Você está na página 1de 103

O Tesouro de Davi , de Charles

Haddon Spurgeon, [1869-85].

Salmos 06

Título - Este Salmo é comumente


conhecido como o primeiro dos
Salmos Penitenciais, e certamente sua
linguagem bem se torna o lábio de um
penitente, pois expressa
imediatamente a tristeza ( Sal 6: 3 ;
Sal 6: 6 ; Sal 6: 7 ) , a humilhação (
Sal 6: 2 e Sal 6: 4 ) e o ódio ao pecado
( Sal 6: 8 ), que são as marcas
infalíveis do espírito contrito quando
se volta para Deus. Ó Espírito Santo,
gera em nós o verdadeiro
arrependimento que não precisa ser
arrependido. O título deste Salmo é:
"Ao músico-mor em Neginoth sobre
Sheminith, Salmo de Davi", isto é, ao
músico-mor com instrumentos de
corda, sobre os oito, provavelmente a
oitava. Alguns acham que se refere à
tecla do baixo ou do tenor, que
certamente seria bem adaptada a
essa lamentável ode. Mas não somos
capazes de entender esses antigos
termos musicais, e até mesmo o termo
"Selah" ainda permanece sem
tradução. Isso, no entanto, não
deveria ser difícil em nosso caminho.
Nós provavelmente perdemos muito
pouco pela nossa ignorância, e isso
pode servir para confirmar nossa fé. É
uma prova da alta antiguidade desses
Salmos que eles contêm palavras,
cujo significado é perdido até mesmo
para os melhores estudiosos da língua
hebraica. Certamente, estes são
apenas incidentais (eu diria quase
acidentalmente, se eu não acreditasse
que eles fossem projetados por Deus),
provas de seu ser, o que eles
professam ser, os antigos escritos do
Rei Davi dos tempos antigos.
Divisão - Você observará que o Salmo
é prontamente dividido em duas
partes. Primeiro, há o pedido do
salmista em sua grande angústia,
alcançando desde o Salmo 6: 1 até o
fim do Salmo 6: 7 . Então você tem,
desde o Psa 6: 8 até o fim, um tema
bem diferente. O salmista mudou sua
nota. Ele deixa a chave menor, e se
transforma em sublimes tensões. Ele
ajusta sua nota à alta chave de
confiança e declara que Deus ouviu
sua oração e livrou-o de todas as suas
dificuldades.

Dicas para Pregadores


Sal 6: 1 - Um Sermão para as almas
afligidas.

I. O duplo negócio de Deus.

(1) Repreenda por um sermão


revelador, um julgamento sobre outro,
uma pequena provação em nossa
própria pessoa, ou uma monição
solene em nossa consciência pelo
Espírito.

(2) castigo. Isso segue o outro quando


o primeiro é desconsiderado. Dor,
perdas, lutos, melancolia e outras
tentativas.

II. Os males neles são os mais


temidos, raiva e desagrado quente.

III Os meios para evitar esses males.


Humilhação, confissão, emenda, fé no
Senhor, etc.

Sal 6: 1 - O maior medo do crente, a


ira de Deus. O que esse fato revela no
coração? Por que isso é assim? O que
remove o medo?
Sal 6: 2 - O argumento ad
misericordiam.

Sal 6: 2 - Primeira sentença - cura


divina.

1. O que o precede, meus ossos estão


aborrecidos.

2. Como isso é feito.

3. O que é que sucede?

Sal 6: 3 - A impaciência do sofrimento;


seus pecados, travessuras e cura.
Sal 6: 3 - Um tópico frutífero pode ser
encontrado ao se considerar a
questão: por quanto tempo Deus
continuará afligindo os justos?

Psa 6: 4 - "Volte, Senhor". Uma


oração sugerida por um sentido do. A
ausência do Senhor, excitada pela
graça, compareceu com a busca do
coração e arrependimento, apoiada
pelo perigo urgente, garantida quanto
à sua resposta, e contendo um pedido
para todas as misericórdias.

Sal 6: 4 - A oração do santo deserta.


1. Seu estado: sua alma está
evidentemente em escravidão e
perigo:

2. Sua esperança: está no retorno do


Senhor.

3. Seu pedido: somente misericórdia.

Psa 6: 5 - A suspensão final do serviço


terrestre considerada em vários
aspectos práticos.

Sal 6: 5 - O dever de louvar a Deus


enquanto vivemos.
Sal 6: 6 - Lágrimas dos santos em
qualidade, abundância, influência,
consolação e final.

Sal 6: 7 - A voz do choro. O que é


isso.

Sal 6: 8 - O pecador perdoado,


abandonando seus maus
companheiros.

Psa 6: 9 - O passado responde ao


fundamento da confiança atual. Ele
tem, ele vai.
Salmos 6:10 - A vergonha reservada
aos ímpios.

Notas Explicativas e Provérbios


Singulares

Salmo Inteiro

Davi era um homem que


freqüentemente era exercitado com
doenças e problemas de inimigos, e
em todos os casos quase que nos
encontramos nos Salmos de suas
aflições, podemos observar que as
ocasiões externas de angústia o
trouxeram sob a suspeita da ira de
Deus e sua própria iniqüidade; de
modo que ele raramente estava
doente, ou perseguido, mas isso
invocava a inquietação da consciência
e trazia seu pecado à lembrança;
como neste Salmo, que foi feito por
ocasião de sua enfermidade, como
aparece no versículo oito, em que ele
expressa a aflição de sua alma sob a
apreensão da ira de Deus; todas as
suas outras aflições correndo para
este canal, enquanto pequenos
riachos, perdendo-se em um grande
rio, mudam seu nome e natureza.
Aquele que inicialmente estava
preocupado apenas com sua doença,
está agora totalmente preocupado
com a tristeza e inteligência sob o
medo e o risco da condição de sua
alma; o que podemos ver no Salmo 38
e muitos outros lugares. Richard
Gilpin, 1677.

Psa 6: 1

"Não me repreenda." Deus tem dois


meios pelos quais ele reducora seus
filhos à obediência; sua palavra, pela
qual ele os repreende; e sua vara,
pela qual ele os castiga. A palavra
precede, admoestando-os pelos seus
servos que ele enviou em todas as
eras para chamar os pecadores ao
arrependimento: dos quais o próprio
Davi diz: "Repreenda-me o justo; e
como pai primeiro repreende o seu
filho desordenado, assim o faz o
Senhor fala com eles. Mas quando os
homens negligenciam as advertências
de sua palavra, então Deus como um
bom pai, pega a vara e bate neles.
Nosso Salvador acordou os três
discípulos no jardim três vezes, mas
vendo que não servia, ele lhes disse
que Judas e seu bando estavam vindo
para despertar aqueles que sua
própria voz não podia despertar. - A.
Symson, 1638.
Psa 6: 1

"Jeová, não me repreendas na tua ira"


etc. Ele não recusa totalmente a
punição, pois isso seria irracional; e
ficar sem isso, ele julgou que seria
mais doloroso do que benéfico para
ele; mas o que ele tem medo é a ira
de Deus, que ameaça os pecadores
com a ruína e a perdição. Para raiva e
indignação, Davi se opõe tacitamente
ao castigo paternal e gentil e, por
último, ele estava disposto a suportar.
- João Calvino, 1509-1564.
Psa 6: 1

"Senhor, não me repreendas na tua


ira."

