Você está na página 1de 48

Curso Básico – Segurança em Instalações e Serviços Com Eletricidade

Sumário

Página 2
1. Conceitos Básicos em Eletricidade...................................................................................4
2. Proteção Choques Elétricos.............................................................................................. 7
oque elétrico, mecanismos e efeitos.......................................................................................................................7
2.1 Arco Elétrico...............................................................................................................8
2.3 Campos Eletromagnéticos..............................................................................................9
3. Técnicas de análise de riscos.............................................................................................. 10
4. Medidas de Controle do risco elétrico............................................................................11
Desenergização.................................................................................................................... 11
Seccionamento.....................................................................................................................11
Impedimento de Reenergização.........................................................................................12
Constatação da ausência de tensão....................................................................................12
Instalação da Sinalização de Impedimento de Energização........................................... 13
Aterramento do Neutro...................................................................................................... 13
Aterramento de Proteção (PE)...........................................................................................14
Aterramento por Razões Combinadas de Proteção e Funcionais.................................. 15
Esquema IT 16
Aterramento Temporário...................................................................................................16
Dispositivos a Corrente de Fuga........................................................................................17
Barreiras e Invólucros 18
Bloqueios e Impedimentos 18
Obstáculos e Anteparos...................................................................................................... 18
Isolamento das Partes Vivas...............................................................................................19
Isolamento Duplo ou Reforçado........................................................................................ 19
Colocação Fora de Alcance................................................................................................ 20
5. Normas Técnicas Brasileiras.......................................................................................... 20
NBR da ABNT NBR 5410 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão................................20
NBR 14039- Instalações Elétricas de Média Tensão........................................................22
Autorização, Habilitação, Qualificação e Capacitação................................................... 24
6. Equipamento de Proteção Coletiva (EPC).................................................................... 25
7. Equipamento de Proteção Individual (EPI)..................................................................27
8. Riscos Adicionais............................................................................................................. 28

Altura................................................................................................................................... 28
Ambientes Confinados........................................................................................................30
Áreas Classificadas............................................................................................................. 30
9. Condições Atmosféricas.................................................................................................. 31
Umidade...............................................................................................................................31
Descargas atmosféricas (raios)...........................................................................................31

Página 3
Prevenção e Combate a Incêndio.......................................................................................33
Em Caso de Incêndio:.........................................................................................................35
10. Primeiros Socorros e os Procedimentos Adequados para Salvar Vidas..................... 35
Observação dos Riscos no Local........................................................................................................................36
Serviços de Emergência......................................................................................................................................36
socorro e Avaliação da Vítima........................................................................................................................... 37
Reanimação Cardiopulmonar............................................................................................................................37
Lateralização de uma Vítima Inconsciente.......................................................................................................39
O que não Fazer 40
Desfibrilador Exerno Automático..................................................................................................................... 40
Hemorragias 41
Queimaduras....................................................................................................................... 42
Obstrução de Vias Aéreas por Corpo Estranho (Engasgo).............................................43
11. BIBLIOGRAFIA............................................................................................................. 45

Página 4
1. Conceitos Básicos em Eletricidade

Para que seja possível o entendimento dos riscos em eletricidade, deve-se primeiramente
entender alguns conceitos básicos, por
exemplo: sabemos que o choque
elétrico ocorre em função da corrente
elétrica circulando pelo corpo humano.
Mas, sabemos o que é corrente
elétrica?

Para responder a essas e a outras


questões que surgirão no decorrer do nosso curso devemos inicialmente entender o conceito
de átomo, assim como os conceitos das principais grandezas elétricas: tensão, corrente,
resistência e potência.

Eletricidade ou energia elétrica, para a maioria das pessoas, traduz-se em iluminação de


ambientes, aquecimento de água e funcionamento de eletroeletrônicos. Mas, o que acontece
quando uma lâmpada acende?

Assim como toda matéria, os condutores (materiais capazes de conduzir corrente elétrica) são
compostos por átomos; por definição corrente elétrica é o movimento ordenado de elétrons,
e, essa grandeza é representada em cálculos pela letra I e tem como unidade de medida o
ampère (A). Logo, quando uma lâmpada incandescente acende, podemos entender que existe
um fluxo de elétrons pelo condutor, fluxo este provocado por uma diferença de potencial.
E o que é diferença de potencial?

A diferença de potencial, também conhecida como tensão elétrica é a força que impulsiona o
movimento dos elétrons; essa grandeza é representada em cálculos pelas letras “U”, “V”, “T”
ou “E” e tem como unidade de medida o volt (V). Em alguns livros de ensino médio é
possível que se encontre como sinônimo de tensão o termo voltagem, que não é bem aceito na
área técnica.

O núcleo do átomo exerce uma força sobre o elétron; para que o elétron se desprenda desse
átomo e aconteça o fluxo é necessária uma força, que é chamada tensão.
Página 5
A essa resistência oferecida ao fluxo de elétrons damos o nome de resistência elétrica e esta é
uma grandeza que pode ser calculada e medida, é representada pela letra R e tem como
unidade de medida o ohm (Ω).

Até então conseguimos entender que por meio dos condutores flui um movimento ordenado
de elétrons chamado corrente elétrica, esse movimento se dá por uma força que impulsiona o
movimento dos elétrons, chamada tensão, e existe uma oposição à passagem da corrente
elétrica chamada resistência elétrica.

Mas, por que uma lâmpada brilha mais do que outra?

Para respondermos a essa pergunta devemos entender o conceito de potência elétrica que é a
capacidade de realizar trabalho. Logo, uma lâmpada brilha mais do que a outra porque é mais
potente do que a outra. Nos cálculos a potência é representada pela letra P e sua unidade de
medida é o watt (W).
Agora já podemos estabelecer as relações entre as quatro grandezas definidas até então.

Lei de Ohm: V=RxI


Lei de Joule: P=VxI

Logo, podemos perceber que quanto maior for a resistência para uma mesma tensão, menor
será a corrente elétrica e vice-versa.

I=V/R
R=V/I

Choque Elétrico
Um dos mais graves e infelizmente, também um dos mais comuns riscos em eletricidade, o
choque elétrico, nada mais é do que o conjunto de efeitos gerados no corpo humano pela
circulação de corrente elétrica. Em termos de riscos fatais, o choque elétrico, de um modo
geral, pode ser analisado sob dois aspectos:

Corrente elétrica de baixa intensidade: a corrente elétrica depende da tensão e da


resistência, como vimos anteriormente, sendo assim se temos tensão baixa e resistência alta
temos baixa corrente. No caso de choques por correntes baixas os efeitos mais graves a

Página 6
considerar são as paradas cardíacas e respiratórias.
Corrente elétrica de alta intensidade: neste caso temos tensão alta e resistência baixa. Nos
choques por correntes altas o efeito térmico é o mais grave, ou seja, queimaduras externas e
internas.

Podemos dizer então, que em casos de trabalhos com tensões altas, para evitar os choques
elétricos, ou minimizar seus efeitos, deve-se aumentar a resistência, por isso o uso de botas e
luvas adequadas.

Os efeitos do choque elétrico dependem de vários fatores, podemos citar principalmente:

1. Percurso da corrente elétrica pelo corpo humano;


2. Intensidade da corrente elétrica;
3. Tempo de duração;
4. Área de contato;
5. Frequência da corrente elétrica;
6. Condições da pele do indivíduo;
7. Constituição física do indivíduo;
8. Estado de saúde do indivíduo;

Entre os efeitos produzidos no corpo humano pelo choque elétrico podemos evidenciar:

1. Elevação da temperatura dos órgãos, devido ao aquecimento produzido pela


corrente do choque;
2. Rigidez dos músculos;
3. Comprometimento do coração quanto ao ritmo e batimento cardíaco;
4. Comprometimento da respiração;
5. Deslocamento de músculos e órgãos internos;

Devemos atentar ao fato de que muitos órgãos aparentemente sadios depois do choque,
podem demorar dias ou até meses para apresentar sintomas, que muitas vezes não serão
relacionados ao choque em função do tempo transcorrido entre o acidente e o aparecimento
dos sintomas.

Página 7
2. Proteção Choques Elétricos
O Choque elétrico, mecanismos e efeitos

De acordo com a NBR 5410/2004, para a proteção contra choques elétricos devem-se tomar
os seguintes cuidados:

1. Partes vivas de instalações elétricas não devem ser acessíveis;


2. Massas ou partes condutivas acessíveis não devem oferecer perigo, seja em
condições normais, seja, em particular, em caso de alguma falha que as torne
acidentalmente vivas.

