Você está na página 1de 26

DOI: 10.22199/S07181043.1987.0008.

00005
Estudios Atacameños N° 8, pp. 39-64 (1987)

Pesquisas arqueológicas paleoindígenas


no Brasil ocidental

Eurico Th. Miller1

Introdução Meggers (si), Mário F. Simões (CNPq-Museu Goeldi)


e Eurico Th. Miller (PAR-SECET-RO).
O enfoque especial às pesquisas arqueológicas
paleoindígenas, através do Programa Paleoindígena Os resultados preliminares foram apresentados
(PROPA), sob os auspícios da Smithsonian Institution sucintamente em oito comunicações (Miller 1976,
(SI), iniciado em 1972, deve-se aos resultados pre- 1978 Ms-a, 1978 Ms-c, 1978 Ms-d, 1978 Ms-e,
liminares obtidos em 1968, no oeste do Rio Grande 1983, 1985, 1986).
do Sul (Miller 1969), quando do Programa Nacional
de Pesquisas Arqueológicas (PRONAPA). Ambiente e geologia

Além da SI, as pesquisas no Rio Grande do Sul Rio Grande do Sul. Nas regiões fisiográficas da
envolveram, diretamente. ao Museu Arqueológico Campanha e Missões no oeste do Rio Grande do
do Rio Grande do Sul (MARSUL) e à Fundação Sul, e dentre os municípios que estas comportam,
de Amparo à Pesquisa no Rio Grande do Sul foram pesquisados especialmente: Uruguayana e
(FAPERGS). Quaraí à sudoeste entre os rios Uruguay e Quaraí,
Alegrete e Itaquí no centro-oeste e, São Borja à
A continuidade dessas pesquisas, fora do Rio Grande noroeste (Figura 1).
do Sul, através: 1) do Programa Paleoindígena, e
Ao rio principal, o Uruguay (médio), seguem-se os
2) do Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas
rios Ibicuí ao centro da área. Quaraí ao sul, Icamaquã
na Bacia Amazônica (PRONAPABA), foi possí-
e Ijuí ao norte, arroio Touro Passo no centro-sul e,
vel sob os patrocínios da si, marsui, National
dezenas de córregos (arroios) menores. Somente o
Geographic Society (nGs) e Tinker Foundation,
rio Uruguay tem suas nascentes sobre o Planalto
para o Mato Grosso. Meridional (basalto-trapp), próximo ao litoral.
Em Rondônia, as pesquisas arqueológicas com re- Clima é vegetação
sultados paleoindígenas, devem-se ao pronapaba
e ao Programa Arqueológico de Rondônia (par) da O clima e do tipo Cfa2 (Köppen) subtropical com
Secretaria de Estado de Cultura, Esportes e Turismo quatro estações distintas. A temperatura média anual
(secet-ro). é pouco abaixo de 20°C, a média das máximas (ja-
neiro) pouco superior a 25°C e a média das mínimas
Esses Programas tornaram-se possíveis graças (julho) inferior a 15°C. As máximas absolutas podem
ao Convénio entre o Conselho Nacional de ultrapassar 40°C e as mínimas absolutas podem
Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) ser inferiores a –4°C. A média do mês mais quente
e a Smithsonian Institution, com aprovação da ultrapassa 26°C. A pluviometria normal anual está
Secretaria do Património Histórico e Artístico abaixo de 1400 mm e a mínima anual, pouco acima
Nacional (sphan) e a colaboração do Instituto de 600 mm, ocorre principalmente no autono (de
Nacional de Pesquisas da Amazônia (inpa); tendo março a maio). Os ventos predominantes são de
como directores científicos Clifford Evans, Betty J. SE e NE. A umidade relativa gira ao redor de 75%
com uma insolação entre 2500 e 2600 he evapora-
ção aproximada de 1600 mm. As geadas, como até
30 dias/ano, podem ocorrer de abril a novembro.
1 Co-genitor (1964-66), Pesquisador e Diretor do marsul O clima se torna seco e quente com o Ciclone do
(1966-80); Pesquisador do pronapa (1965-70), propa Chaco; seco e frio com o Anticiclone do Pacífico
(1972-77) e pronaPABA (1976-); Diretor do PAR-SECET-
RO (1974).
(Moreno 1961).

39
eurico th. miller

Figura 1. Localização dos sítios paleondígenas das fases Ibicuí (▲) e Uruguay (●).

A vegetação é composta basicamente de gramíneas e parte de Missões. No rio Uruguay ao longo dos
(campo limpo), matas ciliares descontínuas ao longo diques marginais percebe-se com muita nitidez o
dos rios e córregos e formações arbusto-arbóreas Estratotipo Miller-Varela (Correa 1980) composto
(capões) ao redor de brejos, no talvegue de vales e de cinzas vulcânicas, silt e areias; esse Estratoguia
base de encostas. está menos definido nos afluentes.

Geologia e geomorfologia Como testemunho da dissecação das superfícies


basaltica, metaquartzitica e arenítica, ocorrem ele-
Sobressaem as rochas basálticas da Serra Geral Grupo vações tabuliformes (mesa), quase sempre isoladas;
São Bento (Jurássico-Cretácio), o arenito Botucatu superfícies suavemente onduladas (coxilhas), com
(Jurássico) e pseudodiques de metaquartzito (arenito altitudes raramente acima de 200 m (Cerro do Jarau
silicificado) oriundo do pirometamorfismo entre a 308 m). As enchentes fluviais erodem ativamente os
lava e arenito. No arroio Touro Passo ocorrem os diques marginais e raramente inundam as planícies
sedimentitos da Formação Touro Passo (Bombim do rio Uruguay, ocorrendo o contrário nas planí-
1976), como provavelmente ocorrem nos pequenos cies dos tributários, que permanecem depositários
rios e córregos, junto ao rio Uruguay na Campanha de sedimentos, quando a vazão é contida pelo rio

