Você está na página 1de 84

Metodologia da

Pesquisa Científica
TÍTULO
METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

Copyright © 2017 by Júlio Martins

O direito moral do autor foi assegurado.

Todos os direitos reservados.


Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida, ou transmitida por qualquer forma ou meio
Eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópia, gravação ou sistema de armazenagem
e recuperação de informação, sem a permissão escrita do autor.
A reprodução sem a devida autorização constitui pirataria.
APRESENTAÇÃO
Atualmente, as instituições de ensino superior no Brasil para conceder aos seus alunos
os título de bacharel, licenciado, especialista, mestre, doutor ou pós-doutor devem criar con-
dições e exigir dos alunos que desenvolvam trabalhos voltados para a pesquisa científica,
devendo o tema ser escolhido entre as matérias que tiveram nos cursos ou correlato às mes-

APRESENTAÇÃO
mas. Também é necessário que o tema seja do interesse da área analisada e/ou importante
do ponto de vista social.

O objetivo dessa exigência está relacionado à tentativa de desenvolver nos alunos a aná-
lise crítica e reflexiva sobre o mundo que o cerca, permitindo a ele detectar problemas que
o afligem e aos demais indivíduos, dotando-o de ferramentas capazes de promover medidas
que o ajudem a solucioná-los.

Dessa forma, este trabalho procura fornecer as ferramentas necessárias para que o aluno
possa conhecer melhor o que é um trabalho científico e quais os instrumentos disponíveis
para realizá-lo, justificando a sua necessidade e importância, principalmente diante da difi-
culdade que eles apresentam de realizar esse tipo de trabalho. É muito comum os alunos, no
final do curso superior, ficarem perdidos em relação à apresentação de artigo, de monografias
e de relatório de estágio por não terem tido ou por não terem valorizado durante o curso a
matéria de Metodologia Científica, desconhecendo as normas básicas para a elaboração de
textos científicos.

Não é pretensão esgotar o assunto nessa apostila, mas abordar as principais normas
para a produção científica para alunos dos cursos de graduação e de pós-graduação,
fornecendo uma melhor compreensão sobre a natureza e objetivos do trabalho científico,
almejando contribuir para a melhoria dos conhecimentos dos alunos e da qualidade das suas
produções.

Júlio Martins
UMÁRI
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO ............................................................................................................. 6

UNIDADE I - CIÊNCIA E CONHECIMENTO . ............................................................... 7


1.1. CONHECIMENTO CIENTÍFICO. . ............................................................................................ 7
1.1.1. A ciência. .................................................................................................................................. 8
1.1.2. Trabalho científico. . .................................................................................................................. 9
TESTE DE CONHECIMENTOS. ...................................................................................................... 10

UNIDADE II – A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS. . .................................. 13


2.1. MÉTODOS DE PESQUISA. ....................................................................................................... 14
2.1.1. Métodos de pesquisa de abordagem. . .................................................................................... 15
2.1.1.1. Método dedutivo. .................................................................................................................. 15
2.1.1.2. Método Indutivo. ................................................................................................................... 15
2.1.1.3. Método hipotético-dedutivo................................................................................................... 16
2.1.1.4. Método dialético. . ................................................................................................................. 16
2.1.1.5. Método fenomenológico. ...................................................................................................... 17
2.1.2. Métodos de pesquisa em relação aos procedimentos técnicos adotados. . ............................ 17
2.1.2.1. Método histórico. . ................................................................................................................. 18
2.1.2.2. Método comparativo. . ........................................................................................................... 18
2.1.2.3. Estudo de caso. . .................................................................................................................. 18
2.1.2.4. Método estatístico (método monográfico). . .......................................................................... 19
2.2. TIPOS DE PESQUISA. . ............................................................................................................. 19
2.2.1. Tipos de pesquisa quanto à natureza. . ................................................................................... 20
2.2.1.1. Pura (básica). ....................................................................................................................... 20
2.2.1.2. Aplicada. . ............................................................................................................................. 20
2.2.2. Tipos de pesquisa quanto à forma de abordagem do problema. . ........................................... 21
2.2.2.1. Pesquisa quantitativa. .......................................................................................................... 22
2.2.2.2. Pesquisa qualitativa. . ........................................................................................................... 22
2.2.3. Tipos de pesquisa em relação ao objetivo geral...................................................................... 23
2.2.3.1. Pesquisa exploratória. .......................................................................................................... 23
2.2.3.2. Pesquisa descritiva. . ............................................................................................................ 25
2.2.3.3. Pesquisa explicativa ou analítica. . ....................................................................................... 26
2.2.4. Tipos de pesquisa quanto aos procedimentos técnicos para coleta de dados (para elaborar
fonte de dados). ................................................................................................................................. 27
2.2.4.1. Pesquisa bibliográfica. ......................................................................................................... 27
2.2.4.2. Pesquisa documental. .......................................................................................................... 28
2.2.4.3. Pesquisa empírica ou experimental. . ................................................................................... 28
2.2.4.4. Pesquisa de levantamento. .................................................................................................. 29
2.2.4.5. Pesquisa de campo. . ............................................................................................................ 29
2.2.4.6. Estudo de caso. . .................................................................................................................. 30
2.2.4.7. Pesquisa-ação. . ................................................................................................................... 30
2.2.4.8. Pesquisa ex-post facto. ........................................................................................................ 31
2.2.4.9. Estudo de coorte. . ................................................................................................................ 31
2.2.4.10. Pesquisa participante. ........................................................................................................ 31
2.2.4.11. Pesquisa laboratorial. ......................................................................................................... 32
TESTE DE CONHECIMENTOS. ....................................................................................................... 32

APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


SUMÁRIO

UNIDADE III – O PROJETO OU PLANO DE PESQUISA. .............................................. 41


3.1. Etapas obrigatórias do projeto/plano de pesquisa . ........................................................................42
3.1.1. Tema da pesquisa. ......................................................................................................................42
3.1.2. Problema.....................................................................................................................................43
3.1.3. Hipóteses ....................................................................................................................................44
3.1.4. Objetivos .....................................................................................................................................45
3.1.5. Justificativa .................................................................................................................................46
3.1.6. Referencial teórico . ....................................................................................................................48
3.1.7. Procedimentos metodológicos ....................................................................................................49
3.1.8. Cronograma de atividades . .........................................................................................................51
3.1.9. Referências .................................................................................................................................52
3.2. Etapas do projeto/plano de pesquisa que dependem do tipo de projeto adotado . ........................52
3.2.1. Público-alvo.................................................................................................................................52
3.2.2. Responsáveis pela execução do projeto . ...................................................................................52
3.2.3. Local de realização. ....................................................................................................................53
3.2.4. Local de implantação. .................................................................................................................54
3.2.5. Plano de ação . ...........................................................................................................................54
3.2.6. Recursos utilizados . ...................................................................................................................54
TESTE DE CONHECIMENTOS . ..........................................................................................................55

UNIDADE IV – TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO . .......................................... 61


4.1. Elaboração do artigo científico .......................................................................................................63
4.1.1. Normas básicas para elaboração do artigo científico .................................................................64
4.2. Estrutura do artigo científico . .........................................................................................................65
4.2.1. Título . ..........................................................................................................................................66
4.2.2. Identificação do(s) autor (es) e mini currículo . ............................................................................66
4.2.3. Resumo/Abstract e palavras-chave . ..........................................................................................66
4.2.4. Introdução ...................................................................................................................................67
4.2.5. Desenvolvimento . .......................................................................................................................67
4.2.6. Discussões e resultados . ............................................................................................................68
4.2.7. Conclusão e/ou recomendações.................................................................................................68
4.2.8. Referências bibliográficas . ..........................................................................................................69
4.3. Representação gráfica do artigo científico . ....................................................................................69
4.3.1. Capa . ..........................................................................................................................................69
4.3.2. Lombada .....................................................................................................................................70
4.3.3. Folha de rosto . ...........................................................................................................................71
4.3.4. Folha de aprovação . ...................................................................................................................72
4.3.5. Resumo e palavras-chave na língua vernácula e estrangeira . ...................................................74
4.3.6. Introdução ...................................................................................................................................75
4.3.7. Desenvolvimento . .......................................................................................................................75
4.3.8. Discussões e resultados. . ..........................................................................................................76

4.3.9. Conclusões ou considerações finais........................................................................................... 76


4.3.10. Referências............................................................................................................................... 77
4.3.11. Anexos.......................................................................................................................................77
4.4. Formatação do trabalho científico..........................................................................................................78
4.4.1. Normas gerais para formatação de trabalhos científicos.............................................................78

APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


SUMÁRIO

4.4.2. Citações . ............................................................................................................................... 81


4.4.2.1. Citações diretas . ................................................................................................................ 81
4.4.2.2. Citações indiretas . .............................................................................................................. 82
4.4.2.3. Várias citações de um mesmo autor . ................................................................................. 82
4.4.2.4. Citações de trabalho de dois ou três autores ...................................................................... 83
4.4.2.5. Citações com mais de três autores ..................................................................................... 83
4.4.2.6. Citação de documentos cujo autor é uma entidade coletiva . ............................................. 83
4.4.2.7. Citação de documentos de autoria de órgãos da administração pública direta . ................ 84
4.4.2.8. Citação de citação . ............................................................................................................. 84
4.4.2.9. Suprimir parte de uma citação . .......................................................................................... 85
4.4.2.10. Sistema de chamada de citação . ..................................................................................... 85
4.4.2.10.1. Sistema numérico . ........................................................................................................ 85
4.4.2.10.2. Sistema alfabético . ........................................................................................................ 86
4.4.3. Referências bibliográficas . .................................................................................................... 87
4.4.3.1. Citação de livro completo . .................................................................................................. 87
4.4.3.2. Citação de capítulo de um livro . ......................................................................................... 88
4.4.3.3. Citação de trabalhos acadêmicos . ..................................................................................... 89
4.4.3.4. Citação de artigos em periódicos com indicação de autoria . ............................................. 89
4.4.3.5. Citação de documentos jurídicos . ...................................................................................... 89
4.4.3.6. Citação de documentos eletrônicos . .................................................................................. 89
TESTE DE CONHECIMENTOS ....................................................................................................... 90

UNIDADE V – CUIDADOS PARA PESQUISADORES INICIANTES . ........................... 96


5.1. Normas básicas de condução da redação . .............................................................................. 97
5.2. Expressões latinas utilizadas em artigos . ................................................................................ 98
5.3. Dicas gerais . ............................................................................................................................ 99

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS . ....................................................................... 100

GABARITOS DOS TESTES DE CONHECIMENTO...................................................... 104

APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE I

METODOLOGIA
DA PESQUISA
CIENTÍFICA
INTRODUÇÃO

METODOLOGIA DA
PESQUISA CIENTÍFICA

INTRODUÇÃO
Está sempre sendo colocado em pauta, tanto por professores de Metodologia Científica
como por orientadores de trabalhos acadêmicos, as dificuldades que os alunos das diversas
áreas têm de escrever um texto, ainda mais quando se trata de texto científico que tem por
critério seguir as normas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
Quando se acrescenta que o trabalho é de conclusão de curso (artigo científico, monografia,
dissertação, tese, etc.) e necessário para a obtenção do título desejado, as dificuldades e,
também, reclamações dos alunos aumentam exponencialmente.

A explicação para tanto rigor está na natureza do trabalho científico ou do relatório de


pesquisa, o qual exige do redator a adoção de normas que são reconhecidas em todo o
mundo e por profissionais das diversas áreas, tudo com o intuito de dar cientificidade e
credibilidade ao texto. As normas utilizadas em trabalhos científicos fazem parte de um
“conjunto de sinais e símbolos que compõem e complementam a linguagem da ciência”
(ABNT, 2011), padronizando e tornando-a mais fácil de ser entendida. São exemplos desse
conjunto as normas referentes ao tamanho e tipo da fonte, margens e espaços entre linhas
e citações bibliográficas.

Dessa forma, podemos afirmar que as normas científicas têm por finalidade tornar a
leitura do texto mais fácil e útil, mas, principalmente, dar credibilidade ao texto, pois os
critérios científicos são baseados em métodos e procedimentos rigorosos, sem os quais
perderia sua finalidade e o texto não poderia servir de referência para outros trabalhos.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 7
UNIDADE I: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

Nesse capítulo a nossa atenção está voltada fato/objeto ou fenômeno é impregnada das per-
para analisar o conhecimento científico como cepções do indivíduo, sendo assistemática, pois
um instrumento que nos ajuda a compreender e não existe uma formulação geral que explique
a explicar os fenômenos que ocorrem em nossa o fenômeno, como, por exemplo, a janela está
volta. emperrada, mas de tanto abrir e fechá-la, desco-
Todo o conhecimento acumulado até hoje é brimos que se levantarmos um pouquinho o lado
resultado das experiências da ciência. À medida direito ela fecha sem emperrar;
que descobrimos respostas para as indagações
que nos inquietavam no passado, novos ques- II. Conhecimento filosófico: é resultante da ca-
tionamentos vão surgindo e novas experiências pacidade humana de raciocinar e refletir sobre
vão ocorrendo. Exemplo disso são os mais va- fatos e fenômenos gerando conceitos subjetivos,
riados tipos de remédios que existem no merca- os quais buscam dar sentido à vida e ao univer-
do e a cura de doenças que na década de 40 so, ultrapassando os limites formais da ciência
eram fatais. Se pensarmos no desenvolvimento como, por exemplo, a frase de Shakespeare
da tecnologia na automação dos processos das “Existe muito mais entre o céu e a terra do que
empresas e dos computadores, confirmaremos a nossa vã filosofia possa imaginar”. Além disso,
baseia-se em hipóteses que não são verificáveis
ainda mais a evolução do conhecimento e a ne-
(confirmada ou refutada) e nem observadas;
cessidade da cientificidade.

III. Conhecimento teológico: é aquele resultante


1.1. CONHECIMENTO CIENTÍFICO.
da crença religiosa e da fé divina, o qual é resul-
A primeira pergunta a responder é: Como con- tante da formação moral e religiosa de cada um.
seguimos adquirir conhecimento? Conhecer é Portanto, não se tem como confirmar ou negar
adquirir um conceito novo sobre um fenômeno, esse tipo de conhecimento. Cita-se como exem-
fato ou situação, o qual pode nascer de experiên- plo a frase de Chico Xavier “Aqueles que ama-
cias acumuladas no nosso dia-a-dia, ou através mos não morrem jamais, apenas partem antes
da convivência com outras pessoas, ou através de nós”. Esse tipo de conhecimento não é verifi-
de leituras ou de outro meio qualquer. Assim, po- cável, mas é infalível e indiscutível por basear-se
demos encontrar os seguintes tipos de conheci- na fé e sistemático, pois é organizado e obra do
mentos: Criador;

I. Conhecimento empírico: é aquele que se IV. Conhecimento científico: é o conhecimento


origina do conhecimento vulgar ou do senso-co- que tem como característicasprincipais ser racio-
mum, através da convivência familiar e social, e nal, objetivo, sistemático, aproximadamente exa-
por meio de ações não planejadas, ou seja, ao to, verificável, explicativo e falível, pois sua origem
acaso. Além disso, a informação que se tem do é baseada em métodos e técnicas científicas

8 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE I: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

(GALLIANO, 1979). Podemos citar como exem- minadas através da observação e experimentação
plos o descobrimento da vacina antirrábica; o para serem comprovadas ou refutadas;
descobrimento do autor das Cartas Chilenas; as VI. Falibilidade: o conhecimento não é algo
pesquisas e publicações sobre a história do des- definitivo, absoluto ou final, podendo ser
cobrimento do Brasil; vacinas contra a AIDS; negado ou confirmado;
entre outras. VII. Conhecimento aproximadamente exato:
porque novas proposições podem reformular uma
1.1.1. A ciência. teoria já existente.

Segundo Marconi e Lakatos (2008, p. 22) a ciên- Nesse contexto, para que seu trabalho seja acei-
cia “é um conjunto de atitudes e atividades racio- to como parte da ciência, você deverá informar o
nais, dirigidas ao sistemático conhecimento com tema estudado, a metodologia utilizada, os resulta-
objeto limitado, capaz de ser submetido à verifica- dos que alcançou e as conclusões a que chegou.
ção”. Portanto, segundo os autores, se um dado Além disso, o trabalho deve estar bem fundamen-
fenômeno, objeto ou fato é analisado de forma sis- tado, pois poderá ser contestado ou confirmado
temática, com instrumentos e técnicas conhecidas por outros pesquisadores.
e aprovadas e é passível de verificação passa,
então, a ter os requisitos necessários para fazer 1.1.1. Trabalho científico.
parte do universo da ciência. Em primeiro lugar, deve-se esclarecer que um
Para que possamos compreender melhor a ci- trabalho científico deve estar em conformidade
ência, torna-se necessário descrever algumas de com as características da ciência, a fim de ser
suas características (VIANETTO, 2011): aceito como parte dela. Portanto, a partir dos con-
ceitos dados, podemos caracterizar o que venha
I. Objetividade: descrição da realidade investiga- a ser um trabalho científico. Para ser classificado
da independentemente dos desejos do pesquisa- como científico, um trabalho depende essencial-
dor,deforma clara e precisa; mente da forma como é elaborado e do cumpri-
II. Racionalidade: a razão é utilizada durante mento das exigências as quais deve se submeter,
todo o processo de pesquisa, desde o desenho do portanto deve estar embasado no raciocínio lógico
estudo,a coletados dados, até sua análise; e ter como ponto de partida um problema levan-
III. Sistematicidade: é o saber ordenado de for- tado em relação ao tema escolhido. Assim, se-
ma lógica, construído através de sistema de ideias guindo métodos e técnicas científicas e apoiadas
e teorias, portanto, não há espaço para conheci- na fundamentação teórica, a pesquisa segue em
mentos desconexos; busca de solução ou resposta para o problema
IV. Generalidade: O conhecimento gerado deve evidenciado.
ser analisado sob a possibilidade de ser ou não Desse modo, reafirmamos que um trabalho
aplicado a outros contextos, explicando os fenô- para ser considerado científico deverá seguir o
menos em diferentes situações; rigor científico e a ética intelectual, independente
V. Verificabilidade: quando as hipóteses são exa- do fato de ser um artigo ou uma tese de doutora-
Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 9
UNIDADE I: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

do. Segundo Estrela e Sabino (2001), o trabalho cimento com objeto limitado, capaz de ser sub-
científico deve ter a ciência como base, seguindo metido à verificação. Em relação a ela, marque a
métodos e técnicas criteriosos na solução dos pro- opção errada:
blemas levantados. a) Os resultados das pesquisas científicas de-
Cada instituição de ensino tem a liberdade de vem estar à disposição da comunidade científica e
escolher normas específicas para a elaboração do de grupos interessados para que esses possam
Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), poden- ser comprovados.
do, na graduação, ser um artigo científico, relatório b) Os instrumentos e técnicas utilizados em
de estágio, relatório de pesquisa ou monografia, o uma pesquisa devem ser apropriados ao objeto a
que vai determinar a escolha é a finalidade do tra- ser analisado.
balho e o nível de conhecimento exigido do autor. c) Os instrumentos e técnicas utilizados em
No mestrado é exigida a dissertação e no doutora- uma pesquisa devem ser do conhecimento co-
do, a tese. No entanto, todas as instituições devem mum ou de um grupo de pesquisadoresque, nes-
seguir as normas técnicas para a padronização de te caso, deve ser colocado à disposição para que
trabalhos científicos, determinadas pela Associa- possa ser testado e verificado a sua utilidade.
ção Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e to- d) Não há necessidade de sistematização do
dos os trabalhos científicos devem ter um projeto conhecimento para que possa ser gerado conhe-
que o norteie. cimento científico.
e) O conhecimento científico é resultante de
pesquisas realizadas com instrumentos apropria-
TESTE DE CONHECIMENTO dos e aprovados pela comunidade científica.
UNIDADE I:
3) A Ciência possui todas as características
1) Entre as opções abaixo, marque a correta abaixo, exceto:
em relação à seguinte afirmativa: Conhecimento a) Racionalidade
vulgar ou do senso-comum obtido através da con- b) Objetividade
vivência familiar e social e por meio de ações não c) Falibilidade.
planejadas, ou seja, ao acaso. d) Certeza absoluta.
a) Científico e) Aplicabilidade
b) Filosófico
c) Empírico 4) Para que um método e/ou técnica seja con-
d) Teológico siderado científico é necessário que tenha, no
e) Difuso. mínimo, as seguintes características:
a) Racional, sistemático, verificável e objetivo.
2) A Ciência é um conjunto de atitudes e ati- b) Sistemático, objetivo e passível de verifica-
vidades racionais, dirigidas ao sistemático conhe- ção.

