Você está na página 1de 28

94

ARTIGO
________________________________________________________________________________

Iniciação esportiva no Programa Segundo Tempo: perspectivas


teóricas, reflexões e proposta metodológica para os fundamentos do
Basquetebol

Marlus Alexandre Sousa


Profissional de Educação Física, graduado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp);
Pesquisador e Especialista em Esporte Escolar pelo Programa Segundo Tempo/ Universidade de Brasília
(UnB) e-mail: marlusbh@hotmail.com

Rubens Venditti Júnior


Bacharel e Licenciado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); Mestre e
Estudante de Pós-Graduação (Doutorando) da Faculdade de Educação Física da Unicamp/ F.E.F.-Unicamp
Docente das Faculdades Metropolitanas de Campinas (Metrocamp) e Universidade Adventista de São
Paulo (UNASP) / e-mail: rubensjrv@yahoo.com

Resumo
Nesse estudo, apresentamos uma linha da pedagogia do esporte escolar,
ressaltando discussões acerca de referenciais metodológicos para profissionais
que atuam no “Programa Segundo Tempo”, proporcionando um
desenvolvimento harmônico e global para os alunos inseridos no programa.
Relacionamos o campo de atuação da pedagogia do esporte com o ensino da
modalidade basquetebol, utilizando-se como principal instrumento o jogo,
servindo como ferramenta de ensino através de suas características lúdicas.
Na proposta apresentada no estudo, apontamos à necessidade que os
professores do “Programa Segundo Tempo” criem mecanismos para a
transmissão de valores éticos, sociais e morais que devem ser ensinados
através das várias possibilidades que o ambiente esportivo proporciona.
Acreditamos em propostas pedagógicas que atinjam professores e alunos,
auxiliando os primeiros no processo de constantes e variados estímulos no
desenvolvimento global (não apenas motor, mas também cognitivo e sócio­
afetivo) dos segundos. Segundo Balbino (2001), de forma generalizada, a
prática esportiva orienta para o desenvolvimento no aspecto físico, a escola
no aspecto mental, a família e as amizades nos aspectos emocionais e sociais.
Assim sendo, este estudo poderia auxiliar na vivência e prática,
principalmente da modalidade basquetebol, no desenvolvimento de valores e
na construção de metáforas que estabeleçam relações entre o esporte e a
vida – meta fundamental da educação moderna.

Palavras-chave: pedagogia do esporte; basquetebol; programa Segundo


Tempo; estratégias de ensino-aprendizagem.

Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
95

Abstract
In this study, we present a line of the scholar sports pedagogy, standing out
quarrels concerning theoretical methods for professionals acting in the
“Program Second time”, providing a harmonic and global development for the
inserted pupils in the program. We relate the field of physical education acting
with the modality basketball, using as main instrument the game, serving as
tool of education through its playful characteristics. In the proposal presented
in the study, we point to the necessity that the teachers and instructors in the
“Program Second Time” create mechanisms for the transmission of ethical,
social and moral values, that must be taught through some possibilities that
the sports environment provides. We believe in pedagogical proposals that
reach professors and pupils, assisting the first ones in the process of
constants and varied stimulations in the global development (motor, cognitive
and affective) of the seconds. According to Balbino (2001), in a general way,
the practicing of sports and exercises guides for the development in the
physical aspect, the school in the mental aspect, the family and the
friendships in the emotional and social aspects. Thus, this study could assist
the practical experience of teaching, mainly into the modality basketball,
developing values and the construction of metaphors that establish relations
between the sport and life - basic goal of the modern education.

Key-words: Sport´s Pedagogy; basketball; program Second Time; teach­


learning strategies.

Início da partida: quem vai jogar conosco?

Procuramos em nosso estudo apontar o “Programa Segundo Tempo” como um


fenômeno com fortes possibilidades educacionais, favoráveis para discussão de
princípios e valores, que serão capazes de formar não apenas atletas, mas também
cidadãos criativos e autônomos que sejam capazes de solucionar seus problemas e
conviver de maneira harmoniosa e participativa da sua comunidade.
Trabalhamos em outro programa social, com enfoque esportivo durante dois
anos (período de 2003 a 2005), na região de Campinas - SP, como professor e
posteriormente como coordenador técnico (o primeiro autor: prof. Marlus Alexandre
de Sousa). Nesse período, o professor Rubens Venditti Júnior, orientador deste
trabalho, também trabalhou como coordenador pedagógico. Pudemos juntos
desenvolver um plano de ações pedagógicas voltado para os alunos e também para os
professores daquele programa, surgindo daí o interesse pela temática.
Durante a vivência do primeiro autor no “Programa Segundo Tempo”, o mesmo
pôde sentir como é importante o cuidado a ser tomado com as práticas de ensino e
Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
96

treinamento de qualquer modalidade esportiva. Nas fases iniciais de aprendizagem, o


tratamento pedagógico deve privilegiar o desenvolvimento integral do aluno.
O profissional de Educação Física terá que “encantar” os alunos para as práticas
esportivas e esse encantamento se dá através de recursos pedagógicos como o jogo.
No ensino formal, muitas vezes nos deparamos com algumas situações
constrangedoras como a escassez de materiais esportivos e pedagógicos nas escolas e
também a falta de investimentos na capacitação de professores.
Cursos de Especialização como este, do Ministério do Esporte, fortalecem e
dimensionam o trabalho dos professores em todo o país. Mas cabe também ao
profissional de Educação Física (EF) elaborar uma diversificação de conteúdos e a
estruturação de uma pedagogia do esporte que atenda aos interesses e necessidades
do aluno, sempre buscando uma metodologia prazerosa, adequada ao público-alvo e
que seja motivante para os alunos, afim de que gostem e se interessem pelo esporte,
podendo se entregar de forma plena e alegre ao processo de ensino-aprendizagem.

Por que jogar? - embasamentos a partir da pedagogia do esporte

Com a evolução do fenômeno Esporte, cada vez mais se faz necessário


estudá-lo em diferentes dimensões, visando sua melhor compreensão. Uma
abordagem possível se dá através da pedagogia do esporte, pois dar ao esporte um
tratamento pedagógico significa contribuir para seu aprendizado e também melhorar
seus níveis de rendimento.
Neste contexto, este estudo justifica-se pela importância de ampliar a
discussão acerca de uma pedagogia do esporte preocupada em ensinar técnicas,
táticas e também valores fundamentais para o desenvolvimento da criança, jovem e
adolescente, enfim de todos os segmentos da sociedade (PAES, 1992; 2002; BALBINO
e PAES, 2007; PAES e BALBINO, 2009).
Considerando todas as possibilidades da pedagogia do esporte, cabe ao
professor ter claros os objetivos almejados e escolher uma metodologia compatível a
ser utilizada. Mas nem sempre há uma preocupação no momento desta escolha,
restringindo e limitando as possibilidades pedagógicas do esporte nos vários
ambientes onde acontece este processo pedagógico. Para Freire (1994, p.114), as
atividades propostas pelo professor devem ser compatíveis com o grau de
desenvolvimento dos alunos, conforme destacado abaixo:
Uma proposta pedagógica não pode estar nem aquém nem além do nível
de desenvolvimento da criança. Uma boa proposta, que facilite esse
conhecimento, é aquela em que a criança vacila diante das dificuldades
Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
97

mas se sente motivada, com seus recursos atuais, a superá-las,


garantindo as estruturas necessárias para níveis mais elevados de
conhecimento.