Mesmo seguindo essas orientações, ainda assim choques podem ocorrer.

No caso 1 o choque pode acontecer quando alguém toca inadvertidamente a parte viva do
circuito elétrico. Neste caso a corrente elétrica do choque é atenuada pela:

1. Resistência elétrica do corpo humano;


2. Resistência do calçado;
3. Resistência de contato do calçado com o solo;
4. Resistência da terra no local dos pés no solo;

Podemos imaginar vários exemplos de acidentes para ilustrar o caso 1, como uma criança que
coloca um prego na tomada ou um operário que toca acidentalmente a rede elétrica com um
vergalhão.

As medidas de proteção básicas que devem ser previstas para evitar choques, nesse caso, são:

1. Isolação ou separação das partes vivas;


2. Uso de barreira ou invólucro;
3. Limitação de tensão;
4. Seccionamento automático (utilização de DDR, por exemplo).

No segundo caso, o choque elétrico acontece quando regiões neutras tornam-se vivas, por
meio de uma fuga de corrente elétrica na instalação ou nos equipamentos.
Um exemplo de choque, nesse caso, pode ocorrer quando nos encostamos a uma máquina de
Página 8
lavar ou no registro de um chuveiro. Normalmente, essas partes não deveriam apresentar risco
de choque elétrico, entretanto, pode acontecer uma fuga de corrente elétrica, ou seja, pode
haver corrente elétrica circulando em tais partes e, quando o indivíduo entra em contato, a
corrente elétrica passa pelo seu corpo em direção ao menor potencial, que é geralmente a
terra.

Para evitar choques desse tipo devemos:

1. Utilizar dispositivos de seccionamento automático;


2. Aterrar adequadamente as máquinas e equipamentos elétricos;
3. Isolar essas partes com material não condutor, borracha por exemplo, (isolação
suplementar).

2.1 Arco Elétrico

O arco elétrico nada mais é, do que a passagem de corrente elétrica por um meio isolante,
como ar, por exemplo. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o arco acontece não
apenas quando o circuito é aberto, mas, também quando ele é fechado.

Entre outros fatores, o arco elétrico é


proporcional à intensidade da corrente
elétrica que passa pelo circuito. Logo,
quanto maior for a corrente elétrica, maiores
serão os efeitos causados pelo arco. Quando
desligamos o disjuntor de uma residência, o
arco elétrico também acontece, não os
percebemos em função do invólucro que
protege o disjuntor. Para extinguir o arco dentro do disjuntor, existe a câmera de extinção do
arco voltaico, que pode conter entre outros:óleo,SF6,vácuo ou ar comprimido

Os arcos elétricos, quando ocorrem em situações como as citadas anteriormente, são


inofensivos, entre tanto, em circuitos em que as correntes são muito altas, os riscos são muito
maiores.

Página 9
2.3 Campos Eletromagnéticos

Para entendimento, podemos dizer de forma simplificada que campo eletromagnético é um


fenômeno invisível que é criado pela corrente elétrica.

Como o próprio nome sugere é uma associação entre o campo elétrico e o campo magnético.
Um corpo carregado pode atrair ou repelir uma partícula carregada próxima a ele, à medida
que essa partícula é afastada esse efeito de atração/repulsão é reduzido. Todo o espaço em
volta do corpo capaz de gerar esse efeito é chamado campo elétrico.

Campo magnético é toda região do espaço na qual uma agulha imantada fica sob a ação de
uma força magnética. De acordo com os estudos desenvolvidos na OMS, não há evidências
científicas convincentes de que a exposição humana a valores de campos eletromagnéticos
abaixo dos limites estabelecidos cause efeitos adversos à saúde. Mesmo assim, no Brasil, os
limites de exposição humana foram estabelecidos pela Lei nº 11.934, de 5/5/2009, seguindo
as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Diversas pesquisas tentam provar os efeitos adversos da exposição ao campo eletromagnético,


como distúrbios do sono, baixa do sistema imunológico e até leucemia em crianças.

A radiação provoca aquecimento intenso nos elementos metálicos, logo, atenção especial deve
ser dada a trabalhadores que têm próteses metálicas, pois tal aquecimento pode provocar
lesões. Trabalhadores que portam aparelhos e equipamentos eletrônicos, como marca-passo,
dosador de insulina e amplificador auditivo também devem se precaver dessa exposição, já
que os circuitos dos aparelhos podem ser danificados.

A maior preocupação quanto a esse fenômeno é o fato de que quando a corrente elétrica
circula por um condutor, ela induz uma corrente elétrica nos condutores próximos. Em função
disso pode haver circulação de corrente em um circuito desenergizado, caso ele esteja
próximo de um circuito energizado.
Para se assegurar de que realmente não existe risco, ou seja não existe tensão, o trabalhador
deve utilizar um medidor de tensão (voltímetro).

Página 10
3. Técnicas de análise de riscos
Primeiramente convém definir o que é risco e distingui-lo de perigo. O risco é uma medida da
perda ou dano, seja econômico, ambiental ou da vida humana que está relacionado à
frequência com que o dano ou perda ocorre e a magnitude que ele atinge. O risco pode ser
reduzido com a implementação de medidas de segurança.

Já o perigo diz respeito a condições com possibilidade de causar danos, ou seja, o perigo
existe como uma condição muitas vezes até do ambiente ou da natureza do trabalho, mas o
risco pode ser diminuído por meio de medidas de segurança.

Como exemplo, podemos citar o caso de um trabalhador que atua em uma subestação que fica
em um local isolado e cercado por vegetação e permanece a maior parte do tempo sem a
presença de seres humanos. O perigo de existência de animais peçonhentos que têm potencial
para causar dano à vida do indivíduo existe, entretanto, o risco será reduzido se o trabalhador
adotar as medidas de segurança cabíveis, como uso de roupas e sapatos adequados e
iluminação devida do ambiente de trabalho.

Para reduzir os acidentes de trabalho é preciso conhecer, analisar, avaliar e controlar os riscos.
A análise de riscos consiste em diversas técnicas utilizadas para criar um cenário para
realização de uma determinada atividade, por meio desse cenário e conhecendo a atividade é
possível identificar os riscos, assim como sua frequência e magnitude.

Uma análise de riscos completa deve contemplar, também, as medidas de prevenção e as


medidas de controle das consequências de acidentes.

Os riscos devem ser avaliados de forma qualitativa e quantitativa.

Quanto à severidade das consequências, podem ser classificados em:

Categoria I: quando as consequências estão restritas a área industrial.


Categoria II: quando as consequências atingem áreas não industriais.
Categoria III: quando as consequências envolvem contaminação de solo e recursos hídricos,
com possibilidades de ações para recuperação imediata.
Categoria IV: quando as consequências atingem áreas externas e não existe possibilidade de
recuperação imediata.
Página
10
4. Medidas de Controle do risco elétrico

Desenergização

O procedimento para desenergização ao contrário do que muitos pensam, não consiste apenas
em desligar um disjuntor ou abrir uma chave. É um processo relativamente complexo que, de
acordo com a NR-10 deve obedecer à seguinte sequência:

● Seccionamento;
● Impedimento de reenergização;
● Constatação da ausência de tensão;
● Instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos condutores dos
circuitos;
● Proteção dos elementos energizados existentes na zona controlada;
● Instalação da sinalização de impedimento de reenergização;
A desenergização deve ser realizada por no mínimo duas pessoas. Segue a descrição de cada
um dos procedimentos:

Seccionamento

O processo de seccionamento deve ser iniciado pela abertura do disjuntor, pois uma instalação
elétrica sob carga tem correntes elevadas e a interrupção da corrente elétrica cria um arco
elétrico (lembrando que quanto maior for a corrente elétrica maior será o arco). Logo, o
equipamento que vai “abrir o circuito” sob carga deve ter capacidade de extinguir o arco
elétrico.
Nesse processo muitos trabalhadores incorrem em um erro comum. Como todos sabem se o
circuito estiver aberto de forma que seja possível identificar sua abertura visualmente, a
segurança conferida ao processo é maior, por esse motivo os circuitos contam também com
chaves seccionadoras; entretanto, essas chaves não têm capacidade para extinguir o arco
elétrico. O erro comum é abrir a chave seccionadora sob carga, fazendo isso o trabalhador está
se expondo ao risco de arco elétrico.
Logo, primeiro deve-se manobrar o disjuntor, para que somente depois seja possível a
abertura do circuito que possibilite verificação visual, como abertura da chave seccionadora
ou retirada dos fusíveis.

