Você está na página 1de 9

eBOOK

O MINISTÉRIO
DE
CONSOLIDAÇÃO
E VISITAÇÃO NA
IGREJA

PR. EDMAR R. S. MOTA


O MINISTÉRIO DE
CONSOLIDAÇÃO E
VISITAÇÃO NA
IGREJA
Pesquisas indicam que atualmente as igrejas
estão batizando dez por cento ou menos dos
decididos. Mesmo assim as estatísticas das
igrejas indicam que cinquenta por cento ou mais
serão excluídos da igreja.

Quantas pessoas fizeram decisões na sua


igreja por semana, por mês no ano passado?
Em média quantas foram batizadas por mês?
Qual a proporção? Quantas foram excluídas no
ano passado? Qual é a proporção entre os
batizados e os excluídos?
O MINISTÉRIO DE CONSOLIDAÇÃO E VISITAÇÃO NA IGREJA:
SUMÁRIO
1. A FORMAÇÃO DE UMA EQUIPE DE CONSOLIDAÇÃO:
1.1. OBJETIVOS:
2. O PROCESSO DE CONSOLIDAÇÃO:
a) NO TEMPLO:
b) DETALHANDO O PROCESSO DE CONSOLIDAÇÃO.
3. A IMPORTÂNCIA DA VISITAÇÃO:
a) JESUS VISITOU OS LARES.
b) ELE MANDOU SEUS DISCÍPULOS AOS LARES.
c) A VISITAÇÃO PELOS CRISTÃOS PRIMITIVOS.
3.1. VANTAGENS DE UM PROGRAMA DE VISITAÇÃO:
a) INSPIRA OS VISITADORES.
b) MAGNIFICA A VISITAÇÃO.
c) OTIMIZA RECURSOS.
COMO TORNAR-SE UM BOM VISITADOR:
a) TER UMA ATITUDE POSITIVA.
b) DESENVOLVER A ESPIRITUALIDADE.
c) SER CORAJOSO.
d) SER PERSEVERANTE.
e) SER INSPIRADO.
f) MOSTRAR SIMPATIA.
g) APRESENTAR UM ASPECTO AGRADÁVEL.
3.2. PREPARAÇÃO PARA A VISITAÇÃO:
a) DETERMINAR O OBJETIVO DA VISITA.
b) ORAÇÃO ANTES DA SAÍDA.
c) DEFINIÇÃO PRÉVIA DAS ATRIBUIÇÕES.
d) IR NO PODER DO SENHOR.
DICAS PARA UMA VISITA DE SUCESSO:
3.3. ORAÇÃO DEPOIS DA VISITA.
INTRODUÇÃO:
O propósito deste estudo é de preparar uma equipe para trabalhar na área de contínua
consolidação. Afinal, ninguém colhe frutos e depois os deixa no campo para apodrecer (Gl 6:7).

1. A FORMAÇÃO DE UMA EQUIPE DE CONSOLIDAÇÃO:


1.1. OBJETIVOS:
▪ Levar os Novos Convertidos a se batizarem logo que for possível.
▪ Levá-los a fazer parte da comunhão da igreja.
▪ levá-los a participar de um ministério.
▪ Inseri-los numa célula familiar.

2. O PROCESSO DE CONSOLIDAÇÃO:
a) NO TEMPLO:
Primeiro Passo: O APELO.
O apelo faz parte da mensagem evangelística, tanto na pregação do púlpito quanto na
evangelização pessoal. Deve ser tão bem preparado quanto a introdução e pontos principais da
mensagem. O evangelista, isto é, a pessoa que anuncia o Evangelho deve seguir o exemplo do apóstolo
Pedro em Atos 2:37-40. Pedro esclareceu bem o que queria que fizessem? O que Pedro exigiu? Quem
podia responder ao apelo? Há ordem? Eles entenderam mesmo? Qual a implicação do versículo 41?
Os membros da equipe de consolidação devem ficar atentos às pessoas que se decidirem por
jesus (levantam os braços).
Devem aproximar-se dos novos convertidos e acompanhá-los até a frente (consolando-as,
orando, etc.)
Deve ser observado o seguinte:
▪ Obrigatoriamente consolidar pessoas do mesmo sexo.
▪ Preferencialmente consolidar pessoas da mesma faixa etária.
▪ Consolidar pessoas que sejam semelhantes (exemplo: casadas com casadas).

