Você está na página 1de 25

Agrupamento de Escolas da Trofa Escola Secundária da Trofa

Curso profissional: Técnico Auxiliar de Saúde


Ano letivo 2016/2017

Equipamentos
Componente de Formação Técnica: Gestão e
Organização dos Serviços e Cuidados de Saúde
Professora: Sandra Soares
Ana Dias nº4
Módulo 3: Manutenção preventiva de equipamentos Jéssica Tavares nº5
reposição de materiais comuns às diferentes unidades
e serviços da Rede Nacional de Cuidados de Saúde Andreia Cruz nº7
Luana Dias nº13
Márcia Ferreira nº14
Turma: 1108
Índice
• Introdução………………………………………………………………………………………………….sld.4
• Equipamentos mais comuns utilizados nas diferentes unidades/serviços de saúde……………...sld.5
• Tipologia e função dos equipamentos………………………………………………………………….sld.6
• Equipamentos de diagnóstico…………………………………………………………………………...sld.7
• Equipamentos de terapia………………………………………………………………………………...sld.8
• Equipamentos de apoio médico-hospitalar…………………………………………………………….sld.9
• Dispositivos médicos ativos e não ativos……………………………………………………………..sld.10
• Procedimentos a adotar com os manuais dos fabricantes………………………………………….sld.11
• Disposição dos equipamentos…………………………………………………………………………sld.12
• Procedimentos de manuseamentos dos equipamentos nas atividades de manutenção
preventiva…..…………………………………………………………………………………………….sld.13

2
Índice
• Gestão de equipamentos……………………………………………………………………………….sld.14
• Gestão preventiva (planeada) e gestão corretiva (não planeada)…………………..……………..sld.15
• Sistema efetivo de manutenção planeada……………………………………………………………sld.16
• Controlo de avarias e manutenção……………………………………………………………………sld.17
• Conceito e finalidades de gestão de equipamentos…………………………………………………sld.18
• Manutenção preventiva e corretiva……………………………………………………………………sld.19
• Procedimentos de segurança………………………………………………………………………….sld.20
• Procedimentos de emergência………………………………………………………………………...sld.21
• Tarefas relacionadas com os equipamentos de forma autónoma /supervisão do profissional de
saúde………………………………………………………………………………………………….sld.22/23
• Conclusão…..……………………………………………………………………………………………sld.24
• Web grafia …..…………………………………………………………………………………………...sld.25

3
Introdução
A manutenção dos equipamentos é importante, é essencial que os profissionais de saúde
mantenham espírito crítico na gestão dos equipamentos e também garantir qualidade e segurança
perante os utentes.
Os serviços de saúde, de um modo muito particular, constituem uma identidade muito
peculiar, concebida exclusivamente em função do utente, sendo assim, são precisos procedimentos
técnicos e de organização específicos em certas atividades profissionais.
Estes procedimentos visam garantir a qualidade, eficácia e segurança do equipamento,
proporcionando uma boa terapia ou diagnóstico perante o utente que o utiliza.
Os equipamentos devem seguir um regulamento ou controlo que permite registar todo o
percurso de avarias ou manutenções que já foram efetuadas. Estes devem ser cuidados desde o
momento que chegam à unidade de saúde em que foram adquiridos.

4
Equipamentos mais comuns utilizados nas diferentes
unidades/ serviços de saúde
Assumem uma grande importância pois incluem itens como a construção civil, as instalações técnicas
especiais e os equipamentos técnicos, ou seja, um valor muito considerável.
Equipamentos mais comuns:
• Ambú (fig.2);
• Maca;
• Cadeira de rodas;
• Eletrocardiógrafo (máquina de eletrocardiograma);
• Esfigmomanómetro (fig.1);
• Suporte para soros (fig.3). 2 3
1

http://www.magazineluiza.com.br/esfigmomanometro-premium- http://www.fibracirurgica.com.br/resgate-e- http://labinox.webnode.pt/mobiliario/mobiliario-


com-estetoscopio-esfhs50/p/2016587/cp/mepr/ salvamento/ambu-e-acessorios hospitalar/
5
Tipologia e função dos equipamentos
De acordo a sua função os equipamentos podem ser classificados nos seguintes tipos:
• Equipamentos de diagnóstico (fig.4);
• Equipamentos de terapia (fig.5);
• Equipamentos de apoio médico-hospitalar (fig.6);
• Equipamentos de mobiliário e informático.

