Você está na página 1de 15

Mistério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica


Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ
campus Volta Redonda - CVOR

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
BIOLOGIA III
PROF. PEDRO HENRIQUE DE ALMEIDA SILVA

RELATÓRIO DE LABORATÓRIO - OBSERVAÇÃO MACROSCÓPICA


E MICROSCÓPICA DE TECIDOS

CAMILA PRATA ALMEIDA


HORTÊNCIA JÚDICE ARANTES
JÉSSICA SILVA SENA
MELISSA LENSKAIA MONNI
2014/1 – 3° PERÍODO – AUT131

Volta Redonda
Outubro de 2014
Mistério da Educação
Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica
Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ
campus Volta Redonda - CVOR

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
BIOLOGIA III
PROF. PEDRO HENRIQUE DE ALMEIDA SILVA

RELATÓRIO DE LABORATÓRIO - OBSERVAÇÃO MACROSCÓPICA


E MICROSCÓPICA DE TECIDOS

Relatório de Laboratório referente


a aula prática sobre a observação
de tecidos macro e
microscópicamente, visando
maiores exclarecimentos sobre o
tema.

Volta Redonda
Outubro de 2014
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO ...................................................................................................... 4
2 OBSERVAÇÃO MACROSCÓPICA DE TECIDOS DO FRANGO ......................... 5
3 OBSERVAÇÃO MICROSCÓPICA DE TECIDOS ................................................. 9
3.1 PELE .............................................................................................................. 9
3.2 TECIDO CONJUNTIVO ADIPOSO .............................................................. 10
3.3 TECIDO MUSCULAR ESTRIADO ESQUELÉTICO ..................................... 10
3.4 TENDÃO ...................................................................................................... 11
3.5 TECIDO ÓSSEO .......................................................................................... 11
3.6 CARLITAGEM .............................................................................................. 11
4 CONCLUSÃO ..................................................................................................... 13
5 REFERÊNCIA ..................................................................................................... 14
6 ÍNDICE DE IMAGEM .......................................................................................... 15
4

1 INTRODUÇÃO

Na aula prática de biologia, pudemos observar macro e microscopicamente


diversos tipos de tecidos a fim de obter mais conhecimento, não só teórico, destes.

Essa aula teve como base a histologia, que, como o nome sugere (histo =
tecido, logia = estudo) estuda os diferentes tipos de tecidos biológicos, desde sua
composição, estrutura, funcionamento e sua formação.

Esses tecidos são formados por conjuntos de células específicas que


adquirem diferentes papéis no organismos, e de acordo com suas estruturas e
funções, os tecidos podem ser divididos basicamente entre tecido epitelial, tecido
conjuntivo, tecido muscular e tecido nervoso.

Resumindo, o tecido epitelial tem a função de revestir e proteger regiões do


corpo; o conjuntivo pode sustentar, preencher espaços do corpo, defender e nutrir os
tecidos ( alguns exemplos de tecido conjuntivo são as cartilagens, o sangue e os
ossos); ao tecido muscular é atribuído o papel de possibilitar os movimentos, tanto
voluntários quanto involuntários do organismo e o tecido nervoso controla todo o
organismo, recebendo e enviando estímulos de todo corpo a todo o corpo.

Além disso, os tecidos presentes em vertebrados são originários da


endoderma, ectoderma e mesoderma, que definem características de células
especializadas.

O estudo e observação destes tecidos é possível principalmente devido à


técnicas de microscopia, pois esta permite um exame mais preciso das estruturas do
tecido e suas localizações, como, por exemplo, ácidos nucleicos e proteínas
especiais, além de reconhecer a acidez ou basicidade delas. Estes exames
permitem a utilização do conhecimento obtido especialmente para o ramo médico e
tratamentos em áreas fisiológica, imunológica, patológica e bioquímica. Ou seja, o
uso da microscopia na histologia retira limites físicos no estudo, permitindo
aprofundá-lo.
5

2 OBSERVAÇÃO MACROSCÓPICA DE TECIDOS DO FRANGO

Foram realizadas no laboratório duas experiências, sendo uma delas a


visualização dos tecidos de um frango macroscopicamente e a outra a visualização
deste no microscópio. Serão explicadas inicialmente questões relacionadas à
localização e função dos sistemas visualizados e então posteriormente na parte
microscopia, serão esclarecidas questões relacionadas à sua estrutura.

