Você está na página 1de 18

Índice

1. Noções preliminares …………………………………....................................... 3


1.1. Introdução .................................................................................................... 3
1.2. A NR-12 ........................................................................................................ 3
1.3. Outras normas técnicas ................................................................................ 4
1.4. Alguns itens destacados da NR-12 ................................................................ 5
2. Passo 1 – Inventário das máquinas e equipamentos ...................................... 6
3. Passo 2 – Check-list de avaliação global ....................................................... 7
4. Passo 3 – Avaliação individual de cada máquina ou equipamento ................. 8
5. Passo 4 – Análise de riscos das máquinas e equipamentos ........................... 10
6. Passo 5 – Plano de ação ............................................................................... 11
7. Sobre a JAMES WATT ENGENHARIA E SOLUÇÕES EM NR-12 ................... 12
8. Apêndices – Algumas imagens comentadas .................................................. 14

2
1 – Noções preliminares

1.1 – Introdução rios e, em outros modos, removendo


as possibilidades de acidentes.
Com o advento da revolução industrial
ocorrido no Século XVIII, a utilização de Segundo estudos previdenciários,
máquinas passou a protagonizar a atualmente o Brasil tem apresentado
atividade econômica em todo o globo. uma média anual maior que 700 mil
Grandes avanços ocorreram na trabalhadores segurados que são
sociedade desde então. No entanto, acidentados e figura em 4º lugar no
algumas consequências negativas ranking mundial no número de
vieram juntas dessa evolução e uma acidentes de trabalho, sendo que as
delas foi o elevado número de origens desses acidentes estão
acidentes de trabalho. Em 1914, nos ligadas quase que exclusivamente às
Estados Unidos, uma publicação do atividades fabril e industrial.
jornal Machinary denominada Partindo das observações
Safeguards for machine tools and supramencionadas, o governo
power presses (nº. 140) já brasileiro assumiu compromissos com
demonstrava essa preocupação por a sociedade e com a Organização
parte de destacados engenheiros, Internacional do Trabalho (OIT) para
diretores de grandes empresas e agir com medidas que visam a
sociedades de engenharia. Àquela redução desses números. Entre essas
época não haviam estatísticas oficiais medidas está a atualização e
que fornecessem informações precisas implementação com maior rigor de
sobre o número de acidentes na normas regulamentadoras ligadas à
indústria, mas já haviam potenciais segurança do trabalho que devem
evidências de que o número de servir como parâmetros técnicos a
acidentes era de fato maior do que se serem disponibilizados às empresas
podia imaginar. A publicação menciona que atuam no país. Estas normas
exemplo de uma determinada planta podem ser consideradas como uma
onde ocorrera 200 acidentes em um interface de comunicação técnica
ano e após ser dada maior atenção às comum à indústria, ao governo
medidas preventivas, esse número foi através dos órgãos fiscalizadores e
reduzido no ano seguinte para 64 aos trabalhadores, onde todos devem
acidentes, mesmo com as atividades “falar a mesma língua”.
da referida empresa em aceleração. Ele
destaca ainda o fato de que desse 1.2 – A NR-12
número, apenas 38 podiam ser A partir da publicação no Diário Oficial
considerados como não preventivos ou da União na data de 24 de dezembro
acidentais no mais literário senso da de 2010, passou a vigorar a nova
palavra. Observa-se que se comparado Norma Regulamentadora nº. 12,
ao ano anterior, cerca de 80% dos atualizada através da Portaria SIT nº
acidentes ocorridos poderiam ter sido 197 de 17 de dezembro de 2010. Esta
evitados com medidas preventivas tais norma e seus anexos trata
como adequada proteção de especificamente da segurança no
maquinário, treinamento dos funcioná- trabalho de máquinas e equipamentos

