Você está na página 1de 10

Análise de um acidente por contaminação fúngica

Maria Cristina Strausz2 em uma biblioteca pública no município do Rio de


Jorge Mesquita Huet Machado2 Janeiro1
Leila de Souza Rocha Brickus3
Analysis of a fungal contamination accident at a public library
in Rio de Janeiro

1
Artigo baseado na dissertação de Resumo
mestrado de Maria Cristina Strausz
intitulada Análise de um acidente Partindo de um acidente de contaminação por fungos ocorrido em dezembro
fúngico em biblioteca: um caso de
de 1997 em uma biblioteca pública no município do Rio de Janeiro, foi testada
síndrome do edifício doente, apresen-
tada à Escola Nacional de Saúde a aplicabilidade de uma proposta metodológica de análise sociotécnica de aci-
Pública, Fiocruz, Rio de Janeiro. dentes, que foi desenvolvida pelo Centro de Estudo de Saúde do Trabalhador
2001. Apresentado no I Seminário e Ecologia Humana (CESTEH/Fiocruz), para análise de acidentes industriais
Nacional de Saúde e Ambiente no ampliados. O acidente foi conseqüência de um fato anunciado meses antes,
Processo de Desenvolvimento, quando os trabalhadores da biblioteca denunciaram, através de um abaixo-as-
Rio de Janeiro, 2000, sob o título sinado, os problemas de descontrole da temperatura ambiente, que se traduzia
Análise de um acidente fúngico em em desconforto, sintomas respiratórios e afastamento do trabalho, decorrentes
biblioteca: um caso de síndrome do daquelas condições. O evento foi caracterizado como um caso de Síndrome
edifício doente; e no V Congresso do Edifício Doente, que é um problema decorrente da má qualidade do ar de
Brasileiro de Epidemiologia, Curiti-
interiores, especialmente em ambientes climatizados artificialmente. Nesse
ba, 2002, sob o título Contribuição
sentido, despertou a atenção dos profissionais de bibliotecas do Brasil para um
de ferramentas epidemiológicas na
análise de um acidente de contamina- problema bastante comum, embora pouco estudado, especialmente no campo
ção fúngica em biblioteca. da saúde pública e, dentro dela, o campo da saúde do trabalhador.
2
Coordenação de Saúde do Traba- Palavras-chaves: análise de acidentes, Síndrome do Edifício Doente, saúde do
lhador da Fundação Oswaldo Cruz. trabalhador.
Rio de Janeiro. Brasil.
3
Escola Nacional de Saúde Pública
Sérgio Arouca da Fundação Oswal- Abstract
do Cruz. Rio de Janeiro. Brasil.
The applicability of a methodology to analyze large industrial accidents using
social-technical analysis developed by the Center of Studies on Worker’s Health
and Human Ecology (CESTEH/Fiocruz) was tested in a fungal contamination
accident occurred in December 1997 at a public library in Rio de Janeiro. The
accident was due to problems in controlling the ambient temperature, which
resulted in discomfort, breathing symptoms, and sick leave. The library workers,
through a signed petition, had already brought the problem forward. It was
characterized as a case of Sick Building Syndrome, which is caused by bad
indoor air quality, especially in acclimatized environments. The event made
Brazilian librarians aware of an issue which, in spite of being rather ordinary,
is still not very well known within the field of Public Health, particularly in the
area of Worker’s Health.
Keywords: accident analysis, Sick Building Syndrome, worker’s health.

Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, 32 (115): 69-78, 2007 69


Introdução

Historicamente, os acidentes de traba- trouxe a necessidade de desenvolver me-


lho têm sido vistos como eventos de res- todologias de análise de acidentes em ou-
ponsabilidade dos trabalhadores envolvi- tros setores da economia, com ênfase no
dos. A cultura de culpabilização da vítima setor de serviços. Contudo, a transposição
perpetua-se até os dias de hoje e a Saúde das metodologias do setor industrial para
do Trabalhador, enquanto campo interdis- outros setores freqüentemente esbarra nas
ciplinar, vem trazendo um novo enfoque limitações inerentes a todo tipo de adap-
sobre os acidentes de trabalho e as doenças tação.
dele decorrentes. As Ciências Sociais trou-
xeram como contribuição uma abordagem O crescimento do setor de serviços,
sociotécnica dos acidentes de trabalho, en- aliado à flexibilização dos contratos e à
quanto a Ergonomia moderna trouxe uma precarização das relações de trabalho, tem
nova visão do posto de trabalho. trazido um incremento de exposições a no-
vos riscos ocupacionais e doenças relacio-
A indústria vem sendo privilegiada nadas ao trabalho. Os Distúrbios Osteoarti-
como campo de investigação eleito para o
culares Relacionados ao Trabalho (DORT)
desenvolvimento de metodologias de aná-
ou as Lesões por Esforços Repetitivos (LER)
lise dos acidentes de trabalho. Afinal, os
e a Síndrome do Edifício Doente (SED) são
acidentes nela ocorridos são conseqüências
alguns exemplos de síndromes modernas
de necessidades trazidas pela revolução in-
relacionadas diretamente à organização e
dustrial, que transformou o mundo trazen-
ao ambiente de trabalho. As LER/DORT,
do não só o desenvolvimento, como novos
padrões de doenças e acidentabilidade. mundialmente estudadas, já se configuram
Mas há outras razões: acidentes industriais como epidemia. A SED ainda carece de es-
adquirem importância epidemiológica por tudos mais profundos em climas tropicais,
sua gravidade e abrangência. Além de sua como no Brasil, embora já seja estudada há
complexidade e sua importância econômi- mais de vinte anos nos países dependen-
ca, o setor conta com a demanda dos traba- tes de climatização artificial (MOLHAVE,
lhadores organizados. Dentre outras áreas 1992; SKOV, 1992).
onde se desenvolvem estas metodologias Nesse contexto, este estudo analisa um
estão a aeroespacial, de transportes em caso de Síndrome do Edifício Doente uti-
geral e de energia nuclear, com influência lizando como base metodológica uma pro-
direta sobre as metodologias de análise de
posta de análise de acidentes desenvolvida
acidentes em geral.
pelo Centro de Estudo de Saúde do Traba-
A mudança do perfil da atividade eco- lhador e Ecologia Humana (CESTEH) da
nômica no decorrer dos últimos anos nos Fundação Oswaldo Crua (Fiocruz).

O acidente

Durante as festas de Ano Novo de de que as condições ambientais estavam


1996/7, uma biblioteca pública localizada influindo negativamente sobre a saúde dos
no município do Rio de Janeiro foi alvo de trabalhadores (BARCELLOS et al., 1996).
intensa proliferação de fungos. O evento
Strausz (2001) relata que as baixas
havia sido precedido por outros proble-
temperaturas tinham como justificativa a
mas, como as constantes queixas relativas
preservação do acervo. No entanto, o sis-
à saúde dos funcionários, o que, por sua
tema de refrigeração era costumeiramente
vez, já tinha justificado a criação de uma
desligado durante a noite, fins de semana
comissão de saúde.
e feriados. Deste modo, o aumento da tem-
Tal comissão tinha como objetivos mo- peratura ambiental, provocado pelo fecha-
nitorar a temperatura ambiental e mobili- mento da biblioteca e o desligamento do
zar os trabalhadores para que se tomassem seu sistema de refrigeração por vários dias
providências com relação a seu provável consecutivos, em pleno verão, por ocasião
desajuste. O monitoramento revelou que a do feriado prolongado do fim do ano de
temperatura encontrava-se muito abaixo do 1996, conjugado ao alto grau de umidade
nível de conforto térmico, chegando a 14ºC relativa do ar decorrente da intensa chuva
no decorrer do dia, um indicativo seguro no período, forneceram as condições pro-

70 Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, 32 (115): 69-78, 2007


pícias para que os fungos, já presentes no além do apoio das unidades técnico-cien-
ambiente, proliferassem-se intensamente, tíficas. O diagnóstico inicial indicou que o
contaminando todo o ambiente. acidente foi provocado por problemas liga-
dos à climatização da biblioteca.
Assim, o acidente aconteceu como um
fato anunciado meses antes, quando os Este evento foi caracterizado como aci-
funcionários denunciaram, através de um dente pelo fato de ter sido um fenômeno
abaixo-assinado, as péssimas condições agudo de contaminação ambiental, com
de trabalho, traduzidas em desconforto, risco potencial à saúde dos trabalhadores.
dores musculares, de garganta e de ouvi- As ações desenvolvidas a partir de en-
do, alergias respiratórias, sinusite, gripe e tão visaram preservar a saúde dos traba-
pneumonia. lhadores, recuperar o acervo e restabelecer
O acidente desencadeou ações de vi- condições ambientais que fossem satisfató-
gilância em saúde do trabalhador na ins- rias para o conforto dos trabalhadores e dos
tituição, com o envolvimento de diversos usuários.
atores sociais, como presidência da insti- Os problemas relativos ao funciona-
tuição, direção da biblioteca, sindicato de mento do sistema de ar-condicionado fo-
trabalhadores, comissão interna de saúde ram muitos e se arrastaram ao longo dos
e setores ligados à saúde do trabalhador, anos subseqüentes.