Página
11
Impedimento de Reenergização

O impedimento de reenergização, consiste em formas de


impedimento de reenergização acidental do circuito. Para atender a
este item recomenda-se retirar os fusíveis do local, extrair o
disjuntor quando possível ou mesmo fazer uso de cadeados ou
lacres. No caso de chaves seccionadoras de alta tensão, geralmente,
o impedimento de reenergização é feito por meio de cadeados, que
travam a haste de manobra.

Constatação da ausência de tensão

Muitas vezes a constatação da ausência de tensão é feita por meio de voltímetros instalados no
próprio painel e/ou sinais luminosos. Caso esses não existam a constatação deve ser feita com
um voltímetro que esteja com o seletor no nível de tensão adequado.

Página
12
Instalação da Sinalização de Impedimento de Energização

Somente depois de todas as etapas descritas anteriormente a sinalização deve ser colocada no
circuito. A sinalização é colocada com o objetivo de diferenciar os equipamentos/circuitos
energizados, dos circuitos desenergizados,
além disso serve para alertar os demais
trabalhadores, para que não tentem energizar o
circuito. Lembrando que os trabalhos são
iniciados apenas após autorização e ao
término das atividades no processo de
reenergização, não se deve esquecer de retirar
a sinalização.

Aterramento

Um dos objetivos do aterramento de uma instalação pode ser direcionar possíveis correntes de
fuga para a terra, protegendo as pessoas e preservando os equipamentos.

O aterramento fornece um caminho em paralelo, para a terra, de menor resistência. Sabemos


que a terra tem menor potencial, logo a corrente tende a ir para a terra e passará pelo caminho
que oferecer menor resistência, que é pelo ramo do aterramento.

Podemos afirmar, então, que quanto menor for o valor da resistência de aterramento melhor
ele será e o aparelho utilizado para medir a resistência de aterramento é o terrômetro.
O aterramento pode ser realizado por diversos motivos, como transmissão de sinais por
exemplo.
Logo, o aterramento pode ser tanto um aterramento de proteção, quanto um aterramento
funcional. O nome de aterramento funcional é dado a todo aterramento que não se destina à
proteção.

Aterramento do Neutro

Quando a concessionária de energia fornece alimentação em baixa tensão, o neutro é aterrado;


o objetivo desse aterramento não é proteção.

Página
13
Em um sistema trifásico equilibrado ligado em estrela a corrente no neutro é zero. Entretanto,
sabemos que a rede não
está equilibrada, seja em
função do aumento da
demanda ou ligações
ilegais a ela. Assim
existe uma corrente
circulando pelo neutro e
a ligação a terra é feita
para que tal corrente tenha um caminho de retorno.

Aterramento de Proteção (PE)


A proteção contra choques elétricos por contato indireto (quando uma pessoa toca uma massa,
que não deveria estar energizada, mas está) é conferida em parte pelo equipamento e em parte
pela instalação.

Muitas vezes a instalação possui um condutor de proteção, entretanto, o equipamento não o


possui. Em outros casos, o equipamento possui e a instalação, não.

A proteção só é efetiva se o equipamento possuir um condutor destinado à proteção ou


disponibilizar alguma forma para ligação e este condutor estiver conectado à terra por uma
resistência que se aproxime de zero.

A seção mínima dos condutores de proteção deve seguir as recomendações da NBR-5410.


Segundo a norma, para circuitos em que os condutores de fase tem seção de até 16 mm² o
condutor de proteção, deve ter a mesma seção; Para os casos em que os condutores de fase
têm entre 16 e 35 mm² deve ser utilizado o condutor de 16mm², para condutores fase maiores
do que 35 mm² o condutor de proteção deve ter a metade da seção do condutor de fase.

Ainda de acordo com a NBR-5410 os condutores de proteção devem se exclusivamente


verdes ou verdes e amarelos.

Em um circuito funcionando em perfeitas condições, sem corrente de fuga, não existirá


corrente elétrica no condutor de proteção; entretanto deve-se ter cuidado com essa afirmação,
pois, caso haja corrente de fuga, ela passará pelo condutor de proteção.

Página
14
Aterramento por Razões Combinadas de Proteção e Funcionais

Quando for exigido um aterramento por razões combinadas de proteção e funcionais, as


prescrições relativas às medidas de proteção devem prevalecer.

Esquemas de ligação de aterramento em baixa tensão:

Esquema TN-S

Neste esquema o condutor neutro e


o de proteção são separados ao
longo de toda a instalação, mas
ambos são ligados à mesma malha
de aterramento.

Esquema TN-C-S

Netse esquema as funções neutro e


proteção são combinadas em um
único condutor em uma parte do
circuito.

Esquema TN-C

Netse esquema as funções neutro e


proteção são combinadas em um
único condutor ao longo de toda
instalação.

Página
15
Página
16
Esquema TT

O aterramento do neutro é
diferente do aterramento de
proteção.

Esquema IT

O neutro da alimentação não é


aterrado, existe aterramento apenas
para proteção. Na figura abaixo a
impedância entre neutro tende ao
infinito e indica que o neutro não
está ligado à terra.

Aterramento Temporário

A instalação do aterramento temporário tem o objetivo de fazer com que as partes do circuito
aberto estejam em um mesmo potencial elétrico que neste caso é o potencial de terra.
Os procedimentos para a execução do aterramento temporário são:

1. Solicitação de autorização formal;


2. Evacuação da área (apenas os envolvidos
na atividade devem permanecer próximos);
3. Delimitação e sinalização de área;
4. Verificação de desenergização;
5. Inspeção dos dispositivos a serem
utilizados no aterramento temporário;
6. Ligar o grampo de terra primeiramente à malha de terra e em seguida à outra
extremidade;
7. Obedecer aos procedimentos específicos de cada empresa.

Observação: na rede de distribuição, deve-se trabalhar no mínimo entre dois aterramentos.


Página
17
Dispositivos a Corrente de Fuga

Este dispositivo, conhecido como diferencial residual, pode ser um interruptor ou um


disjuntor (IDR ou DDR), que, a finalidade de desenergizar o equipamento ou instalação que
ele protege na ocorrência de uma corrente de fuga que exceda determinado valor e sua
atuação deve ser rápida.

A função do dispositivo DR, seja ele interruptor ou disjuntor, é proteger as pessoas contra
possíveis choques elétricos causados por corrente de fuga.

O dispositivo diferencial residual (DR) é incompatível com o aterramento que utiliza um cabo
comum para neutro (N) e proteção (PE), pois nesse tipo de aterramento (TN-C) a corrente de
fuga passará pelo DR e isso o impedirá de atuar.

Seu princípio de funcionamento é relativamente simples, a corrente que entra em um circuito


é igual à corrente que sai desse mesmo circuito. Se a corrente que entra é diferente da corrente
que sai do circuito, isso significa que houve uma fuga de corrente e nesse caso o DR secciona
automaticamente a alimentação do circuito. Dessa forma, o dispositivo diferencial residual
soma vetorialmente as correntes em um circuito e quando o valor é diferente de zero o
circuito é seccionado para conferir proteção.

De acordo com a NBR-5410 o uso de dispositivo diferencial residual de alta sensibilidade


(corrente diferencial residual nominal igual ou inferior a 30mA) é obrigatório nas seguintes
situações:

1. Circuitos que servem a pontos situados em locais contendo banheiro ou chuveiro;


2. Circuitos que alimentam tomadas de corrente situadas em áreas externas a edificação;
3. Circuitos e tomadas de corrente situados em áreas internas que possam vir a alimentar
equipamentos no exterior; e
4. Circuitos de tomadas de corrente de cozinhas, copas, cozinhas, lavanderias, áreas de
serviço, garagens e, no geral, de todo local interno molhado em uso normal ou sujeito a
lavagens.
Existe ainda para outras aplicações o disjuntor diferencial residual de baixa sensibilidade, que
percebe apenas correntes de fuga superiores a 500 mA.
Barreiras e Invólucros

A proteção por barreira ou por invólucro tem o objetivo de impedir que pessoas ou animais
toquem acidentalmente as partes vivas, e garantir que as pessoas sejam advertidas de que as
partes acessíveis pela da abertura são vivas e não devem ser tocadas intencionalmente.

Uma das formas de impedir que as pessoas toquem acidentalmente as partes energizadas
(vivas) de um circuito é colocando-as no interior de invólucros ou atrás de barreiras.
As barreiras e invólucros devem ser fixados de forma segura e possuir robustez e durabilidade
suficiente para apresentar apropriada separação das partes e manter o grau de proteção.