4 5 6

http://ortodontiaparatodos.com.br/ressonncia- https://saladeenfermagem.com/category/conheci
magntica-posso-fazer-com-aparelho-ortodntico- http://pharmagistral.blogspot.pt/2013/09 mentos/page/2/
fixo/ /como-funciona-hemodialise.html

6
Equipamentos de diagnóstico
Equipamento, aparelho ou instrumento de uso médico, odontológico ou laboratorial, destinado à
deteção de informações do organismo humano para o auxílio a procedimentos clínicos.
• Glicosímetro (fig.7);
• Eletrocardiógrafo (máquina de eletrocardiograma) (fig.8);
• Tonómetro (mede a pressão intraocular) (fig.9);
• Máquina de ressonância magnética;
• Medidor de Pressão Arterial;
• Oxímetro.

7 8 9

http://www.goiasagora.go.gov.br/primeira-venda- https://pt.aliexpress.com/w/wholesale-digital- http://www.saudebemestar.pt/pt/clinica/oft


de-glicosimetro-da-iquego-e-fechada-com-catalao/ ecg-machine.html almologia/equipamentos-oftalmologicos/
7
Equipamentos de terapia
Equipamento, aparelho ou instrumento de uso médico, odontológico destinado ao tratamento de
patologias, incluindo a substituição ou modificação da anatomia ou processo fisiológico do organismo humano.
• Máquina de Ondas de choque (fig.10);
• Máquina de Hemodialise (fig.11);
• Máquina de Nebulizadores (fig.12).
11
10 12

https://portuguese.alibaba.com/product-
detail/physiotherapy-shock-wave-shockwave- http://www2.saude.ba.gov.br/hgpv/noticia_01 http://www.dimor.pt/noticias/maquina-de-
machine-for-chiropractic-treatment- 7.2016-maquina-hemodialise-uti.htm nebulizacao-ajudam-no-a-respirar-melhor
60471945017.html

8
Equipamentos de apoio médico-hospitalar
Equipamento, aparelho ou instrumento de uso médico, odontológico ou laboratorial, destinado a
fornecer suporte a procedimentos diagnósticos, terapêuticos ou cirúrgicos.
• Máquina de Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) (fig.13);
• Cadeira de rodas (fig.14);
• Cadeira rotativa para banhos (fig.15).

13 14
15

http://www.ortopediauniversal.pt/ajudas-de-
http://www.fechoo.com.br/curso-de-primeiros- http://www.caritas.pt/braga/index.php?option=c
banho/cadeiras-e-bancos-de-banho/cadeira-
socorros om_content&view=article&id=3453&Itemid=25
rotativa-de-banheira-a568

9
Dispositivos médicos ativos e não ativos
Os dispositivos médicos ativos são qualquer dispositivo médico cujo funcionamento de uma fonte de
energia elétrica, ou outra não gerada diretamente pelo corpo humano ou pela gravidade, e que atua por
conversão dessa energia, não sendo considerados como tal, os dispositivos destinados a transmitirem energia,
substâncias ou outros elementos entre um dispositivo médico ativo e o doente, sem qualquer modificação
significativa e sendo que o software, por si só, é considerado um dispositivo médico ativo.
Os dispositivos médicos não ativos são os que não precisam de eletricidade:
• Suporte de soros (fig.16);
• Macas (fig.17);
• Cadeiras de rodas (fig.18).

