Você está na página 1de 27

O jogo de Búzios

ORIGENS

Em todos os países do mundo numa época


ou em outra surgiram e continuam a surgir formas de adivinhação
algumas vezes chamadas de oráculos. O i-ching chinês é um oráculo
assim como o tarot ocidental ou o jogo de búzios nigeriano.
Enquanto o i-ching possui forte base pragmática, o tarot nos remete
a conceitos mais românticos. Já o jogo de búzios é talvez o mais
objetivo de todos. Imagina-se que este jogo esteja sempre ligado aos
cultos afro, o que não é verdade. Isto se deve à forma como ele
chegou ao Brasil trazido por sacerdotes yorubás no século XVIII. Na
realidade, visto isoladamente, o jogo de búzios em pouco se difere
de outros processos divinatórios. Ele é constituído de uma base
onde se lançam pequenas conchas. Pela disposição destas conchas
ou búzios, o olhador ou ledor, retira a resposta à pergunta formulada
por ele mesmo ou por um consulente.

A LÓGICA DO JOGO
O grande humanista suíço C. G. Jung ao estudar os processos de
adivinhação, desenvolveu a teoria da sincronicidade ou das
coincidências significativas. Por esta teoria ao se tirar cartas,
moedas ou em nosso caso, lançar búzios, tendo em mente uma certa
questão, há uma interação entre a pessoa que faz o jogo, a
formulação feita e a resposta que reside em algum ponto do espaço-
tempo. Como tudo ocorre no mesmo instante o nome sincronicidade
está bem aplicado.

A PRÁTICA
Uma forma bastante comum do jogo de búzios é a que utiliza uma
peneira como base. Esta peneira estará coberta por um pano branco,
em redor da peneira deverão ser colocadas as guias, que são colares
de contas com as cores dos orixás, formando um círculo, em seu
interior poderá conter outros objetos, que complementam a magia,
moedas, pedras e outros amuletos que representam os orixás.

Orixá mais que um deus ou semi-deus, é a representação simbólica


ou arquetípica de forças da natureza. Possuem representação
humana o que é natural para a maioria dos povos (veja o caso dos
deuses gregos), seus erros e virtudes. O equivalente na astrologia
seriam os planetas revestidos de seus signos naturais.

Nesta peneira ou base equivalente, lançam-se 16 búzios, e


ocasionalmente um extra chamado oxetuá (búzio de energia ou axé).
Nos 16 búzios faz-se um furo nas "costas" de modo que ao ser
lançado tenha igual chance de cair

Aberto (boca da concha para cima).

Fechado (furo para cima).

Como em qualquer oráculo pode-se fazer qualquer pergunta. O


ingrediente que aciona a sincronicidade é a crença, fé ou que nome
se queira dar. A qualidade da resposta é muito mais uma função de
quem joga do que do jogo propriamente dito.
Alguém disse que o erro não está na astrologia mas nos astrólogos.
O mesmo se pode dizer do jogo de búzios. As melhores respostas
são aquelas em que razão e intuição andam lado a lado. Os melhores
adivinhos podem chegar a tal estado de perfeição que dispensam
qualquer meio sejam eles cartas, moedas, mapas astrais ou mesmo
búzios.
Naturalmente estes casos são muito raros. O normal é seguir as
observações comprovadas ao longo de centenas de anos por estes
magos.
O processo aqui descrito se baseia em regras muito claras na prática
diária do jogo. A propósito não se deve confundir o nome jogo com
algum tipo de brinquedo. O jogo de búzios é sério e para funcionar
corretamente é preciso que se o leve a sério.
Não há absolutamente necessidade que o olhador ou o consulente
pertençam a qualquer culto africano. É fundamental no entanto o
respeito à força maior que orienta a "caída" dos búzios. Não há
mágica, mas mistério. Não há superstição, mas crença. E esta fé
neste poder superior é a mesma que move a ciência, a filosofia e a
religião.

OS JOGOS DE BÚZIOS
Os jogos mais difundidos são :

a) - O jogo de Alafiá = 4 Búzios


b) - O Jogo de Odú = 16 Búzios
c) - O Jogo no Ketô = 16 Búzios
d) - O Jogo de Angola = 21 Búzios

E é possível 4 tipos de jogadas :

1. Indica o orixá de cabeça ( guia espiritual ou se você preferir o


signo do indivíduo ) dados da potencialidade pessoal. As suas
qualidades e estilo ficam como que mais acessíveis. E nada impede
que um homem tenha o estilo de um orixá dito feminino e vice-versa.

2. Responde às perguntas cujas respostas sejam do tipo


sim/não/talvez. Búzio aberto ( na astrologia se diz que há um aspecto
favorável ). No caso de cair com o búzio fechado (na astrologia
aspectos desfavoráveis), estes elementos não se apresentam
impossíveis mas são situações desafiadoras.

3. Oráculo para qualquer pergunta ou questão mais complexa.

4. O jogador pode lançar qualquer número de búzios numa jogada


pessoal, já que há pessoas que usam 21 búzios.

A INTERPRETAÇÃO
A interpretação da "caída" dos búzios se fundamenta na quantidade
de búzios abertos e fechados e na relação que existe entre este
número e determinados orixás. Em certos casos como a opção 1 é
considerado igualmente o dia da semana em que o consulente
nasceu, exatamente como no ocidente o Domingo é dia do sol
(sunday), Sábado de Saturno (saturday) etc., cada dia da semana é
regido por um ou mais orixás, conforme abaixo:

Segunda - Feira = Exu e Obaluaê.


Terça - Feira = Nanã, Oxumaré, Ogum.
Quarta - Feira = Xangô e Iansã.
Quinta - Feira = Oxóssi e Logun-Edé.
Sexta Feira = Oxalá.
Sábado = Iabás, Iemanjá, Oxum e Begês.
Domingo = Olorum e todos os Orixás.

Cada jogada se encerra com um quadro de chaves interpretativas,


que dão margem a interessantes combinações. Não é raro acontecer
"coincidências" incríveis.
Com o tempo e a prática você será capaz de intuir fatos que hoje
seriam tidos como mágicos. É uma questão de pura dedicação.
Inicialmente aproveite os quadros como se apresentam. Futuramente
quem sabe você passe a utilizar seu próprio método.
OS ORIXÁS
Para facilitar o entendimento, adotaremos o jogo da Nação Ketô, com
16 Búzios
A quantidade de búzios abertos e fechados que caem na peneira,
indica qual orixá está respondendo a pergunta do consulente e qual
a sua mensagem.

Somente isto seria suficiente para qualquer tipo de interpretação,


bastando para tanto saber as características de cada orixá (os
nomes podem diferir entre as diversas nações de origem embora os
atributos sejam os mesmos ).
Vejamos as caídas e as principais características arquetípicas dos
orixás :

Os números à esquerda do "X", representam a quantidade de


"búzios abertos" e à direita a quantidade de "búzios fechados".