As conseqüências desta prática de ensino mal estruturadas podem ser


detectadas em estudos quanto à evasão do esporte, bem como em relatos sobre a
competição e especialização precoce (PAES, 1992). Acreditamos que o problema
gerador destas conseqüências seja a utilização de metodologias incoerentes para
crianças, principalmente, nas etapas iniciais de desenvolvimento, pois nesta fase
deve-se priorizar o aprimoramento do repertório motor destas crianças, o que
geralmente ocorre na faixa etária dos sete aos dez anos de idade. Pode-se observar
que esta etapa etária é importantíssima para o desenvolvimento do indivíduo e
principalmente no que tange as questões motoras. Daí a necessidade de se
compreender e trabalhar o esporte, a atividade física e o exercício no período escolar,
uma vez que esta etapa condiz exatamente com o ciclo inicial do ensino fundamental
vigente atualmente em nosso país.
Por mais que pareça óbvio que as práticas de ensino estejam coerentes e
fundamentadas teoricamente, para que o processo de ensino-aprendizagem ocorra
garantindo o bem-estar dos alunos, é preciso respeitar as características próprias das
diferentes idades, as diferenças entre cada criança, através de atividades lúdicas para
motivá-las à prática constante e levando em conta os aspectos sócio-culturais e os
contextos educativos com os quais o profissional de EF venha a interagir.
O profissional que trabalha na iniciação esportiva com preocupações
pedagógicas tem como objetivo transmitir conhecimentos na área de esportes para
seus alunos, além de educá-los para a vida em sociedade e para se tornarem cidadãos
críticos e conscientes de seu tempo e espaço social (FREIRE, 1994). Estes
conhecimentos devem abranger as habilidades físicas, cognitivas e emocionais que
possibilitem a prática, o entendimento, a discussão e a apreciação dos esportes em
qualquer ambiente.
Segundo Bento (1989), devem também proporcionar intenção de uma prática
constante na busca pela qualidade de vida, uma educação ética, moral e social,
conhecimentos de habilidades e capacidades motoras essenciais e autonomia para
prática do desporto nas horas de lazer e tempo ocioso.
Paes (1996) acredita que uma pedagogia do esporte deve ter como objetivo a
participação de todos. Sendo assim, o Esporte pode ser utilizado como ocupação do
tempo livre, relacionado à área de Recreação e Lazer. Para este autor, é fundamental
aprender jogando e não aprender para jogar. Esta seria a principal característica do

Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
98

chamado “jogo possível”, onde através das práticas esportivas surge um ambiente
repleto de possibilidades e potenciais pedagógicos, como veremos a seguir (VENDITTI
JR e SOUZA, 2008).
Freire (1994) faz uma análise sobre a pedagogia do esporte, enxergando o
fenômeno sociocultural de forma abrangente, onde o processo de ensino supera as
questões voltadas somente à aprendizagem de gestos esportivos. Para o autor, é
preciso:
- ensinar Esporte a todos;

- ensinar bem Esporte a todos;

- ensinar mais que Esporte a todos; e

- ensinar a gostar do Esporte.

Tani (1988, p.35-36) ressalta a importância de uma pedagogia do esporte que


trabalhe as potencialidades e respeite as limitações dos alunos:
É necessário respeitar as características individuais, as expectativas e as
aspirações das pessoas; preocupando-se não apenas com o seu
potencial, mas também com a limitação; dando oportunidades de acesso
a diferentes modalidades.

Propomos que a especialização só deve ocorrer quando a criança está num


estágio maturacional - do ponto de vista físico e psicológico - muito bem
desenvolvidos e definitivamente decidida, na modalidade a ser treinada. Para uma
melhor compreensão do processo de ensino-aprendizagem esportiva identificam-se
algumas sugestões pedagógicas (VENDITTI JR e SOUSA, 2008):
• Incluir nas atividades, a aprendizagem de habilidades que propiciem saltar,
arremessar, pular, receber, para desenvolver o repertório motor e as habilidades
motoras básicas;
• Organizar exercícios, jogos e atividades de modo a proporcionar um máximo de
oportunidades para uma participação mais efetiva e atuante da criança;
• Fazer o possível para que as práticas esportivas constituam ocasiões de prazer para
todas as crianças, em todas as idades e nos vários contextos de atuação em Educação
Física;
• Destacar a importância da ética, da cooperação, do espírito esportivo e o respeito ao
adversário (valores morais, éticos e atitudinais); e
• Encorajar as crianças a participarem de exercícios com certo nível de dificuldade
para que as mesmas possam identificar o “problema” e procurar a solução para tal
exercício.

Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
99

O Ensino Reflexivo como proposta nas aulas do “Programa Segundo Tempo”

A adoção de aspectos metodológicos é imprescindível no processo de ensino e


aprendizagem. É necessário que o professor compreenda o contexto cultural, no qual
o aluno está inserido para o desenrolar de todas as possibilidades pedagógicas a
serem oferecidas ao aluno. Darido (2005, p.103) ressalta que:
Nossa proposta caminha na direção do entendimento de que o professor,
ao optar por determinada forma de agir, deve estar constantemente
refletindo sobre sua prática social, como ser um professor que, além de
pensar sobre suas ações, e, conseqüentemente, nas relações de seus
alunos (interação professor x aluno).

Nesta experiência como professor do Programa Segundo Tempo, o primeiro


autor procurou na maioria das vezes analisar e contextualizar culturalmente o aluno
nestas atividades. No entanto, alguns problemas decorrentes do excesso de aulas
dadas pelo professor, ou até mesmo a escassez de material, provocam nas ações
docentes algo mecânico, automático e pouco reflexivo. Ou seja, os problemas
decorrentes no transcorrer das aulas são corrigidos automaticamente, não levando em
consideração aspectos culturais da vida do aluno. Darido (2005, p.105) afirma:
A reflexão na ação ocorre durante aula, no instante exato em que está
acontecendo, possibilitando ao professor tomar novas decisões sobre os
problemas que vão surgindo. Imediatamente após a aula, o professor
passa a refletir sobre os acontecimentos da mesma, como tomou
decisões, quais, poderiam ser diferentes, o que faltou para a mesma
fosse melhor, enfim, o que deu certo ou errado.

Essa perspectiva reflexiva pode servir de eixo metodológico para professores


do Programa, refletindo sobre sua prática profissional, não apenas em relação às
aulas, mas que reflete o cenário em que o aluno está inserido, transformando sua
educação em uma educação permanente. Venditti Jr (2005, p.74) ressalta:
A prática como eixo curricular é proposta, uma vez que o conteúdo e a
riqueza da EF estão no universo de suas práticas corporais. Estas
práticas podem ser analisadas, sistematizadas, planejadas, antecipadas
e testadas, além de serem posteriormente remodeladas, refletidas e
avaliadas em conjunto com os discentes, de maneira dialética e
integrada.

Na concepção do ensino reflexivo, é fundamental a troca de experiências entre


os professores. Muitas vezes, ao assistir a uma aula de um professor, colega de escola
ou até mesmo de outra unidade escolar, ou ainda trocar e discutis experiências e
situações, permite tirar bastante proveito do conteúdo ministrado.
Por exemplo: discute-se bastante a questão de alguns preconceitos na
Educação Física escolar como a separação por gênero nas aulas. Um processo
Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
100

transmitido culturalmente e que, na maioria das vezes, é uma decisão que foge ao
alcance do professor. Até mesmo pais, coordenadores pedagógicos e os alunos e
alunas insistem nessa incoerência pedagógica. Muitos professores criam atividades
que meninos e meninas jogam juntos criando um meio eficaz de ensinar aos alunos a
tolerância, a aceitação de características individuais, transmissão de valores, modos
de comportamento, e principalmente para que ambos possam participar futuramente
de uma sociedade.
Na proposta reflexiva, ocorre a utilização de conhecimentos de professores
experientes (observação de colegas de profissão). Através do conhecimento e da
transmissão das experiências vividas no contexto docente, os professores de EF
podem transmitir seus conhecimentos e fornecer algumas possibilidades de cursos de
ação aos professores em formação, para que façam uso destas informações e
conhecimentos durante suas carreiras docentes. Estas experiências enfatizam a
importância do estágio desde a formação, sempre com a supervisão e que se permita
o exercício das habilidades reflexivas na construção das metodologias destes futuros
profissionais.

Jogo e esportes: ferramentas educativas do agente pedagógico

Para compreender este fenômeno recorremos a Huizinga (1999), pois este


autor afirma que a intensidade do jogo e seu poder de fascinação não podem ser
explicados por análises biológicas. O autor menciona que o divertimento, prazer e a
alegria são elementos definidores da real essência do jogo. Com isso, acreditamos que
o jogo possui uma essência autônoma.
Vários estudos mencionam que é bastante antiga a utilização de formas
lúdicas para trabalhar com crianças. Porém, somente em meados de 1840, Froeber,
pensador alemão, indica o jogo como importante recurso para o desenvolvimento
físico, moral e intelectual da criança.
Huizinga (1999) afirma que o jogo deve ser considerado como uma atividade
livre, conscientemente tomada como “não-séria”, exterior à vida habitual, mas que ao
mesmo tempo é capaz de absorver o jogador de maneira intensa e total. Para ele, o
jogo é ainda uma atividade desligada de todo e qualquer interesse material, com a
qual não se pode obter lucros e é praticada dentro de limites temporais e espaciais
próprios, seguindo determinada ordem e regras estipuladas
Na busca pela promoção do desenvolvimento integral dos alunos, os
professores de Educação Física devem explorar o jogo oferecendo uma multiplicidade
Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
101

de ações desafiadoras que motivem diferentes respostas e estimulem a criatividade.