Bloqueios e Impedimentos

Bloqueio é a ação destinada a manter, por meios mecânicos, um dispositivo de manobra fixo
numa determinada posição de forma a impedir uma ação não autorizada, em geral utilizando
cadeados.
Dispositivos de bloqueio são aqueles que impedem o acionamento ou religação de
dispositivos de manobra (chaves, interruptores, etc.). É importante que tais dispositivos
possibilitem mais de um bloqueio, ou seja, a inserção de mais de um cadeado, por exemplo,
para trabalhos simultâneos de mais de uma equipe de manutenção.

Toda ação de bloqueio deve estar acompanhada de etiqueta de sinalização com o nome do
profissional responsável, data, setor de trabalho e forma de comunicação.

As empresas devem possuir procedimentos padronizados do sistema de bloqueio,


documentados e de conhecimento de todos os trabalhadores, além de etiquetas, formulários e
ordens documentais próprias.

Obstáculos e Anteparos

Os obstáculos são destinados a impedir o contato involuntário com partes vivas, mas não o
contato que pode resultar de uma ação deliberada e voluntária de ignorar ou contornar o
obstáculo.
Os obstáculos devem impedir:
1. Uma aproximação física não intencional das partes energizadas.
2. Contatos não intencionais com partes energizadas durante atuações sobre o
equipamento, estando o equipamento em serviço normal.

Os obstáculos podem ser removíveis sem o auxílio de ferramenta ou chave, mas devem ser
fixados de forma a impedir qualquer remoção involuntária.

Isolamento das Partes Vivas

Todas as partes vivas de uma instalação elétrica devem possuir isolação que se dá por meio da
cobertura dos condutores com material isolante (não condutor de eletricidade). O isolamento
só pode ser removido por sua destruição. Um exemplo de isolamento de partes vivas é a
cobertura de cabos flexíveis utilizados em instalações elétricas prediais, cuja isolação consiste
geralmente de uma camada de um material termoplástico ou termofixo, geralmente XLPE,
aplicado em todo o comprimento do condutor.

O isolamento deve ser compatível com os níveis de tensão do serviço. Ensaios, para aferir e
certificar a qualidade desses isolamentos são regulamentados pela NBR 6813.

Esses dispositivos devem ser bem acondicionados para evitar o acúmulo de sujeira e umidade
que comprometam a isolação e podem torná-los condutivos, devendo ser inspecionados e
submetidos a testes periódicos.

Sobretensões transitórias, assim como sobrecarga podem danificar o isolamento de condutores


em função do aquecimento causado pelas altas correntes.

Atenção especial deve ser dada às emendas, que juntamente com as conexões constituem as
partes mais sensíveis de um circuito elétrico e devem garantir isolamento adequado ao nível
de tensão.

Isolamento Duplo ou Reforçado

O objetivo da isolação dupla ou reforçada é propiciar uma segunda linha de defesa contra
contatos indiretos. Comumente são utilizados sistemas de isolação dupla em alguns
eletrodomésticos e ferramentas portáteis (furadeiras, lixadeiras, etc.). A simbologia que indica
a isolação dupla são dois quadrados com lados diferentes um dentro do outro.
Um exemplo de dupla isolação está nos condutores de um padrão, em que além da isolação
dos cabos, existe também a isolação conferida pelo eletroduto, por onde passam os cabos.
A isolação reforçada é um tipo de isolação única que confere a mesma proteção que a isolação
dupla.
Os cabos com isolação reforçada podem ser instalados em locais inacessíveis sem a utilização
de invólucros ou barreiras (eletrodutos, calhas fechadas, etc.).

Colocação Fora de Alcance

Este tipo de proteção destina-se apenas a impedir contatos involuntários com as partes vivas.
A colocação fora de alcance consiste basicamente no estabelecimento de distâncias mínimas a
serem obedecidas nas passagens destinadas à operação e/ou manutenção.

As concessionárias de energia elétrica estabelecem por meio de suas ND’s (normas de


distribuição) o espaçamento mínimo entre a rede e as residências para que as pessoas estejam
seguras quanto a contatos involuntários com o - SEP- Sistema Elétrico de Potência.

A NBR 14039 estabelece os espaçamentos mínimos para instalações internas e externas.

Em seu anexo II a NR10 apresenta as distâncias mínimas que delimitam radialmente as zonas
de risco, controlada e livre.

5. Normas Técnicas Brasileiras

NBR da ABNT NBR 5410 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Esta norma estabelece as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem
satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o funcionamento adequado da
instalação e a conservação dos bens.

Ela se aplica principalmente às instalações de edificação residencial, comercial, pública,


industrial, de serviços, agropecuária, hortigranjeiras etc., como segue:

A - Áreas descobertas das propriedades, externas às edificações.

B - Reboques de acampamento, locais de acampamento, marinas e instalações análogas.


C - Canteiros de obras, feiras, exposições e outras instalações temporárias.

D - Aos circuitos elétricos alimentados sob tensão nominal igual ou inferior a 1.000V em
corrente alternada com frequência inferior a 400Hz, ou a 1.500V em corrente contínua.

E - Aos circuitos elétricos que não estão dentro de equipamentos, funcionando sob tensão
superior a 1.000V e alimentados por uma instalação de tensão igual ou superior a 1.000V em
corrente alternada (por exemplo, circuitos de lâmpadas de descarga, precipitadores
eletrostáticos, etc.).

F – A toda fiação e a toda linha elétrica que não são cobertas pelas normas relativas aos
equipamentos de utilização.

G - Às instalações novas e reformas em instalações existentes.

Notas:

1. A aplicação às linhas de sinal concentra-se na prevenção dos riscos decorrentes das


influências mútuas entre essas linhas e as demais linhas elétricas da instalação, sobretudo sob
os pontos de vista da segurança contra choques elétricos, segurança contra incêndios e efeitos
térmicos prejudiciais e da compatibilidade eletromagnética.

2. Modificações destinadas a, por exemplo, acomodar novos equipamentos elétricos, inclusive


de sinal ou substituir equipamentos existentes, não caracterizam necessariamente uma reforma
geral da instalação.

Essa norma não se aplica a:

1. A - Instalações de tração elétrica.

2. B - Instalações elétricas de veículos automotores.

3. C - Instalações de embarcações e aeronaves.

4. D - Equipamentos para supressão de perturbações radioelétricas, na medida em que


não comprometam a segurança das instalações.

5. E - Instalações de iluminação pública.


6. F - Redes públicas de distribuição de energia elétrica.

7. G - Instalações de proteção contra quedas diretas de raios. No entanto, esta norma


considera as conseqüências dos fenômenos atmosféricos sobre as instalações (por exemplo,
seleção dos dispositivos de proteção contra sobretensões).

8. H - Instalações em minas.

9. I - Instalações de cercas eletrificadas.

Os componentes da instalação são considerados apenas no que concerne à sua seleção e


condições de instalação. Isso é igualmente válido para conjuntos em conformidade com as
normas a eles aplicáveis.

A aplicação dessa norma não dispensa:

1. O atendimento a outras normas complementares aplicáveis a instalações e locais


específicos.

2. O respeito aos regulamentos de órgãos públicos aos quais a instalação deve satisfazer.

NBR 14039- Instalações Elétricas de Média Tensão

A NR10 estabelece a divisão dos níveis de tensão entre extra baixa; baixa e alta. Logo o que
essa NBR trata como média a NR10 chama de alta.

Essa norma estabelece um sistema para o projeto e execução de instalações elétricas de média
tensão com tensão nominal de 1,0kV a 36,2kV, à frequência industrial, de modo a garantir
segurança e continuidade de serviço.

Ela se aplica a partir de instalações alimentadas pelo concessionário, o que corresponde ao


ponto de entrega definido por meio da legislação vigente emanada da Agência Nacional de
Energia Elétrica (ANEEL). Também se aplica às instalações alimentadas por fonte própria de
energia em média tensão.

Essa norma abrange as instalações de geração, distribuição e utilização de energia elétrica,


sem prejuízo das observações presentes em outras normas referentes ao assunto. As
instalações especiais tais como marítimas, de tração elétrica, de usinas, pedreiras, luminosas
com gases (neônio ou semelhantes), devem obedecer, além da referia norma, às normas
específicas aplicáveis em cada caso.

As prescrições da norma constituem as exigências mínimas a que devem obedecer as


instalações elétricas às quais se referem para que não venham, por suas deficiências, a
prejudicar e perturbar as instalações vizinhas ou causar danos a pessoas e animais e à
conservação dos bens e do meio ambiente.

Ela se aplica às instalações novas, às reformas em instalações existentes e às instalações de


caráter permanente ou temporário.

Os componentes da instalação são considerados apenas no que diz respeito à sua seleção e às
suas condições de instalação e não ao processo construtivo.