40
Pesquisas arqueologicas paleoindigenas no Brasil Ocidental

Uruguay. As planícies dos tributários apresentam Considerações sobre a unidade estratigráfica II: à
coloração cinza escuro a preto, textura argilosa base do horizonte VI e topo do horizonte V. A unidade
muito plástica e pegajosa, com estrutura granular II apresenta sua porção inferior de cor branquicenta
a blocos subangulares e firmes. Datações de C14 com até 1.6 m de espessura. Por sua consistência é
atribuem cerca de 6500 anos AP para o início dessa a que mais resiste ao intemperismo e erosão fluvial,
formação (a mesma datação ocorre na base de solos podendo assumir a forma de “marquise” sobre a
negros do Pantanal do Guaporé-Rondônia). unidade III e formar patamares em relação à unidade
I no rio Uruguay e ocasionalmente no baixo curso
Estratigrafia dos afluentes. Ela tanto pode estar emersa como
imersa ao nivel médio do rio Uruguay, visto que
Em síntese, apesar de haver uma sequência sedi- se desdobra de acordo com a paleotopografia. Essa
mentar bastante similar, pela combinação litológica discordância permite levantar o paleotraçado das
e modificações climáticas, podemos observar quatro margens do rio Uruguay, ora diverso em relação ao
variantes maiores na estratigrafia às margens dos traçado Pleisto-Holocênico.
rios e afluentes, refletindo influências geológicas
ora locais ora distantes. A pesar dos exames acurados, o horizonte VI de até
110 cm de espessura da unidade II não apresentou
1ª variante: Ao longo do rio Uruguay e abaixo da nenhuma evidência arqueológica e/ou paleontológica,
confluência com o rio Ibicuí; a não ser pedotubulos paleofitológicos. Somente
quando em mergulho e quase submersa ao n.m.r., a
2ª variante: Ao longo do rio Uruguay e acima da porção superior desta unidade apresenta evidências
confluência com o rio Ibicuí; lítico-arqueológicas e outras (carvão). Estas particu-
laridades parecem testemunhar um período de clima
3ª variante: Ao longo do arroio Touro Passo e rio semi-árido, cerca de 9000 anos AP, quando o rio
Quaraí; Uruguay teria se contraido ao talvegue (Miller 1974,
Figura 1). Com o posterior aumento pluviométrico,
4ª variante: Ao longo do rio Ibicuí. os sítios paleoindígenas e do Arcaico Inferior foram
quase totalmente destruidos pela erosão fluvial;
Este sistema de variantes, subdivididas numa se­ esse modelo explicaria a ausência ou presença de
quência de até nove horizontes estratigráficos (Miller evidências arqueológicas, de acordo com a maior ou
1976) e agrupadas em três unidades estratigráficas menor altimetria da base da unidade II em relação
(Miller 1978 Ms-a), nos permite interrelacionar ao n.m. do rio Uruguay. Com a idéia de um clima
todas as ocorrências paleoindígenas, dentro de toda semi-árido também concorda a extinção e atulho de
a área pesquisada, tomando como referência a base leitos de canais de drenagem (arroios) com restos
da unidade estratigráfica II (horizontes V e VI) ou vegetais carbonizados da unidade III, pela unidade
horizonte V, composto de cinzas vulcânicas, consti- II, e a reabertura dos canais de drenagem noutros
tuindo-se num estratoguia (Estratotipo Miller-Varela) lugares próximos, através da unidade I, atingindo
(Correa 1980). Análises mais recentes sugerem as vezes o embasamento rochoso.
uma datação ao redor de 10400±110 AP (N-2521)
para esse estratoguia. A unidade estratigráfica III Mato Grosso e Rondônia. Os sítios paleoindígenas
(horizontes VII a IX) é a que contem as evidências nesses Estados, conhecidos no presente, encontramse
paleoindígenas propriamente ditas (mais de 12000 nos vales dos rios Guaporé, na encosta superior da
AP) e as evidências “paleoindígenas remanescentes” Chapada dos Parecis (mt e ro) e nos sedimentos
(Ab’saber in Schmitz et al. 1978/79/80, com menos atualmente sempre imersos nas águas do alto rio
de 12000 AP (Tabla 1). Madeira (ro).

Portanto as evidências arqueológicas abaixo da Clima e vegetação


unidade II pertencem ao Período Paleoindígena
(Figura  2). Pelo menos nas porções dos baixos Actualmente o clima é do tipo Am (Köppen) para
cursos dos afluentes do rio Uruguay, e neste, desde toda a área de Rondônia e Aw no Mato Grosso. O
o rio Icamaquã até o rio Quaraí (Brasil, Argentina tipo Am corresponde ao Tropical chuvoso e o mês
e Uruguay), este modelo com base no Estratotipo mais frio com temperatura sempre acima de 18° C;
Miller-Varela é perfeitamente aplicável. corresponde às florestas com chuvas do tipo monção.

41
eurico th. miller

Figura 2. Vista parcial do sítio RS-IJ-67 da Fase Uruguay mostrando a camada de ocupação abaixo da unidade II.
As setas indicam líticos “in loco”: a, d) lascas; b-c, e-f) núcleos.

A estação seca é de pequena duração, mas suficien- O bioclima (Gaussen) é respectivamente Xeroquimênica
temente úmido para a existência de florestas. O Aw Sub-termaxérica (seca curta), e Termoxeroquimênica
refere-se às savanas tropicais, com verão úmido e (seca de quatro meses).
inverno seco.

42
Pesquisas arqueologicas paleoindigenas no Brasil Ocidental

A precipitação anual máxima é de 2250 mm e a Años AP Sítio N° Lab.


mínima de 1500 mm. A umidade relativa acha-se
Fase Uruguay
entre 85-80%. A temperatura média anual é de 25 e
24°C. O regime de temperatura e umidade do solo 8585±115 RS-IJ-67 SI-2636
é o Údico e o Ústico para o Planalto dos Parecis e 9035±100 RS-I-99 SI-3755
regiões serranas. 9120±340 RS-I-70 SI-2632
9230±145 RS-I-67 SI-2625
A região do alto rio Madeira, fitoecologicamente 9450+115 RS-I-72 SI-2634
compreende uma região de floresta tropical aberta, 9595±175 RS-IJ-67 SI-2637
uma sub-região de superfície dissecada, de forma- 9605±120 RS-I-97 SI-3754
ção submontana e relevo ondulado. Pequenas áreas 9620±110 RS-I-69 SI-2631
de tensão ecológica em formações submontanas e 9840±105 RS-I-67 N-2519
relevo dissecado; terraços aluviais. Pequenas áreas 9855±130 RS-IJ-67 SI-3749
de savana parque, de floresta densa e planície aluvial. 10180±110 RS-I-98 SI-3752
A encosta da Chapada dos Parecis é uma região de 10200±125 RS-I-69 N-2522
cobertura florestal estacional semidecidual tropical 10240±80 RS-I-69 Sl-3106
submontana, com tensão ecológica e contato com
10400±110 RS-I-69 N-2521
savana (Brasil, DNPM 1979).
10800±150 RS-I-69 N-2523
10810±275 RS-I-66 SI-2622
Geologia e geomorfologia
10985±100 RS-I-69 SI-2630
Embasamento de rochas do Complexo Xingu. 11555±230 RS-IJ-68 SI-3750
Formação Solimôes no alto rio Madeira com restos Fase Ibicuí
animais e vegetais, cobertura de argilitos, siltitos 12690±100 RS-Q-2 SI-2351
e arenitos; depósitos de planície de inundação. 12770±220 RS-I-50 SI-801
Áreas do grupo Uatumã com grupo Beneficiente: Sem associação cultural
arenitos, siltitos eargilitos. Na Chapada dos Parecis 12690±100 RS-Q-2B SI-2351
ocorre cobertura de arenito da Fazenda Casa Branca 17830±230 RS-I-50B SI-2349
(Carbonífero-Permiano) e Formação Parecis: areni- 17850±190 RS-I-50C SI-2348
tos finos (Cretáceo); sobre esta formação ocorrem 19350±240 RS-I-2 SI-2352
testemunhos de capeamento basaltico. No alto rio 29800±200 RS-Q-3 SI-2353
Madeira predominan as formas de relevo de superfí- 33600±1500 RS-Q-7 SI-2350
cies pediplanadas e transição para áreas dissecadas,
interfluvios tabulares, colinas, pontões e áreas de Tabla 1. Dataçôes dos sítios paleoindígenas das Fases Ubicuí e
acumulação inundáveis. No Chapadão observa-se Uruguay.
encimando a cuesta arenitica, superfícies tabulares
e, a montante, relevos escalonados (Brasil, DNPM
1979). unidades estratigráficas distintas (com datações C14
somente no sítio mt-GU-1, ver Tabla 2).
Estratigrafia em abrigos
Unidade Superior: de zero a 230 e 430 cm (respec-
As evidências Paleoindígenas, conhecidas na tivamente RO-RO-07 e mt-GU-01) de espessura.
Chapada dos Parecis, ocorrem em abrigos-sob- Solo arenoso cinza claro, com pequenos blocos
rocha, com 75 x 25 x 12.5 m e 39 x 12 x 8 m. Por (2-10 cm) areníticos provenientes do teto dos
não constituirem sítios-habitação a contribuição à abrigos. Essa unidade, em sua base de contato com
sedimentação e composição do solo foi praticamente a Unidade Inferior, apresenta um horizonte transi-
mínima. Os sedimentos são coluvios arenosos, cional gradual, com 30 e 90 cm de espessura, solo
fracamente argilosos, resultante da decomposição arenoso cinza esverdeado para cinza rosado escuro
e fragmentação da rocha arenitica que contém os junto ao contato, com uma data C14 de 7970±75 AP
abrigos, mais blocos de rocha vulcânica (basalto) (SI-3475). Na porção superior ocorrem evidências
que capeia partes da chapada, desabados em frente culturais de grupos ceramistas e, na porção inferior,
aos abrigos, onde o solo é areno-humoso. Nos 340 e pre-cerámicos arcaicos.
800 cm das escavações, os perfis apresentaram duas