A ira do Senhor? Oh, pensamento


terrível!

Como pode uma criatura ser frágil


enquanto o homem permanece

A tempestade da sua ira? Ah, para


onde fugimos

Para escapar da punição que ele


merece?
Fuja para a cruz! a grande expiação lá

Protegerá o pecador, se ele suplica

Para perdão com arrependimento


verdadeiro e profundo,

E fé que não questiona. Então vai a


carranca

De raiva passa a face de Deus,

Como uma nuvem de tempestade


negra que esconde o sol.
Anon

Psa 6: 1

"Senhor, não me repreendas na tua


ira", etc .; isto é, não me imponhas
que te ameaçaste na tua lei; onde a
raiva não é posta pelo decreto, nem
pela execução, mas pela denúncia.
Então ( Mt 3:11 , e assim Hos 11: 9 ),
"eu não executarei a ferocidade da
minha ira", isto é, não executarei a
minha ira como declarei. Mais uma
vez, diz-se, ele executa a punição dos
ímpios; ele declara não apenas, mas
executa, assim a raiva é posta para a
execução da ira. - Richard Stock,
1641.

Psa 6: 1

"Nem me castiga com o seu


desagrado quente."

Oh, mantenha a vida e a paz dentro,

Se eu sentir a tua vara de castigo!

Mas não mate eu, mato o meu pecado

E deixe-me saber que você é meu


Deus.
Oh, dê a minha alma alguma
antecipação doce

Daquilo que eu verei em breve!

Deixe a fé e o amor chorar até o fim

"Venha, Senhor, confio em mim


mesmo contigo!"

Richard Baxter, 1615-1691.

Psa 6: 2
"Tem misericórdia de mim, ó Senhor."
Para voar e escapar da ira de Deus,
Davi não vê meios no céu ou na terra
e, portanto, se retira para Deus, até
para aquele que o feriu para curá-lo,
não voa com Adão para a sarça, nem
com Saul para a bruxa, nem com
Jonas a Társis; mas ele apela de um
Deus raivoso e justo a um Deus
misericordioso, e de si mesmo para si
mesmo. A mulher que foi condenada
pelo rei Filipe, apelou de Philip estar
embriagado para Philip estar sóbrio.
Mas Davi apela de uma virtude, justiça
para outra, misericórdia. Pode haver
denominação do tribunal do homem
para a sede de justiça de Deus; mas
quando tu és acusado perante o
tribunal de justiça, para onde ou para
onde irás senão a si mesmo e ao seu
propiciatório, que é o mais alto e
último lugar de denominação? "Eu não
tenho mais no céu além de ti, nem na
terra além de ti." ... Davi, sob o nome
de misericórdia, inclui todas as coisas,
segundo a de Jacó a seu irmão Esaú:
"Tenho obtido misericórdia e, portanto,
tenho conseguido todas as coisas".
Deseja alguma coisa nas mãos de
Deus? Clama por misericórdia, de
onde saem todas as coisas boas para
ti. - Archibald Symson.
Psa 6: 2

"Porque eu sou fraco." Veja, que


retórica ele usa para mover Deus para
curá-lo: "Eu sou fraco", um argumento
retirado de sua fraqueza, que de fato
era um argumento fraco para mover
qualquer homem para mostrar seu
favor, mas é um forte argumento para
prevalecer com Deus . Se uma pessoa
doente viesse a um médico e apenas
lamentasse o peso de sua doença, ele
diria: Deus te ajude; ou uma pessoa
oprimida vem a um advogado e lhe
mostra o estado de sua ação e pede
seu conselho, essa é uma pergunta de
ouro; ou para um comerciante desejar
roupas, ele terá dinheiro presente ou
uma garantia; ou um favor do
cortesão, você deve ter sua
recompensa pronta em sua mão. Mas
diante de Deus, o argumento mais
convincente que você pode usar é a
sua necessidade, pobreza, lágrimas,
miséria, indignidade e confessá-los a
ele, será uma porta aberta para
fornecer-lhe todas as coisas que ele
possui. lágrimas de nossa miséria são
flechas forçadas a perfurar o coração
de nosso Pai celestial, para nos
libertar e ter pena de nosso caso
difícil. Os mendigos abrem suas
feridas para a visão do mundo, que
quanto mais eles, podem levar os
homens a ter pena deles. Portanto,
vamos deplorar nossas misérias a
Deus, que ele, com o lamentável
samaritano, à vista de nossas feridas,
possa nos ajudar no devido tempo. -
Archibald Symson.

Psa 6: 2

"Cure-me", etc. David não vem para


levar o físico à devassidão, mas
porque a doença é violenta, porque os
acidentes são veementes; tão
veemente, tão violento, que perfurou
ad ossa, e ad artimam: "Meus ossos
estão aborrecidos e minha alma está
dolorida", portanto, "cure-me"; qual é a
razão pela qual ele fundamenta esta
segunda petição, "Cure-me, porque
meus ossos estão aborrecidos" etc. -
John Donne.

Psa 6: 2

"Meus ossos estão irritados." O


Senhor pode tornar a parte mais forte
e insensível do corpo do homem
sensível à sua ira quando lhe agrada
tocá-lo, pois aqui os ossos de Davi
estão aborrecidos. David Dickson.

Psa 6: 2

O termo "ossos" freqüentemente


ocorre nos salmos, e se examinarmos,
vamos encontrá-lo usado em três
sentidos diferentes. (1) Às vezes é
aplicado literalmente ao corpo humano
do nosso bendito Senhor, ao corpo
que estava pendurado na cruz, como:
"Eles perfuraram minhas mãos e meus
pés; posso contar todos os meus
ossos". (2) Às vezes, também tem
uma referência adicional ao seu corpo
místico, a igreja. E então denota todos
os membros do corpo de Cristo que
permanecem firmes na fé, que não
podem ser movidos por perseguições
ou tentações, por mais severas que
sejam: "Todos os meus ossos dirão:
Senhor, quem é semelhante a ti?" (3)
Em algumas passagens o termo ossos
é aplicado à alma, e não ao corpo, ao
homem interior do cristão individual.
Então isso implica a força e fortaleza
da alma, a coragem determinada que
a fé em Deus dá aos justos. Esse é o
sentido em que é usado no segundo
versículo de Salmo 6: 1-10: "Ó
Senhor, cura-me, pois meus ossos
estão aborrecidos". Agostinho,
Ambrósio e Crisóstomo; citado por FH
Dunwell, BA, em "Paroquial Lectures
on the Psalms", 1855.