A aplicação dessa norma não dispensa o respeito aos regulamentos de órgãos públicos aos
quais a instalação deve satisfazer. Em particular, no trecho entre o ponto de entrega e a
origem da instalação, pode ser necessário, além das prescrições da norma, o atendimento das
normas e/ou padrões do concessionário quanto à conformidade da seleção de dispositivos de
proteção quanto à capacidade de interrupção de corrente.

Na norma se aplica:

Á construção e manutenção das instalações elétricas de média tensão de 1,0 a 36,2kV a partir
do ponto de entrega definido pela legislação vigente, incluindo as instalações de geração e
distribuição de energia elétrica. Deve-se considerar a relação com as instalações vizinhas a
fim de evitar danos às pessoas, animais e meio ambiente.

A norma não se aplica:

1. Ás instalações elétricas de concessionárias dos serviços de geração, transmissão e


distribuição de energia elétrica no exercício de suas funções em serviço de utilidade pública.

2. Ás instalações de cercas eletrificadas.

3. Aos trabalhos com circuitos energizados.


Autorização, Habilitação, Qualificação e Capacitação

O item 10.8 da NR-10 descreve detalhadamente as definições de trabalhador autorizado,


habilitado, qualificado e capacitado, evitando-se que funcionários sem treinamento específico
e de segurança venham a exercer atividades em área de risco, sem o devido treinamento.

O profissional qualificado é aquele que tem formação na área, ou seja, fez um curso
reconhecido pelo Sistema Oficial de Ensino; podemos citar os técnicos em eletrotécnica e os
engenheiros eletricistas como exemplo. Vale ressaltar que os cursos livres não são
reconhecidos pelo sistema oficial de ensino.

Para que o profissional qualificado, se torne habilitado é preciso que faça o seu registro no
CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia). Logo, o profissional habilitado é
aquele que concluiu um curso reconhecido pelo Sistema Oficial de Ensino e além disso fez o
seu registro no CREA.

Segundo a NR10 o trabalhador capacitado:

1. Foi treinado por profissional habilitado e autorizado,


2. Trabalha sob a responsabilidade de profissional habilitado e autorizado.

Essa capacitação só tem valor para a empresa que o capacitou (esse trecho da norma, aplica-se
ao trabalhador que recebeu treinamento dentro da empresa para exercer suas atividades).

Os trabalhadores capacitados são autorizados a exercer atividades em instalações elétricas


com anuência formal da empresa em que trabalham e a autorização deve constar em seus
registros.

É necessário, ainda, passar por exames de saúde que lhes permitam trabalhar em instalações
elétricas, conforme definido pela NR-7 − Programa de Controle Médico de Saúde
Ocupacional - PCMSO.

A autorização para trabalhadores capacitados, ou qualificados e habilitados é um


consentimento formal da empresa para que o trabalhador possa realizar as atividades. Esse
consentimento se dá quando o trabalhador participa com aproveitamento dos cursos previstos
no Anexo III da NR-10 − treinamento específico sobre os riscos das atividades elétricas e
medidas de prevenção de acidentes em instalações elétricas. Para os que trabalham nas
proximidades do sistema elétrico de potência além do curso básico citado acima deve-se
também concluir com aproveitamento o curso complementar, que tem seu conteúdo
programático previsto na norma.

1. Curso Básico: Segurança em Instalações e Serviços de Eletricidade: Para todos os


profissionais que trabalham em áreas, onde existe o risco de acidentes com eletricidade.

2. Curso Complementar: Segurança no Sistema Elétrico de Potencia (SEP) e em suas


Proximidades: Para profissionais que trabalham nas proximidades do sistema elétrico de
potência.

Essa norma prevê treinamentos de reciclagem, caso o trabalhador mude de função ou de


empresa, fique afastado do trabalho por período superior a 90 dias ou aconteça modificações
significativas nas instalações elétricas ou troca de método, processos e organização do
trabalho. A carga horária do curso de reciclagem não é especificada na norma, ela diz apenas
que a carga horária para o treinamento de reciclagem deve ser compatível com o motivo que a
gerou.

6. Equipamento de Proteção Coletiva (EPC)

No desenvolvimento de serviços em instalações elétricas e em suas proximidades, devem ser


previstos e adotados equipamentos de proteção coletiva, que de acordo com a NR-10 devem
ter prioridade sobre os equipamentos de proteção individual.

Equipamento de Proteção Coletiva − EPC é todo dispositivo, sistema ou meio, fixo ou móvel,
de abrangência coletiva destinado a preservar a integridade física e a saúde dos trabalhadores,
usuários e terceiros. Essa definição está no glossário da NR-10.
Isolar o operador do Banqueta isolante
potencial da terra,
ampliando sua segurança
nas intervenções.

Isolar as partes Manta isolante


energizadas da rede
durante a execução de
tarefas.

Isolar o operador do Tapete isolante


potencial da terra,
ampliando sua segurança
nas intervenções.

Tem por objetivo Cone


advertir, sinalizar,
delimitar áreas de risco e
orientar o fluxo de
trânsito.
Tem por finalidade Dispositivo DR
proteger as pessoas e os
animais contra os efeitos
do choque elétrico por
contato direto ou
indireto (causado por
fuga de corrente).
Proteger o usuário do Aterramento
equipamento das
descargas atmosféricas,
por meio da viabilização
de um caminho
alternativo para a terra.
7. Equipamento de Proteção Individual (EPI)

Conforme Norma Regulamentadora NR-6 - Equipamento de Proteção Individual − EPI é todo


dispositivo de uso individual utilizado pelo empregado, destinado à proteção de riscos
suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho.

A empresa é obrigada a fornecer ao empregado, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em


perfeito estado de conservação e funcionamento, nas seguintes circunstâncias:

1. Sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra
os riscos de acidentes do trabalho ou de doenças ocupacionais.
2. Enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas.
3. Para atender situações de emergência.
O texto da Norma Regulamentadora NR-10 inclui a vestimenta como um dispositivo de
proteção complementar para os empregados, incluindo a proibição de adornos, mesmo que
não sejam metálicos.

8. Riscos Adicionais

Os riscos adicionais, citados na NR-10, são todos aqueles que não estão diretamente
relacionados à eletricidade, mas ainda assim estão presentes, mesmo que nem sempre e nem
todos ao mesmo tempo, nas atividades realizadas pelos profissionais da área.

Os principais riscos adicionais aos quais estão sujeitos os trabalhadores que atuam em
serviços e instalações em eletricidade são: altura; ambientes confinados; áreas classificadas e
condições atmosféricas adversas.

Altura

De acordo com a NR-35, trabalho em altura é todo aquele executado acima de 2,00 m (dois
metros) do nível inferior, onde há risco de queda.
A norma diz ainda que cabe ao empregador desenvolver procedimento operacional para as
atividades rotineiras de trabalho em altura, assim como capacitar o trabalhador, em
treinamento que deve ser realizado bienalmente ou quando se fizer necessário, de acordo o
item 35.3.3 da mesma norma.

Ao empregado cabe cumprir as determinações exigidas pelo empregador quanto ao


procedimento operacional padrão, assim como exercer o direito de recusa, sempre que for
identificado um risco não controlado durante o preenchimento da APR ( análise preliminar de
risco).

Para trabalhos com energia elétrica realizados em altura, algumas das sugestões abaixo podem
auxiliar o trabalhador na manutenção da sua segurança e de sua equipe.

1. É obrigatório o uso do cinto de segurança e do capacete com jugular;


2. Ferramentas e equipamentos nunca devem ser arremessados;
3. Os equipamentos de proteção individual, fornecidos pelo empregador, devem
ser inspecionados pelo trabalhador, quando do recebimento e apenas devem ser
utilizados se estiverem em condições para tal.

Caso seja inevitável a utilização de andaimes tubulares próximo à rede elétrica, estes devem
respeitar as distâncias de segurança estabelecidas, assim como seguir as orientações da NR-
18, item 18.15. Algumas orientações merecem destaque, como: os andaimes devem estar
devidamente aterrados; ter estais a partir de três metros e a cada cinco metros de altura; ter
guarda corpo de 90 centímetros de altura em todo o perímetro; as tábuas da plataforma devem
ter no mínimo uma polegada de espessura, devem estar bem fixadas e nunca ultrapassar o
andaime.

