a última no “miguelismo”
(querendo fazer de D. Miguel rei de Portugal), que a sua ambição e
a sua turbulência desencadearam em Portugal, à sombra da audácia
rústica de D. Miguel.

188
Carlos Rosa – 189

- Amor, vamos para casa? – disse minha esposa, com carinho.


Perdi a noção do tempo. Já estava escurecendo e eu ali,
totalmente absorto lendo o livro, sem prestar atenção alguma à
minha esposa e filhas.
- Claro, claro – disse automaticamente – fechando o livro.
No caminho para casa, minha esposa me perguntou:
- Amor, que tal o livro?
- Nada que eu já não soubesse – disse secamente.
- Então, porque toda essa atenção à leitura? – perguntou ela.
- É que o autor é, nada mais, nada menos, do que o Chalaça –
disse com voz trêmula.
- Quem???
- Quando chegarmos a casa eu te explico – disse sorrindo.
A viagem para casa transcorreu com alegria e descontração, e
não se falou absolutamente nada sobre os livros dados pelo
“estranho”.
É claro, assim que foi possível, a Cristina me interrogou:
- Quem é esse tal de Chalaça?
- Amor – senta aí – disse apontando para uma cadeira na minha
sala de trabalho. E acrescentei: – O que eu vou te contar, pode
parecer doido ou mesmo que eu estou sofrendo de alucinações, mas
a coisa é muito séria.
Liguei o computador, acessei o Google e entrei no site do
Wikipédia e digitei: CHALAÇA, e disse:
- Amor, leia o que o Wikipédia diz sobre o senhor Francisco
Gomes da Silva, o Chalaça. Levantei-me e saí da sala deixando a
Cristina só com o computador, indo até à cozinha preparar um
“tira-gosto” e beber uma cerveja geladinha, pois ninguém é de
ferro.
Após uns vinte minutos, ela apareceu na cozinha completamente
branca e andando de forma cambaleante. Perguntei assustado:
- Amor, o que você tem?

189
190 – Segredos da História do Brasil

- Tudo – disse ela – com voz intercortada. E sentando-se numa


cadeira, falou:
- Quer dizer que aquele homem que te entregou os livros é o
mesmo que eu li no Google?
Assentei com a cabeça, e acrescentei:
- Tudo leva a crer que sim – disse em tom de admiração.
- Então, ele era um fantasma?
- Parece que sim – disse – e acrescentei: – Você reparou que ele
era tremendamente parecido com a pintura que está no Wikipédia?
Um pouco mais velho, mas muito parecido – conclui.
- Exatamente! – disse Cristina levantando a sobrancelha.
Comentei:
- Você se lembra de que depois que ele me entregou os livros,
foi até o fim do corredor e entrou à direita?
Cristina concordou com a cabeça e eu acrescentei:
- Por acaso você sabe o que tem à direita no final do corredor?
Ante a negação dela, eu disse:
- Nada, a não ser uma janela que não é aberta a mais de 20 anos,
no mínimo.
- E para onde ele foi? – perguntou Cristina.
- Não tenho a menor ideia.
Ficamos ali uns três ou quatro minutos em total silêncio,
olhando um para o outro, até que eu disse em tom interrogativo:
- Compreendeu agora o meu interesse no livro? Deve ter coisas
muito interessantes que a grande maioria das pessoas nem
desconfia a respeito do nosso primeiro imperador.
Cristina sorriu e disse:
- Quando você terminar de ler o livro quero lê-lo também.
- Fechado – disse sorrindo, e acrescentei: – só tem um pequeno
problema: o linguajar que ele usa é antigo e algumas palavras e
frases são um tanto inadequadas para a nossa época, mas nada que
vá assustar alguém, muito menos você – disse rindo.
Cristina também riu e eu fui para a minha sala continuar a ler o
livro escrito pelo Chalaça.

190
Carlos Rosa – 191

Peguei o livro e abri na folha marcada, retornando ao capítulo já


lido que dizia:
Existem criaturas que dão, na vida, a impressão exata de
temporais. Carlota Joaquina teve tudo das tempestades. A primeira
borrasca que deflagrou foi no seu lar, e a última no “miguelismo”
(querendo fazer de D. Miguel rei de Portugal), que a sua ambição e
a sua turbulência desencadearam em Portugal, à sombra da audácia
rústica de D. Miguel. E de D. João VI, uma das criaturas mais
medíocres, atrasadas, estúpidas e talvez mais tolas da estirpe
bragantina, a ponto de dar títulos de nobreza a gente que ia
encontrando em toda a parte, como serralheiros, pedreiros,
verdureiros, comerciantes, etc.

CAPÍTULO SEGUNDO

“DOM JOÃO VI”


Que o reinado de D. João VI tivesse sido de um grande impulso
para o Brasil, nada influi. A história tem muito disso: D. Manuel I,
“O Descobridor”, nunca descobriu nada e foi, pelas circunstâncias
dos acontecimentos, um grande soberano. Há reis que fazem os
momentos históricos; mas, na maioria das vezes, são os momentos
históricos que fazem os reis, como é o caso de D. João VI.
A mudança da corte, as necessidades de restabelecê-la em terras
brasileiras, a urgência de dar emprego à comitiva, os incidentes que
se seguiram, a evolução natural do novo país, guindaram D. João
VI ao brilho da história. No fundo, porém, não foi mais do que um
pobre homem.

191
192 – Segredos da História do Brasil

Quem quiser conhecer uma criatura, more com ela, diz o povo.
Ninguém pode julgar um homem público sem esmiuçar-lhe a
intimidade.
Odiava os pedreiros livres – os maçons – e também os padres
jesuítas, que os imaginava vorazes, a roerem o ouro dos impérios.
A intimidade de D. João é rasteira e, às vezes, de uma
comicidade irresistível.
Percorrendo-se os documentos da família real portuguesa,
guardados na Biblioteca Nacional, a figura de D. João VI parece de
uma mediocridade que beira às raias do inimaginável.
D. João era um homem bragantinamente porco. Não há notícia
de que tenha tomado um único banho no Brasil, nos treze anos que
aqui viveu. A sua “toilete caseira” mesmo a das audiências, era
uma vergonha. Era uma camisa de cambraia que ele conservava no
corpo cinco ou seis dias; calças de pano preto, já ruças; colete
preto; casaca de Saragoça, tudo tão usado e tão gasto que o seu
alfaiate, Thomaz Carneiro, tinha que remendar de véspera para S.
Majestade vestir no dia seguinte. Só nos dias de grande gala vestia
suas roupas mais ricas.
Aí, envergava as fardas rutilantes, os calções de casimira, meias
de seda com fivelas de ouro e brilhantes, condecorações reluzentes
de diamantes, a majestosa e rica peça da Ordem do Tosão de Ouro,
a bengala de ouro em que cintilava um grande diamante da coroa
portuguesa. Vestia tudo isso é claro, sem tomar banho.
Era o egoísmo em figura de gente. Chegava mesmo a ser
avarento. Todos os diamantes que vinham de Minas, Goiás, Mato
Grosso e São Paulo, ele os guardava para si, desde que fossem de
primeira água. E namorava-os como um usurário namora as arcas
de ouro. Ao recebê-los, pesava-os, punha-lhes rótulos, guardava-os
em gavetinhas feitas de propósito para isso e, sempre que podia, os
ia contar e mirar. Aquilo era seu, só seu.
Quando as filhas se casaram e tiveram de seguir para a Espanha,
o camareiro-mor veio preveni-lo de que as princesas não tinham

192
Carlos Rosa – 193

joias. Fez ouvidos de mercador e, como o outro insistisse, ele, junto


dos escaninhos de seus brilhantes, exclamou zangado:
- O erário que dê. Estes aqui são meus.
Quando as princesas partiram, iam paupérrimas de joias, e as
poucas que levavam, foram dadas pela mãe e pela tia. D. João não
deu às filhas um anel sequer. E em nenhum lugar consta que tivesse
dado de seu bolso um presente a quem quer que fosse.
Interesse nas coisas do Estado, nunca teve. Só se preocupava
com aquilo que podia atingir direta ou indiretamente a sua pele.
A história denominou-o o “Rei Clemente”. Tem-no como uma
excelente alma, de uma piedade sem par. Mentiras da história.
Foi sob sua regência que se deu o epílogo da Inconfidência
Mineira. Foi no seu reinado que se ergueram as forcas para os
revolucionários de 1817. “Executou” Tiradentes, como executou o
padre Roma e os outros rebelados de Pernambuco.
Com aquele ar de dissimulado, com aquela preocupação de
passar por monarca liberal e simples, era no fundo um absolutista
vermelho. Tinha ódio feroz aos republicanos, rancor desenfreado a
tudo que fosse ideal democrático. De constituição nem queria ouvir
falar. Reis constituintes, repetia sempre, eram reis de baralhos de
cartas (destino fabuloso: “nada como um dia depois do outro” –
quando voltou a Portugal, teve de se submeter à Constituição então
promulgada e governar pelas mãos dos constituintes se quis
permanecer vivo e “governar”).
Foi um dos maiores glutões do seu tempo. Só frangos, ele, só ele
comia nove por dia – três no almoço, três no jantar e três na ceia.
Eram frangos de leite que ele devorava cozidos e assados.
A esse respeito, caso haja interesse de alguém, há na Biblioteca
Nacional um documento interessante: É uma representação datada
de 1819, pedindo providências contra os empregados do galinheiro
da real ucharia, que tomavam todas as galinhas que aparecessem
nas vizinhanças do Rio. O documento mostra que não há aves que
cheguem ao seu destino, não há doentes que possam tomar uma
canja ou beber o seu caldo. Os empregados do rei andam pelas

193
194 – Segredos da História do Brasil

estradas, pelos portos da baía, tomando as capoeiras de galináceas


já vendidas. Sua Majestade devorava todas as galinhas que
chegavam à capital da corte!
Quando das audiências noturnas, as mesmas por vezes
alongavam-se até muito tarde e, Sua Majestade previdente com seu
real estômago, levava nos bolsos da surrada casaca de Saragoça,
três ou quatro franguinhos assados, que ia devorando à medida que
os debates iam-se desenrolando.
Um dia de D. João desde que acordava até que se deitava para
dormir, é de um ridículo lamentável.
Às seis da manhã o soberano já estava de pé. O seu primeiro
cuidado era fazer as orações no seu oratório particular. Levava
consigo Mathias Lobato, depois barão e visconde de Magé, seu
guarda-roupa. Após a reza, entregava o rosto ao barbeiro (era este o
único luxo de limpeza – fazia a barba todas as manhãs). Depois,
vestia-se com aquela roupa remendada e suja que Thomaz Carneiro
consertava de véspera.
Já no seu quarto particular estava a mesa posta. A hora em que
no paço e em todas as casas da cidade se tomava a ligeira refeição
do café, Sua Majestade engolia três franguinhos assados, sem
molho, com fatias de torradas sem manteiga e bebia uma xícara de
chá.
Sua maneira de comer era a mais grosseira desta vida. O talher
parecia não ter sido feito para os seus augustos e gordos dedos.
D. João estraçalhava os franguinhos à mão e mastigava e engolia
apressadamente, fungando, como se alguém lhe quisesse tomar a
comida. Os ossos das aves, à proporção que os ia descarnando,
atirava-os tranquilamente ao chão.
Quando acabava de comer, tinha as mãos totalmente lambuzadas
de gordura. Passava uma água, enxugava-as na toalha e ia pedir a
benção à mãe, a rainha louca. Diante dela, ajoelhava-se, beijava-lhe
os dedos, perguntava-lhe pela saúde, pedia-lhe as ordens e seguia
para a sala do conselho, a tratar com os ministros.

194
Carlos Rosa – 195

Aí ficava até duas da tarde, digerindo o almoço e esperando o


jantar.
O jantar era as duas em ponto. À mesa não figurava como pela
manhã somente a sua figura real. Vinham os filhos varões e os
sobrinhos. O monarca devorava uma sopa, outros franguinhos
tenros, assados ou cozidos, outras fatias torradas e três ou quatro
laranjas da Bahia. D. João nunca suportou as “seletas” do Rio, por
serem muito doces – afirmava.
Não bebia vinho ou qualquer bebida que tivesse álcool. Era
água, água da Armação, dormida em moringa, que os criados da
ucharia iam buscar do outro lado da baía – hoje Niterói.
Ao terminar o jantar, deitava-se arrotando, já em começo de
digestão. Tinha sempre um livro à cabeceira, mas não chegava
nunca ao fim da página. Cinco minutos depois dormia como uma
jiboia que tivesse comido um bezerro.
Acordava antes das cinco. As cinco em ponto partia para a
Quinta da Boa Vista. O acompanhamento era o que havia de mais
cômico. Dois cadetes de cavalaria, com batedores, iam à frente;
logo atrás, ia um criado fardado montado num burro, levando na
anca do animal uma frasqueira com água para o monarca beber se
lhe desse sede no caminho; atrás do burro, o criado particular,
brandindo uma longa vara de marmelo. A carruagem do rei, forrada
de damasco vermelho, vinha a seguir, puxada por duas bestas
magras (os animais das cavalariças reais eram macérrimos) e
guiada por um cocheiro velho de calças e meias cinzentas,
agaloado de prata, chapéu armado e grande espada pendente. Em
seguida galopava uma guarda de cavaleiros. Logo após, numa sege,
ia D. Miguel, acompanhado de D. Pedro Carlos, o marido de D.
Maria Tereza. Fechava o cortejo um criado também montado num
burro como aquele da frasqueira d’água, levando a garupa da
montaria uma caixa com uma albarda coberta de pano vermelho.
Na caixa (parece mentira, mas é verdade), ia um vaso sanitário
secreto! Sua majestade era previdente...

195
196 – Segredos da História do Brasil

Balançando nas almofadas do carro, D. João de chapéu


enterrado na cabeça (não tirava o chapéu a ninguém). Ao seu lado
ia D. Pedro, o nosso futuro imperador. E como ia? Na posição mais
extravagante que podia ter um príncipe: Em pé, empunhando um
martelo, ia batendo com o mesmo, como um garoto, na maçaneta
de metal da carruagem, a fim de abrir passagem entre o povo. O
pai achava muita graça nas marteladas do filho, que fez tal façanha
até os 14 anos.
Ao chegar a São Cristóvão, os príncipes dispersavam-se, a
cavalo, pelas redondezas, e o rei, acompanhado da filha querida, D.
Maria Tereza, do genro D. Pedro Carlos e dos cortesãos que por ali
apareciam, fazia uma volta pelas alamedas frescas da Quinta.
Ao bater a ave-maria (às 6 da tarde), o palácio estava apinhado
de gente (parasitas). Sua Majestade dava o “beija-mão” e depois
tocava para o paço da cidade com o mesmo acompanhamento da
ida.
Agora, vão os moços à estribeira e à boleia das seges com
archotes acesos. Era um espetáculo fúnebre pelas ruas escuras e
esburacadas do Rio antigo. Tinha-se a impressão de um enterro de
aldeia do sertão, fora de horas.
Isto quase todos os dias, sem muita variação. Chovesse ou não,
voltava ele da Boa Vista para receber a bênção da velha rainha. Só
um motivo o impedia desse movimento de ternura filial (uma das
poucas virtudes suas) – a trovoada.
Se o trovão roncava, ficava lá mesmo na Quinta e mandava o
conde de Parati à cidade, avisar à louca.
Era o seu grande pavor – a tempestade. Mal os relâmpagos
clareavam no céu, corria para o quarto, trancava-se, envolvia-se
num velho cobertor de lã, o rosário na mão, a rezar, a acender velas
a Santa Bárbara, a S. Jerônimo e a todos os santos que se
encarregavam de livrar a gente das borrascas.
Um homem destes poderia ter sido o estadista como querem os
nossos historiadores? Nunca.
Uma criatura rasteira, rigorosamente medíocre, é o que foi.

196
Carlos Rosa – 197

É verdade o provérbio: “As árvores crescidas ao desamparo são


fortes, mas quase sempre são tortas”.

CAPÍTULO TERCEIRO

“O PRÍNCIPE REGENTE”

Dom Pedro de Alcântara Francisco António João Carlos Xavier


de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano
Serafim de Bragança e Bourbon foi o primeiro imperador do Brasil,
como D. Pedro I, tendo sido também Rei de Portugal durante um
curto período.
Recebeu os títulos de Infante, Grão-prior do Crato, Príncipe da
Beira, Príncipe do Reino Unido de Portugal do Brasil e Algarves,
Príncipe regente do Reino do Brasil além de primeiro imperador do
Brasil, como D. Pedro I, de 12 de outubro de 1822 a 7 de Abril de
1831, e ainda 28º Rei de Portugal (título herdado de seu pai, D.
João VI), durante um período de sete dias (entre 26 de Abril e 2 de
Maio de 1826), como D. Pedro IV.
Ficou conhecido como o Rei-Soldado, por combater o irmão D.
Miguel na Guerra Civil de 1832-34 ou o Rei-Imperador. D. Pedro I
abdicou de ambas as coroas: da portuguesa para a filha D. Maria da
Glória e da brasileira para o filho D. Pedro II. D. Pedro I era o
quarto filho (segundo varão) do rei D. João VI e de sua mulher,
Carlota Joaquina de Bourbon, princesa de Espanha, primogênita do
rei espanhol Carlos IV da Espanha.
D. Pedro I foi realmente um forte, mas de caráter tortuoso e
completamente desnorteante. Era evidente que criado naquela
promiscuidade, o príncipe nunca pode ter uma educação regular ou
mesmo que se aproximasse da burguesia.