16 17 18

http://www.bkhospitalar.com.br/produtos/cat http://www.amparohospitalar.com.br/pr
http://ocaminhodogordo.blogspot.p
/63/Carros-macas-hidraulicos oduto/cadeira-rodas-venda/
t/2011_01_01_archive.html
10
Procedimentos a adotar com os manuais dos fabricantes
Os procedimentos que devemos ter em conta com os manuais dos fabricantes:
• Guardá-los num local de fácil acesso;
• Limpo e sem humidade;
• Ser bem conservado;
• O local deve ter uma boa luminosidade;
• Ter um lugar específico para os manuais dar a conhecer a sua localização às pessoas que utilizam esses
equipamentos.

19

Fig.19 – Uma página de um manual


de fabricante
http://sp.olx.com.br/sao-paulo-e-
regiao/beleza-e-saude/monfalcone-comercio-
de-camas-especiais-hospitalar-motorizada-
manual-luxo-e-conchoes-142439395

11
Disposição dos equipamentos
Equipamentos do chão:
• Não encostar à parede;
• Não colocar no meio dos corredores para haver circulação de macas, cadeiras de rodas, etc.

Equipamentos de bancadas:
• Devem estar afastados da beira da janela;
• Não devem estar nas pontas das superfícies, para não caírem ao chão;
• Organizar os equipamentos devidamente, para fácil acesso.

20 21

Fig.20 – Balança (Equipamento de chão) Fig.21 – Microscópio (Equipamento de


bancada)
http://www.vivermelhor.pt/produtos?categoria=4&sub
categoria=4.3 http://www.cirurgicaestilo.com.br/microscopio-
biomax-p12345/

12
Procedimentos de manuseamentos dos equipamentos
nas atividades de manutenção preventiva

O principal objetivo da manutenção preventiva em


equipamentos é evitar ou atenuar as consequências das falhas. Isso 22
pode ser feito impedindo a falha antes que ela ocorra realmente.

As atividades de manutenção preventiva em equipamentos,


incluem revisões parciais ou totais em períodos específicos, mudanças
de óleo, lubrificação e assim por diante.

Além disso, pode-se registar a deterioração dos equipamentos


para que as peças desgastadas sejam reparadas ou substituídas antes
que causem desgastes ou falhas do sistema do equipamento.

O programa de manutenção preventiva ideal seria evitar


qualquer falha do equipamento antes que ela ocorra.

Fig.22 – Máquina de manutenção


preventiva
http://www.karisten.com.br/servicoshospitalares.asp
13
Gestão dos equipamentos
• Inventariar e manter atualizado o stock de equipamentos médico-hospitalares e seus
acessórios;
• Participar ativamente de todas as etapas do processo de incorporação tecnológica
dos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde (EAS), desde sua idealização até a
instalação e o treino do pessoal;
• Realizar a manutenção preventiva e corretiva dos equipamentos no âmbito da 23
instituição;
• Assegurar a calibração dos equipamentos de acordo com os padrões estabelecidos
pelos fabricantes, pela instituição ou pelas normas técnicas vigentes;
• Controlar os contratos de manutenção preventiva e corretiva que porventura sejam
necessários;
• Desenvolver rotinas de treino para o pessoal técnico envolvido com a manutenção e
a operação dos equipamentos; Fig.23 – Gestão dos equipamentos

• Estabelecer medidas de controle e segurança do ambiente hospitalar, no que se http://cardealmaquinas.com.br/produto.php?


codigo=304
refere aos equipamentos médico-hospitalares;
• Gerar e apresentar os relatórios gerenciais necessários às tomadas de decisões.
• Apresentar relatório técnico de produtividade de todos os aspetos envolvidos com a
gerência e com a manutenção dos equipamentos médico-hospitalares, conhecidos
como indicadores de qualidade e/ou produção. 14
Gestão preventiva (planeada) e gestão corretiva (não
planeada)
Manutenção Preventiva - Serviço efetuado em intervalos predeterminados.
- Reduz a probabilidade de falha ou degradação do funcionamento de um item.
- O exame do equipamento é feito antes da data prevista de desgaste de
peças.

