Você está na página 1de 3

Disciplina: Didática Geral

Professor: Flávio Corsini Liro


Aluno: Raoni Batista Messias

Identificação da obra

CANDAU, Vera Maria. Rumo a uma nova didática. 19. ed. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 13-45.

Apresentação da obra
Vera Maria Candau é formada em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de
Janeiro (PUC-Rio), e doutorado e pós-doutorado em Educação pela Universidad Complutense de
Madrid. É professora titular da PUC-Rio. Assessora projetos socioeducativos no país e no âmbito
latino-americano. Integra a equipe da ONG Novamerica. Tem ampla experiência de ensino, da escola
básica aos cursos de licenciatura, mestrado e doutorado. É coordenadora do Grupo de Pesquisas sobre
Cotidiano, Educação e Cultura/s, através do qual tem desenvolvido sistematicamente pesquisas sobre as
relações entre educação e cultura/s. É pesquisadora 1A do CNPQ. Suas principais áreas de atuação são
educação multi/intercultural, cotidiano escolar, didática, educação em direitos humanos e formação de
educadores/as.
A obra traz a tona uma inquietação que por muitos anos ficou sem ser comentada – a forma
como a didática geral, que é uma disciplina essencialmente prática, tem se apresentado nas salas de
aulas de forma que os professores analisem seus conteúdos e levem em conta os elementos
estruturantes, como o lógico, o aluno, o objeto e o contexto. Segundo a autora, a finalidade da ação
educativa é de construir uma sociedade mais justa e democrática. Nessa questão entra a revisão crítica
do ensino e pesquisa da didática que de meramente instrumental passa a ser vista e trabalhada numa
perspectiva fundamental, que parte do compromisso com a transformação social, com a busca de
práticas pedagógicas que tornem o ensino de fato eficiente para a sociedade. Rompe com uma prática
profissional individualista, promove o trabalho em comum de professores e especialistas. Busca as
formas de aumentar a permanência das crianças na escola. Discute a questão do currículo em sua
interação com uma população concreta e suas exigências, etc.

Descrição da estrutura
Esta resenha do tipo descritiva tem por finalidade trabalhar o primeiro capítulo desta obra
(páginas 13-45), intitulado – Didática: enfoque, objeto e conteúdo. O foco narrativo se dá em primeira
pessoa pois a autora apresenta nos textos seus resultados de anos de pesquisas dentro dos temas centrais
que são educação e Didática Geral.

Apresentação das ideias centrais do texto


Em A revisão da didática a autora demostra o resultado de um trabalho apresentado por ela em
1984 no 1º Seminário: A didática em questão. Ela começa preconizando uma nova concepção de
didática e sugere uma superação da didática instrumental, até aquele momento muito difundida como
prática pedagógica, e nos apresenta uma didática fundamental, segundo a autora, é uma nova forma de
repensar a Didática.
Entende-se por didática instrumental aquela proposta por Comênio como um artifício universal
para ensinar tudo a todos. Nesse sentido pressupõe-se a necessidade de superar essa perspectiva,
perpassando por uma revisão crítica, no que a autora chama de visão meramente instrumental e
pretensamente neutra do seu conteúdo.
Disciplina: Didática Geral
Professor: Flávio Corsini Liro
Aluno: Raoni Batista Messias

Diante dessa inferência, faz-se necessário a construção de uma didática alternativa – a didática
fundamental.
A autora descreve características que deverão informar essa reconstrução, que são – a
multidimensionalidade do processo de ensino-aprendizagem – a natureza do saber escolar, a relação
escola e sociedade, a competência do professor e suas dimensões, a neutralidade ou não da ciência e da
técnica, etc. A explicitação dos pressupostos – o contexto que foram geradas as abordagens
metodológicas, a visão de homem, de sociedade, de conhecimento e de educação que veiculam.
Em questões prioritárias, há uma tentativa de explicar que a didática deve ser concebida como
um “elo” entre as disciplinas de fundamentos da educação e a prática pedagógica. Sua especificidade,
perante o processo de revisão e reconstrução, é garantida pela preocupação e compreensão do processo
de ensino-aprendizagem. É interessante destacar que todo esse processo de se reestruturar é complexo e
requer esforço coletivo.
Em Análise dos programas de Didática do Estado do Rio de janeiro, destacou-se como tema de
objeto de reflexão a formação dos educadores do estado Rio de Janeiro para esta nova didática
fundamental. Sugeriu-se uma análise dos conteúdos dos programas de didática. Nessa análise houve
uma predominância da dimensão técnica e de autores nacionais nas bibliografias recomendadas nos
cursos de pedagogia e licenciaturas, inclusive muitos destes autores refletem influência direta com
autores americanos, a maioria referindo-se a uma abordagem comportamental – tecnológica do
processo de ensino-aprendizagem. É interessante salientar que algumas bibliografias não tinham
coerência com os conteúdos e os objetivos propostos, alguns conteúdos seguiam uma linha
sociopolítica enquanto a bibliografia era nitidamente técnica e outros vice-versa. Alguns com
bibliografia com mais de 10 anos, outros com pouco ou ausência quase total de indicações de teses ou
pesquisas. Sobre a análise dos objetivos e conteúdos percebeu-se uma tendência claramente dominante,
a que enfatiza a concepção fortemente ligada a didática instrumental centrada no “como fazer”. O
pressuposto da neutralidade claramente assumido nos conteúdos e objetivos da disciplina. Ficou claro
que nos aspectos analisados comprovou-se uma clara tendência, como a própria autora sugere, de
trabalhar a dimensão técnica, deixando de lado a questão sociopolítica.
Em A Didática e a relação forma/conteúdo a autora faz uma reflexão sobre a pedagogia critico
social dos conteúdos como um grande desafio a ser considerado: se cada área do conhecimento tem
uma organização, uma constituição e uma lógica própria, não cabe afirmar a possibilidade de um
método único.
Em Tem sentido hoje falar de uma Didática geral, Candau constatou que a natureza e o objeto
de estudo da didática geral e da prática de ensino tem se tornado objetos de acaloradas discussões e
suscitado diferentes posturas técnico – práticas. É curioso destacar desta fala alguns pontos como: o
ensino de didática deve desmistificar o pressuposto da neutralidade que, de fato, muitas vezes o tem
informado e devemos repensar a didática e re-situá-la a um novo pressuposto que é a perspectiva de
transformação social, com a construção de um novo modelo de sociedade.
É necessário superar o formalismo didático, ou seja, essa busca incessante de um único método
capaz e ensinar “tudo para todos”, como Comênio preconizava em sua Didactica Magna no século XV.
O grande desafio da didática moderna é assumir que existem diferentes estruturantes e não
restringir nenhum desses modelos como único.
Para concluir, a didática instrumental é um conhecimento técnico sobre como fazer, logo neutro,
padronizado, homogêneo e bem reducionista. Segundo a autora, nem sempre a técnica aplicada ao
aluno A funcionará a determinado aluno B e vice-versa. Ela acredita que sendo alunos diferentes
também serão contextos diferentes. Nesse sentido nasce o conceito da didática fundamental que
Disciplina: Didática Geral
Professor: Flávio Corsini Liro
Aluno: Raoni Batista Messias

consiste em enxergar os aspectos dinâmicos no processo de ensino – aprendizagem. A educação


inclusive que é aquela que enxerga as diferenças nasce a partir desse conceito.