197
198 – Segredos da História do Brasil

Com uma educação tão descuidada, D. Pedro era o espelho do


desleixo dos pais. Tudo nele era irregular; tudo era imprevisto. A
feição normal do seu caráter é justamente essa – a anormalidade.
Nunca ninguém lhe viu uma ideia firme, uma opinião
determinada. Vivia sua cabeça como um moinho. Nunca seus pen-
samentos tinham solução de continuidade. Quase não existiam
períodos de transição nas suas mudanças. Às vezes está de uma
jovialidade encantadora: brinca, sorri, festeja e acaricia, para dentro
de instantes, cair numa tristeza irascível. De uma clara e límpida
gargalhada, passa, de súbito, a uma irritação tempestuosa de um
ser malcriado.
Não tem a menor ideia do que seja discrição. Nos assuntos mais
graves de Estado, é de uma inconveniência perigosa. Tudo relata
aos serviçais, momentos após estar a portas fechadas com seus
ministros, tratando de assuntos da mais alta relevância do país.
Até mesmo na moralidade, que ele teve muito pouca, encontra-
se a oscilação, o claro-escuro. Em certos dias tem escrúpulos de
entrar na casa da marquesa de Santos. Espera horas na calada da
noite, disfarça-se, mede os passos, esgueirando-se cautelosamente
nos muros. Em outros é apanhado no próprio paço aos beijos e
abraços com a marquesa, quase diante dos olhos da esposa.
No próprio lar tem desplantes de timidez que são contrastes
fragorosos. Um dia obriga a imperatriz a nomear Dona Domitila
sua dama de honra, mas, na hora da apresentação da amante, a
Dona Leopoldina, envergonha-se e faz com que outra pessoa se
encarregue da cerimônia.
Tudo nele é uma sucessão de surpresas e inconveniências.
Hoje poderia se dizer que sofria de distúrbio bipolar.
No começo da propagação separatista, é francamente hostil ao
elemento brasileiro. Depois tem o movimento do “Fico”, depois é
ele próprio a soltar o “grito do Ipiranga”.
Nos primeiros dias está com José Bonifácio no Apostolado.
Logo após, é o maior inimigo de Gonçalves Ledo no Grande
Oriente e, mais tarde, persegue e deporta Ledo por instigação de

198
Carlos Rosa – 199

José Bonifácio. E não passam muitos meses, atira-se contra este,


expulsa-o do país para, em 1831, chamá-lo a tutela dos filhos.
Em D. Pedro tudo é sinuoso, irregular, imprevisto e surpreen-
dente. Os seus atos não têm sequência. Ora pede conselhos, força-
os, exige-os e chega mesmo a segui-los no começo, mas de um
momento para outro, quando menos se espera, sem motivo
nenhum, mete os pés pelas mãos e desembesta nos erros,
desprezando os conselheiros. E, uma vez desembestado, ninguém
mais o detém.
Ao proclamar-se a Independência, é o maior e o mais intolerável
dos jacobinos, mostrando-se mais brasileiro que os próprios
brasileiros. Faz questão de hostilizar os portugueses, combate-os,
castiga-os, persegue-os. Mas, no auge das comemorações, quando o
país inteiro confia nele, eis que chama os portugueses para o seu
lado, forma com eles a sua “panelinha” e dá-lhes braço forte e
ajuda-os contra os brasileiros.
Nunca ninguém lhe negou a valentia e destimidez. É
voluntarioso como ninguém e faz o que lhe vem à cabeça. Parece
não ter a menor sombra de temor. Mas mesmo nisto, encontramos
as duas arestas antagônicas do seu temperamento. Quando José
Bonifácio, magoado com a política de Gonçalves Ledo no Grande
Oriente, abandona o ministério, há na cidade uma ruidosa
manifestação popular em favor da sua volta. Ninguém espera que
D. Pedro ceda. Teve ele sempre um gostinho de afrontar as iras da
multidão. Mas não; corre ao encontro de José Bonifácio, abraça-o
no meio da rua, chora de comoção e o traz a braço dado,
entregando-lhe novamente a pasta, como a cidade exigia.
Nunca se soube o que lhe ia agradar, ou o que lhe ia aborrecer.
As menores coisas fazem com que se torne irascível; coisas graves
às vezes, não lhe causam qualquer comoção.
Embora não fosse belo – cara tosca, mas honrada – como ele
próprio se definia, tinha um certo garbo, uma figura soldadesca.
Tomava poucos tons de corte, preferindo os exercícios de corpo e
gostava de chalacear. Enquanto a letras, tosco como de rosto, sem

199
200 – Segredos da História do Brasil

ortografia e péssima redação, não tinha, todavia, dúvidas em querer


sobrepassar os outros homens. Ele o confessa a Antônio Teles da
Silva Caminha e Menezes, depois Marquez de Resende, seu
camarista, erudito, grande fidalgo, um Penalva pelo pai, um
Lavradio pelo lado materno. Dedicava-se com tanta firmeza ao
regente, que D. Pedro lhe oferecia a sua amizade, às vezes com
algumas peças de caça, nestes termos que querem ser graciosos e
numa fantasiosa prosa mal ortografada:
“Querendo em tudo (como devo) distinguir-me dos demais
homens, busquei alcançar o que em quase todos falta, que é a
verdadeira amizade. Portanto pondo-a em prática, ofereço-lhe ou,
melhor dizer, dou-lhe fiado na sua correspondência parte de minha
cassada de hoje e também aproveito desta maneira a ocasião de
lhe certificar In verbo sacerdotis (D. Pedro adorava frases latinas)
que não tive o mais leve incômodo. Deste seu amo e amigo,
Pedro”.
Era epilético; e é natural que seus atos inconsequentes fossem
em consequência da enfermidade.
Como marido foi detestável. Bem poucas mulheres no mundo
sofreram as humilhações de Dona Leopoldina, tão resignada e tão
bela. O amor próprio da imperatriz, o seu brio de esposa eram
constantemente feridos no próprio lar pelas saias farfalhantes e
escandalosas da marquesa de Santos. Morreu a infeliz, vítima de
um pontapé dado em seu ventre, quando estava prestes a dar a luz
mais um filho, num dos acessos normais de brutalidade do nosso
primeiro imperador. E coisa singular! Ao morrer Dona Leopoldina,
D. Pedro chora-a sinceramente, sem ostentação, como se a tivesse
amado toda a vida.
Há ocasiões em que ele se nos apresenta com as feições de um
louco. Era completamente desequilibrado. De tempos em tempos,
ia tomar banho em uma chácara no Catete, fronteira à residência do
cônsul geral da Prússia. Em certo dia, as janelas do cônsul estavam
cheias de moças. De que pilhéria se lembrou o monarca? Despiu-se

200
Carlos Rosa – 201

e veio para frente da janela completamente nu. Foi um verdadeiro


escândalo.
De outra vez, no quartel da Praia Vermelha, quando passava em
revista as tropas, sentiu a premência de satisfazer a uma
necessidade natural. Outro qualquer se recolheria aos aposentos
privados da fortaleza. Ele não. Galgou o largo muro como qualquer
garoto e, naquela posição ridícula, mandou que os soldados
desfilassem diante dos seus olhos.
Era realmente uma figura complexa. E tudo nele influiu para
maior complexidade: a falta de educação, a epilepsia, as heranças
de sangue, as heranças políticas e o atual distúrbio bipolar.
Nascido de uma família de autocratas prometeu ser monarca
constitucional. Passou, porém, toda a vida sem compreender o que
era constituição. Não tinha educação política para ascender tão alto.
Não tinha na sua família tradições de liberdade que auxiliassem os
seus impulsos. Resultado: foi um monarca constitucional que outra
coisa não fez durante a sua existência, senão espezinhar a
constituição.
Pois, com todos esses defeitos, com todos esses claros-escuros
desnorteantes, o grande maluco que foi D. Pedro I, teve uma
virtude comovedora – soube ser pai e o foi como poucos.
Raríssimos os príncipes que tiveram aos filhos a afeição
extremosa, o grande amor e o carinho que ele teve aos seus.
Não distingue os filhos naturais dos legítimos. É pai em toda a
plenitude da paternidade. Há um momento na sua vida (não podia
deixar de ocorrer) em que parece não ter ainda a verdadeira
consciência do seu papel de progenitor. Foi em 1824, quando
nasceu Maria Izabel a primogênita com a marquesa de Santos. O
príncipe manda registrar a “bastardinha” como filha de pais
desconhecidos.
Fraqueza. Transigência com a sociedade do tempo, talvez uma
satisfação aos melindres da imperatriz. Mas, dois anos depois, o
vemos revoltado contra a própria covardia, forçando os
assentamentos eclesiásticos para registrar a pequena como sua

201
202 – Segredos da História do Brasil

filha. Legitima a criança, dando-lhe o título de duquesa de Goiás,


com moradia no paço e tratamento de Alteza, imposto por Decreto
Imperial.
Ninguém foi mais do que ele amigo dos filhos. Não há uma só
testemunha da época que não afirme essa virtude.
Ao aproximar-se o nascimento de um príncipe, D. Pedro era de
um desvelo impressionante. Cuidava de tudo; ele próprio era quem
escolhia as amas para os recém-nascidos.
Quando D. Pedro II estava para nascer, a sua solicitude
redobrou. Palpitava-lhe que ia ter um filho varão. Para amamentar
o pequeno escolheu Maria Catharine Equey, suíça, de boa saúde e
de bom leite. Catharine, desde novembro de 1825, foi instalada no
paço. Calculava-se que ela desse à luz antes da imperatriz e, como
tardasse, o imperador andava inquieto a perguntar-lhe: – Nada de
novo?
Catharine só teve o seu parto dois dias depois de Dona
Leopoldina. D. Pedro foi obrigado a mandar vir de Nova Friburgo
uma tal mme. Protet, a primeira a amamentar o príncipe herdeiro.
A suíça teve de D. Pedro as mais altas provas de consideração e
respeito. No mesmo dia do batizado do príncipe, batizou-se o filho
da ama, e o padrinho foi o próprio imperador.
Os cuidados que sua majestade tinha com a educação dos
príncipes é um fato que impressiona admiravelmente. A escolha de
dona Mariana Carlota de Verna Magalhães para governanta do
príncipe herdeiro, mostra até onde ia o escrúpulo do monarca.
Dona Mariana (Dadama para D. Pedro II), além de ser modelar
em virtude, era um excelente coração de mãe.
- Você entende disso melhor do que eu – disse D. Pedro ao
entregar-lhe o menino.
E sempre a respeitou. Ele, que era desatado de linguagem,
nunca, diante dela e dos filhos, teve um leve deslize de palavras.
D. Pedro teve erros, inúmeros, clamorosos, como homem e
como político. Como pai, poucos foram tão amorosos, devotados e
até mais sensatos e equilibrados do que ele.

202
Carlos Rosa – 203

CAPÍTULO QUARTO

“A MARQUESA DE SANTOS”

Muito já se disse e se escreveu sobre os amores do imperador


com Domitila de Castro (Domitila de Castro Canto e Melo – seu
verdadeiro nome), a marquesa de Santos. Estes dois episódios,
porém, por mim presenciados e vividos, creio que demonstram
definitivamente a grande influência que a amante exercia sobre o
príncipe.
O primeiro foi no teatrinho Constitucional construído no largo
do Rocio, entre as ruas do Piolho e do Cano, por meio de
subscrição entre a gente endinheirada. Só os subscritores e os
convidados da diretoria podiam ali entrar em noite de espetáculo.
Não se vendiam entradas.
Naquela noite de setembro de 1824, havia a récita quinzenal.
Dez minutos antes de o imperador chegar, estalara o escândalo que
enchia toda gente de apreensões.
Começavam as famílias a entrar, quando à porta do teatro parou
um carro. Era Domitila de Castro, na sua desenvoltura de amante
imperial.
Correu pelo teatro um rumor de desagrado. Dona Domitila
estava na fase culminante de antipatia popular. O concubinato de
D. Pedro escandalizava a vida pacata do Rio. O imperador
caminhava no período mais intenso de sua paixão à paulista.
Ao que se dizia (e era verdade), a imperatriz era ela. Só se fazia
o que ela ordenava. O pai, os irmãos e parentes, todos os dias,
subiam de postos e arranjavam gratificações que o Tesouro pagava
religiosamente.
A cegueira de D. Pedro tinha ido ao ponto de instalar a amante a
dois passos da Quinta da Boa Vista, quase diante dos olhos da

203
204 – Segredos da História do Brasil

imperatriz. Murmuravam-se as coisas mais arrepiantes. Contava-se


que até o marido de Dona Domitila se aproveitava da situação da
mulher, para arranjar a administração da feitoria de Peri-Peri (o que
fora verdade).
Os comentários eram gerais. Inclusive que Dona Domitila
tivesse o desplante de ir-se meter na Quinta, no quarto do
imperador, quando este quebrou algumas costelas naquela célebre
“queda” que a crônica mexeriqueira até hoje afirma ter sido (e foi)
uma “surra” – que de fato aconteceu conforme os comentários.
A cidade inteira odiava-a. As famílias traziam-na atravessada na
garganta, repelindo-a como se repele uma mulher à toa.
Para a sociedade do teatrinho Constitucional, a presença da
amante imperial era um insulto. Se ela chegasse a entrar na sala de
espetáculos, muita gente era capaz de retirar-se.
A diretoria teve um gesto de alta coragem: despediu Dona
Domitila a porta do teatro. A desculpa foi seca e sumária: só ali se
entrava por meio de convites e nenhum tinha sido distribuído. A
mulher meteu-se novamente no carro, transida de vergonha e de
raiva, é claro.
A tudo assisti calado. Tinha certeza que quando Sua Majestade
soubesse do fato, algo iria acontecer, só não podia imaginar o
desfecho que o imperador deu ao caso.
D. Pedro surgiu na varanda engalanada do camarote imperial,
ficando eu, dois passos atrás, como convinha a um convidado de
Sua Alteza Real.
Houve um murmurinho geral. O imperador era arguto; chamou-
me e perguntou-me o que se passava. Em poucas palavras contei-
lhe o ocorrido e a sua fisionomia de risonha, tornou-se terrivelmen-
te ameaçadora.
- Quero saber tudo, com detalhes – inquiriu-me.
Enquanto lhe contava com detalhes o ocorrido com a favorita
imperial, Sua Alteza entrava e saia do camarote, com a fisionomia
perturbada e gesticulando muito. Parecia ter perdido a razão.

204
Carlos Rosa – 205

Pediu-me o chapéu e sem olhar o público que o devorava com


os olhos, saiu rapidamente, mandando que o acompanhasse.
Fiquei sabendo que os diretores, ao vê-lo sair, quiseram ir-lhe ao
encontro. Era impossível. Já estávamos na rua e alcançávamos o
carro que apressadamente rumou para a Boa Vista.
Durante o trajeto não disse uma única palavra.
Na sala de espetáculos continuava o burburinho das saias. Havia
um burburinho de cochichos. O nome da amante do imperador
andava aos trapos, tesourado de grupo em grupo. Em que ia acabar
aquilo? Dona Domitila, poderosa como era, certamente não
suportaria, resignada, uma humilhação daquela ordem. D. Pedro,
apaixonado como vivia, não ia deixar a criatura dos seus amores
exposta às risadas públicas.
Nesse momento a campainha retiniu. Ia começar o espetáculo.
Os grupos desmancharam-se, toda a gente correu para as cadeiras.
A orquestra lançou os compassos de uma música da moda.
Todos esperam o pano erguer-se. Passaram dois minutos, três,
cinco, dez, vinte. Um sopro de inquietação agita todas as cabeças.
As pessoas na sala entreolhavam-se com uma interrogação
suspensa. Que é? Que não é?
Torna a campainha a retinir.
O pano sobe. No palco está a figura contrariada de um dos
diretores. Desce até a frente do palco e fala:
- A diretoria manda pedir desculpas ao público. Não pode haver
espetáculo por proibição do intendente geral de polícia.
No dia seguinte, o teatro São Pedro foi fechado por ordem do
imperador. Em menos de uma semana o prédio foi vendido e os
móveis atirados ostensivamente à rua.
O segundo caso muito mais importante e de maior repercussão,
aconteceu no paço de São Cristóvão, na noite de sexta-feira da
Paixão e que sua majestade pretendia apresentar Dona Domitila de
Castro à imperatriz.
Quando dias depois do feito do Ipiranga, nas rodas íntimas do
paço se murmurava que o príncipe voltara de São Paulo apaixonado

205
206 – Segredos da História do Brasil

por uma linda mulher que por lá viu, ninguém pensou que aquilo
tivesse importância maior. D. Pedro era moço, ardente, mulherengo
e as suas paixões não passavam de aventuras de rapaz – fogo de
palha, que flamejavam num momento, para extinguir-se num sopro.
Mas quando, no ano seguinte, se tornou público que a tal mulher
com armas e bagagem, se mudara para o Rio, ao apelo do próprio
imperador, e que estava instalada nas proximidades da Boa Vista,
num palácio luxuoso, houve pela cidade um frêmito de escândalo e
revolta.
- Está louco!
- É um cínico!
Eram escândalos todos os dias.
E este caso dera-se na capela imperial, durante as cerimônias da
sexta-feira da Paixão, como citei anteriormente.
A tribuna das damas do paço começou a encher. Viam-se a
marquesa de Aguiar, camareira-mor da imperatriz, as damas de
honra – marquesa do Maranhão, baronesa de São Salvador dos
Campos dos Goytacazes, viscondessa do Rio Seco e dona Anna
Romana de Aragão Calmon, dona Mariana Laurentina da Silva
Souza Gordilho, dona Maria José de Paiva de Andrade, dona Maria
de Loreto Viana de Souza de Macêdo e mais a dama de câmara,
dona Micaella Josephina de Araújo.
Não tinham ainda começado as cerimônias sacras, quando
Joaquim de Faria de Souza Lobato entrou na tribuna acompanhado
respeitosamente da amante do imperador.
Foi um choque. As damas entreolharam-se surpreendidas.
A fidalguia tinha um ódio terrível aquela que dominava o
coração do imperador...
Durante aproximadamente três minutos, tudo não passou de
cochichos. A surpresa fazia-as apenas murmurarem contrariadas.
- É um desaforo!
- Uma afronta!

