Você está na página 1de 71

Instalações Elétricas Prediais e Industriais – I (TE344)

Fator de Potência

P R O F. D R . S E B A S T I Ã O R I B E I R O J Ú N I O R
Fator de potência
O fator de potência é uma relação entre potência ativa e potência
reativa, consequentemente energia ativa e reativa. Ele indica a
eficiência com a qual a energia está sendo usada.
Um alto fator de potência indica uma eficiência alta e inversamente
um fator de potência baixo indica baixa eficiência.
Um baixo fator de potência indica que você não está aproveitando
plenamente a energia, e a solução para corrigir, é a instalação de
Banco de Capacitores, devido que a maioria das cargas são
indutivas.
Potência ativa e reativa
Potencia ativa: potencia que efetivamente realiza trabalho gerando calor,
luz, movimento, etc.
É medida em kW.

Potencia Reativa: potencia usada apenas para criar e manter os campos


eletromagnéticos das cargas indutivas.
É medida em kvar.

.
Fator de potência
Diversas são as causas que resultam num baixo fator de potência em uma
instalação industrial:
• Motores de indução trabalhando em vazio durante um longo período de
operação;
• Motores superdimensionados para as máquinas a eles acopladas;
• Transformadores em operação em vazio ou em carga leve;
• Fornos a arco;
• Fornos de indução eletromagnética;
• Máquinas de solda a transformador;
• Grande número de motores de pequena potência em operação durante um
longo período.
Fator de potência
• Grande número de reatores de baixo fator de potência suprindo
lâmpadas de descarga (lâmpadas fluorescentes, vapor de mercúrio,
vapor de sódio, etc);
• Equipamentos eletrônicos (os transformadores das fontes de
alimentação interna geram energia reativa).
Fator de potência
O baixo fator de potência tem como consequências:
• Aumento das perdas elétricas
• Maior queda de tensão
• Acréscimo na fatura de energia elétrica
• Subutilização da capacidade instalada
◦ Exemplo de um transformador para atendimento de uma carga instalada de 800 kW.

www.weg.com.br

◦ Aumento da seção dos condutores para transportar a mesma energia ativa.


Fator de potência
Vantagens da correção do fator de potência
Melhoria da Tensão
◦ As desvantagens de tensões abaixo da nominal em qualquer sistema elétrico são bastante conhecidas.
Embora os capacitores elevem os níveis de tensão, e raramente econômico instala-los em
estabelecimentos industriais apenas para esse fim. A melhoria da tensão deve ser considerada como
um beneficio adicional dos capacitores.

Redução das Perdas


◦ As perdas são proporcionais ao quadrado da corrente e como a corrente e reduzida na razão direta da
melhoria do fator de potencia, as perdas são inversamente proporcionais ao quadrado do fator de
potencia.

Redução significativa do custo de energia elétrica;

Aumento da eficiência energética da empresa;


Legislação do FP
De acordo com a resolução vigente, estabelecida pela
O ajuste por baixo fator de potência será realizado
resolução 414/2010 e alterada pela resolução 569/2013,
através do faturamento do excedente de energia
que disciplina o limites do fator de potência, bem como a
reativa indutiva consumida e do excedente de energia
aplicação da cobrança pelo excedente de energia reativa e
reativa fornecida a rede da concessionária pela
de potência reativa excedente, os intervalos a serem
unidade consumidora.
considerados são:
O período de 6 horas consecutivas, compreendido, a
critério da distribuidora, entre as 23h30 min e a s 6h30min,
apenas para os fatores de potência inferiores a 0,92
capacitivo, verificadas em cada intervalo de um hora.
O período diário complementar ao definido anteriormente, .
ou seja, entre as 6h30min e as 23h30 min, apenas para os
fatore de potência inferiores a 0,92 indutivo, verificados em
cada intervalo de uma hora.
Tanto a energia reativa indutiva como a energia reativa
capacitiva excedentes serão medidas e faturadas.
Legislação do FP
Faturamento da Energia Reativa Excedente (ANEEL Res. 414)

