Você está na página 1de 9

Questão 1 (UPE 2014)

É correto afirmar que o pensamento mítico

a) imprime uma lógica do racional que se expressa nos relatos significantes, conferindo
organização ao mundo caótico e desorganizado.
b) singulariza a dimensão intelectiva no seu enfoque narrativo, no qual o caráter distintivo se
faz presente.
c) tem significância na existência humana no mundo, primando pelo fundamento emotivo.
d) é privado de senso ou de razão nas suas narrativas e é incoerente em sua forma de ser.
e) é uma tentativa fracassada de explicação da realidade.

Questão 2 (UFMA 2009)


“Embora esses dogmas pertençam à religião, os utopianos pensam que a razão pode induzir,
por si mesma, a crer neles e aceitá-los. Não hesitam em declarar que, na ausência desses
princípios, fora preciso ser estúpido para não procurar o prazer por todos os meios possíveis,
criminosos ou legítimos. A virtude consistiria, então, em escolher, entre duas volúpias, a mais
deliciosa, a mais picante; e em fugir dos prazeres que se seguissem dores mais vivas do que o
gozo que tivessem proporcionado” (MORE, Thomas. A utopia. Trad. Luis de Andrade, São
Paulo: Nova Cultural, 1988. Col. Os Pensadores)

A questão sobre a natureza da felicidade humana e a possibilidade de sua realização é uma


das principais questões estudadas pela filosofia grega antiga, sendo discutida no interior de
uma ética e relacionada a noções de virtude e de justiça. Sabe-se que uma das características
principais do humanismo, presente no pensamento renascentista, é justamente a releitura dos
filósofos antigos, buscando integrá-los à concepção cristã de vida. A concepção ética do povo
utopiano, descrita na obra A utopia, de Thomas More pode ser considerada, em suas linhas
gerais, uma revalorização de que corrente filosófica grega?

a) Dos sofistas, na medida em que defende que a felicidade consiste em obter o máximo de
prazer possível, especialmente os que nos advém das honras, do sucesso e das riquezas
materiais.
b) Do platonismo, na medida em que separa os prazeres em duas classes: os relacionados ao
corpo e os relacionados à alma, e que a felicidade estaria no gozo dos prazeres relacionados à
alma, devendo-se desprezar os prazeres do corpo.
c) Do estoicismo, na medida em que defende que a felicidade consiste na tranquilidade ou
ausência de perturbação, alcançada através do autocontrole, da contenção e da austeridade,
desprezando-se todo tipo de prazer.
d) Do aristotelismo, na medida em que defende que a felicidade é uma “virtude da alma
segundo a virtude perfeita” e que essa virtude consistiria em uma espécie de mediania, de meio
termo entre dois extremos.
e) Do epicurismo, na medida em que defende que a felicidade consiste no gozo dos prazeres,
mas não de todo e qualquer prazer, apenas os bons e honestos, devendo ser rejeitados os que
levam a dores mais intensas do que o gozo que proporcionam.
Questão 3 (UEL 2008)
De acordo com Aristóteles, a vida consagrada ao ganho, que tem como fim a riqueza, não é a
vida feliz. Portanto, a vida consagrada ao ganho identifica erroneamente o que é o bem ou a
felicidade. (ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Tradução de Leonel Vallandro e Gerd Bornheim
da versão inglesa de W. D. Ross. São Paulo: Nova Cultural, 1987. p. 12.)

Qual a principal razão invocada por Aristóteles para rejeitar a vida que tem como fim último a
riqueza?
a) A vida consagrada ao ganho é apenas um meio e não um fim em si mesmo.
b) O acúmulo de bens exteriores representa uma agressão à natureza.
c) A busca de riqueza é um fim acalentado por indivíduos mesquinhos e egoístas. d) A vida
consagrada ao ganho é modo de vida típico do capitalismo. e) A riqueza torna as pessoas
escravas do dinheiro e, portanto, infelizes.

Questão 4 (UNCISAL 2012)


O período pré-socrático é o ponto inicial das reflexões filosóficas. Suas discussões se prendem
a Cosmologia, sendo a determinação da physis (princípio eterno e imutável que se encontra na
origem da natureza e de suas transformações) ponto crucial de toda formulação filosófica. Em
tal contexto, Leucipo e Demócrito afirmam ser a realidade percebida pelos sentidos ilusória.
Eles defendem que os sentidos apenas capturam uma realidade superficial, mutável e
transitória que acreditamos ser verdadeira. Mesmo que os sentidos apreendam “as mutações
das coisas, no fundo, os elementos primordiais que constituem essa realidade jamais se
alteram.” Assim, a realidade é uma coisa e o real outra.

Para Leucipo e Demócrito a physis é composta


a) pelas quatro raízes: o úmido, o seco, o quente e o frio.
b) pela água.
c) pelo fogo.
d) pelo ilimitado.
e) pelos átomos.