Um jogo pode apropriar-se de inúmeras variações, gerando novas dificuldades e
motivações, mas sempre de forma a conscientizar os alunos da atividade realizada.
O jogo é um importante instrumento pedagógico na busca de uma
continuidade do processo educativo, que a cada aula deve proporcionar uma aquisição
gradual de conhecimentos (FREIRE, 1994). Em síntese, se a criança não compreende
essa dinâmica, pode ter uma falsa sensação de que chegou a seu limite e pode
equivocadamente acreditar que ocupa uma posição de inferioridade perante os outros
colegas, assim como esses colegas podem acreditar que ocupam uma posição de
superioridade. Esta situação pode comprometer a motivação dos alunos com relação à
prática da modalidade.
Para ocorrerem práticas pedagógicas condizentes aos níveis de
desenvolvimento e aprendizagem da criança, é necessário propor uma pedagogia do
esporte diversificada e para isso vamos propor o jogo como uma das opções para
manter o interesse do iniciante na prática esportiva. Como já frisado, Paes (1996,
p.113) propõe a utilização do “Jogo Possível” como proposta pedagógica:
Para nós, o jogo possível possibilita o resgate da cultura infantil no
processo pedagógico de ensino do esporte, tornando seu aprendizado
uma atividade prazerosa e eficiente no que diz respeito à aquisição das
habilidades básicas e específicas. Nossa experiência no trabalho com
iniciação esportiva possibilitou algumas descobertas e adaptações em
jogos e brincadeiras já conhecidas, porém, direcionamos essas
atividades buscando o aprendizado coletivo.

O autor defende ainda que este recurso pode ser um facilitador para os
alunos compreenderem a lógica técnica e tática dos jogos coletivos (PAES e BALBINO,
2009). Concordamos com o autor, pois se temos um grupo de indivíduos da terceira
idade, por exemplo, que gostem de praticar o basquetebol numa praça esportiva, esse
grupo vai conhecer e aprender a modalidade através do “jogo possível”, com a criação
de regras que respeitem suas limitações e diferenças, além de normas que viabilizem
o jogo naquele contexto social e cultural de acordo com os interesses e objetivos
trazidos pelo grupo e suas características
No contexto pedagógico, o jogo é uma forma de ensinar conteúdos às
crianças, motivando-as e principalmente que se entenda que a criança existe como
sujeito e não como objeto neste ambiente lúdico-educativo.
Freire (1994) discute que a questão do jogo no processo educativo constitui
um comprometimento com a realidade dos alunos. Quando a criança joga, todo seu
esquema motor é acionado, sua socialização é solicitada e o esquema cognitivo é
estimulado, através do jogo elas se unem procurando se entender, estimulando o
Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
102

respeito pelo outro e pelo adversário com quem se joga. Segundo Huizinga (1999), é
no jogo e pelo jogo que a civilização se desenvolve, pois o jogo é o fato mais antigo
da cultura, e tudo que o ser humano faz e vive é jogo, nas mais variadas formas e
contexto. 1
As ações pedagógicas do educador devem transmitir padrões para a
compreensão das imprevisíveis situações advindas do jogo. Deve-se dar importância
da complexidade de interações que envolvem cada situação do jogo em si. Essas
assertivas se validam pelas várias oportunidades que o jogo gera, pelos desafios
característicos presentes e, também, justificando as resoluções das diferentes
situações nas manifestações e estímulos das Inteligências Múltiplas (GARDNER, 1994;
BALBINO e PAES, 2007).
Salientamos a importância do jogo no domínio psicomotor da criança, pois as
habilidades motoras e físicas são constantemente requeridas. O caráter
interdisciplinar do jogo é altamente significante, ele está ligado à promoção do
desenvolvimento integral da criança, considerando-a como ser pensante, pois o jogo é
compatível com os esquemas de pensamento da criança.
O jogo é um dos meios mais propícios para a construção do conhecimento do
indivíduo. Através de uma prática consciente, pode fazê-lo como meio de
aprendizagem e descobertas, com as variações gera novas dificuldades, levando-os a
se tornar mais consciente das atividades e do respeito que devemos ter com o outro,
com o ser humano.
Paes (1992) defende a aplicação de uma metodologia voltada para os jogos
na iniciação esportiva acrescentando a importância do aspecto lúdico, pois acredita
que ele seja um fator facilitador para a criança desenvolver a noção de espaço se
divertindo, além de ser o melhor indicador de evolução e limitação dos alunos, como
lembra Garganta (1995).
Segundo Bayer (1994), os desportos coletivos apresentam em sua estrutura
uma semelhança e seus elementos podem ser transferidos para a aprendizagem de
qualquer modalidade. A essa semelhança ele chamou de “Princípios Operacionais” e
ao processo de transferência dos elementos de “Transfert”.

1
Entendemos que o jogo promove o desenvolvimento afetivo-social e de princípios tais como a cooperação, a
participação, a convivência, a emancipação e auto-estima. Dessa forma, o aluno participa das atividades de maneira
ativa e crítica compreendendo os elementos do jogo, caminhando para autonomia, além de aprender a respeitar as
limitações dos demais participantes. Cabe ao profissional de Educação Física, estimular todos os aspectos mencionados
(motor, cognitivo, moral e afetivo-social), que são atividades ricas em situações imprevisíveis contribuindo para o
desenvolvimento do raciocínio e que exigem do aluno o respeito pelas regras para que o jogo prossiga sem interrupções,
abordando valores essenciais à educação. Ao respeitar as regras, o aluno passará a respeitar os colegas e
conseqüentemente qualquer pessoa com a qual se relacione. Seguindo esse processo a criança aprenderá a respeitar as
leis da sociedade, tornando-se um cidadão consciente de seus direitos e deveres.
Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
103

Para Bayer (1994) os Princípios Operacionais permitem aos jogadores atuar


com autenticidade e decisão, pois entendendo os elementos dos jogos é possível criar
novas situações para a resolução de problemas que surgem no decorrer do jogo.
A proposta de Bayer (1994) para o ensino dos desportos coletivos pode ser
aplicada com tranqüilidade nas aulas do Programa Segundo Tempo, ou até mesmo em
escolas, pois dessa maneira o professor proporcionaria ao aluno um aprendizado
amplo, não apenas de uma modalidade como geralmente acontece, principalmente
utilizando o futebol e o voleibol.
Outro autor que aborda os jogos desportivos coletivos é Garganta (1995).
Segundo ele, os jogos desportivos coletivos (JDC) fazem parte da cultura desportiva
contemporânea e sendo bem orientados podem promover desenvolvimento tático­
cognitivo, técnico e sócio-afetivo.
Garganta (1995) acredita que os JDC apresentam dois traços fundamentais,
que são: a cooperação, que seria a entre-ajuda dos membros de uma equipe visando
os interesses do grupo; e a inteligência, a capacidade de encontrar respostas
adequadas aos problemas que surgem pelas situações de jogo.
Garganta (1995) afirma que os JDC são atividades nas quais existem e
acontecem infinitas situações imprevisíveis que não apresentam freqüência, ordem
cronológica e complexidade definida e não há uma forma fixa de execução. Logo,
exigem do praticante uma capacidade adaptativa nos aspectos físicos, táticos e
técnicos, além de constantes reinterpretações.
Com essas constatações, o autor afirma que melhor sucedido será o aluno
possuidor de um “modelo de explicação”, ou seja, quem tiver maior clareza dos
elementos dos JDC. A partir dessa clareza, o aluno integra a percepção de situações,
sua compreensão chegando a uma resposta explicitada em sua ação. Fica fácil
enxergar que melhor será a resposta quanto melhor o aluno puder receber e
compreender as informações e esse processo se faz com o conhecimento e
entendimento dos JDC.
Garganta discute a prática transferível dos JDC, que é a semelhança
estrutural e funcional existente entre as modalidades, que é justamente o que permite
inseri-los na categoria dos JDC’s.
Assim, ao se pensar nos JDC’s na escola, parece ser conveniente construir,
nas fases iniciais de aprendizagem, uma metodologia que favoreça a assimilação dos
princípios comuns aos JDC estrutural e funcionalmente semelhantes (Garganta, 1998,
p.16).

Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
104

O quadro seguinte (quadro 01) explica os indicadores da qualidade do JDC,


mostrando as diferentes fases de desenvolvimento do indivíduo ou da equipe
(VENDITTI JR e SOUSA, 2008).
Fases Comunicação na ação Estrutura do espaço Relação com a bola
Jogo Anárquico
- Centração na bola Abuso da verbalização, Aglutinação em torno Elevada utilização da
- Subfunções
sobretudo para pedir a da bola e subfunções visão central
-Problemas na
bola
comunicação com o jogo

Descentração Ocupação do espaço


- A função depende não Prevalência da em função dos Da visão central para a
apenas da posição da bola
verbalização elementos do jogo periférica
Estruturação
Conscientização da Verbalização Ocupação racional do Do controle visual
coordenação das e comunicação gestual espaço para o proprioceptivo
funções
Elaboração
Ações inseridas na Prevalência da Polivalência funcional Otimização das
estratégia da equipe comunicação motora Coordenação das capacidades
ações (tática coletiva) proprioceptivas

Quadro 01 – Fases dos diferentes níveis de jogos nos JDC (adaptado de Garganta, 1998, p.19) e presente em
VENDITTI JR E SOUSA (2008).

A partir desses indicadores, o professor pode mostrar aos seus alunos onde
está havendo o desequilíbrio em sua ação e corrigir o erro por meio do entendimento
do aluno, que pode chegar a um bom nível de jogo.
Concluindo, Garganta (1998) lembra que não é apenas o aprendizado das
técnicas específicas e nem das capacidades físicas, que são fundamentais. Porém, não
é com a união de talentos individuais que se formará uma boa equipe, mas sim
promovendo nos participantes a capacidade de respostas nos diversos planos (físico,
psíquico, tático e técnico) por meio dos elementos básicos dos JDC.
Outro aspecto relevante no processo de ensino-aprendizagem diz respeito ao
posicionamento tático. O professor, muitas vezes de forma arbitrária e inflexível,
baseado em características físicas e motoras momentâneas, delimita as posições a
serem tomadas pelos alunos durante o jogo, privando-o de autonomia para tomada
de decisões no jogo.
Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678

105

Por exemplo, no caso da modalidade basquetebol, as funções de armador, ala/


lateral e pivô têm campos de ações diferenciados. Tendo em vista a fase de
desenvolvimento e crescimento da criança, este procedimento pode mostrar eficiente
em curto prazo, mas ao longo do processo vai limitar as ações motoras dos alunos e
restringi-los com relação à aquisição de autonomia e segurança para escolher os
melhores planos de ação durante as situações de jogo.
Balbino (2001) enfatiza o papel do ambiente criado pelo educador na intenção
de promover situações-problema para os alunos, de modo que estimule as soluções
utilizando as diversas inteligências. Fortemente embasado por Gardner ele relata as
oito inteligências múltiplas, suas formas de expressão e como elas podem ser
estimuladas nos jogos desportivos coletivos (JDC). São elas: corporal-cinestésica,
verbal-lingüística, lógica-matemática, musical, naturalista, intrapessoal, interpessoal e
espacial (GARDNER, 1994). Balbino (2001) e Balbino e Paes (2005; 2007) também
deixam claro que todos possuem todas as inteligências, umas menos e outras mais
desenvolvidas, e que para a solução de um mesmo problema pode-se utilizar
diferentes inteligências ou mesmo uma interação de várias inteligências, de acordo
com as situações e as percepções subjetivas.
Discutindo a pedagogia do esporte, enfatizamos em nosso estudo a
preocupação com a criança na sua globalidade para a formação de cidadãos críticos,
conscientes e criativos. Como proposta fundamental, deixamos claro, que a
elaboração de uma metodologia precisa considerar as características de cada faixa
etária. Na fase de iniciação esportiva, para ensinar qualquer modalidade esportiva,
defendemos que é fundamental o papel do profissional de educação física em
conscientizar o aluno de suas capacidades e limitações para não ultrapassar os limites
corporais, físicos e emocionais dos seus alunos e alunas.
A discrepância em relação à idade pode propiciar a desmotivação e como
conseqüência o abandono do esporte, daí a importância na elaboração de estratégias
pedagógicas coerentes. As atividades motoras propostas na fase de iniciação esportiva
têm como objetivo permitir o aluno que explore diferentes possibilidades corporais,
que serão primordiais na aquisição das habilidades específicas. Com esta
diversificação de movimentos, a criança construirá uma bagagem motora que faça
com que ela tenha um maior domínio na realização de fundamentos específicos de
qualquer modalidade esportiva.
Esse processo de aquisição das habilidades básicas e habilidades específicas é
fundamental para evitar um problema complexo dentro da educação física. Trata-se
da especialização precoce, ou seja, este procedimento pedagógico incoerente pode
Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
106

prejudicar o desenvolvimento físico, cognitivo e social da criança, além de provocar a


saturação pelas práticas esportivas, pois esta especialização preocupa-se
exclusivamente na realização de gestos técnicos para a produção do atleta,
esquecendo que a criança, nesta fase, ainda não possui estrutura emocional
adequada. Estudos já comprovaram que este tipo de procedimento além de não ter
valor educacional devido aos objetivos da competição, não necessariamente pode
contribuir na formação de atletas profissionais. Com procedimentos pedagógicos
adequados, podemos contribuir para que no futuro o esporte esteja presente em
todos os períodos da vida.
Técnicos buscam nos iniciantes uma performance física e técnica exagerada à
fase de desenvolvimento da criança. Muitas vezes, isso ocorre porque durante a fase
de iniciação esportiva é dado um valor exagerado à competição. Entendemos que a
competição faz parte do processo de iniciação esportiva e, com isso, ela apresenta
virtudes educativas. O profissional de educação física deverá destacar os valore
éticos, sociais e o espírito de cooperação que a competição pode proporcionar. É por
meio da competição que devemos nos pautar para a sistematização de nossos
conteúdos e não apenas tê-la como objetivo final do processo de iniciação esportiva.

Half-time (Intervalo filosófico)

Valores Educacionais no Ensino do Basquetebol: experiências no Programa


Segundo Tempo

O ‘Segundo Tempo’ é um programa do Ministério do Esporte do Governo


Federal, em parceria com o Ministério da Educação promovido pela Secretaria de
Esporte Educacional. É destinado a possibilitar o acesso à prática esportiva aos alunos
matriculados no ensino fundamental e médio dos estabelecimentos públicos de
educação do Brasil, principalmente em áreas de vulnerabilidade e risco social.
As atividades desenvolvidas admitem como objetivo o desenvolvimento de
ações educativas e de valorização da vida, legitimando um espaço para ações voltadas
para a formação de cidadãos. Por mais que esse ideal possa ser entendido como
imprescindível a qualquer prática humana, ele é carregado de um juízo de valores
influenciados pelas diversas esferas da sociedade. Esses valores eram reforçados nas
reuniões pedagógicas dos professores do programa. Dentre as várias questões
surgidas, algumas chamaram a atenção: “precisamos ensinar às crianças que algumas
vezes elas perdem e que outras elas ganham”; “precisamos resgatar os valores

Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
107

familiares”; “não sei mais o que faço para meus alunos após comerem o lanche não
jogarem o lixo no chão”.
O programa enfatiza também a preocupação da violência dentro e fora da
escola, assunto extremamente debatido nos dias atuais; e utilizando-se do Esporte
como instrumento para a participação social, o Programa Segundo Tempo tem
conseguido bons resultados nesse campo.
Uma das maiores virtudes do programa é democratizar o acesso às práticas
esportivas. Nos mais variados governos, o discurso dominante muitas vezes está
baseado na igualdade. Isso diz respeito à igualdade de oportunidades, a garantia de
todos os cidadãos terem acesso aos bens e serviços que dizem respeito à sua
cidadania. A contribuição que o esporte pode e deve dar na busca da cidadania diz
respeito ao desenvolvimento das pessoas para o desenvolvimento da sociedade. A
formação dos indivíduos não pode estar restrita ao conhecimento de alguns ramos
considerados “essenciais”. Uma formação plena deve promover o acesso aos bens
sociais, onde se encontram as atividades esportivas. Só é possível pensar em uma
cidadania verdadeira se as estas estiverem integradas ao seu meio social, livres para
tentarem atingir as suas aspirações.
Durante o período em que a criança está na escola, muitas vezes, é um pouco
deficiente a transmissão de valores por parte do professor em virtude das condições
atuais das escolas e da carga excessiva de trabalho do professor. O Programa
Segundo Tempo vem justamente suprir essa deficiência, pois as crianças freqüentam
as aulas do Programa no contra-turno escolar, ou seja, se a criança estuda no período
da manhã, ela freqüenta as aulas do programa no período da tarde. Nas atividades
desenvolvidas a criança encontra uma oportunidade de superar sua timidez e seus
limites corporais, buscando aperfeiçoar um conjunto de ações motoras e encontrar
disciplina para desenvolver auto-estima e confiança daquele aluno. Assim como o
esporte tem significados diferentes para a criança que possui na família uma história
esportiva (que pode revelar-se como aspecto motivador, mas também pode funcionar
como fonte de pressão por resultados) daquele outro aluno que, entusiasmado pelo
que viu na TV resolve praticar algum esporte e, tanto na aula de educação física como
no grupo de amigos, termina sendo ridicularizado pela sua falta de coordenação para
os movimentos (falta de coordenação óbvia, pois ninguém nasce com um gesto
esportivo apurado). Retraído no seu fracasso, abandona a prática – e talvez tenhamos
perdido um talento.

Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
108

Esta diversidade de situações enumeradas não é nada comparada com a


multiplicidade, que os professores do Programa Segundo Tempo precisam conviver,
cotidianamente, em suas aulas.
Muitos núcleos do Programa têm procurado trabalhar através de uma política de
inclusão sob uma pedagogia do esporte, que se faz necessário abordar de forma
coerente a transmissão de valores e modos de comportamento. Para que isso ocorra,
é importante o envolvimento de vários segmentos da sociedade vendo o esporte como
instrumento de qualidade de vida e desenvolvimento sociocultural.

O basquetebol – possibilidades educacionais e sociais: proposta


metodológica pautada na Pedagogia do Esporte

O basquetebol surgiu nos Estados Unidos, no final do século XIX, criado pelo
professor James Naismith. Inicialmente criado como uma opção de atividade em
ambiente fechado durante os rígidos meses de inverno no Estado de Massachussets, o
jogo composto por 13 regras, disseminou-se rapidamente, ganhando adeptos pelos
Estados Unidos e outros países (SOUSA, 2001).
Contribui para isso o fato de o basquetebol ter sido iniciado na Associação Cristã
de Moços, tradicional entidade educacional internacional. Hoje, amplamente divulgado
e praticado, o basquetebol tem recebido, por parte da sociedade, da economia e da
mídia, entre outros segmentos, diversos significados e valores.
Daiuto (1983, p.11), apresenta as seguintes características do basquetebol:
O basquetebol é um esporte completo: é uma sucessão de esforços
intensos e breves, realizados em ritmos diferentes. È um jogo de
coordenação de movimentos, de grande intensidade motriz, que permite
o desenvolvimento de todas as qualidades que a vida moderna exige de
cada indivíduo.

Para Ferreira e De Rose Jr (1987), o basquetebol é constituído por uma soma de


habilidades que, unidas, compõem o jogo. Cada uma dessas habilidades,
isoladamente, constitui uma unidade significativa e total em si mesma. Pela prática do
basquetebol podemos determinar como objetivos diretamente ligados ao praticante o
seu desenvolvimento físico, técnico, tático, psicológico, moral e social.

Atividades propostas ao ensino do basquetebol

No Programa Segundo Tempo, ao enfatizarmos a modalidade basquetebol,


mostramos aos alunos, ainda que introdutoriamente, os fundamentos específicos da

Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
109

referida modalidade. Vamos apresentar a seguir algumas sugestões de exercícios e os


erros mais comuns cometidos pelos alunos na observação do professor durante as
aulas do Programa para o desenvolvimento dos fundamentos: a) controle do corpo; b)
manejo de bola; c) passe; d) drible; e) arremesso e f) rebote.

A - Controle do corpo:

Em toda modalidade esportiva é preciso que o iniciante domine seu próprio


corpo em movimentos básicos como: saída rápida, parada brusca e mudança de
direção. Dominar o corpo é de suma importância para a realização de movimentos e
gestos específicos do basquetebol, pois este fundamento está presente tanto nas
ações ofensivas, quanto nas defensivas. É comum, uma preocupação equivocada dos
alunos enfatizar somente a importância de fazer a cesta, com isso o aluno não toma
conhecimento de seu próprio corpo, desconhecendo suas limitações e possibilidades.
Sugestões para o desenvolvimento do fundamento controle do corpo:
- Pega-simples - situação inicial: os alunos espalhados na quadra, e um deles indicado como pegador
Ação: iniciado o jogo, o pegador tentará alcançar um aluno que, uma vez pego, substituirá o pegador.

- Nunca três: situação inicial: alunos, dois a dois sentados um atrás do outro, dois alunos deverão estar em pé; um destes
alunos será o pegador e o outro será fugitivo.
Ação: iniciado o jogo, deverá alcançar o objetivo que, para escapar, deverá sentar-se atrás de uma das duplas espalhadas
pela quadra. Neste momento haverá uma inversão no jogo, o aluno pegador passará a ser fugitivo e o aluno sentado na
frente da nova dupla passará a ser o pegador.

- Correr para trás da bola- situação inicial: divide-se o grupo de alunos em duas equipes e o professor deverá estar de
posse de duas bolas, cada uma correspondente a uma equipe.
Ação: o jogo terá início quando o professor jogar as bolas aleatoriamente, para qualquer direção, cada equipe deverá ir
em busca de sua bola e será considerada vencedora a equipe que primeiro conseguir fazer com que todos os seus
componentes sentem-se em fila atrás da bola correspondente.

B - Manejo de bola:

È um fundamento que tem como objetivo melhorar a habilidade geral do aluno


no contato com a bola nas diversas possibilidades de movimentos com a bola, como
rolar, tocar, quicar, segurar, lançar, enfim permitir o manuseio nos diversos planos
do corpo, criando uma intimidade com a bola.
Sugestões para o fundamento manejo de bola:

Situação inicial: Todos os alunos dispostos separadamente sobre uma mesma linha lateral da quadra de basquetebol.

Ação: Deslocamento de uma lateral à outra, passar a bola de uma mão à outra:

acima da cabeça; à altura da cintura; em volta da cintura; a altura dos joelhos e entre as pernas.

Bola ao túnel - situação inicial: dividir o grupo de alunos em duas equipes.Cada equipe deverá formar uma coluna e o
primeiro aluno de cada equipe deverá estar de posse de uma bola.
Ação; o jogo é iniciado após um sinal do professor quando o aluno, de posse de bola, deverá passá-la por entre as
pernas para o aluno de trás e, assim, sucessivamente até a bola chegar ao último aluno da coluna. Vence o jogo a equipe
que fizer o percurso da bola mais rapidamente.
Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
110

C - Passe:

O passe é um fundamento de ataque com a bola. Este fundamento constitui


uma maneira de levar a bola de um ponto a outro da quadra, sem infringir as regras
do jogo de basquetebol. Este fundamento é executado mediante lançamentos da bola
entre elementos da mesma equipe, com o objetivo de conseguir um melhor
posicionamento na quadra, para maior facilidade na obtenção de uma cesta.
Os passes podem ser executados com uma ou ambas as mãos. No primeiro
caso podem ser citados os passes: picado, à altura do ombro, por baixo e tipo gancho.
No segundo podem incluir-se os passes: à altura do tórax, picado, acima da cabeça e
baixo.
Descreveremos os dois tipos mais utilizados e que têm grande importância na
fase de aprendizagem do basquetebol. Tais passes são: com ambas as mãos à altura
do tórax e picado com ambas as mãos.
Passe com ambas as mãos à altura do tórax - Este tipo de passe é utilizado para
curtas distâncias. É um passe mais rápido e a bola segue uma trajetória retilínea. O
aluno segura a bola com ambas as mãos à altura do tórax, com afastamento ântero­
posterior das pernas. A bola é impulsionada à frente por meio da extensão dos braços.
Os cotovelos não devem ser exageradamente abertos e ao final do movimento deve
haver uma rotação das mãos para fora a fim de assegurar a trajetória da bola. Deve-
se a auxiliar o movimento, com uma semiflexão das pernas e pequena inclinação do
tronco à frente. O executante pode também dar uma passada à frente para imprimir
maior força à bola. Esta deve ser lançada à altura do tórax do companheiro.
Erros mais comuns:
• Abrir demasiadamente os cotovelos, bem como mantê-los muito próximos ao
corpo;
• Realizar movimentos desnecessários como aproximar a bola do tórax antes de
realizar a extensão dos braços.
• Unir as pernas prejudicando o equilíbrio;
• Lançar a bola fora da linha de recebimento do companheiro e
• Lançar a bola com trajetória parabólica.
Passe picado com ambas as mãos - Utilizado para curtas distâncias, principalmente
quando o passador está marcado de perto ou ainda em finalizações de jogadas de
contra-ataque. Sua execução é semelhante à do passe descrito anteriormente. A
diferença entre eles está na trajetória da bola, que neste caso é lançada ao solo antes
Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
111

de chegar ao companheiro. A extensão dos braços é feita com diagonal para baixo, de

modo que a bola toque o solo a cerca de 1,50m do companheiro que irá recebê-la.

