Você está na página 1de 18

BIOS:

BOOT, POST e CMOS


Disciplina: Montagem e Manutenção de
Computadores

Professor: Thiago Silva Prates


BIOS


BIOS é um acrônimo Basic Input/Output System
(Sistema Básico de Entrada/Saída) é o nível mais baixo de
software no computador.

Age como interface (intermediário) entre o hardware
(principalmente processador e chipset) e o sistema
operacional (Windows, Linux, etc).

Tem como funções principais:
– Iniciar a placa-mãe.
– Verificar os dispositivos instalados.
– Carregar o sistema operacional.
BIOS


É possível visualizar e alterar algumas informações do seu
computador, tais como:
– Ajustar o relógio do sistema.
– Verificar a temperatura da placa-mãe e do
processador.
– Conferir a velocidade com a qual o cooler está
girando.
– Entre outros.

Também determina se o boot do PC será feito pelo disco
rígido, drive de CD/DVD ou dispositivos USB.
BIOS


A BIOS fica gravada
dentro de um chip com
memória ROM (Read Only
Memory).

Fabricantes podem tornar
possível atualizar o BIOS.

Antigamente, era um
procedimento
considerado perigoso, já
que sem o BIOS a placa-
mãe não funciona.
Fabricantes de BIOS


Algumas fabricantes são:
– AMI (American
Megatrends, Inc.)
– Award
– Phoenix
– Quadtrel
– Mr. BIOS
POST


POST (do inglês, Power-On Self-Test ou Autoteste de
Inicialização) é um programa de diagnóstico embutido que
checa o hardware, assegurando que tudo está
funcionando perfeitamente.

Emite alguns bipes (sons) e para o processo de BOOT
quando encontra algum problema.
– Os padrões de bipes podem ser utilizados para
diagnosticar muitos problemas de hardware do
computador.
BOOT


Uma das mais importantes funções executadas pela BIOS
é o BOOT (carregamento do sistema operacional na
memória principal – memória RAM).
CMOS


CMOS (do inglês,
Complementary Metal
Oxide Semiconductor) é
um tipo de memória
volátil que serve para
armazenar as
configurações do
SETUP.

Necessita de uma
bateria para não
perder os dados para
quando a alimentação
elétrica é cortada.
CMOS SETUP


Programa que grava as configurações que serão
utilizadas pela BIOS, sendo armazenadas na CMOS.

O SETUP define as configurações de hardware da
máquina.

Os famosos overclock e underclock, que nada mais são
do que alterar a velocidade de clock do processador,
também são feitos por meio das configurações de SETUP.

É recomendável usar os valores padrão sugeridos
pelo fabricante da placa-mãe.
CMOS SETUP
Sequência de BOOT (parte 1)

Exemplo de uma sequência de BOOT:


1. A fonte de força interna é ligada e inicia a BIOS. A fonte de
força leva algum tempo até ser capaz de gerar energia
estável para o resto do computador. Então o chipset gera
um sinal de reset para o processador até que ele receba
um sinal de energia estável da fonte de força.
2. Quando o sinal de reset cessa, o processador está pronto
para executar. O processador é pré-programado para
acessar primeiramente a ROM e executar o BIOS.
Sequência de BOOT (parte 2)

3. O BIOS executa o POST. Caso ocorra algum erro fatal


em algum teste do POST, o processo de BOOT para. O
POST emite códigos sonoros ou luzes no painel frontal do
gabinete para identificar o erro.
4. O BIOS executa outros BIOS de outros dispositivos
(exemplo, placa de vídeo, HD SCSI).
5. Caso o BIOS suporte o padrão Plug- and-Play, ele detecta
e configura todos os dispositivos PnP.
6. O BIOS exibe uma tela de sumário mostrando a
configuração do sistema. Ela é difícil de ser lida porque
muitas vezes é mostrada no monitor muito rapidamente.
Sequência de BOOT (parte 3)

7. O BIOS procura o dispositivo de BOOT, de acordo com a


seqüência de BOOT armazenada no CMOS. CMOS é um
pequena memória RAM que armazena informações de
configuração de hardware. Exemplo de sequência de BOOT:
USB, CD-ROM, HD e placa de rede.
8. Tendo identificado o dispositivo de BOOT (dispositivo que
contém o sistema operacional), o BIOS procura pelas
informações de BOOT, para que o carregamento do
sistema operacional possa começar.
9. O BIOS procura pelo MBR (Master Boot Record) no
cilindro zero, cabeçote zero e setor um (o primeiro setor
do disco). Caso o BOOT seja pela USB, ela também
procura pelo volume BOOT (similar ao MBR do HD).
Sequência de BOOT (parte 4)

10.O BIOS inicia o processo de carregamento do sistema


operacional para a memória RAM utilizando as
informações contidas no setor de BOOT. A partir deste
ponto as instruções contidas no setor de BOOT passam a
comandar o computador.
11.Caso nenhuma informação seja encontrada no setor do
primeiro dispositivo da sequência de BOOT, tenta-se o
segundo dispositivo e assim consecutivamente até que
as instruções para o carregamento do sistema
operacional sejam encontradas.
UEFI


UEFI do inglês Unified Extensible Firmware Interface é
basicamente um substituto ao BIOS.

Melhoria na interface e maior interatividade.

O sistema operacional é carregado mais rápido quando
comparado com o carregamento da BIOS.
– O grande problema é que o BIOS é o mesmo por quase
três décadas, uma vez que não foi desenvolvido
pensando a longo prazo, prejudicando o desempenho
em sistemas mais modernos.
UEFI
GRUB


GRUB é a sigla para GRand Unifield Bootloader. Trata-se
de um gerenciador de boot desenvolvido inicialmente por
Erich Stefan Boleyn e disponibilizado como software livre.

Entre seus principais recursos está a capacidade de
trabalhar com diversos sistemas operacionais, como o
Linux, o Windows e as versões BSD.

Um alternativa ao GRUB é o LiLo (sigla Linux Loader)
mais antigo.
Referências


Montagem e Manutenção de Computadores. Secretaria
de Estado e Educação do Governo de Minas Gerais –
SENAC.

MORIMOTO. C. Hardware: o guia definitivo. GDH Press.

https://www.vivaolinux.com.br/artigo/O-gerenciador-de-boot
-GRUB

https://www.hardware.com.br/termos/uefi

http://homepages.dcc.ufmg.br/~cesarfmc/classes/manut2/T
eoricaSetup.pdf

https://www.tecmundo.com.br/o-que-e/244-o-que-e-bios-.ht
m