Questão 5 (UNIOESTE 2012)


O que há em comum entre Tales, Anaximandro e Anaxímenes de Mileto, entre Xenófanes de
Colofão e Pitágoras de Samos? “Todos esses pensadores propõem uma explicação racional do
mundo, e isso é uma reviravolta decisiva na história do pensamento” (Pierre Hadot).
Com base no texto e nos conhecimentos sobre as relações entre mito e filosofia, seguem as
seguintes proposições:

I. Os filósofos pré-socráticos são conhecidos como filósofos da physis porque as explicações


racionais do mundo por eles produzidas apresentam não apenas o início, o princípio, mas
também o desenvolvimento e o resultado do processo pelo qual uma coisa se constitui.
II. Os filósofos pré-socráticos não foram os primeiros a tratarem da origem e do
desenvolvimento do universo, antes deles já existiam cosmogonias, mas estas eram de tipo
mítico, descreviam a história do mundo como uma luta entre entidades personificadas.
III. As explicações racionais do mundo elaboradas pelos pré-socráticos seguem o mesmo
esquema ternário que estruturava as cosmogonias míticas na medida em que também
propõem uma teoria da origem do mundo, do homem e da cidade.
IV. O nascimento das explicações racionais do mundo são também o surgimento de uma nova
ordem do pensamento, complementar ao mito; em certos momentos decisivos da história da
filosofia as duas ordens de pensamento chegam a coexistir, exemplo disso pode ser
encontrado no diálogo platônico Timeu quando, na apresentação do “mito mais verossímil”, a
figura mítica do Demiurgo é introduzida para explicar a produção do mundo.
V. Tales de Mileto, um dos Sete Sábios, além de matemático e físico é considerado filósofo – o
fundador da filosofia, segundo Aristóteles – porque em sua proposição “A água é a origem e a
matriz de todas as coisas” está contida a proposição “Tudo é um”, ou seja, a representação de
unidade.

Assinale a alternativa correta.

a) As proposições III e IV estão incorretas.


b) Somente as proposições I e II estão corretas.
c) Apenas a proposição IV está incorreta.
d) Todas as proposições estão incorretas.
e) Todas as proposições estão corretas.

Questão 6 (UEG GO)


A reflexão ética como tal teve início na Grécia antiga, quando os pensadores procuravam o
fundamento moral de acordo com uma compreensão da realidade puramente racional.
Aristóteles se destacou neste contexto e exerceu forte influência no pensamento ocidental.
Segundo sua teoria, conhecida como eudemonismo, todas as atividades humanas aspiram a
um fim que recebe o nome de
a) benevolência.
b) felicidade.
c) virtude.
d) paixão.

Questão 7 (ENEM)
Olhamos o homem alheio às atividades públicas não como alguém que cuida apenas de seus
próprios interesses, mas como um inútil; nós, cidadãos atenienses, decidimos as questões
públicas por nós mesmos na crença de que não é o debate que é empecilho à ação, e sim o
fato de não se estar esclarecido pelo debate antes de chegar a hora da ação.
TUCÍDIDES. História da Guerra do Peloponeso. Brasília: UnB, 1987 (adaptado).
TEXTO II
Um cidadão integral pode ser definido por nada mais nada menos que pelo direito de
administrar justiça e exercer funções públicas; algumas destas, todavia, são limitadas quanto
ao tempo de exercício, de tal modo que não podem de forma alguma ser exercidas duas vezes
pela mesma pessoa, ou somente podem sê-lo depois de certos intervalos de tempo prefixados.
ARISTÓTELES. Política. Brasília: UnB, 1985.
Comparando os textos I e II, tanto para Tucídides (no século V a.C) quanto para Aristóteles (no
século IV a.C.), a cidadania era definida pelo(a)
a) prestígio social.
b) acúmulo de riqueza.
c) participação política.
d) local de nascimento.
e) grupo de parentesco.

Questão 8 (UNICENTRO 2011)


Segundo os sofistas, a persuasão
a) é um instrumento, por excelência, do cidadão, na sociedade democrática.

b) tem por efeito apresentar a verdade, em si, ao seu interlocutor.

c) deve servir para capacitar o exercício do estilo da escritura.

d) é uma prática que corrompe o exercício da cidadania.

e) ensina a mentir de uma forma convincente.

Questão 9 (UNICENTRO 2016)


Leia o texto a seguir.
O pensamento de Sócrates e dos sofistas deve ser entendido, portanto, tendo como pano de
fundo o contexto histórico e sociopolítico de sua época, pois tem um compromisso bastante
direto e explícito com essa realidade.

(MARCONDES, D. Iniciação à História da Filosofia. Dos Pré-Socráticos a Wittgenstein. Rio de


Janeiro: Zahar, 2007. p.40.)