Psa 6: 3

"Minha alma." Yokefellows no pecado


são yokefellows na dor; a alma é
punida por informar, o corpo para
executar, e como tanto o informante e
performer, a causa e o instrumento,
assim o agitador do pecado e seu
executor serão punidos. John Donne.

Psa 6: 3
"Ó Senhor, quanto tempo?" Fora
disso, temos três coisas para
observar; Primeiro, que há um tempo
determinado que Deus mediu para as
cruzes de todos os seus filhos, antes
do qual eles não serão entregues, e
pelo qual eles devem pacientemente
participar, não pensando em
prescrever tempo a Deus para a sua
entrega, ou limitar o Santo de Israel.
Os israelitas permaneceram no Egito
até que o número total de
quatrocentos e trinta anos fosse
cumprido. José estava três anos e
mais na prisão até a hora marcada de
sua entrega. Os judeus
permaneceram setenta anos na
Babilônia. De modo que, como o
médico designa certos momentos ao
paciente, ambos em que ele deve
jejuar, e fazer dieta, e no qual ele deve
se divertir, assim Deus conhece os
momentos convenientes de nossa
humilhação e exaltação. Em seguida,
veja a impaciência de nossa natureza
em nossas misérias, nossa carne
ainda se rebelando contra o Espírito,
que muitas vezes se esquece tão
longe, que entrará em raciocínio com
Deus, e discutindo com ele como
podemos ler sobre Jó, Jonas etc. e
aqui também de Davi. Em terceiro
lugar, embora o Senhor demore a sua
vinda para aliviar os seus santos,
ainda assim ele tem grande causa se
pudéssemos ponderá-lo; porque
quando estávamos no calor de nossos
pecados, muitas vezes ele clamava
pela boca de seus profetas e servos:
"Ó tolos, quanto tempo vais continuar
na tua insensatez?" E nós não
ouviríamos; e, portanto, quando
estamos no calor de nossas dores,
pensando muito, sim, todo dia, um
ano, até sermos libertados, não é de
admirar que Deus não ouça;
consideremos com nós mesmos o
trato justo de Deus conosco; que
quando ele chorou e nós não ouvimos,
então agora nós choramos, e ele não
vai ouvir. - A. Symson.

Psa 6: 3

"Ó Senhor, quanto tempo?" Como os


santos no céu têm seu usque quo,
quanto tempo, Senhor, santo e
verdadeiro, antes que você comece a
julgar? Então, os santos na terra têm
seu usque quo. Por quanto tempo,
Senhor, antes de você tirar a
execução deste julgamento sobre
nós? Pois, nossas orações
depreciativas não são obrigatórias,
elas não são diretorias, elas não
nomeiam Deus seus caminhos ou
seus tempos; mas como são nossas
orações postulatórias, elas também
são submetidas à vontade de Deus, e
têm tudo nelas que ingrediente, aquela
erva da graça, que Cristo colocou em
sua própria oração, esse veruntamen,
mas não minha vontade, mas teu será
realizada; e eles têm aquele
ingrediente que Cristo colocou em
nossa oração, fiat voluntas, seja feita a
tua vontade na terra como no céu; no
céu não há resistência de sua
vontade; no céu, porém, há uma
solicitação, uma aceleração, uma
aceleração do julgamento e a glória da
ressurreição; Assim, embora não
resistamos a suas correções aqui na
terra, podemos humildemente
apresentar a Deus o sentido que
temos de seu desprazer, pois esse
sentido e apreensão de suas
correções é uma das principais razões
pelas quais ele os envia; ele nos
corrige, portanto, para que possamos
ser sensíveis às suas correções; que
quando nós, sendo humilhados sob
sua mão, dissemos com seu profeta:
"Sofrerei a ira do Senhor, porque
pequei contra ele" ( Miq 7: 9 ), ele
pode ser feliz em dizer ao seu anjo
corretor, como ele fez para o seu anjo
destruidor, isto é suficiente, e assim
queima a sua vara agora, como ele
ergueu sua espada então. John
Donne.

Psa 6: 4

"Retorna, ó Senhor, livra a minha


alma", etc. Neste seu cerco a Deus,
ele eleva suas obras de longe, mais
perto; ele começa neste Salmo, numa
oração depreciativa; ele não pergunta
nada, mas que Deus não faria nada,
que ele o deixaria - não me repreenda,
não me corrija. Ora, custa ao rei
menos dar perdão do que dar pensão,
e menos dar um alívio do que dar
perdão, e menos conspirar, não pôr
em dúvida, do que indulto, perdão ou
pensão; não é muito para tolerar. Mas
então, como o matemático disse, que
ele poderia fazer um motor, um
parafuso, que deveria mover todo o
quadro do mundo, se ele pudesse ter
um lugar designado para consertar
aquele motor, aquele parafuso, para
que pudesse funcionar o mundo;
então a oração, quando uma petição
se apoderou de Deus, age sobre
Deus, move Deus, prevalece com
Deus, inteiramente para todos. Davi,
então, tendo conseguido este terreno,
este fundamento em Deus, ele
aproxima suas obras; ele vem do
deprecatório para uma oração
postulatória; não só que Deus não
faria nada contra ele, mas que ele
faria algo por ele. Deus tem sofrido o
homem para ver Arcana imperii, os
segredos de seu estado, como ele
governa - ele governa por precedente;
por precedentes de seus
antecessores, ele não pode, ele não
tem nenhum; por precedentes de
outros deuses ele não pode, não há
nenhum; e ainda assim ele procede
por precedentes, por seus próprios
precedentes, ele faz como fazia antes,
habenti dat, àquele que recebeu ele
dá mais, e está disposto a ser forjado
e prevalecido, e pressionado com seu
próprio exemplo. E, como se o bem
dele fosse apenas aprender como
fazer o bem melhor, ele ainda escreve
depois de sua própria cópia, e nulla
morre sine linea. Ele escreve algo
para nós, isto é, ele faz algo para nós
todos os dias. E então, aquilo que não
é visto freqüentemente em outros
mestres, suas cópias são melhores
que as originais; suas últimas
misericórdias maiores que as
anteriores; e nesta oração
postulatória, maior que a depreciativa,
entra em nosso texto: "Retorna, ó
Senhor, livra minha alma: salva-me"
etc. - John Donne.

Psa 6: 5

"Pois na morte não há lembrança de ti,


na sepultura que te dará graças?"
Senhor, estás pacificado e
reconciliado comigo ... pois deverias
agora proceder para tirar a minha vida,
como se fosse uma condição muito
terrível para eu morrer antes de ter
propiciado-te, por isso posso muito
bem exigir que aumento de glória ou
honra te trará? Não será infinitamente
mais glorioso para ti poupar-me, até
que, pela verdadeira contrição, eu
possa recuperar o teu favor? - e então
eu posso viver para louvar e
engrandecer tua misericórdia e tua
graça: tua misericórdia em perdoar tão
grande pecador, e então confessar-te
por ações vitais de toda santa
obediência para o futuro, e assim
demonstrar o poder de tua graça que
tem fez esta mudança em mim;
nenhum dos quais será feito
destruindo-me, mas somente os teus
justos juízos se manifestarão em tua
vingança contra os pecadores. - Henry
Hammond, DD, 1659.