00 X 16 = Caída neutra, deve ser repetida a jogada .


01 X 15 = EXÚ = Mensageiro neutro
02 X 13 = OGUM = Objetivo, prático e egoísta
03 X 14 = OBALUAE = Curioso, estudioso e preciso
04 X 12 = IEMANJÁ = Maternal, gentil e complacente
05 X 11 = OXUM = Bondoso, sensível e comunicativo
06 X 10 = EWÁ = Personalidade volúvel, confiante e temperamental
07 X 09 = OSSAIM = Cordial, diplomata e orgulhoso
08 X 08 = OXALÁ = Inteligente, sério, correto e lógico
09 X 07 = LOGUM = Sofisticado, culto e egocêntrico
10 X 06 = XANGÔ = Reservado, hábil e líder natural
11 X 05 = OXÓSSI = Jovial, romântico e imaturo
12 X 04 = IANSÃ = Extrovertido, franco e exótico
13 X 03 = NANÃ = Discreto, místico e cauteloso
14 X 02 = IBEJI = Infantil, volúvel, instável
15 X 01 = OBÁ = Ingênuo, honesto e tolerante
16 X 00 = OXUMARÉ = Enigmático, inteligente e astucioso

O RITUAL
Os búzios deverão ter sido deixados no sereno, em noite de lua
cheia, num preparado com ervas de colônia, Santa Luzia, Saião,
Elevante, Fortuna, Orepê, Seiva de alfazema, Açúcar com Epó de
Oxalá e Macaça. Pela manhã, antes do sol nascer, deverão ser
lavados com as ervas em água corrente e mel e deixados em
descanso por algumas horas antes do jogo. O olhador, deverá estar
de roupa clara, descalço e com as guias de seus orixás. Não deve
beber ou fumar antes e durante o jogo. Deverá então pedir licença
para o orixá que rege o dia da semana para abrir o jogo saudando
todos os orixás, começando por "Exú " e finalizando com "Oxalá".
Pedir a iluminação de "Ifá" pronunciando a seguinte oração em
yorubá:

" Oduduá, Dadá, Orumilá


Babá mi Alari Ki Babá
Olodumarê Babá mi
Bakê Oshê
Bara Lonan
Kou Filé Babá mi
Emim Lo Shirê Babá
Ifá Benim Mojubaré
Ifá Orum Mojubaré
Exú Mojubá (Bater o pé direito tres vezes)
Okê Oxé
Ifá Agô
Ogum yê Patacori,
Jassy, Jassi "

Para se aprender a jogar Búzios não é necessário ser espírita ou


frequentar candomblé, mas deverá ser iniciado nos "Segredos de
Ifá", que não é mais uma divindade ou orixá, "Ifá" representa o nosso
"Eu" Interior, o "ID" de "Freud". Então cultuar "Ifá" é cultuar a sí
mesmo, isto é os nossos dons interiores, para encontrar o nosso
bom "Iwá" (Destino). Porém sempre devemos pedir licença para
"Exú", que é quem detém para sí os bons e os maus caminhos.

O objetivo deste trabalho é transmitir um pouco da cultura esotérica


Africana que é muito rica e pouco difundida. Somente o estudo
dosOrixás , merece um capítulo à parte e sua mitologia é tão rica que
não fica devendo nada à Mitologia Grega ou à qualquer outra cultura
ocidental européia.

JOGO DE BÚZIOS POR ODUS

O ser humano sempre questionou o motivo de sua estadia sobre a terra e, principalmente
,o mistério que envolve o seu futuro. A insegurança e a curiosidade em relação ao futuro
fez com que o homem tentasse, de diferentes maneiras prever o que lhe estava reservado,
vindo a se precaver de todos os tipos de maléficos, como pôr exemplo, a má sorte,
dificuldades amorosas, sociais, financeiras e outros, sendo assim o homem assegurava
para si a certeza da efetivação dos diferentes acontecimentos benéficos.

Podemos encontrar muitos sistemas oraculares existentes com esta finalidade acima
citada, não importando a origem dos sistemas nem a sua filosofia de estudo, aprendizado
ou execução, todos se concentram em único significado que é encontrar os melhores
métodos para prevenir ou ainda remediar situações maléficas, trazendo assim um alívio
imediato para a pessoa e ou sua comunidade ou família.

Quase todos os oráculos, independente de sua origem cultural, absorvem uma tendência a
alguma tipo ou aspecto religioso, vindo sempre a sugerir ou indicar um certo tipo de ritual
ou prática religiosa, de caracter e aspectos muito mais, ou ainda quase que
completamente, místicos do que científicos.

Em particular no Brasil, o sistema mais conhecido, pelo fato de sua ampla divulgação e
fácil acesso a interpretação dos conhecimentos e execução é o jogo de búzios, que tem
origens totalmente africanas, embora muitas das mesmas, feliz ou infelizmente, adaptadas
ou ainda modificadas em nosso país. Mais especificamente falando essas origens não só
são africanas como são de origem do culto à Òrúnmìlà, que nos permite exercer tal função
através das interpretações dos Odù, esses estão totalmente ligados aos seres humanos e
aos òrìsà, ou ainda podemos dizer que os diferentes Odù juntamente de Èsù e Ifá são os
meios pelo qual o homem pode vir a ajustar e melhorar a sua vida terrena e espiritual.

A nossa cultural assimila de forma notável os costumes de origem africana, que foram
trazidos até nós pôr intermédio dos escravos e de maneira brutal e trágica durante diversos
séculos.

De maneira geral, podemos dizer que a música, a culinária, a maneira de agir e pensar do
brasileiro demonstram de forma inequívoca a influência africana aqui exercida, que não
poderia deixar de ser verificada também, na postura estabelecida por nós diante das
religiões, quando independente de sua opção ou credo, adotamos sempre uma atitude
pautada num certo profundo misticismo.

Para o brasileiro e também para o africano, não cai uma folha de uma árvore sem que para
isto não haja uma determinação espiritual ou um motivo de fundo religioso.

As forças superiores a nós são sempre solicitadas para a solução de problemas do


cotidiano, e seja qual for a religião cultuada pela pessoa, a prática da magia é sempre
adotada em busca das soluções, mesmo que esta prática "mágica" seja mascarada pôr
outro nomes em diferentes tipos de crenças.
O presente trabalho consiste em ser uma proposta totalmente didática e básica ao
conhecimento e estudo do oráculo africano ligado ao oráculo dos búzios, que é feito
através da interpretação dos segredos contidos nos diferentes Odù.

Qualquer pessoa pode aprender e conhecer o oráculo dos búzios africano, que nada mais é
do que conhecer os segredos contido nos Odù, porém somente os iniciados e consagrados
podem realmente ter acesso a prática do oráculo.

Os Odù demonstram as diversas tendências da pessoa e dos acontecimentos que surgirão


na vida da mesma, os Odù podem também estar direta ou indiretamente ligado aos
sonhos, devendo sempre o sacerdote perguntar ao consulente a respeito de sonhos recentes
a data da consulta, e no instante em que o consulente estiver descrevendo o/os sonhos
deve-se prestar bastante atenção, pois podem apresentar-se diversos detalhes em comum
entre os sonhos e estes poderão ajudar na solução do problema da pessoa, seja na criação
de um ebo ou em atitudes a serem tomadas.

Os odù que utilizamos para o oráculo dos búzios é a interpretação dos 16 principais odù,
que nada mais são do que 16 caminhos interligados um com o outro, ou seja o primeiro
caminho está interligado com todos os demais 15, e é pôr este motivo que em,
determinadas situações não é somente um odù que se apresenta para resolver o problema
da pessoa, ou seja aquele determinado problema está sendo causado pôr diversos motivos,
sendo assim o mesmo exige diferentes soluções, porém todas interligadas.