Inicialmente foi observado o tecido epitelial do frango, conhecido como pele,


que tem função de revestir e proteger o corpo. Neste era possível observar a
presença de pequenos poros, onde inicialmente encontravam-se penas. As penas
são estruturas filamentosas de queratina, que servem não apenas para cobrir o
corpo e facilitar o vôo, mas também retém ar e proporciona um acolchoado que
conserva o calor do corpo da ave.

Após a observação deste tecido, foi realizado um corte na perna do frango,


possibilitando ver o tecido adiposo, pois esse se localiza no tecido subcutâneo, parte
constituinte do tecido epitelial. Esse tecido conhecido vulgarmente como “gordura”, é
responsável pela reserva de energia, proteção contra choques mecânicos e
isolamento térmico. Outra função deste tecido é envolver os órgãos, como por
exemplo, o coração, proporcionando acomodação ao movimento de sístole e
diástole, além de protegê-lo contra traumas mecânicos.

Localizado embaixo do tecido adiposo encontra-se o tecido muscular, que é


de origem mesodérmica e relaciona-se com a locomoção e outros movimentos do
corpo, como a contração dos órgãos do tubo digestório, do coração e das artérias.
Suas células são alongadas e recebem o nome de fibras musculares ou miócitos. No
seu citoplasma, estão presentes dois tipos de filamento protéico: os de actina e os
de miosina, responsáveis pela grande capacidade de contração e distensão dessas
células.

O tecido muscular pode ser dividido em três tipos: estriado esquelético,


estriado cardíaco e liso. Entretanto neste relatório será focado apenas o tecido
estriado esquelético, pois apenas este foi visualizado durante a realização do
experimento.
6

O tecido muscular estriado esquelético apresenta uma contração rápida e


voluntária, este encontra-se localizado próximo aos ossos e é responsável pela
movimentação do corpo.

Figura 1: Tecido muscular estriado esquelético

O músculo se liga aos ossos por meio de estruturas conhecidas como


tendões, estes são formados por tecido conjuntivo, que apresentam-se de forma
esbranquiçada, rija e não-contrátil dos músculos estriados.

Por serem formados por um tecido conjuntivo com fibras colágenas


entrelaçadas entre si, permitem que a distribuição das forças de todas as partes do
músculo. Os tendões podem se regenerar, através da proliferação de células do
tecido conjuntivo que os envolve. Esta propriedade regenerativa auxilia no
tratamento de lesões.

Para podemos visualizar o tendão no frango, foi feito um corte em outra parte,
próxima a esta, onde a camada de músculo era menor facilitando o corte e
mantendo o ligamento entre o tendão e o músculo citado anteriormente.

Figura 2: Tendão de Aquiles


7

O tecido conjuntivo é formado, principalmente, por cartilagens e ossos, tem


função de preenchimento dos espaços entre os órgãos e manutenção, entretanto
toda a diversidade do tecido conjuntivo em um organismo desempenha importante
função de defesa e nutrição.

Esse tecido pode ser dividido em quatro tipos, sendo cada um responsável
por uma especifica função no corpo. São eles: tecido conjuntivo propriamente dito (o
frouxo e o denso), e os tecidos conjuntivos especiais (o cartilaginoso e o ósseo).

O tecido conjuntivo frouxo caracteriza-se pela grande presença de


substâncias intercelulares e relativa quantidade de fibras, distribuídas de maneira
mais dispersas. Nesse tecido estão presentes as células típicas do tecido conjuntivo:
como por exemplo, os fibroblastos ativos na síntese proteica, os macrófagos com
grande atividade fagocitária e os plasmócitos na produção de anticorpos.

O tecido conjuntivo denso também conhecido como tecido conjuntivo fibroso,


apresenta muitas fibras colágenas, formando regiões com alta resistência à tração e
pouca elasticidade. Geralmente é encontrado em duas situações: formando os
tendões, mediando a ligação entre os músculos e os ossos; e nos ligamentos,
unindo os ossos entre si.

