Você está na página 1de 94

Márcia Regina Dickmann

VULTOS DE NOSSA HISTORIA

PREFEITOS DE BLUMENAU
MÁRCIA
REGINA
DICKMANN, natural de Itajaí.
Iniciou trabalhando na Rede Fronteira de Comunicação
em 1989 como repórter e produtora. Foi assessora de
Comunicação da Câmara de Gaspar e jornalista na
Rádio Nereu Ramos. Fundou o Jornal Correio do Vale
em Blumenau.
Na condição de Presidente da Assembléia
Legislativa do Estado de Santa Catarina recebo a honrosa
tarefa de prefaciar esta obra com a biografia dos
administradores do Município de Blumenau, ao longo de
150 anos de história.
Do Doutor Hermann Bruno Otto Blumenau ao
Prefeito Décio Nery de Lima, a gente de Blumenau
percorreu uma longa jornada de trabalho e lutas contra
as vicissitudes, sempre tendo a frente, homens
comprometidos com o bem estar, com a prosperidade,
preservando características e peculiaridades que fazem
desta comunidade, uma comunidade especial, impar em
nosso País.
Na biografia de cada um a governantes de o
Blumenau está contida história e heroísmo anônimo
dos cidadãos comuns, sem o quais esta história não
estaria sendo escrita. dos
Tenho certeza de que os blumenauenses de hoj e
vêem-se retratados na biografia dos seus governantes.
Tenho certeza que, os governantes ao longo dos 150 anos
de história sentiram-se intérpretes das vontades e dos
anseias dos seus concidadãos. Ao cumprimentar cada
cidadão de Blumenau e sua cidade sesquicentenária, rendo
minha homenagem a mulheres e homens que escrevem uma
exemplar história que é motivo de orgulho, não só para
quem aqui vive, mas motivo de orgulho para todos os
catarinenses e brasileiros. Parabéns gente de Blumenau.

Gilmar Knaesel
Presidente da Assembléia Legislativa
do Estado de Santa Catarina
Blumenau é rica em história. Desde o momento em
que se lnlClOU a sua colonização, tem construído um acervo
digno das melhores tradições. E a cada dia surgem novas
iniciativas, enriquecendo as suas letras e ampliando a
visão dos acontecimentos que a fazem chegar aos nossos dias
como uma cidade única no país.
Faltava, mesmo, era o interesse pelo aspecto
político dessa história. Há muito que saber desde a
instalação do município, em 10 de janeiro de 1883, quando
se outorgou a autonomia política e administrativa a estas
paragens, encerrando seu tempo como colônia. Passagens
riquíssimas em conteúdo e significado dormem (ou dormiam) o
inexplicável sono do desinteresse, perdidas nos escanihos
do tempo. E é preciso consciência de que um povo sem
história é um povo sem passado e um povo sem passado corre
riscos quanto ao futuro. Quem não conhece suas raízes
priva-se da avaliação de valores. Fica sem modelo. Falta-
lhe a referência.
Esta obra chega em boa hora. Exemplo de outra,
recentemente lançada pelo Poder Legislativo, ela busca a
reconstituição do tempo e, dentro dele, pessoas que deram
de si para construir nossa cidade, desenvolver nosso
município, emancipar nossa terra. Inegavelmente, trazer à
luz os Executivos de ontem e de hoje ajuda a esclarecer
muita coisa que permanece obscura, toldada pela bruma do
descaso. E é certo que, a partir de agora, será bem mais
fácil encontrar os caminhos abertos desde 1850 com a
chegada dos primeiros dezessete imigrantes. E dever de
justiça que não poderia delongar-se. É imposição da
história o reconhecim~nto por esses bravos que souberam
legar-nos tão bons exemplos.
Muito suor, muitas lágrimas, incompreensões,
desencantos, sofrimentos e alegrias permeiam, sem
prefaclo ................................................ . 0
Apresentação ............................................ . 5
dúvida, a estrada daqueles que souberam aceitar desafios, Dr. Hermann Bruno Otto Blumenau 07
transpor obstáculos e moldar o caráter de uma cidade como a ....................................... 1
nossa. Em apenas 150 anos já passou por experlencias e 1
José Henrique Flôres Filho
alcançou resultados que se sobrepõe aos de comunidades mais 1
.........................................................
antigas, de igual porte e tão nobres aspirações quanto às 9
.
nossas. Capital Econômica do Estado por muito tempo, "Kleine 2
Deutschland" com forte sotaque das tradições germânicas que Guilherme Scheefer 3
embasam sua vocação realizadora, Blumenau é o resultado da ................................................. 2
soma de esforços dos seus filhos e de quantos a adotaram Gustavo Sallinger ....................................... . 7
fazendo dela sua Henrique Clasen ......................................... . 3
opção de vida. José Bonifácio da Cunha 1
3
A história não se faz com um volume apenas. Mas a Dr. Fritz Müller
5
justiça que se quer feita, reconhecendo as ações daqueles que Guilherme Engelke 4
nos antecederam e tanto fizeram por essa terra, começa aqui. Francisco Faust 1
Oxalá Macia Regina encontre respaldo para levar adiante este 4
trabalho e produzir outros volumes de exaltação aos prefeitos .............................................................
7
de Blumenau uma página que permanecia em branco até agora. Henrique Probst ......................................... .
5
Otto Stutzer ............................................ .
Parabéns, Blumenau! 1
Alwin Franz Schrader 5
Paulo Zimmermann 5
...................................................................... 5
Curt Victor Hering 9
João Kersanach 6
.......................................................................... 3
Antônio Cândido Figueiredo 6
......................................................... 9
Vereador Deusdith de Souza Presidente . 7
Jacob Alexandre Schmidt 5
da Câmara Municipal de Blumenau
8
........................................................
1
Antônio Martins dos Santos
8
.................................................. 5
João Gomes da Nóbrega 8
Germano Beduschi 9
Alberto Stein 9
José Ferreira d~'~ii~~"""""""""""""""
........................................................ 3
Dr. Afonso Rabe 9
......................................................................
Alfredo Campos ......................................... . 7
Frederico Guilherme Busch Júnior 101
.................................... 105
Bruno Hildebrandt 109
Hercílio Artur osca~'~~~k~""""""""""""" 113
Dr. Gerhard Carlos Francisco'~~~f~~~"""""""" ............................ 117
Carlos Curt Zadrosny 121
Evilásio Vieira 127
Félix Christiano ;h~i~~"""""""""" .............................................. .
...................................................... 131
Renato de Mello Vianna 137
Ramiro Ruediger 141
Dalto dos Reis 147
Vilson Pedro Klei~~bi~~"::::::::::::::::::::::::::: 153
DR. HERMANN BRUNO OTTO BLUMENAU
1850 - 1883
DR. HERMANN BRUNO OTTO BLUMENAU - O desbravador de
Blumenau nasceu em Hasselfelde, cidade do Ducado de
Brunsvique, Alemanha, no dia 26 de dezembro de 1819, filho de
Carlos Frederico Blumenau e Cristina Sofia Kegel. Era o sétimo
filho do casal. Seu pai era engenheiro florestal e de minas e
sua mãe dona de casa. Estudou até os dez anos de idade na
Escola Primária Comunal, em Hasselfeld e logo depois no
pensionato do pastor J. L. Gótting, em Winnigsteldt, onde se
preparou para o ginásio. Em 1831 uma doença grave lhe provocou
a surdez. Três anos depois foi estudar no Ginásio Martino
Katarineum, em Brunsvique. Por determinação de seu pai
abandonou os estudos e iniciou estágio na farmácia de Hampe em
Blankenburg e mais tarde foi trabalhar como aprendiz de
farmacêutico na farmácia do sr. Koch, em Erfurt, onde conheceu
Fritz Müller. Em 1840 o seu espírito aventureiro fala mais
alto. Abandona o trabalho e a pé inicia uma viagem por Boêmia,
Áustria Superior, Salzburgo e Gastein. Retorna a sua cidade
natal e começa a trabalhar na Farmácia Gerhart, e em 1841 vai
trabalhar em outra farmácia na estação balneária de Salzuflen
permanecendo até o final do ano. Torna-se sócio na Fábrica de
Produtos Químicos de Hermann Trommsdorff, tio de Fritz Müller,
em Erfurt, e volta a estudar e se interessar pelo problema
imigratório. A serviço viaj a para Inglaterra e França, onde
conhece o cônsul brasileiro na Prússia, João Jacob Sturtz, de
quem recebe informações sobre a emigração brasileira. Retorna
a Erfurt e encerra o contrato com a Fábrica da qual era SOC10.
Em setembro desse ano inicia o Curso de Química da
FAçuldade de Filosofia de Erlang~n, e em 23 de março de
1846 ao obter o grau de doutor em Filosofia defende a tese
sobre "Os Alcalóides e as bases salinas afins em suas
relações e correlações gerais", que é publicado em Leipzig
pelo professor Wappaus. No dia 3 O de março do
embarca em Hamburgo para o Bras_il através da distribuição dos 11 primeiros são as dificuldades, tanto