Quando agora a pouco comentamos que o oráculo dos búzios é a interpretação dos 16
principais odù, estamos realmente afirmando que estamos estudando referente os 16
primeiros e principais odù enviados à terra pôr Òrúnmìlà, e que desses 16 principais foi
dado origem à 256 omo odù (odù filhos), e que hoje já podemos dizer que existem cerca
de 4098 odù do método de interpretação de Ifá.

Todo odù está ligado a diversos òrìsà, porém aquele òrìsà que se apresentar primeiro em
um determinado odù, será ele um dos responsáveis direto à solucionar o problema do
consulente.

Abaixo iremos relacionar os 16 principais odù que começaremos a estudar com mais
afinco:

1. ÒKÀNRÀN

2. EJÌOKO ou OYÈKÚ

3. ÉTAÒGÚNDÁ ou ÌWÒRI

4. ÌROSÙN

5. ÒSÉ

6. ÒBÀRÀ

7. ÒDÍ
8. EJÌONÍLE ou EJÍOGBÈ

9. ÒSÁ

10. ÒFÚN

11. ÒWÓNRÍN

12. EJÍLÀSEGBORA ou ÒTÚRÁ

13. EJÍOLOGBÓN ou ÒTÚRÚPÒN

14. ÌKÁ

15. OGBÈÒGÙNDÁ ou ÒGÙNDÁ

16. ÌRÈTÈ ou ALÁFIA

Esses últimos quatro odù são muito pesados quanto ao seu lado negativo devendo sempre
tomar muito cuidado na sua interpretação, e principalmente na criação e execução de seus
ebo, até mesmo o 16º odù que normalmente traz notícias esplendidas e excelentes, vindo
aparecer em um determinado jogo em uma situação negativa pode passar a trazer um
recado muito perigoso ao consulente.

Esses quatro últimos odù estão completamente ligados à feitiços, doenças, tragédias,
dramas, etc., porém os mesmos também podem se apresentar de maneira completamente
positiva, podendo depender também da combinação dele com os demais e da sua
colocação e situação no jogo em questão Existe também aqueles odù que podemos chamar
de confirmativos, que são os odú 4, 6, 8, 10 e 12, porém é de nossa inteira obrigação
mencionar que esta observação depende não só da situação, colocação e combinação no
jogo, mas também da ligação do sacerdote com Ifá referente esses odù e suas
interpretações em relação ao sistema divinatório, pois Ifá com certeza sabe o que se passa
na cabeça do sacerdote e do consulente no momento da pergunta para assim poder
fornecer a sua devida resposta.

Deve-se ter no momento do jogo toda uma concentração e total interação com os
elementos que determinam o mesmo, isto feito com certeza o sacerdote alcançara a
sensibilidade de visualizar e pressentir no decorrer do jogo quando que realmente um odù
traz um recado de solução do problema da pessoa através de caminhos de ebo ou qualquer
outro tipo de sacrifício, alguns problemas que surgem na vida das pessoas estão realmente
marcados para acontecerem, e se fizermos alguns trabalhos para modificarmos o rumo da
situação poderemos fazer com que o consulente venha a ser prejudicado no futuro, pôr
isso a importância de se cultuar o orì, muitas vezes, diríamos até na maioria dos casos
vale-se muito mais um egborì (cerimonia de adoração a cabeça) do que um ebo, adímu ou
etutu.
Texto extraido do Livro: Búzios a Interpretação dos Segredos
Autores: Nelson Pires Filho e Fábio Escada
Ed. Madras
O JOGO DE BÚZIOS
Como será meu dia de amanhã?

Se eu fizer o que pretendo, qual será o resultado?

Desde que o mundo é mundo que o homem tem necessidade de saber


algo sobre o seu futuro. Dentro do Candomblé, a modalidade do jogo de
búzios é a mais conhecida (O búzio é uma concha do mar encontrado em
praias litorâneas).

O jogo de búzios é um aprendizado de conhecimentos preciosos em que a


memória exerce um papel muito importante, ou seja, é lá na memória ou
cabeça, que se vai guardar uma enorme série de histórias, lendas e caídas
que decifram, segundo a tradição yorubá, a vida de uma pessoa.

Na Nigéria, o jogo de búzios recebe o nome de Merindilogún, ou seja, o


"JOGO DOS DEZESSEIS". O processo do jogo de búzios consiste no
seguinte: Os búzios são lançados sobre uma toalha ou peneira conforme a
nação daquele Babalorixá ou Yalorixá que está jogando. A posição em que
os búzios caem é que dará as indicações necessárias solicitadas pelos
consulentes. Portanto, cabe ao Babalorixá ou Yalorixá interpretar as
caídas e passar para os consulentes as mensagens do jogo.

O intermediário do Merindilogún, ou seja, desta forma de jogo, não é Ifá; e


sim, Exu. Ifá tem a sua modalidade particular de jogo. Diz uma lenda que
apenas Exu tinha o dom da adivinhação. Mas, a pedido de Orunmilá, Exu
transmitiu seus conhecimentos a Ifá e em troca Exu recebeu o privilégio de
receber sempre em primeiro lugar as oferendas e sacrifícios antes de
qualquer outro orixá.

Diz ainda que Oxum era a companheira de Ifá e os homens lhe pediam
constantemente que respondesse às suas perguntas. Oxum contou o caso
a Orunmilá que concordou que ela fizesse a adivinhação com a ajuda de
16 (dezesseis) búzios. Porém, as respostas seriam indicadas por Exu.
Exu, então, voltou à antiga função, ou seja, a de responder às perguntas
de Oxum. Depois disso, por espírito de vingança, Exu passou a atormentar
com mais raiva os filhos de Oxum.Na verdade, o jogo de búzios é o
instrumento de maior consulta constante do Babalorixá ou Yalorixá, pois é
através dele que ele(a) irá dirigir diversas situações dentro da casa de
orixá.

No começo do aprendizado do jogo de búzios, segundo a tradição,


começa-se a jogar com 04 (quatro), 08 (oito) e depois os 16 (dezesseis)
búzios. Mas, vamos nos deter aqui no jogo de 04 (quatro) búzios, também
chamado de "Jogo de Confirmação".

O Jogo de Confirmação, como relatei, é formado por 04 (quatro) búzios.


Esta modalidade é usada como o próprio nome sugere, para confirmar
caídas feitas anteriormente com os outros búzios, ou ainda, esta forma de
jogo é usada para se obter respostas rápidas dos orixás, por exemplo:

04 (quatro) búzios abertos significa "tudo ótimo"

03 (três) búzios abertos e 01 (um) fechado significa "talvez", ou seja,


poderá dar certo ou não o que seperguntou

02 (dois) búzios abertos e 02 (dois) fechados: a resposta é afirmativa;


"tudo bem"

03 (três) búzios fechados e 01 (um) aberto: a resposta é "não", ou seja,


"negócio não realizável"

Agora, se todos os 04 (quatro) búzios caírem com as 04 (quatro) partes


fechadas para baixo significa que não se deve insistir em perguntar o que
se quer saber, pois além de ser nula esta caída, ela vem acompanhada de
"maus presságios".

Além disso, este Jogo de Confirmação ou Jogo dos 04 (quatro) Búzios


também é chamado de "Jogo de Exu", porque segundo alguns antigos
Babalorixás, quem responde nesse jogo é Exu, pela precisão e rapidez
nas respostas.

ODÙ
A palavra odù vem da língua yorubá e significa "destino". Portanto, odù é o
destino de cada pessoa.