206
Carlos Rosa – 207

Mas, aos poucos, o murmúrio foi tomando o clamor de um


protesto. Dona Domitila, a um canto da tribuna, moída de tanta
hostilidade, estava de orelhas em brasa e de cabeça zonza.
Dona Anna Francisca Maciel da Costa, baronesa dos Campos
dos Goytacazes, ergueu mais a voz:
- Isto é um desaforo, isto é um insulto!
Era um insulto para as damas da imperatriz o contato de
semelhante mulher, ali na igreja, aos olhos do público.
E o rumor foi subindo. As saias femininas agitavam-se como um
formigueiro assanhado. De quando em quando, uma ou outra
palavra áspera saltava mais alta:
- É uma vergonha!
- Que desplante!
A baronesa dos Goytacazes, mais inflamada que as outras
damas, gesticulava furiosamente:
- Nós precisamos tomar uma providência, já. Isto não pode ser.
Souza Lobato foi chamado à tribuna. As senhoras interpelaram-
no, magoadas. Que história era aquela? Que desaforo! Como tinha
ele coragem de trazer para a tribuna do paço a tal mulher?
O introdutor abriu os braços, num gesto profundo:
- Ordem de Sua Majestade!
As senhoras ficaram um momento aturdidas.
- É demais! Exclamou a baronesa dos Goytacazes, apanhando
um grande leque que pousava numa cadeira. Eu é que aqui não
fico. Não quero que pensem que sou da mesma laia.
As damas cercaram-na. Ia-se embora?
- Vou. E todas nós devamos ir! É um insulto!
E olhando dona Domitila que, no peitoral da tribuna, de rosto
em fogo, fingia nada ouvir:
- Ela que fique aí sozinha. Eu é que não quero mistura.
E pálida, mordendo os beiços, saiu resolutamente porta afora, no
farfalhado das suas saias pesadas.
As outras damas ficaram um instante atônitas, a entreolharem-
se. Era um desaforo mesmo! Quem tinha razão era a baronesa.

207
208 – Segredos da História do Brasil

E, num segundo, decidiram todas sair.


Aquela cena machucou amargamente a alma de D. Pedro.
Quando, a tarde na alcova da amante ouviu dela própria, minúcia
por minúcia, a descortesia das damas da imperatriz, o sangue subiu-
lhe loucamente à cabeça. Era necessário pisar aquela gente toda!
E teve um instante tempestuoso, em que as palavras lhe saíam
da boca como ribombos: – Idiotas! Malucas! Imbecis!
A sua alma estava num frêmito de dor. O amor àquela mulher
tinha alguma coisa de loucura e de vertigem. Sentia-se inanimado
nos seus braços, feliz e glorioso, como se vivesse dentro de um
halo.
E por que tamanha hostilidade, tamanha repugnância que em
toda a parte estalava contra a eleita dos seus desejos? Por que ela
era casada e por que era monarca? Mas acima de tudo era moço, na
idade alucinada em que o amor não conhece leis.
E fitou a amante. Dona Domitila fitava-o também. Ali estava
ela, chorosa e humilhada, com aqueles dois imensos olhos azuis a
reluzir dentro de lágrimas, olhos que tinham poder, olhos de seda,
lânguidos, quebrados, de uma ternura que mais parecia um
espasmo, olhos envolventes, profundos, amorosos, que davam
sempre a impressão de alcovas pecadoras e a doce volúpia de leitos
desmanchados.
A beira da cama, como uma ave ferida, a pobre soluçava. Havia
nela um quê de amargura que comovia. O roupão aberto
desvendava-lhe um pedaço do colo. D. Pedro lambeu-lhe o seio
com o olhar. A sensualidade ancestral de sangue bragantino
acendeu-lhe no peito. Os seus olhos ali ficaram demoradamente na
contemplação daquela carne jovem e fresca, no estase daquela pele
cor-de-rosa e quente. A ternura, o desejo, a obsessão do gozo,
encheram-lhe o peito como um rio que extravasa. Ah! Não podia
deixar o seu amor humilhado! Não podia consentir que alguém o
diminuísse!
E, com um murro no ar, gritou:
- Elas não te quiseram na tribuna, pois hão de te engolir no paço.

208
Carlos Rosa – 209

Dona Domitila ergue-se da beira da cama com um olhar em


brasa:
- O que vais fazer?
- Pedir a imperatriz que te nomeie sua primeira dama.
Os olhos da então futura marquesa de Santos faiscaram como
dois fachos, um clarão de alegria lavou-lhe subitamente o rosto
anuviado. Era o seu grande sonho – o paço! Ah! Viver entre as
damas, entre as fidalgas, em contato com elas, conhecendo os
meandros da via “chic”, ir aos bailes, às festas, aos jantares, a
ostentar gloriosamente a sua beleza e o seu poder, ah!...
E uma palavra de felicidade quis sair-lhe do peito, mas lhe
morreu surdamente na garganta. Ficou gaguejante, tonta, sem saber
como exprimir o contentamento. Mas os seus braços de mulher
abriram-se eloquentemente, os lábios palpitaram numa ânsia, e ela,
rolando no leito, com a cabeça do príncipe apertada nas mãos,
envolve-o numa sufocação e num beijo.
Dias depois, publicavam os jornais a nomeação de Dona
Domitila para primeira dama da imperatriz. Procurou-se espalhar
pela cidade que aquilo tinha sido um movimento espontâneo de
Dona Leopoldina. Sua Majestade “sensibilizada” com a ofensa que
sofrera a amante do marido na capela imperial, como uma
compensação, a chamava para o paço (uma das maiores mentiras já
publicadas pela imprensa oficial em todos os tempos).
Claro que era mentira! D. Pedro tinha a coragem indômita dos
neuropatas e dos obcecados: impusera à esposa aquela humilhação
horrível.
Agora, com o rodar da carruagem lá embaixo, as salas se
agitavam. Queriam todos gozar aquele pratinho novo de escândalo.
Como o imperador se ia haver numa mesma festa com a imperatriz
e a amante?
Nos cantos, nos vãos das janelas, nas varandas, nos corredores,
murmurava-se:
- Está pálido.
- Está deveras nervoso.

209
210 – Segredos da História do Brasil

- É o remorso.
Na outra sala, Dona Leopoldina que, com sua argúcia feminil,
havia pressentido e adivinhado tudo, conversa com as suas damas
de honra, dignamente serena, na sua majestade imperturbável do
seu sorriso de santa.
Nas escadas vinha subindo um leve rumor de sedas caras.
- É ela! É ela!
Segui o rumo do corredor...
D. Pedro aparentando uma calma que não tinha, tamborilou
nervosamente no espaldar de uma cadeira, naquele gesto muito seu.
E, quando voltou a olhar para a porta de entrada, o coração lhe
bateu subitamente. A sala inteira estava como que petrificada,
silenciosa, olhos nele, como numa tourada se acompanham os
movimentos de um toureiro.
À porta assomava o vulto magnífico de Dona Domitila de
Castro. Estava toda de branco, a imensa cauda do vestido
arrastando, o cabelo fulgindo numa faiscação de pedras.
O imperador quis avançar e não pôde. Os pés ficaram presos no
tapete vermelho. E ficou minutos na contemplação da amante,
imóvel, como imóvel ficara ela ao vê-lo. Havia realmente um que
de extasiante naquela mulher. Alta, envolta nas dobras da seda
branca, a epiderme mordida pelo fulgor da sala, assim parada no
meio da porta, tinha qualquer coisa de vaporosa, de etéreo, uma
aparência de deusa que estivesse coberta de espumas.
Olharam-se. A sala sorriu da perturbação dos dois. D. Pedro
conseguiu avançar. Risonho, entregou a mão de soberano ao beijo
da amante.
E ela entrou no salão com o seu andar ondulado de mulher
voluptuosa.
Algumas senhoras aproximaram-se. O imperador estava
desajeitado como nunca. Parecia um colegial em primeira falta.
Escaldava-lhe a cabeça, o sangue subira-lhe todo ao rosto.
Não teve sequer a lembrança de apresentar a amante às damas
que a cercavam. E houve uns segundos silenciosos, em que nin-

210
Carlos Rosa – 211

guém falava por não saber o que dizer. Afinal, Sua Majestade
indicou a dona Domitila o sofá ao lado.
Ela sentou-se. No salão os olhares das mulheres reluziam, como
que a devorá-la da cabeça aos pés, devassando-lhe, minúcia a
minúcia, os sapatos, as meias, a curva da cintura, o talho do
vestido, as fitas, as rendas, o colar de pérolas, a coroa de rosas nos
cabelos.
De uma e de outra sala, de quando em quando, chegava à porta
um olhar perscrutor de dama, disfarçando. Era a curiosidade
feminina assanhada, a bisbilhotice de mulher gozando aquela
novidade picante de sabor escandaloso.
Ninguém falava, a não ser aos cochichos. Tinha-se a impressão
de um quarto de enfermo. E o tempo ia passando. Não era possível
aquilo continuar assim. Havia muito tempo que a primeira dama da
imperatriz ali estava e não tinha sido levada a outra sala para ser
apresentada a Dona Leopoldina. Pelas regras do protocolo, devia
ser o próprio imperador a fazer a apresentação.
Fui ter com o imperador. Toda a gente parecia entender nossa
conversa. Lembrei a Sua Majestade as regras protocolares.
E mais vivos, mais agudos, chispavam os olhos bisbilhoteiros.
D. Pedro caminhou para o sofá em que Dona Domitila, sozinha,
agitava o vasto leque de madrepérola. Ia levá-la a apresentação.
Houve um prurido de curiosidade entre as damas. Muitas
surgiram da sala próxima. Dona Domitila erguera-se à aproximação
do imperador. Os dois caminharam em direção da porta que levava
a sala da imperatriz.
As mulheres moveram-se para seguir o par. Queriam ver aquilo!
Queriam ver a cara de D. Pedro apresentando a amante à esposa
legítima! Era um prato raro, que valia a pena saborear...
Mas, no momento em que Sua Majestade ia transpor a porta,
vinha entrando dona Francisca Castelo Branco, açafata da
imperatriz. D. Pedro fez à dama um gesto, detendo-a. E, gentil e
risonho:
- Quer prestar-me um obséquio?

211
212 – Segredos da História do Brasil

- As ordens de Vossa Majestade.


- Faça à imperatriz a apresentação de sua primeira dama – disse,
indicando-lhe Dona Domitila.
A açafata teve um leve rubor no rosto, mas imediatamente
mudou de expressão, curvando-se delicadamente.
- Será uma grande honra, Majestade.
Passou pela sala o choque de uma decepção. Ora!... Mas o
pratinho não estava de todo perdido. Devia ser interessante ver a
cara da concubina diante da imperatriz.
E a onda da fidalguia seguiu.
Quando Dona Francisca Castelo Branco chegou perto de Dona
Leopoldina, esta estava conversando intimamente com Dona
Marianna Verna de Magalhães.
Depois das palavras banais de apresentação, Dona Domitila
curvou-se profundamente. Fez-se um silêncio que a asa de uma
mosca perturbaria. Ninguém falava, ninguém cochichava para não
perder a particularidade da cena. E não houve quem não guardasse
a menor minúcia.
A imperatriz com o canto dos olhos mediu a rival de alto a
baixo, num relance. Um traço de amargura vincou-lhe o rosto
pálido. Mas o seu braço se estendeu senhorialmente, augustamente,
e ela foi num momento a soberana que entregava a mão aos beijos
da vassala.
Dona Domitila beijou-lhe os dedos.
E Sua Majestade, voltando o rosto para o outro lado, fez à
amante do marido um gesto desprezível com a mão esquerda, como
a ordená-la que se retirasse, e continuou tranquilamente a conversar
com Dona Marianna.
Nesse momento, a orquestra rompia o sinal da primeira
quadrilha. D. Pedro tinha mandado tocar a música para desmanchar
as impressões.
Ah! Havia-me esquecido de algo fundamental e que por certo
alguns dos leitores já devem ter indagado de como me tornei íntimo
do imperador.

212
Carlos Rosa – 213

CAPÍTULO QUINTO

“O CHALAÇA”
Foi mais ou menos assim: – em 1820, havia na Rua da Viola,
uma casa de hospedagem de Maria Pulchéria, cognominada
“Maricota Corneta”, porque dava o sinal das refeições com uma
corneta que pertencera ao seu marido, corneteiro do antigo corpo
de infantaria da corte.
Depois das ave-marias, sua casa se enchia do que tinha de
melhor, na alegria e na valentia, o Rio de Janeiro desse tempo. De
vez em quando, a polícia do intendente João José da Cunha dava
uma “batida” na espelunca e levava para o calabouço meia dúzia de
desordeiros. Às vezes era a polícia que fugia, deixando na dobrada
das esquinas alguns mortos e feridos.
Tão falada era a hospedaria que, um dia, o príncipe D. Pedro
resolveu conhecê-la de perto. Disfarçado com uma grande capa
paulista, acompanhado de um valente e robusto camareiro, foi, à
noite, visitar a “hospedaria da Corneta”.
Entrou. Discutia-se política e besteiras de todos os tipos. Já se
pode imaginar que o vocabulário não era dos mais requintados.
Eu trocava versos, dedilhando minha viola, com um negro de
olhos esbugalhados, ex-escravo do paço, alforriado por ter salvado
a vida de Carlota Joaquina, num acidente de cavalo. Chamava-se
José Januário.
Instalado numa das mesas de pau tosco, D. Pedro assistia à
disputa de “braço de ferro” de dois valentões. De repente, José
Januário, encarando o pseudo paulista, abriu a boca num sorriso
alegre, e cantou:

213
214 – Segredos da História do Brasil

Paulista é pássaro bisnau


Sem fé, nem coração,
É gente que se leva a pau,
A sopapo ou pescoção.

Toda a assistência olhou para o homem do capote paulista e riu


numa estrondosa gargalhada.
D. Pedro, rubro e nervoso, levantou-se. Afastando colérico, a
ponta do seu grande capote, com que ocultava a face ao entrar no
recinto, gritou ao companheiro, dando-se a conhecer:
- Meta o pau nessa canalha...
O negrão branqueou ao reconhecer o príncipe e... azulou na mais
desabalada das carreiras, emprestando a melhor canela do veado da
fábula.
Os valentes sumiram, com exceção de um: eu, “o Chalaça”.
Para mim investiu o companheiro do príncipe, de cacete
erguido. Acostumado a brigas desse tipo, não tive qualquer
dificuldade em me desviar do golpe e aplicar violenta rasteira no
meu agressor, que o pôs no chão, de pernas no ar. Tomei-lhe o pau
e, segurando-o pelo casaco, atirei-o porta afora, para o quintal da
hospedaria.
Maricota Corneta escondeu-se debaixo da mesa.
Restaram apenas dois homens: eu e o príncipe. Este tremia de
furor. Então, calmo e sereno, tirei meu chapéu catalão que usava e,
com uma reverência quase tocando o chão, com um sorriso no
canto dos lábios, murmurei: – Francisco Gomes da Silva, o
Chalaça, apresenta a Vossa Alteza os seus respeitos e os seus
serviços.
D. Pedro não se conteve. Estrondou numa formidável
gargalhada, dessas que só os portugueses sabem dar depois de um
bom vinho de Trás-os-Montes e de uma bacalhoada minhota. Em
seguida, alegre e social:
- Chalaça, tu és um, homem...
Enchi-me de coragem e disse-lhe:

214
Carlos Rosa – 215

- Permite Vossa Alteza que lhe diga o prognóstico de minha tia?