43
eurico th. miller

Unidade Inferior: Com mais de 70 e 370 cm (ro- (km 271.375 da EFMM, km O em Porto Velho) a
ro-07 e MT-GU-01) de espessura (sem atingirem 50, 75, 100 e 125 m E da margem direita.
o início da ocupação humana). O contato dessa
unidade com a Unidade Superior coincide com Unidade Superior, com espessuras de 2.5 a 8 m,
um horizonte de paleossolo pouco desenvolvido, constituída essencialmente por argila avermelhada
cinza escuro, com 15% de pequenos blocos de e silte, apresenta coloração variegada de vermelho
rocha arenitica angular estratificada proveniente para esbranquiçada e cinza.
dos tetos dos abrigos, que aumentam drasticamente
de tamanho (até 120 x 150 x 300 cm) com a pro- Unidade Mediana, com predominância de argila
fundidade. O paleossolo apresenta uma espessura arenosa fina e silte com algumas porções laterizadas,
de 42 e 86 cm; na porção inferior entre 480-500 coloração variegada de cinza claro a avermelhada,
cm apresenta as datações C14 de 8930±100 anos com espessuras de 4 a 9 m. Ocorrem restos vegetais
AP (SI-3736) e 10600±130 anos AP (N-3223). Do conservados em vários horizontes.
paleossolo para baixo com coloração transicional
de cinza escuro para cinza, entre 540 e 550 cm, Unidade Basal, representada normalmente pelas
ocorrem duas datas C14 de 11800±110 anos AP frações grosseiras correspondendo a areia grossa
(N-3226) e 12300±95 anos AP (SI-3477) datam argilosa e cascalho de seixos de quartzo, silte argiloso
possivelmente a transição Pleistoceno-Holoceno. Aos cor cinza com horizontes finos de laterita, grãos de
530-540 cm e 560-580 cm, duas datas de C14 com quartzo e argila cor cinza a amerelado, com seixos de
14700±195 anos AP (N-2359) e 14470±450 anos AP quartzo sobre o leito rochoso. Em vários horizontes
(SI-3738) datam a transição de solo cinza para cinza ocorrem restos vegetais preservados. A espessura
claro com presença de pequenos e grandes blocos desta unidade varia entre 6.60 e 8.20 m.
de arenito e rocha vulcânica (basalto) em frente ao
abrigo (Figura 19). As datações abaixo de 580 cm são Leito do rio: Local Serraria a montante da Cachoeira
provenientes de amostras de carvão muito pequenas dos Periquitos. Sondagens sobre a linha 280
e mais recentes. Existem datações de dentro, de (km 280 da EFMM) a 50, 150, 250 e 350 m da
fora, e justapostas à linha de projeção de entrada do margem direita.
abrigo. Nessas três posições observam-se vertical e
horizontalmente, discordâncias, que não invalidam a Unidade Superior, com espessuras de 6 até 8.50 m,
sequência cronológica, visto as datações selecionadas composta essencialmente por areia fina a média
serem coerentes estratigraficamente (Tabla 2). Porém, micácea, cinza escuro a amarelada e pontuações
necessário se faz que outras sequências, análogas escuras com tonalidade marron, e grãos de quartzo
cronológica e estratigraficamente, sejam encontradas anguloso. Ocasionalmente ocorrem restos arqueoló-
para verificar a credibilidade destas datações. gicos cerâmicos e ossos humanos não mineralizados,
bem como da biota, não mineralizados.
Estratigrafia no rio Madeira
Unidade Mediana, predominância da fração arenosa
As evidências paleoindígenas do Complexo Periquitos fina, com mica, cinza a marrom. Possui as vezes
ocorrem, até o presente, no leito do alto rio Madeira contribuições argilosas de coloração variegada
junto à Cachoeira dos Periquitos. As amostragens de cinza a marrom claro. Ocorrem finas camadas
de sedimentos em dezenas de sondagens à O e E, de cascalho com seixos de quartzo, silex, arenito
transversal à margem direita do rio acima e abaixo e restos de madeira preservada. Ocasionalmente
das cachoeiras, elaboradas pela Companhia de ocorre material grosseiro com seixos de quartzo e
Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), forne- grânulos de silex e lateritas. A espessura da unidade
ceram colunas estratigráficas que, a grosso modo, varia de 2.5 a 7 m.
apresentam un conjunto de três unidades litológicas
da superfície do solo e espelho de água até o leito Unidade Basal, representada normalmente pelas
de rocha, desde a planície adjacente à margem até frações grosseiras correspondendo aos depósitos
próximo ao talvegue. residuais de fundo é considerada de grande inte-
resse na prospecção paleoindígena e da paleobiota,
Margem do rio: Sondagem em setembro/84, no devido sua posição diretamente sobre o lito de
auge da estiagem, em várias cachoeiras; Cachoeira rocha e cronologia transicional pleisto/holocêni-
dos Periquitos, sítio RO-GM-12, linha 271.375 ca. A espessura varia entre 0.95 (margem) e 4.65

