Você está na página 1de 10

UNIDADE 7: Tabela e propriedades Periódicas

HISTÓRICO INICIAL

A tabela periódica, que é principal instrumento de consulta de dados relativos aos elementos
químicos, passou por diversos esboços até que se chegasse ao modelo atual: A tríade de Dobereiner, as
oitavas de Newlands, que tentou agrupar os elementos químicos em oitavas, como se fossem notas
musicais. Passamos também pelo modelo do parafuso telúrico proposto em 1862, proposto pelo francês
Alexander Chancourtois, dispondo os elementos em uma espiral dentro de um cilindro, como mostrado na
figura a seguir:

Quando organizados em uma forma espiral


decrescente, os elementos químicos se organizam
em uma linha vertical muito bem definida, de acordo
com suas propriedades químicas semelhantes.
Porém, essa divisão funciona apenas até o elemento
químico Cálcio, de número atômico 40.

Figura 1: O parafuso telúrico de Chancourtois.


Disponível em: http://www.allperiodictables.com/ClientPages/AAEpages/AAEpix/deCh_telluric_2pix.jpg
É proibida a reprodução, total ou parcial, deste material

Porém, apenas no século 19, o Russo Dmitri Ivanovich Mendeleev, decidiu organizar os elementos
químicos em ordem crescente de massa. Algum tempo depois, já no século 20, em 1913, após o surgimento
da ideia do átomo nucleado, composto pelas partículas subatômicas: os prótons, nêutrons e elétrons, já
estudadas por nós anteriormente, o físico Henry Moseley, assistente de Ernest Rutherford, percebeu que as
propriedades químicas dos elementos variam em função de seus números atômicos, e não do número de
massa. Assim, com o passar dos anos e com a descoberta de vários elementos, chegamos ao formato mais
atual da tabela periódica.

COORDENADAS PERIÓDICAS: Para guiar-nos ao longo da tabela periódica, podemos atribuir uma divisão
específica em duas coordenadas:

PERÍODOS: São as sete linhas horizontais, que indicam também qual será o número de camadas que um
determinado elemento químico possui. Por exemplo: o alumínio (Al) está localizado no terceiro período,
logo, possui elétrons distribuídos em 3 camadas eletrônicas.

GRUPOS: Teremos um total de 18 grupos na tabela periódica, sendo divididos do 1 ao 18, de acordo com
a imagem a seguir:

Deixa que a gente explica! www.bioexplica.com.br


Figura 2: A tabela periódica
Fonte: exploresinternaciotnal / Pixabay

FAMÍLIAS: Teremos dois blocos de famílias: as famílias A, que contém os elementos representativos e as
famílias B, que contém os elementos de transição. Por hora, iremos focar nos elementos representativos,
membros das famílias A.

PERÍODOS: Setas vermelhas na horizontal


FAMÍLIAS A (elementos representativos): Setas verdes na vertical
É proibida a reprodução, total ou parcial, deste material

Figura 3: Períodos e Famílias A (representativos) na tabela periódica.


Fonte: exploresinternaciotnal / Pixabay

Deixa que a gente explica! www.bioexplica.com.br


De posse de um panorama mais atual da tabela periódica, podemos passar para o estudo das
propriedades periódicas.

PROPRIEDADES PERIÓDICAS: É um conjunto de propriedades que varia dentro de um certo padrão, em


função do número atômico ao longo da tabela periódica. Teremos então quatro propriedades a serem
estudadas:

- Raio atômico (R)


- Energia de Ionização (E.I.)
- Afinidade eletrônica(A.E.)
- Eletronegatividade (Eneg)/ Eletropositividade(Epos)

1. RAIO ATÔMICO (R):

Existem algumas definições para raio atômico, como o raio covalente e o raio de Van Der Waals.
Porém, trabalharemos com a definição mais simples: Raio atômico será a distância entre o centro do núcleo
atômico até a sua camada mais externa (camada de valência).
A figura a seguir mostra o raio atômico representado como a metade da distância entre os núcleos
de dois átomos de hidrogênio envolvidos em uma ligação covalente, definição que se adéqua mais ao raio
covalente, porém, por hora, esse conceito não será trabalhado. Iremos usar essa representação didática
apenas para facilitar a representação do raio atômico.

