Você está na página 1de 219

Teoria Aritmética de Números

notas de aula – 2019.07.02.16.45

Jerônimo C. Pellegrini

id:

c84e90bdf13e5dda8bfaff81a4e0926f06da182f

Sumário

Sumário

 

3

Nomenclatura

 

9

1 Introdução

 

1

1.1

Conjuntos e Relações

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

2

1.2

Indução

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5

2 Números

 

9

2.1

Naturais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

9

2.1.1 Independência dos axiomas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

10

2.1.2 Aritmética

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

11

2.1.3 Ordem

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

14

2.2

2.1.4 Um modelo para N

Inteiros e Racionais .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

15

16

2.2.1

. Definições e Modelos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

2.3

Anéis

3 Bases

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

18

23

3.1 Naturais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

23

3.2 Racionais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

25

4 Divisibilidade

 

29

4.1

Divisão

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

29

4.2 MDC, MMC (em anéis com ordem total)

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

32

4.2.1 Coeficientes de Bezout: algoritmo estendido de Euclides . 35

4.3 Anéis sem ordem total: Inteiros Gaussianos

 

38

5 Primalidade

47

5.1 Fatoração Única em Z

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

47

5.2 Infinitos primos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

48

5.3 Fatoração Única em Dominios Euclideanos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

52

3

4

SUMÁRIO

6 Congruências

57

6.1 Relações de congruênca e aritmética modular

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

57

6.2 Aplicação: critérios de divisibilidade

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

62

6.2.1

Em bases diferentes .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

63

6.3 Inversos módulo m

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

64

6.4 Congruências Lineares e Equações Diofantinas

 

65

6.5 O Teorema Chinês dos Restos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

68

6.6 O Teorema Chinês dos Restos, novamente

 

71

6.7 Congruências lineares em n variáevis

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

73

6.8 Congruências polinomiais de qualquer grau

 

74

7 Funções Aritméticas

 

83

7.1 Funções Multiplicativas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

83

7.1.1

Função µ de Moebius

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

86

7.2 Menor Inteiro (chão), x

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

90

7.3 π(n)

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

92

7.4 Crescimento de π(n)

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

93

8 Sistemas de Resíduos

 

101

8.1 Sistemas completos e reduzidos de resíduos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 101

8.2 Raízes primitivas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

105

8.3 Raízes primitivas com módulo primo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

110

8.4 Grupos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

112

8.4.1

O grupo de unidades

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

114

9 Resíduos Quadráticos

 

117

9.1 Resíduos Quadráticos

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

117

9.2 Reciprocidade Quadrática

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 121

9.2.1 Demonstração Geométrica de Eisenstein

 

122

9.2.2 Demonstração de Rousseau

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

127

9.3 Método para resolução de congruências quadráticas

 

129

9.3.1 Módulo primo

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

129

9.3.2 Módulo potência de primo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

130

9.3.3 Módulo composto

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 131

9.3.4 Equação geral do segundo grau

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 131

10Corpos Quadráticos

 

137

10.1Divisibilidade

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 141

11Soma de Quadrados

 

145

11.1Existência de representação como soma de dois quadrados

 

145

11.2Quantidade de representações

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

148

11.3Soma de quatro quadrados

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 151

11.4Soma de tres quadrados

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

154

SUMÁRIO

5

12Formas Quadráticas Binárias

 

157

12.1O grupo modular

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

157

12.2Formas quadráticas binárias

 

162

12.2.1Formas definidas .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

166

13Frações Contínuas

 

171

13.1Frações Contínuas Finitas e Números Racionais

.

.

.

.

.

.

.

.