Quanto à utilização de escadas, quando se fizer necessário, o eletricista deve utilizar escadas
de material isolante, as mais comuns são as de madeira e as de fibra de vidro. A escada deve
ser amarrada e, na impossibilidade de amarrá-la, um trabalhador deve segurá-la para que o
outro execute a atividade; deve ser inspecionada visualmente antes da utilização, com a
finalidade de evitar acidentes com degrau solto ou escorregadio; ao subir ou descer as escadas
o trabalhador deve se manter de frente para ela e segurar firmemente o montante; deve-se
manusear a escada com luvas com a finalidade de evitar pequenos cortes ou perfuração por
lascas de madeira; ao atravessar vias públicas a escada deve estar paralela ao meio-fio.
Ambientes Confinados

De acordo com a definição da NR-33, item 33.1.2 espaço confinado é qualquer área ou
ambiente não projetado para ocupação humana contínua, que possui meios limitados de
entrada e saída, cuja ventilação existente é insuficiente para remover contaminantes ou onde
possa existir a deficiência ou enriquecimento de oxigênio.

Nas atividades em ambientes confinados os trabalhadores estão expostos a riscos de asfixia,


explosão e intoxicação, entre outros. De acordo com a NR-33 todos os trabalhadores
autorizados, vigias e supervisores de entrada devem receber capacitação periódica para estas
atividades. Alguns cuidados merecem destaque: a cada grupo de 20 trabalhadores, pelo menos
dois devem estar treinados para resgate; sinalização com informação clara e permanente
durante a realização de trabalhos no interior de espaços confinados; monitoramento
permanente de substância que cause asfixia, explosão ou intoxicação.

Áreas Classificadas

De acordo com a definição da NR-10, disponível no glossário dessa norma, área classificada é
o local com potencialidade de ocorrência de atmosfera explosiva.

São considerados ambientes de alto risco, tais ambientes são também chamados de explosivos
e são subdivididos; conforme norma internacional IEC79-10.

Os equipamentos utilizados nesses ambientes devem funcionar normalmente, mesmo com as


restrições impostas pelo ambiente explosivo; os equipamentos, assim como os cabos e
condutores de alimentação elétrica devem ser certificados por um organismo de certificação,
credenciado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial −
Inmetro.

O limite de uma área classificada é onde os gases inflamáveis já estarão tão diluídos ou
dispersos, que não poderão apresentar perigo de explosão. A IEC79-10 classifica os ambientes
explosivos em zonas 0, 1 e 2, sendo a zona 0 a de maior risco e a zona 2 a de menor.

Como citado anteriormente os equipamentos utilizados em áreas classificadas, devem


funcionar normalmente, mesmo com as condições impostas pelo ambiente. O maior cuidado
para com esses equipamentos é quanto a temperatura que eles podem atingir em condições
normais ou não de funcionamento, pois se a atmosfera é explosiva e o equipamento atinge
temperaturas muito altas pode haver uma explosão ou combustão em função disso. A
classificação dos equipamentos respeita a EN50.014.

Em um equipamento classificado pela EN50.014 como T3, a temperatura superficial pode


chegar a 200ºC, logo, equipamentos T3 podem ser utilizados em áreas explosivas onde os
gases tenham temperatura de combustão superior a 200ºC, caso contrário pode ocorrer uma
explosão em função do aquecimento de equipamentos.

A maioria das formas de minimizar os riscos no trabalho em áreas classificadas se dá durante


a fase de planejamento, que antecede a fase de implantação, entretanto, não merece menor
atenção, o treinamento adequado dos trabalhadores que atuam em tal área.

9. Condições Atmosféricas

Umidade

Os trabalhos com equipamentos energizados devem ser iniciados apenas sob boas condições
meteorológicas, não é recomendado trabalho sob chuva, neblina ou ventos fortes.

A umidade do ar quando excessiva diminui a capacidade dele como isolante elétrico,


tornando-o um meio propício para a condução de corrente elétrica, o que aumenta o risco de
acidentes com eletricidade.

Além disso, equipamentos que utilizam o óleo como isolante; não podem ser abertos em
condições de umidade excessiva, pois a umidade do ar em contato com o óleo pode diminuir a
capacidade de isolação elétrica do óleo.

Descargas atmosféricas (raios)

Os raios nada mais são do que a passagem de corrente elétrica da nuvem, com maior potencial
elétrico, para a terra com menor potencial, essa trajetória é ramificada e aleatória e ocorre em
condições específicas de umidade, temperatura e pressão. Quando o primeiro raio percorre o
trajeto, o ar se torna ionizado e abre caminho para passagem de ondas que podem atingir até
20.000 ampères, o ar em volta desse trajeto se expande e uma onda de ar quente de até
30.000°C é gerada.

A expansão do ar cria um barulho, que chamamos de trovão. Os elétrons que foram movidos
da molécula de ar retornam criando o efeito que conhecemos como relâmpago. Essas
descargas atmosféricas podem ocorrer entre nuvem e terra, terra e nuvem ou entre nuvens.

As instalações elétricas devem contar com um sistema de proteção contra descargas


atmosféricas, conhecido pela sigla SPDA, −, Esse sistema é relativamente de simples
entendimento, entretanto, seu projeto envolve muitas variáveis.

Para que o sistema de proteção contra descargas atmosféricas seja eficiente ele deve seguir as
orientações da NBR-5419. O conceito de para-raio, que é o princípio de um SPDA, é simples,
foi desenvolvido por Benjamin Franklin, no século XVIII e consiste basicamente em atrair o
raio e guiá-lo com segurança para a terra. São muitos os modelos de pára-raios.

Os principais componentes de um sistema de proteção contra descargas atmosféricas são:


terminais aéreos (conhecidos como para-raio, são hastes montadas no ponto mais alto da
edificação); condutores de descida (são os cabos que conectam os terminais aéreos aos
terminais de aterramento); terminais de aterramento (hastes enterradas no solo); condutores de
ligação equipotencial ( condutor que interliga todas as partes metálicas da edificação,
aterramentos de equipamentos, estruturas, SPDA, para que não exista diferença de potencial
entre elas); supressores de surto, varistores, para-raio de linha, centelhados (instalados no
ponto de entrada para proteger os equipamentos de sobretensões transitórias.

A proteção que conhecemos hoje para descargas atmosféricas minimiza os danos causados
pelos raios, mas de forma nenhuma evita que eles ocorram. Os raios são completamente
imprevisíveis, não conseguimos prever onde nem quando eles podem cair, e muito menos os
danos que irão causar.

No caso de tempestades com raios, alguns cuidados devem ser tomados como: não ficar
próximo a rede elétrica ou a equipamentos elétricos, não permanecer em locais perigosos,
como lugares altos, debaixo de árvores ou em áreas descampadas. Não é recomendada a
execução de trabalhos com equipamentos energizados, nesta situação.
Quanto a interferência dos raios na rede elétrica, uma grande preocupação é a sobretensão
transitória. Essas sobretensões podem ocorrer na rede elétrica, de telecomunicação, TV a
cabo, redes de transmissão de dados, antenas parabólicas, etc.

A sobretensão ocorre tanto por descargas diretas, quando o raio atinge diretamente uma rede
elétrica ou telefônica ou por descargas indiretas, quando um raio cai a uma distância de até 1
km da rede elétrica e acontece um acoplamento eletromagnético entre a rede elétrica e a
energia do raio.

As sobretensões podem provocar: queima de aparelhos e equipamentos, além de danos à rede


atingida; reduzir a vida útil dos equipamentos; causar perdas em linhas de produção devido a
parada das máquinas.

Prevenção e Combate a Incêndio

Fogo é o processo de combustão entre quatro elementos: o


combustível, o comburente, o calor, a reação em cadeia.

O combustível é qualquer material que pode ser queimado.


O comburente é um gás, como por exemplo, o oxigênio.
O calor é a fonte de aquecimento.
A reação em cadeia é a alimentação química da combustão.
Esses quatro elementos formam o que hoje chamamos de tetraedro do fogo.

Incêndio é um fogo sem controle que se alastra no ambiente.


Prevenimos o surgimento do incêndio eliminando qualquer um dos componentes do fogo.

Se eliminarmos o calor, realizamos um


resfriamento.
Se eliminarmos o material que está sob
o calor realizamos um isolamento.

Se eliminarmos o oxigênio em volta do


calor e do material realizamos um
abafamento.

Se eliminarmos a reação em cadeia usando um agente extintor, como, por exemplo, um pó


químico, realizamos a quebra da reação em cadeia.

Um princípio de incêndio pode ser combatido com o uso de equipamentos portáteis como os
extintores que contêm um agente extintor ideal para extinguir o foco de incêndio.

O cuidado maior que devemos ter é quanto ao tipo de combustível que está sob a ação do
fogo, pois, conforme o tipo de material, teremos que escolher um agente extintor adequado
para extinguir o foco de incêndio.