O destino é, na verdade, a regra determinada a cada pessoa por


Olodumaré para se cumprir no àiyé, o que muitos chamam de missão.
Esta "missão" nada mais é do que o odù que já vem impresso no ìpònrí de
cada um, constituído numa sucessão de fatos, enquanto durar a vida do
emi-okán ou espírito encarnado na terra.

Enquanto a criança ainda não nascer, ou seja, enquanto ela permanecer


na barriga de sua mãe, o odù ou destino desta criança ficará
momentaneamente alojado na placenta e só se revelará no dia do
nascimento da criança.

Cada odù ou destino está ligado a um ou mais orixá. Este orixá que rege o
odù de uma pessoa influenciará muito durante toda a vida dela. Mas, nem
por isso ele será obrigatoriamente o orixá-ori, ou "o pai de cabeça" daquela
pessoa, ou seja, o orixá-ori independe do odù da pessoa. Vejamos um
exemplo: um omon-orixá de Yansã que tenha no seu destino a regência do
odù ofun (que é ligado à Oxalá), essa pessoa terá todas as características
dos filhos de Yansã: independentes, autoritários, audaciosos. Mas, sofrerá
as influências diretas do odù ofun, trazendo portanto para este filho de
Yansã, lentidão em certos momentos da vida. Situação esta desagradável
para os filhos de Yansã, que tem a rapidez como marca registrada.

Os odùs ou destinos são um segmento de tudo que é predestinação que


existe no universo, conseqüentemente, de todas as pessoas.

Os odùs, além de serem a individualidade de cada um, também são


energias de inteligências superiores que geraram o "Grande Boom", a
explosão acontecida a milhares de anos no espaço que criou tudo.

Dentro de um contexto específico(pessoal ou social) em nosso planeta


esses odùs podem seguir um caminho evolutivo ou involutivo, por
exemplo: existe um odù denominado de odi. Foi Odi que em disfunção
gerou as doenças venéreas e outras doenças resultantes de excessos e
deturpações sexuais. Traz em sua trajetória involutiva a perversão sexual
e é ainda através desse lado involutivo de odi que acontece a perda da
virgindade e a imoralidade.

Porém, como expliquei, existe o lado evolutivo e o próprio odù odi citado
aqui em nosso exemplo possui características boas e marcantes como:
caráter forte e firme e tendência a liderança.

Na verdade, são os odùs que governariam tudo que está ligado a vida em
todos os sentidos.

Abaixo, relaciono os 16 (dezesseis) principais odùs e seus orixás


correspondentes:

ODÙ ORIXÁ
1.Òkànràn Exu
2.Éji Òkò Ogun e Ibeji
3.Étà Ògúndá Obaluaiye e ainda Ogun
4.Ìròsùn Yemanjá
5.Òsé Oxum
6.Òbàrà Oxossy, Xangô, Yansã e Logun-Edé
7.Òdì Exu, Omolu
8.Éjì Onílè Oxaguian
9.Òsá Yemanjá e Yansã
10.Òfún Oxalá
11.Òwórín Yansã e Exu
12.Èjìlá Seborà Xangô
13.Éjì Ológbon Nanã
14.Ìka Oxumarê
15.Ogbègúndá Obá e Ewa
16.Àlàáfia Orunmilá

UM BREVE RELATO E EXPLICAÇÕES

O que é Odú?

Odú é um presságio de um momento do passado ou do presente que


poderá alterar ou não um futuro ora, inexistente. O Odú traz em seu
conteúdo uma gama de informações sobre uma pessoa, local,
situações diversas ou política. Odus são 401 titulares e mais 1200
“omó-odú (sub-Odús)

Quem pode lidar com Odú ?

Lida com Odú somente sacerdotes (Babáolorisás e Yialorisás),


Ologbôs, YialéMolés, Oluwôs, Baabalawôs, Ojés, Alagbás e Alapinis. –
Todos devem ter esses “graus” comprovados.

A Origem do Odú

O Odú é um termo africano do dialeto Yorubá e Fon que determina o


DNA espiritual de uma pessoa ou local e situação. Tem sua origem na
própria criação do mundo e muitos deles não tiveram sua origem na
terra. Foi a forma técnica que os sacerdotes das tribos africanas
encontraram para decodificarem os enigmas e os segredos do
universo e do ambiente que os cercava.

O Jogo-de-Búzios e os Odus correspondentes a eles foi instituido por


Oduduwá, que investiu um sacerdote chamado SETILU, o qual
entronizou a divindade Orúnmilá ou Baba Elérin Ipin que significa "O
Céu me fala" ou a Fala do Céu. Setilu então, estebeleceu as regras da
leitura desse jogo que passou a se chamar IFÁ, na realidade o
verdadeiro nome de Setilú. Setilu criou sacerdotes, especialistas na
leitura desses jogos, a quem chamamos de Babalawô, ou seja "pai,
senhor dos mistérios e segredos". E somente os babalawos fazem a
leitura dos jogos. Oduduwa tendo o conhecimento do jogo de
"perguntas e respostas" (Urim e Purim) dos hebreus, adaptou-o ao
sistema africano e codificou-o para entregar o segredo a Setilú, tanto
no sistema de "Opélé Ifá", como Ení Ifá e Fu-Fú. Estebeleceu-se
imediatamente os dois tipos de leituras que seriam passados às
gerações furutas com o nome de Ifá Igbá Ilá e Ifá Obé Keruáti.

Como de divide um Odú ?

O Odú se divide em duas partes: Pupa (vermelho) e Funfun (branco)


– Ou ainda em positivo ou negativo. Ambos, Pupa e Funfun se
alternam no posicionamento, invertendo suas posições. Isto significa
que o Odú que hoje está Pupa, amanhã ou na semana que vem
poderá estar Funfun.

Como responde um Odú ?

O Odú responde através do Jogo-de-Búzios (16 búzios) mediante


suas “caídas” na peneira ou toalha de jogo. O Odú tanto usa os
búzios como as castanhas de Ifá (8 metades) conhecida por Opelé
Ifá.

A Técnica e desmembramentos dos Odús

O conhecimento do Odú é extremamente técnico e demanda


conhecimentos profundos de cálculos, dotações psíquicas, vivência e
uma boa escola iniciática.

Como se propicia um Odú ?

Propicia-se um Odú fazendo-lhe oferendas diversas que variam do


conhecimento de cada sacerdote ou especialista. Nunca se despacha
um Odú – mesmo ele sendo negativo.

Dados e Origens técnicas do Odús

Por Eduardo Fonseca Júnior – Maio 2008

Sendo o Odú uma espécie de inteligência natural (terrena e extra-


terrastre), e as vezes artificial, porém inteligência, possui uma gama
de informações e poderes muitas vezes capazes de provocar
fenômenos que alteram relevos locais e conseqüentemente a vida de
cada habitante deste mesmo local. Em conseqüência os Odus
pessoais são alterados e têm que ser tratados ou propiciados. Desta
forma passamos a descrever os meandros e os chamados “Segredos
dos Odus”.

Os Odus estão ligados à álgebra linear e espaços vetoriais. Os Odus


estão ligados à dimensões tais como R1 – Linha Reta, R2 – Linha
Plana, R3 – Dimensão de Volume, ou seja visão humana e R4 Quarta
Dimensão ou quarto espaço ou seja, aquela que a visão humana não
alcança, mas a matemática confirma a sua existência, seguindo-se R5
até o infinito. Odú é matemática exata.

