Você está na página 1de 16

Licenciatura em Engenharia Eléctrica

Electrónica Digital

3oAno – 6oSemestre

Circuito Integrado Temporizador 555

(CI 555)

Discente:

Manuel Ndambindua Fernando Machava

Docente:

Eng.º Igídio Mutemba

Songo, Agosto de 2019


Licenciatura em Engenharia Eléctrica

Electrónica Digital

3oAno – 6oSemestre

Circuito Integrado Temporizador 555

(CI 555)

Discente:

Manuel Ndambindua Fernando Machava

Docente:

Eng.º Igídio Mutemba

Trabalho de investigação
realizado no âmbito da cadeira de
electrónica digital, concebido para
fins de avaliação.

Songo, Agosto de 2019


Índice
Índice de figuras .............................................................................................................................. 4

1. Introdução ............................................................................................................................... 5

1.1. Objectivo geral ................................................................................................................. 5

1.2. Objectivos específicos ...................................................................................................... 5

2. Metodologia ............................................................................................................................ 6

3. Circuito Integrado temporizador 555 (CI 555) ....................................................................... 7

3.1. Alguns conceitos básicos sobre CI 555 ............................................................................ 7

3.1.1. Definição de um circuito integrado........................................................................... 7

3.1.2. Circuito integrado temporizador 555 ........................................................................ 7

3.1.3. Flip-flop .................................................................................................................... 7

3.2. Constituição e princípio de funcionamento de um temporizador CI 555 ........................ 8

3.3. Modos de operação de um CI 555 .................................................................................... 9

3.3.1. Operação Monoestável.............................................................................................. 9

3.3.2. Operação astável ..................................................................................................... 11

3.4. Parâmetros nominais de funcionamento do CI 555 ....................................................... 12

3.5. Tipos de CI 555 .............................................................................................................. 12

3.6. Aplicação do CI 555 ....................................................................................................... 13

3.7. Vantagens e desvantagens do CI 555 ............................................................................. 13

4. Conclusão.............................................................................................................................. 14

Anexo ............................................................................................................................................ 15

5. Referências Bibliográficas .................................................................................................... 16


Índice de figuras
Figura 1: Vista em corte de um tipo de encapsulamento de CI de função fixa .............................. 7
Figura 2: Diagrama funcional interno de ........................................................................................ 8
Figura 3: encapsulamento e terminais de um CI 555. (Editado pelo autor). .................................. 8
Figura 4: Temporizador 555 conectado como um monoestável. Fonte: [1] ................................... 9
Figura 5: Operação monostável de um temporizador CI55. Fonte:[1] ......................................... 10
Figura 6: Operação monostável de um temporizador CI 555 no término de descarga. Fonte: [1] 10
Figura 7: Operação do temporizador 555 no modo astável. Fonte:[1] ......................................... 11
Figura 8: Tipos de invólucros de CI 555. Fonte [3] ...................................................................... 12
1. Introdução

O presente trabalho de investigação fala sobre o Circuito integrado Temporizador CI 555, que é
um dispositivo electrónico com largas aplicações no âmbito da electrónica sendo uma das mais
importantes criações no mesmo ramo.

É oportuno dotar-se de sólidos conhecimentos sobre os CI 555 principalmente para quem


pretende trabalhar com circuitos integrados. Os CI 555 possuem essa especialidade, de serem tão
importantes mais também de ser facilmente compreendidos.

Este trabalho faz constar ao longo do seu desenvolvimento subtemas organizados de forma
lógica e desenvolvidos de forma sintética para para tornar verdade que os CI 555 são facilmente
compreensíveis.

Após uma árdua investigação viu-se ser importante para uma plena percepção desse tema
evidenciar, ao longo do desenvolvimento deste trabalho os seguintes subtemas: Definição de um
Circuito Integrado, definição de CI 555, Terminais e encapsulamento de um CI 555, Constituição
e princípio de funcionamento, modos de operação dos CI 555, Parâmetros nominais de
funcionamento dos CI 555, Tipos, Aplicações, Vantagens e Desvantagens dos CI 555. Por tudo
isso sem duvidas, e sem considera-lo perfeito, este trabalho é uma opção óptima para ciência dos
CI 555.