mesmo
, ano e droP teção aos Emigrantes emaesAl'-
no,u o S 1 d
Socledade '9 d lotes coloniais. financeiras,
'1 on
BraSl d e'
e comissionado. Chega ao Brasll no dla, d 1 e "
'h
Jun o no po rto do Rio Grande do Sul.
", Depols e Vlsltar
Pelotas e região, segue para o Rlo de Janelro e no dla Diversas como as
04 de agosto conhece Fernando Hackradt, seu futuro
sócio. relacionadas aos bugres existentes na reglao, que atacam as
No dia 04 de abril de 1847 vem à Santa catarina, casas, ferem e matam colonos. Apesar de todos os
onde se encontra com o Presidente da Província, Antero José transtornos, Dr. Hermann inaugura no dia 13 de junho de 1854
Ferreira de Brito. Depois de viajar pela Colônia São Pedro a primeira escola da Colônia. Em 1855 ocorre a primeira de
de Alcântara, Desterro, Itaj ai, e retornar ao Rio Grande várias inundações do Rio Itajaí Açú. O nível do rio chega à
do Sul para visitar colônias alemães, Dr. Hermann Blumenau 13 metros e 30 cm. Vários são os prejuízos. Dr. Blumenau um
chega em dezembro a terra onde fundaria a sua colônia. Em apaixonado pelas letras e artes, perde diversos livros,
companhia de seu sócio começa a explorar em janeiro de 1848 móveis, utensílios, inclusive a serraria que possuía.
os terrenos localizados no Rio Itajaí Acü, e monta
No dia 07 de maio de 1858 é criado o distrito de
acampamento no Ribeirão da Velha. Ali permanece seu sócio,
Paz de Blumenau. As dificuldades para manter a Colônia são
dando inicio ao estabelecimento, enquanto Dr. Blumenau
enormes e Dr. Blumenau resolve transferir o empreendimento
segue até Subida, e depois viaja ao Desterro (hoje
ao Governo Colonial. Isso ocorre em janeiro de 1860, e Dr.
Florianópolis)., onde encaminha à Assembléia Legislativa
Blumenau mantém-se na direção do estabelecimento conforme
Provincial um memorial e requerimento de terras na
firmado no contrato. Nesse meio tempo é fundada na Colônia
qualidade de representante da Sociedade de Proteção aos
a Sociedade dos Atiradores.
Emigrantes Alemães. No entanto, o projeto é vetado pelo
presidente Provincial. Em Hamburgo dissolve-se a Sociedade A partir de agora, Dr. Blumenau passa a
e Dr. Blumenau constitui aqui a Firma "Blumenau & Hackradt". encaminhar relatórios ao Governo Imperial, prestando conta
Inconformado com o veto ao seu pedido, Dr. Hermann Blumenau das atividades. Em 1862 acontece a fundação de Gaspar e em
apresenta novo requerimento ao Governo Imperial e segue 01 de fevereiro de 1864 começam as obras do caminho à
para a Alemanha para buscar colonos para o estabelecimento. Gaspar, (atual Rodovia Jorge Lacerda) .
Isso ocorre em 1849. Em 1850 retorna ao Brasil e recebe no
Rio de Janeiro três péssimas notícias: a morte de seu pai, Dr. Blumena enfrenta nova enchente. Desta vez o
o fim do seu noivado e o fim da sua sociedade com Hackradt. nível do rio chega à 10 metros. No dia 21 de março de 1867
Finalmente no dia 02 de setembro de 1850 chegam ao casa-se com Berta Repsold, na Alemanha. Filha de um
acampamento os 16 emigrantes alemães acompanhados pelo industrial. Teve quatro filhos, sendo que um menino morreu
sobrinho do Dr. Blumenau, Reinoldo Gartner. Começa aí a pouco depois do nascimento.
realização do sonho de um aventureiro. Dr. Blumenau recebeu várias condecorações pelas
A Firma Blumenau & Hackradt é dissolvida. Em 1851 atividades realizadas, dentre elas, destacam-se: a Ordem da
Rosa; a Comenda da Ordem de Cristo. A Colônia que fundara
morre na Alemanha a mãe do desbravador de Blumenau.
também é agraciada com prêmios durante a participação da
Exposição Universal de Paris. O fundador de Blumenau tem
diversos artigos publicados na imprensa alemã, entre os
quais: o memorial enviado ao governo alemão intitulado "Colonização Alemã no Sul do Brasil"
o livro: O Sul do Brasil em relação à emigração e colonização alemã; os artigos "Aviso aos Emigrantes para a Província
de Santa Catarina"; e a Colônia Alemã Blumenau na Província de Santa Catarina - Sul do Brasil. No ano de 1875 chegam à
Colônia os primeiros emigrantes italianos e austríacos.
o primeiro vigário católico chega a Colônia em
1876. Trata-se do Padre José Maria Jacobs. Dr. Blumenau XV de Novembro, (hoje principal via da cidade), foi aberta
sugere ao Governo Imperial a emancipação da Colônia e sua em 1850, quando os emigrantes fizeram uma trilha atrás de
transformação em município. Nesse ano o presidente Taunay uma vaca fujona.
visita a Colônia. A rua foi mais tarde batizada de Wurtstrasse
Em 1877 é fundado o Colégio São Paulo (atual (Estrada da Lingüiça), nome que permaneceu até 1890,
Santo Antônio) e as igrejas são concluídas. A diretoria da quando finalmente recebeu a denominação de seu atual
Colônia é transferida para a nova sede (prédio que seria nome.
depois a prefeitura e hoje está instalada a fundação de Dr. Blumenau não permitiu a entrada de negros na
Cultura), inaugurado em 1875. Colônia, e por isso quando houve a assinatura da Lei Áurea
Em 1878 funda-se a Companhia Fluvial de Navegação a vida econômica do estabelecimento não foi afetada.
a Vapor e adquire-se o vapor Progresso. No dia 04 de
fevereiro de 1880 ocorre a transformação da Colônia em O fundador da cidade era um homem áustero, muito
município, através da Lei 860. O governo Imperial atendendo apegado à sua mãe. Mesmo depois de ter deixado o município,
aos pedidos do Dr. Blumenau declara pelo decreto 7.693 a Dr. Blumenau manteve contatos com amigos, enviando sementes
emancipação da Colônia até o Ribeirão Neisse. Em setembro e livros. Era apaixonado por plantas e dedicava muito tempo
ocorre nova enchente de 17 metros e 10 cm do Rio Itajaí ao jardim da sua residência, tanto, que vale aqui relatar
Açú, e Dr. Blumenau perde parte de sua biblioteca. Sua um fato ocorrido: em determinado tempo, o seu jardim foi
família embarca para 'a Alemanha, em 1882. Em março do atacado por formigas e para acabar com as invasoras, o
mesmo ano ocorre a emancipação de toda a Colônia. fundador de Blumenau, contratou um menino para que ficasse
No dia 10 de janeiro de 1883 ocorre a instalação à caca das mesmas. Foram oito dias em que o menino não saiu
oficial do município com a posse da primeira Câmara. Dr. do lugar, nem nos dias de forte sol, matando as formigas.
Blumenau funda no Rio de Janeiro a Sociedade Central de Não se sabe se no final as formigas desapareceram, ou o
Emigração. Em 1884 entrega toda a documentação relativa ao rapaz matou todas.
município e em 15 de agosto deixa definitivamente o
município, partindo para a Alemanha, onde fecha contrato de Quando a Colônia passou para o Governo Imperial,
venda das suas terras particulares localizadas na Velha e haviam aqui quatro olarias, uma fábrica de vinagre, uma de
na Ponta Aguda com Gustavo Stutzer. Esse contrato no cerveja, uma de charutos, uma padaria, dois engenhos de
entanto lhe ocasionaria transtornos mais tarde, inclusive serra, duas atafonas, uma farmácia, três casas de secos e
uma ação judicial impetrada por Gustavo Stutzer pelo não molhados, duas hospedarias, quarenta e sete engenhos de
cumprimenro do acordo da venda das terras. O processo longo açúcar com alambiques de cachaça e trinta e três engenhos
e complexo foi impetrado na Alemanha e como as leis não de farinha. Havia também um telheiro para desembarque de
correspondiam as do Brasil, não se sabe o resultado do imigrantes, quatro casas para recepção dos mesmos, casa do
processo. Pastor, uma casa de morada, um plano inclinado para
Vale destacar na vida do Dr. Blumenau que apesar descarga de bagagens e 35 pontes. Eram 947 moradores, entre
de todos os problemas existentes quando proprietário da 190 famílias.
Colônia, os colonos o adoravam, tanto que o chamavam
carinhosamente de "Papai Blumenau". A Rua Dr. Hermann Blumenau morreu no dia 30 de outubro
de 1899, em Brunswick, Alemanha.
JosÉ HENRIQUE FLÔRES FILHO
1883 - 1887
JOSÉ HENRIQUE FLÔRES FILHO - Natural da Vila de :ajaí, filho
de um tenente - coronel, fazendeiro e um )s primeiros
moradores do Distrito de Gaspar, José ~nrique Flôres e de
Maria Clara da Silveira, ela ~scendente da família Konder.
Casou-se com Maria L6cia ~ Oliveira, com quem teve seis
filhos. Iniciou a vida rlítica na freguesia de Gaspar. Foi o
primeiro residente da Câmara, que tinha o poder de
administrar o lnicípio. Assumiu o cargo no dia 10 de janeiro
de 1883. ~sse mesmo dia aconteceu a instalação oficial do
nicípio, criado no dia 04 de fevereiro de 1880, pelo ~creto
nO 860. Como presidente decretou o primeiro 'digo de
Posturas do Município, fez melhoramentos na .da social e
econômica do município, como a construção l primeira linha
telefônica entre Blumenau e Itaj aí, m a ajuda de
empresários. Foi durante a gestão de JOSÉ :NRIQUE FLÔRES
FILHO, que foi criado o Distrito de ldaial, no dia 04 de
setembro de 1886, instalada a ®issão de terras e
colonização, e criada a Comarca de .umenau em agosto de
1886. JOSÉ HENRIQUE FLÔRES FILHO ~cebeu a visita do Conde
d' Eu, marido de Dona Isabel. rmaneceu no cargo até o dia
07 de janeiro de 1887. Em lho de 1886 aconteceu as
eleições para a nova Câmara . . ntou a reeleição, e para
isso se utilizou de ·tifícios nem um pouco convenientes.
Protestou contra a eição de Francisco Lungershausen e
Henrique Clasen, r que não falavam o português. A questão
foi levada ao nhecimento do Presidente da Província, que
não acatou repúdio. Mesmo assim, JOSÉ HENRIQUE FLÔRES
FILHO, não .is empossar os eleitos. Os vereadores
revoltados com a sição do presidente da Câmara,
re~orreram novamente ao verno Provincial, que determinou
que JOSÉ HENRIQUE ÔRES FILHO empossasse os eleitos, o que
ocorreu então
dia 07 de janeiro de 1887.
JosÉ HENRIQUE FLÔRES FILHO, permaneceu na Câmara
como suplente até 1888, quando foi nomeado para o cargo de
coletor das Rendas Provinciais. GUILHERME SCHEEFER
Faleceu no dia 18 de março de 1891 em um acidente 1887 - 1889
de aranha (veiculo utilizado naquela época), quando saia da
Coletoria Estadual para a sua casa na Rua Amazonas.

Composição da Câmara
(1883 - 1887)

JosÉ HENRIQUE FLÔRES FILHO –

Presidente LUIZ SACHTLEBEN


OTTO STUTTZER
JACÓ LUIZ ZIMMERMANN
FRANCISCO SÁLVIO DE MEDEIROS
JOSÉ JOAQUIM GOMES
HENRIQUE WATSON
GUIDO VON SECKENDO
ANTÔNIO HAERTEL
GUILHERME SCHEEFFER Industrial operoso e
gressista, à frente de vários empreendimentos no
fcípio, foi o segundo presidente da Câmara. Chegou em
menau no inicio da colonização. Assumiu o cargo no

l 07 de janeiro de 1887. Criou a estação telegráfica,


nizou o patrimônio histórico municipal,
horamentos na estrada à Curitibanos ·e comprou o ágio
fez

da Igreja Evangélica. Permaneceu no cargo até 9.


Participou da fundação da Associação Comercial e
ustrial de Blumenau - ACIB - em 16 de julho de 1898.
Faleceu no dia 22 de setembro de 1915.

GUILHERME SCHEEFFER - Presidente


LEOPOLDO HOESCHEL HENRIQUE CLASEN
FRANCISCO LUNGERSHAUSEN LUIZ
ALTENBURG
JACÓ LUIZ ZIMMERMANN
JOSÉ HENRIQUE FLÔRES FILHO GUSTAVO
SALINGER
ANTÔNIO
HAERTER
GUSTAVO SALLINGER
1889 - 1890
GUSTAVO Caixa Agrícola. Assumiu a
SALINGER - Nasceu presidência da Câmara em 07
em 1849 e veio de janeiro de 1889. Foi na
para Blumenau sua gestão, no dia 25 de
em 1868, aos 19 novembro de 1889 que a
anos de idade. Câmara aderiu a República,
Comerciante promulgada dez dias antes em
conceituado, todo o País.
bastante ativo Permaneceu no cargo até o
e culto, final, em 1890. Foi vereador
dirigia um dos da Câmara em 1892, e depois
mais sólidos nunca mais retornou , vida
negócios do pública. Passou a se dedicar
Vale, a Cia exclusivamente aos egócios.
Industrial e Foi um dos fundadores da
Comercial Associação Comercial
Salinger, Industrial de Blumenau e
localizada na primeiro presidente da
Itoupava Sêca, ntidade, fundada no dia 16
que exportava de julho de 1898, e dirigiu
produtos ociedades culturais e
coloniais, e recreativas. Era apaixonado
lacticínios. pelas etras e Artes. Como
Fundou ainda Maçon, foi um dos fundadores
uma fábrica de da oja FRIEDENSPALME. Foi
charutos e conselheiro municipal na
cigarrilhas. gestão e Guilherme
Foi Cônsul da Scheeffer. Foi delegado de
Alemanha em Bl Polícia em ovembro de 1883 e
umenau, por 25 como primeiro suplente de
anos, e um dos Juiz unicipal instalou a
fundadores da Comarca de Blumenau em
janeiro de 890.
Foi grande
incentivador da
Escola Nova e
da ociedade
teatral
Frohsinn,
(Teatro Carlos
Gomes) .
Casado
pela
segunda
vez com
Apolôni
a von

Faleceu
aos 71 anos,
depois de uma
longa
enfermidade, em
09 de fevereiro
de 1920.

HEHERNRIQUE
CLA8EN 1890

ler - Presidente ) Hoeschl Haertel ungershausen


zimmermann
e Clasen
ruim Gomes rlos Medeiros Krohberger
HENRIQUE CLASEN - Veio para o Brasil em 1856, ixando residência na
pequena freguesia de Itaj aí, onde omeçou a exercer a profissão de ferreiro. Casou-se com
ugusta Mathes. Tiveram quatro filhos. Depois de onze
os, vieram morar em Blumenau, onde HENRIQUE CLASEN, ontou a
sua ferraria, que mais tarde se tornaria loja, Itoupava Sêca. Teve mais
três filhos. Pela sua estima
excelente reputação nos negócios, foi eleito
esidente da Câmara, cargo que ocupou no dia 07 de neiro de 1890. No
entanto, permaneceu somente onze 'as no poder, isso por que no dia
18 de janeiro, o vernador do Estado resolveu dissolver a Assembléia
gislativa e as Câmaras Municipais. Depois de deixar o
argo permaneceu na Câmara como vice - presidente. Foi nselheiro
municipal nas gestões de Guilherme Scheefer Gustavo Salinger.
Participou de Sociedades de Atiradores, de
nástica, Culturais, inclusive de representações
~atrais e Evangélicas. Como cidadão prestimoso,
,ordenou a campanha para instalar uma tipografia para a blicação de
um jornal. Foi um dos primeiros oficiais
Guarda Nacional.

Henrique Clase - Presidente Antônio


Haertel Francisco Lungershausen
Jacob Luiz Zimmermann Luiz
Altenburg
José Joaquim Gomes Francisco
Carlos Medeiros Henrique
Krohber
JosÉ BONIFÁCIO DA CUNHA
1890 - 1891
1892
1898 - 1903
JosÉ BONIFÁCIO DA CUNHA Médico, nascido em
Santo Amara da Purificação, no Recôncavo Bahiano, é um os
personagens de maior destaque na vida política de lumenau. Se
formou pela FAçuldade de Medicina de alvador. Integrou a Expedição
Madeira Mamoré, e foi graciado com a Ordem de Cristo, pelos
serviços restados à população. Veio para Blumenau em 1885, epois de
adoecer. A principio não se envolvera com a olítica, dedicando-se
exclusivamente ao seu consultório édico. Era um homem bondoso e
intelectual. Adorava úsica, tanto que integrava Orquestras, onde
tocava ontra baixo, e se tornara sócio das principais ociedades
culturais e recreativas do município. Aos ouco foi obtendo empatia do
povo. Casou-se duas vezes.
imeiro com Elisabeth Schmidt e depois com Margaret chmidt,
coincidentemente a segunda esposa era irmã de ua primeira mulher.
Teve quatro filhos. Fundou o rtido Republicano em Blumenau. Foi
nomeado Intendente nicipal no dia 18 de janeiro de 1890 por
intervenção Governo do Estado, que havia decretado a dissolução
Assembléia Legislativa e das Câmaras Municipais.
Como Intendente Municipal, um dos primeiros os do Dr.
Cunha, como era conhecido, foi a mudança do me de ruas, a desobs
trução do Rio Itaj aí Açu, com cursos Estaduais, a abertura de novas
Vlas públicas, e
ponte sobre o Rio do Testo. Foi na sua gestão stalada a Comarca de
Blumenau.