. 171

13.2Frações Contínuas Infinitas e Números Irracionais

 

176

13.2.1Convergentes

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

177

. 13.4Frações Contínuas Periódicas

13.3Melhor aproximação

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 181

184

13.5Construção de R com frações contínuas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 186

13.6e é irracional

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 189

13.7π é irracional

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 191

13.8φ é irracional

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 194

13.9Exercícios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

195

14Partições de um Inteiro

 

197

14.1Funções geradoras

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

197

. 14.3Crescimento de p(n)

14.2Partições

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

198

. 201

14.4Exercícios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

201

Índice Remissivo

205

6

SUMÁRIO

Sobre este texto

Este texto é uma primeira introdução à Teoria de Números. Presume-se do leitor familiaridade com demonstrações, especialmente por indução e com o conceito de número complexo.

7

8

SUMÁRIO

Nomenclatura

Neste texto usamos marcadores para final de definições ( ), exemplos ( ) e

demonstrações (

de definições ( ), exemplos ( ) e demonstrações ( ). [ x 0 ; x

).

[x 0 ; x 1 , x 2 ,

, x n ] Fração contínua x 0

gina 173

+ 1/(x 1 + 1/(x 2 + · · · + 1/(x n ))), pá-

x

função menor inteiro x (teto de x), página 90

α

conjugado complexo de α., página 40

α

conjugado em corpo quadrático, página 137

discriminante de forma quadrática, página 163

x , [x] função maior inteiro x (chão de x), página 90

Γ grupo modular, página 158

Z conjunto dos números inteiros, página 16

Z/nZ Anel dos inteiros módulo n, página 58

Z[ω]

Z n

a m

a

p

x

inteiros quadráticos, página 140

Anel dos inteiros módulo n, página 58

Símbolo de Jacobi, página 119

Símbolo de Legendre, página 119

Inteiro mais próximo de x, página 43

mdc(a, b) máximo divisor comum de a e b, página 32

mmc(a, b) mínimo múltiplo comum de a e b, página 35

µ(n)

função µ de Moebius, página 86

N

conjunto dos números naturais, página 10

9

10

NOMENCLATURA

ω d ou (1 + d)/2 (conveniência de notação para inteiros quadráti- cos), página 140

ord p (n) ordem de p em n, página 48

φ(n)

quantidade de co-primos com n, menores ou iguais a n, página 83

π(n)

quantidade de primos menores ou iguais a n, página 92

O

F

Q n

rad n

grupo de unidades de inteiros quadráticos, página 142

resíduos quadráticos módulo n, página 117

radical do número n, página 98

Q conjunto dos números racionais, página 16

Q[ d] corpo quadrático, página 137

σ(n)

soma dos divisores de n, página 83

equivalência de formas quadráticas, página 164

equivalência de pontos em H, página 159

Tr(α)

traço de elemento em corpo quadrático, página 137

H meio-plano superior, página 159

U n

A/

grupo de unidades módulo n, página 114

partição de conjunto por relação de equivalência, página 4

a b (mod m) a é congruente a b módulo m, página 57

| b

a a divide b, página 29

b

a a não divide b, página 29

a (i)

i-ésimo convergente de irracional aproximado por fração contínua, página 177

d(n)

número de divisores de n, página 83

GL(n, F) grupo linear geral, página 158

LR m (x) menor resíduo congruente a x módulo m, página 122

M(N) função de Merten, página 99

N(n) quantidade de soluções da congruência a 2 1 (mod n), página 148

N(z)

norma do inteiro Gaussiano z, página 39

NOMENCLATURA

11

P(n)

quantidade de representações próprias de n com x > 0, página 148

p(n)

quantidade de partições de um inteiro, página 198

p i /q i i-ésimo convergente de irracional aproximado por fração contínua, página 177

quadint F anel de inteiros quadráticos, página 140

R(n) quantidade de representações de n, página 148

r(n)

quantidade de representações próprias de n, página 148

R[[x]]

anel das séries formais de potências na variável x, sobre o anel R, página 197

R n×n

matriz de Redheffer de ordem n, página 99

s(n)