Avaliação horária do
Fator de Potência:
Correção do Fator de Potência em Sistemas Industriais – Exercício 1

Uma indústria metalúrgica com potência de transformação instalada de 3.500 kVA em 13,80 kV tem a
avaliação de sua carga num período de 24h expressa na Tabela 1. A indústria possui posto tarifário azul, no
período seco. As tarifas são:
𝑇𝑐𝑓𝑝 : Tarifa de consumo fora de ponta: US$ 0,03173/kWh;
𝑇𝑑𝑓𝑝 : Tarifa de demanda fora de ponta: US$ 3,23/kW;
𝑇𝑐𝑝 ∶ Tarifa de consumo na ponta: US$ 0,06531/kWh;
𝑇𝑑𝑝 : Tarifa de demanda na ponta: US$ 9,81/kW;

As demandas contratadas e registradas são:


𝐷𝑐𝑓𝑝 Demanda contratada fora da ponta: 2.300 kW;
𝐷𝑐𝑝 Demanda contratada na ponta: 210 kW;
𝐷𝑟𝑓𝑝 Demanda registrada fora de ponta: 2.300 kW;
𝐷𝑟𝑝 Demanda registrada na ponta: 200 kW;
Período de ponta: 17 às 20 horas;

Pede-se determinar o faturamento da energia reativa excedente da indústria no mês.


Tabela 1: Medida
de carga diária

Horário de Ponta
Exercício 1

a) Período: 0 a 1 hora

0,92 0,92
𝐷𝑑𝑟𝑝ℎ = 𝐷𝑎𝑡 . = 150 . ≅ 418 𝑘𝑊
𝐹𝑝𝑝 0,33

0,92 0,92
𝐹𝑒𝑟𝑝ℎ = 𝐷𝑎𝑡 . −1 . 𝑇𝑐𝑓𝑝 = 150 . −1 . 0,03173 ≅ 𝑈𝑆$ 8,51
𝐹𝑝𝑝 0,33
b) Período: 3 as 4 horas

0,92
𝐷𝑑𝑟𝑝ℎ = 140 . ≅ 134 𝑘𝑊
0,96

0,92
𝐹𝑒𝑟𝑝ℎ = 140 . −1 . 0,03173 ≅ − 𝑈𝑆$ 0,18 → 𝐹𝑒𝑟𝑝ℎ = 𝑈𝑆$ 0,00
0,96
Os valores negativos não são considerados na soma final do faturamento de consumo de energia reativa excedente,
portanto são nulos.
Exercício 1

c) Período: 9 as 10 horas

0,92
𝐷𝑑𝑟𝑝ℎ = 2300 . ≅ 2251 𝑘𝑊
0,94

0,92
𝐹𝑒𝑟𝑝ℎ = 2300 . −1 . 0,03173 ≅ −𝑈𝑆$ 1,55 → 𝐹𝑒𝑟𝑝ℎ = 𝑈𝑆$ 0,00
0,94
b) Período: 12 as 13 horas

0,92
𝐷𝑑𝑟𝑝ℎ = 800 . ≅ 1565 𝑘𝑊
0,47

0,92
𝐹𝑒𝑟𝑝ℎ = 800 . −1 . 0,03173 ≅ 𝑈𝑆$ 24,30 → 𝐹𝑒𝑟𝑝ℎ = 𝑈𝑆$ 0,00
0,47

Como o fator de potência é capacitivo, não há pagamento de energia reativa excedente.


Exercício 1

e) Período: 16 as 17 horas

0,92
𝐷𝑑𝑟𝑝ℎ = 2100 . ≅ 3180 𝑘𝑊
0,87

0,92
𝐹𝑒𝑟𝑝ℎ = 2100 . −1 . 0,03173 ≅ 𝑈𝑆$ 3,93
0,87
b) Período: 17 as 18 horas

0,92
𝐷𝑑𝑟𝑝ℎ = 200 . ≅ 216 𝑘𝑊
0,85

0,92
𝐹𝑒𝑟𝑝ℎ = 200 . −1 . 𝟎, 𝟎𝟔𝟓𝟑𝟏 ≅ 𝑈𝑆$ 1,07
0,85
Exercício 1

g) os valores máximos de 𝐷𝑑𝑟𝑝ℎ obtidos na Tabela 1 correspondem os intervalos 9-10 e 17-18.