10 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE I: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

c) Objetivo, sistemático, falível e explicativo. c) Metodologia, ciência, raciocínio lógico,


d) Objetivo, sistemático, discursivo, aplicável problema, técnica, pesquisa.
e explicativo.
d) Raciocínio lógico, metodologia, problema,
e) Racional, objetivo, sistemático, verificável,
aplicável e falível. métodos, técnicas, teórica.
e) Ciência, raciocínio lógico, metodologia,
5) Um trabalho só é aceito como científico se problema, métodos, teórica.
possuir as seguintes características, exceto:
a) Deve seguir apenas as normas técnicas 7) Entre as opções abaixo, marque a correta
para padronização determinadas pela Instituição em relação à seguinte afirmativa: Tipo de conhe-
que ofertao curso.
cimento que tem como características principais
b) Deve estar de acordo com as característi-
cas da ciência. e necessárias: ser racional, objetivo, sistemático,
c) Deve respeitar a ética intelectual. aproximadamente exato, verificável, explicativo e
d) Deve seguir as normas técnicas para pa- falível.
dronização ditadas pela ABNT.
a) Científico
e) Deve ter uma metodologiacriteriosa.
b) Filosófico
6) Complete a sentença e marque a opção c) Empírico
correta:
d) Teológico
O trabalho científico deve estar em conformidade
com as características do(a) , e) Cultural
afim de ser aceito como parte dela. Para ser
classificado como científico, um trabalho deve estar
embasado no e ter
como ponto de partida um (a)
levantando (a) em relação ao tema escolhi-
do. Assim, seguindo e
científicas e apoiadas na
fundamentação , a pesquisa
segue em busca de solução ou resposta para o
problema evidenciado.
a) Metodologia, raciocínio lógico, metodolo-
gia, problema, técnica, teórica.
b) Ciência, raciocínio lógico, problema, méto-
dos, técnicas, teórica.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 11
UNIDADE II

A PESQUISA E
OS NOVOS
CONHECIMENTOS
UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

Na unidade II, buscaremos responder ao seguin- Esse processo de investigação nos leva a de-
te questionamento: o que é pesquisa? A pesquisa terminar (antecipadamente) os métodos e tipos
se constitui em um conjunto de ações que visam de pesquisa existentes e quais serão utilizados
à descoberta de novos conhecimentos em uma por nós durante a elaboração do TCC, sendo que
determinada área. É um processo investigativo é através dessa escolha que iremos atingir o ob-
sistemático que tem por objetivo a construção do jetivo expresso no trabalho científico. Portanto, é
conhecimento (do saber – ciência), se constituindo muito importante conhecer e distinguir qual o tipo
em instrumento para ratificar, refutar, reproduzir, de método e de pesquisa que o objeto e o objetivo
corroborar, ampliar e atualizar algum conhecimen- estabelecido por nós serão necessários para rea-
to pré-existente, relativo a fatos, teoremas, novas lizar o trabalho científico (TCC), ou seja, deve-se:
teorias, trabalhos de campo, experiências, proje- • Escolher seu tema/foco;
tos, entre outros. • Definir o problema a ser solucionado;
No ensino superior e nos cursos de pós-gradu- • Determinar o(s) objetivo(s);
ação, a pesquisa é a base para a produção de • Escolher a pesquisa inicial, que normalmente
conhecimento para as diversas disciplinas, con- é a bibliográfica (tipo de pesquisa), buscando co-
tribuindo para o desenvolvimento da ciência e nhecer mais intensamente o tema/foco;
da sociedade. Assim, entre as várias disciplinas • Verificar as necessidades e possibilidades para
ou temas estudados no curso de Pedagogia, por levantar dados, determinando a necessidade de
exemplo, escolho a que mais gostei (Didática) ou adotar novo tipo e método de pesquisa. A pesqui-
a que tive maior facilidade (Educação Inclusiva) sa bibliográfica acompanha todo o processo;
e vou verificar as possibilidades de realizar uma • Trabalhar os dados (ordenar, codificar, tabular,
pesquisa, aprofundando na carga de leitura sobre entre outros modos de organização de dados),
o assunto e, assim, identificar um problema, cuja transformando-os em informações;
resposta ou solução acrescente conhecimento • Análise dos dados;
novo ou traga alguma contribuição para a área. • Conclusões.
No entanto, para realizar uma pesquisa é ne- Descrevemos a seguir os métodos de pesquisa
cessário seguir um processo pré-determinado de disponíveis e, posteriormente, os tipos.
investigação. Não basta ter em mente um tema e
nele encontrar um questionamento ou problema, 2.1. MÉTODOS DE PESQUISA:
sendo necessário seguir procedimentos científicos
(caminho padronizado) para encontrar resposta O método de pesquisa refere-se à forma como
para esse questionamento ou problema. Além dis- abordaremos o objeto de estudo e como escolhe-
so, é necessário avaliar a relevância do problema remos os procedimentos sistemáticos para obter
para a área pesquisada (educação, saúde, psico- a descrição e a explicação de fenômenos, sendo
logia, entre outros) e se trará conhecimentos no- que a natureza do problema e seu nível de apro-
vos e relevantes para a sociedade. fundamento é que determinarão a escolha do mé-

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 13
UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

todo. No entender de Gil (1999, p. 30) a escolha Exemplo 2:


de um método vai depender da característica do Todo homem é mortal (premissa maior).
objeto de pesquisa; dos recursos materiais dispo- Pedro é homem (premissa menor).
níveis; do nível de abrangência do estudo; e do in- Logo, Pedro é mortal (conclusão).
teresse do pesquisador. O quadro abaixo sintetiza
os métodos de pesquisa disponíveis. 2.1.1.2. Método Indutivo: É o método
onde o pesquisador, a partir de uma amostra da
PESQUISA CLASSIFICAÇÃO MODALIDADE
população, chega a conclusões aplicáveis a toda
 Dedutivo
 De
Abordagem
 Indutivo a população (PARRA FILHO & SANTOS, 2000),
 Hipotético-Dedutivo
(Lógicos)
 Dialético ou seja, considera que o conhecimento é basea-
 Fenomenológico
MÉTODO
 Comparativo
do na experiência, sendo que as generalizações
 De
Procedimen-


Histórico
Estudo de Caso
são resultantes da observação de casos reais e
tos (Técnicos)
 Estatístico concretos e elaborados a partir de casos individu-
Fonte: CANTINI, Adriana H. Elaboração de Projetos de Pesquisa. ais. É importante verificar se a amostra representa
Disponível em www.slideshare.com.br.
de fato o universo pesquisado (a população). Por
exemplo, esse método é utilizado quando o IBO-
2.1.1. Métodos de pesquisa de abor-
PE ouve cinco mil consumidores e projeta qual
dagem:
será o comportamento de cem milhões de pes-
soas. Comparado ao exemplo anterior ficaria as-
2.1.1.1. Método Dedutivo: Segundo Parra
sim: Pedro é mortal, João é mortal, José é mortal.
Filho e Santos(2000, p.23),esse método é utiliza-
Todos são homens, logo os homens (todos) são
do “quando se parte de uma situação ou posição
mortais.
geral e se particulariza conclusões”. É um método
racionalista, pois considera que a razão é a úni-
2.1.1.3. Método Hipotético-dedutivo:
ca forma de alcançar o conhecimento verdadeiro,
Esse método consiste na construção de presun-
sendo o mais utilizado dos cinco métodos existen-
ção baseada em hipóteses, ou seja, caso parte ou
tes. Utiliza o silogismo, ou seja, de duas premissas
se conclui uma terceira como, por exemplo, quan- a totalidade das hipóteses sejam comprovadas
do falamos que os países tropicais são de clima como falsas, a presunção também o será. Para
quente. Como mostra os exemplos: isso é necessário que as hipóteses sejam sub-
metidas ao máximo possível de testes, à crítica, à
Exemplo1: comparação, à publicidade e ao confronto com os
O clima tropicalé quente(premissa maior). fatos, entre outras situações, para verificar quais
O Brasil é um país tropical (premissa menor). as hipóteses que serão refutadas e, consequente-
Portanto, o clima no Brasil é quente (conclusão). mente, quais permanecerão como válidas.
Esse método baseia-se na lógica e nos leva
a deduzir que, se a certeza em relação à presun-

14 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

ção for igual à certeza em relação às hipóteses inici- mica histórica, cultural e social (contexto social).
ais, o conhecimento considerado como verdadeiro É empregado em pesquisas qualitativas.
e demonstrável é dependente do grau de certeza
das hipóteses, ou seja, se parte das hipóteses fo- 2.1.1.5. Método fenomenológico: Esse
rem refutadas, o conhecimento resultante é falso. método consiste na descrição direta de um fenô-
Segundo Gil (1994, p. 28) “[...] enquanto o método meno ou experiência tal como ele ocorre, não sen-
dedutivo procura confirmar a hipótese, o hipoté- do, portanto, resultante de processo dedutivo ou
tico-dedutivo procura evidências empíricas para indutivo. Busca-se fazer a descrição mais fidedig-
derrubá-las”. na possível do fato, não pressupondo nada, por-
Esse método possui uma abordagem que busca tanto, o pesquisador, ao explorar o dado, não se
a eliminação dos erros de uma hipótese, através deixa influenciar por crenças, costumes e nem faz
da realização de teste. Faz isso a partir da ideia juízo de valor sobre o mesmo, buscando realizar
de testar a falsidade de uma proposição, ou seja, uma descrição pura da realidade (GIL, 1999).
a partir de uma hipótese, estabelece-se que situa-
ção ou resultado experimental nega essa hipótese 2.1.2. Métodos de pesquisa em rela-
e tenta-se realizar experimentos para negá-la. As- ção aos procedimentos técnicos ado-
sim, a abordagem do método hipotético-dedutivo tados: De acordo comGil(1999), osmétodos de
é a de buscar a verdade, eliminando tudo o que é pesquisa em relação aos procedimentos técnicos
falso. têm por função fornecer ao pesquisador os meios
adequados para garantir que haja objetividade e
2.1.1.4. Método dialético: De acordo com precisão no estudo de temas relacionadosà ciên-
Diniz e Silva (2008), esse método é utilizado quan- cia sociais.
do se faz uma investigação através da contrapo- É através desses métodos que se define como
sição de elementos conflitantes, buscando com- os dados serão coletados, ou seja, após a defini-
preender o papel desses elementos no fenômeno ção do tema, do objeto de estudo, do problema e
observado (dois grupos de autores com opiniões de determinar os objetivos a serem alcançados,
contrárias sobre um mesmo fenômeno como, por o pesquisador deve definir quais os instrumen-
exemplo, um grupo defende as avaliações tradicio- tos que irá utilizar para levantar as informações
nais nas escolas e suas justificativas e o outro que necessárias à resolução do problema levantado.
querem excluí-la). Dessa forma, o pesquisador Segundo Rodrigues (2005, p. 45), o pesquisador,
deve confrontar qualquer conceito tomado como portanto, deverá ter “uma definição antecipada do
verdadeiro com realidades diferentes, buscando ambiente e das circunstâncias em que serão cole-
novas conclusões ou uma nova teoria. Portanto, tados os dados e as formas de controle de variá-
o método dialético não analisa um objeto ou fenô- veis envolvidas no problema”.
meno estático, pelo contrário, busca contextualizar Os tipos de métodos de pesquisa em relação
o objeto ou fenômeno de acordo com a dinâ- aos procedimentos técnicos são:

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 15
UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

2.1.2.1. Método histórico. estão sendo aplicadas metodologias de ensino


Através desse método ocorre o estudo dos fa- diferenciadas, tendo por objetivo verificar qual (ou
tos ocorridos no passado, os quais permitem re- quais) delas está dando os melhores resultados e
alizar vários tipos de análises como, por exemplo, qual turma está se saindo melhor.
a identificação e explicação da influência de fatos
que ocorreram no passado e suas influências no 2.1.2.3. Estudo de caso (método mo-
presente ou a análise de fatos ocorridos no passa- nográfico).
do, buscando identificar e explicar sua origem. Um Nesse tipo de método se estuda casos específi-
exemplo seria a análise da cultura medieval com cos ou que envolvem pequenos grupos, buscando
o objetivo de comparar os hábitos e costume da entender como determinados fatos ocorrem. Tem
época com os do homem moderno ou a análise por princípio que o estudo de um caso em pro-
da evolução da Economia e seus momentos de fundidade pode ser representativo de vários ou-
ápice e crise e comparar com os problemas atu- tros ou de todos os casos semelhantes. O objeto
ais da economia brasileira para evitar cometer os de estudo pode ser os indivíduos, comunidades,
mesmos erros do passado. instituições, grupos, entre outros. Podemos citar
como exemplo o estudo que deu origem a alguns
2.1.2.2. Método comparativo.
manuais do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro
Esse método tem por objetivo estudar os indi-
e Pequenas Empresas - SEBRAE, como o Como
víduos, classes e grupos sociais em relação aos
Montar uma Padaria, onde seus técnicos analisa-
fatos e fenômenos sociais que ocorrem ou ocorre-
ram um número reduzido de padarias e estabe-
ram no ambiente onde estão inseridos, tendo por
leceram valores mínimos necessários em termos
objetivo estabelecer leis e correlações entre eles,
de infraestrutura, financeiros e humanos para que
estabelecendo suas semelhanças e/ou diferen-
qualquer pessoa possa montar a sua. Também
ças. Para tanto, o pesquisador deve definir o nú-
pode ser citado como exemplo o estudo que uma
mero degruposcom os quais irá trabalhar e as va-
aluna do curso de Economia da Universidade de
riáveis que serão adotadas. Podemos citar como
Itaúna fez na empresa em que trabalhava, bus-
exemplo o estudo para determinar as diferenças e
cando determinar as causas da alta rotatividade
semelhanças socioeconômicas existentes entre a
da mão-de-obra e as possíveis soluções para isso.
população cubana, a brasileira e a norte-america-
na. As variáveis adotadas seriam o poder aquisiti-
2.1.2.4. Método estatístico.
vo, o PIB per capita, os direitos à liberdade, à edu-
Esse método apoia-se na teoria estatística da
cação e à saúde de cada um dos grupos. Após
probabilidade, sendo bastante utilizado, pois per-
levantar os dados, os países (grupos) seriam clas-
mite ao pesquisador transformar uma quantidade
sificados em “desenvolvidos” e “em
grande de fatos e dados em um número menor,
desenvolvimento”. Outro exemplo seria a análise
permitindo estabelecer relações e correlações en-
do desempenho de três turmas do ensino
tre eles e, consequentemente, as suas conse-
fundamental, nas quais

16 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

quências, as quais possuem uma boa proba- pode observar, o número de variáveis é enorme e
bilidade de serem verdadeiras. apenas um programa específico de estatística po-
Assim, esse método é utilizado quando o fato deria rodar um banco de dados desse porte. Um
ou fenômeno analisado apresenta um grande exemplo mais simples seria realizar um levanta-
número de ocorrências e complexidade, necessi- mento das notas dos alunos de dada escola por
tando quantificá-lo para que se possa analisá-lo. série e estabelecer a média por turma, utilizando-a
Por exemplo, o estudo desenvolvido na Funda- como parâmetro para classificar o desempenho
ção João Pinheiro que tinha por objetivo verificar a dos alunos.
efetividade do programa Saúde da Família e seus
resultados nos municípios mineiros, adotando na
análise os 853 municípios e três variáveis de saú- 2.2. TIPOS DE PESQUISAS:
de (mortalidade infantil, vacinação, prevalência de
doenças infectocontagiosas), duas econômicas O tipo de pesquisa refere-se à forma como pro-
(PIB dos municípios e renda familiar) e três sociais cederemos na execução da pesquisa, ou seja,
(nível de analfabetismo, de escolaridade e a exis- como vamos realizá-la. O quadro abaixo demons-
tência de canalização de água/esgoto). Como se tra todos os tipos de pesquisa existentes.

PESQUISA CLASSIFICAÇÃO MODALIDADE

Quanto à natureza Pura (Básica) Aplicada

Quanto à forma deQuanto


abordagem Pura (Básica)
Quantitativa Qualitativa
à natureza
Aplicada

Quanto ao Objetivo Quantitativa


QuantoGeral
à forma de abordagem Exploratória Descritiva Explicativa
Qualitativa
Exploratória
Quanto ao Objetivo
Quanto aos procedimentos Geral
técnicos Descritiva
Bibliográfica
TIPO (esclarecem sobre as técnicas a serem Explicativa
Documental
adotadas) Bibliográfica
TIPO Experimental
Documentalou Empírica
Levantamento
Experimental
Pesquisa ou Empírica
de campo
Levantamento
Estudo de caso
Quanto aos procedimentos Pesquisa de campo
técnicos (esclarecem sobre as Pesquisa-ação
Estudo
Ex-post-facto
Estudo coorte
Pesquisa participante
Pesquisa laboratorial

Fonte: CANTINI, Adriana H. Elaboração de Projetos de Pesquisa. Disponível em www.slideshare.com.br.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional.
UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

2.2.1. Tipos de pesquisa quanto à na- • Verificação do total de alunos evadidos na re-
tureza: gião metropolitana de BH, através dos dados das
Secretarias Estadual e Municipal de Educação;
2.2.1.1- Pura (Básica): Tem por objetivo • Determinar a evasão por região administrativa,
a produção de novos conhecimentos, os quais relacionando-a ao fator socioeconômico (evasão
envolvem verdades e interesses universais sem, nas regiões mais ricas e nas mais pobres), através
no entanto, ter inicialmente uma aplicação prá- do Produto Interno Bruto por região metropolitana,
tica para os resultados previstos. Cita-se como fornecido pelo banco de dados da Fundação João
exemplo os artigos científicos desenvolvidos pela Pinheiro (FJP);
maioria dos alunos de graduação, os quais bus- • Determinar a evasão através da aplicação de
cam contribuir para a divulgação de dado assunto um questionário, buscando as causas da evasão
e sem pretensões práticas (aplicabilidade com fim através das opiniões dos alunos (alunos não gos-
específico). tam: de estudar, da matéria, do professor, da esco-
la; entre outras causas).
2.2.1.2- Aplicada: Tem por objetivo a bus- • Determinar a evasão através da aplicação de
ca de novos conhecimentos, os quais envolvem um questionário, buscando as causas da evasão
verdades e interesses locais. Ao contrário da pes- através da análise da qualidade do ensino público
quisa pura, a aplicada busca a produção de co- em BH (ótimo, bom, ruim ou péssimo); ou análise
nhecimento que tenha aplicação prática para re- das causas da falta de interesse dos alunos.
solver problemas ou situações reais e específicas. Observe que o enfoque dado as duas primeiras
Podemos citar como exemplo as pesquisas para a opções são diferentes das duas últimas. Portanto,
busca de vacina contra a AIDS, tuberculose, entre partindo do problema levantado na pesquisa (eva-
outras. são escolar), tem-se o método quantitativo e qua-
litativo para se levantar as causas desse fenôme-
2.2.2. Tipos de pesquisa quanto à for- no, o que determinará qual será utilizadoé a forma
ma de abordagem: Existem dois tipos de pes- como o pesquisador deseja conduzir o assunto.
quisa em relação à abordagem, o quantitativo e o
qualitativo, os quais estão relacionados ao modo 2.2.2.1. Pesquisa quantitativa.
como o pesquisador irá determinar o método para Na pesquisa quantitativa são utilizadas
levantar dados e obter informações, ou seja, técnicas estatísticas para transformar dados em
para chegar às causas do problema. números e, posteriormente, em informações,
Por exemplo, suponha que deseja compreender analisando-as para tirar as devidas
o fenômeno da evasão escolar nas escolas pú- conclusões. Para desenvolver uma pesquisa
blicas da cidade de Belo Horizonte/MG. Existem baseada nesse método é necessário ter
algumas formas de você obter resposta para esse variáveis bem definidas e utilizar cálculos
fenômeno, o que podeserfeitoatravés de: estatísticos e/ou inferenciais. Além disso, nela não
há o envolvimento direto do pesquisador,

18 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

ele apenas observa a situação e anota os dados, Esse tipo de pesquisa tem o caráter exploratório,
não havendo interação com o objeto da pesquisa. pois o entrevistado pode expressar-se livremente
Esse método utiliza a estatística como base, por-sobre o assunto tratado. Dessa forma, os dados
tanto, requer o uso de recursos como percenta- não são precisos, pois cada um dos indivíduos en-
gem, média, moda, mediana, variância, desvio pa- trevistado tem a sua opinião e tece seus comen-
drão, coeficiente de correlação, entre outros. Um tários. Portanto, leva-se em consideração o que
dos instrumentos de levantamento de dados mais o entrevistado acha a respeito de dada situação,
utilizado nesse tipo de pesquisa é o questionário, fato ou realidade, sendo que as opiniões podem
normalmente com opções de escolha de resposta coincidir e também divergir.
(raça: branca; parda; amarela; negra) ou faixa de Por exemplo, suponhamos que vamos entrevis-
variação (de 0 – 7 anos; 7 – 14 anos, etc.). tar pessoas para saber o grau de satisfação com
Como exemplo desse tipo de pesquisa, pode- o governo Dilma, sendo que as opções em um
mos citar o Censo Brasileiro elaborado pelo Ins- questionário são: péssimo, regular, bom, ótimo e
tituto Brasileiro de Geografia e Pesquisa (IBGE), excelente. Nessa questão, limitamos as opções
que possui um questionário estruturado com o para facilitar a resposta. Uma segunda opção se-
qual o pesquisador vai até a sua casa e o preen- ria deixar a questão aberta para as pessoas res-
che para você. No entanto, o pesquisador é ape- ponderem, o que daria muito mais trabalho, mas
nas um anotador de dados e o entrevistado não verificaria melhor a opinião das pessoas. Depois
emite opinião pessoal sobre as questões, apenas de levantado os dados e as informações, pode-
responde a elas. Posteriormente, o técnico do mos expor as opiniões através da estatística, em
IBGE, levanta todos os questionários e, através do termos percentuais, por exemplo. Também, pode-
método estatístico, informa que o Brasil possui x% mos observar que nesse processo, o pesquisador
de população branca, % de parda, x% de negra e terá de observar o fenômeno mais de perto, ou
assim monta o Censo. seja, sua participação é mais efetiva (FRANÇA;
VASCONCELOS, 2004).
2.2.2.2. Pesquisa qualitativa. Por fim, deve-se estar atento ao fato de que,
A pesquisa qualitativa é uma pesquisa descritiva, apesar dos tipos de pesquisa ter funções e objeti-
onde o entrevistadoe sua opinião sobre dado fato vos diferentes, elas não são excludentes.
ou realidade são indissociáveis, ou seja, explora
as particularidades e os traços subjetivos (signi- 2.2.3. Tipo de pesquisa em relação ao
ficados, motivos, aspirações, crenças, valores e objetivo geral:
atitudes) do entrevistado em relação a uma situ- Antes de realizar essa classificação é necessá-
ação vivenciada por ele (MINAYO, 2001). Nessa rio que o(s) objetivo(s) da pesquisa já esteja(m)
pesquisa ocorrem classificações e análises dis- definido(s). Assim, após essa definição podemos
sertativas sobre certas situações ou fatos, sem, classificar a pesquisa em um dos três tipos de pes-
no entanto, eliminar completamente os cálculos. quisa: exploratória, descritiva ou explicativa.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 19
UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

Essa classificação é que vai nos permitir esco- teve ou teve muito pouco estudo anterior a seu
lher quais os procedimentos metodológicos que respeito, portanto, não se trata de testar ou confir-
serão utilizados para que possamos chegar a mar uma determinada hipótese, mas de levantá-
uma definição ou resposta em relação àquilo que -la. Assim, a pesquisa exploratória avaliará qual a
queremos pesquisar, ou seja, em relação à situ- teoria ou conceito que poderá ser aplicado ao pro-
ação-problema que encontramos ou levantamos. blema levantado ou se deverá ser desenvolvidas
Portanto, partindo do problema a ser pesquisado, novas teorias ou conceitos. Segundo Gil (1999),
essa classificação nos permitirá determinar quais Um exemplo prático de tal modalidade pode estar relacionado
os procedimentos que serão empregados na in- ao objetivo de um determinado pesquisador, cuja intenção se
manifesta pela busca de uma resposta acerca da queda (da
vestigação científica, isto é, qual o caminho que demanda) de um determinado produto no mercado. Assim sen-
do, de modo a concretizar seu objetivo, o pesquisador terá de
iremos percorrer para alcançar os objetivos deter- aprofundar suas especulações e encontrar as reais causas da
ocorrência de tal fenômeno (1999, p. 51).
minados (VERGARA 2007).
De acordo com Gil (2007), quando o pesquisa-
2.2.3.1. Pesquisa exploratória: A dor defronta com uma situação ou assunto pouco
pesquisa exploratória é utilizada quando um familiarizado ou explorado ele utiliza a pesquisa
problema é pouco conhecido e suas hipóteses exploratória para poder conhecê-lo melhor e, após
não estão ainda claras, o que necessita de um esse aprofundamento no tema, formular suas hi-
maior envolvimento do pesquisador com o objeto póteses. Por exemplo, o conhecimento que se
da pesquisa (tema), tendo por finalidade buscar tem sobre o fundo do mar em altas profundidades
informações sobre ele e, assim, poder delineá-lo é bastante restrito, mas já existem algumas publi-
melhor e torná-lo mais claro. Normalmente é cações sobre o tema. Caso um biólogo tenha inte-
utilizado em estudos de casos, embasado por resse em estudar o tema, deverá fazer um levan-
pesquisa bibliográfica, entrevistas com pessoas tamento bibliográfico sobre o assunto, determinar
que possuem experiência prática com o a região onde desejará iniciar sua pesquisa, deter-
problema pesquisado e análise de exemplos minar o material necessário para pesquisar em al-
que estimulem a compreensão do assunto (GIL, tas profundidades, montar sua equipe de técnicos
1999). e cientistas, verificar as embarcações necessárias
Quando o problema levantando não permite vi- (barcos de meio porte e mini submarinos), entre
sualizar os procedimentos a serem adotados, tor- outras ações. Depois de conhecer a região, de
na-se necessário que o pesquisador inicie uma in- fotografá-la, filmá-la, descrever suas observações
vestigação mais minuciosa, buscando um volume sobre o ambiente, enfim, de levantar todos os da-
maior de informações sobre ele e, assim, construir dos e informações possíveis é que ele poderá criar
hipóteses que lhe permita determinar o caminho a as hipóteses de sua pesquisa (por exemplo: exis-
ser percorrido (OLIVEIRA NETTO, 2008). tem poucas espécies que conseguem sobreviver
O objetivo da pesquisa exploratória é procurar na profundidade de X metros; o ser humano possui
ideias, hipóteses ou padrões em relação a um pro- tecnologia para sobreviver apenas até x metros de
blema ou questão cujo tema, normalmente, não

