Você está na página 1de 10

Instalação de Sistema de

Microgeração Solar Fotovoltaica.

Planejamento do sistema solar


Para iniciar um planejamento de sistema solar fotovoltaico devemos ter algumas
informações básicas que nortearão o projeto:
• Incidência de irradiação solar na região;
• Estudos de sombreamento;
• Histórico de consumo de energia (kWh) da instalação;
• Informações técnicas de equipamentos e dispositivos de sistema
fotovoltaico;
• Norma técnica ou manual técnico da concessionária de energia local.
De posse dessas informações, é possível estabelecer uma pré-avaliação da
viabilidade do sistema, considerando como premissas:
• Produção de energia (kWp);
• Área e infraestrutura necessária;
• Estimativa de custos.
É sempre recomendável que o projeto de um sistema solar fotovoltaico tenha sua
concepção em dados confiáveis (como incidência de irradiação) e ferramentas
computacionais para simulações (por exemplo, estudo de sombreamento). Os
projetos devem atender à Resolução Normativa 687/15 – ANEEL e às normativas
e/ou manuais de referência técnica de projeto da concessionária de energia local.

Conceitos básicos de dimensionamento


Para um dimensionamento eficiente de um sistema fotovoltaico é imprescindível a
realização de pesquisas, estudos e levantamentos sobre tecnologias, equipamentos
e dispositivos a serem utilizados com as informações que subsidiarão a formatação
do projeto executivo da instalação. Indicar os principais pontos de atenção para o
dimensionamento tornará a instalação adequada aos objetivos do projeto.

Levantamento de componentes
A elaboração do projeto pode levar em conta o histórico de consumo do ponto de
ligação com a rede ou ser trabalhado em função da disponibilidade técnica local.
Em uma análise prévia, estabelecemos um projeto preliminar visando uma
orientação quantitativa sobre a necessidade de equipamentos e componentes a
serem empregados nas instalações:
• Módulos fotovoltaicos;
• Cabos e conexões;
• Inversor de frequência;
• Sistemas de proteção;
• Equipamento de manobra e controle.
Coleta de dados da área de instalação
A coleta de dados no local da instalação após a pré-análise é fundamental para
identificar a geometria da área onde se pretende executar o trabalho. Informações
como orientação geografia e inclinação do plano para acomodação dos módulos
fotovoltaicos estruturam toda a base conceitual do projeto executivo. Para ser
assertivo sobre essas informações, é recomendável fazer uso de recursos auxiliares
(equipamentos específicos) ou ainda aplicativos confiáveis que permitam a
realização de um estudo/medição adequada. Entre as informações importantes do
local, destacamos a orientação geográfica pela bússola e a inclinação do plano de
instalação dos módulos fotovoltaicos por meio de inclinômetro.

Figura 2 – Componentes de medição: (a) inclinômetro e (b) bússola.


Visando coletar as informações no local da instalação de forma organizada e
completa, uma ficha de inspeção poderá auxiliar no registro dessas informações.
Levantamento do consumo diário da instalação
Para efetuar esse levantamento, deve-se ter acesso a uma fatura de energia e
identificar o histórico de consumo de energia elétrica em kWh.

Figura 4 – Histórico de consumo de energia.


A Figura 4 contém informação de consumo da fatura de energia. Com esses valores,
calcula-se a média de consumo de um mês durante as 13 medições efetuadas no
histórico.

Onde:
EMM = Energia média mensal.
A partir do valor médio mensal de energia, é possível determinar a quantidade de
energia que os módulos deverão produzir para que tenhamos efetuado uma
compensação total de energia durante um ano. No exemplo da Figura 4 do
histórico de consumo, encontramos o valor médio de 321 KWh/mês consumido. A
partir desse consumo médio mensal, pode-se descobrir o valor de energia que os
módulos fotovoltaicos devem produzir durante um único dia.