Logo o acréscimo na fatura nessa condição vale:

0,92 0,92
𝐹𝑑𝑟𝑝𝑓 = 𝐷𝑎𝑡 𝑓𝑝𝑚𝑎𝑥 . − 𝐷𝑐𝑓𝑝 𝑇𝑑𝑓𝑝 = 2300 . − 2300 3,23 ≅ −𝑈𝑆$ 158,00 → 𝑈𝑆$0,00
𝐹𝑝𝑝 0,94

0,92 0,92
𝐹𝑑𝑟𝑝𝑝 = 𝐷𝑎𝑡 𝑝𝑚𝑎𝑥 . − 𝐷𝑐𝑝 𝑇𝑑𝑝 = 200 . − 210 9,81 ≅ 𝑈𝑆$ 63,47
𝐹𝑝𝑝 0,85

𝐹𝑡𝑜𝑡 = 𝐹𝑑𝑟𝑝𝑓 + 𝐹𝑑𝑟𝑝𝑝 + ෍ 𝐹𝑒𝑟𝑝ℎ = 0,00 + 63,47 + 22 . 71,59 ≅ 𝑼𝑺$ 𝟏𝟔𝟑𝟖, 𝟒𝟔


Legislação do FP
Faturamento da Energia Reativa Excedente (ANEEL Res. 414)

Avaliação mensal do
Fator de Potência:
Capacitores

Manuais de fabricantes WEG


Catalogo de capacitores para correção do fator de potência
Capacitores
Banco de capacitores
o Fixos
o Automáticos

Contatores para manobras em BC

www.weg.com.br
Capacitores
Potência nominal: A potência nominal de um Qc=Potência nominal do capacitor (kVAr);
capacitor em kVAr é aquela absorvida do f: Frequência do sistema (Hz);
sistema quando este está submetido a tensão
e frequências nominais a uma temperatura V: Tensão nominal (kV);
ambiente não superior a 20o C. A potência C: Capacitância ( F).
nominal pode ser calculada por:

Tensão nominal: Os capacitores são normalmente


fabricados para a tensão nominal do sistema
entre fases (bancos trifásicos) ou entre fase e
neutro (bancos monofásicos). Os capacitores de
baixa tensão (secundário do transformador)
aplicados em sistemas industriais de pequeno e
médio porte são fabricados para tensões de 220,
380, 440 e 480 V. Já os capacitores de tensão
. primária (primário de transformador) são
fabricados em tensão de 2300, 3810, 4160, 4800,
6600, 7620, 7967, 13200 e 13800.
Aplicação dos capacitores
Os capacitores podem ser empregados de duas formas
diferentes:
◦ Série
◦ Derivação

◦ Banco de capacitores série são empregados em linhas de


transmissão radiais para baixo fator de potência
Banco de capacitores em derivação
São aplicados nas instalações industriais ou comerciais para
corrigir o fator de potência.

São aplicados pelas concessionárias no sistema de


distribuição de energia, nas subestações e em redes
elétricas, com a finalidade de reduzir as perdas e elevar a
tensão do sistema.
Banco de capacitores em derivação
Quando se aplica um capacitor em uma fábrica, está instalando uma
fonte de potência reativa localizada, para suprimento das cargas
desta indústria, ao invés de utilizar o sistema da concessionária.

Ver www.weg.com.br – Manual para correção do fator de potência


Banco de capacitores em derivação
Nos sistemas industriais e comerciais os capacitores derivação apresentam as seguintes
vantagens:
◦ Corrigem o fator de potência da instalação, evitando o pagamento de penalidades.
◦ Liberam os transformadores da subestação para fornecer mais potência ativa ao sistema.
◦ Liberam o circuito de distribuição e os circuitos terminais secundários para transporte de energia ativa.
◦ Reduzem as perdas por efeito Joule nas resistências e reatâncias do sistema elétrico.
◦ Elevam o nível de tensão na carga.
◦ Aliviam os equipamentos de manobra nos motores quando os capacitores estão ligados junto aos seus
terminais de ligação.