20 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

profundidade). No entanto, devemos lembrar que padronizadas, como o questionário ou a observa-


não basta desenvolver hipóteses, pois no caso da ção sistemática. Como exemplo, podemos citar a
pesquisa exploratória elas devem ser comprova- pesquisa bibliográfica, a pesquisa de opinião e o
das pela pesquisa realizada. estudo de caso (mais comum na pesquisa explo-
Outra forma de definir a pesquisa exploratória ratória).
é dizer que essa classe de pesquisa estabelece Ainda no entender de Gil (1999), a pesquisa des-
critérios, métodos e técnicas para a elaboração critiva tem por finalidade observar, analisar e regis-
de uma pesquisa, levantando o máximo de infor- trar um dado fenômeno sem que o pesquisador se
mações possíveis sobre o objeto de estudo e só envolva, de alguma forma, na mesma. Portanto, é
depois desse levantamento é que se elaborarão proibido a ele emitir opinião, interferir na pesquisa,
as hipóteses. Esse tipo de pesquisa é responsá- omitir ou alterar dados, entre outras atitudes que
vel pela maioria das descobertas científicas, sen- possam vir a alterar a situação, ou seja, não é per-
do que a maioria delas é originada pelo acaso, ou mitido ao pesquisador entrar no mérito do conteú-
seja, em certo experimento em laboratório busca- do da pesquisa.
-se um dado produto, fenômeno, substância, entre Dessa forma, a pesquisa descritiva busca esta-
outras atividades e durante o processo ou no seu belecer relações de dependência entre variáveis,
final descobre-se outro produto, substância ou fe- tais como quantidade, classificação e/ou medida,
nômeno. as quais podem sofrer alterações de acordo com o
A pesquisa exploratória tem se tornado um di- processo realizado. Normalmente, nessa pesqui-
ferencial competitivo na concorrência de grandes sa busca-se determinar quais as características
grupos empresariais, os quais investem vultosos de determinado grupo (amostra) em relação ao
recursos financeiros na busca de processos, pro- sexo, faixa etária, renda familiar,nível de escolari-
dutos e serviços novos (invenções) ou que tra- dade, entre outras classificações. Após, busca-se
gam inovações, garantindo aos inovadores e/ou confrontar os dados levantados com alguns indi-
empreendedores direito de exploração por longos cadores (econômicos, por exemplo) ou com a opi-
anos (patentes). nião de peritos para a padronização de técnicas
ou a validação de conteúdo(THOMAS; NELSON;
2.2.3.2. Pesquisa descritiva: A pesquisa SILVERMAN, 2012).
é descritiva em relação aos objetivos pretendidos Como exemplo, podemos citar as pesquisas
quando tem por finalidade descrever as caracte- realizadas pelo Instituto Brasileiro de Geográfia
rísticas de uma população, de um dado fenômeno e Estatística (IBGE) para levantamento do senso
ou de uma experiência (GIL, 2007). O pesquisa- brasileiro. Para realizá-lo, seus técnicos elaboram
dor, após encontrar um objeto ou fenômeno que uma lista de perguntas (questionário padronizado)
desperte seu interesse, passa a descrevê-lo, clas- que seus pesquisadores fazem às famílias. No
sificá-lo e a observá-lo. A coleta de dados sobre questionário, os pesquisadores apenas anotam as
o objeto ou fenômeno é feita através de técnicas respostas que o cidadão dá. Esses questionários

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 21
UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

são repassados aos peritos do IBGE que apenas Após a escolha do objetivo da pesquisa, o qual é
manipulam os dados e calculam (através de suas determinado através dos tipos de pesquisas des-
respectivas fórmulas), por exemplo, o nível de critas anteriormente, segue-se para a fase seguin-
renda média por família, entre outros indicadores. te que é a de planejar como vamos desenvolver
Portanto, não há nenhum envolvimento do pesqui- a pesquisa, ou seja, a fase de escolher os proce-
sador com a situação ou fato. dimentos técnicos ou metodológicos que iremos
Um dos fatos que diferencia a pesquisa descri- adotar para dar prosseguimento à pesquisa. Se-
tiva da exploratória é que na primeira o assunto gundo Gil (2007),
já é conhecido, buscando-se apenas obter novas
Basicamente, existem dois grandes grupos de delineamentos: o
visões sobre ele, portanto, assume a forma de le- grupo que se vale de informações impressas (provenientes de li-
vantamento de dados e de informações. vros, revistas, documentos impressos ou eletrônicos), e o grupo
que utiliza informações obtidas por meio de pessoas ou experi-
mentos. No primeiro grupo destaca-se a pesquisa bibliográfica e

2.2.3.3. Pesquisa explicativa ou analí-


documental. No segundo grupo, temos a pesquisa experimental,
a pesquisa ex-post facto, o levantamento, o estudo de caso, a
tica: É o tipo de pesquisa utilizada para descobrir pesquisa-ação e a pesquisa participante (GIL, 2007, p. 54).

o modo e as causas de dado fenômeno, ou seja,


o que leva o fenômeno a ocorrer e quais são as O autor faz uma classificação meramente ba-
suas causas. O método utilizado nessa pesquisa seada no tipo de fonte da informação e encaixa
vai depender do campo onde está se realizando dentro de cada uma delas as que são realmente
a pesquisa; por exemplo, nas ciências físicas e necessárias ao desenvolvimento da pesquisa e
naturais usa-se o método experimental e nas so- que devemos conhecer. São elas:
ciais, o observacional(migração da população do
nordeste brasileiro para outras regiões), buscando 2.2.4.1. Pesquisa bibliográfica.
aprofundar o conhecimento de dada realidade. A pesquisa bibliográfica tem por objetivo conhe-
Devido as suas características, a pesquisa ex- cer as diferentes contribuições científicas disponí-
plicativa é bastante presente durante a realização veis sobre determinado tema (MARTINS, 2000).
de pesquisas experimentais, pois durante o expe- Envolve a leitura, análise e interpretação de livros,
rimento com variáveis, busca-se saber o porquê jornais e revistas acadêmicas, periódicos, manus-
(causa) de dado resultado. Assim, de acordo com critos e sites científicos. De forma geral, qualquer
Marconi e Lakatos (2006), informação publicada (impressa ou eletrônica) é
passível de se tornar uma fonte de consulta. O
Busca-se registrar os fatos, analisá-los, interpretá-los e identifi-
car suas causas, com o intuito de ampliar generalizações, definir primeiro passa a ser dado nesse tipo de pesqui-
leis mais amplas, estruturar e definir modelos teóricos, relacio-
nar hipóteses em uma visão mais unitária do universo ou âmbito sa é selecionar, do material recolhido, o que tem
produtivo em geral e gerar hipóteses ou ideias por força de de- importância real para o tema a ser desenvolvido,
dução lógica (MARCONI; LAKATOS, 2006, p. 64).
o que chamamos de triagem. Após, deve-se fazer
2.2.4. Tipo de pesquisa quanto aos a leitura sistemática do material selecionado, re-
procedimentos técnicos para coleta de alizando anotações e fichamentos, os quais irão
dados (para elaborar a fonte de dados). formar o banco de dados a ser utilizado na funda-

22 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

mentação teórica do estudo. era descobrir sua autoria.


A realização sequencial desses passos é ne- Na pesquisa documental, a fonte pode já ter
cessária para que o pesquisador vá conhecendo sido ou não utilizada em pesquisas anteriores.
as contribuições que os diferentes autores deram Caso já tenha sido analisada, normalmente, a
ao tema escolhido.Além disso, é necessário para pesquisa tem objetivo diferenciado e tem outras
que ele possa ir selecionando durante a leitura de interpretações. Cita-se como exemplo a aná-
lise do Balanço Geral de uma empresa pela
um livro o que, de fato, é importante para atingir
diretoria financeira e, posteriormente, pela
seu objetivo e, posteriormente, através do ficha-
auditoria interna e externa, gerando
mento, saber onde está determinada informação. resultados diferenciados.
Segundo França e Vasconcellos (2004),
2.2.4.3. Pesquisa empírica ou experi-
A pesquisa bibliográfica é utilizada para todos os outros tipos de
pesquisa, dando suporte a elas e auxiliando na determinação do mental.
problema, objetivos, na construção de hipóteses, na fundamen-
tação da justificativa da escolha do tema e na elaboração do
O objetivo da pesquisa empírica é testar hi-
relatório final (2004, p. 29). póteses que dizem respeito a relações de
causa e efeito (MARTINS, 2000), podendo ser
Dessa forma, podemos perceber que não realizada em qualquer ambiente. Esse tipo de
existe pesquisa sem que a bibliografia esteja pesquisa envolve hipóteses que podem ser
envolvida, portanto, ela deve se tornar rotina confirmadas ou não, em um processo de
entre os pesquisadores e estudantes. tentativa e erro. Para que se possa realizar
esse tipo de pesquisa é necessário selecionar
2.2.4.2. Pesquisa documental. variáveis dependentes, estabelecer grupos
A pesquisa documental é bastante pareci- de controle e a manipulação de variáveis
da com a bibliográfica, sendo que a diferença independentes, tudo sobre o rigor de técnicas
entre elas reside na natureza da fonte. A fon- estatísticas e por amostragem, buscando
te da pesquisa documental são documentos verificar se o resultado obtido em um dado
conservados em arquivos de órgãos públicos número de manipulação de variáveis pode ser
e privados, sindicatos, igrejas, instituições e generalizado.
em acervos particulares, tais como fotografias, Esse tipo de pesquisa ocorre, por exemplo,
filmes, diários, memorandos, atas de reunião, quando se tenta descobrir se o tratamento de
boletins, cartas pessoais, relatórios, entre ou- esgoto e de água, vacinação, alimentação,
tros documentos. Cita-se como exemplo as coleta de lixo, doença de chagas, educação
Cartas Chilenas escritas em 1789, no perío- e cultura, interesse político, entre outras vari-
do da Inconfidência Mineira – Vila Rica (atual áveis tem influência na mortalidade infantil no
Ouro Preto), onde o autor Critilo (Tomás Antô- Jequitinhonha/Mucuri e na região metropolita-
nio Gonzaga) critica Fanfarrão Minésio (Luis da na de Belo Horizonte. As variáveis vacinação,
Cunha Meneses – governador das Minas Ge- alimentação, coleta de lixo, esgoto e água tra-
rais até a Inconfidência Mineira). Essas cartas tada são consideradas dependentes (influência
foram objeto de muita pesquisa cujo objetivo direta) e as demais independentes (influência
indireta) (CRESPO, 1997). Esse tipo de pes-

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 23
UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

quisa é utilizada, normalmente, em laboratórios leta de dados mais apropriadas à natureza do


e em campo. tema, definindo também técnicas para registro
e análise, podendo ser utilizada a abordagem
2.2.4.4. Pesquisa de levantamento: predominantemente qualitativa ou quantitativa.
Esse tipo de pesquisa utiliza de um questio- Nesta última, o pesquisador se limita a descre-
nário para, de forma direta, levantar informa- ver os fatos, ignorando a complexidade da rea-
ções das pessoas acerca do problema estu- lidade social (MARTINS,2000).
dado. Quando o levantamento envolve toda a A pesquisa de campo é comumente utilizada
população (universo) é chamado de censitário em estudo de indivíduos, grupos, comunida-
ou parametrizado, mas pode ser feito com ape- des e instituições tendo por objetivo entender
nas uma parte da população, sendo o levanta- os diferentes aspectos de uma dada realidade,
mento chamado de amostragem ou estatístico, portanto, é utilizada principalmente nas áreas
porém esta tem de ser representativa da popu- da Sociologia, Pedagogia, Psicologia da Edu-
lação. Após o levantamento dos dados, estes cação, Política, Serviço Social, entre outras.
são transformados em números e analisados
através de métodos estatísticos, os quais gera- 2.2.4.6. Estudo de caso.
rão informações que permitirão chegar a con- Refere-se a um tipo de pesquisa bastante es-
clusões que serão generalizadas para toda a pecífica, pois consiste em um estudo profundo
população. e exaustivo de um único objeto ou de poucos
O levantamento é um método fácil de ser apli- objetos, o que permite obter um conhecimento
cado e seus resultados podem ser expostos bastante aprofundado do mesmo, porém seus
através de tabelas, quadros e gráficos, sendo resultados não podem ser generalizados, aten-
muito utilizado nas pesquisas exploratórias e do-se apenas ao caso em estudo (GIL, 2007).
descritivas. Porém, é um estudo mais superfi Entretanto, dependendo do objeto estudado e
cial, pois não permite captar as características do nível de profundidade do estudo, seus re-
dinâmicas inerentes ao processo. sultados podem ser representativos de vários
outros ou de todos os casos semelhantes.
2.2.4.5. Pesquisa de campo.
A pesquisa de campo está relacionada à ob- 2.2.4.7. Pesquisa-ação.
servação de dado fato ou fenômeno, coletando Esse tipo de pesquisa gera bastante con-
dados sobre o mesmo da forma mais fiel pos- trovérsia, pois os pesquisadores e os partici-
sível e sem alterar nada do observado. Após, pantes têm de agir em conjunto para resolver
passa-se à análise e à interpretação desses um problema em comum ou uma situação real
dados com base em uma fundamentação te- (coletiva), portanto devem trabalhar de forma
órica (pesquisa bibliográfica) consistente, com cooperativa ou participativa. No entanto, existe
o intuito de compreender e explicar o problema uma nítida divisão entre dirigentes e dirigidos.
pesquisado. A pesquisa-ação é uma metodologia apropria-
Nesse tipo de pesquisa, dependendo do da para o trabalho em equipe, onde o objeto de
tema, é necessário determinar técnicas de co- estudo é analisado por todos os participantes

24 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

da equipe, o que favorece as discussões e a to das aulas. Para verificar a efetividade des-
geração de conhecimentos sobre a realidade se tipo de ensino, se determina as salas que
vivenciada. Quando a equipe é formada por irão participar dessa nova metodologia e as
profissionais de várias áreas, a gama de co- que não irão (grupo de controle). Após o pe-
nhecimento sobre o objeto é mais diversificada ríodo estabelecido para a análise, se verifica
e ampla ainda. os resultados das participantes e das não par-
ticipantes e compara os resultados, concluindo
2.2.4.8. Pesquisa ex-post-facto (a par- se a nova metodologia melhorou os resultados
tir do fato passado). das turmas e se será aplicada a todas elas ou
De acordo com Gil (2007), nesse tipo de pes- não.
quisa os fatos já ocorreram, ou seja, está no
passado, o que impossibilita o pesquisador de 2.2.4.10. Pesquisa participante.
ter qualquer tipo de controle ou de manipulação A pesquisa participante possui características
dos mesmos. Portanto, o seu objetivo é levan- bastante semelhantes às da pesquisa-ação,
tar e testar hipóteses que estão relacionadas pois o pesquisador é um dos participantes da
à relação de causa e efeito, mas que devem mesma. A diferença básica é que nesse tipo de
ser comprovadas pelos fatos do passado. Um pesquisa procura-se “minimizar a distinção en-
exemplo desse tipo de pesquisa é o processo tre dirigentes e dirigidos, fato que a torna ideal
utilizado pela polícia para desvendar crimes, para as pesquisas de cunho social e/ou religio-
cujos dados, informações e variáveis estão sa” (GIL, 2007, p. 53).
no passado, as quais devem ser levantadas e
relacionadas, buscando levantar as causas e 2.2.4.11. Pesquisa laboratorial.
chegar à autoria do mesmo. A pesquisa laboratorial ocorre em situações
controladas, utilizando-se de instrumentos es-
2.2.4.9. Estudo de coorte. pecíficos e precisos. São realizadas em um am-
Esse tipo de estudo é realizado com um gru- biente adequado, previamente estabelecido e
po que possui entre si uma característica em conforme o estudo a ser feito, podendo ocorrer
comum, constituindo-se na amostra de um em ambiente fechado ou não e em artificiais ou
universo de pesquisa. Para se realizar essa reais.
pesquisa, esse grupo deve ser acompanhado Esse tipo de pesquisa é comumente confun-
durante certo período de tempo, observando dido com a pesquisa experimental. Mesmo que
o desenvolvimento da característica analisada a maioria das pesquisas laboratoriais seja ex-
e comparando com períodos anteriores de ob- perimental, o que a diferencia desta é o fato
servação. dela ocorrer em situações controladas, com a
A pesquisa de coorte é muito usada na área escolha dos instrumentos a serem utilizados
da saúde, mas também pode ser utilizada em (específicos e precisos). Por exemplo, a
pesquisa experimental ou em uma pesquisa manipulação de vírus e bactérias para a
ex-post facto. Pode-se citar como exemplo, a criação de antibióticos é feita com alto nível
utilização da informática para enriquecimen- de controle por parte dos pesquisadores.
Assim, eles possuem

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 25
UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

um ambiente totalmente apropriado a essa zer novos e relevantes


pesquisa e o máximo de controle possível para para a sociedade.
evitar que haja qualquer tipo de contaminação a) Tema, investigação, problema, procedimentos,
do ambiente e das pessoas. problema, conhecimentos.
b) Investigação, problema, procedimentos, tema,
problema, conhecimentos.
TESTE DE CONHECIMENTO c) Investigação, procedimentos, problema, proble-
UNIDADE II: mas, conhecimentos,problemas.
d) Problema, investigação, procedimentos, proble-
1) Em relaçãoàs váriasformasde definiro queé
ma, problema, conhecimentos.
pesquisa, marque a opção errada:
e) Tema, problema, procedimentos, problema, pro-
a) Conjunto de ações que visam à descoberta de
blema, conhecimentos.
novos conhecimentos em uma determinada área.
b) É um processo investigativo sistemático que tem
3) O tipo de pesquisa refere-se à forma como
por objetivo a construção do conhecimento.
procederemos na execução da pesquisa, ou seja,
c) Reprodução de informações obtidas em obras
de que forma iremos realizá-la, sendo sua tipologia
de terceiros, sem a devida identificação dos mesmos
e sem nada acrescentar às pesquisas já realizadas. baseada:
d) Instrumento para ratificar, refutar, reproduzir, cor- a) Nos objetivos estabelecidos na pesquisa e nos
roborar, ampliar e atualizar algum conhecimento pré- procedimentos técnicos a serem adotados para de-
-existente, relativo a fatos, teoremas, novasteorias, senvolvê-la.
trabalhos de campo, experiências, projetos, entre b) Apenas nos objetivos estabelecidos na pesqui-
outros. sa.
e) Conjunto de ações pré-definidas que permite re- c) Nos objetivos estabelecidos na pesquisa e na
alizar uma investigação sobre um dado tema, contri- forma de abordagem do problema.
buindo para o conhecimento sobre o mesmo. d) Nos procedimentos técnicos a serem adotados
para desenvolvê-la e forma de abordagem do pro-
2) Complete a sentença e marque a opção cor- blema.
reta: e) Apenas na forma de abordagem do problema.
Para realizar uma pesquisa é necessário seguir
um processo pré-determinado de investigação. Não 4) Em relação aos objetivos estabelecidos na
basta ter em mente um (a) e nele (a) pesquisa, essa pode ser classificada em:
encontrar um (a) , sendo neces- a) Exploratória, argumentativa ouempírica.
sário seguir científicos para b) Descritiva, explicativa e exploratória.
encontrar resposta para esse . c) Descritiva, facultativa e argumentativa.
Além disso,é necessário avaliar a relevância do d) Científica, descritiva e explicativa.
(a) para a área pesquisada e se irá e) Científica, empírica e exploratória.
tra-

26 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

nãopermite identificara metodologia a serseguida,


5) Uma pesquisa pode ser classificada em rela- torna-se necessário obter um volume maior de infor-
ção aos procedimentos técnicos utilizados para de- mações e, baseando-se nelas, construir hipóteses
senvolvê-la, resultando nos seguintes tipos: que possibilite evidenciar um caminho a serpercor-
a) Descritiva, bibliográfica, documental, experimen- rido.
tal, levantamento, estudo de campo, estudo de caso, c) A pesquisa exploratória, a partir do problema já
pesquisa-ação e pesquisa participante. bastante analisado, avaliará qual das teorias exis-
b) Documental, bibliográfica, empírica, explicativa, tentes sobre o assunto melhor descreve os objetivos
levantamento, estudo de campo, estudo de caso, que pretende alcançar.
pesquisa-ação e pesquisa participante. d) O objetivo da pesquisa exploratória é procurar
c) Experimental, levantamento, explicativa, estudo ideias, hipóteses ou padrões em relação a um pro-
de campo, estudo de caso, pesquisa-ação e pesqui- blema ou questão cujo tema, normalmente, não teve
sa participante. ou teve muito pouco estudo anterior a seu respeito,
d) Documental, exploratória, experimental, levanta- portanto, não se trata de testar ou confirmar uma de-
mento, descritiva, estudo de campo, estudo de caso terminada hipótese, mas de levantá-la.
e pesquisa participante. e) A pesquisa exploratória avaliará qual a teoria ou
e) Bibliográfica, documental, experimental, levanta- conceito que poderá ser aplicado ao problema levan-
mento, estudo de campo, estudo de caso, pesquisa- tado ou se deverá ser desenvolvidos novas teorias
-ação e pesquisa participante. ou conceitos.