Observações:
▪ Os membros componentes da Equipe de Consolidação (consolidadores) deverão sentar-se
estrategicamente nos primeiros bancos da igreja.
▪ Na hora do apelo, o Pastor (ou o pregador) receberá pessoalmente os convertidos em frente ao púlpito,
enquanto que os consolidadores estarão orando ao lado dos mesmos (abraçando, dando apoio, colo).

Segundo Passo - ACONSELHAMENTO IMEDIATO:


O objetivo do Aconselhamento Imediato é levar o decidido a entender a vontade de Deus para
sua vida e como segui-la.
O Aconselhamento Imediato é o complemento ao apelo, é uma aplicação pessoal. É o momento
de verificar se a pessoa que se decidiu entendeu realmente o apelo.
Alguns atendem ao apelo sem saber porquê; Outros querem alguma coisa da igreja - dinheiro,
ajuda com um problema, como alcoolismo, ou oração por alguém doente.
Somente podemos ajudar essas pessoas quando fazemos algum tipo de Aconselhamento. A
falta desse Aconselhamento Imediato prejudica muito o Ministério da Consolidação.

O QUE FAZ O CONSOLIDADOR?


1. ANALISA até que ponto o decidido compreendeu o apelo.
2. AJUDA-O a entender a vontade de Deus para sua vida.

4
O QUE DIZER PARA ALGUÉM QUE RECEBE A CRISTO:
CONSOLIDADOR: DECIDIDO:

Estou muito satisfeito porque você veio! Qual é o seu nome? Porque orei como o Pastor falou.
Por que veio aqui agora? (a resposta indica se a pessoa já Quero perdão. Quero Jesus!
aceitou a Jesus ou se está querendo aceitá-Lo).
Então, você reconhece que é pecadora? Sim, claro!

Quer abandonar agora e para sempre os seus pecados? Quero, sim.

Quer confiar em Jesus como Senhor da sua vida, agora, e para Quero.
sempre?
Quer obedecer a Jesus, segui-Lo no batismo e servi-Lo como Sim. Quero obedecer a Jesus.
membro desta igreja?
Podemos orar e dizer tudo isso a Jesus em oração, agora? Sim

3. ORA com o decidido.


4. PREENCHE a FICHA DE CONSOLIDAÇÃO:
▪ Levantar os dados dos Novos Convertidos (NC), preenchendo a Ficha de Consolidação em 02 vias.
▪ Apresentar os endereços das células que melhor se enquadrem aos endereços dos Novos
Convertidos.
▪ Entregar material impresso a cada NC, onde constarão orientações sobre a igreja e suas atividades.

TERCEIRO PASSO – APRESENTAÇÃO À IGREJA


A apresentação dos decididos à igreja é um passo muito importante na sua consolidação. É
importante para os decididos e também para a igreja.
O Pastor pode ler o nome que está na Ficha de Consolidação apresentando assim a pessoa à
congregação pelo nome. Pode dizer qual é o compromisso que fez e uma palavra breve sobre a decisão
que mostra a sinceridade dela. É óbvio que não é possível fazer este tipo de apresentação sem fazer o
Aconselhamento Imediato, todavia, o processo todo não deve demorar muito.
Um dos motivos porque muitos têm dificuldades em testemunhar da sua experiência de
conversão é porque o momento da conversão não foi engrandecido, valorizado.
Com estas apresentações o processo de consolidação está começando. O culto pode ser
encerrado com uma oração, lembrando os decididos, pedindo os cuidados de Deus para com eles e
orientação para a igreja no cuidado para com os novos crentes.
A igreja deve ser encorajada a manifestar sua aceitação e apoio para com os novos crentes,
cumprimentando-os após o encerramento.

