Você está na página 1de 19

DIOCESE DE MACAPÁ

COMUNIDADE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

Município de Ferreira Gomes 2019

FORMAÇÃO DE LITURGIA

Tema: O CANTO E A MÚSICA LITÚRGICA

Carta aos agentes de música litúrgica do Brasil

A liturgia ocupa um lugar central em toda a ação evangelizadora da Igreja. Ela é o “cume
para o qual tende a ação da Igreja e, ao mesmo tempo, a fonte de onde emana toda a sua força”
(SC 10). Nela, o discípulo realiza o mais íntimo encontro com seu Senhor e dela recebe a motivação
e a força máximas para a sua missão na Igreja e no mundo (cf. DGAE nº 67).
Há uma relação muito profunda entre beleza e liturgia. Beleza não como mero
esteticismo, mas como modalidade pela qual a verdade do amor de Deus em Cristo nos alcança,
fascina e arrebata, fazendo-nos sair de nós mesmos e atraindo-nos assim para a nossa verdadeira
vocação: o amor (cf. SCa 35). Unida ao espaço litúrgico, a música é genuína expressão de beleza,
tem especial capacidade de atingir os corações e, na liturgia, grande eficácia pedagógica para levá-
los a penetrar no mistério celebrado.
Acompanhamos, com entusiasmo e alegria, o florescer de grupos de canto e música
litúrgica, grupos instrumentais e vocais, que exercem o importante ministério de zelar pela beleza
e profundidade da liturgia através do canto e da música. Sua animação e criatividade encantam
muitos daqueles que participam das celebrações litúrgicas em nossas comunidades. Ao soar dos
primeiros acordes e ao canto da primeira nota, sentimos mais profundamente a presença de Deus.
Lembramos alguns aspectos importantes que contribuem para a grandeza do mistério
celebrado.
1. A importância da letra na música litúrgica - a letra tem a primazia, a música está a
seu serviço. A descoberta da beleza de um canto litúrgico passa necessariamente pela análise
cuidadosa do conteúdo do texto e da poesia. A beleza estética não é o único critério. Muitas
músicas cantadas em nossas liturgias estão distanciadas do contexto celebrativo.
“Verdadeiramente, em liturgia, não podemos dizer que tanto vale um cântico como outro; é
necessário evitar a improvisação genérica e o canto deve integrar-se na forma própria da
celebração” (SCa 42). Não é possível cantar qualquer canto em qualquer momento ou em qualquer
tempo. O canto “precisa estar intimamente vinculado ao rito, ou seja, ao momento celebrativo e
ao tempo litúrgico” (DGAE 76). Antes de escolher um canto litúrgico é preciso aprofundar o
sentido dos textos bíblicos, do tempo litúrgico, da festa celebrada e do momento ritual.
2. A participação da assembleia no canto - o Concílio Vaticano II enfatiza a
participação ativa, consciente, plena, frutuosa, externa e interna de todos os fiéis (cf. SC 14). O
canto litúrgico não é propriedade particular de um cantor, animador, ou de um seleto grupo de
cantores. A liturgia permite alguns momentos para solos (tanto vocais quanto instrumentais),
porém a assembleia deve ter prioridade na execução dos cantos litúrgicos. O animador ou o cantor
tem a importante missão, como elemento intrínseco ao serviço que presta à comunidade, de
1

favorecer o canto da assembleia, ora sustentando, ora fazendo pequenos gestos de regência,
Página

contribuindo para a participação ativa de toda a comunidade celebrante.


3. Cuidado com o volume dos instrumentos e microfones - em muitas comunidades, o
excessivo volume dos instrumentos, como também a grande quantidade de microfones para os
cantores, às vezes, não contribuem para um mergulho no mistério celebrado, antes, provocam a
agitação interior e a dispersão, além de inibir a participação da assembleia no canto. Pede-se
cuidado com o volume do som, a fim de que as celebrações sejam mais orantes, pois tudo deve
contribuir para a beleza do momento ritual.
4. Cultivar uma espiritualidade litúrgica - os cantores e instrumentistas exercem um
verdadeiro ministério litúrgico (SC 29). A celebração não é um momento para fazer um show, para
apresentação de qualidades e aptidões. Os cantores e instrumentistas devem, antes de tudo,
mergulhar no mistério, ouvir e acolher com a devida atenção a Palavra de Deus e participar
intensamente de todos os momentos da celebração. Música litúrgica e espiritualidade litúrgica
devem andar juntas, são duas asas de um mesmo vôo, duas nascentes de uma mesma fonte.
Invocamos as luzes do Espírito Santo sobre todos os agentes de música litúrgica de nosso
país. Reconhecemos o valoro do ministério exercido a serviço de celebrações reveladoras da beleza
suprema do Deus criador e da atualização do Mistério Pascal de Jesus Cristo.

Dom Joviano de Lima Júnior, sss


Arcebispo de Ribeirão Preto
Presidente da Comissão Episcopal
Pastoral para a Liturgia

REFLETIR EM GRUPO:

- Na escolha dos cantos, a equipe de música analisa o texto para ver se está de acordo
com a liturgia do dia?

- Em sua comunidade, a assembleia participa do canto?

- Considerando a acústica e tamanho da igreja de sua comunidade, como você avalia


o volume dos instrumentos durante as celebrações?

- Como nossa comunidade está colocando em prática os 4 critérios apresentados na


carta aos agentes de música litúrgica?

- Os músicos cultivam uma espiritualidade litúrgica ou participam apenas para


executar uma função? O que precisa melhorar?

USO DO MICROFONE NA LITURGIA


Pe. Carlos Gustavo Haas
Fizeram-me a pergunta: “para entoar e sustentar os cantos na liturgia, os cantores devem
usar microfone?” A resposta parecia óbvia, mas comecei a observar as equipes de músicos e
cantores que animam nossas celebrações, para responder melhor.
Não quero generalizar, mas, em muitos lugares, se está confundindo grupo de animação
2
Página

do canto litúrgico com banda para animação de shows. Sem se dar conta, o grupo adota uma prática
que se afasta da verdadeira função do canto litúrgico e prejudica a participação da assembleia.
Trata-se do costume de cada cantor ter um microfone (já vi igrejas com 10 microfones
para o grupo de cantos – e não era igreja grande, não!). O problema não está no número de
microfones, mas no fato de as pessoas permanecerem usando os microfones, enquanto a
assembleia também canta. Assim o canto do povo de Deus é completamente abafado.
Este é o verdadeiro problema. Um instrumento técnico, o microfone, deve servir para
animar a assembleia e não para abafar, esconder, suprimir as vozes do povo santo que se reúne
para cantar as maravilhas do Senhor.
Então não devemos mais usar microfones? – alguém pergunta. É óbvio que, na maioria
de nossas igrejas, precisamos de microfones. Mas o grupo de cantores deve usar este instrumento
APENAS para iniciar o canto. Para tanto, não bastaria 1 ou 2 microfones?
Se o grupo dispõe de cantores bem preparados, pode fazer um ou outro “as vozes”,
precisando então de algum microfone a mais. Isto, porém, não abafaria o canto da assembleia.
Depois que o povo começa a cantar, o cantor se afasta do microfone, deixando que apareça
claramente a voz da assembleia. O que deve ser ouvido é o canto da assembleia litúrgica, povo
sacerdotal, família de Deus, Corpo de Cristo, e não a voz de 1, 2 ou 5 pessoas apenas.
O mesmo vale para os instrumentos musicais, alguns com imensa e potente caixas de
som. Para quê? Se for para animar uma missa ao ar livre, num estádio, tudo bem. Mas JAMAIS
numa capela pequena ou média, que não necessita de muita ampliação de som.
Infelizmente, o que muitas vezes se constata é um barulho (ruído) excessivo que perturba
e tira a calma e a serenidade indispensáveis para que a assembleia possa ouvir a própria voz e
tenha momentos de silêncio que favoreçam a escuta da Palavra e o louvor que brota de nosso
coração agradecido. Depois, façam a experiência: como é bonito o som de um violão sem
ampliação! O ideal seria mais violões e menos amplificadores.
Nossa reflexão não quer, de forma alguma, desconsiderar a boa vontade, o empenho e a
solicitude de tantos e tantos animadores de cantos, músicos e instrumentistas de nossas
comunidades. Eles são uma benção para as nossas comunidades. O que queremos é alertar para
certos exageros e apontar para a função específica deste ministério: “garantir a devida execução
das partes que lhe são próprias, conforme os vários gêneros de canto, e auxiliar a ativa participação
dos fieis no canto” (IGMR, n. 103).
Como parte de nossa formação, veremos a seguir o DVD produzido por Verbo Filmes,
Paulus e Rede Celebra, com o apoio da CNBB, intitulado: CANTO E MÚSICA NA LITURGIA.