Metodologia

Segundo Strausz (2001), foi utilizado um acidente de contaminação ambiental


para a análise do acidente o referencial provocado por fatores gerenciais e tecno-
metodológico da Análise Interdisciplinar lógicos, envolvendo as relações sociais do
e Participativa de Acidentes (AIPA). Des- trabalho, com reflexo sobre a saúde dos tra-
ta forma, pode-se identificar e discutir os balhadores.
componentes estruturais disciplinares e
Strausz (2001) informa que foi utiliza-
seus fatores causais, segundo os seus vá-
do pelo órgão responsável pela saúde do
rios estratos: macroestrutural, no nível da
trabalhador um inquérito epidemiológico
política de administração pública; local,
para detecção de queixas relacionadas à
onde se analisa os componentes gerencial,
exposição que serviu como base para en-
organizacional e tecnológico; e o estrato
caminhamentos ao serviço médico. A po-
epidemiológico, onde se revela o impacto
pulação em estudo foi dividida em dois
do acidente sobre o ambiente e sobre a saú-
grupos, de acordo com a localização do se-
de dos trabalhadores.
tor de trabalho no prédio: mais expostos e
A AIPA é uma proposta metodológica menos expostos. O grupo de trabalhadores
criada pelo Centro de Estudos de Saúde mais expostos foi composto de pessoas que
do Trabalhador e Ecologia Humana base- desenvolviam suas funções diretamente no
ada na análise sociotécnica de acidentes acervo, como bibliotecários, estagiários e
industriais desenvolvida por Paté-Cornell, higienizadores do acervo, ou que circula-
na França, como uma tentativa de supe- vam por estes ambientes desenvolvendo
ração das atuais abordagens de análise de as atividades de apoio, como recepção de
acidentes industriais, buscando vincular usuários, limpezas prediais e vigilância. O
os eventos aos aspectos sociais e gerenciais grupo de trabalhadores menos expostos foi
ou organizacionais na geração dos mesmos composto de funcionários da área de admi-
(FREITAS & PORTO, 1997; FREITAS, POR- nistração e de informática. Os trabalhado-
TO & MACHADO, 2000). res destes setores foram considerados como
menos expostos por não terem contato di-
Essa proposta metodológica foi desen-
reto e permanente com o acervo, apesar do
volvida para análise de acidentes químicos
sistema de refrigeração propiciar a troca de
ampliados, ou seja, acidentes de alta com-
ar entre os diversos ambientes do prédio,
plexidade. Porém, utilizamo-na em outro
sem distinção. O período em estudo foi de
campo de estudo: a análise de um acidente
janeiro a setembro de 1997.
em biblioteca, no setor de serviço. A nossa
hipótese é de que, no caso do acidente em Foram colhidas amostras do ar am-
questão, a AIPA é aplicável devido ao ní- biente por uma pesquisadora da institui-
vel de complexidade envolvido nesse caso: ção, com a finalidade de identificar os

Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, 32 (115): 69-78, 2007 71


microrganismos e compostos químicos uma empresa de controle microbiológico
presentes, e contratada uma assessoria de contratada; e da comissão de funcionários
controle microbiológico para identificar e constituída meses antes do acidente, além
quantificar os fungos do ambiente, assim
de pareceres técnicos ligados às áreas de
como fornecer orientações quanto à sua
patogenicidade e aos métodos de higieni- engenharia, micologia médica, pneumo-
zação do acervo. logia e dermatologia ocupacional e, final-
mente, da avaliação clínica e laboratorial
O estudo do acidente se deu a partir da
análise dos seguintes relatórios: do serviço dos trabalhadores e de entrevistas com al-
de saúde do trabalhador; da avaliação am- guns atores institucionais que vivenciaram
biental realizada dentro da instituição; de os momentos pré e pós-acidente.