O tecido cartilaginoso, não contém de vasos sanguíneos e nervos, sendo


formado apenas por células denominadas condroblastos e condrócitos. O
condroblasto é responsável por sintetiza grande quantidade de fibras proteicas, e
com gradual redução de sua atividade metabólica, passa a ser denominado
condrócito.

O tecido ósseo é mais resistente que o tecido cartilaginoso, este é constituído


de uma matriz rígida, formada por fibras colágenas, sais de cálcio e vários tipos de
células, como: osteoblastos, osteócitos e osteoclastos.

É o principal constituinte do esqueleto servindo de apoio aos músculos,


gerando movimento nos membros, outras funções relacionadas ao esqueleto
também podem ser observadas, por exemplo, dando suporte ao corpo e protegendo
órgãos vitais, como o cérebro na caixa craniana e os pulmões e o coração dentro da
caixa torácica.
8

Entretanto este tecido realiza diferentes funções, como protege e aloja a


medula óssea, formadora das células sanguíneas e servir de depósito de cálcio,
fosfato e outros íons, possibilitando regular a liberação destes no sangue quando
necessário.

Ao ser cortado o músculo do frango para visualização do tendão foi possível


observar a ligação entre esses tecidos, sendo o tendão a “ponte” entre eles.
9

3 OBSERVAÇÃO MICROSCÓPICA DE TECIDOS

No decorrer da aula prática também foram observados alguns tecidos do


corpo humano. Essas observações foram feitas miroscópicamente, utilizando dois
microscópios ópticos e lâminas de histologia. Analisamos as lâminas da pele, tecido
adiposo, músculo estriado esquelético, tendão, osso e cartilagem.

Em cada uma das lâminas observamos as diversas formas de disposição das


células nos tecido. Por meio da análise microscópica, foi possível um melhor
entendimente da estrutura e funcionamento de cada um dos tecidos visualizados
durante a aula prática. A seguir, serão relatadas as observações e conclusões feitas
pelo grupo durante a observações microscópica dos tecidos.

3.1 PELE

Uma das primeiras lâminas observadas foi a da pele. Nela notamos a


existência de duas camadas de células diferentes quanto a disposição das céludas.

A camada mais exterma, de coloração rosa mais intensa na imagem abaixo, é


a epiderme. Nela as células estão justapostas, constituindo várias camadas delas. A
camada epidérmica mais interna é denominada estrato germinativo, sendo formada
por células que sofrem mitoses continuamente, de tal maneira que as novas células
formadas empurram as mais velhas para cima, em direção à superfície do corpo.
Quando essas células envelhecem, as células epidérmicas tornam-se achatadas e
acumulam uma proteína denominada queratina, que está presente na epiderme.

Figura 3: Pele
10

A outra camada de células observada foi a derme, sendo esta localizada em


baixo da epiderme. Ela apresentava coloração mais clara que a epiderme durante a
observação microscópica. A derme é um tecido conjuntivo que tem como principais
células o fibroblasto, que é respnsável pela produção de fibras que proporciona a
resistem e a elasticidade da pele

3.2 TECIDO CONJUNTIVO ADIPOSO

Outra observação microscópica feita foi a do tecido conjuntivo adiposo. Neste


tecido notamos a existencia de grandes espaços em branco no interior de cada
célula, assim como os ilustrados na imagem a seguir.

Figura 4: Tecido Adiposo

Os espaços presentes em cada uma das células adiposas possuem um


grande vacúolo central de gordura. Estes vacúolos são responsáveis pelo
armazenamento da gordura. Desta forma concluimos que o tecido adiposo atua
como reserva de energia para momentos de necessidade.

3.3 TECIDO MUSCULAR ESTRIADO ESQUELÉTICO

Ao colocarmos a lâmina do tecido muscular esquilético em um dos


microscópios ópticos que estavam a nossa diposição, foi possível observar uma que
a célula constiuinte desse tecido apresente um formato diferenciado.