QUARTO PASSO – ACOMPANHAMENTO DOS NOVOS CONVERTIDOS:


Atos 14:21,22 - "...e feito muitos discípulos, voltaram para Listra, e Icônio e Antioquia,
confirmando os ânimos dos discípulos, exortando-os a permanecer na fé..."
Um conceito fundamental no cuidado dos novos discípulos, muito negligenciado, é o
acompanhamento. Atendimento pessoal e contínuo ao novo crente que, às vezes, chama-se adoção ou
discipulado (com o sentido de trabalhar com novos discípulos).
O ideal é iniciar este trabalho ainda no templo da igreja, depois da decisão pública no culto.

5
DETALHANDO O PROCESSO DA CONSOLIDAÇÃO:
▪ Ao preencher a FICHA DE CONSOLIDAÇÃO, o membro da equipe de consolidação definirá a célula
que decidido frequentará (esta definição deverá se dar em concordância com o decidido, tendo com
critérios: quem o convidou ao culto (evangelizou) e/ou em função da questão geográfica). Também
escreverá o nome do líder da célula e do discipulador que poderá acompanhá-lo (poderá ser a pessoa
que o convidou ao culto, evangelizou-o).
▪ O líder da equipe de consolidação passará todas as fichas para o Pastor após a captação dos dados.
▪ O pastor apresentará cada decidido nominalmente, dizendo uma palavra breve sobre a sua decisão.
▪ Apresentará a célula e o nome do líder da célula que cada novo convertido frequentará. Os líderes das
células deverão posicionar-se ao seu lado dos novos convertidos que participarão de sua célula e fazer
as orientações iniciais.
▪ O Pastor apresentará também os nomes dos respectivos discipuladores que trabalharão com cada
novo decidido. A estes, o pastor dirá uma palavra sobre o que faz o discipulador e a importância da
convivência dele com o novo crente.
▪ Após o encerramento do culto, com oração em favor dos novos convertidos, toda a igreja deve
cumprimentar os novos.
▪ Os líderes de células farão a fonovisita nas próximas 24 horas.
▪ Marcarão uma visita com o novo decidido de acordo com a vontade (disponibilidade) manifestada pelos
novos convertidos na ficha de consolidação.
▪ O Pastor marcará uma entrevista com o novo decidido durante a semana.

3. A IMPORTÂNCIA DA VISITAÇÃO:
a) JESUS VISITOU OS LARES:
▪ Em cada cidade e aldeia Jesus entrava nos lares.
▪ Ele efetuou seu primeiro milagre enquanto visitava um lar. Foi a miraculosa transformação de água em
vinho na festa das bodas de Caná.
▪ Ele entrou no lar de Levi, e banqueteou-se com os publicanos e pecadores.
▪ Ele entrou no lar de um fariseu, onde foi encontrado pela mulher que lhe lavou os pés com lágrimas.
▪ Todo o ministério de Jesus caracterizou-se pela visitação aos lares.

b) ELE MANDOU SEUS DISCÍPULOS AOS LARES:


▪ Quando Jesus enviou os discípulos pela primeira vez, ele, especificamente, enviou-os aos lares.
▪ Suas instruções foram “mas, de preferência, buscai as ovelhas perdidas de Israel” (Mt 10:6); “ao
entrardes na casa, saudai-a” (Mt 10:12).
▪ Igualmente, quando enviou os 70, ele esperava que fossem aos lares, porque fez-lhes a seguinte
advertência: “...ao entrardes numa casa, dizei antes de tudo: paz a esta casa” (Lc 10:5).

c) A VISITAÇÃO FOI PRATICADA PELOS CRISTÃOS PRIMITIVOS:


▪ Eles sabiam que a visitação era o plano divino para alcançar o povo com o evangelho. Eles haviam
visto Jesus visitar.
▪ Eles sabiam que o desejo de Jesus era que eles fossem a cada pessoa que pudessem achar. Eles
compreendiam que, se tinham por missão testemunhar de Cristo, teriam de fazê-lo através da visitação
sistemática.