44
Pesquisas arqueologicas paleoindigenas no Brasil Ocidental

Profundidad Cuadrículas
(m) M-11/12 N-11/12 O-11/12
315±70
N-2357
2.10-2.20
115±55
SI-3105
5760±60 9410±120
SI-3473 N-3227
3.50-3.60
6460±100 9245±120
N-3222 SI-3739
6130±65
SI-3104
3.65-3.75
7810±110
N-2358
11600 ±115
3.70-3.80 N-3055
7190±70
3.80-3.90 SI-3474
7970±75
4.00-4.10 SI-3475
5900±105
4.60-4.80 N-3056
8930±100*
SI-3736
4.80-5.00
10600±130*
N-3223
6730±85 7530±105*
N-3057 N-3224
5.00-5.20
10405±100*
SI-3476
9775±70*
SI-3737
5.20-5.40
11300±140*
N-3225
14700±195
5.30-5.40 N-2359
11800±110*
N-3226
5.40-5.50
12300±95*
SI-3477
7630±95*
N-3058
5.40-5.60
7695±65*
SI-3740
5730±60 7950±115
5.50-5.60 SI-3478 N-3059
6900±65* 14470±450
SI-3741 SI-3738
5.60-5.80
7220±85*
N-3060
7130±85 9370±70
5.80-6.00 N-3061 SI-3479
6470±110
6.00-6.20 N-3062
7875±85
6.30-6.40 SI-3481
9115±160
6.50-6.60 SI-3482

← Interior Projeção do teto hoje Exterior →



Linha de gotejamento aproximada.

Tabla 2. Dataçôes do sítio MT-GU-1, com procedência vertical e horizontal. * indica datações obtidas duma única amostra dividida e
datada em dois laboratórios.

45
eurico th. miller

(aos 350 m) m e constitui-se de areia com granulo- Nas etapas de campo de 1972 a 1977 e espora-
metria média a grosseira em tons variegados de cinza dicamente até a atualidade, sempre na estiagem
com seixos de quartzo e silex normalmente subar- no verão (de dezembro a fevereiro) e as vezes no
redon-dados até 4 cm e fragmentos de composição outono até os primeiros sinais do frio invernal (em
laterítica. São comuns horizontes ou finas camadas de maio/junho) foram reambuladas in loco algumas
natureza conglomerática com sedimentos elásticos, áreas selecionadas, determinando a presença do
cascalho de seixos e fragmentos de quartzo, granito, Estrato-guia e de paleocanais, junto as bacias de
gnaisse, silex, anfibolito, arenito, etc., intensamente drenagem.
cimentados por silicificação; nesses horizontes são
encontrados ossos fósseis de megafauna extinta e No rio Uruguay, o Estrato-guia se destaca dos demais
humanos, bem como alguns prováveis implementos estratos por sua resistência a erosão, formando por
líticos, lascas, percutores ou seixos com evidências vezes como que uma marquise, que protege os sítios
concentradas em uma das estremidades. das chuvas, mas não da erosão fluvial (Figura 3).
Nos afluentes o Estrato-guia não se destaca com
Entre as Unidades Basais da margem e do leito do rio, tanta nitidez, apresentando por vezes uma transição
ocorre alguma similaridade sedimentar e litológica; gradual.
as diferenças litológicas aparecem e se acentuam a
medida que se atinge a Unidade Superior. Essa simi- Os sítios foram prospectados através de cortes-
laridade entre as Unidades Basais pode representar experimentais e cortes estratigráficos, a partir do
a preservação de horizontes (ou porções destes) da Estrato-guia (inclusive) mesmo aqueles encobertos
transição Pleistoceno/Holoceno. por dique marginal íngreme, resultando um pequeno
“abrigo” paralelepipediforme.
Metodologia de campo
Precedendo os cortes, foram coletadas todas as
Rio Grande do Sul. As pesquisas de campo de 1967 evidências culturais e eventualmente ósseas fósseis,
a 1968 permitiram relacionar os sítios paleoindíge- que jaziam sobre o solo, após as erosões fluviais
nas a características estratigráfico-geomorfológicas anuais (Figura 4). Algumas coleções, sempre não
envolvendo aspectos como: selecionadas, além de artefatos da Fase Uruguay paleo-
indígena, apresentaram desde líticos do Complexo
1) Estrato-guia composto de cinzas vulcânicas, Itaquí Arcaico, até evidências lito-cerâmicas das
sobre os sítios (Estratotipo Miller-Varela) (Correa fases Icamaquã ou Ibirapuitã. Estas coleções obvia-
1980: 10, 11). mente não foram consideradas no contexto da Fase
Uruguay, mas, tão somente as coleções escavadas,
2) Paleocanal de drenagem. in loco, nos estratos intáctos.

3) Paleobacias de drenagem, assoreadas, e reativa- Os cortes foram efetuados em camadas de 10 em


das no Holoceno até o presente. 10 cm seguindo o gradiente das superfícies estrati-
gráficas, nos estratos com mais de 10 cm de espessura;
4) Diques marginais desnudados. nas de menor, a espessura se restringia à respectiva
potência. Estratos lodo-argilosos foram separados dos
Com base nas características dos itens 3 e 4 de- arenosos, composição presente na porção inferior do
termináveis em fotos aéreas e folhas cartográficas conjunto de estratos paleoindígenas, e sub divididos
1: 100.000 da Diretoria do Serviço Geográfico - DSG/ quando com mais de 10 cm de potência, seguindo
1° DL, foram demarcadas todas as áreas com possível as “varvas” de deposição fluvial. As camadas foram
ocorrência de sítios arqueológicos Paleoindígenas, decapadas preferencialmente com instrumental de
junto ao rio Uruguay, afluentes maiores e menores, madeira, osso e plástico, em movimentos paralelos
nas regiões fisiográficas de Missões e Campanha, à estratigraíia e sub paralelos quando necessários;
no oeste do Rio Grande do Sul, entre os rios Quaraí assim, as evidências líticas raramente eram tocadas
ao sul da Campanha e Ijuí ao norte, em Missões. prejudicialmente visto à posição estratigráfica para-
Referências bibliográficas e informações de ocor- lela de ambos: artefato e instrumental de escavação.
rência de fósseis da biota pleistocênica também Quando necessário os fósseis foram desidratados
foram cartografados. com álcool e impregnados com cola translúcida
incolor e solúvel.

46
Pesquisas arqueologicas paleoindigenas no Brasil Ocidental

Figura 3. Sítios no rio Uruguay subjacentes à camada clara e estéril. a) RS-I-70: a seta indica ao nível mais profundo dos líticos;
b) RS-I-72: a seta indica os líticos e o carvão datado (Si=2634).