Psa 6: 6

"Eu desmaiei no meu luto." Pode


parecer uma mudança maravilhosa
em Davi, sendo um homem de tal
magnitude mental, ser assim rejeitado
e abatido. Prevaleceu ele não contra
Golias, contra o leão e o urso, por
fortaleza e magnanimidade? Mas
agora ele está soluçando, suspirando
e chorando quando criança! A
resposta é fácil; as diversas pessoas
com quem ele tem que fazer o
mesmo. Quando homens e animais
são seus opostos, então ele é mais
que um conquistador; mas quando ele
tem a ver com Deus contra quem ele
pecou, ​então ele é menos que nada.

Psa 6: 6

"Eu fiz minha cama nadar." ... Os


chuveiros são melhores do que o
orvalho, mas é suficiente se Deus pelo
menos encher os nossos corações, e
nos deu algum sinal de um coração
penitente. Se não tivermos rios de
águas para derramar com Davi, nem
fontes que fluam com Maria Madalena,
nem Jeremias, desejem ter uma fonte
em nossa cabeça para chorar dia e
noite, nem com Pedro chorar
amargamente; contudo, se
lamentamos não podermos lamentar e
lamentar que não podemos lamentar:
sim, se tivermos os menores soluços
de tristeza e lágrimas de compunção,
se forem verdadeiros e não falsos,
eles nos tornarão aceitáveis ​a Deus;
pois, como a mulher com a questão
sangrenta que tocava a bainha das
vestes de Cristo, não era menos bem
vinda a Cristo do que Tomé, que
colocava os dedos na estampa dos
cravos; assim, Deus não olha para a
quantidade, mas a sinceridade do
nosso arrependimento.

Psa 6: 6

"Minha cama." O lugar do seu pecado


é o lugar do arrependimento dele, e
assim deveria ser; sim, quando
contemplamos o lugar onde
ofendemos, devemos ser picados no
coração e, novamente, ansiamos por
perdão, assim como Adão pecou no
jardim e Cristo suou lágrimas de
sangue no jardim. "Examine seus
corações em suas camas e
converta-se ao Senhor"; e, enquanto
tendes estendido sobre a tua cama
para inventar coisas más,
arrepende-te e faz delas santuários
para Deus. Santificai as vossas
lágrimas em todo lugar que haveis
poluído pelo pecado, e procuremos a
Cristo Jesus em nossa cama, com a
esposa nos Cânticos, que diz: "De
noite, em minha cama, busquei aquele
a quem minha alma ama". - Archibald
Symson.

Psa 6: 6

"Eu vou chorar com lágrimas." Não só


eu lavo, mas também eu rego. As
ovelhas fiéis do grande Pastor saem
do lavadouro, cada qual dá à luz
gêmeos, e nenhuma delas é estéril.
Sol 4: 2 Pois assim as ovelhas de
Jacó, tendo concebido nos
bebedouros, produziam cordeiros
fortes e cor de festa. Da mesma
forma, Davi, que antes errara e se
desviara como uma ovelha perdida,
transformando aqui sua cama em um
local de lavagem, por muito menos é
estéril em obediência, por quanto mais
ele é frutífero em arrependimento. No
templo de Salomão estavam os
caldeirões de bronze, para lavar a
carne daqueles animais que seriam
sacrificados no altar, o pai de Salomão
faz água de suas lágrimas, um
caldeirão de sua cama, um altar de
seu coração, um sacrifício, não da
carne de animais irracionais, mas do
seu próprio corpo, um sacrifício vivo,
que é o seu serviço razoável de Deus.
Agora a palavra hebraica aqui usada
significa corretamente, para fazer
nadar, que é mais do que
simplesmente lavar. E assim a
tradução de Genebra o lê, eu faço a
minha cama toda noite nadar. De
modo que como os sacerdotes
costumavam nadar no mar de
fundição, para que eles pudessem ser
puros e puros, contra eles realizavam
os ritos e serviços do templo, da
mesma forma que o profeta
principesse lava sua cama, sim, ele
nadava em sua cama ou melhor, ele
faz com que sua cama comece a
chorar em lágrimas, como em um mar
de tristeza e arrependimento pelo seu
pecado. - Thomas Playfere, 1604.

Psa 6: 6

"Molhe meu sofá com minhas


lágrimas." Vamos regar nossa cama
todas as noites com nossas lágrimas.
Não apenas sopre com explosões
intermissivas, pois então, como fogo,
ressurgirá e queimará mais. O pecado
é como uma vela fedorenta
recém-apagada, logo se acende
novamente. Pode receber uma ferida,
mas, como um cão, lamber-se-á
facilmente; um pouco de paciência
multiplica como as cabeças de Hydra.
Portanto, seja qual for a aspersão que
o pecado do dia trouxe sobre nós,
deixe as lágrimas da noite
desaparecerem. Thomas Adams.

Sal 6: 6 , Sal 6: 7
O problema da alma é geralmente
recebido com grande dor no corpo, e
assim um homem é ferido e
angustiado em toda parte. Não há
solidez em minha carne, por causa de
sua ira, diz Davi. "As flechas do
Todo-Poderoso estão dentro de mim,
o veneno do qual bebe meu espírito."
Jó 6: 4 . A tristeza do coração contrai
os espíritos naturais, tornando todos
os seus movimentos lentos e fracos; e
o pobre corpo aflito geralmente declina
e se esvai; e, portanto, diz Heman,
"Minha alma está cheia de problemas,
e minha vida se aproxima da
sepultura." Nesta aflição interior,
encontramos nossa força decair e
derreter, mesmo como cera diante do
fogo, pois a tristeza obscurece os
espíritos, obscurece o julgamento,
cega a lembrança de todas as coisas
agradáveis ​e obscurece a parte lúcida
da mente, fazendo com que a
lâmpada da vida para queimar
fracamente. Nesta condição
conturbada, a pessoa não pode ficar
sem um semblante pálido, pálido e
abatido, como alguém que é tomado
de forte medo e consternação; todos
os seus movimentos são lentos, e não
há sprightliness nem atividade
permanece. Um coração alegre é
bom, como um remédio; mas um
espírito abatido seca os ossos. Daí
vem aquelas queixas freqüentes nas
Escrituras: Minha umidade é
transformada na seca do verão: Eu
sou como uma garrafa na fumaça; a
minha alma apega-se ao pó; o meu
rosto está sujo de choro, e na minha
pálpebra está a sombra da morte. Jó
16:16 , Jó 30:17 , Jó 30: 18-19 . Meus
ossos são perfurados em mim, na
estação da noite, e meus tendões não
descansam; pela grande força da
minha doença está minha roupa
mudada. Ele me lançou na lama, e eu
me tornei como pó e cinza. Muitas
vezes o problema da alma começa
pela fraqueza e indisposição do corpo.
A longa aflição, sem qualquer
perspectiva de remédio, começa, no
decorrer do tempo, a perturbar a
própria alma. Davi era um homem
freqüentemente exercitado com a
doença e a ira dos inimigos; e em
todos os casos, quase que nos
encontramos nos Salmos, podemos
observar que as ocasiões externas de
angústia o levaram a uma apreensão
da ira de Deus por seu pecado. ( Sal
6: 1 , Sal 6: 2 ; e as razões dadas, Sal
6: 5 e Sal 6: 6 ). Todas as suas dores
se depararam com este mais terrível
pensamento, que Deus era seu
inimigo. Como pequenos riachos se
perdem em um grande rio, e mudam
seu nome e natureza, freqüentemente
acontece que, quando nossa dor é
longa e aguda, impotente e inevitável,
começamos a questionar a
sinceridade de nossa propriedade
para com Deus, embora seu primeiro
assalto, tivemos poucas dúvidas ou
medos sobre isso. Longa fraqueza do
corpo torna a alma mais suscetível a
problemas e pensamentos
desconfortáveis. - Timothy Rogers
sobre o problema da mente.
Psa 6: 7