• A aplicação correta dos capacitores derivação numa


instalação industrial deve ser precedida de um estudo
rigoroso para evitar o dimensionamento de células
desnecessárias no ponto de aplicação.
Banco de capacitores em derivação
Os banco de capacitores podem ser empregados:
◦ No sistema primário.
◦ No sistema secundário, no transformador de potência.
◦ Geralmente no barramento do QGF.
◦ No ponto de concentração de cargas específicas
◦ Junto a carga, como em motores elétricos e máquinas de solda

◦ OBS.: Os capacitores somente corrigem o fator de potência no trecho


compreendido entre a fonte geradora e seu ponto de instalação
Fator de potência
Formas de correção
◦ Alteração do regime de trabalho, impactando na curva de carga.
◦ Uso de motores síncronos superexcitados
◦ Aplicado quando o motor já está disponível na instalação, pois tem um alto custo.
◦ Correção com Banco de capacitores
Correção do FP
Em uma instalação elétrica a adição de cargas indutiva diminui o fator de potência (cosseno ) o
que implica na diminuição da potência ativa aumentando a potência aparente.
Se a potência ativa (Watts) se mantiver no mesmo valor, a potencia aparente aumenta, o que
implica em um aumento na corrente da linha sem um aumento de potência real.
Para compensar (aumentar o FP) deveremos colocar capacitores em paralelo com a carga
indutiva que originou a diminuição no FP. Seja uma carga Z, indutiva, com fator de potencia
cosφ1 e desejamos aumentar o FP para cosφ2
Correção do FP
O O objetivo é aumentar o FP de cosφ1 para
cosφ2. Para isso deveremos colocar um
capacitor em paralelo com a carga.
Correção do FP
O dimensionamento dos capacitores a serem instalados para
melhorar o fator de potência é um processo simples, onde
somente o conhecimento de diagrama fasorial e do triângulo de
potência são os itens necessários.
Correção do FP
A partir do triângulo de potências, podemos obter as seguintes relações:
Correção do FP
Exemplo Observa-se que a potência reativa Q é de
200kVAr, e esta junto com a potência ativa P,
formam um ângulo de 45°, e cos φ = 0.707.
Porém o novo F.P deve ser de 0.92, logo
cosφ2 = 0.92, φ2 = 23°.
De posse do novo ângulo, calcula-se a nova
potência reativa, Qn.
Qn = tgφ2 . P
Qn = tg23° . 200 Qn ≈ 85kVAr
Agora calculado a potência do capacitor a
ser acoplado em paralelo com o circuito
Qc = Q – Qn = 200kVAr – 85kVAr = 115kVAr
Agora, com o capacitor acoplado ao circuito,
F.P. está corrigido, conforme figura ao lado.
Caso Monofásico
Potência Trifásica

Fonte: Aulas Prof. Luiz Fernando Gonçalves (UFRGS)


Exercício:

Para um motor trifásico de 1cv, 220/127V, FP=0,8,


rendimento de 80%, determine a corrente e as
potências ativa, reativa e aparente.

736. 𝑐𝑣
𝐼𝐿 =
𝑉𝐿 . 3. 𝑐𝑜𝑠𝜃. 𝑛
𝐼𝐿 = 3,01 𝐴

𝑃 = 920 W 𝑄 = 688 𝑉𝐴𝑅 𝑆 = 1146 𝑉𝐴


Exercício:

Para um motor trifásico de 1cv, 220/127V, FP=0,85,


rendimento de 80%, determine a corrente e as
potências ativa, reativa e aparente.