As células desse tecido apresentavam um formato alongado e são


denominadas fibras. As fibras são formada de actina e miosina, sendo estas duas
proteínas responsáveis pela contração muscular.
11

3.4 TENDÃO

Após observarmos as lâminas descritas anteriormente, analisamos a que


continha o tendão. As células que formam o tendão são semelhantes as do tecido
muscular estriado esquelético. Ela são alongadas, formando assim filamentos
fibrosos.

Figura 5: Tendão

O tendão é formado por um tecido conjuntivo que permite a ligação dos


músculos aos ossos. Eles são a parte não-contrátil dos músculos estriados. Por
serem formados por um tecido conjuntivo com fibras colágenas entrelaçadas entre
si, permitem que a distribuição das forças de todas as partes do músculo. As
espessas fibras colágenas organizadas paralelamente são responsáveis pela grande
resistência dos tendões a trações.

3.5 TECIDO ÓSSEO

Na penúltima lâmina analisada, a do tecido ósseo, observamos grandes


espaços entre as céluluas. A estrutura microscópica do osso é formada de inúmeras
unidades, chamadas sistemas de Havers. Cada sistema apresenta camadas
concentradas de matriz mineralizada, inseridas ao redor de um canal central onde
existem vasos sanguíneos que nutrem o osso.

3.6 CARLITAGEM

A lamina da cartilagem foi a ultima observada durante a prática. Observemos


que a organização celular das células da cartilagem eram semelahes as do tecido
ósseo.
12

A cartilagem é formada por células denominadas condrócitos, células mais


velhas que secretam matriz extracelular, que por sua vez tem origem em células
embrionárias chamadas condroblastos, que são pequenas lacunas na substância
intracelular.
13

4 CONCLUSÃO

Na aula prática realizada em laboratório foi possível visualizar de maneira


mais clara alguns tipos de tecidos, possibilitando melhor compreensão do conteúdo
abordado teoricamente durante as aulas. Além disso, também foi possível ver a
estrutura dos tendões e ossos.

A realização da aula extra foi de grande importância para acrescentar o


conhecimento do grupo sobre o conteúdo, auxiliando o estudo, e ainda,
possibilitando o conhecimento de estruturas pertencentes ao nosso próprio corpo, já
que as estruturas apresentadas no frango são semelhantes a do humanos, bem
como as estruturas vistas no microscópio também são.

Ambos os procedimentos foram interessantes, cada um com suas


particularidades. Na visualização dos tecidos no microscópio, foi possível
compreender melhor o funcionamento das células, que antes eram representadas
apenas graficamente, algo não tão dinâmico quando visualizar de forma real, sendo
a lâmina que representava a pele a que mais despertou interesse no grupo. Na
demonstração das estruturas do frango, pudemos entender estruturas que até então
estávamos acostumadas a ver no dia-a-dia, porém não entendíamos do que se
tratava.

De forma geral, é possível concluir que essa aula prática veio a acrescentar
muito no nosso conhecimento da matéria e do nosso corpo, tornando a
aprendizagem bem mais interessante e divertida.
14

5 REFERÊNCIA

NOGUEIRA, Thais. Tecido conjuntivo cartilaginoso. Disponível em:


<http://www.infoescola.com/histologia/tecido-conjuntivo-cartilaginoso/>. Acesso em:
8 out 2014

SÓ BIOLOGIA. Epitélio. Disponível em:


<http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Histologia/epitelio14.php>. Acesso em: 7
out 2014

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS. Histologia. Disponível em:


<http://medicina.ucpel.tche.br/atlas/histologia/>. Acesso em: 7 out 2014

Univesidade Federal de Minas Gerais. Histologia básica. Disponível em:


<http://www.icb.ufmg.br/mor/pad-morf/histologicabasica.htm>. Acesso em: 8 out
2014
15

6 ÍNDICE DE IMAGEM
Figura 1: Tecido muscular estriado esquelético .......................................................... 6
Figura 2: Tendão de Aquiles ....................................................................................... 6
Figura 3: Pele .............................................................................................................. 9
Figura 4: Tecido Adiposo .......................................................................................... 10
Figura 5: Tendão ....................................................................................................... 11

Você também pode gostar