- Claro! – disse sorrindo D. Pedro.
- Ela me chamava de Sr. Comendador.
D. Pedro, de braços abertos, caminhou para mim e apertando-me
num grande abraço, e disse:
- Comendador Chalaça, levo-te comigo para o paço.
No dia seguinte fechei minha lojinha de barbeiro na Rua do
Piolho, e passei a frequentar o paço, ostentando a comenda na
lapela.
Bem, satisfeita a curiosidade do leitor, voltamos às peripécias de
sua Alteza Real.

CAPÍTULO SEXTO

“A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL”
Livros e mais livros de história foram e serão escritos sobre
episódios tendo como protagonista nosso primeiro imperador e, por
mais que se escreva, nunca teremos a verdade inconteste, pois,
historiadores e leitores, por certo serão a favor e contra essa figura
tão contraditória e importante do nosso país. Mas, penso eu, o mais
importante é de alguma maneira, poder-se contribuir para aclarar a
verdade, pois que a mesma anda um tanto anuviada e necessita com
certeza, de um aclaramento. E sendo assim, alguns fatos até então
tidos como realidade, foram isto sim, completamente opostos ou
tiveram inversão de fatores e valores adaptados à época ou aos
interesses de alguns, a fim de que os mesmos tivessem proveito em
determinadas situações, como é o caso da proclamação da
Independência, tão bem retratada no famoso quadro de Pedro
Américo, que em nada se compara com a verdade dos fatos, os
quais passarei a relatar, ou melhor, que figuras insuspeitas e que

215
216 – Segredos da História do Brasil

presenciaram o ato, descreveram em cartas já publicadas


anteriormente, e lidas por bem poucos.
De todas as cartas existentes, a mais importante e fiel é
incontestavelmente a do padre Belquior, não só por ter sido
publicada logo após o fato, como também por ser o padre o
confidente e o mentor de D. Pedro I.
“O príncipe mandou-me ler alto as cartas trazidas por Paulo
Bregaro e Antônio Cordeiros. Eram elas: uma instrução das
Cortes, uma carta de D. João e outra da princesa, outra de José
Bonifácio e ainda outra de Chamberlain, agente secreto do
príncipe. As cortes exigiam o regresso imediato do príncipe, a
prisão de José Bonifácio; a princesa recomendava prudência e
pedia que o príncipe ouvisse os conselhos de seu ministro; José
Bonifácio dizia ao monarca que só havia dois caminhos a seguir:
partir para Portugal imediatamente e entregar-se prisioneiro das
cortes, como estava D. João, ou ficar e proclamar a Independência
do Brasil, ficando seu imperador ou rei; Chamberlain declarava
que o partido de D. Miguel em Portugal, estava vitorioso e que se
falava abertamente na deserdação de D. Pedro em favor de D.
Miguel; D. João aconselhava ao filho obediência à lei portuguesa.
D. Pedro tremendo de raiva arrancou de minhas mãos os papéis e
amarrotando-os, pisou-os, deixando-os na relva. Eu os apanhei e
guardei. Depois, abotoando-se e compondo a fardeta (pois vinha
de quebrar o corpo à margem do riacho Ipiranga, agoniado por
uma disenteria e com muitas dores), virou-se para mim e disse:
- E agora, padre Belquior?
E eu respondi prontamente:
- Se Vossa Alteza não se faz rei no Brasil, será prisioneiro das
cortes e talvez deserdado por elas. Não há outro caminho senão a
Independência e a separação.
D. Pedro caminhou alguns passos, silenciosamente,
acompanhado por mim, Cordeiros, Bregaro e outros, em direção
aos nossos animais, que se achavam à beira da estrada. De repente
estancou, já no meio da estrada, dizendo-me:

216
Carlos Rosa – 217

- Padre Belquior, eles o querem, terão a sua conta. As cortes


nos perseguem, chamam-me com desprezo de – rapazinho e de
brasileiro. Pois verão agora quanto vale o “rapazinho”. De hoje
em diante estão quebradas as nossas relações, e nada mais quero
do governo português e viva a liberdade do Brasil.
Respondemos imediatamente:
- Viva a liberdade! Viva D. Pedro!
O príncipe virou-se para o ajudante de ordens e disse:
- Diga a minha guarda que eu acabo de fazer a Independência
do Brasil, com a separação de Portugal.
O tenente Canto de Mello, cavalgou em direção à venda, onde
se achava quase todos os dragões da guarda e com ela veio ao
encontro do príncipe, dando vivas ao Brasil independente, a D.
Pedro e a religião!
O monarca, diante de sua guarda, disse então:
- Amigos, as cortes portuguesas querem escravizar-nos e
persegue-nos. De hoje em diante nossas relações estão quebradas.
Nenhum laço nos une mais!
E arrancando do chapéu o laço azul e branco, decretado pelas
Cortes como símbolo da nação portuguesa, atirou-o ao chão,
dizendo:
- Laços fora, soldados! Viva a Independência e a liberdade do
Brasil!
Respondemos com um viva a Independência e viva a D. Pedro!
O príncipe desembainhou a espada, no que foi acompanhado
pelos militares – os paisanos tiraram os chapéus e D. Pedro disse:
- Pelo meu sangue, pela minha honra, pelo meu Deus, juro fazer
a liberdade do Brasil.
- Juramos! – respondemos todos.
D. Pedro embainhou a espada, no que foi imitado pela guarda,
e se pôs à frente da comitiva, e se voltando, ficando de pé nos
estribos:

217
218 – Segredos da História do Brasil

- Brasileiros, a nossa divisa de hoje em diante será o dístico


Independência ou Morte, e as nossas cores verde e amarelo, em
substituição às das cortes.
Firmou-se nos arreios, esporeou sua besta baia e galopou,
seguido de seu séquito, em direção a S. Paulo, onde foi hospedado
pelo brigadeiro Jordão, capitão Antônio Carlos Prado e outros,
que fizeram milagres para contentar o príncipe.
Mal apeara da besta, D. Pedro ordenou ao seu ajudante de
ordens que fosse às pressas ao ourives Lessa e mandasse fazer um
dístico em ouro com as palavras “Independência ou Morte”, para
ser colocado no braço. E com ele apareceu no espetáculo, onde foi
chamado de rei do Brasil pelo querido amigo, o alferes Aquino e
pelo meu colega padre Ildefonso.
No teatro, por toda a parte só se viam laços de cores verde e
amarelo, tanto nas paredes, como no palco, nos braços dos homens
e nos cabelos e enfeites das mulheres”. (O Grito do Ipiranga, 1826,
carta de padre Belquior).
Incrível! Com que simplicidade se proclama a independência de
um país; jura-se pelo sangue e pela honra, como se vai à taberna e
pede-se um copo de vinho. Alguns meses antes, mais precisamente
em 4 de outubro de 1821, em carta secreta a D. João VI, D. Pedro
diz:
“Meu pai e meu senhor.
Com bem gosto, pego na pena para comunicar a Vossa
Majestade do motim e boatos que correm do plano pela cidade.
A independência tem-se querido cobrir comigo e com a tropa;
com nenhum conseguiu nem conseguirá, porque a minha honra e
a dela é maior que todo o Brasil. Dizem-me que me aclamam
imperador. Protesto a V. M. que nunca serei perjuro, que nunca
lhe serei falso, e que eles farão essa loucura, mas será depois de
eu e todos os portugueses estarmos feitos em postas. É o que
JURO a V. M. escrevendo nesta com o meu sangue estas seguintes
palavras: Juro ser sempre fiel a Vossa Majestade, a nação e a
Constituição portuguesa”.

218
Carlos Rosa – 219

A honra do príncipe valia no máximo um tostão furado. Trocava


de opinião mais facilmente do que trocava de camisa. Fazia juras à
constituição e ao país, com a mesma facilidade com que o
conquistador barato as faz à mulher que tem em mira.
Infelizmente, nossos historiadores em vez de pesquisarem com
cuidado e paciência os documentos do Arquivo Nacional e de
Portugal, repetem maquinalmente o que os antecessores disseram.
A isso devemos chamar de história contada e não história escrita.
Urge que se restabeleça a verdade!
Logo a seguir a carta de 4 de outubro, mais precisamente a 9 do
mesmo mês, D. Pedro escreve novamente ao pai:
“Meu pai e meu senhor.
Tendo dado ordens para que se fizessem todas as diligências
possíveis a fim de descobrir os promotores da conspiração de que
falei a V. M., não foi possível até o presente se não prender alguns
miseráveis instrumentos que os conspiradores empregam. Entre
estes, acha-se o cabo que foi pego pelo visconde, que continua a
acusar os oficiais. O seu depoimento funda-se em provas, que se
procuram reunir, a fim de formar libelo contra esses militares,
prendendo-os em seguida, se for caso disso. Tudo mais vai melhor,
porque há medo das tropas portuguesas. Bem dizia eu a V. M. que
necessitava de tropas neste país. Espero, todavia, que não seja
forçado a extremos que repugnariam a meu coração. Deus guarde
a preciosa vida e saúde de V. M., como todos os portugueses e
igualmente este seu súdito fiel e filho obedientíssimo, que lhe beija
a sua mão real. – Pedro”.
O fato a que se refere D. Pedro é o processo instaurado por
ordem de José Bonifácio contra muitos oficiais brasileiros que
conspiravam pela independência. Um deles, tenente-general,
mandou por um cabo uma mensagem, em nome da tropa, ao
visconde do Rio Seco, mas tarde marquês de Jundiaí, convidando-o
a tomar parte do levante. O visconde, miserável áulico, prendeu o
portador da carta e em seu depoimento diz: “... pensando como sua
Excelência o senhor conselheiro José Bonifácio, que não estamos

219
220 – Segredos da História do Brasil

nós brasileiros capacitados para nos governarmos a nós mesmos,


como querem os carbonários da maçonaria e da tropa que
conspiram”.
O fato foi relatado ao rei de Portugal pela seguinte carta:
“Rio de Janeiro, 5 de outubro de 1821.
Meu pai e meu senhor.
Ontem à noite assistia eu ao espetáculo, quando me vieram
avisar que um cabo do regimento de cavalaria que fora preso no
paço, e pelo próprio visconde do Rio Seco, no momento em que ia
entregar um ofício, tendo por fim decidir este senhor a entrar na
conspiração de que vos falei, na minha carta de ontem. Estive hoje
no quartel general para tomar informações a respeito.
Fiel a meu dever, continuarei, senhor, a informar a V. M. de
tudo o que ocorrer. Deus guarde a preciosa vida, etc., etc., etc. –
Pedro.
E em 30 de novembro, comunica ao pai que a conspiração está
arraigada:
“Meu pai e meu senhor.
Tudo está do mesmo modo que expus nas cartas anteriores a
esta a V. M. A diferença que há é que a opinião (da
independência), não era geral. Hoje é e está muito arraigada.
Protesto desde já a V. M. e ao Congresso que por falta de
diligências minhas, não se hão de deixar cumprir tão soberanas
ordens.
Deus guarde a... etc., etc., - Pedro”.
Somente uma mente tresloucada podia conceber que apenas
trinta e nove dias depois de escrever a carta acima descrita, tenha
ele sido protagonista de um dos episódios de maior relevância de
nossa história.
A 9 de janeiro de 1822, da boca de D. Pedro dependia o destino
da nação; a paz ou os horrores e o sangue! Do largo do palácio,
naquela hora ardente do meio-dia, vinha um sussurro largo como o
do vento passando pelas florestas; era o povo aglomerado, que

220
Carlos Rosa – 221

murmurava, interrogava, querendo saber. Todos aguardavam a


resposta do príncipe.
Que ia decidir Sua Alteza?
Esperava-se algo protocolar. Sua alteza deveria falar dos
desígnios do reino, etc., porém, fervera o sangue do príncipe e, num
repente, volvera:
- Como é para o bem de todos e felicidade geral da nação,
estou pronto; diga ao povo que fico!
D. Pedro era curto de cultura, mas era esperto. Queria de
qualquer maneira assegurar-se que se a conspiração no Brasil fosse
vencedora, embarcaria para Portugal e, seria automaticamente,
herdeiro do trono. Porém, via que suas ideias podiam ser baldadas,
pois se tramava em Portugal contra sua pessoa.
Em carta de 23 de abril de 1822, D. João VI, faz longas
considerações sobre o que se passava no Reino e termina: “... e
assim, se hábil e pudente pois aqui nas cortes conspiram contra ti,
querendo os reacionários que abdiques em favor de teu irmão
Miguel. Tua mãe é muito pelo Miguel e eu que te quero, nada
posso fazer contra os carbonários que não te querem”.
E foi então que D. Pedro arquitetou o plano de atrair Miguel ao
Brasil, fazendo-o casar com a sua filha Maria, tirando-o do meio
dos seus inimigos (dele, D. Pedro). Sentindo-se ameaçado no
Brasil, pela conspiração chefiada por Joaquim Gonçalves Ledo, e
que já era triunfante, pois o príncipe não se julgava com forças para
vencê-la, e também ameaçado pelas cortes portuguesas que o
atraíam a Portugal para obrigá-lo a abdicar seus direitos em favor
do irmão, lembrou-se dos conselhos paternos e escreveu-lhe:
“Rio de Janeiro de 19 de junho de 1822.
Meu pai e meu senhor.
Tive a honra e o prazer de receber de V. M. duas cartas, uma
pelo Costa Couto, e outra pelo Chamberlain, em as quais V. M. me
comunica seu estado de saúde física, a qual eu estimo mais que
ninguém, em que me dizia – guia-te pelas circunstancias com
prudência e cautela – esta recomendação é digna de todo o

221
222 – Segredos da História do Brasil

homem, e muito mais de um pai a um filho, e de um rei a um súdito,


que o ama e respeita sobremaneira. Eu ainda me lembro e
lembrarei sempre de que V. M. me disse antes de partir, dois dias,
no seu quarto: – Pedro, se o Brasil se separar, antes seja para ti,
que me hás de respeitar, do que para alguns desses aventureiros.
Foi chegado o momento da quase separação, e estribado eu nas
eloquentes e singelas palavras expressas por V. M., tenho
marchado diante do Brasil, que tanto me tem honrado... ainda que
isto aconteça, o que espero que não, conte V. M. que eu serei rei
mas também gozarei da honra de ser de V. M. súdito, ainda que em
particular seja para mostrar a V. M. a consideração, gratidão, e
amor filial tributado livremente. Peço a V. M. deixe vir o mano
Miguel para cá, seja como for, porque ele é aqui muito estimado e
os brasileiros o querem ao pé de mim para me ajudar a servir no
Brasil e a seu tempo casar com a minha linda filha Maria.
Tenho a honra... etc., etc. – Pedro”.
Era chegado o momento fatal; com ou sem D. Pedro, a
Independência se faria.
O monarca compreendeu perfeitamente, mas ainda procurou
protelar esperando que a corte lhe mandasse tropas poderosas, leais
e aguerridas, conforme pedira. Mas estas não vieram.
Num inflamado discurso, no Grande Oriente, sessão de 20 de
agosto de 1822, Joaquim Gonçalves Ledo, proclamou a
Independência do Brasil. Por toda a parte os amigos turbilhonavam,
despertando o sentimento de liberdade.
Quinze dias após o 7 de setembro, isto é, no dia 22 de setembro
de 1822, D. Pedro, rebelado contra as cortes portuguesas, ainda se
considerava súdito do rei de Portugal, quase prisioneiro em Lisboa
pelos miguelistas, e se dizia, não rei ou imperador, mas
simplesmente príncipe regente do Brasil:
“Rio de Janeiro, 22 de setembro de 1822.
Meu pai e meu senhor.
Tive a honra de receber de V. M. uma carta datada de 3 de
agosto, na qual V. M. me repreende pelo modo de escrever e falar

222
Carlos Rosa – 223

da facção luso-espanhola (se Vossa Majestade me permite, eu e


meus irmãos brasileiros lamentamos muito o estado de coação em
que V. M. jaz sepultado). Eu não tenho outro modo de escrever, e
como o verso era para ser medido pelos infames deputados
europeus e brasileiros do partido dessas déspotas Cortes
executivas, legislativas e judiciárias, cumpria ser assim, e como eu
agora, mais bem informado, sei que V. M. está positivamente
preso, escrevo (esta última carta sobre questões já decididas pelos
brasileiros) do mesmo modo por que, com perfeito conhecimento
de causa, estou capacitado que o estado de coação, a que V. M. se
acha reduzido, e que o faz obrar bem contrariamente ao seu liberal
gênio, Deus nos livrasse se outras coisas pensássemos.
Embora se decrete a minha deserdação, embora se cometam
todos os atentados que em clubes carbonários forem fazendo, a
causa santa não retrogradará, e eu antes de morrer direi aos meus
caros brasileiros: – Vejam o fim de quem se expôs pela pátria,
imitai-me!
Vossa Majestade manda-me que digo! Mandam as cortes por V.
M. que eu faça executar e execute seus decretos; se eu fizer
executar e executá-los, será necessário que nós brasileiros livres,
obedeceremos à facção. Responderemos em duas palavras: não
queremos. Se o povo de Portugal teve direito de se constituir –
revolucionariamente – está claro que o povo do Brasil o tem
dobrado, porque se vai constituindo, respeitando-me a mim e as
autoridades estabelecidas.
Firmes nestes inabaláveis princípios, digo (tomando Deus por
testemunha e o mundo inteiro), a essa califa sanguinária, que eu,
como Príncipe Regente do Reino do Brasil, e seu defensor
perpétuo, hei por bem declarar todos os decretos preteridos dessas
facciosas, horrorosas, maquiavélicas, desorganizadas, hediondas e
pestilentas cortes, que ainda não mandei executar, e todos os mais
que fizeram para o Brasil, nulos ritos, inexequíveis, e como tais
com um veto absoluto, que é sustentado pelos brasileiros todos,

