Você está na página 1de 20

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL

Estruturas de Betão Armado II


13 – Pré-Esforço - Introdução

A. Ramos Nov. 2006 1


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução
Pré-Esforço é a aplicação de esforços em peças de betão, antes
do início da sua utilização, que contrariam os efeitos das acções
a que estas vão estar sujeitas. O pré-esforço pode ser aplicado
por meio de cabos, fios ou varões tensionados contra a própria
peça de betão.
Exemplo: Um tirante de betão pode ser previamente comprimido
por forma a evitar que o betão fendilhe sob a acção da força de
tracção a que vai estar sujeito.

Tensão no cabo:
Tensão no cabo: NP = P + ∆NP ≈ P
NP = P > 0 Tensão no betão:
Tensão no betão: Nc = -P + ∆Nc ≈
Nc = -P < 0 ≈ -P + F
σc = -P/Ac < 0 Se P > F:
Nc < 0
σc < 0
A. Ramos Nov. 2006 2
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução
EFEITOS DO PRÉ-ESFORÇO EM VIGAS
Compressão M

B.A. com
Compressão

Mć
r

Betão Armado: Betão Armado


M cr
M cr = wc f ctm
bh 2
wc = a´ a a
6
Betão Armado com compressão:
(seja σP = -P/Ac = -5MPa e fctm = 2.5 MPa)
M cr′ P
σ c = f ctm = −
wc Ac
⎛ P⎞
M cr′ = wc ⎜⎜ f ctm + ⎟⎟ ≈ 3M cr
A. Ramos Nov. 2006
⎝ Ac ⎠ 3
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução
EFEITOS DO PRÉ-ESFORÇO EM VIGAS
Compressão M

B.A. com
Compressão

Mć
r

Betão Armado
Conclusões: A compressão devido M cr
ao pré-esforço, só por si, aumenta
consideravelmente o momento de
fendilhação, isto é, o início da a´ a a
fendilhação.

Na situação indicada na figura anterior, e para a mesma carga,


a flecha é muito menor na peça comprimida, devido à ausência
de fendilhação, do que na peça sem pré-esforço.

A. Ramos Nov. 2006 4


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução
EFEITOS DO PRÉ-ESFORÇO EM VIGAS
Excentricidade

M´´
R

MR
M´´
cr

Mć
r

M cr

ap a´´ a´ a a

Deformação inicial devido à excentricidade do pré-esforço:


ap < 0 ⇒ a´´ = a´ - ap << a

A. Ramos Nov. 2006 5


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução
EFEITOS DO PRÉ-ESFORÇO EM VIGAS
Excentricidade M

M´´
R

MR
M´´
cr

Mć
r

M cr

ap a´´ a´ a a

M cr′′ P Pe
σ c = f ctm = − −
wc Ac wc
⎛ P⎞
M cr = wc ⎜ f ctm + ⎟⎟ + P e
′ ′ ⎜
⎝ Ac ⎠
A. Ramos Nov. 2006
M cr′′ − M cr′ = P e 6
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução
EFEITOS DO PRÉ-ESFORÇO EM VIGAS
Excentricidade M

M´´
R

MR
M´´
cr

Mć
r

M cr

ap a´´ a´ a a

Se o aço de pré-esforço for aderente ao betão, ele também


funciona como armadura aumentando o momento resistente de MR
para M´´R.

Conclusões: A existência de excenticidade no pré-esforço leva: à


redução das deformações; ao aumento do valor do
momento de fendilhação, e ao aumento do momento
A. Ramos Nov. 2006
resistente, se o pré-esforço for aderente. 7
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução
EFEITOS DO PRÉ-ESFORÇO EM VIGAS

Desvio do Cabo

Como o ângulo α é
pequeno considera-se a:
comp. hor. = Pcosα ≈ P
comp.Vert.= Psenα ≈ Ptg α

Conclusões: Os efeitos do cabo sobre a peça de betão são auto-


equilibrados, não provocando reacções em vigas
isostáticas.
As forças de desvio do cabo conduzem as forças do vão
para os apoios, “aliviando” o esforço transverso.