Sobre o contexto histórico e sociopolítico que marca o debate entre Sócrates e os sofistas,
conforme aludido no texto, considere as afirmativas a seguir. Nele encontramos:

I. Debate com atenção voltada para as questões que almejam assegurar os fundamentos da
natureza.

II. Tematização das questões de ordem metafísica com a pretensão de racionalização do


divino.

III. O interesse pela problemática ético-política perpassa o debate que marca o contexto de
ambos.

IV. Compromisso bastante direto, ainda que com posicionamentos distintos, em relação ao
exercício da democracia.
Assinale a alternativa correta.

a) Somente as afirmativas I e II são corretas.

b) Somente as afirmativas I e IV são corretas.

c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.

d) Somente as afirmativas I, II e III são corretas.

e) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas.

Questão 10 (UFU 2013)


Marque a alternativa que expressa corretamente o pensamento de Sócrates.

a) Sócrates estabelece uma ligação muito estreita entre o conhecimento da virtude e a ação
humana, a ponto de sustentar que aquele que conhece o que é o correto não pode agir
erroneamente, visto que o erro de conduta é fruto da ignorância sobre a verdade.
b) fim último do método dialético socrático era a refutação do seu interlocutor. Assim sendo, é
legítimo afirmar que o reconhecimento da própria ignorância equivale à constatação de que a
verdade é relativa a cada indivíduo.
c) Sócrates é considerado um divisor de águas na Filosofia graças a sua teoria ética sobre a
imobilidade do Ser. Por isso, sua missão sempre foi a investigação de um fundamento absoluto
da moral.
d) Sócrates fazia uso de um método refutativo de investigação, o que significa que seu principal
intento era levar o interlocutor à contradição, independentemente se o último estivesse ou não
com a razão.

Questão 11 (UFU 2008)


E que existe o belo em si, e o bom em si, e, do mesmo modo, relativamente a todas as coisas
que então postulamos como múltiplas, e, inversamente, postulamos que a cada uma
corresponde uma ideia, que é única, e chamamos-lhe a sua essência (507b-c).

PLATÃO. República. Trad. de Maria Helena da Rocha Pereira. 8ª ed.

Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 1996.

Marque a alternativa que expressa corretamente o pensamento de Platão.

a) Somente por meio dos sentidos, em especial da visão, pode o filósofo obter o conhecimento
das ideias.
b) No pensamento platônico, o conhecimento das ideias permite ao filósofo discernir a unidade
inteligível em face da multiplicidade sensível.

c) Para que a alma humana alcance o conhecimento das ideias, ela deve elevar-se às alturas
do inteligível, o que somente é possível após a morte ou por meio do contato com os deuses
gregos.

d) Tanto a dialética quanto a matemática elevam o conhecimento ao inteligível; mas, somente a


matemática, por seu caráter abstrato, conduz a alma ao princípio supremo: a ideia de Bem.

Questão 12 (ENEM 2017)


ENEM(Segunda aplicação) 2017
XI. Jamais, a respeito de coisa alguma, digas: "Eu a perdi", mas sim: "Eu a restitui". O filho
morreu? Foi restituído. A mulher morreu? Foi restituída. “A propriedade me foi subtraída”, então
também foi restituída. “Mas quem a subtraiu é mau”. O que te importa por meio de quem
aquele que te dá a pede de volta? Na medida em que ele der, faz uso do mesmo modo de
quem cuida das coisas de outrem. Do mesmo modo como fazem os que se instalam em uma
hospedaria.
EPICTETO.Encheirídion. In: DINUCCI, A.Introdução ao Manual de Epicteto.
São Cristóvão: UFS, 2012 (adaptado).

A característica do estoicismo presente nessa citação do filósofo grego Epicteto é


a) explicar o mundo com números.
b) identificar a felicidade com o prazer.
c) aceitar os sofrimentos com serenidade
d) questionar o saber científico com veemência.
e) considerar as convenções sociais com desprezo.

Questão 13 (ENEM 2012)


No contexto da polis grega, as leis comuns nasciam de uma convenção entre cidadãos,
definida pelo confronto de suas opiniões em um verdadeiro espaço público, a ágora, confronto
esse que concedia a essas convenções a qualidade de instituições públicas.
MAGDALENO, F. S. A territorialidade da representação política: vínculos
territoriais de compromisso dos deputados fluminenses. São Paulo: Annablume,
2010.
No texto, está relatado um exemplo de exercício da cidadania associado ao
seguinte modelo de prática democrática:
a) Direta.
b) Sindical.
c) Socialista.
d) Corporativista.
e) Representativa.
Questão 14 (ENEM 2009)
Segundo Aristóteles, “na cidade com o melhor conjunto de normas e naquela dotada de
homens absolutamente justos, os cidadãos não devem viver uma vida de trabalho trivial ou de
negócios — esses tipos de vida são desprezíveis e incompatíveis com as qualidades morais —,
tampouco devem ser agricultores os aspirantes à cidadania, pois o lazer é indispensável ao
desenvolvimento das qualidades morais e à prática das atividades políticas”.
VAN ACKER, T. Grécia. A vida cotidiana na cidade-Estado. São Paulo: Atual,
1994.