Como os Odus transitam preferencialmente nas faixas do ultravioleta


e do infravermelho, os comprimentos dessas ondas de luz tornam
suas formas ou figuras perceptíveis a visão animal. O comprimento
de ondas de luz estabelece-se entre o visível, o ultravioleta e
infravermelho.

A tese da existência evidente dos Odus prende-se aos fatores do


Percebível, do Visível e do Invisível, tornando a Teoria da Interação
Inter-Elementar, incontestável e possível. Daí que, se a física
quântica prevê que no ESPAÇO inexiste o fator tempo vez que o
ontem e o amanhã estão aqui, no agora.

O Odú portanto, é formado por substâncias químicas como água,


carbonatos, nitratos, sulfatos, compostos de carbono e amido. Aliás o
amido é uma substância química constantemente usado nas
oferendas (ebós), aos Odus nos candomblés brasileiros nas formas do
milho branco (acaçá), e milho vermelho (axóxó), a água está
presente em quase todas as oferendas aos Odus, o potássio, na
banana (Obé-jokô), o carbonato que é o cálcio no leite (mungunzá) e
outros.

Assim, os elementos químicos geradores de substâncias como


nitrogênio, hidrogênio, oxigênio, carbono, sódio, cálcio, ferro e zinco,
estão presentes na ritualística dos Odus e no dia-a-dia da prática das
casas de orixás. Portanto, longe de serem fantasias criadas por seus
praticantes, o ritual dos Odus é um conhecimento técnico de química
e física quântica que precede em muito a existência de Isaac Newton.
Portanto, válido!

Esta técnica do conhecimento do jogo de Odús propicia o


conhecimento e nos prova que existe a interligação entre os Odús
(caminhos de Odú) os quais promovem uma mutação gerando outros
elementos, “sub-odús” e mesmo Odús. Assim como no decaimento
radioativo, o urânio decai para tório e com o decaimento do césio
libera-se prótons, nêutrons ou seja ENERGIA pura concentrada, o
“caminho de Odú” transita da mesma forma liberando Energia pura
concentrada.

E por assim ser, concentrada, as oferendas de Odús são pequenas


sem qualquer suntuosidade ou luxo, porém densas de energia, pois a
densidade é igual à massa sobre o volume, ou seja, a densidade é
inversamente proporcional ao volume. Quanto maior o volume,
menor será a densidade e vice-versa. Quanto a isto ouvimos de uma
sacerdotisa Ijexá (na Nigéria) a seguinte explicação: Odú jé Oluabi
tabi Oluikú! – (Odú é O Senhor da Vida ou O Senhor da Morte).

ODÚS E SEUS CAMINHOS

O que é um Caminho de Odú ?

É a sequência que ele faz em direção a outro Odu (vide setinhas na


tabela abaixo) e com este se completa.

O que mais há de se saber sobre cada Odú ?

O seu histórico - suas oferendas - seus nome correlatos - seus


caminhos - e muito mais.

O que é a disfunção de um Odú ?

A disfunção de um Odu acontece quando ele precisa ajudar as


pessoas e estes não sabem ou não cuidam. Aí as patologias psíquicas
começam a aparecer em razão da disfunção do arquétipo do Odú. - E
por falar nisto, Odú é uma comprovação do cérebre psicanalista
Carl Jung (Teoria Junguiana) em termos de funções ou
disfunções arquetípicas.