223
224 – Segredos da História do Brasil

que, unidos a mim, me ajudem a dizer: de Portugal nada; não


queremos nada.
Peço a V. M. que mande apresentar esta às Cortes! As Cortes que
nunca foram gerais e que são hoje em dia só de Lisboa, para que
tenham com que se divertir, e gastem ainda um par de moedas a
esse tísico tesouro.
Deus guarde a preciosa vida de Vossa Majestade, como todos
nós brasileiros desejamos.
Sou de V. M., com todo o respeito, filho que muito o ama e
súdito que muito o venera. – Pedro.
Aí está! Em 22 de setembro de 1822, quinze dias após
“proclamar” a Independência do Brasil, D. Pedro ainda se
considerava mero príncipe regente e súdito do rei de Portugal.
Apenas se rebelara contra o partido luso-espanhol (que era o da
mãe, espanhola e miguelista), e contra as Cortes que ele chamava
de “facciosas, horrorosas, maquiavélicas, desorganizadas,
hediondas e pestilentas”.
Além disso, confessava que “a revolução fora feita pelos
brasileiros”. D. Pedro e José Bonifácio foram oportunistas. A
revolução seria vitoriosa, e por isso, à última hora, aderiram a ela.
E tiraram o melhor proveito do que Gonçalves Ledo, que a
preparou admiravelmente, que era o seu chefe, que por ela arriscou
a própria vida. A mesma coisa sucedeu com a proclamação da
República. Benjamim Constant foi seu principal idealizador, e
justamente foi o republicano que mais sofreu com a República, que
tudo lhe negou e que tudo deu aos oportunistas. É que, no dizer de
Michelet, a história é madrasta dos que muito fizeram e mãe
generosa dos que pouco se esforçaram.

224
Carlos Rosa – 225

CAPÍTULO SÉTIMO

“O IMPERADOR DOM PEDRO I”


Algumas outras considerações e fatos ainda devem ser narrados
a fim de que vocês, leitores, fiquem de uma vez por todas cientes
da personalidade do senhor D. Pedro I.
Quando da partida da família real para Portugal, muitos por aqui
ficaram, na aventura do príncipe regente, cujo primeiro passo, ao
desembarcar do barco em que havia se despedido dos pais, foi
mandar destruir o jardim de São Cristóvão, onde Thomas de Vila
Nova ordenara a plantação de amoreiras para a criação dos bichos
da seda. Os carpinteiros arrasaram tudo a machadadas e Sua Alteza
retirou-se satisfeito por molestar o intendente da polícia, Paulo
Viana, a cuja guarda estava o campo.
A regência fora tumultuada; e no meio de tantos
acontecimentos, de revoltas, de ansiedade, o erário estava vazio. A
correspondência entre ele e o pai era explícita, clara, alarmante:
“O banco desacreditaram-no os seus dilapidadores, que eram
os mesmos que o administravam. Quem tem dinheiro em prata ou
ouro, guarda-o. O ouro e a prata converte-se em cobre, e este é
pouco e por isso mesmo amado e comprado já com o prêmio de
três por cento. De parte nenhuma vem nada, e todos os
estabelecimentos e repartições públicas fecharam. Os que comem
da nação são sem número”.
Era o eterno parasitismo português em que o Estado deve
sustentar os cidadãos, em que o funcionalismo tudo açambarca, e
ser empregado público é uma ambição, um motivo de haver certeza
de se viver sem sobressalto (até hoje é assim ... maldita herança!).
Esse estado messiânico a tudo devia prover e, por isso, lá o
afirma o príncipe:

225
226 – Segredos da História do Brasil

“Não há dinheiro, não sei o que fazer. Esta província está quase
a estourar. Logo que o banco, o tísico bando (diagnosticava Sua
Alteza) – que é o meu termômetro estiver com o dinheiro exausto,
que para isso não falta nem quatro meses, pelos passos
gigantescos com que ele marcha para a cova, aberta pelos
dilapidadores, não saberei o que fazer”.
Achou-se impotente para governar esta imensa região, com
tantas riquezas por explorar, tantas maravilhas para descobrir, onde
um povo de boa raça portuguesa, nascido aqui, criado na sombra
dos seus heróis, se movia, querendo repetir o que, muitos séculos
antes, na Lusitânia, os seus antepassados tinham feito, e se
enaltecia nas páginas da história ensinada às crianças nas escolas.
Pois que diferença havia no colonizador romano, que dera regalias
aos velhos habitantes de Portugal, e os portugueses que, negando-
as ao Brasil, se tornavam piores? E então o príncipe, num arranco,
suplicava:
“... e para ir ter o gosto de beijar a mão de V. M. e assistir ao
pé de V. M. por todas as razões expedidas e não expedidas. Vossa
Majestade perdoará o meu modo de escrever, mas é a verdade que
o faz, não sou eu. Porém, repare V. M. que o meu fim tem sido
sempre bom, que alcança para V. M. delícias, para a nação
felicidade e glória e para mim honra”.
As palavras falam por si. D. Pedro nunca pretendeu ficar no
Brasil – era uma carga muito pesada e a sua capacidade administra-
tiva estava muito aquém da empreitada que se avizinhava.
Há em toda essa complicada história da proclamação da
Independência, lances e nuanças dignas das maiores epopeias.
Acordos e acórdãos dos mais absurdos, que só são entendidos pelos
historiadores mais assíduos aos fatos e aos documentos. Um dos
documentos mais impressionantes em todo o processo da nossa
Independência é o documento de reconhecimento da nossa
Independência por Portugal:

226
Carlos Rosa – 227

CONVENÇÃO ADICIONAL AO TRATADO ENTRE


PORTUGAL E O BRASIL DE AGOSTO DE 1825
D. João, por graça de Deus, Imperador do Brasil, rei de Portugal
e dos Algarves, d’aquém e d’além-mar em África, Sr. da Guiné, da
Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia, e da
Índia, etc. Faço saber aos que a presente Carta de Confirmação e
Ratificação virem que, em 29 de agosto do corrente ano, se
concluiu e assinou na cidade do Rio de Janeiro, entre mim e o
sereníssimo príncipe D. Pedro I, Imperador do Brasil, meu sobre
todos muito amado e prezado filho pelos respectivos
Plenipotenciários, munidos de competentes poderes, uma
convenção para o ajuste das Reclamações Públicas dos Governos
de Portugal e Brasil reciprocamente, da qual convenção o teor é o
seguinte:
Em nome da Santíssima e Indivisível Trindade.
Havendo-se estabelecido no artigo nono do Tratado de Paz e
aliança, firmado na data desta entre Portugal e o Brasil, que as
reclamações públicas de um e outro governo, seriam
reciprocamente recebidas e decididas, ou com a restituição dos
objetos reclamados, ou com uma indenização equivalente,
convindo-se em que para o ajuste delas, ambas as partes
contratantes fariam uma Convenção direta e especial: e
considerando-se depois ser melhor meio de terminar esta questão,
o fixar-se e ajustar-se desde logo a quantia certa, ficando extinto
todo o direito para as recíprocas e anteriores reclamações de
ambos os governos. Os abaixo assinados, Sir Charles Stuart,
conselheiro privado de Sua Majestade Britânica, Grã-Cruz da
Ordem da Torre e Espada, Plenipotenciário de sua Majestade
Fidelíssima El-Rei de Portugal e dos Algarves; o ilustríssimo e
Excelentíssimo Luis José de Carvalho e Mello, do conselho de
Estado, Dignitário da Imperial Ordem do Cruzeiro, comendador
das Ordens de Cristo e da Conceição e Ministro e Secretário de
Estado dos Negócios Estrangeiros; o Ilustríssimo e Excelentíssimo

227
228 – Segredos da História do Brasil

Barão de Santo Amaro, Grande do Império, do Conselho de


Estado, Gentil-Homem do Cruzeiro e comendador das Ordens de
Cristo e da Torre e da Espada; e o Ilustríssimo e Excelentíssimo
Francisco Villela Barbosa, do conselho de Estado, Grã-Cruz
Imperial da Ordem do Cruzeiro, Cavaleiro da Ordem de Cristo,
Coronel do Imperial Corpo de engenheiros, Ministro e Secretário
de Estado dos Negócios da Marinha e Inspetor Geral da Marinha,
Plenipotenciário de Sua Majestade o Imperador do Brasil, debaixo
da mediação de Sua Majestade Britânica, convieram, em virtude,
dos seus Plenos Poderes respectivos, em os artigos seguintes:
Art. I – Sua Majestade Imperial convém à vista das reclamações
apresentadas de Governo a Governo, em DAR ao de Portugal a
soma de dois milhões de libras esterlinas; ficando com esta soma
extintas de ambas as partes todas e quaisquer outras reclamações,
assim como todo o direito a indenização desta natureza.
Art. II – Para o pagamento desta quantia, TOMA Sua Majestade
Imperial, sobre o tesouro do Brasil o empréstimo, que Portugal
tem contraído em Londres no mês de outubro de mil oitocentos e
vinte e três, pagando o restante para perfazer os sobreditos dois
milhões de libras esterlinas, no prazo de um ano, depois da
Ratificação e publicação da presente Convenção.
Art. III – Ficam excetuadas da regra estabelecida no primeiro
artigo desta Convenção, as reclamações recíprocas sobre
transporte de Tropa e despesas feitas com as mesmas Tropas. Para
liquidação destas reclamações, haverá uma comissão Mista,
formada e regulada pela mesma maneira que se acha estabelecida
no artigo oitavo do Tratado que acima se faz menção.
Art. IV – A presente convenção será ratificada e a mútua troca das
Ratificações se fará na cidade de Lisboa, dentro do espaço de
cinco meses, ou mais breve se for possível.
Em testemunho de que, Nós abaixo assinados, Plenipotenciários de
sua Majestade El-Rei de Portugal e Algarves e de sua Majestade o
Imperador do Brasil, em virtude dos nossos respectivos Plenos

228
Carlos Rosa – 229

Poderes, assinamos a presente convenção e lhe fizemos por os


selos das nossas armas.
Feita na cidade do Rio de Janeiro, aos vinte e nove dias do mês de
agosto de mil oitocentos e vinte e cinco.
Ass., etc., etc., etc.
E sendo-Me presente a mesma convenção cujo teor fica acima
inserido, e bem visto, considerado e examinado por Mim tudo o
que nela se contém, a ratifico e confirmo, assim no todo como em
cada uma das suas cláusulas e estipulações; e pela presente a dou
por firme, prometendo observá-la e cumpri-la inviolavelmente, a
fazê-la cumprir e observar por qualquer modo que possa ser. Em
testemunho e firmeza do sobredito, Fiz passar a presente Carta por
Mim assinada, passada com o Selo Grande das Minhas Armas e
referendada pelo meu Conselheiro e Ministro e Secretário de
Estado abaixo assinado. – Dada no palácio de Mafra, aos quinze
dias do mês de novembro do ano do Nascimento de Nosso Senhor
Jesus Cristo de 1825 – Imperador e Rei com guarda – Conde de
Porto Santo.

Pronto, documento definitivo. É de espantar que nossos


“historiadores” simplesmente ignorem esta prova inconteste de
que a Independência do Brasil não foi proclamada em setembro de
1822; e muito menos por D. Pedro I. Em 1825, D. João VI,
denominava-se Imperador do Brasil e exigia indenização para
aceitar a separação. Dois milhões de libras esterlinas, quantia
essa que Portugal devia à Inglaterra e que nós brasileiros tivemos
que pagar e estamos pagando até hoje, quando já se passaram 189
anos.
D. Pedro era o rei, mas não reinava. Obedecia em tudo as Cortes
de D. João e às Cortes portuguesas e só quando indenizou as ditas
cortes, aí sim, foi o Brasil considerado independente.
Foi antes, traidor de duas pátrias do que herói de alguma.
Aproveitador das situações e completamente incompetente para

229
230 – Segredos da História do Brasil

resolver os problemas administrativos que se apresentavam, ficou


no Brasil, mas sempre com os olhos voltados para além-mar.
A abdicação do fundador do nosso império é, na verdade,
desnorteante para quem estuda a história.
Ninguém explica como uma alma desassombrada como era D.
Pedro, capaz de afrontar perigos e de ir ao inferno para realizar um
capricho, se abateu diante do povo revoltado e se abateu tão
profundamente que acabou renunciando aos direitos majestáticos,
assinando, alta madrugada, a abdicação.
Homens como D. Pedro, visivelmente anormais, são criaturas
quase sempre surpreendentes: fazem justamente o avesso daquilo
que se espera que elas façam. A resolução de abdicar ao trono
brasileiro, já estava engatilhada de há muito.
A seguir ao fato do Ipiranga, o país votou ao monarca uma
afeição cheia de entusiasmo e de enlevo. D. Pedro, nessa ocasião,
era o mais vermelho jacobino que existia em terras brasileiras. Mas,
no meio do ano seguinte, já o partido português o tinha de novo nas
garras e manejava-o contra os brasileiros.
Os desgostos começaram então a anuviar o céu da política
nacional. D. Pedro, guiado pela camarilha dos inimigos da nação,
transformou-se em perseguidor dos brasileiros.
De Norte a Sul, o país eriçou-se magoado.
E D. Pedro, quando sentiu que já não tinha mais dos filhos da
terra aquela ardente afeição que desfrutara outrora, chocou-se.
O seu temperamento foi sempre de uma impulsividade
incontida. Ao saber das manifestações de desagravo que eclodiam
aqui e ali, o monarca estourava descontrolado, na costumeira
tempestade de palavras:
- Eu não preciso disto para nada! Gritava. Estou aqui por favor!
Que não me amolem, se não acabo dando um pontapé nesta
“choldra” e disparando para Portugal.
Em certo momento, o desespero do jovem imperador atingiu a
culminância. Foi no início de 1830. Por aquela época, o país,
adquirindo a consciência dos seus direitos garroteados pelo golpe

230
Carlos Rosa – 231

brutal da dissolução da constituinte, começava a mostrar que se


preparava para uma reivindicação. A imprensa tomava alento e
adquiria tons combativos. De quando em quando, uma lambada no
governo, no próprio imperador.
D. Pedro sempre foi muito sensível às bordoadas dos jornais e,
nos dias em que essas bordoadas mais vivamente lhe doíam no
lombo, dava ele um dos seus clássicos estrilos, esmurrando mesas e
quebrando louças. Nessas ocasiões, vinha sempre à tona aquela
ameaça que ele considerava terrível:
- Acabo dando um pontapé nesta “choldra” e disparando para
Portugal!
D. Pedro, desesperado, prometia abdicar, mas não consentia que
ninguém lhe falasse em abdicação.
Durante um dos “estouros”, por causa dos ataques dos jornais,
em 1830, D. Pedro chamou um dos seus ministros e dizendo que
estava definitivamente resolvido a abandonar o trono, pediu-lhe a
minuta do decreto de abdicação.
O ministro por ingenuidade, por ser bom cumpridor de ordens,
ou por desejar que o fato se realizasse, no dia seguinte trouxe a
minuta ao palácio.
A presteza abalou e surpreendeu D. Pedro. Aquela ordem não
havia sido dada para ser cumprida.
O imperador arrebatou o papel da mão do ministro, e disse:
- É isso que os senhores desejam, não? – perguntou sumamente
irritado.
E rasgou o papel ali mesmo, nervosamente, furiosamente.
(coisas de D. Pedro I).
Quem assim procedia, aparentemente não tinha a menor vontade
de abdicar. E por que, na madrugada de 7 de abril, D. Pedro
abdicou com tanta facilidade?
Os temperamentos explosivos são de uma infinita sensibilidade.
E, às vezes, dessa sensibilidade de feitio sofredor que se compraz
em representar o papel de vítima.

