Você está na página 1de 6

Vitor Rita – 58031

Estagflação.

Introdução.

O presente trabalho visa a explicação do fenómeno económico antecipado por


Milton Friedman1 na década de 60 do séc. XX (mais comummente utilizado a partir dos
anos 70, em virtude de consecutivas crises energéticas) designado por estagflação.

Tal explicação será feita através da relação entre conceitos como oferta e procura
agregada, crescimento económico (PIB) e inflação, tendo em vista a exposição das suas
causas e consequências, bem como, de que forma se pode combater ou evitar tal
fenómeno.

1. Conceito de estagflação.

A estagflação designa uma situação económica caraterizada pela ocorrência, em


simultâneo, de estagnação do crescimento económico (PIB) e uma inflação persistente
(subida generalizada e constante dos preços).

Geralmente, um menor crescimento económico origina uma tendência para um


menor crescimento dos bens, isto porque o horizonte temporal do estudo do PIB é no
longo prazo (normalmente um ano) e reflete o valor dos bens e serviços produzidos
anualmente.

Ou seja, no longo prazo, o nível de produção é exclusivamente determinado pela


oferta agregada (tudo o que no intervalo de tempo considerado é produzido no espaço
nacional), e os preços são determinados pela interseção das curvas da oferta e da procura
agregadas, formando-se um preço de equilíbrio.

1
https://www.studentsforliberty.org/pequeno-guia-milton-friedman

1
Vitor Rita – 58031

Contudo, podem suceder problemas estruturais ou conjunturais do lado da oferta


(ex. uma falha no fornecimento de matérias primas), originando uma situação de redução
do crescimento económico e, simultaneamente, um aumento dos preços, ou seja, no caso
de uma retração da oferta agregada, no curto prazo, originar-se-á uma interseção com a
curva da procura agregada num ponto que corresponderá, simultaneamente, a uma quebra
generalizada de produção e a um aumento do nível geral dos preços (uma estagflação).2

2. Causas para um cenário económico de estagflação.

Seguindo o Manual do Prof. Fernando Araújo, as causas para o surgimento deste


fenómeno devem-se essencialmente à contração da oferta agregada no curto prazo e as
consequentes recessão e inflação, podendo ser atribuídas a:

a) «choques exógenos»: “uma calamidade natural que destrói algumas vias de


comunicação, tornando mais lentos e dispendiosos os transportes de
mercadorias, ou a decisão de um cartel de produtores que faz subir drasticamente
o custo das fontes de energia (vg. as crises do petróleo da década de 70), ou a
introdução de uma nova tecnologia, a alteração dos gostos dos consumidores,
dos termos de troca no comércio internacional ou do regime tributário...”;

b) «fatores endógenos»: “o resultado de uma assimetria informativa nas


transações, o resultado de um excesso de confiança dos investidores na
manutenção de uma tendência alta no mercado, conduzindo a «bolhas
especulativas» - sendo uma «bolha especulativa» a conjuntura de que o preço de
mercado de títulos bolsistas poderá afastar-se, por movimentos autossustentados,
do seu valor fundamental (a crença generalizada de que se consegue «vencer o
mercado») o que poderá conduzir à «explosão da bolha» se a especulação inverte
o seu sentido”.3

2
http://knoow.net/cienceconempr/economia/estagflacao/; Araújo, Fernando – Introdução à
Economia, 3ª edição, pág.643.
3
a) e b): Araújo, Fernando – Introdução à Economia, 3ª edição, pág. 660.

2
Vitor Rita – 58031

Como exemplos de um cenário deste tipo, podemos apontar a Alemanha pós-


guerra4 e os Estados Unidos.

No caso da Alemanha, embora ainda não se tivesse formulado o conceito de


estagflação, o país encontrava-se completamente endividado (o que contribui para que
não exista crescimento da economia), e com uma estratégia governamental de imprimir
moeda para conseguir pagar as suas dividas (o que contribui para um cenário de inflação).