Manutenção Corretiva - Os consertos e reformas são realizados quando o objeto, a máquina ou o


equipamento já estão danificados.
- Ocorre por desgastes, quebras ou deterioração do equipamento.

Manutenção Corretiva X Manutenção Preventiva - Gastos com peças e mão-de-obra;


- Tempo de manutenção;
- Paragens não-planeadas: atrasos na
entrega de resultados.
15
Sistema efetivo de manutenção planeada
1. Planeamento anual para este processo;
2. Conjunto de indicadores de desempenho;
24
3. Programa de manutenção com responsabilidades individuais
e do grupo;
4. Listagem dos equipamentos;
5. Rol dos contratos de manutenção;
6. Fácil acesso com equipas de serviço de manutenção;
7. Fluxogramas ou instruções de trabalho claras, sucintas e
objetivas;
8. Descrições com detalhes dos diferentes tipos de
manutenções preventivas; Fig.24 – Manutenção de equipamentos

9. Periodicidade da manutenção; http://qimed.com.br/manutencao-de-equipamentos/

10. Disponibilidade de peças.

16
Controlo de avarias e manutenção
A responsabilidade da manutenção dos equipamentos não deve ser atribuída apenas funcionalmente;
deve sim ser atribuída a alguém com formação académica adequada e com formação profissional complementar
adequada.
A manutenção de equipamentos exige:
• O conhecimento exato da quantidade e qualidade dos equipamentos que possui;
• As reais necessidades de manutenção;
• Uma boa coordenação que valorize o feedback que dá origem a dados importantes para a ação.
A manutenção dos equipamentos deve responder ao planeado e ao imprevisto do mesmo modo, ou
seja, eficazmente, sem perdas de informação e dirigida a todos os níveis que a requeiram.

25

Fig.25 – Manutenção de equipamentos


http://www.amedce.com.br/assistec.html

17
Conceito e finalidades da gestão de equipamentos
Ter os equipamentos necessários e a funcionar, no local certo e no tempo certo à disposição de quem
deles necessita, implica:

MANUTENÇÃO:
• Preventiva (planeada e sistemática);
• Corretiva (não planeada e Condicionada);
Os equipamentos nas unidades de saúde só atingem níveis de qualidade global de funcionamento se
a sua manutenção for eficiente.

26

Fig.26 - Cirurgia
http://www.g3h.com.br/page/4/?s=cir%C3%BArgica

18
Manutenção preventiva e corretiva
Planeada ou “preventiva” Não Planeada ou “Corretiva”
Evitar as avarias ou o mau funcionamento;
Equilibrar a carga do trabalho;
Compatibilizar as intervenções com o programa de
fabrico ou de serviço;
Aqui incluem-se todas as intervenções não antecipadas
Preparar antecipadamente os recursos para as tornar ou programadas, ou seja, todas as que têm o caráter
mais económicas e eficazes; de correção de uma situação inesperada.

Sistemática (de calendário) - obedece a um programa a


ser executado periodicamente em intervalos de tempo
compatíveis com o uso/funcionamento do equipamento.
Condicionada (de condição) - as ações executam-se
segundo o estado de saúde dos equipamentos que
poderá ser o de avaria, se isso for o planeado. Em
geral, tem a ver com um ou mais parâmetros dos
próprios equipamentos.
19
Procedimentos de segurança
Nas unidades hospitalares são fornecidos cartões de identificação para o acesso ao interior do hospital.
Ex: Para aceder à farmácia do hospital é necessário uma identificação para ter acesso aos medicamentos mais
fortes, ou que atuem sobre o sistema nervoso central.
Na maioria dos hospitais, para visitar um utente deve-se ter o cartão de visitante (fig.27), para haver controle
das entradas e saídas dos visitantes.
Os bebés, na obstetrícia, têm uma pulseira que contém um chip (fig.28), para caso seja alvo de rapto, aciona
o alarme ao passar a porta de saída .
Os Profissionais de Saúde tem de fazer sempre um registo de entradas e saídas (fig.29).
O acesso às urgências é livre, mas nas outras áreas o acesso é restrito.