231
232 – Segredos da História do Brasil

Para o imperador, a revolução que o tirou do trono, foi uma


ingratidão do povo brasileiro. Sentiu-se magoado, sensibilizado até
o fundo da sua alma e quis, talvez, que o país experimentasse a dor
do remorso, da ingratidão.
Outra coisa (e esta, com certeza a verdadeira), foi a inutilidade
de esforços. D. Pedro, incompetente, percebeu que estava
inteiramente incompatível com os brasileiros, abandonado pelo
povo (com razão) e pelas forças armadas, pelos seus amigos mais
íntimos, e até pelas fardas da sua maior confiança. Qualquer
esforço para sufocar a revolução que estalara na véspera, seria
trabalho perdido.
Covardemente, na madrugada de 7 de abril, diante da intimação
de Miguel de Farias, pensou de verdade em abdicar.
Pensou e foi obrigado a abdicar.

FIM

232
Carlos Rosa – 233

Terminei a leitura por volta das 21 horas. Eu estava extasiado;


como em todo o tempo de escola, me puderam omitir todas essas
verdades e casos terrificantes da nossa história? Era um desplante
que a nossa juventude continuasse a ler as besteiras que se
publicavam e as mentiras que incutiam nas mentes dos nossos
filhos.
Este livro tinha de ser conhecido do grande público! Não era
possível que só uns poucos soubessem a verdade sobre o nosso
primeiro imperador. Estava decidido: tão logo lesse o outro livreto,
procuraria uma editora e, com absoluta certeza, eles seriam
editados.
A Cristina estava vendo um filme junto com as crianças quando
cheguei à sala. Quando me viu, levantou-se rapidamente e
perguntou:
- E então?
- Fantástico – acrescentei.
- Amanhã, quando as crianças forem para a escola, gostaria de
lê-lo – disse ela.
- Sem problema – disse, e acrescentei: – enquanto você lê o livro
de D. Pedro, eu leio o outro que fala do José Bonifácio.
- Perfeito – disse Cristina, recebendo da minha mão o livro que
acabara de ler.
No outro dia pela manhã – segunda-feira – logo que as crianças
tomaram café e foram para a escola, peguei o livreto sobre o nosso
“patriarca” da Independência – José Bonifácio – e conversei mais
ou menos nestes termos com a Cristina:
- Amor, o livro que você vai ler sobre o nosso primeiro
imperador é chocante! Existem coisas contidas nele que, se
disseminada entre a nossa juventude, provavelmente a história do
Brasil seria bem diferente.
- Você está me deixando com medo – disse espantada Cristina.
- Não chega a tanto, porém, é impressionante o que o Chalaça
diz sobre D. Pedro I – acrescentei.

233
234 – Segredos da História do Brasil

- Ainda não me conformo que aquele homem seja o tal do


Chalaça. Eu nunca acreditei em fantasmas, muito menos de um que
se materializa e entrega correspondência – disse sorrindo minha
esposa.
- Querida – disse – há mais mistérios entre o céu e a terra do que
sonha a nossa vã filosofia.
- Hummm! Vai filosofar agora?
- Não, vou trabalhar e à tarde, quando chegar, vou ler o livro de
José Bonifácio, e espero que você faça o mesmo com o de D. Pedro
– acrescentei.
- Vamos nessa – disse Cristina com um sorriso matreiro.
Na segunda-feira, fui dar minha aula no colégio e, é claro, a
minha cabeça rodava como pião louco. As aulas não eram sobre os
assuntos D. Pedro I e José Bonifácio, e sim sobre a Guerra dos
Emboabas.
Caso você não se lembre mais, a chamada Guerra dos Emboabas
se deu entre os anos 1707 e 1709, em virtude da descoberta de
minas de ouro em Minas Gerais.
A utilização do termo “emboaba” era pejorativamente dirigida
aos estrangeiros que tentaram controlar a região tardiamente. Na
língua tupi, essa expressão era originalmente utilizada pelos
indígenas para fazer menção a todo tipo de ave que tinha sua perna
coberta de penas até os pés. Com o passar do tempo, os
bandeirantes paulistas a reinterpretaram para se referir aos
forasteiros que, calçados de botas, alcançavam a região interiorana
atrás dos metais preciosos.
A matéria é deveras interessante e eu o aconselho a pesquisar
em livros ou no Google. Mas vamos voltar ao nosso assunto.
No intervalo do meio dia, durante o almoço, como acontecia
normalmente, fui almoçar com o professor Luiz Castelani, 51 anos,
professor de história contemporânea, e elemento muito erudito e
bom de papo.

234
Carlos Rosa – 235

Como quem não quer nada com o assunto, perguntei-lhe durante


a refeição:
- Amigo Luiz, o que você acha da proclamação da Independên-
cia do Brasil por D. Pedro I?
- Um verdadeiro embuste.
- Por quê?
- Você sabe disso melhor do que eu – disse secamente me
olhando com seriedade.
- E porque eu deveria saber disso? – disse com ar de surpresa.
- Você já leu no livro de Humberto de Campos – Diário Secreto
– a frase: “A história do Brasil para maior coerência, deveria ser
escrita em papel higiênico”?
- Já – respondi.
- Alguma dúvida?
- Parece que não – acrescentei.
- Tudo neste país é mentiroso; seja fatos históricos, fatos
políticos, desportivos, socioeconômico, ou qualquer outra coisa.
Ninguém fala a verdade. Nós somos o país mais mentiroso do
mundo. Aliás, nós somos uma mentira.
- Você tá muito negativo – disse olhando no fundo dos seus
olhos.
- Negativo uma conversa. Quer uma prova? Vamos lá: Você
confia no que os políticos dizem?
- Não.
- Você confia no que os dirigentes do futebol dizem?
- Não.
- Você confia no que o Papa Francisco (jesuíta e argentino) diz?
- Não.
- Você confia no Congresso Nacional?
- Não.
- Você confia no Judiciário?
- Não.

235
236 – Segredos da História do Brasil

- Você confia no Conselho Nacional de Medicina que diz que é


melhor a mulher ter um parto no hospital (cesariana) do que em
casa, natural e humanizado?
- Não.
- Você confia nos noticiários diários da televisão?
- Não.
- Você confia na Segurança Pública?
- Não.
- Você confia nos programas de vacinação brasileiros?
- Não.
- Você confia na nossa educação?
- Não.
- Você confia nos dirigentes do nosso sindicato dos professores?
- Não.
- Viu! Você não confia em ninguém. Sabe por quê? Porque
somos um país de mentirosos desde o nosso descobrimento. Somos
um país de ladrões, um país de aproveitadores – concluiu.
Assentei com a cabeça e disse:
- É! Parece que você tem razão. E não falamos mais no assunto.
Na realidade, eu queria falar alguma coisa sobre o livro do
Chalaça, mas como se diz comumente: “perdi o rebolado”.
Terminado o almoço, cada um foi para a sua sala, e não nos
falamos mais naquele dia.
Fiquei pensando a tarde toda no que o professor Castelani me
disse no almoço, e concluí: – Ele tem toda a razão; nós somos um
país de mentirosos, de hipócritas e de aproveitadores.
Cheguei em casa por volta das 5 da tarde e encontrei a Cristina
lendo o livro de D. Pedro. Perguntei:
- E ai? O que tá achando?
- Fantástico! – disse com entusiasmo.
- Onde você está? – perguntei com curiosidade.
- Estou quase no fim, mais precisamente no Tratado de 1825.

236
Carlos Rosa – 237

- Leia com bastante cuidado esse capítulo e quando terminar de


ler o livro vamos conversar sobre o assunto. Estarei na minha sala
lendo o livro sobre o nosso “patriarca” – disse rindo.
Sentei-me e peguei o pequeno livreto de somente 21 páginas e
sem prefácio.

237
238 – Segredos da História do Brasil

O FALSO
PATRIARCA

I
Não é minha pretensão traçar um perfil do dito “Patriarca da
Independência”, pois mais de uma centena de “historiadores” já o
fizeram, mas tentar, à luz de documentos verdadeiros, desmistificar
esse título ostentado falsamente pelo santista. Igualmente, poderão
os leitores avaliar em vista desses ditos documentos, quem foi na
realidade o articulador da nossa liberdade.
Nascido José Bonifácio de Andrada e Silva, em 13 de junho de
1763, na cidade de Santos, São Paulo, somente quando de um
recenseamento em 1776, aparece a existência de um José Bonifácio
de Andrada, de treze anos e estudante.
Em 1783, partiu para Portugal para continuar os estudos. Só
regressou 36 anos depois, ficando completamente alheio aos
meandros e nuanças da política da nossa terra.
Embora qualificasse Jean-Jaques Rousseau de “sublime”, suas
ideias inclinavam-se mais para Voltaire. Como ele, José Bonifácio
odiava o despotismo, dizendo em versos:

Maldição sobre ti,


Monstro que a humanidade avilta.

238
Carlos Rosa – 239

Mas não chegava a querer a República, preferindo uma


“monarquia esclarecida”. Como Voltaire, pregava a liberdade e a
tolerância, mas não admitia governo exercido pelo povo inculto.
Via com maus olhos os movimentos revolucionários, pois
entendia que a ordem era uma exigência da própria natureza. Essa
“filosofia” iria acompanhá-lo por toda a vida.
Em 1789, já formado em direito e filosofia, foi convidado por D.
João de Bragança, Duque de Lafões e primo de D. Maria I, a fazer
parte da Academia de Ciências.
Pouco tempo depois, apresentava seu primeiro trabalho:
“Memória sobre a Pesca das Baleias e Extração do seu Azeite” –
(totalmente antiecológico para os dias de hoje), no qual em meio a
citações eruditas, procurava melhorar os processos da indústria
pesqueira, principalmente das baleias.
Viajou para a França, e a 14 de julho de 1789, no Campo de
Marte, 400 mil franceses estavam reunidos para assistir a cerimônia
celebrada por Talleyrand (Charles-Maurice de Talleyrand-
Périgord), no altar da pátria.
Para José Bonifácio, recém-chegado a Paria, a Revolução
Francesa devia ter sido extremamente estimulante, pois se tentava
por em prática o que haviam dito os filósofos que ele tanto
“admirava”. Entretanto, apesar da sua inteligência e imensa
curiosidade intelectual, que o levava a ler e escrever sobre quase
todos os assuntos, não fez se não uma análise superficial dos
acontecimentos mostrando desagrado pela “falta de ordem”
reinante na França.
No fim do século XVIII, as minas de ouro do Brasil já pouco
produziam (ou o ouro era quase todo desviado para o bolso dos
políticos da época ou contrabandeado para a Europa sem pagar os
devidos impostos), e o governo português buscava homens que
entendessem de mineralogia, tanto para aumentar o rendimento das
minas então existentes, como para pesquisar novos filões.
Não havia em Portugal especialização específica para esse fim e,
assim, embora José Bonifácio estivesse escrevendo sobre a extra-

239
240 – Segredos da História do Brasil

ção do óleo das baleias, sua atividade chamou a atenção da Coroa.


A 18 de fevereiro de 1790, por indicação do Duque de Lafões, José
Bonifácio, Manoel Ferreira da Câmara Bethencourt e Sá (também
brasileiro), e Joaquim Pedro Fragoso, são escolhidos para percorrer
a Europa, com o objetivo de “adquirirem por meio de viagens
literárias e explorações filosóficas, os conhecimentos mais perfeitos
de mineração e mais partes da filosofia e história natural”.
Era uma espécie de bolsa de estudos. Na França, durante um
ano, cursaram química e mineralogia, seguindo depois para a
Alemanha, Suécia, Dinamarca, Inglaterra e Escócia.
Aluno brilhante, ao terminar os cursos, tornou-se membro da
Sociedade Filomática de Paris e da Sociedade de História Natural,
onde apresentou seu segundo trabalho científico: “Memória sobre
os Diamantes do Brasil”.
Voltando a Portugal, reencontro os irmãos, Antônio Carlos e
Martim Francisco, que haviam recém concluído seus estudos em
Coimbra. Tornou-se, também, amigo do Conde de Linhares,
ministro de D. João, e logo começou a receber uma série de
comissionamentos governamentais, passando os anos seguintes a
inspecionar as minas do reino. Além disso, lecionou mineralogia
em Coimbra.
Ligou-se à maçonaria, fraternidade secreta onde se
congregavam os liberais da época, mas não participou da frustrada
revolta dos maçons em 1817, que pretendia estabelecer a
monarquia constitucional e teve como consequência a execução de
Gomes Freire de Andrade, um dos líderes.
No mesmo ano, soube da “Revolução de Pernambuco” em que
seu irmão Antônio Carlos fora preso.
Aos 56 anos de idade, 36 de ausência do Brasil, voltava,
segundo dizia, para terminar seus dias como agricultor no novo
Portugal em que nasci.
Creio, amigo leitor, não deixar margem a dúvida do verdadeiro
caráter político e intelectual do senhor José Bonifácio. Aos 56 anos,
quando milhares de patriotas já haviam morrido em masmorras,

240
Carlos Rosa – 241

calabouços e campos de batalha, empunhando a bandeira da


liberdade, o douto paulista escrevia trabalhos sobre baleias e
diamantes.

II
José Bonifácio, o Patriarca da Independência. De onde teria
surgido esse dito, essa asneira? Melhor ouvir o marechal Henrique
Baurepaire Rohan, ex-ministro de Estado, ex-conselheiro supremo
da Guerra e membro do Instituto Histórico:
“Sendo eu estudante de engenharia em 1832 e passando com
outros pela Rua do Ouvidor, vi em uma loja, um quadro contendo
vários bustos, e no centro dele, o do conselheiro José Bonifácio de
Andrada e Silva, com a inscrição (por sobre a cabeça de José
Bonifácio), que dizia: Patriarca da Independência.
Até essa época, nunca ninguém ouvira falar em patriarcado da
independência, dado como título a esse senhor (ou a quem quer
que seja), mas, espalhando-se a notícia da existência do quadro
por entre os partidários dos Andradas, grassou a ideia, aceitando-
a mesmo o senhor conselheiro, até que os contemporâneos que
acompanhavam os movimentos políticos de 1821 a 1833,
aparecendo na imprensa da época, restabeleceram a verdade dos
fatos e demonstraram ou nulificaram o pretendido patriarcado do
senhor José Bonifácio”.
Suponha-se, e não vai disparate no símile, diz o renomado
professor e historiador Assis Cintra:
“Que amanhã, um ilustre correligionário resolva fazer um
quadro dos protagonistas da República, e no centro, a figura do
conselheiro Rodrigues Alves, encimando-o com o dístico: ‘O
Patriarca da República’, e exponha a obra prima num mostruário
da Rua do Ouvidor.

241
242 – Segredos da História do Brasil

E a imprensa rodriguesalvista, é claro, bateria palmas pela


ideia magnífica; e os amigos do conselheiro guaratinguetaense
soltariam o foguetório de aplauso, e a notícia correria
vertiginosamente de Norte a Sul do país, e o quadro ficaria
célebre. Mas os protagonistas da República ainda vivos (Assis
Cintra escreveu esta crônica em 1923 e, portanto, muitos dos
participantes da proclamação da República ainda viviam), viriam à
imprensa provando documentalmente que o conselheiro de fato,
encheu a República com o seu nome, foi duas vezes presidente de
S. Paulo e do Brasil, mas combateu o republicanismo até 15 de
novembro de 1889 e só então, às 4 horas da tarde, já triunfante o
movimento revolucionário, aderiu a ele. E viria o senhor Rodolfo
Miranda, republicano histórico, provar que quando S.S. era
vereador de S. Simão e o senhor conselheiro Rodrigues Alves
presidente de S. Paulo, a Câmara sansimonense foi processada por
ser republicana, justamente em vésperas da República, e pelo
senhor conselheiro Rodrigues Alves. E as coisas ficariam assim
explicadas. Mas a tradição popular, já impressionada pela
retumbância desse patriarcado republicano, não se esqueceria
dele. E daqui a 50 anos, um historiador diria, tratando da figura
empolgante do senhor conselheiro Rodrigues Alves, que ele era
deveras, o ‘patriarca da República’ – e um outro acrescentaria: ‘ o
maior dos brasileiros da República’ – pondo assim em plano
secundário, Quintino Bocaiuva, Ruy Barbosa, Benjamim Constant,
Bernardino de Campos, Prudente de Moraes, Deodoro da
Fonseca, etc. Então, outros jornalistas e outros ‘historiadores’
repetiriam a expressão. O governo mandaria fazer uma estátua do
conselheiro Alves, colocá-la-ia na Praça da República, e a
mocidade brasileira do século XXI, ano 2020, diria, reverente,
espetando o fura-bolo no bronze: ‘eis aqui o patriarca da
República’. E por toda a parte se veria então, a efígie do
conselheiro paulista encimada pelo dístico maravilhoso –
‘Patriarca da República’. E ninguém mais lhe tiraria a
patriarcado por omnia secula...”.