6) Existem dois métodos de pesquisa que estão 8) Em relação à pesquisa descritiva marque a op-
relacionados à forma como o pesquisador abordará ção errada:
o problema. Esses métodos são: a) A pesquisa é descritiva quando tem por finalida-
a) O método explicativo e o qualitativo. de descrever, analisar e registrar as características
b) O método quantitativo e o exploratório. de uma população, de um dado fenômeno ou de
c) O método quantitativo e o qualitativo. uma experiência, sem que o pesquisador se envol-
d) O método descritivo e o explicativo. va, de alguma forma, na mesma.
e) O método exploratório e o descritivo. b) A coleta de dados sobre o objeto ou fenômeno
é feita através de técnicas padronizadas, como o
7) Em relação à pesquisa exploratória, marque a questionário ou a observação sistemática.
opção errada: c) A pesquisa descritiva tem por finalidade obser-
a) A pesquisa exploratória é utilizada quando um var, analisar e registrar um dado fenômeno, permitin-
problema é poucoconhecido e suashipóteses não do ao pesquisador interferir na pesquisa, omitindo ou
estão ainda claras, necessitando que o pesquisador alterando dados e resultados.
intensifique sua busca de informações sobre o tema. d) A pesquisa descritiva busca estabelecer re-
b) Na pesquisa exploratória, quando o problema lações de dependência entre variáveis, tais como

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 27
UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

quantidade, classificação e/ou medida, as quais po- vididas em dois tipos: o das informações impressas
dem sofrer alterações de acordo com o processo re- e o dasinformações obtidasatravésde pessoasou
alizado. experimentos.
e) Na pesquisa descritiva busca-se determinar III. ( ) Entre as informações impressas estão as
quais as características de determinado grupo informações obtidas em revistas não científicas e as
(amostra) em relação ao sexo, faixa etária, renda fa obtidas em livros de romances.
miliar, entre outras variáveis. IV. ( ) As informações obtidasatravés das pesso-
9) Em relação à pesquisa explicativa, marque as podem ser coletadas através de entrevistas estru-
a opção errada: turadas e de questionários padronizados aplicáveis
a) A pesquisa explicativa é utilizada para descobrir à elas.
o modo e as causas de dado fenômeno, ou seja, o V. ( ) Todas as informações obtidas pela internet
que leva o fenômeno a ocorrer e quais são as suas são consideradas científicas.
causas.
b) O método utilizado na pesquisa explicativa vai Marque a opção correta:
depender do campo onde está se realizando a
pesquisa, buscando aprofundar o conhecimento a) F,F,F,V,F b) V, V,F,V,F
de dada realidade. c) F,V,V,F,F d) V,F,F,F,V
c) Na pesquisa explicativa busca-se registrar os fa- e) F, F, V, V, V
tos, analisá-los, interpretá-los e identificar suas cau-
sas, com o intuito de ampliar o conhecimentosobre 11) Em relação aos procedimentos técnicos para
o mesmo. coletar dados, a pesquisa pode ser classificada em:
d) A pesquisa explicativa busca definir leis mais
amplas, estruturar e definir modelos teóricos, gerar e 1. Bibliográfica 2. Documental
relacionar hipóteses ou ideias por força de dedução 3. Empíricaou experimental 4. Levantamento
lógica. 5. Campo 6. Estudo de caso
7. Pesquisa-ação 8. Ex-post facto
e) A pesquisaexplicativa estáfocada nosresulta-
dos e não nas causas de dado fenômeno. 9. Estudo de coorte 10. Participante
11. Laboratorial
10) Baseando-se nas afirmativas a seguir, marque Relacione o tipo de pesquisa ao seu respectivo
(V) se forem verdadeiras e (F) se falsas: conceito:
( ) Nesse tipode pesquisa utiliza-sede um ques-
I. ( ) Após a escolha do(s) objetivo(s) da pesqui- tionário para, de forma direta, levantar informações
sa, parte-se para a fase em que vamos decidir quais das pessoas acerca do problema estudado. Após,
os procedimentos técnicos ou metodológicos que os dados são transformados em números e analisa-
iremos adotar para dar continuidade à mesma. dos através de métodos estatísticos.
II. ( ) As fontes de informações podem ser di- ( ) Tipo de pesquisa bastante específica, pois

28 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

consiste em um estudo profundo e exaustivo de um ( ) Sua fonte de pesquisa são documentos


único objeto ou de poucos objetos, o que permite conservados em arquivos de órgãos públicos e pri-
obter um conhecimento bastante aprofundado do vados, sindicatos, igrejas, instituições e em acervos
mesmo, porém seus resultados não podem ser gen- particulares.
eralizados, atendo-se apenas ao caso em estudo. ( ) Nesse tipo de pesquisa o pesquisadoré um
( ) Envolve a leitura, análise e interpretação de dos participantes da mesma, havendo uma divisão
livros, revistas e periódicos acadêmicos e textos em mínima entre dirigentes e dirigidos, fato que a torna
sites científicos. É utilizada em todos os outros tipos ideal para as pesquisas de cunho social e/ou religio-
de pesquisas. sa.
( ) Essa pesquisa ocorreem situaçõescontro- ( ) Nesse tipo de pesquisa os fatos já ocorre-
ladas e ambiente adequado, utilizando-se de instru- ram, ou seja, estão no passado, o que impossibilita
mentos específico e preciso, podendo ocorrer em o pesquisadorde terqualquertipode controleou de
ambiente fechado ou não e em artificiais ou reais. manipulação dos mesmos. Portanto, o seu objetivo é
( ) A pesquisa está relacionada à observação levantar e testar hipóteses que estão relacionadas à
de dado fato ou fenômeno, coletando dados sobre relaçãode causae efeito,mas quedevemsercom-
o mesmo da forma mais fiel possível e sem alterar provadas pelos fatos do passado.
nada do observado.
( ) Pesquisa onde os pesquisadores e os parti- 12) Complete a afirmativa:
cipantes têm de agir em conjunto para resolver O método de pesquisa diz respeito à
um problema em comum ou uma situação real (cole- maneira como será abordado o da pesquisa.
tiva), portanto devem trabalhar de forma cooperativa É a de siste-
ou participativa. máticos para obter a ea
( ) O objetivo da pesquisa é testar hipóteses de fenômenos, sendo que
que dizem respeito as relações de causa e efeito, a natureza do e seu nível de
podendoser realizada em qualquerambiente. aprofundamento é que determinarão a escolha do
Esse tipo de pesquisa envolve hipóteses que po- .
dem ser confirmadas ou não, em um processo a) Objeto, natureza, procedimentos, descrição, ex-
de tentativa e erro. plicação, problema, método.
( ) Essetipode estudo é realizado com um grupo b) Objeto, escolha, procedimentos, descrição, ex-
que possui entre si uma característica em comum, plicação, problema, método.
constituindo-se na amostra de um universo de pes- c) Método, escolha, descrição, procedimentos, ex-
quisa. Para se realizar essa pesquisa, esse grupo plicação, método, problema.
deve ser acompanhado durante certo período de d) Natureza, pesquisa, modo, descrição, problema,
tempo, observando o desenvolvimento da caracte- processo, procedimento.
rística analisada e comparando com períodos ante- e) Método, técnica, procedimentos, problema, des-
riores de observação. crição, fenômeno, problema.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 29
UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

minando completamente os cálculos.


13) Os métodos de pesquisa que estão c) Esse tipo de pesquisa tem o caráter exploratório,
relacionados ao modo ou forma como o sendo que os dados não são precisos, pois cada um
pesquisador irá fazer a abordagem do objeto da dos indivíduos entrevistados tem a sua opinião e
pesquisa são: tece seus comentários.
a) Analítico e exploratório. d) Leva-se em consideração o que o entrevistado
b) Descritivo e qualitativo. acha a respeitode dadasituação,fato ou realidade,
c) Qualitativo e quantitativo. sendo que as opiniões podem coincidir e também
d) Quantitativo e exploratório. divergir.
e) Analítico e descritivo. e) Depois de levantado os dados e as informações,
podemos expor as opiniões através da estatística,
14) Um dos métodos utilizados em pesquisas em termos percentuais, por exemplo.
adota técnicas estatísticas para transformar dados
em números e em informações, sendo que para 16) Qual é o método que é utilizado quando se
desenvolver uma pesquisa baseada nesse méto- parte de uma situação geral e se particulariza conclu-
do é necessário ter variáveis bem definidas, utilizar sões?
cálculos estatísticos e/ou inferenciais, não há intera- a) Indutivo.
çãodo pesquisadorcom o objeto da pesquisae um b) Fenomenológico.
dosinstrumentosutilizados paralevantardados é o c) Dialético.
questionário com múltipla escolha. Esse método de d) Dedutivo
pesquisa se denomina: e) Hipotético-dedutivo.
a) Analítico.
b) Laboratorial. 17) Método onde o pesquisador, a partir de uma
c) Qualitativo. amostra da população, chega a conclusões aplicá-
d) Descritivo. veis a toda a população.Considera ainda que o co-
e) Quantitativo. nhecimento é baseado na experiência, sendo que
a generalizações são resultantes da observação de
15) Em relação à pesquisa qualitativa, marque a casos reaise concretos e elaborados a partir de ca-
opção errada. sos individuais.
a) É uma pesquisa descritiva, onde o entrevistado a) Indutivo.
e sua opinião sobre dado fato ou realidade são indis- b) Fenomenológico.
sociáveis, ou seja, explora as particularidades e os c) Dialético.
traços subjetivos (significados, motivos, aspirações, d) Dedutivo
crenças, valores e atitudes) do entrevistado em rela- e) Hipotético-dedutivo.
ção a uma situação vivenciada por ele.
18) A abordagem desse método é a busca da
b) Nessa pesquisa ocorrem classificações e aná-
lises dissertativas sobre certas situações ou fato, eli-

30 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE II: A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS

verdade através da eliminação de tudo que é falso, 20) Método que busca fazer a descrição mais fi-
ou seja, busca testar uma hipótese atravésda reali- dedigna possível do fato, não pressupondo nada,
zação de experimentos que busquem negá-la. portanto, o pesquisador, ao explorar o dado, não se
a) Indutivo deixa influenciar por crenças, costumes e nem faz ju-
b) Fenomenológico. ízo de valor sobre o mesmo, buscando realizar uma
c) Dialético. descrição pura da realidade.
d) Dedutivo. a) Indutivo.
e) Hipotético-dedutivo. b) Fenomenológico.
c) Dialético.
19) O ponto de partida para se utilizar esse método d) Dedutivo.
na pesquisa é a análise crítica do objeto a ser pes- e) Hipotético-dedutivo.
quisado, o que significa encontrar as determinações
que o fazem ser o que é. Uma das características
desse método é a contextualização do problema a
ser pesquisado.
a) Indutivo.
b) Fenomenológico.
c) Dialético.
d) Dedutivo.
e) Hipotético-dedutivo.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 31
UNIDADE III

O PROJETO/PLANO
DE PESQUISA
UNIDADE III: O PROJETO/PLANO DE PESQUISA

Para darmos o passo inicial rumo à ciência é execução do projeto de pesquisa;


necessário que saibamos desenvolver um pro- c) Fase redacional: relativa à análise dos da-
jeto (ou plano) de pesquisa (NBR 15.287/2011), dos e à organização das idéias.
o que nos dará um norte para escrevermos qual-
quer tipo de trabalho científico, seja um artigo, Essas fases devem ser bem planejadas, de-
uma dissertação ou uma tese. Segundo senvolvendo-se um estudo analítico e crítico so-
Vianetto (2011), a elaboração de um projeto bre o tema escolhido e o problema levantado. O
contempla três fases, a seguir descritas: projeto também é composto por duas partes: a
externa (capa e lombada) e a interna (elementos
a) Fase decisória: ênfase em que o tema e o pré-textuais, textuais e pós-textuais) conforme
problema são definidos; estabelecido pela NBR 15.287/2011, sendo que
b) Fase construtiva: refere-se à construção e a a sua estrutura consiste em:

A) PARTE EXTERNA.
1. CAPA (obrigatório)
2. LOMBADA (opcional – ABNT/NBR 12225)
B) PARTE INTERNA.
B.1. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS:
3. FOLHA DE ROSTO (obrigatório)
4. FOLHA DE APROVAÇÃO (obrigatório)
5. LISTA DE ILUSTRAÇÕES (opcional)
6. LISTA DE TABELAS (opcional)
7. LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS (opcional)
8. LISTA DE SÍMBOLOS (opcional)
9. SUMÁRIO (obrigatório – ABNT/NBR 6027)
B.2. ELEMENTOS TEXTUAIS:
10. TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA (obrigatório)
11. HIPÓTESES (obrigatório)
12. OBJETIVOS: gerais e específicos (obrigatório)
13. JUSTIFICATIVAS (obrigatório)
14. REFERENCIAL TEÓRICO (obrigatório)
15. METODOLOGIA (obrigatório)
16. CRONOGRAMA (obrigatório)
B.3. ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS:
17. REFERÊNCIAS (obrigatório – ABNT/NBR 6023)
18. GLOSSÁRIO (opcional)
19. APÊNDICE (opcional)
20. ANEXO (opcional)
21. ÍNDICE (opcional – ABNT/NBR 6034)

Fonte: Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2011.

Nos subitens seguintes, falaremos apenas sobre O projeto ou plano de pesquisa tem por objeti-
a parte interna – elementos textuais e pós-textu- vo servir de roteiro para a elaboração do trabalho
ais. Os demais serão explicados e exemplificados científico. É através dele que organizamos o pen-
no próximo capítulo. samento, escolhendo o tema, levantando o(s) pro-
blema(s) a ser (em) resolvido(s) ou elucidado(s),
3.1. ETAPAS OBRIGATÓRIAS DO PRO-
verificamos o tipo de pesquisa que necessitamos
JETO/PLANO DE PESQUISA ACADÊMI-
adotar, os materiais necessários para realizá-la,
CA.
realizamos pesquisa bibliográfica para aprofun-

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 33
UNIDADE III: O PROJETO/PLANO DE PESQUISA

dar no assunto, o tempo que gastaremos com plo, se for escolher o tema “Vida em Marte”, de-
cada etapa do projeto, entre outras necessidades. ve-se estar preparado para a falta de dados e in-
Como podemos perceber, o plano de pesquisa é formações disponíveis,pois tudo que se conhece
o roteiro necessário para que possamos posterior- sobre o tema já foi descrito e a literatura a respeito
mente escrever o trabalho científico. é bastante restrita (DEMO, 1985).
Dessa forma, descreveremos a seguir cada eta- Segundo Lakatos e Marconi (1991), o tema deve
pa que um projeto de pesquisa deve obrigatoria- ser específico, pois é muito difícil o pesquisador
mente ter: conseguir dominar todo o assunto e também rea-
lizar o trabalho em tempo hábil. Assim, a especia-
3.1.1. Tema da pesquisa (elemento lização permitiria ao pesquisador aprofundar em
textual obrigatório). uma parte da ciência, obtendo deduções concre-
É o princípio de todo o processo e é muito impor- tas, método adequado e melhorar a viabilidade de
tante ser bastante criterioso em relação ao tema, encontrar bibliografia relativa ao tema específico.
pois o sucesso do trabalho dependerá da impor-
tância que ele tem para a sociedade ou para dada 3.1.2. Problema (elemento textual
área de trabalho. obrigatório).
Na escolha do tema deve-se levar em conside- Em relação à formulação do problema, este
ração a vivência acadêmica, baseando-se nas deve ser apresentado na forma de interrogação
matérias que mais gostou ou que mais achou inte- e estar relacionado ao tema, devendo ser objeti-
ressante ou naquelas que gostaria de aprofundar vo, claro, compreensível, explícito e operacional
o conhecimento. A ideia inicial também pode partir (passível de aplicabilidade), evitando formulações
da sua atividade profissional, o que pode possibi- genéricas.
litar o desenvolvimento de um projeto relacionado A formulação do problema é de extrema impor-
à empresa e um reconhecimento enquanto profis- tância, ele é a questão não resolvida e para a qual
sional. o pesquisador irá buscar respostas através da sua
É importante lembrar que todo trabalho cientí- pesquisa. Portanto, é o motivo de ser do seu tra-
fico deve acrescentar algo ao conhecimento já balho acadêmico, podendo ser levantado em rela-
existente sobre o tema selecionado (critério de ção à sustentação de uma afirmativa geralmente
relevância). Deve-se levar em conta também a aceita; ou à necessidade de contestar uma supo-
facilidade ou não de se ter acesso aos dados ne- sição, colocando-a a prova; ou à necessidade de
cessários para o desenvolvimento do projeto, por- compreender e explicar uma situação nova ou do
tanto, é imprescindível realizar um levantamento dia-a-dia; ou alguma lacuna (falha, irregularidade
das possibilidades de encontrar fontes de dados/ ou brecha) metodológicaou do grau decerteza do
informações antes de definir o tema, além de levar conhecimento cientifico na área estudada; ou em
em consideração o tempo disponível para realizar relação a uma afirmativa geralmente aceita, mas
o trabalho (critério da exequibilidade). Por exem- que a sua sustentação cria incertezas quanto a

34 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE III: O PROJETO/PLANO DE PESQUISA

sua veracidade (VERGARA, 2007). cada à disposição da comunidade científica.


Segundo Barros e Lehfeld (2006), a escolha do Segundo Gil (1991), as hipóteses tem origem na
problema é influenciada por fatores internos rela- observação eventual dos fatos ou fenômenos, nas
cionados ao pesquisador (experiência, filosofia, teorias já descritas, na intuição ou nos resultados
imaginação e curiosidade) e por fatores externos, de outras pesquisas, sendo que sua função princi
o contexto onde ele está inserido, a realidade por pal é propor explicações para os fatos observa-
ele percebida, ou pela Instituição onde trabalha ou dos.
a qual se filiou.
Assim, após escolher o tema e pesquisar bas- Exemplo:
tante sobre o assunto, o próximo passo é deter-
Problema: O que leva o menor a praticar
minar o problema para o qual buscará solução. infrações?
O exemplo apresentado por Parra Filho e Santos
(2000) é bastante interessante e serve ao nosso Hipóteses:
propósito para elucidar essa relação entre tema a) O menorpratica infrações porque o núcleo
e problema. Posteriormente o utilizaremos para familiar está se desestruturando.
continuar exemplificando as demais partes de um b) Os pais não têm mais tempo para conduzir a
projeto. educação dos filhos, deixando-a a cargo de tercei-
ros (empregados, escolas, entre outros).
Exemplo:
Tema: O perfil do menor infrator.
Exemplo:

Problema: O que leva o menor a praticar infrações? Objetivos:


Geral: O artigo tem por objetivo geral levantar
A hipótese é uma pressuposição que se faz e descrever o perfil do menor infrator.
em relação ao(s) problema(s) levantado(s), uma
suposta resposta a ele, cuja veracidade deverá Específicos:
ser comprovada no final da pesquisa, ou seja, a a) Levantar as características comportamentais
pressuposição é provisória e deverá ser testada do menor infrator;
para verificar a sua validade. A pesquisa é que vai b) Verificar a relação que prevalece entre o me-
demonstrar se ela é verdadeira ou não. Portanto, nor e sua família;
ao realizar o projeto de pesquisa, supõe-se que as c) Enumerar as características observadas;
hipóteses enumeradas sejam verdadeiras, mas d) Construir o perfil do menor infrator.
somente quando realizar a pesquisa é que será
comprovada a sua veracidade ou não e quando o 3.1.5. Justificativa (elemento
pesquisador escrever o texto ou relatório científico textual obrigatório).
(artigo, relatório de estágio, monografia, disserta- A justificativa se refere a um texto onde o pesqui-
ção ou tese) é que essa comprovação será colo- sador explica o porquê da sua pesquisa e deve ser

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 35
UNIDADE III: O PROJETO/PLANO DE PESQUISA

composta pelos seguintes itens: Específicos:


I. Enumerar os motivos que o levaram a escolher a) Levantar as características comportamentais
o tema, a fim de convencer o leitor da importância do menor infrator;
do mesmo; b) Verificar a relação que prevalece entre o me-
II. Apresentar os fatores que ratifiquem a sua re- nor e sua família;
levância, tais como descrever o contexto onde o c) Enumerar as características observadas;
tema se insere; a importância do tema, as contri- d) Construir o perfil do menor infrator.
buições de ordem prática e as oportunidades e
prováveis vantagens e benefícios da sua investi- Justificativa:
gação; Os crimes e violências praticados por menores
III. Apresentar os motivos pessoais, profissionais, têm aumentado consideravelmente nos últimos
científicos, sociais e/ou acadêmicos que o leva- anos (BRASIL/PF, 2013) , abrangendo jovens e
ram à escolha do tema. adolescente de todos os níveis sociais, inclusive
Além disso, a justificativa deve ser elaborada em da classe social de maior poder aquisitivo, os que
dois ou três parágrafos no máximo, ser escrito em supostamente não teriam motivos para praticá-los.
terceira pessoa e alicerçada por citações diretas Portanto, pesquisar e descrever as causas que le-
e indiretas de autores da área pesquisada, o que vam esses jovens e adolescentes a entrar para o
mundo do crime e elaborar seu perfil é contribuir
demonstra que você pesquisou o assunto.
para que se possa compreender melhor esse pro-
cesso e, assim, buscar soluções que venham a
Exemplo:
minimizar a situação, o que por si só justifica a re-
alização desse artigo.
Tema: O perfil do menor infrator.
Quando da elaboração da justificativa, deve-se
Problema: O que leva o menor a praticar infrações? lembrar de que os argumentos utilizados devem
ser feitos de acordo com a profundidade da pes-
Hipóteses: quisa, ou seja, se está realizando uma pesquisa
c) O menor pratica infrações porque o núcleo bibliográfica, que é baseada em pesquisas de ou-
familiar está se desestruturando. tras pessoas (autores), não se deve justificar di-
d) Os pais não têm mais tempo para conduzir a zendo que a mesma é essencial para a solução do
educação dos filhos, deixando-a a cargo de tercei- problema ou que solucionará o mesmo. Deve-se
ros (empregados, escolas, entre outros). ser humilde e dizer que pretende contribuir, trazer
esclarecimento ou disseminar conhecimento so-
Objetivos: bre o assunto. No entanto, se a sua pesquisa é a
Geral: O artigo tem por objetivo geral levantar e primeira na área ou abrange um assunto novo na
descrever o perfil do menor infrator. área ou algo que ninguém ainda pesquisou vo-

2 Dados fictícios, utilizados apenas para ilustração.

36 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE III: O PROJETO/PLANO DE PESQUISA

cê poderá dizer que busca sanar o problema ou está dizendo e transcreva para o artigo com suas
que a pesquisa é essencialpara a área. próprias palavras (citação indireta), enriquecendo
e valorizando seu trabalho. Também, um artigo re-
3.1.6. Referencial teórico (elemento pleto de citações, mesmo que dentro das normas,
textual obrigatório). demonstra ter mais opiniões de outros autores do
Segundo Lakatos e Marconi (2003), o referencial que do próprio pesquisador, dando a entender que
teórico possibilita a busca de fundamentação para ele não absorveu muito conhecimento das leituras
o projeto de pesquisa, conduzindo a pesquisa e realizadas.
demonstrando que o pesquisador tem conheci-
mento suficiente sobre os textos e autores que se 3.1.7. Procedimentos metodológicos/
dedicaram ao estudo do mesmo tema. metodologia (elemento textual obriga-
A pesquisa bibliográfica é feita através de livros, tório).
artigos, revistas, enciclopédias, monografias, dis- Na metodologia, o aluno deverá explicar o cami-
sertações, teses, mídias eletrônicas, filmes, entre nho que irá percorrer para desenvolver sua pes-
outros materiais classificados como científicos e, quisa, o que deverá ser feito de forma detalhada,
portanto, confiáveis. O problema é saber se as exata e rigorosa. Deve conter explicação sobre
fontes consultadas são ou não confiáveis, sendo o tipo de pesquisa adotada, os instrumentos que
necessário para isso verificar se a publicação im- serão utilizados, o tempo previsto para desenvol-
pressa ou por meio eletrônico tem o Número Inter- ver cada ação, os membros da equipe e função
nacional Normalizado para Publicações Seriadas de cada um (quando necessitar de mais pessoas,
(International Standardbook Number –ISSN), ou além do pesquisador),a forma como osdados se-
o Número Padrão Internacional de Livro (Interna- rão trabalhados (tabulação e tratamento) e de tudo
tional Standard BookNumber –ISBN) ou o Padrão o mais que se faça necessário ao desenvolvimen-
para Identificação de Documentos em Redes de to da pesquisa (VERGARA, 2007).
Computadores (Digital Object Identifier–DOI) , o O procedimento metodológico adotado está di-
que ratifica a autenticidade e confiabilidade do tex- retamente relacionado ao objeto da pesquisa e às
to. hipóteses estabelecidas, buscando descrever as
Além dos problemas com a confiabilidade e qua- ações que serão adotadaspara sealcançar os re-
lidade das publicações, o pesquisador deve tomar sultados desejados, ou seja, como os dados serão
cuidado com a cópia de ideias. Quando realizar levantados, tabulados, analisados e expostos, ge-
citações diretas é imprescindível colocar o nome rando informações confiáveis que nos permitirão
do autor, o ano e a página de onde a tirou, porém, confirmar ou refutar as hipóteses. De acordo com
aconselha-se que analise e entenda o que o autor o tipo de pesquisa, a metodologia

3 O ISSN é o identificador de publicações seriadas (jornais, revistas, anuários etc.) em qualquer tipo de suporte (impresso, meio eletrônico, CD-ROM, entre outros), sendo aceitos interna-
cionalmente e definidos pela Norma Técnica ISSO 3297:2007. Possibilita a identificação e controlede publicações seriadas nas mais diversas atividades e instituições. No Brasil, o Instituto
Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) é quem representa o ISSN.O ISBN é o sistema identificador único para livros e publicações não periódicas. Consiste em identificar
numericamente um livro segundo seu

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional.
37
UNIDADE III: O PROJETO/PLANO DE PESQUISA

assume algumas características diferenciadas: caso);


I. Pesquisa bibliográfica: nesse tipo de pesquisa V. Definir como será feito o tratamento e análise
a metodologia está relacionada à descrição das dos dados;
fon- tes de pesquisa adotadas, aos critérios
adotados para a seleção de autores; e a Exemplo:
determinação de como será feita a análise do Tema: O perfil do menor infrator. Problema: O que
material adotado, se de forma crítica, analítica, leva o menor a praticar infrações?
seletiva, descrita, entre outras.
II. Pesquisa documental: nesse tipo de pesquisa é
Hipóteses:
necessária à delimitação e a descrição dos instru-
a) O menorpratica infrações porque o núcleo fa-
mentos e fontes escolhidas para o levantamento
miliar está se desestruturando.
de dados, ou seja, se será feito através de ques-
b) Os pais não têm mais tempo para conduzir a
tionário, entrevista, formulário, entre outros instru-
educação dos filhos, deixando-a a cargo de tercei-
mentos;
ros (empregados, escolas, entre outros).
III. Pesquisa experimental: nesse tipo deve-se
indicar o procedimento utilizado para a coleta de
Objetivos:
dados e para testar as variáveis, descrevendo seu
funcionamento;
IV. Pesquisa descritiva: nesse tipo de pesquisa é Geral: O artigo tem por objetivo geral levantar e
necessário explicar o procedimento que será utili- descrever o perfil do menor infrator.
zado para observar o fato ou fenômeno, ou seja,
se é levantado os dados através de questionário, Específicos:
análise documental, entrevista, entre outros. c) Levantar as características comportamentais
do menor infrator;
De forma bem simples, podemos definir a meto- d) Verificar a relação que prevalece entre o me-
dologia como a descrição dos passos que vamos nor e sua família;
dar e da forma como esses passos serão dados. e) Enumerar as características observadas;
Assim, também de forma clara e objetiva, a meto- f) Construir o perfil do menor infrator.
dologia deve seguir os seguintes passos:
I. Definir o tipo de pesquisa; Justificativa:
II. Definir os dados a serem levantados; Os crimes e violências praticados por menores
III. Definir a forma de levantamento dos dados; têm aumentado consideravelmente nos últimos
IV. Definir população e amostra (quando for o anos (BRASIL/PF, 2013), abrangendo jovens

título, autor, país(ou código de idioma) e a editora, individualizando inclusive edições diferentes. O sistema ISBN é controlado pela Agência Internacional do ISBN, sediada em Berlim/Alema-
nha, que orienta, coordena e delega poderes às Agências Nacionais designadas em cada país, sendo que a agência brasileira é a Fundação Biblioteca Nacional. Já o DOI é o padrão para
identificação de documentos em redes de computadores, como a Internet. Foi desenvolvido recentemente pela Associação de Publicadores Americanos (AAP) com a finalidade de autenticar a
base administrativa de conteúdo digital. Disponível em : www.bibliotecanacional.org.br. Acesso em: 26 out. 2014.

