Você está na página 1de 1

Cansado de Teologia

Cansado de teologia. É assim que me sinto. Cansado de ver um povo enganado, iludido,
“declarando” e “profetizando” prosperidade. Cansado de ver tanta gente “bradando aos céus”,
“exigindo” e “cobrando” de Deus por promessas que o Todo Poderoso nunca fez. Durante nove anos
vivi no meio de pessoas que “exalavam” fé. Uma fé sem resultados. Uma fé inútil.
Vi pessoas que não tinham dinheiro nem para pagar o ônibus que os levavam até a “igreja”. E
foram essas mesmas pessoas que deram a seus líderes dinheiro suficiente para comprar carros
blindados e mandar os filhos estudarem no exterior.
Quanta incoerência! Enquanto esses líderes pregavam a tal “teologia” que os tiraria da crise
financeira, as pessoas continuavam vivendo a mesma vida de dificuldades, e muitas vezes, com um
certo “ressentimento” para com Deus, que não cumpria com aquelas promessas que saiam do
púlpito.
Vi gente preocupada em combater o gafanhoto, sem perceber que este se apresentava com a
bíblia na mão sobre o altar.
Em todos esses anos, vi uma teologia cheia de facilidades. Onde a porta larga conduzia ao céu e
a estreita à perdição. Vi uma teologia onde o Espírito Santo fazia de tudo: fazia pessoas caírem no
chão, rirem descontroladamente, falarem em línguas “estranhas”; só não fazia uma coisa: gerar
arrependimento para santificação.
Vi ainda apóstolos. Autointitulados. Os que não eram autointitulados foram ordenados por
homens que eram. Vi homens se dizerem íntegros e “de probidade”, mas eram corruptos e
endemoninhados.
Conheci uma teologia que nos fez “deuses”. Conheci uma teologia de mentiras, de palavras que
voltam vazias, de profecias que não se cumprem nunca.
Conheci uma teologia de emocionalismos. De música de fundo na hora da oração que leva a
emoção; De voz trêmula para gerar o choro; de teatro, de frases mentirosas como: “Eu sinto a
presença de Deus”, quando o que realmente se sentia era o desejo de manipular as pessoas.
Conheci uma teologia de orgulho e soberba. Uma teologia de homens que se diziam ser donos
da verdade. Conhecedores da “revelação completa”.
Conheci uma teologia que subestima os reformadores. Afinal, sua “doutrina” é superior. João
10.10 – “O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a
tenham em abundância”.
Conheci a teologia criada pelo Demônio. A teologia que rouba o povo de Deus mata os sonhos e
destrói a confiança no Evangelho.
O mais triste, é que eu fui mais uma vítima desta teologia. I Timóteo 4.1, 2 – “Ora, o Espírito
afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a
espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm
cauterizada a própria consciência”.
DEUS ME SALVOU DESSA TEOLOGIA.
Hoje, vivo a Teologia da verdade. A Teologia bíblica. A Teologia que não acrescenta nada a
Palavra.
Vivo a verdadeira Teologia da Graça. A Teologia que não cobra nada de Deus. Pede pela “Sua
misericórdia”.
Vivo a Teologia do Pai Nosso, a Teologia do arrependimento diário. A Teologia da gratidão a
Deus.
Hoje, vivo a Teologia que ao invés de buscar a bênção, busca o abençoador.
Hoje, vivo uma Teologia que não distorce as Escrituras.
Vivo a Teologia de Deus.
Pr. Walker R. da Cunha.
Ex- pastor Neo-pentecostal (por motivos óbvios).