No dia 08 de março de 1891 foi eleito deputado Assembléia


Constituinte Estadual. Permaneceu pouco po como deputado por que
no dia 11 de junho de 1891 promulgada a nova Constituição Estadual
que ssolveu a Assembléia Legislativa e as Intendências, terando o
sistema administrativo dos municípios.
Criaram-se os Conselhos Municipais com poderes Legislativos
e as Superintendências, com poderes Executivos. Por sua 1899, permanecendo até 1903. Deve-se ao Dr. Cunha o fato de
vez, Dr. CUNHA é eleita Superintendente e assume o cargo no ter a Câmara designado o dia 02 de setembro de 1850 como o
dia 01 de janeiro de 1892. No entanto, é demitido do cargo da fundação ,de Blumenau e não a data estabelecida pelo
no dia 07 de abril pela Junta Governativa. Irritado não fundador, dla 28 de agosto de 1852, quando distribuiu os 11
aceita a demissão, assim como os integrantes do Conselho primeiros lotes coloniais nas margens do Ribeirão Garcia.
Municipal. Começa assim uma briga entre Blumenau e o
Governo do Estado, que envia à cidade um contingente de 45
Foi na gestão de Dr. Cunha que faleceu o Dr. de
praças para empossar os novos nomeados pelo Governador. Dr.
Hermann Blumenau no dia 30 outubro de 1899 em
CUNHA, em um ato de revolta, antes de deixar o cargo,
Brunswick, Alemanha.
retire todo o dinheiro dos cofres municipais e deposita
num, casa bancária na capital. Como Superintendente dedicou atenção especial a
instrução primária, destinando inclusive seus proventos à
educação, alterou o nome da rua Boulevard Wendeburg para
Por causa da política e de sua atuaçãc Alameda Dr. Blumenau, construiu a ponte do Rio Garcia, fez
republicana, Dr. Cunha foi preso com outro~ o leito da rua XV de Novembro, e deu inicio as obras de
correligionários em 1893. A sua prisão tempo foi revogad, implantação do vapor que ligaria Blumenau à Indaial.
depois pelo Superior Tribunal de anulou o Justiça, que
processo. Porém, Dr. Cunha se outros envolveu en
episódios políticos. Dr. Cunha, magoado e amargurado com a maldosa
, campanha movida pelos seus amigos de ontem, participou
Logo depois de ser solto, Juntamente ,COR em janeiro de 1901 de mais um fato político. Neste dia é
integrantes da Câmara Municipal de Blumenau, em repudlC ' d " ,
, '" elelto Pe ro Crlstlano Feddersen, presldente da Câmara
ao atual governo do Estado, tomam a lnlclatlva de - , _ . '
e por nao concordar com a elelçao e contar com a maioria
aclamar o Dr. Hercílio Pedro da Luz o novo governador de CA l' , _ ,
, , na amara, e e estlpula uma nova elelçao onde e eleito
Santa Catarina, e lmedlatamente o empossam. Como podemoEpresidente Carlos J O' 'd' , _
" , , ' ensen. eplSO lO crla tensao na
notar, um fato bastante lnusltado na vlda polltlca de política local e f t '1 d h '
, ' _ o a o e eva o ao con eClmento do
Blumenau, que naquele momento e elevada a condlçao de Governo do Estado q e t' lt d d ' _
, u man em o resu a o a elelçao
capital provisória de Santa Catarlna. imposta por Dr. Cunha.
Ao saber dos atos acontecidos, o Governador de Estado,
Foi oficial da Guarda Nacional para Blumenau. o
envia à Blumenau um contingente de 200 homens dÓCriou Forca cargo de tesoureiro - procurador do município.
Pública Estadual. Enquanto isso, o grupo de
voluntários e atiradores formado com a interferência de Como médico trabalhou no Hospital de Blumenau, Dr. Cunha, em
Blumenau, segue para a capital. OEe sem receber durante quatro meses entrou com um pelotões se desencontram no caminho, e assim olarbitramento contra a Câmara Municipal,
para receber os blumenauenses que haviam aqui permanecido recebem à balé seus proventos.
o contingente de Florianópolis nas proximidades da RUi F'" d I
, , b h . Ol SOClO o BGE
ItaJal,. e vencem a atal a. O local do confronto (Geografia E t t' t'
, h'" d e s a lS lcas.
con eCldo na lstorla e Blumenau como o "Combate d(
Morroh do Aipim". Por causa de divergências
em Florianópolis, onde atuou como políticas foi residir
eleito novamentl1915. deputado. Faleceu em
Em novembro de o cargo em 02 de janeiro di
Superintendente, assumindo
JosÉ BONIFÁCIO DA CUNHA - Presidente
HENRIQUE CLASEN
GOTTLIEB REIFF
FREDERICO RABE
JOSÉ AGOSTINHO PEREIRA
ANTÔNIO HAERTEL TOMÉ
BRAGA

GUSTAVO SALINGER
AUGUSTO MÜLLER HENRIQUE
REUTER LUIZ ALTENBURG
LEOPOLDO KNOBALUCH
FERNANDO BRAATZ LUIZ
ABY EMÍLIO WEHMUTH
PEDRO SCHMIDT ALEANDRO
LENZI FREDERICO VON
OCKLE GEORG WAMSER TOMÉ
BRAGA-secretário

ANTÔNIO BERNARDO HAENDSCHEN


PEDRO FEDDERSON
JOSÉ NOTARI
CARLOS JANSEN JÚNIOR
RICARDO HOLETZ
FREDERICO DONNER
RI CARDO
VOIGT
GOTTLIEB REIF
CARLOS RISCHBIETER

DR.
FRITZ
MÜLLER
1892
Dr.
JOHANN FRIEDRICH THEODOR MÜLLER - o filósofo, 10 de
DARWIN, e sábio de renome mundial, DR. FRITZ JER, como
era conhecido, nasceu no dia 31 de março de ~ em
WINDISCHHOLZHAUSEN - KREIS, Alemanha. Filho mais o de
um sacerdote, FRITZ MÜLLER fez o ginásio na tal de
ERFURT. Queria ser farmacêutico e para tanto alhou
como aprendiz em Naumberg, entre 1840 e 1841.
depois foi estudar matemática e História Natural em
im e GREIFSWALD. Em dezembro de 1844 recebeu o orado
em Filosofia, em Berlim. Um ano mais tarde foi
GREIFSWALD para estudar medicina, sendo no entanto,
dido de receber o diploma por pertencer a uma nidade
liberal em HALLE. Irritado vai dar aulas 'culares na
casa de um arrendário até 1852. No dia e mala de 1852
embarca em Hamburgo para o Brasil,
anhado de sua esposa, Caroline T6llner, duas as, (ao
todo teve 10 filhos), e seu irmão, August. s relatam
que mais tarde, Dr. Fritz Müller, perderia
circunstâncias trágicas uma de suas filhas, cídio, por
problemas mentais). Chegou em Blumenau no 02 de
agosto. Vinte e dois dias depois, tomou posse terras
no bairro Garcia, sendo o primeiro a
avar aquela localidade. Tudo era novidade para o
e principalmente, apaixonante, já que aqui ntrou
uma rica flora a ser estudada. No ano de 1857 Dnvite
do governador foi proferir aulas no Liceu 'ncial, no
Desterro, (hoje Florianópolis), anecendo lá, por doze
anos, e onde escreveu vários
lhos publicados em todo o mundo, um deles o livro
DARWIN, (Por Darwin), onde apoiava as teorias de
estre e amigo Darwin. Retorna"ndo à Blumenau fixou
ência as margens do Rio Itajai Açú, que hoje abriga
seu Fritz Müller. Em 1876 foi nomeado Naturalista ante
do Museu Nacional do Rio de Janeiro,
permanecendo até 1891, quando foi demitido por SI
recusar a morar no Rio de Janeiro. Foi nomeadc homenagem. Na sua cidade natal existe uma rua
com a Intendente Municipal pelo Governo do Estado no dia 07 d\ seguinte denominação: RUA DR. MULLER -
DESTERRO.
abril de 1892. Como intendente não agia com serenidade
A Câmara Municipal criou em 1996 a Comenda
f Des ez todos os atos de seus antecessores e por lSSO nàc "
" " MunlC1pa do Mérito Fritz Müller.
1agradou nem mesmo os seus corre 19lonarlOS, sen~
demitido 27 dias depois.
Composição da Câmara
Não agradou como Intendente Municipal, mal deixou a sua marca em (abril 1892 - março 1892) todo o mundo.
Um ano mais tardl participou da Revolução Federalista, sendo até preso Foi também
secretário de organizações estudantil I operárias e membro de um clube de GUILHERME ENGELKE -
Constitucionalistas Suas experiências estão registradas em livros, ADÃO SCHMIDT periódicos e
jornais em di versas partes do Planeta. ) sua dedicação lhe rendeu inúmeros JOSÉ JOAQUIM GOMES méritos. )
Universidade de Bonn lhe concedeu o título de Doutol Honoris Causa, mérito AUGUSTO GERMER FRANCISCO dispensado à
grand~ personalidades. Também agraciado com o Diploma de Doutol LUNGERSHAUSEN HUGO
Honoris Causa pela Universidade de Tübingen e a AcadeljÚi RIEDEL
Leopoldino Carolíngia e a Universidade de Berlim lh JACÓ ULIANO
conferiram o diploma de Doutor Honoris Causa er
Filosofia. Foi nomeado membro da Sociedade Botânica di
Província de Brandenburgo e da Sociedade de Ciênci~
Naturais de Hamburgo - Altona e sócio correspondente di
Sociedade de Pesquisas Naturais de Bonnenberg e di
Academia de Ciências da Argentina, e recebeu o título di
sábio desbravador da Natureza, no Brasil, e Príncipe da
Observadores, adotado por Darwin. Ao todo o filósofo te!
registrado 248 pesquisas no mundo.
Dr. Fritz Müller era um homem simples apaixonado
pela natureza e seus mistérios. Quando saia i campo nas
florestas de Blumenau, se entusiasmava tantl pelas
pesquisas, perdendo inclusive o caminho de volta dormindo
na mata. Vivia descalço e sem nenhum luxo Tanto era a sua
simplicidade, que poucos aqui di município reconheciam
naquela época a importância di suas pesquisas e os méritos
recebidos. Falava cino idiomas: inglês, alemão, português,
italiano e francês.
Faleceu no dia 21 de maio de 1897, aos 75 anoS
Seu corpo foi velado no Cemitério Evangélico. Trint' anos
após a sua morte foi erguido um monumento em sU'
GUILHERME ENGELKE
1892 - 1893
GUILHERME ENGELKE Natural de Hanover,
Alemanha. Veio para o Brasil aos 20 amos de idade, fixando residência na
Colônia Dona Francisca. Ali encontrava- se seu irmão. Casou-se com Ema
Malchinki, com quem teve cinco filhos, (um de seus filhos, Francisco entrou
para a Ordem dos Franciscanos, sendo posteriormente Bispo sob o hábito
Dom Inocêncio Engelke). Dirigiu a construção da estrada de ferro naquela
Colônia. Veio para Blumenau e aqui abriu uma casa de secos e molhados, na
Rua XV de Novembro e depois no Salto Weissbach. Foi Conselheiro
Municipal na gestão de Fritz Müller. Foi nomeado Intendente Municipal no
dia 06 de maio de 1892 e assumiu o cargo sob a segurança de soldados da
Policia Estadual. No dia 20 transferiu a presidência da Intendência à
Francisco Faust, reassumindo no dia 14 de novembro permanecendo até o
final.

Muito doente foi procurar cura em Águas Mornas, depois foi para
Florianápolis, onde morreu.

ADÃO SCHMIDT
JOSÉ JOAQUIM GOMES
AUGUSTO GERMER
FRANCISCO
LUNGERSHAUSEN PAULO
SCHWARTZER HUGO RIEDEL
FRANCISCO FAUST
1892
FRANCISCO FAUST - Assumiu o cargo de Intendente de maio
de 1892, substituindo Guilherme Engelke. heceu até 14 de
novembro do mesmo ano quando eu o cargo à Guilherme
Engelke. Nasceu no dia 03 lrço de 1832 em Turingen,
Saxônia, na Alemanha. ~ em Blumenau em 1851 aos 19 anos.
Era carpinteiro i abriu uma fábrica de secos e molhados
com ação de manteiga, açúcar, banha e derivados. se pela
primeira vez e teve dois filhos, e pela a vez com Ana
Hering, tendo mais oito filhos. , de deixar a política
foi morar em São Paulo, onde
edicou ao café. No entanto não obteve êxito. 'ou à
Blumenau, onde faleceu em 2 de julho de 1917,
anos.
Foi por duas vezes Rei do Tiro.
Por ser oposicionista dos Republicanos, teve a sa
depredada pelos mesmos, tendo que fugir para o

ADÃO SCHMIDT
JOSÉ JOAQUIM GOMES AUGUSTO
GERMER FRANCISCO
LUNGERSHAUSEN PAULO
SCHWARTZER HUGO RIEDEL
HENRIQUE PROBST
1893 - 1895
HENRIUE PROBST - Nasceu em Helmstedt, Alemanha, no dia 08 de
setembro de 1843. Veio para Blumenau em 1865 onde abriu uma padaria. Ampliou os seus
negócios com uma 10j a de ferragens. Casou-se com Karolina Koehle. Foi homem da
inteira confiança do Dr. Blumenau e procurador de Blumenau até 1899. Foi eleito
Intendente de Blumenau em janeiro de 1893, cargo· ocupado por ele até 16 de abril de
1895. Henrique Probst permaneceu no Governo num dos períodos mais turbulentos da
história política de Blumenau. Foi o período da revolução. Foi na sua gestão, no dia 28 de
julho de 1893 que a Vila de Blumenau foi elevada à categoria de município. Com recursos
do Estado construiu a ponte metálica sobre o Rio Itaj aí Açu.
Foi diretor presidente do
Hospital Santa Catarina,
da Sociedade de
Atiradores, de Canto,
presidente do Clube
Germânia, da Escola
Nova, (Pedro II),
fundados da Empresa
Industrial Garcia (Artex),
e Juiz de Paz.
Faleceu dia 13 de janeiro
de 1906 com 62 anos.

Composição da
Câmara(1893 - 1895)

LUIZ ABRY
JENS JENSEN
ANTÔNIO BERNARDO
HAENDSCHEN FERNANDO
HACKBA~TH
JOÃO SCOZ
ALEANDO LENZI
JACÓ ULIANO
FRANCISCO
MARGARIDA
OTTO STUTZER
1895 - 1898
OTTO STUTZER Nasceu em 03 de fevereiro de
1836 em Seesen, no Harz, Ducado de BRAUNSCHWEIG, Alemanha. Era
filho de um pastor evangélico. Cursou a escola primária na sua cidade
natal, dando continuidade aos estudos em WOLFENBUETTEL. Aos 15
anos, passou a se dedicar à economia e agricultura. Trabalhou como
administrador economlCO no engenho . de açúcar BOHMERSLEBEN.
Em 1855 conheceu o sobrinho do Dr. BLUMENAU que lhe convenceu à
vir para o Brasil, chegando aqui no dia 10 de agosto de 1856, com 20
anos, e foi trabalhar na fazenda do colono Manoel Mafra, na Margem
Esquerda. Depois veio para Blumenau, e foi trabalhar no transporte de
malas postais entre Blumenau e Itaj ai. Casou-se em 23 de agosto de 1860
com Tereza Bichels, e foi trabalhar na serraria e moinho do DR.
BLUMENAU, no Salto, onde ficou até que uma enchente destruiu a
serraria e o moinho em 1880. Passou a exercer a função de Juiz de Paz da
Colônia. De 1875 à 1881 trabalhou na construção da estrada para
Curitibanos, junto com o engenheiro Emilio Odebrecht. Foi Oficial da
Guarda Nacional. Foi sócio do Jornal Der Uewaldsbote. Em 3 O de julho
de 1882 foi eleito Conselheiro Municipal até 1890, sendo inclusive
procurador da Intendência e foi eleito superintendente municipal em 16
de abril de 1895. Exerceu o cargo até novembro de 1898. Pôde governar
com tranqüilidade. Iniciou a construção da Ponte do Salto, lançou bônus
em forma de células que circulavam no comércio da cidade a fim de
suprir as necessidades financeiras do município para a execução de obras,
decretou o 2 º código de posturas. Candidatou-se a reeleição onde foi
derrotado por umà di ferença de 31 v~os. Continuou exercendo cargo na
prefeitura como tesoureiro, até 1916. Em 07 de julho de 1893 foi
nomeado Capitão Ajudante d' Ordens da 3' Brigada de Infantaria da
Guarda Nacional pelo Marechal Floriano Peixoto. ALWIN FRANZ SCHRADER
SI
aposentou aos 80 anos e morreu no dia 28 de fevereiro ~ 1903 - 1907
1927 com 91 anos de idade. 1907 - 1911
1911 - 1915