38 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE III: O PROJETO/PLANO DE PESQUISA

e adolescente de todos os níveis sociais, inclusive gogos (10) e boa parte dos pais de alunos (360)
da classe social de maior poder aquisitivo, os que em todas as escolas do município de Delta/MT,
supostamente não teriam motivos para praticá-los. obtendo uma amostra de 490 pessoas. O ques-
Portanto, pesquisar e descrever as causas que le- tionário aplicado (ANEXO I) contém 12 questões
vam esses jovens e adolescentes a entrar para o relacionadas ao tema. Após o levantamento dos
mundo do crime e elaborar seu perfil é contribuir dados, utilizou-se de ferramentas estatísticas para
para que se possa compreender melhor esse pro- obter as informações necessárias à conclusão, o
cesso e, assim, buscar soluções que venham a que está descrito no subitem Resultados e Discus-
minimizar a situação, o que por si só justifica a re- sões.
alização desse artigo.
3.1.8. Cronograma de
Metodologia: atividades (elemento textual
a) Para uma pesquisa apenas bibliográfica: obrigatório):
Para a elaboração desse artigo foi feita uma
pesquisa bibliográfica baseada principalmente em No cronograma deve-se estabelecer o tempo
livros de diversos autores da área de Educação, que irá gastar com cada uma das ações previs-
Sociologia e da Psicologia como, por exemplo, Z tas, que, normalmente, é dividido pelos meses do
(2013), Y (2011), X (2009), W (2008), entre outros.ano. O cronograma possibilita ao pesquisador or-
Foi feito também levantamento de informações ganizar e distribuir as ações pelo tempo disponível
sobre o tema em revistas, artigos, documentários, para a execução da pesquisa. É muito
relatórios, periódicos, entre outras fontes de da- importante distribuir o trabalho a ser realizado
dos. Além disso, foi realizado pesquisa em sites levando-se em conta a disponibilidade de tempo
como o da Agência Brasil,Associação Brasileira do pesquisador e a dificuldade que ele possui
de Psiquiatria, Secretaria de Direitos Humanos e em certas partes necessárias à realização do
Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNI- trabalho como, por exemplo, levantar dados,
CEF), da Âmbito Jurídico, entre outros. realizar a pesquisa bibliográfica, escrever o
texto, utilizar ferramentas estatísticas, entre
b) Para a pesquisa descritiva: outras. Portanto, ao dividir o tempo entre as
(O citado acima para a bibliográfica). Foi reali- atividades é melhor distribuir uma carga horária
zada uma pesquisa com professores (120), peda- maior para aquelas etapas em que,
normalmente, tenha maiores dificuldades.

4 Dados fictícios, utilizados apenas para ilustração.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 39
UNIDADE III: O PROJETO/PLANO DE PESQUISA

Atividades Fevereiro Março Abril Maio


Levantamento da literatura
Montagem do projeto
Leitura
Coleta de dados
Tratamento dos dados
Elaboração do relatório
Digitação e normalização
Revisão do texto
Apresentação do projeto

3.1.9. Referências (elemento pós-tex- foco escolhidos. Cada área de estudo possui o
tual obrigatório). seu público, sendo que alguns temas englobam
As normas para a elaboração das referências pessoas de outras áreas ou é do interesse ge-
bibliográficas são as mesmas para o plano de ral. Os exemplos citados abaixo explicam bem a
pesquisa e para o texto científico (artigo científico, abrangência da pesquisa:
monografia, dissertação e tese) e serão explicita- I. Um aluno de Medicina vai buscar um tema na
das no capítulo seguinte. Essas normas estão fun- sua área (saúde) e seus leitores estarão
damentadas na ABNT NBR 6023 de 2011. principalmente, entre os médicos e futuros
profissionais. Pode ser, conforme o tema, que
3.1. ETAPAS DO PROJETO/PLANO leitores das áreas correlatas se interessaram
DE PESQUISA QUE DEPENDEM DO pelo trabalho, tais como os odontólogos,
TIPO DE PROJETO ADOTADO. fisioterapeutas, professores, entre outros, os
quais serão poucos e estarão acostumados à
O projeto ainda pode conter alguns itens que linguagem específica (técnica e simbólica) da
não são comuns a todos eles e que depende do área como, por exemplo, uma pesquisa
tipo de pesquisa a ser realizada e do fato de ter a bibliográfica, cujo texto explica o funciona-
possibilidade de ser implantado em dada empre- mento dos hormônios no corpo humano, o que in-
sa ou instituição. Esses itens não estão expressos teressa a médicos, professores, psicólogos, pais,
no quadro da página 29, porém dependendo do entre outros;
projeto (empresarial, laboratorial, entre outros) po- II. Um aluno de Pedagogia deve ter uma preo-
derão ser necessários. cupação a mais, a de escrever pensando que
qualquer um poderá ler o seu trabalho, portanto
3.2.1. Público-alvo (elemento textual deve adequar a sua escrita a esse fato, ou seja,
facultativo). elaborar um texto que tenha uma linguagem clara
O público-alvo diz respeito às pessoas que es- e de fácil compreensão como, por exemplo, uma
tariam mais diretamente interessadas no tema e pesquisa bibliográfica cujo texto fala sobre a im-
portância dos jogos e brincadeiras na educação

40 Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional.
UNIDADE III: O PROJETO/PLANO DE PESQUISA

de crianças, o que interessa a todos os pais; citados no subitem 3.2.2.


III. Um estagiário de turismo busca desenvolver
um projeto para a agência onde estagia. O projeto 3.2.5. Plano de ação (elemento textu
de turismo está relacionado ao lazer para o grupo al facultativo).
da terceira idade. Portanto, o público-alvo é bem É no plano de ação que devem ser descritas, de
específico. forma estruturada, todas as ações a serem reali-
Quando o projeto exigir a definição do público-al- zadas para que o projeto se concretize, incluindo
vo, este subitem deve vir logo após a definição do principalmente os procedimentos, as atividades
tema e do problema. e as tarefas a realizar e os recursos necessários.
Para todas as ações enumeradas deve-se deixar
bem claro o(s) responsável (is) pela sua realiza-
3.2.2. Responsável pela ex- ção, o prazo inicial e final da realização da ação e
ecução do projeto (elemento o(s) recursos financeiros necessários.
textual facultativo).
Deve ser descrito nessa parte quem executará o Ações

projeto, se pessoas, escola, órgãos ou Início/término

instituições. Esse item só aparecerá em Responsável

Recursos (R$)
determinados tipos de projetos, ou seja,
Prazo
naqueles voltados para mudanças nos
processos ou na maneira de executar uma
atividade, enfim, nos projetos que serão im- 3.2.6. Recursos utilizados (elemento
plantados. Cita-se como exemplo, um projeto de textual facultativo).
um aluno de administração cujo objetivo é a mu- É nessa parte do projeto que se deve descrever
dança do layout da empresa. de forma detalhada os equipamentos, materiais e
espaços físicos necessários ao desenvolvimento
3.2.3. Local de realização da pesqui- das ações descritas no plano de ação
sa (elemento textual facultativo).
A coleta de dados será feita na empresa X, lo-
calizada na cidade de (Belo Horizonte) / (Estado).
Materiais de Consumo Materiais Permanentes
Esse item também só é aplicável em certos proje-
Papel A4 Computador
tos e pelos mesmos motivos citados no subitem
Canetas esferográficas Data show
3.2.2.
Pastas com elástico Filmadora

3.2.4. Local de implantação Pincel atômico Câmara digital

(elemen- to textual facultativo).


Copos descartáveis Ar condicionado

Nesse item deve constar o nome do local, ende-


reço e telefone. Esse item também só é aplicável
em certos projetos e pelos mesmos motivos

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional.
41
UNIDADE III: O PROJETO/PLANO DE PESQUISA

TESTE DE CONHECIMENTO tórios e facultativos. Na parte interna e pré-textual,


UNIDADE III: os elementos obrigatórios são:
a) Capa e lombada.
1) Em relação ao projeto/plano de pesquisa, b) Introdução e referencial teórico.
marque a opção errada: c) Metodologia e bibliografia
a) É um roteiro necessário para que possamos d) Folha de rosto e sumário
posteriormente escrever o trabalho científico. e) Apêndices e índices.
b) O Projeto/plano de pesquisa nos dá base para
desenvolver com maior facilidade o TCC. 5) Tanto a parte externa como a interna do plano
c) Tem por objetivo substituir o trabalho científico. de trabalho contém elementos que são obrigató-
d) Tem por objetivo facilitar a identificação e cons- rios e facultativos. Na parte interna e textual, os
trução do tema, dos objetivos e da metodologia a elementos obrigatórios são, exceto:
ser utilizada no TCC. a) Introdução
e) É uma forma de tornar o trabalho científico b) Referencial teórico.
mais fácil de ser concluído, pois serve de norte c) Metodologia.
para o mesmo. d) Cronograma
e) Referências bibliográficas.
2) Um projeto é constituido por duas partes. En-
tre as opções abaixo, marque aquela que corres- 6) Tanto a parte externa como a interna do pla-
ponde a essas partes: no de trabalho contém elementos que são obriga-
a) Parte superior e inferior. tórios e facultativos. Na parte interna e pós-textual,
b) Parte interna e externa. o elemento obrigatório é:
c) Parte superior e interna. a) Glossários.
d) Parte inferior e externa. b) Apêndices
e) Nenhuma das opções acima. c) Índices
d) Referências bibliográficas.
3) Um projeto de pesquisa acadêmica deve ser e) Anexos
iniciado:
a) Pela capa e lombada. 7) É o motivo de ser do trabalho acadêmico,
b) Pela definição do problema. podendo ser levantado em relação à sustentação
c) Pela definição do tema. de uma afirmativa geralmente aceita; ou para con-
d) Pela definição dos materiais necessários. testar uma suposição; ou à necessidade de com-
e) Pela definição do cronograma. preender e explicar uma situação nova ou do dia-
-a-dia; ou alguma lacuna metodológica ou do grau
4) Tanto a parte externa como a interna do pla- de certeza do conhecimento cientifico na área
no de trabalho contém elementos que são obriga- estudada; ou em relação a uma afirmativa geral-

42 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE III: O PROJETO/PLANO DE PESQUISA

mente aceita, mas que a sua sustentação cria in- a) Comum.


certezas quanto a sua veracidade. Essa afirmativa b) Específico.
dizrespeitoa qualetapa do projeto: c) Individual.
a) Abusca do tema. d) Geral.
b) Adefinição da metodologia. e) Grupal.
c) Adefinição do problema.
d) A determinação das hipóteses. 11) A justificativa tem por finalidade, exceto:
e) Aelaboração do cronograma. a) Enumerar os motivos que levaram o pesqui-
sador a escolher o tema, a fim de convencer o lei-
8) É uma pressuposição que se faz em relação tor da importância do mesmo.
ao(s) problema(s) levantado(s), uma suposta res- b) Demonstrar a importância da pesquisa e sua
posta a ele, cuja veracidade deverá ser comprova- essencialidade para a solução do problema levan-
da no final da pesquisa, ou seja, a pressuposição tado.
é provisória e deverá ser testada para verificar a c) Descrever o contexto onde o tema se insere e
sua validade. Essa afirmativa diz respeito: a importância do tema.
a) Ao foco. d) As contribuições de ordem prática e as opor-
b) Ao problema. tunidades e prováveis vantagens e benefícios da
c) À metodologia. sua investigação.
d) Ao tema. e) Apresentar os motivos pessoais, profissionais,
e) À hipótese. científicos, sociais e/ou acadêmicos que levaram
o pesquisador à escolha do tema.
9) O objetivo tem o mesmo significado de fim e
de meta, portanto indica onde o pesquisador pre- 12) O referencial teórico possibilita a busca de
tende chegar com a realização do trabalho acadê- fundamentação para o projeto de pesquisa, con-
mico. Quais são as suas categorias? duzindo a pesquisa e demonstrando que o pes-
a) Objetivo abstrato e concreto. quisador tem conhecimento suficiente sobre os
b) Objetivo geral e específico. textos e autores que se dedicaram ao estudo do
c) Objetivo direto e indireto. mesmo tema. Em relação ao referencial teórico,
d) Objetivo comum e individual marque a opção errada.
e) Objetivo geral e individual. a) A pesquisa bibliográfica é feita através de li-
vros, artigos, revistas, enciclopédias, monografias,
10) Objetivo que tem por função esclarecer e dissertações, teses, mídias eletrônicas, filmes, en-
definir onde o pesquisador pretende chegar com tre outros materiais classificados como científicos
a sua pesquisa, buscando demonstrar o que pre- e, portanto, confiáveis.
tende com o projeto (para quê realizar o projeto e b) Deve-se verificar se as fontes consultadas
para quem?). são ou não confiáveis, sendo necessário para isso

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 43
UNIDADE III: O PROJETO/PLANO DE PESQUISA

verificar sea publicação impressa ou por meioele- relacionado ao (a) da pesquisa


trônico tem o ISSN, o ISBN ou o DOI, os quais e às estabelecidas, buscan-
confirmam a autenticidade e confiabilidade do tex- do descrever como os (as) serão
to. levantados (as), tabulados (as), analisados (as)
c) Quando realizar citações diretas é imprescin- e expostos (as), gerando confi-
dível colocar o nome do autor,o ano e a página de áveis que nos permitirão confirmar ou refutar as
onde a tirou. (os) .
d) É aconselhado que o pesquisador faça a) Objeto, hipóteses, dados, informações, hipó-
citaçãoes indiretas, ou seja, que entenda o que teses.
o autor está dizendo e transcreva para o artigo b) Problema, hipóteses, dados, informações, hi-
com suas próprias palavras, enriquecendo e val- póteses.
orizando seu trabalho. c) Hipóteses, problemas, dados, informações,
e) Um artigo repleto de citações, as quais devem problema.
estar dentro das normas ABNT e da Instituição, in- d) Hipótese, problemas, informações, dados,
duz a pensar que o pesquisador adquiriu bastante problema.
conhecimento em suas leituras. e) Dados, informações, problemas, informações,
problemas.
13) Na metodologia, o pesquisador deve expli-
car, exceto. 15) Relacione o tipo de pesquisa com a metodo-
a) O caminho que irá percorrer para desenvolver logia adotada em cada uma delas.
sua pesquisa, o que deverá ser feito de forma de-
talhada, exata e rigorosa. 1 – Pesquisa bibliográfica.
b) Deve explicar o tipo de pesquisa adotada, os 2 – Pesquisa documental.
instrumentos que serão utilizados e o tempo pre- 3 – Pesquisa experimental.
visto para desenvolver cada ação. 4 – Pesquisa descritiva.
c) Em relação aos recursos humanos, quando
necessitar de mais pessoas para desenvolver a a) ( ) Nesse tipo de pesquisa é necessária a
pesquisa, deve listar os membros da equipe e fun- delimitação e a descrição dos instrumentos e fon-
ção de cada um. tes escolhidas para o levantamento de dados, ou
d) Os motivos que levaram o pesquisador a ado- seja, se será feito através de questionário, entre-
tar o tema e seu foco. vista, formulário, entre outros instrumentos.
e) Deve explicar a forma como os dados serão b) ( ) Nesse tipo de pesquisa a metodologia
trabalhados (tabulação e tratamento). está relacionada à descrição das fontes de pes-
quisa adotadas, aos critérios adotados para a se-
14) Complete a seguinte afirmativa: leção de autores; e a determinação de como será
O procedimento metodológico adotado feita a análise do material adotado, se de forma
está diretamente

44 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE III: O PROJETO/PLANO DE PESQUISA

crítica, analítica, seletiva, descrita, entre outras. 17) Todo projeto possui elementos em comum,
c) ( ) Nesse tipo de pesquisa é necessário expli- mas alguns possuem uma estrutura mais deta-
car o procedimento que será utilizado para obser- lhada, o que depende do tipo de pesquisa a ser
var o fato ou fenômeno, ou seja, se é levantado os realizada e do fato de ter a possibilidadede ser im-
dados através de questionário, análise documen- plantado em dada empresa ou instituição. Todos
tal, entrevista, entre outros. os elementos citados abaixo fazem parte de um
d) ( ) Nesse tipo deve-se indicar o procedimen- projeto mais elaborado, exceto:
to utilizado para a coleta de dados e para testar as a) Responsável pela execução do projeto.
variáveis, descrevendo seu funcionamento. b) Público-alvo.
16) Ao elaborar o cronograma, o pesquisador c) Local de realização e de implantação da pes-
deve: quisa.
a) Calcular o tempo que irá gastar com cada d) Plano de ação, discriminando os recursos uti-
uma das atividades previstas. lizados.
b) Organizar e distribuir as ações pelo tempo dis- e) Objetivo.
ponível que tem para a execução da pesquisa.
c) Levar em conta o tempo total disponível que
possui para realizar a pesquisa e a dificuldade que
possui em cada uma das etapas necessárias à re-
alização do trabalho.
d) Distribuir uma carga horária maior para aque-
las etapas em que, normalmente, tenha maiores
dificuldades em realizar.
e) Todas as alternativas anteriores estão corretas.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 45
UNIDADE IV

O TRABALHO DE
CONCLUSÃO DE
CURSO
UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Nesse capítulo a nossa atenção está voltada nal, objetivo, sistemático, exato, verificável e expli-
para desvendar o que venha a ser um trabalho cativo, pois sua origem é baseada em métodos e
científico, qual é o seu objetivo, sua tipologia, como técnicas científicas (GALLIANO, 1979). Podemos
é estruturado, entre outros questionamentos. citar como exemplos o descobrimento da vacina
A primeira perguntar a responder é como con- antirrábica; o autor das Cartas Chilenas; as pes-
seguimos adquirir conhecimento? Conhecer é ad- quisas e publicações sobre a história do descobri-
quirir um conceito novo sobre um fenômeno, fato mento do Brasil; entre outras.
ou situação, o qual pode nascer de experiências A partir desses conceitos, podemos caracterizar
acumuladas no nosso dia-a-dia, ou através da o que venha a ser um trabalho científico. Para ser
convivência com outras pessoas, ou através de classificado como científico, um trabalho depen-
leituras, ou de outro meio qualquer. Assim, pode- de essencialmente da forma como é elaborado e
mos encontrar os seguintes tipos de conhecimen- do cumprimento das exigências as quais deve se
tos: submeter. Em primeiro lugar,deve ser embasado
I. Conhecimento empírico: é aquele que se origi- no raciocínio lógico e ter como ponto de partida
na do conhecimento vulgar ou do senso-comum, o um problema levantado em relação ao tema es-
qual é obtidoatravés de ações nãoplanejadas, ou colhido. Assim, seguindo métodos e técnicas cien-
seja, ao acaso como, por exemplo, a janela está tíficos e apoiados na fundamentação teórica, a
emperrada, mas de tanto abrir e fechá-la, desco- pesquisa segue em busca de solução ou resposta
brimos que se levantarmos um pouquinho o lado para o problema evidenciado.
direito ela fecha sem emperrar; Desse modo, reafirmamos que um trabalho
II. Conhecimento filosófico: é resultante da ca- para ser considerado científico deverá seguir o ri-
pacidade humana de raciocinar e refletir sobre gor científico e a ética intelectual, independente do
fatos e fenômenos gerando conceitos subjetivos, fato de ser apenas um artigo ou uma tese de dou-
os quais buscam dar sentido à vida e ao universo, torado. Segundo Estrela e Sabino (2001, p. 12)
ultrapassando os limites formais da ciência como, “O trabalho científico deve ser realizado com
por exemplo, a frase de Shakespeare “Existe mui- metodologia criteriosa, procurando solucionar
to mais entre o céu e a terra do que a nossa vã problemas, mas embasado na ciência”.
filosofia possa imaginar”; As normas ABNT para utilização em trabalhos
III. Conhecimento teológico: é aquele resultante científicos são as que tratam das Referências
da crença religiosa e da fé divina, o qual é resul- Bibliográficas (NBR 6023, 2002), das Citações
tante da formação moral e religiosa de cada um. (NBR 10520, 2002), da Numeração Sucessiva
Portanto, não se tem como confirmar ou negar (NBR 6024, 2003), do Resumo (NBR 6028, 2003),
esse tipo de conhecimento. Cita-se como exem- dos Títulos de Lombada (NBR 12225, 2004) e do
plo a frase de Chico Xavier “Aqueles que amamos Preparo e Apresentação (NBR 14724, 2006). O
não morrem jamais, apenas partem antes de nós”; TCC é um texto científico elaborado pelo aluno ao
IV. Conhecimento científico: é o conhecimento término do seu curso e sob a orientação de um
que tem como características principais ser racio- professor especialista, mestre ou doutor na área