Combustíveis sólidos comuns como papel, madeira e tecido


queimam em toda a profundidade do material e deixam resíduos como
as cinzas e brasas. Causam os chamados incêndio classe A. Nesse caso,
o melhor agente extintor é a água.

Combustíveis líquidos infamáveis como graxas e gases derivados


químicos queimam pela superfície do material. Não deixam resíduos e
são chamados de classe B; o agente extintor é o pó químico seco (PQS).
Combustível em equipamentos energizados como os aparelhos
elétricos e eletrônicos e fiação elétrica, causam o incêndio classe C.
Neste caso, os agentes ideiais extintor ideal são os gases, como por
exemplo, o gás carbônico.

Combustíveis por metais pirofórico, comos: magnésio, selênio,


antimônio, lítio e outros são causadores de incêndio classe D e o
agente extintor ideal é o Pó Químico Seco Especial formado a base
de halon.

Em Caso de Incêndio:

1. Mantenha a cama, evite o pânico, correrias e gritarias;


2. Acione o Corpo de Bombeiros no telefone 193;
3. Use extintores ou os meios disponíveis para apagar o fogo;
4. Acione o botão de alarme mais próximo, ou telefone para o ramal de
emergência, quando não se conseguir a extinção do fogo;
5. Ao sair feche portas e janelas, confinando o local do incêndio;
6. Isole os materiais combustíveis e proteja os equipamentos, desligando o
quadro de luz ou o equipamento da tomada;
7. Armar as mangueiras para a extinção do fogo se for o caso;
8. Existindo muita fumaça no ambiente ou local atingido, use um lenço como
máscara (se possível molhado), cobrindo o nariz e a boca;
9. Sempre que possível mantenha molhadas as roupas, cabelos, sapatos e botas
para se proteger do calor.

10. Primeiros Socorros e os Procedimentos Adequados para Salvar Vidas

O objetivo principal em uma situação de emergência é socorrer a vítima sem se ferir ou se


tornar outra vítima do acidente. Para isso:

Primeiro: observe atentamente o ambiente do acidente e onde se encontra a vítima.


Identifique riscos imediatos de ameaça á vida.
Segundo: alerte sobre o local do acidente pedindo ajuda a outras pessoas e se necessário, peça
ajuda aos serviços de emergência.

Aproxime-se da vítima com segurança e se possível afaste os riscos da mesma ou se for


possível retire a vítima do local.

Terceiro: avalie a gravidade da vítima e se o local está seguro para iniciar os primeiros
socorros.

Quarto: inicie os primeiros socorros constatando se a vítima está consciente e se respira para
depois cuidar de outras lesões.

Observação dos Riscos no Local

Primeiro: observe e identifique


riscos como fumaça, fios soltos,
calor, cheiro forte de produtos,
sinais de desabamento ou
inundação no local do acidente. A
existência de riscos como estes
exige muita cautela para você não
se ferir.

O socorrista deve chegar até a vítima preservando a sua vida, lembre-se de que o princípio
fundamental é o socorrista não se tornar a segunda vítima, pois o atendimento ficará mais
complexo e o socorrista estará também sob o risco de morrer.

Serviços de Emergência

Segundo: alertar sobre o local do


acidente pedindo ajuda das
pessoas ou pedindo ajuda aos
serviços de emergências,
lembre-se de que os serviços
públicos de emergência no Brasil são acionados pelo número de telefone 193 (Corpo de
Bombeiros) e 192 (SAMU). Em determinados casos serão necessários os dois serviços no
mesmo local. Ao pedir ajuda aos serviços de emergência lembre-se de identificar, dizer o que
aconteceu, os riscos no local, as condições da vítima, tempo aproximado do acidente, o
endereço exato do local com uma referência mais próxima e mais conhecida para chegar a ele.

Pré- socorro e Avaliação da Vítima

O 3º passo é o pré-socorro, é chegar à vítima e realizar o atendimento. Para isso é necessário


ter material de segurança, e equipamentos de proteção.

O 4º passo é determinar as
gravidades da vítima
realizando os
procedimentos adequados.
A primeira conduta do
socorrista é identificar se a
vítima está consciente e se
respira. O socorrista deve
chamar rapidamente pela vítima duas ou três vezes, observando se o peito dela está se
elevando e realizando bem os movimentos de respiração.

Se a vítima não responde, você deve tocar duas na vítima no ombro e observar se ela reage,
observando também se o peito está realizando o movimento de respiração. Se a vítima não
reagir, o socorrista deve aplicar estímulo doloroso (um beliscão) no ombro e continuar a
observação se o peito está fazendo movimento de respiração. Isso por dez segundos.

Reanimação Cardiopulmonar

Uma vítima que não reage ao chamado, ao toque e ao estímulo de dor deve ser considerada
que está inconsciente sendo isso uma emergência, ou seja, a vítima necessita de socorro em
menos de cinco minutos.

Caso a vítima inconsciente não movimentar o peito no período de dez segundos, ela deve ser
considerada em PCR, ou seja, parada cardiopulmonar e o socorrista deve iniciar a RCP
reanimação cardiopulmonar primeiramente “só com compressões” no peito. Após dez
segundos se uma vítima inconsciente não respira o socorrista deve considerar a parada
cardíaca.

Deve-se usar proteção contra fluidos e secreções para atender a vítima.

A vítima deve estar deitada em local rígido, sem colchão ou almofadas preferencialmente
numa maca ou no próprio chão do local. Ela deve estar com o corpo alinhado para serem
aplicadas as compressões.

Ajoelhado ao lado da vítima, o socorrista deve posicionar uma mão no meio do tórax da
vítima e usar a parte mais dura da mão, entre a parte final da mão e o punho e não a palma.

Entrelace a outra mão por cima da primeira para que a palma da mão fique suspensa. Erga os
ombros por cima do tórax
da vítima e, com os braços
retos comprima o peito da
vítima sem dobrar os
cotovelos.

Ao comprimir o peito de
uma vítima adulta exerça
uma força que rebaixe o tórax no mínimo cinco centímetros.

Deixe o peito da vítima retornar completamente para aplicar nova compressão. O objetivo
principal da compressão é levar o sangue que sai do coração a cada compressão até o cérebro
por isso é necessário manter um ritmo de no mínimo 110 compressões por minuto para que o
cérebro receba sangue constantemente.

Compressões muito lentas ou muito rápidas não permitem chegar sangue adequadamente até
o cérebro, então, aplique a força adequada para rebaixar o tórax e não comprimir lentamente e
nem comprimir excessivamente o tórax da vítima.

Até o serviço de emergência chegar- as interrupções das compressões devem ocorrer apenas
para aplicar um desfibrilador externo automático,ou se você for um socorrista treinado com
máscara de insuflação boca a boca e com treinamento adequado para realizar uma respiração
boca a boca na vítima.

As compressões no tórax só devem ser paralisadas por completo quando:

1. A vitima voltar a respirar ou acordar;


2. O serviço de emergência chegar ao local e assumir a vítima;
3. Aparecer um risco de imediato que comprometa a vida do socorrista e da
vítima; exemplo: um incêndio ou uma inundação;
4. O socorrista perder a força para continuar a comprimir a vítima; uma ordem
médica ou uma Uma ordem
militar determinar para parar a
RCP;
5. Quando as lesões da
vítima indicam impossibilidade
de retornar a vida, como por
exemplo uma decapitação ou uma
rigidez cadavérica, ou seja, o
corpo já é um cadáver.

As compressões de RCP em crianças devem ser realizadas com apenas uma mão para não
causar lesões no tórax dela. A profundidade de rebaixamento do tórax na criança deve ser no
mínimo de centímetros. Todas as demais recomendações devem ser mantidas.

Lateralização de uma Vítima Inconsciente

Caso uma vítima inconsciente fique deitada em decúbito dorsal, ou seja, de barriga para cima
pode ocorrer engasgo devido às secreções da boca ou pela própria língua que tampa a
passagem do ar. O socorrista
deve lateralizar a vítima, ou
seja, virá-la de lado,
ocasionando o escoamento
dos líquidos da boca e o
desvio lateral da língua
deixando o ar passar. Para lateralizar a vítima protegendo a coluna, ajoelhe-se ao lado dela
levante o braço que está longe de você. Coloque o braço da vítima que está perto de você na
axila dela.. Dobre o joelho da vítima que está próximo de você. Com uma de suas mãos
carregue a cabeça da vítima ao mesmo tempo em que virar o joelho dela virando-a
completamente. Posicione o braço dela e abra-a lhe a boca para escoar secreções e desviar a
língua da vítima.

