Você está na página 1de 5

MRUV (plano inclinado) – trilho de ar com faiscador

Trilho de ar
1 - Conceitos relacionados como a variação da velocidade, dividida pelo intervalo
de tempo decorrido t :
a  v
Intervalo de tempo, posição, velocidade, aceleração,
(1)
aceleração média e movimento retilíneo uniformemente t
variado. Sendo v  v  v 0 e t  t  t 0 , t o tempo final, t0 o
2 - Objetivos tempo inicial, v a velocidade em t, v0 a velocidade em
t0. No limite de v e t tendendo a zero, a aceleração
Entender os conceitos de espaço percorrido, posição, média passa a ser a aceleração instantânea:
intervalo de tempo, velocidade, aceleração, aceleração
média, familiarização com programa específico de a  lim v  dv (2)
tratamento de dados, elaboração e análise de tabelas e t 0 t dt
gráficos (manualmente e via programa).
Reescrevendo a equação (5), considerando a aceleração
3 - Método utilizado constante, fazendo o instante inicial t 0  0 , na equação
(3) considerando ( a = a ), temos a seguinte equação do
O Registro da posição em função do tempo é obtido
MRUV:
através de descargas elétricas de alta tensão (faíscas)
com freqüência conhecida, que deixa um rastro
impresso sobre uma fita termo sensível colada sobre o v  v 0  a.t (3)
trilho de ar. Considerando a aceleração constante, é definida como
velocidade média do movimento, a média aritmética da
4 - Equipamentos velocidade no instante inicial com a velocidade no
instante final:
1 trilho de ar modelo Ealing
1 faiscador AT v  v0
1 cavaleiro para trilho de ar v (4)
2
1 régua 40 cm
1 trena Substituindo (3) e (4) em: x  x0  v  t , se obtém a
1 rolo de fita adesiva equação do MRUV:
Fitas termo sensível de 60 cm
Calços para elevar trilho x  x0  v 0  t  1  a  t 2 (5)
2
5 - Fundamentos Teóricos Sendo x0 a posição e v0 a velocidade no instante t  0 ,
x a posição no instante t e a a aceleração constante
O movimento em que um corpo ou ponto material
durante o movimento.
se desloca apenas em trajetórias retas, com a velocidade
se mantendo constante ou variando apenas em módulo
6 - Montagem e procedimento experimental
é chamado Movimento Retilíneo. Em movimento com
aceleração, esta tem sentido paralelo ao da velocidade,
O trilho de ar com o cavaleiro flutuando sobre o
com variação apenas em módulo, nunca em direção.
“colchão de ar” oferece uma condição adequada para o
estudo de movimentos em uma dimensão de sistemas
5.1 - Movimento Retilíneo Uniformemente Variado
físicos isolado com atrito reduzido. Dentro da análise
dos erros experimentais para este experimento a de
No Movimento Retilíneo Uniformemente Variado força atrito resultante sobre o cavaleiro na direção
(MRUV) o corpo ou ponto material está sujeito a vertical é nula.
aceleração constante. A aceleração média é definida

Toginho Filho, D. O., Zapparoli, F. V. D., Pantoja, J. C. S., Catálogo de Experimentos do Laboratório Integrado de Física Geral
Departamento de Física  Universidade Estadual de Londrina, Fevereiro de 2012.
1
MRUV (plano inclinado) – trilho de ar com faiscador
Trilho de ar
Prática 1 - MRUV com o trilho de ar inclinado 5. Considerando t  1/ f , sendo f a freqüência do
gerador de Alta tensão (faiscador), determinar o
1. Ligar o interruptor de energia do faiscador e do instante de tempo t i  2  i  t (pois é o período a
compressor de ar e verificar se o trilho de ar está
nivelado; cada dois pontos) entre cada ponto xi escolhido, a
2. Impulsionar o cavaleiro algumas vezes (não com partir da origem;
muita força), com a régua de 40 cm sem ligar o 6. Determinar a distância ∆xi e os intervalos de tempo
botão de disparo do faiscador, para se familiarizar ∆ti para todos os pontos xi, de acordo com o
com o equipamento; diagrama da Figura 1;
3. Impulsionar o cavaleiro algumas vezes, com a 7. Calcular a velocidade média vi para cada intervalo
régua de 40 cm, acionando o botão de disparo do (∆xi/∆ti);
faiscador para testá-lo e ver como funciona; 8. Calcular a aceleração média ai para cada intervalo
4. Desligar o interruptor de energia do faiscador e do (∆vi/∆ti), anotando na última linha da coluna, sendo
compressor de ar, depois fixar a fita termo sensível N
ai
de 60 cm na lateral do trilho de ar, onde é acionada a  , calcular o desvio (ou resíduo)
a ponteira do faiscador; i 1 N
5. Elevar o ponto de apoio do trilho de ar com um  ai  (ai  a ) de cada ai , anotando na última
calço de 5 mm; N
6. Ligar o compressor de ar e o interruptor do
faiscador com o botão de acionamento em mãos,
linha da coluna seu somatório  ( a ) ;
i 1
i

soltar o cavaleiro a partir do extremo mais elevado 9. Calcular o quadrado do desvio ( ai ) 2 para cada
do trilho, acionando o botão de disparo do
faiscador apenas quando a ponteira deslizar sobre a ai , anotando na última linha da coluna seu
N
fita termo sensível pela primeira vez;
7. Remover e identificar a fita termo sensível somatório  ( a )
i 1
i
2
;
marcada, anotando a freqüência do faiscador, e
assinalando o ponto inicial e final de registro do 10. Obter o desvio padrão da média da aceleração a ,
movimento; dado por:
N 1
8. Repetir os procedimentos de 3 até 5 para o registros
de outros movimentos com maior inclinação, sendo
 (a ) 2

a  i 0
a inclinação máxima de 30 mm. N ( N  1)
9. Medir com a trena o comprimento do trilho, e
11. Expressar o valor da velocidade do movimento em
anotando este valor.
notação científica, na forma: a  a   a ;
7 - Análise dos dados 12. Qual o valor ideal para o resíduo, e em que situação
isso ocorre;
7.1 - Análise estatística

1. Fixar a fita termo sensível na bancada de trabalho;


2. Circular um a cada dois pontos que serão
considerados na análise, definindo o ponto x1 no
início da fita como origem do movimento, conforme
diagrama da Figura 1;
3. Organizar os valores medidos e calculados abaixo,
em uma tabela, conforme Tabela Modelo; Figura 1 – Diagrama mostrando o método de análise dos
4. Medir a posição de cada ponto xi a partir da pontos marcados na fita.
origem;

Toginho Filho, D. O., Zapparoli, F. V. D., Pantoja, J. C. S., Catálogo de Experimentos do Laboratório Integrado de Física Geral
Departamento de Física  Universidade Estadual de Londrina, Fevereiro de 2012.
2
MRUV (plano inclinado) – trilho de ar com faiscador
Trilho de ar
7.2 - Análise gráfica valor (para caso da função polinomial)?O que pode
ser deduzido ao se comparar o valor de B e o de C?
Para avaliar a dependência da posição e da 9. Como é escrita a dependência da posição em
velocidade em função do tempo, em é escolhido como função do tempo (sugestão ver equações 3 e 5 e
origem do referencial a posição onde se inicia a comparar com as equações de melhor ajuste obtidas
marcação do tempo, ou seja, x  0 e v  0 em t  0 . pelo aplicativo). Neste caso, justifique o fato do
Com isto, o termo posição tem o mesmo significado movimento poder ser caracterizado como MRUV;
que distância total. A aceleração instantânea em cada
ponto xi é definida como o valor de velocidade média 7.3 - Questões complementares
∆vi correspondente no intervalo ∆ti entre dois pontos
distintos de acordo com o diagrama da Figura 1; 1. Existe concordância entre o valor de a obtido na
análise estatística e o valor da inclinação da reta no
1. Construir em papel milimetrado, o gráfico de x(t) (x o gráfico de v(t) na análise gráfica? Faça um
versus t), a partir dos valores xi e ti registrados na comentário a respeito do resultado, e suas
Tabela I. Traçar uma reta e uma curva média prováveis causas.
(cores diferentes) entre os pontos para avaliar 2. Verificar o comprimento total da fita termo-
visualmente qual delas descreve melhor ajuste de sensível e o número de pontos selecionados para o
pontos (ver modelo gráfico em anexo); estudo. Elabore argumentos (explicações) que
2. Construir em papel milimetrado, o gráfico de v(t) (v comprovem a consistência (lógica) do valor obtido
versus t), a partir dos valores vi e ti registrados na para a aceleração do movimento;
Tabela I. Traçar uma reta média entre os pontos 3. Neste caso considerando os resultados do
marcados no papel e obter sua inclinação da e experimento, é possível afirmar que o cavaleiro em
interpretar seu significado, com base no valor movimento se comporta como um corpo isolado do
encontrado para o item 11 da análise 7.1; meio exterior, sendo nula a força de atrito
3. Inserir os dados experimentais da na tabela do cavaleiro-trilho?
aplicativo de tratamento de dados de acordo com a 4. Faça um desenho do cavaleiro se movendo no
tabela modelo, apenas para o tempo ti, posição xi e trilho inclinado, depois faça um diagrama de ponto
velocidade vi ; material do cavaleiro num plano cartesiano xy, com
4. Construir o gráfico de x (t) a partir dos valores de xi as forças que agem sobre o cavaleiro;
e ti, digitados no aplicativo; 5. Este movimento obedece a Lei de Inércia?
5. Construir o gráfico de v (t) a partir dos valores de vi Explique por quê?
e ti, digitados no aplicativo; 6. Ache a aceleração da gravidade local através das
6. Fazer o ajuste dos pontos experimentais em ambos h
os gráficos gerados nos itens anteriores, usando relações: a  g.sen e   arctg   ,
L
uma função linear do tipo y  A  B  x e uma
onde a é valor da aceleração média do cavaleiro
função polinomial de 2a ordem do tipo devido a cada inclinação, g é a aceleração da
y  A  B  x  C  x 2 (identificá-las por cores e gravidade, h altura do calço, e L comprimento do
legenda); trilho. Comente o valor encontrado com o valor da
7. Analisar qual das duas funções se ajusta melhor aos gravidade conhecido.
dados experimentais, comparando os valores de R
(coeficiente de correlação) e SD (desvio padrão do
Referências Bibliográficas
ajuste). O melhor ajuste é o que apresentar maior
valor R e menor valor de SD;
1. Toginho Filho, D. O., Zapparoli, F. V. D., Pantoja,
8. Para o melhor, qual o significado do parâmetro A e
J. C. S., Catálogo de Experimentos do Laboratório
seu valor? Qual o significado do parâmetro B e seu
Integrado de Física Geral, “Uso do Trilho de ar”,
valor? Qual o significado do parâmetro C e seu
Universidade Estadual de Londrina, 2007.

