Você está na página 1de 7

ANÁLISE COMPARATIVA DOS INVENTÁRIOS DA MASTOFAUNA DAS USINAS

HIDRELÉTRICAS CORUMBÁ I E CORUMBÁ IV, RIO CORUMBÁ, ESTADO DE


GOIÁS.

OKAMOTO, Adrielle Sousa1, JORDE DA SILVA, Nelson Júnior.

RESUMO

Neste trabalho foi avaliada a composição da mastofauna e a implicação do sucesso amostral


de duas regiões do Estado de Goiás, as quais sofreram inserção de reservatório hidrelétrico – UHE
Corumbá I e UHE Corumbá IV. Por serem empreendimentos hidrelétricos e por ambas estarem
situadas na bacia do rio Corumbá, justifica-se a comparação dos inventários faunísticos realizados
visando a metodologia utilizada e o sucesso amostral. Com base nos dados dos inventários
realizados na UHE Corumbá I, obteve-se um total de 9 Ordens, 26 Famílias e 80 Espécies e os dados
da UHE Corumbá IV resultaram em 8 Ordens, 18 Famílias e 53 Espécies. Apesar de os dados de
Corumbá I apresentarem quantitativamente maiores, observou-se falhas graves no método amostral
utilizado no levantamento do empreendimento.
Palavras chave: UHE Corumbá I, UHE Corumbá IV, Mastofauna, Sucesso Amostral

INTRODUÇÃO

O Cerrado possui grande composição mastofaunística. Este bioma, por


atividades antrópicas, está sendo fragmentado, havendo assim, uma perda ainda
não mensurada da biodiversidade. Por possuir distintas áreas fitogeográficas o
Cerrado, é importante para a fuga, abrigo, busca de alimento e hábitat para estes
animais.
A construção de uma usina hidrelétrica, ou seja, o tributo à modernidade,
devido a produção de energia elétrica, resulta em um prejuízo incalculável ao meio
ambiente. A obtenção de dados, e posteriormente, o estudo do impacto ambiental é
crucial para avaliar medidas de conservação e manejo, formas de proteção e
preservação do meio associado ao crescimento e desenvolvimento socioeconômico.
O presente trabalho visa a comparação da composição da mastofauna em
duas áreas do Estado de Goiás que sofreram inserção de empreendimentos
hidrelétricos, fazendo uma análise da metodologia utilizada no inventário de fauna
assim como seu esforço amostral

1
Membro do Centro de Estudo e Pesquisas Biológica da Universidade Católica de Goiás E-mail:
asokamoto@hotmail.com. Trabalho apresentado na VII Semana Nacional e VI Internacional de Biologia da UCG
(2003) e publicado na Revista Estudos. Editora da UCG.v.30 n.9 set.2003 p.2253

1
A UHE Corumbá I está localizada a 196 Km ao Sul da cidade de Goiânia, no
curso principal do rio Corumbá em Caldas Novas no Estado de Goiás e possui uma
área total inundada de 62 km2. Os inventariamentos faunísticos foram realizados
pela Fundação Jardim Zoológico da Cidade do Rio de Janeiro (RIOZOO) e
complementados pelo Centro de Estudos e Pesquisas Biológicas da Universidade
Católica de Goiás (CEPB/UCG). Neste sentido, o CEPB/UCG realizou apenas duas
campanhas de inventário e ambos os projetos foram apoiados por FURNAS
CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. A UHE Corumbá IV está situada a 200 Km, ao
Sudeste da cidade de Goiânia, no Estado de Goiás, por onde corre o rio Corumbá
em Luziânia, Abadiânia, Silvânia, Santo Antônio do Descoberto e Alexânia e
possuirá uma provável área inundada de 180 Km 2. Os inventariamentos faunísticos
foram realizados em cinco campanhas em locais distintos, efetuados pela NATURAE
Consultoria Ambiental Ltda. com apoio de CORUMBÁ CONCESSÕES S.A.

MATERIAIS E MÉTODOS

Para a realização do inventário de fauna da UHE Corumbá I, foram utilizados


dados secundários (bibliográficos), dados indiretos (pegadas, fezes, carcaças, etc.)
e dados primários com uso de armadilhas Tomahawk e Sherman. O resultado deste
invenário computou 38,6% das espécies esperadas confirmadas pelo total da
RIOZOO e 37% das espécies esperadas através do levantamento feito pelo
CEPB/UCG. Os dados que se referem a quantidade de espécies não foram citados
nos trabalhos realizados. A UHE Corumbá IV, em seu inventariamento, foram
utilizados além de dados indiretos, a priorização de dados primários com a utilização
de armadilhas Tomahawk, Sherman e Snap-Trap, redes, identificação
visual/fotográficas, armadilhas luminosas (Trail Master), armadilhas de tubos PVC no
dossel arbóreo alto e armadilha tipo “sticky” com papel pega-mosca. Neste caso, os
animais que foram soltos, todos foram marcados com a técnica de Martof, com
aplicação de biopolímero.

2
RESULTADOS E DISCUSSÕES

A Tabela 1 resume todos os dados obtidos pelo trabalho. Em relação a UHE


Corumbá I, é fácil fazer uma comparação simplesmente visual. O levantamento de
CEPB/UCG foi todo baseado em dados primários, já o da RIOZOO foi baseado em
dados bibliográficos, não querendo dizer que estes dados utilizados pela RIOZOO
são os dados reais que ocorrem na região. Além disto, conhecendo as
especificidades das equipes, o RIOZOO concentrou as coletas em morcegos. Ao
passo que, o CEPB/UCG usou mais armadilhas de solo do que redes. Mesmo
assim, os dois resultados (UHE Corumbá I: 9 Ordens e 26 Famílias / UHE Corumbá
IV: 8 Ordens e 18 Famílias) ficam próximos da realidade dos dados do resgate.
O problema de se usar dados bibliográficos, como fez a RIOZOO é que podem
estar inserindo animais que inexistem na região, ou estarem citando informações
retiradas de publicações que não são de Goiás, transferidas para esta área, sem ter
uma confirmação, havendo assim, pouca credibilidade.
Em Corumbá IV é possível encontrar uma boa diversidade, mas toda ela
baseada em dados primários, com uma certeza do que realmente é, ou pode ser
afetado nestes empreendimentos. Estes dados são importantes para um
planejamento ambiental de avaliação do real impacto, já os dados secundários não
dão uma dimensão correta do que está sendo afetado podendo ser comparado até
mesmo com um levantamento de fauna baseado em entrevistas (informações
anedóticas).
A não priorização dos trabalhos de pesquisa básica acaba levando as pessoas
a procurarem as poucas bibliografias existentes e muitas vezes, desatualizadas. No
geral são poucos os dados sobre a fauna publicados, seja por desinteresse
daqueles que coletam ou pela falta de incentivo à pesquisa. Portanto, para se ter
bibliografia atualizada, observa-se a importância de se investir na pesquisa e
disponibilizar através de publicações os dados primários obtidos nos levantamentos
faunísticos.

3
CORUMBÁ
TAXA CORUMBÁ I IV
ORDEM CARNIVORA CEPB RIOZOO NATURAE
Família Canidae
Cerdocyon thous x x
Chrysocyon brachyurus x x
Pseudalopex vetulus x x
Família Felidae x
Felis sp. x
Puma concolor x
Leopardo pardalis x
Leopardus tigrina x
Herpailurus yagouaroundi x
Panthera onca x
Família Mustelidae
Eira barbara x x
Galictis vittata x
Lontra longicaudis x
Pteronura brasiliensis x
Família Procyonidae
Nasua nasua x x x
ORDEM ARTIODACTYLA
Família Tayassuidae
Pecari tajacu x
Família Cervidae
Mazama americana x x
ORDEM PERISSODACTYLA
Família Tapiridae
ORDEM XENARTHRA
Família Dasypodidae
Dasypus novemcinctus x x x
Dasypus sp. x
Euphractus sexcinctus x x x
Priodontes maximus x
Família Myrmecophagidae
Myrmecophaga tridactyla x x
ORDEM DIDELPHIMORPHIA
Família Didelphidae
Caluromys philander x
Chironectes minimus x
Didelphis albiventris x x x
Gracilinanus cf.agilis x
Gracilinanus emiliae x
Marmosa murina x
Marmosa sp. x
Monodelphis cf. kunsi x
ORDEM CHIROPTERA
Família Furipteridae
Furipterus horrens x
Família Molossidae
Molossops mattogrossensis x
Molossops planirostris x
Molossus molossus x
Nyctinomops laticaudatus x
Família Natalidae
Natalus stramineus x
Família Noctilionidae
Noctilio leporinus x
Família Phyllostomidae

4
Anoura caudifera x
Anoura geoffroyi x
Artibeus cinereus x x
Artibeus hartii x
Artibeus jamaicensis x x
Artibeus litoratus x
Artibeus planirostris x
Artibeus sp. x
Carollia perspicillata x x x
Chiroderma doriae x
Desmodus rotundus x x x
Glossophaga soricina x x x
Lonchophylla dekeyseri x
Lonchorhina aurita x x
Micronycteris danviesi x
Micronecteris megalotis x
Mimon bennettii x
Mimon crenulatum x
Phyllostomus discolor x
Phyllostomus elongatus x
Phyllostomus hastatus x x
Platyrrhinus lineatus x
Platyrrhinus recifinus x
Rhinophylla alethina x
Sturnira lilium x x x
Uroderma bilobatum x
Vampyressa bidens x
Vampyressa pusilla x x x
Família Vespertilionidae
Eptesicus diminutus x
Eptesicus funinalis x
Histiotus velatus x x
Lasiurus ega x
Myiotis albenscens x x x
Myiotis nigricans x x
Myiotis ruber x
ORDEM PRIMATES
Família Cebidae
Alouatta caraya x x x
Aotus trivirgatus x
Callicebus sp. x
Cebus apella x x x
Familia Callithrichidae
Callithryx argentata x
ORDEM RODENTIA
Família Agoutidae
Agouti paca x
Família Caviidae
Cavia aperea x
Kerodon rupestris x
Família Dasyproctidae
Dasyprocta azarae x x x
Família Echimyidae
Proechimys sp x x x
Proechimys roberti x
Thrichomys apereoides x
Família Erethizontidae
Coendou prehensilis x x
Sphiggurus insidiosus x
Família Hydrochaeridae
Hydrochaeris hydrochaeris x x x

5
Família Muridae
Akodon sp. x
Bolomys lasiurus x
Bolomys sp x
Calomys callosus x x
Nectomys squamipes x
Oecomys cf. bicolor x
Oecomys sp x
Oligoryzomys sp x x
Oryzomys capito x
Oryzomys cf subflavus x
Oryzomys sp x
Rattus rattus x
Rhipidomys mastacalis x
ORDEM LAGOMORPHA
Familia Leporidae
Sylvilagus brasiliensis x x x
Tabela 1: Sucesso amostra da mastofauna presente na
UHE Corumbá I e UHE Corumbá IV

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CEPB, 1997. Relatório Final do Resgate da Fauna da UHE Corumbá. Caldas Novas
Goiás. Universidade Católica de Goiás. Centro de Estudos e Pesquisas Biológicas.

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A, 1996. Projeto Básico Ambiental do


Aproveitamento Hidrelétrico Corumbá. Implantação dos Programas Ambientais

NATURAE, 2003a, I Relatório Técnico Parcial. Programa de Fauna Silvestre. UHE


Corumbá IV.

NATURAE 2003b, II Relatório Técnico Parcial. Programa de Fauna Silvestre. UHE


Corumbá IV.

NATURAE 2003c, III Relatório Técnico Parcial. Programa de Fauna Silvestre. UHE
Corumbá IV.

NATURAE 2003d, IV Relatório Técnico Parcial. Programa de Fauna Silvestre. UHE


Corumbá IV.

6
NATURAE 2003e, V Relatório Técnico Parcial. Programa de Fauna Silvestre. UHE
Corumbá IV.