"Meu olho é consumido." Muitos fazem


aqueles olhos que Deus lhes deu,
como se fossem duas velas acesas
para que eles possam ir para o
inferno; e por isso Deus na justiça os
requereu, que ver suas mentes são
cegados pela concupiscência dos
olhos, a concupiscência da carne e a
soberba da vida, digo Deus, envia
doenças para debilitar seus olhos que
eram tão perspicazes no serviço do
diabo, e sua luxúria agora faz com que
eles queiram a necessária visão de
seu corpo.
Psa 6: 7

"Meus inimigos." Os piratas vendo um


latido vazio passam por ele! mas se
ela for carregada de mercadorias
preciosas, então a atacarão. Então, se
um homem não tem graça dentro dele,
Satanás passa por ele, não como uma
presa conveniente para ele, mas
sendo carregado com graças, como o
amor de Deus, seu medo e outras
virtudes espirituais, que ele seja
persuadido de que de acordo como
ele sabe que coisas estão nele, assim
ele não falhará em roubá-las delas, se
for o caso. - Archibald Symson.

Psa 6: 7

Aquele olho que olhou e cobiçou a


mulher de seu vizinho agora está
obscurecido e escurecido pela tristeza
e pela indignação. Ele chorou quase
cego. John Trapp.

Psa 6: 8

"Saia de mim", etc., ou seja, você


pode agora seguir o seu caminho;
para o que você procura, isto é, minha
morte, você não terá neste momento;
porque o Senhor ouviu a voz do meu
choro, isto é, concedeu-me
graciosamente aquilo que, com
lágrimas, lhe pedi. Thomas Wilcocks.

Psa 6: 8

"Afasta de mim todos os que praticam


a iniquidade." Pode não haver muita
familiaridade com os miseráveis
​profanos sobre os membros da igreja?
Eu sei que o homem é uma criatura
sociável, mas isso não vai desculpar
os santos quanto ao seu descuido da
escolha de sua companhia. As
próprias aves do ar e bestas do campo
não amam a companhia heterogênea.
"Pássaros de uma pena voam juntos."
Eu tenho medo que muitos que seriam
considerados eminentes, de alta
estatura em graça e piedade, ainda
assim não vejam a grande diferença
entre a natureza e a regeneração,
pecado e graça, o velho e o novo
homem, vendo que toda companhia é
semelhante para eles. - "Gospel
Glass", de Lewis Stackley, 1667.

Psa 6: 8
"A voz do meu choro." O choro tem
uma voz, e como a música na água
soa mais e mais harmoniosamente do
que na terra, assim as orações se
juntam com lágrimas, gritam mais alto
nos ouvidos de Deus, e fazem uma
música mais doce do que quando as
lágrimas estão ausentes. Quando
Antipater escreveu uma grande carta
contra a mãe de Alexandre a
Alexandre, o rei lhe respondeu: "Uma
lágrima de minha mãe lavará todos os
seus defeitos". Assim é com Deus.
Uma lágrima penitente é um
embaixador inegável e nunca retorna
do trono da graça insatisfeito. - As
coisas de Spencer são novas e
antigas.

Psa 6: 8

Os ímpios são chamados de "obreiros


da iniqüidade, porque estão livres e
prontos para o pecado, têm uma maré
forte e inclinada para fazer o mal, e
não o fazem apenas pela metade; eles
não apenas começam ou mordiscam
Isca um pouco (como muitas vezes o
homem bom faz), mas o engole com
avidez, anzol e tudo, eles estão
totalmente nele, e o fazem
completamente, fazem um trabalho
dele, e assim são "obreiros da
iniqüidade". Joseph Caryl.

Psa 6: 8

Alguns podem dizer: "Minha


constituição é tal que não posso
chorar; posso muito bem espremer
uma pedra, como pensar em pegar
uma lágrima". Mas se tu não podes
chorar pelo pecado, podes afligir-te? O
luto intelectual é o melhor; pode haver
tristeza onde não há lágrimas, o vaso
pode estar cheio embora queira
respirar; não é tanto o olho choroso
que Deus respeita como o coração
partido; no entanto, eu estaria
relutante em parar as lágrimas deles
que podem chorar. Deus ficou olhando
as lágrimas de Ezequias ( Is 38: 5 ):
"Eu vi as tuas lágrimas". As lágrimas
de Davi fizeram música aos ouvidos
de Deus: "O Senhor ouviu a voz do
meu choro". É uma visão adequada
para os anjos contemplarem, lágrimas
como pérolas caindo de um olho
penitente. - T. Watson.

Psa 6: 8

"O Senhor ouviu a voz do meu choro",


Deus ouve a voz dos nossos olhares,
Deus ouve a voz de nossas lágrimas
às vezes melhor do que a voz de
nossas palavras; porque é o próprio
Espírito que faz intercessão por nós.
Rm 8:26 Gemitibus inenarrabilibus,
naqueles gemidos, e assim naquelas
lágrimas, que não podemos
pronunciar; ineloquacibus, como
Tertuliano lê aquele lugar, lágrimas
devotas e simples, que não podem
falar, falar em voz alta aos ouvidos de
Deus. não, lágrimas que não podemos
pronunciar; Não só não pronunciar a
força das lágrimas, mas não proferir
as próprias lágrimas. Como Deus vê a
água na primavera nas veias da terra
antes que borbulhe sobre a face da
terra, assim Deus vê lágrimas no
coração de um homem antes que eles
chorem seu rosto; Deus ouve as
lágrimas daquela alma triste, que por
tristeza não pode derramar lágrimas. A
partir deste lançamento dos olhos, e
derramando a tristeza do coração para
os olhos, pelo menos abrindo a Deus
uma janela através da qual ele pode
ver um coração molhado através de
um olho seco; dessas aberturas de
arrependimento, que são como esses
sons imperfeitos de palavras, em que
os pais se deleitam, em seus filhos,
antes de falarem francamente, um
pecador penitente chega a uma
oração verbal e mais expressa. A
essas orações, essas orações vocais
e verbais de Davi, Deus havia dado
ouvidos, e dessa audição dessas
orações, Davi chegou a essa grata
confiança: "O Senhor ouviu, o Senhor
ouvirá". John Donne.