PEDRO CRISTIANO FEDDERSEN


RI CARDO VOIGT
LUÍS ABRY
FREDERICO WILDE
ALESSIO FRAINER
PEDRO SCHMIDT
PAULO ZIMMERMANN
ANDRÉ CAMPREGHER
HENRIQUE KLUG
ERICH GAERTNER
ALWIN FRANZ SCHRADER Nasceu em Blumenau no
dia 26 de dezembro de 1869, filho de Ferdinand Schrader
Auguste Schrader. Devido as más condições do ensino na
olônia naquela época, Alwin, que queria estudar
medicina, e seu irmão, Edward Louis foram estudar no olégio de Gotha,
na Alemanha. Porém a morte de seu rmão Edward, fez com que Alwin
retornasse logo depois de concluir os estudos do ginásio, indo trabalhar
no omércio de seu pai, iniciando assim a sua vida rofissional no
comércio. Casou-se com Elisa Hosang no ia 19 de dezembro de 1893,
com quem teve quatro filhos. Em 1894 assumiu a direção da casa
Comercial de seu pai ob a denominação de A. Schrader, onde
permaneceu até 927 quando passou a administração para um de seus
ilhos. Também foi diretor da Empresa Industrial Garcia Artex), da
Fábrica de Gazes Medicionais Cremer, sócio undador do Jornal Der
Uwaldsbote, co fundador do lndicato Agrícola de Blumenau, tesoureiro
da Caixa ríco1a Cooperativa de Responsabilidade Limitada dos
ricultores, e logo depois presidente até 1940 quando
enunciou.
Foi prefeito por três mandatos. Assumiu o cargo de janeiro de 1903
seguindo até 31 de dezembro de Como administrador inaugurou a
estrada de Ferro ta Catarina, a rede telefônica, a iluminação p6blica,
om o apoio de empresários, dedicou atenção especial à strução primária,
elaborou o mapa do município que foi stribuído à todas as escolas,
construiu a ponte sobre ~beirão Garcia, inaugurou a ponte do Salto. A
lavoura a pecuária também receberam incentivos, a ind6stria da teiga
teve incremento, passando a ser o principal
roduto de exportação. As ind6strias dos mais variados rodutos,
começaram a surgir em di versas partes do implantou lei do descanso
semanal no comercio.
Em 1911 uma enchente de 16m60 cm destruiu part
da cidade. Os prejuízos como podemos imaginar for~
enormes, mas com a ajuda do Estado e de diversas parte, do
País, conseguiu-se superar a crise. '
De 1925 à 1928 Alvin foi deputado estadual. p()~
longos anos foi tesoureiro e membro da diretoria cJ(
Hospital Santa Catarina.
Faleceu no dia 09 de março de 1945 na Alemanhq
durante a sua última viagem à terra natal de seus pais que
enfrentava naquele período a Segunda Guerra Mundial Seus
restos mortais foram transladados para Blumenau ~ 1947 e
depositados junto aos restos mortais de s~

FRANCISCO DE OLIVEIRA MARGARIDA PAULO Luís ABRY


SCHWARTZER RICARDO SCHEFFER
EUG~NIO EUG~NIO FOUQUET
FOUQUET MAX HERING
MARIANO GUILHERME BECKER FREDERICO JENSEN
Luís ABRY JACINTO GADOTTI
RICARDO PAUL HENRIQUE HARDT
GOTTLIEB REIF ARTHUR GERMER
HENRIQUE REUTER HERMANN WEEGE
ALBERTO RAMLOW
BRUNO WEHMUTH

FRANCISCO DE OLIVEIRA MARGARIDA


EUG~NIO FOUQUET
OTO HINDELMEYER
HENRIQUE REIF
HENRIQUE WICHMANN
JOÃO HENNINGS
JOSÉ TAMBOSI
PAULO ZIMMERMANN
1915 - 1919 1919
- 1923 1923
PAULO ZIMMERMANN - Nasceu em Blumenau em 23 de 'lho
de 1862. Era negociante, agrimensor prático,
JU d ',
trabalhava na abertura e estradas na zona do medlo e
Alto Braço do Sul, e proprietário da casa Comercial
Zirnrnermann-secos e molhados na Itoupava Central. Casouse
com Johanne, (nata Jansen), de tradicional família na
cidade, e proprietária de terras do Fidélis à Fortaleza, com
quem teve seis filhos, sendo que uma de suas filhas, Frida,
foi a primeira Miss Blumenau, e dois bugres que adotaram.
Foi Conselheiro Municipal em 1895 na gestão de Otto
Stutzer. Em 1915 foi eleito superintendente municipal pelo
Partido Republicano, o qual era presidente. É reelei to para
o cargo para o quadriênio 1919 à 1923. Na sua gestão
executou a' remodelação da cidade, alargou o perímetro
urbano até a Itoupava Seca, abriu a rua Sete de Setembro,
abriu estradas no interior, calçou a Rua das Palmeiras,
prolongou a estrada de acesso à serra, possibilitando o
desenvolvimento econômico do município, decretou o uso de
placas nos veículos, facilitando a cobrança de impostos,
inaugurou a Usina Salto, reformou o prédio da
Superintendência Municipal, e dedicou atenção à instrução
primária, com o aumento de educandários. Blumenau contava
na administração de Paulo Zimmermann com sete estações
telegráficas e telefônicas. Paulo Zimmermann enfrentou
diversas dificuldades durante a sua administração, devido
ao lnlClO da primeira guerra mundial. As escolas
particulares na cidade que não ensinavam o português eram
fechadas. Mesmo com todas as dificuldades enfrentadas na
sua gestão, Paulo Zimmermann, homem prudente conseguiu
atravessar o período da guerra, como também amenizar os
conflitos existentes na política local. Uniu em apenas um
partido
todos dissidentes, aSSlm como se tornou presidente d, mesmo. DR. VICTOR KONDER
CURT HERING
Paulo Zimmermann também teve atuação important~
FRANCISCO DE OLIVEIRA MARGARIDA
na politica de Blumenau. Em 1893 no perio~ revolucionário
MAX HAUFE
também fôra preso com os seu. companheiros do Partido
RODOLFO HOESCHL
Republicano, assim como també: se envolvera no episódio
SíLVIO SCOZ
que culminou com a eleição d; engenheiro Hercilio Pedra da
JOSÉ BONA
Luz governador do Estado.
HERMANN WEEGE
Nas eleições de 1923 é reeleito, mas não fici OTTO HENNIGS
até o final de seu mandato, falecendo no dia 09 de mai, de
1923.

HERMANN SACHTLEBEN
JACINTO GADOTTI
ADOLFO ALTENBURG
PAULO HUSADEL CARLOS
SCHRODER
JOSÉ BONA
PEDRO BONETTI
ERMÍNIO MOSER
FRITZ LORENZ

DR. VÍCTOR KONDER JACINTO GADOTTI


FRANCISCO DE OLIVEIRA MARGARIDA
HENRIQUE PORCÍNIO DA SILVA
ALEXANDRE FONTINI
CURT HERING
HERMANN WEEGE
LUIZ ISOLANI
FRITZ LORENZ
CURT VICTOR HERING

1923 – 1927

1927 - 1930
CURT VICTOR HERING - Nasceu no dia 08 de agosto de
1883. Casou-se com Hedwig Kleine. Teve dois filhos. AsSumiu a
Superintendência Municipal no dia 09 de maio de 1923, em
substituição à Paulo Zimmermann. Realizada a eleição em 24 de
junho de 1923 é eleito para o cargo, tomando posse no dia 02
de julho. Na sua gestão construiu um prédio para servir à
estação telegráfica, na Alameda Rio Branco, ampliou o número
de agências telegráficas e postais, inovou a rua XV de
Novembro, a ponte dos Arcos, o sistema rodoviário recebeu
melhorias, executou obras, principalmente no interior do
município, construiu pontes sobre o Rio Itajaí Açu em Indaial
e Rio do Sul, houve melhorias na energia elétrica, e com isso,
aumento de indústrias na cidade; prolongou a Estrada de Ferro
de Santa Catarina para o Porto de Itajaí, iniciou a construção
da ponte de ferro sobre o Rio Itaj aí Açu, no Ribeirão da
Velha, inaugurou o trecho da Estrada de ferro entre Subida e
Lontras, regulamentou o trânsito na cidade, e inaugurou o
monumento em bronze em homenagem à Fritz Müller. Em 09 de
novembro de 1927 uma enchente de 12 metros e 40 cm deixa a
cidade submersa. A Usina Salto é atingida e a população fica as
escuras. Um ano depois, nos meses de maio à agosto, nova
enchente. Desta vez de 10 metros paralisa a cidade. Os
prejuízos, em especial no sistema viário são enormes. Inicia a
construção de taludes as margens do Rio Itajaí Açú, para
evitar a erosão no local. Durante a gestão de Curt Hering,
houve um surpreendente aumento da população em Blumenau. Sua
administração foi considerada uma das melhores na história de
Blumenau. Em janeiro de 1927 é reeleito para a
Superintendência Municipal. Com a promulgação da nova
Constituição Estadual, em 26 de julho de 1928, o
sUperintendente municipal passa a ter a denominação de
prefeito. Sendo assim, foi CURT HERING, o primeiro E
ostentar o título de Prefeito. R
N
Em 1930 explode em todo o País a revolução ql.l~
E
tira do poder o presidente Washington Luiz. Em Blumenal.l
S
chegam no dia 11 de outubro, tropas vindas do Rio Gran~ do
T
Sul, sob o comando do Coronel José Severiano Maia chefe
O
revolucionário de Mafra, que obriga Curt Hering; entregar
a prefeitura. Isso ocorre no 13 de outubro.
B
Fundou e administrou diversas empresas no Vale A
entre elas, a Companhia de Papel Itaj aí, a Empresa Fore; U
e Luz Santa Catarina S.A (Celesc) e o Banco Agrícola. M
Amante da cultura musical, fundou a Orquestra Sinfônica, e A
a Sociedade Dramático Musical Carlos Gomes, onde foi N
presidente. N
Sempre esteve à frente da Companhia Hering ati
1943, mesmo estando em uma espécie de prisão domicili~
durante a 2' Guerra Mundial.

PEDRO CRISTIANO FEDDERSEN


ARTUR RABE EMANUEL DA
SILVA FONTES FREDERICO
SCHMIDT WILLY HERING
FRITZ LORENZ
JOSÉ BONA
SíLVIO SCOZ
DR. VICTOR KONDER FRANCISCO DE
OLIVEIRA MARGARIDA MAX HAUFE
RODOLFO HOESCHL
SíLVIO SCOZ
JOSÉ BONA
HERMANN WEEGE
OTTO HENNIGS
REINOLDO ANTON
J
JÕAO KERSANACH Assumiu o cargo de prefeito
rovisório num momento bastante delicado, já que o País
~nfrentava a revolução de 3 O, que derrubou o presidente
washington Luiz. Getúlio Vargas estabeleceu o regime
ditatorial e dá ordens ao Governo do Estado para que os
municípios recrutassem homens e oprimissem a invasão das
tropas do Sul, o que acabou não ocorrendo. As tropas chegam
em Blumenau sob o comando do Capitão Arnaldo Marques
Mancebo, que ostentando o título de Governador determina
que a cidade seja a capital provisória de Santa Catarina
até a rendição de Florianópolis. Isso ocorre no dia 17 de
outubro, até 25 do mesmo mês. João Kersanach, nascido no
dia 23 de julho de 1895 em Brusque, filho de João e Olga
Kers"anach, fez os seus estudos em Itajai e chegou em
Blumenau em 1921. Era casado com Maria Schteben, e tinha
quatro filhos. Foi presidente da Junta Militar e era
proprietário da torrefação de café Coroa. Quando assumiu o
município, criou uma Junta Administrativa municipal,
nomeando para compô-Ia homens de sua inteira confiança e
tomou algumas medidas drásticas que acabaram desagradando a
população. Uma delas foi a de baixar e fixar preços dos
gêneros. Também determinou que um funcionário da
Prefeitura, devolvesse dinheiro aos cofres públicos, que
foram utilizados no jantar de recepção de Adolfo Konder.
Essas decisões provocaram a sua demissão do cargo. Era um
dos chefes oposicionistas e adversário ferrenho do governo
municipal, ao qual fazia duras críticas, que não foram, no
entanto, provadas por ele. Depois que deixou a prefeitura,
saiu da cidade.
DO DE FIGUEIREDO TÔNIO CÂNDIDO FIGUEIREDO
É BRAGA 1931 - 1933
NO PEREIRA
: MAYER
WOHLSTEIN

AN
ANTÔNIO CÂNDIDO FIGUEIREDO Nasceu em
curitiba, onde estudou e se formou professor. Lecionava
o Grupo Xavier da Silva, de Curitiba. Mais tarde foi
n .
obter aperfelçoamento em São Paulo. Chegou em Blumenau
em 1919 como diretor do Grupo Escolar Luiz Delfino, até
1921 quando pediu demissão para atuar no comércio.
construiu o Cine Blumenau. Casou-se com Hilda Deeke.
Assumiu o cargo de prefeito em 06 de janeiro de 1931,
nomeado pelo Interventor Federal. Permanece no cargo até
20 de abril de 1933 quando se demite por discordar da
nomeação de Aristiliano Ramos para a Interventoria
Federal. Construiu a ponte do Ribeirão da Velha, a estrada
entre a Subida e Ibirama, pela margem esquerda, concluiu o
calçamento da rua XV de Novembro, e macadamizou a estrada
Diamante Subida. Era um homem sincero, e por isso, não
parava em partido algum. Foi presidente da Associação
Comercial e Industrial de Blurnenau em 1942. Faleceu em 16
de dezembro de 1963.