A. Ramos Nov. 2006 8


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução
MARCOS HISTÓRICOS DO PRÉ-ESFORÇO

Eugéne Freyssinet (1878-1962)

• 1906 a 1912 – Freyssinet


construi três pontes com pré-
esforço na região de Vichy;
• 1928 – 1ª patente de
Freyssinet sobre p.e. em
França;
• 1954 – 1ª ponte de betão p.e.
em Portugal, entre Benavente
e Salvaterrra de Magos.

Luzancy (1941)
A. Ramos Nov. 2006 9
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução

Nomenclatura
Cabo de pré-esforço

Ancoragem passiva
Ancoragem activa

Ancoragem Ancoragem de Ancoragem


activa continuidade activa

A. Ramos Nov. 2006 10


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução
Evolução das Ancoragens

1939 - Cone de betão 1960 - Cone de aço 1965 - Cunhas e cordões


e fios de aço com cordões

1980 - Sistemas compactos


A. Ramos Nov. 2006 11
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução

Ancoragens Activas

Bainha
Injecção Cabeça
de calda de anc.

Cordões
Cunhas

Cinta de
confinamento
do betão
Placa de
ancoragem

A. Ramos Nov. 2006 12


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução

Ancoragens Passivas

A. Ramos Nov. 2006 13


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução

Ancoragens de Continuidade

Macaco de Pré-Esforço

A. Ramos Nov. 2006 14


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução

Aplicação do Pré-Esforço

Colocação da
placa de anc.

Tensionamento
do cabo Posicionamento
do macaco

Aperto das
cunhas

Injecção das bainhas com calda de cimento


A. Ramos Nov. 2006 15
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução
Aplicação de Pré-Esforço em Pontes e Viadutos

A. Ramos Nov. 2006 16


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução
Aplicação de Pré-Esforço em Edifícios

Laje maciça, pré-esforçada

Laje nervurada, pré-esforçada

A. Ramos Nov. 2006 17


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução

TIPOS DE PRÉ-ESFORÇO

Pré-esforço aderente/não aderente:


O pré-esforço é designado por aderente se o aço de pré-esforço
estiver ligado ao betão ao longo dos seu comprimento, por exemplo
com utilização de calda de cimento, garantindo um funcionamento
conjunto dos materiais semelhante ao das armaduras ordinárias.

Pré-esforço interior/exterior:
O pré-esforço é designado por exterior se o aço de pré-esforço
estiver colocado exteriormente à secção de betão, tomando
contacto com esta apenas em pontos localizados ao longo do vão
(ancoragens e pontos de desvio).

A. Ramos Nov. 2006 18


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução

TIPOS DE PRÉ-ESFORÇO

Pré-esforço por pós-tensão:


O aço de pré-esforço é tensionado depois da betonagem da peça,
quando o betão adquiriu a resistência necessária. A transferência
é realizada quer nas extremidades, através de dispositivos
mecânicos de fixação das armaduras (ancoragens), quer ao longo
das armaduras.

Pré-esforço por pré-tensão:


O aço de pré-esforço é tensionado antes da betonagem da peça de
betão, sendo o pré-esforço transferido ao betão após a cura do
mesmo. É o sistema utilizado correntemente em fábrica para a
pré-fabricação de vigotas, lajes alveoladas, de vigas
pré-esforçadas para pontes e asnas para edifícios industriais.
O pré-esforço é transferido do aço para o betão por aderência entre
os dois materiais.

A. Ramos Nov. 2006 19


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
13 – Pré-Esforço - Introdução

SISTEMAS DE PRÉ-ESFORÇO MAIS CORRENTES

• VSL
• Freyssinet
• DSI – Dywidag
• Tensacciai
• BBRV
• Stronghold
• CCL
• Macalloy

A. Ramos Nov. 2006 20