Toginho Filho, D. O., Zapparoli, F. V. D., Pantoja, J. C. S., Catálogo de Experimentos do Laboratório Integrado de Física Geral
Departamento de Física  Universidade Estadual de Londrina, Fevereiro de 2012.
3
MRUV (plano inclinado) – trilho de ar com faiscador
Trilho de ar
2. Domiciano, J. B., Juraltis K. R., “Introdução à 5. Tabacniks, M. H., “Conceitos Básicos de Teoria de
Física Experimental”, Departamento de Física, erro”, Disponível em:
Universidade Estadual de Londrina, 2003. <http://euclides.if.usp.br/~ewout/ensino/fge2255/te
3. Halliday, D. e Resnick, R. – “Fundamentos de xtos/ConcBasTeorErr.pdf>. Acesso em
Física 1” – vol.1 - LTC - Livros Técnicos e 23/11/2007.
Científicos Editora S.A., Rio de Janeiro, 1993.
4. Sears, F. W. e Zemansky, M. W. – “Física” - vol. 1
- Ed. Universidade de Brasília – Rio de Janeiro –
1973 – p. 38 a 44.

Toginho Filho, D. O., Zapparoli, F. V. D., Pantoja, J. C. S., Catálogo de Experimentos do Laboratório Integrado de Física Geral
Departamento de Física  Universidade Estadual de Londrina, Fevereiro de 2012.
4
MRUV (plano inclinado) – trilho de ar com faiscador
Trilho de ar
Anexos
Tabela Modelo – Registro e tratamento dos dados, sendo: i o índice da marcação circulada; ti o instante do
movimento na posição xi ; xi o espaço percorrido no intervalo de tempo ti , e v i a velocidade média entre a
marcação anterior e posterior a xi, ;  v i é a variação dos valores da velocidade entra a marcação anterior e de
posterior v i , ai é a aceleração média entre a marcação anterior e posterior a xi,  ai o desvio de cada medida ai ;
 ai 2 o quadrado do desvio de cada medida ai ;

Índice
(i)
t(s) x
(cm)
ti
(s)
xi
(cm)
vi vi ai  ai  ai 2
(cm/s) (cm/s) (cm/s2) (cm/s2) (cm/s2)2
1 t1 x1 0 0 0 0 0 0 0
2 t2 x2
3 t3 x3
. . .
. . .
. . .
N ti xi
N N N

a i
=  ( a ) =i  ( a )
i 1
i
2 =
i 1 i 1

Modelo de gráfico em papel milimetrado, onde o eixo vertical representa o espaço percorrido e o eixo horizontal
representa o tempo decorrido durante o movimento de um dado corpo, ambos em fator escala (FE) apropriados.

Toginho Filho, D. O., Zapparoli, F. V. D., Pantoja, J. C. S., Catálogo de Experimentos do Laboratório Integrado de Física Geral
Departamento de Física  Universidade Estadual de Londrina, Fevereiro de 2012.
5