47
eurico th. miller

Os sedimentos invariavelmente passaram por penei- As técnicas de escavação, estratigrafia e evidências


ras em série, de 2.4 e 6 mm. Quando argilosos era culturais, antes de recolhidas foram ortogonalmente
necessário uma secagem prévia ao sol e após, sua fotografadas, cartografadas e ocasionalmente filmadas
lavagem. Devido às concreções de calcário (resultante em 8 mm, in situ.
de paleocondições de semi-aridez e subumidade) de
mistura em sítios de afluentes do rio Uruguay, foi As paredes dos cortes quando desidratadas, esfarela-
necessário o uso de luvas de couro. A aspersão hídrica vam e desabavam facilmente; para minimizar, foram
foi realizada à motor com múltiplos esguichos. utilizadas coberturas evitando as chuvas ocasionais

Figura 4. Sítio RS-I-50 da Fase Ibicuí com o crâneo de Glossoterium robustus “in loco”.

48
Pesquisas arqueologicas paleoindigenas no Brasil Ocidental

e o ressecamento, e madeirame para escoramento alguns de nossos resultados e ilustrações (Bombim


dos sedimentos (Figuras 5 y 6). 1976) como Pesquisador do MCPU CRGS; Juan
Varela (1979) Professor de Pesquisa e Chefe do Lab.
O resultado arqueológico de cada camada levou Sedimentología, Dep. Geologia da Univ. de Chile,
um número e/ou vários conjuntos numéricos, e foi Santiago. Os trabalhos de escavações chegaram a
embalado separadamente. Foram extraídas várias reunir 18 participantes entre especialistas e braçais.
amostras de carvão vegetal para dataçao radiométri-
ca C14 sempre relacionadas a conjuntos culturais, Mato Grosso e Rondônia. Basicamente, os pro-
paleocanais, Estrato-guia, pedo-tubulos, biota fóssil, cedimentos metodológicos para o Mato Grosso e
transições sedimentares climáticas, e outros. Por sua Rondônia, em sítios a céu aberto e abrigos-sob-
consistência, foram extraídas várias placas irregu- rocha foram os mesmos para o Rio Grande do Sul
lares como amostra, do estrato-guia, impregnadas (Figuras 7 y 8). Junto ao rio Madeira contamos
de pedo-tubulos, folhas, carvão e evidências líticas, com perfurações estratigráficas de mineradoras e
junto à superfície de contato com a porção superior estudos próprios. Cartas batimétricas estão sendo
dos sítios paleoindígenas da Fase Uruguay. Todos os elaboradas pela Marinha e serão de importância
dados posíveis foram anotados em fichas. para as hipóteses levantadas.

Contamos com a participação de dois especialistas: Tanto em abrigos-sob-rocha como em sítios a céu
Miguel Bombim (1972) que publicou individualmente aberto, no Chapadão dos Parecis e encosta superior

Figura 5. Metodología das escavações: a) RS-I-69, início das escavações; b) Estratigrafia de camadas intermitentes argilosas e arenosas.
A seta superior assinala SI-2631; as inferiores, níveis arqueológicas com datações; c) Detalhe da morfologia com depressões pequenas e
boleadas do sedimento argiloso escuro com artefatos, subjacente aos sedimentos claros estéreis.

49
eurico th. miller

Figura 6. Metodologia das escavações no sítio RS-I-66: a) Vista transversal, da escavação para o Arroio Touro Passo; b-c) Vistas olhando
do Arroio. Percebe-se claramente o contato entre as unidades I e II ou horizontes IV e V, holocênicos, ao redor de 6500 anos AP.
O horizonte VII da unidade III inmediatamente sobre a rocha com uma data de 10810 anos AP.

do Vale do rio Guaporé, contamos em 1977 com sentam-se reunidos em aglomerados descontínuos ao
a acessória do geólogo norte-americano John longo dos rios, numa extensão de até 160 m. No caso
P. Albanese, Pesquisador Associado ao Smithsonian de RS-I-50, as evidencieis transpareciam também
Institution. na margem direita do córrego homónimo, por 300
m desde a confluência com o rio Ibicuí. O material
Complexos arqueológicos ocorre em apenas um nível cuja espessura é a dos
próprios testemunhos culturais e fósseis, na unidade
Rio Grande do Sul. Nesse Estado são conhecidas estratigráfica III, na base do horizonte VIII ou tôpo
as fases Ibicuí e Uruguay. do horizonte IX. Estão encobertos por sedimentos
aluvionais de até 5.5 m de espessura; na porção
Fase Ibicuí superior dos sedimentos ocorrem evidências bem
mais recentes de culturas précei arnicas e cerâmicas
Sítios. Está representada por três sítios a céu aberto. com pontas de projétil lítico lascadas.
Dois estão localizados no dique marginal e planície
de inundação da margem esquerda do rio Ibicuí Em área próxima (Sanga Itu), na porção inferior do
(RS-I-50, RS-I-107). O terceiro situa-se junto à horizonte IX, restos de troncos carbonizados (por
margem direita do rio Quaraí (RS-Q-2). Devido à redução natural) forneceram datação de 19350±240
erosão fluvial, eles estão sendo progressivamente anos AP (SI-2352); no rio Quaraí, no Jarau restos de
destuidos. uma lente de carvão foram datados em 29800±1200
anos AP (SI-2353); porém, em nenhum destes dois
As evidências compostas por líticos e restos ósseos casos há evidências de associação com testemunhos
de megafauna (Glossoterium robutus e outros) apre- culturais.

50
Pesquisas arqueologicas paleoindigenas no Brasil Ocidental

Figura 7. Abrigo-sob-rocha MT-GU-I em processo de escavação.

Artefatos. Foram elaborados por percussão e pressão ambas as margens. Apesar de presente nas repúblicas
a partir de núcleos basálticos e placas naturais de do Uruguay (rio Quaraí) e Argentina (rio Uruguay),
arenito metamórfico e raramente em quartzito ou faltam pesquisas de campo para determinar as reais
calcedônia (Figuras 2a-f, 9). As três coleções exis- dimensões espaciais desta cultura.
tentes somam 46 evidências líticas e dois fragmentos
de osso fóssil contendo ranhuras paralelas, finas e São conhecidos 21 sítios, dos quais 14 estão junto
rasas, além dos demais testemunhos fósseis, animais do rio Uruguay (ver Figura 1). Todos estão sofrendo
e vegetais. O rol é composto por lascas secundárias os efeitos da erosão fluvial anual sub-vertical contra
com retoques a pressão com algumas prováveis os diques marginais. Via de regra, os sítios situam-se
evidências de uso (micro lascados desordenados nas confronte aos baixios e corredeiras. Estratigrafica-
serrilhas), núcleos com evidências de lascamento e mente ocupam a unidade III e nesta, os horizontes
percussão, lascas sem evidência de uso, talhadores VII e VIII, com espessura sedimentar de 40 até 130
tipo chopper, raspadores alguns em ponta e de fei- cm. São raras as evidências líticas desde o embasa-
tura tosca e aglomerados de seixos sem nenhuma mento rochoso, junto a aglomerados de seixos em
evidência cultural (Miller 1969). “pouding”, no horizonte IX ou ou sobre o horizonte
X (leito rochoso do rio Uruguay-basalto ou arenito
Faltam escavações de vulto para com base em al- metamórfico). Estas últimas ocorrências cronologi-
gumas centenas de artefatos, poder-se determinar camente seriam contemporâneas à Fase Ibicuí, sem
definitivamente a filiação da Fase Ibicuí à tradição pontas de projétil, e não há ainda como afirmar ou
paleoindígena com ou sem pontas de projétil. negar suas associações à Fase Uruguay.