PERGUNTAS PARA OS GRUPOS:


1. Como avaliamos a presença e a atuação dos animadores de cantos, músicos e instrumentistas de
nossa comunidade?
2. A sua atuação ajuda a comunidade a celebrar bem o mistério pascal?
3. Quais as dificuldades que encontramos?
4. Como podemos ajudá-los a bem exercer seu ministério?
5. Por que os cantores e instrumentistas não devem abafar a voz da assembleia?
3
Página
A NATUREZA SACRAMENTAL DA MÚSICA LITÚRGICA

Música ritual

Nossas celebrações são acontecimentos simbólicos. Não são, em primeiro lugar,


momentos de doutrinação e aprendizado, de debate ou deliberação, de avaliação ou planejamento,
nem mesmo de meditação ou oração individuais. Um pouco disso tudo pode até haver, mas o que
se busca no momento celebrativo é transcender o cotidiano e ir além do superficial, atingir em
profundidade, o mistério de tudo quanto se vê e se toca.
Nossas celebrações são Memorial e Mistério. Recordando, em palavras e gestos, os fatos
salvíficos do passado, a assembleia celebrante goza da certeza de que o Deus de ontem, o Deus de
hoje e de sempre, aí está presente.
A música, a mais espiritual de todas as artes, tem tudo a ver com essa experiência. Que
coisa, mais que o canto em uníssono, acompanhado dos toques e sons sugestivos de instrumentos
e realçado pela força comunicativa da dança, poderá nos fazer experimentar juntos o invisível, o
inefável, levando os corações a vibrar juntos por aquelas “razões que a própria razão desconhece”?
Mas é importante observar com alguém que melhor entendeu disso tudo que na
celebração do culto da Igreja, a proposta não é de ‘fazer música’, mas de entrar, por meio da arte
musical, no mistério da salvação.1
Há 16 séculos atrás, Stº. Agostinho, ao definir o canto litúrgico como “profissão sonora
da fé”, já fala do “canto eclesiástico” como aquele que é apto para cumprir a função litúrgica que
dele se espera. Trata-se, portanto, de uma arte essencialmente funcional, vale dizer, trata-se de
música ritual.
Foi essa compreensão original que o Concílio Vaticano II veio resgatar, quando, ao falar
de “Música Sacra”, a definiu como parte integrante da liturgia, e acrescentou que será tanto mais
sacra, quanto mais intimamente estiver ligada à ação litúrgica.2 Assim compreendida, a Música
Litúrgica não pode ser tomada apenas como adorno ou acessório facultativo da celebração cristã
da fé. Ela não é coisa que se acrescenta à oração, como algo extrínseco, mas muito mais, como
algo que brota das profundezas do espírito de quem reza e louva a Deus.3
Mais ainda, a Música Litúrgica participa da natureza sacramental ou mistérica de toda a
liturgia, da qual sempre foi e sempre será parte essencial 4 e sua expressão mais nobre.5
A palavra “Liturgia” por si mesma já significa ação do povo. Eis a comunidade cristã
reunida em nome de Jesus, dotada pelo Espírito de toda a sorte de carismas, organizada como um
corpo vivo, no qual cada membro tem um serviço a prestar, no seu momento mais expressivo, a
Celebração do Mistério da Fé!
A música que aí se toca, canta e dança, é ação musical - ritual da comunidade em oração.
É música a serviço do louvor ou do clamor deste povo, ao realizar os seus “Memoriais”. É música
a serviço do “encontro” das pessoas humanas entre si e com as Pessoas Divinas. Não uma música
qualquer. Não simplesmente uma bela música. Nem, apenas, piedosa. Mas uma música funcional,
com finalidade e exigências bem delimitadas: um rito determinado, com seu significado específico.
Essa compreensão da natureza funcional, da ritualidade da Música Litúrgica, é que, em
cada caso, definirá as escolhas a serem feitas em termos de textos, melodias, ritmos, arranjos,
harmonias, estilos de interpretação, etc. O importante é que determinada criação musical sirva para
a comunidade celebrante desempenhar bem o rito que realiza.
Tal funcionalidade ritual da música litúrgica vai, finalmente, exigir de todos os agentes
litúrgico-musicais, na realização da sua arte ou do seu ministério, além da competência técnica e
artística, uma consciência e uma sensibilidade que só consegue atingir quem participa
efetivamente de uma comunidade cristã, só quem tem uma vivência suficientemente profunda da
fé, partilhada num ambiente eclesial.
Em se tratando de música litúrgica, Sua verdade, seu valor, sua graça, não se medem
4

apenas pela sua capacidade de suscitar a participação ativa, nem por seu valor estético-cultural,
Página

nem por seu sucesso popular, mas pelo fato de permitir aos crentes implorar os ”Kyrie Eleison”
dos oprimidos, cantar os “Aleluia” dos ressuscitados, sustentar os “Maranatha” dos fiéis na
esperança do Reino que vem.6
Definida esta exigência essencial da funcionalidade da Música Litúrgica, nada mais
natural que dar boas-vindas a qualquer gênero de música, desde que:

 Esteja intimamente ligada à ação litúrgica a ser realizada, quer exprimindo mais
suavemente a oração, quer favorecendo a unanimidade, quer, enfim, dando maior
solenidade aos ritos sagrados;7
 não use melodias que já revestiram outros textos não-litúrgicos;
 respeite a sensibilidade religiosa do nosso povo;
 empregue, de maneira equilibrada e judiciosa, as constâncias melódicas e rítmicas da
folcmúsica brasileira, evitando qualquer abuso de ritmos que possam empobrecer a música,
e até torná-la exótica para nossas assembléias;8
 seja adequada ao tipo de celebração na qual será executada;
 leve em conta o tempo do ano litúrgico;
 esteja em sintonia com os textos bíblicos de cada celebração, especialmente com o
Evangelho, no que diz respeito ao canto de comunhão;
 esteja de acordo com o tipo de gesto ritual;
 expresse o mistério vivido de determinada comunidade, vivendo intensamente a luta, a
perseguição, o martírio, a pobreza;
 tenha um texto bíblico, ou inspirado na Bíblia, como também uma linguagem poética e
simbólica e um caráter orante, permitindo o diálogo entre Deus e seu povo;
 se expresse na linguagem verbal e musical, no “jeito” da cultura do povo local,
possibilitando uma participação consciente, ativa e frutuosa dos fiéis;
 não seja banal, mas artística e bonita, como é bonito um pôr-do-sol, um olhar de criança ...
9