1 ODIN OSSÁ 69 OKÔNRON-MERIN -(69=6)


2 EJÍOKÔ 70 OFU-MERIN -(70=6)
3 ETÁ OGÚNDÁ 71 ODIKASSAN-MERIN -(71=6)
4 LOBOMALÉ OSSÁ 72 EKEFÁ-MERIN -(72=6)
5 OXETURÁ ODIN OFU 73 IROSUN-MERIN -(73=7)
6 OBARÁ EJONILE 74 OBARÁ-KÉ-MERIN -(74=7)
7 OFU IKÁ ODIN 75 ARUN-DILA-DORUN-MERIN -(75=7)
8 EJONILE OSSÁ OBARÁ 76 ADORIN-EFÁ-MERIN -(76=7)
9 OSSÁTURA BESSÁ OROSSUN 77 ADORIN-EJE-MERIN -(77=8)
10 EDINEJÉ OFU 78 ADORIN-EJO-MERIN -(78=8)
11 OBIOROSSUN OKARAN
79 ADORIN-META-MERIN - (79=8)
OBARAXÉ
12 OULASAN OLAXÉ HOUNXE 80 OGORIN-MARUN-MERIN -(80=8)
13 ETALA-METALA EJÍ
81 OGORIN-OKAN-MESAN-MERIN-(81=9)
OLOGBOHUN
14 IKÁ OUDAN MERILÁ 82 OGORIN-MEJÍ-MESAN-MERIN-(82=9)
15 ORÉ-BABA-DAJÁ 83 OGORIN-META-MESSAN-MERIN-(83=9
16 ORIGBÁ 84 OGORIN-MERIN-MESSAN-MERIN-84=9
85 OGORIN-MARUN-MEWÁ-MERIN-
17 ODIN OTUBI
(85=10)
18 OWARIN BEOFUN (18) 86 OGORIN-MEFA-MEWÁ-MERIN-(86=10)
19 OYEKÚ MEJÍ -(19=2) 87 OGORIN-MEJE-MEWA-MERIN-(87=10)
20 MEJÍ-MEJÍ OKARAN -(20) 88 OGORIN-MEJO-MEWÁ-MERIN-(88=10
89 OGORIN-MESAN-OKANLA-MERIN
21 OGÚN-DA-MEJÍ -(21)
(89=11)
22 OGÚN-DA-MASSÁ - (22) 90 ADONRUN-MOKANLA-MERIN-(90=11)
91 ADONRUN-ENI-OKANLA-MERIN-
23 EJÍLÁ -(23=4)
(91=11)
92 ADONRUN-MEJÍ-OKANLA-MERIN-
24 AJÉ MERINLÁ-(24=4)
(92=11)
93 ADONRUN-META-MEJÍLA-MERIN -
25 OXÉ XALUNGA OBARÁ
(93=93)
94 ADONRUN-EKERIN-EUE-MERIN-
26 OBARÁ MEJÍ - (26=5)
(94=93)
95 ADONRUN-EKERUN-EJÍLA-MERIN-
27 OKÔNRON MEJÍ -(27=6)
(95=12)
28 OBARÁ KÉ-(28=6) 96 ADONRUN-EKEFÁ-EJÉ-MERIN-(96=12)
97 ADONRUN-MEJE-ETALA-MERIN
29 OUTUBÉ KÔNTAN -(29=7)
(97=13)
98 ADONRUN-EKEJO-ETALA-MERIN-
30 ODI-KASSAN -(30=7)
(98=13)
99 ADONRUN-EKESAN-METALA-MERIN-
31 AWORI-MEJÍ -(31=8)
(99=13)
32 EJOIKU OLUWÁ-MEJÍ-(32=8) 100 OGORUN-ETALA-METALA (100=13)
33 OSATURA- 101 OGORUN-EKINI-EKERINLA-MERIN-
BESSÁ OBARAXÉ(33=9) (101=14)
102 OGORUN-EKEJÍ-EKERINLA-
34 EJÍLÁ OTUN -(34=9)
MERIN(102=14)
103 OGORUN-EKETA-EKERINLA-MERIN-
35 OFÚ-SAKPATÁ -(35=10)
(103=14)
104 OGORUN-EKERIN-EKERINLA-MERIN-
36 OSSÁ-MEJÍ -(36=10)
(104=14)
105 OGORUN-EKERUN-MEDOGÚN-
37 OLOGBÓN-MEJÍ -(37=11)
MERIN-(105=15)
106 OGORUN-EKEFA-MEDOGÚN-MERIN -
38 BEOFUN -(38=11)
(106=15)
107 OGORUN-EKEJE-MEDOGÚN-MERIN -
39 OULASAN-OULAXÉ MEJÍ (39)
(107=45)
108 OGORUN-EKEJO-MEDOGÚN-MERIN -
40 ORETÉ-MEJÍ -(40=12)
(108=46)
109 OGORUN-EKESAN-EKERINDILOGÚN-
41 OTURÁ-MEJÍ -(41=13)
(109=16)
110 OGORUN-EKEWA-OLO-
42 ETALÁ-MEJÍ -(42=13)
EKERINDILOGÚN-(110)
111 OGORUN-OKÔKANLA-OLO-
43 OSSÉ-MEJÍ -(43=14)
ERINDILOGU-(111)
112 OGORUN-EKEJÍLA-OLO-
44 OBÉ-JOKÔ -> IKÁ (44)
ERINDILOGÚN-(112)
45 ORANGÚN-MEJÍ (45=15) 113 OKANKAN-ENI-ODIN-EKEJO-(113=17)
46 ORÉ-MEJÍ (46=15) 114 MEJÍ-MEJÍ-OKARAN-EKEJO-(114=1)
47 ORIGBÁ-MEJÍ (47=16) 115 META-META-OWARIN-EKEJO-(115=1)
48 EKÁ-MEJÍ (48=16) 116 MERIN-MERIN-OTUBI-EKEJO-(116=1
49 OWARIN-MERIN (49=1) 117 MARUN-MARUN-OKÔRINÁ-EKEJO-
(117=1)
118 MEFA-MEFA-OBORINÁ-EKEJO-
50 ODIN-MERIN (50=1)
(118=1)
119 MEJE-MEJE-OTA-ORIXÁ-EKEJO-
51 OKARAN-MERIN (51=1)
(119=1)
52 OTUBI-MERIN (52=1) 120 MEJO-MEJO-OLUABI-EKEJO-(120=1)
121 MESAN-MESAN-DJEDJE-EKEJO-
53 OYEKÚ-MERIN (53=2)
(121=19)
122 MEWA-MEWA-SHIGUIDI-EKEJO-
54 EJÍOKÔ-MERIN (54=2)
(122=2)
123 MOKANLA-MOKANLA-ABIKÚ-
55 OUDON-MERILÁ-MERIN (55=2)
EKEJO-(123=19)
124 MEJÍLA-MEJÍLA-IRUN MALÉ-EKEJO-
56 TOSSÁ-EJÍ-MERIN (56=2)
(124=2)
125 METALA-METALA-TOHOSSU-EKEJO
57 IWORI-MERIN (57=ONI=3)
(125=2)
126 MERINLA-MERINLA-IBIEMI-EKEJO
58 OGÚN-DA-MEJÍ-MERIN (58=3)
(126=2)
127 MEDOGÚN-MEDOGÚN-TOSSÁRI-
59 OGÚN-DÁ-MERIN -(59=3)
EKEJO(127=2)
128 MERINDILOGÚN-IBYINKA-EKEJO-
60 OGÚN-DA-MASSÁ-MERIN -(60=3)
(128=2)
129 METADILOGÚN-GÚLACAIE-EKEJO
61 OSSÁ-MERIN -(61=4)
(129=3)
130 MEJÍDILOGÚN-OXIN IMOLÉ-
62 AJÉ-MERILÁ-MERIN -(62=4)
EKEJO(130=3)
131 MOKANDILOGÚN-OGAGÚN-EKEJO -
63 LOBOMALÉ- MERIN -(63=4)
(131=3)
64 EJÍLÁ- MERIN -(64=4) 132 OGOGÚN-ONIRÉ-EKEJO- (132=3)
65 OBARÁ-MERIN - (65=25) 133 EKETA-ORITÁ METÁ-EKEJO-(133=3)
66 OTURÁ-MERIN - (66=5) 134 EKERIN-AKIRUN-EKEJO - (134=3)
67 OXETURÁ MERIN -(67=25) 135 EKERUN-ALARÁ-EKEJO -(135=3)
68 MARUN-MERIN -(68=5) 136 EKEFE-ELEMOLÁ-EKEJO -(136=3)
O Jogo com Búzios(conchas marinhas) constitue uma das artes
divinatórias mais antigas do mundo, de origem africana, ele deriva do
jogo de Ifá, Ifá é o Orixá da Adivinhação, cujo instrumento é
conhecido como opelé de Ifá, sendo constituído de nozes de dendê,
unidas em um fio ou corrente, formando um colar, o jogo de Ifá é
uma arte exclusivamente masculina, sendo seu aprendizado
extremamente longo, cerca de sete anos, é também acompanhado de
muitas formas de rituais específicos, além de exigir uma memória
excepcional por parte do iniciado para poder decorar todas as lendas
referentes às caídas numerológicas do jogo, que atingem um total de
256 destinos ou odus.

Já o Jogo de Búzios pode ser manipulado tanto por homens, como


por mulheres, devidamente preparados após um bom tempo de
estudos e orações específicas para tanto, sendo que o “olhador de
búzios” deve ser de preferência, iniciado da Umbanda ou Candomble,
e possuir um vasto conhecimento dos Orikis e “Personalidade” dos
Orixás, que “falam” através de cada Odú.

O desmembramento do jogo de búzios é bem mais simples, em


comparação ao jogo de Ifá, resumindo um total de apenas dezeseis
Odús, sendo que estes Odús podem estar na forma positiva ou
negativa, devendo o sacerdote saber reconhecer através de jogos
complementares essas tendências(+ ou -), revelando-as ao
consulente. No caso das tendências serem negativas, procurar
através conselhos e orientações, que o consulente faça mudanças
necessárias no próprio comportamento, podendo auxilia-lo ainda
através orações e rituais específicos.

Cada Odu, isto é cada combinação de caídas dos búzios, abertos ou


fechados, trás consigo, um ou vários Orixás, ali representados
numerológicamente, os Odús são:

Okaran 01 búzio aberto


EjiOkó 02 búzios abertos
EtáOgundá – 03 búzios abertos
Irosun- 04 búzios abertos
Osé – 05 búzios abertos
Obará – 06 búzios abertos
Odí – 07 búzios abertos
EjiOnilê – 08 búzios abertos
Osá – 09 búzios abertos
Ofum – 10 búzios abertos
Oworin – 11 búzios abertos
Ejilasebôrá – 12 búzios abertos
EjiOlogbon – 13 búzios abertos
Ika – 14 búzios abertos
Ogbegundá – 15 búzios abertos
Aláfiá – 16 búzios abertos
Cada Odú, destino, caída, tem aspectos positivos e negativos,
devendo o sacerdote saber reconhecer através de jogos
complementares essas tendências, revelando-as ao consulente. No
caso das tendências serem negativas, procurar através conselhos e
orientações, que o consulente faça mudanças necessárias no próprio
comportamento, auxiliado ainda por orações e rituais específicos.