Fase Uruguay Até 1974 pensava-se que a Fase Uruguay pertencesse


a uma tradição paleoindígena sem pontas de projétil,
Sítios. O espaço geográfico abrange desde o baixo porém, a partir de 1975 a presença das pontas de
rio Quaraí, ao sul, até o baixo rio Ijuí, ao norte, e o projétil se tornou patente em seu rol cultural, naqueles
rio Uruguay entre estes extremos latitudinais, por sítios que forma alvo de escavações maiores, não

51
eurico th. miller

Figura 8. MT-GU-I, mostrando as rochas caidas cubrindo as camadas inferiores.

52
Pesquisas arqueologicas paleoindigenas no Brasil Ocidental

Figura 9. Artefatos da Fase Ibicuí do sítio RS-I-50: a, c-d, j, l) Lascas com e sem retoques; b) Fragmento de osso de fauna pleistocênica
com evidências de esfoladura; e-f. g-h) Verso e reverso de núcleos e talhadores; i-k) Núcleos laminares com e sem retoques.

deixando dúvidas quanto a sua filiação à tradição retoque à pressão, de médias a pequenas (12.4 a 4.2
paleoindígena com pontas de projétil lítico lascadas cm), raspadores circulares, laterais e terminais peque-
(Figura 10). nos (2.7 a 3.9 cm); pré-formas lanceoladas bifaciais
sem retoque à pressão. Além destes há abundância
Artefatos (Figuras 11, 12, 13, 14 y 15). Por razões de micro-lascas resultantes de lascamento e retoque
alheias a nossa vontade, as análises das evidências à pressão e percussão; lascas e lâminas pequenas a
interdisciplinares e arqueológicas pouco progrediram medianas (l a 4.2 cm) com e sem retoque intencio-
e ainda encon-tram-se a nível preliminar. nal e/ou com evidência de uso (micro lascamentos
ordenados e contínuos até 1.5 cm - ou desordenados
Os utensílios mais diagnósticos englobam prin- nas serrilhas); núcleos de 3 a 19 cm, percutores de
cipalmente as pontas de projétil lítico lascadas e 5.2 a 7.9 cm esferoides a cilíndricos; pedras bigorna
pedunculadas, de formas variadas, de tamanho médio e talhadores tipo chopper, em pequena quantidade,
a pequeno (4.9 a 2.9 cm), estreitas e raramente largas elaborados em seixos rolados, com gume reto a
(1.6 a 3.4 cm), bifaciais, com retoque à pressão e convexo, lateral ou terminal, e núcleos esgotados
principalmente em calcedônea; facas bifaciais com originando raspadores pequenos circulares e altos.

53
eurico th. miller

Figura 10. Sítio RS-I-70, onde foi encontrada uma ponta de projétil abaixo da unidade II com datação de C14.

Ao todo foram reunidas, in situ, cerca de 3.240 evi- como matéria-prima, 10% em arenito metamórfico
dências líticas: 11 pontas de projétil, 38 raspadores, 18 e 4% em calcedônia, quartzito, quartzo, ágata, etc.
percutores, 29 núcleos esgotados, 37 pedras bigorna, Também a matéria-prima utilizada é uma adoção
167 lascas grossas e grandes, 247 lascas médias, 102 cultural-tecnológica, visto a abundância de todas.
lâminas médias, 247 lascas pequenas e mais de dois
milhares de micro-lascas. Em sua maioria as lascas Padrão de assentamento. Escavações em RS-I-69
são prismáticas e obtidas por percussão em plata- forneceram um quadro bastante claro do padrão de
formas naturais e/ou preparadas de modo simples. assentamento. Além da localização num ângulo entre
As lascas finas foram obtidas por percussão indireta um córrego e o rio, confronte a uma corredeira, tem
ou pressão. Outras foram obtidas a partir de placas às costas rma bacia de drenagem com mata ciliar
tabulares partidas de maneira a formarem lâminas (conforme fósseis vegetais), ladeada por elevações
de lados quase paralelos e retocados terminalmente, suaves (coxilhas) e pedregosas. O solo de assentamento
como bisel ou raspador. Tanto na Fase Uruguay (fóssil ou paleo) era ora arenoso ora limo-argiloso
como na Ibicuí, as proporções dos utensílios líticos e esporadicamente inundável por águas calmas,
são determinantes tecnológico-culturais, uma vez conforme morfologia de paleosuperfícies e moldes
que a matéria prima sã permite dimensões bem negativos impressos naturalmente na porção inferior
acima das adotadas (como ocorre no complexo pré- da unidade II horizonte VI. No solo de assentamento,
cerâmico Itaquí; Miller 1969). 86% tem o basalto os restos líticos (de frutos e ósseos quando presentes)

54
Pesquisas arqueologicas paleoindigenas no Brasil Ocidental

Figura 11. Artefatos líticos do sítio RS-I-66: a-f, h-n) pontas de projétil: a-c, do horizonte VII paleoindígena (remanescente);
d-f, h-n) dos horizontes III a VI arcaico; g, o-t y b’) pré-formas bifaciais: g, o-q, dos horizontes III a VI; r-t, y, b’) do horizonte VII.
u, w, a’) lascas com evidências de uso e retoque; v, x) seixos com evidências de percussâo; z) raspador (?);
c’) biface, todos do horizonte VII, Fase Uruguay.

55
eurico th. miller

Figura 12. Artefatos líticos do sítio RS-I-66: a-p) lascas diversas com e sem evidências de uso e artefatos em calcedônia;
b, g-h) raspadores; d) ponta de projétil do horizonte VII; e) ponta de projétil do horizonte III; q-r, t-v) raspadores;
s) percutor, todos do horizonte VII, Fase Uruguay.