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 47
UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

relacionada ao tema escolhido por ele. Pelo fato 2003, p. 2) é um texto que “apresenta e discute
do TCC ser considerado um trabalho de iniciação idéias, métodos, técnicas, processos e resultados
científica é um dos instrumentos de avaliação de nas diversas áreas do conhecimento”, portanto é
conclusão de curso e, portanto, o título de gradu- o resultado final de uma investigação ou estudo
ado (licenciatura ou bacharel) ou pós-graduado sobre determinado tema e de um ou mais ques-
(especialista, mestre, doutor ou pós-doutor) está tionamentos a respeito do mesmo. Dessa forma,
condicionado à aprovação do TCC. o artigo científico pode versar sobre um estudo de
Cada instituição de ensino tem a liberdade de um fato, situação ou fenômeno; uma descoberta
escolher normas específicas para a elaboração do e suas causas ou consequências; dar uma nova
trabalho de conclusão de curso (TCC), podendo versão sobre um dado assunto; difundir ideias no-
na graduação e na especialização ser um artigo vas; buscar soluções para questões controversas;
científico, relatório de estágio, relatório de pesqui- entre outras.
sa ou monografia,sendoque a escolha vai ser de- A finalidade do artigo é divulgar e tornar conhe-
terminada pela finalidade do trabalho e pelo nível cido o estudo realizado, a problemática pesquisa-
de conhecimento exigido do autor. Na especializa- da, sua base teórica, a metodologia utilizada e os
ção pode ser o artigo científico ou a monografia, seus resultados. Não existe uma norma nacional
no mestrado é exigida a dissertação e no doutora- sobre o número de página que um trabalho cientí-
do, a tese. No entanto, todas as instituições devem fico deva ter, pois isso irá depender do tema pes-
seguir as normas técnicas para a padronização de quisado e da profundidade da pesquisa realizada.
trabalhos científicos, as quais são determinadas No entanto, é muito difícil obter um trabalho de
pela Associação Brasileira de Normas Técnicas qualidade em oito ou nove páginas apenas.
(ABNT). Dessa forma, a instituição tem liberdade para es-
Como já falado, existem alguns tipos de TCC. No tipular o número de páginas apropriado, mas nor-
entanto, nessa apostila descreveremos as etapas malmente é estabelecido entre doze e vinte e cin-
para a elaboração do artigo científico por ser ele co páginas. Inclusive, de praxe, o artigo científico
a opção para o processo de avaliação final dos deve ser menor do que a monografia (em torno de
cursos oferecidos. No entanto, as normas 70 páginas), do que a dissertação (em média 150
citadas aqui servem de norte para todos os páginas) e do que a tese (de 150 a 300 páginas).
tipos de TCC, sendo que a diferença princip- Segundo Lakatos & Marconi (2001), o tipo de
al entre eles está no aprofundamento abordagem adotada no artigo pode ser:
do tema, no tipo de pesquisa realizada e no I. Teórica: ocorre quando a abordagem apresen-
número de páginas de cada um deles. ta argumentação favorável ou desfavorável a uma
dada opinião, objetivando comprová-la ou refutá-la;
4.1. ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIEN- II. Classificatória: ocorre quando a abordagem
TÍFICO. parte da classificação dos aspectos de um dado
assunto e explica suas partes;
O artigo científico, segundo a ABNT (NBR 6022, III. Analítica: ocorre quando a abordagem está

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional.
48
UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

voltada para a priorização de cada elemento que VIII. Encadeamento: no desenvolvimento de


compõe o assunto e de sua relação com o todo. um texto é obrigatório encadear as ideias para
que elas sejam compreendidas pelo leitor, ou
4.1.1. Normas básicas para elabora- seja, deve-se manter a disposição e a ligação de
ção do artigo científico. assuntos da mesma natureza ou que tenha
entre si certas relações, mantendo a coesão e a
Para que o artigo tenha um mínimo de qualidade coerência para que haja uma sucessão natural
e de cientificidade é necessário na sua construção das ideias;
observar certas regras, que são (Azevedo, 2001; IX. Correção: após finalizar o artigo, este deve
Pádua, 2001): passar por uma avaliação gramatical para verificar
I. Impessoalidade: o artigo deve ser redigido na a redação e seguir as normas da redação cientí-
terceira pessoa do singular; fica;
II. Objetividade: a linguagem deve ser objetiva, X. Fidelidade: quando o autor for expor ideias
portanto não se usa expressões pessoais, tais que não sejam suas, deve fazê-lo citando as fontes,
como “eu penso”, “acredito”, “parece-me”, entre zelando pela ética;
outras, que dão margem a interpretações sem va- XI. Vocabulário técnico: no artigo deve-se usar
lor científico; uma linguagem clara, precisa e do conhecimento
III. Cientificidade: a linguagem científica é racio- comum, mas quando o tema é de uma área es-
nal, informativa e baseada em dados concretos, pecífica não se tem como fugir do uso de certos
portanto, a argumentação subjetiva só pode ser termos técnicos;
apresentada se for acompanhada de fundamen- XII. Criatividade:tornar o textocriativofaz com
tação científica; que sua leitura seja mais agradável.
IV. Clareza: o leitor deve ter noção clara do que
pretende pesquisar, quais os métodos que irá uti- Dessa forma, para que o pesquisador consiga
lizar para atingir seus objetivos e analisar os resul- atingir essas exigências é necessário que tenha
tados almejados para posteriormente expô-los de um dado nível de conhecimento sobre o tema
forma clara e objetivaao escrever o artigo; abordado, motivo suficiente para que aprofunde
V. Precisão: todos os dados e informações apre- na pesquisa bibliográfica.
sentados no texto devem ser verdadeiros e os
conceitos universalmente aceitos; 4.2. ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍ-
VI. Originalidade: devem-se evitar modismos lin- FICO.
guísticos, palavras rebuscadas, frases feitas, entre De acordo com a NBR 14724/2011, o artigo
outras; científico deve ser estruturado da seguinte forma:
VII. Concisão: o assunto deve ser exposto atra-
vés de frases curtas e parágrafos breves. No en-
tanto, os parágrafos não devem ter menos de qua-
tro linhas;

APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA 49


UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

A) Parte externa
B) Parte interna
1. Capa Dura (obrigatório)
2. Lombada (opcional)
B.1. Elementos pré-textuais:
B.2. Elementos textuais: 3. Folha de rosto (obrigatório)
15. Introdução (obrigatório) 4. Errata (opcional)
16. Desenvolvimento (obrigatório) 5. Folha de aprovação (obrigatório)
17. Discussões e resultados (obrigatório, mas 6. Dedicatória (opcional).
depende do tipo de pesquisa) 7. Agradecimentos (opcional)
18. Conclusão ou considerações finais (obrigatório) 8. Resumo e palavras-chave na lingua vernácula(obrigatório)
9. Resumo em lingua estrangeira (opcional)
B.3. Elementos pós-textuais:
10. Lista de ilustrações (opcional)
19. Referências (obrigatório)
11. Lista de tabelas (opcional)
20. Glossário (opcional)
12. Lista de abreviaturas e siglas (opcional)
21. Apêndice (opcional) 13. Lista de símbolos (opcional)
22. Anexo (opcional) 14. Sumário (obrigatório)
23. Índice (opcional) Fonte: Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2011.

O quadro acima nos mostra todos os elementos, mini currículo: O nome do autor deve vir de-
obrigatórios e facultativos, que compõem um arti- pois do título e antes do resumo, localizado à
go científico. A seguir explicaremos as partes prin-
es-
cipais e após ilustraremos um artigo com a maioriaquerda, enquanto que as suas credenciais devem
dos seus componentes (os itens obrigatórios). vir em nota de rodapé, constando o nome com-
pleto do(s) autor (es), a qualificação acadêmica e
4.2.1. Título: Deve estar relacionado ao con- profissional, a vinculação institucional ou a institui-
teúdo do trabalho ou ao tipo de informação que os ção onde o trabalho foi realizado e o endereço do
autores pretendem repassar. Não se deve confun- autor principal.
dir tema com título, pois o tema é mais abrangen-
te, enquanto que o título é bem mais específico.
Devemos lembrar também que o título não é o 4.2.3. Resumo/Abstract e palavras--
resumo do trabalho, devendo ser objetivo e escla- chave (NBR 6028/2003): É uma síntese
recedor da natureza do trabalho.
dos pontos relevantes do trabalho, contendo no
máximo 250 palavras e deve vir em um único blo-
Exemplo:
co, ou seja, sem parágrafo. Deve ser uma síntese
Tema: Educação. clara, concisa e direta da pesquisa, contendo o(s)
Título: Inclusão escolar. objetivo(s), o referencial teórico, a metodologia uti-
lizada para solucionar o problema, a justificativa e
4.2.2. Identificação do(s) autor (es) e os resultados alcançados, cujo intuito é per-
mitir aos leitores ter uma prévia do tema tratado

50 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

sem necessitar de ler todo o texto. Algumas institu- tos como, por exemplo: defini-los conceitualmente
ições exigem o resumo na língua inglesa (Abstract), e quantitativamente, se for o caso da pesquisa
com o objetivodeampliar a suadivulgação, sendo quantitativa; descrever como influenciam o fenô-
que alguns periódicos o aceita em outra língua. meno ou fato; demonstrar como afetam o fenô-
As palavras-chave (Keysword) são as palavras meno ou fato; demonstrar as possíveis ou com-
que caracterizam o tema e servem para indexar provadas consequências do seu uso (exigido
o artigo, ou seja, aquelas palavras que remetem normalmente nas pesquisas laboratoriais); entre
ao texto. outras explicações necessárias.
Uma das formas de tornar essa parte mais fá-
4.2.4. Introdução: Nessa parte, deve-se fa- cil de ser redigida é adotar subtítulos, dividindo o
zer uma exposição clara e sucinta do tema, texto conforme o assunto lido, primando para não
apre- perder o foco.
sentando-o de forma global, esclarecendo sobre
as delimitações estabelecidas na abordagem do 4.2.6. Discussões e Resultados: item
assunto. Também, deve conter os objetivos, a jus- Discussões e Resultados não aparecem em todo
tificativa do autor para realizar a pesquisa, apontar o tipo de artigo, sendo típico daqueles que reali-
as questões para qual o autor buscará as respos- zam pesquisa onde ocorre o levantamento de da-
tas e a metodologia utilizada. Portanto, a Introdu- dos (entrevista, questionário, pesquisa observacio-
ção deve conter o problema estudado (o quê), os nal, de laboratório,entre outras), o seu tratamento
objetivos (para que serviu o estudo) e a metodolo-
(métodos estatísticos, análise química, exposição
gia utilizada (como os objetivos foram atingidos),
à radiação, entre outros) e a sua exposição.
devendo ser redigida em três páginas no máximo
Nessa parte devem ser descritos os métodos
(PATACO et al, 2007). Na Introdução não deve ser
utilizados para a coleta, registro e avaliação dos
dividida em itens.
dados e para a obtenção das informações. Além
disso, deve-se descrever o tipo e a quantidade
4.2.5. Desenvolvimento: É a parte prin-
cipal do trabalho, onde o autor expõe, explica e de variáveis/ observações adotadas (por
demonstra o assunto abordado, ou seja, o autor exemplo: um questionário composto de 20
deve fazer uma exposição do assunto baseada questões e aplicado a uma amostra de 300
na bibliografia escolhida, expondo e discutindo as professores da rede de ensino municipal) e
teorias adotadas para a resolução do problema também os métodos empregados na sua coleta,
levantado, apresentando os argumentos teóricos registro e avaliação, o que deverá ser feito de
e, caso haja, os que são resultantes da base de forma organizada e sistemática.
dados coletados e que dão sustentação ao seu Assim, quando se trabalha com variáveis,
posicionamento perante o problema (quando a os resultados são mais bem interpretados através
pesquisa levantar dados sobre certo fenômeno ou da análise estatística. Por exemplo, em um
fato, esses devem ser explicados na argumenta- estudo da população em relação aos níveis de
ção teórica, respondendo a alguns questionamen-

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 51
UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

renda e educação (variáveis), constatou-se que tenham sido confirmadas pelo ISSN,ISBN ou pelo
x% da população é de alto poder aquisitivo e de DOI. Após aprovado pela faculdade ou Instituto
nível superior; que x% da população é de baixo onde estude, o seu trabalho terá o identificador
poder aquisitivo e não possui o ensino fundamen- ISSN, passando a ser considerada fonte
tal completo, etc. À medida que for expondo os segura de pesquisa, portanto, reportagem de
dados, vai-se discutindo o assunto e comparando jornais, revistas e outros que não possuem o
ou se apoiando nas observações e opiniões dos cunho científico devem ser utilizados de forma
autores adotados. bastante criteriosa em trabalhos científicos.

4.2.7. Conclusão e/ou recomenda- 4.3. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO-


ções: Nessa parte deve vir a resposta para o pro- ARTIGO CIENTÍFICO.
blema levantado na pesquisa e a confirmação ou
não das hipóteses enumeradas e dos objetivos do 4.3.1. Capa (obrigatório): normalmente a
estudo. O texto deve ser claro e conciso e o autor, capa dura (encadernação) e a capa do trabalho
unicamente aqui, pode expor sua opinião, porém (primeira página) são iguais.
baseada nos resultados que avaliou e interpretou.
Além disso, devemos lembrar que se os resulta-
dos não foram totalmente conclusivos, isso deve
ser esclarecido e, também, que nessa parte não é
permitido à inclusão de novos dados ou citação de
autores, pois isso indica o reinício da discussão.

4.2.8. Referências bibliográficas: É a


enumeração, de acordo com ANBR 6023/2002
da ABNT, de toda a bibliografia utilizada na pre-
paração e elaboração do trabalho, ou seja, é uma
listagem dos livros, artigos e outros trabalhos utili-
zados no artigo e que pertencem a outros autores.
As referências devem ser apresentadas em or-
dem alfabéticas, independente do fato de se tratar
de livro, artigos, jornais, periódicos, etc.
Um trabalho científico deve ser apoiado, princi-
palmente, por autores que tiveram seu trabalho
publicado (livros). É permitindo também citar ar-
tigos e jornais científicos e publicações de sites
acadêmicos, porém o aluno deve estar ciente que
não se deve usar dados ou informações que não

52 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Modelo 1 - Capa

FACULDADE
NOME DO ALUNO
(limite da margem superior, centralizado, fonte arial ou times new roman 12, CAIXA
ALTA, sem negrito).

TÍTULO E SUBTÍTULO
(título: fonte 12, em negrito, CAIXA ALTA. se houver subtítulo, este deve ser
precedido de dois pontos (:), fonte 12, sem negrito, CAIXA ALTA.

LOCAL/ESTADO
ANO
(limite da margem inferior,fonte 12, CAIXA ALTA)

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional.
53
UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

4.3.2. Lombada: (NBR 12225,2004). Usada


b) Para a obtenção de título de pós-graduação
somente para encadernação em capa dura e é
deve vir do seguinte modo:
opcional.A instituição de ensino é que irá determi-
Trabalho de Conclusão de Curso – Artigo Científico, apresen-
nar se é necessário ou não ter lombada no tado ao Núcleo de Trabalhos de Conclusão de Curso do Curso
TCC. de Pós Graduação Lato Sensu do curso de Especialização em
Supervisão Escolar, como requisito obrigatório para a obtenção
do grau de especialista .

Modelo 2: Lombada
c) Programa especial de formação docente (R2)
ou complementação pedagógica.
Trabalho de Conclusão de Curso – Artigo Científico, apresenta-
do ao Programa especial de formação de docentes do (NOME
DA FACULDADE OU INSTITUTO) , em cumprimento às
exigências para a obtenção do certificado e registro profis-
sional equivalentes à licenciatura plena na área de (NOME
DO SEU CURSO.)

4.3.3. Folha de rosto (obrigatório):


O exemplo demostra todos os elementos que
compõe a folha de rosto, sendo que ela segue
todas as normas citadas para a capa, exceto a
nota de apresentação,que deve vir à esquerda do
texto, em fonte 10 e espaço entre linhas 1e deve
variar de acordo com a natureza (artigo científico,
monografia, dissertação ou tese) e do programa
ou área de concentração como exemplificado a
seguir:

a) Para a licenciatura plena deve vir os seguintes


dizeres:
Trabalho de Conclusão de Curso – Artigo Científico, apresenta-
do ao Núcleo de Trabalhos de Conclusão de Curso do Curso de
Pedagogia, como requisito obrigatório para a obtenção do grau
de licenciado.

54 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Modelo 3: Folha de rosto.

FACULDADE

NOME DO ALUNO
(normas iguais as da
capa)

TÍTULO E SUBTÍTULO
Trabalho de Conclusão de Curso – Artigo
Científico, apresentado ao Núcleo de Tra-
balhos de Conclusão de Curso do Curso de
Pedagogia do _________, como requisito
obrigatório para a obtenção do grau de
licenciado.
(fonte 10, à esquerda da página, justificado,
sem negrito e espaço 1).

LOCAL/ESTADO
ANO
(idem normas da capa)

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 55
UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

4.3.4. Folha de aprovação (obrigató- colocam no final do trabalho. O modelo de folha


rio): de avaliação varia conforme as necessidades
apesar da ABNT exigir sua inclusão na se- da instituição. A seguir demonstramos um mo-
quência demonstrada,algumas instituições a delo básico.

AVALIAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO

Relatório de Avaliação do Trabalho de Conclusão de Curso – TCC.


Aluno (a):
Titulo:
Curso: Pólo:

Critérios de avaliação Nota – 0 a 10


Tema
Nível de Textualidade
Nível de Correção Linguística
Sequência Lógica dos Fatos
Aprofundamento Teórico
Formatação e Estrutura
Estética
Linguagem Técnica - Pedagógica
Conteúdo Adequado
Desenvolvimento do Conteúdo
Rigor Científico

Comentários do Professor Orientador:

Com base na avaliação acima o trabalho está:


Aprovado com nota
Exige reformulação.

Professor (a)

Critérios de avaliação Nota – de 0 a 10

56 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

4.3.5. Resumo e palavras-chave na língua estrangeira


língua vernácula (obrigatório) e na (opcional):
Modelo 5: Resumo e Ab-
stract.

TÍTULO DO TRABALHO
(centralizado, CAIXA ALTA, negrito, fonte 12) Nome do autor (sem
negrito, minúscula, inserir nota de rodapé com as credenciais do au-
tor)

RESUMO
(O título RESUMO deve ser centralizado, CAIXAALTA, negrito, fonte
12)

O texto do Resumo deve vir em fonte 10, justificado, espaço 1, sem


parágrafo. Deve conter uma síntese do artigo.

Palavras-chave (fonte 10, negrito, minúscula):Metodologia. ABNT.


Artigo científico. (As palavras devem vir em fonte 10, espaço simples,
justificado, sem negrito, minúscula, sem paragrafação, bloco único,
no mínimo três e no máximo cinco palavras, separadas por ponto
final.

ABSTRACT
(O título ABSTRACT deve ser centralizado, CAIXA ALTA, negrito,
fonte 12)

O texto do Abstract deve vir em fonte 10, justificado, espaço 1,


sem parágrafo. Deve ser o Resumo escrito na língua in-
glesa.

Keyswords (fonte 10, negrito): Methodology. ABNT. Scientific Article.


(As palavras devem vir em fonte 10, espaço simples, justificado, sem
negrito, minúscula, sem paragrafação, bloco único, no mínimo três e
no máximo cinco palavras, separadas por ponto final).

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 57
UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

4.3.6. Introdução (obrigatório):

Modelo 6: Introdução.

1. INTRODUÇÃO. (CAIXA ALTA, negrito, antecedida do número


1,fonte 12).

O texto deve ter fonte 12, espaço 1,5, justificado, com paragrafação
em 1,25 cm..

4.3.7. Desenvolvimento (obrigatório):

Modelo 7: Desenvolvimento.

2. DESENVOLVIMENTO. (CAIXA ALTA, negrito, fonte 12)


O texto deve vir em fonte 12, sem negrito, justificado, com paragra-
fação e espaço 1,5.

2.1. Políticas nacionais sobre a inclusão escolar. (Subtítulo vem


em negrito, minúscula, fonte 12).

O texto deve vir em fonte 12, sem negrito, justificado, com paragra-
fação e espaço 1,5.

2.2. Dificuldades relacionadas à inclusão escolar.


(idem a 1.2)
2.2.1. Estrutura das escolas.
2.2.2. Posicionamento dos professores.
2.2.3. Posicionamento dos pais.
(Subdivisõesdosubitem devem vir em minúscula,fonte 12,sem ne-
grito).

2.3. Mudanças necessárias para a efetivação da inclusão esco-


lar.
(idem a 1.2).

58 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

4.3.8. Discussões e resultados (obrigatório, mas depende do tipo de pesquisa):

Modelo 8: Discussões e Resultados:

3. DISCUSSÕES E RESULTADOS: (CAIXAALTA, negrito, fonte 12)

O texto deve vir em fonte 12, sem negrito, justificado, com paragra-
fação e espaço 1,5.

4.3.9. Conclusões ou considerações finais sões e Resultados no artigo, a conclusão deve vir
(obrigatório): caso não tenha o item 3 – Discus- com a numeração 3.

Modelo 9: Conclusão:

4. CONCLUSÃO OU CONSIDERAÇÕES FINAIS. (CAIXA ALTA,


negrito, fonte 12).

O texto deve vir em fonte 12, sem negrito, justificado, com paragra-
fação e espaço 1,5.

4.3.10. Referências (obrigatório).

REFERÊNCIAS. (CAIXA ALTA, negrito, sem numeração, fonte 12).


PEREIRA, Maria Moura. Manual de Metodologia Científica. Itaúna:
Instituto, 2014.
Alencar,José de. A Moreninha.20º ed. São Paulo: ed.Atlas, 1989.
(fonte 12, espaço 1, justificado, 1 espaço entre as citações).

Segundo a fonte e autoria, as citações possuem regras específicas e


que serão abordadas no capítulo seguinte.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional.
59
UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

4.3.11. Anexo (opcional):

ANEXO A – título. (A palavra anexo deve vir em fonte 12 e CAIXA


ALTAe o título em fonte 12, letra minúscula. Anexo e título são sepa-
rados por travessão.

4.4.FORMATAÇÃO DE TRABALHOS pela ABNT ou convencionadas entre as insti-


CIENTÍFICOS. tuições de ensino superior.

Todo trabalho científico tem algumas normas 4.4.1. Normas gerais para formatação
a seguir para a realização de sua formatação, de trabalhos científicos.
as quais, na sua maioria,são determinadas

ITEM NORMALIZAÇÃO
Cor do texto Preta
Cor das Ilustrações A que preferir (ater-se a cores mais sóbrias).
Papel Branco A4 (21cm x 29,7cm).
Texto Justificado.
Superior e esquerda: 3cm.
Margens
Inferior e direita: 2cm.
Há duas opções de parágrafos:
a) Tradicional: distante 1,25 cm da margem esquerda,
Parágrafos sem deixar espaço duplo entre um parágrafo e outro;
b) Moderno: todo o texto alinhado à margem esquerda e
o parágrafo marcado por dois espaços entre eles.
Tamanho 12 para todo o texto, exceto citação com mais
de três linhas; notas de rodapé, legendas e fontes das
Fonte (arial ou times new roman)
ilustrações e das tabelas. As exceções devem vir em
fonte tamanho 10.
Todo o texto deve ter espaçamento 1,5 entre as linhas,
exceto para as citação com mais de três linhas, notas
Espaçamento
de rodapé, nota de apresentação, legendas e fontes das
ilustrações e das tabelas.

60 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

ITEM NORMALIZAÇÃO
Há duas opções de parágrafos:
a) Tradicional: distante 1,25 cm da margem esquerda,
Parágrafos sem deixar espaço duplo entre um parágrafo e outro;
b) Moderno: todo o texto alinhado à margem esquerda e
o parágrafo marcado por dois espaços entre eles.
Títulos (sessão primária) Deve figurar em página nova, fonte 12, alinhados à
Subtítulos (sessão secundária) esquerda, algarismo arábico, caixa alta (maiúscula) e em
negrito;

Subtítulos (sessão terciária) Fonte 12, alinhados à esquerda, algarismo arábico, caixa
baixa (minúscula) e em negrito.
Subtítulo (sessão quaternária) Fonte 12, alinhado à esquerda, algarismo arábico, caixa
Exemplo: baixa, negrito e itálico.

1. INTRODUÇÃO (sessão primária) Fonte 12, alinhado á esquerda, algarismo arábico, caixa
1.1. O legado do tempo.(sessão secundária) baixa, sem negrito.
1.2. Folclore e lendas. (sessão secundária).
1.2.1. Mula sem-cabeça (sessão terciária).
1.2.1.1. A crendice popular (sessão quaternária)

Referências bibliográficas Separadas por um espaço simples em branco.