6
3.1. VANTAGENS DE UM PROGRAMA DE VISITAÇÃO NA IGREJA:
a) INSPIRA OS VISITADORES:
▪ É fácil a pessoa desanimar-se e ficar desapontada quando tenta visitar sozinha e sem preparação.
▪ Ter comunhão com aqueles que estão se preparando para o mesmo propósito motiva-nos a prosseguir.

b) MAGNIFICA A VISITAÇÃO:
▪ Quando um plano de visitação em conjunto é usado, coloca a visitação num plano mais elevado, atrai
respeito e atenção da comunidade.
▪ Uma tarefa que recebe tanto tempo e atenção da parte dos membros da igreja causará um efeito decisivo
sobre a comunidade.

c) OTIMIZA RECURSOS:
▪ A maioria dos crentes deixou de se dedicar à visitação por pensar não ter condições (tempo, recursos,
etc).
▪ Um planejamento definido para a visitação torna possível um melhor emprego dos recursos.
▪ Esta situação difícil pode ser grandemente aliviada se a pessoa tiver um tempo definido, separado, para o
ministério da visitação.

COMO TORNAR-SE UM BOM VISITADOR:


a) TER UMA ATITUDE POSITIVA:
▪ O sucesso do visitador depende, em grande medida de sua atitude para com a visitação.
▪ Atitudes sadias auxiliarão o visitador a tornar claros os seus motivos de visitar. Farão a diferença entre o
ser um visitador por obrigação, ou o que é impelido pelo amor.
▪ A atitude mental positiva é a qualidade fundamental de um visitador.

b) DESENVOLVER A ESPIRITUALIDADE:
▪ A visitação é inerentemente uma função espiritual. Esta é a razão porque os objetivos da visitação não
podem ser obtidos senão por pessoas espirituais.
▪ Este nível de espiritualidade requerido se obtém somente através da Bíblia, oração, meditação com
inteireza de coração, à causa do Mestre Jesus.
▪ A espiritualidade proporcionará o discernimento, através do qual o visitador poderá exercer paciência
diante da indiferença, ou mesmo da censura
▪ Além disso, a espiritualidade possibilitará com que o visitador tenha a habilidade de dizer a coisa certa no
momento certo, isto é inteligência espiritual.

c) SER CORAJOSO:
▪ Timidez e medo são os dois maiores inimigos do visitador.
▪ São os instrumentos mais eficientes que Satanás tem para usar.
▪ A coragem vem de uma fé absoluta na missão a desempenhar, e de uma completa dependência
d’Aquele que instruiu a missão (Js 1:7; Rm 8:31).

d) SER PERSEVERANTE:
▪ Não há tempo nem lugar para se parar na tarefa de buscar aqueles que precisam de Deus.
▪ A diferença entre o sucesso e o fracasso muitas vezes está aqui. A visita seguinte pode ser a que decida
a questão. E se esta visita nunca for realizada?

7
e) SER INSPIRADO:
▪ A visitação mais frutífera é a movida pelo amor.
▪ É reforçada pelo Espírito Santo. Brota de um coração cheio de compaixão.
▪ Afortunadamente, estes elevados motivos podem ser desenvolvidos no coração do crente, para isso
ele precisa desejá-los.

f) MOSTRAR SIMPATIA:
▪ Simpatia é um sentimento recíproco entre duas pessoas.
▪ Ter um coração humilde (disposto a aprender).
▪ Qualquer crente pode aprender a visitar satisfatoriamente e tem a obrigação de fazê-lo.
▪ Sendo que para isso, há necessidade de dispor-se a ser devidamente capacitado.

g) APRESENTAR UM ASPECTO AGRADÁVEL:


▪ A aparência pessoal do visitador é um fator de suma importância.
▪ Certamente, deve ele estar atrativa e apropriadamente vestido.
▪ Tal visitador dará melhor impressão do que aquele que dá pouca ou nenhuma importância a aparência.
▪ Apresentar-se adequadamente (aparência e higiene pessoal).
▪ Levar sempre folhetos e literaturas.
▪ Levar o mínimo de objetos.
▪ Evitar participação de integrante com sintomas e/ou visíveis sinais de doenças infectocontagiosas.