sucessor de número natural, página 10

SL(n, F) grupo linear especial, página 158

Capítulo 1

Introdução

O objeto de estudo da Teoria dos Números é o conjunto dos números intei-

ros,

Como exemplo elementar, sabemos que um número escrito na base dez

é divisível por dois quando seu último dígito é par; e que é divisível por

cinco quando seu último dígito é zero ou cinco. Estas duas propriedades podem ser demonstradas sem grande dificuldade, embora damonstrações fáceis não sejam regra. Muito do desenvolvimento da Teoria dos Números se dá a partir de ob- servações: somente após observar em experimentos que há uma grande quantidade de números primos, perfeitos, de ternos Pitagóricos, e outros objetos, Matemáticos decidiram por conjecturar suas propriedades. Assim, embora muito do texto a seguir seja devotado a enunciar e demonstrar fatos sobre números, deve-se ter em mente que muitas das Definições e Teoremas que estudamos são fruto de longo e extenso trabalho de observação. Muito desse trabalho empírico foi realizado quando não havia computadores ou calculadoras – mas com a existência destes, a dificuldade deixa de ser o po- der computacional para fazer observações, e sim a intuição para decidir o que observar. É muito comum que enunciados sobre números inteiros sejam de mui- tíssimo simples expressão, passando a ilusão de que sua demonstração é, também, simples – e o oposto acontece! O conhecido Último Teorema de Fermat, por exemplo, afirma que para n inteiro maior que dois, a equação x n + y n = z n não tem soluções com x = 0. Esta afirmação foi feita sem demonstração 2 por Pierre de Fermat em 1637, e permaneceu sem demons-

, 2, 1, 0, +1, +2,

., e suas propriedades 1 .

1 Também de números não inteiros, quando há relação entre eles e os inteiros. 2 Fermat mencionou em uma margem de livro que tinha uma demonstração, mas não a deu porque “não cabia” ali (“É impossível separar um cubo em cubos, ou uma quarta potência em quartas potências, ou, em geral, uma potência maior que dois em potências similares. Eu des- cobri uma prova maravilhosa disso, que esta margem é demasiado pequena para comportar”). Dada a complexidade da demonstração que temos hoje, é crença comum entre Matemáticos

1

2

CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

tração até 1994, quando Andrew Wiles conseguiu finalmente – usando um ferramental matemático longe de ser trivial – garantir que de fato a propo- sição é verdadeira. No restante deste Capítulo tratamos de conceitos e técnicas prelimina- res – conjuntos, relações e demonstrações.

1.1 Conjuntos e Relações

Apresentamos brevemente algumas das definições que usamos, relaciona- das especialmente a conjuntos e relações.

Definição 1.1 (relação). Uma relação R entre dois conjuntos A e B é um subconjunto de A × B – o que significa que uma relação é um conjunto de pares ordenados. Quando (x, y) pertence à relação R, escrevemos xRy.

Em algumas situações pode ser conveniente representar uma relação como um grafo.

Definição 1.2 (simetria, antissimetria, reflexividade, transitividade). Uma relação R definida em um conjunto é

• simétrica se para todos a, b, aRb implica em bRa;

• antissimétrica se, para todos a, b, quando valerem tanto aRb como bRa, então a = b;

• reflexiva se para todo a, aRa;

• transitiva se para todos a, b, c, aRb e bRc implicam em aRc.

Definição 1.3 (relação de ordem). Uma relação é de ordem se é antissi- métrica, reflexiva e transitiva. Se há elementos que não se relacionam (ou seja, se existem a, b tais que nem aRb e nem bRa valem), então a relação é de ordem parcial. Caso contrário é de ordem total.

Definição 1.4 (relação de equivalência). Uma relação é de equivalência se

é simétrica, reflexiva e transitiva.

Exemplo 1.5. Defina uma relação R entre frações tal que

a

b

R

c ad = bc.

d

A relação R é de equivalência:

simetria: a igualdade é comutativa, logo af = bd implica bd = af;

que a demonstração de Fermat tivesse alguma falha sutil.

1.1.

CONJUNTOS E RELAÇÕES

3

reflexividade:

a

b

R

a b , porque ab = ab;

transitividade: suponha que

a

b

R

c

d e que

ad = bc

cf = ed,

e teremos portanto

logo

a

b

R

e .

f

af = bc

d

bc

f

ed

=

= be,

d c

c

d

R e

f

. Então

Exemplo 1.6. A semelhança de triângulos é, também, uma relação de equi- valência. Sejam ABC e DEF dois triângulos, e presuma, sem perda de ge- neralidade, que os comprimentos dos lados estão em ordem decrescente – ou seja, AB > BC > CA e DE > EF > FD. Dizemos que ABC e DEF são semelhantes quando vale a relação

AB

DE = BC

EF

= CA

FD

= k.

Denotamos ABC DEF; o valor k é chamado de razão de semelhança.

A relação de semelhança entre triângulos é de equivalência:

simetria: Claramente se ABC é semelhante a DEF, então DEF é se- melhante a ABC;

reflexividade: trivialmente, ABC é congruente a si mesmo, com razão de semelhança igual a um;

transitividade: Se ABC DEF e DEF GHI, então

AB

DE = BC

DE

GH =

= CA

FD

EF

EF

HI = FD

IG

= k.

=

k ,

4

CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

logo

e concluimos que

GH = DE

k

HI = EF

k

IG = FD

k

AB

GH = AB DE = kk

k

BC

HI

CA

IG

k

= BC EF = kk

k

= CA FG = kk ,

ou seja, ABC GHI, com razão de semelhança kk .

Definição 1.7 (classe de equivalência). Se R é uma relação de equivalência em um conjunto S, então a classe de equivalência de um elemento a S é

a b define uma classe de equivalência. É usual

Exemplo 1.8. Cada fração

{x S | xRa}.

tomar a fração com os menores valores absolutos possíveis para a e b como representante da classe:

3

4 representa a classe

a

b

:

3a = 4b .

Definição 1.9 (partição). Uma partição de um conjunto A é uma coleção

de conjuntos disjuntos A i cuja união é o próprio A.

Exemplo 1.10. O conjunto dos números inteiros Z pode ser particionado

em pares e ímpares.

Exemplo 1.11. Os vetores não nulos no plano podem ser agrupados de acordo com o ângulo que formam com o vetor (1, 0) T . O vetor (2, 0) T pertence ao conjunto V 0 ; já (1, 1) T pertence ao conjunto

V π/4

Não há qualquer vetor que pertença a mais de um conjunto V θ , e a união

de todos os V θ contém todos os vetores não nulos do plano. Assim, temos

uma partição.

Teorema 1.12. Seja R uma relação de equivalência em um conjunto. Então todas as classes de equivalência definidas por esta relação formam uma partição de A.

1.2. INDUÇÃO

5

Denotamos por A/ a partição de A definida pela relação de equivalên- cia .

Exemplo 1.13. O conjunto N × N é particionado pela relação R que defi-

nimos para frações. As classes de equivalência são disjuntas, e todo par em

N × N está em uma das classes.

1.2

Indução

Dado um predicado P a respeito de número naturais, se

(i)

P(0) vale;

(ii)

para todo natural k, a validade de P(k) implica na validade de P(k + 1);

então P(n) vale para qualquer n N.

Dizemos que P(0) é a “base”; que P(k) é a “hipótese de indução”; e que demonstrar P(k) P(k + 1) é o “passo de indução”.

Exemplo 1.14. Como primeiro exemplo, tome o predicado

P(n) = 9 n 2 n é divisível por 7

Começamos com a base, provando que P(0) vale:

9 0 2 0 = 1 1 = 0, divisível por 7

Agora realizamos o passo: provamos que P