3
definindo parâmetros técnicos, pela CF/88 no que diz respeito à
princípios fundamentais e medidas de segurança de máquinas
proteção e mitigação de riscos de equipamentos nas empresas em seus
acidente. processos industriais. Isto é, uma
A NR-12, como é conhecida a norma espécie de roteiro para facilitar a
regulamentadora de que trata este comunicação nas interfaces entre os
documento, foi e continua sendo empregados, os empregadores e o
desenvolvida / atualizada por uma governo na temática da segurança de
equipe denominada Comissão Nacional máquinas e equipamentos.
Temática Tripartite – CNTT que é a 1.3 – Outras normas técnicas
reunião dos representantes dos setores
interessados, a saber: trabalhadores, Outras normas costumeiramente
empresários e governo, nesse caso, utilizadas para a maioria das máquinas
através do Ministério do Trabalho e quanto à temática da segurança são:
Emprego (MTE).
 ABNT NBR ISO 12100
É importante observar que a NR-12 é  ABNT NBR NM 272
na verdade uma espécie de guia  ABNT NBR NM 273
genérico de caráter técnico dos  ABNT NBR 13759
procedimentos e variáveis a serem
 ABNT NBR NM ISO 13852
estudadas na lide da segurança de
 ABNT NBR NM ISO 13853
máquinas e equipamentos por todos os
 ABNT NBR NM ISO 13854
envolvidos, direta ou indiretamente,
 ABNT NBR 14153
nessas operações. Quanto à exigência
 ABNT NBR 14154
de garantia da proteção dos
trabalhadores como sendo de
Além dessas normas, máquinas
responsabilidade das empresas, não é
movidas a energia elétrica, com
a NR-12 quem determina. Quem o faz é
sistema hidráulico e sistema
na verdade a própria Constituição
pneumático devem estar em
Federal de 1988 em seu Capítulo II que
conformidade com a IEC 60204-1,
trata dos direitos sociais, Artigo 7º que
ABNT NBR ISO 4414 e ABNT NBR
diz “são direitos dos trabalhadores
ISO 4413, respectivamente.
urbanos e rurais, além de outros que
visem à melhoria de sua condição A NR-12 tem por base a diretiva de
social”, Inciso XXII “redução dos riscos máquinas 2006/42/CE, no entanto,
inerentes ao trabalho, por meio de isso não implica dizer que máquinas
normas de saúde, higiene e em conformidade com a legislação
segurança”. Além disso, há também um europeia cumprirão automaticamente
instrumento legislativo denominado com a NR-12, porque existem alguns
Consolidação das Leis do Trabalho (Lei aspectos técnicos diferentes que
5.452/1943 – também conhecida devem ser avaliados tais como
apenas por CLT) que dedica todo o requisitos de documentação,
Capítulo V (composto de 47 artigos) à aplicação de normas e certificações
temática da Segurança e da Medicina que verificam os sistemas de
do Trabalho. Portanto, a NR-12 nada segurança da máquina.
mais é, senão, um instrumento de
auxílio para o atendimento dos
requisitos fundamentais estabelecidos

4
1.4 – Alguns itens destacados da NR-
12

12.5) na aplicação desta Norma


devem-se considerar as características
das máquinas e equipamentos, do
processo, a apreciação dos riscos e o
estado da técnica.
12.5A) Cabe aos trabalhadores:
a) cumprir todas as orientações
relativas aos procedimentos seguros de
operação, alimentação, abastecimento,
inspeção, limpeza, manutenção,
transporte, desativação, desmonte e
descarte das máquinas e
equipamentos;
b) não realizar qualquer tipo de
alteração nas proteções mecânicas ou
dispositivos de segurança de máquinas
e equipamentos, de maneira que possa
colocar em risco a sua saúde e
integridade física ou de terceiros;
c) comunicar seu superior imediato se
uma proteção ou dispositivos de
segurança foi removido, danificado ou
se perdeu a sua função;
d) participar dos treinamentos
fornecidos pelo empregador para
atender às exigências/requisitos
descritos nesta Norma;
e) colaborar com o empregador na
implementação das disposições
contidas nesta Norma.
Ademais, outras informações podem
ser consultadas diretamente no
documento escrito da NR-12 no
Ministério do Trabalho e Emprego ou no
site de internet da instituição através do
endereço http://portal.mte.gov.br.

5
2. Passo 1 – Inventário de máquinas e equipamentos

O inventário das máquinas e equipamentos é considerado como o primeiro passo,


pois através dele será possível conhecer em plenitude o parque fabril onde as
máquinas e equipamentos serão avaliados para possível adaptação e adequação às
exigências da NR-12.
Em princípio devem ser relacionadas todas as máquinas e equipamentos existentes
na planta que serão objeto da avaliação. Em seguida, são preenchidas fichas
individuais para cada uma delas.
Observe a planilha de levantamento geral de máquinas e equipamentos de uma
empresa, a seguir:

CODIFICAÇÃO DA DENOMINAÇÃO DO FABRICANTE / MODELO


EMPRESA EQUIPAMENTO FORNECEDOR
P2-60-03 CAPELA COM FILTRO PRÓPRIO 1 FILTRO
HEPA E VENTILADOR
P3-02-05 ESTUFA COM THE GRIEVE TBH-500 MODIFIED
CONTROLE CORPORATION
ELETRÔNICO
P3-11-02 PRENSA TERMO- LUXOR LPB 35-8
HIDRÁULICA – 1
PLATAFORMA
P3-12-02 PRENSA SURGITEK AIR MITE DAP7
TERMOPNEUMÁTICA STROKE 5 ½”
P3-13-01 BALANCIM KLEIN BHV22
HIDRÁULICO

