Você está na página 1de 8

3 fatores para levantar antes de iniciar projeto de IPTV

Com certa frequência, abordamos a potencialidade do investimento em IPTV aqui no blog da


Cianet. Esse tipo de tecnologia, disponível para provedores de qualquer porte, é capaz de
possibilitar novos modelos de negócio, ampliar o upselling e aumentar o faturamento, além de
ofertar TV com maior qualidade de som, imagem e programação aos clientes. Com base nessas
perspectivas, separamos três fatores que devem ser levados em consideração antes de iniciar
projeto de IPTV. São eles:

1. Levantamento do perfil de clientes: Como em todo novo projeto, uma pesquisa de mercado
é essencial para minimizar erros em médio e longo prazo na execução. Um dos aspectos que
esse documento deve abarcar diz respeito ao perfil de clientes que o seu provedor deseja
alcançar com a oferta de IPTV. Além disso, no raio de localização do seu negócio há a
concentração de qual tipo de consumidor? A resposta a essa pergunta é essencial para planejar
uma série de outros fatores, principalmente a escolha dos canais ofertados, conforme
abordamos no próximo tópico.

2. Escolha do line-up de programação

Conhecendo o perfil do público-alvo da região, é chegado o momento de definir quais canais


serão ofertados antes de iniciar projeto de IPTV. Nesse momento, tente responder a perguntas
como: “qual é a cultura que predomina em minha região?”, “Há concentração de qual faixa
etária de consumidores?” etc. Também é fundamental ter em mente que filmes, desenhos
animados e principalmente novelas devem fazer parte de qualquer programação.

O que é PTT, conhecidos como Pontos de Troca de Tráfego na Internet

Paulo Alvespor PAULO ALVES

Para o TechTudo

FACEBOOK

TWITTER

A Internet é complexa e para entender como a rede mundial de computadores funciona é


importante saber como é a sua estrutura de provedores de acesso e conteúdo. Os Pontos de
Troca de Tráfego (PTTs) são os pilares para garantir conexão segura, rápida e confiável para os
usuários. Saiba o que são os PTTs e aprenda qual é a importância do projeto para garantir o fluxo
de dados na Internet.

PTT.br é essencial para melhorar tráfego de informações entre provedores (Foto:


Divulgação/NIC.br)

PTT.br é essencial para melhorar tráfego de informações entre provedores (Foto:


Divulgação/NIC.br)

Os Pontos de Troca de Tráfego funcionam como hubs em que provedores podem conectar seus
servidores, facilitando o tráfego de informações. No Brasil, o PTT.br é um projeto de PTTs locais
gerido pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto Br (Nic.br) e pelo Comitê Gestor da
Internet no Brasil (CGI.br), que facilita o fluxo de informações entre provedores de internet e
conteúdo online no país. Na prática, quanto maior e melhor for um PTT, mais dados os
provedores conseguem trocar, melhorando a eficiência da rede e encurtando o caminho da
conexão entre os computadores.

Hoje, o NIC.br opera 25 Pontos de Troca de Tráfego no Brasil nas cidades de Americana (SP),
Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campina Grande (PB), Campinas (SP), Caxias do
Sul (RS), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), Lajeado (RS), Londrina
(PR), Manaus (AM), Maringá (PR), Natal (RN), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ),
Salvador (BA), São Carlos (SP), São José dos Campos (SP), São José do Rio Preto (SP), São Paulo
(SP) e Vitória (ES).

Uma rede de redes

A internet não é uma rede única. Na verdade, ela é composta por um conjunto de redes geridas
por provedores de acesso à Internet, que são os meios pelos quais os usuários domésticos e
comerciais podem acessar e publicar conteúdo na web. Portanto, a Internet é o agrupamento
dessas networks, que se interconectam direta ou indiretamente para trocar dados digitais.

Descentralização da rede permite que dados possam navegar por múltiplos caminhos (Foto:
Divulgação/NIC.br)

Descentralização da rede permite que dados possam navegar por múltiplos caminhos (Foto:
Divulgação/NIC.br)

Isso torna a Internet imune a um ponto crítico único, já que os dados que saem do computador
de um usuário têm múltiplos caminhos para percorrer até chegar ao servidor de destino, e vice-
versa – essa a principal característica do que se chama de "descentralização da rede".

No entanto, a troca de dados entre os provedores de Internet é essencial para que esse
mecanismo funcione, o que é dificultado pelo custo alto de criação de conexões diretas entre os
provedores. Por isso, ligações desse tipo são menos comuns, abrindo espaço para o PTT local
concentrar e distribuir.

Vantagens do PTT.br

Não é à toa que o NIC.br investiu em 25 Pontos de Tráfego no Brasil. Afinal, há inúmeras
vantagens para um provedor de Internet que se conecta a um hub como esse, como economia
nos trânsitos, por conta da troca de tráfego com seus pares; e maior velocidade na conexão
direta com outros provedores.