MINISTÉRIOS E SERVIÇOS DO CANTO

A unidade da assembleia e a diversidade dos serviços


A partir do Concílio Vaticano II, vem crescendo a convicção de que a distribuição de
tarefas entre os membros de uma comunidade celebrante passou a ser regra. E é a própria
Constituição sobre a Sagrada Liturgia que já recomenda: Nas celebrações litúrgicas, cada um,
ministro ou fiel, ao desempenhar a sua função, faça tudo e só aquilo que pela natureza da coisa
ou pelas normas litúrgicas lhe compete.53
O Povo de Deus, sobretudo na assembleia litúrgica, se expressa como um povo
sacerdotal e organizado, no qual a diversidade de ministérios e serviços concorrem para o
enriquecimento de todos. Sua unidade e harmonia é um serviço do ministério da presidência.
Convocada por Deus, a assembleia litúrgica, expressão sacramental da Igreja, unida a Jesus
Cristo, é o sujeito da celebração.54

Quem preside a celebração litúrgica


Quem preside tem plena liberdade, quanto ao canto de uma ou mais partes da celebração,
que são de sua competência cantar.
A Oração Eucarística se tornaria o ponto culminante da celebração, se os que presidem
cantassem o Prefácio (seguido do “Santo” cantado), a narrativa da instituição, a aclamação
memorial e a doxologia. O canto dessas partes da Oração Eucarística, além de dar maior
expressividade a cada uma delas, resgataria valores preciosos que as Igrejas Orientais até hoje
conservam.
5
Página

O animador ou animadora de canto


Cabe ao animador ou animadora de canto:
 Orientar a escolha dos cantos a serem cantados na celebração.
 Dosar o repertório, promovendo o equilíbrio entre tradição e novidade. "Todo escriba
versado nas coisas do Reino de Deus sabe tirar do seu tesouro coisas novas e velhas" (Mt
13,52).
 Animar o canto da assembleia, de modo a fazê-1a vibrar em uníssono ao cantar estribilhos
e refrãos ou hinos, ao responder ou aclamar com prazer à proclamação das Escrituras, e
ainda levá-1a a sintonizar profundamente com a Oração Eucarística.
 Encontrar, com a sua sensibilidade e criatividade, a expressão corporal mais adequada a
cada tipo de canto, a cada ritmo, provocando pouco a pouco a assembleia, com naturalidade
e simplicidade, a expressar-se em gestos, aplausos e dança, em certos momentos da
celebração.

Orientações para os ensaios de canto:60


 nunca dizer que tal ou qual canto é difícil ou feio, já predispondo negativamente a
assembleia;
 sempre fazer uma brevíssima introdução, antes de iniciar o canto, destacando o que há de
mais importante em sua letra, sua função litúrgica, cuidados que talvez se deva ter;
 iniciar o ensaio pedindo à assembleia que, enquanto ele canta, o acompanhe
silenciosamente,
 escutando bem a melodia e lendo o texto;
 se for mulher, entoe o canto no tom mais agudo que normalmente as mulheres podem
alcançar;
 e for homem, entoe o canto no tom mais grave que normalmente os homens conseguem
alcançar;
 quando estiver cantando, não deverá dar muito volume à voz;
 no ensaio, deve sempre cantar até três vezes sozinho, antes da assembleia o acompanhar;
 quando a comunidade já o estiver acompanhando, é hora de elogiá-la;
 convidar os “desafinados” a darem sua contribuição, ainda que difícil, caprichando em
escutar bem os que cantam a seu lado;
 durante o canto, fazer pequenos gestos de regência;
 a expressão facial deverá ser sempre alegre, incentivadora...;
 é sempre bom lembrar que a base para se cantar bem está na respiração;
 a função do cantor é ensinar a cantar. Não se canta apenas com a boca, mas com todo o
ser.

O(a) salmista
Valorizar o seu ministério específico que poderá ser exercido com habilidade artística,
evitando o virtuosismo, proclamando os textos bíblicos, em especial o Salmo Responsorial. Não
se deve admitir “cantores profissionais” contratados apenas para “dar show” na celebração. Isso
desmerece totalmente o trabalho das equipes de celebração, além de transformar a própria
celebração em mera formalidade “social”, sem significado litúrgico verdadeiro, mais “comércio”
que liturgia.

Os instrumentistas
Os instrumentos podem ser de grande utilidade na liturgia, quer acompanhando o canto,
quer sem ele67, à medida que prestam serviço à Palavra cantada, ao rito e à comunidade em oração.
Assim como a voz, o instrumento musical, enquanto prolongamento da ação humana, não pode
ser classificado como sacro ou profano. O uso de determinados instrumentos na liturgia vai
6

depender do contexto no qual se insere a comunidade celebrante: se um instrumento consegue


Página

integrar-se na liturgia, ajudando-a e exprimindo-a melhor, especialmente pelo acompanhamento


do canto, a comunidade poderá naturalmente fazer uso dele. Vale lembrar que os documentos da
Igreja abriram também espaço para uma inculturação dos instrumentos musicais: Para admitir e
usar instrumentos na liturgia, deve levar-se em conta o gênio, a tradição e a cultura de cada
povo.68
Além de ser usados para acompanhar o canto, os instrumentos musicais podem ser
executados sozinhos nalguns momentos da celebração ou em cantos que permitam a execução de
prelúdio, interlúdio ou pós-lúdio. Exemplos: antes da celebração, para se criar um clima de
recolhimento; durante a procissão das oferendas; após a comunhão; no final da celebração; entre
uma estrofe e outra de um canto, etc. Uma ressalva: o recurso de “fundo musical” em momentos
como a proclamação das leituras e durante a oração eucarística será sempre inoportuno. Poderia,
no entanto, ser recomendado, com a finalidade de sustentar a afinação e preencher possíveis vazios,
desde que feito com sensibilidade e discrição.
O instrumento usado seja tocado sempre de forma adequada ao momento celebrativo e à
natureza da assembleia, nunca abafando a sua voz ou a do coral. É mister recordar a necessidade
de se considerar a proporcionalidade entre os instrumentos musicais e o espaço celebrativo. Muitas
vezes este aspecto é descuidado quando, por exemplo, um modesto violão tenta, em vão, dar conta
do acompanhamento do canto numa catedral; ou quando, noutro extremo, uma banda musical, sem
levar em conta o pequeno espaço de uma capela, carrega demasiadamente na quantidade de
instrumentos e no volume do som.
O equilíbrio entre os instrumentos de percussão e os de base harmônica é fundamental
para que seja dado espaço e realce ao instrumento de solo que, principalmente nas introduções dos
cantos, facilita a entrada uniforme dos cantores e da assembleia
Executar um instrumento musical exige atitude espiritual, ainda mais se se trata de uma
celebração litúrgica. Portanto, o(a) instrumentista, enquanto ministro(a) da celebração, deve estar
também profundamente envolvido(a) com a ação litúrgica por sua atenção e participação.

Graus de importância dos cantos litúrgicos


A Instrução “Musicam Sacram” propõe três graus de participação cantada:
PRIMEIRO GRAU:
 nos Ritos Iniciais:
- a saudação de quem preside junto com a resposta do povo; a oração
 na Liturgia da Palavra:
- a aclamação ao Evangelho;
 na Liturgia Eucarística:
- a oração sobre as oferendas; o prefácio, com o diálogo e o Santo; a doxologia final; a Oração
do
Senhor com seu convite e o embolismo; a saudação da paz; a oração após a comunhão;
 nos Ritos Finais:
- a Bênção Final; as fórmulas de despedida.

SEGUNDO GRAU:
- o “Senhor, tende piedade", o “Glória" e o "Cordeiro de Deus"; a Profissão de Fé; a oração dos
fiéis.

TERCEIRO GRAU:
- os cantos processionais de entrada e comunhão; o Salmo Responsorial; as leituras da Sagrada
Escritura.