Onde:
EMD = Energia média diária.
Dessa forma, verificamos que os módulos solares fotovoltaicos devem produzir em
um dia uma quantidade de 10,7 KWh/dia, porém, esse valor é quebrado.
Então, arredonda-se o valor para cima para demonstrar que deve-se produzir
durante o dia uma energia equivalente a 11 KWh/dia. Durante um dia convencional
de verão, teríamos um total de 12 horas de sol, porém, a quantidade de energia
solar que deve incidir nos módulos para produzirem energia equivalente à potência
em laboratório teria que ser igual ou superior a 1.000 W/m2 de irradiação. Esse valor
de irradiação pode ser alcançado aqui no Brasil durante o período de sol a pino,
que varia entre as 10 horas até aproximadamente às 15 horas. Esses valores podem
ser alterados de região para região e dependem também da inclinação do módulo.
Frequentemente, o nome dessa quantidade de horas em que o módulo irá produzir
a quantidade máxima de energia é citado em manuais como Horas de Sol a Pico
(HSP). Essas informações podem ser encontradas em dois bancos de dados
disponíveis na internet: o Cresesb e o SWERA. Os dois bancos de dados
disponibilizam a quantidade de HSP de cada região. Para o nosso exemplo, vamos
usar o Cresesb.
Para determinação das HSP, verifica-se a localidade (cidade) da instalação, dado a
ser consultado na fatura de energia. A partir da localização da futura instalação, é
possível definir a orientação geográfica do local (latitude e longitude), podendo ser
utilizado para esse estudo ferramentas e/ou aplicativos confiáveis. Exemplificando a
cidade de São Paulo, os registros de orientação geográfica indicam: latitude
23.682º Norte e longitude 46.875º Oeste. Com esses valores, e consultando
o site do Cresesb, preenche-se as informações nas respectivas lacunas:

Figura 5 – Banco de dados de irradiação solar fotovoltaica.

Acionando o comando “Buscar”, o sistema é direcionado a uma página com as


regiões mais próximas das coordenadas que informamos.

Tabela 1 – Dados de HSP para a cidade de São Paulo


Com essas informações identificamos na tabela que a inclinação adequada de um
módulo fotovoltaico será de 21°, pois nessa inclinação teremos a maior média anual
de horas de sol a pico.
Usando esse novo dado, é possível calcular a potência total do sistema e determinar
a quantidade de módulos fotovoltaicos no sistema solar.

Onde:
Ppico = potência pico do sistema fotovoltaico.
Após determinar a divisão da quantidade de energia média diária produzida pela
quantidade de horas de sol a pico, encontramos o valor de 2,65 KW/pico, que
arredondamos para 3 KWp. Dessa forma, conclui-se a determinação do sistema
fotovoltaico. É bom ressaltar que, dependendo da inclinação desse módulo e da
direção do módulo, devemos alterar a quantidade de horas de sol a pico excedente
dos módulos. Essa orientação já foi discutida no capítulo anterior.

Cálculo da quantidade de módulos


Para determinar a quantidade de módulos fotovoltaicos é importante consultar os
capítulos anteriores e verificar como efetuar a correção da potência de um módulo a
partir da temperatura ambiente. Com base na correção efetuada anteriormente,
usa-se o módulo já corrigido, que para uma temperatura ambiente de 25°C
apresenta uma potência equivalente a 261 W.
Sabemos que precisamos fornecer a quantidade de 3 KW. Utilizando módulos de
261 W, basta efetuar a divisão da potência do sistema pela potência do módulo
usado.

Onde:
NM = Número de módulos.
PM = Potência de módulo corrigida pela temperatura.

Dimensionamento do inversor
Os inversores para conexão em sistemas fotovoltaicos convertem a energia
produzida em DC (corrente contínua) para energia AC (corrente alternada).
Há uma diferença fundamental entre os inversores de sistemas autônomos (off-grid)
e inversores de sistemas conectados à rede (on-grid), em função da grandeza
inserida nos sistemas:
• Inversores em sistemas off-grid: fornecem tensão elétrica em seus terminais
de saída, em regime alternado, senoidal e pura.
• Inversores em sistemas on-grid: fornecem tensão elétrica em seus terminais
de saída, em regime alternado, senoidal e pura, e somente operam nas
circunstâncias em que estão conectados à rede elétrica. Na ausência de
energia da concessionária, desconectam-se automaticamente devido à
segurança operacional do sistema.
Para a determinação do inversor, utiliza-se como base a potência pico do sistema
que, nesse caso, deve ser de 3 KWp, especificando os inversores que iniciam seu
range a partir dessa potência.
Com base nesse valor, e utilizando manuais do fabricante, é possível eleger um
inversor com potência (por exemplo, 3KW pico), aos valores que o sistema exige, e
que será entregue em seus terminais de energia.

Tabela 2 – Dados técnicos Fronius Galvo

Como exemplo, na linha de inversores Galvo, da Fronius, identifica-se que o


inversor de 3 KWp pode operar com sobrepotência acima da nominal. Isso é
possível em função do método de conversão de energia do inversor. Nesse
exemplo, é apresentada uma eficiência de 95%. Portanto, opera-se um inversor em
regime contínuo com 5% de sobrecarga, isto é, potência de 3,15.
É importante atentar-se a outras características técnicas importantes para
determinar a especificação do inversor:
• Tensão de startup: valor usado para determinar a quantidade mínima de
módulos em uma série.
• Tensão máxima em MPPT: valor usado para determinar a quantidade
máxima de módulos em uma série.
• Corrente máxima de operação: valor usado para determinar a quantidade
máxima de módulos em paralelo.
• Corrente máxima em curto-circuito: valor que determina se a ligação de
módulos em paralelo está segura.