56
Pesquisas arqueologicas paleoindigenas no Brasil Ocidental

Figura 13. Artefatos líticos dos sítios RS-I-69 e RS-I-70 (d, h): a-h) verso e reverso de pontas de projétil; i-j) micro-lascas;
k, v, y, a’-b’, g’) pré-formas bifaciais, todos dos horizontes VII e VIII, Fase Uruguay.

forman conjuntos ao redor de concentrados de carvão do sítio RS-Q-2. Em RS-Q-2 não apareceram pontas
(testemunho de fogueira e fogão quando delimitado de projétil nas escavações. Os líticos se assemelham
por círculo de seixos e matacões). mais aos das Fase Ibicuí, razão pela qual este sítio a
essa dataçáo indireta são hipotéticamente atribuídos
Cronologia (Tabla 1) è Fase Ibicuí.

Existem 19 datações pelo C14 diretamente associa- As dezoito dataçôes entre 11555±230 anos AP
das e relacionadas (estratigráfica e culturalmente) (SI-3750) e 8585 ±115 anos AP (SI-2636) pertencem
ao paleoindígena e uma indiretamente (somente à Fase Uruguay. Todas estão perfeitamente relacio-
estratigrafia). nadas cultural e estratigráficamente (Figura 16).
Cinco datam específicamente á pontas de projétil
Quanto as duas datações mais antigas, uma de pedunculadas, sendo a mais antiga de 11555±230
12770±220 anos AP (SI-801) está diretamente anos AP (SI-3750) e a mais recente de 9120±340
(cultural e estratigráficamente) relacionada à Fase anos AP (SI-2632). Os sítios são: RS-1J-57, RS-IJ-
Ibicuí e a outra de 12690±100 AP (SI-2351) está 68, RS-I-69, RS-I-70, e RS-I-72.
indiretamente (só estratigráficamente) associa-
do, datando restos vegetais no horizonte IX em Ao menos no rio Uruguay onde todas as amostras
RS-Q-2B. Indiretamente, data o mesmo horizonte de carvão para o C14 provêm de sob o Estrato-guia,

57
eurico th. miller

Figura 14. Artefatos líticos do sítio RS-I-69, profundidade 6.8 m; a, h-m) percutores e bigornas; b, c, g) núcleos;
d-f) lascas re-agrupadas em núcleos.

58
Pesquisas arqueologicas paleoindigenas no Brasil Ocidental

Figura 15. Artefatos do sítio RS-I-70: a, e-i, o) lascas grandes com poucos retoques e raras evidências de uso; b, k-n) lascas espessas
ou núcleos; j) percutor; c-d) ossos com evidências de modificaçôes pelo ser humano.

59
eurico th. miller

há uma dessintonia entre a datação desse Estratotipo Complexo Dourado


e as dataçôes inferiores a ela. Ou o Estrato-guia está
incorreto ou as datações para menos estão contami- Sítios. Está representada por dois sítios: mt-Gu-1
nadas para menos. e RO-RO-7 (Figura  17). Essas duas ocorrências
atribuem uma extensão geográfica mínima de 300
Seis dataçôes provém de amostras do horizonte IX, km contínuos (Miller 1983: 12), dentro do Refúgio
que no rio Quaraí e rio Ibicuí é bem mais espesso que Guaporé ao longo da porção superior da encosta
no rio Uruguay e pelo visto, bem mais antigas que ocidental da Chapada dos Parecis, paralelo ao médio
as aqui apresentadas. Assim, se houver evidências rio Guaporé.
culturais paleoindígena, será nos sedimentos do ho-
rizonte IX dos rios Quaraí e Ibicuí que eles deverão Durante a ocupação paleoindígena da região, nos
ser pesquisados. Até agoras, encontramos somente abrigos-sob-rocha houveram vários desabamentos
fósseis animais, sem associação cultural. de blocos. Seria esta a causa de ocupação apenas
como acampamento e não habitação?
Mato Grosso e Rondônia. Nesses Estados é co-
nhecido o Complexo Dourado e, para Rondônia, o Esses dois sítios apresentam, na Unidade Superior
Complexo Periquitos. sedimentar, evidencias de fases cerâmicas e pré-

Figura 16. Estratigrafia do sítio RS-I-69 e procedência das dataçôes.

60
Pesquisas arqueologicas paleoindigenas no Brasil Ocidental

Figura 17. Localização dos sítios pesquisadas em Mato Grosso e Rondônia.

cerâmica arcaica, com raros enterramentos e arte foi o basalto (púrpura a avermelhado) e o quartzito
rupestre gravada. (várias cores). O quartzo (leitoso), a calcedônia
(creme), granito, biotito e arenito silicificado também
Em ambos os sítios, as unidades e horizontes apresentam foram usados. Esses materiais ocorrem em todos os
as mesmas feições, com dimensões verticais e horizon- níveis da ocupação paleoindígena.
tais distintas, menores em RO-RO-7. Os testemunhos
culturais compostos por líticos, porções de resina, raros As evidências culturais mais comuns são as lascas
caroços de palmeira carbonizados e carvão, dispôem- resultantes por percussão em basalto. Seis dessas
se em focos não muito definidos. Contudo, o carvão e lascas de forma originalmente sub-circular de
cinzas, em finas camadas as vezes em lentes, permitem 4.2 a 6.3 cm de eixo maior, apresentam um lado
o controle das superfícies culturais desenvolvidas em desgastado por fricção resultante do desgaste na
solo arenoso a arenoso-humoso. execução de petróglifos. Os artefatos são poucos
e compreendem, além de lascas com abrasão ou
Artefatos (Figura  18). Matéria prima lírica existe retoques por pressão (até 4.2 x 3.5 x 0.4 cm): uma
nas paredes areníticas dos próprios abrigos e blocos lâmina de biface lascado por percussão apresen-
angulares provenientes dos tetos dos mesmos. O are- tando entalhes laterais (encabamento?) em rocha
nito metamórfico e basalto provém de desabamentos, muito alterada, com 14 x 11 x 2 cm; raspadores
do capeamento da escarpa, em frente aos abrigos. altos em basalto e quartzito e arenito metamór-
O granito, quartzito e quartzo em forma de seixos fico, com retoques laterais, entre 4 x 2 x 3 cm e
ocorrem nos leitos dos pequenos riachos em frente 8.5 x 6.3 x 5.1 cm; raspadores baixos de secção
e abaixo dos abrigos. A matéria prima mais usada triangular entre 7 x 2 x 0.5 cm e 5.6  x 2.1 x 0.6

61
eurico th. miller

Figura 18. Artefatos líticos do sítio MT-GU-1 em profundidade de 520-540 m: a-1, o) lascas finas, espesas e poliédricas com e
sem evidências de uso e retoque; m, p, q) núcleos; n, r) percutores e talhadores (?).