Existem sacerdotes que trabalham também com a numerologia da


data do nascimento,(forma não ortodoxa de Jogo, já que os antigos,
não faziam contas para o oráculo)você perceberá, pois ele irá
perguntar a data do seu nascimento e começará a fazer as contas
para determinar o Odu de nascimento da pessoa. Na verdade esta
numerologia dispensa o “jogar os búzios”, usando apenas o
significado numérico de cada Odú.
Exemplo: uma pessoa que nasceu em 09 de Fevereiro de 2011

09/02/2011 desmembramos em duas colunas e somamos:

0 9
+ 0 2
2 0
1 1
3 12 3+12=15 12+15=27 2+7=9

Cabeça = 03 – Pés = 12 – Esquerda = 15 Direita = 9

A Soma da Primeira Coluna representa a “cabeça” da pessoa, o que


dita a personalidade, no caso 3 que corresponde ao Odú Etá
Ogundá(03).
A soma da segunda coluna representam os “pés” e falam dos
cuidados que se teve ter para o futuro devido aos aspectos negativos
do Odu Eji Lasebôrá(12).
A soma da das duas colunas colunas representam aquilo que pode
prejudicar a pessoa, no caso qualidades negativas do Odu
Ogbegundá(15).
A soma da dos “pés” com a soma das duas colunas anteriores é a
síntese do que reserva o futuro, ou seja 15+12=27 reduzimos
quando o resultado for superior a 16 então 2+7=9 revelando o Odú
Osá(09).

Resultado 03 significa que a pessoa possui uma personalidade forte,


corajosa, dinâmica e determinada.
(03) Etá Ogundá, deve ter cuidado para que essa força, coragem,
dominância e excesso de confiança não se volte contra si próprio.
(12)Eji Lasebôrá alerta para problemas com vícios, principalmente
jogos, drogas, bebidas, e promiscuidade. (15) Ogbegundá, alerta
que, se não manter o equilíbrio poderá perder tudo na vida, fala de
cuidados com as pernas, com perdas e brigas.
(09) Osá vem alertando para problemas psicológicos, depressão e
doenças na região abdominal.

Existe também o jogo simples, com apenas quatro búzios, que


fornece respostas simples como:
Sim, Não, Analisar Melhor,Auspicioso e Desastroso. Neste jogo com
quatro búzios, quem responde diretamente é o Orixá Exú, sendo uma
forma simples de contato do devoto com o seu Orixá, via Exú.

Minha intenção nesta postagem é dar uma noção às pessoas de como


funciona este Oráculo e também de fazer um ALERTA, pois existem
“sacerdotes” que prometem coisas absurdas, e cobram preços
exorbitantes por pseudo trabalhos e consequentes resultados.

Não faço ou prometo coisas que independem de mim e deixo claro


que este é o meu ponto de vista, e que está de acordo com a minha
consciência.

Cobrar um jogo de búzios, Tarô ou Baralho Cigano, é coerente por


ser um conhecimento técnico, você compra livros, baralhos, etc,
investe horas em estudos e cursos, agora cobrar trabalhos
“espirituais” e prometer e garantir uma situação que independe da
nossa vontade, mas do Plano Maior, ao meu ver não se justifica.
Lembre-se que podemos até pagar o “sacerdote” mas não podemos
“comprar” Deus!

Axé, Mojubá

Jogo de Búzios – um diálogo


com seus orixás
Muitas pessoas desconhecem a função doJogo de Búzios e não
imaginam que os orixás “falam” conosco através da
interpretação feita pela mãe de santosobre as caídas dos búzios.

Jogo de Búzios orienta sobre os caminhos a serem seguidos


espiritualmente

As pessoas tem o hábito de realizarsimpatias e oferendas sem


antesconsultar o oráculo.

Sem a consulta não há como avaliar o impacto dos trabalhos


realizados no plano espiritual, causando muitos problemas a pessoa
que realizou o trabalho como as outras pessoas possivelmente
envolvidas, como no caso das amarrações de amor.

Assim; feito as cegas, sem consulta ao oráculo, a amarração de


amor, o trabalho de cura de doença, o trabalho para prosperidade
financeira, ou outrotrabalho espiritual qualquer nunca apresentará
um bom resultado porque as energias estão sendo usadas
incorretamente.

Devo consultar o Jogo de Búzios antes de realizar um trabalho


espiritual?

Sim, o melhor caminho para obter resultados satisfatórios com


um trabalho espiritual é fazendo uma consulta ao oráculo (Jogo de
Búzios) para informar sobre o tipo de trabalho que deve ser feito e as
perspectivas de sucesso que se pode esperar.
Muitos trabalhos espirituais não funcionam, ou demoram muito a se
concretizar, porque a pessoa ignorou o trabalho correto que deveria
ser feito.

Feitiços enviados contra a pessoa, carregos de santo, trabalhos feitos


contra nós nunca serão descobertos até que se faça a consulta
ao Jogo de Búzios que indica também banhos de descarrego e
limpezas espirituais que devemos fazer em nossas casas, ebós, etc.

O oráculo nos traz os recados dos orixás e aponta as falhas que


estamos praticando em nossos caminhos, e nos mostra a melhor
maneira de resolvê-las.

Qualquer pessoa pode fazer uma consulta ao Jogo de Búzios , mas


apenas os sacerdotes graduados do candomblé e umbanda que são o
pai ou mãe-de-santo, podem fazer a leitura e interpretação correta
da caídas dos búzios.

Como é feita a consulta ao Jogo de Búzios?

Existem muitos métodos de jogo, o mais comum consiste no


arremesso de um conjunto de 16 búzios sobre uma mesa
previamente preparada, e na análise da configuração que os búzios
adotam ao cair sobre ela.

A mãe de santo, antes reza e saúda todos os orixás e durante os


arremessos, conversa com as divindades e faz-lhes perguntas.
Considera-se que as divindades afetam o modo como osbúzios se
espalham pela mesa, dando assim as respostas às dúvidas que lhes
são colocadas.

Durante o jogo são feitas consultas clássicas para saber


os orixás e entidades que acompanham a pessoa (o consulente).
Podemos encontrar assim o orixá de cabeça (eledá)e os orixás que
acompanham (ajuntó) bem como a indicação das
entidades Exú ePombagira.
Consulta aos orixás através do jogo de búzios

Posteriormente, são feitas as perguntas genéricas sobre saúde,


trabalho, família, filhos, marido ou namorado e, por fim; são
averiguadas questões como trabalhos espirituais feitos contra
o consulente e como solucionar os problemas que o jogo de
búzios aponta.

O consulente pode fazer perguntas específicas ao oráculo sobre o


assunto que desejar investigar, seja em que setor for, como saúde,
amor, trabalho, família, etc.

Trabalhos espirituais indicados no Jogo de Búzios

Quando o consulente tem qualquer problema de ordem espiritual,


o Jogo de Búzios sinaliza a mãe de santo de qual natureza é o
problema e quais os melhores trabalhos espirituais a serem feitos
naquele caso específico.

Os trabalhos espirituais indicados no Jogo de Búzios devem ser feitos,


para que as questões espirituais não fechem os caminhos daquele
que consultou o oráculo.