Resultados da análise

A contaminação fúngica que determi- A instituição pública em questão busca


nou o acidente vinha tomando espaço no estruturalmente a democratização das rela-
decorrer de 1996 por problemas no siste- ções de trabalho através da eleição inter-
ma de ar-condicionado. Segundo relatos na de seus dirigentes e gestores, além de
de funcionários, desde setembro daquele contar com um sindicato de trabalhadores
ano, algumas coleções começaram a apre- engajado na luta por melhores condições
sentar focos de contaminação, havendo de trabalho. Eventualmente, a organização
necessidade de intensificar a rotina de dos trabalhadores se dá de forma descen-
higienização do acervo, apesar das limi- tralizada através de comissões de saúde
tações impostas pela carência de pessoal formadas livremente, que fazem interlocu-
para a execução desta tarefa (BARCELLOS ção com o órgão de saúde do trabalhador.
et al., 1996; STRAUSZ, 2001). Segundo Strausz (2001), no período
que antecedeu ao acidente, foi criada uma
É importante ressaltar que, no proces-
Comissão de Saúde do Trabalhador na bi-
so de trabalho em bibliotecas, há um risco
blioteca a fim de negociar junto à direção
biológico controlado devido à presença de
alguma solução para o problema de baixas
fungos e ácaros, principalmente, que têm o
temperaturas no decorrer do período de
papel, o couro, o tecido e a madeira como trabalho. A comissão solicitou a compra
seu habitat. Este risco pode ser maior ou de equipamentos para o monitoramento
menor, dependendo de medidas de con- de temperatura e umidade relativa do ar
trole ambiental, como a higienização perió- nos diversos ambientes do prédio e pas-
dica dos volumes e do ambiente em geral e sou a recomendar que os trabalhadores se
monitoramento da temperatura e da umi- recusassem a trabalhar em temperaturas
dade relativa do ar (VALENTÍN et al., 1998; abaixo de 20ºC. A alternativa à recusa foi
GAMBALE et al., 1989; CROCE, 1989). a adoção de estratégias, como a abertura
O edifício que abriga a biblioteca, em- de janelas, vedação das saídas de ar-con-
dicionado, até mesmo o desligamento do
bora tenha sido concebido com a finali-
sistema de refrigeração do prédio.
dade de acolher o acervo bibliográfico da
instituição, teve seu projeto inicial altera- Ao se deparar com a suspeita de cres-
do para se tornar um centro de informação cimento de fungos nas estantes do acervo
científica, com necessidades diferenciadas e em seus volumes, a comissão colheu
de climatização (SICT, 1991). amostras e enviou para análise. O resulta-
do confirmou a presença de fungos e fez
A AIPA se baseia fortemente na análise com que a comissão solicitasse à direção
sociotécnica dos acidentes, em que o com- um incremento no contingente de traba-
ponente social se refere à vulnerabilidade lhadores para a higienização do acervo, o
social do contexto e dos indivíduos en- que não foi possível devido às limitações
volvidos, à organização sindical, ao nível para contratação de pessoal na instituição.
de democratização ou hierarquização das A comissão levou o problema ao órgão de
relações de trabalho, às políticas de geren- saúde do trabalhador, solicitando sua me-
ciamento de riscos e, mais globalmente, às diação junto aos setores de engenharia e
políticas sociais e econômicas implemen- arquitetura da instituição (BARCELLOS et
tadas no país ou região (PORTO, 1994). al., 1996).

72 Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, 32 (115): 69-78, 2007


A vertente tecnológica da AIPA entende dade vinda do exterior se distribuía indis-
o acidente como conseqüência: criminadamente junto com o ar frio.
de uma ou mais disfunções do processo, Segundo Strausz (2001), aliados aos
em que a característica patológica do sis- problemas no projeto, estavam alguns fato-
tema tende a se manifestar de forma ime- res gerenciais, que podem ser descritos de
diata e abrupta, em oposição às situações forma hierarquizada:
“normais” de poluição crônica (...) a isso
somadas as contínuas exposições às car- - no mecanismo de controle da tem-
gas de trabalho (...) podendo vir a gerar no peratura, havia válvulas elétricas que es-
futuro, doenças graves. (FREITAS et al., tavam queimadas, tornando o ambiente
2000, p. 55) interno extremamente frio no decorrer do
Como disfunção no processo, identifi- ano. O contrato de manutenção não previa
camos o descontrole da temperatura como a compra de peças e componentes, o que
um fator mais evidente que encobria altas ficava a cargo do setor de manutenção da
instituição e dependente de um lento pro-
taxas de umidade relativa do ar, trazendo
cesso licitatório de compras.
um incremento no desconforto térmico.
- operação inadequada do sistema de
Ao contrário da oscilação da tempera-
refrigeração. O desligamento do sistema de
tura, a umidade relativa do ar permane-
refrigeração ao final do dia e nos finais de
cia constantemente alta, em torno de 90%
semana provocava choque térmico e con-
a 100%, o que facilitava a proliferação de densação dentro dos armazéns. Desde a
fungos no seu habitat: o papel. As altas sua implantação, não foram estabelecidas
taxas de umidade no ambiente interno normas e procedimentos de regulação do
tinham diversas causas, que foram elimi- sistema de ar-condicionado. A operação do
nadas uma a uma nos meses que sucede- sistema era feita por um funcionário da área
ram ao acidente, sendo que grande parte administrativa sem conhecimento técnico,
delas estava associada a erros no proje- pois, naquela ocasião, a Portaria nº 3.523/
to ou em sua execução (CONTROLBIO, GM de 1998 (BRASIL, 1998), que recomen-
1998; STRAUSZ, 2001): da a presença de um técnico para a opera-
- ausência de calhas de escoamento ção do sistema de ar-condicionado, ainda
não estava em vigor. Além do mais, como
junto ao telhado, o que fazia com que a
o ambiente atingia temperaturas muito bai-
água da chuva escorresse pelas paredes
xas a partir de metade do expediente, havia
externas;
muita pressão interna por parte dos funcio-
- as janelas do prédio não eram total- nários para que o sistema fosse desligado.
mente vedadas, o que possibilitava a en-
trada da umidade do meio externo; A AIPA defende a mudança de foco de
análise, com uma abordagem que consi-
- as janelas de tomada de ar do exterior dera a organização do trabalho e seu pa-
foram instaladas muito baixas, captando, pel no evento. Esta mudança implica em
também, toda a umidade proveniente da ampliar o foco de análise para todo o pro-
evaporação do solo. cesso de trabalho, incluindo aí os aspectos
O prédio fora construído sobre solo pan- gerenciais e organizacionais, deslocando
tanoso, que não foi impermeabilizado em as investigações de como aconteceu para
torno do prédio e, portanto, o ar não deveria porque aconteceu. Dentro desse contexto,
ser captado nesta altura. O projeto do ar- inclui-se a participação dos trabalhadores
condicionado provavelmente se baseou em não mais como geradores, mas como atores
tabelas padronizadas de climatização, não no processo de análise do acidente. Daí a
denominação “participativa”. No acidente
levando em conta a localização do prédio:
em questão, vemos os fatores ambientais
- má localização da central de água ge- interferindo negativamente no processo de
lada ao lado do prédio, propiciando que a trabalho. A participação dos trabalhadores
umidade gerada seja levada com o vento ao em todas as etapas, quer seja em discussões
seu encontro; de grupos organizados ou como comissão
- a existência de um jardim interno que de saúde e associação de funcionários, in-
se comunicava diretamente com o interior duzindo uma resposta institucional, foi de-
cisiva para a compreensão do acidente.
do edifício, cuja base não estava isolada do
solo. O projeto original do sistema de ar- A introdução de uma abordagem de
condicionado permitia a comunicação do análise interdisciplinar enriquece a com-
ar entre os ambientes. Desta forma, a umi- preensão dos acidentes, abrangendo uma

Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, 32 (115): 69-78, 2007 73


gama de fatores que buscam sistematizar em licença médica por mais de 30 dias e 1
uma hierarquia condicionante do evento. solicitou transferência de unidade.
A incorporação das dimensões social, polí-
Foi calculado o risco atribuível (RA) de
tica e ideológica permite ver o trabalhador
queixas dermatológicas entre os grupos de
e seu corpo historicamente determinado e
diferentes graus de exposição, sendo este
implica na articulação com saberes ante-
de 25%. O mesmo indicador de relação
riores, reconstruídos sob uma ótica social
entre exposição e efeito para as queixas
(FREITAS, PORTO & MACHADO, 2000). respiratórias apresentou um resultado rela-
Machado (1997, p. 37) afirma que a: tivamente de menor significância, ou seja,
um RA de 5%, representando um número
intervenção interdisciplinar em vigilân-
menor de casos de doenças respiratórias
cia tem um potencial de superação das
restrições técnicas das abordagens disci-
que podem ser atribuídos ao diferencial de
plinares. Os componentes tecnológicos, exposição decorrente do acidente.
epidemiológicos e sociais dessa ação in- A contagem de eosinófilos no sangue foi
terdisciplinar atuam como mediadores da
destacada por ser um indicador de reação
relação entre processo de trabalho e saúde.
Logo, ao levarmos em consideração esses
alérgica muito sensível, porém inespecífico.
três componentes estruturais e a dinâmica A Tabela 1 revela uma agregação dos casos
dessa relação, somos obrigados a pensar e de eosinofilia com a presença de queixas res-
agir interdisciplinarmente. piratórias, o que pode estar associado a qua-
dros de alergia respiratória em decorrência da
O impacto dos fatores relacionados à exposição fúngica (MACHADO, STRAUSZ E
organização do trabalho aliado aos fatores TOSCHI, 1997; STRAUSZ, 2001).
tecnológicos é percebido sobre o corpo e a
mente dos trabalhadores, manifestando-se A eosinofilia foi observada em 18
como sintomas de doenças já conhecidas (18,9%) dos 97 trabalhadores avaliados, dos
ou não, intoxicações agudas e crônicas, to- quais 4 apresentaram exame parasitológico
dos eles dificilmente reconhecidos institu- de fezes positivo, o que também contribui
cionalmente como acidente de trabalho. para o aumento dos eosinófilos. Destes,
apenas 1 permaneceu com a alteração na
Segundo Freitas, Porto e Machado contagem de eosinófilos após o tratamen-
(2000, p. 59): to de parasitose, podendo-se concluir que
A geração histórica dos acidentes con- 15 (15,8%) trabalhadores sofreram algum
figura uma relação hierárquica entre os processo alérgico na ocasião do aciden-
elementos interdisciplinares múltiplos, te. Registramos que a grande maioria dos
dependendo dos setores, empresas e tec- trabalhadores que apresentaram eosinofi-
nologias analisados, que reorganizam a lia no primeiro exame negativaram após
estrutura de relações entre os elementos afastamento das atividades e das medidas
sociais, tecnológicos e de saúde. de aeração do ambiente (BLUMENTHAL,
O componente epidemiológico do aci- 1984a e 1984b).
dente em questão é dado pelas avaliações Foi também realizada a avaliação imu-
de saúde e ambiental executadas. nológica específica para aspergillus, apre-
A avaliação de saúde foi realizada a sentando 100% de negatividade. Essa ava-
partir do inquérito epidemiológico uti- liação é fundamental devido ao potencial
lizado como ponto de partida para o le- patogênico do aspergillus e sua negativação
vantamento de queixas para posterior en- é bastante importante no sentido da estima-
caminhamentos a médicos generalistas e tiva da gravidade dos achados clínicos que
especialistas, à avaliação laboratorial e a encontraríamos (PENNINGTON, 1986).
outros exames complementares. Uma vez constatada a contaminação
Segundo Strausz (2001), dentre os 97 fúngica, foram tomadas diversas medidas
trabalhadores examinados, 68 (71,1%) fo- de controle, como a aeração dos ambien-
ram considerados saudáveis ao exame clí- tes através da abertura das janelas, fumi-
gação para eliminação dos fungos e ações
nico e 14 (14,4%) com outras alterações
de vigilância ambiental, como monitora-
não relacionadas à exposição. Apenas 6
mento de umidade e temperatura e análise
pessoas (6,2%) apresentaram alterações
da qualidade do ar para fungos e contami-
possivelmente relacionadas à exposição
nantes químicos.
fúngica (manifestações alérgicas respira-
tórias ou dermatológicas). Cabe ressaltar Segundo o relatório de Rocha (1998),
ainda que 2 trabalhadores mantiveram-se foram realizadas três amostragens do ar