62
Pesquisas arqueologicas paleoindigenas no Brasil Ocidental

cm; percutores em seixos com una extremidade fósseis e quase intactos, que pudemos examinar
ativa, entre 5 x 4.6 x 5.4 cm e 11 x 7.4 x 6 cm em ligeiramente, tiveram destino ignorado. Há notícias
quartzito, quartzo, granito e raramente em arenito de outras ocorrências de fósseis humanos nesta e
metamórfico e basalto. Além das evidências líticas noutras cachoeiras do rio Madeira. Também foram
ocorrem restos de caroços de palmeiras carbonizados resgatados restos ósseos não fossilizados, artefatos
e nódulos de resina sem claras evidências de uso cerâmicos, líticos polidos, etc., sem relação alguma
ou prática cultural. com o Complexo Periquitos.

Complexo Periquitos Artefatos. O maquinário –dragas e outros– penetram


nos horizontes sedimentares argilosos e arenosos até
Sítios. A atividade de garimpo e mineração de ouro o leito granítico do rio sugando tudo a seu alcan-
tem extraído inúmeros restos fósseis de megafauna ce: sedimentos, concreções, seixos, etc., restos da
extinta e flora, ao longo de cerca de 400 km com biota –fósseis ou náo– mutilando ou simplesmente
corredeiras, cachoeiras e saltos que constituem o destruindo e transformando em pó, nas moendas.
alto rio Madeira, sendo que essa atividade extrativa Em uma das oportunidades que nos foram dadas de
mineral se concentra nesses acidentes fluviais. Até o acompanhar esse trabalho de mineração, obteve-se
presente, a Cachoeira dos Periquitos é o mais impor- das peneiras de balsa um biface lítico lanceolado com
tante, visto que o horizonte fossilífero também tem 7.2 x 2.6 x 1.2 cm em matéria prima extremamente
apresentado fósseis humanos, dos quais infelizmente alterada, mas sem dúvida resultante de um lascamento
só restou uma mandíbula com um molar e um pré- por percussão. Nessa oportunidade ainda resultaram
molar juntos (o maquinário de mineração destruiu algumas lascas e pequenos seixos em quartzito, sem
os ramos verticais e mais seis dentes). Originalmente retoque. Essas evidências quer de atividade cultural
a dentição era completa, restando as raízes dos 16 ou não, fosseis da paleobiota e do homen, sempre
dentes. Três outras mandíbulas e dois crâneos, todos apresentam-se encobertas parcial ou totalmente

Figura 19. Perfil estratigráfico do sítio MT-GU-1 com a procedência de algunas datações.

63
eurico th. miller

por concreções laterítico-argilosa ou argilo-arenosa mt-gu-1, entre 8930±100 anos AP (SI-3736) e


densamente cimentadas, com pedregulho pequeno 10600±130 anos AP (N-3223) para seu final e mais
(raramente até 4.5 x 2.2 x 1.8 cm). de 14700±195 anos AP para seu começo, se esta
data foi aceitável (Figura 19).
Cronologia
Para o Complexo Periquitos não há datações. Apenas
Tanto o Complexo Dourado como o Complexo é possível uma estimativa crono-sedimentar onde
Periquitos são muito mal conhecidos pelas con- suas evidências materiais se encontram em transição
dições em que até agora foram pesquisados. Para pleisto/holocênica, ou seja ao redor de 12000-13000
o Complexo Dourado temos datações do abrigo anos AP.

REFERENCIAS CITADAS

AB’SÁBER, A. N., 1977. Espaços ocupados pela expansão dos 1978 Ms-a. Novos subsidies às pesquisas paleoíndigenas no
climas secos na América do Sul, por ocasião dos períodos Rio Grande do Sul e Mato Grosso. V Congreso Nacional de
glaciais quaternários. Paleoclimas 3: 1-19. Arqueologia Argentina. San Juan, abril de 1978.

BIGARELLA, J. J., 1971. Variações climáticas no quaternário 1978 Ms-b. Arte rupestre no noroeste de Mato Grosso.
superior do Brasil e sua datação radiométrica pelo método Primeras Jornadas de Arte Rupestre de la provincia de San
do Carbono 14. Paleoclimas 1: 1-22. Luis, Argentina. San Luis, abril de 1978.

bombim, M., 1976. Modelo paleoecológico evolutivo para o 1978 Ms-c. O Paleoindio no Rio Grande do Sul e Mato
neoquaternário da região da campanha-oeste do Rio Grande Grosso. Seminário Internacional de tecnologia paleoindia.
do Sul (Brasil). A formação Touro Passo, seu conteúdo Antofogasta, octubre de 1978.
fossilífero e a pedogênese pós-deposicional. Comun. Mus.
PUCRGS 15: 1-90. 1978 Ms-d. Relacionamento entre as cronologias arque-
ológicas e estratigráficas no Rio Grande do Sul. Brasil.
brasil, dnpm. 1979. Proyecto radambrasil. Folha SD, VI Congreso Nacional de Arqueologia del Uruguay y Salto,
20 Guaporé. Rio de Janeiro (Levantamento de Recursos noviembre de 1978.
Naturais) 19.
1983. História da cultura indígena do alto Médio-Guaporé
brown Jr., S. keith y A. ab’sáber, 1979. Ice-age forest (Rondônia e Mato Grosso). Dissertação de Mestrado em
refuges and evolution in the neotro­pics: Correlation of paleo- História da Cultura Brasileira, PUCRS, Porto Alegre.
climatological, geomorphological and pedological data with
modern biological endemism. Paleoclimas 5: 1-30. 1985 Ms Faixa cronológica do sudoeste Amazônico e cul-
turas nela inscritas até o presente. III Reunião Científica da
corrEa, m., 1980. International Research Program. Research Sociedade de Arqueologia Brasileira-SAB. Goiás, Goiânia,
on geology and paleoclimatology of Pleistocene and Holocene septiembre de 1985.
periods. En Report on Chilean Univ. Life 7 (summer): 10-11.
Embassy of Chile, Cult. Dep., 1732 Mass. Ave., N.W., 1986. A ocupação humana pre-histórica do Pantanal do
Washington. D.C. 20036. Guaporé-Rondônia. Anais do V Encontro de Pesquisadores
da Amazônia, Manaus.
fortEs, a., 1964. Compêndio de Geografia Geral do Rio
Grande do Sul. Porto Alegre. Sulina. moreno, j. A., 1961. Clima do Rio Grande do Sul. Porto
Alegre, Diret. Terras e Colonização, Secç. Geogr.
MILLER, E., 1969. Pesquisas arqueológicas efetuadas no oeste
do Rio Grande do Sul (Campanha-Missões). Programa schmitz, P., A. S. BARBOSA y M. B. ribeiro (Eds.), 1981.
Nacional de Pesquisas Arqueológicas. Resultados prelimi- Temas de arqueologia brasileira. I Paleoindio. Inst. Goiano
nares do terceiro ano. 1967-8. Publ. Avulsas Mus. Pa. Emílio Pré-Hist. Antrop. 5: 49.
Goeldi 13: 13-30.

1976. Resultados preliminares das pesquisas paleoindígenas


no Rio Grande do Sul. Actas del Congreso Internacional de
Americanistas vol. 3: 483-491.

64

Você também pode gostar