Você está na página 1de 1

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR.

JORGE AUGUSTO CORREIA


Direção de Serviços da Região do Algarve
ES/3EB Dr. Jorge Augusto Correia; EB 2,3 D. Paio Peres Correia; EB1 nº2 Tavira;
EB1/JI Conceição; EB1 Cabanas

Curso de Educação e Formação de Adultos – EFA C (50h)/2014-2015


CLC 7 - Fundamentos de Cultura, Lingua e Comunicação / Formadora: Lígia Cerqueira
Actividade 11
Formanda: Olga Ilyina nº21
Data: 28/11/2014

1. A tese presente no texto refere-se ao investimento no espaço pessoal em


detrimento do espaço público. Uma vez que este fenómeno, tem vindo a aumentar
nas sociedades modernas.

2. Os argumentos apresentados que sustentam essa mesma tese são os seguintes:


a migração - as pessoas necessitam de ir para as cidades à procura de trabalho e, com
isso, surge a desertificação das aldeias e das pequenas vilas; a televisão, pois
antigamente nem todas as pessoas tinham televisão, juntando-se em casa de alguém
que a tivesse, ou nos cafés, acabando por existir um maior convívio. Atualmente, a
maioria das pessoas possui televisão, e todo um conjunto de aparelhos possibilitados
pela massificação das novas tecnologias, o que conduz a um investimento no espaço
privado, ou seja, nas habitações. Este aparente ‘’auto suficiência’’, implicou menos
convivência social e por isso um crescente aumento do individualismo.

3. O individualismo/falta de relacionamento social trás implicações a nível dos


valores existentes na sociedade, pois as pessoas não partilham o mesmo espaço, não
conversam, não convivem. Os próprios vizinhos não convivem. A sociedade tornou-se
‘’fechada’’, cada um só vê o’’ seu umbigo’’. Não há partilha de opiniões, nem gostos.
Cada um só quer saber de si próprio. Além disso, estudos científicos já provaram que o
isolamento social e a falta de interações sociais, pode conduzir a doenças, tanto
mentais, bem como físicas, porque o sistema imunitário fica mais fragilizado.
Igualmente, sabemos que o ‘’Homem’’ é um ser social e, portanto, o relacionamento
uns com os outros é indispensável a todos os níveis. É com os ‘’outros’’ que nos
tornamos Pessoas, que crescemos, que aprendemos a ser mais tolerantes e mais
humanos.