74 Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, 32 (115): 69-78, 2007


Tabela 1 Freqüência de eosinofilia em trabalhadores de biblioteca pública no muni-
cípio do Rio de Janeiro expostos à contaminação fúngica, segundo relato de
queixas respiratórias, no período de janeiro a março de 1997

Queixas respiratórias Eosinofilia Percentual


Sim 11 61,2%
Não 7 38,8%
Total 18 100%

interno e externo da biblioteca de Man- mesmo com todas as medidas de engenha-


guinhos durante o ano de 1997. Todos os ria adotadas, o sistema de condicionamen-
valores de umidade relativa do ar encon- to do ar da biblioteca não conseguia man-
trados no ambiente interno estavam acima ter a temperatura e a umidade relativa do
de 60%. Na primeira amostragem, durante ar adequadas para este tipo de ambiente.
a infestação de fungos na biblioteca, foi ob- Esse problema de refrigeração foi detecta-
servado que tanto a umidade relativa do ar do desde a inauguração da biblioteca.
elevada como a oscilação da temperatura
Vários gêneros de fungos foram identi-
no interior da biblioteca foram fatores de
ficados na biblioteca durante a infestação.
riscos para o acervo e favoreceram a proli-
Sua distribuição entre os pontos de amos-
feração de fungos. Os valores de umidade
tragem foi bastante similar. Dos 10 gêne-
relativa do ar no interior da biblioteca che-
ros identificados, por ocasião da primeira
gavam a ser maiores do que no ar externo.
amostragem, os mais comuns foram As-
Foi observada uma séria umidificação de
pergillus sp. (96,4-164,3 ufc/m3), Aspergil-
papéis nas salas de pesquisa e nos arma-
lus niger (67,9-153,6 ufc/m3) e Penicillium
zéns do acervo (ROCHA, 1998).
sp. (78,6-246,4 ufc/m3). Os componentes
Os valores aceitos como mais conve- restantes tiveram uma contribuição mode-
nientes à conservação de acervos biblio- rada onde foram detectados. Os valores de
gráficos são 55% de umidade relativa do fungos totais estiveram na faixa de 600,0-
ar e temperatura entre 20 e 22ºC (ABNT, 960,7 ufc/m3.
1980). Mais recentemente, a Agência Na-
Em junho/97, após a higienização do
cional de Vigilância Sanitária estabeleceu
acervo e do prédio, os níveis de fungos to-
valores de 40% a 55% de umidade relativa
tais caíram consideravelmente. O gênero
do ar e 20 a 23ºC para ambientes de arte,
mais comum encontrado foi Cladosporium
onde se pode incluir acervo bibliográfico
sp. (61,9-183,3 ufc/m3). Os principais fun-
(BRASIL, 2000).
gos identificados em janeiro/97 tiveram um
As amostragens de junho/97 e setem- declínio significante: Aspergillus sp. (11,9-
bro/97, após o conserto do sistema de ar- 21,9 ufc/m3), Aspergillus niger (não detecta-
condicionado, mostraram claramente que, do) e Penicillium sp. (14,3-26,2 ufc/m3).

1200

1000

800
ufc/m3

janeiro
600
junho
LT

400

200

0
BM1 BM-2 BM-3 BM-4 BM-5 BM6

Abreviações: BM-1: Saguão da recepção; BM-2: sala de leitura de periódicos; BM-3: sala de referência;
BM-4: armazém A; BM-5: armazém B; e BM-6: sala de informática.
Gráfico 1 Avaliação quantitativa de fungos totais presentes no ar ambiental de biblio-
teca pública no município do Rio de Janeiro em janeiro e junho de 1997

Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, 32 (115): 69-78, 2007 75


Nessa avaliação foi observado que os 1. Problemas no projeto arquitetônico
níveis estavam abaixo do limite máximo
- pouca experiência das empresas bra-
aceitável, indicando que a contaminação
sileiras em construção de bibliotecas e
por fungos estava sob controle. O Gráfico
prédios onde há grande número de publi-
1 demonstra a distribuição quantitativa de
cações e a necessidade de conservação de
fungos totais em seis pontos de amostra-
acervo;
gem na biblioteca estudada em janeiro e
junho de 1997. - capacidade relativa de instância pú-
blica em acompanhar o desenvolvimen-
Com relação à avaliação de contami-
nantes químicos, foram realizadas ava- to de projeto desse porte, principalmente
liações dos teores de partículas totais em quanto ao item de refrigeração e de exaus-
suspensão (PTS), dos compostos orgânicos tão do ambiente;
voláteis totais (COVT) e dos aldeídos. A de- - o local escolhido é extremamente su-
terminação do teor de partículas inaláveis jeito a variações intensas de temperatura e
em suspensão é de extrema importância umidade, exigindo um mecanismo de con-
para avaliar os possíveis efeitos adversos à trole de alta complexidade.
saúde humana devido à presença de ma-
terial particulado. As amostragens foram 2. Problemas gerenciais
feitas para partículas totais em suspensão - é priorizado o controle de umidade via
devido ao fato de se possuir ciclones su- redução de temperaturas, desencadeando
ficientes para realizar a amostragem em desconforto para as pessoas;
vários pontos simultaneamente naquela
ocasião (BRICKUS e NETO, 1999). - há uma demora de resposta institu-
cional na intervenção, embora tenha ha-
Normalmente, a maior fonte de PTS no vido queixas ambientais e mesmo clínicas
ar de interiores é a atividade humana, as- dos trabalhadores.
sim como a incursão do ar externo. Anali-
sando-se os pontos internos amostrados de 3. Problemas ambientais
PTS, foi observado que o BM-1, referente - temperatura e umidade descontrola-
ao saguão de recepção da biblioteca, apre- das;
sentou valor máximo, seguido por BM-2,
referente à sala de leitura de periódicos, - proliferação de fungos;
também bastante freqüentada pelos usuá-
- desconforto térmico generalizado.
rios. Esse dado comprova a idéia de que,
em recintos fechados, as atividades huma- 4. Problemas epidemiológicos
nas são uma das fontes principais de PTS.
- há uma situação de aumento na inci-
Ao mesmo tempo, reduz a importância da
dência de casos de doenças respiratórias
influência poluidora externa sobre o am-
leves e alergias respiratórias e de pele. Esse
biente interno.
efeito dermatológico é considerado especí-
Síntese das situações evidenciadas pela fico para esse tipo de contexto de contami-
análise: nação fúngica.

Discussão

O estudo nos mostra que a AIPA é uma A aplicabilidade da AIPA neste aciden-
proposta metodológica perfeitamente apli- te também se deu por tratar-se de uma si-
cável a este acidente ao possibilitar elencar tuação de descontrole ambiental, gerando
os seus fatores condicionantes de forma exposições múltiplas a agentes físicos e
sistematizada e hierarquizada. biológicos, levando a efeitos de complexi-
dade variável.
Além disso, podemos inferir sobre a
sua aplicação em outros acidentes com o A infestação fúngica da biblioteca ocor-
mesmo nível de complexidade, indepen- rida em dezembro/96 foi um evento ca-
dentemente do setor da economia. A AIPA racterizado como “Síndrome do Edifício
traz à tona os problemas gerenciais como Doente” e despertou o interesse de outras
geradores potenciais de acidentes de traba- bibliotecas do Rio de Janeiro e de outros es-
lho, enquanto as metodologias tradicionais tados por apontar para um tipo de proble-
de análise de acidentes apontam o fator hu- ma pouco discutido entre os trabalhadores
mano como seu principal gerador. desta atividade. Apesar de haver uma vasta

76 Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, 32 (115): 69-78, 2007


bibliografia sobre conservação de acervos e ser tema de particular atenção por ser uma
arquitetura de bibliotecas, poucos estudos população de trabalhadores exposta ocu-
discutem a saúde desses trabalhadores. pacionalmente a riscos físicos, químicos
e biológicos decorrentes de climatização
Embora tenha sido observado empirica-
artificial. Ao contrário da biblioteca em
mente que os trabalhadores que realizam
questão, muitas vezes as bibliotecas estão
suas atividades em bibliotecas são com
instaladas em áreas adaptadas, em subso-
freqüência acometidos por problemas de
los de edifícios, com problemas crônicos
saúde relacionados ao ambiente de traba-
de manutenção.
lho, ainda não há estudos que comprove
o que a prática evidencia. Estudar o tema A publicidade adversa desta infestação
e divulgar os resultados dá visibilidade às fúngica gerou não apenas solidariedade de
questões de saúde desses trabalhadores e outras bibliotecas brasileiras como tam-
ambientes. Dessa forma, a vigilância à saú- bém pedido de ajuda de diferentes partes
de dos trabalhadores de bibliotecas passa a do país.

Referências

ABNT. Associação Brasileira de Normas São Paulo: Universidade de São Paulo,


Técnicas. NBR 6401: Instalações centrais 1989.
de ar-condicionado para conforto FREITAS, C. M.; PORTO, M. F. S. Aspectos
– parâmetros básicos de projeto. Rio de sociais e qualitativos nas análises de
Janeiro: ABNT, 1980. causas de acidentes industriais em
BARCELLOS, C. et al. Relatório de sistemas tecnológicos complexos. Revista
diagnóstico e propostas de solução para Produção, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 33-55,
o sistema central de ar-condicionado 1997.
do prédio da Biblioteca Central de FREITAS, C. M; PORTO, M. F. S.;
Manguinhos. Rio de Janeiro: [s.n.], 1996. MACHADO, J. M. H. (Org.). Perspectivas
Mimeografado. para uma análise interdisciplinar e
BLUMENTHAL, D. S. Ascaridíase. In: participativa de acidentes (AIPA) no
WYNGAARDEN, J. B.; SMITH Jr., L. H. contexto da indústria de processo.
In: . Acidentes industriais ampliados:
Cecil: Tratado de Medicina Interna. 16. ed.
desafios e perspectivas para o controle e a
Rio de Janeiro: Interamericana, 1984a. p.
prevenção. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2000.
1795-1796.
cap. 1.
. Estrongiloidíase. In:
GAMBALE, W. et al. Fungos do ambiente
WYNGAARDEN, J. B.; SMITH Jr., L. H.
em bibliotecas da Universidade de São
Cecil: Tratado de Medicina Interna. 16. ed. Paulo e relação com alergias respiratórias.
Rio de Janeiro: Interamericana, 1984b. p. In: SEMINÁRIO SOBRE PRESERVAÇÃO
1792-1793. DE BENS CULTURAIS. SISTEMA
BRASIL. Resolução Anvisa nº 176, de 24 INTEGRADO DE BIBLIOTECAS, 1,
de outubro de 2000. Brasília, DF, 2000. 1989, São Paulo. Anais... São Paulo:
Universidade de São Paulo, 1989. p. 27-37.
. Portaria nº 3.523, de 31 de
agosto de 1998. Diário Oficial da União, n. MACHADO, J. M. H. Processo de
166, Brasília, DF, 1998. vigilância em saúde do trabalhador. Cad.
Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 13, supl.
BRICKUS, L. S. R.; NETO, F. R. A. A 2, p. 33-45, 1997.
qualidade do ar de interiores e a química.
Rev. Química Nova, Viçosa, v. 22, n. 1, p. MACHADO, J. M. H.; STRAUSZ, M.
1-9, 1999. C.; TOSCHI, W. D. Proteção à saúde do
trabalhador: informe sobre o acidente de
CONTROLBIO. Laudo Técnico. Rio de contaminação fúngica na biblioteca de
Janeiro: [s.n.], 1997. Mimeografado. Manguinhos-Fiocruz. Revista Brasindoor,
CROCE, J. Fungos ambientais e alergias São Paulo, v. 7. p. 4-10, 1997.
respiratórias. In: SEMINÁRIO SOBRE MOLHAVE, L. Controlled experiments
PRESERVAÇÃO DE BENS CULTURAIS. for studies of the silk building syndrome.
SISTEMA INTEGRADO DE BI- Ann. N.Y. Acad. Sci., v. 641, p. 697-711,
BLIOTECAS, 1, 1989, São Paulo. Anais..., 1992.

Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, 32 (115): 69-78, 2007 77


PENNINGTON, J. E. Aspergillus. In: doente. CNPQ, Coordenação do Programa
SAROSI, G. A.; DAVIES, F. F. Fungal RHAE. Rio de Janeiro: [s.n.], 1998.
diseases of the lung. Orlando: Grune & SICT. Estudo para implantação da nova
Stratton, 1986. p. 175-189. biblioteca de Manguinhos. [S.l.: s.n.],
1991. Mimeografado.
PORTO, M. F. S. Trabalho industrial, saúde
e ecologia: avaliação qualitativa de riscos SKOV, P. The silk building syndrome. Ann.
industriais em dois estudos de caso na N.Y. Acad. Sci., v. 641, p.17-20, 1992.
indústria química. 1994. Tese (Doutorado) STRAUSZ, M. C. Análise de um acidente
– Coordenação dos Programas de Pós- fúngico em biblioteca: um caso de
Graduação em Engenharia, Universidade síndrome do edifício doente. 2001.
Dissertação (Mestrado) – Escola Nacional
Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,
de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2001.
1994.
VALENTÍN, N. et al. Microbial control
ROCHA, L. S. Relatório final das in archives, libraries and museums by
atividades do projeto biblioteca de ventilation systems. Rev. Restaurator, n.
Manguinhos e a síndrome do edifício 19, p. 85-107, 1998.

78 Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, 32 (115): 69-78, 2007