Em seguida deve ser elaborada uma ficha individual para os inventários das
máquinas, conforme modelo abaixo:

FICHA INDIVIDUAL DE INVENTÁRIO DAS MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

Nome da empresa:
Endereço da planta:
Atividade:
Ficha nº.
Data: / /

6
1 – Identificação: informar o nome da máquina ou equipamento, o nome do
fabricante, modelo, ano de fabricação, procurando descrever resumidamente a sua
finalidade.
2 – Dados técnicos: Informar os dados técnicos da máquina ou equipamento, tais
como: tipo, capacidade, velocidade, ciclos, acionamento, potência etc. Estas
informações devem ser obtidas no manual do fabricante da máquina ou equipamento.
3 – Sistemas de segurança: informar todos os sistemas ou dispositivos de segurança
existente na máquina ou equipamento, descrevendo para cada um a sua finalidade
específica.
4 – Localização: Elaborar uma planta baixa (layout) do setor da planta onde a
máquina ou equipamento está instalada, destacando a sua localização. No caso de
existir mais de uma máquina ou equipamento no setor, identificar cada uma com o
número da sua ficha.
5 – Reparos, manutenções ou modificações: informar detalhadamente todas as
intervenções ocorridas com a máquina ou equipamento e as respectivas datas.
6 – Responsável técnico: informar neste campo o nome e registro profissional do
profissional qualificado ou legalmente habilitado responsável pela realização do
inventário.

3. Passo 2 – Check-list de avaliação global


Esta etapa da implementação da NR-12 consiste na verificação de 17 exigências
(utilize as aplicáveis à sua empresa) legais previstas na norma, a saber:

3.1. Arranjo físico e instalações

3.2. Instalações e dispositivos elétricos

3.3. Dispositivos de partida, acionamento e parada

3.4. Sistemas de segurança

3.5. Dispositivos de parada de emergência

3.6. Meios de acesso permanentes

3.7. Componentes pressurizados

3.8. Transportadores de materiais

3.9. Aspectos ergonômicos

3.10. Riscos adicionais

3.11. Manutenção, inspeção, preparação, ajustes e reparos

7
3.12. Sinalização

3.13. Manuais

3.14. Procedimentos de trabalho e segurança


3.15. Projeto, fabricação, importação, venda, locação, leilão, cessão a qualquer título
e exposição

3.16. Capacitação

3.17. Outros requisitos específicos de segurança


Para cada exigência, é necessário avaliar se a situação atende ou não atende o item,
desde que aplicável.

4. Passo 3 – Avaliação individual de cada máquina ou


equipamento
A etapa de avaliação individual dos riscos inerentes a cada máquina ou equipamento
se dá, inicialmente, através da recuperação dos dados de identificação e
características gerais na etapa do inventário e em seguida, usando como referência
o descrito na NBR14009 – SEGURANÇA EM MÁQUINAS – PRINCÍPIOS PARA
APRECIAÇÃO DE RISCO, que estabelece um guia de decisões durante o projeto de
máquinas e dá apoio na preparação de requisitos de segurança, consistentes e
apropriados, na elaboração de normas do tipo B ou C, com objetivos essencial de
segurança.
A apreciação de riscos, de modo geral, é um processo composto por uma série de
etapas que permite, de forma sistemática, analisar e avaliar os riscos associados à
máquina. Como um processo, segue o seguinte fluxograma:

Figura 1: Fluxograma do processo de avaliação de risco

8
A partir desse ponto deve-se informar a quantidade de pessoas necessárias e devidas
para a operação da máquina ou equipamento, bem como determinar os limites da
máquina, identificação dos pontos ou zonas de riscos, preferencialmente através do
auxílio de ilustrações (a exemplo da figura abaixo) e uma tabela indicando as fontes
dos perigos e os tipos de riscos oferecidos em cada região da máquina.

Figura 2: ilustração demonstrando áreas de risco em uma máquina

9
Além dessas informações, será necessário determinar os elementos do risco: Risco;
Gravidade do dano e Probabilidade de ocorrência do dano.

5 – Passo 4 – Análise de riscos global


Nessa etapa é realizada uma avaliação global que deve utilizar subsídios fornecidos,
inclusive, pela APR individual de cada máquina ou equipamento. Este processo
consiste basicamente no mesmo fluxograma apresentado na etapa anterior, no
entanto, com uma perspectiva global da planta. Como produtos de análise temos a
categoria de riscos da planta, mapas de riscos etc.