A grande vantagem dos cantos das partes fixas é que sua letra não muda e podem ser
7

cantados de cor, dispensando o 'papel' (o folheto), que tanto dificulta a comunicação entre os
Página
participantes. Essa vantagem, no entanto, é eliminada quando os cantos fixos constantemente são
substituídos por paráfrases de todo o gênero.
Examine-se, também, se as músicas respeitam os diversos gêneros de textos:
proclamações, aclamações, hinos, etc.…, pois cada gênero tem uma função específica que deve
ser acentuada pela música escolhida para este texto.

CRITÉRIOS PARA A ESCOLHA DE CANTOS NA LITURGIA


Pela beleza e riqueza que tem a Sagrada Liturgia, vamos observando que não é qualquer
canto que se escolhe para as Celebrações, seja Celebração Eucarística ou na Celebração da Palavra.
Deve haver um critério para a escolha.
Nós encontramos à nossa disposição uma diversidade enorme de cantos de cunho religioso:
cantos-mensagens, cantos-catequéticos para encontros pastorais, encontros de confraternização,
cursos, assembleias, estudos, recreação, etc. Quando tivermos que escolher um Canto Litúrgico,
devemos observar as suas características:
• Características do Canto Litúrgico:
- O seu conteúdo é bíblico;
- Se na letra não houver frases bíblicas, pelo menos deve ser composta por inspiração
em determinada passagem bíblica;
- Um salmo sempre será um canto litúrgico;
- A música deve ter melodia fácil para a assembleia assimilar e cantar.
Toda a assembleia deve participar dos cantos, das orações e dos gestos.
• Características do Grupo de Canto:
- Ter consciência de que está a serviço da assembleia celebrante;
- Ter a preocupação de cantar com a assembleia e não para a assembleia;
- Estar em sintonia com a equipe que preparou a celebração (Liturgia, Padre);
- Buscar formação litúrgica.
• Características do Grupo de Instrumentistas:
- Ter consciência de que está a serviço da assembleia celebrante;
- Ter a preocupação de tocar para acompanhar o canto da assembleia e não para fazer
uma apresentação;
- Saber em qual momento o seu instrumento deve ou não acompanhar o canto;
- Adequar o volume de seu instrumento, para não abafar a voz humana.
• Características do Animador de Canto:
- Ter a consciência de que está assumindo uma função litúrgica em função da assembleia
celebrante;
- Ter formação litúrgica;
- Ter o conhecimento necessário de música e canto;
- Ter conhecimento prévio dos cantos e do roteiro da celebração;
- Manter um bom relacionamento com as equipes de Celebração e, se possível, fazer parte
de uma delas;
- Estar atento e unido à presidência da Celebração.
Agora que já temos as características para identificar o canto litúrgico e as características
8

dos ministros que assumem o compromisso de fazê-lo acontecer de forma ministerial nas
Página
celebrações, convém lembrar que há dois tipos de cantos na Liturgia: cantos que são RITOS e
cantos que são PARA ACOMPANHAR RITOS.
• Cantos que são Ritos:
- Ato Penitencial
- Hino de Louvor
- Canto do Salmo
- Canto de Aclamação
- Canto das Sequências
- Canto do Creio
- Canto do Prefácio
- Canto do Santo
- Canto da Doxologia
- Canto do Pai-Nosso
- Abraço da Paz
- Cordeiro de Deus

• Cantos para acompanhar Ritos:


- Canto de Entrada
- Canto para Apresentação das Oferendas
- Canto de Comunhão
- Canto de Dispersão
Uma vez que sabemos as características do canto litúrgico, vamos ver agora o que
caracteriza cada um dos cantos que são ritos e os que são para acompanhar ritos.
1. CANTOS QUE SÃO RITOS
ATO PENITENCIAL
Função: A breve ladainha do "Senhor, tende piedade" tradicionalmente era uma oração
de louvor a Cristo ressuscitado, feito "Senhor”, pela qual a Igreja pedia que mostrasse sua amorosa
bondade. Posteriormente, este canto foi incorporado ao rito penitencial e começou a fazer parte de
um momento de reconciliação. A música, o canto, a expressão corporal, neste momento, devem
propiciar o encontro com o Pai das misericórdias e Deus de toda consolação (2Co 1,3), que nos
liberta de toda culpa e nos restitui a paz pelo Sangue de Cristo derramado na cruz (Cl 1, 20). Além
do tradicional "Senhor, tende piedade", poderemos encontrar fórmulas mais ricas no Missal
Romano ou nos Salmos penitenciais ( Sl 15;25;32;50-51;81; 85; 95; 130).
Deve expressar a confiança na misericórdia de Deus. Não é um pedido de perdão. Deve
engrandecer a bondade de Jesus ao mesmo tempo em que expressa o reconhecimento de nossa
fraqueza. (ver Missal Romano nº 29-30, pág. 38).
A fórmula litúrgica para o Rito Penitencial divide-se em três partes distintas:
1. A oração “Confesso a Deus Todo-Poderoso e a vós, irmãos...”;
2. Absolvição: “Deus Todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos
pecados...”;
3. Kyrie: “Senhor, tende piedade de nós. Cristo, tende piedade de nós. Senhor...”.
9

Então, para que possamos cantar o Rito Penitencial, devemos observar a sequência,
Página

conforme a seguir:
- Se cantarmos um canto de perdão no lugar do “Confesso...”, logo após teremos a
absolvição e, em seguida, o Kyrie, ainda que rezado; Ex.: O canto “Convite gentil” pede o Kyrie
após a absolvição.
- Se optarmos por cantar um Kyrie, devemos primeiro rezar a oração “Confesso...”,
aguardar a absolvição para, somente então, cantar o “Senhor, tende piedade de nós...”;
- Se o canto que escolhermos contiver uma fórmula penitencial e o Kyrie, ficará assim
completo. Após ele, somente a absolvição. Ex.: “Senhor, que viestes salvar os corações
arrependidos...” ou “Quantas vezes...”.
Letra: deve expressar os sentimentos confiança na bondade e misericórdia do Pai. (MR
390-398).
Música: lenta, que leve a introspecção e que seja cantada com piedade. Não deve ser
acompanhada de instrumento de percussão (exceto no caso de celebração em rito afro).
Obs.: Cantos como “Renova-me” ou “Toca, Senhor” não são cantos para o momento do
rito penitencial. Podem ser usados nos encontros de oração.
A fórmula para o Rito Penitencial pode ser substituída, quando for oportuno, pelo Rito da
Aspersão. (Hinário Litúrgico pp. 83-89).
HINO DE LOUVOR (CANTO DO GLÓRIA)
É um hino no "antiquíssimo e venerável" (MR) pelo qual a Igreja glorifica a Deus Pai por
Jesus Cristo, Cordeiro de Deus, na unidade do Espírito Santo. O Cordeiro é o glorificado, não
constitui uma aclamação trinitária (Doc. 43 Animação da Vida Litúrgica no Brasil CNBB n° 257
e MR nº 31- pág. 38).
Portanto, para este momento, não é qualquer canto que fale em louvor que é adequado
para se cantar. O canto “Louvado seja” não é um canto de glória. É preciso que a letra esteja em
sintonia com este texto da Igreja ''Glória a Deus nas alturas e...”.
A CNBB propôs uma letra para todos os cantos de glória, que devemos procurar seguir:
“Glória a Deus nos altos céus, paz na terra a seus amados, a vós louvam reis celestes e os que
foram libertados; Deus e Pai, nós vos louvamos, adoramos, bendizemos...”. A música deve ter
ritmo vibrante, cantada por toda a assembleia e acompanhada por todos os instrumentos musicais,
sinos, e o que mais for da cultural local”.
Este hino deve ser cantado nos domingos, festas e solenidades. Não é cantado durante a
Quaresma e Advento. No Tempo Comum só será cantado durante a semana se houver alguma
Festa ou Solenidade (Corpus Christi, Festas de Nossa Senhora, etc.).
CANTO DO SALMO
Função: Para a Liturgia da Palavra ser mais rica e proveitosa, há séculos, um salmo tem
sido cantado, como prolongamento meditativo e orante da Palavra proclamada. Ele reaviva o
diálogo da Aliança entre Deus e seu povo, estreita os laços de amor e fidelidade. A tradicional
execução do Salmo Responsorial é dialogal: o povo responde com um curto refrão aos versos
sálmicos, cantados por um solista. Deve ser cantado ou proclamado do ambão.
Todos os Salmos foram feitos para serem cantados e não rezados. Daí, se houver
dificuldade para o seu canto, que pelo menos o refrão seja cantado. Há muitos tons para o canto
do Salmo Responsorial. O salmista pode aprender recorrendo ao Oficio Divino das Comunidades
10