3.2. PREPARAÇÃO PARA A VISITAÇÃO:


▪ É essencialmente um ministério espiritual e requer visão, percepção e poder espirituais.
▪ Uma atitude frívola e um modo leviano raramente produzem resultados duradouros.
▪ Ao fazer a preparação espiritual o líder, juntamente com a equipe de visitação devem definir um
PLANO DE VISITAÇÃO.
▪ Uma hora antes de sair para a visitação, a equipe deve reunir-se com o objetivo de:

a) DETERMINAR O OBJETIVO DA VISITA:


▪ O propósito da visita deve ser claramente explicitado pelo líder de modo a que todos o compreendam.
▪ A falta de propósitos definidos em uma visita pode levá-la ao fracasso.

b) ORAÇÃO ANTES DA SAÍDA:


▪ Preparação para batalha espiritual é indispensável.
▪ Cada membro deve orar por si mesmo e pela sua família; pedir que o Senhor lhe conceda visão
espiritual; pedir por toda a equipe.
▪ Pedir pelas pessoas que serão visitadas; pelo propósito da visita.

c) DEFINIÇÃO PRÉVIA DAS ATRIBUIÇÕES:


▪ Todos devem estar cientes de seus papeis durante a vista. Cabe ao líder delegar as atribuições de
cada um.
▪ Quando ele mesmo não liderar a visita, deve designar quem irá fazê-lo.
▪ O ideal é haver rodízio na equipe para capacitação de todos.
▪ Responsável pela ministração da Palavra?
▪ O texto bíblico deve ser escolhido com base nas informações disponíveis a respeito de quem receberá
a visita.
▪ Todos os demais membros da equipe deverão permanecer em silêncio e em oração de concordância,
dando apoio ao ministrante.
▪ Devem ser evitadas manifestações de espiritualidade (falar em línguas, cânticos espirituais, etc).
▪ Periodicamente é preciso promover ANÁLISE CRÍTICA para avaliar e melhorar as visitas.

8
d) IR NO PODER DO SENHOR:
▪ O visitador cristão nunca deve depender de sua própria força e sabedoria. Tal procedimento não é
somente insensato, porém desnecessário.
▪ A promessa de Deus a Josué é válida ainda hoje: Js 1:9 - Esforça-te e tem bom animo; não pasmes nem
te espantes; porque o Senhor teu Deus é contigo para onde quer que andares.

DICAS PARA UMA VISITA DE SUCESSO:


▪ Escolher a hora mais apropriada para a visita (nem muito cedo nem muito tarde).
▪ Não demorar-se em demasia na vista (principalmente em doença ou aflição).
▪ Na visita o visitador deve:
▪ Ser polido (Pedir licença para entrar, agradecer, etc.)
▪ Fazer uma saudação calorosa (aperto de mão – não muito forte nem muito fraco)
▪ Usar um sorriso sincero, aberto e atraente (não exagerado).
▪ Manter uma postura ereta.
▪ Usar entonação de voz agradável.
▪ Falar claramente.
▪ Mostrar confiança.
▪ Usar sempre o nome da pessoa visitada.
▪ O visitador deve:
▪ Ter uma experiência pessoal de conversão com o Senhor Jesus.
▪ Ter o chamado para este ministério, exercendo misericórdia.
▪ Ser submisso às autoridades/regras.
▪ Ser perseverante e paciente.
▪ Ser humilde e servir sempre.
▪ Usar sempre o nome da pessoa visitada.
▪ Ter sensibilidade no trato com as pessoas e respeito pelas opiniões divergentes.
▪ Ser amável, cativante e agradável.
▪ Ter o alvo e a motivação correta.
▪ Ter bom humor e estabilidade emocional.
▪ Ser objetivo (não enrolar!).

3.3. ORAÇÃO DEPOIS DA VISITA:


▪ Orar novamente por si mesmo e pela sua família; pedir por toda a equipe.
▪ Pedir livramento para o patrimônio, bens pedir de toda a equipe.
▪ Agradecer a Deus pelo sucesso da visita; pelos livramentos, etc.

Pr. Edmar Roberto dos S. Mota


emota59@yahoo.com.br

BIBLIOGRAFIA:
Este texto é uma adaptação do texto: CONSOLIDAÇÃO - O Desenvolvimento Inicial dos Novos Discípulos – Manual
de Treinamento – Texto de Dennis Blackmom com adaptações - Walter Pacheco da Silveira - Pastor -
wpds@zaz.com.br (Ribeirão Preto-SP)