Psa 6: 8

Que mudança estranha está aqui de


repente! Bem pode Lutero dizer: "A
oração é a sanguessuga da alma, que
suga o veneno e incha." "Oração",
disse outro, "é um exorcista com Deus
e um exorcista contra o pecado e a
miséria". Bernard disse: "Quantas
vezes a oração quase me desesperou,
mas me deixou triunfante e bem
seguro do perdão!" O mesmo, com
efeito, diz Davi aqui: "Apartai-vos de
vós, todos os que praticam a
iniqüidade; porque o Senhor ouviu a
voz do meu choro". Que palavra é
essa para seus inimigos insultantes!
Avaunt! sair! desaparecer! Estas são
palavras usadas para diabos e cães,
mas boas o suficiente para um Doeg
ou um Shimei. E o Filho de Davi dirá o
mesmo a seus inimigos quando ele
chegar a julgamento. John Trapp.
Psa 6: 9

“O Senhor ouviu a minha súplica”, etc.


O salmista três vezes expressa a
confiança de suas orações serem
ouvidas e recebidas, o que pode ser
em referência a ele ter orado tantas
vezes por ajuda, como o apóstolo
Paulo fez ( Co2 12 : 8 ); e como Cristo
seu antítipo fez ( Mat 26:39 , Mat
26:42 , Mat 26:44 ); ou para expressar
a certeza disso, a força de sua fé nele
e a exuberância de sua alegria por
causa disso. - John Gill, DD,
1697-1771.
Psa 6:10

"Que todos os meus inimigos se


envergonhem", etc. Se isso fosse uma
imprecação, uma maldição, ainda
assim era medicinal, e tinha rationem
boni, uma tintura de caridade e
natureza; ele não desejou os homens
como homens. Mas é bastante
prédorium, uma veemência profética,
que se eles não tomarem
conhecimento de Deus se declarando
na proteção de seus servos, se eles
não considerassem que Deus tinha
ouvido, e teria ouvido, resgatado, e
salvaria seus filhos , mas continuaria
sua oposição contra ele, julgamentos
pesados ​certamente cairiam sobre
eles; sua punição deve ser certa, mas
o efeito deve ser incerto; porque só
Deus sabe se a sua correção deve
trabalhar sobre os seus inimigos para
a sua suavização, ou para a sua
duração .... Na segunda palavra, "Que
eles sejam muito atormentados", ele
deseja que seus inimigos não sejam
piores do que ele próprio, pois ele
tinha usado a mesma palavra de si
mesmo antes, Ossa tarbata, Meus
ossos estão aborrecidos; e, Anima
tarbata, Minha alma está aborrecida; e
considerando que Davi achara que
esse vexame era o caminho para
Deus, não era uma imprecação
maliciosa desejar àquele inimigo o
mesmo físico que ele havia tomado,
que estava mais doente da mesma
doença do que ele. Pois isto é como
um mar agitado depois de uma
tempestade; o perigo passou, mas
ainda assim a grande onda ainda é
grande; o perigo estava na calma, na
segurança ou na tempestade,
interpretando erroneamente as
correções de Deus para nossa
compreensão e para uma estupidez
implacável; mas quando um homem
chega à sua santa aflição, para ser
incomodado, para ser abalado com o
sentimento da indignação de Deus, a
tempestade é passada, e a indignação
de Deus é derrubada. A alma está em
uma maneira justa e próxima de ser
restaurada para uma calma, e para
colocar a segurança da consciência
que é trazida a este santo vexame.
John Donne.

Psa 6:10

"Que todos os meus inimigos [ou


todos os meus inimigos] fiquem
envergonhados e aborrecidos" etc.
Muitos dos salmos tristes terminam
desta maneira, para instruir o crente
de que ele está continuamente
ansioso, e consolar-se com a
contemplação daquilo. dia, quando
sua guerra será cumprida; quando o
pecado e a tristeza não mais
existirem; quando a confusão súbita e
eterna cobrirá os inimigos da justiça;
quando o pano de saco do penitente
for trocado por um manto de glória, e
toda lágrima se tornar uma joia
cintilante em sua coroa; quando
suspiros e gemidos sucederão as
canções do céu, fixadas a harpas
angélicas, e a fé será resolvida na
visão do Todo-Poderoso. George
Horne.

Salmos 6: 1

psa 6: 1

1 Senhor, não me repreendas na tua


ira, nem me castiga no teu desagrado
ardente.

2 Tem misericórdia de mim, ó Senhor;


porque eu sou fraco: Ó Senhor,
cura-me; porque meus ossos estão
aborrecidos.
3 A minha alma está muito aborrecida;
mas tu, ó Senhor, até quando?

4 Volta, ó Senhor, livra a minha alma;


salva-me por amor das tuas
misericórdias.

5 Pois na morte não há lembrança de


ti; no sepulcro quem te louvará?

6 Estou cansado com o meu gemido;


toda a noite faço a minha cama nadar;
Eu rego meu sofá com minhas
lágrimas.
7 O meu olho é consumido por causa
do luto; envelhece por causa de todos
os meus inimigos.

Depois de ler a primeira divisão, a fim


de vê-la como um todo, vamos agora
analisá-la verso por verso. "Senhor,
não me repreendas na tua ira." O
salmista está muito consciente de que
ele merece ser repreendido, e ele
sente, além disso, que a repreensão,
de alguma forma ou de outra, deve vir
sobre ele, se não por condenação,
ainda que por convicção e
santificação. "O milho é limpo com o
vento e a alma com os castigos." Foi
loucura rezar contra a mão de ouro
que nos enriquece com seus golpes.
Ele não pede que a repreensão seja
totalmente omitida, pois assim ele
pode perder uma bênção disfarçada;
mas, "Senhor, não me repreenda na
tua ira". Se me lembrares do meu
pecado, é bom; mas não me lembre
disso como um se enfurece contra
mim, para que o coração de teu servo
não afunde em desespero. Assim diz
Jeremias: "Ó Senhor, corrige-me, mas
com juízo; não com a tua ira, para que
não me deixes levar a nada." Sei que
devo ser castigado e, embora me
afaste de tua vara, sinto que será para
meu benefício; mas, oh meu Deus,
"não me castigue no teu desagrado
quente", para que a vara não se torne
uma espada, e para ferir, tu também
deves matar. Assim, podemos orar
para que os castigos de nosso
gracioso Deus, se eles não forem
inteiramente removidos, possam pelo
menos ser adoçados pela consciência
de que eles "não estão com raiva, mas
no amor da sua querida aliança".