Composição da Câmara
(1931 - 1933)

JOÃO KERSANACH CONRADO


BALSINI JOÃO MEDEIROS
JÚNIOR FREDERICO
KASPARECK
JACOB ALEXANDRE SCHMIDT - Nasceu na Alemanha. veio para
Blumenau quando tinha 15 anos. Trabalhou no Hotel e açougue
de Ricardo Holetz. Mais tarde montou urna cocheria. No dia
24 de abril de 1933 por determinação do Interventor Federal
foi nomeado prefeito de Blumenau. permaneceu no cargo até o
dia 25 de fevereiro de 1934, quando foi exonerado. Seu
governo terminou quase de maneira trágica. Isso por que o
Interventor Federal, Aristiliano Ramos , subdividiu o
município em distritos. A população indignada foi às ruas,
em passeatas de protesto e até movimentos violentos. Os
blumenauenses entenderam a divisão do município corno urna
represália política, já que nas eleições para dermtado o
Partido Republicano obteve a maioria dos votos que os
liberais. As entradas da cidade foram bloqueadas por
guardas. O prefei to Jacob Schrnidt, impedido de
administrar pelos fatos, desapareceu da cidade. Seus amigos
que permanecem no município, são agredidos. O comércio da
cidade, por causa do movimento, fica fechado vários dias.
Essa manifestação fica registrada na história de Blumenau
como "Movimento por Blumenau Unido".
Jacob Schmidt foi delegado de Policia,
proprietário do Hotel Palmeiras, e do primeiro carro de
enterro na cidade. Em 1902 construiu o Hotel Central e o
Grande Hotel.
ANTÔNIO MARTINS DOS SANTOS
1934
CAPITÃO ANTÔNIO MARTINS DOS SANTOS - Natural do
paraná. Foi major reformado. Foi nomeado interventor pelo
capitão da Força Pública do Estado em 25 de fevereiro de 1934.
Sua participação foi praticamente para amenizar os ânimos e
garantir a execução do decreto da Interventoria Federal, que
dividiu Blumenau em distritos. Governou o município até agosto
de 1934. Assumiu o município num período bastante conturbado.
Na sua gestão deu continuidade as obras iniciadas. Depois que
deixou o cargo foi recolhido ao quartel que servia na capital
do Estado. Faleceu no Paraná.

DR. DURVAL BASTOS VALADARES


ROBERTO DONATH EMÍLIO MARX

-<
c
.
.
'
J
[
:
i
i
p
:
;
c
o
'
O
l
I
)

Z
M
O
)

;
'
§
r
l
C
f
)
[
:
i
i
'
<
;
j
l
:
:
8
M

JOÃO GOMES DA NÓBREGA - Nasceu em 03 de maio de 1882,


filho de tradicional família de São Francisco do sul. Veio
para Blumenau em 1929, trazido pela Companhia Geóbra para
trabalhar na construção da ponte metálica da estrada de ferro
de Santa Catarina. Depois foi nomeado representante para o
Estado da Construtora Alemã. Em 1934 foi secretário do
município na gestão do então prefeito Jacob Schmidt. Foi
nomeado e empossado prefeito pelo Governo do Estado no dia 20
de agosto de 1934. No seu governo, a cidade enfrenta urna
longa e prolongada seca, que provoca a redução na produção da
energia elétrica, e o transporte fluvial é interrompido.
Acometido de febre tifóide, exerceu a função somente até 29 de
maio de 1935. Foi o prefeito mais jovem do Brasil, naquela
época. Agia com cautela. Exerceu também a função de escrivão
Cível, Comercial e Tabelião de Notas, até se aposentar.

TEODOLINDO PEREIRA
ROBERTO DONATH
EMÍLIO MARX
GERMANO BEDUSCHI - Nasceu em 28 de novembro de 1898,
no Barracão, em Brusque. Cursou o ginaslo no colégio Santo
Antônio e concluiu os estudos no Ginásio catarinense, em
Florianápolis. Estudou na Escola superior do Comércio do Rio
de Janeiro. Em 1932 foi delegado de Polícia. De 1934 à 1935 foi
Guarda Livros da prefeitura e secretário interino. Como
jornalista foi diretor da Rádio Nereu Ramos, gerente da
Gráfica União, proprietário do Jornal A Tribuna. Foi nomeado
pela Interventoria Estadual no dia 29 de maio de 1935 até 03
de abril de 1936. Executou obras como o alargamento da Rua XV
de Novembro, e outras ruas, a instrução primária lhe rendeu
dedicação especial, reiniciou as obras de construção do trecho
ferroviário Blumenau Itajai e iniciou a canalização do
Ribeirão Peters e Bom Retiro. Assumiu novamente o cargo de
prefeito no dia 19 de janeiro de 1946, permanecendo até 30 de
abril de 1947. No segundo mandato realizou obras de real
importância, como as do viaduto e ponte de concreto da estrada
de ferro sobre o Rio Itaj aí Açu, e proíbe o tráfego de
caminhões na XV de Novembro.

TEODOLINO PEREIRA
ROBERTO DONATH
EMÍLIO MARX

Já na segunda gestão (1946 1947) , não


haviam Vereadores. Os projetos eram aprovados pelo
Departamento de Administração Municipal.
Z
H CO
W C')
8 0"\
Ul ,-I
O I L/'l
8 O
p::; 'O
W C')
ÇQ 0"\
f--=1 ,-I
<:I;
ALBERTO STEIN Nasceu na Barra do Rio, em
L, em 04 de setembro de 1890. Fez o primário em sua
natal. Com 14 anos entrou para a Marinha Mercante,
ldo por todos os postos até chegar ao Comando. l
durante 20 anos à serviço. Em 1923 casou-se com l
Jansen, tiveram dois filhos. Um ano depois veio
em Blumenau, onde atuou corno comerciante, mas .uou
à prestar serviços para a navegação fluvial, s da
empresa Malburg.
Eleito pelo Partido Integralista, o qual era
no Vale do Itajaí, ALBERTO STEIN, assumiu a tura em
01 de março de 1936, permanecendo até 11 eiro de
1938, quando houve um novo golpe de Estado lssolveu
os Congressos Estaduais e as Câmaras Jais. Governou
com tranqüilidade. Construiu a sobre o Ribeirão
Fresco, desapropriou e decretou ) a Casa de FRITZ
MÜLLER, recebeu a visita das
do Dr. BLUMENAU, melhorou as estradas e ruas do
lio, construiu a Ponte 25 de Julho. Ao transmitir "
Stein, dirigiu algumas ofensas ao seu sucessor.
Depois que deixou o Governo passou a se dedicar
~rcio de Seguros, criando à representações Stein
'aleceu em Blumenau no dia 04 de setembro de 1950,
os comemorativos de seu aniversário e da cidade,
pletava o Centenário.
JosÉ FERREIRA DA SILVA
1938 - 1941
JosÉ FERRE IRA DA SILVA - Nasceu em Tijucas, no dia
16 de janeiro de 1897. Foi professor primário em Canoinhas. Em
1920 foi transferido para a escola pública de Arapongas, em
Indaial. Foi nomeado escrivão de Paz de Rodeio, nesse mesmo
ano. Em 1924 foi trabalhar no cartório de Crime Cível e
Comércio. Fundou em Rodeio o semanário o ESCUDO. Veio para Bl
umenau, onde fundou os jornais Cidade de Blumenau, Correio de
Blumenau, Boletim Judiciário, Boletim Oficial, Calendário
Blumenauense, fundou a PRC 4, hoje Rádio Clube, e escreveu
vários livros de biografias do Dr. BLUMENAU, e FRITZ MÜLLER, e
criou o Blumenau em Cadernos, em 1957. Foi presidente da
Câmara Municipal, na gestão de Alberto Stein e assumiu a
prefeitura, no dia 10 de janeiro. de 1938, depois do Golpe de
Estado, em 28 de novembro de 1937, que restabeleceu em todo o
País o regime ditatorial, com o fechamento do Congresso
Nacional e das Câmaras Municipais. JOSÉ FERREIRA DA SILVA,
ficou no cargo até 28 de junho de 1941.
Como prefeito demoliu o prédio da antiga cadeia,
ao lado da prefeitura, construiu o Fórum, destruído por um
incêndio, reformou o prédio da Prefeitura, instalou o Museu
FRITZ MÜLLER e a Biblioteca Municipal, construiu o mercado
da Sete de Setembro e fez a abertura da Rua Presidente
Getúlio Vargas.
Fundou ainda a Escola Agrícola, que dava auxílio
à menores desamparados, construiu várias pontes, reformou a
iluminação da Rua XV de Novembro, construiu o prédio da
Intendência do Rio do Testo, a escola de Wunderwald, criou
o grupo Escolar Machado de Assis, e mais outras 20 escolas.
Inaugurou a estátua do Dr. BLUMENAU, oficializou o
cemitério municipal da Itoupava Seca, deu inicio ao
abastecimento de água potável,
construiu o campo de aviação da Itoupava Central, fundou o DR. AFONSO RABE
Aéreo Club de Blumenau, e fez o aterro do Canal do Bo~ 1941 - 1944
Retiro, que possibilitou a abertura da Rua Nereu Ramos.
Executou outras obras como a estação
metereológica, aj ardinou praças, inaugurou alinha.
telefônica para Massaranduba e os telefones automáticos
construiu o gabinete de identificação do IML, reformou ~
arborizou a Alameda Rio Branco, implantou a Caixa de esmola
aos indigentes, proibiu o uso da língua. estrangeira em
túmulos, recebeu a visita do príncipe Dom Pedro de Orleãns
e Bragança, do Presidente Getúlio Vargas, inaugurou um
matadouro municipal.

Foi morar em Curitiba e morreu em um acidente


automobilístico na BR 101, em 30 de dezembro de 1973,
dez dias após o acidente, depois de ficar internado em

o prefeito nesse período administrava o município


sem contar com os vereadores, que foram abolidos com o novo
golpe de Estado em novembro de 1937. Assim permaneceu até o
ano de 1947. Os projetos importantes eram aprovados pelo
Departamento de Administração Municipal.

Curitiba. Era casado duas vezes.


Dr. ALFONSO RABE Nasceu em Massaranduba,
strito de Blumenau, no dia 26 de maio de 1906, filho
Artur e Elvira Rabe, família tradicional na cidade.
~udou no Colégio Santo Antônio e no Colégio Luiz ~fino.
Era Bacharel em Letras pelo Ginásio tarinense, de
Florianápolis. Em 1929 é graduado em Clicina pela
Universidade do Rio de Janeiro. Em 1930 mo médico da
Marinha embarcou no transatlântico Raul ares, à trabalho.
Voltou em 1931 à Blumenau e instalou sua clínica, sendo o
médico mais novo da cidade, e o gundo a fazer medicina no
País. Em 1933 casou-se com âa Schmalz. Um ano depois foi
diretor do Hospital nicipal, e delegado de Higiene.
Assumiu a prefeitura
28 de junho de 1941, permanecendo até 22 de janeiro
1944. Não tinha vínculos políticos, e como prefeito tou
de melhorar os serviços hospitalares. Demoliu o
~dio do Hospital Municipal e construiu outro, com Lhores
condições de atender a população, ampliou a cola
Agrícola, inaugurou o serviço de abastecimento igua no
dia 25 de novembro de 1943, e o aeroporto de lmenau.
Ao deixar a prefeitura foi para São Paulo onde ~
o curso de oficial da saúde Pública na Faculdade de
riene da Universidade de São Paulo. Em 1945 foi leado
diretor do Centro de Saúde, recém inaugurado, e
3° Distrito Sanitário do Estado. Em 1949 pediu
msferência da carreira de médico sanitarista para a
médico tisiologista para dirigir o serviço de lerculose
no Centro de Saúde. Foi nomeado catedrático higiene
sanitária e puericultura da Escola Nacional Iro 11, cargo
que exercia desde 1948 interinamente. De 7 à 1959 foi
presidente da secção regional da
Associação Catarinense de Medicina, e um dos fundadore Afonso Rabe.
. ., s
da Assoclação no Vale do Ita]al, e em Blumenau, onde foi
presidente. Se aposentou em 1959. Era presidente do ALFREDO CAMPOS
Conselho Curado r da Fundação Casa Dr. BLUMENAU, desde 1944 - 1945
1982. Faleceu em 01 de julho de 1988.
Assim como na administração de José Ferreira da
Silva, não haviam também vereadores no governo do Dr.
ALFREDO CAMPOS - Nasceu em Florianápolis em 07 outubro de
1898. Estudou no Ginásio Catarinense. Foi ;riturário do
Tesouro do Estado. Em 1916 foi escrivão
coletoria estadual de Canoinhas, sendo removido para [me
nau , como coletor estadual da Vila de Indaial. Veio ra
Blumenau, onde continuou a trabalhar no fisco :adual,
ocupando o cargo mais tarde de escrivão do .me, Cível e
Comércio da Comarca e Tabelião de Notas. :reveu vários
artigos para jornais. Foi alto [cionário da Empresa Força
e Luz Santa Catarina S. A . . vereador. Assumiu a
prefeitura em 22 de janeiro de l4, ficando até 13 de
novembro de 1945, quando pediu lneração. Deu continuidade
as obras do Hospital licipal e obras na área da educação,
ampliando várias "[alas, como foi o caso do Colégio
Machado de Assis ugurou o Centro de Saúde.
Foi deputado estadual por dois mandatos. Teve
ltro filhos.
Faleceu no dia 26 de novembro de 1984 de :uficiência
cardíaca, em Florianápolis, onde residia. sepultado na
capital do Estado.
Na sua gestão também não haviam vereadores.
FREDERICO GUILHERME BUSCH JÚNIOR
1945 - 1946
1947 - 1951
1956 - 1961
FREDERICO GUILHERME BUSCH JÚNIOR Nasceu em
lumenau no dia 21 de janeiro de 1899, filho do ndustrial
Frederico Guilherme Busch e Clara Probst. studou na Escola
Nova, ajudou seu pai nos negócios, endo participação na
construção do Cine Busch, (foi o eu pai que inaugurou o
primeiro cinema do Brasil, em 907). Foi gerente do Banco Sul
do Brasil. Ele foi o rimeiro a ter a carteira de motorista
em Blumenau,
itida em 1910. Foi presidente do Comitê Executivo da
omissão de defesa do Vale do Itaj aí, que interessou
clusive o presidente da República que nomeou um grupo e
trabalho para estudar a situação da Bacia do rio tajaí.
Teve uma fábrica de fósforos na Rua XV de ovembro. Em 1940
reformou o Cine Busch. Assumiu a
efeitura de Blumenau em 13 de novembro de 1945, se
emitindo em 19 de fevereiro de 1946, se reelegendo
ovamente nas eleições de 23 de novembro de 1947, e toma
asse em 15 de dezembro, permanecendo até o final de seu
ndato em 1951, e novamente em 1956 se reelege, rmanecendo
até o final em 1961. Como prefeito, deu ntinuidade as
obras de remodelação do município,
rganizou o aniversário do Centenário de Blumenau, com a
ealização de vários eventos e concursos. Para comemorar
data, a cidade recebe a visita do vice - presidente da
epública, Nereu Ramos e ministros. Transfere para a aça
DR. BLUMENAU a estátua do fundador, constrói aças D. Pedro
11, no bairro Bom Retiro, Curt Hering e )ronel Feddersen,
na Itoupava Seca. Reforma a
ivimentação da Alameda Rio Branco e executa o ilçamento na
Nereu Ramos. Amplia o Hospital Santo o.tônio, constrói
salas de aula na Escola Machado de ;sis, e novos prédios
escolares no interior do lnicípio, elabora o Plano
Diretor, pavimenta a rua Curt !ring, Porto Alegre, Capo
Euclides de Castro e Dois de
J
Setembro. Enfrenta uma das maiores enchentes, Com o nível
A
do Rio em 12 metros. Houve desabamento de prédios
C
vítimas humanas e muito prejuízo na zona rural.
O
' B
S
Foi ainda na sua gestão que ocorreu o incêndio na E
Prefeitura, na noite de 08 de novembro de 1958, qUe N
destruiu arquivos, como livros, relatórios do fundador da
cidade, fotografias e tantas outras preciosidades, como foi ERWIN ZASTROW
o caso da biblioteca Dr. Amadeu da Luz. Também houve o ANTÔNIO CÂNDIDO DE FIGUEIREDO
desmembramento do Distrito do Rio do Salto qUe se incorpora OTTO HENNINGS
ao município de Pomerode, e o distrito de Massanduba. HERBERT GEORG
JOÃO DURVAL MÜLLER
Mesmo assim, o prefeito executa obras, como a Rua OTACÍLIO NASCIMENTO
São Paulo que recebe calçamento, constrói pontes e bueiros, EMÍLIO JURK
inaugura a Ponte que liga a Ponta Aguda à cidade, executa o WALDEMAR SELKE
asfaltamento da Rua Amazonas, entrega pavimentada a estrada
entre Blumenau e Itajaí, o calçamento e alargamento da Rua
João Pessoa, organiza o arquivo histórico, e constrói a
cozinha do Hospital Santo Antônio. Oficializa o uso do
brasão do município, altera nome de ruas, determina a
NEWTON BORGES DOS REIS
instalação de hidrômetros, pavimenta ruas, e acaba com a
MARTINHO CARDOSO DA VEIGA
favela existente no centro da cidade. Foi durante a sua
JOSÉ FERREIRA DA SILVA
gestão que foi instalado o Corpo de Bombeiros, a Escola de
WLADISLAU CONSTANSKY
Enfermagem e é inaugurada a Igreja Matriz de São Paulo
WILSON GOMES SANTIAGO
Apóstolo.
ARNO WEEGE EUG~NIO
BRUECKEIMER EDGAR MÜLLER
BERNARDO WOLFGANG WERNER
JULIO GROSSENBACHER PEDRO
ZIMMERMANN" ALFONSO DE
OLIVEIRA INGO HERING