Figura 5: Modelo representativo do raio atômico do Hidrogênio

Agora, a pergunta que fica: como será que o raio atômico varia ao longo da tabela? Muitos materiais
didáticos trabalham essa ideia simplesmente com as famosas “setinhas”, que até podem ser bastante úteis,
mas de nada valem sem o conhecimento adequado dos reais motivos pelos quais o raio varia em função do
aumento ou diminuição do número atômico. Assim, estudaremos primeiro como e por que ocorrem as
variações, depois, os possíveis “macetes”.
É proibida a reprodução, total ou parcial, deste material

DESCENDO AO LONGO DE UMA MESMA FAMÍLIA:

Iremos perceber que o raio atômico irá aumentar em função do aumento do número de camadas.
Por exemplo: comparando-se o Lítio (Li) – 152 pm (picometros – isto é, 10-12m) com o Sódio (Na) – 186 pm,
veremos que o sódio possui um maior raio em função do maior número de camadas, já que o lítio se encontra
no segundo período (apenas 2 camadas) e o sódio, no terceiro período (3 camadas).

DA ESQUERDA PARA A DIREITA EM UM MESMO PERÍODO:

Iremos perceber que o raio atômico irá diminuir em função do aumento do número atômico. Podemos
atribuir essa mudança por conta do aumento na carga nuclear efetiva, isto é: ao passo em nos deslocamos
da esquerda para a direita em um mesmo período da tabela periódica, temos, com o aumento do número
atômico, um aumento da quantidade de prótons contidos no núcleo atômico e de elétrons em uma mesma
camada (na camada de valência, isto é, a última camada de um átomo), fazendo com que, assim, a força
com que o núcleo atrai esses elétrons seja maior.

Deixa que a gente explica! www.bioexplica.com.br


Por exemplo: comparemos dois elementos vizinhos:

11Na (R = 186 pm) e o 12Mg (R= 160 pm).

Na: 1s2 2s2 2p5 3s1 - 3 camadas eletrônicas - 11 elétrons e 11 prótons

Mg: 1s2 2s2 2p5 3s2 – 3 camadas eletrônicas – 12 elétrons e 12 prótons

De posse dessa comparação, podemos perceber que ambos terão o mesmo número de camadas
eletrônicas, porém, o Mg terá um número maior de prótons, o que levará à uma maior carga nuclear e uma
consequente maior força de atração nuclear, o que fará com que o raio do Mg seja menor se comparado ao
Na, onde a atração nuclear é menor.

SE LIGA! Raio Iônico (R): Existem espécies químicas geradas a partir da perda ou do ganho de elétrons
chamadas de íons: cátions (carga+), que são gerados mediante a perda de elétrons e ânions (carga-),
gerados mediante ao ganho de elétrons por conta de um átomo neutro.
Assim, haverá variações no tamanho do raio da espécie neutra após a perda ou ao ganho de elétrons. Então,
teremos:

Formação de um cátion: O raio torna-se menor se comparado ao átomo que originou o íon em questão,
pois a deficiência em cargas negativas devido à perda de elétrons e o excesso de cargas positivas
relacionadas aos de prótons, fará com que a força de atração nuclear seja maior, logo, o raio irá diminuir.

Formação de um ânion: O raio torna-se maior se comparado ao átomo que originou o íon em questão,
pois, o excesso de cargas negativas gerado pelo ganho de elétrons irá contribuir para um aumento do efeito
de blindagem, ou seja, a atração exercida pelo núcleo sobre os elétrons de valência torna-se cada vez
menor, fazendo com que a força nuclear diminua e, consequentemente, o raio aumente.

2. ENERGIA DE IONIZAÇÃO (E.I.):

A primeira energia de ionização será a energia necessária para que se remova um elétron de um
átomo neutro no estado gasoso, transformando-o em um íon cátion. Equacionando a energia de ionização
para um elemento X qualquer, teremos:
É proibida a reprodução, total ou parcial, deste material

X+(g) + ENERGIA X2+(g) + e-

Equação referente à primeira energia de ionização.

Assim, para se retirar o segundo elétron de um átomo, será necessária a aplicação de mais energia,
esta segunda retirada será a segunda energia de ionização, que, certamente, será maior do que a primeira,
pois, após a retirada desse primeiro elétron, a maior força de atração nuclear fará com que o “esforço” com
relação à retirada desse elétron seja maior

X(g) + ENERGIA X+(g) + e-

Equação referente à segunda energia de ionização

3. AFINIDADE ELETRÔNICA (A.E.):

Os elementos químicos no estado gasoso que, espontaneamente, recebem elétrons para se


estabilizarem, irão liberar uma certa quantidade de energia. Quanto maior a estabilidade, mais baixo será o

Deixa que a gente explica! www.bioexplica.com.br


estado de energia de um certo elemento químico. Assim, podemos definir a afinidade eletrônica da seguinte
maneira: será a energia liberada por um elemento químico no estado gasoso ao receber um elétron.
Podemos então equacionar a afinidade eletrônica da seguinte maneira:

X(g) + e- X-(g) + ENERGIA

Equação referente à primeira afinidade eletrônica

A cada posterior elétron que se ganhe, o valor da afinidade irá se tornar menor, até que, em um certo
momento, essa energia não será mais uma energia liberada, mas sim, uma energia que deverá ser absorvida
para que a espécie química em questão possa receber um determinado elétron. Por exemplo: suponha que
tenhamos um elemento da família 6A, como o Enxofre (S). Esse elemento, por estar na família 6A, possui 6
elétrons em sua camada de valência, logo, para que esse elemento possa atingir seu octeto completo,
precisa ganhar mais 2 elétrons. Assim, ao ganhar o primeiro, teremos uma grande energia liberada. Ao
receber o segundo elétron, essa energia não será tão grande quanto a primeira. Para receber um terceiro
elétron, a situação não seria favorável, logo, para que o processo ocorra, uma energia deverá ser empregada
para que esse novo elétron seja recebido pelo enxofre.
Equacionando a situação, teremos:

PRIMEIRA A.E. - S(g)+ e- S- (g) + ENERGIA

PRIMEIRA A.E. - S-(g)+ e S2- (g) + ENERGIA

PRIMEIRA A.E. - S2-(g)+ ENERGIA + e- S3- (g)

4. ELETRONEGATIVIDADE (ENEG):

É a tendência que um átomo possui de atrair elétrons ao realizar uma ligação química. De uma
maneira mais coloquial, seria a “força com que os elementos químicos atraem elétrons”, ou seja, o quão
intensas serão as forças de atração núcleo-elétron em uma ligação química. Esse é o motivo também pelo
qual alguns autores de livros didáticos do ensino superior não gostam de utilizar a eletrongatividade como
uma propriedade periódica.
Para se medir essa propriedade, foi gerada uma escala que vai de 0 a 4, sendo o Flúor (F) o elemento
mais eletronegativo da tabela.

4.1 Eletropositividade ou caráter metálico:


É proibida a reprodução, total ou parcial, deste material

A eletropositividade pode ser entendida como o oposto da eletronegatividade. Assim, será a


tendência que um átomo terá de perder elétrons. Geralmente, quanto maior o raio atômico de uma espécia,
maior será o seu caráter metálico, isto é, sua afinidade eletrônica.

Se liga!!! RELACIONANDO O RAIO COM AS PROPRIEDADES.

Para que haja um critério de comparação que vise facilitar nossas análises, podemos associar todas
as propriedades periódicas à primeira delas estudadas por nós: o Raio.
Com base nas ideias de força de atração nuclear e de efeito de blindagem, podemos relacionar as
propriedades periódicas da seguinte maneira:

Figura 6: Resumo das propriedades periódicas em função do Raio

Deixa que a gente explica! www.bioexplica.com.br


ATIVIDADES PROPOSTAS

01. (ifsul) Sobre o elemento químico Ferro que tem número atômico igual a 26. É correto afirmar
que

a) tem símbolo F.
b) é líquido à temperatura ambiente.
c) pertence ao grupo dos metais alcalinos.
d) está localizado no quarto período da tabela periódica.

02. (Imed) Considere o elemento químico cobre e analise as assertivas abaixo, assinalando V, se
verdadeiras, ou F, se falsas.

29
63,5 Cu

( ) O elemento químico cobre pertence à família dos metais alcalinos terrosos.


A massa atômica do isótopo mais estável do Cu é 63,5 u.
( )
A distribuição eletrônica para o elemento químico Cu é: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 4d9 .
( )
O elemento químico Cu encontra-se no 3º período da Tabela Periódica.
( )
A ordem correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é:

a) F – F – F – V.
b) F – V – V – F.
c) F – V – F – F.
d) V – V – V – V.
e) V – F – V – F.

19
03. (Pucrj) O flúor é um elemento de número atômico 9 e possui apenas um isótopo natural, o F.
Sobre esse elemento e seus compostos, é correto afirmar que:
É proibida a reprodução, total ou parcial, deste material

a) o isótopo natural do flúor possui 9 nêutrons.


b) o íon F tem 8 elétrons.
c) o flúor é um elemento da família dos elementos calcogênios.
d) no gás flúor, F2 , se tem uma ligação covalente polar.
e) na molécula do ácido fluorídrico, HF, o flúor é mais eletronegativo que o hidrogênio.