Exemplo
Um inversor tem potência nominal de 3 KWp, com tensão de operação de 185 volts
para startup. Caso o módulo tenha uma tensão de VMP igual a 31,7 volts, então,
para determinar o número mínimo de módulos em série, fazemos a razão entre a
tensão nominal e a tensão máxima de pico de cada módulo:

Portanto, podem ser colocados seis módulos em série.


Para determinar o valor máximo de módulos em série, usamos como valor base a
tensão máxima suportada na entrada do inversor, quando ele estiver trabalhando
em MPPT, que, nesse caso, seria de 440 volts. Para que o inversor opere
continuamente em potência máxima, calculamos a razão da tensão máxima em
MPPT pela tensão Vmp dos módulos, o que determina o número máximo de
módulos.

Ainda que conectando treze módulos em série, não se atingiu o valor de potência
calculado, então é indicado ligar os módulos em paralelo, usando como base o
inversor de 3 Kwp.
Para determinar o número máximo de strings em paralelo, consideramos a
capacidade máxima de corrente do inversor (20 A), comparado ao consumo do
módulo (corrente Imp = 9,15 A). Portanto, a razão entre a capacidade máxima do
inversor e o consumo de corrente dos módulos ligados em série estabelece o limite
máximo de conexão paralela entre os módulos.

Concluindo, pode-se elaborar um arranjo entre os módulos para serem conectados


ao inversor, com a seguinte configuração:
• Quantidade máxima de módulos: 26
• Arranjo em série: 13 módulos
• Arranjo em paralelo: 2 strings.

Dimensionamento das proteções


Visando estabelecer a segurança operacional do sistema e eventuais perturbações,
os sistemas de proteção são instalados com o objetivo principal de limitar a
extensão dos danos, principalmente em condições de curto-circuito.
Para o adequado dimensionamento das proteções, duas características operativas
do sistema devem ser levadas nas considerações iniciais:
• Tensão elétrica de operação do sistema;
• Corrente elétrica do sistema.
A tensão elétrica do sistema solar fotovoltaico deve ser inferior às tensões de
isolamento dos cabos, tensão de trabalho dos DPS e disjuntores de corrente
contínua.
Para limitação das correntes elétricas no sistema, são apropriados dispositivos
contra sobrecorrentes (fusíveis e disjuntores), que devem ser ajustados em função
da cadeia de componentes (inversor, cabos etc.). Esses dispositivos de proteção
contra sobrecorrentes possuem a característica de tempo inverso, ou seja, quanto
maior for a sobrecorrente passante, menor será o tempo de operação/atuação do
dispositivo de proteção.
A sobrecorrente é a alta magnitude da corrente, devido à sobrecarga ou curto-
circuito.
Figura 6 – Curva de disjuntor termomagnético.
Ao se considerar um inversor de potência nominal de 3 kWp, com corrente nominal
máxima de 20 A.
Os disjuntores são dimensionados para suportar em média até 20% de
sobrecorrente do equipamento protegido (inversor):

Os fusíveis são dimensionados para operar com 90% da corrente nominal do


equipamento protegido (inversor):

A topologia do sistema de proteção define que o fusível tem a função principal


sobre o sistema solar fotovoltaico e o disjuntor, o desligamento do circuito, atuando
como componente de retaguarda. Outras topologias definem o disjuntor como
elemento principal de proteção e fusíveis como elementos de retaguarda.

Dimensionamento da seção dos cabos


Conforme recomenda a Norma Regulamentadora Brasileira ABNT NBR 5410/2004:
Instalações Elétricas de Baixa Tensão, a equação abaixo determina a bitola mínima
(secção transversal) do condutor, visando à operação contínua do sistema para
suportar as condições termodinâmicas. Os materiais mais utilizados na confecção de
cabos de condução de energia elétrica são cobre e alumínio.
Onde:
A = Área da seção transversal do cabo em mm2 .
l = Comprimento do cabo em metros.
I = Corrente que irá circular dentro do condutor em amper.

σ = Condutância do material do cabo, sendo para cobre e

para alumínio.
P = Potência pico que irá passar pelo cabo.
Em instalações de sistemas fotovoltaicos, normalmente são utilizados condutores de
cobre, em que a 20ºC apresentam tipicamente uma resistividade ρcu =
0,01724Ω.mm /m e coeficiente de variação com a temperatura de αcu = 0,0039/ºC.
2

Os parâmetros reais a serem aplicados para os cabeamentos utilizados devem ser


obtidos por consulta a datasheet (folha de dados) dos respectivos fabricantes.