O que não Fazer

Agora que você sabe o que fazer nas compressões torácicas, vamos ver O QUE NÃO FAZER:
1. Não faça compressões com a vítima sob colchões ou almofadas. Não faça
compressões com a vítima desalinhada;
2. Não faça compressões se estiver em pé ou semi assentado, exceto se a vítima
estiver numa maca de altura adequada;
3. Não faça compressões fora do meio do peito da vítima; Não faça compressões
com a palma da mão;
4. Não faça compressões lentas ou rápidas demais;
5. Não demore mais que dez segundos para retornar a comprimir o tórax da
vítima após qualquer procedimento.

Desfibrilador Exerno Automático

Um desfibrilador externo automático


é um aparelho que fornece um
choque capaz de reanimar o coração
da vítima voltando a bombear o
sangue novamente. Caso chegue para
o socorrista um desfibrilador externo
automático, o socorrista deverá:
1. Parar a reanimação cardiopulmonar.
2. Ligar o aparelho, seguir as instruções dele, acionar a tecla choque somente
quando o aparelho recomendar.
3. Realizar a reanimação cardiopulmonar sempre que o aparelho indicar e sempre
após cada choque realizado.
Hemorragias

Outro fator de ameaça a vida são os sangramentos e as hemorragias. Sangramento é a saída de


sangue por ruptura de um vaso sanguíneo: seja veia, artéria ou um capilar. Hemorragia é um
sangramento que não cessa após tentativas de contê-lo. Se um sangramento ou hemorragia sai
de uma artéria, chamamos de sangramento arterial ou hemorragia arterial, sendo de gravidade
alta, que exige que os primeiros atendimentos ocorram em menos de cinco minutos.

Se um sangramento ou hemorragia sai de uma veia chamamos de hemorragia venosa − e as


classificação pode ser de gravidade média a alta e exige que os primeiros atendimentos
ocorram de cinco a dez minutos.

Se um sangramento ou hemorragia sai de um capilar chamamos de sangramento ou


hemorragia capilar e sua classificação pode ser de gravidade baixa a média, podendo os
primeiros atendimentos ocorrerem de dez a 30 minutos.

Outra classificação importante nas hemorragias é identificar se são internas, ou seja, ocorrem
dentro de órgãos e cavidades do corpo ou se são externas, se ocorrem pelos ferimentos da
pele.

Para suspeitar de um sangramento ou


hemorragia interna observe se a vítima
possui hematomas, edemas, se está com
endurecimento no abdome, se há
presença de sangue na urina, catarro ou
vômitos, se está confusa, pálida, com
dificuldade para respirar e batimentos
cardíacos acelerados.

Os principais cuidados para um possível sangramento ou hemorragia interna são:

1. Identificá-lo(a) ao suspeitar de sua existência rapidamente.;


2. Não permitir à vítima esforço físico;
3. Aquecê-la vítima.
4. Transportá-lo o mais rápido possível ao hospital adequado.
A identificação de um sangramento ou hemorragia externa é mais fácil devido à visualização
da saída do sangue por um ferimento.

O principal cuidados para um sangramento ou hemorragia externa é tentar conter o


sangramento ou hemorragia comprimindo no local do ferimento com um pano limpo por um
período de cinco a dez minutos. Caso o pano encharque de sangue, não o retire colocando
mais panos por cima evitando retirar coágulo que está sendo formado, coloque mais panos por
cima o quanto precisar.
Se o sangramento ou hemorragia não cessar e se for em braços e pernas eleve os membros
diminuindo a chegada de sangue no local do ferimento.Persistindo o sangramento ou
hemorragia, comprimir pontos arteriais próximos ao ferimento diminuindo também a chegada
de sangue no local do ferimento. Refaça esses procedimentos quantas vezes necessárias e
encaminhe a vítima ao hospital que tenha um cirurgião.
Ferimentos são lesões que ocasionam a destruição da pele, podendo levar a sangramentos e
ser porta de entrada de infecção. O
objetivo dos primeiros socorros
em ferimentos é proteger o local
ocluindo a entrada da infecção e
paralisando os sangramentos se
houver. Com um pano limpo e
seco proteja o local do ferimento
ocluindo.
Não lave o local, pois este procedimento será realizado no hospital. Enfaixe o local com
ataduras ou faixas de panos limpos. Caso exista objeto fixado junto do ferimento, do tipo
ferro, faca, espeto, não tente retirar, pois pode ocasionar mais sangramentos e lesões, faça
curativos em volta dele e encaminhe a vítima ao hospital que contenha um cirurgião.

Queimaduras

As queimaduras são lesões de deformidade devido à destruição celular ao contato com uma
fonte de calor. A lesão de destruição pode ser parcial, ou seja, em camadas superficiais da pele
ou total, em camadas mais profundas da pele. Queimadura de primeiro grau de profundidade
superficial com aspectos de hiperemia, ou seja, vermelhidão, dor intensa , não forma cicatriz
no local e descama de quatro a seis dias.
Queimaduras de segundo grau, com
profundidade superficial, atingem uma parte
secundária da pele que é a epiderme. Ocorre
hiperemia que é uma vermelhidão e formação
de flictenas que são bolhas róseas e úmidas.
Dor intensa deixa formação de cicatriz no local
podendo ser transitória ou permanente.
Descamam de sete a 21 dias, geralmente
necessitam de desbridamento e antibiótico.

Queimaduras de terceiro grau atinge todas as


camadas podendo atingir músculos e ossos.
Possui aspecto de cor esbranquiçada ou necrose
da pele, dos músculos e dos ossos. Ocorre
formação de cicatriz permanente no local. Pode
ocorrer perda óssea, amputação e necessidade
de enxerto ósseo.

Obstrução de Vias Aéreas por Corpo Estranho (Engasgo)

A obstrução de vias aéreas por corpo estranho também conhecida como engasgo é o processo
pelo qual os objetos líquidos, semi líquidos e sólidos impedem a passagem do ar para os
pulmões..
Os sinais e sintomas são:

1. Agitação intensa sem capacidade de fazer um sinal de engasgo compreensível.


2. Afonia.
3. Não consegue falar.
4. Apresenta rouquidão.
5. Dificuldade tanto para inspirar quanto para expirar.
6. Prostração.
7. Falta de ar.
8. Suor excessivo.
9. Cor azulada da face conhecida como cianose facial.
Procedimentos para o desengasgo em adultos e crianças:

1. Informe a vítima que


você irá ajudá-la,
posicionando-se atrás dela;
2. Com uma das mãos
localize a cicatriz umbilical;
3. Dois dedos acima do
umbigo da vítima ou dois dedos abaixo do osso esterno apóie uma mão fechada com o
polegar de encontro ao abdome da vítima;
4. Circundando a vítima com a outra mão livre sobreponha sob a mão que está
em contato com o abdome da vítima;
5. Com o pé de apoio entre as pernas da vítima apoie a sua cintura ao dorso da
vítima, estabilizando- a e evitando a queda de ambos;
6. Realize compressões fortes e eficazes no abdome da vítima compressões para
dentro e para cima, até que a vítima consiga expelir o corpo estranho que está
engasgado

Atenção! Em obesos e gestantes realizar as compressões no osso esterno.

Manobra de Desobstrução

Procedimentos de desengasgo em
bebês e lactentes.

1. Posicione a vítima
com a região da cabeça
inclinada para baixo com o tórax apoiado em um de seus antebraços com a região
chamada de “calcanhar das mãos” entre os punhos, realize cinco compressões entre as
escápulas do bebê;
2. Vire o bebê de barriga para cima mantendo- o apoiado sobre o antebraço;
3. Coloque dois dedos no osso esterno abaixo da linha dos mamilos e efetue
cinco compressões;
4. Repita o procedimento até a vítima voltar a chorar o que confirma o
desengasgo.
11. BIBLIOGRAFIA

Norma Regulamentadora NR 10, Segurança em Instalações e Serviços em


Eletricidade. NBR-5410 - Norma Técnica Brasileira de Instalações Elétricas de Baixa
Tensão.
NBR-5419 - Norma Técnica Brasileira de Proteção de Estruturas contra Descargas
Atmosféricas.
NBR-14039 - Norma Técnica Brasileira de Instalações Elétricas de Média Tensão.
NBR-5444 - Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais.
NBR 5418 - Instalações Elétricas em Atmosferas Explosivas.

Manual de Treinamento – CPNSP.

Comitê do PHTLS da National Association of Emergency Medical Technicians (NAEMT).

ATLS- Advanced Trauma Life Support, American College of Surgeons (ACS).

Blog No Trauma.