Você está na página 1de 57

PROTÓTIPOS

O que é Protótipo?

Os protótipos são peças fundamentais para a


criação de um produto novo. É através deles
que os desenvolvedores do projeto verificam
se todos os detalhes do design externo e
interno estão de acordo com o que haviam
pensado, para assim confeccionar o molde
do produto com segurança.
Planejar cirurgias complexas com uma
réplica do crânio do paciente em suas
mãos...
Ensaiar procedimentos cirúrgicos
antes de entrar no hospital...
Confeccionar próteses sob medida
para o paciente...

IMAGINE...
Modelagem Por Deposição de
Material Fundido “FDM”
Modelagem Por Deposição de
Material Fundido
Estereolitografia - SLA
Sinterização Seletiva a
Laser (SLS)
PÓ DE GESSO
Modelagem por Deposição
de Material Fundido (FDM)

Neste processo, os filamentos de


Resina Termoplástica aquecida são
extrudadas a partir de uma Matriz em
forma de ponta que se move no Plano
xy.
Modelagem Por Deposição de
Material Fundido
A máquina para a FDM possui uma
plataforma, revestida de uma bandeja flexível,
que se movimenta no sentido vertical (eixo Z)
e um cabeçote provido de dois bicos extrusores
de arames aquecidos: um para alimentar as
camadas do modelo e outro para a construção
automática dos suportes.

Esses arames ficam estocados dentro da


máquina, em ambiente a vácuo aquecido, pois
a umidade do material dentro do bico extrusor
poderia causar formação de bolhas, que
impediria a continuidade de sua deposição pelo
bico.
Esquema Simplificado
do Processo FDM
Modelagem Por Deposição de
Material Fundido
Máquina de Prototipagem

Fabricante: Stratasys
Modelo: Dimension SST
Vantagens e Desvantagens
VANTAGENS:
• Fabricação Rápida
• Boa p/ Protótipos de Base pequena e altos
(estilo Lápis)
• Boas propriedades Mecânicas e diversidade
de Materiais, melhor que o Processo de
Impressão 3D

DESVANTAGENS:
• O acabamento é Inferior ao da estereolitografia..
Modelagem Por Deposição de
Material Fundido
Os arames destinados ao modelo são de ABS,
elastômeros ou cera, enquanto os destinados aos
suportes são uma mistura de ABS e cal;
O processo não desperdiça material durante ou após
a produção do protótipo, exigindo pouca
necessidade de limpeza e permitindo sua instalação
Arame de Suporte em ambientes não industriais;
O acabamento final da superfície da peça é inferior
aquele obtido através da estereolitografia;
Uma máquina, com câmara de 203 x 203 x 305
mm, pode custar aproximadamente US$ 20.000,00.
O principal fabricante é a Stratasys.

Arame de Modelo
Estereolitografia (SLA)
Trata-se do primeiro processo de prototipagem rápida, sendo
desenvolvido em 1986 pela 3D Systems.
Estereolitografia (SLA)
O processo baseia-se na
polimerização de uma resina
fotosensível (acrílica, epóxi ou
vinil) composta de monômeros,
fotoiniciadores e aditivos,
através de um feixe de laser UV
(ultra-violeta).
Uma vez pronto, o modelo
sólido é removido do banho de
polímero líquido e lavado.
Os suportes são retirados e o
modelo é introduzido num forno
de radiação ultravioleta para ser
submetido a uma cura completa.
Estereolitografia (SLA)
A estereolitografia utiliza uma
resina
foto-curável (fotopolímero) que
pode ser classificada como um
epóxi ou acrílico;
Em geral, esse material tem um
preço elevado, além de possuir um
odor desagradável e ser tóxico;
Uma máquina, com câmara de 250
x 250 x 250 mm (o tamanho mais
comum), pode custar
aproximadamente US$ 200.000,00.
Principal fabricante: 3D Systems.
Prototipagem Rápida em 3D
Prototipadora
Usando tecnologia patenteada da
Objet multi-material simultânea
jorrando, o Connex500 Objet pode
imprimir modelos feitos de até 14
materiais diferentes, em um único
trabalho de impressão. O sistema é
ideal para os designers e engenheiros
que procuram efetivamente destacar
os componentes de materiais
diferentes em produtos complexos ou
montada.
Estereolitografia - SLA

Material Utilizado: Resina SLA tipo ABS


Alto grau de durabilidade e precisão
Produz peças mais lisas, brilhantes e com excelente
acabamento nas superfícies.
Tem como desvantagem a Produção de Gases
Tóxicos
Sinterização à Laser Seletivo – SLS

A sinterização seletiva a laser – SLS


(Selective Laser Sintering), como o próprio
nome sugere, é a sinterização localizada
de um pó pela ação de um sistema de
laser de CO2, contido numa máquina
específica. Para os objetos metálicos
utilizam-se pós com núcleos metálicos
recobertos por polímeros. Entre esses, os
mais utilizados são os de cobre-poliamida,
pela boa condutibilidade térmica.
Sinterização Seletiva a
Laser (SLS)
As peças são construídas sobre
uma plataforma a qual está
imediatamente abaixo da superfície
de um recipiente preenchido com o
pó fusível por calor;
O raio laser traça a primeira
camada, sinterizando o material;
A plataforma é ligeiramente
abaixada, reaplica-se o pó e o raio
laser traça a segunda camada;
O processo continua até que a peça
esteja terminada. O pó em excesso
ajuda a dar suporte ao componente
durante sua construção.
Aplicações – SLS

Fabricação de Implantes

prototipagem rápida na
fabricação de moldes /Matrizes
Equip.Eletrônicos em Geral
Sinterização Seletiva a
Laser (SLS)
Esta técnica, patenteada em 1989, usa um raio de laser para fundir,
de forma seletiva, materiais pulverulentos, tais como náilon,
elastômeros e metais, num objeto sólido.

SLS = Selective Laser Sintering


Sinterização Seletiva a
Laser (SLS)

O acabamento final da peça


tem um aspecto poroso;
O material empregado é do
tipo termoplástico;
Os principais fabricantes são
a EOS e a 3D Systems.
Vantagens e Desvantagens

VANTAGENS:
• Protótipo com melhores propriedades Mecânicas

DESVANTAGENS:
• O acabamento Superficial e a Precisão do Protótipo
não são tão bons quanto a estereolitografia
Manufatura de Objetos em
Lâminas (LOM)
Nesta técnica camadas de material, na forma de tiras revestidas de
adesivo, são grudadas umas nas outras formando-se o protótipo.
Manufatura de Objetos em
Lâminas (LOM)
O material original consiste de
bobinas de papel laminado com
cola ativada pelo calor;
Um rolo coletor avança a tira de
papel sobre a plataforma de
construção, onde há uma base feita
de papel e fita com espuma nas
duas faces;
A seguir, um rolo aquecido aplica
pressão para fixar o papel à base;
Uma fonte de raio laser com alta
precisão de foco corta o contorno
da primeira camada sobre o papel e
então quadricula a área em excesso.
Manufatura de Objetos em
Lâminas (LOM)
O material original consiste de bobinas
de papel laminado com cola ativada
pelo calor;
Esse quadriculado rompe o material
extra, tornando fácil sua remoção
durante o processamento posterior;
Após o corte da primeira camada a
plataforma é abaixada, liberando o
caminho para que o rolo coletor
avance a tira de papel e exponha
material novo;
Então, a plataforma se eleva até um
ponto ligeiramente inferior à altura
original, o rolo aquecido liga a
segunda camada à primeira e a fonte
de raio laser corta a segunda camada.
Manufatura de Objetos em
Lâminas (LOM)

É uma tecnologia muito boa


para produzir protótipos de
grande porte;
O principal material é o papel;
Os equipamentos eram
fabricados pela Helisys e agora
são de propriedade da Cubic
Technologies.
Comparação das Tecnologias
Impressão por Jato de Tinta
(MJT)
Essa tecnologia, também conhecida como Thermojet, ao contrário
das técnicas expostas anteriormente, se refere a uma classe inteira
de equipamentos que usam a tecnologia de jato de tinta.

MJT = Multi Jet Modeling


Impressão por Jato de Tinta (MJT)

Os protótipos são construídos sobre uma plataforma situada num recipiente


preenchido com material pulverulento.
Um cabeçote de impressão por jato de tinta "imprime“ seletivamente um agente
ligante que funde e aglomera o pó nas áreas desejadas.
O pó que continua solto permanece na plataforma para dar suporte ao protótipo que
vai sendo formado.
A plataforma é ligeiramente abaixada, adiciona-se mais material pulverulento e o
processo é repetido.
Ao se terminar o processo a peça é sinterizada, removendo-se o pó que ficou solto.
Impressão por Jato de Tinta
(MJT)

Podem ser usados pós de materiais


poliméricos, cerâmicos e metálicos.
Uma máquina, com câmara de 203
x 203 x 305 mm, pode custar
aproximadamente US$ 20.000,00.
Os principais fabricantes são a 3D
Dimension e a Z Corporation.
Como escolher o sistema
mais apropriado?
A escolha da tecnologia de prototipagem rápida mais adequada está
ligada com o tipo de produto, envolvendo fatores como:

Qualidade de protótipos necessários;


Dimensões do componente;
Finalidade do protótipo;
Qualidade de acabamento necessária do protótipo.

Não existe processo de prototipagem rápida melhor que outro. Todos


apresentam vantagens e desvantagens, sendo estas dependentes da
geometria e, sobretudo, do tipo da aplicação do protótipo.
Novas Tecnologias:
Prototipagem rápida com gelo
Um pesquisador da Universidade de Missouri
está trabalhando para ver se sua idéia para
prototipagem rápida pode ser comprovada.
O método pretende utilizar água em um
ambiente congelante, fazendo com que
gotículas transformem-se instantaneamente
em gelo.
O sistema experimental faz com que gotas
d'água sejam depositadas por um finíssimo
esguicho sobre uma superfície, da mesma
Rapid Freeze Prototyping" - RFP, forma que o plástico em outros sistemas.
Prototipagem por congelamento Mas, ao contrário das atuais técnicas, o RFP
rápido ocorre em uma câmara fria, congelando
imediatamente as gotículas e mantendo
perfeita a peça construída.
Carbon 3D www.carbon 3d.com 2017

Desafios:
Ciclo lento de impressão
Projeto: Uso complexo hardware (motor de passo)
Assistência técnica insuficiente

Materiais Utilizados na Impressão:


Poliuretano rígido, flexível e elastomérico
Cyanate ester
Epóxi
Metacrilato de Uretano
Produção Dentaria
O PROCESSO

Exemplos de capacidade de impressão em rede de carbono

Case : Adidas

Customização ampla e personalizada Impressão intermediaria Adidas com estrutura de redes


diferentes ao longo da entressola
www.nano-di.com