Sal 6: 2 , Sal 6: 3

"Tem misericórdia de mim, ó Senhor,


porque sou fraco." Embora eu mereça
a destruição, deixe que a sua
misericórdia tenha pena da minha
fragilidade. Este é o caminho certo
para implorar a Deus se
prevaleçamos. Não exija sua bondade
ou grandeza, mas pleiteie seu pecado
e sua pequenez. Grita: "Eu sou fraco",
portanto, ó Senhor, dá-me força e não
me esmaga. Não envie a fúria da tua
tempestade contra um vaso tão fraco.
Tempere o vento para o cordeiro
tosquiado. Seja terno e lamentável
com uma pobre flor murcha, e não a
quebre do caule. Certamente esse é o
argumento de que um homem doente
instigaria que a compaixão de seu
companheiro se esforçasse com ele:
"Trate-me gentilmente comigo, pois
sou fraco". Um sentimento de pecado
estragou tanto o orgulho do salmista,
assim tirou a sua força alardeada, que
ele se achou fraco para obedecer a lei,
fraco pela tristeza que estava nele,
muito fraco, talvez, para agarrar a
promessa. "Eu sou fraco." O original
pode ser lido: "Eu sou aquele que se
inclina" ou definhado como uma planta
arruinada. Ah! amados, sabemos o
que isso significa, pois nós também
vimos nossa glória manchada e nossa
beleza como uma flor desbotada.
"Senhor, cura-me, porque os meus
ossos estão aborrecidos." Aqui ele ora
por cura, não apenas pela mitigação
dos males que sofreu, mas por toda a
sua remoção, e pela cura das feridas
que surgiram dela. Seus ossos foram
"abalados", como o hebraico diz. Seu
terror se tornara tão grande que seus
próprios ossos tremeram; Sua carne
não apenas tremia, mas os ossos, os
sólidos pilares da casa de homens,
eram levados a tremer. "Meus ossos
estão abalados." Ah, quando a alma
tem um sentimento de pecado, é o
suficiente para fazer os ossos
tremerem; é o suficiente para fazer o
cabelo de um homem ficar em pé para
ver as chamas do inferno abaixo dele,
um Deus zangado acima dele, e
perigo e dúvida em torno dele. Bem,
ele poderia dizer: "Meus ossos estão
abalados". Para que, no entanto, não
devemos imaginar que se trata apenas
de doença física - embora a doença
física possa ser o sinal externo -, o
salmista continua dizendo: "Minha
alma também está muito aborrecida".
O problema da alma é a alma do
problema. Não importa que os ossos
tremem se a alma for firme, mas
quando a própria alma também está
dolorida, isso é realmente uma agonia.
"Mas tu, ó Senhor, quanto tempo?"
Essa frase termina abruptamente, pois
as palavras falharam e o pesar afogou
o pouco conforto que lhe ocorreu. O
salmista ainda tinha alguma
esperança; mas essa esperança
estava somente em seu Deus. Ele,
portanto, chora. "Ó Senhor, quanto
tempo?" A vinda de Cristo à alma em
suas vestes sacerdotais de graça é a
grande esperança da alma penitente;
e, de fato, de alguma forma ou de
outra, a aparência de Cristo é, e
sempre foi, a esperança dos santos.
A exclamação favorita de Calvin foi
"Domine usque quo" - "Ó Senhor,
quanto tempo?" Nem suas dores mais
agudas, durante uma vida de angústia,
forçavam qualquer outra palavra.
Certamente este é o grito dos santos
debaixo do altar: "Ó Senhor, quanto
tempo?" E este deveria ser o grito dos
santos que esperam pelas glórias
milenárias, "Por que seus carros estão
por tanto tempo chegando? Senhor,
quanto tempo?" Aqueles de nós que
passaram pela convicção do pecado
sabiam o que era contar as nossas
horas de minutos, e as nossas horas
de anos, enquanto a misericórdia
atrasava a sua vinda. Nós assistimos
para o alvorecer da graça, como eles
que assistem pela manhã.
Sinceramente nossos espíritos
ansiosos perguntaram: "Ó Senhor,
quanto tempo?"

Psa 6: 4

"Volte, ó Senhor, livra minha alma."


Como a ausência de Deus era a
principal causa de sua miséria, seu
retorno seria suficiente para livrá-lo de
seu problema. "Oh, salve-me pelo
amor de suas misericórdias". Ele sabe
onde procurar e que braço segurar.
Ele não se apega à mão esquerda da
justiça de Deus, mas à sua destra de
misericórdia. Ele conhecia sua
iniqüidade muito bem para pensar em
mérito, ou apelar para qualquer coisa
que não a graça de Deus.

"Por amor de tuas misericórdias." Que


pedido é esse! Quão prevalente é com
Deus! Se nos voltarmos para a justiça,
que apelo podemos exortar? mas se
nos voltarmos para a misericórdia,
ainda podemos chorar, apesar da
grandeza de nossa culpa: "Salva-me
por amor das tuas misericórdias".
Observe com que frequência Davi aqui
pleiteia o nome de Jeová, que é
sempre destinado onde a palavra
Senhor é dada nas capitais. Cinco
vezes em quatro versos nós aqui nos
encontramos com isto. Não é isto uma
prova de que o nome glorioso é cheio
de consolo para o santo tentado? A
eternidade, o infinito, a imutabilidade,
a auto existência, estão todos no
nome Jeová, e todos estão cheios de
consolo.

Psa 6: 5
E agora Davi estava com muito medo
da morte - a morte temporal e talvez a
morte eterna. Leia a passagem como
quiser; o seguinte verso é cheio de
poder: "Pois na morte não há
lembrança de ti; no sepulcro quem te
dará graças?" Os cemitérios são
lugares silenciosos; as abóbadas do
sepulcro não ecoam com canções.
Terra úmida cobre bocas idiotas. "Ó
Senhor?" disse ele: "Se me poupares,
eu te louvarei. Se eu morrer, então
meu louvor mortal, pelo menos, deve
ser suspenso; e se eu perecer no
inferno, tu nunca terás qualquer
agradecimento de mim. Canções de
gratidão não podem subir É verdade
que, sem dúvida, serás glorificado,
mesmo em minha condenação eterna,
mas então, ó Senhor, não posso
glorificar-te voluntariamente, e entre
os filhos dos homens haverá um
coração a menos para te abençoar "
Ah, eu sou um pobre pecador, que o
Senhor te ajude a usar este
argumento forçado. É para a glória de
Deus que um pecador deve ser salvo.
Quando buscamos o perdão, não
pedimos a Deus que faça aquilo que
manchará seu estandarte ou ponha
um borrão no seu escudo. Ele se
deleita em misericórdia. É seu atributo
peculiar e querido. Misericórdia honra
a Deus. Não dizemos nós mesmos: "A
misericórdia abençoa o que dá e
aquele que o toma?" E certamente,
em algum sentido divino, isso é
verdade para Deus, que, quando ele
dá misericórdia, glorifica a si mesmo.