Desse modo ela chegará numa trajetória ascendente, facilitando o recebimento.

Erros mais comuns:

• Os quatro primeiros itens do passe com ambas as mãos à altura do tórax;


• Lançar a bola muito antes do ponto imaginário, a cerca de 1,50m do companheiro e
• Lançar a bola muito próxima do companheiro, dificultando o seu recebimento.

Sugestões para o desenvolvimento do fundamento passe;

Situação Inicial: Em duplas, um de frente para o outro, dispostas aleatoriamente pela quadra.

Ação: Passes sem deslocamento:

- à altura do peito;
- picado;
- à altura do ombro;
- Acima da cabeça;
- gancho; etc.

Variação: com deslocamentos de um lado a outro da quadra.

Pega-Pega com passe - Situação Inicial: Alunos dispostos aleatoriamente pela quadra sendo dois deles designados para

serem os pegadores.

Ação: Iniciado o jogo, os pegadores só poderão se deslocar trocando passes e terão o objetivo de pegar os fugitivos. O

pegador só passa a ser fugitivo quando encostar a bola em algum fugitivo, que passará a ser pegador no seu lugar.

D - Drible:
O drible é um fundamento com a bola e é a forma pela qual o aluno se desloca
pela quadra com a sua posse, sem infringir as regras do jogo.
O drible é o ato de bater bola, impulsionando-a contra o solo com uma das mãos.
A execução do drible pode ser descrita da seguinte maneira: a mão do drible é
apoiada sobre a bola; com os dedos apontando para a frente; tronco ligeiramente
inclinado à frente; pernas em afastamento ântero-posterior, sendo que à frente se
coloca a perna oposta à mão do drible (drible com a mão direita - perna esquerda à
frente). O drible é executado com movimentos coordenados de braço, antebraço,
punho e mãos. A bola é empurrada de encontro ao solo, com um movimento de
extensão do braço e ligeira flexão do punho ao seu final. A força empregada deverá
ser tal que a bola retorne ao mesmo ponto de onde se originou o movimento, para
que receba novo impulso. Nesta fase ascendente da bola haverá nova flexão do braço
e a mão se apoiará sobre a bola para reiniciar o drible. Os movimentos serão
contínuos e o olhar se voltará para à frente, e não para a bola.

Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
112

Erros mais comuns:


• Bater com as duas mãos simultaneamente
• Olhar para a bola ou para o solo;
• Conduzir ou bater na bola, em vez de impulsioná-la;
• Na proteção da bola, colocar à frente a perna correspondente à mão do drible;
• Em deslocamento, driblar com a bola bem à frente do corpo e acima da linha da
cintura, dificultando o deslocamento.

Sugestões para o desenvolvimento do fundamento drible:


Situação Inicial: Todos os alunos dispostos separadamente sobre uma mesma linha lateral da quadra de basquetebol.
Ação: De uma lateral à outra:
- drible com deslocamento frontal e dorsal, primeiro só com a mão direita, depois só com a mão esquerda,
- drible com deslocamento frontal (dir. e esq.);
- em duplas, um aluno dribla em progressão e o outro se desloca de costas sinalizando números que devem ser ditos
pelo driblador.
- Idem ao anterior alternando as mãos;
- Idem ao anterior, mas agora usando o “corredor” formado pelo espaço entre a linha da
quadra de vôlei a linha lateral de basquete.
Situação Inicial: alunos divididos em equipes com mesmo número de alunos. Cada equipe deverá estar disposta em
coluna com seus componentes de pé. O primeiro aluno de cada equipe deverá estar de posse de bola.
Ação: os alunos de posse de bola deverão conduzi-la, através do drible, até um marco previamente determinado e em
seguida retornar, driblando, até o ponto de partida, entregando a bola ao primeiro companheiro de sua equipe, que
deverá executar o mesmo procedimento até que todos de uma mesma equipe tenham cumprido a tarefa.Vencerá o jogo a
equipe que terminar primeiro.

E - Arremesso:
O arremesso é um fundamento de ataque realizado com o objetivo de se
conseguir a cesta. Em uma partida de basquetebol o atacante de posse de bola
poderá executar um arremesso de diversas formas, dependendo de sua posição na
quadra, da posição do adversário mais próximo e de sua velocidade de deslocamento.
Em função desses parâmetros surgem alguns tipos de arremessos mais utilizados. São
eles: a bandeja, o arremesso com uma das mãos e o jump. Pode-se citar ainda o
arremesso tipo gancho, muito utilizado pelos pivôs por sua localização próximo à
cesta. Serão descritos os três primeiros arremessos, por sua importância na
aprendizagem do basquetebol e também, por serem os mais utilizados durante a
partida.

Bandeja - É um tipo de arremesso executado quando o atacante se encontra


em deslocamento e nas proximidades da cesta adversária. A bandeja se caracteriza
pela execução de dois tempos rítmicos e impulsão numa só perna. O atacante que irá
arremessar se desloca em direção à cesta, com ou sem posse de bola.

Com posse de bola (driblando). Pelo lado direito:


Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
113

Ao se aproximar da cesta, numa região que varia conforme a amplitude de sua


passada, o atacante segura a bola com o pé direito à frente (primeiro tempo rítmico)
e executa um passo à frente com a perna esquerda (segundo tempo rítmico)
preparando-se para a impulsão. Esta é dada com a perna esquerda, elevando-se o
joelho da perna direita à frente para ajudar no salto e equilíbrio do corpo. Durante a
fase aérea, a perna esquerda será mantida estendida. Simultaneamente, o atacante
deverá colocar a mão de arremesso (no caso, a direita) atrás e um pouco embaixo da
bola, deixando a esquerda posicionada lateralmente e dando-lhe o necessário apoio. O
braço e o antebraço de arremesso formarão entre si um ângulo de 90 graus, com o
cotovelo apontando para a cesta. Quando estiver no ponto mais alto do salto, o
atacante deverá realizar o movimento de arremesso, estendendo o braço
correspondente em direção à cesta. Ao final do movimento de braço, o atacante
realiza uma flexão do punho, dando à bola uma rotação contrária à sua trajetória.
Após o arremesso, o atacante deverá retomar sua posição no solo amortecendo
equilibradamente a queda com os dois pés.
É importante que se ensine ao aluno já na iniciação a bandeja feita tanto pelo lado
direito como pelo esquerdo. Pelo lado esquerdo diferencia a perna dos tempos
rítmicos e o braço que irá realizar o arremesso.

Sem posse da bola:


Quando o atacante se aproxima da cesta sem a posse de bola, deverá recebê-la
com a perna direita à frente (primeiro tempo rítmico), no caso da bandeja pelo lado
direito. A partir daí o movimento segue a mesma descrição acima.
Erros mais comuns:
• Não calcular corretamente o local de impulsão, colocando-se muito distante ou
muito próximo da cesta;
• Executar mais do que dois tempos rítmicos, cometendo uma violação (andada);
• Flexionar a perna de impulsão na fase aérea;
• Em função da velocidade de seu deslocamento, arremessar a bola com muita força;
• Não olhar para a cesta no momento do arremesso;
• Não obedecer à simetria entre membros superiores e inferiores (exemplo desse
erro: arremessar com a mão direita e elevar o joelho da perna esquerda); e
• Executar a queda numa só perna e muito distante do local de impulsão.

Arremesso com uma das mãos - Outra forma de concluir o ataque é por meio
do arremesso com uma das mãos. Esse tipo de arremesso é realizado quando o
Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
114

atacante estiver em deslocamento a qualquer distância da cesta. Atualmente ele é


executado na iniciação, quando o aluno/jogador ainda não apresenta condições de
realizar o “jump” (outro tipo de arremesso, que será abordada a seguir) e/ou na
situação lance-livre. O atacante, de posse de bola e numa região da quadra que lhe
permita o arremesso, deverá proceder da seguinte maneira (exemplo com a mão
direita): Pés paralelos (pé direito ligeiramente à frente) e afastados naturalmente um
do outro; o atacante deverá segurar a bola com a mão direita apoiada atrás e
embaixo da mesma e com o braço e antebraço de arremesso formando um ângulo de
noventa graus entre si. O braço deverá estar paralelo ao solo e o cotovelo apontando
para a cesta. O movimento do arremesso inicia-se com uma semi-flexão das pernas e
a seguir, quase simultaneamente, faz-se a extensão delas e do braço direito (para a
frente e para cima). Com a extensão das pernas e do braço de arremesso, a bola é
lançada à cesta com uma trajetória parabólica e uma rotação contrária à sua direção.
A rotação da bola é possível com a flexão do punho ao final do movimento. Como
conseqüência dessas ações, o final do arremesso poderá ser acompanhado por um
salto.
Erros mais comuns:
• Colocar à frente a perna contrária ao braço de arremesso;
• Não semi-flexionar as pernas para iniciar o movimento;
• Colocar a bola atrás da cabeça ou em uma posição que dificulte a visão da cesta;
• Não manter o braço de arremesso paralelo ao solo;
• Estender somente o antebraço, imprimindo uma alavanca inadequada ao
movimento;
• Não apontar o cotovelo para a cesta;
• Não olhar para a cesta;
• Não flexionar o punho ao final do movimento e
• Não dar à bola uma trajetória parabólica.