PTTs são hubs em que diversos provedores se conectam para trocar informações (Foto:
Divulgação/NIC.br)

PTTs são hubs em que diversos provedores se conectam para trocar informações (Foto:
Divulgação/NIC.br)

saiba mais

O que fazer quando roteador Wi-Fi deixa a Internet lenta

Qual conexão escolher? HDMI, VGA, DVI ou DisplayPort?

Lei da banda larga: como funciona e onde reclamar da velocidade da conexão

Baixe o Mandic Magic e descubra a senha de Wi-Fi em locais públicos!

Há ainda vantagens comerciais, como há possibilidade de vender conexões a outros provedores,


o que pode ajudar a melhorar a qualidade de prestadores de serviços de menor alcance que não
estão no escopo do PTT.br.
É importante ressaltar que o PTT.br foi criado pelo NIC.br com premissas básicas da web,
inclusive abarcadas pelo recém aprovado Marco Civil da Internet Brasileira, que ainda tramitará
no Senado. São elas: neutralidade, qualidade, baixo custo e alta disponibilidade; e matriz de
troca de tráfego regional única.

Na sequência, os contratos com as programadoras poderão ser fechados com maior facilidade. A
filiação à NEOTV pode ser o melhor caminho para pequenos provedores terem acesso aos canais
a serem ofertados aos consumidores. As mensalidades de associados costumam custar, em
média, R$ 1,2 mil.

3. Consideração da localização geográfica

Antes de iniciar um projeto de IPTV, também é fundamental que seja feito um estudo da região
onde o provedor deseja oferecer seus serviços. Em grandes centros urbanos, por exemplo, é
comum que haja interferências causadas por operações de rádio em uma faixa de frequência
próxima. Já nas regiões mais interioranas, é mais difícil haver interferência, porém, os morros
podem causar “sombra” nos sinais transmitidos. Por isso, é válido conhecer bem o local para que
a entrega de TV via IP e qualquer outro serviço de uma operadora não seja comprometido.

TVoD como oferta complementar para operadoras de TV

A TVoD, ou TV on Demand (Televisão sob demanda) é o presente e o futuro da televisão. Assistir


aos programas ofertados pela TV por assinatura no horário que quiser, com a possibilidade de
retroceder, avançar e pausar já é uma realidade. E a TVoD vai continuar a crescer no mundo
todo. Por isso, é preciso ofertá-la junto aos pacotes de TV por assinatura, inclusive para
enfrentar a concorrência de serviços de Web TV, como Netflix e Apple TV.

Para fidelizar clientes e conquistar novos usuários, é muito interessante que as operadoras de TV
e provedores de internet ofertem esse serviço complementar. E a tecnologia IPTV é um meio de
prover a TVoD sem gastos extras, utilizando a mesma infraestrutura – inclusive o set-top-box –
da TV por assinatura comum e da internet do cliente.
A TVoD se diferencia da Web TV por conta do QoS, Quality of Service, que é um requisito para a
qualidade dos serviços trafegados na rede, garantindo um bom desempenho de todas as
aplicações. Na Web TV, a banda utilizada é a mesma da internet, o que pode comprometer a
qualidade da imagem e a velocidade da internet.

Na TVoD via IPTV, por exemplo, outra banda é utilizada para trafegar os dados do serviço, o que
não compromete a internet e ainda garante a qualidade da imagem da TV. A TVoD, nesse caso,
funciona da seguinte forma: o gravador captura os canais de TV e armazena o conteúdo em um
storage no headend, podendo ser disponibilizados para os assinantes a qualquer momento, com
as funções de parar, avançar ou retroceder a reprodução.

Oferecer TVoD junto ao serviço de TV paga é ainda um diferencial para fidelizar e conquistar
clientes e garantir mais faturamento para o seu provedor.

Saiba como financiar a implantação do IPTV na sua empresa

Realizar a implantação do IPTV na sua empresa requer investimentos, tanto para adquirir os
equipamentos necessários quanto para arcar com a instalação da nova tecnologia. Você pode
considerar a possibilidade de aplicar capital próprio ou contar com a ajuda de sócios. Entretanto,
o custo de reposição de investimento próprio costuma ser maior do que os valores cobrados por
bancos e demais instituições financeiras. Por isso mesmo, a melhor opção são os programas de
financiamento e linhas de crédito oferecidas pelos bancos ou programas do governo.

Antes de firmar o compromisso, analise com atenção os termos de pagamento e tenha certeza
que a sua empresa possui condições de arcar com a dívida. O que você precisa ter em mente é
que a obtenção desses recursos é um projeto que se cumpre a médio ou longo prazo. Portanto,
faça uma projeção para o futuro, levando em conta a taxa de juros e as demais despesas que
você já tem. Certifique-se de que seja um investimento propício, de acordo com o momento da
sua empresa.

