Você está na página 1de 14

PAULO

FREIRE
Vida e importância de seu trabalho

Nomes:Gabriel Vollet N11


Nicollas Richard N31
Vida
◦ Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) foi
um educador, escritor e filósofo pernambucano. Tendo sua formação inicial em
Direito, Freire desistiu da advocacia e atuou durante o início de sua carreira
como professor de Língua Portuguesa no Colégio Oswaldo Cruz, instituição
em que o professor havia concluído o Ensino Básico. Freire também trabalhou
para o Serviço Social da Indústria (SESI) como diretor do setor de educação e
cultura, além de ter lecionado Filosofia da Educação na então Universidade
de Recife.
◦ Em 1959, Paulo Freire passou no processo seletivo para a cátedra de História e
Filosofia da Educação, da Escola de Belas Artes da Universidade de Recife, com
a tese Educação e atualidade brasileira. Em 1961, o professor tornou-se diretor
do Departamento de Extensões Culturais, da Universidade de Recife, o
que o possibilitou realizar as primeiras experiências mais amplas com
alfabetização de adultos, que culminaram na experiência de Angicos
Método Paulo Freire
◦ No auge da Guerra Fria, os Estados Unidos lançaram um projeto
chamado Aliança para o Progresso, que visava a alavancar o processo de
crescimento econômico e acabar com o que o bloco capitalista entendia como
“crescente comunismo” que vinha assolando a América Latina. No
entendimento de quem liderou o projeto, a erradicação do analfabetismo seria
uma maneira de frear a ascensão socialista.
◦ O Brasil foi um dos contemplados pelo projeto, e no Nordeste, ainda como fase
experimental, a cidade de Angicos, no Rio grande do Norte, foi uma das primeiras
grandes experiências de tentativa de erradicação do analfabetismo. A escolha da
cidade e a verba destinada ao projeto de Angicos, cerca de 36 dólares por
aluno, vieram desse plano norte-americano. Paulo Freire elaborou o
projeto, formou uma comissão de coordenadores e treinou
professores para aplicar o plano
◦ Em 40 horas, percorridas durante quase um mês, 300 jovens e adultos foram
alfabetizados pelo método desenvolvido por Freire. O educador brasileiro
criticava o modelo de educação que ele chamava de “educação bancária”. Esse
modelo é baseado na visão de que o professor é o centro do processo e detentor
do conhecimento das matérias, sendo o responsável por depositar aquilo que
sabe em seus alunos.
◦ “a leitura do mundo precede a leitura da palavra, daí que a posterior leitura desta
não possa prescindir da continuidade da leitura daquele.”
◦ Marcos Guerra, advogado e coordenador do projeto em Angicos, conta que “a
alfabetização era baseada em 12 a 15 palavras apenas que continham todos os
fonemas da língua portuguesa. No debate sobre a palavra trabalho, o que é que vem?
Vem as condições de trabalho. Aí evoca discussões sobre trabalho, condição de
trabalho [...] remuneração de trabalho, garantias, direitos, deveres”.Palavras como
tijolo, barro, trabalho, labuta e telha eram as norteadoras do método, que não foca
no conteúdo ensinado, mas no processo.
◦ Depois do curso, uma greve na cidade parou a construção de uma obra. Acredita-se
que eles teriam sido inspirados pelo ensino dos direitos trabalhistas em sala de
aula, com a metodologia freiriana. Os trabalhadores disseram ao dono da
empresa que sabiam que tinham direitos. Eles pediam carteira assinada, repouso
semanal remunerado e férias. E o patrão disse: ‘eu não dou isso não, ninguém
dá’, lembra [Marcos] Guerra.
◦ O Plano Nacional de Alfabetização poderia levar o letramento a até seis milhões de
brasileiros, o que significaria seis milhões de novos eleitores fora das classes
dominantes. Esses fatores foram decisivos para que, ainda em abril de 1964,
o Plano Nacional de Alfabetização fosse cancelado. Esses também foram
fatores decisivos para a prisão de Paulo Freire, Marcos Guerra (advogado e um dos
coordenadores do projeto em Angicos) e dezenas de outras pessoas, que, como
no caso de Freire, também foram exiladas.
◦ Paulo Freire passou 70 dias presos e foi exilado. No exílio, foi primeiramente
para o Chile, onde coordenou projetos de alfabetização de adultos, pelo
Instituto Chileno da Reforma Agrária, por cinco anos. Em 1969, o professor
pernambucano foi convidado a lecionar na Universidade de Harvard. Em
1970, foi consultor e coordenador emérito do Conselho Mundial de
Igrejas (CMI), com sede em Genebra, na Suíça.
◦ Até o seu retorno ao Brasil, em 1980, Freire fez viagens a mais de 30 países pelo
CMI, prestando consultoria educacional e implementando projetos de educação
voltados para a alfabetização, para a redução da desigualdade social e para a
garantia de direitos. 
◦ “Não há docência sem discência”.
Referências
◦ https://www.google.com/amp/s/m.brasilescola.uol.com.br/amp/biografia/paulo-
freire.htm