Todas as páginas são contadas a partir da folha de rosto,
mas só são numeradas a partir da primeira página dos
elementos textuais (Introdução), ou seja, os elementos
Paginação
pré-textuais são contados, mas não numerados;
As páginas são numeradas no canto superior direito,
sequencialmente, em algarismos arábicos;
São centralizados, em caixa alta, negrito, fonte 12, mas
não são numerados (errata, folha de aprovação, epígra-
Elementos pré-textuais
fe, dedicatória, lista de ilustrações, lista de tabelas, lista
de abreviaturas e siglas, resumo e sumário).
As instituições normalmente colocam o título no alto da
página, em arial ou times new roman 12, centralizado e
Folha de aprovação
em negrito: AVALIAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLU-
SÃO DE CURSO.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional.
61
UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

ITEM NORMALIZAÇÃO
Não aparece a numeração e não possuem o título,
Folha de dedicatória e
Devem aparecer abaixo da metade da página e à direita
epígrafe (pensamento)
da página, justificada.
Fornecem informações adicionais ou esclarecimentos,
que não devem ser incluídos no texto;
São colocadas na parte inferior da página, iniciando-se
com o número sobrescrito recebido em texto e sem pa-
rágrafo; São alinhadas à esquerda e separadas do texto
Notas de rodapé por um traço contínuo de três cm, espaço simples, fonte
10 e não devem ocupar mais que 50% do espaço total da
página. Exemplo:

¹Trabalho apresentado na X FENATEC, 2010.


²PEREIRA, 1989, p.55-74.
Horas Usar sempre o número cardinal. Exemplo: 12h e 25 min.
Para o primeiro dia do mês, usa-se sempre o número
Dias do mês ordinal e para os demais, os números cardinais.
Exemplo: primeiro de abril; em 14 de maio.
É obrigatório o número cardinal;
Unidades padronizadas Exemplo: 20 ml; 100 g

Indicar quantidades Adota-se a forma por extenso.


Sempre utilizar algarismos arábicos.
Indicar figuras, gráficos, tabelas.
Exemplo: Tabela 1
A identificação de ilustrações aparece na parte superior,
precedida da palavra esquema, mapa,gráfico, fluxogra-
ma, fotografia, organograma, planta, quadro, retrato,
figura, imagem, entre outros, seguida de seu número de
ordem de ocorrência no texto, em algarismos arábicos,
Ilustrações.
travessão e título.
Na parte inferior, indicar a fonte consultada, legenda, no-
tas e outras informações necessárias. A ilustração deve
ser inserida o mais próximo possível do trecho a que se
refere.

62 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

ITEM NORMALIZAÇÃO
Tabelas e quadros: Não devem ser fechados Tabelas apresentam dados estatísticos.
lateralmente e nem se colocam traços horizontais Quadros apresentam informações de texto agrupadas
separando os dados numéricos. em colunas.

Considerado material suplementar e elaborado pelo


próprio autor do trabalho, porém não fazem parte do
trabalho, mas é material adicional para ilustrá-lo e/ou
acrescentar alguma outra informação.
Apêndices Os apêndices são identificados por letras maiúsculas
consecutivas, seguidas de um hífen e o respectivo título.
Exemplo:
APÊNDICE A – Termo de Consentimento Livre e Escla-
recido
São elementos opcionais e de suporte ao texto. Conside-
ra-se anexo quando o material NÃO for elaborado pelo
próprio autor. Devem ser citados no texto para facilitar
uma ligação entre as informações adicionais.
Anexo
Os anexos são identificação por letras maiúsculas e não
com números, seguida de hífen e o título. Exemplo:
ANEXO A – Parecer do Comitê de Ética em Pesquisa do
Instituto.

Fonte: Elaborado pela autora com base em Gil (2007), Vergara (2007), Eco (2001), Santos (2007) e
Estrela & Sabino (2001).

4.4.2. Citações
ção e a página da onde foi retirada.
As citações aparecem no texto e servem de em-
basamento para o autor do trabalho. Inclusive, o Exemplo:
trabalho não é considerado científico se não as ti-
ver, seja em sua forma direta ou indireta.
Quando incluso no texto: Pereira (1989, p. 26).

4.4.2.1. Citação direta. Quando no final da citação direta: (PEREIRA, 2002, p. 45).
Segundo Estrela & Sabino (2001), a citação dire-
As citações diretas se dividem em curtas ou lon-
ta é a transcrição literal do texto consultado e que
gas. O primeiro tipo ocorre quando a transcrição
é reproduzido conforme redação original. Nesse
não for superior a três linhas, devendo vir entre as-
tipo de citação é obrigatório citar o ano da
pas, ter o sobrenome do autor,ano e página.
publica-

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional.
63
UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

o texto do parágrafo, no seu início ou meio, colo-


Como diz Vygotsky (1998, p. 67) “As maiores aquisi-
ções de uma criança são conseguidas no brinquedo,
ca-se o sobrenome do autor em letras maiúscula,
aquisições que no futuro tornarão seu nível básico de ano da publicação entre parênteses, não tendo
ação real e moralidade”. necessidade de colocar a página.

Educar ludicamente adolescentes e adultos “significa Baseando nos estudos realizados por Freire (2009),
criar condições de restauração do passado, viven- podemos perceber a importância do brincar para a
do bem o presente e construindo o futuro” (FARIAS, aprendizagem infantil.
2010, p. 102).

b) Quando o nome do autor (ou autores) constar


no fim do parágrafo, deve vir em letra maiúscula,
As citações diretas longas possuem mais de três
entre parênteses e conter o ano da publicação.
linhas, devendo ser transcritas em um parágrafo
independente, recuado a 4cm da margem esquer-
Exemplo:
da, sem aspas, fonte 10 e espaço simples entre
linhas. Deve ainda conter autor, ano e página. O professor deve descobrir a importância do brincar
no processo ensino-aprendizado, para isso deve uti-
Exemplo: lizar os jogos na elaboração de sua aula (FREIRE,
2009).

Outro aspecto importante e que fundamenta a


Educação como um Direito Humano diz respeito
ao fato de que o acesso à educação é em si base 4.4.2.3. Várias citações de um mesmo
para a realização dos outros Direitos. Isso quer di- autor:
zer que o sujeito que passa por processos educa-
tivos, em particular pelo sistema escolar, é normal- Quando um autor tem várias obras realizadas
mente um cidadão que tem melhores condições em um mesmo ano, faz-se a citação pelo sobre-
de realizar e defender os outros direitos humanos
(saúde, habitação, meio ambiente, participação nome, ano e acrescenta ao ano as letras do alfa-
política etc.). A educação é base constitutiva na beto, minúscula, em ordem alfabética e sem espa-
formação do ser humano, bem como na defesa
e constituição dos outrosdireitoseconômicos, so- çamento.
ciais e culturais (HADDAD, 2003, p.12).

Exemplo:

4.4.2.2. Citação indireta. Mira (1997a); Mira (1997b); Mira (1997c).


Nas citações indiretas se expressa as idéias
contidas em dado texto, mas sem transcrever lite-
ralmente as palavras do autor. Elas são expressas 4.4.2.4. Citação de trabalhos de dois
da seguinte forma: ou três autores:
Se a citação for aparecer no início ou meio
a) Quando o nome doautor (ou autores) integra do parágrafo devem ser ligadas pela letra

64 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

“e”, seguido do ano.


(ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS, 2010).

Exemplos:
4.4.2.7. Citação de documentos de au-
Dois autores: Pereira e Silva (2004). toria de órgãos da administração públi-
Três autores: Pereira, Silva e Souza (2004).
ca direta:
Nesse caso, a citação deve ser feita na seguinte
Se a citação vier no final do parágrafo, deve vir ordem: nome do país, do estado ou do município,
os nomes dos autores em letra maiúscula e sepa- data.
rados por ponto-e-vírgula e o ano da publicação.
Exemplo:
Exemplo:
BRASIL (2008)
As características mais comuns nas crianças super- MINAS GERAIS, 2009.
dotadas, na idade pré-escolar, são: o alto grau de ITAÚNA, 2014.
curiosidade, boa memória, atenção concentrada, en-
tre outras (CLINE; SCHWARTZ, 1999, p. 121).
4.4.2.8. Citação de citação:
Trata-se da reprodução de informação citada por
4.4.2.5. Citação com mais de três au- outro autor e que só deve ser utilizada em último
tores: caso, sendo que o ideal é ir direto à fonte dese-
Nesse caso, é necessário citar apenas o sobre- jada. Pode ser expressa como citação direta ou
nome do primeiro autor seguido da expressão indireta. Para deixar claro quem é o proprietário da
et al (ou et alli). ideia original, utiliza-se a expressão apud, que sig-
nifica “citado por”. Existem duas formas para fazer
Exemplo: a citação:
a) Colocando a informação sobre o autor original
em nota de rodapé:
Ferreira et al. (2009) ou (FERREIRA et al., 2009).

Exemplo:
4.4.2.6. Citação de documentos cujo
No entender de Preso (2002 apud FLEITH, 2006, p.
autor é uma entidade coletiva. 99), a educação [...].
Quando o autor é uma entidade coletiva, o
nome da mesma deve vir por extenso.
¹PÉREZ, Suzana Graciela. Gasparzinho vai à es-
Exemplo: cola: um estudo sobre as características do alu-
no com altashabilidades - produtor criativo. Porto
Alegre, 2004.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 65
UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

b) Quando não colocar a informação sobre balhos de conclusão de curso.


o autor original na nota de rodapé: deve-se
fazer as duas citações nas referências bi- 4.4.2.10.1. Sistema numérico:
bliográficas, a da obra do autor original e a Nesse sistema a numeração é única e se-
autor consultado. quencial, podendo o indicador ser usado
entre parênteses, sem qualquer sinal ou so-
Exemplo: brescrito. Este último é o mais usado.

REFERÊNCIAS. Exemplos:
FLEITH, Denise de Sousa. Educação Infan-
“Baseando nos estudos realizados podemos per-
til. Saberes e Práticas da Inclusão. Altas Ha-
ceber a importância da avaliação de aprendizagem
bilidades/Superdotação. Brasília/ 2006. MEC,
como indicadora de resultados e meio de mudanças.”¹
Ministério da Educação Secretaria de
OU
educação Especial.
“Baseando nos estudos realizados podemos
perceber a importância da avaliação de
PÉREZ, Suzana Graciela. Gasparzinho vai à
aprendizagem como indicadora de resultantes e meio
escola: um estudo sobre as características
de mudanças.”1
do aluno com altas habilidades - produtor
OU
criativo. Porto Alegre, 2004. “Baseando nos estudos realizados podemos perce-
ber a importância da avaliação de aprendizagem como
indicadora de resultados e meio de mudanças.” (1)
4.4.2.9 Suprimir parte de uma citação.
Para se suprimir partes de uma citação,
deve-se usar reticências entre colchetes.
¹LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendiza-
gem escolar: estudos e proposições. 16. ed. São
Exemplo: Paulo: Cortez, 2009.

No entender de Peréz¹ (2002 apud FLEITH,


2006, p. 99), [...] a educação é fundamental 4.4.2.10.2. Sistema alfabético (autor-
para o pleno desenvolvimento do indivíduo [...]. -data):
É o sistema em que figura no texto o so-
brenome do autor principal, seguido do ano
4.4.2.10. Sistema de chamada de ci- da publicação. Aparece no meio (sobreno-
tações. me do autor só com a inicial em maiúscula,
As citações podem ser expressas através data) e no fim (sobrenome em letra maiús-
do sistema numérico ou do alfabético (autor cula, data da publicação e entre parênte-
e data). A instituição é que deverá determi- ses) da citação, sendo o sistema mais usa-
nar qual dos dois será adotado em seus tra- do. Caso seja citação direta, deve constar a

66 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

página de onde foi tirada. simples e separadas umas das outras por
um espaço livre. A seguir descrevemos as
Exemplo: principais orientações sobre as referências
(as citações bibliográficas não vêm dentro
Baseando nos estudos realizados por Freire (2009),
podemos perceber a importância do brincar para a de retângulos, foram usadas são apenas
aprendizagem infantil. para destacar o exemplo):
O professor deve descobrir a importância do brin-
car no processo ensino-aprendizado, para isso deve 4.4.3.1. Citação de livro completo (leu
utilizar os jogos na elaboração de sua aula (FREIRE,
2009). todo o livro):
Na citação curta: a) Modelo utilizado quando há um só au-
Segundo Freire (2009, p. 76), “os jogos e brincadei- tor:
ras trazem o lúdico para o processo de ensino-apren-
dizagem”.
AUTOR. Título. Edição. Local de publicação:
Na citação longa: Editora, ano de publicação. Números de pági-
Outro aspecto importante e que funda- nas ou volume.
menta a Educação como um Direito Hu-
GOMES, L. G. F. F. Novela e sociedade no
mano diz respeito ao fato de que o acesso
Brasil. 2. ed. Niterói: EdUFF,1998. 169 p.
à educação é em si base para a realização
dos outros Direitos. Isso quer dizer que o
sujeito que passa por processos educa-
tivos, em particular pelo sistema b) Modelo utilizado quando há dois auto-
escolar, é normalmente um cidadão que
tem melhores condições de realizar e
res:
defender os outros direitos humanos
(saúde, habitação, meio ambiente, AUTOR. AUTOR. Título. Edição. Local de pu-
participação política etc.). A educação é blicação: Editora, ano de publicação. Números
base constitutiva na forma- ção do ser de páginas ou volume.
humano, bem como na defesa e LAKATOS, E. M; MARCONI, M. de A. Funda-
constituição dos outros direitos econômicos, mentos de metodologia científica. 6. ed. São
sociais e culturais (HADDAD, 2003, p.12). Paulo: Atlas, 2005. 21p.

4.4.3. Referências bibliográficas (NBR c) Modelo utilizado quando há três auto-


6023, 2000). res:
As referências bibliográficas devem con-
ter todas as informações sobre as obras ci- AUTOR. AUTOR. AUTOR. Título. Edição. Lo-
cal de publicação: Editora, ano de publicação.
tadas na fundamentação do artigo. Dizem
Números de páginas ou volume.
respeito a uma listagem dos livros, artigos, SILVA, A. M; PINHEIRO, M. S.de F; FRAN-
periódicos, revistas acadêmicas, entre ou- ÇA.M. N. Guia para normalização de
tros materiais utilizados pelo aluno durante traba- lhos técnicos-científicos: Projetos de
pesqui- sa, trabalho de conclusão de cursos,
a realização do TCC e que permitem a iden-
dissertação e teses. 5. ed . Uberlândia:
tificação dos mesmos. Devem vir em espaço UFU,2005.144p.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 67
UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

d) Modelo utilizado quando há mais de c) Modelo utilizado quando há três auto-


três autores: res:

AUTOR et al (ou et alli). Título.Edição.Local AUTOR. AUTOR. AUTOR. Título. Edição. Loc-
de publicação:Editora, ano de publicação.Nú- al de publicação: Editora, ano de publicação.
meros de páginas ou volume. Números de páginas ou volume.
CALDEIRA, J. et al. História do Brasil.São SILVA, A. M; PINHEIRO, M. S.de F; FRAN-
Paulo:Companhia das Letras, 1997.365 p. ÇA.M. N. Guia para normalização de
traba- lhos técnicos-científicos: Projetos de
pesquisa, trabalho de conclusão de cursos,
dissertação e teses. 5. ed . Uberlândia:
e) Modelo utilizado quando há vários auto-
UFU,2005.144p.
res com responsabilidade diferenciada (or-
ganizador, coordenador, etc.): d) Modelo utilizado quando há mais de
três autores:
Autor; Autor; Autor (ORG.). Título. Edição. Lo-
cal de publicação. Editora, ano de publicação. AUTOR et al (ou et alli). Título.Edição.Local
Números de páginas ou volume. de publicação:Editora, ano de publicação.Nú-
PINHO, C. B; VASCONCELLOS, M. S. de. meros de páginas ou volume.
(ORG.). Manual de economia. 4. ed. São Pau- CALDEIRA, J. et al. História do Brasil.São
lo: Saraiva, 2003. 606 p. Paulo:Companhia das Letras, 1997.365 p.

e) Modelo utilizado quando há vários auto-


4.4.3.1. Citação de livro completo (leu res com responsabilidade diferenciada (or-
todo o livro): ganizador, coordenador, etc.):

Autor; Autor; Autor (ORG.). Título. Edição. Lo-


a) Modelo utilizado quando há um só autor:
cal de publicação. Editora, ano de publicação.
Números de páginas ou volume.
AUTOR. Título. Edição. Local de publicação: PINHO, C. B; VASCONCELLOS, M. S. de.
Editora, ano de publicação. Números de pági- (ORG.). Manual de economia. 4. ed. São Pau-
nas ou volume. lo: Saraiva, 2003. 606 p.
GOMES, L. G. F. F. Novela e sociedade no
Brasil. 2. ed. Niterói: EdUFF,1998. 169 p.
4.4.3.2. Citação de capítulo de um li-
b) Modelo utilizado quando há dois autores: vro:

AUTOR. AUTOR. Título. Edição. Local de publica- a) Modelo para capítulo de livro com autoria
ção: Editora, ano de publicação. Números de páginas própria:
ou volume.
LAKATOS, E. M; MARCONI, M. de A. Fundamen-
tos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo:
Atlas, 2005. 21p.

68 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUTOR. Titulo do capitulo. InTítulo do livro. Edição. AUTOR. Título do artigo. Título do periódico.
Local de publicação: Editora, ano de publicação. Local de publicação. Volume. Número. Páginas
Número das páginas inicial-final. inicial – final. Mês de publicação (abreviatura).
SILVA, A. M. Pinheiro; FRANÇA, M. N. Referên- Ano de publicação.
cias.InTOLEDO,J.Guiaparanormalizaçãode BORGES, V.D.S. Modelo sustentável de
trabalhostécnico-científicos: Projetos de pesquisa vida urbana: uma reflexão. UEG em revista.
- trabalho de conclusão de cursos, dissertações e Goiâ- nia, v.1, n.2. p. 81-97, jan./dez. 2005.
teses. 5 ed. Uberlândia: Edufu, 2005. p. 51-106.

b) Modelo utilizado quando há vários au- 4.4.3.5. Citação de documentos jurídi-


tores com responsabilidade diferenciada cos:
(organizador, coordenador, revisão técnica,
etc.): JURISDIÇÃO (ou nome da entidade coletiva,
no caso de se tratar de normas). Título,
AUTOR DO CAPÍTULO. Titulo do capítulo. In nume- ração e data. Ementa e dados da
AUTOR DO LIVRO (Org.). Titulo do livro. Edição. publicação que transcreveu a legislação.
Local de publicação: Editora, ano de Notas informa- tivas relativas a outros
publicação. Números de páginas ou volume. dados necessários a identificar o trabalho.
MONTORO FILHO, André Franco et al; PINHO, BRASIL. Secretaria de educação. Parâme-
Diva Benevides (Coord.); VASCONCELLOS, Antô- tros Curriculares Nacionais: Introdução aos
nio S. (Revisor Técnico). Manual de Economia da parâmetros Curriculares Nacionais/Secretaria
de Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF.
USP. 1 ed. São Paulo: Saraiva, 1988.
1997,126p.

4.4.3.3. Citação de trabalhos acadê-


4.4.3.6. Citação de documentos
micos (artigos, dissertações e teses):
eletrônicos – artigos de revistas on-
AUTOR. Titulo. Ano. Números de folhas. Finali-
-line:
dade (grau pretendido). Curso.Instituição.Cidade.
Ano. AUTOR. Título do artigo. Título da Revista, lo-
PEREIRA, Maria M. Evolução dos Gastos Pú- cal de publicação, volume, número, páginas ini-
blicos no Brasil. 1985.78f. Trabalho de conclusão cial-final, mês (abreviado) e ano de publicação.
de curso (Bacharel em Ciências Econômicas) Fa- Data. Disponível em: <endereço eletrônico>.
culdade de Ciências Econômicas. Universidade de Acesso em: dia/mês/ano.
Itaúna. Itaúna/MG, 1985. NETO, M.F. de S. O ofício, a oficina e a profis-
são: reflexões sobre o lugar social do professor.
Cadernos Cedes, Campinas, v.25, n°. 66,
p. 1-7, mai./ago. de 2005. Disponível em:
4.4.3.4. Citação de artigos em periódi- <http://
cos com indicação de autoria: www.scielo.br>. Acesso em 24/11/2014.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 69
UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

TESTE DE CONHECIMENTO na área relacionada ao tema escolhido por ele.


UNIDADE III: Pelo fato do TCC ser considerado um trabalho
de científica é um dos
1) Em relação aos tipos de conhecimen- instrumentos de de conclusão
tos, analise a afirmativa a seguir e marque a de curso e, portanto, o título de graduado
resposta correta: Conhecimento que é racio- (licenciatura ou bacharel) ou de pós-
nal, sistemático, objetivo, verificável, exato e graduado (especialista, mestre, doutor ou
explicativo, cujo levantamento é baseado em pós-doutor) está condicionado à sua .
métodos e técnicas. a) Científico, observação, cunho,
a) Filosófico. avaliação, realização.
b) Teológico. b) Acadêmico, observação, iniciação,
c) Cientifico. avaliação, aprovação.
d) Empírico. c) Acadêmico, orientação, cunho,
e) Experiencial. aprovação, realização.
d) Científico, orientação, iniciação, avalia-
2) Entre as características citadas, marque ção, aprovação.
a que não corresponde às necessárias para e) Científico, orientação, iniciação, avalia-
que um trabalho seja considerado científico. ção, aprovação.
a) O trabalho científico deve seguir um pa-
drão pré-determinado e cumprir as exigências 4) As normas da ABNT para serem utiliza-
as quais deve se submeter. das em trabalhos científicos são as que tra-
b) As instituições de ensino não podem de- tam:
terminar normas para a elaboração do traba- a) Das referências bibliográficas, das cita-
lho de conclusão de curso (TCC). ções, da quantidade de páginas necessárias,
c) Deve ser embasado no raciocínio lógico e da conclusão, dos títulos de lombada, do pre-
ter como ponto de partida um problema levan- paro e apresentação.
tando em relação ao tema escolhido. b) Das referências bibliográficas, do tema,
d) Deve seguir métodos e técnicas científi- das citações, da numeração sucessiva, do re-
cas, apoiados na fundamentação teórica. sumo, da justificativa, do preparo e apresen-
e) Um trabalho para ser considerado cien- tação.
tífico deverá seguir o rigor científico e a éticac) Das referências bibliográficas, do tema,
intelectual da numeração sucessiva, do resumo, dos tí-
tulos de lombada, do preparo e apresentação.
3) Complete a sentença: O TCC é um texto d) Das referências bibliográficas, das cita-
Elaborado pelo aluno ao ções, da numeração sucessiva, do resumo,
término do seu curso e sob a dos títulos de lombada, do preparo e apresen-
de um professor especialista, mestre ou doutor tação.

