Você está na página 1de 636

Mi

nis té rio da Fun da ção da Cul tu ra


Bi bli o te ca Na ci o nal

Nú me ro de ISBN 978-85-909265-2-8
DA DOS DA OBRA:
Tí tu lo: 366 ESBOÇOS BÍBLICOS! Ní vel: Tí tulo Inde penden te
Assun to: Mo ral Cris tã e Te o lo gia De vo ci o nal Idi o ma: Por tu guês
Suporte: Polen Bold 70g
Capa: Bro chu ra
Ta ma nho: 16x23 cm
Có di go de Bar ras: Di gi tal
Au tor: Eri val do de Je sus Pi nhe i ro
Pse u dô ni mo: Pr. Eri val do de Je sus

ADIB EDITORA – Aca de mia de Inte li gência Bí bli


ca (11)5631-1684 / 5631-0174 / 5631-3806 / 5631-3819 /
982199997 /99977-9942 Loja Vir tu al: www.adi be di
to ra.com.br Site: www.eri valdo de je sus.com.br E-
mail: eri val do de je sus@uol.com.br PR. ERIVALDO
DE JESUS
SÃO PAULO – 2015
366 ESBOÇOS BÍBLICOS!
Um Esbo ço pa ra cada Dia do Ano, Inclusi ve
o Bis sex to
11ª Edição Atualizada
SÃO PAULO – 2015
Copy right © 2012 ERIVALDO DE JESUS PINHEIRO
11ª Edição – Dezembro de 2015
ISBN 978-85-909265-2-8

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS – É pro i bi da a re pro du ção to tal ou


par cial des ta obra, sal vo com au tori za ção por es cri todo Autor.

Edi to ra ção: Ge ra ção Mas ter’s – Asses so ria Edi to ri al Tel.: (11) 2951-0159
Impres so no Bra sil/Prin ted in Bra zil
ÍNDICE TEMÁTICO DOS ESBOÇOS
BÍBLICOS
Apre senta ção, 15
ADIB – Aca de mia de Inte li gên cia Bí bli ca,

15
Dez Per gun tas que os Pre ga do res mais
Fazem, 19
Intro du ção, 29
I – ESBOÇOS EM GÊNESIS, 31 Esboço 01 – A Atu a ção do Espí ri to
San to na His tó ria, 31
Esboço 02 – O Ma i or Con fli to da
His tó ria, 33
Esboço 03 – O Alfa i a te Di vi no, 35 Esboço 04 – Fa zen do a Di fe ren ça no
Meio de uma Ge ra ção Cor rom pi da, 36 Esboço 05 – As Sete Pro mes sas de Deus
a Abraão, 37
Esboço 06 – Cren do no Impos sí vel, 40 Esboço 07 – Esca pa-te Por Tua Vida, 41 Esboço 08 – Pros pe ran
do na
Adver sida de, 42
Esboço 09 – Vi são de Cur to Pra zo e
Vi são de Lon go Pra zo, 43
Esboço 10 – Trans for ma ção de Ca rá ter,
44
Esboço 11 – Nun ca De sis ta dos Teus
So nhos, 45
Esboço 12 – Três Co i sas que o Pas tor
não Pode Ne go ci ar, 46
Esboço 13 – Fu gin do do Pe ca do, 47 Esboço 14 – Esque ci do Pelo Ho mem e
Lem bra do por Deus, 48
Esboço 15 – O Gran de Se gre do do
Su ces so de José, 49
Esboço 16 – O Deus que Muda
Si tu a ções, 50
II – ESBOÇOS EM ÊXODO, 51 Esboço 17 – O Gran de Eu Sou, 51 Esboço 18 – Não De i
xes para Ama nhã,
53
Esboço 19 – O San gue da Re den ção, 54

Esboço 20 – O Deus que Pe le ja por Nós, 55


Esboço 21 – Ce le bran do a Vi tó ria, 56
Esboço 22 – Som bra e Água Fres ca, 57
Esboço 23 – Qu a tro Qu a li da des que os Lí de res Pre ci sam Ter, 58
Esboço 24 – Pro pri e da de de Deus, 60
Esboço 25 – O Aspec to da Gló ria do Se nhor, 61
Esboço 26 – A Se gu ran ça que a
Pre sen ça de Deus Trans mi te, 62
III – ESBOÇOS EM LEVÍTICO, 63
Esboço 27 – Altar em Cha mas, 63 Esboço 28 – Cha ma do para Ser San to, 64
Esboço 29 – O Ano do Ju bi leu, 65 IV – ESBOÇOS EM NÚMEROS, 66
Esboço 30 – As Duas Trom be tas Pro fé ti cas,66
Esboço 31 – Re for ço Espi ri tu al,67 Esboço 32 – Apro va do por Deus, 68 Esboço 33 – As Pers pec ti vas
dos Ven ce do res, 69
Esboço 34 – Alcan çan do um Mi nis té rio Fru tí fe ro, 70
Esboço 35 – Blin da do por Deus, 71 V – ESBOÇOS EM
DEUTERONÔMIO, 72
Esboço 36 – O Deus da Mul ti pli ca ção, 72
Esboço 37 – A Uni da de da Di vin da de, 73
Esboço 38 – O Deus da Se gun da Opor tu ni da de, 74
Esboço 39 – O Ano da Re mis são, 75 Esboço 40 – Sen do Alcan ça dos Pe las Ben çãos, 76
Esboço 41 – Se gu ran ça Ga ran ti da, 77 Esboço 42 – A Ro cha Per fe i ta, 78 Esboço 43 – Unção da Ca be
ça aos Pés, 79

VI – ESBOÇOS EM JOSUÉ, 80 Esboço 44 – Os Se gre dos de um


Con quis ta dor, 80
Esboço 45 – O Se gre do para o Se nhor
Fa zer Ma ra vi lhas, 82
Esboço 46 – Qu an do Deus De ci de
Re mo ver a Nos sa Hu mi lha ção, 83 Esboço 47 – Alcan ça dos pela Gra ça, 84 Esboço 48 – Nun ca De i
xe de Con sul tar
ao Se nhor, 85
Esboço 49 – Ampli an do as suas
Con quis tas, 86
Esboço 50 – As Fon tes da Ben ção, 87 VII – ESBOÇOS EM JUÍZES, 88 Esboço 51 – Otni
el – O Leão de Deus,
88
Esboço 52 – Eúde – O Ca nho to de Deus,
89
Esboço 53 – Dé bo ra – A Mu lher que Fez
a Di fe ren ça, 90
Esboço 54 – Jael – A Mu lher que Saiu
do Ano ni ma to, 91
Esboço 55 – Gi deão – O Ho mem
Va lo ro so, 92
Esboço 56 – San são – O Cam peão de
Deus, 93
VIII – ESBOÇOS EM RUTE, 95 Esboço 57 – Rute – A Mu lher Vir tu o sa, 95 IX –
ESBOÇOS EM 1 SAMUEL, 96 Esboço 58 – Ana – A Mu lher que deu a
Vol ta por Cima, 96
Esboço 59 – Sa mu el – A Lâm pa da de
Deus, 97
Esboço 60 – O Ma i or de To dos os
De u ses, 99
Esboço 61 – O Deus Aju da dor, 101 Esboço 62 – Se rás Mu da do em Ou tro
Ho mem, 103
Esboço 63 – Enche o Teu Vaso de
Aze i te, 104
Esboço 64 – As Sete Qu a li da des de
Davi, 105
Esboço 65 – Use as Armas que Deus lhe
deu, 106
Esboço 66 – Per ma ne ça nos Lu ga res
Se gu ros, 107
Esboço 67 – Bom Âni mo na
Adver sida de, 108
X – ESBOÇOS EM 2 SAMUEL, 109 Esboço 68 – Unção Tripli ca da, 109 Esboço 93 – Qu a
tro Se gre dos para um
Avi va men to Na ci o nal, 140
Esboço 94 – Não Tro que o Bri lho do
Ouro pelo Pá li do Bri lho do Bron ze, 141 Esboço 95 – O De ver que Te mos de
Bus car ao Se nhor, 143
Esboço 96 – Ali an ças que não Agra dam
a Deus, 144
Esboço 97 – Res ta be le cen do o
Ver da de i ro Cul to, 145
XV – ESBOÇOS EM ESDRAS, 146 Esboço 98 – Os Se gre dos do Suces so
Mi nis te ri al de Esdras, 146
Esboço 99 – Ain da há Espe ran ça para
Isra el, 147
XVI – ESBOÇOS EM NEEMIAS,
148
Esboço 100 – Ne e mi as – O Ho mem que
se Co lo cou na Bre cha, 148
Esboço 101 – A Ale gria do Se nhor é a
Nos sa For ça, 149
XVII – ESBOÇOS EM ESTER, 150 Esboço 102 – Os Hu mi lha dos Se rão
Exal ta dos, 150
XVIII – ESBOÇOS EM JÓ, 151 Esboço 103 – As Cin co Vir tu des de JÓ,
151
Esboço 104 – A Dis ci pli na de Deus, 153 Esboço 105 – Su pe ran do as
Expecta ti vas, 154
Esboço 106 – Espe rança Ina ba lá vel, 155 Esboço 107 – Ten do Cer te za na
Incer te za,156
Esboço 108 – O Ver da de i ro Te sou ro,
157
Esboço 109 – Deus Trans for ma o Nos so
Azar em Sor te, 158
XIX – ESBOÇOS EM SALMOS,
159
Esboço 110 – A Cer te za da Ora ção
Res pon di da,159
Esboço 111 – A Pu re za da Pa la vra do
Se nhor, 160
Esboço 112 – O Pas tor dos Pas to res, 161 Esboço 113 – Quem é o Rei da Gló ria?,
162
Esboço 114 – A Ma nhã da Ale gria está
Nas cen do na sua Vida, 163
Esboço 115 – A Se gu ran ça de quem
Teme ao Se nhor, 164

Esboço 69 – Os Seis Pas sos da


Ver da de i ra Ado ra ção, 111
Esboço 70 – É Deus Quem dá Nome ao Ho mem, 112
Esboço 71 – Na Mesa com o Rei, 114
Esboço 72 – Co ro a do no Ter ri tó rio Ini mi go, 116
Esboço 73 – De fen da o Cam po que Deus lhe Deu, 117
Esboço 74 – Iden ti fi can do os
Ver da dei ros Ami gos, 118

XI – ESBOÇOS EM 1 REIS, 119 Esboço 75 – O Ca mi nho da Ver da dei ra


Pros pe ri d a de, 119
Esboço 76 – Res pos ta para To das as Suas Dú vi das, 120
Esboço 77 – Deus Faz Acon te cer o Impre vi sí vel,121
Esboço 78 – Deus Faz Acon te cer com Quem não Pode Acon te cer, 122
Esboço 79 – Res ta u ran do o Altar do Se nhor, 123
XII – ESBOÇOS EM 2 REIS, 124 Esboço 80 – As Qu a tro Escolas da Vida, 124
Esboço 81 – Unção Du pli ca da, 126 Esboço 82 – O Ca rá ter de um Ho mem de Deus, 127
Esboço 83 – Os Sete Mer gu lhos da Vi tó ria, 128
Esboço 84 – Dia de Boas No vas, 130 Esboço 85 – O Deus que Re ver te
Si tu a ções Irre ver sí ve is, 131
XIII – ESBOÇOS EM 1
CRÔNICAS, 132
Esboço 86 – Os Cin co Pi la res da Ora ção de Ja bes, 132
Esboço 87 – Ros tos de Leões e Pés de Ga ze las, 133
Esboço 88 – Se gre dos de um Lí der Vi to ri o so, 134
Esboço 89 – O Deus da Com pa i xão e Mi se ri cór dia, 136
XIV – ESBOÇOS EM 2
CRÔNICAS, 137
Esboço 90 – Inte li gên cia para Pe dir, 137 Esboço 91 – As Duas Co lu nas do Tem plo, 138
Esboço 92 – Como a Gló ria de Deus se Ma ni fes ta, 139
Esboço 116 – Cin co Con se lhos para se Ter uma Vida Lon ga, 165
Esboço 117 – Deus De se ja a Nos sa Pros pe ri da de, 167
Esboço 118 – O Po der da Pa ciên cia, 168 Esboço 119 – A Úni ca Be bi da da Alma, 169
Esboço 120 – Co ra ção Trans for ma do, 170
Esboço 121 – Espe ran ça e Con fi ança da Ju ven tu de, 171
Esboço 122 – O Per fe i to Juiz do
Uni ver so, 172
Esboço 123 – Sol e Escu do – Duas Me tá fo ras de Deus, 173
Esboço 124 – Um Qu ar te to Di vi no, 174 Esboço 125 – A Be le za de Deus, 175 Esboço 126 – Re no va
dos como Águi as, 176
Esboço 127 – Não há Por ta que Deus Não Abra, 178
Esboço 128 – Ergui do por Deus do Pó para o Po di um, 179
Esboço 129 – As Por tas da Vi tó ria, 180 Esboço 130 – Os Sete Símbo los da Pa la vra de Deus, 181
Esboço 131 – O Gu ar da Fiel do Seu Povo, 183
Esboço 132 – Con fi an ça Ina ba lá vel, 184 Esboço 133 – Sor te Res ta u ra da, 185 Esboço 134 – Duas
Armas Infa lí ve is, 186
XX – ESBOÇOS EM
PROVÉRBIOS, 187
Esboço 135 – O Gri to da Sa be do ria, 187 Esboço 136 – As Fon tes da Vida, 188 Esboço 137 – O Pro gres
soEspi ri tu al do Cren te, 189
Esboço 138 – As Sete Co lu nas da Sa be do ria, 190
Esboço 139 – O Se gredo da Ver dade i ra Ri que za, 192
Esboço 140 – Os Qu a tro Ma i o res Prin cí pi os da Bí blia, 193
Esboço 141 – As Qu a li da des de uma Mu lher Sá bia, 194
Esboço 142 – A Vi tó ria Vem do Se nhor, 195
Esboço 143 – Os Gran des Va lo res da Mu lher Vir tu o sa, 196

XXI – ESBOÇOS EM
ECLESIASTES, 197
Esboço 144 – Duas Co i sas Que Nun ca Pode Fal tar em Nós, 197
Esboço 145 – Lem bra-Te do Teu Cri a dor, 198
Esboço 146 – Os Dois De ve res do Ho mem, 199
XXII – ESBOÇOS EM CANTARES DE SALOMÃO, 200
Esboço 147 – Co i sas Me lho res do que o Vi nho, 200
Esboço 148 – A For mo su ra da No i va de Cris to, 201
Esboço 149 – A For ça do Amor, 203
XXIII – ESBOÇOS EM ISAÍAS, 204
Esboço 150 – Um Me ni no Pro dí gio, 204
Esboço 151 – Os Sete Espí ri tos de Deus, 206
Esboço 152 – As Fon tes de Sal va ção, 208
Esboço 153 – O que Deus De ci diu Está De ci di do, 209
Esboço 154 – A que Hora Esta mos da No i te?, 210
Esboço 155 – O Avi va men to Vem do Alto, 211
Esboço 156 – A Gló ria do Se nhor se Ma ni fes ta rá,212
Esboço 157 – Vi ta mi na Espi ri tu al para o Fra co,214
Esboço 158 – Agin do Deus Quem Impe di rá?, 215
Esboço 159 – Se den tos Pelo
Avi va men to, 216
Esboço 160 – O Olhar da Sal va ção, 217
Esboço 161 – O Incom pa rá vel, 218
Esboço 162 – O Re den tor de Isra el, 219
Esboço 163 – O Deus que não se Esque ce,220
Esboço 164 – Cin co Ver da des que os Ara u tos De vem Anun ci ar, 221
Esboço 165 – A Su fi ciên cia do Sa cri fí cio de Cris to, 223
Esboço 166 – Ampli an do as Fron te i ras da Igre ja de Cris to, 225
Esboço 167 – O Cre diá rio da Salva ção, 227
Esboço 168 – O Po der da Mão do Se nhor, 228
Esboço 190 – Cru zan do a Li nha de Che gada, 254
XXVIII – ESBOÇOS EM OSÉIAS, 255
Esboço 191 – Três Co i sas que Fal tam na Ter ra, 256
Esboço 192 – Duas Co i sas que Deus Quer do Seu Povo, 257
Esboço 193 – É Tem po de Bus car ao Se nhor, 258
XXIX – ESBOÇOS EM JOEL, 259
Esboço 194 – A Trom be ta do
Avi va men to, 259
Esboço 195 – Res ti tu i ção dos Anos Per di dos, 260
Esboço 196 – A Hora da De ci são, 261
XXX – ESBOÇOS EM AMÓS, 262
Esboço 197 – Pre pa ran do-se para o Arre ba ta men to, 262
Esboço 198 – Avi va men to é uma Qu es tão de So bre vi vên cia, 263
XXXI – ESBOÇOS EM OBADIAS, 264
Esboço 199 – O Sal va dor de Sião, 264
XXXII – ESBOÇOS EM JONAS, 265
Esboço 200 – O Su ces so da Pre ga ção de Jo nas, 265
XXXIII – ESBOÇOS EM
MIQUÉIAS, 266
Esboço 201 – As Ca rac te ris ti cas do Ver da de i ro Pro fe ta, 266
Esboço 202 – O Ilustre Ci da dão de Be lém, 267
XXXIV – ESBOÇOS EM NAUM, 268
Esboço 203 – Cal ça dos pelo Evan ge lho da Paz, 268
XXXV – ESBOÇOS EM
HABACUQUE, 270
Esboço 204 – Qu a tro Se gre dos de um Avi va men to, 270
Esboço 205 – Andan do nas Altu ras, 272
XXXVI – ESBOÇOS EM
SOFONIAS, 273
Esboço 206 – O Gran de Dia do Se nhor, 273
Esboço 207 – Sete Pri o ri da des que De ve mos Bus car, 274

Esboço 169 – Le van ta-te e Res plan de ce, 229


Esboço 170 – As Por tas Esta rão Aber tas para Você, 230
Esboço 171 – O Ador no da No i va de Cris to, 231

XXIV – ESBOÇOS EM JEREMIAS, 233


Esboço 172 – A Vi são do Ho mem Cha ma do Por Deus, 233
Esboço 173 – Pas to res Se gun do o Co ra ção de Deus, 234
Esboço 174 – Deus Pro cu ra Ho mens para Usar, 235
Esboço 175 – As Três Úni cas Ra zões para os Ho mens se Glo ri a rem, 237
Esboço 176 – A Me lhor de To das as Fon tes, 239
Esboço 177 – Os Pen sa men tos de Deus, 240
Esboço 178 – Há Espe ran ça para o Teu Fu tu ro, 241
Esboço 179 – Além do que Ima gi na mos, 242
XXV – ESBOÇOS EM
LAMENTAÇÕES DE JEREMIAS, 243
Esboço 180 – A Ines go tá vel Fon te da Mi se ri cór dia, 243
Esboço 181 – Três Co i sas Boas para o Ho mem na Afli ção, 244
Esboço 182 – Avi vamen to é Re no va ção Espi ri tu al,245
XXVI – ESBOÇOS EM EZEQUIEL, 246
Esboço 183 – A Po si ção do Ho mem que Deus quer Usar, 246
Esboço 184 – A Infa li bili da de da Pa la vra de Deus, 247
Esboço 185 – O Avi va men to Acon te ce Onde Não Ima gi na mos, 248
Esboço 186 – O Ca mi nho da Gló ria do Se nhor, 250
Esboço 187 – As Águas do Avi va men to, 251
XXVII – ESBOÇOS EM DANIEL, 252
Esboço 188 – Imu ni da de Espi ri tu al,253
Esboço 189 – Deus Aba te a So ber ba, 214

XXXVII – ESBOÇOS EM AGEU, 276


Esboço 208 – A Gló ria da Últi ma Casa, 276
XXXVIII – ESBOÇOS EM
ZACARIAS, 277
Esboço 209 – O Se nhor Re je i ta a Acu sa ção do Di a bo, 277
XXXIX – ESBOÇOS EM
MALAQUAIS, 278
Esboço 210 – Di fe ren te para Fa zer a Di fe ren ça, 278
XL – ESBOÇOS EM MATEUS, 279
Esboço 211 – O Pri me i ro Pas so para ser Ci da dão do Re i no de Deus, 279
Esboço 212 – A Arma que Je sus Usou para Ven cer o Di a bo, 280
Esboço 213 – O paradoxo da Fe li ci da de, 281
Esboço 214 – O Cris tão Sal e Luz, 283
Esboço 215 – Os Três Se gre dos de uma Ora ção Efi caz, 285
Esboço 216 – Que Ho mem é Este?, 286
Esboço 217 – O Ma i or dos Ma i o res, 288
Esboço 218 – Os Qu a tro Ti pos de Solo do Co ra ção Hu ma no, 290
Esboço 219 – Cris to – O Te sou ro Escon di do, 292
Esboço 220 – A Pé ro la de Gran de Va lor, 293
Esboço 221 – As Li ções Espi ri tu a is da Mu lherCa na néia, 294
Esboço 222 – A Pe dra Fun da men tal da Igre ja, 296
Esboço 223 – Fé que Re mo ve
Mon ta nhas, 298
Esboço 224 – Deus Faz o Impos sí vel, 299
Esboço 225 – Dois Gran des Erros que os Ho mens Co me tem, 300
Esboço 226 – Empre go e Sa lá rio para To dos, 301
Esboço 227 – O Imen su rá vel Po der da Ora ção, 303
Esboço 228 – As Três Co i sas mais Impor tan tes da Lei, 304
Esboço 229 – A Mu lher que So nhou com Je sus, 306
Esboço 230 – O Ven ce dor da Mor te, 307
Esboço 231 – A Cons tan te Pre sen ça de Cris to, 308

XLI – ESBOÇOS EM MARCOS, 309


Esboço 232 – Le van ta-te e Vem para o Meio, 309
Esboço 233 – As Três Eta pas de uma Cha ma da, 310
Esboço 234 – O Per fe i to Po der
Li ber ta dor de Je sus, 312
Esboço 235 – O que Está Fal tan do em Você?, 313
Esboço 236 – Que Qu e res que Eu te Faça?, 315
Esboço 237 – Três Adver tên ci as de Je sus para o Cris tão, 316
Esboço 238– A Exten são Qu a dri men si onal do Evan ge lho de Cris to, 317
XLII – ESBOÇOS EM LUCAS, 318
Esboço 239 – O Ver da de i ro Sen ti do do Na tal, 318
Esboço 240 – O Per fe i to Mo de lo de Cres ci men to,319
Esboço 241 – As Qu a li da des de João Ba tis ta, 321
Esboço 242 – O Po der do Espí ri to San to na Vida de Je sus, 322
Esboço 243 – Blin da gem Espi ri tu al,323
Esboço 244 – As Li ções do Bom
Sa ma ri ta no, 324
Esboço 245 – O Vi ni cul tor
Mi se ri cor di o so, 326
Esboço 246 – A Cen té si ma Ove lha, 327
Esboço 247 – As Li ções do Fi lho
Pró di go, 328
Esboço 248 – O Gri to de uma Alma Per di da por Mis sões, 330
Esboço 249 – Co i sas que De ve mos nos Lem brar, 332
Esboço 250 – O Po der da Per se ve ran ça, 333
Esboço 251 – Sal vo na Últi ma Hora, 334
Esboço 252 – Re ves ti men to de Po der, 335
XLIII – ESBOÇOS EM JOÃO, 337
Esboço 253 – O Ver bo Di vi no, 337
Esboço 254 – Eis o Cor de i ro de Deus, 338
Esboço 255 – As Li ções do Pri me i ro Mi la gre de Je sus, 340
Esboço 256 – Aula Par ti cu lar Com o Mes tre dos Mes tres, 342
Esboço 283 – Os Se gre dos de uma Igre ja Bem Su ce di da, 384
Esboço 284 – Dois Pas sos Impor tan tes para o Avi va men to, 387
Esboço 285 – Je sus Cris to é a Pe dra Angu lar, 389
Esboço 286 – O Po der Sal va dor do Nome de Je sus, 391
Esboço 287 – Três Se gre dos de uma Igre ja Avi va da, 392
Esboço 288 – O Tes te mu nho Mais Po de roso da His tó ria, 394
Esboço 289 – Os Dois Mi nis té ri os mais Impor tan tes da Igre ja, 396
Esboço 290 – Os Se gre dos de um Diá co no Di fe ren ci a do, 398
Esboço 291 – Avi va men to em Sa ma ria, 399
Esboço 292 – Re cru ta do pelo Pró prio Cris to, 400
Esboço 293 – Qu a tro Se gre dos de uma Igre ja que Cres ce, 402
Esboço 294 – As Três Vir tu des de Bar na bé, 404
Esboço 295 – Cha ma dos pelo Espí ri to San to, 406
Esboço 296 – O Cla mor Mis si o ná rio Das Na ções, 407
Esboço 297 – Avi va men to em Co rin to, 409
Esboço 298 – A Ma i or Ma ra vi lha de Éfe so, 411
Esboço 299 – As Qu a tro Ânco ras do Cris tão, 413
XLV – ESBOÇOS EM ROMANOS, 415
Esboço 300 – O Po der do Evan ge lho de Cris to, 415
Esboço 301 – As Fon tes da Jus ti fi ca ção, 417
Esboço 302 – Gu i a dos pelo Espí ri to de Deus, 419
Esboço 303 – Os Três Sig ni fi ca dos do Re i no de Deus, 420
Esboço 304 – O Obre i ro Apro va do, 422
XLVI – ESBOÇOS EM 1
CORINTIOS, 423
Esboço 305 – O paradoxo da Cruz, 423
Esboço 306 – Qu a tro Va lo res que Cris to se Tor nou, 425
Esboço 307 – As Três Ma i o res Vir tu des do Cris ti a nis mo, 427
Esboço 257 – O Imen su rá vel Amor de Deus, 344
Esboço 258 – Encon tran do-se com a Fon te da Vida, 345
Esboço 259 – A Di fe ren ça Entre o Fal so e o Ver da de i ro Ado ra dor, 346
Esboço 260 – O Sal va dor do Mun do, 347
Esboço 261 – Che gou a Sua Vez de Ser Aben ço a do, 349
Esboço 262 – Je sus Cris to é o Pão da Vida, 350
Esboço 263 – O Ma i or Pre ga dor da His tó ria, 352
Esboço 264 – O Ilu mi na dor do
Uni ver so, 354
Esboço 265 – O Li ber ta dor dos Escra vos do Pe ca do, 356
Esboço 266 – Cris to é o Mo de lo para To dos os Pas to res, 357
Esboço 267 – Para Je sus Nada Está Per di do, 358
Esboço 268 – A Re com pen sa de Ser vir a Je sus, 359
Esboço 269 – O Ma i or Exem plo do Mes tre dos Mes tres, 360
Esboço 270 – O Ca mi nho Ver da dei ro, 361
Esboço 271 – O Po der do Nome de Je sus, 362
Esboço 272 – A Paz Ver da de i ra, 364
Esboço 273 – No me a dos para dá Fru to, 365
Esboço 274 – O Espí ri to da Ver da de, 367
Esboço 275 – O Ven ce dor do Mun do, 368
Esboço 276 – A Uni da de da Di vin da de, 370
Esboço 277 – A Per gun ta de Pi la tos, 372
Esboço 278 – Eis o Ho mem!, 373
Esboço 279 – A Con ver são de um Cé ti co,375

XLIV – ESBOÇOS EM ATOS DOS APÓSTOLOS, 377


Esboço 280 – O Po der Mo ti va dor da Evan ge li za ção, 377
Esboço 281 – Os Qu a tro Si na is do Pen te cos tes, 379
Esboço 282 – Os Se gre dos de um Ser mão Bem Su ce di do, 382
Esboço 308 – A Trom be ta do
Arre ba ta men to, 429
XLVII – ESBOÇOS EM 2
CORINTIOS, 431
Esboço 309 – Os Cin co Se gre dos do Tri un fo da Igre ja, 431
Esboço 310 – A Su pe ri o ri da de do Mi nis té rio da Nova Ali an ça, 433
Esboço 311 – O Tri bu nal de Cris to, 435
Esboço 312 – A Vir gin da de Espi ri tu al da Igre ja, 436
XLVIII – ESBOÇOS EM GÁLATAS, 437
Esboço 313 – O Nos so DNA Di vi no, 437
Esboço 314 – As Nove Com po si ções do Fru to do Espí ri to, 439
Esboço 315 – As Mar cas de Cris to, 444
XLIX – ESBOÇOS EM ÉFESIOS, 446
Esboço 316 – As Sete Uni da des do Cris ti a nis mo, 446
Esboço 317 – Os Cin co Pi la res
Mi nis te ri a is da Igre ja, 449
Esboço 318 – As Três Com po si ções do Fru to da Luz, 452
Esboço 319 – A Arma du ra de Deus, 454
L – ESBOÇOS EM FILIPENSES, 456
Esboço 320 – O Ma i or Nome do
Uni ver so, 456
Esboço 321 – A Du pla Ale gria do Cris tão, 458
LI – ESBOÇOS EM
COLOSSENSES, 460
Esboço 322 – O Evange lho da
Espe ran ça, 460
Esboço 323 – Os Gran des Te sou ros de Cris to, 462
Esboço 324 – A Ple ni tu de da Di vin da de, 464
Esboço 325 – A Sua Dí vi da com Deus já foi Paga, 466
Esboço 326 – O Tri un fo de Cris to da Cruz, 468
Esboço 327 – Des pin do-se do Ve lho Ho mem, 470
Esboço 328 – Apro ve i tan do as
Opor tu ni da des, 471
Esboço 329 – Lu cas – O Mé di co
Amo ro so, 473

LII – ESBOÇOS EM 1

TESSALONICENSES, 475 Esboço 330 – Cha ma dos para a


San ti fi ca ção, 475
Esboço 331 – Cin co Fa tos que
Acon te ce rão no Dia do Arre ba ta men to
da Igreja, 476
LIII – ESBOÇOS EM 2
TESSALONICENSES, 478 Esboço 332 – O Du e lo Ven ce dor do
Ho mem da Jus ti ça Con tra o Ho mem da
Ini qui da de, 478
Esboço 333 – Três Co i sas Boas, 4480 LIV – ESBOÇOS EM 1 TIMÓTEO,
481
Esboço 334 – O Tri pé da Ben ção
Mi nis te ri al, 481
Esboço 335 – O Úni co Me di a dor Entre
Deus e o Ho mem, 483
Esboço 336 – A Exce lên cia do
Mi nis té rio, 485
Esboço 337 – Os Ma i o res Mis té ri os da
Bí blia, 486
Esboço 338 – Os De sa fi os de um Pas tor
Jo vem, 488
Esboço 339 – A Igre ja do Deus Vivo,
490
Esboço 340 – O Pre pa ro Inte lec tu al e
Espi ri tu al do Pas tor, 492
Esboço 341 – Seis Co i sas que o Ho mem
de Deus deve Se guir, 494
LV – ESBOÇOS EM 2 TIMÓTEO,
497
Esboço 342 – O Re a vi va men to do
Obre i ro, 497
Esboço 343 – O De po si tá rio Fiel, 498 Esboço 344 – As Ca rac te rís ti cas do
Obre i ro Apro va do, 499
Esboço 345 – O Obre i ro com Selo de
Qu a li da de Di vi na, 501
Esboço 346 – Qu a tro Co i sas que o
Jo vem Deve Se guir, 502
Esboço 347 – As Cin co Prin ci pa is
Uti li da de das Escri tu ras,504
Esboço 348 – As Três Com pa ra ções do
Obre i ro Ven ce dor, 506
Esboço 349 – O Obre i ro Indis pen sá vel
para o Mi nis té rio, 507
LVI – ESBOÇOS EM TITO, 508 Esboço 350 – O Obre i ro Pa drão, 508 Esboço 351 – As
Con di ções para Ser
Her de i ro de Deus, 509
LVII – ESBOÇOS EM FILEMOM,
511
Esboço 352 – O Inú til Trans for ma do em
Útil, 511
LVIII – ESBOÇOS EM HEBREUS,
513
Esboço 353 – A Su pe ri o ri da de de
Cris to, 513
Esboço 354 – Duas Co i sas que De ve mos
Se guir, 515
Esboço 355 – O Sig ni fi ca do do Altar na
Vida do Obre i ro, 516
LIX – ESBOÇOS EM TIAGO, 517 Esboço 356 – O Pai das Lu zes, 517 Esboço 357 – Che
gai-vos a Deus, 518 LX – ESBOÇOS EM 1 PEDRO,
519
Esboço 358 – Ge ra ção Ele i ta, 519 LXI – ESBOÇOS EM 2 PEDRO,
521
Esboço 359 – O Cres ci men to Per fe i to,
521
LXII – ESBOÇOS EM 1 JOÃO,
523
Esboço 360 – O Po der do San gue de
Je sus, 523
Esboço 361 – A Últi ma Hora da Igre ja
na Ter ra, 525
Esboço 362 – A Unção que Faz a
Di fe ren ça, 527
LXIII – ESBOÇOS EM 2 JOÃO,
529
Esboço 363 – Per ma ne cen do na
Dou tri na Cris to, 529
LXIV – ESBOÇOS EM 3 JOÃO,
530
Esboço 364 – A Per fe i ta Pros pe ri da de,
530
LXV – ESBOÇOS EM JUDAS, 532 Esboço 365 – Três Co i sas que De vem
Ser Mul ti pli ca das, 532
LXVI – ESBOÇOS EM
APOCALIPSE, 454
Esboço 366 – O Ven ce dor, 534
De di ca tó ria
Ao Gran de Deus e Pai de Nos so Se nhor e Sal va dor Je sus Cris to, que pelo
Espí ri to San to,nos ins pi rou na pes qui sa e re da ção des te li vro. A mi nha
que ri da es po sa, Cris ti a ne de Je sus, que me apo i ou nos mo men - tos de in
ten sa con cen tra ção no pre pa ro des ta obra e aos nos sos fi lhos Erick de Je
sus e Ke vin de Je sus. A to dos os pas to res, ami gos que nos ce dem o púl pi to
de suas igre jas para mi nis trar mos a po de ro sa Pa la vra de Deus em suas fes
ti vi da des. E a todos os ir mãos, que di re ta ou in di re ta men te con tri bu í
ram para re a li za ção des ta obra.

Pr. Eri val do de Je sus Ve rão de 2010


So bre o Au tor
Eri val do de Je sus Pi nhe i ro, mi nis tro do Evan ge lho, Escri tor, Ba cha - rel
em Di re i to, Ba cha rel em Te o lo gia e Confe rên cista Inter na ci o nal, é fi lho
de Ma noel Alves Pi nhe i ro e Eu ni ce Sa lo mea de Je sus, é na tu ral de San ta
Bár ba ra – BA, é ca sa do com Cris ti a ne de Je sus Ba tis ta Sou sa Pi nhe i ro e
pos sui dois fi lhos: Erick de
Ke vin de Je sus Ba tis ta Sou sa Pi nhe i ro,
Je sus Ba tis ta Sou sa Pi nhe i ro e e con gre ga na Igre ja Evan gé li -

ca Assemble ia de Deus – Mi nis té rio do Be lém – Sede – São Pau lo.


APRESENTAÇÃO
Sen t i-me mu i to honra do re ce ber o con vi te, para apre sentar ao pú - bli co le
i tor de boas obras, o li vro que tem o tí tu lo: “366 ESBOÇOS BÍBLICOS!” A
le i tu ra des ta pre ci o sa
do res do evan ge lho en ri que cer seus
obra aju da rá aos mu i tos pre ga co nhe ci men tos na ho mi lé ti ca,

pois o li vro que ago ra che ga as suas mãos tem um te sou ro de te mas e men sa
gens com em ba sa men to bí bli co
obra con tri bu i rá para que o le i tor te nha
e teó ri co. Sem dú vi da, essa ma i or fa ci li da de na pre ga ção

do evan ge lho. As suas men sa gens bí bli cas


con tri bu i rão para me lhor pre pa ra ção dos
e prin ci pal men te di dá ti cas seus ser mões.

O li vro “366 ESBOÇOS BÍBLICOS!” é um pre mio ao pú bli co le i tor, pois,


con tém uma ver da de ira fon te de
Deus des ti na das ao co ra ção dos ho mens. O
pre ci o sas men sagens de au tor Pas tor Eri val do de

Je sus é um per so na gem da nova ge ra ção, que se des ta ca como es cri tor e en
si na dor da Pa la vra de Deus, um bom ir mão e ami go dos pas to - res no Bra
sil.

As ex pe riên ci as de seu mi nis té rio un gi do so mam-se a sua cul tu ra bí bli


ca e se cu lar,re sul tan do numa la vra de bons e ori en ta dores li vros para nos
sa ge ra ção. Ga nhar al mas para o Re i no de Deus tem sido o resul ta do de seu
bri lhante mi nis té rio, os seus co nhe ci men tos te o ló gi cos ali cer ça dos em
sua fé cris tã, re ve lam sim pli ci da de de um pre ga dor de boas no vas de sal va
ção.

O li vro em epí grafe ajuda a des per tar o dom que está la ten te na alma dos cha
ma dos por Deus, como pre ga do res da vi to ri o sa sal va - ção em Je sus Cris
to. Os que de se jam exer cer o seu mi nis té rio com su ces so, e usar o seu púl pi
to com ma i o res co nhe ci men tos so bre a pes soa de JESUS, e a sua OBRA,
torna-se in dis pensá velà le i tu ra des - te li vro. Faça des te li vro uma fon te de
con sul tas diá ri as.

José Wel ling ton Be zer ra da Cos ta Pas tor Pre si


dente da CGADB
ADIB – ACADEMIA DE INTELIGÊNCIA
BÍBLICA
A ADIB – ACADEMIA DE INTELIGÊNCIA BÍBLICA , é uma Edi to ra que
nas ceu com o ob je ti vo de pu bli car obras que ex plo ram os te sou ros da Sa
be do ria e Inte li gên cia Bí bli ca. A Bí blia é uma gran de mina de te sou ros
ines go tá ve is. O es cri tor sa cro é um ca ça dor de te - sou ros des ta mina ines
go tá vel cha ma da Bí blia Sa gra da. Por mais que se te nha ex plo ra do esta
mina atra vés dos sé cu los, os seus re cur sos es tão mu i to lon ge de se rem es
go ta dos. Por mais que se te nha pu bli ca do mi lha res e mi lha res de li vros
acer ca da Bí blia; ainda não se ex plo rou 10 % (dez por cen to) de sua gran de ri
que za. Em Cristo es tão es con di dos to dos os te sou ros da Sa be do ria e do
Co nhe ci men to (CL. 2.3). E, em Isa ías 45.3, Ele dis se: “Dar-te-ei os te sou ros
es con di dos e as ri que - zas en co ber tas, para que sa i bas que EU SOU o
SENHOR, o Deus de Israel, que te cha ma pelo teu nome”. Por tanto, a ADIB
EDITORA, pri ma pela ex ce lên cia da Sa be do ria e
for ma ção aca dê mi ca, tan to na área
Inte li gên cia Bí bli ca. De vi do a sua te o ló gi ca, como na área ju rí di ca, o

pas tor e dou tor Eri valdo de Je sus explo ra atra vés dos seus li vros, a influên
cia da Bí blia em todos os ra mos do co nhe ci men to. Os seus dois li vros mais
co nhe ci dos: “SUPER INTERESSANTE! 500 CURIOSIDADES BÍBLICAS
VOLUMES 1 E 2”, já ven de ram mais de 50.000 (cinquenta mil) exem pla res.
Ago ra, a ACADEMIA DE INTELIGÊNCIA BÍBLICA tem a hon ra de lan çar
três li vros iné di tos do pastor e dou tor Eri val do de Jesus, cu jos tí tu los são:
1) “JESUS CRISTO, O MAIOR ADVOGADO QUE EXISTE!” Nes te li vro, o
au tor fun de a Te o lo gia com o Di re i to, e mos tra Je sus Cris to como o Advo
ga - do dos pe ca do res, e sua obra de me di a ção di an te do Tri bu nal do Uni
ver so, para de fen der e ab solver os pe ca do res da con de na ção eter na; 2) “A
BÍBLIA COMO FONTE HISTÓRICA DO DIREITO”. Nes te li vro, o au tor de
sen vol ve uma tese em sua mo no gra fia de con clu são do Cur so de Di re i to
pela Uni ver si da de São Fran cis co, um novo ramo da Te o logia pou co ex
plora do,que pode ser de no mina do de “Te o lo giado Di re i - to” ou “Te o lo
gia Ju rí di ca”, mos trando a in fluência da Bí blia em to das as áre as do Di re i
to; e 3) “366 ESBOÇOS BÍBLICOS!” Nes te li vro, o au - tor apre sen ta 366
Esbo ços Te má ti cos ex tra í dos dos 66 li vros da Bí - blia. O autor usa toda a
sua expe riên cia como pre ga dor do Evange lho de Cris to, já tendo pre ga do
em mais de uma de ze na de na ções do mun do, tan to da Amé ri ca do Sul,
como na Amé ri ca do Nor te, Eu ro pa e Ásia; além de mi nis trar em gran des
even tos pelo Brasil, in clu si ve como pre ga dor ofi ci al da 38ª Assem bléia Ge
ral Ordiná ria da CGADB
– CONVENÇÃO GERAL DAS ASSEMBLÉIAS DE DEUS NO BRASIL, ocor
ri da no Pa lá cio de Con ven ções do Anhem bi – São Pa u lo. Além des tes li
vros, o autor ain da es cre ve para a Juven tu de e a Fa mí lia Cris - tã, através do
livro: “ÉTICA CRISTÃ, NO NAMORO, NOIVADO E CASAMENTO”; es cre
ve so bre fé e mi la gres, atra vés do li vro: “7 COISAS IMPOSSÍVEIS QUE
DEUS FARÁ NA SUA VIDA”; es cre ve so bre o Espí ri to San to, atra vés do li
vro: “O MOVER DO ESPÍRITO SANTO NA TERRA”; e, ainda es cre ve so bre
o Apoca lip se e o fi nal dos tem pos, atra vés do li vro: “ESCATOLOGIA
BÍBLICA – UM TRATADO SOBRE O FIM DO MUNDO”. Todos es tes livros
e ou tros ma te ri a is de es tu do do pas tor e dou tor Eri val do de Je sus, pode
ser ad qui ri do atra vés da Loja Vir tu al da ACADEMIA DE INTELIGÊNCIA
BÍBLICA: www.adi be dito ra.com.br.
DEZ PERGUNTAS QUE OS PREGADORES
MAIS FAZEM
1) Como fa zer para me tor nar um pre ga dor bem su ce di do?

RESPOSTA: O su ces so do pre ga dor está na sua vida de vo ci o nal. Duas co i


sas são pri mor di a is na vida de um pre ga dor: Ora ção e le i tura da Pa la vra
de Deus (At. 6.4). Pro cu re manter uma mé dia diá ria de uma hora de ora ção na
pre sen ça de Deus; e, me di te di a ri a men te na Pa la vra de Deus.Exis te duas
for mas de você ler a Bí blia: A pri me i ra, é fa zer um pla no anu al de le i tu ra
da Bí blia, ao se propor a ler a Bíblia inte i ra uma vez por ano. A se gunda, é
estu dar um tema es pe cí fi co da Bí blia, e pre pa rar uma men sa gem em cima
do tema.

2) Como fa zer para me mo ri zar mu i tos ver sí cu los da Bí blia?

RESPOSTA: Mu i tas pes so as me per gun tam, qual o se gre do de se me mo ri


zar tan tos ver sí cu los? No meu caso es pe cí fi co, atri buo tudo isso como um
dom do Espí ri to San to. Não te nho do que me glo ri ar, a não ser no Senhor.
Entre tan to, cada um deve fa zer a sua par te. Em Jo. 14.26, Je sus dis se: “Mas
o Con so la dor, o Espíri to San to, a quem o Pai en vi a rá em meu Nome, esse
vos en si na rá to das as co i sas e vos fará lem brar de tudo o que vos te nho
dito”. Ora, o Espí ri to San to, só nos fará lem brar do que ou vi mos e apren de
mos. Uma dica para fa ci li tar a me mo ri za ção dos ver sí cu los,é es cre ver
toda a mensa gem que for pre gar, e se es me rar no es tu do do tema que será pre
ga do. Po rém, exis te uma di fe ren ça
ver sí cu lo,pode es que cê-lo
en tre, de co rar e apren der. Quem ape nas de co ra o de po is. Po rém,quem pro
cu ra apren der o ver sí cu

lo, não esque ce mais. Pro cu re apren der o tex to bí bli co, em vez de ape nas de
co rar. Uma ou tra dica para se me mo ri zar os ver sí cu los, é me mo ri zar os 66
li vros da Bí blia; e ter uma no ção bá si ca dos as sun tos prin ci pa is de cada li
vro da Bí blia. Quem não pos sui fa ci li da de para me mo ri zar ver sí cu los,
pode per fe i ta men te pre gar com es bo ço. Nin guém é obri ga doa pre gar sem
es bo ço, só por que al guns pre ga do res pre gam sem es bo ço. Po rém, ao pre
gar com es bo ço, não pre ci sa le var um ca der no de dez ma té ri as para o púl
pi to. Pro cu re ser bem dis cre to ao uti li zar o seu manu al de es bo ços; e, evi
te o povo pen sar que você está len do o ser mão in te i ro, para não per der o efe
i to prá ti co da men sa gem.

3) Como nas ce a pre pa ra ção de um ser mão ou es bo ço para se pre gar?

RESPOSTA: Existe vá ri as ma nei ras de um pre ga dor pre pa rar um ser mão,
um es bo ço, ou uma men sa gem para pre gar. Às ve zes, o pró prio Senhor nos
ins pi ra em um tema para pre gar, uti li zan do-se de vá ri os me i os. Um ser
mão pode nas cer de uma simples fra se que le mos em al gum lugar; de um sim
ples acon te ci men to no nos so dia a dia, onde po de mos ex tra ir uma li ção es
pi ri tu al; ou, atra vés de uma cur ta frase do pró prio tex to sa gra do que nos
cha mou a aten ção. Entretan to, nun ca po de mos nos es que cer que, a nos sa
mensa gem é Cris to. Cris to é o nosso as sunto. Cris to é a nos sa pre ga ção.
Cris to é o nos so en si no. Cris to é o nos so tema prin ci pal. Cris to é o con te ú
do pri - mor di al da nossa pre ga ção.

4)Qu a is as fer ramen tas prin ci pa is que devo pre pa rar um es bo ço?

RESPOSTA: Hoje, existe vá ri as fer ra mentas para se Nun ca se teve tan tas Bí
bli as de Estu do, como te mos em nos sos dias. Nun ca se teve tan tos di ci o ná
ri os e con cor dân ci as bí bli cas, como te mos em nos sos dias; e, nun ca se lan
çou tan to ma te ri al de es bo ços e sermões como em nos sos dias. Além, das fer
ra men tas que a Infor má ti ca ofe re ce em nossos dias, tais como: Bí blia on-
line; CD ROM de Estu dos Di gi ta is da Bí blia, e tan tos ou tros recur sos tec no
ló gi cos. As fer ra men tas bá si cas que um pre gador pre ci sa são: A Bí blia
(Exis te boas Bí bli as de Estu do no mer cado); um bom Di ci o ná rio Bí bli co,
para se pes quisar o sig ni fi ca do das pa la vras; uma boa Con cor dân cia Bí
blica, para pes qui sar to dos os ver sí cu los da Bíblia que fa lam so bre o assun
to que será pre gado; e, ou tros li vros au xi li ares.

5) Qual a im por tân cia da Te o lo gia na vida de um pre ga dor?

RESPOSTA: To dos aque les que de se jam um co nhe ci men to mais pro fun
do da Bí blia, devem fa zer um bom cur so de Teo lo gia. Ain da na mi nha ado
les - cên cia, fiz a se guin te pergun ta ao meu pas tor: “Deus usa quem não tem
es tu do?” Ele me res pon deu da se guinte for ma: “Sim, Deus usa quem não tem
es tu do. Po rém, quem es tu da, Deus pode usar mu i to mais”. O fato de Deus
usar no pas sa do, mu i tos ho mens sem es tu do, não é descul pa para o obre i ro
não que rer es tu dar. Bas ta olhar para a Bí blia, e você irá per ce ber que, os ho
mens que ti ve ram mais es tu do, fo ram os que Deus mais usou. Como se ria a
Bí - blia sem Mo i sés e sem Pa u lo? Mo i sés, um ho mem for ma do em to das
as ciên ci as do Egi to, es cre veu qua se um ter ço de toda a Bí blia (At. 7.22).
Pau lo,

uti li zar para

pre pa rar um es boço. um ho mem for ma do nas me lhores univer si da des de


Tar so,na Si cí lia, e alu no de Ga ma li el, um sá bio ra bi no Ju deu, es cre veu
13 Epís to las, e foi o men tor in te - lec tu al de toda a Te o lo gia Cris tã (At.
9.1-30; GL. 1.11-24). Aliás, por conci dên cia ou não; a arte da ora tó ria, fun da
men ta da em prin cí pi os dis ci pli na dos de con du ta, teve ori gem na Si cí lia,
por vol ta do sé cu lo V a.C, atra vés do si ra cu sa - no Co rax e seu dis cí pu lo
Ti si as. Foi nes te am bi en te dos mes tres da ora tó ria, que nas ceu o gran de
Após to lo dos Gen ti os. Se mu i tos dos nos sos lí de res não es tu da ram no pas
sa do, não foi por ne gli gên cia, e sim, pela ur gên cia de se fa zer a obra de
Deus; e também, por não existir tantas Esco las e Fa cul da des de Teo lo gia,
como te mos em nos sos dias. Hoje, com tan tos Cur sos de Teo lo gia que exis
tem, só não es tu da quem não quer. Da mesma forma que, no mun do se cu - lar,
mui tos es tão fican do para trás por não se atu a li zar fa zendo no vos cur sos
pro fissi o na li zantes; tam bém,na Igre ja, mu itos es tãofi can do para trás, por
não pro cu rar se atua li za rem a cada dia no es tu do da Pa la vra de Deus.

6)Qual a im por tân cia do es tu do das lín guas ori gi na is da Bí blia na vida
do pre ga dor?

RESPOSTA: Se o pre ga dor pu der fa zer um cur so de apro fun da men to no


Gre go e no He bra i co, que são as lín guas ori gi na is da Bí blia, óti mo. Po
rém, não pre ci sa o pre ga dor se pre o cu par com ex ces si vas ci ta ções de gre
go e he bra i co na men sa gem, por que, o nos so povo mal co nhe ce o portu
guês, quan to mais o gre go e o he bra i co. É preci so con si de rar tam bém, o
tipo de au di tó rio a que o pre ga dor es tar se di ri gin do. Je sus fa la va de co i
sas mu i to sim ples do dia a dia das pes so as. Quan do pre ga va para pes so as
da zona ru ral, Je sus fa la va de: Se me a dor, se men tes, solo, plan ta ções, co
lhe i tas, etc. (Mt. 13.1-43); co i sas que eles en ten di am mu i to bem. Porém,
quan do se di ri gia para pes so as que mo ra vam na ci da de,
las, pa trão, em pre ga dos,
Je sus fa la va de: Ban que i ros, co mer ci an tes de pé ro cre do res, ad mi nis tra
do res, ju í zes, fun ci o ná ri os pú

bli cos etc. (Mt. 13.44-46; Mt. 18.23-35; Mt. 25.14-30; Lc. 16.1-13; Lc. 18.1-
14). Não pro cu re fa lar de um as sun to que você não do mi ne bem; pro cu re fa
lar o que você mais co nhe ce. O ramo da Te o lo gia que es tu da as línguas ori
gi na is é a Te o lo gia Exe gé tica. A Exe ge se é a
gras es ta be le ci dos pela Her me nêuti ca Bí bli ca,
apli ca ção dos prin cí pi os e re - que é a arte de in ter pre tar o

tex to sa grado.
7. É er rado um pre gadorre pe tir a mes ma men sa gem que pre ga?

RESPOSTA: Não há ne nhum pro ble ma no pre ga dor re pe tir a mes ma men
sa gem. Uma vez ou vir um can tor dizer o se guin te: “Can tar é mais fácil do
que pre gar; pois, a gen te pode re pe tir o mes mo hino no mes mo cul to, e nin
guém re cla ma, o pró prio povo pede para re pe tir. Porém, o pre ga dor não
pode re pe tir a mes ma men sa gem no mesmo lu gar”. De certa for ma, aque le
can tor ti nha ra zão. Se o pre ga dor re pe tir a mes ma men sa gem no mes mo
lugar, o povo vai di zer que o pre ga dor está sem men sa gem. Entre tan to, o pre
- ga dor pode re pe tir a mensa gem em lu ga res di fe rentes. Aliás, a pró pria Bí
blia é re pe ti ti va. Vá ri as pas sa gens bí bli cas do Anti go Tes ta men to são re
pe ti das no pró prio Anti go Tes ta men to. Vá ri os Sal mos da Bí blia são re pe
ti dos. Vá ri as pas sagens do Novo Tes tamen to são re peti das no pró prio Novo
Tes tamen to. Vá ri os mi la gres de Je sus são re pe ti dos nos Evan ge lhos; vá ri
os en si nos de Je sus são re pe ti dos nos Evan ge lhos; vá ri os en si nos de Pa u
lo são re pe ti dos nas suas Epís to las; e, o pró prio Deus re pe tiu di ver sas Leis
a Mo i sés. Os pró pri os edu ca do res con cor dam que, a re pe ti ção tem a fi na
li da de pe da gó gica de fi xar me lhor o que se está en si nan do na mente das
pes so as. Um cer to pre ga dor afir mou que, um ser mão para ser bem pre ga do,
pre ci sa ser pre ga do no mí ni mo vin te ve zes. Po rém, o prega dor deve evi tar
ser mu i to re pe ti ti vo, a fim de não en fa dar os seus ouvin tes. Nem sem pre o
pre ga dor re pe te uma men sa gem, por não ter outras men sa gens para pre gar.
Às ve zes, ele mes mo se identi fi ca me lhor com um de ter mi na do tipo de
men sa gem, e o povo cor res pon de po si ti va men te, sem pre que ele pre ga
aque la men sa gem. Uma co i sa é cer ta, quan do Deus dá uma men sa gem ao
pre ga dor, é para edi fi ca ção de mi lha res de vi das, e não apenas para um
grupo se le to. Uma men sa gem que ser viu para edi fi car vi das num de ter mi
na do lu gar, pode edi fi car mu i tas vi das tam bém em ou tros lu ga res.
Entretan to, é acon se lhá vel o pre ga dor de re ci clar a cada dia, e re no var o
seu re per tó rio de ser mões a cada dia; princi pal men te, quando o pre ga dor é
con vi da do para pre gar no mes mo lugar por vá ri as ve zes.

8) Qual é a di fe ren ça en tre en si no e pre ga ção?

RESPOSTA: O en si no pos sui uma me to do lo gia mais ra ci o nal e pe da gó -


gi ca. Po rém, a pre gação pos sui uma me to do lo gia emo ci o nal e mo ti va ci
o nal. O en si no é mais pa u sa do; po rém, a pre ga ção é mais di nâ mi ca. O en
si no é mais len to; po rém, a pre ga ção é mais elo quen te. Entre tan to, ne nhum
é mais im por tan te do que o ou tro. O en si no e a pre ga ção an dam jun tos, e
são depen - den tes en tre si. Para con ven cer o pe ca dor, é pre ci so pre gar; po
rém, para man ter o pe ca dor ins tru í do, é
bem di fe ren ci ar um en si node
pre ci so en si nar. Mu i tas pes so as, ain da não sa - uma pre ga ção. Alguns re
sol vem en si nar quan

do de ve riam pre gar; e, ou tros re sol vem pre gar quan do de ve riam en sinar.
Pre ga do res e Ensi na dores não se en ten dem. O Pre ga dor acu sa o Ensi na
dor de frio e ra ci o nal; e, o Ensi na dor, por sua vez, acusa o Pre ga dor de emo
ti vo e sen sa ci o na lis ta. To da via, am bos es tãoer ra dos nes ta ma nei ra de
pen sar.Pois, Deus pre ci sa de am bos os mi nis té ri os para o aper fe i ço a men
to dos san tos. Para ins tru ir o povo, Deus usa os Ensi na do res; po rém, para
mo ti var o povo, Deus usa os Pre ga do res. Para en si nar e ins tru ir o povo,
Deus usa os Mes tres e Dou to res; po rém, para avi var e mo ti var o povo, Deus
usa os Evan ge lis tas. Je - sus era Pre ga dor e Ensi na dor (Leia Mt. 4.17 e Mt.
5.1-2; e, At. 1.1 e At. 10.38). O após to lo Pa u lo, era tam bém, Pre ga dor e Ensi
na dor (2 Tm. 1.11).

9)Qual a im por tân cia da ho mi lé ti ca e da her me nêuti ca na vida do pre


ga dor?

RESPOSTA: Para ser bem suce di do no minis té rio da prega ção, o pre ga dor
pre ci sa ter um co nhe ci men to bá si co de Ho milé ti ca e Her me nêuti ca. Ho
mi lé ti ca e Her me nêuti ca an dam jun tas na pre ga ção. Ho mi lé ti ca é a arte
de pre gar. Her me nêuti ca é a arte de in ter pre tar o tex to. O pre ga dor pre ci
sa co nhe cer bem es tas duas ciên ci as im por tantes. Ve ja mos:

•HOMILÉTICA: O ter mo “homi lé ti ca”, é ori undo da pa la vra gre ga “homi


le tike”, e sig ni fi ca “o en si no em tom fa mili ar”. O ver bo gre go “ho mi leo”
sig ni fi ca “con versar”; e, daí re sul tou o ter mo“ho mi lia”. Uma “ho mi lia”, é
tam bém uma “prega ção”, ou “con versa ção”. Exis te a Ho mi léti ca Se cu lar,
e a Ho milé ti ca Evan gé li ca. A Ho milé ti ca Se cu lar é a ciên cia que es tu da
a pre pa ra ção de dis cur sos. Pode ser um dis cur so: po lí ti co, fo ren se, ou aca
dê - mi co.Po rém, a Ho milé ti ca Evan gé li ca é a ciên cia que en si na os prin
cí pi os da Pre ga ção e da Ora tó ria Cris tã. Por isso, o Pre ga dor é tam bém cha
ma do de “Ora dor”. Os três ele mentos cha ves da Ho mi lé ti ca são: Ora tó ria,
Elo quên cia e Re tó ri ca. Ora tó ria é a arte de fa lar em pú bli co. Elo quên cia é
a arte na tural de ex pressar com fer vor a pa la vra. Re tó rica é o es tudo teó rico
e prá ti co das re gras de aper fe i ço a men to da pre ga ção.

•HERMENÊUTICA: Da mes ma for ma que existe a Ho mi lé ti ca Se cu lar e a


Ho milé ti ca Evan gé li ca; exis te tam bém, a Her me nêuti ca Se cu lar e a Her
me nêu tica Bí blica. A pa la vra “Her me nêu tica” é ori unda da pa la vra gre ga
“her mene ve in”, que sig ni fi ca “in terpretar”. Por tan to, a Her menêu ti ca é a
arte de in ter pre tar textos. Uma das co i sas que um Ju ris ta mais utili za para in
ter pre tar os tex tos da lei, é sem dú vi da, a Her me nêu ti ca Ju rí di ca. Po rém,
no caso do Pre ga dor, o que ele mais uti li za para inter pre tar os tex tos sa gra
dos é a Her me nêu ti ca Bí bli ca. Um bom her me nêu tada Bí blia tem tudo
parase tor nar um bom pre gador. Um bom her me nêu ta ju rí di co con se gue in
ter pre tar bem o tex to le galde um Có di go Ju rí di co; da mes ma for ma, um
bom her me nêu tabí bli ca con se gue in ter pre tar cor reta men te o tex to da Bí
- blia.A Her me nêuti ca Bí blica faz par te da Te o lo gia Exe gé ti ca,a qual, tra
ta da reta in te li gência na in ter pre ta ção das Escri tu ras Sa gra das. Uma das
pri me i ras ciên ci as que o pre ga dor deve co nhe cer é cer ta men te a Her me
nêuti ca. Mu i tas he re si as sur gem em nos sos dias, jus ta men te, por fal ta de
in ter pre ta ção cor reta dos tex tos sa grados. O bom pre gador deve co nhe cer
me lhor os princí pi os e re gras da Her me nêu ti ca Bí bli ca, para não ir além
do que está es cri to (1 Co.4.6). Exis te duas re gras fun da men ta is que o pre ga
dor pre ci sa co nhe cer:

1. A Bí blia ex pli ca ela mes ma: Não existe in ter pre ta ção par ti cular da Bí
blia. Qu al quer pre ga dor ou lí der re li gio so que in ter pre tar um tex to bí
blico sem ob ser var esta re gra fun da mental, pode de cla rá-lo he re ge. Em 2
Pd. 1.20, o após to lo Pe dro de i xou esta re gra bem cla ra, di zen do: “Sa ben
do
par ti cular
pri me i ra men te
in ter pre ta ção”.
isto: Que ne nhuma pro fe cia da Escri tu ra é de Ninguém pode cri ar ou for
mular uma dou tri

na em cima de uma in ter pre ta ção equi vo ca da do tex to sa gra do. Não adi an
ta o ho mem di zer: “Eu acho, eu pen so, ou afirmo que seja as sim”. Em Pv.
21.30, está es cri to que: “Não há sa be do ria, nem in te li gên cia, nem mes mo
con se lho con tra o Senhor”. A Pa la vra do Se nhor é perfe i ta e res ta u ra a
alma (SL. 19.7). Não há ne nhuma neces si da de de acrésci mo ou di mi nu i ção
do tex to sa gra do (Ap. 22.18-19). “Toda pala vra de Deus é pura; Ele é Escudo
para os que Nele con fi am. Nada acres cen tes às suas pa la vras, para que não te
re pre en da, e se jas acha do men ti ro so” (PV. 30.5-6). “Pu rís si ma é a tua pa
la vra; por isso, o teu ser vo a esti ma” (SL. 119.140). Ale lu ia!

2. Não se pode in ter pre tar um tex to bí bli co de for ma iso la da: O pri me i
ro a que brar esta re gra foi o pró prio Di a bo, ao que rer in du zir Je sus a co me
ter um erro, numa in ter pre ta ção iso la da do tex to bí bli co do SL. 91.11-12.
Esta re gra bá si ca da Her me nêu ti ca diz o se guinte: “Tex to fora do con tex to
gera pre tex to”. Po rém, Je sus ci tou o con tex to, di zen do: “Não ten ta rás o
Se nhor, teu Deus” (Dt. 6.16). Se você ler de for ma iso la da a pri me i ra fra se
dos ver sí cu los bí bli cos dos Sal mos 14.1 e 53.1, você vai pen sar que a Bí blia
nega a exis tên cia de Deus; en tre tan to, ao ob ser var o con tex to, você vai per
ce ber que, so men te um ho mem lou co e cor rom pi do pode ne gar a exis tên
cia de Deus. Nin guém pode se uti lizar de uma fra se iso la da da Bí blia para be
nefi ci ar ou jus ti fi car uma te o ria er ra da. Em 2 Co.4.2, Pa u lo diz:“Pelo con
trá rio,re je i ta mos as co i sas que, por vergo nho sas, se ocul tam, não an dan do
com as tú cia, nem adul teran do a pa la vra de Deus; an tes, nosre co men da
mos à consciên cia de todo ho mem, na pre sen ça de Deus, pela ma ni fes ta ção
da ver da de”. No SL. 119.144, o sal mis ta dis se: “Eter na é a jus ti ça dos teus
tes te munhos; dá-me a in te li gên cia de les, e vi ve rei”. Pre ci sa mos pe dir in
te li gência ao Se nhor para in ter pre tar cor re ta men te a Pa la vra do Se nhor.

10) QUAL É O MA I OR PRE GA DOR DA HIS TÓ RIA?

RESPOSTA: Je sus foi o ma i or Pre ga dor Iti ne ran te que o mun do já co -


nhe ceu. A pre ga ção é a for ma mais ex pres si va de dis se mi nar
Cris to, e ocu pou lu gar cen tral no Mi nis té rio ter reno de Je sus.
o Evan ge lhode Seu púl pi to era
qua se sem pre im pro vi sa do: Um mon te, a popa de um bar co, o alto de uma
pe dra, a casa de ami gos, ou mesmo o púlpi to de uma Si na go ga. Não ti nha
um lugar fixo ou uma sede. Ia de vila em vila, de al de ia em al de ia, e de ci da
de em ci da de. Seu es ti lo ele tri zan te ar ras ta va após si mul ti dões para ou
vir seus ser mões che i os de gra çae au to ri dade di vi na; à pon to dos pró pri os
opo nen tes se ren de rem a Ele, di zen do: “Jama is alguém falou como este Ho
mem” (Jo. 7.46). Jesus Cris to é ma i or do que to dos os sá bi os que já pi sou
nes ta ter ra. É ma i or do que to dos os gran des fi ló so fos; do que to dos os
gran des teó lo gos, do que to dos os gran des in ven to res, do que to dos os gran
des ci en tis tas, do que to dos os gran des es ta dis tas, do que to dos os gran des
li de res es pi ri tu a is e fun da do res de re li gião. Em ape nas três anos e meio,
Je sus Cris to re a li zou mais co i saspara su a vizar o so fri men to hu ma no,do
que as re a li za ções dos re li gi o sos, fi ló so fos e po lí ti cos de to das as de ma
is épo cas da His tó ria da Hu ma ni da de. “Nun ca es tu dou, mas é Se nhor de
to das as ciên ci as. Não foi mé di co e cura to das as en fer mi da des e do en
ças. Não foi ad vo ga do e ex pli cou os prin cí - pi os bá si cos de to das as leis.
Não foi es cri tor e ins pi ra as ma i o res obras de toda a lite ra tu ra mundi al.
Não foi poe ta e é a alma de todos os po e mas. Não foi mú si co e é a ins pi ra
ção de to das as can ções. Não foi ora dor e é o in tér pre te de to dos os co ra
ções. Não foi li te ra to e es cre veu no li vro dos sé cu los a mais bela pá gi na da
His tó ria. Não foi ar tis ta e en che de luz os gê ni os de to dos os tem pos. Não
foi es ta dis ta e fun dou as mais só li das ins ti tu i ções da so ci e da de. Não foi
ge ne ral e con quis tou mi lhões de pes so as e pa í ses in te i ros. Não foi in ven
tor e in ventou o eli xir da pe re ne fe li ci da de. Não foi des co bri dor e des co
briu aos mor ta is mun dos en can ta dos de imor ta li da de. Je sus Cris to de Na
za ré, o Car pin te i ro Ga li leu, o De se ja do de to das as na ções.” É, por es tas
e tan tas ou tras mil ra zões que Je sus Cris to é ma i or do que to dos, e mais sá
bio do que to dos os sá bi os que já pas sa ram por esta terra.

üJe sus Cris to é ma i or do que Só cra tes, o fi ló so fo do Ide al.


üJe sus Cris to é ma i or do que Pla tão, o ma i or pen sa dor da Histó ria. üJe sus
Cris to é ma i or do que Aris tó te les, o pai da Ciên cia Po lí ti ca. üJe sus Cris to
é ma i or do que Pi tá go ras, o pai da Ma te máti ca. üJe sus Cris to é ma i or do
que Eu cli des, o pai da Ge o me tria.
üJe sus Cris to é ma i or do que Ta les de Mi le to, o pai da Ele tri ci da de. üJe
sus Cris to é ma i or do que Hi pó cra tes, o pai da Me di ci na. üJe sus Cris to é
ma i or do que Heró do to, o pai da His tó ria.
üJe sus Cris to é ma i or do que Alber to San tos Du mont, o pai da Avia ção. üJe
sus Cris to é ma i or do que Pa ra cel so, o pai da Me di ci na Her mé ti ca. üJe
sus Cris to é ma i or do que Sa mu el Hah ne mam, o pai da Ho me o pa tia.

üJe sus Cris to é ma i or do que Nico lau Co pér ni co, o pai da Astro no mia Mo
- der na.
üJe sus Cris to é ma i or do que Jonh Gu tem berg, o pai da im pren sa. üJe sus
Cris to é ma i or do que Sig mund Fre ud, o pai da Psi ca ná li se. üJe sus Cris to
é ma i or do que Tho mas Edson, o pai das Inven ções Mo der

nas.
üJe sus Cris to é ma i or do que Ale xan der Gra nhan, o pai do Te le fo ne. üJe
sus Cris to é ma i or do que Ale xan der Fle ming, o pai da Pe ni ci li na. üJe sus
Cris to é ma i or do que René Des car tes, o pai do Dis cur so do Mé to do.

üJe sus Cris to é ma i or do que Fan ço isVol ta i re, o pai do Re nas ci men to
Fran cês.

üJe sus Cris to é ma i or do que Ho me ro, o pai da Mi to lo gia Gre ga. üJe sus
Cris to é ma i or do que Anto i ne La vo i si er, o pai da Qu í mi ca Mo der na.
üJe sus Cris to é ma i or do que Ja mes Max well, o pai do Ele tro mag ne tis mo.
üJe sus Cris to é ma i or do que Wil li am Mor ton, o pai da Anes te sia. üJe sus
Cris toé ma i or do que Wil li amSha kes pea re, o pai da Dra ma tur gia.

üJe sus Cris to é ma i or do que Wer ner He i sen ber, o pai da Me câ ni ca Quân
ti ca.
üJe sus Cris to é ma i or do que Isac New ton, o cri a dor da Lei da Gravi da de.
üJe sus Cris to é ma i or do que Albert Enste in, o cri a dor da Lei da Re la ti vi
da - de.
üJe sus Cris to é ma i or do que Ga li leu Ga li lei, o cri ador do Mé to do Mo der
no Ci en ti fi co.
üJe sus Cris to é ma i or do que Char les Dar win, o cri a dor da Te o ria da Evolu
ção.
üJe sus Cris to é ma i or do que Adam Smith, o cri a dor da Te o ria Eco nô mi ca
Sis te má ti ca.

üJe sus Cris to é ma i or do que Karl Max, o cri a dor do So ci a lis mo Ci en ti fi


co. üJe sus Cris to é ma i or do que Jonh Roc ke fel ler , o rei do Pe tró leo. üJe
sus Cris to é ma i or do que Rothschild, o rei dos Ban cos.
üJe sus Cris to é ma i or do que Bill Gates, o rei da in for má ti ca. üJe sus Cris to
é ma i or do que Hen ri Ford, o rei do Au to mó vel. üJe sus Cris to é ma i or do
que Elvis Pres ley, o rei do Rock.
üJe sus Cris to é ma i or do que Mi cha el Jor dan, o rei do Bas que te. üJe sus
Cris to é ma i or do que Pelé, o rei do Fu te bol.
üJe sus cristo é ma i or do que Andrew Cor ne gie, o rei do Aço. üJe sus Cris to é
ma i or do que Jimi Hen drix, o rei da Gu i tar ra.

üJe sus Cris to é ma i or do que todos os es ta dis tas. É ma i or do que Shi Hu


ang Ti, o ma i or im pe ra dor Chi nês.
üJe sus Cris to é ma i or do que Ale xan dre Mag no, o gran de con quis tador do
im pé rio Gre go-Ma ce dônio.

üJe sus Cris to é ma i or do que Ciro, o gran de impe ra dor da Pér sia. üJe sus
Cris to é ma i or do que Cé sar Au gus to, o gran de im pe rador Ro ma no. üJe
sus Cris to é ma i or do que Gên gis Khan, o gran de con quis ta dor Mon gol.

üJe sus Cris to é ma i or do que Gu i lherme, o gran de con quis tador da Ingla -
ter ra.
üJe sus Cris to é ma i or do que Fran cis co Pi zar ro, o con quis tador do im pé
rio Inca.
üJe sus Cris to é ma i or do que Her nan Cor tês, o con quis ta dor do Méxi co.
üJe sus Cris to é ma i or do que Si mon Bo lí var, o li berta dor do do mí nio es
pa - nhol na Amé ri ca do Sul.
üJe sus Cris to é ma i or do que Cons tan ti no, o gran de im pe rador Cris tão.
üJe sus Cris to é ma i or do que Car los Magno, o grande impe ra dor sa cro ro
ma no.
üJe sus Cris to é ma i or do que Na po leão Bo na par te, o gran de im pe ra dor
Fran cês.
üJe sus Cris to é ma i or do que Josef Stalin, o gran de titã da his tó ria So vié ti -
ca.
üJe sus Cris to é ma i or do Mão Ze dong, o gran de lí der do co mu nis mo Chi
nês.
üJe sus Cris to é ma i or do que Ge or ge Was hing ton, o pri me i ro pre siden te
dos Esta dos Uni dos.
üJe sus Cris to é ma i or do que Tho mas Jé fer son , o gran de de fen sor da Li
ber - da de Hu ma na.
üJe sus Cris to é ma i or do que to dos os li de res de Re li gião. Ele é ma i or do
que Ma o mé, o fun da dor do Isla mis mo.

üJe sus Cris to é ma i or do que Buda, o fun da dor do Bu dis mo. üJe sus Cris to
é ma i or do que Con fú cio, o fun da dor do Con fu ci o nismo. üJe sus Cris to é
ma i or do que Zo ro astro, o fun da dor do Zo ro astri cis mo. üJe sus Cris to é
ma i or do Lao Tzé, o fun da dor do Tao ís mo.
üJe sus Cris to é ma i or do que Mani, o fun da dor do Ma ni que ís mo.

üJe sus Cris to é ma i or do que Alan Kar dec, o fun da dor do Espi ri tis mo Kar
- de cis ta.

üJe sus Cris to é ma i or do que Josef Smit,o fun da dor do Mormo nis mo. üJe
sus Cris to é ma i or do que Char les Rus sell, o fun da dor do Rus se lis mo. üJe
sus Cris to é ma i or do que Abraão, o Ances tral dos Ju de us. üJe sus Cris to é
ma i or do que Mo i sés, o gran de le gis la dor dos He bre us. üJe sus Cris to é
ma i or do que Davi, o Pi lar do Ju da ís mo.
üJe sus Cris to é ma i or do que Eli as, o mais in flu en te dos Pro fe tas He bre
us.

üJe sus Cris to é ma i or do que Pedro e Pa u lo, os mais in flu en tes dos Apósto
los do Cris ti a nis mo.
üJe sus Cris to é ma i or do que San to Agos ti nho, o mais in flu en teTeó lo go
da Pa tris ti ca.

üJe sus Cris to é ma i or do que São Je rô ni mo, o gran de Bi bli o logo e Tradu
tor da Vul ga ta La ti na.
üJe sus Cris to é ma i or do São Tho mas de Aqui no, o gran de dou tor da Esco -
lás ti ca.
üJe sus Cris to é ma i or do que Mar tinho Lu te ro, o Pai do Pro tes tan tis mo
Mun - di al.
üJe sus Cris to é ma i or do que João Cal vi no, o mais in flu en te Teó lo go da
Cris tanda de Pro tes tante.
üJe sus Cris to é ma i or do que Gre gó rio, e do que to dos os gran des Pa pas da
His tó ria do Ca to li cis mo Ro ma no.
üJe sus Cris to é ma i or do que Da lai Lima, e do que to dos os gran des Mon
ges Ti be tanos.

üJe sus Cris to é ma i or do que to dos os ho mens da His tó ria pas sa da, pre sen
te e fu tu ra; por que, Ele é sim ples mente Úni co
to é mes moin compa rá vel, pois, até mes moos
e Incompa rá vel. Je sus Cris cé ti cos re co nhe ci amisso. O
cé ti co fran cês Ernest Re nan, es cre veu: “Re pou sa ago ra em tua gló ria, no
bre Fun da dor. Tua obra está ter mina da! Tua Di vin da de es ta be le ci da.
Entre ti e Deus não ha ve rá mais dis tin ção. Se jam qua is fo rem as sur pre sas
do fu tu ro, Je sus nun ca serául trapas sado”. Je sus Cris to é su pe ri or a to dos
os se res hu ma nos e es pi ri tu a is. Cris to é su pe ri or ao ar can jo, aos an jos,
aos que ru bins, e aos se ra fins. Cris to é su pe ri or aos prin ci pa dos, as po testa
- des, aos do mi na do res, e hos tes es pi ri tu a is da mal da de.
Sa ta nás e seus de mô ni os. Cris to é su pe rior a mor te e
Cris to é su pe ri or a o in fer no. Cris to é

su pe ri or a na tu re za, ao mar, aos ventos, e as tempes ta des. Cris to é su pe - ri


or aos pa tri ar cas, aos pro fe tas, aos após to los, aos evan ge lis tas, aos pas to
res, aos pre ga do res, aos can to res, aos dou to res, aos mon ges, aos papas, aos
pa dres, aos bis pos, aos ra bi nos, aos ca li fas, aos teó lo gos, aos sá bi os, aos fi
ló so fos, aos reis, aos pre si den tes, aos go ver na do res, aos gu rus, aos lí - de
res de re li gião, aos pops tars, aos ri cos, aos fa mo sos, e a qual quer outra ins ti
tu i ção ou cri atu ra. Je sus Cris to é o Se nhor!
INTRODUÇÃO
Poucas pes so as po dem di zer que pre gam to dos os 365 dias do ano sem ne
nhum inter vá-lo de des can so. Po rém, ain da que você pre gue to dos os 365
dias do ano; nes te li vro, você en con tra rá men sa gens para pre gar to dos os
dias de um ano nor mal, e ain da so bra uma men sa gem ex tra para o ano bis
sex to que, acon te ce a cada qua tro anos, quan do o mês de Fe ve re i ro tem 29
dias. E, ou tra co i sa im por tan te; nes te livro, você encon trará mensa gens
para pre gar em todos os 66 li - vros da Bí blia. Você terá men sa gens para pre
gar, não ape nas nos tex - tos bí bli cos mais co nhe ci dos, como tam bém, na
que les li vros me nos usa dos pe los pre ga do res para mi nis trar a Pa la vra de
Deus. Cada Esbo ço apre sen ta do nes te li vro,
rên ci as bí bli cas acer ca do
é sub di vi di do em va ri a dos tó pi cos e re fe tema abor da do. E, isso, vai es ti
mu lar o

le i tor a pre gar uma men sa gem es sen ci al men te bí bli ca. Acer ca dis so, o
após to lo Pe dro já di zia: “Se al guém fala, fale de acor do com os orá cu - los
de Deus.” (1Pd. 4.11). Como pre ga dor do Evan ge lho de Cris to, os que co nhe
cem a mi nha ma ne i ra de pre gar, sa bem mu i to bem que, pri mo pela ex po si
ção da Pa la vra Pura e sem mis tura. O pre ga dor pode mu i to bem ci tar uma
ilus tra ção do co ti di a no para re ve lar uma ver da de es pi ri tu al acer ca do
tema que es te ja pre gan do; po rém, não pode des toar do prin cípio her me nêu
ti co de que, a pró pria Bí blia ex - pli ca a Bí blia. Todo o ser mão pre ci sa ter:
co me ço, meio e fim; ou: in tro du ção, ex pla na ção e con clu são. Cada Esbo
ço apre sen ta do nes te li vro pos sui es tes três ele men tos, a fim de que, o le i
tor siga este prin cí pio bá si co da Ho mi lé ti ca, que é a arte de pre gar. Gos ta
ria de ane xar uma ilus tra ção a cada um dos 366 Esbo ços Bí bli cos; po rém, o
li vro fi ca ria vo lumo so e mais dis pen di o so, nal, o que fu gi ria da re a li da
de fi nan ce i ra en ca re cen do o pro du to fi da ma i o ria do nos so povo.

To da via, o ob je ti vo de um li vro de Esbo ços, não é en tre gar o ser mão in te i


ro e aca ba do para o le i tor usá-lo para pre gar; mas sim, lhe ofe re cer um pon
to de par ti da para o de sen volvi men to de uma mensa gem a ser pre ga da. Por
isso: “Pro cu ra apre sen tarte a Deus apro va do, como obre i ro que não tem de
que se en ver go nhar, que ma ne ja bem a pa la vra da ver dade” – 2Tm. 2.15.
I – ESBOÇOS EM GÊNESIS
Esbo ço 01 – Dia 1 de Ja ne i ro
Tema: A ATUAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO NA HISTÓRIA

A ter ra, po rém, es ta va sem for ma e va zia; ha via tre vas so bre a face do abis
mo, e o Espí ri to de Deus se mo via so bre a face das águas. Gn. 1.2

INTRODUÇÃO : Nes te tex to bí bli co, fica de mons tra do que, o Espíri to
San to vem atu an do nes te mun do desde a sua cri a ção. Qu an do a ter ra era
va zia e não ti nha for ma, ali es ta va o Espí ri to de Deus atu an do e se mo ven
do. Em cer to sen ti do, nós tam bém so mos ter ra, por que fo mos ti ra dos do
pó da ter ra (Gn. 2.7). Antes de Cris to en trar em nos sas vi das, éra mos sem for
ma e va zi os. Po rém, quan do Cris to en trou em nos sas vi das, Ele nos deu for
ma e nos en cheu do seu Espí ri to (1Co. 3.16). Ago ra, não so mos mais va zi os,
so mos che i os do Espí ri to Santo (Ef. 5.18). O Espí ri to de Deus se move ago
ra so bre as nos sas vidas, e não mais so bre as águas (Jo. 7.37-38). A atu a ção
do Espí ri to San to pode ser di vi di da em três pe río dos prin ci pa is: 1) A Atu
a ção do Espíri to San to da Cri a ção até Cris to; 2) A Atu a ção do Espí ri to San
to de Cris to até Pen te cos tes; 3) A Atu a ção do Espí ri to San to de Pen te cos
tes até o Arre bata men to.

1. A ATUAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DA CRIAÇÃO ATÉ CRISTO

1) Da Cri a ção até Cris to, o Espí ri to San to atu ou atra vés dos ho mens que
Deus le van ta va para li de rar o seu povo. Atra vés de sa cer do tes, ju í zes, pro
fe tas e reis. Nes te pe río do, o Espí rito de Deus se ma ni fes ta va de for ma es
po rá di ca ca pa ci tan do pes so as para gui ar, exor tar e li de rar o seu povo.

2) Ha bi li tan do José para ad mi nis trar o Egi to (Gn. 41.38-39).


3) Ha bi litan do os en ge nhe i ros na cons trução do Ta ber nácu lo (Êx. 31.1-2).
4) Ca pa ci tan do Mo i sés e seusau xi lia res na con du ção da Con gre ga ção de
Isra el (Nm. 11.24-29).
5) Ca pa ci tan do a Jo sué na su ces são de Mo i sés para li de rar o povo (Nm.
27.18 e Dt. 34.9).
6) Ca pa ci tan do os Juí zes de Isra el (Jz. 3.10; 6.34; 11.29; e 13.25 etc.).
7) Ca pa ci tan do os Reis de Isra el (1Sm. 10.6 e 16.13).
8) Ca pa ci tan do os Pro fe tas de Isra el (2Cr. 15.1; 20.14; Is. 61.1; Mq. 3.8 etc).
2. A ATUAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE CRISTO ATÉ PENTECOSTES

1) Do nas ci men to de Cris to até Pen te cos tes, o Espí ri to San to atu ou por
meio do Mi nis té rio Glori o so de Cris to. Tudo o que Je sus fez por oca sião de
seu Mi nis - té rio Ter re no, foi ori en ta do pela atu a ção do Espíri to San to.

2) Je sus nasceu por ge ra ção do Espíri to San to (Mt. 1.18 e Lc. 1.35).
3) Teve o seu Mi nis té rio apro va do pelo Espí ri to de Deus (Mt. 3.16-17).
4) Expul sa va de mô ni os pelo Espí ri to de Deus (Mt. 12.28).
5) Ven ceu o Di a bo, por que es ta va che io do Espíri to San to (Lc. 4.1).
6) Pre ga va che io do Espí ri to San to (Lc. 4.14 e 4.18-19).
7) Pro me teu en vi ar o Espíri to San to para ha bi tar co nos co (Jo. 14.16-17).

3. A ATUAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE PENTECOSTES ATÉ O


ARREBATAMENTO

1) De Pen te cos tes até o Arre ba ta men to da Igre ja, o Espí ri to San to ha bi ta
na Igre ja, a qual é o Corpo de Cris to. Nes te pe río do, o Espí ri to San to ha bi
ta in di - vi du al mente em cada cren te, fa zen do do nos so cor po o San tuário
onde Deus ha bi ta (1Co. 3.16-17). Ve ja mos:

2) Foi der ra ma do so bre toda a car ne, á par tir do Dia de Pen te cos tes;
cumprin do a Pro mes sa do Pai a que Je sus se re fe riu e pro me teu (At. 1.8 e
2.1-4).
3) Ca pa ci ta va in divi du al men te a cada cren te (At. 4.8; 6.5; 6.10; 11.24;
13.9-10 etc.).
4) Gu i a va a Igre ja Pri miti va na evan ge li za ção do mun do (At. 13.1-13).
5) Dis tri bui os dons es pi ri tu a is a Igre ja de Cris to (l Co. 12.4-11).
6) Enche os cren tes dos seus Fru tos (GL. 5.22-23).
7) Sela o cren te para o Dia da Re den ção (Ef. 4.30).
8) Aler ta a Igre ja so bre os úl ti mos tem pos (1Tm. 4.1-5).
9) Exor ta, ad ver te e fala cons tan te men te com a Igre ja de Cris to (Ap. 2.7;
2.11; 2.17; 2.29; 3.6; 3.13 e 3.22).
10)Pre pa ra a No i va para o encon tro com o No i vo, e an se ia com a Igre ja,
que este en con tro acon te ça logo (Ap. 22.17).

CONCLUSÃO: Qu an do a ter ra era sem for ma e va zia, o Espí ri to de Deus


se mo via so bre a face das águas. Po rém, ago ra que o mun do é ha bi ta do por
pes so as cri a das por Deus, o Espí ri to San to quer, não só se mo ver, como ha
bi tar em nos sos co ra ções. Ele já ha bi ta co nos co, e já se move no meio da
sua Igre ja.

Esbo ço 02 – Dia 02 de Ja ne i ro
Tema: O MAIOR CONFLITO DA HISTÓRIA

E po rei ini mi za de en tre ti e a mu lher e en tre a tua se men te e a sua se men


te; esta te fe ri rá a ca be ça, e tu lhe fe ri rás o cal ca nhar. Gn. 3.15.

INTRODUÇÃO : Após o ho mem ter pe ca do, se es ta be le ceu no Jar dim do


Éden, um gran de con fli to. O con fli to en tre a Se men te da mu lher e a se men
te ma lig na é, sem dú vi da, o ma i or con fli to da histó ria. O con fli to en tre o
Des cenden te da mu lher e a ser pen te do Éden per pas sa a pró pria histó ria e
vem atra ves san do sé cu los e mais sé cu - los. Este confli to co me çou em Gê
ne sis, e só ter mi na no Apo ca lip se (Ap. 20.1-10). Nes ta pro fe cia de Gê ne
sis 3.15, o pró prio Deus sen ten ci ou a des tru ição da an ti ga ser - pen te, que
se cha ma Di a bo e Sa ta nás, por meio do glo ri o so Des cen den te da mu lher
– Je sus Cris to (GL. 4.4 e Hb. 2.14).

1. TENTATIVAS DA SEMENTE MALIGNA DE ACABAR COM A


SEMENTE DIVINA

1) Fo ram mu i tas as in ves ti das da se men te ma lig na con tra a Se men te di


vi na. A guer ra já es ta va tra va da no re i no es pi ri tu al, e esta ba ta lha se ma
te ri a liza va no re i no ma te ri al. Ve ja mos:

2) Após o pe ca do, Eva teve dois fi lhos: Caim e Abel (Gn. 4.1-8). De acor do
com 1 João 3.12, Caim era do Ma lig no, e Abel era de Deus. Caim re pre sen ta
va a se men te ma lig na, e Abel a se men te di vina. O tão es pe ra do Des cen
den te da mu lher po de ria vir da li nha gem pi e do sa de Abel. E, por isso, o ad
ver sá rio usou Caim para ma tar Abel, numa ten ta ti va frus tra da do Ma lig no
de im pe dir o nas ci men to do Pro me ti do Des cen den te da mu lher. Evateve
ou tro fi lho pi e - do so cha ma do Sete, e des sa li nha gem, veio mais tar de o
Des cen den te da mu - lher (Lc. 3.23-38).

3) A cor rup ção de todo gê ne ro hu ma no, foi ou tra ten tati va frus tra da do
Ma lig - no de ten tar im pe dir a vin da do Pro me ti do Des cen den te da Mu
lher (Gn. 6.1-22). Deus pro veu a arca para a sal va ção de Noé e sua fa mí lia. Je
sus Cristo é a nos sa Arca da Sal va ção.
4) O in fan ti cí dio que pro vo cou a ma tan ça de mu i tas cri an ças is ra e li tas
do sexo mas culi no no Egi to por de cre to de Fa raó, foi ou tra ten ta ti va frus
tra da do Ma - lig no de im pe dir a Re den ção da na ção de Isra el da escra vi
dão do Egi to, para que o Des cen den te da mu lher não vi es se (Êx. 1.15-22).
Deus pro veu o Cor de - i ro da Re den ção (Êx. 12.12-13), e Mo i sés foi pre ser
va do e esco lhi do como o li ber ta dor de Isra el (Êx. 2.1-10 e 3.1-22).

5) A des tru i ção de uma par te da fa mí lia real de Davi pela ím pia ra i nha Atá
lia, foi ou tra ten ta ti va frus tra da do Ma lig no de im pe dir a vin da do Des cen
den te da mu lher (2Rs. 11.1-21).

6) O in fan ti cídio pa tro ci na do por He ro des, foi ou tra ten ta tiva frus tra da
do Ma - lig no de eli mi nar o Des cen den te da mu lher que, ha via aca ba do de
nas cer (Mt. 2.1-23).

2. O DESCENDENTE DA MULHER VENCE O GRANDE CONFLITO E


FERE A CABEÇA DA SERPENTE

1) De pois de mu i tas ten ta ti vas frus tradas do Ma lig no de im pe dir o nas ci


men to do Descen den te da mu lher; Je sus Cris to veio e ven ceu o gran de con
fli to com a ser pen te do Éden, fe rin do-lhe a ca be ça.

2) Je sus Cris to é o Des cen den te Pro me ti do,


4.4).
Ve ja mos:
que veio nas ci do de mu lher (GL.

3) Je sus Cris to ven ceu a an ti ga ser pen te, que se cha ma Di a bo e Sa ta nás,
no de - ser to (Mt. 4.1-11).
4) Je sus Cris to ven ceu o gran de con fli to com a an ti ga ser pen te, que se cha
ma Di a bo e Sa ta nás, na cruz (CL. 2.14-15).
5) Je sus Cris to veio para li ber tar os opri mi dos do Di a bo (At. 10.38).
6) Je sus Cris to des tru iu o Di a bo, que ti nha o po der da mor te (Hb. 2.14).
7) Je sus Cris to se ma ni fes tou para des tru ir e des fa zer as obras do Di a bo
(1Jo. 3.8).
8) Je sus Cristo é o gran de ven ce dor da an ti ga ser pen te, que se cha ma Di a
bo e Sa ta nás (Ap. 20.1-10).

CONCLUSÃO: Nesse grande con fli to en tre as for ças do mal con tra as for
ças do bem atra vés da histó ria, já pode mos ce le brar a vitó ria final de Cris to
con tra to das as for ças do mal, e vi ver uma vida de triun fo (1Co. 15.57 e 2Co.
2.14 e Ap. 17.14).

Esbo ço 03 – Dia 03 de Ja ne i ro
Tema: O ALFAIATE DIVINO
Fez o Se nhor Deus ves ti men ta de pe les para Adão e sua mu lher e os ves tiu.
Gn. 3.21

INTRODUÇÃO: A ten ta ti va fe i ta pelo homem e a mu lher de co brir-se de


fo lhas de fi gue i ra após o pe ca do, era tão ina de qua da como a des cul pa que
eles de ram para o pe ca - do (Gn. 3.7-13). As fo lhas de fi gue i ra re pre sen tam
as frá ge is ide i as das fal sas re li giões na ten ta ti va de ex pi ar o pe ca do do
ho mem. O tex to sa gra do diz que “Fez o Se nhor Deus ves ti men ta de pe les
para Adão e sua mu lher e os ves tiu”. So men te Deus, o Alfa i a te Di vi - no, é
que podepre pa rar as ves ti mentas ade qua das para fa zer a pro pi ci a çãope los
pe ca - dos da hu mani da de. So men te Deus, o Alfa i ate Di vi no, é que pos sui
o mo de lo da

mem e a mulher com as ves ti men tas apro pri a das para o re den ção, e pode
ves tir o ho

am bi en te do pa raí so.
1. AS VESTIMENTAS DA REDENÇÃO

1. O pe ca do de i xou o ho mem des pi do de vi do a sua in fi ni ta mi se ri


córdia, o que pres su põe a mor te de um ani mal; o qual, pode ter sido um cor de
i ro (Ap. 13.8), pro vi den ci an do as ves ti men tas da re den ção hu ma na. Je
sus Cris to é o Cor de i ro de Deus que tira o pe ca do do mun do (Jo. 1.29); e,
atra vés de Cristo, Deus pro veu as ves ti men tas da nos sa re den ção. Ve ja
mos:

2) Em Gn. 49.11, Jacó pre viu que Judá la va ria as suas ves tes no vi nho e no
san gue de uvas. O vinho é sím bo lo do sangue de Cris to, o Leão da Tri bo de
Judá (Ap. 5.5), e no seu san gue as nos sas ves ti du ras fo ram la va das (Ap.
22.14).

3) Em Is. 61.3, o Se nhor pro me teu ves tir o seu povo com ves te de lou vor.
4) Em Is. 61.10, o Se nhor nos ves tiu de ves tes de sal va ção e nos co briu com
o man to de jus ti ça.
5) Em Ap. 3.5, o cren te ven ce dor será ves ti do de vesti du ras bran cas, e de
modo ne nhum terá o seu nome apa ga do do Livro da Vida.
6) Em Ap. 19.8, a No i va de Cris to será ves ti da de li nho fi nís si mo, res plan
de cen te e puro.

2. AS VESTIMENTAS DA REDENÇÃO DEVEM PERMANECER LIMPAS

1) Quem pro veu as ves ti men tas da re den ção foi o Se nhor. Po rém, cabe aos
cren tes re di mi dos man te rem as suas ves ti men tas lim pas. Em Êx. 19.10,
Deus or de nou ao povo que se pu ri fi cas sem e la vas sem as suas ves tes.

2) Em Êx. 19.14, Mo i sés con sa grou o povo, e eles la va ram as suas ves tes.
3) No SL. 132.16, Deus pro me teu ves tir de sal va ção os seus sa cer do tes.
4) Em Ec. 9.8, as nossas ves tes de vem ser sem pre al vas.
5) Em Zc. 3.4, as ves tes su jas de Jo sué fo ram tro ca das por ves tes lim pas e
apro pri a das para um ho mem de Deus.
6) Em Ap. 3.4, os cren tes que não con ta mi na ram as suas ves ti du ras, an da
rão de bran co com Cristo.
7) Em Ap. 22.14, Os cren tes re di mi dos já la va ram e al ve ja ram as suas ves
ti men - tas no san gue do Corde i ro.

CONCLUSÃO: O Se nhor já nos vestiu de vestes de sal va ção, e já nos co briu


com o seu man to de jus ti ça(Is. 61.10). Per ma neça mos,pois, ves ti dos com as
ves ti men tas que o Se nhor nos vestiu, a fim de que, quan do o Se nhor vier, não
nos ache des pi dos es pi ri tu al men te (Ap. 16.15).
e en ver go nha do di an te de Deus. Po rém, nos so Deus fez “ves ti men tas de
pe les”, o

Esbo ço 04 – Dia 04 de Ja ne i ro
Tema: FAZENDO A DIFERENÇA NO MEIO DE UMA GERAÇÃO
CORROMPIDA
Noé era va rão jus to e reto em suas ge ra ções; Noé an da va com Deus. Gn. 6.9

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do que le mos, per ce be mos um ho mem


que fa zia a di fe ren ça no meio da ge ra ção em que vi via. O se gre do de Noé,
esta va nes tas três vir tu des que o texto bí bli co apon ta em sua vida: Era va rão
jus to, reto e an da va com Deus. Noé, era um ho mem jus to; ou seja, ele pra ti
ca va a jus ti ça. Noé, era um ho mem reto; isto é, ama va a re ti dão e abor re cia
a tor tu o si da de. Noé an da va com Deus; isto sig ni fi ca que, ele ti nha uma co
mu nhão diá ria
tos, po de mos fa zer a di feren ça tam bém em
com o Se nhor. Pos su in do es tes re qui si nos sa ge ra ção. Fo mos cha ma dos
para

ser mos di fe ren tes em nos sa ge ra ção. A pa la vra de Deus or de na que não de
ve mos nos con for marcom este mun do, “mas transfor mai-vospela re no vação
do vos so en ten di - men to” – Rm. 12.2.

1. HOMENS QUE FIZERAM A DIFERENÇA EM SUA GERAÇÃO

1. Eno que, fa zia a di fe ren ça em sua ge ra ção, por que an da va com Deus
(Gn. 5.22-24). Eno que sim bo li za a Igre ja que anda com Deus, e será ar re ba
ta da ao en con tro do Se nhor.

2) José, fa zia a di fe ren ça em qual quer am bi en te que vi via, por que era um
ho - mem sá bio e aju i za do, que ti nha o Espí ri to de Deus, e o Se nhor era
com ele (Gn. 39.1-23 e Gn. 41.38-39).

3) Sa mu el, fa zia a di fe ren ça no meio de sua ge ra ção, por que era um ho


mem ho - nes to, e nin guém ti nha do que lhe acu sar (1Sm. 12.1-5).
4) Jó, era um ho mem sin ce ro, reto, te men te a Deus e que se des vi a va do
mal, e fez a di fe ren ça no meio de sua ge ra ção (Jó 1.1 e 42.7-10).
5) Da ni el, fez a di feren ça no meio da ge ra ção cor rom pida da Ba bi lô nia,
por que ti nha no seu co ra ção o pro pó si to bem de fi ni do de ser vir so men te
ao seu Deus (Dn. 1.8 e 6.1-5).
6) Algum tem po de po is, o pró prio Deus tes te mu nhou da di fe ren ça que es
tes três ho mens: Noé, Da ni el e Jó, fi ze ram em meio a ge ra ção que vi ve ram
(Ez. 14.14).
7) Nós também, fo mos cha ma dos para fa zer mos a dife ren ça em meio a ge ra
ção per ver sa e cor rom pi da em que vi ve mos, onde de ve mos res plan de cer
como as tros no mun do – Fp. 2.15.

CONCLUSÃO: Um cer to pas tor nos contou que o cren te, em cer to sen ti do,
deve ser como as gar ças, que, ape sar de es ta rem pi san do na lama, suas pe nas
per ma ne cem bran cas. Cal ça dos com os sa pa tosda pre pa ra ção do Evan ge
lho da paz, po de re mos ca mi nhar nes te mun do sem se con ta mi nar com ele
(Ef. 6.15).

Esbo ço 05 – Dia 05 de Ja ne i ro
Tema: AS SETE PROMESSAS DE DEUS A ABRAÃO
Ora, dis se o Se nhor a Abrão: Sai da tua ter ra, da tua pa ren te la e da casa de teu pai e vaipara a ter ra
que te mos tra rei; de ti fa rei uma grande na ção, e te aben ço a rei, e te en gran
de ce rei o nome. Sê tu uma ben ção! Aben ço a rei os que te aben ço a rem e
amal di ço a rei os que te amal di ço a rem; em ti se rão ben di tas to das as fa mí
li as da ter ra. Gn. 12.1-3

INTRODUÇÃO: Esta passa gem bí bli ca que mar ca a cha ma da de Abraão, é,


sem dú vi da, uma das par tes mais ci ta da das Escri tu ras. Pois, a his tó ria da
reden ção, não só de Isra el, como tam bém de toda a hu ma ni da de, co me ça
com a cha ma da glo ri o sa des se gran de pa tri ar ca. Nes ta cha ma da de
Abraão, Deus co me ça a cons tru irem vi - vas co res o ce ná rio para a for ma
ção de um povo ele i to, e, atra vés des te povo es co lhi do, to dos os de ma is po
vos da ter ra vi ria ser aben ço a dos e salvos. Mais tar de, isso se tor nou pos sí
vel, por meio de Je sus Cris to, o mais ilus tre des cen den te de Abraão (GL.
3.6,29). Esta cha ma da de Abraão está divi di da em sete pro mes sas: 1). “E far-
te-ei uma gran de na ção.”; 2). “e aben ço ar-te-ei.”; 3). “e en gran de ce rei o teu
nome.”; 4). “e tu se rás uma ben ção.”; 5). “E aben ço a rei os que te aben ço a
rem. .”; 6). “e amal di ço a rei os que te amal di ço a rem.”; 7). “e em ti se rão
ben di tas to das as fa mí li as da ter ra” – Gn. 12.2-3.

1. “E FAR-TE-EI UMA GRANDE NAÇÃO”

1) Deus cum priu esta pro mes sa à Abraão – Nm. 23.19


2) Em Dt. 1.10, está escri to: “O Se nhor, vos so Deus, vos tem mul ti pli ca do; e
eis que, já hoje, sois mul ti dão como as es tre las dos céus”.
3) Em Dt. 4.7-8, ao fa lar da gran de za dos des cen den tes de Abraão, Mo i sés
disse: “Pois que gran de na ção há que te nha de u ses tão che ga dos a si como o
Senhor, nos so Deus todas as ve zes que o in vo ca mos? E que gran de na ção há
que te nha es ta tu tos e juí zos tão jus tos como toda esta lei que eu hoje vos pro
po nho?”
4) Em 2Cr. 1.10, re co nhe cen do a gran de za da na ção de Isra el, Sa lo mão pe
diu sa be do ria para li de rar a gran de na ção de Isra el, di zen do: “Dá-me, pois,
ago - ra, sa be do ria e co nhe ci men to, para que eu sa i ba con du zir-me à tes ta
des te povo; pois quem po de ria jul gar a este gran de povo?”

2. “E ABENÇOAR-TE-EI”

1) Deus cum priu esta pro mes sa, aben ço an do tanto a Abraão como aos seus
descen den tes (Gn. 13.2; 29.13 etc.).
2) Em Gn. 26.12, está escri to: “Se me ou Isa que na que la ter ra e, no mes mo
ano, re co lheu cento por um, por que o Se nhor o abenço a va”.
3) Em Nm. 6.24-26, o Se nhor or de nou que os descen den tes de Abraão fos
sem aben ço a dos asssim: “O Se nhor te aben çoe e te guar de; o Se nhor faça
res plan de - cer o ros to so bre ti e te nha mi se ri cór dia de ti; o Se nhor so bre
ti levan te o ros to o e te dê a paz”.
4) Em Pv. 10.22, está es cri to: “A ben ção do Se nhor en ri que ce, e, com ela,
Ele não traz des gos to”.

3. “E ENGRANDECEREI O TEU NOME”

1) Deus tem cumpri do esta pro mes sa; pois, o nome de Abraão é res pe i ta do
no mun do in te i ro.
2) O nome de Abraão é res pe i ta do por mais de três bi lhões de pes so as que
com - põe as três gran des re li giões mo no teís tas do pla neta: Cris ti a nis mo,
Isla mis mo e Ju da ís mo. Por tan to, mais da me ta de da po pu la ção mun dial
tem a Abraão como pai ge né ti co e es pi ri tu al.
3) Em 2Sm. 7.9, o Se nhor dis se a Davi: “E fui con ti go, por onde quer que an
das - te, eli mi nei os teus ini mi gos di an te de ti e fiz gran de o teu nome, como
só os gran des têm na ter ra”.
4) Em Is. 66.20, o Se nhor fez uma pro mes sa aos des cen den tes de Abraão,
dizen do: “Por que, como os no vos céus e a nova ter ra, que hei de fa zer, es ta
rão di an te de mim, diz o Senhor, as sim há de es tar a vos sa pos te ri da de e o
vos so nome”.

4. “E TU SERÁS UMA BENÇÃO”


1) Deus tem cum pri do esta pro mes sa; pois, Abraão tem sido uma ben ção para
o mun do in te i ro(Rm. 4.13).

2) Em Is. 51.2, o Se nhor diz: “Olhai para Abraão, vos so pai, e para Sara, que
vos deu à luz; porque era ele único, quando Eu o cha mei, o aben ço ei e o mul ti
pli - quei”.

3) To dos se or gu lham de se rem fi lhos de Abraão (Mt. 3.9). Entre tan to, Pa u
lo afir ma que “Os da fé é que são fi lhos de Abraão” (GL.3.7).
4) Em GL. 3.9, está escri to: “De modo que os da fé são aben ço a dos com o
cren te Abraão”.
5. “E ABENÇOAREI OS QUE TE ABENÇOAREM”
1) Deus tem cum pri do esta promes sa atra vés da his tó ria. Pois, aque les que
tem aben ço a do a Abraão e seus des cen den tes, tem sido re com pen sa dos
por Deus (Gn. 30.27; 39.5 etc.)

2) Em Gn. 27.27-29, Isa que con fir mou a Ben ção de Abraão so bre o seu fi lho
Jacó, di zen do: “Eis que o che i ro do meu fi lho é como o che i ro do campo,
que o Se - nhor abenço ou; Deus te dê do or va lho do céu, e da exu be rân cia da
ter ra, e far - tu ra de tri go e de mos to. Sir vam-te po vos, e na ções te re ve ren
ci em; sê se nhor de teus ir mãos, e os fi lhos de tua mãe se en cur vem a ti; mal
di to seja o que te amal diço ar, e aben ço a do o que te aben ço ar”.

3) Em Mt. 25.40, Je sus afir ma que, sempre que fi zer mos al gu ma co i sa aos
seus ir mãos, a Ele es ta mos fa zen do, e, por isso se re mos re com pen sa dos.
4) No SL. 122.6, está es cri to: “Orai pela paz de Je ru sa lém! Se jam prós pe ros
os que te amam”.
6. “E AMALDIÇOAREI OS QUE TE AMALDIÇOAREM”

1) Deus tam bém tem cum pri do esta pro mes sa atra vés da his tó ria. Pois, to
dos aque les que se le van ta ram con tra o povo Ju deu atra vés da his tó ria, não
tem fi ca do im pu nes (1Cr. 16.20-22).

2) O pro fe ta Ba laão re co nhe ceu que não po dia amal di ço ar a quem Deus
aben ço ou (Nm. 23.8).

3) Em Ne. 13.2, está es cri to que Deus con ver teu a mal di ção em ben ção.
4) Em Et. 7.10, está es cri to que o ím pio Hamã se deu mu i to mal, por se le van
tar con tra os des cen den tes de Abraão.

7. “E EM TI SERÃO BENDITAS TODAS AS FAMÍLIAS DA TERRA”

1) Deus tem cum pri do esta pro mes sa atra vés da his tó ria e em nos sos dias,
por meio de nos so Se nhor e Sal va dor Je sus Cris to.
2) Em GL. 3.8, está es cri to que “Ten do a Escri tu ra pre vis to que Deus justi fi
ca ria pela fé os gen ti os, pre a nun ci ou o evange lho a Abraão: Em ti, se rão
aben ço a dos to dos os po vos”.
3) Em GL. 3.13-14, está escri to que “Cristo nos res ga tou da mal di ção da Lei,
fa - zen do-se Ele pró prio mal di ção em nosso lu gar... para que a ben ção de
Abraão che gas se aos gen ti os, em Je sus Cris to, a fim de que re ce bês se mos,
pela fé, o Espí ri to pro meti do”.
4) Em GL. 3.29, está es cri to: “E, se sois de Cristo, tam bém sois descen den tes
de Abraão e her de i ros se gun do a pro mes sa”.

CONCLUSÃO : Deus cum pre in fa li vel men te as suas pro mes sas na vida
dos seus ser vos (Js. 21.45). E, quan do so mos aben ço a dos por Deus; esta ben
ção deve ser ex - ten si va a ou tras pes so as tam bém. Nós fo mos cha ma dos,
tan to para ser mos uma ben ção, como aben ço a do res de ou tras vi das. Mu i
tosque rem ser aben ço a dosego ís - ti ca men te, acu mu lan do bên çãos ape nas
para si. Po rém, Deus cha mou Abraão para ser uma ben ção, tan to para os seus
des cen den tes, como para to dos os ou tros po vos. Que Deus nos aben çoe a to
dos nós.

Esbo ço 06 – Dia 06 de Ja ne i ro
Tema: CRENDO NO IMPOSSÍVEL
Aca so, para o Se nhor há co i sa de ma si a da men te di fí cil?. Gn. 18.14

INTRODUÇÃO : Nes ta per gun ta que o Se nhor fez a Sara, Ele de i xa que o
ho mem te nha o li vre-ar bí trio de crer ou não crer, e espe ra de cada de um nós
uma respos ta de fé. Não te nha mos dú vi da de res pon der ao Se nhor, di zen
do: “Não, Se nhor! para ti não há nada de ma si a da men te di fí cil! Para Ti tudo
é pos sí vel!”. O ho mem pode fa zer o pos sí vel. O im pos sí vel so men te Deus
pode fa zer. O pos sí vel é ape nas crer. Por - tan to,fa ça mos o pos sível, e o im
possí vel de i xa com o Se nhor. Pois,ope ran do Deus, quem im pe di rá? (Is.
43.13).

1. PARA O SENHOR NADA É DIFICIL

1) Sara riu, em face da re i te ra ção da ve lha pro mes sa de ser mãe (Gn. 18.13).
Sara riu, não da ca pa ci da de de Deus em cumprir a pro mes sa; mas sim, da sua
pró pria in ca pa ci da de de ser mãe.

2) Nun ca de ve mos du vi dar do que Deus é ca paz de fa zer em prol de nos sas
vi das (Gn. 18.14).

3) Sara acha va mu i to di fí cil ser mãe, uma vez que já ti nha ul tra pas sa do a
con di - ção fí si ca para a con cep ção. Entre tan to, a res pos ta di vina: “Aca so,
para Deus, há co i sa de ma sia da men te di fí cil?”, trans pu nha o pro ble ma
para a es fe ra do po der mi ra culo so de Deus.

4) Em Mt. 9.28-29, Je sus fez uma per gun ta pa re ci da aos dois ce gos que lhe
se - gui ram pe din do com pai xão, di zen do: “Cre des que Eu pos so fa zer
isso? Res pon de ram-lhe: Sim, Se nhor! Então, lhes to cou os olhos, di zen do:
Faça-se-vos con for me a vos sa fé”. Pre ci sa mos dar ao Se nhor a mes ma res
pos ta de fé da que les ho mens: “Sim, Se nhor! Eu cre io que Tu po des re a li
zar este mi la gre!” O Se nhor de se ja va uma res pos ta afir ma tiva por par te de
Sara.

2. DEVEMOS CRER NA PROMESSA DE DEUS

1) Em ou tra oca sião,quan do Ma ria achou di fícil o cum primen to da pro


messa, a res pos ta an ge li cal foi a se guin te: “Por que para Deus nada é im pos
sí vel” – Lc. 1.37

2) Pa u lo dis se em Tito 1.2, que Deus não pode men tir.


3) O Escritor da Car ta aos He bre us foi mais en fá ti co ain da , ao afir mar que
“é im pos sí vel que Deus min ta” – Hb. 6.18
4) Por tanto, mes mo que as cir cuns tân ci as se jam as mais des fa vo ráve is ou
ad ver sas, cre ia sem pre que “Para Deus tudo é pos sí vel” (Mt. 19.26).

CONCLUSÃO : Deus é ma i or do que to dos os nos sos pro ble mas. Não exis
te pro ble - ma que Ele não pos sa re sol ver. Ele pode resol ver toda e qual quer
si tu a ção, por mais di fí cil que seja.

Esbo ço 07 – Dia 07 de Ja ne i ro
Tema: ESCAPA-TE POR TUA VIDA

E acon te ceu que, ti ran do-os para fora, dis se: Esca pa-te por tua vida; não
olhes para trás de ti e não pa res em toda esta campi na; es ca pa lá para o mon
te, para que não pere ças. Gn. 19.17.

INTRODUÇÃO : Deus, por sua in fi ni ta gra ça e mi se ri cór dia, sem pre pro
vi dên cia um es ca pe para aque les que são cha ma dos se gun do o seu pro pó si
to. Deus sempre abre uma por ta de es ca pe para os que o temem e con fi am
Nele. Mes mo quan do não me re ce mos, Ele ain da usa de mi se ri cór dia.

1. A ORDEM DE DEUS PARA LÓ ERA URGENTE

1) A ci da de já es ta va sen ten ci a da a des trui ção; e, Ló pre ci sa va sair da ci


da de com ur gên cia (Gn. 19.14). Os gen ros de Ló pe re ce ram por que não le
va ram a sé rio o avi so de Deus.
2) Ló es ta va de mo ran do de ma is e pro to co lan do. Entre tan to, Deus por
sua mi se - ri cór dia, pe gou pe las mãos de Ló e sua fa mí lia, e o le vou para
fora da ci da de (Gn. 19.16).

3) Ló pre ci sa va se apres sar e fu gir para um lu gar se gu ro (Gn. 19.22).

4) Em Hb. 2.3, está es cri to: “Como es ca pa re mos nós, se não aten tar mos
para uma tão gran de sal va ção, a qual, co me çan do a ser anun ci a da pelo Se
nhor, foi-nos, de po is, con fir ma da pe los que a ou viram”.

2. SOMENTE O SENHOR É O NOSSO VERDADEIRO ESCAPE

1) Em 1Sm. 23.28, após Davi es ca par da per se gui ção de Saul, ele cha mou
aque - le lu gar de “Sela-Ha ma le co te”, que sig ni fi ca “Pe dra de Esca pe”. O
Se nhor é a nos sa Ro cha de Escape (2Sm. 22.2).

2) Em 1Sm. 19.10, está escri to que Davi “es ca pou na que la mes ma no i te”.

3) No SL. 68.20, está es cri to que “O nos so Deus é o Deus Liber ta dor; com
Deus, o Se nhor, está o es ca par mos da mor te”.
4) No SL. 124.7-8, está es cri to que “A nos sa alma es ca pou, como um pássa ro
do laço dos pas sa ri nhei ros;o laço que brou-se, e nós es ca pa mos. O nos so so
cor ro está em o Nome do Se nhor, que fez o céu e a ter ra”. E, em Pv.18.10, Sa
lo mão afir ma que: “Tor re For te é o Nome do Se nhor; para ela cor re o jus to e
está se - gu ro”. Ale lu ia!

CONCLUSÃO : Con clu í mos esta men sa gem com o se guin te con se lho de
Je sus: “Vi - gi ai, pois, a todo tem po, oran do, para que pos sa is es ca par de to
das es tas co i sas que tem de suce der e está em pé na pre sen ça do Fi lho do Ho
mem” – Lc. 21.36.

Esbo ço 08 – Dia 08 de Ja ne i ro
Tema: PROSPERANDO NA ADVERSIDADE

E se me ou Isa que na que la mes ma ter ra e co lheu, na que le mes mo ano, cen
to por um, por - o ho mem, pros pe rou, fi cou ri quís si mo. GN. que o Se nhor o
aben ço a va. Enri que ceu-me 26.12-13

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do Deus pros pe rou Isa que, mes mo na
ad ver si da de. Mes mo em meio a fome que as so - la va a ter ra na que les dias,
Deus pro me teu aben ço ar Isa que, onde ele es ta va ha bi - tan do.
de Gê ne sis 26.12-13, per ce be mos como

1. SEGUINDO A ORIENTAÇÃO DIVINA


1) Deus acon se lhou Isa que a não des cer ao Egi to (Gn. 26.2). Mu i tas ve zes
so - mos ten ta dos a bus car fa ci li da des no Egi to.

2) Deus re no vou a pro mes sa de aben ço ar Isa que e a sua descen dên cia,
como ha via pro me ti do a Abraão (Gn. 26.3-4). O que nos mo ti va são as pro
mes sas de Deus nas nos sas vi das.

3) Isa que obe de ceu a Deus e fi cou em Ge rar (Gn. 26.6). Deus quer nos exal
tar no mes mo lu gar que mu i tas ve zes fo mos hu mi lha dos.
4) No SL.32.8, o Se nhor pro me te nos ori en tar e nos gui ar, di zen do: “Instru
ir-te-ei, e en si nar-te-ei o ca mi nho que de ves se guir; gui ar-te-ei com os meus
olhos”.
2. A BÊNÇÃO DO SENHOR É QUE ENRIQUECE

1) “Se me ou Isa que na que la ter ra e, no mes mo ano, re co lheu cen to por um,
por que o Se nhor o abenço a va” (Gn. 26.12). Qu an do Deus re sol ve nos aben
ço ar, em pou co tem po re cu pe ra mos as per das.

2) “Enri que ceu-se o ho mem, pros pe rou, fi cou ri quís simo” (Gn. 26.13). A
ben - ção do Se nhor nos en ri que ce (Pv. 10.22).

3) A nos sa pros pe ri da de des per ta in ve ja em ou tras pes so as que es tão em


vol - ta (Gn. 26.14). No SL. 112.10, está escri to que o in ve jo so che ga a se en
ra i ve - cer e se con su mir, por ca u sa da pros pe ri da de do jus to (SL. 112.1-
9).

4) Entre tan to, é o pró prio Deus que se com praz na pros pe ri da de do seu ser
vo (SL. 35.27).

CONCLUSÃO : A nos sa pros pe ri da de vem do Se nhor. E, Ele nos faz pros


pe rar mes - mo na ad ver si da de. A fome po dia está asso lan do a ter ra; po
rém, o ser vo de Deus ex pe ri men ta va far tu ra e abun dân cia, em meio a es
cas sez. Pois, o Se nhor pro me te aben ço ar toda obra das nos sas mãos (Dt.
28.12-13).

Esbo ço 09 – Dia 09 de Ja ne i ro
ema: VISÃO DE CURTO PRAZO E
T
VISÃO DE LONGO PRAZO

Dis se Jacó: Ven de-me pri me i ro o teu di re i to de pri mo ge ni tu ra. Deu,


pois, Jacó a Esaú pão e o co zi nha do de len ti lhas; ele co meu e be beu, le van
tou-se e saiu. Assim, des pre zou Esaú o seu di re i to de pri mo ge ni tu ra. Gn.
25.31-31

INTRODUÇÃO : Nes ta pas sa gem bí bli ca, que tra ta do mo men to em que
Esaú ven - deu o seu di re i to de pri mo ge ni tu ra a Jacó, apon ta para duas vi
sões di fe ren tes. Jacó pos su ía visão de lon go pra zo, e Esaú pos su ía visão de
cur to pra zo. As pes so as que pos su em vi são de cur to pra zo, são ime di a tis
tas e pre ci pi ta das. Po rém, as pes so as que pen sam a lon go pra zo, são pre ve
ni das, pa ci en tes, e pen sam no fu tu ro.

1. VISÃO DE CURTO PRAZO

1) Esaúpen sa va ape nas a cur to pra zo. Pois, o di re i to de pri mo ge ni tu ra


lhe as se - gu ra ria o be ne fi cio da por ção do bra da ape nas no futu ro; e, por
isso ele dis se: “Estou a pon to de mor rer; de que me apro ve i ta rá o di re i to
de pri mo ge ni tu ra?” (Gn. 25.32).

2) Esaúpen sa va ape nas em sa tis fa zer a von ta dedo seu


men to (Gn. 25.30). Aque le co zi nha do iria sa tis fa zer
es tô ma go na que le mo - a sua von ta de ape nas

na que le mo men to. Deus não quer nos dá uma so lu ção pa li a ti va. Ele pen sa
em nos dá uma so lu ção de fi ni ti va para os nos sos an se i os.
3) Ao le van tar os olhos e con tem plar a be le za apa ren te de So do ma, Ló tam
bém ti nha ape nas uma vi são de cur to pra zo (Gn. 13.10-13).
2. VISÃO DE LONGO PRAZO

1) Jacó pos suía vi são de lon go pra zo. Pois, o di re i to de pri mo ge ni tu ra,
além de as se gurar por ção do bra da ao pri mo gê ni to no fu tu ro; ele her da ria
o ca ja do de au to ri dade es pi ri tu al que es ta va so bre o pa tri ar ca da fa mí
lia (Gn. 25.31). Por isso, tudo o que Jacó que ria era o di re i to de pri mo ge ni tu
ra; o qual lhe as se gu ra ria um fu tu ro ga ran ti do.

2) Abraão pos su ía visão de lon go pra zo. Pois, após ele se se pa rar de Ló, o
Se - nhor asse gu rou o seu fu tu ro e da sua descen dên cia, di zen do: “Ergue os
olhos e olha des de onde estás para o nor te, para o sul, para o orien te e para o
oci den te; por que toda esta ter ra que vês, eu ta da rei, a ti e à tua des cen dên
cia, para sem - pre” – Gn. 13.14-15

3) Em Ec. 11.1, Sa lo mão nos en si na a ter mos uma visão de longo pra zo, di
zen - do: “Lança o teu pão so bre as águas, por que depo is de mu i tos dias o
acha rás”. De ve mos plan tar hoje para co lher mosama nhã.

CONCLUSÃO : Pre ci sa mos tro car a nos sa visão de cur to pra zo, por uma vi
são de lon go pra zo. O que pa re ce ser bom hoje, pode não ser ama nhã. E, o
que pa re ce ser ruim hoje, pode se tor nar uma ben ção no fu tu ro. Os que pen
sam ape nas em cur to pra zo, são gui a dos por vis ta. Po rém, os que tem visão
de lon go pra zo, ca mi nham por fé (2Co. 5.7).

Esbo ço 10 – Dia 10 de Ja ne i ro
Tema: TRANSFORMAÇÃO DE CARÁTER

Então, dis se: Já não te cha ma rás Jacó, e sim Isra el, pois como prín ci pe lu tas
te com Deus e com os ho mens e pre va le ces te. Gn. 32.28

INTRODUÇÃO: Neste tex to sa gra do que re ve lao en con tro transfor ma dor
que Jacó teve com Deus, apren de mos so bre a gran de trans for ma ção que
acon te ceu no ca rá ter de Jacó. É impos sí vel al guém conti nu ar o mesmo,
após ter um en con tro real com o Se nhor. Jacó, teve o seu ca rá ter trans for ma
do após se en con trar com o Se nhor.

1. CARÁTER DEFORMADO

1) Jacó aprendeu des de cedo a usar to dos os me i os para con se guir os seus in
ten - tos (Gn. 25.29-31). Jacó, in cons ci en te men te era adep to da te o ria ma
quia vé - li ca de que “os fins jus ti fi cam os mei os”.

2) O ca rá ter de for ma do que Jacó car re ga va foi pro vo ca do pela pró pria cri
a ção que ele teve da sua mãe (Gn. 27.5-13). Sua pró pria mãe o ins ti gou a con
se - guir o que ele queria, não im por tan do os me i os uti li za dos.

3) Ao fu gir para a casa de seu tio La bão, Jacó encon trou al guém com o ca rá
ter mais de for ma do ain da do que o seu (Gn. 29.21-30).
4) Jacó ha via en ga na do seu ir mão e seu pai; e, ago ra achou um que o en ga
nou dez ve zes (Gn. 31.7). Esta é a lei da se me a du ra (CL. 3.25).
2. CARÁTER TRANSFORMADO

1) Ao se encon trar com Deus no Vau do Ja bo que, Jacó teve que re ve lar a sua
ver dade i ra iden ti da de (Gn. 32.27). Seu nome era Jacó, que sig ni fi ca “en ga
na dor” ou “su plan ta dor”. Antes, Jacó ha via menti do para o seu pai, di zen do
que era Esaú (Gn. 27.19).

2) Qu an do fa la mos a ver da de e re ve la mos nos sas fra que zas ao Se nhor,


Ele está pron to a nos trans for mar e nos aben ço ar. Foi isso que o Se nhor fez
com Jacó: “Já não te cha ma rás Jacó, e sim Isra el, pois como prín ci pe lu tas te
com Deus e com os ho mens e pre va le ces te” – Gn. 32.28.

3) Deus trans for mou o ca rá ter de Jacó. Pois, o Senhor lhe deu um novo nome;
uma nova ex pe riên cia; um to que es pe ci al; e o tor nou um gran de ven ce dor
(Gn. 32.28-32).

4) No SL. 51.10, Davi orou, di zen do: “Cria em mim, ó Deus, um co ra ção
puro, e re no va em mim um es pí ri to reto”. A trans for ma ção do ca rá ter de
for ma do de um ho mem, co me ça de den
co ra ção trans for ma do e re ge ne ra do.
tro para fora. Deus está pron to a cri ar em nós um

CONCLUSÃO : Deus está sem pre pron to do; e ain da nos fa zer um gran de
cam peão di an te de sua pre sen ça e di an te dos ho - mens.
a trans for mar qual quer ca rá ter de for ma -

Esbo ço 11 – Dia 11 de Ja ne i ro
Tema: NUNCA DESISTA DOS TEUS SONHOS E di zia um ao ou tro: Vem lá o
tal so nha dor! Gn. 37.19

INTRODUÇÃO: José foi um jo vemso nhador, cu jos so nhosse tor na ram re a


li da de. Po rém, isto não sig ni fi ca que foi fá cil a
mo men tos de mu i to de sâ ni mo di an te
sis tiu dos seus so nhos.
re a li za ção des ses so nhos. Cer tamen te hou ve das ad ver sida des. Entre tan
to, ele nun ca de -

1. O PRÓPRIO DEUS GARANTE A REALIZAÇÃO DOS NOSSOS SONHOS

1) Os so nhos de José fo ram da dos pelo pró prio Deus (Gn. 37.9-11). Mu i tos
so nhos que nascem no nosso co ra ção, são co lo ca dos pelo pró prio Deus;
pois, Ele mes mo tem in te res se em re a li zar isso em nos sas vi das.

2) O so nho que Ana ti nha de ter um fi lho, era o pró prio sonho de Deus. Pois,
Deus pro cu ra va um ho mem na que les dias para fa zer a tran si ção his tó rica
do pe río do dos Ju ízes para o pe río do da Mo nar quia Isra eli ta. E, Sa mu el,
foi o fi - lho que Ana so nhou, e o ho mem que re a li zou o so nho de Deus na
que le mo - men to (1Sm. 1.10-28; 10.1 e 16.13).

3) Em Fp. 2.13, Pa u lo diz: “Por que Deus é quem efe tua em vós tan to o que
rer como o re a li zar, se gun do a sua von ta de”. Por tan to, é o pró prio Deus
quem ga ran te a re a li za ção dos nos sos so nhos.

2. A PERSEVERANÇA É O GRANDE TRUNFO DOS QUE SONHAM

1) A per se ve ran ça é o se gre do da vi tó ria de to das as pes so as que con cre ti


za ram os seus so nhos. Pois, o pró prio Je sus dis se que: “É na per se ve ran ça
que ga nha re is a vos sa alma” (Lc. 21.19).

2) José sem pre ali men ta va nes sa per se veran ça, seu a es pe ran ça de ser
men ci o na do di an te de Fa raó; e, so nho foi con cre ti za do (Gn. 40.14-15 e
41.9-14).

3) A vi tó ria só é pro me ti da aos que per se ve ram até o fim (Mt. 24.13). O so
nho do grande líder afri ca no Nel son Man de la de ver a África do Sul li vre do
“apart he id”, só foi pos sí vel de po is de lon gos tre ze anos de per se ve ran ça
numa pri são.

CONCLUSÃO: Nun ca de sis ta dos seus sonhos. Abraão Lin coln só con se
guiu realizar o seu so nho de ser pre si den te dos Esta dos Uni dos, de po is de
sete ten ta ti vas fra cas sa das. E, de po is, se tor nou um dos mais ines que cí ve
is pre si den tes da his tó ria dos Esta dos Uni dos. Nun ca de ve mos de sis tir
dos nos sos so nhos; por que, a re a li za ção e con cre ti za ção dos nos sos so
nhos tem o “Sim” de Deus, por meio de Cris to (2Co. 1.19-20).

Esbo ço 12 – Dia 12 de Ja ne i ro
Tema: TRÊS COISAS QUE O PASTOR NÃO PODE NEGOCIAR

Res pon deu ele: Que pe nhor te da rei? Ela dis se: O teu selo, o teu cor dão e o
ca ja do que se gu - ras. Ele, pois, lhos deu e a pos su iu; e ela con ce beu dele. –
Gn. 38.18

INTRODUÇÃO : Nes ta his tó ria de Judá com a sua nora Ta mar, apren de mos
so bre o pe ri go de se ne go ci ar va lo res que ja ma is po dem ser ne go ci a dos
em nos sas vi das. Judá en tre gou a Tamar os três ob je tos que são im pres cin dí
ve is na vida de um pas tor: O selo, o cor dão, e o ca ja do. Po rém, nun ca ne go
cie e nem en tre gue a ou tros o que Deus con fi ou a você.

1. O SELO

1) O selo é a pri me i ra coi sa que o homem de Deus jama is pode ne go ci ar. O


selo nos tem pos bí bli cos era uma mar ca que iden ti fi ca va a pos se ou o di re
i to que o dono exer cia so bre de ter mi na da co i sa se la da ou mar ca da. O Se
nhor co nhe ce os que são seus atra vés de um selo (2Tm. 2.19).

2) Em nos sos dias, o selo é a mar ca de qua li da de que iden ti fi ca o pro du to,
ou a au ten ti ci da de de
da de, pro te ção e
uma as si na tu r

se gu ran ça. O
a. O selo nos trans mi te a ide ia de in vi o labi li - selo es pi ri tual é a ga ran tia
de que te mos a

mar ca do Espí ri to Santo em nos sas vi das; e o ini mi go de nos sas al mas ja
ma is con se gui rá rom per este selo (Ef. 4.30).
3) O Se nhor guar da rá a sua vida, e ja ma is de i xa rá que Sa ta nás rom pa o
seu la - cre es pi ritu al (1Jo. 5.18).

4) Em 2Co. 1.21-22, Pa u lo afir ma que “Aque le que nos con fir ma con vos co
em Cris to e nos un giu é Deus, que tam bém nos se lou e nos deu o pe nhor do
Espí - ri to em nos so co ra ção”.

2. O CORDÃO

1) O cor dão é a se gun da co i sa que o ho mem de Deus não pode ne go ci ar. O


cor - dão que Judá ha via de i xa do com Ta mar, era, na re a li da de, o seu pró
prio cin - to de pas tor. O cin to na Bí blia é sím bo lo de fir me za de ca rá ter.

2) Em Lu cas 12.35, Jesus dis se: “Cin gi do es te ja o vos so cor po, e ace sas, as
vos sas candeias”. O cin to é para es tar firma do nos lombos. Por isso, não pode
ser ne go ci a do.
3) O cin to da ver da de é uma das pe ças cha ves da ar ma du ra de Deus (Ef.
6.14). A ver da de é ine go ciá vel (Pv. 23.23).
4) O cor dão é a ga ran tia da es ta bi li da de pes so al; e, por isso ja ma is pode
ser ne - go ci a do (Ec. 4.12).

3. O CAJADO

1) O ca ja do é a ter ce ira co i sa que o pas torja ma ispode ne go ci ar.O ca ja do


é símbo lo da au to ri dade mi nis te ri al. A au to ri dade es pi ri tu al que Deus
nos deu ja ma is pode ser ne go ci a da.

2) Em Êx. 12.11, o povo de Isra el de ve ria es tar em pron ti dão, com os lom
bos cin gi dos,san dá li as nos pés e ca jado na mão.
3) Davi não abriu mão de seu ca ja do para en fren tar o seu ini mi go (1Sm.
17.40).
4) Be na ia ata cou o ini mi go com o seu ca ja do (2Sm. 23.21).
5) O ca ja do é uma das ar mas im pres cin dí vel para o exer cí cio mi niste ri al
do pas - tor (SL. 23.4).

CONCLUSÃO: Nun ca ne gocie os va lo res es pi ri tu a is e mi nis te ri a is que


Deus lhe deu. Nun ca tro que o que Deus lhe deu por ne nhu ma van ta gem apa
ren te.

Esbo ço 13 – Dia 13 de Ja ne i ro
Tema: FUGINDO DO PECADO

Então, ela o pe gou pe las ves tes e lhe dis se: De i ta-te co mi go; ele, po rém, de
i xan do as ves tes nas mãos dela, saiu, fu gin do para fora. Gn. 39.12

INTRODUÇÃO : Nes ta his tó ria bí bli ca em que ilus tra um jovem fu gin do
das gar ras de uma mu lher se du to ra; re ve la que, a fuga é a gran de arma que
o ho - mem dis põe para es ca par das gar ras se du to ras do pe ca do. José ven
ceu a ten ta - ção se xu al, por que fu giu; pois, para esse tipo de si tu a ção; va
len te não é o que fica, e sim o que foge.

1. FUGINDO DAS PAIXÕES DA MOCIDADE

1) O gran de con se lho que Pa u lo deu ao jo vem obre i ro Ti mó teo, foi o se


guin te: “Foge, ou tros sim, das pa i xões da mo ci da de.” (2Tm. 2.22)
2) Qu an do Pa u lo usou este ter mo “foge”, cer ta men te lhe veio a me mó ria a
fuga do jo vem José para ven cer o pe ca do. Davi, infe liz men te re sol veu fi
car, e aca bou sen do ven ci do pelo pe ca do (2Sm. 11.1-5).
3) San são, tam bém re sol veu fi car, e aca bou ven ci do pe las gar ras da mu
lher se - du to ra (Jz. 16.19-20). O con se lho que a pa la vra de Deus dá para ven
cer esse tipo de pe ca do é este: “foge.” (2Tm. 2.22).

2. FUGINDO DA APARÊNCIA DO MAL


1) Em 1 Ts. 5.22, o con se lho da pa la vra de Deus é este: “Abstende-vos de toda
apa rên cia do mal”. O ter mo “abs ter-se”, sig ni fi ca “fu gir” ou se “afastar”.

2) Em 1Tm. 6.11, Pa u lo dá um ou tro con se lho a Timó teo: “Tu, po rém, ó ho


mem de Deus, foge des tas co i sas; an tes, se gue a jus ti ça, a pi e da de, a fé, o
amor, a cons tân cia, a man sidão”.

3) Para ven cer o Di a bo, a Bí blia man da re sis tir (Tg. 4.7), e ele é que fu gi rá
de nós. Po rém, do peca do car nal, a Bí blia nos man da fu gir (Gn. 39.12; 2Tm.
2.22).

CONCLUSÃO : Si ga mos o con se lho do Escri tor da Car ta aos He bre us, o
qual nos re co men da, di zen do: “Por tan to, nós tam bém, pois, que es ta mos
ro de a dos de uma nu vem de tes te mu nhas, de i xe mos todo em ba ra ço e o
pe ca do que tão de per to nos ro de ia e cor ra mos, com pa ciên cia, a car re i ra
que nos está pro pos ta” (Hb. 12.1). Que o Se nhor sem pre nos guar de.

Esbo ço 14 – Dia 14 de Ja ne i ro
Tema: ESQUECIDO PELO HOMEM E LEMBRADO POR DEUS O co pe i ro-
che fe, to da via, não se lem brou de José, po rém dele se es que ceu. Gn. 40.23

INTRODUÇÃO: Nes ta his tó ria que en vol veu José e o co pe i ro-che fe de


Fa raó; re - ve la que, o ho mem pode se esque cer até mes mo da que le que o
aju dou a che gar na po si ção em que se en con tra; po rém, o nos so Deus não se
es que ce da que les que são fiéis, e Ele mes mo cria si tu a ções para que o seu
ser vo ve nha ser lem bra do e hon ra do pe ran te Deus e os ho mens que estão
em emi nên cia.

1. O NOSSO DEUS SE LEMBRA DOS SEUS

1) Em Gn. 8.1, está es cri to que “Lem brou-se Deus de Noé”.


2) Em Gn. 19.29, está escri to que “Lem brou-se Deus de Abraão e ti rou a Ló do
meio das ru í nas”. Até dos pa ren tes dos seus ser vos, Deus se lem bra.
3) Em Gn. 30.22, está escri to que “Lem brou-se Deus de Ra quel.. ”.
4) Em Êx. 2.24-25, está es cri to que, ou vin do Deus o ge mi do do seu povo no
Egi - to “lem brou-se da sua ali an ça com Abraão, com Isa que e com Jacó. E
viu Deus os fi lhos de Isra el e aten tou para a sua con di ção”.
5) Qu an do che gou a hora de exal tar José, o pró prio Deus cri ou a situ a ção
do so - nho de Fa raó, para que José fos se lem bra do e hon ra do pe ran te Fa
raó e seus ofi ci a is(Gn. 41-1-38).

2. O NOSSO DEUS JAMAIS SE ESQUECE

1) No SL. 77.9, o sal mis ta per gun ta: “Esque ceu-se Deus de ser be nig no?”
2) Em Is. 49.14-16, o Se nhor res pon de dizen do: “Mas Sião diz: O Se nhor me
de - sam pa rou, o Se nhor se es que ceu de mim. Aca so, pode uma mu lher es
que cer-se do filho que ain da mama, de sor te que não se compa de ça do fi lho
do seu ven tre? Mas ain da que esta vi es se a se es que cer dele, Eu, to da via,
não me es que ce rei de ti. Eis que nas pal mas das mi nhas mãos te gra vei”.
3) No SL. 119.49, o sal mis ta ora ao Se nhor, dizen do: “Lembra-te da pro mes
sa que fi zes te ao teu ser vo, na qual me tens fe i to es pe rar”.
4) Em Lc. 12.6, Je sus dis se que nem mes mo os par da is es tão es que ci dos di
an te de Deus.
5) Em Hb. 6.10, está es cri to que Deus não é in jus to para se es que cer do vos
so tra ba lho e do amor demons tra do para com o seu Nome.

CONCLUSÃO: Por tanto, cre ia que você ja ma is pas sa des per ce bi do di an


te de Deus. Deus ja ma is se es que ce dos seus ser vos.

Esbo ço 15 – Dia 15 de Ja ne i ro
Tema: O GRANDE SEGREDO DO SUCESSO DE JOSÉ

Dis se Fa raó aos seus ofi ci a is: Acha ría mos, por ven tu ra, ho mem como este,
em que há o Espí ri to de Deus? Gn. 41.38

INTRODUÇÃO : Mu i tas pes so as exal tam o su ces so de José, e a ex ce len


te ca pa ci - da de que ele ti nha para ser lí der aon de quer que o co lo cas se. Po
rém, por trás de todo esse suces so de José, ha via um se gre do que o pró prio Fa
raó, mes mo sen do ím - pio, logo ob ser vou: José era um ho mem em que ha via
o Espíri to de Deus.
1. O ESPÍRITO DE DEUS É O SEGREDO DO SUCESSO DOS GRANDES
HOMENS DA BÍBLIA

1) Mo i sés era um ho mem em que ha via o Espí ri to de Deus (Nm. 11.17). Este
era o se gre do de sua ex tra or diná ria ca pa ci da de de li de ran ça.
2) Jo sué, o seu su ces sor, era tam bém um ho mem em que ha via o Espí ri to de
Deus (Nm. 27.28 e Dt. 34.9).
3) Gi deão era ca pa ci ta do pelo Espíri to do Se nhor (Jz. 6.34).
4) San são era ca pa ci ta do pelo Espí rito do Se nhor (Jz. 14.6).
5) Davi era ca pa ci ta do pelo Espí ri to do Se nhor (1Sm. 16.13).

2. O ESPIRITO SANTO É O SEGREDO DO SUCESSO DA IGREJA


1) O Espí ri to de Deus era o gran de se gre do do su ces so do mi nis té rio terre
no de Je sus (Mt. 12.28; Lc. 4.1; 4.14; 4.18 e At. 10.38).
2) O Espíri to de Deus era o gran de segre do do su ces so dos após to los (At.
4.8; 8.14-15 etc.).
3) O Espí ri to de Deus era o gran de se gre do do su ces so da Igre ja Pri mi ti va
(At. 4.31).
4) O Espí ri to de Deus é o gran de se gre do do su ces so de to dos os fi lhos de
Deus hoje (Rm. 8.14).
5) To dos os homens san tos fala ram da par te de Deus, mo vi dos pelo Espí ri to
San to (1Pd. 1.21).

CONCLUSÃO: O Espí ri to de Deus sem pre será o se gre do do su ces so de


qual quer mi nis té rio bem su ce di do que exal te o Nome do Se nhor Je sus Cris
to.

Esbo ço 16 – Dia 16 de Ja ne i ro
Tema: O DEUS QUE MUDA SITUAÇÕES

Vós, na ver da de, in ten tas tes o mal con tra mim; po rém Deus o tor nou em
bem, para fa zer, como ve des ago ra, que se con ser ve mu i ta gen te em vida.
Gn. 50.20

INTRODUÇÃO: Este tex to sa gra do re ve la como o nos so Deus transfor ma


si tu a - ções apa ren te men te ne ga ti vas em si tu a ções po si ti vas; ca u sas
apa ren te men te per di - das em ca u sas ga nha. O nos so Deus trans for ma o
mal em bem, e con ver te a mal di ção em ben ção. O nos so Deus es cre ve cer
to, pe las li nhas tor tas dos ho mens.
1. DEUS TRANSFORMA O MAL EM BEM
1) A res pos ta de José aos seus irmãos não de i xa dú vi da de que ele acre di ta
va que Deus mu i tas ve zes trans for ma o fra cas so do homem em vi tó ria.
2) A ati tu de mal de Hamã em que rer des tru ir o povo Ju deu foi transfor ma da
por Deus em exal ta ção e re go zi jo para o seu povo – Et. 8.15-17 e 9.22
3) A atitu de mal de Na bu co do no zor em lançar os três jo vens cren tes na for
na lha de fogo, por se re cu sar a ado rar a es tá tua do rei, foi trans for ma da por
Deus em vi tó ria para Sa dra que, Me sa que e Abe de-Nego, e o Nome do Se
nhor foi grande men te glori fi cado. Pois, o mes mo rei que as si nouum de creto
or de nan do a to dos os po vos que ado ras sem a sua es tá tua; ago ra, teve que
assi nar um de cre to para que to dos os po vos te mes sem o Deus Ver da de i ro
(Dn. 3.28-30).
4) A ati tu de mal dos ini mi gos de Dani el em pre ju di cá-lo, a ponto do mes
mo ser lan ça do na cova dos leões, foi transfor ma da por Deus em vi tó ria para
Da ni el e em exal ta ção ao Deus Vivo e Ver da de i ro que en vi ou o seu anjo e
fe chou a boca dos leões (Dn. 6.19-28).

CONCLUSÃO : Nós apren de mos atra vés de mu i tosou tros exem plos nas
Escri tu ras que, o nos so Deus muda si tu a ções ad ver sas em nos sas vi das, e
con ver te em si tu a ções de bên çãos e vi tó ri as. De acordo com Ma la qui as
3.6, o nos so Deus não muda. Po rém, Ele muda si tu a ções di fí ce is de nos sas
vi das, e trans for ma es sas si tu a ções em opor tu ni da des para ma ni fes tar a
sua gló ria (João 9.1-3; e 11.3-4).

II – ESBOÇOS EM ÊXODO
Esbo ço 17 – Dia 17 de Ja ne i ro
Tema: O GRANDE EU SOU

Dis se Deus a Mo i sés: EU SOU O QUE SOU. Dis se mais: Assim di rás aos fi
lhos de Isra el: EU SOU me en vi ou a vós ou tros. Êx. 3.14

INTRODUÇÃO : Neste tex to Bí bli co, nós apren de mos so bre o Nomeautosu
fici en - te de nos so Deus; e, atra vés deste Nome, re ce be mos a se gu ran ça e
a con fi an ça de que o Senhor, nos so Deus, é mu i to mais além da qui lo que
imagi na mos ou pen sa mos que Ele seja. Pois, atra vés da re ve la ção des te
Nome, apren de mos que o po der do nos so Deus é in fi ni to e ili mi ta do.
1. A REVELAÇÃO DO “EU SOU” NAS ESCRITURAS

1) O “EU SOU” que apa re ceu a Mo i sés na sar ça ar den te, con ti nu ou se re
ve lan do em ou tras par tes das Escri tu ras. Em Êx. 15.26, Ele dis se a Mo i sés:
“EU SOU o Se nhor, que te sara”.

2) Em Êx. 20.2, Ele in tro duz os Dez Man da men tos, di zen do: “EU SOU o Se
nhor, teu Deus, que te tirei da ter ra do Egi to, da casa da ser vi dão”.
3) So men te no ca pí tu lo 19 de Le ví ti co, Ele re pe te por cer ca de 15 ve zes
as ex pres sões: “EU SOU o Se nhor, vosso Deus” ou “EU SOU o Se nhor”.
4) Em Lv. 20.8, Ele diz: “Guar dai os meus es ta tu tos e cum pri-os. EU SOU o
Se nhor, que vos santi fi co”.
5) Em Dt. 32.39, Ele dis se: “Vede, ago ra, que EU SOU, EU so men te, e mais
ne - nhum deus além de mim.. ”.
6) Em Is. 43.13, Ele diz: “Ainda an tes que houves se dia, EU SOU; e nin guém
há que pos sa fa zer es ca par das mi nhas mãos; ope ran do EU, quem im pe di
rá?”.
7) Em Is. 43.15, Ele diz: “EU SOU o Se nhor, o vos so San to, o Cri a dor de Isra
el, o vos so Rei”.
8) Em Is. 44.6, Ele diz: “Assim diz o Se nhor, Rei de Isra el, seu Re den tor, o Se
nhor dos Exér ci tos: EU SOU o Pri me i ro e EU SOU o Últi mo, e além de mim
não há Deus”.
9) Em Is. 45.22, Ele dis se: “Olhai para mim e sede sal vos, vós, to dos os li mi
tes da ter ra; por que EU SOU Deus, e não há ou tro”.
10)Em Gn. 15.1, Ele já ha via dito a Abraão: “Não te mas, Abrão, EU SOU o teu
Escudo, o teu gran dís simo ga lar dão”.
11)Em Gn. 17.1, Ele no va men te se apre sen tou a Abraão, di zen do: “EU SOU
o Deus Todo-Po de ro so; anda na mi nha pre sen ça e sê per fe i to”.
12)Em Ap. 1.8, Ele re ve la a uni for mi da de da Bí blia do Gê ne sis ao Apo ca
lip se, e se apre sen ta a João, na Ilha de Pat mos, dizen do: “EU SOU o Alfa e o
Ôme ga, diz o Se nhor Deus, Aque le que é, que era e que há de vir, o Todo-Po
de ro so”. Ale lu ia!

2. JESUS CRISTO É A REVELAÇÃO COMPLETA DO GRANDE EU SOU

1) De acor do com o Evan ge lho de João, nós apren de mos que Je sus Cris to é
o Gran de “EU SOU” ma ni fes ta do em pessoa (Jo. 1.14).
2) Em Jo. 4.26, Je sus dis se a mu lher sa ma ri ta na: “EU o SOU.”
3) Em Jo. 6.48, Je sus dis se: “EU SOU o Pão da Vida”.
4) Em Jo. 8.12, Je sus dis se: “EU SOU a Luz do mun do”.
5) Em Jo. 8.24, Je sus dis se: “...por que se não re co nhe cer des que EU SOU,
mor re - re is nos vossos pe ca dos”.
6) Em Jo. 8.28, Je sus dis se: “Qu an do le van tar des o Fi lho do Ho mem. .sa
be re is que EU SOU e que nada faço por mim mesmo; mas falo como o Pai me
en si - nou”.
7) Em Jo. 8.58, Je sus dis se: “Em ver da de, em ver da de vos digo: Antes que
Abraão exis tis se: EU SOU”.
8) Em Jo. 10.9, Je sus dis se: “EU SOU a Por ta”.
9) Em Jo. 10.11, Je sus dis se: “EU SOU o Bom Pas tor”.
10)Em Jo. 11.25, Je sus dis se: “EU SOU a Res sur re i ção e a Vida”.
11)Em Jo. 14.6, Je sus dis se: “EU SOU o Ca mi nho, a Ver da de e a Vida; nin
guém vem ao Pai se não por mim”.
12)Em Jo. 15.1, Je sus disse: “EU SOU a Vi de i ra Ver da de i ra”.

CONCLUSÃO : Qu an do Deus dis se a Mo i sés: “EU SOU O QUE SOU”, é


como se Ele es ti ves se di zen do ao seu ser vo: “EU SOU o que você pre ci sa
exa ta men te que Eu Seja”. Se você está com fome, Eu Sou o Pão da Vida; se
você está com sede, Eu Sou a Água da Vida; se você está per di do em al gum
lugar, Eu Sou o Ca mi nho; se você está en fer mo, Eu Sou o Se nhor que te sara;
se você está mor to, Eu Sou a Res sur re i - ção e a Vida; se você tem fal ta de al
gu ma co i sa, Eu Sou o Bom Pas tor e nada te fal - ta rá; se você anda em bus ca
da ver da de, Eu Sou a Ver da de; se você está com medo, Eu Sou o teu Escu do.

Esbo ço 18 – Dia 18 de Ja ne i ro
Tema: NÃO DEIXES PARA AMANHÃ

Fa lou Mo i sés a Fa raó: Dig na-te di zer-me quan do é que hei de ro gar por ti,
pe los teus ofi ci a is e pelo teu povo. Ele res pon deu: Ama nhã. Êx. 8.9-10

INTRODUÇÃO : Nes ta pas sa gem bí bli ca que nar ra o dra ma da li ber ta ção
de Isra el do Egi to, per ce be mos a re sis tên cia por par te de Fa raó e, ao mes
mo tem po a sua re - lu tân cia em fi car pro to co lan do para o outro dia aquilo
que ele de ve ria ter fe i to no dia que se chama hoje.

1. O TEMPO É HOJE
1) O dia de se con sa grar é hoje – Êx. 32.29
2) De ve mos guar dar o que o Se nhor nos or de na hoje – Êx. 34.11
3) É hoje que o Se nhor vos apa re ce rá – Lv. 9.4
4) É hoje que es ta mos vi vos – Dt. 4.4
5) É hoje que Deus fala com o ho mem, e este per ma ne ce vivo – Dt. 5.24
6) É hoje que Deus nos es ta be le ce por seu povo – Dt. 29.13
7) É hoje que o Se nhor co me ça rá a te en gran de cer pe ran te o povo – Js. 3.7

2. NÃO DEVEMOS FICAR INQUIETOS COM O AMANHÃ


1) Je sus dis se que não de ve mos an dar in qui e tos com o ama nhã – Mt. 6.34
2) É hoje que Deus nos dá o Pão Nos so de cada dia – Mt. 6.11
3) É hoje que nas ceu o Cris to – Lc. 2.11
4) É hoje que se cum priu a Escri tu ra – Lc. 4.21
5) Hoje houve sal va ção nes ta casa – Lc. 19.9
6) Hoje, se ou vir des a voz do Senhor, não en du re ça is o vos so co ra ção –
Hb. 4.7
7) “Je sus Cris to é o mes mo on tem, e hoje, e eter na men te” – Hb. 13.8

CONCLUSÃO : Nós de ve mos vi ver in ten sa mente o dia de hoje ,e, com pre
en der que, o mes mo Je sus que este ve co nos co on tem; está co nos co hoje, e
es ta rá co nos co ama nhã; por que, Ele é o úni co que está pre sen te nos três
tempos ao mes mo tem po (Mt. 28.20).

Esbo ço 19 – Dia 19 de Ja ne i ro
Tema: O SANGUE DA REDENÇÃO

O san gue vos será por si nal nas ca sas em que es ti ver des; quan do eu vir o san
gue, pas sa rei por vós, e não ha ve rá en tre vós pra ga des tru i do ra, quan do eu
fe rir a ter ra do Egi to. Êx. 12.13

INTRODUÇÃO : Nes ta pas sa gem bí bli ca que re gis tra em vi vas co res a
his tó ria da re den ção da na ção de Isra el da escra vi dão do Egi to, po de mos
apren der que, o san - gue do cor de iro mor to em res ga te de cada fa mí lia is ra
eli ta, simbo li za va o san gue do “Cor de i ro de Deus que tira o pe ca do do
mun do” (Jo. 1.29).

1. O EFEITO DO SANGUE DO CORDEIRO

1) Bas ta va o san gue do cor de i ro ser apli ca do nos umbra is das por tas, para
que o des tru idor res pe i tas se (Êx. 12.1-13).
2) O san gue é a pró pria vida pul san do. A mor te não ti nha po der so bre o san
gue do cor de iro (Êx. 12.23).
3) A Lei de Mo i sés foi san ci o na da atra vés da as per são do san gue (Êx.
24.8).
4) O le pro so só era pu ri fi ca do de po is de as per gido pelo san gue do cor de
iro (Lv. 14.25).
5) O Sumo Sa cer do te só en tra va no San to dos San tos por meio da as per são
do san gue (Lv. 16.19).

2. O EFEITO DO SANGUE DE CRISTO

1) O san gue de Je sus Cris to é a arma da nos sa Re den ção (Ef. 1.7).
2) O san gue de Je sus Cris to é a ga ran tia de vida eter na. A mor te não tem
mais po der so bre o san gue de Cris to (Jo. 6.54-56).
3) A Nova Ali an ça foi san ci o na da pelo san gue de Cris to (Mt. 26.28).
4) Nós fo mos puri fi ca dos da le pra do peca do pelo san gue de Cris to (Hb.
9.14).
5) Pelo san gue de Je sus, po de mos en trar no San to dos San tos (Hb. 10.19).
6) A Igre ja foi com pra da pelo pró prio san gue de Cris to (At. 20.28).
7) Cris to se tor nou o Grande Pastor das ove lhas, pelo san gue da eter na ali an
ça (Hb. 13.20).
8) A vi tó ria é nos sa pelo san gue de Je sus! (Ap. 12.11).

CONCLUSÃO: O san gue de Je sus Cristo é a nos sa arma de de fe sa para ven


cer a Sa ta nás e seus de mô ni os. O san gue de Je sus Cris to nos pu ri fi ca de
todo o peca do (1Jo. 7)).

Esbo ço 20 – Dia 20 de Ja ne i ro Tema: O DEUS QUE PELEJA POR NÓS


O Se nhor pe le ja rá por vós, e vós vos ca la re is. Êx. 14.14

INTRODUÇÃO: Nes ta pas sa gem bí bli ca, nós apren de mos que nun ca lu ta
mos so zi - nhos. Nun ca con quis tamos a vi tó ria ape nas por nos so pró prio es
for ço. To das as nos sas conquis tas só se tor nam pos sí ve is, por que o Senhor
pele ja por nós.

1. O NOSSO DEUS TRABALHA POR NÓS

1) Deus é o nos so Se nhor, e nós so mos os seus ser vos. Pela ló gi ca hu ma na,
os senho res apenas do mi nam, e os ser vos ape nas tra ba lham e servem aos
seus senho res. Po rém, o nosso Deus é um Senhor tão ma ra vi lho so e bon do
so, que, Ele tam bém tra ba lha e pe le ja por nós (Is. 64.4).

2) Há mo men tos que Ele nos con vi da ape nas para as sis tir o seu tra ba lho
por nos sas vidas (2Cr. 20.14-17).
3) Ne e mi as es ta va cer to de que o nos so Deus sem pre pe le ja por nós (Ne.
4.20).

2. A PELEJA É DE DEUS

1) O nos so Deus é um fogo que conso me e des trói os nos sos ad ver sá ri os
(Dt. 9.3).
2) O nos so Deus é que vai na fren te en di re i tan do os ca mi nhos tor tu o sos,
que bran do as por tas de bron ze e des pe da çan do as tran cas de fer ro (Is.
45.2).

in ter mé dio de Je sus Cris to (1Co. 3) As nos sas vi tó ri as são sem pre ob ti das
por 15.57).
CONCLUSÃO: Deus nun ca nos de sam pa ra rá e ta lha. Ele sem pre pe le ja rá
por nós (Hb. 13.5-6 e Ap. 17.14). nun ca nos de i xa rá so zi nhos na ba

Esbo ço 21 – Dia 21 de Ja ne i ro Tema: CELEBRANDO A VITÓRIA Can ta


rei ao Se nhor, por que tri un fou

INTRODUÇÃO : Nes te cân ti co de vi tó ri as al can ça das. Ce le bre mos,


pois, a vi tó ria que o Se nhor nos deu; por que, em Cris to, sem pre so mos vi to
ri o sos e tri un fantes.

1. O TEMPO DE CANTAR CHEGOU


1) Sa lo mão es cre veu que o tempo de can tar che gou (Ct. 2.12). A Bí blia des
cre ve ho mens e mu lhe res sem pre ce le bran do a vi tó ria com cân ti cos.
2) Mo i sés ce le brou a vi tó ria com cân ti co (Êx. 15.2).
3) Dé bo ra e Ba ra que ce le bra ram o cân ti co da vi tó ria so bre os seus ini mi
gos (Jz. 5.1-31).
4) Ana ce le brou o cân ti co da vi tó ria após ser aben ço a da (1Sm. 2.1-10).
5) Davi era mes tre em mú sica e acos tu ma do a ce le brar suas mu i tasvi tó rias
atra - vés de cân ti cos ao Se nhor (2Sm. 22.1-51).
6) Ha ba cu que ce le brou um cân ti co de vi tó ria em meio ás ad ver sida des
(Hc. 3.1-19).
7) Ma ria ce le brou um cân ti co de vi tó ria ao Se nhor, após ter sido esco lhi da
por Deus para ser a mãe do Sal va dor do mun do (Lc. 1.46-55).
2. ALEGRIA DA VITÓRIA NOS FAZ CANTAR
1) A vi tó ria al can ça da nos pro por ci o na ale gria para can tar e lou var ao Se
nhor. Ti a go diz: “Está al guém ale gre? Can te lou vo res” (Tg. 5.13).
2) No SL. 149.6, está es cri to: “Nos seus lá bi os es te jam os al tos lou vo res de
Deus, nas suas mãos, es pa da de dois gu mes”.
3) No SL. 20.5, está es cri to: “Ce le bra re mos com jú bi lo a tua vi tó ria e em
Nome do nos so Deus has te a remos pen dões; sa tis fa ça o Se nhor a to dos os
teus vo tos”.
4) No SL. 34.1, o sal mista diz: “Ben di rei o Se nhor em todo o tem po, o seu
lou vor es ta rá sem pre nos meus lá bi os”.
5) No SL. 98.1, está es cri to: “Can tai ao Se nhor um cân ti co novo, por que Ele
tem fe i to ma ra vi lhas; a sua des tra e o seu bra ço san to lhe al can ça ram a
vitó ria”.
6) No SL. 147.1, está es cri to: “Lou vai ao Se nhor, por que é bom e amá vel can
tar lou vo res ao nosso Deus; fica-lhe bem o cân ti co de lou vor”.
7) Em 1Co. 15.57, Pa u lo ce le brou a vi tó ria, dizen do: “Gra ças a Deus, que
nos dá a vi tó ria por in ter mé dio de nos so Se nhor Je sus Cris to”.

CONCLUSÃO : Nós te mos mu i tos mo ti vos para can tar e louvar ao Senhor
pelas vitó ri as al can ça das; e, como Pa u lo, po de mos con ti nu ar ce le bran
do a nos sa vi tó ria, di zen do: “Que di re mos, pois, a es tas co i sas? Se Deus é
por nós, quem será con tra nós? Mas em to das es tas co i sas so mos mais do que
ven ce do res, por aque le que nos amou” (Rm. 8.31,37). “Mas gra ças a Deus,
que nos dá a vi tó ria por nos so Se nhor Je sus Cris to” (1Co. 15.57).

glo ri o sa men te. Êx. 15.1


Mo i sés, apren de mos a lou var ao Se nhor pe las

Esbo ço 22 – Dia 22 de Ja ne i ro
Tema: SOMBRA E ÁGUA FRESCA

Então, che ga ram a Elim, onde ha via doze fon tes de água e se ten ta pal me i
ras; e se acam - pa ram jun to das águas. (Êx. 15.27)

INTRODUÇÃO : Após uma lon ga jor na da de escas sez de sombra e água atra
vés da que le de ser to ca us ti can te, os fi lhos de Isra el en con traram um ver
da de iro oá sis no de ser
fres ca da que las
sem pre pre pa ra
to. Eles passa ram a desfru tar da sombra das se ten ta pal me i ras e da água
doze fon tes que en con tra ram. Após um pe río do de es cas sez, Deus um pe río
do de far tu ra e abun dân cia em nos sas vi das.

1. APÓS A TEMPESTADE SEMPRE VEM A BONANÇA


1) Apren de mos atra vés da Bí blia, que, sem pre após a tem pes ta de vem a bo
nan - ça; e, sem pre após a es cas sez vem a far tu ra e a abun dân cia.
2) Após a tem pes ta de que as so lava o bar co onde Je sus e os dis cí pu los es ta
vam, veio a bo nan ça (Mt. 8.23-27).
3) Após a fome que Je sus passou no de ser to, vi e ram os an jos e o ser vi ram
(Mt. 4.1-11).
4) Após os dis cí pulos tra ba lha rem a no i te toda, sem apa nhar ne nhum pe i
xe, veio a pro vi dên cia di vi na tra zen do far tu ra e abun dân cia de pe i xes
(Lc. 5.1-11).
5) Após um ter rí vel pe río do de fome e es cas sez em Sa ma ria, veio a pro vi
dên cia di vi na, tra zen do abun dân cia de ví ve res,
6) Após um pe ríodo de in ten sa per se gui ção
à por ta de Sa ma ria (2Rs. 7.1-16). aos Cris tãos nos pri me i ros dias, veio a paz
so bre a Igre ja em to das aque las re giões (At. 8.2 e At. 9.31).
7) Após um pe río do de di fi cul da de en fren ta da nos seus dias, Isa que ex pe
ri men - tou o mila gre da pro vi são divi na, e a ben ção do Se nhor na sua vida
(Gn. 26.1-14).

CONCLUSÃO : Há um texto na pa la vra de Deus que diz: “Me lhor é o fim das
co i sas do que o seu prin cí pio.” (Ec. 7.8). Este ja mos cer tos de que, ain da que
o mo men to que es ta mos atra ves san do não seja dos me lho res; to da via, as
co i sas vão ter mi nar bem me lhor do que ima gi na mos; pois, logo adi an te há
um oásis de bên çãos e abun dân cia que o Se nhor tem re ser va do para nos sas
vi das.

Esbo ço 23 – Dia 23 de Ja ne i ro
Tema: QUATRO QUALIDADES QUE OS LÍDERES PRECISAM TER
Pro cu ra den tre o povo ho mens ca pa zes, te men tes a Deus, ho mens de ver da
de, que abor re - fes de mil, che fes de cem, che fes de cin quen ta e çam a ava re
za; põe-nos so bre eles por che che fes de dez. Êx. 18.21

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós tan tes que os li de res es co lhi
dos por Deus Deus pre ci sam ser pes so as qua li fi ca das. en con tramos qua tro
qua lida des im por- pre ci sam ter. Os lí de res es co lhi dos por
1. HOMENS CAPAZES
1) A pri me i ra qua li da de que o lí der es co lhi do por Deus pre ci sa ter, é a ca
pa ci ta - ção para exer cer bem a sua função. Deus usa a cada um, se gun do a ca
pa ci da - de que o pró prio Deus lhe con ce deu.
2) Deus re qui si tou a Pa u lo para a sua obra, por que, ele tinha a ca pa ci da de
de fa - zer aquilo para o qual foi es co lhi do (At. 9.1-16).
3) Deus re qui si tou a Mo i sés para li ber tar o seu povo do Egi to, por que,
Deus já lhe ha via ca pa ci ta do para isso (Êx. 4.1-17).
4) Para traba lhar no Mi nis té rio da Casa de Deus, era pre ci so es co lher
homens ca pa zes (1Cr. 9.13).
5) Para irem a guer ra te ri am que ser ho mens ca pa zes (1Cr. 12.33).
2. HOMENS TEMENTES A DEUS

1) O lí der esco lhi do por Deus pos sui o te mor do Se nhor em seu co ra ção. O
te - mor ao Se nhor é o prin cí pio da sa be do ria (Pv. 9.10); e, todo lí der esco
lhi do por Deus pre ci sa ter esse prin cí pio (Dt. 34.9).

2) Os gran des lí de res da Bí blia, eram ho mens te men tes a Deus (Gn. 22.12;
42.18; Jó 1.1 etc.).
3) O te mor a Deus é des cri to na Bí blia, como um dos de ve res uni ver sa is do
ho mem (Ec. 12.13).
4) O te mor do Se nhor deve ser o gran de te sou ro de um lí der (Is. 33.6). 5)
“Bem-aven tu ra do aque le que teme ao Se nhor e anda nos seus ca mi nhos!”
(SL. 128.1).
3. HOMENS DE VERDADE
1) Os lí de res es co lhi do por Deus pre ci sam se rem ho mens ver da de i ros. O
lí der es co lhi do por Deus pre ci sa ser um ho mem que ame a ver da de (SL.
25.5). 2) Deus é a ver da de, e exi ge que seus ser vos se jam tam bém ho mens
de ver da de (Dt. 32.4).

3) Cada um deve fa lar a ver da de com o seu pró xi mo (Zc. 8.16 e Ef. 4.25).
4) Nada po de mos con tra a ver da de (2Co. 13.8).
5) O ho mem de Deus pre ci sa usar o cin to da ver da de (Ef. 6.14).

4. HOMENS QUE ABORREÇAM A AVAREZA

1) O lí der esco lhi do por Deus abor re ce a ava re za. Os ho mens que aborre
cem a ava re za, são pes so as que abo mi nam o ganho de so nes to e que por
isso, es tão li vres da co bi ça e do amor ao dinhe i ro (1Tm. 6.10).
2) Je sus nos en si nou que de ve mos nos guar dar da ava re za (Lc. 12.15).
3) O que abor re ce a ava re za pro lon ga rá os seus dias (Pv. 28.16).
4) A Bí blia com pa ra a ava re za ao pe ca do da ido la tria (CL. 3.5).
5) Os fal sos lí de res são mo vi dos pela ava re za (2Pd. 2.3 e 2.14).
6) Os ver da de iros lí de res vi vem con ten tes e sem ava re za (Hb. 13.5).

CONCLUSÃO: Os lí de res que pos su em es tas qua tro qua li da des es tão ap
tos a se rem usa dos por Deus, e a re a li za rem um gran de tra ba lho para o Se
nhor.

Esbo ço 24 – Dia 24 de Ja ne i ro
Tema: PROPRIEDADE DE DEUS

Ago ra, pois, se di li gen te men te ou vir des a mi nha voz e guar dardes a mi
nha ali an ça, en tão, se re is a mi nha pro pri e da de pe cu li ar den tre to dos os
po vos; por que toda a ter ra é mi nha. Êx. 19.5

INTRODUÇÃO: Apren de mos atra vés deste tex to sa gra do, que o Se nhor
nos ele - geu como a sua pro pri e da de par ti cu lar. Nós so mos pro pri e da de
de Deus, e, esta pro pri eda de pos sui o selo de au ten ti ca ção do Espíri to San
to.

1. NÓS FOMOS COMPRADOS POR DEUS

1) Deus ha via resga ta do Isra el do Egito para ser a sua he ran ça (Dt. 4.20).
2) Na Nova Alian ça, Deus nos com prou por um bom pre ço (1Co. 6.20).
3) O selo de pro pri e da de Di vi na já está es tam pa do em nós (Ef. 1.13-14).
4) Ago ra, nós so mos povo de pro pri e da de ex clu si va de Deus (1Pd. 2.9).

2. DEUS NOS VALORIZOU MUITO E PAGOU UM ALTO PREÇO POR NÓS

1) O va lor da re den ção da nos sa alma para Deus é ca rís si mo (SL. 49.7-8).
2) Nós não so mos mer ca do ria de ba i xo va lor. Deus nos su perva lo rizou e
nos com prou por algo mu i to mais va li o so do que pra ta ou ouro (1Pd. 1.18-
19).
3) Nós cus ta mos o pre ci o so san gue de Cris to (At. 20.28).
4) A nos sa Re den ção cus tou o va lor in fi ni to do san gue ver ti do de Cris to
(Ef. 1.7).

CONCLUSÃO : Deus co nhe ce os que são seus atra vés do seu selo de pro pri e
da de (2Tm. 2.19). A Igre ja como pro pri e da de de Deus já pos sui o selo da Re
den ção (Ef. 4.30).

Esbo ço 25 – Dia 25 de Ja ne i ro
Tema: O ASPECTO DA GLÓRIA DO SENHOR O as pec to da gló ria do Se
nhor era como um fogo con su mi dor no cimo do mon te, aosolhos dos fi lhos de Isra
el. (Êx. 24.17)

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do nós apren de mosacer ca da ma ni fes


ta ção vi sí- vel da Gló ria Di vi na; e, dentre as di ver sas ma ne i ras que a Gló
ria do Se nhor se mani fes ta, o fogo é o as pec to mais visí vel da Gló ria do
Senhor através da Bíblia.

1. O ASPECTO DA GLÓRIA DIVINA COMO FOGO

1) Nas vá ri as ocasiões em que a Gló ria Di vi na se ma ni fes tou na Bí blia, ti


nha o as pec to de fogo. O fogo bri lha e trans mi te luz. O nos so Deus é “So bre
ves ti do de Gló ria e Ma jes ta de, co ber to de luz como de um manto” (SL.
104.1-2).

2) Em Gn. 15.17, Deus ma ni fes tou o seu po der a Abraão por meio de um fo
ga re i ro fu me gan te e uma to cha de fogo.
3) Em Êx. 3.1-2, Deus se ma ni fes tou a Mo i sés por meio de uma sar ça que ar
dia no fogo e não se con su mia.
4) Em Êx. 19.18, o Se nhor des ceu so bre o mon te Si nai em fogo.
5) Em Êx. 40.34-38, a Gló ria do Se nhor so bre o Ta ber ná cu lo, ti nha o aspec
to de uma nu vem de fogo.
6) Em 2Cr. 7.1-3, a Gló ria do Se nhor encheu a Casa do Se nhor com o as pec to
de fogo.
7) Em Ez. 1.27, o aspec to da Gló ria do Se nhor era como me tal bri lhan te e
como um fogo res plan de cen te ao seu re dor.

2. A RELAÇÃO DO FOGO COM A DIVINDADE

1) Mes mo nas re li giões pagãs, o fogo sem pre foi vis to como algo di vi no.
Ainda que de for ma de tur pa da, as re li giões pa gãs con ti nu am “ta te an do”,
na bus ca do “Deus Des co nhe ci do”, como disse o apósto lo Pa u lo em Atenas
(At. 17.27).

2) Em Dt. 4.24, está es cri to: “Por que, o Se nhor, teu Deus, é fogo que con so
me, é Deus Ze lo so”.
3) O pro fe ta Da ni el con tem plou o Tro no do Se nhor cer ca do de ro das de
fogo (Dn. 7.9-10).
4) Em Mt. 3.11, Jesus é o que nos ba ti za com o Espí ri to San to e com fogo.
5) Em Lc. 12.49, o pró prio Je sus disse: “Eu vim lan çar fogo so bre a ter ra”.
6) Em At. 2.1-4, por oca sião da desci da do Espíri to San to no Dia de Pen te cos
tes, Je sus lan çou o fogo do Espíri to so bre a terra, e os cren tes co me ça ram a
fa lar lín guas como de fogo.
7) Em 2Ts. 1.7-9, Pa u lo afir ma que o Se nhor Je sus Cris to há de se mani fes
tar por oca sião de sua Se gun da Vin da em cha mas de fogo.

CONCLUSÃO: Na Antiga Ali an ça, a Gló ria do Se nhor era vis ta de for ma
ex ter na como fogo. Po rém, na Nova Ali an ça, a Gló ria do Se nhor se ma ni
fes ta como fogo den tro dos nos sos co ra ções, por meio do Espí ri to San to
que ha bi ta em nós (1Ts. 5.19).

Esbo ço 26 – Dia 26 de Ja ne i ro
Tema: A SEGURANÇA QUE A PRESENÇA DE DEUS TRANSMITE
Res pon deu-lhe: A mi nha pre sen ça irá con ti go, e eu te da rei des can so. Êx.
33.14

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do, nós apren de mos so bre a su fi ciên
cia que a pre sen ça de Deus nos ofe re ce. A pre sen ça do Se nhor nos trans mi
te paz, se gu ran ça, pro vi são, e pro te ção. Não há nada mais ani ma dor e for ta
le ce dor do que a pre sen ça do Se nhor co nos co.

1. NUNCA PODEMOS ABRIR MÃO DA GLORIOSA PRESENÇA DO


SENHOR

1) Mo i sés não ace i ta va ou tro subs ti tu to para a pre sen ça de Deus, por que,
a pre - sen ça de Deus é in subs titu í vel (Êx. 33.15).
2) Na pre sen ça de Deus há far tu ra de ale gria (SL. 16.11).
3) A pre sen ça de Deus nos en che de gozo (SL. 21.6).
4) O ma i or medo de Davi era per der a pre sen ça de Deus na sua vida (SL.
51.11).

2. DEVEMOS SEMPRE BUSCAR A PRESENÇA DO SENHOR

1) De ve mos bus car a pre sen ça do Se nhor cons tan te men te (SL. 105.4).
2) De ve mos nos hu mi lhar na pre sen ça de Deus (Tg. 4.10).
3) A nos sa ora ção sobe como in cen so até a pre sen ça do Se nhor (SL. 141.2).
4) No SL. 27.8, Davi dis se: “Ao meu co ra ção me ocor re: Bus cai a mi nha pre
sen - ça; busca rei, pois, Se nhor, a tua pre sen ça”. A pró pria voz do Se nhor con
vo ca o nos so co ra ção a bus car à sua pre sen ça.

CONCLUSÃO : Je sus pro me teu a sua pre sen ça co nos co to dos os dias (Mt.
28.20). A pre sen ça de Je sus em nos sas vi das é a garan tia da nos sa vi tó ria.
Pois, Ele mes mo disse: “sem mim nada po de is fa zer” (Jo. 15.5). No co me ço
da Igre ja, os dis cí pu los an da vam tan to na pre sen ça do Se nhor, que, os pró
pri os ad ver sá ri os da Igre ja per ce bi am isso (At. 4.13).

III – ESBO ÇOS EM LEVÍTICO


Esbo ço 27 – Dia 27 de Ja ne i ro Tema: ALTAR EM CHAMAS O fogo ar de rá
con ti nu a men te so bre o al tar; não se

INTRODUÇÃO: A pa la vra “al tar”, é ori un da da gre ga “thysas te ri on”, que


sig ni fi ca “lu gar de sa cri fí ci os”, e tam bém do la tim “al ta re”, que sig ni fi
ca “lu gar alto”. O al tar era um lugar sa gra do onde se que i ma va ofer tas e sa
cri fí ci os ofe re ci dos à di vinda de. No caso do povo de Deus, o al tar se tor na
va o pon - to re fe renci al onde o ado ra dor ce le bra va a sua co mu nhão com
Deus, ofe re cen do ho lo ca ustose ofer tas pa cí fi cas (2Sm. 24.24).

apa ga rá. Lv. 6.13


pa la vra he bra i ca “mi az be ah”, e da
1. O ALTAR DEVERIA PERMANECER ACESO CONTINUAMENTE

1) O al tar de Deus de ve ria per ma ne cer em cha mas (Lv. 6.13).


2) Quem acen deu o fogo do al tar foi o pró prio Deus (Lv. 9.24).
3) Quem acen de o fogo da pa la vra em nos sos co ra ções é o pró prio Se nhor
(Jr. 20.9).
4) Quem in cen di ou o fogo do Espí ri to San to na Igre ja foi o pró prio Se nhor
(At. 2.1-4).
5) A le nha é o com bus tí vel para manter o al tar em cha mas (Lv. 6.12). Pois,
em Pro vér bi os. 26.20, está escri to que “Sem le nha, o fogo se apa ga”. A ora
ção to - das as ma nhãs é o com bus tí vel es pi ri tu al para man ter o nos so al
tar ace so.
2. O NOSSO ALTAR PRECISA SER SEMPRE RESTAURADO E
RENOVADO 1) Eli asres ta u rou o al tar do Se nhor, e o Se nhorin cen di ou no
va men te o seu al - tar (1Rs. 18.30-39).

2) Davi edi fi cou um al tar ao Se nhor, e o Senhor incen di ou o seu al tar (1Cr.
21.26).
3) Asa re no vou o al tar do Se nhor, e pro mo veu um gran de re a vi va men to
es pi ri - tu al en tre o povo (2Cr. 15.8).
4) No al tar de Deus sem pre exis te bra sas vivas (Is. 6.6-8).
5) O Escri tor sa gra do da Epis to la aos He bre us dis se que “Te mos um al tar.”
(Hb. 13.10). E, o fogo des se al tar deve sempre ser re a ti ça do (2Tm. 1.6).

CONCLUSÃO: A pa la vra de Deus afir ma que de ve mos ser “fer vo ro sos de


es pí rito, ser vin do ao Se nhor’ (Rm. 12.11). Que o Espí ri to San to con ti nue
sem pre ar den do em nossos co ra ções, como um fogo que mantém o nos so al
tar sem pre em cha mas (1Ts. 5.19).

Esbo ço 28 – Dia 28 de Ja ne i ro
Tema: CHAMADO PARA SER SANTO

Ser-me-eis san tos, por que Eu, o Se nhor, Sou San to e se pa rei-vos dos po vos,
para ser des meus. Lv. 20.26

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do, nós apren de mos so bre a ne ces si da
de de vi - ver mos uma vida de santi da de; pois, o Se nhor nos cha mou e nos se
pa rou do mun do para ser mos san tos.

1. A SANTIDADE FAZ PARTE DO PRÓPRIO CARÁTER DE DEUS

1) Deus sem pre se re ve la nas Escri tu ras como um Ser San to, e, por isso, exi
ge que os seus ser vos se jam tam bém san tos (1Pd. 1.16).
2) De ve mos ado rar a Deus na Be le za da sua Santi da de (SL. 29.2).

3) A san ti da de con vém à Casa do Se nhor (SL. 93.5).


4) Deus cha mou o povo de Isra el para ser uma na ção san ta (Êx. 19.6).
5) Pa u lo afir ma que a von ta de de Deus é a nos sa san ti fi ca ção (1Ts. 4.3).
6) Deus nos cha mou para a san ti fi ca ção (1Ts. 4.7).
7) Deus nos es co lheu des de o prin cípio para a sal va ção, pela san tifi ca ção
do Espí ri to e fé na ver da de (2Ts. 2.13).
2. A SANTIFICAÇÃO É UMA CONDIÇÃO INDISPENSÁVEL PARA VER
AO SENHOR 1) A san ti fi ca ção é uma con di ção “Sine Ku a non” para ver
mos ao Se nhor. Sem san ti fica ção nin guém verá o Se nhor (Hb. 12.14).

2) De ve mos an darpe ran te o Se nhor em san tida de e jus ti ça to dosos nos


sosdias (Lc. 1.75).
3) De ve mos

4) De ve mos
dar fru to para a san ti fica ção (Rm. 6.22).
an dar com sin ce ri da de e san ti da de di an te de Deus (2Co. 1.12).

5) Nós já fo mos la va dos, san tifi ca dose jus tifi ca dos, em o Nomedo Se nhor
Je sus Cris to e no Espí ri to do nosso Deus (1Co. 6.11).
6) De ve mos ser con fir ma dos em san ti da de (1Ts. 3.13).
7) Nós fo mos elei tos por Deus em san ti fi ca ção do Espí ri to (1Pd. 1.2).

CONCLUSÃO: A san ti fi ca ção é um pro ces so gra da ti vo, no qual es ta mos


sen do aper fe i ço a dos pelo nos so Deus a cada dia. Pois, a pa la vra do Se nhor
afir ma que de - ve mos aper fe iço ar a nos sa san tifi ca ção no te mor do Se
nhor, e ser vi-lo a cada dia com re ve rên cia e san to te mor (2Co. 7.1 e Hb.
12.28).

Esbo ço 29 – Dia 29 de Ja ne i ro
Tema: O ANO DO JUBILEU

San ti f i ca re is o ano quinqua gé si mo e pro cla ma re is li ber da de na ter ra a


to dos os seus mo ra do res; ano de ju bi leu vos será, e tor na re is, cada um à
sua pos ses são, e cada um à sua família. Lv. 25.10

INTRODUÇÃO: O Ano do Ju bi leu era um ano me mo rá vel na his tó ria de


Isra el. O Ano de Ju bileu vi nha de po is de cada sé timo ano sa bá tico, por tan
to, no quinqua gé - si mo ano. Nes te ano, to dos os es cra vos
os pro pri e tá ri os re ce bi am seus ha ve res
men to ge ral de to das as divi das.
ti nham a sua li berda de res ta u rada, e to dos em res ti tu ição, além de ha ver
um can ce la

1. ANO DE JUBILEU ERA O ANO DA LIBERDADE


1) O Ano de Ju bi leu era o Ano da Liber da de, porque, to dos os es cra vos rece
bi am a sua li ber ta ção (Lv. 25.39-41).

2) No Ano de Ju bi leu de ve ria ser pro cla ma do Li ber da de na ter ra (Lv.


25.10).
3) Em Ez. 46.17, o pro fe ta fala acer ca des se Ano da Li ber da de.
4) Je sus Cris to veio para pro cla mar a to dos nós o Ano da Li ber da de (Lc.
4.18).
5) A pre sen ça do Espíri to San to ga ran te a nos sa Li ber da de (2Co. 3.17).
6) Para a Li ber da de foi que Cris to nos liber tou (GL. 5.1).
7) De ve mos per se ve rar na lei da Li ber da de (Tg. 1.25).

2. ANO DE JUBILEU ERA O ANO DA RESTITUIÇÃO

1) O Ano de Ju bi leu era tam bém o ano da res ti tu i ção, por que, cada um retor
na - va à sua pos ses são (Lv. 25.13).
2) Davi res ti tu iu to das as ter ras de Saul a Me fi bo se te (2Sm. 9.7).
3) A Su na mi ta re ce beu a res ti tu i ção de to das as ren das de suas ter ras
(2Rs. 8.6).
4) Deus tam bém res ti tu i rá a nos sa jus ti ça(Jó 33.26).
5) Davi pe diu ao Se nhor a res ti tu i ção da ale gria da sua sal va ção (SL.
51.12).
6) Deus pro me teu nos res ti tu ir os anos per di dos (JL. 2.25).
7) Deus pro me teu nos res ti tu ir hoje, tudo em do bro (Zc. 9.12).

CONCLUSÃO: De ve mos crer que, o Se nhor es ta rá sem pre pron to a co ro


ar o nos so ano com a sua bon da de; e, con fi ar que o Se nhor Je sus Cris to já
pro cla mou o Ju bi leu da vitó ria em nossas vidas (SL. 65.11 e 2Co. 2.14; CL.
2.14-15).

IV – ESBOÇOS EM NÚMEROS
Esbo ço 30 – Dia 30 de Ja ne i ro
Tema: AS DUAS TROMBETAS PROFÉTICAS

Dis se mais o Se nhor a Mo i sés: Faze duas trom be tas de pra ta; de obra ba ti
da as fa rás; ser vir-teão para con vo ca res a con gre ga ção e para a par ti da dos
ar ra i a is. Nm. 10.1-2

INTRODUÇÃO: Estas duas trom be tas de pra ta que o Se nhor or de nou que
Moi sés fi zes se, ser vi ria para duasprin cipa is con vo ca ções. A con vo ca ção
para um ajun ta men - to sole ne, e a con
trom be ta pode ser
se gun da trom be ta,
men to”.
vo ca ção para a parti da do ar ra i al do povo de Deus. A prime i ra

de sig na da pro fe ti ca men te de


pode ser de sig na da pro fe ti ca men te
“Trom be ta do Avi va men to”, e, a de “Trom be ta do Arre ba ta -
1. A TROMBETA DO AVIVAMENTO

1) As duas trom be tas de pra ta de ve riam ser to ca das povo de Isra el, bem
como, nas suas fes ti vi da des (Nm. 10.10). E, nes tes dias de ajun ta men to es
pi ri tu al, o Se nhor se lem bra ria do seu povo para aben çoá-lo.

2) No SL. 81.3, está es cri to: “To cai a trom be ta na Fes ta da Lua Nova, na lua
che - ia, dia da nos sa fes ta”.
3) O pro fe ta Joel men cio na o to que da trom be ta do avi va men to, quan do
diz: “To cai a trom be ta em Sião, pro mul gai um san to je jum, procla mai uma
as sem ble ia so le ne. Con gre gai o povo, san ti fi cai a con gre ga ção.” (JL.
2.15-17).
4) Antes do to que da trom be ta do ar re ba tamen to, o Se nhor or de na o to que
da trom be ta do aviva men to; pois, an tes dos si na is que mar ca rão o gran de
Dia da sua Vin da, Ele pro me te um gran de der ra ma men to do seu Espíri to so
bre toda a car ne (JL. 2.28-32).
5) O pro fe ta Isa ías fa lou tam bémdo to que de uma gran detrom be ta con vo
can do o seu povo dis per so para o ado rar em Je ru sa lém (Is. 27.13).

2. A TROMBETA DO ARREBATAMENTO

1) O se gun do gran de ob je ti vo das trom be tas de pra ta, era para con vo car a
par ti da do ar ra i al dos fi lhos de Isra el, a fim de mar cha rem rumo a Ter ra
Pro me ti da (Nm. 10.5-6).

2) O gran de ob je ti vo da trom beta do ar re ba ta men to é con vo caros sal


voses pa lha - dos pe los qua tro can tos da ter ra para par ti rem ao en con tro do
Se nhor nos ares (Mt. 24.31).

3) O pro fe ta Joel tam bémfa lou da Trom beta do Arre ba ta men to, quan do
diz:“To cai a trom be ta em Sião e daí voz de re ba te no meu san to mon te; per
tur bem-se to dos os mo ra do res da ter ra, por que o Dia do Se nhor vem, já está
pró xi mo” (JL. 2.1).

4) O pro fe ta So fo ni as afir ma que o Dia do Se nhor é um dia de trom be ta


(Sf. 1.16).
5) O Após to lo Pa u lo afir ma que a trom be ta so a rá e os mor tos res sus ci
tarão in - cor rup tí ve is e nós se re mos trans for ma dos (1Co. 15.52).
CONCLUSÃO: Pre ci sa mos es tar pre pa ra dos, “Por que o mes mo Se nhor
des ce rá do céu com ala ri do, e com voz de ar can jo, e com a trom be ta de
Deus; e os que mor re - ram em Cris to res sus ci tarão pri me i ro; de po is, nós,
os que fi carmos vi vos, se re mos ar re ba ta dos jun ta men te com eles nas nu
vens, a en con trar o Se nhor nos ares, e as - sim esta re mos sempre com o Se
nhor” – 1Ts. 4.16-17.
no ajun ta men to so le ne do

Esbo ço 31 – Dia 31 de Ja ne i ro
Tema: REFORÇO ESPIRITUAL
Dis se o Se nhor a Mo i sés: Ajun ta-me se ten ta ho mens dos an ciãos de Isra el,
que sa bes se rem an ciãos e su pe rin ten den tes do povo; e os trarás pe ran te a ten da da con gre ga
ção,

para que as sis tam ali con ti go. Então, des ce rei e ali fa la rei con ti go; ti ra rei
do Espí ri to que está so bre ti e o po rei so bre eles; e con ti go le va rão a car ga
do povo, para que não a le ves tu so men te. Nm. 11.16-17

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do nós apren de mos que, os gran des li de
res, por mais es pi ri tu a is e che ga dos a Deus que se jam, não são “su per-ho
mens”; e, em mo men to de es go ta men to es pi ri tual, pre ci sam do re for ço
es pi ri tual de seus com pa nhe i ros para aju dá-los a su por tar o peso da respon
sa bi li da de que está so bre os seus ombros.

1. DA FRAQUEZA TIRANDO FORÇA 1) Em um mo men to de fra que za e es


go ta men to es pi ri tu al, Mo i sés se acha va fra -

co e pen sa va em de sis tir. Po rém, na es co lha dos se ten ta, Deus ti rou do
Espí ri - to que es ta va so bre Mo i sés e en cheu aque les ho mens (Nm. 11.24-
25). Qu an do Mo i sés pen sa va que es ta va fra co
ain da ti nha re ser va es pi ri tu al para en cher
e es go ta do, Deus mos trou que ele
se ten ta. Ale lu ia!

2) No SL. 84.7, está es cri to que: “Vão indo de for ça em for ça; cada um de les
apa re ce di an te de Deus em Sião”.
3) Pa u lo afir ma que o po der de Deus se aper fe i çoa na fra que za (2Co. 12.9).
4) Em Fp. 4.13, Pa u lo ain da diz: “Tudo pos so Na que le que me for ta le ce”.
5) O Escri tor da Car ta aos He bre us afir ma que os grandes he róis da fé “da fra
- que za ti ra ram for ça” (Hb. 11.34).

2. A CHEGADA DE REFORÇO

1) Ge ral men te, quan do um exér ci to pe que no é o exér ci to que está em des
van ta gem an se ia sem pre en via re for ço para os que es tão em apu ros e ne
ces si ta dos de aju da.

2) Qu an do Jacó pen sa va que esta va só em mo men to de pe ri go, a Bí blia diz


que ele se guia o seu ca mi nho e an jos de Deus lhe sa í ram ao encon tro (Gn.
32.1-2). Ao ver a che ga da de re for ço ce les ti al, Jacó per ce beu que já ha via
um acam pa men to de an jos para de fen dê-lo.

3) Qu an do Davi se en con tra va em mo men to de gran de ne ces si da de no de


ser to, Deus pro vi den ci ou a che ga da de re for ço ali men tar para su prir as
suas ne ces - si da des bá si cas (2Sm. 17.27-29).

4) Em mo mento de gran de exa ustão a ca mi nho do cal vá rio, Deus pro viden
ciou Si - mão Ci re neu como re for ço para aju dar Je sus a le var àque la pe sa
da cruz (Mc. 15.21).

5) Em mo men tos de gran des fra que zas e ne ces si da des, po de mos con tar
com a che ga da do re for ço do Espí ri to San to que nos aju da em nos sas
fraque zas, e in ter ce de por nós com ge mi dos inex pri míve is (Rm. 8.26). Ele
é o Con so la dor que está ao nos so lado para nos aju dar (Jo. 14.16-17).

CONCLUSÃO : Em to dos os mo men tos da histó ria, Deus sem pre so cor reu
os seus ser vos que es ta vam em di fi cul da de, e pro vi den ci ou a che ga da de
re for ço ce les ti al em situ a ções de apu ros. Após ter ven ci do o Di a bo no de
ser to, Je sus contou com a che ga da de re for ço an ge li cal para ser vi-lo (Mt.
4.11).
ata ca do por um exér ci to ma i or;
pela che ga da de re for ço. Deus

Esbo ço 32 – Dia 01 de Fe ve re i ro
Tema: APROVADO POR DEUS

Ouvi, ago ra, as mi nhas pa la vras; se en tre vós há pro fe ta, Eu, o Se nhor, em
vi são a ele, me faço co nhe cer ou falo com ele em so nho. Não é as sim com o
meu ser vo Mo i sés, que é fiel em toda a minha casa. Boca a boca falo com ele,
cla ra men te e não por enig mas; pois ele vê a for ma do Se nhor; como, pois,
não te mes tes fa lar con tra meu ser vo, con tra Mo i sés? Nm. 12.6-8

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do apren de mos que, não se pode re pro
var quem é apro va do por Deus. Foi o pró prio Deus quem deu tes te mu nho da
fi de li da de de Mo i sés, e, mes mo os pa ren tes mais che ga dos do ho mem de
Deus de vem res pe i tar a sua au to ri dade es pi ri tu al.

1. HOMENS APROVADOS POR DEUS

1) É o pró prio Deus quem faz a de fe sa de quem é apro va do por Ele. Deus de
fen deu Mo i sés pe ran te os seus acu sa do res; por que, o pró prio Se nhor co
nhe cia mu i to bem a fi de li da de de Mo i sés. A Bí blia diz que o ho mem deve
se apre sen tar di an te de Deus apro va do (2Tm. 2.15).

2) Noé foi apro va do por Deus no meio de sua ge ra ção (Gn. 6.9).
3) Jó foi apro va do por Deus an tes e de po is de ser pro va do (Jó 2.3 e 42.7-9).
4) A Bí blia diz que Je sus era Va rão Apro va do por Deus (At. 2.22).
5) Pa u lo afir ma que Ape les era um obre i ro apro va do em Cris to (Rm.
16.10).

2. O CRISTÃO QUE VENCE A PROVAÇÃO É APROVADO


1) Pa u lo afir ma que o que ser ve a Cris to fi el men te é apro va do di an te de
Deus e dos ho mens (Rm. 14.18).

2) Pa u lo afir ma que os apro va dos de vem ser co nhe ci dos (1Co. 11.19).
3) Pa u lo afir ma que nós fo mos apro va dos por Deus (1Ts. 2.4).
4) Pa u loain da afir ma que de ve mos aprovar as co i sas ex ce len tes e ser mos
sin ce - ros e in cul pá ve is para o Dia de Cris to (Fp. 1.10).
5) Ti a go afir ma que o ho mem que su por ta a pro va ção é apro va do (Tg.
1.12).
CONCLUSÃO: De ve mos nos es for çar di a ria men te para ser mos apro va
dos di an te de Deus e dos ho mens; a fim de que, o ad ver sá rio não te nha mo ti
vo de nos acu sar.

Esbo ço 33 – Dia 02 de Fe ve re i ro
Tema: AS PERSPECTIVAS DOS VENCEDORES

E Jo sué, fi lho de Num, e Ca le be, fi lho de Je fo né, den tre os que es pi a ram a
ter ra, ras ga ram as suas ves tes e fa la ram a toda a con gre ga ção dos fi lhos de
Isra el, di zen do: A ter ra pelo meio da qual pas sa mos a es pi ar é ter ra mu i tís
si mo boa. Se o Se nhor se agra dar de nós, en tão, nos fará en trar nes sa ter ra e
no-la dará, ter ra que mana le te e mel. Tão so men te não se ja is re bel des con
tra o Se nhor e não te ma is o povo des sa ter ra, por quan to como pão, os po de
mos de vo rar; re ti rou-se de les o seu am pa ro; o Se nhor é co nos co; não os te
ma is. (Nm. 14.6-9).

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do, aprende mos a olhar as cir cuns tân ci
as ad ver sas na pers pec ti va dos ven ce do res. Os ven ce do res con se guem
ver as co i sas além das suas apa rên ci as. Os ven ce dores vi su a li zam não ape
nas as mu ra lhas que es tão a sua frente; mas sim, o que está por trás das mu ra
lhas.

1. OS VENCEDORES NÃO SE ASSUSTAM COM GIGANTES

1) Dos doze es pi as, dez apre sen ta ram um re la tó rio de sa ni ma dor. Po rém,
dois se man ti ve ram con fi an tes, e não se as susta ram com o ta ma nho do de
sa fio (Nm. 13.25-33 e 14.1-9).

2) Davi não se as sus tou com o ta ma nho do gi gan te Go li as (1Sm. 17.24-26).


3) Davi ven ceu to dos os gi gan tes que se apre sen ta ram no seu ca mi nho
(2Sm.

21.15-22).
4) Eze qui as não se as sus tou com as ame a ças do gi gan te im pé rio da Assí
ria, e mos
trou con fi an ça,di zendo: “Sede for tes e co ra jo sos, não te ma is, nem vos as
sus te is
por ca u sa do rei da Assí ria, nem por cau sa de toda a mul ti dão que está com
ele;
por que um há co nos co ma i or do que o que está com ele. Com ele está o bra
ço
de car ne, mas co nos co, o Se nhor, nos so Deus, para nos aju dar e para guer re
ar
as nos sas guer ras. O povo co brou ânimo com as pa la vras de Eze qui as, rei de
Judá” (2Cr. 32.7-8). O povo se en co ra ja di an te de lí de res des te mi dos e que
en -
fren tam com fir me za os de sa fios.

2. OS VENCEDORES CONFIAM NO SENHOR

1) Ca le be mos trou con fi an ça e cer te za da vi tó ria, em meio as in cer te zas


do mo - men to (Nm. 13.31).
2) Davi mos trou con fi an ça con tra o gi gan te Go li as, em o Nome do Se nhor
dos Exér ci tos (1Sm. 17.45).
3) Davi sem pre mos trou con fi an ça no Se nhor em meio as ma i o res ad ver
sida des da sua vida (1Sm. 30.6).
4) Em um gran de mo men to de tri un fo em sua vida, Davi che gou a di zer:
“Pois con ti godes ba ra to exér citos, com o meu Deus,sal to mu ralhas”
(2Sm.22.30).

CONCLUSÃO: Nun ca de ve mos nos de ses pe rar em meio às cir cuns tânci as
des fa - vo rá ve is do mo mento. Pois, os ven ce do res con se guem en xer gar
as co i sas sob a pers pec ti va di vina; e con fia que o nos so Deus usa rá a pró
pria ad ver sida de como opor tu ni da de para ope ra ção de um gran de mi la
gre.

Esbo ço 34 – Dia 03 de Fe ve re i ro
Tema: ALCANÇANDO UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO

No dia se guin te, Mo i sés en trou na Ten da do Tes te mu nho, e eis que o bor
dão de Arão, mos, pro du zi ra flo res, e dava pela casa de Levi, bro ta ra, e, ten
do in cha do os go amên do as. (Nm. 17.8)

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do apren de re mos can çar mos um mi nis
té riofru tí fero. Je sus nos no me ou fru tos per ma nen tes (Jo. 15.16). A vara de
Arão que flo res ceu e deu fru tos, não só de mons tram um mi nis té rio fru tí fe
ro, como re ve lam um mi nis té rio apro vado e es co lhi do por Deus.
os se gre dos di vinos para al e nos de sig noupara dar mos

1. O HOMEM FOI CRIADO PARA SER FRUTÍFERO


1) A pri me i ra ben ção que Deus pro nun ci ou ao ho mem após havê-lo cria do
foi a ben ção da fru ti fica ção (Gn. 1.28).
2) Em Gn. 9.1, está es cri to que a pri me i ra ben ção pro fe ri da por Deus a Noé
após des cer da arca, foi a ben ção da fru ti fi ca ção.
3) Em Gn. 49.22, está escri to que José era um ramo fru tí fe ro jun to a fon te. A
Fon te que ali men ta o nos so ramo para con ti nu ar dan do fru to, é Jesus Cris
to, a Vi de ira ver da de i ra (Jo. 15.1-5).
4) Em Rm. 7.4, está es cri to que de ve mos fru ti fi car para Deus.
5) Em CL. 1.10, está es cri to que de ve mos vi ver de modo dig no do Se nhor
“para o seu in te i ro agra do, fruti fi can do em toda boa obra e cres cen do no
ple no co - nhe ci men to de Deus”.

2. CRISTO NOS NOMEOU PARA DARMOS FRUTOS

1) O obre i ro foi no me a do e de sig na do por Cris to para dar fru tos per ma
nen tes (Jo. 15.16).
2) A ciên cia ja ma is con se gue ex pli car o fe nô me no do flo res cimen to do
bor dão de Arão, de um dia para o ou tro (Nm. 17.7-8); e, da mes ma for ma, um
minis -

Deus é acom pa nha do do so bre na tu ral e nin guém con se - té rio es co lhido
por

gue ex pli car.


3) O flo res cimen to do
sua apro va ção da par te de Deus (Nm. 17.8).
4) Um mi nis té rio apro vado por Deus con segue pro du zir mu i tos fru tos para
a
gló ria de Deus (Fp. 1.10-11).
5) No SL. 92.12-14, o sal mis ta afir ma que: “O jus to flo res ce rá como a pal
me i ra,
cres ce rá como ce dro no Lí ba no.Plan ta dos na Casa do Se nhor,flo res ce rão
nos
átri os do nos so Deus. Na ve lhi ce da rão ain da fru tos, se rão che i os de se i va
e de
ver dor”. Ale lu ia!
bor dão de Arão con fir ma a sua au to rida de es piri tual e a

CONCLUSÃO: Deus nos es co lheu e nos cha mou para dar mos frutos, e o nos
so cres ci men to deve ser pro gres si vo e co nhe cido de to dos, para lou vor e
gló ria do Nome do Se nhor (Mc. 4.20 e CL. 1.6).

Esbo ço 35 – Dia 04 de Fe ve re i ro
Tema: BLINDADO POR DEUS

Pois con tra Jacó não vale en can ta men to, nem adi vi nha ção con tra Isra el;
ago ra, se po de rá di zer de Jacó e de Israel: Que co i sas tem fe i to Deus! (Nm.
23.23)

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do nós apren de mos que, àque les que fo
ram es - co lhi dos e aben ço a dos por Deus es tão blin da dos con tra todo tipo
de mal di ção pro - fe ri da por al guém, e con tra todo tipo de mal que al guém
pos sa de se jar.

1. QUEM É BLINDADO POR DEUS TEM PROTEÇÃO GARANTIDA

1) Em Zc. 2.5, o Se nhor nos as se gu ra a sua pro te ção, di zen do: “Pois Eu lhe
se rei, diz o Se nhor, um muro de fogo em re dor e Eu mesmo se rei no meio
dela, a sua gló ria”.

2) A mal di ção que al guém lança con tra quem é blinda do por Deus, vol ta con
tra si mes mo; pois, o Se nhor pro me teu a Abraão e aos seus des cen den tes, di
zen do: “Aben ço a rei os que te aben ço a rem e amal diço a rei os que te amal
diço a - rem; em ti se rão ben di tas to das as famí li as da ter ra” (Gn. 12.1-3).

3) Ba laão e Ba la que ten ta ram to dos os ti pos de agou ros para amal di ço ar
Isra el; po rém, não con se gui ram; pois, Isra el es ta va to tal men te blin da do
por Deus con tra to dos os ti pos de hos tes in fer na is da mal da de (Nm. 23.1-
11; 23.19-25; 24.1-9 e 24.15-25).

4) Em Dt. 23.5, está es cri to que o Se nhor Deus tro cou em ben ção, a mal di
ção pro fe ri da con tra o seu povo.
2. QUEM É BLINDADO POR DEUS O MALIGNO NÃO LHE TOCA
1) Em Mt. 16.18, o pró prio Je sus as se gu rou a blin da gem da sua Igre ja, di
zen do: in fer no não pre va le ce rão con tra “Edifi ca rei a mi nha Igre ja, e as
por tas do

ela”.
2) Em Lc. 10.19, Je sus as se gu rou a blin dagem
zen do: “Eis aí vos dei au to ri da de para pi sar des ser pen tes e es cor piões e so
bre
todo o po der do ini mi go, e nada, ab so lu tamen te, vos ca u sa rádano”. 3) Em
2Ts. 3.3, Pa u lo diz: “To da via, o Se nhor é fiel; Ele vos con fir ma rá e guar -
da rá do Ma lig no”.
4) Em 1Jo. 5.18, está escri to que o nas ci do de Deus, é blin da do pela pro te
ção
Di vi na, e o Ma lig no não lhe toca.
in di vi du al dos seus dis cí pu los, di -

CONCLUSÃO: Quem é blin da do por Deus é re ves ti do de toda ar ma du ra


de Deus, e con se gue anular to dos os dar dos in fla ma dos do Ma lig no, atra
vés do Escudo da Fé (Ef. 6.10-17).

V – ESBOÇOS EM DEUTERONÔMIO
Esbo ço 36 – Dia 05 de Fe ve re i ro
Tema: O DEUS DA MULTIPLICAÇÃO

O Se nhor, vos so Deus, vos tem mul ti pli ca do; e eis que, já hoje, sois mul ti
dão como as es tre las dos céus. O Se nhor, Deus de vos sos pais, vos faça mil ve
zes mais nu me ro sos do que sois e vos aben çoe, como vos pro me teu. Dt.
1.10-11

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do nós apren de mos que, den tre as qua
tro ope ra ções ma te má ti cas; a mul ti plica ção é a ope ra ção pre di le ta do
Deus a quem ser vi- mos. Deus mul ti pli cou to das as es pé ci es que Ele cri ou,
e, o pro ces so de mul ti pli ca ção nun ca pára de acon te cer; pois, o nosso Deus
nos criou para a mul ti pli ca ção.

1. A BÊNÇÃO DA MULTIPLICAÇÃO

1) As duas prime i ras pa la vras de bên çãos que Deus pro fe riu ao ho mem foi:
“Fru - ti fi cai, e mul ti pli cai-vos.”
2) Qu an do Deus re i ni ci ou o
(Gn. 1.28).
mun do no va men teatra vés de Noé; as pri me i ras pa - la vras de bên çãos pro
fe ri das a Noé e sua fa mí lia, ao des ce rem da arca foi: “Fru ti fi cai, e mul ti pli
cai-vos, e en chei a ter ra” (Gn. 9.1).
3) Des de que Deus pro fe riu a bên ção da mul ti pli ca ção a Adão e a Noé; as
co i sas nun ca mais pa raram de se mul ti pli ca rem. Os ho mens se mul ti pli ca
ram; os ani ma is se mul ti pli ca ram, as
pra ta se mul ti pli ca ram. Tudo
fru tas e ver du ras se mul ti pli ca ram, o ouro e a se mul ti pli cou.
4) De acor do com At. 12.24, a pa la vra de Deus tam bém se mul ti pli ca.
5) De acor do com 2Co. 4.15, a gra ça de Deus também se mul ti pli ca.
6) De acor do com Pv. 4.10, ou vir e ace i tar as pa la vras do Se nhor mul ti pli
ca os nos sos anos de vida.

2. DEUS CUMPRE A PROMESSA DA MULTIPLICAÇÃO

1) Em Gn. 17.2, Deus pro me teu mul ti pli car gran dís sima men te a Abraão; e,
em Dt. 1.10-11, Deus cum priu a pro mes sa (Hb. 6.13-14).
2) No SL. 107.38, Deus aben ço ou o seu povo, de sor te que se mul ti pli ca ram
mu i - to; e o gado de les não di mi nu iu.
3) Em Is. 9.3, está es cri to que, Deus tem mul ti pli ca do ao seu povo e lhe au
men ta do a ale gria.
4) Em At. 6.7, Crescia a Pa la vra de Deus e se mul ti pli ca va o nú me ro de
discí pu - los na Igre ja de Je sus Cris to.
5) Em 2Co. 9.10, Pa u lo afir ma que, Deus mul ti pli ca rá a nos sa se men te i ra
e au - men ta rá os fru tos da nos sa jus ti ça.
6) Em Mt. 14.13-21, Je sus mul ti pli cou pães e pe i xes para ma tar a fome do
povo.

CONCLUSÃO : O nos so Deus é o Deus da mul ti pli ca ção; pois, Ele tem mul
ti pli ca do o seu povo como as estre las do céu e o pó da ter ra; e, ain da des fru
ta mos da pro mes - sa de que a sua gra ça, a sua paz, a sua mise ri cór dia, e o
seu amor nos se rão mul ti pli - ca dos (At. 6.7; 1 Pd. 1.2 e Jd. 1.2). Ale lu ia!

Esbo ço 37 – Dia 06 de Fe ve re i ro
Tema: A UNIDADE DA DIVINDADE
Ouve, Isra el, o Se nhor, Nos so Deus, é o Úni co Se nhor. Dt. 6.4

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do nós apren de mos so bre a Uni da de


da Di vin - da de. A pa la vra “Úni co”, em pre ga da nes te tex to é, “ehadh”, que
sig ni fi ca uma “Uni - da de Com pos ta”; o que com pro va o con ce i to cristão
de que Deus é Tri-Uno. A Tri-Uni da de Di vi na, sig ni fi ca que, Deus é a Úni
ca Di vin da de Ver da de i ra do Uni ver so, que, se ma ni fes ta, em três Pes so
as dis tin tas: O Pai, o Fi lho, e o Espí ri to Santo (Mt. 28.19).

1. A HARMÔNIA DA DIVINDADE

1) A har mo nia exis ten te en tre as três Pes so as da San tís si ma gran de mis té
rio para o ho mem en ten der (Jo. 17.21-23).
2) O Pai é o Úni co Se nhor (Dt. 6.4).

3) O Fi lho é o Único Se nhor (Fp. 2.9-11).


4) O Espí ri to San to é o Único Se nhor (2Co. 3.17).
5) “Ver da de i ra men te, tu és Deus mis te ri o so, ó Deus de Isra el, 45.15).
Trin da de é um

ó Sal va dor” (Is.


2. A UNICIDADE DA DIVINDADE

1) A Di vin da de não é três de u ses; e sim, três Pes so as Úni cas e Insepa rá ve
is (1Jo. 5.7).
2) Deus-Pai é Úni co (Ef. 4.6).
3) Deus-Filho é Úni co (Ef. 4.5 e 1Co. 12.3).
4) Deus-Espí ri to San to é Úni co (Ef. 4.4).
5) Essas três Pes so as Di vi nas for mam uma Uni da de Com pos ta de Pai, Fi
lho e Espíri to San to (Mt. 28.19 e 2Co. 13.13).

CONCLUSÃO : A con clu são que de ve mos ter acer ca do mis té rio da Uni da
de da Di - vin da de; é que, a Trin da de não é uma com po si ção de três de u ses
e três Se nho res; mas sim, uma Úni ca Di vin da de que se ma ni fes ta em uma
Uni da de Com pos ta de Três Pes so as Di vi nas: O Pai, o Fi lho e o Espí ri to
Santo. E, es sas três Pes so as são Úni co Deus e Úni co Se nhor (1Co. 12.4-6).

Esbo ço 38 – Dia 07 de Fe ve re i ro
Tema: O DEUS DA SEGUNDA OPORTUNIDADE Na que le tem po, me dis se
o Se nhor: La vra duas tábu as de pe dra, como as pri me i ras, esobe a mim ao monte,
e faze uma arca de ma de i ra. Escre ve rei nas duas tá bu as as pa la

vras que es ta vam nas pri me i ras que que bras te, e as po rás na arca. Dt. 10.1-2

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós apren de mos so bre a in fi ni ta


gra ça e mi se ri cór - dia de Deus e, a sua dis po si ção e pa ciên cia ao con ce
der as pes so as que fa lha ram na pri me i ra opor tu ni da de, uma se gun daopor
tu nida de. Entretan to, o ho mem deve pro curarfa zer a sua par te. A par te de
Mo i sés foi la vrar as duas tá bu as, iguais as pri me i ras tá bu as. A par te de
Deus era es cre ver no va mente as mes mas pa la vras nas tá bu as.

1. A PRIMEIRA OPORTUNIDADE
1) Deus con ce de opor tu ni da de a to dos; pois, em Ec. 9.11, está es cri to que o
tempo e a sor te ocor re a to dos.
2) Isra el teve a pri me i ra opor tu ni da de de ser o povo es co lhi do de Deus,
den tre todos os de ma is povos da ter ra, atra vés de um tra ta do de ali an ça es
cri ta pe las mãos do pró prio Deus nas duas Tá bu as da Lei (Êx. 31.18). Po rém,
Isra el fra cas sou, e Mo i sés que brou as pri me i ras Tá bu as da Lei (Êx. 32.18-
19).
3) Ma nas sés, rei de Judá e fi lho do pi e do so rei Eze qui as, teve a pri me i ra
opor tu ni da de de dar con ti nu i da de a re for ma es pi ritu al que o seu pai ha
via fe i to em Judá, ao as su mir o tro no após a mor te do rei Eze qui as (2Cr.
32.32-33). Po rém, Ma nas sés fra cas sou, des fa zen do tudo o que seu pai ha
via fe i to e se tor nou o pior rei da his tó ria de Judá, vin do a per der o re i no
(2Cr. 33.1-9).
4) Pe dro, teve a pri me ira opor tu ni da de de ser es co lhi do por Cris to como o
prin cipal lí der dos após to los e da Igre ja, após ser usa do por Deus para fa zer
a ma i or con fis são do Cris ti a nis mo (Mt. 16.16-19). Po rém, na hora do
aperto ne gou o Fi lho de Deus por três ve zes, vin do a cho rar amar ga men te
(Mt. 26.69-75).
2. A SEGUNDA OPORTUNIDADE
1) Deus sem pre faz promes sas de voltar a dar ou tras opor tu ni da des ao seu
povo; pois, em Zc. 1.16-17, está es cri to: “Por tan to, o Se nhor diz as sim: Vol
tei-me para

Je ru sa lém Exér ci tos, com mi se ri cór dia; a mi nha casa nela será edi fi ca da,
diz o Se nhor dos e o cor del será es ten di doso bre Je ru sa lém. Cla ma ou tra
vez, di zen do:

Assim diz o Se nhor dos Exér ci tos: As mi nhas ci da des ain da au men ta rão e
pros pe - ra rão; por que o Se nhor ain da con so la rá a Sião e ain da es co lhe rá
a Je ru sa lém”. 2) Deus deu uma se gun da opor tu ni da de a Isra el, or de nan
do a Mo i sés que la vras se ou tras duas tá bu as, e o Se nhor es cre veuno va
men te as pa la vras quees ta vam nas pri me i ras tá bu as que Mo i sés ha via
que bra do (Dt. 10.1-2).
3) Deus deu uma se gun da opor tu ni da de a Ma nas sés, e o res ti tu iu ao seu
tro no, e ain da lhe deu o re i na do mais lon go da his tó ria dos reis de Judá e
Isra el (2Cr. 33.1 e 33.10-16).
4) Deus deu uma se gun da opor tu ni da de a Pe dro, res ta u ran do-lhe a po si
ção que Je - sus ha via lhe co loca do, e o usou po dero sa men te para pre gar a
ma i or mensa gem pen te cos tal da His tó ria do Cristi a nis mo (Jo. 21.15-17 e
At. 2.14-41).

CONCLUSÃO : O nos so Deus, não é ape nas o Deus da se gun da opor tu ni da


de. Ele é o Deus de tan tas opor tu ni da des. Mu i tas e
le van tava pro fe tas paracon vi dar o povo
mu i tas ve zes Isra el fra cas sou, e Deus sem pre a se ar re pen derem e pro por
ci o nar-lhea opor

tu ni da de de re a ta rem a sua ali an ça com Deus (Is. 30.18; Ez. 16.60; Os.
14.4-7 etc). Ele é o Deus da res ta u ra ção e da res ti tu i ção (Ag. 2.9 e Zc.
9.12).

Esbo ço 39 – Dia 08 de Fe ve re i ro
Tema: O ANO DA REMISSÃO
Ao fim de cada sete anos, fa rás re mis são. Dt. 15.1

INTRODUÇÃO : Ha via dois anos me mo rá ve is na His tó ria de Isra el que de


ve ria ser pro cla ma do. O ano da Re missão, e o Ano do Jubi leu. O Ano da
Remissão deve ria ser pro cla ma do a cada sete anos; e, o Ano do Ju bi leu a
cada cin quen ta anos. O Ano da Re mis são era o ano do per dão dos en di vi da
dos. Os que ha vi am to ma do di nhe i ro em pres ta do e não po di am sal dar a
dí vi da an tes do Ano da Re mis são te ri am essa di vi da per do a da nes sa oca
sião.

1. O ANO DA REMISSÃO ERA O ANO DO PERDÃO


1) No Ano da Re mis são os en di vi da dos eram per do ados (Dt. 15.2).

2) Je sus pro cla mou o Ano da Remissão na Cruz; per do an do a to dos os en di


vi da - dos para com Deus, e can ce lan do o es cri to de di vi da que ha via con
tra nós nas suas or de nan ças (CL. 2.14-15).

3) No Ano da Re mis são os es cra vos eram de cla ra dos li vres (Dt. 15.12-15)
4) Je sus, o Fi lho de Deus, nos de cla rou ver da de ira men te li vres (Jo. 8.36).
5) Je sus pro cla mou a Re mis são dos nos sos pe cados, se gun do a ri que za da
sua gra ça (Ef. 1.7).

2. O ANO DA REMISSÃO ERA O ANO DO DESCANSO


1) No Ano da Re mis são a ter ra de ve ria tam bém des can sar. Era um ano de
des - can so so le ne ao Se nhor (Lv. 25.4).
2) Je sus con vida a to dosos can sa dos e so bre car re ga dos de pro ble mase pre
o cu - pa ções a des can sar e bus car ali vio Nele (Mt. 11.28).
3) Em Dt. 12.10, o Se nhor pro me teu dar descan so ao seu povo de to dos os
seus ini mi gos em redor, e uma mo ra da se gu ra (Dt. 12.10).
4) Em 2Sm. 7.1, está es cri to que Davi es ta va ha bi tan do na sua pró pria casa,
ten - do-lhe o Se nhor dado des can so de to dos os seus ini mi gos em redor.

5) No SL. 37.6, está es cri to: “Des can sa no Se nhor e es pe ra Nele; não te in
dig nes por ca u sa da que le que pros pe ra em seu ca mi nho, por ca u sa do ho
mem que exe cu ta as tu tos in ten tos”.

CONCLUSÃO : O Ano da Re mis são nos en si na al gumas li ções es pi ri tu


ais im por tan tes. O Ano da Re mis são nos en si na so brea re mis são de nos
sas dí vi das im pa gá veis; so bre o per dão de nos sospe ca dos, e so bre a ne ces
si da de de des can sar mos no Se - nhor; e, tudo isto, Je sus re a li zou por nós na
Cruz. Após seis anos de tra ba lho hu ma - no in ten so, o povo, a ter ra, e os ani
ma is de ve ri am des can sar. Após o puro es for ço hu ma no, Deus de se ja que
des can se mos Nele e es pe re mos o seu agir (SL. 37.4).

Esbo ço 40 – Dia 09 de Fe ve re i ro
Tema: SENDO ALCANÇADOS PELAS BÊNÇÃOS

Se ou vi res a voz do Se nhor, teu Deus, vi rão so bre ti e te al can ça rão to das
es tas bên çãos. Dt. 28.1-2

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do nós apren de mos o se gre do de ser al


can ça do pe las bên çãos de Deus. Ape nas duas co i sas o Se nhor pede para ser
mos al can ça dos pe las suas bên çãos: Ou vir a sua voz e guar dar os seus man
da men tos.

1. DANDO OUVIDO A VOZ DO SENHOR


1) Abraão foi aben ço a do, por que, deu ou vi do a voz do Se nhor (Gn. 12.1-7).
2) Isa que foi aben ço a do, por que, deu ou vi do a voz do Se nhor (Gn. 26.1-
14).
3) Jacó foi aben ço a do, por que, deu ou vi do a voz do Se nhor (Gn. 31.1-18).
4) Em Is. 1.19, o Se nhor diz: “Se qui ser des e me ou vir des, co me re is o me
lhor des ta ter ra”.

5) Em Is. 55.3, o Se nhor diz: “Incli nai os ou vi dos e vin de a mim; ouvi, e a
vos sa alma vi ve rá; por que con vos co
fiéis mi se ri cór di as pro meti das
fa rei uma ali an ça per pé tua, que con sis te nas a Davi”.

6) Em Tg. 1.22, está es cri to: “Tor nai-vos, pois, pra ti can tes da pa la vra e não
so men te ou vin tes, en ga nan do-vos a vós mes mos”.
2. GUARDANDO OS MANDAMENTOS DO SENHOR
1) Ca le be foi al can ça do pe las bên çãos do Se nhor, por ter per se ve ra do em
se guir ao Se nhor e guar dou os seus manda men tos (Js. 14.6-14).
2) Davi re ve lou ao seu fi lho Sa lo mão que, o se gre do de ser próspe ro em
tudo na vida, é guar dar os pre ce i tos e os man da men tos do Se nhor (1Rs. 2.1-
3).

3) Eze qui as prospe rou em toda a obra que fez e foi al can ça do pe las bên çãos
do Se nhor, por que, guar dou a Lei e os Man da men tos do Se nhor, e bus cou a
seu Deus (2Cr. 31.21).

4) Jo sué foi al can ça do pe las bên çãos do Senhor, porque, guar dou a Lei do
Se nhor (Js. 1.7-8).

5) Ter pra zer e me di tar na Lei do Se nhor traz bên çãos e pros pe ri da de ao
cren te (SL. 1.1-4).
6) Gu ar dar os man da men tos do Se nhor é um de ver univer sal (Ec. 12.13).

CONCLUSÃO: O gran de se gre do da fe li ci da de hu ma na está em guar dar


a Lei do Se nhor; pois, o ho mem que guar da a Lei, esse é fe liz (Pv. 29.18). E,
se der mos ou vi - dos a voz do Se nhor, Ele será ini mi go dos nos sos ini mi gos
e ad ver sá rio dos nos sos ad ver sá rios (Êx. 23.22). “Ser vi re is ao Se nhor, vos
so Deus, e Ele aben ço a rá o vos so pão e a vos sa água; e ti ra rá do vosso meio
as en fer mi da des” (Êx. 23.25).

Esbo ço 41 – Dia 10 de Fe ve re i ro
Tema: SEGURANÇA GARANTIDA

O Se nhor é quem vai adian te de ti; Ele será con ti go, não te dei xa rá, nem te
de sam pa ra rá; não te mas, nem te ate mo ri zes. Dt. 31.8
INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do nós temos a pro mes sa que o Se nhor
irá adi an te de nós, e nun ca nos aban do na rá. Nes ta pro mes sa, está a ga ran
tia da se gu ran - ça Di vi na para as nos sas vidas. Não exis te nada mais de so la
dor para um ho mem, quan do ele se sen te só e aban do na do. Po rém, o Se nhor
pro me te que nun ca nos de i - xa rá so zi nhos, nun ca nos aban do na rá e nem
nos de sam pa ra rá.

1. DEUS ESTANDO A NOSSA FRENTE É GARANTIA DE SEGURANÇA 1)


Nes ta fra se: “O Se nhor é quem vai adi an te de ti.” (Dt. 31.8); nos mos tra que
o Se nhor deve sem pre es tar na nos sa fren te.

2) Qu an do Deus vai na nos sa fren te, os ca mi nhos tor tu o sos são en di re i ta


dos e as por tas de bron ze são que bra das e as tran cas de fer ro são des pe da ça
das (Is. 45.2).

3) Qu an do Deus pas sa adian te de nós, Ele vai re mo ven do os obstá cu los


que es - tão di an te de nós e eli mi nando os nos sos ad ver sá ri os (Dt. 9.3). 4)
No SL. 121.5, está es cri to: “O Se nhor é quem te guar da; o Se nhor é a tua som
- bra à tua dire i ta”.

5) Em Is. 48.17, o Se nhor diz: “Assim diz o Se nhor, o teu Re den tor, o San to
de Isra el: Eu sou o Se nhor, o teu Deus, que te en si na o que é útil e te guia pelo
ca mi nho em que de ves an dar”.

2. A PRESENÇA DE DEUS CONOSCO É GARANTIA DE SEGURANÇA

1) Nes ta fra se: “Ele será con ti go, não te de i xa rá, nem 31.8); é a cha ve da
nossa vi tó ria.
2) “O Se nhor, teu Deus, não te de sam pa ra rá, por quan to é (Dt. 4.31).
te de sam pa ra rá.”(Dt.

Deus mi se ri cor dio so.”


3) Ele pro me teu a Jo sué: “Por que, o Se nhor, teu Deus, é con ti go por onde
quer que an da res” (Js. 1.9).

4) O Anjo do Senhor dis se a Gideão: “O Se nhor é con ti go, va rão va lo ro so”


(Jz. 6.12).
5) Je sus pro me teu es tar co nos co to dos os dias até à con su ma ção do sé cu
lo (Mt. 28.20).
CONCLUSÃO : Se te mos a pro mes sa que o Se nhor irá adi an te de nós, e a
sua pre sen ça é co nos co, não há o que te mer e nem fi car ate mo ri za do; pois,
Aque le que fez a pro mes sa é fiel (Hb. 10.23 e 13.5-6).

Esbo ço 42 – Dia 11 de Fe ve re i ro
Tema: A ROCHA PERFEITA

Eis a Ro cha! Suas obras são per fe i tas, por que to dos os seus ca mi nhos são ju
í zo; Deus é a ver da de, e não há nele in jus ti ça; é jus to e reto. Dt. 32.4

INTRODUÇÃO : Uma ro cha ma ci ça e bem só li da ilus tra bem a fir me za e


a se gu ran ça que te mos em fir mar bem os nos sos pés e cons tru ir com base se
gu ra os nossos pla nos. Foi ba se a do nis so que os homens de Deus vi ram na
rocha uma fi gu ra ilus tra ti va da fir me za e da segu ran ça que temos em nos
apo i ar mos no Se nhor, a nos sa Ro cha Per fei ta.

1. O SENHOR É A ÚNICA ROCHA CONFIÁVEL

1) So men te no ca pí tulo 32 de De u tero nô mio o Se nhor foi cha ma do de Ro


cha pelo me nos cin co ve zes por Mo i sés (Dt. 32.4,15,18,30-31). E, isso re ve
la a eter na es ta bi li da de e fir me za de Deus, e ex pres sa o pen sa men to de
re fú gio e de fe sa.

2) Em Dt. 32.18, o Se nhor é a Ro cha que nos ge rou.


3) Em Dt. 32.31, o Se nhor é a nos sa Ro cha Incom pa rá vel.
4) Em 2Sm. 22.47, Davi cha mou o Se nhor de Ro cha da nos sa Sal va ção.
5) Em 2Sm. 23.3, o Se nhor é a Ro cha de Isra el.
6) Em Is. 26.4, está es cri to: “Con fi ai no Se nhor per pe tu a men te, por que o
Se - nhor Deus é uma Ro cha Eter na”.
7) Em Is. 44.8, o Se nhor é a Úni ca Ro cha que po de mos con fi ar.

2. O SENHOR É A ROCHA QUE NOS DÁ FIRMEZA E ESTABILIDADE

1) Em 2Sm. 22.34, Davi afirma que o Se nhor fir mou os seus pés nas al tu ras.
2) Em 2Sm. 22.37, Davi afirma que o Se nhor não de i xou va ci lar os seus pés
ao lon go do ca mi nho.
3) No SL. 31.8, o sal mis ta afir ma que o Se nhor fir mou os seus pés em um lu
gar es pa ço so.
4) No SL. 40.2, o sal mis ta afir ma que o Se nhor nos ti rou de um poço de per
di ção e de um tre me dal de lama, e co lo cou os nossos pés so bre uma Ro cha e
firmou os nos sos pas sos.
5) Em Is. 28.16, o Se nhor diz: “Eis que as sen tei em Sião uma pe dra, pe dra já
pro va da, pe dra pre ci o sa, an gu lar, so li da men te as sen ta da;aque le que crê
não foge”.
6) O Se nhor Je sus Cris to nos acon se lhou a edi fi car a nos sa casa so bre a ro
cha (Mt. 7.24-25).
7) Em Ef. 2.21, Pa u lo afir ma que, Cris to Je sus é a Pe dra Angu lar, pela qual
a Igre ja está edi fi ca da.

CONCLUSÃO : O Se nhor é a Ro cha que nos dá fir me za e es ta bi li da de.


Ele é a Ro - cha Per fe i ta, Úni ca, Eter na, e Incom pa rá vel. Ba se a do nis so,
de ve mos crer que o Se nhor nun ca de i xa rá va ci lar os nos sos pés (SL.
121.3).

Esbo ço 43 – Dia 12 de Fe ve re i ro
Tema: UNÇÃO DA CABEÇA AOS PÉS

De Aser dis se: Ben di to seja Aser en tre os fi lhos de Jacó, agra de a seus ir
mãos e ba nhe em aze i te o pé. Dt. 33.24

INTRODUÇÃO : Na ma i o ria das vezes, a Bíblia re tra ta o ho mem re ce ben


do a unção so - bre a sua ca be ça. Entre tan to, ao aben ço ar cada uma das
Tribos de Isra el, Mo i sés aben ço ou a tri bo de Aser de se jan do que seus pés
fos sem ba nha dos de aze i te. Isso signi fi ca que, a un ção nos abrange por com
ple to; e, un ção com ple ta é un ção da ca be ça aos pés.

1. CABEÇA UNGIDA

1) A ca be ça é o ór gão que contro la todo o cor po. Uma cabe ça un gi da pelo


Espí ri - to San to pos sui in te li gên cia e ha bi li da de
de Deus (Êx. 31.1-2).

2) O aze i te da un ção foi der ra ma do so bre


ex tra or diná ria para re a li zar a obra

a ca be ça do Sumo Sa cer do te Arão para san ti ficá-lo (Lv. 8.12).

3) A mi tra co lo ca da so bre a ca be ça do sumo sa cer do te com a ins cri ção:


“San ti- da de ao Se nhor”, tra zia a men te do sa cer do te pen sa men tos pu ros
acer ca do ca rá ter San to de Deus (Lv. 8.9).
4) Davi de cla ra que o Se nhor un giu com óleo a sua ca be ça, a pon to do seu
cá li ce trans bor dar (SL. 23.5).
5) No SL. 92.10, o sal mista diz: “Po rém tu exal tas o meu po der como o do boi
sel va gem; der ra mas so bre mim o óleo fresco”.
6) A união en tre os ir mãos é compa ra da ao óleo pre ci o so so bre a ca be ça de
Arão (SL. 133.1-2).
7) O óleo nun ca deve fal tar so bre a nos sa ca be ça (Ec. 9.8).

2. PÉS UNGIDOS

1) Se a ca be ça con tro la o cor po; são os pés que carre gam o cor po. O cren te
que tem os seus pés un gi dos car re ga o seu cor po so men te
Pés un gi dos não ca mi nham em lu ga res te ne bro sos e
a lu ga res con ve ni en tes. es corre ga di os; pois, são

ilu mi na dos pela Luz Di vi na da Pa la vra de Deus (SL. 119.105). 2) Em Lv.


14.28-29, o sa cer do te de ve ria pôr o aze i te na pon ta da ore lha di re i ta
da que le que ha via de se puri fi car; bem como, no seu dedo po le gar da mão di
-
re i ta, e no seu dedo po le gar do pé di re i to; e, a so bra do aze i te de ve ria ser
der -
ra ma da so bre a ca be ça da pes soa que ha via de se pu ri fi car, para fa zer
ex pi a ção por ele pe ran te o Se nhor. Isso é um ver da de i ro exem plo da un
ção
da ca be ça aos pés.
3) Je sus la vou os pés dos seus dis cí pu los, nos mos tran do a ne ces si da de de
es tar -
mos com ple tamen te lim pos (Jo. 13.1-10).
4) Em Lc. 7.36-38, uma mu lher un giu os pés de Je sus com um pre ci o so un
guen to. 5) A Bí blia cha ma os pés dos pre ga do res do Evan ge lho de for mo
sos (Is. 52.7). 6) Nós de ve mos cal çar os nossos pés com os sa pa tos da pre pa
ra ção do Evan ge -
lho da paz (Ef. 6.15).
7) Quem tem a ca be ça e os pés un gi dos po dem pi sar em ser pen tes e es cor
piões,
e nada vos fará dano al gum (Lc. 10.19).

CONCLUSÃO : Ser un gi do por Deus da ca be ça aos pés, sig ni fi ca es tar to


tal men te blin da do pelo Se nhor con tra todo o mal. E, re ves ti dos de toda ar
ma du ra de Deus, es ta mospro te gi dos da ca be ça aos pés (Ef. 6.10-17).

VI – ESBOÇOS EM JOSUÉ
Esbo ço 44 – Dia 13 de Fe ve re i ro
Tema: OS SEGREDOS DE UM CONQUISTADOR

Sê for te e co ra jo so, por que tu fa rás este povo her dar a ter ra que, sob ju ra
men to, pro me ti dar a seus pais .Tão so men te sê for te e mui co ra jo so. Não
ces ses de fa lar des te Li vro da Lei. Não to man dei Eu? Sê for te e co ra jo so.
Js. 1.6-9

INTRODUÇÃO : For ça e co ra gem fo ram duas co i sas que o Se nhor mais


exi giu de Jo sué. E, es sas duas coi sas são fun da men ta is na vida de alguém
que quer ser um con quis ta dor vi to ri o so; e, uma ter ce ira co i sa im portan te
Deus co brou de Jo sué: “Não ces ses de fa lar des te Li vro da Lei”.

1. SEJA FORTE

1) A for ça é sem dúvi da uma fer ra men ta in dis pen sá vel na vida de um con
quis ta - dor. Qu an do Deus dis se para Jo sué: “Sê for te.”, o Se nhor não es ta
va exi gin do de Jo sué ape nas a for ça fí si ca; mais, aci ma dis so a sua for ça in
te ri or. Pois, o ho mem for ta le ci do no seu inte ri or vale mu i to mais do que
um sim ples amon to a do de mús cu los(Jz. 16.19-20).

2) Na pri me i ra ad ver sida de en fren ta da na Ter ra Pro me ti da, o co ra ção


do povo se der re teu e se tor nou como água (Js. 7.5), e, isso re ve la o mo ti vo
pelo qual Deus co brou tanta for ça, âni mo e co ra gem do seu líder (Js. 1.9).

3) Em 1Sm. 30.6, Davi mos trou ser um gran de con quis ta dor ao se mos trar
for te e pre pa ra do para en fren tar uma gran de ad ver si da de.

4) Em 2Sm. 22.30, Davi che io de ânimo e for ça che gou a di zer: “Pois con ti
go des ba ra to exér citos, com o meu Deus,sal to mu ralhas”.
5) Em Pv. 24.10, está es cri to: “Se te mos tra res frou xo no dia da an gús tia, a
tua for ça será pe que na”.

2. SEJA CORAJOSO
1) O se gun do gran dese gre do de um con quis ta dor é ser co ra jo so. To dos os
gran - des con quis tado res da
fal ta va co ra gem em
4.4-9,22).
his tó ria fo ram ho mens e mu lhe res co rajo sos.Qu an do Ba ra que, so bra va
co ra gem em Dé bo ra e Jael (Jz.

2) Qu an do fal tou co ra gem a vin te e dois mil ho mens, so brou co ra gem a


Gideão e seus tre zentos ho mens para der ro tar os mi di a ni tas (Jz. 7.3-7).
3) Qu an do fal tou co ra gem no exér cito de Saul, so brou co ra gem a Jô na tas
e a

seu jo vem es cu de i ro para der rotar uma im portan te guar nição dos fi liste us
(1Sm. 14.1-15).

4) Qu an do fal tou co ra gem a Saul e todo o seu exér ci to para en fren tar os fi
lis te us e seu du e lis ta, so brou co ra gem a um jo vem-pas tor cha ma do Davi
para ven cer e der ro tar o gi gan te Go li as (1Sm. 17.1-58).

5) Em Is. 41.13, te mos esta pro mes sa do Se nhor: “Por que Eu, o Se nhor, teu
Deus, te tomo pela tua mão di re i ta e te digo: Não te mas, que Eu te aju do”.

3. SEJA ORIENTADO PELA PALAVRA DO SENHOR


1) O ter ce iro se gre do de um con quis ta dor é ser ori en ta do pela pa la vra do
Se -

nhor. E isso, o Se nhor de i xou bem cla ro a Jo sué (Js. 1.7-8).


2) Jo sué foi bem su ce di do por que se guiu cor re ta men te esta ins tru ção que
o Se -
nhor lhe passou (Js. 8.30-35).
3) Davi sempre bus ca va a ori en ta ção da pa la vra do Se nhor an tes de par tir
para
as suas con quis tas; e por isso, era sem pre bem su ce di do (l Sm. 30.7-20). 4) A
pa la vra do Se nhor é a bús so la que nos ori en ta e nos guia em to das as nos
sas
con quistas (SL. 119.105).
5) Em Pv. 30.5, está es cri to que: “Toda pa la vra de Deus é pura; Ele é Escu do
para os que Nele se re fu gi am”.

CONCLUSÃO : Os con quis ta do res pre ci sam ter for ça, co ra gem, âni mo, e
a ori en ta - ção da pa la vra de Deus para se rem bem suce di do em to das as
suas con quis tas, ob je ti vos e pla nos a se rem es ta be le ci dos (1Rs. 2.1-3; Pv.
16.3).

Esbo ço 45 – Dia 14 de Fe ve re i ro
Tema: O SEGREDO PARA O SENHOR FAZER MARAVILHAS

Dis se Jo sué ao povo: San ti fi cai-vos, por que ama nhã o Senhor fará ma ra vi
lhas no meio de vós. Js. 3.6

INTRODUÇÃO : Uma úni ca co i sa foi exi gi da para o Se nhor fa zer ma ra


vilhas no meio do povo – a san ti fi ca ção. Ain da hoje, a san ti fi ca ção con ti
nua sen do o gran de se gre do para o Se nhor fa zer ma ra vi lhas no meio de
nós. Vi ve mos numa épo ca em que as pes so as que rem ver ma ra vi lhas sem
san ti fi ca ção. Po rém, an tes de fa zer ma - ra vi lhas, o Se nhor diz: “San ti fi
cai-vos”.

1. A SANTIFICAÇÃO SEMPRE FOI EXIGIDA PELO SENHOR PARA A


MANIFESTAÇÃO DAS SUAS MARAVILHAS

1) Em Êx. 3.2-5, ao se apro xi mar para ver a gran de ma ra vi lha que o Se nhor
es - ta va fa zen do na sar ça ar den te, foi co bra do de Mo i sés a sua re ve rên
cia em lu - gar san to.

2) Em Êx. 19.10-17, para mos trar as suas ma ra vi lhas no Mon te Si nai, Deus
or - de nou a Mo i sés que san ti fi cas se o povo.
3) Em Nm. 11.18, o Se nhor or de nou a Mo i sés que fa las se ao povo: “San ti fi
cai-vos para ama nhã e co me re is car ne.”
4) Em JL. 2.15-18, o Se nhor exi giu a san ti fi ca ção da con gre ga ção para que
o povo pu des se ex pe ri men tar no va men te as ma ra vi lhas do avi va men to
que o Se nhor Deus iria ope rar na na ção de Isra el.

2. A SANTIFICAÇÃO É A PRÓPRIA VONTADE DE DEUS PARA AS


NOSSAS VIDAS

1) Em 1 Ts. 4.3, está es cri to que “Esta é a von ta de de Deus: a vos sa san ti fi
ca ção”.
2) Em 1 Sm. 16.5, an tes de un gir a Davi como rei de Isra el, Sa mu el san ti fi
cou a Jes sé e os seus fi lhos.
3) Em 1Cr. 15.12, Davi or de nou aos le vi tas que se san ti fi cas se an tes de le
var a arca do Se nhor para Je ru sa lém.
4) Em 2Cr. 29.4-5, sa be dor que o Se nhor exi ge a san ti fi ca ção para fa zer ma
ra vi - lhas no meio do povo, o rei Eze qui as re u niu os sa cer do tes e levi tas
na pra ça ori en tal, e dis se: “Ouvi-me, ó le vi tas! San ti fi cai-vos, ago ra, e san
ti fi cai a Casa do Se nhor, Deus de vos sos pais; ti rai do san tuá rio a imundí
cia”.

CONCLUSÃO: A san ti fi ca ção é uma exi gên cia não só para vê as ma ra vi


lhas que o Se nhor faz no meio do seu povo; mas sim, o requi si to in dis pen sá
vel para ver o pró prio Se nhor (Hb. 12.14).

Esbo ço 46 – Dia 15 de Fe ve re i ro
Tema: QUANDO DEUS DECIDE REMOVER A NOSSA HUMILHAÇÃO
Dis se mais o Se nhor a Jo sué: Hoje, re mo vi de vós o opró brio do Egi to; pelo
que o nome da - que le lu gar se cha mou Gil gal até ao dia de hoje. Js. 5.9

INTRODUÇÃO: Ao che gar a Gil gal, nas cam pi nas de Je ri có, o por tão de
en tra da da Ter ra Pro me ti da, o Se nhor re mo veu a mi sé ria, a ver go nha, e a
hu mi lha ção do seu povo do es tig ma da es cra vi dão do Egi to. Isra el não se
ria mais um povo sem pá tria. Ago ra, eles te ri am o seu pró prio ter ri tó rio pro
me ti do pelo Se nhor de toda a Ter ra (SL. 24.1).

1. DEUS REMOVE A NOSSA HUMILHAÇÃO

1) Os egíp ci os pen sa vam que Isra el con ti nua ria car regan do o es tig ma da
es cra - vi dão. Po rém, Deus re mo veu a hu mi lha ção do seu povo ao cum prir
a pro mes - sa de lhes dar uma ter ra que mana le i te e mel, e tor ná-los uma na
ção li vre e in de pen den te (Êx. 3.7-9 e Js. 5.9).

2) Em Is. 61.7, Deus faz o uma pro mes sa de re mo ver a hu mi lha ção do seu
povo, di zen do: “Em lu gar da vos sa ver go nha, te re is du pla hon ra; em lu gar
da afron ta, exul ta re is na vos sa he ran ça; por isso, na vos sa ter ra pos su i re
is o do bro e te re is per pé tua ale gria”.

3) Em JL. 2.26-27, o Se nhor com ple ta a ale gria do seu povo com uma pro mes
sa de re mo ver de fi ni tiva men te a hu mi lha ção do seu povo,
e lou va re is o Nome do

di zen do: “Co me re is abun dan te men te, e vos far ta re is,
que se hou ve ma ra vi lho sa men te
Se nhor, vos so Deus, con vos co; e o meu povo ja ma is será en ver - go nha do.
Sa be re is que es tou no meio de Isra el e que Eu sou o Se nhor, vos so Deus, e
não há ou tro; e o meu povo ja ma is será en ver go nha do”.

4) Em Sf. 3.14-15, o Se nhor diz ao seu povo: “Can ta, ó fi lha de Sião; re ju bi
la, ó Isra el; re go zi ja-te e, de todo o co ra ção, exul ta, ó fi lha de Je ru sa lém.
O Se nhor afas tou as senten ças que eram con tra ti e lan çou fora o teu inimi go.
O Rei de Isra el, o Se nhor, está no meio de ti; tu já não ve rás mal al gum”. Gló
ri as a Deus!

2. DEUS TRANSFORMA A NOSSA HUMILHAÇÃO EM EXALTAÇÃO

1) O pró prio Deus per mi te al gu ma hu mi lha ção em nos sas vi das para de po
is nos exal tar. Às ve zes Deus nos exal ta no pró prio lu gar onde nós fo mos hu
mi lha - dos para que to dos ve jam a Gló ria de Deus em nos sas vi das (Et.
8.15-16).

2) Em Tg. 4.10, está es cri to: “Hu mi lhai-vos pe ran te o Se nhor, e Ele vos exal
ta rá”.
3) Em l Pd. 5.6, está es cri to: “Hu mi lhai-vos, pois, de ba i xo da po ten te mão
de Deus, para que, a seu tem po, vos exal te”.
4) Em Is. 54.4, o Se nhor pro me teu que o seu povo não so fre ria mais hu mi lha
ção.

CONCLUSÃO : Ma ria, a mãe de Je sus de fi niu bem no seu cân ti co o que o


nos so Deus faz: Ele der ri bou do tro no os po de ro sos e exal tou os hu mil des
(Lc. 1.52). Por que, todo o que se exalta será hu mi lha do; mas o que se hu mi
lha será exal ta do (Lc. 18.10). Pois, o Se nhor er gue do pó o des va li do e do
mon tu ro, o ne ces si ta do, para o as sen tar ao lado dos prín ci pes, sim, com os
prín ci pes do seu povo (SL. 113.7-8).

Esbo ço 47 – Dia 16 de Fe ve re i ro
Tema: ALCANÇADOS PELA GRAÇA

Então, dis se Jo sué aos dois ho mens que es pi a ram a ter ra: Entrai na casa da
mu lher pros ti tu ta e ti rai-a de lá com tudo quan to ti ver, como lhe ju ras tes.
Então, en tra ram os jo vens, os es pi as, e ti ra ram Ra a be, e seu pai, e sua mãe,
e seus ir mãos, e tudo quan to ti nha; ti ra ram tam bém toda a sua pa ren te la e
os acam pa ram fora do ar ra i al de Isra el. Js. 6.22-23
INTRODUÇÃO: Este texto sa gra do re ve la como Ra a be, seu pai, sua mãe e
seus ir - mãos fo ram al can ça dos pela gra ça de Deus de uma ma ne i ra inex
pli cá vel. Ra a be é o mais fiel exem plo do pe ca dor re di mi do pela gra ça di
vi na, sem o mes mo me re cer.

1. PESSOAS QUE FORAM ALCANÇADAS PELA GRAÇA

1) A Bí blia é o Li vro da Gra ça de Deus. A Bí blia re la ta a histó ria da gra ça


di vi na no meio dos erros huma nos.
2) Qu a tro mu lhe res in dig nas e pe ca do ras al can ça ram a gra ça di vi na se
tor nan - do an ces tra is de Je sus Cris to: Ta mar, Ra a be, Rute e Bate-Seba
(Mt. 1.3-5). Ao ler mos a his tó ria des tas qua tro mu lhe res, ve re mos que a
gra ça é mes mo um fa vor di vi no ime re ci do por to dos nós.
3) O la drão que mor reu cru ci fica do ao lado di re i to de Je sus al can çou a gra
ça di - vi na nas suas últi mas ho ras ou mes mo mi nu tos de sua vida (Lc. 23.39-
43).
4) A mu lher adúl te ra es ta va au to ma ti ca men te sen ten ci a da a mor te por
ape dre ja - men to se gun do a Lei de Mo i sés; po rém, al can çou a gra ça di
vina di an te de uma tur ba de pes so as en fu re ci das e com pe dras nas mãos
pron tas para ape dre já-las (Jo. 8.2-11).
5) Em Lc. 8.1-3, Ma ria Ma da le na e tan tas ou tras mu lhe res fo ram al can ça
das pela gra ça di vi na de for ma ma ra vilho sa.

2. A GRAÇA É O FAVOR INEXPLICÁVEL DE DEUS

1) Em meio a uma ge ra ção cor rom pida e con de nada a des tru i ção,Noé al
can çou gra ça di an te do Se nhor (Gn. 6.8).
2) No meio de uma so ci e da de pagã, Ester al can çou gra ça pe ran te os olhos
de to dos os que a viam (Et. 2.15).
3) No SL. 63.3, o sal mis ta che ga a ex pres sar que a gra ça de Deus é me lhor
do que a vida.
4) Na Pes soa de Je sus Cris to, a gra ça e a ver da de se en con tram, e a jus ti ça
e a paz se be i jam (SL. 85.10).
5) Pela gra ça to dos nós so mos sal vos (Ef. 2.8).

CONCLUSÃO: Ser al can ça do pela gra ça di vi na é algo ma ra vilho so e ex


tra or diná - rio. So mos re di midos pela gra ça, aben ço a dos pela gra ça, pro te
gi dos pela gra ça, cu ra dos pela gra ça, cha ma dos pela gra ça, es co lhi dos
pela gra ça e sal vos pela gra ça. Ale lu ia!
Esbo ço 48 – Dia 17 de Fe ve re i ro
Tema: NUNCA DEIXE DE CONSULTAR AO SENHOR Então, os is ra e li tas
to ma ram da pro vi são e não pe di ramcon selho ao Se nhor. ( Js. 9.14).

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do apren de mos so bre a gran de ne ces si


da de que te mos de bus car a di re ção di vi na em to das as nos sas to ma das de
de ci sões. O Se nhor é Ma ra vi lho so em Con se lho e gran de em Sa be do ria
(Is. 28.29). E, Ele dis põe dos me lho res con selhos para as nos sas vi das.

1. O SENHOR DISPÕE DE CONSELHO E DE ENTENDIMENTO


1) Isra el to mou uma de ci são pre ci pi ta da por não pe dir con se lho ao Se
nhor (Js. 9.14-18). Te mos que buscar o Con se lho do Senhor e a Ele obe de cer.
2) Em Jó 12.13, está escri to que o Se nhor dis põe de Con se lho e de Enten di
men - to.

3) No SL. 73.24, o sal mista afirma que o Se nhor nos guia com o seu Con se
lho.
4) De acor do com o SL. 107.11, mu itos cren tesso frem con se quên ci as de sas
tro sas em suas vi das por se re be la rem con tra as pa la vras de Deus e des pre
za rem o Con se lho do Altís si mo.
5) No SL. 119.24, o sal mista tinha pra zer nos tes te mu nhos do Se nhor como
os seus con selhe i ros.

2. OS FILHOS DE DEUS SÃO GUIADOS PELO ESPÍRITO DE DEUS

1) Em Rm. 8.14, Pa u lo afir ma que todos os fi lhos de Deus são gui a dos pelo
Espí ri to de Deus.
2) No SL. 143.10, Davi orou ao Se nhor, dizen do: “Ensi na-me a fa zer a tua von
- ta de, pois és o meu Deus; guie-me o teu bom Espí ri to por ter ra pla na”.
3) Em Is. 11.2, o Espí ri to de Con se lho é um dos Sete Espí ri tos de Deus que
re pou sa rá so bre o Mes si as.
4) Em Jr. 32.19, está es cri to que o Se nhor é gran de em Con se lho e Mag ní fi
co em obras.
5) Em Ef. 1.5, Pa u lo fala do Con se lho da von ta de do Se nhor.

CONCLUSÃO: De ve mos re co nhe cer ao Se nhor em to dosos nos sosca mi


nhos para que Ele en di re i te as nos sas ve re das (Pv. 3.6). Este é o con se lho
do gran de sá bio Sa lo mão. De ve mos pe dir o Con se lho do Se nhor para ob
ter mos êxi to em to dos os nos - sos pla nos. Pois, em Provér bi os. 20.18, está
es cri to que: “Os pla nos me di an te os con se lhos tem bom êxi to”.

Esbo ço 49 – Dia 18 de Fe ve re i ro
Tema: AMPLIANDO AS SUAS CONQUISTAS

Era Jo sué, po rém, já ido so, en tra do em dias; e dis se-lhe o Se nhor: Já es tás
ve lho, en tra do em dias, e ain da mu i tís si ma ter ra fi cou para se pos su ir. Js.
13.1.

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do nós apren de mos so bre a ne ces si da


de de am - pli armos as nos sas con quistas. Jo sué foi um gran de con quista dor.
Po rém, a ida de che gou, e, ain da ha via mu i tas ter ras para se con quis tar. Por
isso, de ve mos apro ve i tar en quan to es ta mos com vi gor fí si co para am pli
ar mos as nos sas con quis tas.

1. TOMANDO POSSE DA TERRA

1) Em Js. 1.3, o Se nhor ha via fe i to uma pro mes sa a Jo sué, di zen do: “Todo
lu gar que pisar a planta do vos so pé, vo-lo te nho dado, como Eu pro me ti a
Mo i sés”.
2) Em Js. 14.10-15, Ca le be aos 85 anos de ida de ain da se mos tra va for te e
vigo ro so para am pli ar as suas con quis tas e to mar pos se da ter ra ocu pa da
por gi - gan tes.
3) Em Js. 17.17-18, Jo sué man dou as Tri bos de Efra im e Ma nas ses am pli ar
as suas con quis tas e ex pulsar os ini mi gos do ter ri tório.
4) Em 1Sm. 7.14, Isra el re con quis tou o
mou pos se da ter ra.
ter ri tó rio per di do para os fi lis te us e to -

2. AMPLIANDO AS NOSSAS FRONTEIRAS

1) De ve mos am pliar as nos sas fron te iras no cam po fí sico, in telec tu al, ma
te ri al, es pi ri tu al, e mi nis te ri al. Em Êx. 34.23, o Se nhor já ha via pro meti
do am pli ar as fron te i ras do seu povo, di zen do: “Por que lan ça rei fora as na
ções de di an te de ti e alar ga rei o teu ter ri tó rio; nin guém co bi ça rá a tua
terra quan do su bi res para com pa re cer a pre sen ça do Se nhor, teu Deus, três
ve zes ao ano”.

2) Em Is. 54.2-3, o Se nhor acon se lhou ao seu povo a am pli ar as suas fron te i
ras, e alar gar o es pa ço da sua ten da, cres cen do tan to para à di re i ta como
para à es quer da.

3) Em 1Cr. 4.10, Ja bez orou ao Se nhor para am pli ar as suas fron te i ras, e o
Se - nhor lhe aten deu.
4) Em 2Sm. 8.1-14, a Bí blia re gis tra o gran de pro gres so do re i na do de
Davi am - pli an do a cada con quis ta as fron te i ras de Isra el.

CONCLUSÃO: Não po de mos fi car no para con quis tar mos e tan tospro je
tos a Je sus es ta be leceu o mo de lo pro gres si vo da con quis ta missi o ná ria
da Igre ja, co me - çan do por Je ru sa lém e am pli an do as suas con quis tas até
aos con fins da ter ra. co mo dis mo, se te mos ain da tan tas ter ras

se rem es ta be leci dos. Em At. 1.8, o Se nhor

Esbo ço 50 – Dia 19 de Fe ve re i ro
Tema: AS FONTES DA BÊNÇÃO

E ela dis se: Dá-me uma ben ção, pois me des te ter ra seca; dá-me tam bém fon
tes de águas. Então, lhe deu as fon tes su pe ri o res e as fon tes in fe ri o res. Js.
15.19.

INTRODUÇÃO : Neste tex to sa gra do nós apren de mos so bre a dispo si ção
de Ca le - be em dá a sua fi lha Acsa, as fon tes su pe ri o res e as fon tes in fe ri
o res. As fon tes su pe ri o res fa lam das bên çãos que são do alto; e, as fon tes in
fe ri o res fa lam das bên çãos que são de ba i xo. As fontes su pe ri o res fa lam
das bên
tes in fe ri o res fa lam das bên çãos que são da ter ra. As fon tes
bên çãos es pi ri tu a is; e, as fon tes in fe ri ores fa lam das bên çãos

1. AS FONTES SUPERIORES E INFERIORES

çãos que são do céu; e, as fon - su pe ri o res fa lam das ma te ri a is.

1) Em Gn. 27.14, Isa que abenço ou o seu fi lho Jacó in vo can do ao Se nhor
que o aben ço as se com o orva lho do céu e com a exube rân cia da ter ra. Aqui
Jacó esta va sen do aben ço a do com as bên çãos do céu e com as bên çãos da
ter ra.

2) Em Gn. 49.25, Jacó aben ço ou o seu fi lho José in vo can do ao Deus Todo-
Po de - ro so que o aben ço as se com bênçãos dos al tos céus e bên çãos das pro
fun de - zas. Aqui José es ta va sen do aben ço a do com as bên çãos do alto e
com as bên çãos de ba i xo.

3) Em Ef. 1.3, está es cri to que Deus tem nos aben ço a do com toda sor te de
bên - çãos es pi ri tu a is nas re giões ce les ti a is em Cris to Je sus.
2. A DISPOSIÇÃO DO PAI CELESTIAL EM NOS ABENÇOAR
1) Nes te tex to de Js. 15.19, fi ca mos ma ra vi lha dos com a dis po si ção de um
pai hu ma no em aben ço ar a sua que ri da fi lha de for ma gra ci o sa e abun dan
te.

2) Em Mt. 7.9-11, Je sus afir ma que o nos so Pai Ce les ti al pos sui uma dis po
si ção bem ma i or do que os nos sos pais ter re nos em nos dá as boas dá di vas
que lhe pe di mos.

3) Em Tg. 1.5, Ti a go afir ma que o nos so Deus dá li be ral men te aqui lo que
temos falta, e ain da não lança em rosto a ben ção que esta mos pe dindo. Ás ve
zes os nos sos pais hu ma nos nos dão algo ale gan do e lan çan do em ros to. Po
rém, o nos so Pai Ce les ti al não ale ga e nem lan ça em rosto aqui lo que Ele
nos dá. Gló ri as ao nos so Bon do so Pai Ce les ti al!

CONCLUSÃO: O Se nhor é a fon te pri mor di al de todas as nos sas bên çãos.
Pois, o após to lo Ti a go afir ma que “Toda boa dá di va e todo dom per fe i to
vêm do alto, des - cen do do Pai das lu zes, em quem não há mu dan ça, nem
som bra de va ri a ção (Tg. 1.17). E, no SL. 87.7, o sal mis ta lou va ao Se nhor,
dizen do: “To das as mi nhas fon tes es tão em ti”.

VII ESBOÇOS EM JUÍZES


Esbo ço 51 – Dia 20 de Fe ve re i ro
Tema: OTNIEL – O LEÃO DE DEUS
Cla ma ram ao Se nhor os fi lhos de Isra el, e o Se nhor lhes sus ci tou li ber ta
dor, que os li ber tou: Otni el, fi lho de Qu e naz, que era ir mão de Ca le be e mais novo do que ele.
Veio so bre ele o

Espí ri to do Se nhor, e ele jul gou a Isra el; saiu à pe le ja, e o Se nhor lhe en tre
gou nas mãos aCusã-Ri sa ta im, rei da Me so po tâ mia, con tra o qual ele pre va le ceu. Jz. 3.9-10

INTRODUÇÃO : Otni el foi o prime i ro juiz de Isra el. Otniel era so bri nho de
Ca le be, e o seu nome sig ni fi ca “leão de Deus” ou “for ça de Deus”. Sua for
ça, sua bra vu ra, e sua dis po si ção para lu tar, o faz um va lo ro so “leão de
Deus”. Va mos apren der a suas qua li da des.

1. A SUA VONTADE DE VENCER

1) A pri me i ra qua li da de de Otniel , era a sua von ta de de vencer. Otni el ti


nha sede de ser um ven ce dor. Quan do seu tio Ca le be lan çou o de sa fio de
con quistar a ci da de de Qu i ri a te-Se fer, ele não per deu tem po, e ven ceu este
de sa fio (Js. 15.16-17). As pes so as que tem von ta de de vencer não po dem te
mer de sa - fi os.

2) Como re com pen sa por ter ven ci do o de sa fio, Otni el se tor nou o gen ro
de Ca - le be, ao re ce ber Acsa como sua es po sa (Jz. 1.12-13). So men te os
ven ce do res re ce bem o prê mio (Ap. 21.7).

3) Otni el pos su ía uma von ta de tão gran de de ven cer na vida que, suas con
quis - tas não pa ra ram ai. Qu an do Isra el cla mou ao Se nhor para li ber tá-los
de uma opres são que du ra va oito anos; o Se nhor le van tou a Otni el, e ele li
ber tou a Isra el das mãos de Cusã-Risa ta im, rei da Me so po tâ mia (Jz. 3.9-
10). As pes so - as que tem von ta de de ven cer são pre pa ra das e es co lhi das
pelo Se nhor para con quis tas ma i o res.

2. A SUA INTIMIDADE COM O ESPÍRITO DO SENHOR

1) Em Jz. 3.10, a Bí blia diz que veio so bre Otni el o Espí ri to do Se nhor. Os
gran des ho mens de su ces so ti nham in ti mi da de com o Espí ri to do Se nhor.
2) José teve su ces so e foi um gran de ven ce dor na vida por que ti nha in ti mi
da de com o Espí ri to de Deus (Gn. 41.38).
3) Jo sué, um ou tro gran de ven ce dor ti nha in ti mi da de com o Espí ri to do
Se nhor (Nm. 27.18).
4) Gi deão, ou tro gran de juiz ven ce dor ti nha in ti mi da de com o Espí ri to do
Se - nhor (Jz. 6.34).
5) A ter ra fi cou em paz du ran te qua ren ta anos por oca sião da admi nis tra
ção de Otniel (Jz. 3.11). Quem tem in ti mi da de com o Espí ri to do Senhor, con
se gue pro mo ver a uni da de do Espíri to no vin cu lo da paz (Ef. 4.3).

CONCLUSÃO : Pos su in do a von ta de de vencer e a inti mi da de com o


Espíri to do Se nhor, po de mos nos tor nar “leões de Deus”, a exem plo de Otni
el, ven cen do os de sa fi - os que es ti ve rem na nos sa fren te.
Esbo ço 52 – Dia 21 de Fe ve re i ro
Tema: EÚDE – O CANHOTO DE DEUS

Então, os fi lhos de Isra el cla ma ram ao Se nhor, e o Se nhor lhes sus ci tou li
ber ta dor: Eúde, ho mem ca nho to, fi lho de Gera, ben ja mi ta. Jz. 3.15

INTRODUÇÃO : Através do exem plo de Eúde, o se gun do juiz de Isra el; po


de mos apren der como Deus usa o nos so ta len to para fa zer mos à dife ren ça
no meio de tan - tas pes so as igua is. Sen do des tro ou ca nho to, o Se nhor de
se ja usar a cada um que es te ja a sua dis po si ção.

1. SENDO DIFERENTE PARA FAZER A DIFERENÇA

1) Para fa zer mos a di fe ren ça no meio de nos sa ge ra ção, é pre ci so ser di fe


ren te. Eúde, era o úni co juiz ca nho to na que les dias; e, isso fa zia uma gran de
di fe - ren ça.

2) Os sol da dos destros co lo ca vam a es pa da na coxa es quer da, para puxá-la


com a mão di re i ta. Po rém, os sol da dos mo a bi tas não sa bi am que Eúde era
ca nho - to, e isso fa ci li tou ele entrar ar ma do com a es pa da co lo ca da à sua
coxa dire i - ta, para puxá-la com a mão es quer da (Jz. 3.16).

3) Ao der ro tar o rei Eglom com a sua espa da, Eúde en fra que ceu o exérci to
inimi go, ao ter fe ri do o seu rei (Jz. 3.19-26). Eúde usou o seu ta len to na tu ral
por ter nas ci do ca nho to, e usou a sua ha bi li da de para li ber tar o seu povo
do ini mi go opres sor.

4) Deus está pron to a usar o ta len to na tu ral que Ele nos deu, como tam bém a
nossa ha bi li da de para fa zer mos a di fe ren ça no meio da ge ra ção em que vi
ve mos (Êx. 31.1-6).

2. USANDO A ESPADA DO ESPÍRITO

1) A Bí blia diz que Eúde fez uma espa da de dois fios, e cra vou a es pa da pro
fun - da men te no ini mi go (Jz. 3.16, 21-22). E, em He bre us. 4.12, está es cri
to que a Pa la vra de Deus é mais pe ne tran te do que qual quer es pa da de dois
gu mes.

2) Em Jz. 3.20-22, está es cri to que Eúde se apro xi mou do inimi go e dis se:
“Te - nho para ti uma pa la vra de Deus”. E, logo em se gui da sa cou a sua es pa
da (Jz. 3.20-22). Em Ef. 6.17, Pa u lo afir ma que a “espa da do Espí ri to”, é a
Pa la vra de Deus. Por tan to, de ve mos nos re ves tir de toda ar ma du ra de
Deus, e usar mos a es pa da do Espí ri to, que é a Pa la vra de Deus para gol pe ar
mos o ini mi go das nos sas al mas.

3) Em Mt. 4.1-11, Je sus usou a Espa da do Espíri to para gol pe ar e ven cer o
Di a bo.
4) Em 1Jo. 2.14, os jo vens já ven ce ram o Ma lig no, por que a Pa la vra de
Deus per ma ne ce em vós. Os jo vens ven ce do res de vem usar sem pre a es pa
da do Espí ri to, que é a Pa la vra de Deus (SL. 119.9).

CONCLUSÃO : Através da vida des te canho to de Deus, cha ma do Eúde, po


de mos ex tra ir li ções es pi ri tu a is im por tantes para fa zer mos à di fe ren ça
nes te mun do atra vés dos ta len tos e da ha bi li da de que Deus nos deu.

Esbo ço 53 – Dia 22 de Fe ve re i ro
Tema: DÉBORA – A MULHER QUE FEZ A DIFERENÇA Dé bo ra, pro fe ti
za, mu lher de La pi do te, jul ga va a Isra el na que le tem po. Jz. 4.4

INTRODUÇÃO : Dé bo ra foi uma mu lher que fez a di fe ren ça nos seus dias,
por que, no meio de uma so ci e da de cujo pre do mí nio mas culi no era mu ito
gran de, Deus a le - van tou como uma patri o ta mãe de Isra el. Sen do ho mem
ou mu lher, Deus pro cu ra pes so as des te mi das e co rajo sas para Ele usar.

1. UMA MULHER PATRIÓTICA E CORAJOSA

1) Dé bora, a exem plo de mu i tas mu lhe res he ro í nas que a his tó ria men ci o
na, se le van tou como mãe em Isra el, num pe río do que to dosre cu a ram in
timi da dos com o ini mi go (Jz. 5.7).

2) Na fal ta da dis po si ção mas cu li na para fa zer a sua obra, Deus con ta com
a dispo si ção fe mi ni na (Jz. 4.6-9).

3) Uma mu lher sá bia da ci da de de Abel-Bete-Ma a ca re pre en deuum im por


tan te ge ne ral do exér ci to de Isra el, e com a sua sa be do ria livrou a sua cida
de da des tru i ção (2Sm. 20.14-22).

4) Dé bo ra, além de pro fe ti sa, in ves ti das mi li ta res; e, isso era tam bém ju í
za e acom pa nha va Isra el nas suas mos tra a sua co ragem e pa tri o tis mo (Jz.
4.4-9).
2. UMA MULHER SÁBIA E INTELIGENTE
1) Dé bo ra era uma mu lher sá bia e in te li gen te. Todo o Isra el vi nha até ela
para bus car con se lhos e ori en ta ção ju dici al para as suasde man das(Jz. 4.5).

2) Mes mo ocu pan do uma alta po si ção, Dé bo ra não es que cia sua res ponsa
bi lida - de do més ti ca; pois, a Bí blia faz ques tão de fri sar que ela era “mu
lher de La pi - do te” (Jz. 4.4). Aqui no Bra sil, no mo men to que es cre vo este
li vro, a mais alta po si ção do Po der Ju di ciá rio é ocu pa da por uma mu lher, a
qual é Pre si den te do Su pre mo Tri bu nal Fe de ral (Mi nis tra Elen Gra ce).

3) Em Pv. 14.1, está escri to que “A mu lher sá bia edifi ca a sua casa”. 4) Em Pv.
12.4, está es cri to que “A mu lher vir tu o sa é a co roa do seu ma ri do”.

CONCLUSÃO: Esta mos pre sen ci an do em nos sos dias Deus le van tan do
mu i tas mu - lhe res, a exem plo de Dé bo ra, para ocu pa rem po si ções es tra té
gicas em nos sa so ci e da - de. Deus está le van tan do ho mens e mu lhe res fiéis
e com pro me ti dos com a sua Pa la vra para fa ze rem à di fe ren ça no meio de
uma ge ra ção cor rom pi da e per ver sa em que vi ve mos.

Esbo ço 54 – Dia 23 de Fe ve re i ro
Tema: JAEL – A MULHER QUE SAIU DO ANONIMATO

Ben di ta seja so bre as mu lhe res Jael, mu lher de Hé ber, o que neu; ben di ta
seja so bre as mu lhe res que vi vem em ten das. Jz. 5.24

INTRODUÇÃO: A his tó ria de Jael, como Deus usa pes so as que es tão no gló
ria do seu Nome. Atra vés desta his tó ria de Jael, va mos apren der que, o nos so
Deus usa mes mo as co i sas fra cas para con fun dir as for tes.

1. SAINDO DO ANONIMATO

1) A ma i or hu mi lha ção que um ho mem po de ria so frer na que les dias era
ser mor to por uma mu lher (Jz. 9.52-54). Jael con se guiu a pro e za de ma tar o
mais te mí vel ge ne ral do exér ci to ini mi go da que les dias (Jz. 4.18-21).

2) Por ca u sa des te grande ato he rói co, Jael saiu do ano ni ma to e en trou na
se le ta ga leria das mu lhe res fa mo sas da Bí blia (Jz. 5.24-27).

3) Jael já ti nha uma pro mes sa pro fé ti ca acer ca des te fe i to im por tan te (Jz.
4.9). Quem tem a pro mes sa de Deus pre ci sa so men te está pre pa ra do para
no mo - men to cer to as co i sas acon te ce rem (Nm. 23.19).

4) Rute, a mo a bi ta, tam bém saiu do ano ni ma to, ao se tor nar par te da li nha
gem an ces tral do afa ma do rei Davi, e por con se guin te, de Je sus Cris to, o
Rei dos reis (Rt. 4.13-22 e Mt. 1.5).

5) Ma ria, foi no ta da por Deus na des pre zí vel ci da de de Na za ré, e saiu de fi


ni tiva - men te do ano ni ma to, ao se tor nar a mãe de Je sus Cris to, o Sal va
dor do mun - do (Lc. 1.26-35).

2. UMA MULHER BENDITA


1) So men te Ma ria, a mãe do Sal va dor, re ce beu um elo gio se me lhan te ao
de Jael (Lc. 4)2 e Jz. 5.24). Ma ria foi cha ma da de “Ben di ta en tre as mulhe
res”; e, Jael foi tam bém cha ma da de “Bendi ta so bre as mu lhe res mo ra do
ras de ten das”.
2) Em Gn. 17.15-16, o pró prio Deus mu dou o nome de Sara, mulher de Abraão,
e a tor nou tam bém uma mu lher ben di ta.
3) Em Gn. 24.60, Re be ca tam bém se tor nou uma mu lher aben ço a da (Gn.
25.21-23).
4) Ester, foi uma mulher abenço a da por Deus, e co lo ca da na po si ção de ra i
nha da Pér sia por um pro pó si to di vino ex pe cí fi co (Et. 4.14).
5) De acor do com Pv. 31.28-29, toda mu lher virtu o sa é ben di ta e lou va da
por esta des co nhe ci da mo ra do ra de ten da, re ve la ano ni ma to para re a li
zar gran des pro e zas para

sua dig ni da de e tra ba lho.

CONCLUSÃO : Atra vés des ta Deus está dis pos to a usar tan to ho mens como
mu lhe res, in de pen den te de sua raça, cor ou po si ção so ci al para re a li zar
gran des pro je tos para o seu re i no aqui na ter ra. im por tante his tó ria de Jael,
po de mos aprender que

Esbo ço 55 – Dia 24 de Fe ve re i ro
Tema: GIDEÃO – O HOMEM VALOROSO

Então, o Anjo do Se nhor lhe apa re ceu e lhe dis se: O Se nhor é con ti go, va
rão va lo ro so. Jz. 6.12

INTRODUÇÃO: Esta fra se de en co ra ja men to que Gi deão re ce beu do


Anjo do Se - nhor mar cou para sem pre a vida dele, como tam bém as nos sas vi
das. Este é o ver sí - cu lo mais fa mo so do li vro de Ju i zes; e qua se to dos nós
gos ta mos de usar esta fra se: “O Se nhor é con ti go, va rão va lo ro so”, para en
co ra jar as pes so as.

1. OS VALORES ESPIRITUAIS DE GIDEÃO

1) Gi deão era um ho mem pru den te e es tra te gis ta; pois, ao ma lhar o tri go
no la gar, ele con fun dia os ini mi gos mi di a ni tas que pi lha vam os de pó si
tos ali mentí ci os de Isra el (Jz. 6.1-4 e 6.11).

2) Gi deão era um ho mem hu mil de e não con fi a va na sua pró pria for ça (Jz.
6.14-15).
3) Gi deão ti nha o co ra ção dis pos to para ado rar ao Se nhor (Jz. 6.17-21).

4) Gi deão era um ser vo obe di en te (Jz. 6.25-27).


5) Gi deão era um ho mem re ves ti do pelo Espí ri to do Se nhor (Jz. 6.34). 2.
DEUS OBSERVA TAMBÉM OS NOSSOS VALORES

1) Em Jz. 6.11, o Anjo do Se nhor assen tou-se e ficou ob ser van do a de di ca


ção e di ligên cia de Gi deão no seu tra ba lho.
2) Em 2Cr. 15.7, o Se nhor re com pen sa o es for ço de cada um, dizen do: “Mas
sede for tes, e não des fa le çam as vos sas mãos, por que a vos sa obra terá re
com pen sa”.
3) Em Pv. 10.4, está es cri to: “O que tra ba lha com mão re mis sa em po bre ce,
mas a mão dos di li gen tes vem a en ri que cer-se”.
4) Em Ap. 2.2, o Se nhor ob ser va e co nhe ce o nos so tra ba lho e a nossa dedi
ca ção.
5) Em Hb. 6.10, está es cri to que, Deus não é in jus to para se es que cer da nos
sa obra e do nos so tra ba lho.

CONCLUSÃO: Atra vés da his tó ria de Gi deão, nós apren de mos como o Se
nhor va lo ri za e es co lhe as pes so as que são de di ca das ao traba lho que fa
zem. E isso, nos en co ra ja a per ma ne cer mos “fir mes e cons tan tes, sem pre
abun dan tes na obra do Se nhor, sa ben do que o vos so tra ba lho não é vão no
Se nhor” (1Co. 15.58).

Esbo ço 56 – Dia 25 de Fe ve re i ro
Tema: SANSÃO – O CAMPEÃO DE DEUS

De po is, deu a mu lher à luz um fi lho e lhe cha mou San são; e o me ni no cres
ceu, e o Se nhor o aben ço ou. E o Espí ri to do Se nhor pas sou a in ci tá-lo em
Ma a né-Dã, en tre Zorá e Esta ol. Jz. 13.24-25

INTRODUÇÃO: Nós te mos mu i to, o que aprender com a his tó ria de San
são. As gran des pro e zas re a li za das por San são na Bí blia,o qua lifi cam
como o Hér cu les da mi to lo gia gre ga. Po rém, com uma gran de di fe ren ça;
as gran des pro e zas re a li za das por San são não são mi to ló gi cas; mas sim
his to ri ca men te com pro va das. Se San são existis se hoje, ele se ria o ma i or
as tro de Holl yo od.

1. DEUS PROJETOU SANSÃO PARA SER UM CAMPEÃO

1) Deus pro je tou San são des de o seu nas ci men to para ser um cam peão (Jz.
13.2-5).
2) Se San são ti ves se uma vida mais pi e do sa, o Se nhor te ria lhe usa do para
re a li - zar o do bro das suas gran des pro e zas (Jz. 13.24-25).
3) Qu an do o Espíri to do Se nhor se apos sa va de San são, ele se tor na va pra
ti ca men te im ba tí vel (Jz. 14.6). San são ras gou pelo meio um leão, o mais te
mí vel ani mal da sel va, e ain da ex tra iu mel da car ca ça do leão.
4) Deus o le van tou para ser um cam peão im ba tí vel di an te dos seus ini mi
gos. Com ape nas uma “que i xa da de ju men to”, San são fe riu mil ho mens fi
lis te us (Jz. 15.14-16).
5) San são con se guiu a pro e za de en fi le i rar 300 ra po sas, e sol tá-las com fa
chos de fogo pre sos às suas ca u das para in cen di a rem a se a ra dos fi lis te us
(Jz. 15.4-5). Alguns afir mam que, na ver da de, fo ram 300 cha ca is, por se rem
mais fá ce is de se pren der. Ain da as sim, foi uma pro e za e tan to para uma só
pes soa.
6) San são con se guiu a pro e za de ar ran car os por tões da ci da de de Gaza,
com tran cas de fer ro e tudo mais (Jz. 16.1-3). Se gun do os es tu di o sos, os por
tões de Gaza che ga vam a pe sar uma to ne la da. E, San são ain da os car re gou
nos om bros por um per cur so de cer ca de 60 Km, cuja to po gra fia, era puro
morro.
7) San são li de rou a Isra el por um pe río do de 20 (vin te) anos (Jz.16.31).

2. SANSÃO FOI UM CAMPEÃO QUE SÓ PERDEU PARA ELE MESMO

1) San são foi der ro ta do por ele mes mo, quan do de i xou-se ser le va do pe
los seus im pul sos car na is (Jz. 16.15-21). Em 2Tm. 2.22, Pa u lo acon se lhou
ao jo vem Ti mó teo: “Foge, ou tros sim, das pa i xões da mo ci da de”.
2) San são co me çou a per der para ele mesmo quan do en trou pelo cami nho da
de so bediência. Ao que brarto dos os vo tos do seu na zi re ado, San são tor
nouse o Na zi reu mais de so bedi en te da Bí blia.

3) O Na zi reu não po de ria co mer e nem be ber nada que fos se ex tra í do da
uva (Nm. 6.2-5 e Jz. 13.3-5). San são, logo nas suas bo das de ca sa men to ofe
re ceu um gran de ban que te, onde o que mais se ser via por cos tu me era o vi
nho (Jz. 14.10-11).

4) O Na zi reu não po de ria se apro xi mar de um ca dá ver (Nm. 6.6). San são
ma tou um leão na vi nha, e ain da se apro xi mou do ca dá ver do leão para ti rar
mel (Jz. 14.5-9).

5) O Na zi reu de ve ria ser san to ao Se nhor to dos os dias da sua vida (Nm.
6.8). San são de i ta va-se com mu lhe res ím pi as e pros ti tu tas (Jz. 16.1-4).
6) O Na zi reu não po de ria de i xar pas sar na va lha na ca be ça (Nm. 6.5). San
são se - du zi do por Da li la per mi tiu que a sua ca be le i ra fos se cor ta da (Jz.
16.19).
7) San são ain da re ce beu de Deus uma ul ti ma chan ce ao fi nal de sua vida
(Jz. 16.28-31).

CONCLUSÃO : Atra vés da histó ria de San são po de mos apren der, tan to
com os seus er ros, quan to pe los seus acer tos. Que Deus pos sa sem pre nos
guar dar do pe ca do que tão de per to nos ro de ia, e pos sa mos cor rer com per
se ve ran ça, a car re i ra vi - to ri o sa que nos está pro pos ta (Hb. 12.1).
VIII – ESBO ÇOS EM RUTE
Esbo ço 57 – Dia 26 de Fe ve re i ro
Tema: RUTE – A MULHER VIRTUOSA

Ago ra, pois, mi nha fi lha, não te nhas re ce io; tudo quan to dis ses te eu te fa
rei, pois toda a sa. Rt. 3.11
ci da de do meu povo sabe que és mu lher vir tu o

INTRODUÇÃO : Nes ta pas sa gem bí bli ca va mos im por tan tes des ta per se
ve rante mu lher cha ma da que pas sa ram a fa zer par te da co mu ni da de de
Isra el, Rute foi um exem plo raro de fi de li da de e le al da de.

1. AS VIRTUDES MAIS IMPORTANTES DE RUTE


1) Fi de li da de e Le al da de (Rt. 1.15-17). Rute mos trou le al da de e fi de li da
de a sua so gra No e mi.
2) De ter mi na ção e Dis po si ção (Rt. 1.17). Rute era uma mu lher de ter mi na
da e dis pos ta a en fren tar qual quer que fos sem os de sa fi os da vida.

3) Di li gen te e Obe di en te (Rt. 2.2 e 3.5). Rute não fi ca va de bra ços cru za
dos es - pe ran do as co i sas acon te ce rem. Ela era uma pes soa di li gen te no
seu tra ba lho e obe di en te.

4) Boa re pu ta ção (Rt. 3.11). Rute go za va de uma boa re pu ta ção em sua ci


da de.

5) Per se ve ran ça (Rt.


ela per se ve rou no
3.11,18). Rute não se pre ci pi tou em bus ca de ca sa men to, Se nhor, es pe ran
do com pa ciên cia as co i sas acon te ce rem. aprender so bre as vir tu des mais
Rute. Den tre as mu lhe res pa gãs

2. O GRANDE VALOR DA MULHER VIRTUOSA


1) Em Rt. 3.10, está es cri to que to dos sa bi am que Rute era uma mu lher vir tu
o sa.

2) Em Pv. 31.10, está es cri to: “Mu lher vir tu o sa, quem a acha rá? O seu va lor
mu i - to ex ce de o de fi nas jói as”.
3) Em Pv. 12.4, está es cri to que “A mu lher vir tu o sa é a co roa do seu ma ri
do”.
4) Em Pv. 31.26, está es cri to que, a mu lher vir tu o sa “Fala com sa be do ria.
Aten - de ao bom an da men to da sua casa e não come o pão da pre gui ça”.

5) Em Rt. 4.15, está es cri to que Rute era uma nora que va lia mais do que sete
fi - lhos. Por tan to, uma mu lher vir tu o sa e de gran de va lor.

CONCLUSÃO: A vida de Rute é um belo exem plo para mos trar para to dos
nós, como o Se nhor re com pen sa as pes so as que pos sui fi de li da de e le al
da de pe ran te Deus e pe ran te os ho mens. O Se nhor não des pre za àque les
que bus cam re fú gio de - ba i xo de suas asas de abri go, in de pen den te da
raça a que per ten ça (Rt. 2.11-12 e Jo. 6.37).

IX – ESBOÇOS EM 1 SAMUEL
Esbo ço 58 – Dia 27 de Fe ve re i ro
Tema: ANA – A MULHER QUE DEU A VOLTA POR CIMA

Então, orou Ana e dis se: O meu co ra ção se re go zi ja no Se nhor, a minha for
ça está exal ta da no Se nhor; a mi nha boca se ri dos meus ini mi gos, por quan
to me ale gro na tua sal va - ção. 1Sm. 2.1

INTRODUÇÃO : A his tó ria da vida de Ana nos en si na como Deus pode exal
tar os que se humi lham peran te Ele; e como o Se nhor pode fa zer com que os
hu mi lha dos possam dar a vol ta por cima. A vi tó ria de Ana teve um sa bor de
mel. Pois, o seu cho ro foi trans - for ma do em jú bi lo, e a sua triste za foi trans
for ma da em ale gria.

1. SUPORTANDO AS AFRONTAS ATRAVÉS DA ORAÇÃO

1) Ana su por ta va dia após dia as afron tas e pro vo ca ções da sua ri val Pe ni
na (1Sm. 1.6-7). Por for ça do cos tu me da épo ca, se a pri me i ra mu lher, a
ama da, fos se es té ril, o ho mem po dia ca sar-se com uma se gun da mu lher.
Ana ti nha que su por tar e con vi ver com esta ter rí vel e hu mi lhan te si tu a
ção.

2) Ana, em vez de re vi dar às pro vo ca ções de sua rival, op tou pelo corre to ca
mi - nho da ora ção, pe dindo ao Se nhor que re mo ves se o opró brio da sua es
te ri li - da de, lhe con ce den do um filho (1Sm. 1.10-11).

3) Ana buscou ao Se nhor de todo o seu co ra ção e de toda a sua alma (1Sm.
1.12-15). O re mé dio para a tris te za é a ora ção (Tg. 5.13).

4) Após a ora ção, o sem blan te de Ana já não era triste (1Sm. 1.17-18).
“Buscar-me-eis e me acha re is quan do me bus car des de todo o vos so co ra
ção” (Jr. 29.13). Ana achou o que busca va (1Sm. 1.19-20).

2. DANDO A VOLTA POR CIMA E RINDO POR ÚLTIMO

1) Ana deu a vol ta por cima ao rece ber do Se nhor a res pos ta das suas ora ções
(1Sm. 1.27).
2) Exis te um di ta do que diz: “Quem ri por úl ti mo, ri me lhor”. De acor do
com 1Sm. 2.1, este di ta do se cum priu li te ral men te na vida de Ana. Pois, Ana
che gou a se ex pres sar, di zen do: “O meu co ra ção se re go zi ja no Se nhor, a
mi nha for ça está exal ta da no Senhor; a mi nha boca se ri dos meus ini mi gos,
por quan to me ale gro na tua sal va ção”. Antes, era Pe ni na que ria e zomba va
de Ana (1Sm.1.6-7). Po rém, Deus mudou a sor te de Ana.
3) Ana con se gue dar uma al fi ne ta da na sua ri val que a pro vo ca va, dizen
do: “Não mul - ti pli que is pa lavras de or gu lho, nem sa i am co i sas ar ro gan
tes da vos sa boca; por que o Se nhor é o Deus da sa be do ria e pesa to dos os fe
i tos na ba lan ça” (1Sm. 2.3).
4) Em 1Sm. 2.7-8, Ana des cre ve como o Se nhor pode fa zer os hu mi lha dos
da - rem a vol ta por cima.

CONCLUSÃO : Atra vés da vida de Ana, po de mos apren der como Deus pode
fa zer com que os que es tão em des van ta gem dêem a vol ta por cima, exal tan
do os hu mil - des e aba ten do os so ber bos. E, tudo isso pode acon te cer
quando re cor re mos à pro vi - dên cia di vina atra vés da ora ção. Deus re a li
zou o so nho de Ana, e pode per fe i ta men te re a li zar os nos sos so nhos (SL.
37.4).

Esbo ço 59 – Dia 28 de Fe ve re i ro
Tema: SAMUEL – A LÂMPADA DE DEUS

O jo vem Sa mu el ser via ao Se nhor, pe ran te Eli. Na que les dias, a pa la vra
do Se nhor era mui rara; as vi sões não eram fre quen tes. Cer to dia, es tan do de
i ta do no lu gar cos tu ma do o sa cer do te Eli, cu jos olhos já co me ça vam a es
cu re cer-se, a pon to de não po der ver, e ten - do-se de i ta do tam bém Sa mu
el, no tem plo do Se nhor, em que es ta va a arca, an tes que a lâm pa da de Deus
se apa gas se, o Se nhor cha mou o me ni no: Sa mu el, Sa mu el! Este res pon
deu: Eis-me aqui! 1Sm. 3.1-4

INTRODUÇÃO : Sa mu el foi a res pos ta de Deus para uma na ção que es ta


va en fren - tan do um pe río do de tran si ção en tre a Te o cra cia e a Mo nar
quia. O pe río do dos Jui - zes es ta va se fin dan do, e Israel pre ci sa va de um
ho mem que fi zes se esta tran si ção po lí ti ca, e Sa mu el foi o ho mem es co lhi
do por Deus para este im por tan te mo men to histó ri co da na ção de Israel.

1. ANTES QUE A LÂMPADA SE APAGASSE

1) Antes que a lâm pa da se apa gas se, o Se nhor cha mou a Sa mu el (1Sm. 3.3-
4). Deus não vai es pe rar o tem po se fin dar para es co lher al guém para fa zer
a sua obra. Ele quer nos cha mar para fa zer a sua obra ago ra mes mo.

2) Sa mu el mi nis tra va pe ran te o Se nhor, sen do ain da me ni no (1Sm. 2.18).


A obra é ur gen te e pre ci sa ser fe i ta.
3) A lâm pa da de Deus pre ci sa per ma ne cer ace sa con ti nu a men te. O sa cer
do te Eli já não en xer ga va bem, e por isso não co lo ca va mais as lâm pa das
em or dem para per ma ne ce rem ace sas con ti nu a men te (Êx. 27.20-21 e Lv.
24.1-4).
4) O sa cer do te pre ci sa acen der le nha no al tar a cada ma nhã; pois “O fogo
ar de - rá con ti nu a men te so bre o al tar; não se apa ga rá” (Lv. 6.12-13).
5) Deus não de se ja que a lâm pa da se apa gue. Em 1Rs. 15.4, está es cri to que:
“Por amor de Davi, o Se nhor, seu Deus, lhe deu uma lâm pa da em Je ru sa lém,
le van tan do a seu fi lho de po is dele e dan do es ta bi li da de a Je ru sa lém”.
6) Em 2Rs. 8.19, está es cri to que: “O Se nhor não quis des tru ir a Judá por
amor de Davi, seu ser vo, se gun do a pro mes sa que lhe ha via fe i to de lhe dar
sem pre uma lâm pa da e a seus fi lhos”.
7) No SL. 132.17, está es cri to: “Ali, fa rei bro tar a for ça de Davi; pre pa rei
uma lâm pa da para o meu un gi do”.

2. NÓS SOMOS A LÂMPADA DE DEUS NESTE MUNDO

1) De acor do com 2Sm. 21.17, Davi era uma “lâmpa da de Isra el” que não po
de ria se apa gar.
2) Em 2Sm. 22.29, está es cri to que o Se nhor é a Lâm pa da que der ra ma luz
nas tre vas.
3) No SL. 119.105, está es cri to que a Pa la vra de Deus é lâm pa da para os nos
sos pés e luz para os nos sos ca mi nhos.
4) Em Pv. 20.27, está escri to que “A alma do ho mem é a lâmpa da do Se nhor”.
5) Em Mt. 25.1-9, Je sus en si nou so bre a ne ces si da de das nos sas lâm pa das
per - ma ne ce rem ace sas.
6) Em Jo. 5.35, Je sus dis se que João Ba tis ta era a lâm pa da que ar dia e ilumi
na - va.
7) Em Ap. 21.23, está es cri to que o Cor de i ro é a Lâm pa da da Nova Je ru sa
lém.

CONCLUSÃO : Atra vés da cha ma da de Sa mu el, nós apren de mos que o Se


nhor man te rá a sua lâm pa da ace sa con ti nu a men te. Deus nun ca fi ca rá
sem tes te mu nho aqui na terra. Je sus dis se que nós somos à luz do mun do e o
sal da ter ra (Mt. 5.13-14). Cada cren te che io do Espí ri to San to é uma lâm pa
da de Deus ace sa nes te mun do de tre vas. E para isso, pre ci sa mos nos re ves
tir das ar mas da luz, e res plan de - cer mos como lu ze i ros no mun do (Rm.
13.12 e FP. 2.15).

Esbo ço 60 – Dia 29 de Fe ve re i ro
Tema: O MAIOR DE TODOS OS DEUSES

Ven do os ho mens de Asdo de que as sim era, dis se ram: Não fi que co nos co a
arca do Deus de Isra el; pois a sua mão é dura so bre nós e so bre Da gom, nos so
deus. 1Sm. 5.7

INTRODUÇÃO: Nós va mos apren der atra vés des ta histó ria da Arca de
Deus na terra dos Fi lis te us que, o Deus de Isra el é ma i or do que to dos os de
u ses. Os Fi lis te us, eram uma grande po ten cia mi li tar na que les dias; e, atri
bu íam as suas vi tó ri as ao seu deus Da gom. Po rém, ao per ce ber que a mão
do Se nhor era dura so bre eles e so bre o seu deus Da gom; tive ram que reco
nhe cer a su pre ma cia do Deus de Isra el so bre os de ma is de u ses.

1. A SUPREMACIA DO DEUS DE ISRAEL

1) O cla ro ob je ti vo do Se nhor Deus em ele ger a Isra el como o seu povo es


co lhi - do, era para re ve lar ao mun do pa gão so bre o Deus Vivo e Ver da de i
ro (Dt. 4.6-20).

2) Cada na ção pagã em vol ta de Isra el pos su ía um ído lo para ado ra rem; e,
eles atri - bu íam as suas vi tó ri as mi li ta res ao seu deus. Po rém, no caso de
Isra el, quando eles eram der ro ta dos, não era por que os de u ses da que las na
ções pa gãs eram mais for tes; mas sim, por que o pró prio Deus de Isra el es ta
va pu nin do o seu povo por al gu ma de so be diên cia aos seus man da men tos
(Jz. 16.23-24).

3) Em 1Sm. 5.1-5, os fi lis te us co lo ca ram a Arca do Deus de Isra el no templo


de seu deus Da gom, como se fos se um tro féu. Po rém, ao ve rem o seu deus Da
- gom ca í do com o ros to em ter ra dian te da Arca do Se nhor, e, além das pra
gas en vi a das pelo Se nhor so bre eles, ti ve ram que re co nhe cer a su pre ma
cia do Deus de Isra el so bre o seu deus. Exis te uma lei de hie rar quia que o me
nor se in cli na di an te do ma i or.Se Da gom pu des se fa lar, ele di ria aos seus
de vo tos fi lis te us que es ta va se in cli nan do di an te do MAIOR.

4) Ao res ga tar a Isra el do Egi to, o Se nhor es ta va tam bém der ra man do ju í
zo so - bre to dos os de u ses do Egi to, e, mos tran do para os egíp ci os que o
Deus de Isra el é o Se nhor de toda a ter ra (Êx. 12.12 e 8.20-23).

5) No SL. 96.4-5, está es cri to: “Por que gran de é o Se nhor e mui dig no de ser
lou - va do, temí vel mais que to dos os de u ses. Por que to dos os de u ses dos
po vos não pas sam de ído los; o Senhor, po rém, fez os céus”.

2. O DEUS VIVO E VERDADEIRO É INCOMPARÁVEL

1) O Deus de Isra el e Pai de nosso Se nhor e Sal va dor Je sus Cristo é Incom pa
rá - vel (Is. 40.25-26).
2) Em Jr. 10.6, está es cri to: “Nin guém há se me lhan te a ti, ó Se nhor; tu és
gran - de, e gran de é o teu nome em for ça”.
3) Em Jr. 10.10-12, está es cri to: “Mas o Se nhor é ver da de i ra men te Deus;
Ele é o Deus vivo e o Rei eter no; do seu fu ror tre me a ter ra, e as na ções não
po dem su por tar a sua in dig na ção. Assim lhes di re is: Os de u ses que não fi
ze ram os céus e a ter ra de sa pa re ce rão da ter ra e de de ba i xo des tes céus.
O Se nhor fez a ter ra pelo seu po der; es ta be le ceu o mun do por sua sa be do
ria e com a sua in - te li gên cia es ten deu os céus.”

4) Em 1Ts. 1.9-10, está escri to que “Dos ído los vos con ver tes te a Deus, para
ser - vir ao Deus Vivo e Verda de i ro e es pe rar dos céus a seu Fi lho, a quem
res sus ci tou dos mor tos, a sa ber, Je sus, que nos livra da ira fu tu ra.”

5) Em 1Tm. 6.14-16, Pa u lo dis se a Ti mó teo: “Que guardes o man da to ima


cu la do, ir re pre en sí vel, até à ma ni fes ta ção de nos so Se nhor Je sus Cris to;
a qual, em suas épo cas de ter mi na das, há de ser re ve la da pelo Ben di to e
Úni co So be ra no, o Rei dos reis e Se nhor dos se nho res; o Úni co que pos sui
imor ta li da de, que ha bi ta em luz ina ces sí vel, a quem ho mem al gum jama
is viu, nem é ca paz de ver. A Ele hon ra e po der eter no. Amém!”.

CONCLUSÃO : Nós glo ri fi ca mos a Deus por ter esco lhi do o povo de Isra el
para reve lar ao mun do o Deus Vivo e Ver da de i ro, e por ter en vi a do a Seu
Fi lho Je sus Cris to como o Sal va dor do mun do. Em 1 João 4.4, o após to lo
João es cre veu, di zen do: “Fi - lhi nhos, vós sois de Deus e ten des ven ci do os
fal sos profe tas, por que MAIOR é Aque le que está em vós do que aque le que
está no mun do”. Glóri as ao Deus TodoPo de ro so!

Esbo ço 61 – Dia 01 de Mar ço


Tema: O DEUS AJUDADOR
To mou, en tão, Sa mu el uma pe dra, e a pôs en tre Mis pa e Sem, e lhe cha mou
Ebe né zer, e dis se: Até aqui nos aju dou o Se nhor. l Sm. 7.12

INTRODUÇÃO: Nós va mos apren der atra vés des te ges to do pro fe ta Sa mu
el, em mar car um pon to fi nal nas der ro tas de Isra el, com uma pe dra me mo
ri al cha ma da: Ebe né zer, que sig ni fi ca: “Até aqui nos aju dou o Se nhor”;
que Deus é o nos so Aju da - dor, e Ele está pron to para co lo car um fim nas
nos sas tri bu la ções, e esta be le cer um novo pe río do de vi tó ri as e con quis
tas em nos sas vi das. “Ebe nézer” se tor nou uma es pé cie de di vi sor de águas
na his tó ria pro fé ti ca de Sa mu el, e sua li de rança es pi ri tu al so bre a na ção
de Isra el. Dali para fren te, os fi lis te us não mais pre va le ce ram con tra Isra
el. Mais adi an te, Davi os der ro tou e os sub jul gou com ple ta men te.

1. ELE É A NOSSA PEDRA DE AJUDA

1) Esta “Pe dra de So cor ro” cha ma da Ebe né zer Deus pela vi tó ria con segui
da so bre os fi lis te us, foi le van tada jus ta men te no mes mo lu gar, onde Isra
el ha via sido der ro ta do há 20 anos (1Sm. 4.1 e 5.1).

2) Neste mes mo lu gar, o pró prio Deus es ta va co lo can do um pon to fi nal


nas su - ces si vas der ro tas que Isra el vi nha so frendo dos fi lis te us, e re no
vando a sua pro mes sa de con ti nu ar aju dan do o seu povo dali para frente
(1Sm. 7.12-14).

3) Em Gn. 49.24-25, Ele é a Pe dra de Isra el que aju da rá o seu povo.


4) Em 1Sm. 17.47-49, Ele é a Pe dra que ajudou Davi a der ru bar o gi gan te Go
li as por ter ra.
5) Em 1Sm. 23.28, Ele é a Pe dra de Esca pe que aju dou a Davi es ca par das
mãos de Saul.
6) Em 1Cr. 12.18, está es cri to que “Entrou o Espí ri to em Ama sai, che fe de
trin ta, e dis se: “Nós so mos teus, ó Davi! E con ti go es ta mos, ó fi lho de Jes
sé! Paz, paz seja con ti go! E paz com quem te aju da! Pois que teu Deus te aju
da! E Davi os re ce beu e os fez ca pi tães das tro pas”.
7) No SL. 54.4, Davi dis se: “Eis que Deus é o meu aju da dor, o Se nhor é quem
me sus ten ta a vida”.
eri gi da por Sa mu el em hon ra a

2. ELE MESMO PROMETEU NOS AJUDAR

1) Em Js. 1.9, Ele pro me teu aju dar a Jo sué.


2) Em 1Cr. 15.26, está es cri to que o Se nhor aju dou os le vi tas que le va vam a
Arca do concer to do Se nhor.
3) Em 2Cr. 26.7, está es cri to que Deus aju dou ao rei Uzi as con tra os fi lis te
us.
4) Em 2Cr. 26.15, está es cri to que Uzi as foi ma ra vilho sa men te aju da do.
5) No SL. 37.40, está es cri to que “A sal va ção dos jus tos vem do Se nhor; Ele
é a sua for ta le za no tem po da an gús tia. E o Se nhor os aju da rá e os li vra rá
dos ímpi os e os sal vará, por quan to con fi am Nele”.
6) Em Is. 41.10, o Se nhor pro me te nos aju dar, di zen do: “Não te mas, por que
Eu sou con ti go; não te as som bres, porque Eu sou o teu Deus; Eu te for ta le
ço, e te aju do, e te sus ten to com a mi nha des tra fiel. ”
7) Em Is. 41.11-13, está es cri to: “Eis que en ver go nha dos e con fun di dos se
rão to dos os que es tão in dig na dos con tra ti; se rão redu zi dos a nada, e os
que con ten de rem con ti go pe re ce rão. Aos que pe le jam con tra ti, bus cá-
los-ás, po rém não os acha rás; se rão re du zi dos a nada e a co i sas de ne nhum
va lor os que fa - zem guer ra con tra ti. Por que Eu, o Se nhor, teu Deus, te tomo
pela tua mão di - re i ta e te digo: Não temas, que Eu te aju do.”

CONCLUSÃO : Apren de mos atra vés des ta men sa gem que nós não es ta
mos nes te mun do so zi nhos. Esta mos sen do aju da dos di a ri a men te pelo
nos so Deus. A nos sa pros pe ri da de vem do Se nhor; os li vra men tos que re
ce be mos vem do Se nhor; o nos - so so cor ro vem do Se nhor que fez os céus e
a ter ra (SL. 121.1-8). Até aqui nos aju - dou o Se nhor!

Esbo ço 62 – Dia 02 de Mar ço


Tema: SERÁS MUDADO EM OUTRO HOMEM O Espí ri to do Se nhor se
apos sa rá de ti, e pro fe ti za rás com eles e tu se rás mu da do em ou -tro ho mem.
1Sm. 10.6

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der que, o ho mem
es co lhi - do por Deus para re a li zar a sua obra pre ci sa ser trans for ma do
num novo ho mem. Não po de mos ne gar a pro fun da mu dan ça ocor ri da na
vida de Saul nos seus prime i - ros dias. Se de po is, hou ve de te ri o ração no
seu ca ráter, isso não in va li da a trans for ma ção oca si o nal que hou
de ho mens trans for ma dos em
es pi ritu al men te (1Rs. 11.1-4;
ve em sua vida. A histó ria bí bli ca está re ple ta de exem plos

gran des lí de res, que vi e ram de po is a se de te ri o ra rem 2Cr. 26.3-5 e


26.16).
1. TRANSFORMADO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO

1) O pro fe ta Sa mu el dis se a Saul que ele se ria mu da do em ou tro ho mem


quan do o Espí ri to do Se nhor se apos sas se dele, e isso de fato acon te ceu na
que le dia (1Sm. 10.9).

2) Saul, após ser mu da do em ou tro ho mem, re ce beu do Se nhor toda a ca pa


ci ta - ção para se trans for mar num dos ma i o res reis de Isra el (1Sm. 11.5-13).
Po - rém, se de po is ele fra cas sou, não foi cul pa de Deus.

3) Em 1Sm. 16.13, quan do o pro fe ta Sa mu el un giu a Davi no meio dos seus


ir mãos, “Da que le dia em di an te, o Espí ri to do Se nhor se apos sou de Davi”.
Davi foi tam - bém trans for ma do pelo po der do Espíri to San to, e pro cu rou
se man ter um ho - mem mu da do (SL. 51.10-12).

4) Pe dro foi tam bém trans for ma do em ou tro ho mem após ter sido che io do
Espí ri to San to no Dia de Pen te cos tes (At. 2.14-41 e 4.8).
5) Sa u lo foi trans for ma do em outro ho mem após ter se en con tra do com
Cris to no cami nho de Damas co (At. 9.1-20).

2. O NOVO HOMEM CRIADO POR DEUS

1) Em 2Co. 5.17, Pa u lo, um novo ho mem que foi trans for ma do por Deus afir
ma que “Se al guém está em Cris to, é nova cri a tu ra; as co i sas ve lhas já pas
sa ram; eis que tudo se fez novo”. Por tan to, nesta Nova Ali an ça, o novo ho
mem é cri a do por Deus atra vés de Cris to.

2) Em Mc. 5.15, o en de mo ninha do ga da re no foi trans for ma do num novo


ho mem após ter se en con tra do com Cris to. A trans for ma ção do velho ho
mem em um novo ho mem ca u sou gran de ad mira ção nas pes so as que o co
nhe ciam, como tam bém, ain da hoje, a trans for ma ção de mu i tas pes so as
atra vés do Evan ge lho de Cris to tem ca u sa do a ad mi ra ção
em no vas cri a tu ras de ou tras pes so as.

3) Em Jo. 4.6-42, a trans for ma ção da mu lher sa ma ri ta na em uma nova cri a


tu ra des per tou a ad mi ra ção de to das as pes so as da sua ci da de, e o seu tes
te mu nho de trans for ma ção atra iu mul ti dões para Cris to.

4) Em Ef. 4.24, Pa u lo diz que o novo ho mem, é cri a do se gun do Deus, em


justi ça e re ti dão pro ce den tes da ver da de.
5) Em CL. 3.9-10, Pa u lo usa a fi gu ra da ve lha cri a ção do ho mem, e re ve la
que na nova cria ção de Deus, nós de ve mos nos des pir do ve lho ho mem com
os seus de fe i tos, e nos re ves tir do novo ho mem que se re faz para o ple no co
nhe ci men to, se gun do a ima gem da que le que o cri ou.

CONCLUSÃO : Atra vés des ta men sa gem, nós apren de mos que Deus quer
trans for mar o ve lho ho mem numa nova cri a tu ra; e, ao mes mo tempo mudá-
lo atra vés do po der do Espí ri to San to e usá-lo para uma gran de obra.

Esbo ço 63 – Dia 03 de Mar ço


Tema: ENCHE O TEU VASO DE AZEITE Enche o teu vaso de aze i te e vem. .
1Sm. 16.1

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés des ta or dem de Deus a Sa mu
el, que, o Se nhor de se ja que o nos so vaso es te ja sem pre che io. Pois, na
Nova Alian ça, a or - dem para a Igre ja é a mes ma: “Enchei-vos do Espí ri to”
(Ef. 5.18).

1. VASOS QUE PRECISAM SER CHEIOS


1) O vaso que Sa mu el pre ci sa va en cher de aze i te era apro pri a do para car
re gar o óleo da sa gra da un ção (1Sm. 16.13).
2) Em 2Tm. 2.20, Pa u lo diz que numa gran de casa exis te va sos di ver si fi ca
dos para to dos os ti pos de uso.

3) Em 2Tm. 2.21, Pa u lo diz que de ve mos ser vaso de hon ra, san ti fi ca do e
útil para toda a boa obra.
4) O aze i te da san ta un ção que Sa mu el car re ga va no seu vaso era um con te
ú do bem pre ci o so fe i to pe las mais ex ce len tes es pe ci a ri as da épo ca (Êx.
30.23-33).
5) Em 2Co. 4.7, está es cri to que: “Te mos, po rém, este te sou ro em va sos de
bar - ro, para que a ex ce lên cia do po der seja de Deus e não de nós”.

2. VASOS QUE SE ENCHERAM NAS ESCRITURAS

1) A Bí blia men ci ona mu i tos ho mens que fo ram che i os do Espí ri to San to
nas Escri tu ras. Em Êx. 31.1-2, Deus en cheu a Be za le el do Espí ri to de Deus,
de ha - bi li da de, de in te li gên cia e de co nhe ci men to.

2) Em Dt. 34.9, Jo sué es ta va che io do Espí ri to de Sa be do ria.


3) Em 1Sm. 16.13 e SL. 89.20, Deus achou a Davi e o en cheu do seu Espíri to.
4) Em Mq. 3.8, o pro fe ta Mi quéi as es ta va che io do po der do Espí ri to do
Se nhor.
5) Em Lc. 1.41, Isa bel, mãe de João Ba tis ta fi cou che ia do Espí ri to San to.
6) Em Lc. 4.1, Jesus vol tou do Jor dão cheio do Espí ri to San to.
7) Em At. 2.4, To dos fi ca ram chei os do Espí ri to Santo.
8) Em At. 4.8, Pe dro ficou che io do Espí ri to San to.
9) Em At. 7.55, Este vão fi cou che io do Espí ri to San to.

10)Em At. 9.16-17, Ana ni as orou para que Pa u lo fos se um vaso es co lhi do
por Deus e che io do Espí ri to Santo.
11)Em At. 11.24, Bar na bé era um ho mem che io do Espí ri to San to. 12)Em
At. 13.9, Pa u lo fi cou che io do Espí ri to San to.

CONCLUSÃO : “Enche o teu vaso de aze i te e vem” e “Enchei-vos do Espí ri


to”, é o con se lho que a Pa la vra de Deus nos dá. De ve mos ser va sos chei os
do Espí ri to Santo. Ao res sus ci tar ao ter cei ro dia, Je sus so prou so bre os
seus dis cí pu los, e dis se: “Re cebei o Espíri to San to” (Jo. 20.22).

Esbo ço 64 – Dia 04 de Mar ço


Tema: AS SETE QUALIDADES DE DAVI

To mou Sa mu el o vaso de aze i te e o un giu no meio dos seus ir mãos; , da que


le dia em di an te, o Espí ri to do Se nhor se apos sou de Davi.Então, res pon deu
um dos mo ços e dis se: Co nhe ço um fi lho de Jes sé, o be le mi ta, que sabe to
car e é for te e va len te, ho mem de guer ra, si su do em pa la vras e de boa apa
rên cia; e o Senhor é com ele. 1Sm. 16.13,18

INTRODUÇÃO : Davi é con si de ra do um dos ma i o res vul tos do Anti go


to; e, des te gran de ho mem de Deus po de mos ex tra ir pre ci o sas li ções Tes
ta men es pi ri tua is

para as nos sas vi das. Até hoje, Davi, é um dos perso na gens bí bli cos mais
ama do. O amor co bre uma mul ti dão de pe ca dos. O amor de Deus por Davi
co briu to dos os seus pe ca dos. Davi, é o nome hu ma no mais ci ta do da Bí
blia. Seu nome é cita do cer - ca de 900 ve zes nas Escri tu ras. Mais ain da do
que os no mes de Abraão e Mo i sés.

1. ERA REVESTIDO DO ESPÍRITO SANTO


1) De acor do com 1Sm. 16.13, após a un ção que re ce beu do pro fe ta Sa mu
el, da - que le dia em di an te, o Espí ri to do Senhor se apos sou da vida de Davi.
2. ERA EXCELENTE MÚSICO
1) De acor do com 1Sm. 16.18, Davi era um pas tor que sa bia to car bem. Por
tan - to, Davi era um ex ce len te mú si co e um ver da de i ro ado ra dor.
3. ERA UM HOMEM DE GUERRA

1) De acor do com 1Sm. 16.18, Davi era um ho mem for te e va len te, e ho mem
de guer ra. Por tan to, Davi era um ho mem pre pa ra do para ven cer as ba ta
lhas da vida. 4. ERA UM EXCELENTE ORADOR
4.1 De acor do com 1Sm. 16.18, Davi era sisu do em pa la vras e de boa apa rên
cia. Por tan to, Davi era um pas tor ca ris má ti co e de uma boa ora tó ria. 5.
ERA UM HOMEM ABENÇOADO POR DEUS
5.1 De acor do com 1Sm. 16.18, o Se nhor era com Davi. Por tan to, Davi era um
pas tor aben ço a do por Deus e desfru ta va da pre sen ça do Se nhor na sua vida.
6. ERA UM HOMEM DE UM EXECELENTE CURRÍCULO
6.1 De acor do com 1Sm. 17.31-37, ao se can di da tar para en fren tar Go li as,
Davi apre - sen tou a Saul um currí cu lo de segui das vi tó ri as con tra um urso
e contra um leão.

7. ERA UM HOMEM SEGUNDO O CORACÃO DE DEUS


7.1 O pró prio Deus deu tes te mu nho de Davi, di zen do: “Achei a Davi, meu
ser vo;

com o meu san to óleo o ungi” (SL. 89.20). E, em ou tra oca sião, a Pa la vra de
Deus, diz: “Achei Davi, filho de Jes sé, ho mem se gun do o meu co ra ção, que
fará toda a minha von ta de” (At. 13.22). Davi era um ho mem se gun do o co ra
ção de Deus, por que, apas cen ta va o re ba nho de Deus com co nhe ci men to e
com in te li - gên cia (2Sm. 8.15 e Jr. 3.15).

CONCLUSÃO : O ho mem se gun do o co ra ção de Deus, é o ho mem que pos


sui o ca - rá ter de Deus im pri mi do na sua vida. Lon ge de ser um ho mem per
fe i to, pode mos ex tra ir li ções pre ci o sas da vida Davi, tan to pe los seus acer
tos, quanto pe los seus er ros (Rm. 15.4).

Esbo ço 65 – Dia 05 de Mar ço


Tema: USE AS ARMAS QUE DEUS LHE DEU

Saul ves tiu a Davi da sua ar ma du ra, e lhe pôs so bre a ca be ça um ca pa ce te


de bron ze, e o ves tiu de uma cou ra ça.en tão, dis se Davi a Saul: Não pos so an
dar com isto, pois nun ca o usei. E Davi ti rou aqui lo de so bre si. To mou o seu
ca ja do na mão, e es co lheu para si cin co pe dras li sas do ri be i ro, e as pôs no
al for je de pas tor, que tra zia a sa ber, no sur rão; e, lan - çan do mão da sua fun
da, foi-se chegan do ao fi lis teu. 1Sm. 17.38-40

INTRODUÇÃO : Ao re cu sar as ar mas de Saul, e pre fe rir usar as suas pró pri
as ar - mas de pastor, Davi nos ensi na que, as ar mas mais efi ca zes são àque las
que Deus nos deu. Para cada um, Deus en tre ga um tipo de fer ra men ta. Não
adian ta Pa u lo que rer usar as fer ra men tas de Pe dro; ou Pe dro usar as fer ra
men tas de Pa u lo. Cada um deve sa ber usar bem as fer ra men tas que Deus lhe
deu. As fer ra men tas que Davi mais sa bia usar eram as ferra men tas de um pas
tor. Foi essa ati tu de de Davi que o le vou a vi tó ria.

1. PREFERINDO AS ARMADURAS DE DEUS


1) Ao re cu sar a ar ma du ra de Saul, Davi pre fe riu usar a ar ma du ra de Deus
(1Sm. 17.45). Ape sar de usar as ar mas co muns de um pas tor de ove lhas da
que les dias, a con fi an ça de Davi es ta va em o Nome do Se nhor dos Exér ci
tos.

2) Davi usou as ar mas que ele es ta va acos tu ma do: O ca ja do, as pe dras, o al


for je, a fun da etc. Deus quer usar os nos sos ta len tos na tu ra is, e o que mais
es ta - mos fa mi li ari za dos. Não adi an ta que rer mos usar as ar mas dos ou
tros.

3) Em Ef. 6.11, Pa u lo acon se lha nos re ves tir-mos de toda ar ma du ra de


Deus. A ar ma du ra que ser ve para nós, são aque las que o Se nhor já nos en si
nou a usar. 2. AS NOSSAS ARMAS SÃO AS MAIS PODEROSAS
1) Em 2Co. 10.4, a Bí blia diz que “As ar mas da nos sa mi lí cia não são car na
is, e sim po de ro sas em Deus, para des tru ir for ta le zas”.
2) Em 2Co. 6.7, está es cri to que de ve mos nos equipar “Na pa la vra da ver da
de, no po der de Deus, pe las ar mas da jus ti ça, à di re i ta e à es quer da”. 3)
Em Rm. 13.12, Pa u lo diz que de ve mos nos re ves tir das ar mas da luz.

CONCLUSÃO : Je sus Cris to co lo cou a dispo si ção da Igre ja as ar mas mais


po de ro sas do uni ver so. Pois, a nos sa luta não é con tra a car ne e san gue, e
sim con tra ini mi gos es pi ri tu a is que, só po dem ser ven ci dos com ar mas es
pi ri tu a is (Mt. 16.18; Lc. 10.19 e Ef. 6.11-18).

Esbo ço 66 – Dia 06 de Mar ço


Tema: PERMANEÇA NOS LUGARES SEGUROS Su biu Davi da que le lu gar
e fi cou nos lu ga res se gu ros de Em-Gedi. 1Sm. 23.29

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do nós va mos apren der so bre a ne ces si
da de de an dar mos nos lu ga res se gu ros. Exis tem lu ga res que não são con
ve ni en tes para o cren te fi car. De ve mos es co lher os lu ga res se gu ros. Para
re tra tar os lu ga res se gu ros, os per so na gens bí bli cos sem pre usa vam as
me tá foras de uma ha bi ta ção se gu ra para ilus trar a se gu ran ça e pro te ção
que Deus ofe re ce. O Se nhor é cha ma do pelo pró prio Davi de: “Cas te lo For
te”; “Ro cha”, “Ci da de la”, “Ba lu ar te”, “Ro che do” (2Sm. 22.2-3).

1. DEUS NOS PROMETEU OS LUGARES SEGUROS

1) Davi es ta va ha bi tan do em lu ga res pe ri go sos, e, qua se foi pego por


Saul, se não hou ves se uma in ter ven ção di vi na. Por isso, ori en ta do por
Deus, Davi foi ha bi tar nos lu ga res for tes e se gu ros (1Sm. 23.26-29).

2) Em Lv. 26.6, o Se nhor fez uma pro mes sa ao seu povo, dizen do: “Tam bém
da - rei paz na ter ra; e dor mi re is se gu ros, e não ha ve rá quem vos es pan te”.
3) Em Is. 32.18, o Se nhor nos pro me te se gu ran ça, di zen do: “E o meu povo
ha bi ta rá em mo ra da de paz, e em mo ra das bem se gu ras, e em lu ga res qui
e tos de descan so”.

4) Em Pv. 3.23, está escri to: “Então, an da rás se gu ro no teu ca mi nho, e não
tro pe ça rá o teu pé”.
5) Em Pv. 18.10, está es cri to: “Tor re for te é o Nome do Se nhor, à qual o jus to
se aco lhe e está se gu ro”.
2. DEUS É A NOSSA FORTALEZA SEGURA

1) Em 2Sm. 5.17, a Bí blia diz que “Ou vin do, pois, os fi lis te us que Davi fora
ungi do rei so bre Isra el, su bi ram to dos para pren der a Davi; o que ou vin do
Davi, des ceu à for ta le za”. Davi ha via apren di do es co lher os lu ga res se gu
ros.

2) Em diver sas oca siões, o pró prio Davi re tra tou Deus como sen do a sua for
ta le za bem se gu ra (2Sm. 22.2-3).
3) No SL. 27.1, Davi disse: “O Se nhor é a mi nha luz e a minha sal va ção; de
quem te rei medo? O Se nhor é a for ta le za da mi nha vida; a quem te me rei?”
4) No SL. 57.1, Davi mos trou tan ta con fi an ça na se gu ran ça di vi na, que
che gou a di zer: “À sombra das tuas asas me abri go, até que passem as ca la mi
da des”.
5) Em Hc. 3.19, está es cri to: “O Se nhor Deus é a minha for ta le za, e faz os
meus pés como os da cor ça, e me fará an dar so bre as minhas al tu ras”.

CONCLUSÃO : Apren de mos atra vés des ta men sa gem que, de ve mosca mi
nhar nos lu ga res se gu ros. Para isso, de ve mos como Davi, pe dir ao Se nhor,
di zen do: “Ensi na-me a fa zer a tua von ta de, pois tu és o meu Deus; guie-me o
teu Bom Espí ri to por ter re no pla no” (SL. 143.10). Ser gui a do pelo Espí ri to
San to em ter re no pla no e se - gu ro, deve ser o nos so alvo a cada dia.

Esbo ço 67 – Dia 07 de Mar ço


Tema: BOM ÂNIMO NA ADVERSIDADE

Davi mu i to se an gus ti ou, pois o povo fa la va de ape dre já-lo, por que to dos
es ta vam em amar gu ra, cada um por ca u sa de seus fi lhos e de suas fi lhas; po
rém
Davi se re a ni mou no Se nhor, seu Deus. 1Sm. 30.6

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés des te tex to sa gra do que, mes
mo na hora da ad ver sida de, nun ca de ve mosde sa ni mar; pois, Davi se re a ni
mou no Se nhor em meio à ad ver si da de. O âni mo con segue des per targi gan
tes es pi ri tu a is que es tão ador me ci dos. O âni mo er gue o ho mem do pó, e o
faz acre di tar no im pos sí vel.

1. O SENHOR É A NOSSA FONTE DE ÂNIMO

1) Nes ta pas sa gem bí bli ca em que os ama le qui tas sa que a ram os bens de
Davi, e le va ram como re féns a sua fa mí lia e a fa mí lia de seus sol da dos, per
ce be mos como Davi era emo ci o nal men te equili bra do, e, foi bus car for ça e
âni mo da par te do Se nhor para ven cer aque la si tu a ção di fí cil, e ain da deu
a vol ta por cima, re cu pe ran do tudo o que ha via per di do (1Sm. 30.1-20).

2) Em Js. 1.9, o Se nhor se apre sen tou a Jo sué como uma fon te de âni mo, di
zen do: “Não to mandei Eu? Esfor ça-te e tem bom âni mo; não pas mes, nem te
es - pan tes, por que o Se nhor, teu Deus, é con ti go, por onde quer que an da
res”.

3) Em Ed. 7.28, está es cri to que Esdras se ani mou, se gun do a Boa Mão do Se
nhor so bre ele. A Boa Mão do nos so Deus traz ânimo para as nos sas vi das. 4)
No SL. 27.14, está es cri to: “Espe ra no Se nhor, ani ma-te, e Ele for ta le ce rá o
teu co ra ção; es pe ra, pois, no Se nhor”.
2. JESUS DEIXOU UMA MENSAGEM DE ÂNIMO PARA A SUA IGREJA

1) A men sa gem de Cris to para as pes so as, era sem pre uma men sa gem de
âni mo. Em Mt. 9.2, Ele dis se ao pa ra lí ti co de Ca far na um: “Fi lho, tem bom
âni mo; per do a dos te são os teus pe ca dos”.

2) Aos dis cí pu los te me ro sos em alto mar, Ele dis se: “Ten de bom âni mo!
Sou Eu; Não te ma is!” (Mt. 14.27).
3) Em Jo. 16.33, Je sus dis se: “Te nho-vos dito isso, para que em mim te nha is
paz; no mun do te re is aflições, mas ten de bom âni mo; Eu venci o mun do”.
Isso é que signi fi ca ter âni mo em meio à ad ver si da de.
4) Em At. 18.9-10, o Se nhor Je sus animou a Pa u lo em Co rin to, di zen do:
“Não te mas; pelo con trá rio, fala e não te ca les; por quan to Eu es tou con ti go,
e ninguém ousa rá fa zer-te mal, pois te nho mui to povo nes ta ci da de”.

CONCLUSÃO: O Se nhor é a nos sa fon te de for ça e de âni mo, e já ga ran tiu


a nos sa vi tó ria; pois, em Cris to sem pre somos con du zi dos em tri un fo
(1Co. 15.57 e 2Co. 2.14). “Um ao ou tro aju dou e ao seu com pa nhe i ro disse:
Esfor ça-te” (Is.41.6).

X – ESBOÇOS EM 2 SAMUEL
Esbo ço 68 – Dia 08 de Mar ço
Tema: UNCÃO TRIPLICADA
Assim, pois, to dos os an ciãos de Isra el vi e ram ter com o rei, em He brom; e o
rei Davi fez com eles ali an ça em He brom, pe ran te o Se nhor. Ungi ram Davi
rei so bre Isra el. 2Sm. 5.3

INTRODUÇÃO : Davi foi o úni co rei na his tó ria de Isra el que foi un gi do
por três ve zes. Ele foi ungi do rei na casa de seu pai (1Sm. 16.13); foi un gi do
rei na sua Tri bo (2Sm. 2.4); e, foi un gi do rei pe ran te toda a na ção (2Sm. 5.3-
4). Por tan to, Davi re ce beu uma un ção tri pli ca da. Davi foi o ma i or rei da
his tó ria de Israel. Di an te de tan ta un ção, nin guém mais po de ria duvi dar
que ele era de fato o Ungi do de Deus (2Sm. 22.51).

1. UNGIDO NA SUA CASA

1) A un ção que Davi re ce beu em sua casa, re ve la va para os seus fa mi li a res


que ele era o ele i to de Deus para ocu par o ma i or car go de sua na ção (1Sm.
16.3-13).

2) Os so nhos que Deus dava a José ain da novo, era para pre pa rar os seus fa mi
li - a res para a gran de po si ção de li de ran ça que José iria ocu par; e, isso foi
mal in ter pre ta do pe los seus pró pri os ir mãos (Gn. 37.5).

3) Tan to José como Davi fo ram esco lhi dos por Deus des de no vos para ocu pa
rem po si ções ele va das. Ambos ti nham em mé dia 17 anos quan do fo ram avi
sa dos por Deus de ta ma nha res pon sa bi li da de; e, am bos le va ram o mes
mo tem po de so fri men to e es pe ra até se rem exal ta dos por Deus aos 30 anos
de ida de (Gn. 41.46 e 2Sm. 5.4).

4) Ser apro va do por Deus pe ran te a pró pria fa mí lia é o co me ço do su ces so


na vida de um gran de lí der. Ter o res pe i to e o apo io de nos sa própria fa mí
lia é fun da men tal para o ho mem es co lhi do por Deus ter uma base se gu ra
(SL. 128.1-4).

2. UNGIDO NA SUA TRIBO

1) A un ção de Davi pe ran te a sua Tri bo con so li da va a li de ran ça de Davi


pe ran te Judá, a Tri bo com ma i or in fluên cia po lí ti ca, mi li tar e es tra tégi
ca da na ção de Isra el (2Sm. 24.9).

2) Ao ser un gi do como rei de Judá, Davi cons tru ía uma base forte no meio de
sua gen te, e fa zia par te do pro pó si to de Deus em en tre gar pa u la ti na men
te o go ver no na ci o nal nas mãos de Davi. Davi não re ce beu de “mãos bei ja
das” o re i - na do de Isra el. Davi foi au men tan do o seu po der e as suas con
quis tas de forma pro gres si va (2Sm. 3.1; 5.5 e 5.10).

3) Nós apren de mos atra vés destas eta pas im por tan tes da vida de Davi que,
Deus não nos dá tudo o que pre ci sa mos de uma só vez, ou numa úni ca par ce
la (vamos as sim di zer). Deus vai ob ser van do a nos sa fi deli da de no pou co,
para de po is nos co lo car no mui to (Lc. 16.10).

4) Em Jó 17.9, está es cri to: “O jus to se gui rá o seu ca mi nho fir me men te, e
o puro de mãos cres ce mais e mais em for ça”.
3. UNGIDO SOBRE TODA A NAÇÃO

1) A un ção de Davi so bre toda a na ção de Isra el con fir ma va o pro pó si to


ma i or de Deus para a vida de Davi, e re ve la va a Davi a fi de li da de de Deus
no cum - pri men to de suas pro mes sas (2Sm. 5.1-3).

2) Estas três eta pas da un ção de Davi como rei de Isra el, re ve la a as cen são
pro - gres si va da que les que de se jam su bir de es ca da e não de ele va dor.
Deus não ele vou Davi di re ta mente a rei de Isra el. Ve ja mos:
a) pri me i ro, Davi se tor nou rei ape nas para os seus fa mi li a res; b) se gun do,
Davi se tor nou rei ape nas para a sua tribo;
c) ter ce i ro, Davi se tor nou rei de toda a sua na ção (Pv. 4.18).

3) Em AT. 1.8, Je sus en si nou que a un ção do Espí ri to Santo so bre os seus dis
cí pu los os ca pa ci ta ria
co me çar sem pre por
a con quis tar o mun do de for ma pro gres si va. De ve mos nos sa casa (Je ru sa
lém); avan çando as nos sascon quis tas

para todo o país (Ju déia e Sa ma ria), e pros se guir avan çan do para con quis
tar - mos o mun do inte i ro para Cris to (até os con fins da ter ra).
4) No SL. 84.7, está es cri to que o povo do Se nhor vai indo de for ça em for ça
di an - te de Deus.

CONCLUSÃO : A un ção tri pli ca da que Davi re ce beu nos en si na a ca mi


nhar mos de for ça em for ça, de gra ça em gra ça, de fé em fé, e de gló ria em
gló ria (SL. 84.7; Jó 1.16; Rm. 1.17 e 2Co. 3.18).

Esbo ço 69 – Dia 09 de Mar ço


Tema: OS SEIS PASSOS DA VERDADEIRA ADORAÇÃO

Su ce deu que, quan do os que le va vam a arca do Se nhor ti nham dado seis pas
sos, sa cri fi ca va ele bois e car ne i ros ce va dos. 2Sm. 6.13

INTRODUÇÃO :Nes te tex to re ve rên cia, da san ti da de, do na ado ra ção ao


Se nhor. Davi já ha via er ra do na sua prime i ra ten ta ti va de trans por tar a
Arca da Alian ça para Je ru sa lém, por fal ta de re ve rên cia. Davi pro cu rou
cor ri - gir os er ros, e mos trou ex tre ma re ve rên cia no trans por te da Arca do
Rei dos Reis para a sede do seu go ver no.
sa gra do, nós va mos apren der so bre a te mor, da sin ce ri da de, da obe diên
cia im por tân cia da e da co mu nhão

1. REVERÊNCIA

1) O cul to de ce le bra ção pelo trans por te da Arca do Se nhor para Je ru sa


lém, pode ser di vi di da em duas fases: A pri me i ra foi frus tran te para Davi e
ter mi - nou em tra gé dia, por ca u sa da ir re ve rên cia de Uzá em to car na
Arca do Se nhor (2Sm. 6-1-11); e, a se gun da foi bem su ce di da, pelo fato de se
rem ob ser va dos os re qui si tos da Lei do Se nhor para o transpor te da Arca do
Con - cer to (1Cr. 15.2-15).

2) De acor do com 2Sm. 6.13, a fal ta de re ve rên cia que houve na pri me i ra
fase do trans por te da Arca do Se nhor, teve re ve rên cia de so bra na se gun da
fase. Pois, a cada seis pas sos que os le vi tas da vam le van do a Arca, Davi sa
cri fi ca va bois e car - ne i ros ce va dos ao Senhor.

3) O pri me iro pas so da ver da de i ra ado ra ção é a re ve rên cia. Em Hb.


12.28-29, o es cri tor sa gra do afir ma que de ve mos ser vir a Deus “de modo
agra dá vel, com re ve rên cia e santo te mor; por que o nosso Deus é fogo con su
mi dor”.

2. SANTIDADE

1) Em 1Cr. 15.12, per ce ben do a ne ces sida de da san ti da de na ado ra ção ao


Se - nhor, Davi dis se aos le vi tas que iri am trans por tar a Arca: “Vós sois os
cabe ças das fa mí li as dos le vi tas; san ti fi cai-vos, vós e vos sos ir mãos, para
que faça is su bir a arca do Se nhor Deus de Isra el, ao lu gar que lhe pre pa rei”.

2) A san ti da de é o se gun do pas so da ver da de i ra ado ra ção; por que, a pró


pria pa la vra de Deus nos man da ado rar ao Se nhor na be le za da sua Santi da
de (1Cr. 16.29).

3) No SL. 93.5, está es cri to: “Fi de lís si mos são os teus tes te mu nhos; à tua
casa con vém a san ti da de, Se nhor, para todo o sem pre”.
3. TEMOR

1) Em 1Cr. 13.12, está es cri to que, após Deus fe rir a Uzá por fal ta de re ve rên
cia e te mor em es ten der a mão à arca de Deus, “Te meu Davi a Deus, na que le
dia, e dis se: Como tra rei a mim a arca de Deus?” Atra vés da que le trá gi co
acon te ci - men to, Deus es ta va co bran do de Davi mais te mor no cul to de
ado ra ção ao Se - nhor.

2) Na sar ça ar den te Deus co brou de Mo i sés re ve rên cia e te mor na sua apro
xi ma - ção do Se nhor (Êx. 3.4-6).
3) No Mon te Si nai Deus co brou de Mo i sés e do povo re ve rên cia e te mor di
an te da pre sen ça do Se nhor (Êx. 19.21-25).

4. SINCERIDADE

1) Em 2Sm. 6.12, Davi per ce beu que o Se nhor es ta va exi gin do um co ra ção
mais puro e sin ce ro por par te dos ado ra do res; e isso, o Se nhor ob ser vou na
vida de Obede-Edom.

2) Em Hb. 10.22, está es cri to que de ve mos nos apro xi mar de Deus “com sin
ce ro co ra ção, em ple na cer te za de fé, ten do o co ra ção pu ri fi ca do de má
cons ciên - cia e la va do o cor po com água pura”.

3) Em 1Co. 5.8, está es cri to que, de ve mos ce le brar a fes ta ao Se nhor “não
com o ve lho fer men to, nem com o fer men to da mal da de e da ma lí cia, e sim
com os as mos da sin ceri da de e da ver da de”.

5. OBEDIÊNCIA

5.1 Em 1Cr. 15.13-14, Davi re co nhe ceu que as co i sas de ram er ra das na pri
me i ra fase do transpor te da Arca do Se nhor,por queha viam de so bede ci do
os re qui- si tos da Lei do Se nhor acer ca da ma ne i ra cor re ta de trans por tar a
Arca do Se - nhor. A arca de via ser trans por ta da nos om bros dos le vi tas, e
não em car ro de bois (Êx. 25.14 e Nm. 4.15).
5.2 Qu an do Davire sol veu obe de cero man da men to do Se nhor acer ca da
ma ne ira cor - re ta de se trans por tar a Arca do Se nhor, to das as co i sas de
ram cer to (1Cr. 15.15-28).

5.3 Em 1Sm. 15.22, está es cri to que, obe de cer ao Se nhor é me lhor do que sa
cri fi - car, o aten der, é me lhor do que a gor du ra de car ne i ros.
6. COMUNHÃO

6.1 Em 1Cr. 15.16-22, Davi ce le brou a co mu nhão com Deus por oca sião do
transpor te da Arca do Se nhor atra vés do ver da de i ro lou vor.
6.2A co mu nhão na ado ra ção é ce le bra da por meio do lou vor ver da de iro,
por - que, no SL. 100.1-2, está es cri to: “Ce le brai com jú bi lo ao Se nhor, to
dos os mo ra do res da ter ra. Ser vi ao Se nhor com ale gria e apre sen tai-vos a
Ele com cân ti co”.

6.3 Em 1Cr. 15.25-28, Davi e todo o Isra el ado ra va a Deus com jú bi lo, ale
gria e des pren dimen to de alma e es pí ri to, pro vo ca dos pela co mu nhão com
o Se - nhor.

CONCLUSÃO : Je sus dis se que o Pai pro cu ra ado ra do res que o ado rem
em es pí ri to e em ver da de (Jo. 4.23). Por tan to, a ver da de i ra ado ra ção
deve ser acom pa nha da com re ve rên cia, san ti da de, sin ce ri da de, te mor,
obe diên cia e co mu nhão com Deus.

Esbo ço 70 – Dia 10 de Mar ço


Tema: É DEUS QUEM DÁ NOME AO HOMEM

Ago ra, pois, as sim di rás ao meu servo Davi: Assim diz o Se nhor dos Exér ci
tos: To mei-te da ma lha da, de de trás das ove lhas, para que fos ses prín ci pe so
bre o meu povo, so bre Isra el. E fui con ti go, por onde quer que an das tes, eli
mi nei os teus ini mi gos di an te de ti e fiz gran de o teu nome, como só os gran
des tem na ter ra. 2Sm. 7.8-9

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés deste tex to sa gra do que, é o
pró prio Deus quem de ci de nos dá um nome respe i ta do e hon ra do. Deus de
ci diu ele var á Davi do pas to para o tro no de Isra el, e lhe deu um nome gran
de, que só os gran des têm na ter ra. Qu an do hon ra mos ao Se nhor, Ele
também nos hon ra com a sua gra ça e com a sua be ne vo lên cia.

1. DEUS EXALTA O NOME DE QUEM LHE OBEDECE


1) A exal ta ção e fama de Davi no mun do veio após a obe diên cia à von ta de
de Deus (1Cr. 14.16-17).
2) Em Gn. 12.1-4, Deus pro me teu en gran de cer o nome do obe di en te
Abraão.
3) Em 2Sm. 8.13, está es cri to que: “Ga nhou Davi re no me, quan do, ao vol tar
de fe rir os si ros, ma tou de zo i to mil ho mens no vale do Sal”. Os ho mens se
tor - nam re no ma dos, após a re a li za ção de um gran de fe i to.
4) O nos so queri do Sal va dor Jesus Cris to re ce beu um Nome aci ma de to
dos os no mes, após sua hu mi lha ção e obe diên cia ao Pai, ao re a li zar o ma i
or fe i to do uni ver so, dan do a sua vida para sal var a huma ni da de (Fp. 2.5-
11).

2. DEUS EXALTA O NOME DE QUEM SE HUMILHA

1) De acor do com 1Sm. 18.22-23 e 2Sm. 12.13, Davi era uma pes soa hu mil de
e se hu mi lha va di an te de Deus.
2) Em Lc. 14.11, Je sus dis se: “Todo o que se exal ta será hu mi lha do; e o que
se hu milha será exal ta do”.
3) Em Pv. 22.1, está es cri to: “Mais vale o bom nome do que as mu i tas ri que
zas; e o ser esti ma do é melhor do que a pra ta e o ouro”.
4) Em Jo. 12.26, Je sus dis se: “Se al guém me ser ve, siga-me, e, onde eu es tou,
ali es ta rá tam bém o meu ser vo. E, se al guém me ser vir, o Pai o hon ra rá”.

CONCLUSÃO : No mun do atu al, as pes so as gas tam for tu nas com pu bli ci
da de para tor na rem seus no mes gran des e fa mo sos. Po rém, no re i no de
Deus é dife ren te; quan do pro cu ra mos ser vir ao Se nhor e dar a hon ra e a gló
ria de vi da ao seu Nome, por meio da obediên cia e hu mil da de; o próprio
Senhor de ci de nos dá um nome res pe i ta do di an te de Deus e dos ho mens
(Leia Jo. 3.26-30 e Mt. 11.11).

Esbo ço 71 – Dia 11 de Mar ço


Tema: NA MESA COM O REI

Então, lhe dis se Davi: Não te mas, por que usa rei de bon da de para con ti go,
por amor de Jô na tas, teu pai, e te res ti tu i rei to das as ter ras de Saul, teu pai, e
tu co me rás pão sem pre à mi nha mesa. 2Sm. 9.7

INTRODUÇÃO: Nes ta bela his tó ria em que Davi con vi da Me fi bo se te


para co mer pão sem pre à mesa do rei, nós va mos apren der so bre o signi fi ca
do mais pro fun do da gra ça e da mi se ri cór dia do Se nhor para co nos co. Ain
da hoje, Je sus Cris to, o Rei dos reis, con vi da o mais vil pe ca dor para abrir a
por ta do seu co ra ção e cear com Ele.

1. ALCANÇADO PELA GRAÇA E BONDADE

1) De acor do com 2Sm. 9.4-5, Me fi bo se te, fi lho de Jô na tas, ha bi ta va em


Lo-De - bar, que sig ni fi ca “sem pas to”; uma ter ra aban do na da e que não ofe
re cia pas ta - gem. Po rém, ao ser al can ça do pela gra ça e bon da de, Me fi bo
se te pas sou a des fru tar da far tu ra do rei e dos pas tos verde jan tes do Bom
Pas tor (2Sm. 9.7 e SL. 23.1-3).

2) De acor do com 2Sm. 4.4, Me fi bo se te ha via fica do coxo aos cin co anos
de idade. Em 2Sm. 5.6-8, a Bí blia diz que, de vi do a zom ba ria dos je bu se us,
a alma de Davi pas sou a abor re cer os co xos e os ce gos, e, na sua ira dis se
que os co xos não en tra ria na sua casa. Po rém, ao ser al can ça do pela gra ça e
bon da de, Me fi bo se te con se guiu o fa vor de Davi, não só entran do na sua
casa, como tam bém, se as sen ta va sem pre na mesa para co mer pão com o rei.

3) De acor do com 2Sm. 9.8, Me fi bo se te se sen tia como um des pre zí vel e
po bre cão mor to. Po rém,ao ser al can ça do pela gra ça e bon da de, Me fi bo se
te de i xou de co mer mi ga lhas ao se as sen tar na pró pria mesa do rei.

4) De acor do com 2Sm. 9.1, Me fi bo se te só foi be ne fi ci a do por Davi, por


ca u sa da ali ança que Davi ha via fe i to com Jô na tas (1Sm. 20.12-17). Ao ser
al can ça do pela gra ça e bon da de, Me fi bo se te re ce beu a res ti tui ção da
sua he ran ça, e pas - sou a vi ver no va men te como prín ci pe (2Sm. 9.7).

2. A GRAÇA E BONDADE DE DEUS PARA CONOSCO

1) A his tó ria de Me fi bo se te ilus tra bem a vida de um pe ca dor re di mi do


por Deus. Como Me fi bo se te, vi vía mos se pa rados da co mu ni da de de Isra
el e es tra nhos às ali anças da pro mes sa, não ten do es pe ran ça e sem Deus no
mun do (Ef. 2.12). Po rém, “ago ra, em Cris to Je sus, vós, que an tes es tá ve is
lon ge, fos tes apro xi - ma dos pelo san gue de Cris to” (Ef. .2.13).

2) Como Me fi bo se te, vi vía mos numa ter ra sem pas to. Po rém, ago ra Cris to
se di - ri ge a nós di zen do: “Eu sou a por ta, se al guém en trar por mim, será sal
vo; en - tra rá, e sa i rá, e acha rá pas ta gem” (Jo. 10.9). E, o amor de Deus co
briu to dos os nos sos de fe i tos (Rm. 5.8).
3) Como Me fi bo se te vi vía mos como ca chor rinhos de penden do de co mer
das mi - ga lhas que ca i am da mesa (Mt. 15.26-27). Po rém, atra vés de Cris to,
os pe ca do res re di midos do Ori en te e do Oci den te to ma rão lu ga res à
mesa do Rei com Abraão, Isa que e Jacó (Mt. 8.11).

4) Como Me fi bo se te, nós só al can ça mos a gra ça e bon da de de Deus, por


ca u sa da Eter na Ali an ça fe i ta por Je sus Cristo (Hb. 13.20-21). E, ago ra, nos
tor na mos her de i ros de Deus e co-her de i ros com Cris to (Rm. 8.17).

5) No SL. 113.7-8, está es cri to que o Se nhor “er gue do pó o des va li do e do


mon - tu ro, o ne ces si ta do, para o as sen tar ao lado dos prín ci pes, sim, com
os prín ci - pes do seu povo”. Ago ra, so mos prín ci pes de Deus e so mos par ti
ci pan tes da mesa do Rei Je sus (Ap. 3.20).

CONCLUSÃO: Assim como Deus usou a Davi para res ta u rar a vida de Me fi
bos te, por ca u sa da ali an ça fei ta com Jôna tas; Deus envi ou o seu Fi lho Je
sus Cris to para nos res ta u rar e nos re di mir pelo san gue da sua Eter na Ali an
ça.

Esbo ço 72 – Dia 12 de Mar ço


Tema: COROADO NO TERRITÓRIO INIMIGO
Re u niu, pois, Davi a todo o povo, e mar chou para Rabá, e pe le jou con tra ela, e a to mou.
Ti rou a co
roa da ca be ça do seu rei; o peso da co roa era de um ta len to de ouro, e ha via
nela pe dras pre ci o sas, e foi pos ta na ca be ça de Davi; e da ci da de le vou
mui gran de des po jo.2Sm. 12.29-30

INTRODUÇÃO : Este tex to sa gra do, re gis tra um gran de mo men to tri un
fal de Davi, quan do tirou a co roa da ca be ça do rei ini mi go e foi co lo ca da
em sua ca be ça, vin do a ser co ro a do no pró prio
Cris to no ter ri tó rio
ter ritó rio ini mi go. Este acon te cimen to, ilus tra tam bém, a vi tó ria de ini mi
go, ao des po jar to dos os prin ci pa dos e po tes tades.

1. DESTRONANDO O INIMIGO

1) Ao ti rar a co roa da ca be ça do rei de Rabá, Davi esta va destro nan do o seu


ini - mi go; e, ain da le vou mui gran de des po jo da ci da de (2Sm. 12.30).
2) No tex to he bra i co de 1Sm. 12.30, a pa la vra es cri ta “seu rei” é “mlcm”,
que tan to pode ser lida por “mal cam”, “seu rei”, ou, por “Mil com”, deus prin
ci pal de Amom. Por tan to, Davi es ta va sen do usa do por Deus para des tro nar
àque la di vin da de pagã que re i na va na que le lu gar.
3) No SL. 60.12, Davi diz: “Em Deus fa re mos pro e zas, por que ele mes mo
cal ca aos pés os nos sos ad ver sá ri os”.
4) Em Ef. 6.12-13, a Bí blia diz: “A nos sa luta não é con tra o san gue e a car ne,
e sim con tra os prin ci pa dos e po tes ta des, con tra os do mi na do res des te
mun do te ne bro so, con tra as for ças es pi ri tu a is do mal, nos lu ga res ce les
ti a is. Por tan - to, to mai toda a ar ma du ra de Deus, para que pos sa is re sis tir
no dia mau e, de - po is de ter des ven ci do tudo, per ma ne cer ina ba lá ve is”.

2. CRISTO DESTRONOU E VENCEU O INIMIGO NO SEU PRÓPRIO


TERRITÓRIO

1) Em CL. 2.15, está es cri to que, Cris to des po jou os prin ci pa dos e po tes ta
des, e os ex pôs pu bli ca men te ao des pre zo, tri un fan do de les na cruz.
2) Em Hb. 2.14 e Ap. 1.18, a Bí blia diz que Cristo des tru iu aque le que ti nha o
po der da mor te, o di a bo; e, ago ra Je sus Cris to pos sui as cha ves da mor te e
do in - fer no.
3) Em Ef. 1.20-23, está es cri to que, após destro nar o ini mi go, Je sus está en
tro ni za do à di re i ta de Deus nos céus “aci ma de todo prin ci pa do, e po tes ta
de, e po der, e do mí nio, e de todo nome que se pos sa re fe rir não só no pre sen
te sé cu lo, mas tam bém no vin dou ro. E pôs to das as co i sas de ba i xo dos pés
e, para ser o ca be ça so bre to das as co i sas, o deu à igre ja, a qual é o seu cor
po, a ple ni tu de da que le que a tudo en che em todas as coi sas”.
4) Em 1Pd. 3.22, a Bí blia diz que Je sus está en tro ni za do à des tra de Deus,
“fi - can dolhe su bor di na dos an jos, po tes ta des, e po de res”.

CONCLUSÃO: Cris to foi co ro a do no pró prio ter ritó rio do ini mi go, des
tro nan do a Sa ta nás e seus de mô ni os,e fi can do-lhe su je i to to dos os an jos,
au to ri da des, po de res e do mí ni os; e, ain da blindou a sua Igreja con tra todo
o po der do ini mi go (Mt. 16.18 e Lc. 10.19).

Esbo ço 73 – Dia 13 de Mar ço


Tema: DEFENDA O CAMPO QUE DEUS LHE DEU

Pôs-se Sama no meio da que le ter re no, e o de fen deu, e fe riu os fi lis te us; e o
Se nhor efe tu ou gran de li vra men to. 2Sm. 23.12

INTRODUÇÃO : Atra vés des te im por tan te fe i to he rói co de Sama, um dos


va len tes de Davi, em de fen der um im por tan te cam po de len ti lhas que ha
via na ci da de de Lei; nós va mos apren der so bre a ne ces si da de de de fen
der-mos aqui lo que Deus nos deu.

1. TOMANDO POSSE DO QUE DEUS NOS ENTREGOU

1) De acor do com 2Sm. 23.11-12, ha via um im por tan te cam po de len ti lhas
na ci da - de de Lei; e, os fi lis te us que ri am to mar pos se da que le co bi ça do
pe da ço de ter ra de vi do o re cuo do povo. Po rém, Sama pôs-se no meio da
que le cam po e o de fen deu, fe rin do os fi lis te us.

2) A ati tu de co ra jo sa de Sama agra dou a Deus, e o Se nhor hon rou a sua de


ter mi - na ção em va lo ri zar o que Deus ha via lhe en tre ga do, efe tu an do um
gran de li - vra men to (2Sm. 23.12b). Se Sama não to mas se pos se da que le ter
re no, os fi lis te us iri am to mar. Por isso, de ve mos to mar pos se do que Deus
nos en tre gou.

3) De acor do com Jz. 15.14-19, Deus já ha via dado uma gran de vitó ria a San
são na que la mes ma re gião, efe tu an do um gran de li vra men to con tra os fi
lis te us.
4) Em 2Sm. 7.14, está es cri to que “As ci da des que os fi lis te us ha vi am to
ma do a Isra el fo ram-lhe res ti tu ídas, des de Ecrom até Gate; e até os ter ri tó
ri os de las ar re ba tou Isra el das mãos dos fi lis te us”. De ve mos ocu par o es
pa ço que Deus nos deu, para que os ini mi gos não ve nham ocu par.
5) Em Js. 1.3-4, o Se nhor dis se a Jo sué: “Todo lu gar que pi sar a plan ta do
vos so pé, vo-lo te nho dado, como eu pro me ti a Moi sés.Nin guém te pode rá
re sis tir to dos os dias da tua vida; como fui com Mo i sés, as sim se rei con ti
go; não te de i xa rei, nem te de sam pa ra rei”.

2. VALORIZANDO O QUE DEUS NOS ENTREGOU

1) Em Gn. 25.34, a Bí blia diz que Esaú des pre zou o seu di re i to de pri mo ge
ni tu ra, por ca u sa de um pra to de len ti lhas. Já Sama sou be va lo ri zar o cam
po de lenti - lhas que Deus lhe en tre gou (2Sm. 23.11-12). São duas si tu a ções
pa re ci das por en volve rem as len ti lhas; po rém, com sig ni fi ca dos an ta gô
ni cos. Esaú de ve ria ter va lo riza do o di rei to de pri mo ge ni tu ra que re ce
beu de Deus;como tam bém, Sama de ve ria de fen der o cam po de len ti lhas
que Deus lhe deu; e assim o fez.

2) Em Js. 14.6-15 e 15.13-14, a Bí blia diz que Ca le be va lo ri zou a he ran ça


que Deus lhe en tre gou, e ex pul sou os gi gan tes fi lhos de Ana que, de fen den
do a ter ra que Deus ha via lhe en tre ga do.

3) Em 2Co. 6.1, Pa u lo exor ta os mi nis tros a não re ce be rem em vão a gra ça


de Deus.
4) Em CL. 4.17, Pa u lo pede para Arqui po va lo ri zar e aten tar para o mi nis té
rio que ele ha via re ce bi do do Se nhor, para o cum prir.
5) 1Tm. 1.14, Pa u lo diz a Ti mó teo: to San to que ha bi ta em nós”.
CONCLUSÃO: Apren de mos atra vés va lo rizar aquilo que Deus nos en tre
gou. Pre ci sa mos de fen der o nos so ter ritó rio de toda ame a ça de in va são
do ini mi go. Pois, Aquele que está co nos co, é Ma i or do que aque le que está
no mun do (1Jo. 4.4).
“Gu ar dao bom de pó si to, me di an te o Espí ri

des ta men sa gem que, de ve mosto mar pos se e

Esbo ço 74 – Dia 14 de Mar ço


Tema: IDENTIFICANDO OS VERDADEIROS AMIGOS

Davi es ta va na for ta le za, e a guar ni ção dos fi lis te us, em Be lém. Sus pi rou
Davi e dis se: Quem me dera be ber água do poço que está jun to à por ta de Be
lém! Então, aque les três va len tes rom pe ram pelo acam pa men to dos fi lis te
us, e ti ra ram água do poço jun to à por ta de Be lém, e to ma ram-na, e a le va
ram a Davi; ele não a quis be ber, po rém a der ra mou como libação ao Senhor.
2Sm. 23.14-16

INTRODUÇÃO : Exis te um di ta do que diz: “Você só sabe quem é ami go


quan do os dois se as sen tam para co mer um saco de sal”. Este di ta do pa re ce
uma pro va mu i to for te para se tes tar uma amiza de. Po rém, a Bí blia re ve la
que Davi pos su ía ver da de i ros ami gos dis pos tos a co me rem um saco de sal
com ele, e até mais do que isso. Davi era fiel e leal aos seus ami gos; e, por isso,
teve tam bém mu i tos ami gos lea is e fiéis a ele.

1. A DISPOSIÇÃO DOS AMIGOS DE DAVI

1) De acor do com 2Sm. 23.14-16, a ati tu de des tes três va len tes de Davi em
ar ris car suas pró pri as vi das para bus car água para Davi be ber, re ve la a dis
po si - ção de se sa cri fi ca rem pela ami za de e con si de ra ção que ti nham por
Davi.
2) De acor do com 1Sm. 20.1-43 e 2Sm. 9.1, Davi era um amigo leal e que sa bia
hon rar os seus ami gos até de po is de mor tos.
3) De acor do com 1Sm. 30.26, Davi era ge ne ro so para com os seus amigos e
até re par tia com eles os seus des po jos.
4) De acor do com 2Sm. 17.27-29, Davi foi so cor ri do por ami gos fiéis nas ho
ras de an gús tia e ne ces si dades.
5) Como Davi soube plan tar le al da de e bonda de na vida de seus ami gos, ele
tam bém co lheu ami gos fiéis e dis pos tos a lhe ajudar (2Sm. 15.37 e 17.27-29).

2. OS AMIGOS VERDADEIROS

1) Em Pv. 17.17, está es cri to: “Em todo o tem po ama o ami go; e na an gús tia
nas - ce o ir mão”.
2) Em Pv. 27.10, está es cri to: “Não aban do nes o teu ami go, nem o ami go de
teu pai”.
3) Em Is. 41.8, o pró prio Deus cha ma Abraão de seu amigo.
4) Em Jo. 15.15, Je sus nos chama de ami gos.
5) Em Jo. 15.13, Je sus é o Ver da de i ro Ami go.

CONCLUSÃO : Em dias di fí ce is em que às pró pri as pes so as que es tão em


nos sa vol ta não ins pi ram con fi an ça, de ve mos pe dir ao Se nhor que se le ci
o ne os nos sos ami gos; pois, so men te Nele po de mos con fi ar (Jr. 17.7).

XI – ESBOÇOS EM 1 REIS
Esbo ço 75 – Dia 15 de Mar ço
Tema: O CAMINHO DA VERDADEIRA PROSPERIDADE

Esfor ça-te, pois, e sê ho mem. E guar da a ob ser vân cia do Se nhor, teu Deus,
para an da res nos seus ca mi nhos e para guar da res os seus es ta tu tos, e os
seus man da men tos, e os seus ju í zos, e os seus tes te mu nhos, como está es cri
to na Lei de Mo i sés, para que pros pe res em tudo quan to fi ze res, para onde
quer que te volta res. 1Rs. 2.2-3

INTRODUÇÃO : Este tex to sa gra do re ve la os úl ti mos con se lhos que Davi


deu ao seu fi lho Sa lo mão, lhe apon tan do qual se ria o ca mi nho da ver da de
ira pros pe ri da - de. Enquan to Sa lo mão se guia os con se lhos de seu pai Davi,
ex pe ri men tou os anos dou ra dosde pros pe ri da de no seu re i na do.
1. “ESFORÇA-TE E SÊ HOMEM”

1) Este con se lho que Davi deu a Sa lo mão foi o mes mo que o Se nhor deu a Jo
sué (Js. 1.6-8). A pa la vra de Deus deve ser a bús so la que ori en ta e guia todo
o lí der po lí ti - co ou re li gio so.

2) Sa lo mão, já não iria con tar com a se gu ran ça que seu pai em vida lhe dava,
e pre ci sa va as su mir uma po si ção fir me na au sên cia de seu pai (1Rs. 2.5-
12).
3) Com esta fra se, Davi es ta va li te ral men te di zen do a Sa lo mão: “Seja ho
mem meu fi lho, se es for ce um pou co mais e seja fir me nas suas to ma das de
de ci sões”.

2. “GUARDA A OBSERVÂNCIA DO SENHOR, TEU DEUS”


1) O ca mi nho da ver da de i ra pros pe ri da de que a pa la vra de Deus sem pre
apon - ta, é o ho mem guar dar os pre ce i tos e man da men tos do Se nhor (Js.
1.8).

2) Gu ar dar os man da men tos do Se nhor é a ga ran tia de ser mos al can ça do
pe las bên çãos (Dt. 28.1-2).
3) “Gu ar da o bom de pó si to, me dian te o Espíri to San to que ha bi ta em nós”
(2Tm. 1.14).

CONCLUSÃO : O ca mi nho da ver da de i ra pros pe ri da de é nun ca se apar


tar dos man da men tos do Se nhor, nos so Deus, e guar dar no nos so co ra ção a
pa la vra de Deus (SL. 119.11).

Esbo ço 76 – Dia 16 de Mar ço


Tema: RESPOSTA PARA TODAS AS SUAS DÚVIDAS

Ten do a ra i nha de Sabá ou vi do a fama de Sa lo mão, com res pe i to ao Nome


do Se nhor, veio pro vá-lo com per gun tas di fí ce is. .Sa lo mão lhe deu res pos
ta a to das as per gun tas, e nada lhe hou ve pro fun do de ma is que não pu des
se ex pli car. 1Rs. 10.1-3

INTRODUÇÃO : Esta pas sa gem bí bli ca que ilustra o en con tro da ra i nha
de Sabá com Sa lo mão em bus ca de res pos tas para os seus enigmas; re ve la
bem, os nos sos an se i os e a nos sa bus ca pelas res pos tas às per gun tas mais
di fí ce is da vida. Po rém, as sim como Sa lo mão deu to das as res pos tas que a
ra i nha de Sabá pre ci sa va, o nos so que ri do Je sus, que é ma i or do que Sa lo
mão, pos sui to das as res pos tas que pre ci sa mos em nos sas vi das.

1. O HOMEM EM BUSCA DE RESPOSTAS

1) Em Mt. 19.16, o Jo vem Rico per gun ta a Je sus: “Mes tre, que fa rei eu de
bom, para al can çar a vida eter na?”.
2) Em Jo. 18.38, Pi la tos per gun ta a Je sus: “Que é a ver da de?”

3) Em AT. 16.30, o Car ce re i ro de Fi li pos per gun ta a Pa u lo: “Que devo fa


zer para que seja salvo?”
2. JESUS É A RESPOSTA DE TODAS AS NOSSAS DÚVIDAS

1) Em Jo. 17.3, Je sus res pon de a per gun ta do Jo vem Rico: “E a vida eter na é
esta: Que te co nhe çam a ti, o úni co Deus ver da de i ro, e a Je sus Cris to, a
quem en vi as te”.

2) Em Jo. 14.6, Je sus res pon de a per gun ta de Pi la tos: “Eu sou o ca mi nho, e
a ver da de, e a vida; nin guém vem ao Pai se não por mim”.
3) Em At. 16.31, Pa u lo res pon de a per gun ta do Car ce re i ro: “Crê no Se
nhor Je - sus e se rás salvo, tu e tua casa”.

CONCLUSÃO : So men te em Cris to, nós en con tra mos a res pos ta para to
das as nos - sas in ter ro ga ções. Ele re ve la to dos os se gre dos aos seus ser vos
os pro fe tas (Am. 3.7).

Esbo ço 77 – Dia 17 de Mar ço


Tema: DEUS FAZ ACONTECER O IMPREVISÍVEL

Foi, pois, e fez se gun do a pa la vra do Se nhor; re ti rou-se e ha bi tou jun to à


tor ren te de Qu e ri te, fronte i ra ao Jor dão. Os cor vos lhe tra zi am pela ma
nhã pão e car ne, como tam bém pão e car ne ao ano i te cer; e bebia da tor ren
te. 1Rs. 17.5-6

INTRODUÇÃO : De acor do com esta pas sa gem bí bli ca, nós va mos apren
der como Deus ope ra de for ma im pre vi sí vel, so men te para dar vitó ria a um
ser vo seu. Deus faz acon te cer onde não pode acon te cer, e Deus faz acon te
cer com quem não pode acon te cer. Deus usa quem não ima gi na mos que Ele
usa.

1. DEUS AGE DA FORMA QUE NÃO IMAGINAMOS


1) O pro feta Eli as ja ma is po de ria ima gi narque Deus iria uti li zaros cor vos
como seus garçons (1Rs. 17.5-6). Nos nos sos dias os res ta u ran tes e pizza ri as
di vul gam os ser vi ços “deli very”; que são os ser vi ços de en tre ga ofe re ci
dos por te le - fo nes. No caso de Eli as, eram os cor vos que fa zi am o servi ço
de en tre ga.

2) De acor do com Jó 38.41, Deus se pre o cu pa em ali men tar até os fi lho tes
os cor vos quan do cla mam. Se Deus se pre o cu pa com os filho tes do cor vo,
como não se pre o cu pa rá co nos co?

3) De acor do com o SL. 147.9, Deus ali men ta os filhos dos cor vos quan do cla
- mam. Se Deus ouve os fi lhos dos cor vos, não ou vi rá seus pró pri os fi lhos?
(Mt. 7.9-11).

4) Em Lc. 12.24, Je sus dis se: “Obser vai os cor vos, os qua is não se me i am,
nem ce i fam, não tem des pen sa nem ce le i ros; to da via, Deus os sus ten ta.
Qu an to mais va le is do que as aves!”.

2. DEUS USA QUEM NÃO IMAGINAMOS

1) Deus usou a des pre zí vel ju men ta para re pre en der o pro fe ta de so be di
en te (Nm. 22.27-31). Deus faz acon te cer com quem não pode acon te cer.
2) Deus usou os des pre zí ve is cor vos para sus ten tar o pro fe ta Eli as (1Rs.
17.5-6).
3) Deus usou o can to do galo para desper tar a consciên cia de Pe dro (Mc.
14.72).
4) Je sus usou um des pre zí vel ju menti nho como ve i culo de transpor te para
en - trar em Je ru sa lém (Lc. 19.28-38).

CONCLUSÃO : Ás ve zes a for ma de Deus agir sem pre con fun de a ló gi ca


hu ma na. Ele usa as co i sas fra cas para con fun dir as for tes; usa as co i sas lou
cas para con fun dir as sá bi as; usa as co i sas des pre zí ve is para con fun dir as
apra zí ve is; e usa as co i sas que não são para con fun dir as que são (1Co. 1.27-
29).

Esbo ço 78 – Dia 18 de Mar ço


Tema: DEUS FAZ ACONTECER COM QUEM NÃO PODE ACONTECER
Então, lhe veio a pa la vra do Se nhor, dizen do: Dis põe-te, e vai a Sa rep ta, que
per ten ce a Si dom, e de mo ra-te ali, onde or de nei a uma mu lher vi ú va que
te dê co mi da. 1Rs. 17.8-9
INTRODUÇÃO: Cer ta men te ha via mu i tas vi ú vas ri cas em Isra el nos dias
de Eli as; po rém, Deus re sol veu usar uma po bre vi ú va de Sidom para sus ten
tar um dos ma i o res pro fe tas he bre us; pois, Deus faz acon te cer com quem
não pode aconte cer.

1. QUEM ERA PRA DAR ERRADO DEUS FAZ DAR CERTO

1) Ta mar, era uma mu lher que ti nha tudo para dá er ra do, e aca bou dan do cer
to, ao gerar dois as cen den tes de Je sus Cris to, por meio de sua re la ção inces
tu o sa com seu pró prio so gro Judá (Gn. 38.13-30).

2) Ra a be, era um pros ti tu ta ca na néia que ti nha tudo para dá er ra do; e aca
bou dan do cer to, ao se tor nar tam bém uma as cen den te de Je sus Cris to (Mt.
1.5 e Hb. 11.31).

3) Rute, era uma mu lher mo a bi ta que ti nha tudo para dá er ra do; pois, os mo
a bi - tas es ta vam ex clu í dos da Assem ble ia do Se nhor até a sua dé ci ma ge
ra ção; e, aca bou dando cer to, ao se casar com Boaz, um rico as cen den te do
rei Davi e de Je sus Cris to, o Rei dos reis (Rt. 4.13-20 e Mt. 1.5).

2. O QUE ERA PARA DAR ERRADO DEUS FAZ DAR CERTO

1) A ação er ra da dos ir mãos de José em vendê-lo como es cra vo, aca bou
dando cer to (Gn. 50.15-21).
2) De po isde re sol vi da a si tua ção da re la ção tur bulen ta de Davi com Bate-
Seba, nas ceu mais tar de Sa lo mão, o ho mem mais sá bio do mun do an ti go
(2Sm. 12.24-25 e 2Cr. 1.7-12).
3) A re je i ção dos Ju de us, e a sua con se quen te trans gres são re dun dou em
ri que za para o mun do e sal va ção para os gen ti os (Rm. 11.11-12).
4) De acor do com Rm. 8.28: “To das as co i sas co o pe ram para o bem da que
les que amam a Deus, da que les que são cha ma dos se gun do o seu pro pó si
to”.

CONCLUSÃO : Tudo o que o nos so Deus faz é bom e per fe i to (Gn. 1.31).
Qu an do Ele faz dar cer to o que era para dar er ra do, não re ve la o seu apo io
ao erro de nin - guém; e sim, o trans bor dar de sua gra ça e mi se ri cór dia. Pois,
a his tó ria do povo de Deus, tan to do Anti go, como do Novo Tes ta men to, tem
sido a histó ria da gra ça di vi - na no meio dos er ros hu ma nos.

Esbo ço 79 – Dia 19 de Mar ço


Tema: RESTAURANDO O ALTAR DO SENHOR

Então, Eli as dis se a todo o povo: Che gai-vos a mim. E todo o povo se che gou
a ele; Eli as res - ta u rou o al tar do Se nhor, que es ta va em ru í nas. 1Rs. 18.30

INTRODUÇÃO : Ao res ta u rar o al tar do Se nhor, Eli as es ta va en si nan do


ao povo so bre a ne ces si da de de les res ta u ra rem o seu re la ci o na men to
com Deus e re no va - rem a sua co mu nhão com Ele. O nos so al tar pre ci sa
ser cons tante mente re pa ra do, re no va do, e res ta u ra do.

1. O SIGNIFICADO DE RESTAURAÇÃO

1) Res ta u ra ção é o ato ou efe i to de res ta u rar, res ta be le cer, e re por no an


ti go es - ta do ou con dição. Res ta u rar o al tar do Se nhor sig ni fi ca re no var
e res ta be le - cer a nos sa co mu nhão com Deus (1Rs. 18.38-39).

2) Em 2Cr. 15.8, está es cri to que, o rei Asa co brou âni mo, e re no vou o al tar
do Se - nhor.
3) Em 2Cr. 24.13, está es cri to que, a Casa do Se nhor foi res ta u ra da no seu
pró - prio es ta do e a con so li da ram.
4) Em 2Cr. 33.16, está es cri to que, Ma nas sés res ta u rou o al tar do Se nhor.
5) Em Ne. 3.8, está es cri to que, res ta u ra ram Je ru sa lém até ao Muro Lar go.

6) Em Gn. 35.9-15, está es cri to que Deus apa re ceu ou tra vez a Jacó e o aben
ço ou; re no van do as pro mes sas fe i tas an te ri or men te a Jacó, e Jacó tam
bém res - ta be le ceua sua co mu nhão com Deus, res tau ran do o al tar do Se
nhor.

2. COISAS QUE PRECISAM SER RESTAURADAS EM NOSSAS VIDAS


1) A nos sa jus ti ça (Jó 8.6).
2) A nos sa sor te (SL. 126.4).
3) A nos sa sa ú de (Jr. 30.17).
4) A nos sa vi são (Lc. 4.18).
5) As nos sas vi das (SL. 80.7).
6) Os nos sos dias como dan tes (Lm. 5.21).

CONCLUSÃO : Deus está sem pre pron to a res ta u rar a nos sa sor te, a nos sa
jus ti ça, a nos sa vi são, a nos sa sa ú de, as nos sas vi das, e a nos sa co mu nhão
com Ele, bas tan do ape nas nos ache gar-mos a Ele (1Rs. 18.30 e Tg. 4.7-8).
XII ESBOÇOS EM 2 REIS
Esbo ço 80 – Dia 20 de Mar ço
Tema: AS QUATRO ESCOLAS DA VIDA

Qu an do es ta va o Se nhor para to mar Elias ao céu por um re de mo i nho, Eli


as par tiu de Gil gal em com pa nhia de Eli seu. Dis se Eli as a Eli seu: Fica-te
aqui, por que o Se nhor me en vi ou a Be tel. .Disse Eli as a Eli seu: Fica-te aqui,
por que o Se nhor me en vi ou a Je ri có. Disse-lhe, pois, Eli as: Fica-te aqui, por
que o Se nhor me envi ou ao Jor dão. 2Rs. 2.1-6

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der através des tes qua tro luga res que Eli
as vi si tou an tes de ser arre ba ta do para o céu: Gil gal, Be tel, Jeri có e Jor dão,
como os quatro es tá gi
Be tel re pre sen ta o nos so pe río do
de de sa fi os e gran des con quistas;
de, afir ma ção e es ta bi li da de.
os da vida do homem de Deus. Gil gal re pre sen ta o nos so pri me i ro amor;

de pre pa ra ção; Je ri có re pre sen ta o nos so pe río do o Jor dãore presen ta o


nos so pe ríodo de ma tu ri da
1º GILGAL – 2RS. 2.1

1) O pri me i ro es tá gio da vida do Cris tão é Gil gal. Gil gal foi o pri me i ro
acam pa men to de Isra el de po is de pas sar o Jor dão (Js. 4.19). Foi em Gil gal
que tudo co me çou. Gil gal tor nou-se a pri me i ra es co la de vida para a nova
ge ra ção dos fi lhos de Israel.

2) Foi em Gil gal que Jo sué cir cun ci dou a nova ge ra ção (Js. 5.1-9). 3) Foi em
Gil gal que os fi lhos de Israel cele bra ram a pri me i ra Pás coa (Js.

5.10-11).
4) Foi em Gil gal que a Arca da Alian ça per no i tou to dos os dias em que o
povo ro -
de a va as mu ra lhas de Je ri có (Js. 6.11).
5) Gil gal é o lu gar que nos faz lembrar do nos so pri me i ro amor (Jz. 2.1-4).

2º BETEL – 2RS. 2.2


1) O se gun do es tá gio na vida do Cris tão é Be tel. O nome “Be tel” sig ni fi ca
“Casa de Deus”. Be tel era o cen tro de ado ra ção mais im por tan te de Isra el
an tes de Je ru sa lém ser con quista da por Davi. Betel foi o lugar onde o pa tri
ar ca Abraão ar mou a sua prime i ra ten da na ter ra de Ca naã (Gn. 12.8).

2) Be tel foi o lugar onde Jacó teve o seu pri me i ro en con tro com Deus (Gn.
28.10-19).
3) Em Gn. 31.13, o pró prio Se nhor se apre sen tou a Jacó como o Deus de Be
tel.
4) Em Gn. 35.1, Deus or de nou a Jacó que vol tas se a Be tel para re no var com
o Se nhor a sua ali an ça.
5) Em Jz. 20.18, Be tel se tor nou o lu gar onde os filhos de Isra el con sul ta va a
Deus.
6) Be tel era um lugar de con sa gra ção na pre sen ça do Se nhor (Jz. 20.26).
7) Em 1Sm. 10.3, o povo não su bia a Be tel com as mãos va zi as. Be tel re pre
sen ta a se gun da es co la da vida, e um es tá gio mais de sen vol vi do na vida
do Cris tão.
8) Em Be tel o Cris tão já pode ser me lhor ava li a do (1Sm. 7.15-16).

3º JERICÓ – 2RS. 2.4

1) O ter cei ro es tá gio na vida do Cris tão é Je ri có. O nome “Je ri có” sig ni fi
ca “lu - gar de fra grân cia” ou “cida de do bál sa mo”. Foi ao pé de Je ri có que o
Se nhor deu a Jo sué as estra té gi as de con quista da ci da de (Js. 5.13-14).

2) Em Js. 6.22-25, a pros ti tu ta Ra a be e toda a sua fa mí lia foi sal va em meio


a des tru i ção de Je ricó. Je ricó simbo li za o mun do que deve ser con quis ta
do pela Igre ja Mi li tan te res ga tan do o pe ca dor.

3) Foi em Je ri có que Jesus abriu os olhos dos ce gos (Mt. 20.29-34).


4) Foi em Je ri có que Zaqueu re ce beu a vi si ta de Je sus Cris to, o Sal va dor
do mun do (Lc. 19.1-10).
5) Em Lc. 10.30, está es cri to que, des cia um ho mem de Je ru sa lém a Je ri có,
e foi es pan ca do pe los sal te a do res no ca mi nho. Je ru sa lém simbo li za o lu
gar da co - mu nhão com Deus, e Je ri có sim bo li za o mun do per di do. Po
rém, Je sus Cris to, o Bom Sa ma ri ta no veio a este mun do para res ga tar o pe
ca dor fe ri do pelo ini - mi go, e cu rar as suas fe ri das atra vés do seu pre ci o
so san gue, e pelo po der do Espí ri to San to (Lc. 10.34). Nesta ter ce i ra es co
la da vida, o Cris tão já se en con tra ama du re ci do e pre pa ra do para con quis
tar vi das para Cris to.

4º JORDÃO – 2RS. 2.6

1) O quar to es tá gio da vida do Cris tão é o Jordão. O Jor dão é o mais no tó rio
e mis te ri o so rio da Bí blia. Gran des acon te ci men tos da Bí blia es tão as so
ci a dos ao rio Jor dão. Neste es tá gio da vida, o Cris tão já atin giu o ápi ce da
sua car re i - ra e pode tes te mu nhar dos gran des mi la gres de Deus.

2) A tra ves sia do rio Jor dão é uma das grandes ma ra vi lhas regis tra das nas
Escri tu ras (Js. 3.4).
3) Enquan to o Mar Verme lho só se abriu uma úni ca vez; o Jor dão se abriu por
cer ca de três ve zes nas Escri tu ras Sa gra das (Js. 3.1-17; 2Rs. 2.8 e 2Rs. 2.14).
4) O ge ne ral sí rio Na a mã foi res ta u ra do da sua le pra, após mer gu lhar sete
ve zes no rio Jor dão (2Rs. 5.10-14).
5) Em Mt. 3.5-6, João Ba tis ta apa re ce ba ti zan do mul ti dões de pe ca do res
ar re - pen di dos no rio Jor dão.
6) Em Mc. 1.9, Je sus tam bém foi bati za do no rio Jor dão.
4.7 Após ser ba ti za do no rio Jor dão, o céu se abriu e o Espí ri to San to desceu
em for ma cor pó rea so bre Je sus, e o Pai re co nhe ceu a fi li a ção Di vina de
Je sus (Mt. 3.16-17).
4.8 Em Lc. 4.1, Je sus vol tou do Jor dão cheio do Espí ri to San to. O Jor dão
sim bo li - za o lu gar das gran des ex pe riên ci as com Deus e dos gran des mi la
gres.

CONCLUSÃO: De ve mos ti rar do, ex tra indo li ções es pi ri tu ais Pois, “A ve


re da dos justos é como a luz da au ro ra, que vai bri lhan do mais e mais até ser
dia per fe i to” (Pv.4.18).
pro ve i to de cada es tá gio de nos sa vida nes te mun -

im por tan tes para o nos so cres ci men to es pi ri tu al.

Esbo ço 81 – Dia 21 de Mar ço


Tema: UNÇÃO DUPLICADA

Ha ven do eles pas sa do, Eli as dis se a Eli seu: pede-me o que que res que eu te
faça, an tes que seja to ma do de ti. Dis se Eli seu: Peço-te que me to ques por he
ran ça por ção do bra da do teu es pí ri to. 2Rs. 2.9

INTRODUÇÃO: Nós va mos apren der atra vés des ta his tó ria de Eli as e Eli
seu que, quan do um dis cí pu lo per ma ne ce fiel ao seu mes tre até o fim, ele
pode até mes mo su - pe rar o seu mes tre em re a li za ções. E, isso acon te ceu
com Eli seu, que pe diu como he - ran ça a por ção do bra da do es pí ri to que ha
via so bre o seu mes tre Eli as.

1. RECEBENDO A HERANÇA DUPLICADA

1) De acor do com al guns teó lo gos, ao pedir a por ção do bra da do es pí ri to


de Eli - as, Eli seu não pre ten dia ter duas ve zes o po der de Eli as, mas sim, ser
her de i ro da missão pro fé ti ca de Eli as, e por isso, a por ção du pla era a he
ran ça do pri - mo gê nito, com pa ra da com a dos de mais fi lhos (Dt. 21.17).

2) Ape sar de achar o pe dido de Eli seu au da cio so, Eli as con di cio nou a res
posta do pe di do de Eli seu à sua cons tan te atenção e vigi lân cia. Eli seu não
va ci lou, e fi cou com a capa de Eli as (2Rs. 2.9-14).

3) Em 2Rs. 2.15, os dis cí pu los dos pro fe tas pas sa ram a re co nhe cer que Eli
seu ha via ver da de i ra men te re ce bi do a por ção do bra da da he ran ça pro fé
ti ca de Eli as.

4) Em 2Rs. 2.19-22, Eli seu foi sub me ti do a um tes te pe los mo ra do res de Je


ri có, e mais uma vez Deus o con fir mou como pro fe ta.
2. A PROMESSA DA PALAVRA DE DEUS ACERCA DA PORÇÃO
DUPLICADA

1) Em Is. 61.7, está es cri to: “Em lu gar da vos sa ver go nha, te re is du pla hon
ra; em lu gar de afron ta, exul ta re is na vos sa he ran ça; por isso, na vos sa ter
ra pos su i re is o do bro e te re is per pé tua ale gria”.

2) Em Zc. 9.12, o Se nhor pro me te nos re com pen sar tudo em do bro.
3) No SL. 84.7, a Bí blia fala de for ça du pli ca da.
4) Em Jo. 1.16, a Bíblia fala de gra ça du pli ca da.
5) Em Rm. 1.17, a Bí blia fala de fé du pli ca da.
6) Em 2Co. 3.18, a Bí blia fala de gló ria du pli ca da.
7) Em Fp. 4.4, a Bí blia fala de ale gria du pli ca da.

CONCLUSÃO: O Se nhor está sempre pronto a nos aben ço ar mui to mais


além do que me re ce mos, e está pron to a nos res pon der mu i to mais além do
que pe di mos ou pen sa mos, con for me o seu po der que ope ra em nós (Ef.
3.20).
Esbo ço 82 – Dia 22 de Mar ço
Tema: O CARÁTER DE UM HOMEM DE DEUS

Cer to dia, passou Eli seu por Su ném, onde se acha va uma mu lher rica, a qual
o cons tran ge ra a co mer pão. Daí, to das as ve zes que pas sa va por lá, en tra
va para co mer. Ela dis se a seu ma ri do: Vejo que este que pas sa sem pre por
nós é
san to ho mem de Deus. 2Rs. 4.8-9

INTRODUÇÃO: Nós va mos apren der atra vés des ta bela pas sa gem bí bli ca
que, a gran de ri que za de um ho mem de Deus, é as pes so as glori fi ca rem a
Deus pelo seu bom teste mu nho, e pelo seu bom ca rá ter. Eli seu dava bom tes
te mu nho por onde pas sa va, e pos su ía um ca rá ter exem plar.

1. A VIDA EXEMPLAR DO HOMEM DE DEUS

1) O bom tes te mu nho e a vida exem plar de lhe ob ser va va (2Rs. 4.9).
2) Mu i tos obre i ros gos tam de ser cha ma dos de ho mem de Deus. Po rém, é
pre ci so ser um ho mem de Deus na prá ti ca (Tg. 3.13).
3) Eli seu fre quen ta va sem pre a casa da que la mu lher rica para co mer, e sem
pre se con du zia de for ma res pe i to sa e exem plar; e, isso le vou àque la fa mí
lia a con vi dá-lo como um hós pe de per ma nen te (2Rs. 4.8-11). Infe liz men te,
exis - tem mu i tos que se di zem ho mens de Deus, e de i xam ras tros ne ga ti
vos por onde pas sam, os quais não arris ca mos hos pe dá-los em nos sas ca sas
(Mt. 23.14).
4) Em 1Tm. 4.12, Pa u lo dis se a Ti mó teo: “Nin guém des pre ze a tua mo ci da
de; mas sê o exem plo dos fiéis, na pa la vra, no tra to, na ca ri da de, no es pí ri
to, na fé, na pu re za”.

2. RECONHECIDO COMO HOMEM DE DEUS

1) Em 2Rs. 4.9, a Su na mi ta re co nhe ceu Eli seu como um “san to ho mem de


Deus”. Esse é o tes te mu nho que as pes so as de vem dar dos li de res da Igre ja
do Se nhor.

2) Em 2Rs. 1.9-13, Elias foi cha ma do de “ho mem de Deus”, e atestou atra vés
do fogo que des ceu do céu, que ele era ver da de i ra men te ho mem de Deus.
3) Em 2Cr. 11.2, Sema ías era chama do “ho mem de Deus”.
4) Em 2Cr. 30.16, Mo i sés era cha ma do “ho mem de Deus”.
5) Em 2Cr. 25.7, havia mu i tos ou tros anôni mos ho mens de Deus.
6) Em Ne. 12.36, Davi era cha ma do “ho mem de Deus”.
7) Em 1Tm. 6.11, Pa u lo reco nhe ceu Ti mó teo como um homem de Deus, di
zen do: “Tu, po rém, ó ho mem de Deus, foge des tas co i sas; an tes, se gue a jus
ti ça, a pi e da de, a fé, o amor, a cons tân cia, a man si dão”.
Eli seu im pres si o nava as pes so as que

CONCLUSÃO : Não há dú vi da que exis ti ram mi lha res e mi lha res de ho


mens na his tó ria bí bli ca e cris tã, como tam bém em nos sos dias que, pela sua
vida exem plar são re co nhe cidos como ver da de iros ho mens de Deus. O Se
nhor sem pre con ser va no meio de uma ge ra ção, por mais cor rup ta e per ver
sa que seja, os seus ho mens fiéis (2Rs. 19.18).

Esbo ço 83 – Dia 23 de Mar ço


Tema: OS SETE MERGULHOS DA VITÓRIA

Veio, pois, Na a mã com os seus ca va los e os seus car ros e pa rou à por ta da
casa de Eli seu. Então, Eli seu lhe man dou um men sa ge i ro, di zen do: Vai,
lava-te sete ve zes no Jor dão, e a tua car ne será res ta u ra da, e fi ca rás lim po.
2Rs. 5.9-10

INTRODUÇÃO : Atra vés da


tes para o nos so cres ci men to
his tó ria de
es pi ri tu al, e
Na a mã, po de mos ex tra ir li ções im por tan - o ca mi nho
mer gu lhar
que pre ci sa mosper cor rer para

al can çar mos à vi tó ria. Na a mã pre ci sa va sete ve zes. Ve ja mos:


1. O MERGULHO DA HUMILHAÇÃO (2RS. 5.11-12)

1) Na a mã pre ci sa va se hu milhar, para Deus exal tá-lo (Lc. 18.14). Na a mã


acha - va que, pela sua po si ção pri vi le gi a da, de ve ria ser re ce bi do pelo pro
fe ta Eli seu com toda a hon ra ria possí vel.

2) Em Tg. 4.10, está es cri to: “Hu mi lhai-vos na pre sen ça do Se nhor, e Ele
vos exal - ta rá”.
3) Em 1Pd. 5.6, está es cri to: “Hu mi lhai-vos, por tan to, sob a po de ro sa mão
de Deus, para que Ele, em tem po opor tu no, vos exal te”.
2. O MERGULHO DA QUEBRA DO ORGULHO (2RS. 5.12-13)
1) Na a mã se or gu lha va dos rios de Da mas co, e acha va hu milhan te mer gu
lhar nas águas bar ren tas do rio Jor dão. Po rém, ele pre ci sa va que brar o seu
or gu lho para ser aben ço a do.

2) Em 1Sm. 2.3, está es cri to: “Não mul ti pli que is pa la vras de or gu lho, nem
sa i - am co i sas ar ro gan tes da vos sa boca; por que o Se nhor é o Deus da Sa
be do ria e pesa to dos os fe i tos na balan ça”.

3) No SL. 138.6, está es cri to: “O Se nhor é Excel so, con tu do, aten ta para os
hu - mil des; os so ber bos, Ele os co nhe ce de lon ge”.
3. O MERGULHO DA FÉ (2RS. 5.11)

1) Na a mã es ta va acos tu ma do a crer no que via. Na a mã que ria um con ta to


pal pá vel com o ho mem de Deus. Po rém, ele pre ci sa va con fi ar, e dar o mer
gu lho da fé (2Co. 5.7).

2) Em Mt. 9.28-29, Je sus per gun tou aos dois ce gos: “Cre des que Eu pos so fa
zer isso? Respon de ram-lhe: Sim, Se nhor! Então, lhes to cou os olhos, di zen
do: Faça-vos confor me a vos sa fé”. É pre ci so acre di tar que Je sus pode fa zer
o mila gre.

3) Em Mc. 11.22, Je sus dis se: “Ten de fé em Deus”.


4. O MERGULHO DA OBEDIÊNCIA (2RS. 5.13)

1) Na a mã achou mu i to sim ples o ho mem de Deus ape nas man dá-lo mergu
lhar sete ve zes no Jor dão, e nada mais. Na a mã pre ci sa ape nas obe de cer à
pa la vra do ho mem de Deus para ser aben ço a do (2Cr. 20.20).

2) Em 1Sm. 15.22, o pro fe ta Sa mu el dis se a Saul: “Eis que o obe de cer é me


lhor do que o sa cri fi car, e o aten der, me lhor do que a gor du ra de car ne i
ros”.
3) Em Rm. 16.19, Pa u lo elo gia a obe diên cia dos cren tes de Roma, di zen do:
“Pois a vos sa obe diência é co nhe ci da por to dos; por isso, me ale gro a vosso
res pe i to; e que ro que se ja is sá bi os para o bem e sím pli ces para o mal”.

5. O MERGULHO DA RESTAURAÇÃO (2RS. 5.14)

5.1 De po is que Na a mã se hu mi lhou, que brou o or gu lho, creu, e obe de ceu


a pa la vra do ho mem de Deus, ele par tiu para dar o mer gu lho da res ta u ra
ção (2Rs. 5.14).
5.2 No SL. 126.1, está es cri to: “Qu an do o Se nhor res ta u rou a sor te de Sião,
fica mos como quem so nha”.
5.3 No SL. 126.4, o sal mis ta con ti nua oran do: “Resta u ra, Se nhor, a nos sa
sor te, como as tor ren tes do Ne gue be”.
6. O MERGULHO DA GRATIDÃO (2RS. 5.15-16)

6.1 Na a mã ti nha um pon to po si ti vo na sua vida, que era a gra ti dão. Embo
ra, o ho mem de Deus não te nha ace i ta do o seu pre sen te, Na a mã se mos
trou gra to ao Se nhor pelo mi la gre re ce bi do.

6.2 Je sus re co nhe ceu a gra ti dão de um dos dez lepro sos cura dos por Ele, e
cen su - rou a in gra tidão dos de ma is le pro sos que fo ram cu ra dos (Lc.
17.12-19).
6.3 Em 1Ts. 5.18, está es cri to: “Em tudo, daí gra ças, por que esta é a von ta de
de Deus em Cris to Je sus para con vos co”. De ve mos ser sem pre gra tos ao Se
nhor.

7. O MERGULHO DA ADORAÇÃO (2RS. 5.17)

7.1 Na a mã ado ra va a ou tros de u ses; po rém, quan do re ce beu o mi la gre


do Deus de Isra el, ele se pro pôs a ado rar so men te ao Ver da de i ro Deus. Na
a mã re sol - veu dar o mer gu lho da ado ra ção ao Úni co e Ver da de i ro Deus
(2Rs. 5.17).

7.2 No SL. 29.2, está es cri to: “Tribu tai ao Se nhor a gló ria de vi da ao seu
Nome, ado rai o Se nhor na be le za da san ti da de”.

7.3 Em Jo. 4.23, Je sus disse: “Mas vem a hora e já che gou, em que os ver da de
i ros ado ra do res ado ra rão o Pai em es pí ri to e em ver da de; por que são es
tes que o Pai pro cu ra para seus ado ra do res”.

CONCLUSÃO: Ain da hoje po de mos mer gu lhar no Rio de Deus e des fru tar
mos de sua gra ça e po der, e ser mos cu ra dos e pu ri fi ca dos de toda impu re
za (Ez. 47.1-12).

Esbo ço 84 – Dia 24 de Mar ço


Tema: DIA DE BOAS NOVAS

Então, dis se ram uns para os ou tros: Não fa ze mos bem; este dia é dia de boas-
no vas, e nós nos ca la mos; se es pe rar mos até à luz da ma nhã, se re mos tido
por cul pa dos; ago ra, pois, va mos e os anun ci e mos à casa do rei. 2Rs. 7.9

INTRODUÇÃO : Esta pas sa gem bí bli ca nos con ta como Deus usou os
despre zí ve is le pro sos para no ti ci ar ao povo fa min to de Sa ma ria, a gran de
pro vi são de ali men tos que o Se nhor ha via re ve la do ao pro fe ta Eli seu. A
res pon sa bi li da de para en tre gar esta boa-nova coube a eles. A res pon sa bil
da de de anun ci ar Cristo, o Pão da Vida, a to dos os ho mens é nos sa.

1. O DIA DE BOAS-NOVAS DEVE SER ANUNCIADO

1) Em 2Rs. 7.1, o pro fe ta Eli seu ha via pro fe ti za do uma gran de pro vi são di
vina de ali men tos à por ta de Sa ma ria.
2) Em 2Rs. 7.3-9, Deus usou qua tro le pro sos para tes te mu nhar em pri me i ra
mão o gran de mi la gre da pro vi dên cia Di vi na. Po rém, eles re co nhe ce ram
a res pon sabi li da de que ti nham de trans mi tir esta gran de boa-nova ao povo
que es ta va fa min to na ci da de (2Rs. 7.10-18).
3) Nós tam bém te mos a res pon sa bi lida de de anun ci ar as Boas-No vas de
sal va - ção ao povo fa min to de Deus (Is. 52.7).
4) O povo está com fome da pa la vra de Deus, e pre ci sa mos anun ciá-la (Rm.
10.14-15).

2. AS BOAS-NOVAS QUE PRECISAMOS ANUNCIAR

1) Em Lc. 2.10-11, o anjo do Senhor anun ci ou as boas-no vas do nas ci men to


do Salva dor do mun do.
2) Em Jo. 4.28-30, a Mu lher Sa ma ri ta na, anun ci ou ao seu povo as boas-no
vas de Cris to, e os ho mens da que le lu gar re co nhe ceram a Cris to como o
Sal va dor do mun do (Jo. 4.42).
3) Je sus nos deu uma or dem im pe rati va para anun ci ar mos ao mun do as
Boas-No vas (Mc. 16.15). A pa la vra “Evan ge lho”, sig ni fica “Boas-No vas”.
4) Pa u lo en ca ra va como uma obri ga ção, o anún cio das Boas-No vas do
Evan ge - lho de Cris to (1Co. 9.16).

CONCLUSÃO : De ve mos sen tir a cada dia a res pon sa bi li da de que te mos
de anun ci ar as Boas-No vas de sal va ção, ofe re ci da por Cris to a to dos os ho
mens (1Tm. 2.3-4 e Tt. 2.11).

Esbo ço 85 – Dia 25 de Mar ço


Tema: O DEUS QUE REVERTE SITUAÇÕES IRREVERSÍVEIS
Antes que Isa ías ti ves se sa í do da par te cen tral da ci da de, veio a ele a pa la
vra do Se nhor, di zen do: Vol ta e dize a Eze qui as, prín ci pe do meu povo:
Assim diz o Se nhor, o Deus de Davi, teu pai: Ouvi a tua ora ção e vi as tuas lá
gri mas; eis que eu te cura rei; ao ter ce i ro dia, su bi rás à Casa do Se nhor.
Acres cen ta rei aos teus dias quin ze anos e das mãos do rei da Assí ria te li vra
rei, a ti e as esta ci da de; e de fen de rei esta ci da de por amor de mim e por
amor de Davi, meu servo. 2Rs. 20.4-6

INTRODUÇÃO: Nes ta his tó ria do rei Eze qui as, nós vamos apren der como
a oração pode re ver ter si tu a ções di fí ce is e até hu ma na men te ir re ver sí
ve is. A ora ção de um justo pode mu i to em seus efei tos. A ora ção pos sui um
po der ili mi ta do. Orar, é in va dir o im pos sí vel. Orar, é pro vo car o so bre na
tu ral.

1. O PODER ILIMITADO DA ORAÇÃO

1) A ora ção de Eze qui as con se guiu re ver ter uma sen ten ça dada pelo pró
prio Deus (2Rs. 20.1).
2) Em Jn. 2.7, o pro fe ta Jo nas, disse: “Qu an do, den tro de mim, des fa le cia a
mi - nha alma, eu me lem brei do Se nhor; e su biu a ti a minha ora ção, no teu
san to tem plo”. Do ven tre do pe i xe, Jo nas cla mou ao Se nhor, e foi li vra do
da mor te.
3) Em Mt. 21.22, o pró prio Je sus re ve lou o po der ili mi ta do da ora ção.
4) Em Tg. 5.16, a Bí blia re ve la a efi cá cia da ora ção de um justo.
5) A ora ção efi caz con se gue fa zer o pró prio Deus re vo gar as suas sen ten
ças de ju í zo (2Rs. 20.5).

2. PESSOAS QUE TIVERAM SENTENÇAS IRREVERSÍVEIS REVOGADAS

1) De acor do com a Lei de Mo i sés, Davi era pas sí vel de mor te (Lv. 20.10).
Po rém, o seu ar re pen di men to sin ce ro fez com que o Se nhor re vo gas se a
sen ten - ça de mor te con tra Davi (2Sm. 12.13).

2) A hu milha ção de Ma nas ses fez o Se nhor re vo gar a sua sen ten ça con de
na tó ria (2Cr. 33.10-13).
3) Je sus re vo gou a sen ten ça de mor te con tra a mu lher adúl te ra que foi
pega em fla gran te, o que de acor do com a Lei de Mo i sés, era uma sen ten ça
ir re ver sí vel (Lv. 20.10).
4) No SL. 68.20, Davi disse: “O nosso Deus é o Deus da sal va ção; e a Je o vá,
o Se - nhor, per ten cem as sa í das para es ca par da mor te”.
5) Em Sf. 3.15, está es cri to: “O Se nhor afas tou as sen ten ças que eram con tra
ti e lan çou fora o teu ini mi go. O Rei de Israel, o Se nhor, está no meio de ti; tu
já não ve rás mal al gum”. Ale lu ia!

CONCLUSÃO : Apren de mos atra vés desta men sa gem, que, o nos so Deus é
Mi se ri - cor di oso e Com pas si vo, che io de Gra çae de Bon dade; e suas gran
des mi se ri cór di as são a ca u sa de não ser mos des tru í dos (Lm. 3.22). E, Ele
pode re vo gar to das as sen - ten ças con trá ri as às nos sas vi das.

XIII – ESBOÇOS EM 1 CRÔNICAS


Esbo ço 86 – Dia 26 de Mar ço
Tema: OS CINCO PILARES DA ORAÇÃO DE JABES

E foi Ja bez mais ilus tre do que seus ir mãos; e sua mãe cha mou o seu nome Ja
bez, di zen do: Por quan to com do res o dei à luz. Por que Ja bez in vo cou o
Deus de Isra el, di zen do: Se me aben ço a res mu i tís si mo e meus ter mos am
pli fi ca res, e a tua mão for co mi go, e fi ze res que do mal não seja afli to! E
Deus lhe con ce deu o que lhe ti nha pe di do. 1Cr. 4.9-10

INTRODUÇÃO : Ja bes foi um per so na gem que teve uma das bi o gra fi as
mais cur tas da Bí blia; po rém, as li ções ex tra í das de sua vida, tor na ram-se
tão co nhe ci das no mun do, que su pe rou a ex ten sa bi o gra fia de mu itos ou
tros per so nagens bí bli cos.

1. JABES FOI UM HOMEM ILUSTRE

1) Ja bes se tor nou mais ilus tre do que seus ir mãos (1Cr. 4.9). Em uma fa mí
lia, é co mum al gum mem bro se des ta car mais do que os outros.
2) José se des ta cou en tre os fi lhos de Jacó (Gn. 37.3 e Gn. 49.22-26).
3) Davi se tor nou o mais ilus tre da casa de seu pai (1Sm. 16.1-13).
4) No SL. 45.7, está escri to: “Tua amas a jus ti ça e abor re ces a im pi e da de;
por isso, Deus, o teu Deus, te un giu com óleo de ale gria, mas do que a teus com
- pa nhe i ros”.
5) Em Gn. 27.29, Isaque previu a li de ran ça de seu fi lho Jacó sobre os de ma
is, di zen do: “Sir vam-te po vos, e na ções te re ve ren ci em; sê se nhor de teus
ir mãos, e os fi lhos de tua mãe se en cur vem a ti; mal di to seja o que de amal di
ço ar, e aben ço a do o que te aben ço ar”.

2. OS PILARES DA ORAÇÃO DE JABES

1) Ja bes pe diu uma Ben ção Gran de: “Se me aben ço a res mu i tíssi mo.” (1Cr.
4.10).
2) Jabes pe diu uma Ben ção Expan si va: “meus ter mos am pli fi ca res.” ou
“me alar gues as fron te i ras.” (1Cr. 4.10).
3) Ja bes pe diu uma Ben ção Ga ran ti da: “e a tua mão for co mi go.” (1Cr.
4.10).
4) Ja bes pe diu uma Ben ção Pro te gi da: “e fi ze res que do mal não seja afli
to!” (1Cr. 4.10).
5) Ja bes re ce beu a Ben ção que pe diu: “E Deus lhe con ce deu o que lhe tinha
pe - di do”.

CONCLUSÃO: O Deus de Ja bes não mu dou. Ele está pron to ain da hoje, à
aten der os nos sos pe di dos, e a res pon der às nos sas orações (Jo. 14.13-14).

Esbo ço 87 – Dia 27 de Mar ço


Tema: ROSTOS DE LEÕES E PÉS DE GAZELAS

Dos ga di tas pas sa ram-se para Davi à for ta le za no de ser to, ho mens va len
tes, ho mens de guer ra para pe le jar, arma dos de es cu do e lan ça; seu ros to
era como de leões, e eram eles li ge i ros como ga ze las so bre os montes. 1Cr.
12.8

INTRODUÇÃO : Esta pas sa gem bí bli ca re ve la a qua li da de e efi ciência


dos sol da dos que fo ram se agre gan do ao Exér ci to de Davi. Eram ho mens va
len tes e des te - mi dos para en fren ta rem a ba ta lha. Os ros tos de leões
apontam para a bra vu ra e li de ran ça dos sol da dos ga di tas; e, os pés de ga ze
las apon tam para a ve lo cida de e ra pi dez desses soldados que estavam
preparados para a batalha.

1. ROSTOS DE LEÕES

1) O leão é con si de ra do por to dos como o rei dos ani ma is (Pv. 30.30).
2) Ao aben ço ar seu fi lho Judá, Jacó, dis se: “Judá é leâo zi nho; da presa su bis
te, fi lho meu. Encur va-se e de i ta-se como leão e como leoa; quem o des per ta
- rá?” (Gn. 49.9). O es tan dar te da tri bo de Judá pos su ía um “leão” como sím
- bo lo.
3) O ros to de leão dos ga di tas, fa lam de sua co ra gem e bra vu ra. Assim, o
Cris - tão reves ti do do “Leão da Tri bo de Judá” não teme ne nhum ini mi go
(Rm. 13.14 e Ap. 5.5).
4) Em Pv. 28.1, está es cri to: “Fo gem os per ver sos, sem que nin guém os per
si ga; mas o jus to é in tré pi do como o leão”.
5) Embo ra o ad ver sá rio pos sa ru gir como o leão (1Pd. 5.8). O ru gi do do
gran - de Leão da Tri bo de Judá é mu i to mais for te e mais temí vel. “Ru giu o
leão, quem não te me rá? Fa lou o Se nhor Deus, quem não pro fe ti za rá?” (Am.
3.8; Ap. 5.5 e Ap. 10.1-3).

2. PÉS DE GAZELAS

1) A ga ze la é um ani mal co nhe ci do pela rapi dez e lige i re za dos seus pés
nas Escri tu ras (Gn. 49.21). A ga ze la é sím bo lo de agi li da de, vi ta lida de e
ha bi li - da de para ca mi nhar so bre os pés.

2) Em Pv. 6.5, o sá bio Sa lo mão fala da es per te za da ga ze la em se li vrar do


ca - ça dor, di zen do: “Li vra-te, como a ga ze la, da mão do ca ça dor e, como a
ave, da mão do pas sa rinhe i ro”.

3) O Cris tão pre ci sa cal çar os seus pés com os sa pa tos da pre pa ra ção do
Evan ge lho da Paz para po der en fren tar o ini mi go (Ef. 6.15).
4) Cris to nos deu po der para pi sar em ser pen tes e es cor piões, e nada vos ca
u sa - rá dano (Lc. 10.19).
5) No SL. 121.3, está es cri to que, o Se nhor “Não de i xa rá va ci lar o teu pé;
Aque - le que te guar da não tos que ne ja rá”.

CONCLUSÃO: O Se nhor de se ja que todos nós se ja mos re ves ti dos de toda


a ar ma du ra de Deus, para que pos sa mos fi car fir mes con tra as as tu tas ci la
das do di a bo (Ef. 6.11). So men te a ar ma du ra de Deus é que nos pro te ge da
ca be ça aos pés (Ef. 6.13-18).

Esbo ço 88 – Dia 28 de Mar ço


Tema: SEGREDOS DE UM LIDER VITORIOSO ...E o Se nhor dava vi tó ri as
a Davi, por onde quer que ia. 1Cr. 18.13

INTRODUÇÃO : Davi foi sem dú vi da um dos li de res mais vi to ri o sos da


Bí blia. Davi foi um gran de co le ci o na dor de vi tó ri as; e, atra vés de suas
con quis tas po de mos aprender qua is os se gre dos de seu gran de su ces so.
Davi nun ca fu giu dos seus ini mi gos. Davi era intré pi do como o leão. Davi
era uma co le ci o na dor de tro féus e me da lhas.

1. COLECIONANDO VITÓRIAS

1) Se Davi fos se re ce ber um tro féu por cada vitó ria ob ti da, sua sala de tro
féus es ta - ria re ple ta de me da lhas e tro féus dos mais va ri a dos ní ve is de
com pe ti ção (2Sm. 5.10).

2) Um tro féu por sua vi tó ria con tra um urso (1Sm. 17.34-37).
3) Um tro féu por sua vi tó ria con tra um leão (1Sm. 17.34-37).
4) Um tro féu in ter na cio nal por sua vi tó ria con tra Go li as (1Sm. 17.41-58).
5) Um tro féu es ta du al por sua as cen são ao tro no de Judá (2Sm. 2.4).
6) Um tro féu na ci o nal por sua as cen são ao tro no de Isra el (2Sm. 5.3-4).
7) Um tro féu uni ver sal por sua vi tó ria con tra os Je bu se us e a conquis ta da
for ta le za de Sião (2Sm. 5.6-9).
8) Um tro féu in ter na cio nal por sua vi tó ria con tra os fi lis te us (2Sm. 5.17-
25).
9. Um tro féu in ter na cio nal por sua vi tó ria con tra os mo a bi tas(2Sm. 8.2).
10. Um tro féu inter na ci o nal por sua vi tó ria con tra o rei de Zobá (2Sm. 8.3).
11.Um tro féu in ter na cio nal por sua vi tó ria con tra a Sí ria (2Sm. 8.6).
12.Um tro féu in ter na cio nal por sua vi tó ria con tra Edom (2Sm. 8.13-14).
13.Um tro féu in ter na ci o nal por sua vi tó ria con tra os amo ni tas e os si ros
(2Sm. 10.1-19).
14. Qu a tro tro féus por suas vi tó ri as con tra os qua tros gi gan tes que eram
des cen den tes de Go li as (2Sm. 21.22). E, tan tas ou tras vi tó rias pes so a is
que Davi con quis tou, cujo es pa ço é pe que no para men cio nar mos.

2. OS SEGREDOS DAS VITÓRIAS DE DAVI

1) “O Se nhor era com Davi”. Por di ver sas ve zes o tex to sa gra do faz ques tão
de fri sar isso (1Sm. 16.18 e 2Sm. 5.10).
2) O se gre do das vi tó ri as de José, tam bém es ta va no fato do Se nhor ser
com ele (Gn. 39.2; e Gn. 39.21-23 e At. 7.9).
3) Mo i sés co nhe cia este se gre do, e por isso in sis tiu com o Se nhor, di zen
do: “Se a tua pre sen ça não vai co mi go, não nos faça su bir deste lu gar” (Êx.
33.15).
4) Em Jo. 15.5, Je sus disse: “Sem mim nada po de is fa zer”. Se o Se nhor não
for co nos co, não che ga re mos a lugar ne nhum. O se gre do da nos sa vitó ria é
o Se - nhor ser co nos co (Js. 1.9).
5) “Fez Davi como o Se nhor lhe or de na ra” (2Sm. 5.25). Este é o se gun do se
gre do das vi tó ri as de Davi. Enquan to Davi fa zia o que o Se nhor or de na va,
o Se - nhor era com ele. No dia que Davi fez o que o Se nhor não orde nou, o Se
nhor de sa pro vou a sua ati tude (2Sm. 24.10).

6) “O Se nhor guar dou a Davi por onde quer que ia” (2Sm. 8.6). Se o Se nhor
não guar dar a ci da de i vro, em vão vi gia a sen ti ne la (SL. 127.1).
7) “O Se nhor aju da va a Davi por onde quer que ia” (2Sm. 8.14). O Se nhor é
Aque le que nos ajuda (Is. 41.10,13).

CONCLUSÃO : A pre sen ça do Se nhor com Davi, a obe diên cia de Davi ao
Se nhor, a pro te ção em to das as circuns tân ci as, e mais a aju da do Se nhor em
to das as si tu a ções, cons ti tu em-se nos qua tro se gre dos de um lí der vi to ri
o so. Que o Se nhor use co nos co da mes ma be ne vo lên cia que Ele sem pre
usou para com Davi. Ale lu ia!

Esbo ço 89 – Dia 29 de Mar ço


Tema: O DEUS DA COMPAIXÃO E MISERICÓRDIA Edi fi cou ali um al tar
ao Se nhor, ofe re ceu nele ho lo ca us to e sa cri fí ci os pa cí fi cos e in vo couo
Se nhor, o qual lhe res pon deu com fogo do céu so bre o al tar do ho lo ca us to.

O Se nhor deu or dem ao Anjo, e ele me teu a sua es pa da na ba i nha. 1Cr.


21.26-27

INTRODUÇÃO : Ne nhum ho memna histó ria bí bli ca al can çou tan ta com
pa i xão e mi se ri cór dia Di vi na como Davi. Deus per mi tiu que a his tó ria
des te gran dehe rói da fé fos se es cri ta che ia de al tos e ba i xos, enal te cendo
suas pro e zas e mos tran do de for ma crua os seus de fe i tos, para mostrar a to
dos nós, a sua mes ma dispo si ção de ser com pas si vo e mi se ri cor di o so
com o mais vil pe ca dor.

1. ATITUDES DO HOMEM QUE LEVA DEUS A SE COMPADECER

1) As ati tu des pe ni ten tesdo ho mem sem pre pro vo ca ram a re a ção da com
pa i xão e da mi se ri córdia Di vi na (Is. 57.15).
2) Davi foi um dos ho mens que mais al can çou a com pa i xão e mi se ri cór dia
Di vi - na, por que suas ati tu des pe ni ten tes sem pre mo ti va ram o Se nhor a
usar de mi se ri cór dia para com ele (SL. 51.16-17).
3) Em Jz. 11.15-16, as ati tu des pe ni ten tes de Isra el pro vo ca ram uma ime
dia ta re a ção da com pa i xão do Se nhor em fa vor do seu povo.
4) A pe ni tência dos ni ni vi tas le va ram Deus a usar de com pai xão e mi se ri
cór dia, e de sis tir do mal que fa lou que iria fa zer aos pe ca do res (Jn. 3.10).
5) Nes ta pas sa gem bí bli ca em que Davi fa lhou em nu me rar o povo, pro vo
cou a ira Di vi na. Po rém, suas ati tu des sin ce ras de ar re pen di men to e hu
mi lha ção, le va ram o Se nhor a usar mais uma vez de sua com pa i xão e mi se
ri cór dia para com Davi (1Cr. 21.26).
6) O Se nhor não só ace i tou o sa cri fí cio pe ni ten ci al de Davi, res pon den do
com fogo, como tam bém pe diu ao anjo des tru i dor que co lo cas se a sua es pa
da na ba i nha (1Cr. 21.27). Gló ri as ao Se nhor por sua in fi nita gra ça e mi se
ricór dia!

2. DEUS É CONHECIDO POR SUA COMPAIXÃO E MISERICÓRDIA

1) No SL. 25.7, Davi pe diu que o Se nhor se lem bras se das suas mi se ri cór di
as, e es que ces se dos seus pe ca dos, di zen do: “Lem bra-te, Se nhor, das tuas
mi se ri - cór di as e das duas bon da des, que são des de a eter ni da de. Não te
lem bres dos meus pe ca dos da mo ci da de, nem das mi nhas trans gres sões.
Lem bra-te de mim, se gun do a tua mi se ri cór dia, por ca u sa da tua bon da de,
ó Se nhor”.

2) No SL. 69.16, Davi ain da diz: “Res pon de-me, Se nhor, pois com pas si va é
a tua gra ça; vol ta-te para mim se gun do a ri que za das tuas mi se ricór di as”.
3) No SL. 86.13, Davi agra de ceu ao Se nhor, dizen do: “Pois gran de é a tua mi
se ri - cór dia para co mi go, e me li vras te a alma do mais pro fun do po der da
mor te”.
4) No SL. 86.15, está es cri to que o Se nhor é um “Deus com pas si vo e che io
de gra ça, pa ci en te e gran de em mi se ri cór dia e em ver da de”.
5) No SL. 103.8, está es cri to que: “O Se nhor é mi se ri cor di o so e com pas si
vo;lon - gâ ni mo e as saz be nig no”.
6) Em Lm. 3.22, está es cri to: “As mise ri cór di as do Se nhor são a ca u sa de
não ser mos con su mi dos; por queas suas mi se ri cór di as não tem fim”.

CONCLUSÃO : O Se nhor está sem pre pron to a usar da mes ma mi se ri cór


dia para co nos co; pois, em Is. 30.18, está es cri to que, o Se nhor es pe ra para
ter mi se ri cór dia de nós, e se de tém para se com pa de cer de to dos nós. Ale lu
ia!

XIV – ESBOÇOS EM 2 CRÔNICAS


Esbo ço 90 – Dia 30 de Mar ço
Tema: INTELIGÊNCIA PARA PEDIR

Na que la mes ma no i te, apa re ceu Deus a Sa lo mão e lhe dis se: Pede-me o
que que res que eu te dê. Res pon deu-lhe Sa lo mão.Dá-me, pois, ago ra, sa be
do ria e co nhe ci men to, para que eu sa i ba con du zir-me.Dis se Deus a Sa lo
mão: Por quan to foi este o de se jo do teu co ra ção. Sa be do ria e co nhe ci men
to são da dos a ti, e te da rei ri que zas, bens e hon ras, qua is não teve ne nhum
rei an tes de ti, e de po is de ti não ha ve rá teu igual. 2Cr. 1.7-12

INTRODUÇÃO : Esta pas sa gem bí bli ca que ilus tra o momen to em que o Se
nhor deu a li ber da de para Sa lo mão pe dir o que qui ses se, re ve la a im por
tân cia que o Se - nhor dá a ma ne i ra como lhe di ri gi mos um pe di do. É pre ci
so ter in te li gên cia, até mes mo para pe dir mos algo para o Se nhor.

1. TEMOS AUTONOMIA PARA PEDIR


1) O Se nhor não im põe o que de ve mos re ce ber. Ele nos dá au to no mia para
pe - dir mos; em bo ra, Ele sa i ba o que é me lhor para as nos sas vi das (2Cr.
1.7).
2) Je sus deu au to no mia para Bar ti meu ex pressar o de sejo do seu co ra ção
(Mc. 10.51).
3) Je sus tam bém nos deu au to no mia para pe dir mos o que qui ser mos (Jo.
15.7).
4) A Pa la vra de Deus nos dá au to no mia para pe dir mos o que qui ser mos
(1Jo. 3.22).
2. TEMOS QUE SABER PEDIR
1) O Se nhor se agra dou da forma in te li gen te que Sa lo mão lhe pe diu (2Cr.
1.10-12).
2) O Se nhor está dis pos to a nos dar mais do que aqui lo que pe di mos (Ef.
3.20).
3) Não po de mos fa lhar no pro pó si to da qui lo que pe di mos (Tg. 4.3).
4) O Espíri to San to nos aju da a pe dir mos cor re ta men te (Rm. 8.26).

CONCLUSÃO : Nes ta dis pen sa ção nós te mos dois gran des ali a dos para ga
ran tir a res pos ta dos nos sos pe di dos: O Nome de Je sus, e a Inter ces são do
Espí ri to Santo (Jo. 14.13-14 e Rm. 8.26). O Nome de Jesus é a ga ran tia da
respos ta, e o Espíri to San to nos aju dar a pe dir com in teli gên cia.

Esbo ço 91 – Dia 31 de Mar ço


Tema: AS DUAS COLUNAS DO TEMPLO

Fez tam bém di an te da sala duas co lu nas de trin ta e cin co cô va dos de al tu


ra; e o ca pi tel, so bre cada uma de cin co cô va dos. .Le van tou as co lu nas di
an te do tem plo, uma à di re i ta, e ou tra à es quer da; a da di re i ta cha mou-lhe
Ja quim, a da es quer da, Boaz. 2Cr. 3.15,17

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés des ta pas sa gem bí bli ca que,
o Templo de Sa lo mão era sus ten ta do por duas gran des co lu nas, cu jos sig
nifi ca dosre ve - lam as ba ses em que a nos sa fé deve está ali cer ça da. Cris to
é a Co lu na que sus ten ta a Igre ja nes te mun do. Cris to é o Fun da men to da
Igre ja. Cris to é a Pe dra Fun da men - tal da Igre ja.

1. JAQUIM – ELE ESTABELECE

1) O Se nhor é quem es ta be le ce. Este é o sig ni fi ca do da pri me i ra co lu na


do Tem - plo. A Igre ja foi es ta be le ci da por Cris to. Ele mes mo dis se: “Edi
fica rei a mi nha Igre ja, e as por tas do in fer no não pre va le ce rão con tra ela”
(Mt. 16.18).

2) Cris to é a Co lu na que sus ten ta a Igre ja (1Co. 3.11 e Ef. 2.20).


3) Quem ven ce o pe ca do e se man tém fir ma do na pa la vra de Deus, é uma
co lu na es ta be le ci da por Deus, e que ja ma is po de rá ser ar ran ca da (Ap.
3.12).
4) No SL. 7.9, está es cri to: “Te nha já fim a ma li cia dos ím pi os, mas esta be
le ça-se o jus to”.
5) O que Deus es ta be le ceu está es ta be le ci do (SL. 89.4 e 89.36-37).
6) No SL. 147.14, está es cri to que o Se nhor “Esta be le ceu a paz nas tuas fron
te i - ras e te far ta com o me lhor do tri go”.

2. BOAZ – FORÇA E FIRMEZA

1) O sig ni fica do da se gun da co lu na do Tem plo é “For ça” e “Fir me za”.


Em 1Tm. 3.15, está es cri to que, a Igre ja do Deus Vivo é a Co lu na e Fir me za
da Ver da de.
2) De acor do com Ef. 6.10, a Igre ja está for ta le ci da no Se nhor e na for ça do
seu po der.
3) A Igre ja de Cristo se apóia no fir me fun da men to da fé (Hb. 11.1).
4) De acor do com al guns co men ta ristas bí bli cos, o nome Boaz tam bém sig
nifi ca “Ele virá em po der”. A pro mes sa da vin da do Se nhor tem sido uma
gran de co - lu na de apo io e fir me za da Igre ja, a qual vem se for ta le cen do
nes ta pro mes sa atra vés dos sé cu los (Tg. 5.8).
5) Assim como Rute foi res ga ta da e se ca sou com Boaz, a Igre ja foi resga ta
da por Cris to e aguar da a sua vin da com po der para tomá-la como a sua espo
sa (Rt. 3.7-9; Is. 40.10-11; 1Co. 6.20 e 2Co. 11.2)).
6) A Igre ja é aper fe i ço a da, fir ma da, for ti fi ca da, e fun da men ta da em
Cris to (1Pd. 5.10).

CONCLUSÃO : Cris to é a Co lu na Prin ci pal e o fun da men to em que a sua


Igre ja está es ta be le ci da e fir ma da. “O Se nhor ia adi an tede les, du ran teo
dia, numa co lu na de nu vem, para os guiar pelo ca mi nho; duran te a no i te,
numa co lu na de fogo, para os alu mi ar, a fim de que ca mi nhas sem de dia e de
noi te. Nun ca se apar tou do povo a co lu na de nu vem du ran te o dia, nem a co
lu na de fogo du ran te a no i te” (Ex.13.21-22).

Esbo ço 92 – Dia 01 de Abril


Tema: COMO A GLÓRIA DE DEUS SE MANIFESTA

Ten do Sa lo mão aca ba do de orar, des ceu fogo do céu e con su miu o ho lo ca
us to e os sa cri fí ci os; e a gló ria do Se nhor en cheu a casa. 2Cr. 7.14

INTRODUCÃO : Per ce be mos atra vés das Escri tu ras que, a Gló ria de Deus
se ma ni - fes ta de di ver sas ma ne i ras. She ki nah é o ter mo he brai co mais
usa do e co nheci do para re ve lar a Gló ria de Deus ma ni fes ta da de for ma vi
sí vel no meio do seu povo. Hoje, a Gló ria de Deus con ti nua se ma ni fes tan
do no meio da Igre ja, atra vés do Espí - ri to San to, que, tam bém é cha ma do
de “Espí ri to da Gló ria e de Deus” (1Pd.4.14).

1. FORMAS VISÍVEIS DA GLÓRIA DE DEUS


1) Em Êx. 16.10, está es cri to que, os fi lhos de Isra el olha ram para o de ser to,
e vi - ram a gló ria do Se nhor apa re cer na nu vem.

2) A Gló ria do Se nhor sem pre ilu mi na o mais ári do de ser to da vida, quan
do apren de mos a de pen der do Se nhor e bus car a Sua Face (Êx. 16.7).
3) Em Êx. 24.16-17, está es cri to que, a Gló ria do Se nhor pou sou so bre o
Mon te Si nai, e o seu as pec to era como um fogo con su mi dor no cimo do
Mon te, aos olhos dos fi lhos de Israel.
4) Em Êx. 40.34-35, a Gló ria do Se nhor se ma ni fes ta va de for ma vi sí vel no
Ta - ber ná cu lo.
5) Em 2Cr. 7.1-3, a Gló ria de Deus en cheu de for ma vi sí vel o Tem plo ina u
gu ra do por Sa lo mão.

6) De acor do com o SL. 19.1, os céus pro cla mam a Gló ria vi sí vel de Deus, e
o fir - ma men to anun cia a obra das suas mãos.
2. A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA DE DEUS EM NOSSAS VIDAS

1) Em Is. 60.1, está es cri to que, a Gló ria de Deus tam bém nas ce e res plan de
ce so bre as nos sas vi das.
2) Em Rm. 9.23, está es cri to que, a Gló ria de Deus é tam bém ma ni fes ta da
nos va sos de mi se ri cór dia.
3) Em 1Co. 10.31, está es cri to que, o Cris tão deve fa zer tudo para a Gló ria de
Deus.
4) Em Tt. 2.13, está es cri to que, de ve mos aguar dar a ma ni fes ta ção da Gló
ria do nos so Grande Deus e Sal va dor Je sus Cris to.
5) Em 1Pd. 4.14, está es cri to que, so bre nós re pou sa o Espí ri to da Gló ria de
Deus.
6) Em Ap. 7.12, está es cri to: “Amém! O lou vor, e a gló ria, e a sa be do ria, e
as ações de gra ças, e a hon ra, e o po der, e a for ça se jam ao nos so Deus, pe
los sé cu los dos sé cu los. Amém!”.

CONCLUSÃO : A Gló ria do Se nhor se ma ni fes ta tan to de for ma di re ta


atra vés da pre sen ça real do Se nhor, como tam bém por meio de mila gres, e
por meio da sua Igre ja na ter ra. Na Anti ga Ali an ça, a Gló ria en chia o tem
plo fí si co; po rém, na Nova Ali an ça, a Gló ria do Se nhor enche o templo es pi
ri tu al, que so mos nós (1Co. 3.16 e 1Pd. 4.14).

Esbo ço 93 – Dia 02 de Abril


Tema: QUATRO SEGREDOS PARA UM
AVIVAMENTO NACIONAL
E se o meu povo, que se cha ma pelo meu Nome, se hu mi lhar, e orar, e bus car
a mi nha face, e se con ver ter dos seus maus ca mi nhos, en tão, Eu ou vi rei dos
céus, e per do a rei os seus pe ca dos, e sa ra rei a sua terra. 2Cr. 7.14

INTRODUÇÃO : Atra vés des te tex to sa gra do tão co nhe cido e ci ta do por
nós, po de - mos ex tra ir pelo me nos qua tro se gre dos im por tan tes para um
avi va men to na ci o nal. Se o povo de Deus cla mar de for ma co le ti va por um
aviva men to, o Se nhor está pron to a sa rar a nossa ci da de, o nosso es ta do, e
o nosso país.
1. SE HUMILHAR

1) Os gran des avi va men tos sem pre vi e ram acom pa nha dos de hu milha ção
e que bran tamen to es pi ritu al (Jn. 3.5-10).
2) O ca mi nho do avi va men to pes so al e na ci onal é sem pre pre ce di do pela
hu mi lha ção sin ce ra na pre sen ça do Se nhor (2Cr. 34.27-33).
3) A nos sa exal ta ção pelo Se nhor deve ser pre ce dida de nos sa hu mi lha ção
na Sua Pre sen ça (Tg. 4.10).

2. E ORAR

1) A ora ção é ou tro gran de se gre do que este tex to sa gra do apre sen ta para
que acon te ça o avi va men to de nos sa ter ra (2Cr. 7.14).
2) O avi va men to da obra do Se nhor só vem quan do cla ma mos em ora ção
por este avi va men to no de cor rer dos sé cu los(Hc. 3.1-2).
3) Em Ed.10.1-5, o avi va men to co le ti vo veio en quan to o sa cer do te Esdras
ora va e fa zia con fis são pelo povo.

3. E BUSCAR A MINHA FACE

1) Bus car a Face do Se nhor é mais pro fun do ain da do que sim ples men te
orar. A ora ção pode ser re su mi da em um sim ples pe di do di ri gi do ao Se
nhor. Po rém, bus car a Sua Face, sig ni fi ca in sis tir um pouco mais até rece ber
a res pos ta (Jr. 29.13).

2) De ve mos bus car ao Se nhor de todo o nos so co ra ção (Dt. 4.29).


3) Em Mt. 7.7-8, Je sus nos re ve lou os gra us de inten si da de que deve exis tir
em nos sa dis po si ção em bus car a face Se nhor.

4. E SE CONVERTER DOS SEUS MAUS CAMINHOS

1) O cla mor do Se nhor para que o ho mem se con ver ta dos seus maus ca mi
nhos é sen ti do por to das as pá gi
2) Em Lm. 5.21, o pro fe ta Je re mi as
do: “Con verte-nos a ti, Se nhor, e
como dantes”.
nas das Escritu ras Sa gra das (JL. 2.12-18). cla mou por um avi va men to co le
ti vo, di zen - se re mos con ver ti dos; re no vaos nos sos dias

3) Em At. 3.19, o após to lo Pe dro pre gou a vin da des te avi va men to, di zen
do: “Arre pen dei-vos, pois, e con ver tei-vos, para que se jam apa ga dos os vos
sos pe ca dos, e ve nham, as sim, os tem pos do re fri gé rio pela pre sen ça do Se
nhor”.

CONCLUSÃO : Por tan to, os qua tro se gre dos para ex pe ri mentar mos um
avi va men - to in di vi du al e co le ti vo é: Nos hu mi lhar mos di an te do Se
nhor, orar, bus car a Sua Face, e nos con ver ter mos dos nos sos maus ca mi
nhos.

Esbo ço 94 – Dia 03 de Abril


Tema: NÃO TROQUE O BRILHO DO OURO PELO PÁLIDO BRILHO DO
BRONZE

Su biu, pois, Si sa que, rei do Egi to, con tra Je ru sa lém e to mou os te sou ros
da Casa do Se nhor e os te sou ros da casa do rei; to mou tudo. Tam bém le vou
to dos os es cu dos de ouro que Sa lo mão ti nha fe i to. Em lu gar des tes fez o
rei Ro boão es cu dos de bron ze e os en tre gou nas mãos dos capi tães da guar
da, que guar da vam a por ta da casa do rei. 2Cr. 12.9-10

INTRODUÇÃO: Nes ta pas sa gem bí bli ca, que re la ta o mo men to de de ca


dên cia do re i no de Ro boão, quan do subs ti tu iu os es cu dos de ouro que Sa
lo mão ha via de i xa - do, pe los in fe ri ores es cu dos de bronze; po de mos ex
tra irli ções es pi ri tu ais im por tan tes para o nos so cres ci men to es pi ri tu al.
O cren te não pode re gre dir; mas sim, pro gre dir.

1. A INFERIORIDADE DO BRONZE

1) O bron ze é uma liga de co bre e es ta nho, co nhe ci do também como la tão;


e, por tan to, in fe ri or a pra ta e ao ouro.
2) Nos famo sos Jo gos Olímpi cos, os campeões ga nham me da lha de ouro; os
vice cam peões ga nham me da lhas de pra ta, e o ter ce i ro lu gar ga nha me da
lha de bron ze.
3) Ao substi tu ir os escu dos de ouro que seu pai Sa lo mão dei xou, pe los es cu
dos de bron ze, Ro boão re gre diu em sua po si ção (2Cr. 12.10).
4) A de ca dên cia de Ro boão se deu por não ter bus ca do ao Se nhor (2Cr.
12.14).

2. A SUPERIORIDADE DO OURO

1) O ouro é o mais no bre de to dos os me ta is. O ouro, além de um me tal pre ci


o so, é co nhe ci do como o rei dos me ta is. O ouro é um me tal no bre, por que é
imune ao desgas te do tem po, da ação da água, dos áci dos e de qual quer corro
si vo. O ouro cor re o mundo em for ma de bar ras ama re las e brilhan tes, que
as na ções e os ban cos guar dam nos co fres como ga ran tia de pa pel mo e da.

2) O ouro bri lha. Em Mt. 5.16, Je sus dis se: “Assim bri lhe a vos sa luz di an te
dos ho mens”.
3) O ouro custa um alto pre ço. Em 1Co. 6.20, Pau lo diz que, nós tam bém fo
mos com pra dos por um alto pre ço.
4) O ouro é imu ne ao des gas te do tem po. Em 1Jo. 2.17, está es cri to que, aque
le que faz a von ta de de Deus per ma ne ce para sem pre.

3. AS ÚNICAS COISAS QUE SUPERAM O OURO

1) Os úni cos va lo res que su pe ram o ouro, são va lo res es pi ri tu a is e mo ra


is. Em 1Pd. 1.18-19, está escri to que, o San gue de Je sus que nos res ga tou é
mais pre ci o so ain da do que o ouro (1Pd. 1.18-19).

2) Ape sar de tão va li o so; em 1Pd. 1.7, está es cri to que, a nos sa fé é mais va
li o sa ain da do que o ouro.
3) O ouro dura por tem po ili mi ta do. Em 1Pd. 1.23-25, está es cri to que, a pa
la vra de Deus é viva e per ma ne ce eter na men te.
4) O ouro é mu i to de se ja do. No SL. 19.10, está es cri to que, a pa la vra de
Deus é mais de se ja da ain da do que o ouro.
5) O ouro é o me lhor dos me ta is. Em Jó 28.17, está es cri to que, a sa be do ria
é me lhor do que o ouro.
6) Todo o ouro do Uni ver so é do Senhor dos Exér ci tos (Ag. 2.8).

CONCLUSÃO : O Se nhor tem para nós o me lhor des ta ter ra. Nun ca de ve
mos tro - car o me lhor pelo pior, e nem mu i tos me nos, o bom pelo ruim. O Se
nhor tem sempre o me lhor para os seus fi lhos.

Esbo ço 95 – Dia 04 de Abril


Tema: O DEVER QUE TEMOS DE BUSCAR AO SENHOR Veio o Espí ri to
de Deus so bre Aza ri as, fi lho de Ode de. Este saiu ao en con tro de Asa e lhe
dis se:Ouvi-me Asa, e todo o Judá e Ben ja mim. O Se nhor está con vos co, en quan to vós es ta is com
Ele;

se o bus car des, Ele se de i xa rá achar; po rém, se o de i xar des, vos de i xa rá.
2Cr. 15.1-2
INTRODUÇÃO : Nes ta pas sa gem bí bli ca o povo é adver ti do a buscar ao
Se nhor; pois, é disso que de pen de a nos sa paz e a nos sa pros pe ri da de.
Alguns fa vo res que ob te mos do Se nhor, são fa vo res ime re ci dos. Po rém,
exis tem fa vo res que são con di - ci o na dos a nos sa cons tân cia e a nos sa per
se veran ça em bus car ao Se nhor.

1. BUSCAR AO SENHOR É UMA CONDIÇÃO INDISPENSÁVEL PARA


SERMOS ABENÇOADOS
1) A men sa gem do pro fe ta foi cla ra: “O Senhor está con vos co, en quan to
vós es ta is com Ele; se o bus car des. Ele se de i xa rá achar; po rém, se o de i
xar des, vos de i xa rá” (2Cr. 15.2b).
2) A ad ver tên cia de Davi ao seu fi lho Sa lo mão foi tam bém con dici o nal:
“Tu, meu fi lho Sa lo mão, co nhe ce o Deus de teu pai e ser ve-o de co ra ção in
te gro e alma vo lun tá ria; por que o Se nhor es qua drinha to dos os co ra ções e
pe ne tra to dos os de síg ni os do pen sa men to. Se o bus ca res, Ele de i xa rá
achar-se por ti; se o de i xa res, Ele te re je i ta rá para sem pre”.
3) Em 2Cr. 7.14, a pro mes sa de bên çãos so bre o seu povo é tam bém con di ci
o nal: “E se o meu povo, que se cha ma pelo meu Nome, se hu mi lhar, e orar, e
bus car a mi nha face, e se conver ter dos seus maus cami nhos, en tão, Eu ou vi -
rei dos céus, e per do a rei os seus pe ca dos, e sa ra rei a sua ter ra”.
4) Em 2Cr. 26.5, está es cri to que, Uzi as “Pro pôs-se bus car a Deus nos dias de
Za - ca ri as, que era sá bio nas vi sões de Deus; nos dias em que bus cou ao Se
nhor, Deus o fez pros pe rar”.
5) Em 2Cr. 31.20-21, está es cri to que, Eze qui as “Em toda a obra que co me
çou no ser vi ço da casa de Deus, na lei e nos man da men tos, para bus car a seu
Deus, de todo o co ra ção o fez e prospe rou”.
6) To dos os reis que busca vam ao Se nhor, pros pe ra vam e eram abenço a dos
(2Cr. 17.4-5; 2Cr. 19.3; 2Cr. 32.26-30).
2. BUSCAR AO SENHOR É UMA QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA
1) O pro fe ta Amós che gou a pro fe ti zar que, bus car ao Se nhor é uma
questão de so brevi vên cia: “Bus cai o Se nhor e vi vei.” (Am. 5.6).
2) O pro fe ta Isa i as disse: “Bus cai ao Se nhor en quan to se pode achar, in vo
cai-o en quan to está per to” (Is. 55.6).
3) O pro fe ta Je re mi as dis se: “E bus car-me-eis e me acha re is quan do me
bus car des de todo o vos so co ra ção” (Jr. 29.13).
4) O pro fe ta Oséi as dis se: “É tempo de bus car ao Se nhor, até que ve nha, e
cho va a jus ti ça so bre vós” (Os. 10.12b).
5) O pro fe ta So fo ni as dis se: “Bus cai o Se nhor, vós to dos os man sos da ter
ra.bus cai a jus ti ça, bus cai a man si dão.” (Sf. 2.3).
6) O Se nhor Je sus Cris to dis se: “Mas bus cai pri me i ro o Rei no de Deus, e a
sua jus ti ça, e to das es sas co i sas vos se rão acres cen ta das” (Mt. 6.33).

CONCLUSÃO : Va mos bus car ao Se nhor de todo o nos so co ra ção. Pois


“aque les que bus cam ao Se nhor de nada têm fal ta” (SL. 34.10). Je sus ain da
dis se que: “o que bus ca acha.” (Mt. 7.8).

Esbo ço 96 – Dia 05 de Abril


Tema: ALIANÇAS QUE NÃO AGRADAM A DEUS
De po is dis to, Jo sa fá, rei de Judá, se ali ou com Aca zi as, rei de Israel que pro ce deu ini qua men te.

Ali ou-se com ele, para fa ze rem na vi os que fos sem a Tár sis; e fi ze ram os na
vi os em Ezi om-Ge ber. Po rém, Elié zer, fi lho de Do da vá, de Ma res sa pro fe
ti zou con tra Jo sa fá, di zen do: Por quan to te ali as te com Aca zi as, o Se nhor
des tru iu as tuas obras. E os na vi os se que bra ram e não pu de ram ir a Tár sis.
2Cr. 20.35-37.

INTRODUÇÃO : Nes ta pas sa gem bí bli ca, nós va mos apren der que, de ter
mina das pes so as não ser vem para fa ze rem par te do nos so ci clo de ami za
des, e mu i tos me nos para fa zer mos ali an ças. De ve mos ter cu i da do em fa
zer par ce ri as, até mes mo com aque les que se di zem ser nossos irmãos ou
nossos amigos.

1. O PERIGO DAS ALIANÇAS MAL FEITAS

1) Jo sa fáfi cou co nhe cido na Bí blia como um ho mem pi e do so e que bus ca


va ao Se nhor (2Cr. 17.1-6). Po rém, o gran de erro de Jo sa fá foi apa ren tar-se
com Aca be (2Cr. 18.1).

2) O gran de erro de Jo sa fá foi pen sar que, Aca be, por ser rei de Isra el, era
tam - bém o seu povo (2Cr. 18.3). Exis tem mu i tas pes so as que se di zem cris
tãs, en - tre tan to, não pra ti cam as obras de um cristão (1Tm. 3.5).

3) Em 2Cr. 18.28-32, está es cri to que, Aca be, co lo cou Jo sa fá numa enr ros
ca da tão gran de, que, quase lhe cus tou a vida, se não fos se a mi se ri cór dia
do Se nhor, e os bons an te ce den tes de Jo sa fá (2Cr. 19.1-3).

4) Em 2Cr. 20.35-37, está es cri to que, Jo sa fá se ali ou com Aca zi as, fi lho de
Aca - be, para de sen vol ve rem um au da cio so pla no eco nô mico para bus ca
rem mer - ca do ri as va li o sas em Tár sis; po rém, por amor ao pró prio Jo sa
fá, o Se nhor frus trou os pla nos de Jo sa fá que eram con trá ri os à sua von ta
de.

5) Mais adi an te, nós va mos per ce ber as con sequên ci as gra ves da que la mal
ali - an ça que Jo sa fá ha via fe i to com Aca be (2Cr. 22.1-12). Qu a se toda a
des cen - dên cia real de Judá foi destru í da pela ím pia Ata lia, a qual ha via se
tor na do nora de Jo sa fá, de vido a sua ali an ça an te ri or com Aca be.

2. DEVEMOS FUGIR DAS ALIANÇAS MAL FEITAS

1) De ve mos evi tar todo tipo de ali an ça com pes so as que não te mem a Deus
(SL. 1.1).
2) Em Mt. 9.16, Je sus dis se: “Nin guém de i ta re men do de pano novo em ves
te ve lha, por que se me lhan te re men do rom pe a ves te, e faz-se ma i or a ro tu
ra”. Cren te fiel só se alia com cren te fiel.
3) Em Mt. 9.17, Je sus ain da dis se: “Nem se de i ta vi nho novo em odres ve
lhos; aliás, rom pem-se os odres, e en tor na-se o vi nho, e os odres es tra gam-
se; mas de i ta-se vi nho novo em odres novos, e as sim am bos se con ser vam”.
Cren te fiel só com bi na com cren te fiel.
4) Em 2Co. 6.14-15, está es cri to: “Não vos pren da is a um jugo de si gual com
os in fiéis; por queque so ci e dade tem a jus ti ça com a in jus ti ça? E que co mu
nhão tem a luz com as tre vas? E que con cór dia há en tre Cris to e Be li al? Ou
que par - te tem o fiel com o in fi el?”
5) Em Pv. 18.24, já di zia o sábio Sa lo mão: “O ho mem que tem mu i tos ami
gos sai per den do; mas há ami go mais che ga do do que um ir mão”. De ve mos
sa ber se le ci o nar os nos sos ami gos, e com quem fa ze mos ali an ças.

CONCLUSÃO: Que o Se nhor pos sa nos guar dar de todo tipo de ali an ça mal
fe i ta; e ore mos para que o Senhor se le ci o ne os nossos ami gos.

Esbo ço 97 – Dia 06 de Abril


Tema: RESTABELECENDO O VERDADEIRO CULTO

Ajun tou Acaz os uten sí li os da Casa de Deus, fê-los em pe da ços e fe chou as


por tas da Casa do Se nhor. Ti nha Eze qui as vin te e cin co anos quan do co me
çou a re i nar. .No pri me i ro ano do seu re i na do, no pri me i ro mês, abriu as
por tas da Casa do Se nhor e as re pa rou. 2Cr. 28.24 e 29.1-3

INTRODUÇÃO : Nes ta pas sa gem bí bli ca nós va mos apren der como Deus
usou o pi e do so rei Eze qui as, para re a brir as por tas da Casa do Se nhor, e res
ta be le cer o ver - da de i ro cul to ao Se nhor. As por tas da Casa do Se nhor
preci sam esta rem abertas para o povo en trar. Não se pode im pe dir o povo de
ado rar a Deus.

1. RESTAURANDO A VERDADEIRA ADORAÇÃO

1) De acor do com 2Rs. 16.10-15, Acaz, rei de Judá, e pai de Eze qui as, ha via
substi tu í do o al tar do Se nhor por um outro al tar pa gão, cujo mo de lo ele ha
- via co pi ado em Da mas co; e, ain da des tru iu os uten sí li os do tem plo e fe
chou as por tas da Casa do Se nhor (2Cr. 28.24). Nun ca de ve mos subs ti tu ir o
ver da - de i ro al tar, pelo fal so al tar dos pa gãos. E, al guns, ain da es tão fe
chan do as por tas da Casa do Se nhor, e de i xan do o Dono da Casa do lado de
fora (Ap. 3.20).

2) Em 2Cr. 29.2-3, está escri to que, Eze qui as fez o que era reto pe ran te o Se
nhor, e no pri me i ro ano do seu re i na do abriu no va men te as por tas da Casa
do Se nhor e as re pa rou.

3) Em 2Cr. 29.5, está es cri to que, Eze qui as san ti fi cou a Casa do Se nhor, e ti
rou do san tuá rio a imun dí cia.
4) Em 2Cr. 29.25-29, está es cri to que, Eze qui as res ta u rou a ver da de i ra
ado ra - ção na Casa do Se nhor.
2. RESTABELECENDO A COMUNHÃO COM DEUS

1) De acor do com 2Cr. 30.1-27, a Co mu nhão com Deus foi resta be le ci da.
2) De acor do com 2Cr. 29.35, o Mi nis té rio da Casa do Se nhor foi res ta be le
ci do.

3) De acor do com 2Cr. 34.1-33, nos dias do rei Jo si as, o ver da de i ro cul to ao
Se - nhor foi no va men te res tabe le ci do. 4) O povo de Deus pre ci sa vi ver
em (Lm. 5.21).
cons tan te co mu nhão e re no vo es pi ri tual

CONCLUSÃO : Assim como o povo de Deus da Anti ga Ali an ça neces si ta


vam vi ver em cons tante re no vação es pi ri tu al; o povo de Deus da Nova Ali
an ça,tam bém deve vi ver em in ces san te bus ca e re no vo es pi ri tu al (Ap.
2.4 e Ef. 5.18).

XV – ESBOÇOS EM ESDRAS
Esbo ço 98 – Dia 07 de Abril
Tema: OS SEGREDOS DO SUCESSO
MINISTERIAL DE ESDRAS
Por que Esdras ti nha pre pa ra do o seu co ra ção para bus car a Lei do Se nhor,
e para acum prir, e para en si nar em Isra el os seus es ta tu tos e os seus di re i tos. Ed. 7.10.

INTRODUÇÃO: Atra vés da his tó ria de Esdras, nós va mos apren der que,
Deus, tem sem pre o ho mem cer to para o lugar cer to, e para a oca sião certa.
Assim como o pro fe ta Sa mu el foi o ho mem cer to para di ri gir o pe río do de
tran si ção en tre a época dos Ju i zes e a Mo nar quia Isra e li ta, o sa cerdo te
Esdras foi o ho mem es co lhi do por Deus para ins tru ir o povo no pe río do do
re gres so do ca ti ve i ro e re cons tru ção da na - ção Ju da i ca.

1. UM HOMEM INSTRUÍDO NA LEI DO SENHOR

1) Esdras ti nha o co ra ção vol ta do para a pa la vra do Se nhor (Ed. 7.10).


2) Esdras foi o gran deins tru tor es pi ri tu al da na ção ju da ica, após o ca ti ve i
ro ba - bi lô ni co (Ne. 8.1-12).
3) Esdras era um homem ver sa do na Lei de Mo i sés (Ed. 7.6). O obrei ro preci
sa ser versa do na Pa la vra do Se nhor (2Tm.2.15).
4) Esdras pos su ía uma gran de ca pa ci da de in te lec tu al, re co nhe ci da até
pelo rei da Pér sia (Ed. 7.20-25).
5) Esdras era um ho mem pi e do so e ca pa ci ta do por Deus para ser o lí der es
pi ri tu al da na ção re ma nes cen te de Isra el na que le pe río do (Ed. 10.1-4).
6) O ho mem es co lhi do por Deus deve procu rar se ins tru ir na Lei do Se nhor,
de dia e de no i te (Js. 1.8).

2. UM HOMEM DE ORAÇÃO

1) Por se guidas ve zes, a nar ra ti va bí bli ca mos tra o sa cer do te Esdras vol ta
do para a ora ção em to das as cir cuns tân ci as (Ed. 8.21-23; 9.5 e 10.1).
2) O se gre do do su ces so mi nis te ri al dos gran des ho mens de Deus es ta
vam em sua vida de ora ção (Dn. 6.10).
3) O Mi nis té rio glo ri o so de Je sus era pa u ta do por uma vida de ora ção
(Mt. 14.23; Mc. 1.35; Lc. 5.16 e Jo. 17.1-26).
4) Os Cris tãos Pri mi ti vos vi vi am em cons tan te ora ção (At. 1.14).
5) Os após to los Pe dro e João vi vi am em ora ção (At. 3.1).
6) O após to lo Pa u lo vi via em cons tan te ora ção (CL. 1.9-12).
7) Pa u lo diz que deve mos orar em todo o tem po no Espí ri to (Ef. 6.18).
8) Pa u lo diz que de ve mos orar sem ces sar (1Ts. 5.17).

CONCLUSÃO: Ser ins tru í do na pa la vra de Deus e vi ver uma vida de ora
ção; são os dois gran des se gre dos para o ho mem de Deus ter su ces so no seu
mi nis té rio.

Esbo ço 99 – Dia 08 de Abril


Tema: AINDA HÁ ESPERANÇA PARA ISRAEL

Então, Se ca ni as, fi lho de Je i el, um dos fi lhos de Elão, to mou a pa la vra e


dis se a Esdras: Nós te mos trans gre di do con tra o nos so Deus, ca san do com
mu lhe res es tran ge i ras, dos po vos de ou tras ter ras, mas, no to can te a isto,
ain da há es pe ran ça para Israel. Ed. 10.2

INTRODUÇÃO: A úl ti ma fra se des te tex to sa gra do de Esdras 10.2, não de


i xa dú vi - da de que a pa la vra de Deus sem pre tem uma men sa gem de espe
ran ça para o ho - mem em de ses pe ro. O se gre do está nes ta fra se: “Ain da
há”. Que bom que “Ain da há es pe ran ça”. O pior é quan do não há mais es pe
ran ça. O me lhor é quan do a Pa la vra de Deus diz: “Ainda há es pe ran ça”. Por
tan to, ain da há je i to para o seu pro ble ma! Ain da há cura para a sua en fer mi
da de! Ain da há vi tó ria para a sua vida! Gló ri as ao Deus da Espe ran ça!

1. A BÍBLIA É O LIVRO DA ESPERANÇA


1) Em to dos os mo mentos caó ti cos da histó ria,a Bí blia sem pre apre sentou
uma men sa gem de es pe ran ça (Ez. 37.11-14).

2) Em Rm. 15.4, Pa u lo afir ma que, as Escri tu ras pro du zem: Con so la ção,
Pa ciên - cia e Espe ran ça.
3) Em Jr. 14.8, está es cri to que, o Se nhor é a Espe ran ça de Isra el, e Re den
tor seu no tem po da an gús tia.
4) Em Jr. 17.13, o Se nhor é a “Espe ran ça de Isra el”, e, “Fon te das águas
vivas”.

2. O NOSSO DEUS É CHAMADO O DEUS DA ESPERANÇA

1) Em Rm. 15.13, está es cri to: “O Deus da espe ran ça vos en cha de todo o
gozo e paz no vos so crer, para que se ja is ri cos de es pe ran ça no po der do
Espí ri to San to”. O nos so Deus não se de ses pe ra com nada. Ele é o Deus da
Espe ran ça!
2) Em 1Tm. 1.1, Pa u lo afir ma que, Je sus Cris to é a Nos sa Espe ran ça.

3) Em 1Ts. 5.8, Pa u lo afir ma que, de ve mos co lo car so bre a nos sa ca be ça


o ca pa - ce te da es pe ran ça.
4) Em Hb. 7.19, está es cri to que, a nos sa es pe ran ça é su pe ri or.

5) Em 1Pd. 1.3, está es cri to que, a nos sa es pe ran ça é viva.


6) Em Jr. 17.7, está es cri to: “Ben di to o ho mem que con fia no Se nhor e cuja
es - pe ran ça é o Se nhor”.
7) Em Tt. 2.13, está es cri to que, de ve mos aguar dar a Ben di ta Espe ran ça e a
ma ni fes ta ção da Gló ria do nos so Gran de Deus e Sal va dor Cris to Je sus.

CONCLUSÃO : Quem tem o Se nhor por sua es pe ran ça, nun ca pode en trar
em de - ses pe ro; pois, o Se nhor tem o con tro le de to das as co i sas. E, a
mensa gem da Bí blia é esta: “Ain da há espe ran ça para Isra el” (Ed. 10.2).

XVI – ESBOÇOS EM NEEMIAS


Esbo ço 100 – Dia 09 de Abril
Tema: NEEMIAS – O HOMEM QUE SE COLOCOU NA BRECHA Assim, edi
fi ca mos o muro, e todo o muro se fe chou até a me ta de da sua al tu ra; por que
o povo ti nha ânimo para tra ba lhar. Ne. 4.6

INTRODUÇÃO : A his tó ria da re cons tru ção dos mu ros de Je ru sa lém, nos
re ve la a ma ne i ra que Deus usa pes so as que se pro põe a fa zer à sua obra, in
de pen den te de sua con di ção ou po si ção. Ne e mi as, um simples gar çom do
palá cio do rei da Pér sia, foi o ho mem que se co lo cou na bre cha, e Deus o
usou para re cons tru ir os mu ros de Je ru sa lém, e as sen tar às suas por tas.

1. NEEMIAS – UM HOMEM VOLUNTÁRIO

1) Ne e mi as foi um gran de vo lun tá rio da obra de Deus. Ao re ce ber as no ti


ci as da si tu a ção pre cária em que se en con tra va Je ru sa lém, Ne e mi as não
es pe rou al - guém lhe man dar fa zer a obra de Deus, ele to mou a ini ci a ti va
vo lun tá ria, e orou ao Se nhor pe din do a con fir ma ção do pro je to de re cons
tru ir os mu rosde Je ru sa lém (Ne. 1.1-11).

2) No SL. 51.12, Davi pe diu ao Se nhor que lhe des se um es pí ri to vo lun tá


rio.
3) Ne e mi as não se con for mou com a si tu a ção de mi sé ria de seu povo e de
sua cida de (Ne. 2.1-5). Da mes ma for ma, não de ve mos nos con for mar com a
situ a ção des te mun do; mas, transfor málo pela re no vação do nos so en ten di
mento (Rm. 12.2).
4) Em 1Cr. 28.20, Davi disse a Sa lo mão: “Sê for te e co ra jo so e faze a obra;
não te - mas, nem te de sa ni mes, por que o Se nhor Deus, meu Deus, há de ser
con ti go; não te de i xa rá, tem te de sam pa ra rá, até que aca bes to das as obras
para o ser vi ço da Casa do Se nhor”.
5) Em 2Cr. 15.7, está es cri to: “Mas sede for tes, e não des fa le çam as vos sas
mãos, por que a vos sa obra terá re com pen sa”. Há sem pre re com pen sa para
quem faz a obra do Se nhor, mes mo que vo lun ta ri a men te.

2. NEEMIAS – UM HOMEM ZELOSO E HONESTO


1) Ne e mi as ti nha um gran de zelo pe las co i sas de Deus (Ne. 13.1-31).

2) O Se nhor sem pre apro vou as pes so as que ti ve ram zelo pela sua ca u sa
(Nm. 25.10-13).

3) Ne e mi as, ao con trá rio de ou tros go ver nan tes do povo, nun ca ace i tou
su bor no do povo; e até o seu sa lá rio de go ver na dor ele re cu sou re ce ber
por 12 anos (Ne. 5.14).
4) Ne e mi as sem pre foi um ho mem pi e do so, e sem pre se pre o cu pa va em
fa zer o bem ao seu povo (Ne. 5.19).
5) Em Ez. 22.30, Deus es ta va pro cu ran do um ho mem que es ti ves se ta pan
do o muro e se co lo cas se na bre cha. Ne e mi as, foi o ho mem que se pre o cu
pou em ta - par os mu ros e se co lo cou na bre cha para o Senhor usá-lo po de ro
sa men te em suas mãos (Ne. 4.6).

CONCLUSÃO : Ain da hoje, Deus con ta com pes so as como Ne e mi as, dis
pos tas e che i as de ânimo para fa zer a sua obra, na re cons tru ção de um mun
do em ru í nas (1Cr. 22.11,19).

Esbo ço 101 – Dia 10 de Abril


Tema: A ALEGRIA DO SENHOR É A NOSSA FORÇA

Dis se-lhes mais: Ide, co mei car nes gor das, to mai be bi das do ces e en vi ai
por ções aos que não tem nada pre pa ra do para si; por que este dia é con sa gra
do ao nos so Se nhor; por tan to, não vos en tris te ça is, por que a ale gria do Se
nhor é a vossa força. Ne. 8.10
INTRODUÇÃO : Esta pas sa gem bí bli ca re ve la um
men to es piri tual en tre os Ju de us re cém che ga dos
gran de mo men to de que bran ta - do exí lio ba bi lô nico, pro vo ca do

pela le i tu ra pú bli ca do Li vro da Lei do Se nhor na pra ça prin ci pal de Je ru


sa lém. O que bran ta men to es pi ri tu al era tão pro fun do que, o povo cho ra
va co pi o sa men te, a pon to de per de rem o pró prio ape ti te para se ali men ta
rem; fa zen do-se ne ces sá rio uma pa la vra de âni mo e apo io ao povo, a fim
de com par ti lha rem da ale gria do Se - nhor.

1. O ARREPENDIMENTO SINCERO DEIXA DEUS ALEGRE

1) Ao ou vir a Pa la vra de Deus, à qual tinham de so be de ci do no pas sa do, os


Jude - us fo ram to ma dos de uma gran de co mo ção, que os le va ram a um ar
re pen di - men to sin ce ro e ge nu í no, o que agra da a Deus (Ne. 8.8-9).

2) Em 2Co. 7.10, Pa u lo afir ma que a tris te za se gun do Deus pro duz ar re pen
di men to para a sal va ção; que a nin guém traz pe sar; mas a tris te za do mun
do pro duz mor te. Po rém, Je sus pro me teu trans for mar a tris te za do seu
povo em ale gria (Jo. 16.20).

3) No SL. 30.5, o sal mis ta diz: “Por que a sua ira dura só um mo men to; no seu
fa - vor está a vida; o cho ro pode du rar uma no i te; mas a ale gria vem pela ma
nhã”.

4) No SL. 51.17, está es cri to: “Os sa cri fí ci os para Deus são o es pí ri to que
bran ta - do; a um co ra ção que bran ta do e con tri to, não des pre za rás, ó
Deus”. O ar re - pen dimen to sin cero do pe ca dor,ale gra o co ra ção de Deus.

2. A ALEGRIA DO SENHOR NOS FORTALECE

1) O povo foi con for ta do pe los le vi tas com a se guin te fra se: “Este dia é con
sa - gra do ao nos so Se nhor; por tan to, não vos en tris te ça is, por que a ale
gria do Se nhor é a nos sa for ça” (Ne. 8.10).

2) Em Êx. 15.2, após con quis tar uma gran de vi tó ria, Mo i sés disse: “O Se
nhor é a mi nha for ça e o meu cân ti co”.
3) Em 1Sm. 2.1, após re ce ber uma gran de ben ção, Ana dis se: “O meu co ra
ção se re go zi ja no Se nhor, a mi nha for ça está exal ta da no Se nhor”.
4) A ale gria do Se nhor nos for ta le ce, por que, em CL. 1.11, está escri to que,
de - ve mos ser “for ta le ci dos com todo o po der, se gun do a for ça da sua gló
ria, com toda a per se veran ça e lon ga ni mida de;com ale gria”.

CONCLUSÃO: Qu an do o Se nhor se ale gra co nos co, nós so mos for ta le


cidos pela for ça ope ran te do seu po der. Pois, a ale gria do Se nhor é a nos sa
for ça.
XVII – ESBOÇOS EM ESTER
Esbo ço 102 – Dia 11 de Abril
Tema: OS HUMILHADOS SERÃO EXALTADOS

Então, dis se o rei a Hamã: Apres sa-te, toma as ves tes e o ca va lo, como dis ses
tes, e faze as sim para com o ju deu Mor de cai, que está as sen ta do à por ta do
rei; e não omi tas co i sa ne nhu ma de tudo quan to dis ses te. Hamã to mou as
ves tes e o ca va lo, ves tiu a Mor de cai, e o le vou a ca va lo pela pra ça da ci da
de, e apre go ou di an te dele: Assim se faz ao ho mem aquem o rei de se ja hon rar. Et.
6.10-11

INTRODUÇÃO : Ape sar da ocul ta ção do Nome de Deus no li vro de Ester; a


nar ra - ti va dos acon te ci men tos até o seu des fe cho fi nal, não res ta dú vi da
que, a Mão do Se nhor es ta va re gendo si len ci o sa mente cada um
lhan do os exal ta dos, e exal tando os hu mi lha dos.
da que les aconte ci mentos; hu mi

1. DEUS ABATE OS SOBERBOS

1) Os pri me i ros três ca pí tu los do li vro de Ester, re ve la a ele vado ao pos to


de pri me i ro-mi nis tro do rei Asssu e ro, no de des tru ir o povo Judeu (Et. 3.1-
15).
ar ro gân cia de Hamã, e o seu in ten to ma lig -

2) O po der e a fama su biu para a ca be ça de Hamã, e ele que ria ser ve ne ra do


por to dos os de ma is ser vos do rei (Et. 3.2). Po rém, o ju deu Mar do queu não
ace i - ta va tal ve ne ra ção ao ho mem, e, por isso, Hamã o odi a va cada vez
mais, até nas cer o in ten to ma lig no de que rer des tru ir o povo de Mar do
queu.

3) Mar do queu, a ra i nha Ester, e todo o povo Judeu foi para o je jum e oração,
e Deus aba teu a so ber ba de Hamã, o qual foi en for ca do na pró pria for ca que
ele mes mo ha via fe i to para Mar do queu (Et. 4.1-17 e 7.1-10).

4) Em Pv. 16.18, está es cri to: “A so ber ba pre ce de a ru í na, e a al ti vez de es


pí ri to, a que da”. Foi isso o que acon te ceu com Hamã.
5) Em Jó 40.11-12, está es cri to que, o Se nhor “aten ta para todo o so ber bo e
aba te-o. Olha para todo o so ber bo e hu mi lha-o”.
2. DEUS EXALTA OS HUMILHADOS

1) Qu an do che gou a hora de Deus exal tar Mar do queu, o pró prio Hamã teve
que sair pela ci da de,pu xan do a cor da do ca va lo em que Mar do queu es ta va
mon ta do (Et. 6.10-11).

2) No SL. 23.5, Davi dis se que o Se nhor nos exal ta na pró pria pre sen ça dos
nos sos ini mi gos.
3) Em Lc. 18.14, Je sus dis se: “Todo o que se exalta será hu mi lha do; mas o
que se hu mi lha será exal tado”.
4) Em Pv. 16.19, está es cri to: “Me lhor é ser hu mil de de es pí ri to com os hu
mil des do que re par tir o des po jo com os so ber bos”.
5) Em 1Pd. 5.5-6, está es cri to: “Deus re sis te aos so ber bos, con tu do, aos hu
mil des conce de a sua gra ça. Hu mi lhai-vos, por tan to, sob a po de ro sa mão
de Deus, para que Ele, em tem po opor tu no, vos exal te”.

CONCLUSÃO : A his tó ria de Hamã e Mardo queu, ensi na, a todos nós sobre
o pe ri go da so ber ba e da arro gân cia; como tam bém, a pron ti dão do Se nhor
em aba ter os so ber bos e exal tar os hu mil des.

XVIII – ESBOÇOS EM JÓ
Esbo ço 103 – Dia 12 de Abril
Tema: AS CINCO VIRTUDES DE JÓ

Ha via um ho mem na ter ra de Uz, cujo nome era Jó; e este era ho mem sin ce
ro, reto e te men te a Deus; e des vi a va-se do mal – Ten des ou vi do da pa ciên
cia de Jó e vis tes que fim o Se nhor lhe deu; por que o Se nhor é che io de ter na
mi se ri cór dia e com pas si vo. Jó 1.1 e Tg. 5.11

INTRODUÇÃO : A ex ce ção do dra ma do so fri men to de Cris to no Cal vá


rio, não exis te na li te ratu ra uni ver sal um epi só dio tão dra má ti co como a
his tó ria de so fri men to do pa tri ar ca Jó. Da vida des te pa tri ar ca, po de mos
ex tra ir im por tan tes li ções mo ra is e es pi ri tu ais. Va mos aprender nes ta
men sa gem so breàs cin coprin ci pa is vir tu des de Jó.

1. HOMEM SINCERO
1) Jó era um ho mem since ro (Jó 1.1). Uma pessoa sin ce ra, é al guém que se
expri me sem ar ti fí cio, sem in ten ção de en ga nar, e sem dis far ce.

2) Em 1Cr. 29.17, está es cri to que, Davi agia com sin ce ri da de, e re co nhe
ceu que Deus se agra da da sin ceri dade do nos so co ra ção.
3) Em Fp. 2.15, está es cri to que, de ve mos ser ir re pre en sí ve is
de Deus in cul pá ve is no meio de uma ge ra ção cor rom pi da e
qual res plan de ce is como as tros no mun do.
e sin ce ros, fi lhos per ver sa, en tre a

4) Em Hb. 10.22, está es cri to que, de ve mos nos apro xi mar de Deus com sin
ce ro co ra ção.
2. HOMEM RETO

1) Jó era um ho mem reto (Jó 1.1). Uma pes soa reta, é al guém que age com in
te - gri da de e im par ci a li da de.
2) Em Jó 31.6, o ín te gro pa tri ar ca che gou a di zer: “Pese-me Deus em ba lan
ças fiéis e co nhece rá a mi nha in te gri dade”.
3) Em Hb. 12.13, está es cri to: “Fa zei ca mi nhos re tos para os pés, para que
não se ex tra vie o que é man co; an tes, seja cu ra do”.

4) Em Ef. 4.24, está es cri to que, de ve mos nos re ves tir do “novo ho mem, cri
a do se gun do Deus, em jus ti ça e re ti dão pro ce den tes da ver da de”. 3.
HOMEM TEMENTE A DEUS

1) Jó era uma ho mem te men te a Deus (Jó 1.1). Uma pes soa que teme a Deus,
é uma pes soa que re ve rên cia a Deus e o re co nhe ce em to dos os seus ca mi
nhos.
2) Jó co lo ca va Deus em pri me i ro lu gar na sua vida (Jó 1.5).

3) No SL. 128.1, está es cri to: “Bem-aven tu ra do aque le que teme ao Se nhor
e anda nos seus ca mi nhos!”.
4) Em Hb. 12.28, está es cri to que, de ve mos ser vir a Deus de modo agra dá
vel, com re ve rên cia e san to te mor.

4. HOMEM QUE SE DESVIAVA DO MAL


1) Jó era um ho mem que se des vi a va do mal (Jó 1.1). Um pes soa que se
desvia do mal, é uma pes soa que evi ta e foge de toda a apa rên cia do mal. 2)
Em Jó 28.28, o pró prio pa tri ar ca dis se que, a ver da de i ra sa be do ria é apar
tar-se do mal.
3) Em Am. 5.6, está es cri to: “Bus cai o bem e não o mal, para que vi va is; e, as
sim, o Se nhor, o Deus dos Exér ci tos, esta rá con vos co, como dize is”.
4) Em 1Ts. 5.22, está es cri to: “Absten de-vos de toda for ma de mal”.

5. HOMEM PACIENTE

5.1 Jó era um ho mem pa ci en te (Tg. 5.11). Jó fi cou co nhe ci do na his tó ria


uni ver sal como a pró pria “en car na ção” da pa ciên cia. Uma pes soa pa ci en
te, é al guém que su por ta as pro va ções com re sig na ção, e es pe ra com tran
qui li da de a so lu ção dos seuspro ble mas.

5.2 Em Rm. 5.3-4, Pa u lo afir ma que, a tri bu la ção pro duz pa ciên cia, a pa
ciên cia pro duz ex pe riên cia, e a ex pe riên cia pro duz es pe ran ça.

5.3 No SL. 40.1, Davi dis se: “Espe rei com pa ciên cia no Se nhor, e Ele se in cli
nou para mim, e ou viu o meu cla mor”.
5.4 Em Lc. 21.19, Je sus afirma que, na pa ciên cia ga nha re mos as nos sas al
mas.

CONCLUSÃO : A his tó ria do dra má ti co so fri men to de Jó, e a gran de mu


dan ça de sor te que o Se nhor ope rou na sua vida, tem servi do de con so lo e
âni mo para to dos àque lesque es tão pas sando por pro va ções, sa ben do que o
Se nhor é Po de ro so para fa zer in fi ni ta mente mu i to mais além da qui lo que
pe di mos ou pen sa mos, se gun do o seu po der que em nós ope ra (Ef. 3.20 e
Tg. 5.11).

Esbo ço 104 – Dia 13 de Abril


Tema: A DISCIPLINA DE DEUS

Bem-aven tu ra do é o ho mem a quem Deus dis ci pli na; não des pre zes, pois, a
dis ci pli na do Todo-Po de ro so. Jó 5.17

INTRODUÇÃO : Atra vés deste tex to sa gra do, nós va mos apren der que, as
sim como um pai dis ci pli na e cor ri ge o fi lho a quem ama, tam bém o Se nhor
dis ci pli na o ho mem que Ele ama. Pre ci sa mos ter dis ci pli na em tudo aqui
lo que fa ze mos. O nos so cor po pre ci sa ter dis ci pli na. Os nos sos há bi tos
pre ci sam ser dis ci pli na dos. Pre ci sa mos ter dis ci pli nafi nan ce i ra; pre ci
samos dis ci pli nar o nos so tem po, dis ci pli nar os nos sos fi lhos, e ter uma
vida es pi ri tu aldis ci pli nada. A fi na li dade da dis ci pli na, é nos tor nar-mos
equi li bra dos e tem pe ran tes em tudo aqui lo que fa ze mos.
1. O OBJETIVO DA DISCIPLINA

1) A pa la vra de Deus diz em 1Co. 11.32, que, o ob je ti vo da dis ci pli na é,


para não ser mos con de nados com o mun do. Dis cipli na mos os nos sos fi lhos
para que eles não ve nham a se per de rem; as sim Deus faz com os seus fi lhos.

2) Em Pv. 3.11-12, o sá bio Sa lo mão diz: “Fi lho meu, não re je i tes a dis ci pli
na do Se nhor, nem te en fa des da sua re pre en são. Por que o Se nhor re pre en
de a quem ama, as sim como o pai, ao fi lho a quem quer bem”.

3) Em Hb. 12.11, está es cri to que: “Toda dis ci pli na, com efe i to, no mo men
to não pa re ce ser mo ti vo de ale gria, mas de tris te za; ao de po is, en tre tan
to, pro - duz fru to pa ci fi co aos que tem sido por ela exer ci ta dos, fru to de jus
ti ça”.

4) Em Pv. 3.13, Sa lo mão en si na que,


que o ho mem ad qui ra a ver da de ira
o ob je ti vo prin ci pal da dis ci pli na, é para sa be do ria e o co nhe ci men to, e
seja fe liz.

2. HOMENS DISCIPLINADOS POR DEUS

1) Vá ri os ho mens na Bí blia fo ram dis ci pli na dos por Deus para o bem. Em
2Sm. 7.14-15, o Se nhor ha via fe i to um pac to com Davi, que, caso seus des
cen den - tes vi es sem a trans gre dir, eles se ri am dis ci pli na dos; po rém, não
se ri am re je i - ta dos pelo Se nhor, pois, a sua mi se ri cór dia nun ca se apar ta
ria de les.

2) Em 2Sm. 12.1-25, o pró prio Davi foi dis ci pli na do pelo Se nhor; po rém,
com uma gran de dose de amor e mi se ri cór dia.
3) Em Jn. 1.17 e 2.1-10, Jo nas foi disci pli na do pelo Se nhor por sua de so be
diên cia; po rém, o Se nhor usou de amor e mi se ri cór dia, e lhe deu uma se gun
da opor tu ni da de (Jn. 3.1-10).
4) Em Ap. 3.19, o pró prio Se nhor Je sus dis se a Igre ja de La o di céia: “Eu re
pre en - do e dis ci pli no a quan tos amo. Sê, pois, ze lo so e ar re pen de-te”.

CONCLUSÃO : Nós apren de mos que, a dis ci pli na é um ins tru men to que
Deus usa com amor e mi se ri cór dia, vi san do o nos so pró prio bem e não o
mal, a fim de nos dar o fim que dese ja mos (Jr. 29.11).
Esbo ço 105 – Dia 14 de Abril
Tema: SUPERANDO AS EXPECTATIVAS

O teu pri me i ro es ta do, na ver da de terá sido pe que no, mas o teu úl ti mo
cres ce rá so bre ma ne i ra. Jó 8.7

INTRODUÇÃO : Ao es tu dar a his tó ria de Jó, nós va mos per ce ber que, esta
de cla ra ção de Bil da de nes te tex to sa gra do, veio a se tor nar uma au tên ti ca
e ver da de i ra pro fe cia que se cum priu na vida de Jó Na ver da de, ape sar dos
amigos de Jó usa rem discur sos in fla ma dos acu san do Jó de pe ca dos, Deus
usou a boca da que les ho mens para pro fe ti za rem mui tas co i sas boas que se
cumpri ram na vida de Jó, após o fim da sua pro va ção.

1. SUPERANDO OS SEUS PRÓPRIOS LIMITES E ALCANÇANDO UM


FINAL FELIZ

1) Em Ec. 7.8, está es cri to: “Me lhor é o fim das co i sas do que o seu prin cí
pio; me lhor é o pa ci en te do que o ar ro gan te”. Esta pas sa gem bí bli ca se
cum priu in te gral men te na vida de Jó.

2) Jó su pe rou os seus pró pri os li mites e al can çou um fi nal fe liz; su pe ran
do às suas pró pri as ex pec ta ti vas (Jó 42.10-17).
3) No e mi e Rute ti ve ram um se gun do es ta do bem melhor do que o pri me i
ro, e al can ça ram um fi nal fe liz, e que su pe rou às suas pró pri as ex pec ta ti
vas (Rt. 1.1-22 e 4.13-22).
4) Davi teve um co me ço di fícil e che io de tur bulên ci as. Embo ra, es co lhido
por Deus como rei (1Sm. 16.13), pas sou a vi ver como um fu gi ti vo e aven tu
re i ro em ter ras es tra nhas (1Sm. 21.10-15). Entre tan to, o seu úl ti mo es ta
do, pas - sou a ser ma i or do que o pri me i ro (2Sm. 8.15 e 1Cr. 29.26-30).

2. VIVENDO A GLÓRIA DA SEGUNDA CASA

1) Em Ag. 2.9, está es cri to: “A gló ria des ta úl ti ma casa será ma i or do que a
da pri me i ra, diz o Se nhor dos Exér ci tos, e nes te lu gar da rei a paz, diz o Se
nhor dos Exérci tos”.

2) Ao re ce ber em do bro tudo quan to an tes possu ía, Jó pas sou a vi ver a gló
ria da se gun da casa, bem ma i or do que a da pri me i ra (Jó 1.1-3 e Jó 42.10-
17).
3) Ao ser exal ta do por Deus como go ver na dor de toda a ter ra do Egi to, José
tro - cou a mas mor ra pelo pa lá cio, e pas sou a vi ver a gló ria da se gun da
casa, que é ma i or do que a da pri me i ra (Gn. 39.20-23 e Gn. 41.1-57).

4) Ao ser exal ta do por Deus como o ho mem mais im por tan te do Impé rio
Persa, de po is do rei Assu e ro, Mar do queu saiu da por ta do rei para ser hon ra
do den - tro da casa do rei, e pas sou a viver a gló ria da segun da casa, que é ma
i or do que a da pri me i ra (Et. 2.21; 9.4 e 10.1-3).

CONCLUSÃO : Nós apren de mos que, ain da que te nha mos um co me ço de


lu tas e di fi cul da des em nos sas vi das, Deus sem pre tem o me lhor para as
nos sas vi das, e pode mos viver a gló ria da segun da casa, a qual su pe ra to das
as nossas ex pec ta ti vas.

Esbo ço 106 – Dia 15 de Abril


Tema: ESPERANÇA INABALÁVEL

Ain da que Ele me mate, nele es pe ra rei, con tu do, os meus ca mi nhos de fen
de rei di an te dele. Jó 13.15

INTRODUÇÃO : Atra vés des te tex to sa gra do, nós va mos apren der que, Jó
con fi a va em Deus, aci ma de qual quer ciscuns tân cia. Por tan to, esta é uma
das mais for tes de cla ra ções de fé re ve lada nas Escritu ras. Jó de mons trou
uma fir me con fi an ça no Se nhor, e uma es pe ran ça ina ba lá vel no seu Re
den tor.