27 28 29

http://www.tintafresca.net/News/newsdetail.aspx http://www.douradosnews.com.br/dourados/hu-
?news=3b970536-4e0a-4f72-80ba- ufgd-adota-novo-sistema-para-identificacao-de- https://www.youtube.com/watch?v=9VkAeWzq3n0
33778ed422bf&edition=90 visitantes-e-acompanhantes
20
Procedimentos de emergência
Exemplo– Procedimento em caso de Vaga de Frio:
• Vedar as portas e janelas;
• Desligar aparelhos elétricos que não sejam necessários;
• Preparar estojo de emergência com rádio e lanternas a pilhas, material de primeiros socorros e
medicamentos essenciais (fig.30);
• Fazer pequenos exercícios com os braços, pernas e dedos;
• Manter todas as pessoas em locais quentes;
• Tomar bebidas e refeições quentes;
• Em caso de hipotermia, vestir roupas quentes e secas, envolver-se em cobertores (fig.31) e ingerir
líquidos quentes e açucarados.

30 31

http://kids.pplware.sapo.pt/curiosidades/s https://pt.aliexpress.com/top-mattress-
abes-o-que-fazer-em-caso-de-sismo/ pad_reviews.html

21
Tarefas relacionadas com os equipamentos de forma
autónoma/ supervisão do profissional de saúde
Forma autónoma:
• Proceder ao acompanhamento e transporte de doentes em camas, macas, cadeiras de rodas ou a pé,
dentro e fora do estabelecimento;
• Transportar distribuir as balas de oxigénio e os materiais esterilizados pelos serviços de ação médica;
• Proceder à carga, descarga e arrumação de materiais e equipamentos;
• Proceder ao transporte, distribuição e entrega de documentos, materiais e equipamentos, dentro ou fora
dos serviços.

32

Fig.32 – Manutenção de uma máquina de


ressonância magnética
http://www.istenhospitalar.com.br/aprenda-mais/economia-em-
fazer-manutencao-preventiva-em-relacao-a-corretiva

22
Tarefas relacionadas com os equipamentos de forma
autónoma/ supervisão do profissional de saúde
Com supervisão do profissional de saúde:
• Assegurar a limpeza, higienização de equipamentos (fig.33/34);
• Efetuar a lavagem (manual e mecânica) e desinfeção química, em local apropriado, de equipamentos do
serviço, de acordo com normas e/ou procedimentos definidos;
• Recolher, lavar e acondicionar os equipamentos utilizados na lavagem e desinfeção, de acordo com
normas e/ou procedimentos definidos, para posterior recolha de serviço interna ou externa.

33 34

http://www.novaservicos.pt/L_Hospitalares.aspx http://www.novaservicos.pt/L_Hospitalares.aspx
23
Conclusão
Nas diferentes unidades de saúde, há vários tipos de equipamentos à disposição para
diagnosticar e tratar o utente.
Os hospitais, por exemplo, são responsáveis pelo armazenamento e conservação de todos
os manuais dos equipamentos utilizados nos diversos serviços.
Existem diferentes tipos de manutenção, mas devemos sempre optar pela mais correta, de
forma a não prejudicar o utente que utilize o equipamento em causa. Para isso, o equipamento exige
uma manutenção preventiva, que previne complicações durante a utilização desse mesmo
equipamento.
Esta manutenção deve ser feita por um técnico especializado na área, acompanhado com
um controlo de avarias e manutenções que este equipamento já foi submetido.

24
Web grafia
• Documentos fornecidos pela professora
• http://blog.arkmeds.com/2016/07/19/veja-os-cuidados-basicos-com-seu-equipamento-hospitalar/
• http://pt.slideshare.net/mobile/mihneymarzinha/manuteno-e-utilidades-hospitalares-nr-32
• http://www.visa.goias.gov.br/post/ver/181714/definicao-de-produtos-para-saude-ou-correlatos

25

Você também pode gostar