e aos Hinários Litúrgicos da CNBB. Temos ainda o livro de partituras da Paulus, anos A, B e C,
com os respectivos cd’s, que possuem melodia adequada para todos os salmos.
Página
Deve ser cantado da Mesa da Palavra. Porém, se o salmista for o instrumentista ou o
puxador de canto do dia, neste caso poderá ser cantado do mesmo local onde canta o grupo. Aqui
entra o bom senso, de buscar-se sempre a harmonia da celebração como um todo, evitando-se
andar de um lado para outro, tirando assim a concentração da assembleia.
O Salmo Responsorial tem uma ligação profunda com a leitura proclamada, portanto não
podemos alterar ou modificar de acordo com o gosto das pessoas. O salmo jamais deverá ser
cantado por inteiro pelo salmista ou pela assembleia. É oportuno que se busque, com criatividade,
tornar este canto o mais alternado possível. O acompanhamento com instrumento musical deve ser
discreto. Em alguns casos, é melhor não ter.
CANTO DE ACLAMAÇÃO
Com a exceção da Quaresma, em todos os outros tempos litúrgicos o canto de aclamação
deve ter ALELUIA. Aleluia quer dizer “Deus seja louvado!” Deve ser um canto que tenha forte
referência ao momento. É um convite à assembleia para ouvir o anúncio da Boa Nova de Jesus
que está vivo entre nós. Deve ser um canto curto, um "hip-hip hurra" para o Evangelho. O ritmo
deve ser vibrante, alegre, festivo e acolhedor. Nada impede que este canto seja retomado após a
proclamação, acompanhado de todos os instrumentos.
Os lecionários oferecem já prontas algumas aclamações que estão dentro da temática dos
textos do dia, bastando adaptar algumas melodias conhecidas. É parte da Liturgia da Palavra e por
isso pode ser entoada da Mesa da Palavra ou pelo grupo de canto.
CANTO DAS SEQUÊNCIAS
As sequências são facultativas exceto nos dias da Páscoa e de Pentecostes. Mas, na
medida do possível, em outras solenidades, convém procurar cantá-las, pois são belíssimas e
ajudam a penetrar no mistério celebrado. Melodia reflexiva cantada por um solista, alternada com
a assembleia.
CANTO DO CREIO
Após ouvir a Palavra de Deus a assembleia proclama a sua fé. Quando cantado, deve o
ser por todo o povo, seja inteiro, seja alternadamente. Não é qualquer canto que fale em fé ou creio
que é adequado, mas a letra deve conter o resumo da nossa fé (Símbolo dos Apóstolos) (MR n°
43-44, pág. 41).
CANTO DO SANTO
É o proclamar que Deus é três vezes Santo (Santidade Perfeita). A letra deve ser
compatível com a oração: “Santo, Santo, Santo... o céu e a terra proclamam... Hosana nas alturas,
bendito o que vem...”. É um canto vibrante pela sua natureza. Ninguém exclama: Hosana, hosana,
hosana, se não estiver com espírito alegre. Aliás, é oportuno lembrar que os cantos ficam mais
vibrantes quando a gente acredita no que está cantando. Deve ser acompanhado de todos os
instrumentos e o que mais houver na cultura local (MR nº 55).
DOXOLOGIA
É o "Por Cristo, com Cristo e em Cristo...”. O amém da Doxologia é o amém mais
importante da missa e, portanto deve ser cantado, obviamente, por todo o povo. Se o presidente
11

cantar a doxologia, melhor ainda; se não cantar, a equipe combina e ensaia para cantar o Amém.
Página

CANTO DO PAI-NOSSO
Por ser a "ORAÇÃO que o Senhor nos ensinou" não deve nunca ser substituída por outro
canto parafraseando o Pai-Nosso (que poderão ser cantados em outros momentos: cursos,
encontros, etc.). Outra recomendação é que se cantem todos juntos, evitando-se o que se vê por aí:
gente solando, gente fazendo coro, recitativo, etc. (MR nº 56, pág. 44)". Deve-se ter o cuidado de
não utilizar melodias profanas para a letra do Pai-Nosso, como se vê frequentemente.
ABRAÇO DA PAZ
É um canto facultativo, podendo ser reservado para ocasiões especiais ou transferido para
o final da missa. Não pode abafar o “Cordeiro de Deus”, que tem a preferência durante o rito da
fração do pão. (CNBB 79, A música litúrgica no Brasil, 322). A sua função é apenas acompanhar
o gesto de saudação e, por isso, deverá ser o menor canto da celebração. Nada mais desagradável
do que um canto desta natureza que parece não ter fim. (MR n° 56, pág.45). Atenção para as
músicas profanas nesta hora. Inadmissível, por exemplo, cantar-se “Eu quero ter um milhão de
amigos...” como canto de paz.
Ainda sobre o momento da paz, “durante o Sínodo dos Bispos foi sublinhada a
conveniência de moderar este gesto, que pode assumir expressões excessivas, suscitando um pouco
de confusão na assembleia precisamente antes da comunhão. É bom lembrar que nada tira ao alto
valor do gesto a sobriedade necessária para se manter um clima apropriado à celebração, limitando,
por exemplo, a saudação da paz a quem está mais próximo.”. (Exortação Apostólica Sacramentum
Caritatis, 150, Papa Bento XVI).
CORDEIRO DE DEUS
É o rito do partir o pão. Quem inicia este canto é o animador de canto, ministro ou
assembleia toda e não o presidente.
Canta-se o Cordeiro com uma melodia não muito rápida. É um rito próprio da Celebração
Eucarística. Deve conter a letra própria da oração: “Cordeiro de Deus, que tirais o pecado...”.

2. CANTOS PARA ACOMPANHAR RITOS


Deve ficar claro para nós que estes cantos embelezam o momento celebrativo, mas o rito
que está acontecendo é o mais importante São os cantos da procissão de entrada, da apresentação
das oferendas, da procissão da comunhão e da dispersão da assembleia.
CANTO DE ENTRADA
Acompanha a procissão de entrada, apresenta o tema do mistério celebrado, unindo os
corações da Assembleia e dispondo-os para uma celebração proveitosa. Deve ser um canto
processional de ritmo alegre, que fale do mistério de um Deus amoroso que convoca, por amor,
seu povo. Deve terminar assim que o Celebrante se posicione no altar, para o início da celebração.
Letra: deve ser um convite à celebração, deve falar do motivo da celebração, deve conter
o mistério que será celebrado na liturgia do dia (um Deus Uno e Trino que nos convoca por amor
e um povo que responde ao amor, aceitando o convite). Cantos como “Reunidos aqui” ou “Se
acontecer um barulho perto de você...” não são cantos de entrada. Podem ser cantados em
12

encontros, retiros, cursos.


Página
Música: de ritmo alegre, festivo, que expresse a abertura da celebração, o grande Encontro
da família de Deus. Canta-se em todas as celebrações.
CANTO PARA APRESENTAÇÃO DAS OFERENDAS
É um canto facultativo na celebração. Isto quer dizer que pode ou não ser cantado. Fica a
critério da equipe de Liturgia decidir e combinar com o padre, para que ele possa rezar as orações
em voz alta com a participação da assembleia, se a equipe optar por não cantar. Às vezes, fica
muito bonito um fundo musical, um solo com um dos instrumentos, um canto solado por um dos
membros do grupo de canto, desde que seja música ao vivo.
Letra: não é necessário que fale de pão e vinho. Pode ser um canto de livre escolha, que
seja suave e de ritmo moderado. É um momento de descontração, de descanso, em que a
assembleia está assentada. Por ser um rito de passagem, pode-se retomar o tema do evangelho, ou
de uma das leituras para aprofundamento.
Música: de preferência uma melodia calma, suave mesmo, com um texto coerente, solene
e místico. Devemos estar atentos a esta harmonia.
As aclamações da Oração Eucarística
Função: Durante a Oração Eucarística estão previstas várias aclamações da assembleia.
É o jeito mais significativo de o povo participar do grande louvor, da solene Ação de Graças, da
Bênção das Bênçãos.

CANTO DA COMUNHÃO
É um canto que exprime a alegria da participação na Ceia do Senhor. É um canto
processional, isto é, para se cantar andando. É um momento que, por tradição, todos cantam e há
cantos lindíssimos. Teologicamente é a evocação do Povo de Deus em marcha, aproximando-se
da Fonte da Vida, para que, se alimentando do Corpo e Sangue do Senhor, continue a sua marcha
até a Terra Prometida. Deve-se cuidar que não seja muito estrepitoso, barulhento, nem que ocupe
todo o tempo da procissão de comunhão. Jamais deverá continuar após terminar a distribuição
da Comunhão. Neste momento deve entrar o silêncio, para que os fiéis entrem em comunhão com
Deus e com os irmãos.
Letra: deve ter sintonia com o Evangelho e com o Mistério da Eucaristia.
Música: toada, balada que se possa cantar caminhando, como uma dança litúrgica.

OBSERVAÇÃO
Nunca houve no esquema da Celebração Eucarística, da Palavra ou de um Sacramento
o Canto de Ação de Graças. A Oração Eucarística na Missa e o momento de louvação na
Celebração da Palavra é o lugar da verdadeira Ação de Graças.
O que se pode fazer, neste momento, é cantar um pequeno refrão orante, que esteja de
acordo com o momento celebrativo. Mas que isto não se torne um costume, e, sim, um melhor
aproveitamento daquele momento específico.

AÇÃO DE GRAÇAS APÓS A COMUNHÃO


Função: A Didaqué, um documento da segunda metade do primeiro século do
cristianismo, que recolhe instruções e práticas das Igrejas de então, já testemunha o uso de uma
13

ação de graças após a comunhão.76 Sobretudo, se durante o repartir do Pão Eucarístico houve
música instrumental ou canto polifônico do coro, um canto da assembleia em seguida poderia ser
Página

uma expressão apropriada de unidade no Senhor Jesus. Este canto não é necessário, e às vezes nem
desejável, quando já houve um Canto de Comunhão, com participação do povo, que se prolongou
por algum tempo após a distribuição do alimento eucarístico. Recomenda-se, então, o silêncio
sagrado, um momento de interiorização, após a movimentação ou exultação que poderá ter
caracterizado a procissão de comunhão.
Forma: Dado que não é especificado nenhum texto particular, há campo aberto para a
criatividade criteriosa.
O mais desejável e proveitoso seria que esse canto fosse uma ressonância da Liturgia da
Palavra.

O CANTO DE ACOLHIDA DO LIVRO DAS SAGRADAS ESCRITURAS


Forma:
 Em certas oportunidades, refrãos (mantras) curtos de caráter meditativo, que
favoreçam a interiorização e o silêncio necessários para a escuta da Palavra;
 Em outras oportunidades, mais solenes e festivas, refrãos animados, que
provoquem a alegria da assembleia ao receber seu tesouro mais precioso, como aconteceu
com o Povo de Deus nos tempos de Esdras (Ne 8,5-6.18));
 Em todo o caso, o canto do “Aleluia”, com seu versículo extraído do
Evangelho, seja reservado para o momento de aclamação solene e festiva do Evangelho.

CANTO DE DISPERSÃO
Não é canto final, mas um canto para acompanhar a dispersão da assembleia, aquele povo
amado, convocado por Deus Pai, que aceitou o convite, que ouviu a Palavra, que participou da
comunhão e que agora é enviado em missão. Este canto é curto, vibrante e possivelmente só será
cantado pelo grupo de canto após a bênção e a despedida. Pode ser oportuno um canto de envio ou
canto a Nossa Senhora, ou outro de acordo com o tempo ou a festa litúrgica.

Concluindo...
E agora, diante do que vimos até aqui, alguém poderá dizer que é difícil encontrar o canto
litúrgico adequado? Podemos indicar uma fonte segura, bem preparada, de fácil acesso, que são
os Hinários Litúrgicos preparados pela CNBB...
_____________________________________________________________
Fontes de Consulta
 TRIARCA - Dicionário de Liturgia - Verbete Música
 Doc 43 - CNBB - Animação da Vida Litúrgica no Brasil
 FABRET - Dinâmica para as Equipes de Liturgia
 BUYST, Ione - Celebração do Domingo ao Redor da Palavra de Deus
 FIORI, Carlo - Liturgia para o Povo de Deus
 BECKHAUSER, Alberto - Celebrar a Vida Cristã
 VALENTIM, Antônio - Liturgia: Fonte Vital da Comunidade
 Instrução Geral sobre o Missal Romano
 Reunidos em Nome de Cristo - (IGMR)
 Cadernos e Anotações do CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM LITURGIA
 Hinário Litúrgico

14

Doc 79 – CNBB – A música litúrgica no Brasil


 Liturgia em Mutirão II: Subsídio para Formação/CNBB, p. 182 O uso do microfone na
Página

Liturgia. E p. 237 - Carta aos Agentes de Música Litúrgico do Brasil.


PREPARANDO A CELEBRAÇÃO
22º DOMINGO DO TEMPO COMUM – Ano C
Mês da Bíblia
Dia Mundial de Oração e Cuidado com a Criação

- Reunião da Equipe
A equipe se reúne com antecedência para preparar a celebração e periodicamente. As pessoas chegam
ao local da reunião já preparado antecipadamente ou a redor de uma mesa, ou cadeiras em círculo.
- Pedir as luzes do Espírito Santo
O Espírito Santo reza em nós. Não pode haver celebração litúrgica sem a ação do Espirito Santo.
Pode ser entoado um canto ao Espirito Santo (A nós descei divina luz; Vem, ó Santo Espirito... ou outro
apropriado).

- A equipe prepara a celebração do 15º domingo do tempo comum, seguindo os passos do MÉTODO:

PREPARANDO A CELEBRAÇÃO
1º Passo - O que celebramos?
Situar a celebração no tempo litúrgico, no espaço celebrativo e na vida da comunidade.
a) Sentido teológico-litúrgico da celebração do TEMPO COMUM
No tempo comum celebramos o mistério de Cristo em sua globalidade, especialmente aos
domingos. É um tempo importante para assimilação do mistério pascal de Jesus Cristo, uma vez que nele
se desenvolve o mistério de Cristo de modo progressivo e profundo.
Neste tempo, somos convidados a prestar atenção especial aos textos bíblicos, divididos em A.B
e C. Estes textos, sobretudo a leitura contínua de um dos evangelistas, nos colocam no seguimento de
Jesus Cristo, desde o chamamento dos discípulos até os ensinamentos a respeito do fim dos tempos.
Em cada um dos acontecimentos que ocorrem no caminho, Deus vai revelando o mistério de Jesus
e nós vamos sendo convidados a aderir mais profundamente, mais apaixonadamente à sua pessoa e à sua
causa. Nos acontecimentos cotidianos da vida e da caminhada de Jesus, vamos percebendo o Mistério
maior que está presente também em nossa vida, tanto nos acontecimentos extraordinários como
também naqueles que nos parecem banais e rotineiros. Em todos eles, é Deus que está presente, é Deus
que nos chama, nos fala, nos toca, nos convida ao seguimento de Jesus, nos envia como testemunhas das
realidades em que vivemos... Cada domingo é assim uma visita de Deus para nos renovar, para libertar o
seu povo, para nos unir mais a ele e entre nós”1
 No início do tempo comum, depois do natal e antes da quaresma lemos o início da missão de Jesus,
com o chamado dos discípulos, a proposta do Reino;
 Em seguida, vamos acompanhamos cada evangelho, quase que do começo ao fim, pulando aquelas
passagens que são lidas nos tempos fortes do ano litúrgico;
 No final do tempo comum, ouvimos as palavras de Jesus sobre o fim do mundo – o discurso
escatológico.
Em alguns domingos do tempo comum celebramos algum mistério da vida do Senhor, de Maria e
dos Santos, como por exemplo, o domingo da Trindade, Nascimento de João Batista (quando cai no
domingo), de Pedro e Paulo, Assunção de Maria e outros.
Durante a semana lê-se: Marcos (semanas I a IX), depois Mateus (semanas X a XXI), em seguida
Lucas (semanas XXII a XXXIV).
15

(Aqui já temos alguns elementos para a compreensão do mistério celebrado no tempo comum, para
Página

outras preparações é recomendado que um membro da equipe pode preparar com antecedência um pequeno resumo
sobre o mistério que será celebrado. Na reunião os outros membros completam).

1 BUYST, Ione. Mistérios. Revista de Liturgia, São Paulo, v. 20, n. 118, p. 9, jul./ago. 1993.
b) Qual a relação entre este mistério e a vida cotidiana?
(Permanecendo a centralidade da páscoa de Cristo, nesse momento coloca-se as raízes do Mistério da
Páscoa de Jesus no mistério pascal da nossa vida. A equipe agora recorda os acontecimentos que
marcaram ou que irão marcar a vida da comunidade naquela semana: acontecimentos sociais, religiosos,
do dia-a-dia da comunidade, da região; acontecimentos nacionais e internacionais).
c) Com quem vai celebrar (assembleia - suas características próprias)
(Visualizar a assembleia que vai celebrar: os rostos, a realidade, as características...).
d) O espaço da celebração
(Ter presente o espaço celebrativo: o que é permanente, o que é móvel... de acordo com o tempo
litúrgico...)

2º Passo - Qual a Palavra de Deus e as orações?


(A equipe lê e medita os textos bíblicos, começando pelo evangelho e as orações)
Em três momentos: 1. Ler os textos; 2. Aprofundar os textos; 3. Trazer o texto para nossa vida:
a) Leituras Bíblicas
Aclamação ao Evangelho – Mt 11,29ab
Aleluia, Aleluia, Aleluia
Tomai meu julgo sobre vós e aprendei de mim, que sou de manso e humilde coração.
Evangelho - Evangelho - Lucas 14,1.7-14
Aconteceu que, num dia de sábado, Jesus foi comer na casa de um dos chefes dos fariseus. E eles o
observavam. Jesus notou como os convidados escolhiam os primeiros lugares. Então contou-lhes uma
parábola: “Quando tu fores convidado para uma festa de casamento, não ocupes o primeiro lugar. Pode
ser que tenha sido convidado alguém mais importante do que tu, e o dono da casa, que convidou os dois,
venha te dizer: ‘Dá o lugar a ele’. Então tu ficarás envergonhado e irás ocupar o último lugar. Mas, quando
tu fores convidado, vai sentar-te no último lugar. Assim, quando chegar quem te convidou, te dirá: ‘Amigo,
vem mais para cima’. E isto vai ser uma honra para ti diante de todos os convidados. Porque quem se
eleva, será humilhado e quem se humilha, será elevado”. E disse também a quem o tinha convidado:
“Quando tu deres um almoço ou um jantar, não convides teus amigos, nem teus irmãos, nem teus
parentes, nem teus vizinhos ricos. Pois estes poderiam também convidar-te e isto já seria a tua
recompensa. Pelo contrário, quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos.
Então tu serás feliz! Porque eles não te podem retribuir. Tu receberás a recompensa na ressurreição dos
justos”.

1ª Leitura – Eclesiástico 3,19-21. 30-31


Filho, realiza teus trabalhos com mansidão e serás amado mais do que um homem generoso. Na medida
em que fores grande, deverás praticar a humildade, e assim encontrarás graça diante do Senhor. Muitos
são altaneiros e ilustres, mas é aos humildes que ele revela seus mistérios. Pois grande é o poder do
Senhor, mas ele é glorificado pelos humildes. Para o mal do orgulhoso não existe remédio, pois uma planta
de pecado está enraizada nele, e ele não compreende. O homem inteligente reflete sobre as palavras dos
sábios, e com ouvido atento deseja a sabedoria.

Salmo - Sl 67(68)
Com carinho preparastes uma mesa para o pobre.
1. Os justos se alegram na presença do Senhor, / rejubilam satisfeitos e exultam de alegria. / Cantai a
Deus, a Deus louvai, cantai um salmo a seu nome! / O Seu nome é Senhor: exultai diante dele!
2. Dos órfãos ele é Pai e das viúvas protetor; / é assim o nosso Deus em sua santa habitação. / É o Senhor
quem dá abrigo, dá um lar aos deserdados, / quem liberta os prisioneiros e os sacia com fartura.
16

3. Derramastes, lá do alto, uma chuva generosa / e vossa terra, vossa herança, já cansada renovastes / e
ali vosso rebanho encontrou sua morada; / com carinho preparastes essa terra para o pobre.
Página
2ª Leitura – Hebreus 12, 18-19.22-24a
Vós não vos aproximastes de uma realidade palpável: “fogo ardente e escuridão, trevas e tempestade,
som da trombeta e voz poderosa”, que os ouvintes suplicaram não continuasse. Mas vós vos aproximastes
do monte Sião e da cidade do Deus vivo, a Jerusalém celeste; da reunião festiva de milhões de anjos; da
assembleia dos primogênitos, cujos nomes estão escritos nos céus; de Deus, o Juiz de todos; dos espíritos
dos justos, que chegaram à perfeição; de Jesus, mediador da nova aliança.

b) Orações
Antífona da entrada
Tende compaixão de mim, Senhor, clamo por vós o dia inteiro; Senhor, sois bom e clemente, cheio de
misericórdia para aqueles que vos invocam. (Sl 85,3.5)
Oração do dia
Deus do universo, fonte de todo bem, derramai em nossos corações o vosso amor e estreitai os laços que
nos unem convosco para alimentar em nós o que é bom e guardar com solicitude o que nos destes. Por
N.S.J.C.