Arremesso do tipo “jump” - O termo “jump”, de origem inglesa, significa saltar,


pular. Esse tipo de arremesso é o mais utilizado e um dos mais eficientes no
basquetebol moderno. Sua principal característica é que o momento do arremesso
coincide com o momento mais alto do salto. O “jump” pode ser realizado tanto
partindo de uma posição estática quanto em deslocamento. Pode ser um arremesso
de grande eficiência, podendo ser executado próximo à cesta ou também a longa
distância.
Sua execução obedece aos seguintes procedimentos:
Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
115

Após o atacante completar um drible ou receber um passe em condições


adequadas de arremesso, deverá empunhar a bola com ambas as mãos, sendo que a
mão do arremesso (exemplo com a direita) deverá estar posicionada atrás e embaixo
da bola com o respectivo braço paralelo ao solo e formando um ângulo de 90 graus
com o antebraço. O cotovelo deverá estar apontando para a cesta. A mão esquerda
deverá estar apoiada na parte lateral da bola. Os pés deverão estar colocados
paralelos e em afastamento natural. O movimento se inicia com uma semiflexão das
pernas, preparando-se para a impulsão. O salto deverá ser realizado sobre os dois
pés. Quando o atacante atingir o ponto mais alto do salto, inicia-se a extensão do
braço de arremesso. Essa extensão deverá finalizar com a flexão do punho para
imprimir à bola uma rotação contrária à sua direção. A bola deve ser lançada seguindo
uma trajetória parabólica. O braço de arremesso termina o movimento totalmente
estendido e em direção à cesta. A queda será executada simultaneamente sobre os
dois pés.
Erros mais comuns:
• Iniciar a extensão do braço de arremesso antes ou depois de se atingir o ponto
mais alto do salto;
• Não executar a queda sobre as duas pernas;
• Não manter um equilíbrio no plano vertical durante o salto; e
• Pode-se considerar também os erros citados no arremesso com uma das mãos.

Sugestões para o desenvolvimento do fundamento arremesso:


Bandeja:

Situação Inicial: Uma coluna no canto da quadra.

Ação: Drible e bandeja com bola nas duas tabelas (dir. e esq.).

Posição inicial: Duplas frente a frente. Cada dupla com uma bola.

Ação: um aluno segura a bola na posição de arremesso, colocando a mão de apoio atrás do corpo realizando o

movimento do arremesso lançando a bola para seu companheiro, que repete o exercício.

F- Rebote:
Em um jogo de basquetebol, toda vez que houver uma tentativa de arremesso
os jogadores deverão se posicionar de tal forma que, se a cesta não for convertida,
eles estarão em condições de conseguir a posse da bola. Portanto, o ato de recuperar
a bola após um arremesso não-convertido é denominado rebote.
O rebote pode ser classificado como: rebote de defesa ou defensivo e rebote de
ataque ou ofensivo.

Rebote de defesa - É a recuperação da bola por um defensor após o arremesso


do adversário. O rebote de defesa pode ser dividido em fases distintas. Estas fases
Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
116

são: acompanhamento visual da trajetória da bola, bloqueio ao adversário, salto e


tomada da bola e queda. A ação do rebote se inicia quando o atacante executa o
arremesso. O defensor deverá tomar algumas atitudes para facilitar a sua ação de
rebote caso o arremesso não seja convertido:
1. Acompanhar visualmente a trajetória da bola para se colocar adequadamente.
2. Ao mesmo tempo ele deverá se colocar entre a cesta e seu adversário, de frente
para aquela. Não há uma distância definida para que o defensor se posicione em
relação à cesta. Entretanto nunca deverá estar imediatamente sob ela. Com esta
ação o defensor executará o bloqueio de rebote.
3. O bloqueio é executado com o corpo equilibrado e preparado para absorver os
choques provocados pelos contatos corporais que ocorrem nesta fase do rebote.
4. Sincronizar o tempo de salto com a recuperação da bola, para poder tomar contato
com a mesma no ponto mais alto do salto e da trajetória da bola. Esta pode ser
considerada a fase mais difícil do rebote.
5. Ao recuperar a bola o defensor deve realizar a queda de forma equilibrada (sobre
os dois pés) e protegê-la com o corpo (principalmente com os braços, abrindo os
cotovelos).
6. Com a posse da bola e no solo, o jogador terá duas alternativas: passar para um
companheiro melhor posicionado ou driblar para uma região menos congestionada
da quadra (de preferência para as laterais).

Rebote de ataque - É a recuperação da bola por um atacante após arremesso


não convertido executado por um companheiro de equipe ou por ele mesmo. No
rebote de ataque podem ser identificadas as mesmas fases do rebote de defesa. O
atacante deverá tomar algumas atitudes para facilitar sua ação de rebote, caso o
arremesso não seja convertido:
1. Proceder como nos itens 1 a 4 do rebote de defesa;
2. Ao recuperar a bola, e estando equilibrado no solo, o atacante deverá tentar um
novo arremesso ou passá-la a um companheiro melhor posicionado para
arremessar ou reiniciar o ataque.
Obs. - Na fase aérea do rebote existe a possibilidade de o atacante tocar a bola para a
cesta sem dominá-la. Esta ação é denominada “tapinha”.

Erros mais comuns:


• Colocar-se muito embaixo da cesta;

Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
117

• Não se colocar na região mais próxima à cesta, onde normalmente ocorrem os


rebotes.
• Não sincronizar o salto com o ressalto da bola no aro ou tabela; e
• Conseguindo a posse da bola, não protegê-la devidamente, deixando que um
adversário tenha facilidade em recuperá-la. Exemplo: colocar a bola atrás da
cabeça.
Sugestões para o desenvolvimento do fundamento rebote:

Situação inicial: duplas, frente a frente, a uma distância aproximada de 3 metros. Cada dupla com uma bola.

Ação: o aluno com bola lançará esta para seu companheiro a uma altura aproximada de 3 ou 4 metros. Este deverá saltar

e recuperá-la no ponto mais alto do salto, sem deixar que a bola toque o solo.

Situação Inicial: Um jogador A entre o jogador B e a bola.

Ação: O jogador A tentará impedir que o jogador B toque a bola que estará parada no chão. Depois inverte-se a função

dos jogadores.

Variação: Os alunos deverão formar dois círculos, sendo que o círculo de dentro corresponderá aos defensores e o

círculo de fora, aos atacantes. Uma bola estará no centro dos círculos para que o aluno atacante tente pegá-la, ao mesmo

tempo em que os defensores tentarão impedi-los. Obs: deve-se esperar o sinal do professor para o início do exercício.

Time-out (tempo tecnico): explicações e comentários

Essa proposta de ensino da modalidade basquetebol possibilita ao aluno que ele


conheça toda a estrutura da modalidade, ou seja, noções táticas e técnicas. E também
através dos jogos o aluno vivencie outras modalidades esportivas. Na aprendizagem
de cada fundamento, são propostas atividades prazerosas e que tornam a aula
atraente, é necessário elaborar uma seqüência de exercícios que apresentem uma
progressão de atividade na execução e que exigem muita movimentação dos alunos.
O desenvolvimento de qualquer proposta pedagógica na iniciação em basquetebol,
deve considerar o nível de experiência do aluno, a sua idade, os níveis de
desenvolvimento motor e também preservar a integridade física e psicológica do
aluno.
No transcorrer das aulas do Programa Segundo Tempo observamos aqueles
alunos que conseguem executar com maior eficiência os fundamentos, já outros têm
uma maior dificuldade. Freire (1994) expôs que uma boa proposta pedagógica é
aquela onde o aluno tem algumas dificuldades iniciais, mas consegue supera-las,
aumentando os seus recursos, ao nível motor, cognitivo, afetivo e social.
Na elaboração de uma pedagogia do esporte coerente acreditamos desta forma
contribuir para que todos os alunos do programa tenham prazer e interesse pela
prática do basquetebol. Tentamos, ao máximo, aumentar o acesso dos alunos na
prática esportiva enfatizando a educação construindo valores positivos para o convívio
em sociedade com cidadãos mais participativos, conscientes e preocupados com

Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
118

necessidades coletivas. Logo, se faz necessário que os professores do Programa


Segundo Tempo não ensine somente uma modalidade especifica, mas também
questões relativas à formação humana.