04. (Colégio Naval) A apresentação dos elementos na tabela periódica moderna é feita de forma
que a principal característica de cada um determine sua posição relativa aos demais elementos.
Quanto à ordenação dos elementos na tabela e ao significado da característica que determina
sua posição, é correto afirmar que a organização se dá em ordem:

a) crescente de massa atômica, pois o aumento de prótons determina o aumento também da


quantidade de nêutrons.

Deixa que a gente explica! www.bioexplica.com.br


b) crescente de carga nuclear, pois não há átomos de elementos diferentes com o mesmo número de
prótons.
c) decrescente de estabilidade dos elementos, pois quanto mais para baixo na tabela, maior a
quantidade de elementos artificiais,
d) decrescente de tempo de identificação dos elementos, pois, na parte inferior da tabela, estão os
elementos de descoberta mais recente.
e) aleatória de massa atômica, uma vez que diferentes átomos de um mesmo elemento podem
apresentar diferentes cargas nucleares.

05. Uma atração turística da Áustria é Salzburgo, cidade natal de Mozart, construída na Antiguidade
graças às minas de sal. Salzburgo significa castelo do sal, pois nessa cidade está localizada a
mina de sal mais antiga do mundo, em atividade desde a Idade do Ferro (1000 a.C.).
No passado, o sal era um importante e quase insubstituível conservante alimentar e, além de cair
bem ao nosso paladar, ele é uma necessidade vital, pois, sem o sódio presente no sal, o
organismo seria incapaz de transmitir impulsos nervosos ou mover músculos, entre eles o
coração.
(terra.com.br/turismo/roteiros/2000/11/10/009.htm Acesso em: 16.08.2013. Adaptado)

O símbolo do elemento que, segundo o texto, permite a transmissão de impulsos nervosos é

a) S
b) So
c) Sd
d) N
e) Na

06. Considere as informações a seguir.

Com o propósito de abordar o calor envolvido nas reações químicas, um professor solicitou a
um grupo de alunos que pesquisasse na literatura especializada as energias envolvidas nas
etapas de formação do NaCl. Os alunos montaram uma tabela com 5 etapas da reação, porém
esqueceram de anotar o sinal correspondente, isto é, negativo (-) para energia liberada e
positivo (+) para energia absorvida. Nas equações, (s) significa "em estado sólido" e (g)
significa "em estado gasoso".
É proibida a reprodução, total ou parcial, deste material

Etapa Reação Energia envolvida (kJ)

1 Na(s)  Na(g) 108


2 ½ Cl2(g)  Cl(g) 121
3 Na(g)  Na+(g) + e 496
4 Cl(g) + e  Cl(g) 348
5 Na+(g) + Cl(g)  Na+Cl(s) 787

Com base nas informações fornecidas, a energia envolvida, em cada uma das quatro primeiras etapas,
está relacionada respectivamente com:

a) Sublimação, dissociação, afinidade eletrônica e ionização.


b) Afinidade eletrônica, sublimação, dissociação e ionização.
c) Sublimação, ionização, afinidade eletrônica e dissociação.
d) Sublimação, dissociação, ionização e afinidade eletrônica.
e) Sublimação, afinidade eletrônica, dissociação e ionização.

Deixa que a gente explica! www.bioexplica.com.br


07. As propriedades periódicas são função do número atômico do elemento e se repetem de
maneira semelhante a cada período da tabela periódica. Marque a alternativa que representa
a variação do raio atômico (Ra) em função do número atômico (Z), para os metais alcalinos.

a. Ra b. Ra c. Ra

Z Z Z

e. Ra
d. Ra

Z Z

08. (PUC-RJ) Qual dos átomos abaixo transforma-se num cátions monopositivo com o menor
consumo de energia?

a) Na
b) Sr
c) Ne
d) Cl
e) Cs

09. Dois ou mais íons ou, então, um átomo e um íon que apresentam o mesmo número de elétrons
denominam-se espécies isoeletrônicas.
Comparando-se as espécies isoeletrônicas F –, Na+, Mg2+ e Al3+, conclui-se que:

a) a espécie Mg2+ apresenta o menor raio iônico;


É proibida a reprodução, total ou parcial, deste material

b) a espécie Na+ apresenta o menor raio iônico;


c) a espécie F – apresenta o maior raio iônico;
d) a espécie Al3+ apresenta o maior raio iônico;
e) a espécie Na+ apresenta o maior raio iônico.

10. (FUVEST) considere os íons isoeletrônicos; Li+, H-, B3+ e Be2+ (os números atômicos; Li = 3; H
= 1; B = 5; Be = 4). Coloque-os em ordem crescente de raio iônico, justificando a resposta.