1.1. Objectivo geral


O presente trabalho tem por objectivo geral abordar sobre o circuito integrado
temporizador CI 555
1.2. Objectivos específicos
• Definir circuito integrado
• Descrever a constituição e o princípio de funcionamento de um circuito integrado 555
• Apresentar os tipos, as aplicações, vantagens e desvantagens dos circuitos integrados
555

Página 5
2. Metodologia
A elaboração do presente trabalho foi baseada em pesquisas científico-didácticas com base em
manuais, artigos electrónicos, materiais digitais.

Página 6
3. Circuito Integrado temporizador 555 (CI 555)

3.1. Alguns conceitos básicos sobre CI 555

3.1.1. Definição de um circuito integrado


Antes de definir circuito integrado é oportuno esclarecer a distinção entre circuito eléctrico e
electrónico, portanto, os circuitos electrónicos diferem dos circuitos eléctricos por possuírem
interligações entre diversos componentes electrónicos, enquanto os circuitos eléctricos somente
têm conexões entre componentes eléctricos (capacitores, indutores e resistências).

Portanto um circuito integrado (CI), microchipe, chipe e nanochipe é um circuito


electrónico miniaturizado (composto principalmente por dispositivos semicondutores) sobre um
substrato fino de material semicondutor. A figura 1 mostra um exemplo de constituição física de
um CI.

Figura 1: Vista em corte de um tipo de encapsulamento de CI de função fixa

mostrando o chip interno com as conexões aos pinos de entrada e saída. Fonte: [1]

3.1.2. Circuito integrado temporizador 555


O temporizador 555 é um dispositivo, na forma de CI, versátil e amplamente usado pois pode ser
configurado em dois modos diferentes: multivibrador monoestável ou um multivibrador astável
(oscilador). Um multivibrador astável não tem estado estável oscilando entre dois estados
estáveis sem qualquer disparo externo.

3.1.3. Flip-flop
Outro elemento chave para a bem compreender o funcionamento de um CI555 é o flip-flop que é
um elemento de memória composto por um conjunto de portas lógicas.

Página 7
3.2. Constituição e princípio de funcionamento de um temporizador CI 555
O CI 555 é internamente constituído por: um divisor de tensão construído a partir de três
resistores iguais e em série que divide uma tensão de alimentação em três partes iguais; dois
comparadores de alto ganho que controlam um flip-flop que habilita-desabilita transístor de
descarga e um buffer para a amplificação do sinal de saída. A figura 2 mostra a constituição
interna de um CI 555.

Figura 2: Diagrama funcional interno de

um temporizador 555 (os números dos pinos estão entre parênteses). Fonte: [1]

A figura 3 mostra o encapsulamento e a nomenclatura dos terminais de um CI 555.

Figura 3: encapsulamento e terminais de um CI 555. (Editado pelo autor).

Página 8
Funcionamento: enquanto a entrada "Limiar" (Threshold) (pino 6) estiver num nível inferior a
2/3 de Vcc, a saída do comparador permanecerá no nível baixo. Quando esta tensão for superada,
a saída do comparador passará para nível alto, impondo na saída do flip-flop (latch) o nível alto.
O transistor de descarga fica directamente polarizado, passando à condução, e a saída do circuito
passa para nível baixo. Quando a tensão aplicada na entrada "Disparo" (Trigger) (pino 2) cai
abaixo de 1/3 de Vcc, a saída do comparador atua sobre a entrada S (Set) do flip-flop, fazendo
com que a saída Q passe para nível baixo. O transistor de descarga passa ao corte e a saída do
circuito passa para nível alto. Independentemente dos níveis de tensão presentes nas entradas
"Threshold" (pino 6) e "Trigger" (pino 2), se a entrada "Reset" (pino 4) estiver a nível baixo, a
saída Q do Flip-flop passa para nível alto e a saída do circuito (pino 3) passa para nível baixo,
assim permanecendo enquanto estas condições se mantiverem.

3.3. Modos de operação de um CI 555


Um temporizador 555 pode operar como um monoestável ou como um oscilador (astável).

3.3.1. Operação Monoestável


Para configurar o temporizador 555 como monoestável não-redisparável são usados um resistor e
um capacitor externos como mostra a Figura 4. A largura do pulso da saída é determinada pela
constante de tempo de R1 e C1 de acordo com a fórmula:

(equação 1)

Figura 4: Temporizador 555 conectado como um monoestável. Fonte: [1]

Página 9
A entrada de tensão de controlo (pino 5) é conectada a um capacitor de desacoplamento C2 para
evitar que um ruído afecte os níveis de disparo e limiar.

Antes que um pulso de disparo seja aplicado, a saída é nível BAIXO e o transistor de descarga
Q1 está ligado (on), mantendo C1 descarregado como mostra a figura 5(a). Quando um pulso de
disparo negativo (de nível ALTO para BAIXO) é aplicado no instante , a saída vai para nível
ALTO e o transistor de descarga é desligado (off), permitido que o capacitor C1 seja carregado
através de R 1 conforme mostra a parte (b) da figura 5.

Figura 5: Operação monostável de um temporizador CI55. Fonte:[1]

Quando C1 se carrega até 2/3 VCC, a saída retorna para o nível BAIXO em e Q1 é
imediatamente ligado, descarregando C1 como mostra a figura 6. Como podemos ver, a taxa de
carga de C1 determina por quanto tempo a saída permanece em nível ALTO.

Figura 6: Operação monostável de um temporizador CI 555 no término de descarga. Fonte: [1]

Página 10
3.3.2. Operação astável
A principal característica deste modo de operação do 555 é não possuir nenhum estado estável de
operação. Assim, o mesmo acaba por fornecer uma sequência de pulsos rectangulares, de valores
Vcc ou 0 V.

Inicialmente, o capacitor (C1) está descarregado e a tensão de disparo (pino 2) é 0 V. Isso faz
com que a saída do comparador B seja nível ALTO e a saída do comparador A seja nível
BAIXO, forçando a saída do latch, para nível BAIXO mantendo o transistor desligado.

Agora, C1 começa carregando através de R1 e R2, conforme indicado na Figura 7. Quando a


tensão no capacitor alcança 1/3 VCC, o comparador B comuta sua saída para o estado BAIXO; e
quando a tensão no capacitor alcança 2/3 VCC, o comparador A comuta sua saída para o estado
ALTO. Isso reconfigura o latch, fazendo com que a base de Q1 passe para o nível ALTO
desligando o transistor.

Nesta fase o capacitor começa a descarregar, fazendo com que o comparador A vá para nível
BAIXO. Quando o capacitor se descarrega para um valor abaixo de 1/3 V CC, o comparador
comuta para nível ALTO; isso configura o latch, fazendo com que a base de Q1 seja nível
BAIXO desligando o transistor. O processo se repete com o ciclo de trabalho dependente dos
valores de R 1 e R2. A frequência de oscilação é dada pela seguinte fórmula:

( )
(equação 2)

Figura 7: Operação do temporizador 555 no modo astável. Fonte:[1]

Página 11
3.4. Parâmetros nominais de funcionamento do CI 555
 O CI 555 pode operar em uma faixa de tensão de alimentação que varia de 4,5 a 18 V.
 CI 555 tem a capacidade de operar com frequência máxima de trabalho de até 1 MHz.

Os parâmetros aqui mencionados são num contexto geral dos CI 555,contudo, por forma a
conscientizar melhor sobre as características eléctricas de um CI 555 no anexo encontra-se um
catálogo do CI LM555, é adequado faze-lo pois as variações para cada CI não apresentam
grandes diferenças.