Na primeira gestão de Frederico Guilherme Busch Júnior não


haviam vereadores.

HERCILIO DEEKE
RICARDO WITTE
GUILHERME JENSEB
AFONSO BALSINI MAX
BRUNO HILDEBRAND Nasceu em Caxias do Sul
o Grande do Sul em 07 de março de 1906. Filho de rlos e
Amália Hildebrand. Fez o primário na Escola das ves, na
sua terra natal. Em 1912 foi morar com a nília em
Florianápolis e estudar no Colégio das Irmãs
Di vina Providência e depois no Ginásio Catarinense.
sou-se com Agueda Pontes, no dia 26 de julho de 1927.
dia 04 de janeiro de 1934 veio para Blumenau, onde stalou
a fábrica de fossas sépticas, que funcionou por :e anos.
De 1934 à 1938 foi delegado especial. Foi :retário no Governo
de José Ferreira da Silva. Em 1935 L secretário geral do
Município. Assumiu a prefeitura
dia 30 de abril de 1947. Entre suas obras realizou o
Lçamento da rua 04 de Fevereiro e Paulo Zimmermann, e
outras ruas, mantém a Escola Agrícola. Como o País Ltava
ao regime Constitucional, coube à BRUNO ~DEBRAND,
preparar o município para as eleições de 23
novembro de 1947. Em 1948 foi secretário de obras )licas e
Agricultura no Vale, por determinação do lerno do Estado.
Foi Tabelião de Notas de Timbá. Foi "fe da 3" Residência
Agrícola, em Blumenau. Foi :ariano do Rotary Club de
Blumenau, sendo inclusive um 3 fundadores. Recebeu o
título de Cidadão Honorário de lmenau. Faleceu no dia 18
de dezembro de 1977.
Nessa gestão, ainda sob o regime ditatorial, a
1ara mantinha-se fechada.
HERCÍLIO ARTUR OSCAR DEEKE - Nasceu no dia 15
julho de 1910, na Colônia de Hansa Harmônia, (hoje
rama), filho de José Deeke, agrimensor e historiador,
quem herdou o amor pela literatura e de Emma, uma her
inteligente e intelectual, que foi inclusive lenageada
dando o seu nome ao município de Dona Emma. ,qüentou o
primário na Colônia e o ginásio em Blumenau
Colégio Santo Antônio. Recebeu instrução militar,
stando juramento à Bandeira e recebendo o certificado
Reservista de 2~ categoria. Se diplomou contador.
balhou muito tempo no escritório de Hanseática. rla
se inscrever no Instituto Politécnico de Santa arina,
mas perdeu o prazo. Trabalhou em 1929 como iliar no
Cartório de Registros de Imóveis da Comarca. !bém na
Caixa Agrícola. Foi vice presidente da ria Seguros, e
presidente da Cia de Melhoramentos de menau,
construtora e proprietária do Grande Hotel.
gerente, diretor e vice presidente do Banco Inco.
ou-se com Namy Grossenbacher no dia 18 de fevereiro
1936, com quem teve dois filhos. Sua esposa teve ação
importante na sua administração, sendo inclusive
enageada com a denominação de uma rua na cidade. ata
a história que a primeira - dama costurava roupas a
dar aos pobres e promovia cafés para arrecadar heiro
para ajudar os mais necessitados. Foi vereador
1948. Em 1950 presidiu a comissão que organizou os
emorativos do Centenário de Blumenau. É eleito feito e
assume o cargo em 31 de janeiro de 1951. uncia ao
cargo em 26 de janeiro de 1955 para tomar se como
deputado federal. Foi secretário da Fazenda re 1956 e
1960, nos governos de Irineu Bornhausen, ge Lacerda e
Heriberto Hulse, onde conseguiu verbas a a construção
do prédio público e outras obras. É ito novamente e
assume em 31 de janeiro de 1961
adquiriu e declarou monumento histórico
ficando até 1966. Nas suas duas administrações executou a casa do vice - diretor da Colônia, Hermann Wendeburg,
várias obras importantes na cidade: o calçamento da Rua inaugurou o tráfego postal entre B1umenau e Curitiba,
Sete de Setembro, construiu a estação rodoviária, ponte construiu o busto do primeiro vigário de B1umenau, Padre
Adolfo Konder, ampliou a rede de água potável até a Ponta José Maria Jacobs, o muro de arrimo na margem direita do
Aguda, mudou o asilo de idosos para novas instalações, Rio Itajai Açu, e construiu o novo canal Bom Retiro.
construiu pontes no interior da cidade, manteve as obras do
Hospital Santo Antônio, completou a planta topográfica do Fundou a Porcelana Condessa S.A vendida por falta
município, construiu escolas e lançou carimbo comemorativo de técnicos. Foi diretor do Hospital Santa catarina, compôs
ao Centenário da cidade. em 1972 o Conselho Curado r da Fundação Casa Dr. Blumenau,
sendo presidente até 1977 quando faleceu dia 19 de
Na sua segunda gestão, HERCILIO DEEKE, teve setembro.
alguns transtornos para administrar o município, tendo
minoria na Câmara e o Governo do Estado contrário a SUa
legenda partidária. No entanto conseguiu realizar obras,
como o Ginásio Industrial Comendador Arno Zadrozny, no Primeira gestão(1951 - 1955)
Garcia, construiu o Pavilhão do Parque Permanente de INGO HERING
Exposições e o centro de educação física e o Pavilhão A da EMÍLIO JURK
Proeb. Reconstruiu parte do Paço Municipal, destruído por GERHARD NEUFERT VICTOR
um incêndio, construiu 40 pontes, em especial ~ do Ribeirão WEEGE FREDERICO CARLOS
Garcia, a ponte Irineu Bornhausen na Itoupava Norte, ALLENDE ARNO GIELOW
construiu o novo prédio da Biblioteca Municipal, reformou o CRISTIANO THEISS WLADISLAU
Museu da Família Colonial, reformou a Praça Hercílio Luz e CONSTANSKY PEDRO ZIMMERMANN
construiu o Monumento aos Voluntários da Pátria, ampliou JOÃO DURVAL MÜLLER
escolas, construiu novas salas e prédios escolares, entre FÚLVIO EMMENDOERFER
eles, o Colégio Lúcio Esteves, Almirante Tamandaré, Lauro ARTHUR ZIMMDARS
Müller, Duque de Caxias e Pastor Faulhaber. Criou através ANTÔNIO REINERT
da lei municipal 1233 de 5 de março de 1964, a FAçuldade de
Ciências Econômicas, o Hospital Infantil, a Avenida Beira
Segunda gestão, (1961 - 1966)
Rio, pavimentou a rua João Pessoa, Avenida Brasil,
EUG~NIO BRUECKHEIMER EDGAR
ajardinou a Alameda Duque de Caxias, e várias outras
PAULO MÜLLER BERNARDO WOLFGANG
praças, e com isso Blumenau ficou conhecida no Brasil
WERNER AFONSO BALSINI
inteiro por Cidade Jardim. Executou ainda a canalização do
CARLOS CURT ZADROSNY
Ribeirão Bom Retiro, prolongou a Rua Rodolfo Ferraz até a
EWALDO MORITZ
Rua Floriano Peixoto, instituiu a Bandeira Municipal, criou
INGO HERING
a Banda Municipal, o departamento de Turismo, restaurou a
JOSÉ FERREIRA DA SILVA
casa Dr. FRITZ MÜLLER, fez a abertura da Rua Presidente
MANOEL VÍTOR GONCALVES
Kennedy, ampliou o Hospital Santo Antônio, a capela e o
OSVALDO OLINGER WALDIR
necrotério do Hospital, e criou a Comissão Municipal de
ROSA WILSON GOMES
Esportes, o Departamento Municipal de Turismo, estabeleceu
feiras livres nos bairros, ampliou a rede telefônica, SANTIAGO WOLFGANG JENSEN
inaugurou a torre da Igreja Matriz, a Usina Palmeiras,
DR. GERHARD CARLOS FRANCISCO NEUFERT - Nasceu em
Curitiba em 01 de março de 1917. Fez o primário e ginásio
na Escola Normal de Paranaguá e formou-se pelo Instituto de
Química da FAçuldade de Engenharia do Paraná. Em 1939
ocupou o cargo de engenheiro químico da Eletro Aço Altona
S.A em Blumenau. Casou-se com Otília Schneider, com quem
teve quatro filhos. É eleito pela Câmara em 25 de janeiro de
1955. Como prefeito manteve as obras iniciadas pelo seu
antecessor, como a rede d'água nas ruas Itajaí, Pastor
Osvaldo Hesse e Almirante Barroso, abriu a rua Joinville e
a estrada da Fortaleza, fez melhoramentos na estação de
tratamento e no Hospital Santo Antônio, comprou caminhões,
reconstruiu pontes, construiu a escola da nova Rússia, no
Garcia, iniciou obras da rede de esgoto, fez o levantamento
aéreo fotogramétrio da cidade, e reiniciou os serviços de
exploração das minas de chumbo do Garcia, logo depois
paralisadas. O município foi agraciado na sua gestão com o
diploma de honra como o município brasileiro de maior
progresso, em concurso realizado pelo Instituto Brasileiro
de Administração Municipal. Permaneceu no cargo até 31 de
janeiro de 1956. Em 1955 é eleito deputado estadual,
assumindo em 1956 até 1959.
Faleceu no dia 26 de dezembro de 1982. Foi velado
na prefeitura e sepultado no Cemitério São José.
CARLOS CURT ZADROSNY
1966 - 1970

NEWTON BORGES DOS REIS


WLADISLAU CONSTANSKY
MARTINHO CARDOSO DA VEIGA
JOSÉ FERREIRA WILSON GOMES
SANTIAGO ARNO WEEGE
EUG~NIO BRUECKHEIMER EDGAR
MÜLLER BERNARDO WOLFGANG
WERNER JÚLIO GROSSENBACHER
PEDRO ZIMMERMANN

AFONSO DE OLIVEIRA
INGO HERING
CARLOS CURT ZADROZNY - Nasceu no dia 08 de maio 1926,
em Blumenau. Estudou no Colégio Sagrada Família anto
Antônio. Mais tarde foi cursar o ginásio em itiba, onde
fez o curso clássico. Se formou contador,
Escola de Comércio de Plácido e Silva de Curitiba.
1953 recebeu o diploma em Direito, em Florianápolis. e
pequeno trabalhava na empresa da família, a Artex,
indicação de seu pai, que não facilitava para os os.
Iniciou na empresa como escriturário. Ocupou os os de
contador, vendedor, representando a firma fora País,
vice presidente e presidente. Era um homem
o, calmo, e sério, tanto que quando assumiu a eitura,
utilizava o seu veículo para o trabalho. u-se com Asta
com quem teve três filhos. Em 1962 foi
ereador mais votado. Foi prefeito de janeiro de 1966
70. Foi na sua gestão aberta a Beira Rio, o Ribeirão
intensificou os trabalhos de continuidade do D de arrimo
na margem do Rio Itajai Açu, abriu vários radouros,
calçou, alargou e retificou diversas ruas.
administração foi voltada principalmente para a
Lstência social, e educação, com a construção de ~s de
aulas em escolas municipais e no grupo escolar rado de
Assis. Foi na sua gestão em 1968 inaugurado o Lisco que
marca o inicio das obras de construção dos neiros
prédios da Fundação Universitária de Blumenau.
campanha em toda a região levanta os recursos para a
3trução. Um ano depois, no dia 02 de agosto de 1969 é
19urado os três primeiros blocos da Fundação lersidade
Regional de Blumenau. Recebeu a visita de lixadores de
vários países. Construiu mais um Llhão na Proeb. O
turismo teve increl11ento, com a llgação do município
em pontos turísticos do país. ~ceu na praia de Armação,
no mar, com 63 anos, no dia
25 de março de 1990. O sepultamento ocorreu no Cemitério
Evangélico de Blumenau.