Consultoria com um especialista para conseguir o financiamento

O primeiro passo é buscar uma empresa de consultoria ou os serviços de um especialista para te


orientar. Desse jeito, você terá o auxílio que precisa para escolher a melhor alternativa para sua
empresa, e também para conseguir o financiamento.
Não abra mão de contar com a ajuda de um profissional. Além de ter experiência na elaboração
do plano de negócio e das propostas, os consultores estão acostumados com os trâmites legais e
a burocracia exigida pelas financiadoras. Cada instituição apresenta uma série de exigências e
empecilhos nessa etapa podem atrasar ou impedir a implantação do IPTV na sua empresa.

Procure sempre profissionais com experiência sólida, de preferência recomendados por amigos
ou colegas que já tenham utilizado o serviço. Se você tiver ainda dúvidas, marque reuniões com
diferentes consultores para conhecer melhor o trabalho de cada uma deles.

BNDES: Financiamento para pequenas, médias e grandes empresas

O Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) oferece várias possibilidades de crédito


direcionado, por exemplo, para compra de equipamentos e ampliação dos serviços, entre outras
opções. Para ter acesso ao financiamento, é necessário primeiro conseguir a aprovação do
crédito em uma instituição financeira credenciada.

Caixa Econômica: Linhas de crédito e financiamento para pequenas empresas

A Caixa Econômica Federal disponibiliza linhas de crédito e oportunidades de financiamento para


investir no crescimento ou na modernização do seu negócio, com projetos voltados para as
pequenas empresas. Procure aquela que mais se adequa tanto às suas necessidades, quanto ao
seu orçamento.

Outras entidades financiadoras

É possível negociar o financiamento com um banco da sua preferência. Várias instituições


oferecem acesso ao crédito e ao financiamento empresarial. Como o Banco do Brasil, cujo foco é
o crédito de baixo risco, além de Santander, Itaú e Bradesco.

Também existem bancos estaduais e agências de fomento com programas semelhantes, como o
Banco do Povo Paulista (BPP). Consulte as opções disponíveis para a sua cidade.

Depois de analisar as alternativas, escolha aquela que oferecer melhores condições a longo ou
médio prazo. Ainda assim, é sempre válido recorrer a um consultor ou especialista para te ajudar
na hora de tomar essa decisão e garantir a implantação do IPTV na sua empresa.

3 erros mais comuns na instalação do headend e como evitá-los

Na implantação de TV por assinatura, a instalação do headend é uma das principais etapas


técnicas. O headend, como já abordamos no blog, é uma central de recepção, processamento e
transmissão de sinais de vídeo e áudio para os assinantes de TV paga. Portanto, é ali que entram
e dali que saem os sinais dos canais do lineup que chegam às casas dos assinantes. Falhas
técnicas na instalação do headend farão com que alguma etapa nesse processo não seja bem
efetuada e o sinal chegue deficiente ou até não chegue às residências dos assinantes.

Durante a instalação do headend, é comum acontecer alguns erros.Listamos alguns deles e


apontamos a maneira certa de realizar a instalação:

1. Alinhamento de antenas

Para receber sinais via satélite, é preciso possuir uma antena para cada satélite (e às vezes até
mais de uma antena apontando para o mesmo satélite), alinhadas de forma a receber os sinais
próprios. Além da antena, é necessário um iluminador e um LNB. O iluminador concentra o feixe
elétrico captado pela antena e transfere o sinal para o LNB, que é onde ocorre a conversão da
frequência e a amplificação do sinal recebido. Ele é convertido para poder ser transmitido pelo
cabo coaxial até o headend. Já os sinais de canais locais chegam via transmissão terrestre (a
partir de antenas instaladas em solo); e, portanto, o processo é bem mais simples. Uma antena
comercial local capta os sinais de TV locais e os transfere para o headend.

2. Integração do ERP do provedor ao middleware

O ERP do provedor precisa estar integrado com o middleware, para que informações de clientes,
tais como cadastro de novos assinantes, bloqueio de inadimplentes, plano contratado, etc.
sempre estejam sincronizadas com o middleware, facilitando assim a gerência pelo provedor do
seu sistema de IPTV.
3. Site survey (inspeção/ estudo técnico do local de instalação)

É preciso ter uma boa equipe técnica para a instalação do headend, e é ela que deve realizar
essa inspeção no local de implantação. Assim, fatores como alinhamento da antena, peso
suportado pela base de instalação e distância das antenas para o headend não deem problemas
futuramente, tanto em questões de estrutura física como de transmissão dos sinais (antena ->
receptores). Não é demais ter uma consultoria externa envolvida no processo, principalmente da
fornecedora dos equipamentos de headend. Os equipamentos necessitam estar em total
conformidade para esse processo. De outra forma, toda sua estrutura pode vir a sofrer danos.

Não deixe que a implantação do headend atrapalhe sua instalação de TV por assinatura. Seja
rigoroso nos aspectos técnicos e seu negócio terá a qualidade requerida por seus clientes.