3.5. Tipos de CI 555


O circuito integrado 555, é fabricado por inúmeras empresas tradicionais de circuitos integrados
que normalmente agregam ao número 555 símbolos adicionais que permitem a identificação de
sua procedência.

Assim, podemos ter siglas como NE555, LM555, uA55, etc. que indicam qual é o fabricante do
componente como a Signetics (que o criou), National, Texas, Fairchild, etc.

O 555 pode ser encontrado em diversos tipos de invólucros, tais como: o DIL (Dual In Line) de 8
pinos, figura 8a); em invólucro redondo mas o circuito interno é exactamente o mesmo, figura8
a) e finalmente podem ser encontrados na versão SMD figura 8c).

Figura 8: Tipos de invólucros de CI 555. Fonte [3]

Página 12
3.6. Aplicação do CI 555
Por causa da sua polivalência, o temporizador 555 é um dos dispositivos que muito se aplica em
electrónica. De tantas destacam-se aplicações como:

 Modulador de largura de pulso;

 Temporizador de precisão;

 Relógio (gerador de onda quadrada);

 Delay (gerador de atrasos);

 Modulador de posição de pulsos;

 Gerador de rampa;

 Circuito monitorador de frequência;

 Circuito gerador de bips, etc.

3.7. Vantagens e desvantagens do CI 555


Além das várias aplicações do CI 555 é importante salientar que sua aplicação significa redução
de peso e tamanho dos dispositivos a fabricar, facto que dificilmente se alcança com os circuitos
eléctricos convencionais. Porém mesmo com tantas vantagens o CI possui a desvantagem de ser
um circuito composto por semicondutores que são muito sensíveis à variação de temperatura
apresentando problemas como danificação ou distorção de sinais de saída.

Página 13
4. Conclusão
Pelos conteúdos desenvolvidos ao longo deste trabalho, que sem dúvida esclarecem ter se
alcançado os objectivos específicos traçados para o trabalho é oportuno concluir em 4 pontos o
seguinte:

 O circuito integrado temporizador CI 555 é um dispositivo electrónico multifuncional por


isso merece destaque entre tantos nas aplicações em electrónica;
 A constituição interna CI 555 é caracterizada por dispositivos semicondutores, o que
viabiliza uma baixa dissipação de potência porém por ser assim constituído o CI é
dispositivo extremamente limitado pela temperatura do ambiente de operação
 Os CI 555 têm dois modos de operação nomeadamente monoestável, ou pulso único que
significa que, uma vez disparado, ele passa por uma mudança única de estado, voltando
depois de certo tempo ao estado inicial e astável ou instável, que significa que ele não
mantém um estado único, mudando, constantemente sem que haja necessidade de um
estímulo externo.
 Cada modo de operação tem suas variadas aplicações para o primeiro modo acima
mencionando, a título de exemplo pode citar-se o circuito temporizador para fecho e
abertura de portões e para o segundo modo de operação pode citar-se a aplicação no
controlo de velocidade de motores eléctricos através da modulação por largura de pulso.

Página 14
Anexo

Página 15
5. Referências Bibliográficas
[1]. FLOYD, Thomas L. Sistemas digitais: fundamentos e aplicações. 9 ed. Porto Alegre:
Bookman, 2007.

[2]. WIKIPEDIA: circuito eléctrico <https://pt.wikipedia.org/wiki/Circuito_elétrico> Acessado


ao 19 de Adosto de 2019 as 9 horas:50minutos.

[3]. BRAGA Newton C. O Circuito Integrado 555 Mágico. [S/ed]. São Paulo: 2016.

[4]. SILVA, Clodoaldo. Circuitos com 555. [s/ed]. [s/l]: 2012

[5]. Texas Instruments. LM 555 TIMER. 2015

Página 16

Você também pode gostar