BERNARDO WOLFGANG WERNER


WOLFGANG JENSEN EDGAR
PAULO MÜLLER AFFONSO
BALSINI ALFONSO DE
OLIVEIRA ANT6NIO SESTREM
EUG~NIO BRUECKHEIMER INGO
HERING MANOEL VÍTOR
GONCALVES NELSON TÓFANO
JOSÉ FERREIRA DA SILVA
NEWTON TOBIAS DE AGUIAR
WILSON GOMES SANTIAGO
Inauguração dos primeiros blocos da Furb, na
gestão de Curt Zadrozny.
~
H (V")

iLl r--
H 0"'\

:> ri
O I
H
U) O
"~
'~ r--
H 0"'\
H ri

:>
iLl
EVILÁSIO VIElRA - Nasceu no dia 25 de novembro de
1926 em Blumenau, filho de José e Genésia Cunha Vieira. Estudou
no Colégio Luiz Delfino, que ficava próximo à sua residência, na
rua Guiana, no bairro da Velha. De família sem muitos recursos,
Evilásio Vieira, teve que começar a trabalhar cedo, para ajudar
nos custeios da casa. Trabalhava como entregador no Jornal a
Cidade, e mais tarde a parte social do jornal. Começou a jogar
aos 16 anos no Palmeiras de Blumenau, chegando a ser titular do
Clube aos 18 anos. Em 1946 junto com outro companheiro viajou
para o Uruguai. No entanto, chegando em Canoinha, foram
recebidos pelos integrantes do Clube Ipiranga Futebol Clube e
acabaram por lá ficando. Evilásio Vieira se casou com Elfrida,
e teve quatro filhos. Retornou à Blumenau e foi jogar no Tupi de
Gaspar, que lhe assegurou recursos para montar a sua primeira
gráfica no município vizinho. Porém a situação naquela cidade
não era das melhores. Retornou à Blumenau e voltou a jogar no
Palmeiras, que concedeu o dinheiro para montar a sua gráfica na
XV de Novembro. Mais tarde abriu outra gráfica. Desta vez em
Jaraguá do Sul. Anos depois, a convite de amigos de Canoinha,
montou uma gráfica com equipamentos de alta tecnologia naquela
cidade. Em 1952 foi jogar no Palestra Itália de Curitiba, onde
conheceu alguns empresários do ramo de comunicação. A partir
daí partiu para adquirir a sua própria rádio. Abriu uma
emissora em Ibirama, e logo mais tarde, em 1958, a Rádio Nereu
Ramos em Blumenau, que existe até hoje. Os negócios se
expandiram e abriu uma nova rádio em Dionisio Cerqueira em
sociedade e em Tubarão. Fundou em 1965 o MDB, e em 66 foi
eleito deputado. Assumiu a prefeitura em 31 de janeiro de 1970.
A educação teve dedicação especial do prefeito, que construiu
ginásios escolares, aumentou o vencimento dos
S
professores municipais, criou o 13° salário para o servidor A
municipal, uma iniciativa inédita no País, criou a bolsa de S
estudo para os servidores do municlPlo, iniciou o ginásio S
de esportes na Proeb, aumentou o número de centros sociais E
nos bairros, com cursos profissionalizantes, e creches,
criou três novas fAçuldades na Universidade Regional de
Foi nesse ano que surgiu a figura
arquitetura, educação e engenharia civil, alargou ruas para do suplente, que foram:
possibilitar que os ônibus fossem aos locais de difícil
acesso, e a rua das Missões, alargou e calçou a rUa Antônio ARNALDO VEIGA
da Veiga, construiu a adutora da estação de tratamento do LAÉRCIO MORITZ MÁRIO
Salto, trouxe a empresa Albany para Blumenau, e outras MANZKE BRAÚLIO
empresas, concluiu a Beira Rio, fundou a Fundação Cultural SCHOLEGEL CURT
no dia 07 de abril de 1972, vinculando o arquivo histórico, JAEGER DJALMA LEITÃO
e inaugurou o vapor de turismo Blumenau 11 em 1972. Foi FULVIO EMMENDOERFER
eleito senador em 1974 e secretário da Indústria e Comércio
do Estado em 1987.
Atualmente se dedica a sua rádio em Blumenau,
junto com os filhos.

WOLFGANG JENSEN EDGAR PAULO


MÜLLER ARMANDO BAUER
LIBERATO MÁRIO BAGÁTOLLI
ALFONSO DE OLIVEIRA ALFONSO
DOS SANTOS THEISS DIETER
HERING
HÉLIO VIElRA
LUIZ ANTÔNIO SOARES
MANOEL VÍTOR GONCALVES
NELSON TOFANO OSVALDO
MALHEIROS VICTOR FERNANDO
Cfl
Cfl
H
ILI
::r:
E-<
r-
O r-
Z (J)

,:x; M
H
E-< M
Cfl Ir'
H C')

o:: r- (J)
::r:
u M

:x:
H
...:l
'ILI
li.
FÉLIX CHRISTIANO THEISS - Nasceu em Blumenau em
08 de setembro de 1938, filho de Christiano Theiss e Hilda.
Estudou no Colégio Santos Dumond e Santo Antônio e se
formou em Ciências Econômica na Universidade Regional de
Blumenau. Fez pós graduação em Direito Ambiental na
Univali.Casou - se duas vezes. Primeiro com Murita Neves
Uber, e teve três filhos e pela segunda vez com Elzira
Galm, e teve mais uma filha. Trabalhou na empresa Souza
Cruz, Banco Agrícola, e na Prefeitura, como secretário de
Finanças na gestão de Evilásio Vieira. É eleito e assume em
31 de janeiro de 1973. Implanta o Plano Diretor Físico
territorial e legislação especifica que define novas
diretrizes para o crescimento urbano do município, o Anel
Viário Norte é construído interligando os bairros da
Itoupava Norte e Vorstadt, cria o calçadão na Rua XV de
Novembro nos finais de semana, a Faculdade de Educação
Física e Desportos, altera nome de ruas, executa obras de
proteção do Ribeirão Garcia, constrói escolas, ponte do
Ribeirão da Velha Grande, padroniza os táxis, alarga e
pavimenta ruas, entre elas, a Dois de Setembro, Benjamin
Constant e rua Bahia, desapropria terreno para construção
do campus da Universidade no Salto Weisbach, retifica o
Ribeirão da Velha, e implanta o cemitério municipal. Traz
para Blumenau os restos mortais do Dr. Blumenau.
Depois que deixou a Prefeitura, foi trabalhar na
Empresa Rigesa Celulose e Papel. Mais tarde, licenciado da
empresa, foi presidir o Instituto de Assistência a
Previdência Social lAPAS. Retornou a Rigesa, e em 1992 se
candidata novamente a prefeitura de Blumenau. Foi
secretário Estadual da Fazenda no Governo de Casildo
Maldaner. Atualmente é proprietário da empresa Félix Theiss &
Associados junto com um de seus filhos, Félix Theiss JÚnior.
RENATO DE MELLO VIANNA
1977 - 1982
1992 - 1996

MILTON POMPEU DA COSTA RIBEIRO


ALDIR THOMSEN
RUDI HORT
ÁLVARO CORREIA
CARLOS BRAGA MÜLLER
DIETER HERING
EGON DOEGE
GUSTAVO ZIMMERMANN
HERBERT SCHWEIGERT
HORÁCIO REBELO JOSÉ
ANOLÁCIO BIZ JOSÉ
VITOR IONEN MÁRIO
BAGÁTOLLI
MÁRIO ZIMDARS NELSON
JOÃO DE SOUZA OLÁVIO
ANTÔNIO COSTA RODOLFO
SESTREM

APARECIDO MARCHIORI
ARMANDO LIBERATO CURT
JAEGER EGYDIO VOLPATO
EUCLIDES SCHNEIDER FRIEDEL
SHIPMANN FRANCISCO MAESTRI
GERVÁSIO DESCHAMPS
JERÔNIMO DESCHAMPS HANS
KAPP JERÔNIMO DA SILVA
FILHO JOSÉ CARDOSO NILTON
ZOSCHKE ONÉLIü CAVACO
SíLVIO BORGES DE JESUS
RENATO DE MELLO VIANNA - Nasceu no dia 18 de julho de
1944 em Blumenau, filho de Abelardo Vianna e Ely Pereira de
Mello Vianna. Se formou em Direito e Letras pela
Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis.
Casou-se com Carmen Lúcia Rosa, com quem teve três filhos.
Foi chefe da Assessoria Jurídica de Blumenau de 1971 à 1976,
vice reitor da Furb, secretário da OAB de Blumenau, membro
do Conselho Curador da Fundação Hospitalar, vice presidente
do Instituto Brasileiro de Direito Municipal, membro da
Comissão Municipal da defesa civil de Blumenau. Eleito
assume em 01 de fevereiro de 1977. Cria o Seterb, a praça
Juscelino Kubitschek na Prainha, inaugura o terminal
rodoviário Prefeito Hercílio Deeke, um dos mais modernos do
Estado, cria a assessoria de coordenação e controle de
órgãos autônomos, a assessoria especial do Meio Ambiente,
grupos escolares e novas salas de aula, altera o Estatuto
da Fundação Cultural, cria Galeria Municipal de arte,
constrói ponte ligando a rua Alberto Stein à Almirante
Tamandaré, cria comissão municipal pela alfabetização,
teatro do bolso, alarga rua Sete de Setembro, retifica a
rua Gustavo Zimmermann, e inicia a construção do novo
prédio da prefeitura.
É reeleito e assume em 01 de janeiro de 1993,
permanecendo até 1996.
Está atualmente no seu quarto mandato de deputado
federal, onde foi designado relator geral do Plano
Plurianual denominado Avança Brasil, que avalia o orçamento
do Governo Federal na sua gestão. Como parlamentar ocupou
cargos em diversas comissões na Câmara Federal.
Foi vice - presidente do Diretório Regional do ARLINDO ANTÔNIO DE FRANCESCHI
PMDB do Estado, vice - líder do PMDB na Câmara Federal, SALÉZIO STAHELIN
membro suplente da Executiva Nacional do partido. HASSO ROLF MUELLER
Representou o Brasil em varlas missões no exterior, e foi DJALMA JANSEN
condecorado com a medalha Marechal Caetano de Farias, do ANTÔNIO HERKENHOFF FILHO
Mérito Tamandaré, Ordem do Rio Branco, troféu Presença ANTÔNIO JOÃO NUNES
Blumenau, Radar, Jornalista Celso Pamplona, BRAZ RONCÁGLIO
Barriga Verde, e diplomas Destaque Revelação DÉCIO LIMA
Administrativa, Colaborador Emérito do Exército, CALEB ZANIZ
Liderança, Amigo da Imprensa, Honra ao Mérito, título Amigo CÉLIO SCHOLEMBERG
do Município de Luís Alves, certificado de Municipalista do DEUSDITH DE SOUZA
Brasil, diploma de agradecimento pela atuação na Assembléia ERNO BUBLITZ
Constituinte, diploma de Honra ao Mérito, título Cidadão FERNANDO DE MELLO VIANNA
Honorário de Itapema, moção de Congratulações prestados à ISMAEL DOS SANTOS
Marília, título Sócio Benemérito da Associação dos IVO HADLICH
Ferroviários Aposentados de Santa Catarina, medalha Mérito JOÃO ERNESTO BATISTA MARCO
Santos Dumont, medalha e diploma do 12° aniversário do ANTÔNIO WANROWSKY ODILON
Tribunal Regional do Trabalho do Estado catarinense e Ordem JOSÉ DE SOUZA
do Mérito Naval .. RAUL CLEMENTE PEREIRA
VALDAIR JOSÉ MATIAS

LAURO EDUARDO BACCA MILTON


VALÉRIO JOSÉ STEIL POMPEU DA COSTA RIBEIRO RUFINUS
ANTÔNIO TILLMANN MARIA SEIBT AMBROSIO LENZI
DO CARMO CARL ALBERTO JENS JUERGEN MANTAU
LIESENBERG ALDIR JOÃO BATISTA KREIN
THOMSEN ALMERINDO MAURÍCIO JOSÉ PACHECO
BRANCHER APARECIDO SÉRGIO BRAUN
MARCHIORI BENO
FREDERICO WEIERS CARLOS
BRAGA MÜLLER FAUSTO
SCHMIDT FRIEDEL
SCHIPMANN HASSO ROLF
MUELLER INGO STEIN
JAIR GIRARDI MANOEL VITOR
GONCALVES NELSON JOÃO DE
SOUZA RODOLFO SESTREM
~
(il
C9 M
H ro
Qm
(ilrl M
::J 1.0
~ N
I
O
~ro
Hm
~rl
~
RAMIRO RUEDIGER - Nasceu em 1927. Foi de 1977 à 1988
presidente da Comissão Municipal de Esportes, onde iniciou como
diretor de Patrimônio, levando o município diversas vezes ao
pódio nos Jogos Abertos de Santa Catarina. Foi diretor da
coordenação de Desportos do Estado, diretor do Palmeiras (ex -
BEC,e da equipe de basquete do Vasto Verde). Casado com Alice,
teve dois filhos, que se dedicaram também ao esporte.
Substituiu Renato Vianna no cargo. Inaugurou o novo prédio da
prefeitura, lançou programa de aproveitamento de resíduos,
alargou a Rua Republica Argentina, e a Rua dos Caçadores.
Candidatou-se a Assembléia do Estado, mas não
obteve êxito. Faleceu no dia 06 de maio de 1992.