Sal 6: 6 , Sal 6: 7

O salmista dá uma descrição


temerosa de sua longa agonia: "Estou
cansado com o meu gemido". Ele
gemeu até a garganta ficar rouca; ele
clamara por misericórdia até que a
oração se transformasse em trabalho
de parto. O povo de Deus pode
gemer, mas eles não podem
resmungar. Sim, devem gemer,
sobrecarregados ou nunca gritarão no
dia da libertação. A próxima frase,
pensamos, não é traduzida com
precisão. Deveria ser: "Eu farei a
minha cama nadar todas as noites"
(quando a natureza precisa descansar
e quando estou mais sozinha com
meu Deus). Ou seja, minha dor é
assustadora mesmo agora, mas se
Deus não me salvar logo, ela não
permanecerá em si mesma, mas
aumentará, até que minhas lágrimas
sejam tantas, que minha própria cama
nade. Uma descrição, em vez do que
ele temia, do que do que realmente
aconteceu. Não podem os nossos
pressentimentos de aflições futuras se
tornarem argumentos que a fé pode
instar ao buscar a misericórdia atual?
"Eu rego meu leito com minhas
lágrimas. Meu olho é consumido por
causa do pesar; ele envelhece por
causa de todos os meus inimigos."
Como o olho de um homem idoso se
torna sombrio com os anos, assim diz
David, meu olho fica vermelho e fraco
através do choro. Convicção às vezes
tem tal efeito sobre o corpo, que até
mesmo os órgãos externos são feitos
para sofrer. Não pode isso explicar
algumas das convulsões e ataques
histéricos que foram experimentados
sob convicções nos reavivamentos na
Irlanda? É surpreendente que alguns
sejam feridos na terra e comecem a
chorar em voz alta; quando
descobrimos que o próprio Davi fez
sua cama para nadar e envelheceu
enquanto ele estava sob a pesada
mão de Deus? Ah! irmãos, não é leve
se sentir pecador, condenado no
tribunal de Deus. A linguagem deste
Salmo não é tensa e forçada, mas
perfeitamente natural para alguém em
situação tão triste.
Salmos 6: 8

psa 6: 8

8 Apartai-vos de todos os que


praticam a iniqüidade; porque o
Senhor ouviu a voz do meu choro.

9 O Senhor ouviu a minha súplica; o


Senhor receberá minha oração.

10 Que todos os meus inimigos se


envergonhem e se aborrecem; voltem
e fiquem envergonhados de repente.
Psa 6: 8

Até agora, tudo tem sido triste e


desconsolado, mas agora -

"Suas harpas, santos trementes,

Abaixo dos salgueiros, pegue ".

Vocês devem ter seus momentos de


choro, mas sejam breves. Levanta-te,
levanta-te das tuas vacas! Jogue de
lado o seu pano de saco e cinzas! O
choro pode durar uma noite, mas a
alegria vem pela manhã.
Davi encontrou paz e, levantando-se
de joelhos, começa a varrer a casa
dos ímpios. "Afasta de mim todos os
que praticam a iniquidade." O melhor
remédio para nós contra um homem
mau é um longo espaço entre nós
dois. "Ide embora; não posso ter
companheirismo com você." O
arrependimento é uma coisa prática.
Não é suficiente lamentar a
profanação do templo do coração,
devemos flagelar os compradores e
vendedores e derrubar as mesas dos
cambistas. Um pecador perdoado
odiará os pecados que custaram ao
Salvador o seu sangue. Graça e
pecado são vizinhos briguentos, e um
ou outro deve ir para a parede.

"Pois o Senhor ouviu a voz do meu


choro" Que belo hebraísmo e que
grande poesia é em inglês! "Ele ouviu
a voz do meu choro." Há uma voz
chorando? Chorando fala? Em que
língua pronuncia seu significado? Por
que, naquela língua universal que é
conhecida e entendida em toda a
terra, e até no céu acima. Quando um
homem chora, seja judeu ou gentio,
bárbaro, cita, bond ou livre, tem o
mesmo significado. O choro é a
eloqüência do sofrimento. É um orador
não-instável, não precisando de
intérprete, mas entendido de todos.
Não é doce acreditar que nossas
lágrimas são compreendidas mesmo
quando as palavras falham!
Aprendamos a pensar nas lágrimas
como orações líquidas e no choro
como uma constante queda de
intercessão importunada que
certamente seguirá seu caminho até o
coração da misericórdia, apesar das
dificuldades pungentes que obstruem
o caminho. Meu Deus, eu irei "chorar"
quando não puder pleitear, pois ouves
a voz do meu choro.
Psa 6: 9

"O Senhor ouviu a minha súplica". O


Espírito Santo operou na mente do
salmista a confiança de que sua
oração foi ouvida. Este é
freqüentemente o privilégio dos
santos. Orando a oração da fé, eles
são freqüentemente infalivelmente
assegurados de que eles
prevaleceram com Deus. Lemos de
Lutero que, tendo em uma ocasião
lutado duramente com Deus em
oração, ele saiu pulando do seu
armário gritando: "Vicimus, vicimus";
isto é, "conquistamos, prevalecemos
com Deus". A confiança garantida não
é um sonho ocioso, pois quando o
Espírito Santo nos dá a conhecer,
sabemos sua realidade e não
podemos duvidar dela, embora todos
os homens devam ridicularizar nossa
ousadia. "O Senhor receberá minha
oração." Aqui está a experiência
passada usada para encorajamento
futuro. Ele tem, ele vai. Note isto, ó
crente, e imite seu raciocínio.

Psa 6:10

"Que todos os meus inimigos se


envergonhem e se aborrecem." Isto é
antes uma profecia do que uma
imprecação, pode ser lida no futuro.
"Todos os meus inimigos se
envergonharão e ficarão aborrecidos."
Eles retornarão e se envergonharão
instantaneamente - em um momento -
sua destruição virá sobre eles de
repente. O dia da morte é o dia do
juízo final, e ambos são certos e
podem ser repentinos. Os romanos
costumavam dizer: "Os pés da
divindade vingadora são calçados com
lã". Com passos silenciosos, a
vingança se aproxima de sua vítima, e
repentina e avassaladora será seu
golpe destruidor. Se isso fosse uma
imprecação, devemos lembrar que a
linguagem da antiga dispensação não
é a do novo. Nós oramos pelos nossos
inimigos, não contra eles. Deus tenha
piedade deles e traga-os para o
caminho certo.

Assim, o Salmo, como aqueles que o


precedem, mostra as diferentes
propriedades dos piedosos e dos
ímpios. Senhor, sejamos contados
com o teu povo, agora e para sempre!

Uma cópia da biblioteca evangélica

Você também pode gostar