O trecho, retirado da obra Política, de Aristóteles, permite compreender que a cidadania


A) possui uma dimensão histórica que deve ser criticada, pois é condenável que os políticos de
qualquer época fiquem entregues à ociosidade, enquanto o resto dos cidadãos tem de
trabalhar.
B) era entendida como uma dignidade própria dos grupos sociais superiores, fruto de uma
concepção política profundamente hierarquizada da sociedade.
C) estava vinculada, na Grécia Antiga, a uma percepção política democrática, que levava todos
os habitantes da pólis a participarem da vida cívica.
D) tinha profundas conexões com a justiça, razão pela qual o tempo livre dos cidadãos deveria
ser dedicado às atividades vinculadas aos tribunais. E vivida pelos atenienses era, de fato,
restrita àqueles que se dedicavam à política e que tinham tempo para resolver os problemas da
cidade.
E) vivida pelos atenienses era, de fato, restrita àqueles que se dedicavam à política e que
tinham tempo para resolver os problemas da cidade.

Questão 15 (ENEM 2009)


ENEM (2012)
Texto I
Anaxímenes de Mileto disse que o ar é o elemento originário de tudo o que existe, existiu e
existirá, e que outras coisas provêm de sua descendência. Quando o ar se dilata, transforma-
se em fogo, ao passo que os ventos são ar condensado. As nuvens formam-se a partir do ar
por filtragem e, ainda mais condensadas, transformam-se em água. A água, quando mais
condensada, transforma-se em terra, e quando condensada ao máximo possível,
transformasse em pedras.
BURNET, J. A aurora da filosofia grega. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2006
(adaptado).
Texto II
Basílio Magno, filósofo medieval, escreveu: “Deus, como criador de todas as coisas, está no
princípio do mundo e dos tempos. Quão parcas de conteúdo se nos apresentam, em face desta
concepção, as especulações contraditórias dos filósofos, para os quais o mundo se origina, ou
de algum dos quatro elementos, como ensinam os Jônios, ou dos átomos, como julga
Demócrito. Na verdade, dão a impressão de quererem ancorar o mundo numa teia de aranha.”
GILSON, E.; BOEHNER, P. História da Filosofia Cristã. São Paulo: Vozes, 1991 (adaptado).
Filósofos dos diversos tempos históricos desenvolveram teses para explicar a origem do
universo, a partir de uma explicação racional. As teses de Anaxímenes, filósofo grego antigo, e
de Basílio, filósofo medieval, têm em comum na sua fundamentação teorias que
A) eram baseadas nas ciências da natureza.
B) refutavam as teorias de filósofos da religião.
C) tinham origem nos mitos das civilizações antigas.
D) postulavam um princípio originário para o mundo.
E) defendiam que Deus é o princípio de todas as coisas.

Questão 16 (UFU 2013)


A Alegoria da Caverna de Platão, além de ser um texto de teoria do conhecimento, é também
um texto político. No sentido político, é correto afirmar que Platão sustentava um modelo
a) monárquico, cujo governo deveria ser exercido por um filósofo e cujo poder deveria ser
absoluto, centralizador e hereditário.
b) aristocrático, baseado na riqueza e que representava os interesses dos comerciantes e
nobres atenienses, por serem eles os mecenas das artes, das letras e da filosofia.
c) democrático, baseado, principalmente, na experiência política de governo da época de
Péricles.
d) aristocrático, cujo governo deveria ser confiado aos melhores em inteligência e em conduta
ética.

Questão 17 (UNISC 2012)


Na obra de Aristóteles, a Ética é uma ciência prática, concepção distinta da de Platão, referida
a um tipo de saber voltado à ação. Na Ética a Nicômaco, Aristóteles destaca uma excelência
moral determinante para a constituição de uma vida virtuosa.
Esta excelência moral tão importante é
a) a coragem.
b) a retórica.
c) a verdade.
d) a prudência ou a moderação.
e) nenhuma das alternativas anteriores está correta.

Questão 18 (ENEM 2018)


A quem não basta pouco, nada basta. EPICURO. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural,
1985.
Remanescente do período helenístico, a máx
ima apresentada valoriza a seguinte virtude:
A) Esperança, tida como confiança no porvir.
B) Justiça, interpretada como retidão de caráter.
C) Temperança, marcada pelo domínio da vontade.
D) Coragem, definida com fortitude na dificuldade.
E) Prudência, caracterizada pelo correto uso da razão.

Você também pode gostar