242
Carlos Rosa – 243

Este, pois, senhores leitores, é o caso do conselheiro Andrada:


nunca trabalhou ardente nem com afinco pela nossa Independência;
nada fez. Porém, seu nome encheu a história do primeiro império.
Arquitetou a dinastia dos Andradas. A nação ajoelhou-se
agradecida e chamou-o de patriarca, levantando-lhe estátuas, e
ainda hoje o veneram, e ainda amanhã será venerado.
É a história. Mas... de vez em quando é necessário que os fatos
reais venham à tona, a fim de que nossos estudantes possam saber
das verdades incontestes, de como de fato se passaram os
acontecimentos.
Se José Bonifácio fosse um patriota, teria, certamente,
trabalhado pela nossa Independência com devotamento e ardor. Em
1817, Antônio Carlos, seu irmão, entrou para a revolução de
Pernambuco e enquanto trabalhava pela nossa liberdade, José
Bonifácio fazia retumbantes discursos em Lisboa, enaltecendo
tiranos, como, por exemplo, o panegírico da rainha D. Maria I.
Em carta de 14 de abril de 1817, dizia Antônio Carlos ao irmão
que sentia estar separado dele politicamente, militando em partido
diverso: o de Antônio Carlos era o dos brasileiros – o de José
Bonifácio era o dos portugueses. O primeiro o da liberdade, o do
segundo, o da escravidão do Brasil. Em 1818, escrevia José a
Antônio Carlos lastimando que ele estivesse preso “por não ter
tido juízo e discernimento nas coisas políticas”.
Em 1819, obteve uma licença do governo português e veio ao
Brasil. E, convidado para tomar parte na maçonaria carioca (loja
Comércio e Artes – em franca conspiração), respondeu a José
Joaquim da Rocha: “O entusiasmo no Brasil não passa de fogo de
palha”. E não entrou no movimento.
Em 1820, os maçons trabalhavam sem descanso, ora na sede da
loja, na Rua Nova do Conde, nº 4, ora na casa do capitão-mor José
Joaquim Rocha, na Rua da Ajuda, nº 64, ora no convento de Santo
Antônio. Eram os conspiradores – padres, generais, juízes,
capitalistas, doutores. E entre eles, não se achava José Bonifácio

243
244 – Segredos da História do Brasil

que, comodamente, espiava, em S. Paulo, a maré política dos


acontecimentos.
Em meados de outubro de 1821, Antônio Carlos escreveu a seu
irmão José, então vice-presidente de S. Paulo, contando que o
governo português lhe suspenderia os vencimentos que ele – José
Bonifácio – auferia em Portugal. E, de fato, em sessão de 30 de
outubro de 1821, o deputado Borges Carneiro, após violento
discurso, apresentou nas Cortes Portuguesas, um projeto que
autorizava o Governo a sustar o pagamento dos diferentes
vencimentos (mais de 12 contos por ano), que José Bonifácio,
apesar de estar ausente no Brasil, recebia como professor, como
inspetor das minas e como diretor das obras do rio Mondego.
Eis os termos dessa proposta, publicada no Diário da Corte, nº
213, sessão de 30 de outubro de 1821:
“Sou informado de que o senhor Dr. José Bonifácio de
Andrada, há muito tempo ausente no Brasil, recebe anualmente de
ordenado, coisa de doze contos de ofícios públicos que tem neste
reino, como por exemplo, de inspetor de encanamentos do
Mondego, de inspetor geral das minas, de lente de metalurgia, etc.,
etc. Ter muitos ofícios e não servir a nenhum; tê-los em Portugal e
estar no Brasil, e fazendo-se tais remessas de dinheiro para o país
onde ele nasceu, são coisas que não entendo. O dinheiro público é
muito precioso para assim se desperdiçar. Ordenados são tributos
à nação: não sei que se possam impor tributos para semelhantes
fins. Proponho, portanto, se diga ao governo que enquanto o dito
Dr. Andrada não vier efetivamente para servir seus ofícios, mande
suspender-lhe o pagamento, à exceção dos que lhe tocarem por
jubilação ou aposentadoria: - Borges Carneiro.
O projeto passou, e em virtude disso, Bonifácio deixou de
receber dos cofres portugueses os milhares de cruzados que até
então recebia, apesar de se achar ausente de Portugal. Esse ato das
Cortes Portuguesas, aprovando o projeto de Carneiro, irritou
sobremaneira José Bonifácio.

244
Carlos Rosa – 245

Mas, ainda assim, nada fez, e somente em 24 de dezembro de


1821 é que se manifestou, quando já era triunfante a ideia da
liberdade, e assim procedeu em virtude de um convite do Rio de
Janeiro. Não foi um ato espontâneo.
Os laços que o prendiam a Portugal foram rompidos com a
suspensão dos vencimentos que indevidamente recebia do
governo português. Que se diria de um homem que, residindo em
S. Paulo, percebesse ordenados de três ou mais empregos em
Portugal? Não lecionava, não inspecionava as minas portuguesas,
não dirigia as obras do rio Mondego... e ganhava como se tudo isso
fizesse!

III
Estudemos o patriotismo de José Bonifácio, através dos grandes
acontecimentos políticos da Independência.
A maçonaria preparava movimentos subversivos em todas as
províncias. O plano era derrubarem-se os governadores portugue-
ses, elegerem-se juntas governativas compostas de brasileiros,
organizarem-se por intermédio dessas juntas, milícias brasileiras e
depois disso lançar-se o grito de Independência, com a República.
Em diversas províncias os governadores foram derrubados.
Vejamos o que aconteceu em S. Paulo. Eis a descrição feita por
uma testemunha ocular, e transcrita por Mello Moraes na “História
das Constituições”, página 52:
“Os males provenientes de um sistema abusivo, tinha de tal
sorte indisposto os ânimos, que toda a interposição da parte do
governador para consolidar a confiança dos povos, já abalada por
anteriores comportamentos, era inteiramente baldada. Ele mesmo,
intimamente convencido da sua impossibilidade para obrar com
energia, vendo-se despopularizado, sem força física nem moral
para fazer executar as leis, pediu, por vezes, ao ministério a sua

245
246 – Segredos da História do Brasil

demissão. Alguns patriotas bem certos da unanimidade de


sentimentos que animavam a todos os cidadãos, determinaram
aproveitarem-se da ocasião que a fortuna parecia deparar na
reunião dos corpos milicianos, convocados para a festividade do
dia 21, e ajuntando-se na manhã de 23 na Praça dos Paços do
Conselho, tocaram rebate no sino da Câmara, e dando vivas à
religião, a El-Rei e à Constituição, proclamaram um governo
provisório.
Esta notícia, levada rapidamente ao quartel do batalhão de
caçadores, causou a mais forte sensação. Seu chefe, o coronel
Lázaro José Gonçalves, não hesitou um momento em atender aos
votos dos seus soldados, que marcharam logo em auxílio do povo
para a instalação do governo provisório. O coronel Francisco
Ignácio de Souza Queiróz, que então se achava com o seu 1º
regimento de Infantaria Miliciana, passando-lhe mostra, ouvindo
tocar rebate e sabendo o que se passava na Praça dos Paços do
Conselho, não tardou em apresentar-se à frente do dito regimento.
O mesmo fez o coronel Antônio Leite Pereira da Gama Lobo,
aparecendo logo com o seu 1º regimento de Cavalaria, o
regimento de úteis e o 2º de Infantaria, todos milicianos, que se
achavam na cidade. O sino tocava sempre a rebate, e cada vez se
ajuntava mais povo.
Reunidos os corpos, uma deputação de três capitães foi
mandada em nome do povo e da tropa, convidar para presidente
da eleição ao conselheiro José Bonifácio de Andrada. Outra
deputação foi mandada ao ouvidor e à Câmara para que se
apresentassem nos paços do conselho. Apenas a primeira
deputação apareceu na praça, trazendo no meio, o ilustre sábio da
nação, conhecido em toda a Europa pelo nome de “Monsieur
d’Andrada”, os ares retumbantes com este grito muitas vezes
repetido: - Viva o senhor conselheiro!
Ele subiu à sala da Câmara, acompanhado de imensa multidão,
e disse: ‘Senhores, eu sou muito sensível à honra que me fazeis
em eleger-me para presidente da eleição do governo provisório
que pretendeis instalar. Pela felicidade de minha pátria eu farei

246
Carlos Rosa – 247

os mais custosos sacrifícios até derramar a última gota do meu


sangue’. A resposta foi um grito geral: – Viva o senhor
conselheiro! E ele continuou: ‘Esta eleição só pode ser feita por
aclamação unânime; descei, senhores à praça, e eu da janela vos
proporei pessoas que por seus conhecimentos e opinião pública,
já por vez manifestada, me parecem dignas de serem aceitas’.
Alguns cidadãos lhe disseram: – senhor conselheiro, não
queremos no governo aqueles que até agora tem sido ‘nossos
opressores’ e queriam personalizar. Mas ele os atalhou, dizendo: –
‘Senhores, este deve ser o dia da reunião de todos os partidos, da
reconciliação geral entre todos. Não nos lembremos mais do
passado; desapareçam ódios, inimizades e paixões. A pátria seja a
única nossa mira. Completemos a obra da nossa regeneração
com sossego e tranquilidade, imitando a honrada e gloriosa
conduta de nossos irmãos de Portugal e do Brasil. Persuadido
que haveis posto em mim vossa confiança, aceitei o vosso convite,
e aqui estou pronto para dirigir-vos e para trabalhar pela causa
pública. Se de fato confiardes em mim e estais resolvidos a porta-
voz como homens de bem, então me encarrego de procurar a
vossa felicidade, expondo a minha própria vida. Mas se outros
são os vossos sentimentos, se o vosso fim não se dirige somente ao
bem da ordem, se pretendeis manchar a glória que vos pode
resultar deste dia e projetais desatinos, então me retiro. Ficai e
fazei o que quiserdes’.
- Não senhor – responderam todos a uma só voz.
- Pois bem – disse ele – descei à praça e aprovareis daqueles
que hei de nomear os que mais vos merecem’.
O povo se meteu no meio de um círculo formado pelas tropas. O
estandarte da Câmara foi colocado em uma janela e na mesma se
achava o ouvidor, o juiz de fora e vereadores. Em outra janela
apareceu o conselheiro e depois de uma breve e eloquente fala ao
povo e tropa, exortando-as a que se portasse com honra e boa
ordem, disse:

247
248 – Segredos da História do Brasil

- Para presidente do governo provisório, o Ilmº Sr. João Carlos


Augusto Oyenhausen, que foi até hoje general desta província.
Eis aí o fato. Enquanto em outras províncias o governador
português era posto fora do governo, em S. Paulo também era, para
ser reposto logo depois na chefia da província. E por quem? Por
José Bonifácio, o patriarca da independência!
- Eu não devia emitir opinião sobre o assunto, mas é impossível
ficar alheio. Diga-me uma coisa: dá ou não dá vontade de vomitar
ao ler esta carta? Mas vamos deixar o Chalaça continuar.
O povo revolta-se contra o governador de S. Paulo, consegue a
adesão das tropas da cidade, depõe o capitão-general Oyenhausen,
governador português, fidalgo devotadíssimo aos Braganças,
tirânico e reacionário e totalmente contra os liberais políticos. Esse
mesmo povo quer fazer uma eleição, e procura para presidente da
mesma o conterrâneo ilustre, o sábio Andrada; aclama-o e deseja-o
para seu presidente. E o que ele faz nessa emergência? Fala ao
povo e às tropas, convence-os com sua eloquência que se não
devia fazer eleição e sim uma aclamação. Que se não devia reagir
contra os portugueses, e faz uma indicação assombrosa: pede ao
povo e à tropa que aprove (aclame) para presidente de S. Paulo o
capitão-general Oyenhausen, isto é, o governador português
deposto pela revolução, esse mesmo que por seus atos arbitrários e
reacionários, determinaram o movimento revoltoso!
Entretanto ouve, diz o narrador citado acima, cidadãos que
disseram: – Sr. Conselheiro, nós não queremos no governo, aqueles
que até agora tem sido nossos opressores. Não valeu o protesto! A
eloquência de José Bonifácio repôs no governo o chefe português
detestado pelo povo, e com isso conseguiu a confiança de D. Pedro
I e a amizade da princesa Leopoldina que, austríaca, via em
Oyenhausen um fidalgo da linhagem austríaca. E isso mais tarde
lhe valeu o ministério. Que diferença do que ocorreu em
Pernambuco e Alagoas, por exemplo!
Esse ato de Bonífácio não foi uma traição ao partido indepen-
dente, aos revolucionários paulistas, aos interesses da emancipação

248
Carlos Rosa – 249

do país? O povo queria para presidente, ele, José Bonifácio, e ele


fez presidente o governador deposto, sugestionando esse mesmo
povo paulista. Mas, dizem alguns, José Bonifácio foi o fator da
revolução paulista de 23 de junho de 1821, da qual resultou a junta
governativa. Digo eu e mais os patriotas: mentira.
Quem fez o movimento foi a Maçonaria, que agiu em S. Paulo
por intermédio dos irmãos Alvins, maçons e nacionalistas. Eis o
que nos conta o brigadeiro Machado de Oliveira (Obras Escolhidas,
vol. 1, pág. 326):
“Designado para esse fim o dia 23 de junho, e feitos os avisos
para a reunião popular na praça de S. Gonçalo, no que
desempenhou sobre todos a maior diligência, o benemérito
cidadão José Inocêncio Alves Alvim, paulista de que só há
recordações honrosas, começando então sua carreira de
dedicações pelas liberdades públicas de que jamais se desviou e se
fez distinto, pela nobreza de seu caráter e firmeza de suas
convicções. Ao alvorecer desse dia (23 de junho), ouviu-se o som
de alarme, partindo do sino da cadeia, tangido por José Inocêncio,
tendo a seu lado seu irmão Joaquim Alvim; e era esse sinal
convencionado para a junção do povo e da tropa. Esse cidadão,
logo que se viu rodeado do povo e por ele vivamente vitoriado, e
que a tropa se apresentava ali em formatura com seus chefes,
levantou vivas à religião, ao sistema constitucional, às bases da
constituição, ao príncipe regente e ao governo provisório que ia se
instalar. Conheceu-se, então, na vontade geral, a conveniência de
se pedir a presença do conselheiro Andrada e para esse fim
dirigiu-se-lhe a deputação de oficiais que, com sua anuência, o
acompanhou ao paço da câmara”.

Repare-se bem: com sua anuência, José Bonifácio, convidado,


ANUIU, isto é, ADERIU ao movimento. Não o fez, não o
preparou, e vendo-o triunfante, ANUIU, ADERIU e o TRAIU,
repondo no governo o odiado governador português Oyenhausen!

249
250 – Segredos da História do Brasil

Grande patriota! Grande amigo da emancipação política do Brasil!


Mas não é tudo. Sendo vice-presidente de S. Paulo, em fins de
1821, deu instruções particulares aos deputados paulistas para que
evitassem a todo o custo a separação do Brasil de Portugal.
Essas instruções se encontram na Biblioteca Nacional, assinada
por José Bonifácio, tendo a data de: S. Paulo, 9 de outubro de 1821,
e são divididas em três capítulos e subdivididas em artigos. E o
artigo 1º, do capítulo I, diz que a deputação deve esforçar-se pela
“Integridade e indivisibilidade do Reino Unido – Portugal e
Brasil”.
Assim, em 9 de outubro de 1821, José Bonifácio, como vice-
presidente de S. Paulo, dava ordens terminantes aos deputados
paulistas nas Cortes, para que combatessem a ideia de independên-
cia do Brasil, pois a tanto equivalia a defesa da “integridade e
indivisibilidade” do Reino Unido de Portugal e Brasil.
É que o deputado português Borges Carneiro não tinha ainda
feito o seu discurso contra os vencimentos indevidos do Andrada, e
este ainda era comensal fidalgo do Tesouro português (mais de um
conto de réis por mês, por cargos que não exercia).
Que belo patriota brasileiro!
Em dezembro de 1821, foi feito o último pagamento do Tesouro
português. Bonifácio zangou-se. O mano Antônio Carlos, escreveu-
lhe indignado.
Foi então, que foi a S. Paulo, Pedro Dias. Ouçamos o que diz o
grande historiador Mello Moraes:

“Pedro Dias de Macedo Paes Leme, foi até Sepetiba e depois


embarcou em uma canoa, chegou a Santos, e daí partiu para S.
Paulo, em cuja cidade entrou na noite de 23 de dezembro. José
Bonifácio estava doente de erisipela em uma cama, fora da cidade.
Apesar da chuva copiosa que caia naquela noite, Pedro Dias foi à
chácara onde estava o conselheiro. A visita de Pedro Dias, e
àquela hora da noite, o surpreendeu. O conteúdo da carta e as
explicações dadas por Pedro Dias o puseram em agitação e, ao

250
Carlos Rosa – 251

amanhecer do dia, transportou-se para a cidade, convocou a junta,


expôs o negócio e propôs que se escrevesse ao príncipe, pedindo
que não partisse para Portugal, enquanto não chegasse ao Rio de
Janeiro uma deputação, que a província de S. Paulo ia mandar
para explicar a Sua Alteza os motivos do pedido”. (Mello Moraes,
Brasil Reino, págs. 87 e 88).

Aí está. Ainda o ato de 24 de dezembro de 1821, não foi


espontâneo: convidado, por intermédio de Pedro Dias, pela
Maçonaria e pelo Rio de Janeiro, para escrever ao príncipe em
nome de S. Paulo, José Bonifácio ADERIU à ideia, acedeu ao
pedido. A carta de 24 de dezembro não foi resultado de uma
explosão patriótica, mas sim o resultado de um pedido, de uma
sugestão!
José Bonifácio não foi o escolhido para ir ao Rio de Janeiro falar
com o príncipe em nome do governo de S. Paulo. Se o fez, deveu-
se ao acaso. O escolhido foi Martim Francisco, que adoecendo,
mandou o irmão.
É o que nos conta o historiador citado, na página 92, de sua
história:

“Esperava-se com ansiedade pela resposta de S. Paulo. Às 8


horas da noite de 1º de janeiro de 1822, Pedro Dias entregou o
ofício da Junta provisória do governo de S. Paulo. José Bonifácio
não escreveu, porém, Martim Francisco respondeu ao capitão-mor
José Joaquim da Rocha, por uma carta muito lacônica, na qual
sem entrar em outros pormenores, dizia tão somente estas
memoráveis palavras: ‘Nunca quis entrar em revolução, porque
conhecia a pouca madureza dos meus princípios, porém agora,
como a necessidade insta, mostrarei para quanto pode em mim o
amor de minha pátria’.
De Minas as notícias não foram tão satisfatórias, como eram de
esperar. O portador que levou as cartas para o desembargador
vice-presidente José Teixeira da Fonseca Vasconcelos e para ou-

251
252 – Segredos da História do Brasil

tras pessoas de Vila Rica e Mariana, conduziu-se de modo que faz


suspeitar-se na capital daquela província, que não eram sinceras
as propostas do Rio de Janeiro, ou que aí se apresentava uma
coisa para se fazer outra. Daí veio a demora em que se achou
Minas em relação a S. Paulo para acudir ao reclamo do Rio. E daí
veio também a perturbação que houve em se mandar mensageiro
daquela província com aparências de republicanismo.
O governo de S. Paulo designou, para vir ao Rio pedir a
FICADA do príncipe, a Martim Francisco, mas como adoecesse,
este encarregou de substituí-lo a José Bonifácio. O governo de
Minas designou para igual fim ao seu vice-presidente,
desembargador José Teixeira da Fonseca Vasconcelos”.

Disso se conclui que só “acidentalmente” José Bonifácio foi


representante de S. Paulo para ir ao Rio de Janeiro pedir ao
príncipe que ficasse no Brasil.
Varnhagen, visconde de Porto Seguro, em sua “História da
Independência” editada pelo Instituto Histórico do Brasil, diz na
página 147, que a ficada do príncipe no Brasil, que convidou
Minas e S. Paulo, este por intermédio de Pedro Dias. O mesmo
historiador, na página 173 da citada obra, escreveu:

“Não agradou muito a ideia (o conselho de procuradores,


decreto de 16 de fevereiro de 1822) ao ministério (presidido por
José Bonifácio), talvez por não ser de iniciativa sua”.

Assim, José Bonifácio se desagradou com o conselho de


procuradores, terceiro passo de nossa Independência. Onde está o
patriotismo?
Ainda o mesmo historiador, na citada obra, página 147:
“Recorreu então a Câmara ao pedido da convocação de uma
constituinte (passo principal da nossa Independência), e José
Bonifácio aconselhou ao príncipe uma resposta evasiva”.

252
Carlos Rosa – 253

A Câmara pediu a Constituinte e Bonifácio aconselhou uma


resposta evasiva. E a constituinte era a Independência! Os
procuradores dos Estados pediram ao príncipe D. Pedro a
convocação da Constituinte. A representação de 3 de junho de
1822, foi feita por Gonçalves Ledo. Não podendo contrariá-la, José
Bonifácio conformou-se com ela:
“Estremeceram os ministros (entre os quais o Andrada) com a
audácia das proposições proferidas por Ledo, que nenhuma leitura
prévia lhes havia feito da mencionada representação; porém,
reconhecendo o estado de efervescência popular e a impossibilida-
de de se opor no menor que fosse à torrente sem ser eles
derribados, apressaram-se a escrever na própria representação de
Ledo... que com ela se conformaram”. (Varnhagen, História da
Independência).

Assim, não tendo forças para impedir a Assembleia Geral,


pedida e decretada em 3 de junho de 1822, o ministro Bonifácio
conformou-se com o caso para não ser derribado do poder. E a
Assembleia Constituinte equivalia à Independência! Grande
patriota às avessas!
Em 20 de agosto de 1822, foi decidida a Independência do
Brasil em sessão solene da Maçonaria, presidida por Joaquim
Gonçalves Ledo, contra a vontade de José Bonifácio que se recusou
a comparecer ao ato. Igualmente, em 17 de setembro de 1822, na
sessão em que D. Pedro foi proclamado imperador do Brasil. E
onde estaria o patriota Bonifácio?
Se ele, José Bonifácio, em carta entregue ao príncipe D. Pedro
em 7 de setembro de 1822, no Ipiranga, o incitou à Independência é
porque nos ofícios, vindos de Lisboa, as Cortes ordenavam a ida
imediata do príncipe para Portugal, e a PRISÃO E
PROCESSO DO SEU MINISTRO, José Bonifácio.
Assim, vimos que o Andrada não fez o movimento de 23 de
junho de 1821 em S. Paulo; não fez de motu próprio a
representação de 24 de dezembro de 1821; só foi ao Rio de Janeiro

253
254 – Segredos da História do Brasil

pedir ao príncipe que ficasse no Brasil, porque adoeceu o seu irmão


Martim Francisco; opôs-se aos decretos de 16 de fevereiro e de 3
de junho de 1821, que construíram, na verdade, a nossa
Independência; não foi à loja maçônica, de que fazia parte, na
verdade, na importantíssima reunião de 20 de agosto de 1822, em
que se decidiu a nossa emancipação política. E onde estaria o seu
patriotismo?
José Bonifácio era um oportunista. Ele mesmo o confessou em
carta ao conde de Funchal: “É fado meu; quase nunca faço a tempo
o que devo e quero, mas, sempre, o que exigem de mim as
circunstâncias”.

IV
Uma das provas cabais de que José Bonifácio foi um mero
aproveitador das circunstâncias, foi escrito pelo próprio imperador
(às vezes nosso imperador era metido a jornalista), sob o
pseudônimo “P. Patriota” no Diário Fluminense:

“Quem poupa os inimigos nas mãos lhe morre. Aí estão os


Andradas, com o velho ‘sábio’ na frente. Cuidado com estes,
fluminenses! Ele não fez a Independência, como vivem a bazofiar
os seus amigos. Foi o imperador com Ledo e o Clemente, da
Maçonaria; foi o Grande Oriente, do qual ele, depois de ter sido
Grão-Mestre, foi inimigo. O velho Andrada acompanhou a onda.
D. Pedro perdoou-lhe. Ele veio, a agitação começou, o mar está
bravo, mas se fizer conspiração como em 1823, a lei e o imperador
serão inexoráveis, sem piedade para ninguém”.

Desculpem os amigos leitores a redação de Sua Alteza, mas tem


razão em parte: ele próprio também era contra a nossa
Independência. Combateu-a até a última hora, e foi obrigado a
aceitá-la por duas circunstâncias gravíssimas: a abdicação dos seus

254
Carlos Rosa – 255

direitos ao trono de Portugal, em favor de D. Miguel, com o auxílio


das tropas e que apenas esperava dias para explodir. Mesmo depois
de 7 de setembro, isto é, em 22 desse mês de 1822, D. Pedro ainda
se considerava apenas príncipe regente do Brasil, tal qual o deixara
D. João VI, e súdito de Portugal. O “grito” do Ipiranga foi uma
farsa, que se fez num oportunismo, um grande herói, desmerecen-
do assim, o brilho e a fulgência do verdadeiro chefe da revolução
brasileira, projetada para o dia 1º de outubro de 1822, com todas as
probabilidades de êxito em todos os recantos do país, sob a
inspiração fecunda de Joaquim Gonçalves Ledo.
José Bonifácio, ao contrário do que a história noticia, NUNCA
teve afeto ou mesmo admiração por D. Pedro. Para ele, D. Pedro
não passava de um medíocre filho de rei, necessário ao Brasil, de
um rapaz de ânimo varonil, impetuoso, “bom para os seus
desígnios”, estando para demais, espartilhada a sua impaciência
numa constituição.

A LOJA “COMÉRCIO E ARTES”


Depois da sedição de 26 de fevereiro de 1821, levada a efeito no
Rio de Janeiro pelas tropas que obrigaram D. João VI a promulgar
uma constituição, os brasileiros começaram a conspirar intensa-
mente para sacudir o jugo português, visando o estabelecimento da
República. Chefiavam tal movimento revolucionário o tribuno
Joaquim Gonçalves Ledo, o patriota Targini – juiz da alfândega, o
almirante Rodrigo Pinto Guedes, Felisberto Caldeira – conde de
Palmela, e os desembargadores do paço Luiz José de Carvalho e
Mello, e João Severino Maciel da Costa. Dela faziam parte muitos
oficiais e funcionários públicos. Descoberto o conluio pelo ex-
ministro Thomaz Antônio, o conde de Palmela e Felisberto
Caldeira fugiram para a Inglaterra, e os outros conspiradores foram
presos e depois perdoados por D. João VI.

255
256 – Segredos da História do Brasil

José Bonifácio não foi convidado para tomar parte nesse


movimento, porque disse um dos implicados: “Eram muito conhe-
cidas as afeições do ‘sábio’ paulista pela família real e pela união
dos dois países, Brasil e Portugal”.
Dei uma parada e fui tomar um café na cozinha, e encontrei a
Cristina completamente parada a olhar o livro sobre D. Pedro I.
- E então, como está a leitura? – disse rindo.
- Amor, esse tal de Chalaça sabia das coisas. Isto é uma
verdadeira loucura! E o livro que você está lendo?
- Sabe o que você sabe? Você não sabe de nada – disse com um
sorriso matreiro, e acrescentei: – posso tomar um café?
- Claro, a cafeteira está quente.
- E o jantar? Vai ou não sair hoje?
Cristina me olhou de sobrolho, franzindo a testa, e disse
secamente:
- Vamos jantar fora.
Assentei com a cabeça e perguntei:
- E aonde será isso?
- Não sei; não estou com fome, a não ser de saber. Vamos
esperar as crianças chegarem, e depois eu decido.
Peguei um café e fui para a minha sala terminar o livro,
deixando Cristina completamente “encantada”.
Continuei a leitura:
Vejam bem, em 1821, isto é, um ano antes da Independência, os
brasileiros organizaram uma conspiração visando o estabelecimen-
to da República e os chefes dessa conspiração, militares e desem-
bargadores, não convidaram José Bonifácio para fazer parte dela,
porque o “sábio” paulista tinha afeição notória pela família real e
pela união luso-brasileira.
Como D. Pedro I, aderiu à Maçonaria? Vamos aos fatos:
José Bonifácio estava doente e D. Pedro foi visitá-lo. Bonifácio
abriu-se com o príncipe e expusera-lhe o seu desejo que talvez, de
princípio, arrepiasse as carnes do filho de D. João VI.

256
Carlos Rosa – 257

Queria-o na Maçonaria... Revelou-lhe quais os seus intuitos e


quem pontificava na loja Comércio e Artes, da Rua Nova do
Conde: o Ledo, que escrevia artigos entusiastas, de um lirismo
revolucionário, no Reverbero, além de diversos outros de altos
postos, como generais, desembargadores, padres, brigadeiros, etc.
Bonifácio informou a D. Pedro que O Grande Oriente estava
criado e ele era seu grão-mestre e o queria a seu lado, pois antevia
que ele (D. Pedro), seria aclamado como grande patriota. Dizia a
Sua alteza que a maçonaria ambicionava guardá-lo carinhosamente.
O que?! Ele, filho de reis fidelíssimos, metido com hereges
excomungados, entrando nas salas misteriosas, pactuando com os
demônios maçônicos? Com certeza os seus antepassados (os
Braganças), nesse momento se moveram nos túmulos. Uma avó
enlouquecera no escrúpulo religioso; seu pai era um crente, sua
mãe supersticiosa; lá, longe, havia um povo de que devia ser rei e
que odiava os pedreiros livres! O quê?! Ele, D. Pedro, príncipe de
Bragança, descendente dos fanáticos, dos amigos da igreja, lançado
nos braços dos anti-Cristos, de avental, de olhos vendados,
praticando um ritual e usando um nome arranjado no seio da
seita...?! Impossível!... Era de revoltar o pó dos seus avós! E o
nome que lhe propunham? Que simbolismo encontrariam para ele,
que já tinha tantos apelidos e títulos?
Guatimozin! Mas o que era isso? Que significava...
Era uma vez nos tempos idos de 1497, um imperador asteca de
Anahuac, México... Vieram de longe, em 1522 os conquistadores e
ele, de armas em punho, diante de Cortez, que lhe queria os
tesouros, ele, filho do rei Ahintzote, sucessor do irmão Montezuma
II, deixara queimar o seu corpo nas brasas, preferira ser assado
sobre as grelhas em brasa, que os soldados conduziam como se
fossem inquisidores, foi martirizado, sofreu as mais terríveis
queimaduras que um ser humano jamais sofrera, a dizer aos
bárbaros onde se achava as riquezas do seu império.
E D. Pedro, regente, devia meditar muito no simbolismo, na
realeza, nas brasas incandescentes.

257
258 – Segredos da História do Brasil

Guatimozin! Eis o que queriam fazer dele!...


No dia 2 de agosto de 1822, D. Pedro fez sua entrada solene na
Maçonaria. Toda a loja se vestiu de “pompa’ para receber o
aprendiz Guatimozin, que vinha penetrar nos seus mistérios.
Erguera-se a abóbada d’aço, visto aparecer o Grão-Mestre na
cerimônia. José Bonifácio, revestido das suas insígnias, vira a
alegria com que seus irmãos acolhiam o Bragança audacioso, o
qual lançava para longe escrúpulos de raça, de tradição, de família,
e mergulhou em um mundo novo, ali naquela casa do Grande
Oriente Brasileiro, onde se ia deliberar largamente sobre o sonho, a
ansiedade, o desejo: a Independência do Brasil.
No dia 5 de agosto, ou seja, três dias depois de ser aceito como
aprendiz, D. Pedro se tornou Grão-Mestre Maçon.
Do processo instaurado contra os conspiradores, ficou provado
que a ideia da República partira da loja Maçônica Comércio e Arte,
por inspiração dos irmãos Gonçalves Ledo (Custódio e Joaquim).
O primeiro que era médico, foi para Portugal como suplente de
deputado brasileiro, mas com o fim oculto de mandar informações
sobre a política do reino aos conspiradores (espião brasileiro).
O segundo, Joaquim Gonçalves Ledo, conservou-se no Rio
conspirando. A polícia, em virtude disso, ordenou o fechamento da
loja e organizou uma perseguição aos maçons, por serem
“perigosos alteradores da ordem”. Mas os maçons continuaram a
conspirar. Em 24 de junho de 1821, foi a loja instalada secretamen-
te na casa do capitão de mar e guerra José Domingues de Athayde
Moncorvo, na Rua do Fogo, e esquina da Rua das Violas.
Os acontecimentos de 26 de fevereiro, de 20 e 21 de abril,
atiraram a ira policial contra a maçonaria. Mas em 5 de junho de
1821, as sessões secretas tiveram início, reerguendo-se as colunas
abatidas do templo maçon. Da casa de Athayde a loja passou para a
Rua Nova do Conde, nº 4, tendo como irmãos principais Joaquim
Gonçalves Ledo, cônego Januário da Cunha Barbosa, marechal
Joaquim de Oliveira Alves, conselheiro José Caetano Gomes,
brigadeiro Domingos Alves Muniz Marreto, Dr. Manuel Joaquim

258
Carlos Rosa – 259

de Menezes, Athayde Moncorvo, major José Maria de Sá


Bittencourt, Ruy Gernak Passolo, capitão João Mendes Vianna,
tenente-coronel Manuel dos Santos Portugal, brigadeiro José Maria
Pinto Peixoto, Pedro José da Costa Barros, tenente-coronel
Francisco de Paula Vasconcelos, Albino dos Santos Pereira, e mais
600 membros secundários, dispersos pelo país em propaganda da
Independência.
Os maçons trabalhavam sem descanso, ora na sede da loja, na
Rua Nova do Conde, 4, ora na casa do capitão-mor José Augusto
da Rocha, na Rua da Ajuda, 64, ora no convento de Santo Antônio.
Eram padres, generais, juízes, desembargadores, militares das
mais altas patentes, doutores, banqueiros, etc. E, entretanto, até
1821, a figura de José Bonifácio não se via entre eles. Este, em S.
Paulo, esperava os acontecimentos, timidamente, covardemente,
sempre leal aos governantes portugueses, enquanto a maçonaria
trabalhava febrilmente, orientada por Joaquim Gonçalves Ledo.
Dessa tímida política, dessa inatividade em prol da Independência,
foram tirá-lo os acontecimentos já descritos. E ainda assim, revelou
plenamente sua fidelidade aos Braganças e seu desamor à
Independência do Brasil.

FIM

259