No caso dos Estados Unidos, em 1970 chega-se à conclusão que o petróleo afinal
não é um recurso renovável, o que fez com que o preço do produto atingisse um aumento
de 400% até 1974 desestabilizando a economia mundial, isto em conjunto com
motivações politicas que levaram ao embargo das vendas para os Estados Unidos e
Europa (com a consequente retração da oferta agregada e os seus efeitos).5

Gráfico 1. Curva da oferta agregada, na hipótese de retração da oferta.

Fonte: https://pt.khanacademy.org

4
Tânia Luísa Faria, aula prática de economia.
5
https://omundonosanos70.weebly.com/crise-dos-anos-70.html

3
Vitor Rita – 58031

3. Consequências de uma estagflação.

As consequências de um cenário de estagflação instalada num país, escusado será


dizer, que não auspiciam nada de bom para os cidadãos que nele residem.

A inflação enfraquece o poder de compra, o desemprego (resultante de uma


procura agregada inferior à oferta devido ao fraco poder de compra que, por sua vez, se
traduz numa redução da receita das empresas e na respetiva redução de trabalhadores)
afeta consideravelmente a estrutura socioeconómica da população, bem como aos
resultados do próprio país.

Em suma, preços altos, estagnação do crescimento e escassez de postos de


trabalho, impedem que um país cresça de forma sustentável e entre em crise.

4. Resolução para o problema.

Quanto a possíveis soluções para a resolução do problema parece não existir


consenso entre os economistas6. Por um lado existem aqueles que dizem não haver outro
remédio senão esperar que passem os efeitos da recessão através de uma progressiva
recuperação da procura agregada. Por outro lado, a frente keynesiana defende que o
Estado deve intervir através do aumento da despesa pública (obras, infraestruturas...) de
modo a combater o desemprego e a aumentar o poder de compra dos cidadãos, ou seja, o
problema resolve-se através da expansão da curva da procura agregada que, passando a
intercetar-se num novo ponto que coincida com a vertical de longo prazo do nível de
produção de equilíbrio (oferta agregada), eliminando os efeitos da recessão no curto
prazo. Em conjunto com esta medida é também apontada a solução da manutenção ou
descida dos impostos, com o objetivo de não diminuir o poder de compra dos
consumidores.

6
Araújo, Fernando – Introdução à Economia, 3ª edição, pág. 661.

4
Vitor Rita – 58031

Gráfico 2. Curva da procura agregada, na hipótese de expansão da procura.

Fonte: https://pt.khanacademy.org

O problema é que estas soluções apenas são viáveis em economias fechadas, e


mesmo assim não resolvem o problema da inflação que, aliás, pode agravar-se através da
expansão da procura agregada, pois o nível de equilíbrio alcançado corresponde a um
nível geral de preços mais elevado, ou seja, a produção regressa aos seus níveis pré-
estagflação, no entanto, tanto os consumidores como os produtores gastam mais recursos
monetários com ela.7

7
Araújo, Fernando – Introdução à Economia, 3ª edição, pág. 661.

5
Vitor Rita – 58031

5. Conclusão.

A estagflação representa um fenómeno económico extremamente nocivo,


caraterizado pela presença de estagnação do crescimento económico associado a uma alta
inflação, configurando-se como uma situação de desequilíbrio macroeconómico com
graves repercussões sociais.

A inflação denota o impacto sobre a estabilidade dos preços originando uma


desvalorização cambial, desincentiva a poupança e os investimentos e estimula o aumento
de juros, atraindo capital meramente especulativo e influenciando negativamente o
crescimento económico no longo prazo.

A recessão denota a redução da produção dos bens e serviços, diminuição do bem-


estar social e tendência para o aumento do desemprego.

A entender-se que a opção de intervenção do Estado é a mais adequada para a


resolução do problema, terá que se pautar por critérios de equilíbrio e de harmonia com
a economia global, e não pela prioridade concedida ao combate ao desemprego ou à
inflação, uma vez que politicas económicas inadequadas podem contribuir para o
agravamento do problema, nomeadamente no que refere a politicas fiscais e monetárias.

Caso contrário, como refere o Prof. Fernando Araújo, não existirá outra solução
que não a de uma ocorrência de um choque no sentido contrário ao que inicialmente deu
origem à situação de estagflação.8

8
Araújo, Fernando – Introdução à Economia, 3ª edição, pág. 662 e 663.