70 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

e) Das referências bibliográficas, do tema, a) Teórica, Classificatória e Analítica.


dos objetivos, da numeração sucessiva, do b) Teórica, Metódica e Analítica.
resumo, dos títulos de lombada, do preparo e c) Teórica, Classificatória e Explicativa.
apresentação. d) Dissertativa, Classificatória e Analítica.
e) Dissertativa, Explicativa e Analítica.
5) Segundo a ABNT, o artigo científico é um
texto que apresenta e discute ideias, métodos, 7) Para que o artigo tenha um mínimo de
técnicas, processos e resultados nas diversas qualidade e de cientificidade é necessário na
áreas do conhecimento. Em relação ao artigo sua construção observar certas regras, que
científico, marque a opção correta: são (Azevedo, 2001), exceto:
a) O artigo científico é o resultado final de a) Impessoalidade, objetividade, cientifi-
uma investigação ou estudo sobre determina- cida- de.
do tema e de um ou mais questionamentos a b) Concisão, descrição e análise.
respeito do mesmo. c) Clareza, precisão, originalidade.
b) O artigo científico pode versar sobre o es- d) Concisão, encadeamento, correção gra-
tudo de um fato, situação ou fenômeno; uma matical.
descoberta e suas causas ou consequências; e) Fidelidade, vocabulário técnico e criativi-
dar uma nova versão sobre um dado assunto; dade.
difundir ideias novas; buscar soluções para
questões controversas; entre outras. 8) Os elementos obrigatórios de um
artigo científico são:
c) A finalidade do artigo é divulgar e tornar
a) Título; identificação do autor e minicurrí-
conhecido o estudo realizado, a problemática
culo; resumo e palavras-chave; introdução;
pesquisada, sua base teórica, a metodologia
utilizada e os seus resultados. desenvolvimento; discussões e resultados
(quando necessário); e conclusão.
d) Não existe uma norma nacional sobre o
número de página que um trabalho científicob) Título; identificação do autor e mini cur-
rículo; resumo e palavras-chave; introdução;
deva ter, pois isso irá depender do tema pes-
desenvolvimento; conclusão, cronograma e
quisado e da profundidade da pesquisa reali-
zada. No entanto, é muito difícil obter um tra-
referências bibliográficas.
balho de qualidade em oito ou nove páginas c) Título; identificação do autor e mini cur-
apenas. rículo; resumo e palavras-chave; introdução;
e) Todas as alternativas anteriores es-desenvolvimento; discussões e resultados
tão corretas. (quando necessário); conclusão e referências
bibliográficas.
6) Segundo Lakatos & Marconi (2001), o d) Título; mini currículo; resumo; introdução;
tipo de abordagem adotada no artigo pode desenvolvimento; conclusão e referências bi-
ser: bliográficas.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 71
UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

e) Título; identificação do autor e mini cur- a) Uma exposição clara e sucinta do tema,
rículo; resumo; introdução; desenvolvimento; apresentando-o de forma global.
local onde a pesquisa será implantada, con- b) As delimitações estabelecidas na abor-
clusão e referências bibliográficas. dagem do assunto.
9) Em relação aos elementos do TCC, mar- c) Os objetivos e a justificativa do autor
que a opção errada: para realizar a pesquisa, apontar as questões
a) O título deve estar relacionado ao con- para qual o autor buscará as respostas e a
teúdo do trabalho que os autores pretendem metodologia utilizada.
repassar. d) Deve ser redigida em até cinco pági-
b) Não se deve confundir tema com título, nas, englobando itens e subitens.
pois o tema é mais abrangente, enquanto que e) Deve constar o problema estudado (o
o título é bem mais específico. quê), os objetivos (para que serviu o estudo)
c) O título não é o resumo do trabalho. e a metodologia utilizada (como os objetivos
d) O título deve ser objetivo e esclarece- foram atingidos).
dor da natureza do trabalho.
e) Não é necessário que o título esteja di- 12) O Desenvolvimento é a parte principal
retamente relacionado ao tipo de informação do trabalho científico, sendo que ele deve
a ser repassada, podendo ser mais abrangen- conter, exceto:
te. a) A exposição do assunto baseada na bi-
bliografia escolhida.
10) As normas para o Resumo são, exceto: b) A exposição e discussão das teorias
a) Deve conter no máximo 250 palavras. adotadas para a resolução do problema le-
b) Deve vir também, obrigatoriamente, na vantado.
língua inglesa (Abstract), tendo o objetivo de c) A apresentação dos argumentos teóri-
ampliar a sua divulgação. cos que dão sustentação ao seu posiciona-
c) Deve vir em um único bloco, ou seja, mento perante o problema.
sem parágrafo. d) A opinião pessoal do pesquisador so-
d) Deve ser uma síntese clara, concisa e bre os estudos do tema feito pelos autores ci-
direta da pesquisa. tados.
e) Deve conter a síntese do(s) objetivo(s), e) A explicação de argumentos teóricos
do referencial teórico, da metodologia utiliza- sobre o fenômeno ou fato que a pesquisa re-
da para solucionar o problema, da justificativa lata.
e dos resultados alcançados.
13) Em relação ao elemento componente do
11) A Introdução é uma das partes do traba- trabalho científico Discussões e Resultados,
lho científico que deve conter todos os itens marque a opção errada:
citados abaixo, exceto: a) Deve constar de todo o trabalho cientí-

72 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE IV: O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

fico, pois é parte componente obrigatória. tros trabalhos científicos utilizados no artigo e
b) Nessa parte devem ser descritos os que pertencem a outros autores.
métodos utilizados para a coleta, registro e c) As referências devem ser apresentadas
avaliação dos dados e para a obtenção em ordem alfabéticas, independente do fato
das informações. de se tratar de livro, artigos, jornais, periódi-
c) Deve conter a descrição do tipo e a quan- cos, entre outros.
tidade de variáveis ou observações adotadas. d) Um trabalho científico deve ser apoiado,
d) É típico dos trabalhos que realizam pes- principalmente, por autores que tiveram seu
quisa onde ocorre o levantamento de dados, o trabalho publicado (livros).
seu tratamento e a sua exposição. e) Não é permitindo, em hipótese alguma,
e) Deve conter os métodos empregados na citar jornais e revistas não científicos e publi-
coleta de dados, o seu registro e a avaliação cações de sites não acadêmicos.
dos mesmos.

14) Em relação à parte do trabalho científico


Conclusão, marque a opção errada.
a) Essa parte deve conter a resposta para o
problema levantado na pesquisa e a confirma-
ção ou não das hipóteses enumeradas e dos
objetivos do estudo.
b) O texto deve ser claro e conciso, porém
baseado nos resultados que a pesquisa apre-
sentou.
c) Nessa parte, o autor não poderá emitir
sua opinião, apenas transcrever os resultados
alcançados com a pesquisa.
d) Se os resultados não foram totalmente
conclusivos, isso deve ser esclarecido.
e) Não é permitido que na Conclusão seja
incluído novos dados ou citações de autores,
pois isso indica o reinício da discussão.
15) Em relação ás Referência Biblio-
gráficas, marque a opção errada:
a) É a enumeração de toda a bibliografia uti-
lizada na preparação e elaboração do traba-
lho.
b) É uma listagem dos livros, artigos e ou-

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 73
UNIDADE V

CUIDADOS PARA
PESQUISADORES
INICIANTES
UNIDADE V: CUIDADOS PARA PESQUISADORES INICIANTES

Todas as normas citadas anteriormente contêm gência do IBICT, da Fundação Biblioteca Nacio-
as regras principais para que um texto possa ser nal, da ABNT, do MEC e da sua Faculdade ou
considerado científico. No entanto, é fácil perce- Universidade, que devem ser obrigatoriamente
ber através dos TCC que boa parte dos alunos respeitadas e seguidas.
não lê os manuais de normalização do TCC das Nesse subitem iremos enumerar algumas nor-
faculdades ou os recomendados por ela. Lem- mas básicas e dicas que ajudem o pesquisador
bramos que se o texto não estiver dentro das iniciante a conduzir sua pesquisa.
padronizações necessárias, não é considerado
científico, o que impede a obtenção da aprova- 5.1. NORMAS BÁSICAS DE CONDU-
ção. ÇÃO DA REDAÇÃO:
Outro fator a ser realçado é a dificuldade que
boa parte dos alunos possui de escrever um tex- I. Ser exato;
to científico com ideias claras, concisas e dentro II. Escrever com simplicidade, mas aplicando as
de um padrão científico mínimo. O que se perce- regras gramaticais;
be no TCC é a utilização demasiada de citações III. Ter clareza e objetividade, apresentando as
diretas, o que torna o texto muito mais de tercei- ideias de forma lógica e coerente, evitando alon-
ros (autores) do que do próprio aluno, como já gar demasiadamente o texto;
falado. Recomenda-se que o aluno leia o que o IV. Escrever de forma impessoal, evitando
autor está dizendo, analise e transcreva as ideias verbos na primeira pessoa do singular (eu);
com suas palavras, ou seja, que faça uma cita- V. Utilizar linguagem objetiva e direta;
ção indireta. VI. Dar fluidez ao texto, articulando os parágra-
Também, o plágio é uma ação comum entre fos e o encadeamento do texto;
os alunos, o que pode ter consequências graves VII. Cuidado com os termos nunca, sempre,
quando comprovado, tais como o cancelamento totalmente, entre outros, pois eles generalizam
do diploma e até implicações jurídicas (direitos uma situação ou fato, o que nem sempre é ver-
autorais). Atualmente é muito fácil comprová-lo, dade como, por exemplo, “a inclusão escolar irá
pois existem softwares que verifica para o pro- solucionar os problemas enfrentados pelos por-
fessor da banca a autenticidade do texto, sendo tadores de necessidades especiais”, o que não é
que em caso de plágio a reprovação é sumária. verdade. O correto seria “a inclusão escolar pode
Os comentários acima foram feitos na intenção contribuir para diminuir os problemas enfrentados
de alertar os alunos sobre as implicações da pelos portadores de necessidades especiais”;
não leitura do manual de trabalhos científicos e VIII. Evitar expressões chulas, gírias, jargões,
da displicência em realizar o TCC. pouco científicas ou que reflitam o senso comum;
Portanto, as normas para a realização do IX. As frases/períodos não devem ser muito
mesmo não são contornáveis, mas simuma exi- longas, pois tende a dificultam a compreensão.

Banca de TCC: uma banca é composta, normalmente, por dois professores convidados (especialista, mestre ou doutores na área do tema) e o orientador do aluno (defesa do mesmo).
As funções dos professores convidados é ler seu TCC, ver se estão dentro das normas ABNT, se é um trabalho de cunho científico, levantar os erros e dar recomendações, enfim, aprovar,
aprovar com restrições a serem corrigidas ou não aprovar o aluno.

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional.

75
UNIDADE V: CUIDADOS PARA PESQUISADORES INICIANTES

Portanto, tente dividi-la utilizando o ponto, mas II. et al. (et alli): significa “e outros”. A expressão
fique atento ao sentido. Também, não se devem é utilizada quando a obra possui muitos autores
construir frases ou períodos muito curtos (duas como, por exemplo, em uma obra escrita por Ma-
ou três linhas), pois denotam pouco conhecimen- ria Teresa Montoan, L. A. Martins Azevedo, Paulo
to ou dão ao texto uma aparência de uma história Freire e Mário Cartela, cita-se da seguinte forma:
infantil; MONTOAN, Maria Teresa et al;
X. A linguagem científica prima pelo equilíbrio, III. apud: significa citado por, conforme ou se-
portanto evite exageros de expressão ou de ad- gundo. É utilizada para informar que a frase que
jetivos como, por exemplo, dizer que houve uma foi transcrita de uma obra de um determinado
“profunda” mudança na empresa (ocorreu de autor (Moraes) na verdade pertence a outro (Pe-
fato?) ou o artigo permitirá “sanar totalmente” o reira). Ex.:(PEREIRA apud MORAES, 2010, p.
problema da inclusão escolar, entre outros; 100), ou seja, Pereira “citado por” Moraes. De-
XI. O uso de termos técnicos deve ser bastante ve-se atentar para quem cita quem, pois é muito
criterioso, pois poderá tornar o texto incompreen- comum os alunos inverterem os autores;
sível. Lembre-se que o artigo pode ser lido por IV. idem ou id: significa “igual a anterior”;
muitas pessoas, especialistas e leigos, e todos V. ibid ouibdem: significa “na mesma obra”;
devem ter, no mínimo, uma noção do que ele diz; VI. sic (assim) ou ipsis litteris (literalmente) ou
XII. Qualquer tipo de texto deve ter uma qua- ipsis verbis (verbalmente): expressa que o texto
lidade ortográfica e gramatical mínima, sendo foi transcrito com fidelidade, mesmo que possa
necessário que o autor utilize de forma correta parecer estranho ou que possua erros de lingua-
a pontuação (vírgula, dois pontos e ponto final, gem;
principalmente), a concordância verbal, a acentu- VII. opus citatum ou op.cit.: significa “obra cita-
ação (acento agudo, circunflexo, til e crase, prin- da”;
cipalmente). Caso tenha dificuldades, recomen- VIII. passim: significa “aqui e ali”. É utilizada
da-se que procure um professor de português quando a citação se repete em mais de um tre-
que faça a revisão gramatical e ortográfica por cho da obra;
ele, o que é permitido. IX. supra: significa “acima”, referindo-se a nota
imediatamente anterior como, por exemplo: [...]
na obra supra citada.
5.2. EXPRESSÕES LATINAS UTILIZA-
DAS EM ARTIGOS.
É comum ver citações latinas em trabalhos 5.3. DICAS GERAIS:
científicos. No entanto, o aluno deve saber o sig-
nificado delas para não empregá-las de forma I. Livros são normalmente mais confiáveis do
errada, como é comum. Dentre as expressões que qualquer outro tipo de texto, pois há exigên-
latinas, mais usadas são: cias rígidas para que possam ser publicados, o
I. in: significa “em”. que evita que contenham dados errados ou im-

76 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE V: CUIDADOS PARA PESQUISADORES INICIANTES

precisos; apenas na Conclusão), principalmente as quais


II. Reportagens de jornais não possuem o não podem ser comprovadas pelos resultados do
cunho científico, portanto, deve-se ser muito cri- trabalho;
terioso ao usá-las em trabalhos científicos; X. Defina as abreviaturas na primeira vez em
III. Verificar os tempos verbais. Primeiro foi feito que forem citadas como, por exemplo: Ministério
a investigação bibliográfica e vivenciado o mo- da Educação – MEC. A partir dessa primeira cita-
mento de levantamento de dados ou observa- ção, no restante do texto pode aparecer apenas
ção de certo fato para depois escrever o artigo. a abreviatura;
Assim, fala-se: o artigo tem por objetivo (tempo XI. Use subtítulos para separar os componen-
presente); observou-se (tempo passado) através tes do trabalho. Capítulos são usados em traba-
dos dados levantados (passado); espera-se que lhos maiores como a monografia, a dissertação
venha (futuro) a trazer contribuições, etc.; e a tese;
IV. Para saber se um texto é bom, se deve ana- XII. Não se deve repetir palavras, especialmen-
lisar as fontes bibliográficas citadas pelo autor, o te verbos e substantivos. Deve-se usar sinôni-
que permitirá ter ideia da qualidade do mesmo; mos;
V. Evite citar autores que foram citados por ou- XIII. Evite usar muitas citações diretas, preferin-
tro autor como, por exemplo: Martins (2009) in do as indiretas, ou seja, opte por interpretar as
Azevedo (2011, p. 45). O melhor é ler o livro ou ideias do autor, tornando seu trabalho mais rico
capítulo do livro do Martins; e apreciável.
VI. Como qualquer um pode publicar textos na
internet, recomenda-se saber mais a respeito do REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.
autor e sua obra;
VII. O aluno deve preparar-se para a apre- ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NOR-
sentação oral e distribuir o trabalho na seguinte MAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e
sequência: Objetivo, Introdução, Metodologia, documen- tação: referências: elaboração. Rio
Resultados e discussões e Conclusões. Não é de Janeiro, 2002.
obrigatório conter o Resumo e as Referências,
mas é melhor apresenta-las também. Também é . NBR 6024: informação e documenta-
de bom tom que esteja adequadamente trajado; ção: numeração progressiva das seções de um
VIII. Os trabalhos sem referências bibliográficas documento escrito: apresentação. Rio de Janei-
ou até mesmo com duas ou três não são consi- ro, 2012.
derados de cunho científico e correm o risco de
serem vistos como obras de ficção, pois não pos-
suem sustentação teórica. Recomenda-se a ci- . NBR 6027: informação e documen-
tação e leitura de, no mínimo, quinze (15) obras, tação: sumário: apresentação. Rio de Janeiro,
sendo a maioria delas livros (60%); 2012.
IX Evite dar opiniões pessoais (permitido

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional. 77
UNIDADE V: CUIDADOS PARA PESQUISADORES INICIANTES

metodologia de pesquisa científica. Belo Hori-


. NBR 6028: informação e documen- zonte: DTGI-ECI/UFMG. Disponível em: <www.
tação: resumo: apresentação. Rio de Janeiro, eci.ufmg.br/mba. Acessado em: 17 dez./2014.
2003.
AZEVEDO, Israel Belo. O prazer da produção
científica: descubra como é fácil e agradável ela-
. NBR 6029: apresentação de livros borar trabalhos acadêmicos. 10. ed. São Paulo:
e folhetos. Rio de Janeiro, 2006. Hagnos, 2001.

BARBA, Clarides Henrich. Orientações básicas


. NBR 10520: citações em documentos: na elaboração do artigo científico. Disponível em:
apresentação. Rio de Janeiro, 2002. <www.unir.br/html/pesquisa>. Acesso em: 18 fev.
2015.
. NBR 10719: apresentação de relatório
técnico-científicos. Rio de Janeiro, 2011. BARROS, Aidil Jesus; LEHFELD, Neide Apa-
recida de Souza. Fundamentos de metodologia
. NBR 14724: informação e documen- científica: um guia para a iniciação científica.
tação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio 2.ed. ampl. São Paulo: Pearson Education, 2006.
de Janeiro, 2011. 122p.

BARROS, Aidil Jesus; LEHFELD, Neide Apare-


. NBR 15287: informação e documen- cida de Souza. Projeto de Pesquisa : propostas
tação: projeto de pesquisa: apresentação. Rio de metodológicas. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.
Janeiro, 2011. 127 p.

. Fundamentos de metodologia científi- CARVALHO, Maria Cecília M. de. Construindo


ca. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2007. o saber: metodologia científica - fundamentos:
técnicas. 5. ed. Campinas: Papirus, 1995.
. Métodos e técnicas da pesquisa so
cial. São Paulo: Atlas, 1999. CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAU-
LISTA. Biblioteca Universitária. Manual on line.
. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Disponível em: <http://www.unorp.br>. Acesso
Atlas, 2006. em: 23 out. 2014.

ALMEIDA, Maurício B. Noções básicas sobre CRESPO. A.A. Estatística Fácil. São Paulo: Ed.
Saraiva, 1997.

78 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE V: CUIDADOS PARA PESQUISADORES INICIANTES

DEMO, Pedro. Metodologia científica em ciên- teoria e prática. São Paulo: Harbra, 1986. 200 p.
cias sociais. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1995. 287 p.
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de
DINIZ, Célia Regina; SILVA, Iolanda Barbosa pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1999.
da. O Método dialético e suas possibilidades re-
flexivas. Campina Grande; Natal: UEPB/UFRN - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E
EDUEP, 2008. ESTATÍSTICA. Normas de apresentação tabular.
3. ed. Rio de Janeiro, 1993. 60 p.
ECO, Umberto. Como se faz uma tese. 23. ed.
São Paulo: Saraiva, 2010. MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva
Maria. Metodologia do trabalho científico. 7. ed.
ECO, Umberto. As formas do conteúdo. São São Paulo: Atlas, 2008.
Paulo: Perspectiva, 1974.
MARTINS, Gilberto Andrade. Manual para ela-
ESTRELA, Carlos; SABINO, Geni Anastácio. boração de monografias e dissertações. 2. ed.
Estruturação do trabalho científico. São Paulo: São Paulo: Atlas, 2000. 120 p.
Artes Médicas, 2001. 483 p.
MARTINS, Gilberto Andrade; LINTZ, Alexan-
FERRER, Walkiria Martinez Heinrich. Metodo- dre. Guia para elaboração de monografia e tra-
logia da Pesquisa Científica: Orientações quanto balhos de conclusão de curso. São Paulo: Atlas,
à elaboração e apresentação gráfica do Projeto 2000. 112p.
de Pesquisa e do Trabalho de Conclusão de Cur-
so. Núcleo de Apoio à Pesquisa. Universidade de MATOSO, Maria Cristina; DUBOIS, Maria Cé-
Marília – NAP/UNIMAR, 2012. lia de Toledo. Orientações para apresentação de
trabalhos acadêmicos. Campinas: Pontifica Uni-
FRANÇA, Júnia Lessa; BARROCA, Mariali- versidade Católica de Campinas, 2007.
ce Martins; SILVA, Moema Brandão da. Curso
de atualização em normalização bibliográfica MEDEIROS, J. B; ANDRADE, Maria Margari-
CANB: modalidade a distância. Belo Horizonte: da. Manual para elaboração de referências biblio-
UFMG, 2010, p.182. Apostila. gráficas: a nova NBR 6023:2000 da ABNT. São
Paulo:Atlas, 2001. 192p.
FRANÇA, Júnia Lessa; VASCONCELLOS, Ana
Cristina de. Manual para normalização de publi- MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a
cações técnico-científicas. 7. ed. Belo Horizonte: prática de fichamentos, resumos, resenhas. São
UFMG, 2007. 242 p. Paulo: Atlas, 2004.

GALLIANO, A. Guilherme. O método científico: MINAYO, Maria Cecília de Sousa (Org.). Pes-

Todos os direitos autorais desta apostila foram cedidos ao Júlio Martins e registrado na Biblioteca Nacional 79
UNIDADE V: CUIDADOS PARA PESQUISADORES INICIANTES

quisa social: Teoria, método e criatividade. Petró- para documentos impressos e eletrônicos. Cam-
polis: Vozes, 2001. pinas: Autores Associados; Editora da Unicamp,
2000.
MÜLLER, Mary Stela; CORNELSEN, Julce.
Normas e Padrões para teses, dissertações e SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do
monografias. 5ªed. Londrina: Eduel, 2003. trabalho científico. 22ª ed. São Paulo: Cortez,
2002.
OLIVEIRA NETTO, Alvim Antônio. Metodologia
da pesquisa científica: guia prático para apresen- THOMAS, Jerry R; NELSON, Jack K; SILVER-
tação de trabalhos acadêmicos. 3. ed. Florianó- MAN, Stephen J. Métodos de Pesquisa em Ativi-
polis: Visual Books, 2008. dade Física. 6. ed. São Paulo: Artmed,2012.

PÁDUA, E. Metodologia de pesquisa: aborda- VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relató-


gem teórico-prática. Campinas:Papirus, 1996. rios de pesquisa em administração. 8. ed. São
Paulo: Atlas, 2007.
PARRA FILHO, Domingos; SANTOS, João Al-
meida. Apresentação de Trabalhos Científicos: VIANELLO, Luciana Peixoto. Apostila de Méto-
monografia, TCC, Teses e Dissertações. São dos e Técnicas de Pesquisa. Ensino à Distância
Paulo: Ed. Futura, 2000. – EAD. Pós-graduação lato sensu da UNA, Belo
Horizonte/MG, 2011, 120 p.
PASQUARELI, Maria Luiza Rigo. Normas para
apresentação de trabalhos acadêmicos: ABNT/
NBR 14724. Osasco: UNIFIEO – Centro Univer-
sitário FIEO, 2002.

POPPER, Karl S. A lógica da pesquisa científi-


ca. 2. ed. São Paulo: Cultrix, 1975a.

RODRIGUES, Willian Costa. Metodologia Cien-


tífica. Paracambi: FAETC/IST, 2007.

SANTOS, Antônio Raimundo dos. Metodologia


científica: a construção do conhecimento. 7. ed.
Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

SANTOS, Gildenir; SILVA, C. Manual de orga-


nização de referências e citações bibliográficas

80 APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


UNIDADE V: CUIDADOS PARA PESQUISADORES
INICIANTES

GABARITO DOS TESTES DE CONHECIMENTO

UNIDADE I – CIÊNCIA E CONHECIMENTO


1-C 2-D 3-D 4-E 5 -A 6-B 7- A

UNIDADE II - A PESQUISA E OS NOVOS CONHECIMENTOS


1-C 2-E 3-A 4-B 5-E 6-C
7-C 9-E 11 - (4, 6, 1, 11,
8-C 10 - B 5, 7, 3, 9, 2, 10, 8)
12 - B
13 - C 14 - E 15 - B 16 - D 17 - A 18 - E
19 - C 20 - B

UNIDADE III - O PROJETO/PLANO DE PESQUISA


1-C 2-B 3-C 4-D
5-E 6-D 7-C 8-E
9-B 10 - D 11 - B 12 - E
13 - D 14 - A 15 - (2, 1, 4 e 3) 16 - E
17 - E

UNIDADE IV - O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO


1-C 2-B 3-E 4-D
5-E 6-A 7-B 8-C
9-E 10 - B 11 - D 12 - D
13 - A 14 - C 15 - E

APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA 81

Você também pode gostar