Deixa que a gente explica! www.bioexplica.com.br


GABARITOS

QUESTÃO 01 Gabarito: [D]. Incorreta. O símbolo do ferro é Fe.


Incorreta. Trata-se de um metal sólido a temperatura ambiente.
Incorreta. O ferro é um metal de transição, pertencente ao 8º grupo da tabela periódica.
Correta. Pela sua distribuição eletrônica teremos:
2 2 6 2 6 2 6
26 Fe  1s 2s 2p 3s 3p 4s 3d , O átomo possui 4 camadas eletrônicas, pertencendo assim ao 4º período da
tabela periódica.

QUESTÃO 02 Gabarito: [C]. Falsa. O cobre é um metal de transição, pertencendo ao 11º grupo da tabela
periódica.
Verdadeira. A massa atômica do átomo mais estável é de 63,5 u.m.a.
Falsa. A distribuição correta do cobre será: 29 Cu  1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s13d10 .
Falsa. De acordo com sua distribuição eletrônica, podemos concluir que o cobre pertence ao 4º período da
tabela (camada mais externa).

QUESTÃO 03 Gabarito: [E]


[A] Incorreta.
19
9F :
n  19  9  10 nêutrons
[B] Incorreta.
O íon 199 F ganhou um elétron, ficando com 10e .
[C] Incorreta. O flúor pertence a família dos halogênios (grupo 17) da Tabela Periódica.
[D] Incorreta. O gás flúor, forma uma ligação covalente apolar, por apresentar 2 elementos iguais.
[E] Correta. Na ligação entre o H  F, o flúor é o elemento mais eletronegativo da ligação, atraindo a nuvem
eletrônica para perto do seu núcleo.

QUESTÃO 04 Gabarito: [B]. A organização atual da Tabela Periódica está em ordem crescente de número
atômico (carga nuclear).

QUESTÃO 05 Gabarito: [E]. O símbolo do elemento que, segundo o texto, permite a transmissão de
impulsos nervosos é Na (sódio).
É proibida a reprodução, total ou parcial, deste material

QUESTÃO 06 Gabarito: [D]

QUESTÃO 07 Gabarito: [A]

QUESTÃO 08 Gabarito: [E]

QUESTÃO 09 Gabarito: [C]

QUESTÃO 10 Gabarito: B3+ < Be2+ < Li+ < H-, pois mesmo número de elétrons (2) da camada K estão sendo
atraídos por cargas nucleares cada vez menores.

Deixa que a gente explica! www.bioexplica.com.br


Referencial Teórico:
FONSECA, Martha Reis Marques da. Coleção de Química: Parte 01, Parte 02 e Parte 03. São Paulo:
Editora Atica, 2014.

FONSECA, Martha Reis Marques da. Completamente Química, Ciências, Tecnologia & Sociedade. São
Paulo: Editora FTD S.A., 2001, 624 p.

TITO CANTO. Química na abordagem do cotidiano, volume 1, 5ª edição, ed moderna, São Paulo, 2009.

FELTRE, R. Química Geral. 7ª edição, ed moderna, São Paulo, 2008.

FELTRE, R. Físico-Química. 7ª edição, ed moderna, São Paulo, 2008.

FELTRE, R. Química Orgânica. 7ª edição, ed moderna, São Paulo, 2008.

USBERCO, João; Salvador, Edgard. Química Geral. 12ª.ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

LEMBO, Antonio; Groto,Robson. Química - Geral e Orgânica. 2010.

ATKINS, P.W.; JONES, Loretta. Princípios de química: questionando a vida moderna e o meio
ambiente. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. 965 p.

BROWN, Theodore; LEMAY, H. Eugene; BURSTEN, Bruce E. Química: a ciência central. 9 ed. Prentice-
Hall, 2005.

ATKINS, Peter W.; JONES, Loretta. Princípios de Química: questionando a vida moderna o meio
ambiente. 3 ed. Guanabara Koogan, 2006

MENDES, Aristênio. Elementos de Química Inorgânica, Fortaleza, 2005.

LEE, JD Química Inorgânica: não tão Concisa. Ed. Edgard Blucher Edito, 1ª.ed, 2003.

SOLOMONS, ,T.w. Graham. Química Orgânica, 10ª edição, LTC, 2012

LEHNINGER, AL; NELSON, DL e COX, MM. Princípios de Bioquímica. Ed. Artmed, 6ª.ed 2014.
É proibida a reprodução, total ou parcial, deste material

Deixa que a gente explica! www.bioexplica.com.br