"O jogo de búzios tem por finalidade identificar


nosso Orixá (Ori=Cabeça (física e astral) + Ixá=guardião); ou seja ,
problemas de plano astral, espiritual, material e suas soluções". O
jogo de búzios é uma leitura divinatória e esotérica por excelência,
utilizado como consulta, quer seja; para identificar nosso orixá (ori=
cabeça + ixá=guardião), que é a mesma figura do anjo de guarda; a
situação material, astral e espiritual, principalmente com relação a
problemas e dificuldades.
Portanto de uma forma definitiva - ninguém "fala" ao nosso ouvido,
nem Exú e tampouco Oxum, os quais tem forte influência sobre o
jogo, mas não desta forma, se assim fosse, não seria necessário
jogá-los.

A leitura esotérica divinatória está diretamente ligada à Òrúnmìlà,


cujos babalorixás, são seus porta-vozes, outras lendas africanas,
mostram a ligação do jogo de búzios com Exú, Oxum e Oxalá. No
capítulo destinado à Ifá e Odù, consta essa estreita relação entre Exú
e Ifá.

Os búzios são jogados em número de dezesseis, que correspondem aos


dezesseis odús principais, quer sejam: okaran (exú), ejioko (ogum,
ibeji), etaogunda (obaluayiê, ogun), iorosun (yemanjá, oya), oxê
(oxum), obara (Oxossi, logunedé e xangô), odí (omolu oxosse e oxalá),
egionile (oxaguian), ossá (oyá, yewa e yemanjá), ofum (oxalufan),
owarim (oyá, oguy e exu), egilexebora (xangô, oba, iroko), egioligibam
(nanã), iká (ossain e oxumare), obeogundá (ogun, ewá e obá) e alafia
(orixalá, isto é, todos os outros Orixás funfun). Duas formas são as
mais utilizadas, sobre a urupema (peneira (totalmente aboolido em
ketou)), ou sobre erindilogun (fio de contas), que em alguns casos, nele
constam os dezesseis orixás cultuados atualmente no Brasil;
igualmente constam desta parafernália: uma otá, uma vela branca, um
adjá (espécie de sineta) usado para saudar os orixás, abrir o jogo e
convocar o eledá do consulente para que permita uma boa leitura; água;
indispensável os fios de Oxalá e Oxum; um côco de ifá; moedas; favas;
obi; orobô; um imã; uma fava (semente) especial que represente no
jogo o eledá consultado, aforante a isso um preparo do babalorixá, e os
orôs (rezas) necessários.

Para uma boa leitura de búzios, três situações são fundamentais:


1) Conhecimento e aprendizado.
2) Autorização, através de ritual próprio, o qual é ministrado por
sacerdote responsável, tendo o iniciado passado por completo, com
seriedade e merecimento, seu período de iniciação, que são no mínimo
7 anos.
3) Seriedade do consultor e do consulente.

Esses são pré-requisitos básicos para uma leitura honesta e imparcial.

Muito importante, quem "responde" no jogo de búzios é o orixá do


consulente, ele é quem determina a formação dos búzios para serem
analisados, é uma espécie de permissão, do orixá, para que a situação
do seu filho seja exposta.

A forma de jogo mais usual, é a da leitura por odú, feita pela


quantidade de búzios "abertos" ou "fechados", em que o babalorixá,
deverá efetuar várias jogadas para uma leitura mais completa, em
alguns jogos, cada queda corresponde a um único odú-orixá.

O porque e para que se consultam os búzios ? Pelo mesmo princípio


que se vai ao médico, só vai quem está doente ou para uma avaliação
de rotina, da mesma forma, que só toma remédio quem está doente, só
se deve fazer algo, se houver alguma necessidade.

O futuro - é grande questão dos consulentes, no jogo de búzios, pode-


se fazer "perguntas", cujas respostas não são detalhadas, mas de uma
maneira geral é sim ou não, provável e se não fosse assim não haveria
babalorixá pobre neste mundo, o futuro a Deus pertence, esta é uma
frase sábia que alguém com muita propriedade disse um dia. O futuro
depende muito dos nossos atos presentes, o exercício do nosso livre
arbítrio é constante, nada está definitivamente marcado ou decidido, a
partir do instante que exercemos nossa vontade, podemos modificar a
todo instante nosso futuro; exemplos simples: se alguém fica doente e
acha que é o destino, vai morrer, mas, se procurar um médico, vai se
curar; o futuro foi alterado; assim alguém que perca seu emprego, se
ficar em casa, vai passar fome, se sair e procurar um emprego, terá
grande chance de conseguir e novamente alterar seu futuro; e assim
com tudo na vida; uma grande questão é que muitas pessoas acham que
seu orixá, anjo da guarda ou Deus, tem saber de tudo, das suas
necessidades, dos seus problemas e simplesmente resolvê-los, antes
assim fosse, porém, mais uma vez é necessário que o nosso livre
arbítrio e o nosso querer, tem que ser constante em nosso dia a dia. Não
podemos esperar que as pessoas "adivinhem" ou saibam o que estamos
querendo ou precisando, se não falarmos, se não nos comunicarmos, é
evidente que se tem uma forma de fazê-lo, sempre podemos dizer o que
pensamos e precisamos, mas de uma forma correta, não agressiva,
coerente. Sempre temos duas chances em cada situação que nos
apresenta, o de sim e o de não, se tentarmos, porém se não tentarmos,
só resta o não. O jogo de búzios, costumo dizer que é uma ciência
exata, sabe-se ou não, não cabe meio termo, quem sabe, talvez, ou a
leitura é a expressão de uma realidade presente ou não, a forma de
checar se um jogo está correto, começa pela identificação do orixá, a
cada orixá corresponde um estereotipo de caráter e personalidade ao
seu "filho", que ao lhe relatar não pode errar ou fugir das suas
principais características, que o babalorixá checa com o consulente, se
tudo corresponde, as demais situações do jogo também estarão
corretas. Porém se observe, que um leitor de jogo de búzios
necessariamente tem que conhecer sobre as características que os
orixás imprimem aos seus "filhos" características estas, que em alguns
casos para o mesmo orixá, tem variantes, pela sua qualidade
apresentada, ou ainda, difere determinadas características, se o "filho"
for do sexo masculino ou feminino, há que se reconhecer uma situação
um pouco complexa, e não poderia ser de outra forma, com todas essas
variantes é um jogo prostituído, isto é, usado de forma inescrupulosa,
leviana, por pessoas totalmente estranhas ao processo, pelos ignorantes
que se julgam conhecê-lo. Com relação ainda à esta situação, é muito
comum alguns iniciados ou até mesmo sacerdotes, que não se
preocuparam muito com o aperfeiçoamento, estudo mais detalhado,
prática exaustiva, incorrem num erro, de conhecer uma pessoa de
determinado orixá, e classificar suas características como definitivas
para aquele orixá, e sempre que ver alguém com aquelas
características, achar que aquela pessoa, também será daquele orixá,
generalizando para sempre todos estes casos e situações; o erro: esta
pessoa que conheceram, pode estar com o orixá errado, pois quem lhe
atribuiu este orixá, não era competente, este é um fato muitíssimo
comum.

É uma forma de leitura divinatória, que não massifica, isto é, uma


situação vale para muitos, como no caso do horóscopo, mas usada de
forma individual, como exemplo, o caso de gêmeos, dois ou mais,
nascem no mesmo dia, e no entanto, caráter e personalidade em muitos
casos, totalmente diversos.