736. 𝑐𝑣 736.1
𝐼𝐿 = 𝐼𝐿 =
𝑉𝐿 . 3. 𝑐𝑜𝑠𝜃. 𝑛 220. 3. 0,85.0,8

𝐼𝐿 = 2,84 𝐴

𝑃 = 919,95 W 𝑄 = 570 𝑉𝐴𝑅 𝑆 = 1082 𝑉𝐴


Correção do fator de potência
Os consumidores de energia elétrica pagam pela potência aparente que consomem e
não pela potência dissipada em seus equipamentos. Assim, quanto mais próximo de 1
estiver o fator de potência de um consumidor, maior a eficiência dos seus
equipamentos.

Problemas:
• Correntes altas
• perdas de potência nas linhas de transmissão (P = I2R)
• condutores maiores
• necessita maior capacidade de geração de energia

Conclusão:
• Devemos limitar a corrente ao mínimo necessário.
• Esta corrente é mínima quando S = P, QT = 0, FP = 1, carga resistiva
• introduz-se elementos reativos para levar o fator de potência a um valor
mais próximo da unidade
• correção do fator de potência.
Correção do fator de potência
Como em geral as cargas são indutivas, o processo normalmente envolve a
introdução de elementos capacitivos para aumentar o fator de potência.
Correção do fator de potência

o circuito parece “resistivo”.


Correção do fator de potência
Exemplos

Um motor de 5 hp com um fator de potência atrasado 0,6 e cuja eficiência é 92 %


está conectado a uma fonte de 208 V e 60 Hz.

a) Construa o triângulo de potências para a carga;


b) Determine o valor do capacitor que deve ser ligado em paralelo com a carga de
modo a aumentar o fator de potência para 1;
c) Compare a corrente na fonte do circuito compensado com a do circuito não
compensado;
d) Determine o circuito equivalente para o circuito acima e verifique as conclusões.
Correção do fator de potência
a) Construa o triângulo de potências para a carga;
Correção do fator de potência
b) Determine o valor do capacitor que deve ser ligado em paralelo com a carga de
modo a aumentar o fator de potência para 1;
Correção do fator de potência
c) Compare a corrente na fonte do circuito compensado com a do circuito não
compensado;
Correção do fator de potência
d) Determine o circuito equivalente para o circuito acima e verifique as conclusões.
Correção do fator de potência
Exemplos
Correção do fator de potência
Exemplos

Pode ser observado que o efeito da reatância indutiva de 8 Ω pode ser compensado por uma
reatância capacitiva de 8 Ω em paralelo, usando um capacitor de 332 μF para correção do fator
de potência. O módulo da corrente no ramo onde está o capacitor pode ser obtido da seguinte
forma:
FORMAS DE INSTALAÇÃO DA
CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA
Em redes com cargas indutivas (por ex., motores), o fator de
potência cosφ altera-se com manobras e flutuações da carga, desta
forma existe a escolha da forma mais econômica e ou efetiva da
correção do fator de potência, basicamente as opções se resumem
em três métodos de correção:

• Individual,
• De grupo,
• Correção centralizada.
• Correção mista
CORREÇÃO INDIVIDUAL
Na correção individual os capacitores são
conectados diretamente aos terminais das
cargas individuais, sendo ligados
simultaneamente. Recomenda-se uma
compensação individual para os casos onde
haja grandes cargas de utilização constante e
longos períodos de operação. Desta forma
pode-se reduzir a seção dos cabos de
alimentação.
Os capacitores geralmente podem ser
conectados diretamente aos terminais das
cargas, sendo manobrado por meio de um
único contator.
CORREÇÃO PARA GRUPO DE CARGAS
Na compensação de um grupo de cargas, o
sistema de compensação de reativos estará
relacionado a um grupo de cargas, que poderá
ser composto, por exemplo, de lâmpadas
fluorescentes, que serão manobradas por
meio de um disjuntor.
CORREÇÃO CENTRALIZADA DAS
CARGAS
Para a compensação centralizada são normalmente utilizados
bancos de capacitores ligado diretamente a um alimentador
principal . Isto é particularmente vantajoso quando a planta
elétrica for constituída de diversas cargas com diferentes
potências e períodos de operação.
Uma compensação centralizada possui ainda as seguintes
vantagens:
• os bancos de capacitores, por estarem centralizados, podem
ser supervisionados mais facilmente ;
• ampliações futuras tornam-se mais simples;
• a potência dos capacitores pode ser adaptada constantemente
por aumento de potência da planta elétrica ;
• considerando-se o fator de simultaneidade, geralmente a
potência reativa necessária é inferior à potência necessária para
a compensação das cargas individualmente.
FP em projetos
Na prática, tem-se notado que durante a fase de projeto de Mas na fase de planejamento, deve-se procurar prever com
pequenas indústrias, há uma grande dificuldade em se detalhes, além do itens já citados:
saber os detalhes técnicos e comportamento operativo da
planta, para levantamento do FP, tais como: A) Levantamento de carga do projeto
◦ Motores,
Ciclo de operação diário, mensal ou anual. ◦ Transformadores
Taxa de carregamento dos motores ◦ Cargas resistivas
◦ iluminação
Característica técnica dos motores ◦ Fornos, máquinas de solda, etc.
Cronograma de expansão da atividade produtiva • B) Ciclo de operação diário, mensal e
anual
• C) Determinação das demandas ativas e
reativas para o ciclo de carga
considerado
• D) Traçado das curvas de demanda ativa
e reativa
◦ Podem ser colocadas em uma tabela, representando o ciclo de
operação da indústria. (tabela a seguir)
FP em projetos
A estimação do FP pode ser realizado através 2) Método analítico: Baseado na resolução do
de dois métodos: triângulo de potências em que cada carga é
considerada individualmente, calculando-se
1) Método do ciclo de carga operacional: sua demanda ativa e reativa com base no seu
Baseia-se na determinação dos consumos FP nominal. As demandas são somadas e o FP
previstos na base horária considerando o ciclo médio da carga é estimado. Este método, em
de operação diário da instalação. Desta forma geral, é empregado quando se deseja obter o
o FP é estimado na base horária para FP num ponto determinado do ciclo de carga
indústrias nas tarifas verde e azul (avaliação ou quando a indústria apresenta fator de carga
horária). No caso da indústria optar pela tarifa alto (curva de carga bem comportada).
convencional o FP deve ser estimado
mensalmente a partir do consumo mensal
(avaliação mensal).
Instalações em operação:
A determinação do FP somente é possível A estimação do FP pode ser realizado através de três
quando a instalação está operando em métodos:
plena carga. Em geral, não se deve proceder a) Método dos consumos médios mensais: Consiste em
a medição do FP em indústrias recém tabular os consumos de energia ativa e reativa fornecidos
inauguradas em virtude de, nem sempre, na conta de energia elétrica emitida pela concessionária
todas as máquinas estarem em operação de por um período igual ou superior a 6 meses. Caso a
regime normal. Como recomendação, o FP indústria apresente sazonalidade de produção aumenta-se
o período para 12 meses. Com os resultados obtidos pela
da indústria em operação só poderá ser média dos valores calcula-se o FP médio. Este método é
corrigido, após algumas providências, tais empregado para indústrias que possuem tarifa
como: convencional

Desligar da rede os motores que estiverem b) Método analítico: Equivalente ao método para
instalações em projeto.
operando em vazio;
c) Método das potências medidas: Baseado nas medidas
Manter energizados somente os de potência fornecidas por medidores digitais de energia
transformadores necessários à carga quando elétrica. Utilizando-se dessas medidas é possível fazer o
a indústria estiver operando em carga leve, levantamento do FP instantâneo (15 min). Os dados são
ou somente com a iluminação noturna; disponibilizado em planilha Excel pela concessionária.