VALÉRIO JOSÉ STEIL


ANTÔNIO TILLMANN MARIA
DO CARMO CARL ALBERTO
LIESENBERG ALDIR
THOMSEN ALMERINDO
BRANCHER APARECIDO
MARCHIORI BENO
FREDERICO WEIERS CARLOS
BRAGA MÜLLER FAUSTO
SCHMIDT FRIEDEL
SCHIPMANN HASSO ROLF
MUELLER INGO STEIN
JAIR GIRARDI
MANOEL VITOR GONCALVES do suplente de vereador.
NELSON JOÃO DE SOUZA
RODOLFO SESTREM DALTO DOS REIS
1983 - 1988

Nessa gestão foi abolida a figura


DALTO DOS REIS - Nasceu em Blumenau no dia 17 de
agosto de 1945, filho de João Victor dos Reis e Lacides.
Formou-se em Direito pela Universidade Federal de Santa
Catarina, ocupando nesse período de Faculdade o cargo de
presidente do Centro Acadêmico Onze de Fevereiro, do
Diretório Central de Estudantes e da UBE. Casou-se com
Raquel Maria Pimentel de Oliveira dos Reis e tem dois
filhos. Logo depois de concluir os estudos retornou à
Blumenau onde em 1971 na gestão do então prefei to Evilásio
Vieira foi assessor de Imprensa. Em 1973 foi cursar pós
graduação na Escola Nacional de Serviços Urbanos do
Instituto Brasileiro de Administração do Rio de Janeiro -
IBAM, durante um ano. Em 1974 foi contratado para ser
técnico e depois secretário executivo da AMMVI onde ficou
por dois anos. Em 1976 no Governo de Félix Theiss foi
secretário de Administração e no período de 77 à 80 foi
secretário de Finanças no governo de Renato Vianna. Foi
prefeito em 01 de fevereiro de 1983, e enfrentou um ano
muito difícil, com doze enchentes no seu primeiro mandato. A
mais grave, foi registrada no dia 07 de julho, com a marca
de 15,37 metros, e prejuízos de 120 bilhões de cruzeiros.
Para iniciar os trabalhos de reconstrução, a Prefeitura
lança o proj eto Nova Blumenau. Dalto dos Reis implanta com
entidades o distrito industrial para manter empresas na
cidade. No ano seguinte, a cidade é novamente castigada pela
enchente de agosto com o nível do Rio chegando a 15,67
metros, e em 1984 é criada aquela que se tornaria uma das
maiores festas de chopp do País: a Oktoberfest, idealizada
com o propósito de proporcionar novo ânimo na população. A
festa acontece durante nove dias na Proeb, atraindo 100 mil
pessoas. Mesmo com todas as dificuldades, Dalto dos Reis
pôde comemorar: em janeiro de 1985 a cidade registra a
melhor marca em
arrecadação do ICMS no Estaç1o. Iniciam-se as obras de L
construção do novo prédio da Biblioteca Municipal Fritz U
Müller e do Arquivo Histórico José Ferreira da Silva, Z
inaugura o centro esportivo do Sesi, o centro de
convenções, a praça Hercílio Luz, faz o acesso ao novo R
terminal rodoviário, institui o estacionamento A
regulamentado, cria o ensino de primeiro grau na FURB. Foi M
na gestão de Dalto dos Reis, que no dia 07 de fevereiro de P
1986 vem à Blumenau o ministro da educação, Marco Maciel, e E
instala oficialmente a Universidade Regional de Blumenau, L
que passa a ter autonomia nas áreas didático científico O
pedagógica, financeira, administrativa e disciplina. T
I
Dalto dos Reis, que hoje é secretário de Captação
de Recursos do Governo Popular, e diretor Presidente do MÁRCIO CÉSAR CANI MARIO
Seterb, ao fazer uma avaliação de sua administração, brinca DO CARMO CARL NELSON
dizendo que foi uma das mais castigadas pela natureza, JOÃO DE SOUZA OSNI JOSÉ
registrando inclusive neve na cidade. LENZI
SIDO STRIBEL VICTÓRIO
Por muitos anos foi presidente do PMDB local e
PFIFFER WILSON ROGÉRIO WAN
atualmente é Coordenador do PTB no Vale do Itajaí.
- DALL

Composição da Câmara
(1983 - 1988)

ANTÔNIO TILLMANN
LOTHAR STEIN
JOSÉ CÂNDIDO PACHECO
AGUINALDO SCHAEFER
AUGUSTO CÉSAR VIANNA
BENO FREDERICO WEIERS
FREDERICO DIX HAROLDO
BACHMANN HASSO ROLF
MUELLER INGO STEIN
IVO HADLICH
JOÃO BERTOLDO PETRY JOSÉ
ANOLÁCIO BIZ MANOEL DA
Ministro da EducacãO, Marco Maciel na solenidade
de reconhecimento da Furb como Universidade, na gestão do

Prefeito Dalto dos Reis. Com a presença de Espiridião Amin


e Jorge Bornhausen e do Reitor da Furb, Arlindo Brancher.

VILSON PEDRO KLEINUBING 1989 - 1990


VILSON PEDRO KLElNUBING - Nasceu em Montenegro - Rio Grande do
Sul - no dia 09 de setembro de 1944, filho de Waldemar e Carmen
Pontin K1einübing. Quando tinha cinco meses, seus pais se
mudaram para Videira. Fez o primarlo e concluiu os estudos mais
tarde em Florianápolis no Colégio Catarinense. Formou-se em
engenharia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul em
1968. Foi professor da Escola Superior de Administração e
Gerência da Universidade de Desenvol vimento do estado de Santa
Catarina. Casou-se com Vera Karan, e tiveram três filhos. Em
1970 foi trabalhar na Celesc como técnico do Departamento de
Processamento de Dados, passando mais tarde a diretor de
distribuição. Trabalhou na campanha. de Esperidião Amim para a
Câmara Federal em 1978. Em 1974 foi eleito presidente da
Associação de Moradores do Balneário Daniela. Foi deputado
federal em 1981, e dois anos mais tarde, secretário de
Agricultura e Abastecimento do governo Amim. Em 1986 é
derrotado nas eleições para o governo do Estado. É eleito
prefeito de Blumenau e assume em 01 de janeiro de 1989, e se
licencia em 31 de dezembro de 1990 para concorrer as eleições
sendo eleito governador do Estado. Como prefeito melhora o
abastecimento de água, inicia o asfaltamento da rua Bahia e
recuperação da Ponte de Ferro, pavimenta a rua Bahia, cria a
Fundação Municipal de Desportos, cria a escola Municipal de
Educação Alternativa e de Ensino Supletivo de primeiro grau. Em
1994 se elege senador, onde denúncia irregularidades na venda
de títulos públicos em vários Estados, inclusive em Santa
Catarina. Morre no dia 24 de outubro de 1998, na metade do seu
mandato de senador.
Composição da Câmara
(1988 - 1990)
assa a contar com 21 vereadores) VICTOR FERNANDO SASSE
1990 - 1992

HASSO ROLF MUELLER


OSNI JOSÉ LENZI
OSCAR RAUTENBERG
JOSÉ ANOLÁCIO BIZ
ADEMAR LINGNER
AMAURI CADORE
ARLINDO ANTÔNIO DE FRANCESCHI
BRAZ RONCÁGLIO
DJALMA JANSEN
FREDERICO DIX
LIO OG~ GAYA JÚNIOR
LOURENCO SCHREIBER
MANFREDO BUBECK MÁRCIO
CÉSAR CANI MOACIR LUIZ
TOBIAS NESTOR SILVIO
WINZEWSKI NORBERTO METTE
REINALDO DE LIMA SOUZA
RODOLFO SESTREM SALÉZIO
STAHELIN YARA LUEF

ANTÔNIO HERKENHOFF FILHO


DANILO PRESTES GOMES
DEUSDITH DE SOUZA HAROLDO
BACHMANN
MILTON POMPEU DA COSTA RIBEIRO
ODILON SOUZA
PÁRIS RAMOS
WILSON GOMES SANTIAGO
VICTOR FERNANDO SASSE Nasceu no dia 19 de
abril de 1937 em Blumenau, filho de Ferdinand e Elisa Sasse.
Fez o primário e o ginásio no Colégio Pedro 11, e cursou
técnico em Contabilidade no Colégio Santo Antônio. É
Bacharel em Ciências Sociais e Jurídicas pela FAçuldade de
Direito da Universidade Federal de Santa Catarina. Foi
assessor geral de contabilidade do Estado, e assessor
técnico em 1960. Em 1963 volta a Blumenau corno chefe de
Contabilidade da Celesc, cargo que exerce até 1992. Em 1966
passa a administrar aulas de projetos e política de
desenvolvimento no curso de economia da Furb. Nesse mesmo
ano se filia na Arena, e dois anos mais tarde, se elege
vereador. Em 1970 foi designado secretário no Governo de
Colombo Sall~s. De 1976 à 1980 foi diretor financeiro da
Celesc e de 1980 à 1986 administrador regional da empresa em
Blumenau. No mesmo ano, passa a administrar aulas na Escola
Superior de Guerra até 1988. Foi diretor do Colégio Pedro 11
por um ano. Casou-se com Marita Sasse. Se candidatou
prefeito em 1978, e em 1988 chega a prefeitura corno vice de
Vilson Kleinübing, passando a ocupar o cargo de prefeito até
1992. Na sua administração restaura a primeira escola
fundada em Blumenau em 1870, conclui as obras de
abastecimento de água, deixa aprovado o projeto do esgoto
sanitário, inicia as obras da estação de tratamento do
Garcia, conclui o asfaltamento da Rua Bahia, e projeta a
Oktoberfest, com a visita recorde de um milhão de
visitantes. O seu governo dirigiu boa parte da atenção à
educação. Manteve o nível salarial dos professores corno o
mais alto do Estado. Cria o Conselho Municipal de
Entorpecentes, o Conselho de Defesa do Consumidor, alarga
Rua Pedro Zirnrnermann, General Osário, institui orientação
dentária nas escolas, cria o Conselho Municipal de Defesa da
Criança e do
Adolescente, Fundação do Meio Ambiente, e Conselho
Municipal de Saúde.
Atualmente leciona política e
planejamento econômico no curso de Economia
da Furb, onde também é diretor da TV da
Universidade.

Composição da Câmara
(1988 - 1992)

HASSO ROLF MUELLER


OSNI JOSÉ LENZI
OSCAR RAUTENBER JOSÉ
ANOLÁCIO BIZ ADEMAR
LINGNER AMAURI
CADORE
ARLINDO ANTÔNIO DE FRANCESCHI
BRAZ RONCÁGLIO
DJALMA JANSEN
FREDERICO DIX
LIO OG~ GAYA JÚNIOR
LOURENCO SCHREIBER
MANFREDO BUBECK MÁRCIO
CÉSAR CANI MOACIR LUIZ
TOBIAS NESTOR SILVIO
WINZEWSKI NORBERTO METTE
REGINALDO DE LIMA SOUZA
RODOLFO SESTREM SALÉZIO
STAHELIN YARA LUEF

ANTÔNIO HERKENHOFF FILHO


DANILO PRESTES GOMES
DEUSDITH DE SOUZA HAROLDO
BACHMANN DÉCIO NERY DE LIMA
MILTON POMPEU DA COSTA RIBEIRO 1997 - 2000
ODILON SOUZA
PÁRIS RAMOS
WILSON GOMES SANTIAGO
DÉCIO NERY DE LIMA - Nasceu em Itajaí no dia 01 de
outubro de 1960, filho de Nery e Angelina de Lima. Concluiu o
curso ginasial na Escola Básica Henrique da Silva Pontes, onde
demonstrou o interesse pela política ao participar do grêmio
estudantil, ocupando a presidência. O mesmo ocorre quando
freqüenta o Colégio Salesiano no segundo grau. Presidiu a ala
jovem do MDB de Itaj ai, e foi vice presidente do Diretório
Acadêmico de Filosofia da Univali. Ao cursar Direito na
Universidade, preside também o diretório acadêmico e a União
Catarinense dos Estudantes. Foi um dos fundadores do Partido
dos Trabalhadores (PT) ainda no período da Universidade. Cursou
também Estudos Sociais. Foi chefe de Gabinete do deputado
federal, Luiz Antônio Cechinel, em 1978. Casou-se com Ana Paula
Souza" e tem dois filhos.

Concorreu à Câmara de Vereadores de Itajaí, e a


Assembléia Legislativa em 1982. Em 1994 concorreu novamente
a deputado estadual. Em 1989 veio morar em Blumenau para
atuar no movimento estudantil. Se elegeu vereador em 1993
em Blumenau. Foi por muitos anos advogado sindical.
Em 1997 é eleito prefeito de Blumenau pela
Coligação Blumenau para Todos com 50.44% dos votos. Entre
as obras executadas estão: terminal urbano Fortaleza, a
construção de 303 moradias populares e 460 lotes
urbanizados, implantou a passarela do Hospital Santo
Antônio e ampliou o mesmo, implanta o Programa Saúde da
Família, inaugura a Policlínica de Referência de
Especialidades Lindolf Bell, constrói três escolas e cinco
centros comunitários, e 8 O salas de aula, implantou a
Escola Semestral para jovens e adultos, e o Projeto Escola
Sem Fronteiras, o Orçamento Participativo, reurbaniza a
principal rua da cidade, a
IVO
XV de Novembro, asfalta a Avenida Castelo Branco (Beira HADL
Rio), a Martin Luther, Almirante Tamandaré, Frei Stanislau ICH
Schaette, João Pessoa, inaugura a Ponte do Tamarindo, obra
JENS
rei vindicada à vinte anos, o Complexo Gaitas Hering,
JUERGEN
Humberto de Campos, desafogando o trânsito, pavimentou 136
MANTAU
ruas, através do programa Rua Feliz, e ampliou a Promenor
JOÃO LUCIANO PISA
que atende crianças carentes. Cria também o Banco do Povo,
MAURÍCIO JOSÉ PACHECO
que financia microempresas, concede incentivos econômicos e
NAGEL MARINHO OSCAR
fiscais, gerando novos empregos, implanta uma usina móvel RAUTENBERG VITÓRIO
de leite, e o programa de verticalização da Produção TOMIO
Familiar Rural para manter o homem rural no campo. Outra
obra importante foi a estação de tratamento no bairro
Progresso, e a construção de cinco novas estações
elevatórias, ampliando o abastecimento de água, investe no
turismo e Blumenau é classificada pela Embratur como
BRAZ DE JESUS
município prioritário para o desenvolvimento turístico no
CALEB ZANIZ ERNO
País. O programa Renda Mínima do Governo municipal ajuda no
BUBLITZ ISALTINO
sustento das famílias de baixa renda .. A Prefeitura amplia
PEDRON
ainda os programas na área social, assim como na área
LUIZ CARLOS MORElRA DA MAlA
cultural e esportiva. Foi uma das administrações municipais
VANDERLEI PAULO DE OLIVEIRA
mais progressista.
FARLEI JOSÉ DOS SANTOS

Composição da Câmara
(1997 - 2000)

MARCO ANTÔNIO WANROWSKY


ALCIR MÜLLER DEUSDITH DE
SOUZA RUFINUS SEIBT AGNELO
PAULO LANSER
ALMIR NASCIMENTO
ALZINA MICHELUZZI
ANTÔNIO JOÃO NUNES
ARNALDO ZIMMERMANN
BRAZ RONCÁGLIO CÉLIO
SCHOLEMBERG EDSON FRANCISCO
BRUNSFELD EDUARDO CARVALHO
SITÔNIO ISMAEL DOS SANTOS
Esta obra foi concluída através de pesquisas realizadas nos
seguintes órgãos: