Você está na página 1de 2

A ideia de justiça não tem apenas uma definição e sim uma pluralidade de sentidos.

A noção de justiça no Ocidente é resultado da construção histórica que recebe a


contribuição de diversas matrizes teóricas resultando na compreensão da estrutura
jurídica que compõe a nossa sociedade.
São 3 Matrizes teóricas
1ª: GRECO ROMANA: Que faz parte dos principais pensadores da Grécia e da Roma
antiga que contribuíram com as ideias de aproximação a ÉTICA e a POLÍTICA para
resultar na formação de uma sociedade orientada pela justiça.
2ª JUDAICO CRISTÃ: Formada pela influência do pensamento do cristianismo que tem
uma base judaica e que contribuiu com as ideias de MORAL a partir de uma lei universal,
aplicada de uma forma divina sobre toda criatura humana, mas também que todos somos
iguais perante a Deus (Principio da moral e igualdade)
3ª RACIONALIDADE MODERNA (Séc. XVII), período da modernidade, orientados com
base no pensamento do Renê Descartes, que apontava o caminho do HUMANISMO e
CONTRATUALISMO que tiveram lugar por causa das mudanças políticas e sociais que
aconteceram na Europa, principalmente com a formação dos Estados Nacionais, uma
novidade do poder que começou sendo absolutista e passando depois ao pensamento de
cunho mais liberal e também republicano.
O resultado dessas matrizes teóricas foi uma pluralidade de sentidos de justiça, de tal
maneira que podemos falar que o que temos com ideia de justiça, é o sentido polissêmico
(sentido diversos- pluralidade).
Antony Guides: Reflexos de mudanças, dos processos de construção na formação da
sociedade nas formas de como essa sociedade moderna trata a administração pública, a
garantia da sobrevivência do estado e até mesmo a forma de organização dos interesses
que está voltado para a estrutura do Estado como organização civil, podemos dizer que o
judiciário (estrutura jurídica) vem se configurando ao longo do tempo principalmente a
parte da modernidade, ele acabou subestimando aos interesses do Estado nascente
(organização política) para garantia dos direitos e da ordem pública.
Assim sendo, lidar com a ideia de justiça esta ligada a uma busca de uma forma de
organização da sociedade. Lidar com uma ideia de justiça em meio a essa pluralidade
tem a ver como uma certa forma de agir na sociedade, de organizar a vida social.
Nesse sentido, a justiça está vinculada a maneira como tratamos as formas de como essa
sociedade se apresenta, caracteriza por uma diversidade de aspectos, pelas liberdades
de seus indivíduos, pelas responsabilidades de seus atores, pelo respeito ao outro, pela
tolerância (aspectos da dinâmica da vida social para que a sociedade pode conviver de
forma harmoniosa).
SOCIEDADE JUSTA: É aquela que não ofende de forma alguma a liberdade do outro,
dignidade do outro, do outro ter propriedades, garantia de seu sustento e de conduzir a
vida de forma digna na sociedade.
SOCIEDADE INJUSTA:É aquela que tem a ver com as formas de desigualdades,
violação da própria condição da pessoa, exercício de violência da liberdade de qualquer
pessoa. Sociedade que permita que não haja interferência do poder sobre ela,
considerado então como sociedade injusta.
MODELOS
SATISFAÇÃO: A justiça com um dado de retribuição considerada a partir do princípio da
retribuição (Direito retributivo- A justiça com uma reparação de danos)
MERECIMENTO: A justiça tratada a partir da ideia de uma recompensa pelas virtudes
adquiridas, desenvolvidas. Ex: Ser uma pessoa boa, ter virtudes passa ser merecedora de
determinados tratamentos, conquistas sociais.
EQUIDADE: É aquela que depende do caráter do indivíduo, da condição da vontade do
sujeito abrir mão de determinados direitos para garantir o direito do outro. Ex: O sujeito
que abre mão da sua liberdade para que o outro tenha condições de desfrutar também de
sua liberdade.
LIBERDADE: É aquela que se baseia na ideia do sujeito como ´portador de direitos do
pensamento de Hana Arendt “ Direito a ter direitos”.
Liberdade atual: Armad a sam: 3 modelos do pensamento Contemporâneo.

1) UTILITARISTA: A justiça para alcançar um determinado fim.


2) IGUALITARISTA: Procura garantir distribuição igual dos direitos entre os indivíduos.
3) LIBERTÁRIA: Se baseia no princípio da dignidade da pessoa humana, no princípio ao
Direito a propriedade, agir livremente com sua consciência.
TEORIAS JURÍDICAS EM VIGOR:
1) JUSNATURALISMO: Tem a ver com o natural, princípio de justiça baseado por causa
da origem e condições naturais.
2) JUSPOSITIVISMO: É a relação entre DIREITO e Norma jurídica, ou seja, a partir da
objetividade da lei, da estrutura da lei, ordenamento jurídico é possível construir uma
relação de Direitos dos indivíduos e das coletividades.
3) JUS HISTORICISMO: Considera o Direito com produto histórico de relações sociais
em que as conquistas e as decisões jurídicas são baseadas em um determinado
momento histórico por atores sociais.
4) JUS REALISMO (Realismo jurídico): Se baseia em uma filosofia pragmática de origem
norte- americana. Se ocupa com a ideia de eficácia do Direito, da presunção das ações
jurídicas em que os atores estão intencionalmente capazes de produzir efeitos a partir das
decisões que já estão fluentemente conhecidas, que já faz parte de uma determinada
jurisprudência.
5) JUSCONSTRUTIVISMO: Se baseia na ideia de que toda ação jurídica é centrada na
ação de sujeitos que constrói a própria identidade a partir das relações e das condições
inter-relações que estabelecem. A ênfase recai sobre sujeitos que são atores ativos e
sobre as relações intersubjetivas que eles estabelecem.