Substituir os motores superdimensionados


por unidades de menor potência.
Estudo para aplicação específica de
capacitores
Liberação de potência instalada em transformação
Liberação da capacidade de carga de circuitos terminais e de distribuição
Redução de perdas
Correção do fator de potência para
cargas lineares
1) Modificação da rotina operacional
2) Instalação de motores síncronos superexcitados
3) Instalação de capacitores em derivação
◦ Fixos
◦ Automáticos
Controle de Banco de Capacitores
Bancos fixos Bancos automáticos
Ficam permanentemente ligados a rede A solicitação de potência reativa é variável ao
elétrica. longo do dia, e a entrada de capacitores em
operação causa elevação na tensão que pode
A carga na linha no ponto de instalação no ser demasiada, principalmente em períodos
período de carga leve deve ser superior a uma de carga leve.
vez e meia a corrente no BC.
Para evitar esse tipo de ocorrência, os BC são
𝐼𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎 𝑙𝑒𝑣𝑒 > 1,5𝐼𝑐𝑎𝑝𝑎𝑐𝑖𝑡𝑜𝑟 instalados acoplados a controles automáticos,
cuja função é colocar e retirar o BC de
operação.
Controle de Banco de Capacitores
Tipos de controle automáticos
◦ Controle por relé horário

Liga e desliga em horários pré


determinados do dia. É destinado a
bancos automáticos ligados em
alimentadores que tenham uma curva
de carga diária bem definida, por
exemplo, alimentador que atendem a
um centro comercial.

Sensor de corrente e tensão

www.sandc.com
Controle de Banco de Capacitores
◦ Controle por relé de corrente ◦ Controle por relé de tensão

É recomendado para os casos em que ocorrem Precisa de um TP para operação. Possui então
variações de carga no ponto de instalação do um sensor de tensão que compara a tensão
BC. Necessita da instalação de um TC, de secundária deste TP com as tensões ajustadas
relação adequada. para comandar as operações de colocar ou
retirar o banco do sistema.
Determinação de BC
Para determinar a potência capacitiva necessária para corrigir o fator de potência de
uma instalação industrial
-Método tabular (tabela)
- Método gráfico (Ábaco)
Método tabular
Método gráfico
Ligação dos capacitores em bancos
Os capacitores podem ser ligados em várias configurações:
A) Ligação em estrela aterrada

Ligação em estrela série Ligação em estrela paralela


Ligação dos capacitores em bancos
B) Ligação em Estrela Isolada
.

C) Configuração em delta

D) Configuração em dupla estrela isolada


Equipamentos de manobra em BC
A interrupção de corrente em circuitos Os equipamentos mais indicados para
capacitivos submete os equipamentos a manobra na MT são:
severas condições de operação, pois os ◦ Disjuntores a SF6.
capacitores armazenam certa quantidade de ◦ Disjuntores a vácuo.
energia, mantendo tensão nos seus terminais
◦ Disjuntores a óleo.
mesmo após desenergizados.
◦ Chaves a óleo.
Dessa forma, os equipamentos que fazem o
chaveamento (abertura de fechamento) dos
BC são bastante exigidos.
Cargas não lineares e harmônicas
Os componentes harmônicos surgem na Os componentes harmônicos podem causar os
instalação levados por três tipos de carga: seguintes fenômenos transitórios:
A) Cargas operada por arcos voltaicos Erros adicionais em medidores de energia;
B) Cargas operadas com núcleo magnético Perdas adicionais em condutores e
saturado barramentos;
C) Cargas operadas por fontes chaveadas Sobrecarga em motores elétricos;
Atuação intempestiva de equipamentos de
proteção (relés, fusíveis, etc.).
Cargas não lineares e harmônicas
O fator de potência na presença de
cargas harmônicas pode ser feita Se conhecer a distorção harmônica da
através de medição: rede
A)

If-corrente fundamental, em valor eficaz


Ih-correntes harmônicas, em valor
eficaz, de diferentes ordens

THD – Taxa de distorção harmônica


total, em %, do componente
fundamental
Cargas não lineares e harmônicas
A combinação de cargas de características não Para mitigar os problemas de distorção
linear, geradoras de harmônicos, e a crescente harmônica na rede pode-se usar filtros de
aplicação de capacitores para a correção do FP harmônicos.
torna possível a ocorrência de ressonância, na
faixa de centenas de hertz, e
consequentemente sobrecarga em
componentes da rede.
Anexo I

0,62*
0,61*

* FP a meia carga
Anexo I
Anexo I
Anexo II
Anexo II