Considerações finais: quem ganha com este jogo?

Discutindo a pedagogia do esporte, enfatizamos em nosso estudo a preocupação


com os alunos em situação de risco social na sua globalidade para a formação de
cidadãos críticos, conscientes e ativos em seus contextos sócio-culturais. Como
proposta fundamental, deixamos clara a elaboração de uma pedagogia do esporte que
respeite a individualidade dos alunos. Seja nas aulas do “Programa Segundo Tempo”
(ou até mesmo na educação física regular), é fundamental enfatizar o papel do jogo,
conscientizando o aluno de suas capacidades e limitações, para não ultrapassar os
limites físicos e emocionais; respeitando suas características e diferenças;
estimulando suas potencialidades e proporcionado autonomia e tomada de decisões.
A expansão do Programa por todo o país é de suma importância para
contemplarmos um maior número de crianças com as atividades esportivas propostas;
além dos reforços alimentar e escolar que servem de atrativos para a adesão, mas
também são fundamentais ao desenvolvimento do educando.
Para que isso ocorra, é fundamental o papel da sociedade em buscar parcerias
para um maior êxito do Programa e amenizar assim um dos problemas mais graves
desse país, que é a desigualdade social.
Como ressaltamos ao longo de nosso estudo, é imprescindível que os
profissionais que atuam no programa utilizem-se como um de seus referenciais
metodológicos do jogo e sua concepção educativa. Com isso, as atividades tornam-se
prazerosas, garantindo a permanência dos alunos na escola e, assim, pode-se
contribuir para a diminuição da evasão escolar, da reprovação, da violência, do
trabalho infantil e da fome. O incentivo à prática do esporte também contribuirá para
que os alunos melhorem o nível de aprendizagem e o convívio coletivo, além de
estimular o protagonismo juvenil e melhorias nas condições de qualidade de vida,
otimizando práticas de lazer e hábitos de vida saudáveis.
A modalidade basquetebol é riquíssima para desenvolver todos os requisitos
acima. Com propostas planejadas e orientadas, podem-se gerar conseqüências
positivas como o estímulo à prática do esporte de forma motivante e mais prolongada,
evitando situações de risco, principalmente com crianças e adolescentes.

Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
119

Enfim, a construção de um ambiente favorável possibilita a discussão de valores


e princípios, que acompanharão o praticante também fora das aulas do Programa
enriquecendo suas ações cidadãs, seus comportamentos e atitudes nas comunidades
em que estejam inseridos. No basquetebol, é sabido que não pode haver empate... O
jogo precisa ser decidido. Através de uma pedagogia que permita estas possibilidades,
nem todos vencem a partida, mas todos podem sair ganhando...

Referências

BALBINO, H. F. Jogos desportivos e os estímulos das inteligências múltiplas: bases


para uma proposta em pedagogia do esporte. Campinas: [ s. n ]. 2001. Dissertação (
mestrado em educação física ) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual
de Campinas.

BALBINO, H.F.; PAES, R.R. Jogos desportivos coletivos e as inteligências múltiplas:


uma proposta em pedagogia do esporte. Hortolândia, [s.n], 2007.

DAIUTO, Moacyr. Basquetebol: metodologia do ensino/ Moacyr Daiuto, São Paulo:


Brasipal,1983.

DARIDO, Suraya Cristina. Educação física na escola:implicações para a prática


pedagógica/ coordenação Suraya Cristina Darido, Irene Conceição Andrade Gurgel.
Rio de Janeiro: Guanabara, 2005.

DE ROSE Jr., Dante. Esporte e atividade física na infância e na adolescência. Porto


Alegre: Artmed, 2002.

BAYER, C. O ensino dos desportos colectivos. Lisboa: Dinalivros, 1994. Coleção


Desporto.

BENTO, J.O. A criança no treino e desporto de rendimento. Revista Kinesis, Santa


Maria, v.5, n.1, p. 9-35, 1989.

FERREIRA, Aluísio, DE ROSE JR, Dante. Basquetebol: técnicas e táticas, uma


abordagem didático-pedagógica. São Paulo: EPU, 1987.

FREIRE, J.B. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da educação física. 4. ed São
Paulo: Scipione, 1994.

GARDNER, H. Estruturas da mente: a teoria das inteligências múltiplas. Porto Alegre:


Artes Médicas Sul, 1994.

GARGANTA, J. Para uma teoria dos jogos desportivos coletivos. In: GRAÇA, A;
OLIVEIRA, J. ( Eds). O ensino dos jogos coletivos. 2. ed. Lisboa: Universidade do
Porto, 1995.

HUIZINGA, J. Homo Ludens: O jogo como elemento da cultura. 4. ed. São Paulo:
Perspectiva, 1999.

Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
120

PAES, R. R. Aprendizagem e competição precoce: o caso do basquetebol. Campinas:


UNICAMP, 1992.

_________. Educação física escolar: o esporte como conteúdo pedagógico do ensino


fundamental. Campinas, SP, Tese de Doutorado, Unicamp, 1996.

_________. Pedagogia do esporte e os jogos coletivos. In: DE ROSE Jr., Dante.


Esporte e atividade física na infância e na adolescência. Porto Alegre: Artmed, 2002,
p. 89-98.

PAES, R.R..; BALBINO, H. F. Pedagogia do esporte: contextos e perspectivas. Rio de


Janeiro: Guanabara-Koogan, 2005.
_______________________. A pedagogia do esporte e os jogos coletivos. In: DE
ROSE JR, D. Esporte e atividade física na infância e na adolescência: uma abordagem
multidisciplinar. 2. Ed., Porto Alegre, 2009.

SOUSA, Marlus Alexandre. Pedagogia do esporte:considerações acerca da iniciação do


basquetebol. Campinas SP, 2001.

TANI, G. et al. Educação física escolar: fundamentos de uma abordagem


desenvolvimentista. São Paulo: EPU/EDUSP, 1988.

VENDITTI JR, Rubens. Análise da auto-eficácia docente de profissionais de Educação


Física. 2005. 149 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de
Educação Física, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, 2005.

VENDITTI JR, Rubens; SOUSA, Marlus A. Tornando o “jogo possível”: reflexões sobre
a pedagogia do esporte, os fundamentos dos jogos desportivos coletivos e a
aprendizagem esportiva. Revista Pensar a Prática- Universidade Federal de Goiás
(UFG), Goiânia, vol. 11, n. 1, p. 47-58, jan-jul/ 2008. Goiânia: UFG, 2008.

NOTAS DE RODAPÉ

1. Trabalho apresentado ao Curso de Especialização em Esporte Escolar do Centro de Educação à Distância


da Universidade de Brasília (UnB) em parceria com o Programa de Capacitação Continuada em Esporte
Escolar do Ministério do Esporte (Governo Federal) para obtenção do título de Especialista em Esporte
Escolar do primeiro autor, sob orientação do segundo autor, ambos supra-citados no início do texto.

2. Entendemos que o jogo promove o desenvolvimento afetivo-social e de princípios tais como a cooperação,
a participação, a convivência, a emancipação e auto-estima. Dessa forma, o aluno participa das atividades de
maneira ativa e crítica compreendendo os elementos do jogo, caminhando para autonomia, além de aprender
a respeitar as limitações dos demais participantes. Cabe ao profissional de Educação Física, estimular todos
os aspectos mencionados (motor, cognitivo, moral e afetivo-social), que são atividades ricas em situações
imprevisíveis contribuindo para o desenvolvimento do raciocínio e que exigem do aluno o respeito pelas
regras para que o jogo prossiga sem interrupções, abordando valores essenciais à educação. Ao respeitar as
regras, o aluno passará a respeitar os colegas e conseqüentemente qualquer pessoa com a qual se relacione.
Seguindo esse processo a criança aprenderá a respeitar as leis da sociedade, tornando-se um cidadão
consciente de seus direitos e deveres.

Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678
121

Data de recebimento: 12/ 01//09


Data de aceite: 26/02/09

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

You are free: to copy, distribute and transmit the work; to adapt the work.
You must attribute the work in the manner specified by the author or licensor

Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 10, n. 14, Jan./jun. 2009– ISSN 1679-8678