Você está na página 1de 11

DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE UM DE

CABEÇALHOS DE ASSUNTOS
rogeriopetrinialmeida.blogspot.com/2011/11/diretrizes-para-elaboracao-de-um-de.html

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL


FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO
CURSO DE BIBLIOTECONOMIA
Rogerio Carlos Petrini de Almeida
DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE UM DE CABEÇALHOS DE ASSUNTOS
Porto Alegre
2011

Rogerio Carlos Petrini de Almeida


DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE UM DE CABEÇALHOS DE ASSUNTOS

Trabalho acadêmico apresentado como


requisito parcial para avaliação na disciplina
BIB033341 - Linguagem Documentária III.
Porto Alegre
2011

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO........................................................................................ 5

2 OBJETIVOS PROPOSTOS PELAS DIRETRIZES ................................ 6

3 APLICAÇÃO........................................................................................... 7

4 REVISÃO E ALTERAÇÕES................................................................... 8

5 COMPOSIÇÃO DOS CABEÇALHOS DE ASSUNTO........................... 9

5.1 CONSTITUIÇÃO..................................................................................... 9

5.2 CABEÇALHOS DE ASSUNTO AUTORIZADOS.................................... 9

5.3 CABEÇALHOS DE ASSUNTO NÃO-AUTORIZADOS.......................... 10

5.4 RECOLHA DE TERMOS...................................................................... 10

5.5 VARIAÇÃO DE NÚMERO...................................................................... 10

1/11
5.6 EMPREGO DE QUALIFICADOR............................................................ 11

5.7 SUB-CABEÇALHOS DE ASSUNTO...................................................... 12

5.8 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA............................................................... 12

5.8.1 Cabeçalhos de Assunto Autorizados.............................................. 12

5.8.2 Cabeçalhos de Assunto Não-autorizados ...................................... 12

5.8.3 Tabelas Auxiliares.............................................................................. 12

5.9 ORDEM DE REPRESENTAÇÃO DOS CABEÇALHOS DE ASSUNTO 12

6 RELAÇÕES.............................................................................................. 13

6.1 Relações Hierárquicas................................................................. 13

6.2 Relações Coordenadas Entre Si............................................... 13

6.3 RELAÇÕES DE EQUIVALÊNCIA............................................................ 13

7 RECURSOS AUXILIARES..................................................................... 15

7.1 ASSUNTO 15

7.2 15

GEOGRÁFICA..........................................................................................

7.3 CRONOLÓGICA....................................................................................... 15

7.4 FORMA..................................................................................................... 16

8 REGRAS ESPECÍFICAS......................................................................... 17

9 ELABORAÇÃO DE LISTAGEM DE CABEÇALHO DE ASSUNTO ........ 18

10 PADRÕES DE UNIFORMIZAÇÃO DE CABEÇALHOS DE ASSUNTO .. 19

11 DEFINIÇÕES............................................................................................ 20

REFERÊNCIAS........................................................................................ 22

1 INTRODUÇÃO
O presente trabalho estabelece as diretrizes básicas para a construção de um cabeçalho
de assunto que é utilizado como um ferramental para a recuperação de informações.
2/11
O cabeçalho de assunto é uma linguagem documentária pré-coordenada e há a
exigência de regras para o estabelecimento de uma adequada padronização que venha
a beneficiar uma correta classificação e indexação dos assuntos sendo esta a sua
principal função a de organizar determinados acervos por assunto.
A lista ou cabeçalho de assunto é uma relação hierárquica cujos termos são ordenados
alfabeticamente, neste contexto, serão utilizados basicamente termos do idioma
português brasileiro, clareando que a preferência de escolha dos termos dos exemplos
não se prende a uma área específica de um conhecimento.
A padronização do vocabulário requer cuidados que eliminem ambigüidades que
venham a dificultar à recuperação de documentos ou que venham a conduzir o usuário
a perda de tempo ou desconfiança quanto à recuperação da informação (ARRIMAR,
2011).
Para a elaboração de listas de cabeçalhos de assunto devem-se seguir vários processos,
entre os quais a recolha dos termos, identificação de remissivas e outros e cada diretriz
contida em cada processo deve ser claramente explicada e normalizada para que seja
estabelecido um elo de validade da lista de assunto.
Os cabeçalhos de assunto são geralmente aplicados em bibliotecas, no entanto constata-
se o seu uso em área específica e como facilitador da recuperação de informações
quando o usuário procura a conhecimentos a partir do assunto desejado.

2 OBJETIVOS PROPOSTOS PELAS DIRETRIZES


Detalhar procedimentos e estabelecer uma metodologia para a elaboração de um
cabeçalho de assunto, com fins de auxiliar a construções de lista de assuntos.

3 APLICAÇÃO
Estas diretrizes estarão disponíveis a todos os interessados que necessitem de uma
orientação de padronizações básicas para a construção de uma lista de cabeçalho ou
que necessitem de um modelo compreensível para a construção de trabalhos
relacionados a cabeçalhos de assunto.
Poderá ser utilizada tanto na construção de pequenos como de grandes listas de
assuntos, em áreas do segmento de bibliotecas dos mais vários gêneros e de algum
tema com maior especificidade.

4 REVISÃO E ALTERAÇÕES
As políticas de revisão e alterações devem estar alicerçadas no estabelecimento de uma
periodicidade, mensal, semestral, ou anual, quando se efetivará uma revisão da
literatura e de todo o conteúdo do cabeçalho, buscando desta forma sua ampliação
correções atualizações apropriadas ao uso da ferramenta.

5 COMPOSIÇÃO DOS CABEÇALHOS DE ASSUNTO


As listas de assuntos ou cabeçalho de assunto compõem-se de uma palavra ou de um

3/11
sintagma nominal, organizados alfabeticamente e indexados por assunto específico.
Ainda para Colepícolo (2011), o cabeçalho de assunto é uma composição de uma lista de
palavras chaves, podendo ter relações hierárquica e de equivalência e serve, também,
para classificação e indexação de qualquer documento.
Para este item convém observar os princípios básicos de Cutter para a elaboração de
cabeçalhos de assunto que são os seguintes:
a) princípio do uso: adotar o termo mais utilizado pela comunidade de usuários a qual
pertence à biblioteca;
b) princípio da ordem direta: escolher sempre o termo mais específico para representar
o assunto, evitando termos genéricos.
5.1 CONSTITUIÇÃO
Os cabeçalhos constantes nesta ferramenta estão ordenados alfabeticamente e é
constituído de cabeçalhos simples formado por uma única palavra e por cabeçalho
composto formado por um sintagma nominal.
5.2 CABEÇALHOS DE ASSUNTO AUTORIZADOS
Para o cabeçalho de assunto autorizado adota-se o princípio da especificidade grafado,
em letras maiúsculas e negritado, arial tamanho 12, a escolha de destaque é opcional,
mas entendida aqui como de boa visibilidade.
Ex.: ACONDICIONAMENTO DE LIXO
xx Acondicionamento
Em caso de sinonímia o termo mais conhecido e empregado deve ser adotado, fazendo-
se a remissiva para os demais termos não-autorizados.
Ex.: LIXO DOMICILIAR
x Resíduo domiciliar
O uso de vocábulos estrangeiros só deve ser empregado quando não houver nenhum
equivalente em português e se aportuguesado deve ser empregado como se fosse da
língua local. Sucedendo ao termo estrangeiro deve constar entre parentes a língua de
origem.
EX.: CONTÊINER
x Container (inglês)
5.3 CABEÇALHOS DE ASSUNTO NÃO-AUTORIZADOS
Estarão na mesma ordem alfabética dos cabeçalhos autorizados, identificados com
grafia diferente dos autorizados, aqui empregado arial 12, simples, intercalado pela a
remissiva “ver”, seguida do cabeçalho autorizado.
Ex.: Resíduo domiciliar ver LIXO DOMICILIAR.
5.4 RECOLHA DE TERMOS
A recolha de termos deve ser feita em situação discursiva, ou seja, em linguagem natural,
permitindo desta maneira que a construção da lista de assuntos atenda
harmoniosamente as necessidades do usuário e promova uma recuperação dos
assuntos de modo eficiente.
5.5 VARIAÇÃO DE NÚMERO
Os cabeçalhos de assunto aceita o uso de singular e plural, no entanto deve seguir as
regras a seguir detalhadas:
a) singular

4/11
- Para nome de coisas e acontecimentos únicos e particulares:
Ex.: SUCATA
- Para palavras que representam idéias, qualidades ou conceitos:
Ex.: GESTÃO AMBIENTAL
- Para os nomes das ciências, artes, área de conhecimento:
Ex.: ECOLOGIA
- Para nomes de produtos químicos, e de produção primária:
Ex.: ALCOOL
CHORUME
ARROZ
- Para partes isoladas, do corpo humano e animal e doenças e suas associações:
Ex.: PATA
FEBRE
b) plural
- Para nomes concretos (seres vivos, objetos, produtos elaborados):
Ex.: PORCOS
PLÁSTICOS
- Para nome genérico de instituições jurídicas
Ex.: PREFEITURAS
BANCOS
- Para nomes de ofícios, profissões, etc.:
Ex.: SUCATERIOS
GARIS
- Para designações de etnias, seguidores de religiões, membros de tribos.
Ex.: CHILENOS
EVANGELICOS
GUARANIS
5.6 EMPREGOS DE QUALIFICADOR
O qualificador, descritivo colocado entre parênteses no prosseguimento do cabeçalho é
usado esclarecer identificar o significado do cabeçalho de assunto se este se apresentar
em situação de sentido vago de homonímia ou homografia este ou identificar a origem
de temos estrangeiros.
Ex.: CARROCEIROS (Agentes ambientais)
Container (Inglês)
5.7 DOS SUB-CABEÇALHOS DE ASSUNTO
São termos simples ou compostos acrescidos aos cabeçalhos tópicos para representar
aspectos ou características representativas aparecem separados por hífen, e ficam
limitados a conteúdos geográficos, de forma, de tempo cronológico, relativo ao assunto.
EX.: COLETA SELETIVA – Brasil – Porto Alegre - semanal
5.8 DA REPRESENTAÇÃO GRÁFICA
Apresenta-se a seguir as formas de representação gráfica dos cabeçalhos autorizados e
cabeçalhos não-autorizados e das tabelas auxiliares.
5.8.1 Cabeçalhos de Assunto Autorizados
Serão grafados em caixa alta, em letra arial do tamanho doze e negritados como

5/11
destaque, como vista nos exemplos.
EX.: COOPERATIVA DE RECICLAGEM
5.8.2 Cabeçalhos de Assunto Não-autorizados
Serão grafados em caixa baixa em letra arial, tamanho doze e sem destaque, como pode
ser observado no exemplo.
EX. Vazadouro ver LIXÃO
5.8.3 Tabelas Auxiliares
As tabelas auxiliares ficarão entre parênteses, grafadas em caixa baixa e não negritadas.
EX.: Container (inglês)
5.9 ORDEM DE REPRESENTAÇÃO DOS CABEÇALHOS DE ASSUNTO
Tanto os cabeçalhos de assunto autorizados como os cabeçalhos de assuntos não-
autorizados serão dispostos em ordem alfabética rigorosa.
EX.: CATADORES: v.tb. AGENTES AMBIENTAIS, CARROCEIROS, CATADORES DO LIXÃO,
CATADORES INDIVIDUAIS, CATADORES ORGANIZADOS, CATADORES TRECHEIROS.

6 RELAÇÕES
Quando ocorrer às relações será estabelecido de forma coordenada, hierárquicas e de
equivalência como exposto nos tópicos adiante.
6.1 Relações Hierárquicas
A relação de hierarquia entre os cabeçalhos ocorrerá dos termos mais genéricos para o
mais específico o termo mais geral será representado por “xx”, que deverá anteceder o
termo.
EX.: CATADORES TRECHEIROS
xx CATADORES DE LIXO
A remissiva “ver também” serve para anteceder tanto um cabeçalho específico como um
associado em relação ao cabeçalho tópico.
Ex: cATADORES DE LIXO ver também CATADORES DE LIXÃO

As relações hierárquicas podem ser dos seguintes tipos:


a) Tipo gênero/espécie: as características de um conceito superordenado são herdadas
pelos conceitos subordinados de um mesmo nível.
EX: MAMÍFERO (gênero)
vaca (espécie)
ovelha (espécie)
cabra (espécie)
b)Tipo partitivas: as características do conceito superordenado (todo) não são
transmitidas aos conceitos subordinados (partes).
Ex.: CASA
Pátio
Quarto
Cozinha
c) Tipo “tipo de”: refere-se a especificidade dentro de um contexto.
Ex.: LIXO
Lixo orgânico
6/11
Lixo seco
d) Tipo “exemplo de”: expressa um exemplo do termo superordenado.
Ex.: LIXO SECO
Plástico (resíduo)
Vidros (redíduo)

6.2 Relações Coordenadas Entre Si


Os termos que representam essa relação são precedidos pela remissiva “ver também”
que podem ser também na forma abreviada “v. tb.”. São relações em que os assuntos
pertencem ao mesmo nível hierárquico, do mesmo gênero, que possuem a mesma
intenção, mas com características adicionais que os distingue um do outro.
Ex: LIXÃO v.tb. ATERRO SANITÁRIO
6.3 Relações de Equivalência
Os termos de equivalência são:
- os sinônimos;
- as variantes;
- preferência gráfica;
- os acrônimos;
- siglas em relação à sua forma por extenso.
Para se identifica o cabeçalho tópico ou autorizado em relação ao não autorizado segue
as seguintes formas:
a) O uso da palavra “ver” remendo ao cabeçalho autorizado:
EX.: Recolha Seletiva ver COLETA SELETIVA

b) O uso de “X” antecedido ao cabeçalho não autorizado:


EX.: COLETA SELETIVA
x Recolha Seletiva

7 RECURSOS AUXILIARES

Defini-se a seguir aspectos relevantes que vão contribuir para o perfeito entendimento
do assunto indexado. A forma de destaque do assunto, a situação geográfica a
temporalidade que o assunto pertence são recursos auxiliares a identificação do
cabeçalho e estarão antecedidos por um hífen.
Propõem-se o seguinte ordenamento para as divisões que sequem o termo: Cabeçalho
tópico – subdivisão assunto – geografia – cronologia – forma.
7.1 ASSUNTO
Documentos classificados que trata de assuntos de história, religiosa, política, economia
guerra, costumes, literatura etc. devem iniciar com a localização do país, subdivida pelo
assunto.
Ex.: CHINA – Economia mundial
7.2 GEOGRÁFICA
A divisão geográfica pode ser de continente, país, estado, cidade, de coordenadas e
outras, e deve ser atribuídas sempre do mais amplo para a localização mais exata,
quando necessário e existente em todos os estágios de localização.

7/11
EX.: ATERRO SANITÁRIO – Brasil
EX.: ATERRO SANITÁRIO – Brasil – Rio Grande do Sul
EX.: ATERRO SANITÁRIO – Brasil – Rio Grande do Sul – Porto Alegre
Documentos classificados que trata de assuntos de história, religiosa, política, economia
guerra, costumes, literatura etc. devem iniciar com a localização do país, subdivida pelo
assunto.
Ex.: CHINA – Economia mundial.
7.3 CRONOLÓGICA
Podem ser expressas por termos ou números, representativos de datas e temporalidade
ligada ao assunto, e, para intervalos de datas deve ser seguido a vírgula e o período
hifenizado.
Ex.: CAVALEIRO MEDIAVAIS – Idade Média.
Ex.: DESCOBRIMENTO DO BRASIL – 1500.
Ex.: GETULIO VARGAS – Presidência, 1930-191954.
7.4 FORMA
Quando necessário o estabelecimento da forma que se encontra o assunto subdividi-se
para melhor identificação.
Ex: PRODUTO QUÍMICO – Catálogo
TERMOS GAUDÉRIO - Dicionário

8 REGRAS ESPECÍFICAS
Considerando o regramento contido nos itens cinco e seis, acrescenta-se regramento a
seguir para o indexador de obras cujo teor não seja possível situar em um assunto
específico:
a) Obras de não-ficção sem assunto específico, indexar pela forma que melhor a
represente.
Ex.: DICIONÁRIOS
Ex.: ENCICLOPÉDIAS
b) Obras de ficção que reúne diversos assuntos, indexar pelo gênero literário
identificando o adjetivo pátrio dos autores.
Ex.: NOVELAS BRASILEIRAS
EX.: NARRATIVAS BRASILEIRAS

c) Biografias individuais, indexar pelo biografado, sobrenome/nome, subdividido pela


temporalidade da sua vida e acrescentando a informação de que se trata de biografia.
Ex.: VARGAS, GETULIO, 1882-1954 – Biografia
d) Biografias coletivas - indexadas como segue:
- quando o assunto se referir a biografias em um campo de atuação, indexar pelo campo
de atuação, pluralizado, seguindo a subdivisão biografias.
Ex.: GINASTA GAÚCHO – Biografias
- quando a obra se referir a uma coletânea de biografias de um determinado país, deve-
se indexar pelo adjetivo pátrio, no plural, seguido da subdivisão biografias.
Ex.: BRASILEIROS – Biografias

9 ELABORAÇÃO DE LISTAGEM DE CABEÇALHO DE ASSUNTO


8/11
Será constituído alfabeticamente, formando uma lista com termos autorizados e não
autorizados obedecendo ao regramento anteriormente descrito e formas hierarquia e de
remissivas estabelecidas, seguindo ordenação palavra a palavra.
O mesmo critério de ordenamento quando necessário será utilizado para os
subcabeçalhos e seqüência horizontal ou vertical.
Exemplo: pequeno cabeçalho de termos relacionados a área de coleta seletiva e
reciclagem de lixo, no Brasil.
ACONDICIONAMENTO: v.tb. ACONDICIONAMENTO DE LIXO.
ACONDICIONAMENTO DE LIXO:v.tb. ACONDICIONAMENTO.
AGENTES AMBIENTAIS: v.tb. CATADORES; CARROCEIROS.
ATERRO SANITÁRIO – Brasil – Rio Grande do sul, v.tb. ATERRO CONTROLADO LIXÃO.
ATERRO CONTROLADO:. v.tb. ATERRO SANITÁRIO
CARROCEIROS v.tb. CATADORES.
CATADORES: v.tb. AGENTES AMBIENTAIS, CARROCEIROS, CATADORES DO LIXÃO,
CATADORES INDIVIDUAIS, CATADORES ORGANIZADOS, CATADORES TRECHEIROS.
CATADORES TRECHEIROS: v.tb. CATADORES.
CATADORES DO LIXÃO:v.tb. CATADORES.
CATADORES INDIVIDUAIS: v.tb. CATADORES.
CATADORES ORGANIZADOS:v.tb. CATADORES.
Central de seleção: verUNIDADE DE TRIAGEM.
Centro de triagem:ver UNIDADE DE TRIAGEM.
CHORUME (Líquido tóxico), ( tipo de lixo)
CIDADANIA - Brasil
COLETA SELETIVA – Brasil
COLETA SELETIVA DOMICILIAR v.tb. COLETA SELETIVA
Coleta Porta a Porta: ver COLETA SELETIVA DOMICILIAR.
COMPOSTAGEM ( tipo de reciclagem)
CONSERVAÇÃO AMBIENTAL - Brasil
CONSUMO SUSTENTÁVEL - Brasil:
COOPERATIVA DE RECICLAGEM
DESCARTE DE LIXO
ECOLOGIA, (ciência social)
EMBALAGENS PLÁSTICAS
GESTÃO AMBIENTAL - Brasil
INCLUSÃO SOCIAL, (ação social)
Inserção social:ver INCLUSÃO SOCIAL.
LIXÃO – Brasil, v.tb. ATERRO SANITÁRIO.
LIXO
Lixo doméstico: ver LIXO DOMICILIAR.
LIXO DOMICILIAR
LIXO ORGÂNICO: v.tb. COMPOSTAGEM.
Lixo reciclável:verMATERIAL RECICLÁVEL.
Lixo urbano:ver RESÍDUO SÓLIDO URBANO
Material biodegradável:ver MATERIAL RECICLÁVEL.

9/11
MATERIAL RECICLÁVEL
PEVverPOSTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA.
PICsverPROGRAMA INTERNO DE COLETA SELETIVA.
POSTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA (tipo de coleta seletiva)
POSTOS DE TROCA (tipo de coleta seletiva)
PROGRAMA INTERNO DE COLETA SELETIVA, (tipo de coleta seletiva)
RECICLAGEM: (processo)
RECICLAGEM ENERGÉTICA (método)
RECICLAGEM DE PAPEL (método).
RECICLAGEM MÊCANICA, (método)
RECICLAGEM QUÍMICA (método)
RECICLAGEM DO VIDRO, (método)
RECICLAR, (conceito)
Recolha Seletiva:verCOLETA SELETIVA.
Recuperação energética: ver RECICLAGEM ENERGÉTICA.
Resíduo domiciliar, ver LIXO DOMICILIAR.
RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS
SUCATA v.tb. MATERIAL RECICLAVEL
SUCATEIRO.
UNIDADE DE TRIAGEM
Vazadouro:ver LIXÃO.

10 PADRÕES DE UNIFORMIZAÇÃO DE CABEÇALHOS DE ASSUNTO


Utilizar-se-á como ferramenta de padronização para os cabeçalhos de assunto
dicionários da língua portuguesa e especialmente o Código de Catalogação Anglo
Americano (CCAA2R), e Classificação Decimal Universal (CDU) e a Classificação Decimal de
Dewey (CDD), em últimas edições sempre que for possível.
As instruções normativas ISSO 1087, ISSO 2788, ISSO 5963, ISO 704, ISO860 e ISO 12199,
são ferramentas, igualmente, constante na construção de lista de assuntos.

11 DEFINIÇÕES
Definições para auxiliar na elaboração de cabeçalhos de assunto:
Assunto: é a expressão do tema, área que está sendo discutida em determinado
documento.
Cabeçalho de assunto (ou lista de assunto): são expressões de listas alfabéticas
parcialmente estruturadas (SANTOS, 2011).
Cabeçalho de assunto: são termos autorizados para representar um assunto (SANTOS
2011).
Catalogação: Atividade biblioteconômica que trata das normas que se devem seguir na
elaboração dos catálogos.
Conceito: Na perspectiva da indexação, é uma unidade de pensamento de um
determinado conjunto que constitui o conteúdo temático de um documento (ARRIMAR,
2011).
Descritor: Unidade de um tesauro ou vocabulário controlado que contém relações
hierárquicas, não hierárquicas e de equivalência (SANTOS, 2011). É uma palavra ou
10/11
expressão que identifica geralmente para fins de indexação, determinado conceito ou
tema.
Documento: informação em qualquer tipo de suporte, podendo ser considerada uma
unidade.
Homonímia: palavras que apesar de possuir significados diferentes possuem a mesma
estrutura fonética (SANTOS, 2011).
Indexação: operação que consiste em recuperar, selecionar e explanar as informações
contidas nos documentos.
Linguagem: sistema de signos que serve de meio de comunicação de idéias ou
sentimentos.
Palavra: unidade da linguagem falada ou escrita, sendo a menor unidade semântica de
um idioma.
Qualificadores Parentéticos: palavra colocada entre parêntesis curvos com a função de
esclarecer o sentido do termo de indexação (ARRIMAR, 2011).
Relações específicas: relação hierárquica subordinada que compartilham das mesmas
características da noção super-ordenada, mas apresenta pelos uma característica que a
diferencie (SANTOS, 2011).
Relações associativas: tipos seqüenciais com relação espacial ou temporal, com noções
de causa e efeito, produtor e produto, etapa de processo, oposição. Não são
hierárquicas.
Sinonímia: duas palavras ou mais que apresentam significados iguais ou semelhantes
(SANTOS, 2011).
Subdivisões (ou subcabeçalhos): são termos que acrescido ao cabeçalho tópico iram
representar aspectos ou facetas dos mesmos. (SANTOS, 2011).
Termo: palavra ou conjunto de palavras utilizadas para representar um conceito.

REFERÊNCIAS

ARRIMAR, Jorge de Abreu. A indexação por Assuntos. 2009. Disponível em: <
http://www.scribd.com/doc/14941254/AIndexacaoporAssuntos> Acesso em 27 nov.
2011.
COLEPICOLO, Eliane. MeSH: de cabeçalho de assunto a tesauro.Disponível em:
http://www.sbis.org.br/cbis/arquivos/994.pdf Acesso em: 09 set. 2011.
SANTOS, Cibele Araújo Camargo Marques dos; MAZZINI, Elizabeth Sardelli. Linguagens
Documentárias. Elab, 2010. Disponível em:
<http://www.slideshare.net/cibeleac/elab2010-3116567>. Acesso em: 27 nov. 2011.

11/11

Você também pode gostar