Sobre as oferendas
Ó Deus, o sacrifício que vamos oferecer nos traga sempre a graça da salvação, e vosso poder leve à
plenitude o que realizamos nesta liturgia. Por Cristo, nosso Senhor.
Prefácio
(OE III – MR, p.482 - Prefácio dos Domingos do Tempo Comum, VII – MR, p. 433) - Na verdade, é justo e
necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo o lugar, Senhor, Pai santo, Deus
eterno e todo-poderoso. Em vós vivemos, nos movemos e somos. E, ainda peregrinos neste mundo, não
só recebemos, todos os dias, as provas do vosso amor de Pai, mas também possuímos, já agora, a garantia
da vida futura. Possuindo as primícias do Espírito, por quem ressuscitastes Jesus dentre os mortos,
esperamos gozar, um dia, a plenitude da Páscoa eterna. Por essa razão, com os anjos e com todos os
santos, entoamos um cântico novo, para proclamar vossa bondade, cantando (dizendo) a uma só voz:
Ou
(OE VI-D – MR, p. 860 – Jesus que passa fazendo o bem) - Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever
e salvação, dar-vos graças, sempre e em todo o lugar, Pai misericordioso e Deus fiel. Vós nos destes vosso
Filho Jesus Cristo, nosso Senhor e Redentor. Ele sempre se mostrou cheio de misericórdia pelos pequenos
e pobres, pelos doentes e pecadores, colocando-se ao lado dos perseguidos e marginalizados. Com a vida
e a palavra anunciou ao mundo que sois Pai e cuidais de todos como filhos e filhas. Por essa razão, com
todos os Anjos e Santos, nós vos louvamos e bendizemos, e proclamamos o hino de vossa glória, cantando
(dizendo) a uma só voz:

Antífona da comunhão
Como é grande, ó Senhor, vossa bondade, que reservastes para aqueles que vos temem! (Sl 30,20)

Depois da comunhão
Restaurados à vossa mesa pelo pão da vida, nós vos pedimos, ó Deus, que este alimento da caridade
fortifique os nossos corações e nos leve a vos servir em nossos irmãos e irmãs. Por Cristo, nosso Senhor.

3º passo - Exercício da criatividade


Levantar as ideias a respeitos dos diversos elementos rituais: músicas: abertura e comunhão, salmo de
resposta e aclamação, partes fixas, aclamações da oração eucarística... Alguma ação simbólica relacionada
ao tempo ou ao evangelho daquele domingo...). Após este levantamento selecionar as ideias.

4º passo - Elaborar o roteiro


17

Elaborar detalhadamente o roteiro a partir da sequência. Distribuir os diversos serviços e ministérios.


Página
Ritos da Celebração do 22º domingo do tempo comum – Ano C
Ritos Iniciais:
 Canto de abertura
 Sinal da Cruz
 Saudação
 Ato Penitencial
 Kyrie eleison
 Hino do Glória
 Oração do dia (coleta)
Ritos da Palavra
 1ª Leitura – Eclesiástico 3,19-21. 30-31
 Salmo Responsorial – 67 (68)
 2ª Leitura – Hebreus 12, 18-19.22-24ab
 Aclamação ao Evangelho (Mt 11,29ab)
 Evangelho – Lucas 14, 1.7-14
 Homilia
 Profissão de fé
 Oração dos fiéis
Ritos da Eucaristia
 Apresentação das oferendas
 Oração eucarística
 Fração do pão
 Comunhão
 Oração pós-comunhão
Ritos finais
 Avisos
 Bênção
 Despedida

5º passo: Preparação dos ministros e ministras


É importante sempre saber unir “ação corporal (palavras, músicas, gestos) ao seu “sentido teológico-
litúrgico” e a uma “atitude interior” que o Espírito suscita na gente através da ação que vamos realizar.
Esse momento não se trata de um ensaio, mas de uma vivência antecipada do rito.
A vivência pode ser realizada: quando o rito acontece uma vez por ano (exemplo vigília pascal); com as
crianças da primeira comunhão, crismandos; ministros da comunhão, da palavra, batismo, etc., que estão
iniciando o ministério...; ou simplesmente quando queremos aprofundar mais o rito antes da celebração.

A técnica do laboratório litúrgico foi utilizada a princípio nos cursos de atualização em liturgia da Faculdade
de Teologia N.S. da Assunção em São Paulo.2
Inspirados nos laboratórios de teatro, os laboratórios litúrgicos, como no teatro, não são ensaios nem
representações de uma celebração. São a vivência experiencial de um determinado rito, realizada fora da celebração
como meio de formação litúrgica. Faz-se um “recorte” de determinado rito ou elemento litúrgico, para ser vivenciado
pessoal e comunitariamente.
O laboratório litúrgico tem dois grandes objetivos:
18

1) Conhecer e vivenciar a liturgia de maneira mais autêntica e profunda, a partir da busca da unidade perdida
entre: gesto corporal, sentido teológico-litúrgico e atitude afetiva, sob a ação do Espírito Santo.
Página

2) Exercitar a criatividade na vivência dos ritos, não perdendo de vista o contexto cultural, social e histórico
no qual a comunidade celebrante está situada. 3

2
Ver artigo de ORMONDE, D. Laboratório litúrgico: o que é, como se faz, por quê? In: CENTRO DE LITURGIA.
Formação litúrgica: como fazer, p. 36-41. Também mais recentemente o livro de BARONTO, L.E.P. Laboratório
litúrgico: pela inteireza do ser na vivência ritual, citado na bibliografia.
3
Cf. BARONTO, L.E. P. Laboratório litúrgico: pela inteireza do ser na vivência ritual, p. 29-30.
O laboratório possui uma estrutura simples. Vejamos as etapas previstas para chegar aos objetivos propostos:
1. Relaxamento ou aquecimento – Nesta etapa, os participantes são submetidos a alguns exercícios de
respiração, relaxamento muscular, ou outros exercícios específicos para trabalhar o corpo.
2. Sensibilização ou improvisação – O(a) moderador(a) orienta o grupo a experimentar, através de
encenação, gestos do cotidiano, ou gestos referentes a ritos sociais e/ou religiosos, que estão, de alguma forma, ligados
ao rito litúrgico que está sendo trabalhado. Por exemplo, se estivermos trabalhando a fração do pão serão utilizados
gestos de partilha do pão na vida familiar e social.
3. Atitudes e gestos do corpo que fazem parte do rito que está sendo trabalhado (experimentação ritual) –
Este é o núcleo do laboratório. É nesta etapa que mais se trabalha a busca da unidade perdida entre o fazer (gesto), o
sentir (atitude afetiva) e o pensar (sentido teológico-litúrgico).
4. Conversa dos três pontos: o gesto corporal, o sentido teológico-litúrgico e a atitude afetiva/interior –
Nesta etapa acontece uma maior sistematização dos elementos do rito trabalhado e sobre a unidade entre o gesto, o
sentido teológico-litúrgico e a atitude afetiva/interior.
5. Avaliação do laboratório – O grupo que realizou o laboratório é convidado a avaliar as etapas realizadas
anteriormente. Algumas questões são colocadas ao grupo para ajudar na avaliação: Os objetivos foram realizados? O
que foi importante para cada participante? Quais foram os momentos mais proveitosos? Onde falhamos? Dificuldades
encontradas?4
A prática prova que na verdade o laboratório é um instrumental valioso. Vale aplicá-lo, sabendo que é preciso
um aprofundamento maior sobre o mesmo como também treinamento para pessoas que aplicam os laboratórios.
É muito válida a aplicação da técnica do laboratório para o treinamento de leitores, presidentes das
celebrações dominicais, salmistas, cantores, ministros extraordinários da comunhão e outros.

6º passo: Avaliação da celebração.


(Realizar a avaliação de toda a celebração. Esta avaliação é feita no início da reunião, quando a equipe
vai preparar a próxima celebração).
- Avaliar a celebração passada
1. Assembleia: Ocupação do espaço; Participação; Houve envolvimento?
Exercício dos ministérios: Desempenho; Atitude interior; Relação com a assembleia
2. Mistério Celebrado: (O mistério pascal do Senhor na particularidade do tempo, ou da festa, e na
circunstância da vida).
3. Ações simbólicas: Ajudaram a criar uma atitude espiritual nos ministros e na assembleia? Contribuíram
para celebrar o mistério?
4. Canto e música: Adequados ao momento ritual? Foram orantes? Como foram entoados, cantados?
5. Ritualidade: Como foi realizado o rito? Cada rito cumpriu sua função?

19
Página

4
Para a estrutura do laboratório litúrgico conferir BARONTO, L.E. P. Laboratório litúrgico: pela inteireza do ser na
vivência ritual, p. 32-47.