10
6 – Passo 5 – Plano de ação
Essa etapa consiste na definição de um plano de ação para realização das
adequações necessárias dos itens que virem a ser identificados como não
adequados. É neste momento que deve ser estabelecida uma priorização dos itens
que deverão ser adequados prioritariamente, de preferência, seguindo o critério do
maior risco para o menor.
A partir desse ponto, inicia-se a execução propriamente dita das adequações:
concepção de projetos mecânicos e elétricos, execução das adequações nas
máquinas após aprovação junto à diretoria/gerência.

11
7 – Sobre a James Watt Engenharia

Com o advento do maior rigor setor de Produção (inclusive aqueles


implementado às indústrias no que que serão os principais usuários
tange a temática da segurança dos sempre: os operadores).
trabalhadores, sobretudo, na interface
com máquinas e equipamentos no Mais informações
Brasil, nasceu a James Watt
Engenharia e Soluções em NR-12:
empresa especializada em serviços de
adequação de máquinas e
equipamentos à referida norma
regulamentadora implementada e
Endereço: Rua George Ohm, 206 –
atualizada pelo Ministério do Trabalho e
Torre B - 10º andar | Conj. 101B
Emprego.
Cidade Monções (Berrini) | São Paulo,
Fruto da união de profissionais de
SP | CEP: 04576-020
engenharia e empreendedores, a
Especialidades: adequação de
James Watt reúne a experiência e o
máquinas e equipamentos à NR-12;
conhecimento da área de painéis
projetos mecânicos e elétricos;
eletrônicos com outros da área de
segurança de máquinas.
estruturas metálicas, bem como
Websites:
segurança do trabalho. Do vigor e
www.maquinasegura.com.br ou
criatividade de jovens profissionais com
www.jwengenharia.com.br
a experiência e visão de profissionais
Localidade: São Paulo/SP
experimentados em diversas indústrias.
Cobertura: Brasil
Facilidade com as ferramentas
tecnológicas disponíveis, softwares de
Nossos serviços:
engenharia eficientes, utilização de
- Inventário de máquinas;
scanner 3D garantindo maior precisão
- Análise prévia de riscos (APR);
nas soluções. Foco no resultado e na
- Projeto completo de adequação à
satisfação do cliente.
NR-12;
Concebemos a solução de adequação
- Execução das adequações
da máquina à NR-12 junto ao cliente. A
(fabricação e instalação dos itens –
nossa maior preocupação é
parte mecânica e automação);
estabelecer uma conexão com a equipe
- Comissionamento de engenharia;
do cliente objetivando sempre o melhor
- Documentação;
resultado, evitando ao máximo
- Orientação e treinamento de
situações de retrabalho. Um processo
operadores quanto à NR-12;
de adequação bem planejado é
- Gestão e implementação da NR-12.
essencial e para isso torna-se
fundamental a participação de uma
Mais do que adequação de máquinas,
equipe multidisciplinar que geralmente
o objetivo maior da James Watt é
envolve:
ajudar os seus clientes a proporcionar,
- o setor de Manutenção;
estrategicamente, melhores níveis de
- o setor de HSMT;
segurança no ambiente de trabalho ao
- por último e não menos importante, o
tempo em que busca garantir o menor
impacto possível em sua produtivida-

12
de. Sabe-se que não é tarefa fácil
balancear este trade-off, portanto,
estamos felizes em oferecer soluções
criativas de engenharia em prol dessa
parceria. Conte conosco!

13
8 – Apêndices: algumas imagens comentadas
Prensa de 45 toneladas em desacordo com a norma e oferecendo diversos riscos
aos operadores.

14
Observe a seguir quadro com algumas imagens das intervenções realizadas pela
nossa equipe.

15
Prensa adequada à NR-12 após intervenção da James Watt Engenharia, em Jundiaí, SP.

Outro caso de máquina adequada pela James Watt Engenharia se deu em Botucatu,
SP. Se tratava de uma linha de processamento de madeira que estava desprotegida
e em desacordo com a NR-12. Observe as imagens a seguir:

16
Linha de processamento de chapas de madeira

17
Abaixo imagens da linha adequada à norma NR-12, com gradis de enclausuramento,
cortinas de luz, portas de acesso equipadas com dispositivos de intertravamento
monitorado. Além disso, haviam pontos de acesso ao longo da linha que estavam
totalmente em desacordo com a norma, colocando em risco a operação e os
operadores. Uma passarela e escadas de acesso em vários pontos foram projetadas
de acordo com os requisitos da NR-12 (largura mínima, inclinação das escadas
adequada, altura e profundidade dos degraus, corrimãos etc.) para substituir os
acessos que existiam e estavam em desacordo.

18