1. CONFIANÇA INABALÁVEL
1) Jó de mons trou uma con fi an ça ina ba lá vel no Deus a quem ele ser via (Jó
13.15 e 19.25).
2) Em Rm. 8.35-39, O após to lo Pa u lo de mons trou esta mes ma con fi an ça
em Cris - to.
3) No SL. 23.4, Davi mos trou tam bém uma con fi an ça ina ba lá vel no Deus a
quem ele ser via.
4) No SL. 71.5, o sal mis ta diz: “Pois tu és a mi nha es pe ran ça, Se nhor Deus,
a mi - nha con fi an ça des de a mi nha mo ci da de”.
2. ESPERANÇA PARA O FUTURO

1) Atra vés des ta de cla ra ção de con fi an ça ina ba lá vel, Jó re ve lou ter cer te
za e es - pe ran ça da vida eter na com Deus (Jó 13.15 e Jó 19.25-27).
2) Em 1Co. 15.19, Pa u lo afir ma que, “Se es pe ra mos em Cris to só nes ta
vida, so mos os mais mi se rá ve is de to dos os ho mens”.
3) Em Pv. 14.32, está es cri to que, “O jus to, ain da mor ren do, tem es pe ran
ça”.
4) Em Pv. 23.18, está es cri to: “Por que de ve ras ha ve rá bom fu tu ro; não será
frus - tra da a tua es pe ran ça”.

CONCLUSÃO : Nós apren de mos atra vés des ta gran de con fis são de fé dita
pelo pa - tri ar ca Jó, que, a nos sa es pe ran ça no Se nhor deve per ma ne cer
para sem pre (CL. 1.27).

Esbo ço 107 – Dia 16 de Abril


Tema: TENDO CERTEZA NA INCERTEZA Por que eu sei que o meu Re den
tor Vive e por fim se le van ta rá so bre a ter ra. Jó 19.25

INTRODUÇÃO : Esta pas sa gem bí bli ca é mais uma gran de de cla ra ção de
fé e cer - te za de mons tra dapelo gran de pa tri arca Jó. Em meio ás cir cuns tân
ci as mais di fí ce is en fren ta das por este ho mem de Deus, ele de mons trou
uma con vic ção mu i to gran de no Deus que ele ser via.

1. A GRANDE FÉ DE JÓ

1) Jó, foi um ho mem que de mons trou uma fé mu i to gran de no Senhor. Ele
não ape nas disse: “eu sin to que.”; ele mos trou cer te za ao di zer: “Por que eu
sei que o meu Re den tor vive.”; ou seja, “Te nho cer te za e con vic ção que o
meu Re den tor vive” (Jó 19.25).

2) Em 2Tm. 1.12, o após to lo Pa u lo de mons trou esta mes ma cer te za ao di


zer: “E, por isso, es tou so fren do es tas co i sas; to da via, não me en ver go
nho, por que eu sei em quem te nho cri do e es tou cer to de que Ele é po de ro so
para guar dar o meu de pó si to até aque le Dia”.

3) Em 1Pd. 1.7-9, o após to lo Pe dro afir ma que, “Embo ra, no pre sen te, por
bre ve tem po, se ne ces sá rio, se ja is con tris ta dos por vá ri as pro va ções,
para que, uma vez con fir ma do o va lor da vos sa fé, mu i to mais pre ci o sa do
que o ouro pe re cí vel, mes mo apu ra do por fogo, re dun de em lou vor, gló ria
e hon ra na re ve la ção de Je - sus Cris to; a quem, não ha ven do vis to, ama is;
no qual, não ven do agora, mas cren do, exul ta is com ale gria in di zí vel e che
ia de gló ria, ob ten do o fim da vos sa fé: a sal va ção da vos sa alma”.

4) Mais adi an te, o pró prio Jó con fir ma esta ver da de, di zen do: “Eu te co nhe
cia só de ouvir, mas ago ra os meus olhos te vêem” (Jó 42.5).
2. A CERTEZA DOS QUE CONFIAM NO SENHOR.

1) A exemplo dos gran des ho mens da Bí blia, to dos nós de ve mos de mons
trar cer te za e con fi an ça ina ba lá vel no Se nhor (SL. 125.1).
2) A nos sa con fi an ça está em o Nome do Se nhor (SL. 20.7).
3) No SL. 32.10, está es cri to que, “O que con fia no Se nhor, a mi se ri cór dia o
as sis ti - rá”.
4) Em Hb. 10.35, acer ta da mente, por tan to, a vos sa con fi an ça; ela o Escri
tor Sa gra do, diz: “Não aban do ne is, tem gran de ga lar dão”.

CONCLUSÃO: De ve mos con fi ar per pe tu a men te no Se nhor; por que o Se


nhor Deus é uma Ro cha Eter na (Is. 26.4).

Esbo ço 108 – Dia 17 de Abril


Tema: O VERDADEIRO TESOURO

Então, o Todo-Po de ro so será o teu ouro e a tua prata es co lhi da. De le i tar-te-
às, pois, no Todo-Po de ro so e le van ta rás o ros to para Deus. Ora rás a Ele, e
Ele te ou vi rá; e pa ga rás os teus vo tos. Se pro je tas al gu ma co i sa, ela te sa i
rá bem, e a luz bri lha rá em teus ca mi nhos. Jó 22.24-28

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der que, so men te o
Se nhor é o ver da de iro te souro que te mos. Ele é o nos so ver da de iro ouro e
a nos sa ver da de ira pra ta. Ele é a nos sa ver da de i ra ri que za. Cris to é a nos
sa Pé ro la de Gran de Va lor. Em Cris to es tão es con di dosto dos os te souros.

1. CRISTO É O VERDADEIRO TESOURO

1) Em Hb. 11.26, está es cri to que, Mo i sés con si de rou o opró brio de Cris to
por ma i o res ri que zas do que os te souros do Egi to, por que con templa va o
ga lar - dão”.

2) Em 1Tm. 6.17-19, Pa u lo acon se lhou os ri cos a não de po si ta rem a sua


con fi - an ça na ins ta bi li da de das ri que zas des ta vida; mas sim, em te sou
ros com só li do fun da men to, a fim de se apo de ra rem da ver da de i ra ri que
za, que é a vida eter na.

3) Em Mt. 6.19-20, Je sus acon se lhou a não ajun tar-mos te sou ros na ter ra,
mas sim, no céu.
4) Em 2Co. 4.7, Pa u lo afir ma que: Te mos, po rém, este te sou ro em va sos de
bar - ro, para que a ex ce lên cia do po der seja de Deus e não de nós”.
5) Em CL. 2.3, Pa u lo afir ma que, em Cris to, es tão es con di dos to dos os te
sou ros da Sa be do ria e do Co nhe cimen to.

2. COISAS MELHORES DO QUE OS TESOUROS DESTE MUNDO

1) O Deus Todo-Po de ro so – Jó 22.23-25.


2) A Sa be do ria e a Prudên cia – Pv. 16.16.
3) A Pa la vra de Deus – SL. 19.10 e 119.127.
4) A nos sa Fé – 1Pd. 1.7.
5) O Se nhor Je sus Cris to – Hb. 11.26

CONCLUSÃO: Nós apren de mos que Cristo é o ver da de i ro te sou ro que te


mos, e so - men te Ele pos sui o ver da de iro ouro que pre ci sa mos (Ap. 3.17-
18).
Esbo ço 109 – Dia 18 de Abril
Tema: DEUS TRANSFORMA O NOSSO AZAR EM SORTE Mu dou o Se nhor
a sor te de Jó, quan do este ora va pe los seus ami gos; e o Se nhor deu-lhe o do
bro de tudo o que an tes pos su í ra. Jó 42.10

INTRODUÇÃO : Nes te texto sa gra do, nós va mos apren der como o Se nhor
trans - for ma fra cas sos em vi tó ri as, azar em sor te, mal di ção em ben ção e o
mal em bem. A his tó ria de Jó nos mos tra que o pro pó si to fi nal de Deus para
as nos sas vi das é sempre o melhor.

1. TRANSFORMANDO FRACASSOS EM VITÓRIAS

1) O fra cas so do apósto lo Pe dro em ne gar Je sus três ve zes, foi transfor ma
do num ar re pen di men to sin ce ro, e na afir ma ção por três ve zes de que ele
ama va a Je sus de ver da de (Lc. 22.54-62 e Jo. 21.15-17).

2) Para as pes so as que não crê em, a mor te de Jesus numa cruz foi um fra cas
so; po - rém, Deus trans for mou o sacri fí cio de Jesus na cruz, em vi tó ria para
as nos sas vi das (1Co. 1.18).

3) Em 1Co. 1.25, está es cri to: “Por que a lou cu ra de Deus é mais sá bia do que
os ho mens; e a fra que za de Deus é mais for te do que os ho mens”. 2.
TRANSFORMANDO A MALDIÇÃO EM BÊNÇÃO
1) To das as ve zes que Ba laão abria a sua boca para pro fe rir mal di ção so bre
Isra - el, o Se nhor con ver tia as suas pa la vras em pro fe ci as de ben çãos para
o povo de Deus (Nm. 23.7-11; 23.18-25; 24.3-10; 24.15-25 e Dt. 23.5).

2) Em GL. 3.13-14, Pa u lo afir ma que Deus trans for mou a mal di ção que Cris
to su por tou na cruz, em ben ção para to dos nós.
3) Em Rm. 11.12, Pa u lo afir ma que, a trans gres são de Isra el re dun dou em ri
que za para o mun do, e o seu aba ti men to, em ri que za para os gen ti os.

3. TRANSFORMANDO O MAL EM BEM

1) A má in ten ção dos ir mãos de José em vendê-lo como es cra vo para o Egi
to, foi trans for ma da por Deus em bem para todo o mun do, e in clu si ve para
os pró - pri os ir mãos de José (Gn. 37.28 e Gn. 50.20-21).

2) Em 2Co. 8.9, Pa u lo afir ma que Cris to se tor nou po bre para que fôs se mos
ri cos.
3) Em Rm. 8.28, está es cri to que: “To das as co i sas co o pe ram para o bem da
que - les que amam a Deus, da que les que são cha ma dos se gun do o seu pro
pó si to”.

4. TRANSFORMANDO O AZAR EM SORTE

1) Ao ver os ma les em que Jó foi aco me ti do por oca sião de sua ter rí vel pro
va, mu i tos di ri am que Jó es ta va azara do em meio a tan tas pragas com que
foi aco me ti do. Po rém, Deus transfor mou o azar de Jó em sor te, quan do fez
que o seu úl ti mo es ta do se tor nas se bem me lhor do que o prime i ro (Jó 3.1;
8.7 e 42.10-17).

2) Em Fp. 2.8-11, Pa u lo afir ma que a hu mi lha ção de Cris to na cruz, foi trans
for - ma da por Deus em sua mais alta exal ta ção.
3) 1CO. 1.28, está es cri to que: “Deus es co lheu as co i sas hu mil des do mun
do, as des pre za das, e aque las que não são, para re du zir a nada as que são”.

CONCLUSÃO : Apren de mos que o Se nhor pla ne ja sem pre o me lhor para
as nos sas vi das, mes mo quan do no co me ço não com pre ende mos, ao fi nal
de tudo aca ba mos en ten den do tudo (Jr. 29.11 e Jo. 13.7).

XIX – ESBOÇOS EM SALMOS


Esbo ço 110 – Dia 19 de Abril
Tema: A CERTEZA DA ORAÇÃO RESPONDIDA O Se nhor já ou viu a mi nha
sú pli ca; o Se nhor ace i ta rá a mi nha ora ção. SL. 6.9

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do nós va mos apren der que, é pos sí vel
o cren te ter a ple na cer te za da res pos ta de sua ora ção, exa ta men te no mo
men to em que pede.Po de mos nos ache gar mos jun to ao tro no da gra ça com
a in tei ra con fi an çaem Deus; e, po de mos nos le van tar da ora ção ten do a
cer te za da vi tó ria.

1. A CERTEZA ESTÁ BASEADA NA PALAVRA DE DEUS

1) A cer te za de que as pro mes sas in fa lí ve is nos sas ora ções se rão res pon
didas é fun da menta da nas da pa la vra de Deus (Jo. 15.7).

2) Em Mc. 11.24, Je sus afir ma que, tudo o que pe dir mos ao Se nhor em ora
ção, de ve mos crer que já re ce be mos.
3) Em 1Jo. 5.14-15, está es cri to que, a ora ção fe i ta se gun do a von ta de do
Se nhor, já tem a res pos ta as se gu ra da.
4) Em Rm. 8.26, está es cri to que, o Espíri to San to nos aju da a orar se gun do
a von tade do Se nhor.
5) Em Jo. 14.13-14, está es cri to que, o Nome de Je sus é a ga ran tia da res pos
ta das nos sas orações.

2. EXEMPLOS DE ORAÇÕES REPONDIDAS


1) Em 2Cr. 9.5, o Se nhor diz a Sa lo mão que ou viu a sua ora ção.

2) Em 1Sm. 1.27, Ana con fir ma que o Se nhor lhe con ce deu a pe ti ção que
ela fi - ze ra.
3) Em 1Cr. 4.10, está es cri to que, Deus con ce deu o que Ja bez lhe ha via pe di
do.

4) Em Gn. 25.21, está escri to que, Isa que orou ao Se nhor por sua mu lher, e o
Se nhor lhe ou viu as ora ções.
5) Em Jn. 2.2, Jo nas de cla ra que, cla mou ao Se nhor na sua an gús tia, e o Se
nhor lhe res pon deu.

CONCLUSÃO : A pa la vra de Deus nos dá a cer te za de que o Se nhor é po de


ro so para fazer mu i to mais do que pe di mos ou pen sa mos (Ef. 3.20). E, em
Lc. 1.13, o Anjo Ga bri el dis se a Za ca ri as: “Zaca ri as, não te mas, por que a
tua ora ção foi ou - vi da”. Aleluia!

Esbo ço 111 – Dia 20 de Abril


Tema: A PUREZA DA PALAVRA DO SENHOR

As pa la vras do Senhor são pa la vras pu ras como pra ta re fi na da em for no de


bar ro e pu ri fi ca da sete ve zes. SL.
INTRODUÇÃO: Nes te
12.6

tex to sa gra do nós va mos apren der so bre a pu re za e per fe i - ção da pa la


vra de Deus. A pa la vra de Deus é pura e per fe i ta. A pa la vra de Deus pu ri -
fi ca e aper fe i çoa o ho mem para toda boa obra.

1. TODA A PALAVRA DE DEUS É PURA

1) Para mos trar o quan to a pa la vra de Deus é pura, o sal mis ta usou o exem
plo do re fi na men to da pra ta, a qual era pu ri fi ca da no fogo, para que fos se
ti ra da toda a es có ria (Pv. 25.4).

2) Em 2Sm.22.31, está es cri to: “O ca mi nho de Deus é per fe i to, e a pa la vra


do Se nhor re fi na da; e é o es cu do de to dos os que Nele con fi am”.

3) No SL. 119.140, o sal mis ta diz: “Pu rís si ma é a tua pa la vra; por isso, o teu
ser - vo a es ti ma”.
4) Em Pv. 30.5, está escri to: “Toda pa la vra de Deus é pura; es cu do é para os
que Nele con fi am”. Por tan to, a pa la vra de Deus é pura e sem mistu ra.

2. O EFEITO PURIFICADOR DA PALAVRA

1) No SL. 119.9, o sal mista diz: “Como pu ri fi ca rá o jo vem o seu ca mi nho?


Obser van do-o con for me a tua pa la vra”. A pa la vra de Deus traz pu re za
para os nos sos jo vens.

2) Em Jo. 15.3, Je sus dis se: “Vós já es ta is limpos pela pa la vra que vos te nho
fa la do”.
3) Em Jo. 17.17, Je sus re ve la o po der san ti fi ca dor da pa la vra de Deus.
4) Em Ef. 5.26-27, Pa u lo afir ma que, a Igre ja foi san ti fi ca da e pu ri fi ca da
pela pa - la vra de Deus.
3. A PERFEIÇÃO DA PALAVRA DE DEUS

1) O tex to tam bém diz, que, a pa la vra de Deus foi re fi na da 7 ve zes na for na
lha. 7 (sete), é o nú me ro da per fe i ção di vi na, por que, em sete dias o Se nhor
Deus cri ou o mun do pela Sua Pa la vra (Gn. 2.3).

2) Em Pv. 9.1, o Sá bio Sa lo mão afir ma que a Sa be do ria pos sui 7 (sete) co lu
nas. 3) No SL. 19.7, está es cri to: “A Lei do Se nhor é per fe i ta e re fri ge ra a
alma; o tes - te mu nho do Se nhor é fiel e dá sa be do ria aos símpli ces”.

4) No SL. 119.96, o sal mis ta des cre ve a per fe i ção da pa la vra de Deus, di
zen do: “Te nho vis to que toda per fe i ção tem seu li mi te; mas o teu man da
men to é ili mi ta do”.

CONCLUSÃO : A con clu são des ta mensa gem não po de ria ser ou tra: “Toda
Escri tu - ra di vina men te ins pi ra da é pro ve i to sa para en si nar, para re dar
guir, para cor ri gir, para ins tru ir em jus ti ça, para que o ho mem de Deus seja
per fe i to e per fe i ta men te ins tru í do para toda boa obra” – 2Tm. 3.16-17.

Esbo ço 112 – Dia 21 de Abril


Tema: O PASTOR DOS PASTORES
O Se nhor é o meu Pas tor; nada me fal ta rá. SL. 23.1

INTRODUÇÃO : O Sal mo 23 é, sem dú vi da, um dos Sal mos mais glo ri o


sos da Bí - blia. Nós va mos apren der que, o Pas tor des te Sal mo é Aque le mes
mo que mais tar - de dis se: “Eu Sou o Bom Pas tor” (Jo. 10.11). O Sal mo 23, é
o Sal mo mais ci ta do e maisco nhe cido da Bí blia.

1. O CUIDADO DO BOM PASTOR


1) Este belo Sal mo foi escri to por um pas tor que veio a se tornar rei (2Sm. 7.8-
9).

2) Davi, mes mo sen do pas tor, ao olhar para a de pen dên cia que uma ove lha
tem do seu pas tor; ele mesmo se iden ti fi ca como uma da que las ovelhas, e ex
cla - ma: “O Se nhor é o meu Pas tor; nada me fal ta rá”.

3) No SL. 103.13, o mes mo Davi dis se: “Como um pai se com pa de ce de seus
fi - lhos, as sim o Se nhor se com pa de ce dos que o te mem”.
4) Em Fp. 4.19, Pa u lo afir ma que o nos so Deus supri rá cada uma das nos sas
ne - ces si da des em Cris to Je sus. O nos so Bon doso Pai Ce les ti al sem pre há
de su prir as nos sas ne ces si dades (Mt. 6.25-34).

2. A PROTEÇÃO E BONDADE DO BOM PASTOR

1) No SL. 23.4, Davi diz: “Ain da que que eu ande pelo vale da sombra da mor
te, não te me rei mal ne nhum, por que tu es tás co mi go; o teu bor dão e o teu ca
ja - do me con so lam”. Davi dis se: “Ain da que.”, ain da que es te ja mos atra
ves san - do um vale de pe ri go ou tribu la ção, Este Bom Pas tor sempre es ta rá
co nos co.

2) No SL. 91.7, o sal mis ta diz: “Mil ca i rão ao teu lado, e dez mil, à tua di re i
ta, mas tu não se rás atingi do”.
3) No SL. 121.7, está es cri to: “O Se nhor te guar da rá de todo mal; Ele guar da
rá a tua alma”.
4) No SL. 23.5-6, Davi ce le bra a sua exal ta ção pelo Bom Pas tor, e a cons tan
te Bon da de e Mi se ri cór dia do Bom Pas tor so bre a sua vida.

3. A IDENTIDADE DO BOM PASTOR


1) Em Gn. 49.24, Jacó iden ti fi ca o Se nhor Deus como o Pas tor de Israel.

2) Em Is. 40.11, está es cri to que, o Se nhor: “Como Pas tor, apas cen ta rá o seu
re - ba nho; en tre os seus braços re co lhe rá os cor de ri nhos e os le va rá no seu
seio; as que ama men tam Ele gui a rá man sa men te”.

3) Em Jo. 10.11, O Bom Pas tor do Sal mo 23 se iden ti fi ca, di zen do: “Eu Sou
o Bom Pas tor. O Bom Pas tor dá a vida pe las ove lhas”.
4) Em Hb. 13.20, está es cri to que, Je sus Cris to se tor nou o Gran de Pas tor
das ove lhas, pelo san gue da eter na ali an ça.

CONCLUSÃO : Je sus Cris to é o Pastor dos Pas to res. Ele é o Sumo Pas tor e
Bispo da nos sa alma (1Pd. 2.25 e 5.4). Jesus é o Bom Pas tor que nos ama, e
pelo seu sangue nos li ber tou dos nos sos pe ca dos (Ap. 1.5).

Esbo ço 113 – Dia 22 de Abril


Tema: QUEM É O REI DA GLÓRIA?

Quem é o Rei da Gló ria? O Se nhor, for te e po de ro so, o Se nhor, po de ro so


nas ba ta lhas. SL. 24.8

INTRODUÇÃO : A ex pres são usa da por Davi nes tes ver sí cu los re lem bra
a vol ta da Arca da Ali an ça para Je ru sa lém; que, na vi são ju da i ca, era o pró
prio Rei da Gló ria, o Se nhor dos Exér ci tos en tran do em Je ru sa lém. Entre
tan to, esta men sa gem mes - siâ ni ca tam bém se cum priu por ocasião da en tra
da tri un fal de Je sus Cris to, o Rei da Gló ria em Je ru sa lém.

1. A INDAGAÇÃO DOS PROFETAS ACERCA DO REI DA GLÓRIA

1) A ex pres são poé ti ca e pro fé ti ca de Davi, também cria um sus pen se nes
tes ver - sí cu los: “Quem é este Rei da Gló ria?” Per gun tas como es tas fo ram
fe i tas em ou tras oca siões.

2) Em Pv. 30.4, o rei Agur per gun ta: “Quem subiu ao céu e des ceu? Quem en
cer rou os ventos nos seus pu nhos? Quem amar rou as águas na sua rou pa?
Quem es ta be le ceu to das as ex tre mi da des da ter ra? Qual é o seu Nome, e
qual é o Nome de seu Fi lho, se é que o sa bes?”

3) Em IS. 63.1, o suspen se con ti nua, e o pro fe ta Isa ías per gun ta: Quem é
este que vem de Edom, de Boz ra com ves tes de vi vas co res, que é glo ri o so
em sua ves ti du ra, que mar cha na ple ni tu de de sua for ça?”

4) Em 1Pd. 1.10-12, o após to lo Pe dro afir ma que os pro fe tas in da ga ram, in


qui - ri ram e até pers cru ta ram acer ca des te mis té rio guar da do em si lên cio
des de os tem pos eter nos.

2. A REVELAÇÃO DO REI DA GLÓRIA

1) Em Lc. 19.28-38, a pro fe cia se cum pre, e Je sus Cris to, o Rei da Gló ria en
tra em Je ru sa lém de for ma tri un fal.
2) Em Jo. 5.39, o Rei da Gló ria afirma que as Escri tu ras tes ti fi cam da sua Pes
soa.
3) Em 1Co. 2.7-8, Pa u lo afir ma que Je sus Cris to é o Se nhor da Gló ria.
4) Em Mt. 24.29, está es cri to que, to dos ve rão Je sus Cris to vin do so bre as
nu - vens do céu, com po der e gran de gló ria; pois, Ele é o Rei da Gló ria (Ap.
19.11-16).

CONCLUSÃO : O po der e a gló ria de Cris to é tão gran de, que, até as pes so
as acos - tu ma das a ver os seus mi la gres, fi ca vam pas ma das e per ple xas, di
zen do: “Que ho - mem é este?” (Mt. 8.27). Em Tg. 2.1, o após to lo Ti a go, ir
mão car nal de Je sus, se re fe re ao Se nhor Je sus Cris to como o Se nhor da Gló
ria. Gló ri as ao Se nhor Je sus Cris to!
Esbo ço 114 – Dia 23 de Abril
Tema: A MANHÃ DA ALEGRIA ESTÁ
NASCENDO NA SUA VIDA
Por que a sua ira dura só um mo men to; no seu fa vor está a vida; o cho ro pode
du rar uma no i te, mas a ale gria vem pela ma nhã. SL. 30.5

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der que, por mais
que a no i te da aflição e da angús tia seja lon ga, o sol já vem des pon tan do no
ho ri zon te, e a ale - gria da vi tó ria já vem vin do ai.

1. A DURAÇÃO DO CHORO

1) O sal mista diz que “o cho ro pode du rar uma no i te”. O cho ro de al gu mas
pes - so as pa re ce que du ram mais do que o de ou tras; po rém, te mos a cer te
za de que a ale gria do cris tão du ra rá mu i to mais do que o seu cho ro (Jo.
16.20-22).

2) Não sa be mos quan to tempo du rou o cho ro de Ana; ape nas sa be mos que
ela cho rou mu i tís si mo (1Sm. 1.10); po rém, a sua ale gria veio e du rou mu i
to mais do que o seu cho ro (1Sm. 2.1 e 2.21).

3) Ape sar de ter cho ra do mui to, o cho ro do rei Eze qui as durou pou co, por
que a res pos ta de Deus veio rá pi da, e a sua ale gria durou mu i to mais (Is.
38.1-20).
4) Após pas sar uma no i te in te i ra lu tan do com Deus, Jacó ob te ve a ben ção
do Se nhor, e o sol da ma nhã nas ceu so bre a sua vida (Gn. 32.22-31).
5) Em Ne. 8.10, está es cri to que, após o povo cho rar co pi o sa men te, veio a
pa la vra de con so lo, di zen do: “ Ide, co mei car nes gor das, to mai bebi das do
ces e en vi ai por ções aos que não tem nada pre pa ra do para si; por que este dia
é con sa grado ao nos so Se nhor; por tan to, não vos en tris te ça is, por que a ale
gria do Se nhor é a vossa for ça”.

2. A DURAÇÃO DA ALEGRIA

1) Se o cho ro pode du rar uma no i te, quan to tem po pode du rar a ale gria de
um cren te? A ale gria do cren te pode du rar a vida in te i ra. Em Jo. 16.22, Je
sus dis - se: “Assim tam bém ago ra vós tendes tris te za; mas ou tra vez vos ve
rei; o vos so co ra ção se ale gra rá, e a vos sa ale gria nin guém po de rá ti rar”.

2) Em Jó 20.5, está es cri to: “O jú bi lo dos per ver sos é bre ve, e ale gria dos
ím pi os mo men tâ nea”. Po rém, a ale gria dos Cris tãos é per ma nen te, e nin
guém po de - rá ti rar (Pv. 10.28 e Jo. 16.20-22).

3) Em Jo. 16.24, Je sus dis se: “Até ago ra nada ten des pe di do em meu Nome;
pedi e re ce be re is, para que a vos sa ale gria seja com ple ta”.
4) No SL. 126.3, está es cri to: “Com efe i to, gran des co i sas fez o Se nhor por
nós; por isso, es ta mos alegres”.
5) Em Is. 61.7, está es cri to: “Em lu gar da vos sa ver go nha, te re is du pla hon
ra; em lu gar da afron ta, exul ta re is na vos sa he ran ça; por isso, na vos sa ter
ra pos su i re is o do bro e te re is per pé tua ale gria”.

CONCLUSÃO: A con clu são des ta men sa gem é a se guin te: “Ale grai-vos
sem pre no Se nhor; ou tra vez vos digo: Ale grai-vos” (FP. 4.4).

Esbo ço 115 – Dia 24 de Abril


Tema: A SEGURANÇA DE QUEM TEME AO SENHOR O anjo do Se nhor
acam pa-se ao re dor dos que o te mem e os li vra. SL. 34.7

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do nós va mos apren der que o cren te que
teme ao Senhor pos sui se gu ran ça 24 ho ras por dia. Os an jos de Deus são es
pí ri tos mi nis tra do res a fa vor dos que hão de her dar a sal va ção, e se acam
pam ao re dor da que les que te mem ao Se nhor, para li vrá-los.

1. A COMPROVAÇÃO DA SEGURANÇA DO CRENTE

1) A Pa la vra de Deus com pro va to das as suas glo ri o sas pro mes sas na vida
do cren te. Em Gn. 32.1-2, está es cri to que: “Jacó se guia o seu ca mi nho, e an
jos de Deus lhe sa í ram a en con trá-lo. Qu an do os viu, dis se: Este é o acam pa
men to de Deus. E cha mou àque le lu gar Ma a na im”. Jacó, ex pe ri men tou na
prá ti ca os an - jos de Deus acam pa dos ao seu re dor.

2) Em Gn. 48.16, Jacó po dia di zer: “O Anjo que me tem li vra do de todo mal,
aben çoe es tes ra pa zes”.
3) Em Êx. 23.20, o Se nhor pro me te se gu ran ça ao seu povo, di zen do: “Eis
que Eu en vio um Anjo adi an te de ti, para que te guar de pelo ca mi nho e te
leve ao lu - gar que te nho pre pa ra do”.
4) No SL. 91.11, está es cri to que: “Aos seus an jos dará or dens a teu respe i to,
para que te guar dem em to dos os ca mi nhos”.

2. A CERTEZA DA SEGURANÇA DO CRENTE


1) Pre ci sa mos ter a cer te za da se gu ran ça que o Se nhor nos ofe re ce. Davi
disse: “Não te me rei mal ne nhum, por que tu es tás co mi go” (SL. 23.4)
2) No SL. 27.1, está es cri to: “O Se nhor é a mi nha luz e a minha sal va ção; de
quem te rei medo? O Se nhor é a for ta le za da mi nha vida; a quem te me rei?”.
3) Em 2Ts. 3.3, está es cri to que, o Se nhor nos guar da rá do Ma lig no.
4) Em 1Jo. 5.18, está escri to que: “Aque le que nas ceu de Deus o guar da, e o
Ma lig no não lhe toca”.

CONCLUSÃO : Con clu í mos com as pa la vras do Se nhor a Jo sué: “Não to


man dei Eu? Sê for te e co ra jo so; não te mas, nem te espan tes, por que o Se
nhor, teu Deus, é con ti go por onde quer que an da res” – Js. 1.9.

Esbo ço 116 – Dia 25 de Abril


Tema: CINCO CONSELHOS PARA SE TER UMA VIDA LONGA

Quem é o ho mem que ama a vida e quer lon ge vi da de para ver o bem? Re fre
ia a lín gua do mal e os lá bi os de fa la rem do lo sa men te. Apar ta-te do mal e
práti ca o que é bom; pro cu ra a paz e empe nha-te por al can çá-la. SL. 34.12-
14

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre os con se
lhos pre - ci o sos que a pa la vra de Deus ofe re ce a to dos àque les que que rem
ter uma vida lon - ga aqui na ter ra.

1. REFREIA A LÍNGUA DO MAL

1) O pri me i ro con se lho é re fre i ar e guar dar a nos sa lín gua do mal.
2) Davi ti nha tan to re ce io de pe car com a sua lín gua, que, ele che gou a pen
sar em co lo car uma mor da ça na sua boca (SL. 39.1).
3) Ti a go afir ma que se al guém su põe ser re li gi o so, de i xan do de re frear a
lín gua, en ga na o seu pró prio co ra ção, e a sua re li gião é vã (Tg. 1.26).
4) O após to lo Pe dro afir ma que, se al guém quer “ver dias fe li zes re fre ie a
lín gua do mal”. (1Pd. 3.10).

2. REFREIA OS LÁBIOS DE FALAREM ENGANOSAMENTE

1) O se gun do con se lho é re fre iar os lá bi os de fa la rem do lo sa men te ou


en ga no - sa men te.
2) No SL. 141.3, Davi che gou a orar ao Se nhor, di zen do: “Põe guar da, Se
nhor, à mi nha boca; vi gia a por ta dos meus lá bi os”.
3) No SL. 101.7, está es cri to que, o que usa de en ga no e pro fe re men ti ras
não per ma ne ce rá na pre sen ça do Se nhor.
4) Em Jo. 1.47, está es cri to que Je sus viu a Na ta na el, e dis se: “Eis um ver da
de i ro is ra e li ta, em quem não há dolo”. Gló ri as a Deus!

3. APARTA-TE DO MAL

1) O ter ce iro con se lho é: “Apar ta-te


2) Em Jó 28.28, está es cri to que, a tar-se do mal.
do mal”.
ver da de i ra in te li gên cia con sis te em apar -

3) Em Pv. 8.13, está escri to que, o te mor do Se nhor con sis te em abor re cer o
mal.
4) Em 1 Ts. 5.22, o após to lo Pa u lo nos acon se lha, di zen do: “Absten de-vos
de toda apa rên cia do mal”.

4. PRATICA O QUE É BOM

1) O quar to con se lho é: “Pra ti ca o que é bom” ou “faze o bem”.


2) Em Am. 5.14, está escri to: “Bus cai o bem e não o mal, para que vi va is; e,
as - sim, o Se nhor, o Deus dos Exér ci tos, esta rá con vos co, como dize is”.
3) Em Rm. 12.17, Pa u lo nos acon se lha, di zen do: “Não tor ne is a ninguém
mal por mal; es for çai-vos por fa zer o bem peran te to dos os ho mens”.
4) Em 1Ts. 5.15, está es cri to que, de ve mos se guir sem pre o bem para com to
das as pes so as.

5. PROCURA A PAZ
1) O quin to con se lho é: “Pro cu ra a paz e segue-a”.

2) Em Mc. 9.50, Jesus dis se: “Ten de sal em vós mes mos e paz, uns com os ou
tros”.
3) Em Rm. 12.18, Pa u lo dis se: “Se pos sí vel, quan do de pen der de vós, ten
de paz com to dos os ho mens”.
4) Em Hb. 12.14, A pa la vra de Deus nos acon se lha, di zen do: “Se gui a paz
com to dos e a santi fi ca ção, sem a qual nin guém verá o Se nhor”.

CONCLUSÃO : Estes pre ci osos con se lhos, além de ou tros im por tan tes en
si nos que a pa la vra de Deus nos acon se lha, cer ta men te ser vi rão como sa ú
de e vida lon ga para to dos nós. Ale lu ia!
Esbo ço 117 – Dia 26 de Abril
Tema: DEUS DESEJA A NOSSA PROSPERIDADE Can tem e ale grem-se os
que amam a mi nha jus ti ça, e di gam con ti nu a men te: O Se nhor, que ama a
pros pe ri da de do seu ser vo, seja en gran de ci do. SL. 35.27

INTRODUÇÃO : Este texto sa gra do, nos de i xa bem cla ro que, o Se nhor de
se ja a nos sa pros pe ri da de, e o seu Nome é en gran de ci do quan do pros pe
ra mos. A ver da - de i ra pros pe ri da de vem do Se nhor. É a ben ção do Se
nhor quem nos en ri que ce, e não acres centa do res. O pró prio Se nhor pro me
teu que co me re mos o me lhor des ta ter ra (Is.1.19).

1. A NOSSA PROSPERIDADE VEM DO SENHOR

1) O Se nhor é quem nos faz pros pe rar, pois, em Gn. 26.12-13, está es cri to
que, o Se nhor aben ço ou Isa que, e ele pros pe rou e fi cou ri quís si mo.
2) Em Gn. 39.2, está escri to que, o Se nhor era com José, que veio a ser ho mem
prós pe ro.
3) Em DT. 28.8, o Se nhor pro me teu de ter mi nar a sua benção nos nos sos ce
le i ros, e pros pe rar todo o tra ba lho das nos sas mãos.

2. A PROSPERIDADE DO HOMEM ESTÁ NA BÊNÇÃO DE DEUS

1) Em Dt. 8.18, está es cri to que, é o Se nhor que nos dá for ças para ad qui rir
mos ri que zas.
2) Em Pv. 10.22, está es cri to que: “A ben ção do Se nhor é que en ri que ce, e
Ele não acres centa do res”.
3) Em 3 Jo. 1.3, está escri to: “Ama do, aci ma de tudo, faço vo tos por tua pros
pe ri da de e sa ú de, as sim como é prós pe ra a tua alma”.

CONCLUSÃO : Deus de se ja a nos sa pros pe ri da de, por que, a sua pró pria
pa la vra nos ofe re ce a ga ran tia de ser mos prós pe ros e bem su ce di dos em
tudo o que fi zer mos (Js. 1.8 e SL. 1.1-3).

Esbo ço 118 – Dia 27 de Abril


Tema: O PODER DA PACIÊNCIA
Espe rei com pa ciên cia no Se nhor, e Ele se in cli nou para mim, e ou viu o meu
cla mor. SL. 40.1

INTRODUÇÃO : A pa ciên cia é sem dú vi da, uma das mais im por tan tes vir
tu des que leva o ho mem a conquista dos seus so nhos e a re a li za ção dos seus
ob je ti vos. Se as pes so as ti ves sem mais pa ciên cia, mu i tas con fu sões se ri
am evi ta das; mu i tos aci den tes se ri am evi ta dos; e mu i tas vi tó ri as se ri
am al can çadas. É na pa ciên cia que

ob jeti vos. O Se nhor se agra da dos can sa mos o ini mi go, e con quis tamos os
nos sos que es pe ram Nele com pa ciên cia.
1. A PACIÊNCIA DOS VENCEDORES

1) Qu an do Davi fez esta de cla ra ção, ele ti nha da pa ciên cia. Se gun do al
guns es tu di o sos, Davi foi un gi do rei na casa de seu pai com cer ca de 17 anos
(1Sm. 16.11-13). Po rém, su por tou pa ci en te men te as du ras perse gui ções e
in tran si gên ci as de Saul, até que che gou a sua vez de as su mir o tro no de Isra
el aos 30 anos de ida de (2Sm. 5.4).

2) José, da mes ma for ma ex pe ri men tou o po der da pa ciên cia na sua vida,
ao su - por tar por mu i tos anos a pena por uma transgres são que ele não co me
teu, até se tor nar o go ver na dor do Egi to, aos 30 anos de ida de (Gn. 41.46).

3) Jó, se tor nou na Bíblia o sím bo lo da pró pria paciên cia, ao su por tar pa ci
en te - men te to das as afli ções, e, ao fim; tri un fou so bre todas as suas di fi cul
da des, atra vés do po der da pa ciên cia (Tg. 5.11).

4) Em Ec. 7.8, está es cri to: “Me lhor é o fim das co i sas do que o seu prin cí
pio; me lhor é o pa ci en te do que o ar ro gan te”.
ex pe ri men ta do na prá ti ca o po der 2. O TRIUNFO DA PACIÊNCIA
1) Em Rm. 5.3-4, Pa u lo dis se que, a tri bu la ção pro duz pa ciên cia; a pa ciên
cia pro duz ex pe riên cia, e a ex pe riên cia pro duz es pe ran ça.
2) Em 2Ts. 3.5, está escri to: “Ora, o Se nhor con du za o vos so co ra ção no
amor de Deus e na pa ciên cia de Cris to”.
3) Em Tg. 5.8, está es cri to: “Sede vós tam bém pa ci en tes e for ta le cei o vos
so co ra ção, pois a vin da do Se nhor está pró xi ma”.

4) Em Ap. 3.10, está es cri to: “Como guar das te a pa la vra da mi nha pa ciên
cia, tam bém Eu te guar da rei da hora da ten ta ção que há de vir so bre todo o
mun do, para tentar os que ha bi tam na terra”.

CONCLUSÃO :De ve mos ex pe ri men tar o po der da pa ciên cia em nos sas
vi das; pois, o Se nhor Je sus Cris to afir mou que: “Na vos sa pa ciên cia, pos suí
a vos sa alma” (Lc. 21.19).
Esbo ço 119 – Dia 28 de Abril
Tema: A ÚNICA BEBIDA QUE SATISFAZ A ALMA

Como cer vo bra ma pela cor ren te das águas, as sim sus pi ra a mi nha alma por
ti, ó Deus! A mi nha alma tem sede de Deus, do Deus Vivo; quan do en tra rei e
me apre sen ta rei ante a face de Deus? SL. 42.1-2

INTRODUÇÃO : A sede do nosso cor po pode ser re sol vi da com água na tu


ral, com su cos, re fri ge ran tes, ou ou tros ti pos de be bi das; po rém, a pre sen
ça do Deus vivo é a úni ca be bi da que sa tis faz a alma do ho mem. So men te a
água con se gue ma tar a sede do cor po hu ma no. So men te Deus con se gue
ma tar a sede da alma se qui o sa. Pois, o Se nhor é a Espe ran ça de Isra el, a
Fon te das Águas Vivas (Jr.17.13).

1. SOMENTE DEUS SATISFAZ A ALMA DO HOMEM

1) Em 2Sm. 23.15-17, está es cri to que, Davi suspi rou, e de se jou be ber da
água que es ta va no poço de Be lém. Po rém, ao ter o seu de se jo cum pri do;
ain da as - sim, Davi não se sa tis fez ple na men te.

2) O Sal mis ta usou a figu ra ofe gan te de um cer vo em busca de águas para sa
ci ar a sua sede, como símbo lo da alma se den ta em busca de Deus (SL. 42.1).
3) Em Jo. 7.37-38, Je sus pro me teu sa tis fa zer ple na men te a sede da alma, di
zen do: “Se al guém tem sede, ve nha a mim e beba. Quem crer em mim, como
diz a Escri tu ra, do seu in te ri or flu i rão rios de água viva”.
4) Em Jo. 4.14, Je sus dis se a uma mu lher se den ta: “Aque le, po rém, que be
ber da água que Eu lhe der será nele uma fon te a jor rar para a vida eter na”.

2. DEUS É A NOSSA FONTE DE VIDA INESGOTÁVEL

1) A água é uma subs tân cia vi tal para a exis tên cia hu ma na. Nin guém con se
gue vi ver sem água. Assim, a alma hu ma na não con se gue vi ver sem Deus
(SL. 119.25).

2) No SL. 87.7, o Sal mis ta disse: “To das as mi nhas fon tes es tão em ti”.

3) Em Is. 12.2-3, está es cri to: “Eis que Deus é a mi nha Sal va ção; con fi a rei
e não te me rei, por que o Se nhor Deus é a minha for ça e o meu cân ti co; Ele se
tor nou a mi nha Sal va ção. Vós, com ale gria, tira re is água das fon tes da Sal
va ção”. A nos - sa Fon te de Sal va ção é o Se nhor!
4) Em Is. 44.3, o Se nhor pro me te sa ci ar a sede es pi ri tu al da alma, di zen
do: “Por que der ra ma rei água so bre o se den to e tor ren tes, so bre a ter ra
seca; der - ra ma rei o meu Espí ri to so bre a tua pos te ri da de e a mi nha ben
ção, so bre os teus des cen den tes”.

CONCLUSÃO : To dos os se den tos são con vi da dos a bebe rem de gra ça da
fon te da água da vida, a qual, so men te Deus pode ofe re cer gra tu i ta men te,
por meio de Je sus Cris to (Ap. 7.17 e 22.17).

Esbo ço 120 – Dia 29 de Abril


Tema: CORAÇÃO TRANSFORMADO
Cria em mim, ó Deus, um co ra ção puro e re no va em mim um es pí ri to reto.
SL. 51.10

INTRODUÇÃO : O co ra ção re pre sen ta o cen tro da per so nali da de, in clu
in do em si, o in te lec to, a von ta de, a cons ciên cia e fon te das emo ções. É
tudo isso que Davi pede ao Se nhor para ser re no va do e trans for ma do. Qu an
do pe di mos ao Se nhor a trans - for ma ção do nos so co ra ção, es ta mos pe din
do a transfor ma ção de todo o nos so ser.

1. TIPOS NEGATIVOS DO CORAÇÃO

1) A Bí blia re ve la vá rios ti posde co ra ção, cujo es ta do e con di ção, re ve la


como se en con tra a per so na li da de hu ma na.
2) Em Pv. 11.20, a Bí blia fala de co ra ção per ver so.

3) Em Pv. 26.23, a Bí blia fala de co ra ção ma lig no.


4) Em Jr. 9.26, a Bíblia fala de co ra ção in cir cun ci so.
5) Em Jr. 17.9, a Bí blia fala de co ra ção en ga no so e cor rup to.
6) Em Hb. 3.15, a Bíblia fala de co ra ção en du re ci do.

2. TIPOS POSITIVOS DE CORAÇÃO

1) Em Ez. 11.19, a Bí blia fala da gran de transfor ma ção que Deus pode ope rar
no co ra ção das pes so as.
2) Em Mt. 5.8, Je sus fala do pri vi lé gio que os lim pos de co ra ção te rão.
3) Em 1Rs. 3.12, Deus deu a Sa lo mão um co ra ção sá bio e in te li gen te.
4) Em Ez. 36.26, o Se nhor pro me teu nos dá um co ra ção novo.
5) Em Pv. 15.13, a Bí blia re ve la que o es ta do emo ci o nal do co ra ção de
nun cia até o as pec to do rosto das pes so as.
6) Em Hb. 10.22, a Bí blia diz que, de ve mos nos apro xi mar de Deus “com ver
da - de i ro co ra ção, em in te ira cer te za de fé; ten do o co ra ção pu ri fi ca do
da má cons ciên cia e o cor po la va do com água limpa”.

CONCLUSÃO : A pa la vra “co ra ção”, vem de uma raiz he bra i ca cha ma da


“lebh” ou “le babh”, que sig ni fi ca “cen tro”, e apa re ce cer ca de 820 ve zes na
Bí blia. Qu an do a Bí blia diz em Pv. 23.26: “Fi lho meu, dá-me o teu co ra ção”,
Deus está pe din do para ocu par o cen tro da nos sa vida.

Esbo ço 121 – Dia 30 de Abril


Tema: ESPERANÇA E CONFIANÇA DA JUVENTUDE Pois tu és a mi nha es
pe ran ça, Se nhor Deus, a mi nha con fi an ça des de a mi nha mo ci da de. SL.
71.5

INTRODUÇÃO : O Sal mo 71 re ve la a de cla ra ção de fé e es pe ran ça de um


an cião que ser via a Deus des de a sua mais ten ra ida de; e ago ra, de po is de
mu i tos anos, ele mos tra com mu ita con vic ção que o Se nhor ain da con ti nu
a va sen do a sua es pe ran ça e a sua ver da de i ra con fi an ça des de a sua mo
ci da de. Fe liz é o ho mem que teve o pri - vi lé gio de co nhe cer a Deus ainda
novo. As pes so as que ace i tam a Je sus já com a ida de avan ça da, des co brem
quan to tem po per de ram lon ge do Se nhor. Por isso, vale a pena o jo vem ser
vir a Deus des de a sua ju ven tu de. Alguns jo vens pen sam que, por se rem no
vos, pre ci sam cur ti rem a vida pri me i ro, para de po is se tor na rem cren tes
em Jesus; pelo con trá rio, estão é se es tra gan do nas dro gas, no al co o lis mo,
na pros - ti tu i ção, e em ou tros ti pos de ví ci os. Os jo vens que es tão servin
do ao Se nhor na Igre ja, é que es tão cur tin do a ver da de i ra vida, e des fru tan
do das bên çãos do Se nhor em suas vi das.

1. O SENHOR É A ESPERANÇA DA JUVENTUDE

1) A de cla ra ção des te an cião de que o Se nhor é a sua es pe ran ça, é um tes te
mu nho elo quen te para que a nos sa ju ven tu de de po si te toda a sua es pe ran
ça no Se nhor. De po si tando a sua es pe ran ça no Se nhor, o jo vem pode vis
lum brar um fu tu ro me - lhor (Pv. 23.18).

2) No SL. 39.7, Davi, que tam bém ser viu ao Se nhor des de a sua mo ci da de,
po dia di zer: “E eu, Se nhor, que es pe ro? Tu és a mi nha es pe ran ça”.
3) No SL. 146.5, o sal mis ta diz: “Bem-aven tu ra do aque le que tem o Deus de
Jacó por seu au xí lio, cuja es pe ran ça está no Se nhor, seu Deus”.
4) Em Jr. 17.7, está es cri to: “Ben di to o ho mem que con fia no Se nhor e cuja
es - pe ran ça é o Se nhor”.
5) Em 1Tm. 1.1, Pa u lo es cre ve ao jo vem Timó teo, e apre sen ta Cris to Je
sus, nos - sa Espe ran ça.

2. O SENHOR É A CONFIANÇA DA JUVENTUDE

1) O sal mis ta diz que o Se nhor é a sua espe ran ça, e tam bém a sua con fi an
ça. Con fi an ça e es pe ran ça an dam jun tas.
ver bo “es pe rar”. Já, a “con fi an ça”,
A “es pe ran ça” é uma pa la vra de ri va da do de ri va do ver bo “con fi ar”.
Assim, po de mos

di zer que, a es pe ran ça é irmã gê mea da con fi an ça. Pois, quem espe ra con
fia, e quem con fia es pe ra.

2) No SL. 32.10, Davi dis se: “Mu i to so fri men to terá de cur tir o ím pio, mas
o que con fia no Se nhor, a mi se ri cór dia o as sis ti rá”.
3) No SL. 37.5, Davi diz: “Entre ga o teu ca mi nho ao Se nhor, con fia Nele, e o
mais Ele fará”.
4) No SL. 40.1, Davi dis se: “Espe rei con fi an te men te pelo Se nhor; Ele se in
cli nou para mim e me ou viu quan do cla mei por so cor ro”. Davi, mais uma
vez ali ou a es pe rança com a con fi an ça no Se nhor, e o re sul ta do disso foi a
res posta do seu cla mor.
5) No SL. 125.1, está es cri to que: “Os que con fi am no Se nhor são como o
Mon te Sião, que não se aba la, fir me para sem pre”.

CONCLUSÃO : Os que de po si tam a sua es pe ran ça no Se nhor, te rão as


suas for ças re no va das (Is. 40.31), e os que de po si tam a sua con fi an ça no
Se nhor, en con tram a fe li ci da de (Pv.16.20).

Esbo ço 122 – Dia 01 de Maio


Tema: O PERFEITO JUIZ DO UNIVERSO Mas Deus é o Juiz; a um aba te e a
ou tro exal ta. SL. 75.7

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der que Deus é o
per fe i to Juiz do Univer so. Ele é Aque le que jul ga per fe i ta men te to das as
co i sas, e Nele não há in jus ti ça. Para to das as pes so as que se sentem in jus ti
ça das, a jus ti ça um dia será ple namen te sa tis fe i ta.Mais cedo ou mais tar de,
a jus ti ça tri un fa rá; pois, há um Jus to Juiz que do mi na o mundo com jus ti
ça, e go ver na os po vos com re ti dão.

1. DEUS É UM JUIZ JUSTO

1) A per fe i ção de Deus como Juiz do Uni ver so, está no fato de Ele ser um
Juiz Jus to. No SL. 89.14, está es cri to: “Jus ti ça e di re i to são o fun da men to
do teu tro no; gra ça e ver da de te pre ce dem”.

2) No SL. 11.7, está es cri to que: “O Se nhor é jus to, Ele ama a jus ti ça.”

3) Qu an do Deus jul ga al guém, Ele faz isso com co nhe ci men to de ca u sa,
pois, em Jr. 17.10, Ele mes mo diz: “Eu, o Se nhor, es qua dri nho o co ra ção, Eu
pro vo os pen sa men tos; e isto para dar a cada um se gun do o seu pro ce der, se
gun do o fru to das suas ações”. A Psi co lo gia de Deus, é cor re ta no jul ga men
to.

4) Como Perfe i to Juiz, o Se nhor abateu o arro gan te Hamã, e exal tou o hu mil
de Mar do queu (Et. 6.1-13).
5) No SL. 9.8, está es cri to que: “Ele mesmo jul ga o mundo com jus ti ça; admi
nis - tra os po vos com re ti dão”.
2. DEUS É O JUIZ DE TODA A TERRA

1) Deus é o Juiz de toda a ter ra, e Ele não erra no jul ga men to. Pois, em Gn.
18.25, Abraão lhe fez uma per gun ta: “Não fará jus ti ça o Juiz de toda a terra?”
A res pos ta é ób via. Ele é o Per fe i to Juiz do Univer so, e ja ma is co me te in
jus ti - ça.

2) No SL. 9.7, está es cri to que: “O Se nhor per ma ne ce no seu tro no eter na
men te, tro no que eri giu para jul gar”.
3) No SL. 98.9, está es cri to que, o Se nhor vem para jul gar a ter ra; jul ga rá o
mun do com jus ti ça e os po vos, com equida de.
4) Em Is. 33.22, está es cri to que: “O Se nhor é o nos so Juiz, o Se nhor é o nos
so le gis la dor, o Senhor é o nos so Rei; Ele nos sal va rá”.
5) Em Tg. 2.13, está escri to que: “ O ju í zo é sem mi se ri cór dia para com
aque le que não usou de mi se ri cór dia. A mi se ri cór dia tri un fa so bre o ju í
zo”.

CONCLUSÃO: Te mos a cer te za que o nos so Deus é um Juiz per fe i to, e ja


ma is co - me te in jus ti ça, pois, o Todo-Po de ro so não per ver te o di re i to, e
nem co me te in jus ti - ça. “O Se nhor jul ga rá o seu povo” (Hb. 10.30).
Esbo ço 123 – Dia 02 de Maio
Tema: SOL E ESCUDO – DUAS METÁFORAS DE DEUS Por que o Se nhor
Deus é sol e es cu do; o Se nhor dá gra ça e gló ria; ne nhum bem so ne ga aosque
an dam re ta men te. SL. 84.11

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, o sal mis ta usa duas me tá fo ras im
por tan tes para ilus trar al gu mas ver da des im por tantes acer ca do Se nhor,
Nos so Deus: Sol e Escu do. O Sol re ve la a gran de za e so be ra nia de Deus, e
o Escu do, re ve la a sua pro - te ção e se gu ran ça.

1. O SOL REVELA A GRANDEZA E SOBERANIA DE DEUS

1) O sol é o grande lu ze i ro da ter ra. O sol é cer ca de 109 ve zes ma i or do


que a ter ra. O sol pos sui luz pró pria e to dos os pla ne tas da nos sa Ga lá xia
giram em tor no do seu eixo. O sol é de cer ta for ma o “as tro rei”.

2) O sol é o sím bo lo do resplen dor e da gló ria de Deus. Mu i tos po vos, na


sua ig - no rân cia ado ra vam o sol. No Egi to che gou a exis tir, nos dias do Fa
raó Ake na - ton, a “reli gião do sol”. O sol é apenas um símbo lo que ilus tra a
grande za e so be ra nia Di vi na. O sol é cri a ção de Deus (SL. 136.8; 148.3 e
Mt. 5.45).

3) O tex to do SL. 84.11, não diz que “Deus é o sol”; mas sim, “Deus é sol.. ”. A
águia tam bém é um símbo lo de Deus (Dt. 32.11). Entre tan to, Deus não é a
águia.

4) O sol re ve la as se guin tes ver da des acer ca de Deus: 1º)-Deus é o Gran de


Rei da ter ra (Jr. 10.10); 2º) Deus é ma i or do que to dos os de u ses (SL. 136.2 e
Is. 40.25); 3º) Deus pos sui luz pró pria, e nin guém é ca paz de con tem plá-lo
no seu resplen dor (Is. 60.19-20 e 1Tm. 6.16); 4º)

5) Deus é So be ra no e to das as co i sas giram em tor no de sua so be ra na von


ta de (Rm. 8.28 e Fp. 2.13).
2. O ESCUDO REVELA A PROTEÇÃO E SEGURANÇA DIVINA

1) O Escu do, era uma po de ro sa arma de de fe sa usa da pe los sol da dos, para
se de fen de rem dos gol pes do ini mi go. Em Gn. 15.1, tal vez te me ro so de
uma re - pre sá lia por par te dos inimi gos, após ven cer uma gran de ba ta lha
(Gn. 14.14-17), O Se nhor con for tou a Abraão, di zen do: “Eu sou o teu Escu
do”.
2) Em Dt. 33.29, está es cri to: “Fe liz és tu, ó Isra el! Quem é como tu? Povo sal
vo pelo Se nhor, Escu do que te so cor re, Espa da que te dá al te za. Assim, os
teus ini mi gos te serão su je i tos, e tu pi sa rás os seus al tos”.

3) Em 2Sm. 22.2-3, Davi diz: “O Se nhor é a mi nha ro cha, a mi nha ci da de la,


o meu li ber ta dor; o meu Deus, o meu ro che do em que me re fú gio; o meu
Escu - do, a for ça da mi nha sal va ção, o meu ba lu ar te e o meu re fú gio. Ó
Deus, da vi - o lên cia tu me sal vas”.

4) Em Ef. 6.16, Pa u lo diz que, de ve mos “em bra çar sem pre o Escu do da fé,
com o qual po de is apa gar to dos os dar dos in fla ma dos do Ma lig no”.
CONCLUSÃO: O Se nhor, Nos so Deus é o Sol da Jus ti ça que ilu mi na as nos
sas vi das (ML. 4.2); e o Escu do Sal va dor do seu povo (SL. 144.2).

Esbo ço 124 – Dia 03 de Maio Tema: UM QUARTETO DIVINO Encontra ram-


se a gra ça e a ver da de, a jus ti ça e a paz se be i ja ram. SL. 85.10

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der ra vi lho so en
tre qua tro gran des vir tu des es pi ri tua is: Gra ça, Esse Qu ar te to Di vi no só
se en con tra na Pes soa de Je sus Cris to. Nele, a Gra ça, a Ver da de, a Jus ti ça,
e a Paz se re a li zam e se com ple tam.

1. GRAÇA

1) Gra ça, é um fa vor ime re ci do. Gra ça, é Deus nos aman do sem me re cer
mos ser ama dos. Gra ça, é al can çar mos o fa vor Di vi no sem me re ci men to.
2) De acor do com Gn. 6.8, Noé al can çou gra ça aos olhos do Se nhor, em meio
ao juí zo Di vi no.
3) De acor do com Jo. 1.16, nós re ce be mos da ple ni tu de de Je sus e gra ça so
bre gra ça.

4) De acor do com Rm. 5.20: “Onde abun dou o peca do, supe ra bun dou a gra
ça”. 5) Em Ef. 2.8, está escri to que: “Pela gra ça sois sal vos”.
2. VERDADE

1) Ver da de, é a exa ti dão dos fa tos. Ver da de, é a re a li da de sem más ca ra.
Ver da - de, é a au sên cia do fin gi men to e do en ga no.
2) De acor do com Dt. 32.4, Deus é a Ver da de.
3) De acor do com Jo. 14.6, Je sus é a Ver da de.
4) De acor do com Jo. 14.17, o Espí ri to San to é a Ver da de.
5) De acor do com Jo. 17.17, Pa la vra de Deus é a Ver da de.

3. JUSTIÇA

1) Jus ti ça, é tudo aqui lo que é reto, cor re to, jus to e di re i to. Jus ti ça, é a vir
tu de mo ral que ins pi ra o re co nhe ci men to do di re i to dos ou tros, e faz dar
a cada um o que é seu.

2) De acor do com o SL. 11.7, o Se nhor é Jus to, e Ele ama a jus ti ça.
3) De acor do com 1Co. 1.30, Je sus se tor nou da par te de Deus, a nos sa jus ti
ça.
4) De acor do com Is. 4.4, o Espí ri to San to é tam bém o Espí ri to de Jus ti ça.
5) De acor do com Ap. 19.8, a Igre ja glo ri o sa está vesti da de jus ti ça.

4. PAZ

1) Paz, é si nô ni mo de tran qui li dade e har mô nia no re la ci o na mento com


Deus e com as de ma is pes so as. Paz, é bem-es tar e êxi to em to das as áre as
da vida.
2) De acor do com Is. 9.6, Je sus é o Prín ci pe da Paz.
3) De acor do com Jo. 14.27, Ele nos de i xou a sua Paz como um le ga do.
4) De acor do com 1Co. 14.33, o Nos so Deus é um Deus de Paz.
5) De acor do com Ef. 4.3, o Espíri to San to é um Espí ri to de Paz.

CONCLUSÃO : Nós já apren de mos que, a Gra ça, a Ver da de, a Justi ça e a
Paz se en - con tram de for ma abundan te na Pes soa do Pai, do Fi lho e do Espí
ri to San to; e, de - se ja mos um dia que este Qu ar te to Di vi no se en con trem
de for ma har mo ni osa e abun dan te em cada co ra ção.
so bre um en con tro ma - Ver da de, Jus tiça e Paz.

Esbo ço 125 – Dia 04 de Maio


Tema: A BELEZA DE DEUS
Ado rai o Se nhor na be le za da sua san ti da de; tre mei di an te dele, to das as
ter ras. SL. 96.9

INTRODUÇÃO : A be le za pode ser de fi ni da como, tudo aquilo que é belo e


agra dá vel con tem plar. Exis tem mu i tas co i sas be las nes te mun do, e que
des per ta a con tem plação dos olhos. Falase mu ito da be le za hu ma na, be le
za ar quite tô nica, e a pró pria be le za da na tu re za. Po rém, nada dis so pode
ser com pa ra do com a Be le za de Deus.
1. COISAS QUE RETRATAM A BELEZA DE DEUS

1) Uma das coi sas ma te ri a is que mais en che os olhos hu ma nos, por ca u sa
de seu bri lho, sua be le za e seu va lor, são as pe dras pre ci o sas. Para descre
ver a Be le za de Deus, os es cri tores sa gra dos uti li za ram o sím bo lo das pe
dras pre ci osas para re tra tar a Be le za Di vi na.

2) Mo i sés des cre veu o pa vi men to do Tro no mó vel de Deus no Mon te Si


nai, como “Pa vi men ta ção de pe dra de sa fi ra, que se pa re cia com o céu na
sua cla - ri da de” (Êx.24.10).

3) O pro fe ta Eze qui el, da mes ma for ma des cre veu a Be le za da Gló ria Di
vi nacomo a Sa fi ra e como o me tal pre ci o so (Ez. 1.26-27).

4) João des cre veu o as pec to de sua pre sen ça como “Pe dra de jas pe e de sar
dô - nio,e, ao re dor do tro no, há um arco-iris se me lhan te, no as pec to, a es
me ral da” (Ap. 4.3).

2. O ORNAMENTO DA BELEZA DE DEUS


1) Ao des cre ver o Ma jes to so e Belo or na men to de Deus, o pro fe ta Isa ías
diz que: “As abas de suas ves tes en chi am o tem plo” (Is. 6.1).

2) Ao con tem plar o Cris to glo ri fi cado, João afir ma que Ele es ta va ves ti do
com “Ves tes ta la res e cin gi do á al tu ra do pe i to, com um cin to de ouro”
(Ap. 1.12-16).

3) Ao descre ver o Rei Glo ri o so, o sal mista afirma que Ele é o mais formo so
dos fi lhos dos ho mens (SL. 45.2).
4) No SL. 27.4, está es cri to: “Uma co i sa peço ao Se nhor, e a bus ca rei: que
eu pos sa mo rar na Casa do Se nhor to dos os dias da mi nha vida, para con tem
plar a be le za do Se nhor e me di tar no seu Templo”.

CONCLUSÃO : De ve mos ado rar ao Se nhor por sua Gran de Be le za, por
sua Gran de Ma jes ta de, e por sua San ti da de. Pois, no SL.104.1-2, está escri
to que, o Se nhor é “Mag ni ficen te: So bre ves tido de Gló ria e Ma jes ta de, co
ber to de luz como de um man to”. Gló ri as ao Deus Todo-Pode ro so e Magni fi
cen tís si mo!

Esbo ço 126 – Dia 05 de Maio


Tema: RENOVADOS COMO ÁGUIAS
Ele é quem per doa to das as tuas ini qui da des; quem sara to das as tuas en fer
mi da des; quem da cova re di me a tua vida e te co roa de gra ça e mi se ri cór
dia; quem far ta de bens a tua ve lhi ce, de sor te que a tua mo ci da de se re no
va como a da águia. SL. 103.3-5

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, a Pa la vra de Deus usa o pro ces so
de re no va ção da águia como um símbo lo de uma vida lon ga e re no va da. O
nosso Deus re no va as nos sas for ças, tan to fí si cas, como es pi ri tu a is. Ele re
no va os nos sos dias como dan tes.

1. O EXEMPLO DA RENOVAÇÃO DA ÁGUIA

1) No SL. 103.5, o sal mis ta diz que a nos sa mo ci da de “se re no va como a da


águia”.
2) Em Is. 40.31, o pro fe ta afir ma que: “Os que espe ram no Se nhor re no vam
as suas for ças, so bem com asas como águi as, cor rem e não se can sam, cami
nham e não se fa ti gam”.
3) A águia é a ave que pos sui ma i or lon ge vi da de da espé cie, che gan do a vi
ver 70 anos. Mas, para che gar a essa ida de, aos 40 anos ela tem que to mar uma
sé ria e di fí cil de ci são. Aos 40 anos, ela está com as unhas com pri das e flexí
ve is, não con se gue mais agar rar suas pre sas das qua is se ali men ta. O bico
alon ga do e pon ti a gu do se cur va. Apon tan do con tra o pe i to es tão as asas,
en ve lhe ci das e pe sa das em fun ção da gros su ra das pe nas. E, voar já não é
tão fá cil! Então, a águia só tem duasal ter na ti vas: Mor rer ou en fren tar um do
lo ro so pro ces so de re no va ção que irá du rar cer ca de 150 dias. Esse pro ces
so con siste em voar para o alto de uma mon ta nha e se re co lher em um ninho
pró xi mo a um pa re - dão onde ela não ne ces si ta voar. Então, após en con trar
esse lugar, a águia co me ça a ba ter com o bico em uma pa re de ro cho sa até
conse guir arran cá-lo. Após ar ran cá-lo, espe ra nas cer um novo bico, com o
qual vai de po is ar ran car suas unhas. Qu an do as no vas unhas co me çam a
nas cer, ela pas sa a ar ran car as ve lhas pe nas. E, só 5 me ses de po is, sai o for
mo so vôo de re no va ção e para vi ver en tão mais 30 anos.
4) Em Jó 39.27-29, a Bí blia des cre ve a in te li gên cia da águia em cons tru ir o
seu ni nho em lu gares al tos e se gu ros; e, exal ta a sua vi são ex tra or di ná ria.

2. A RENOVAÇÃO DO CRENTE ÁGUIA

1) Assim como a águia, o Cris tão pre ci sa também de re no va ção. Há épo cas
que nos tor na mos fri os, apá ti cos e in su por táve is, em casa, na igre ja, no tra
balho e nas de ma is ati vida des so ci a is. Já não nos ali men ta mos da pa la vra
como fa - zía mos an tes e pre ci samos ur gen tede uma re ci cla gem es pi ri tu
al. Esse é o me lhor mo men to para fa zer mos uma auto-avali a ção de nossas vi
das, e, como a águia, de ve mos nos sub me ter mos ao pro ces so de re no va ção
es pi ri tu al de nos sas vidas, ra lan do a nos sa boca na “Ro cha Eterna” (Is.
26.4), nos hu mi lhan do na pre sen ça do Se nhor, e, só as sim, as pes so as no ta
rão que es ta mos di fe ren tes, as sim como a águia re no va da é no ta da pe las
de ma is águi as.

2) A re no va ção do bico da águia, fala da re no va ção do nosso ape ti te pela Pa


la - vra (Jr. 15.16).
3) A re no va ção das pe nas da águia, fala do nosso re ves ti men to do Se nhor
Je sus Cris to. “Mas re ves ti-vos do Se nhor Je sus Cris to” (Rm. 13.14), como
tam bém fala do des po ja men to do ve lho ho mem e da re no va ção do novo ho
mem, con - for me está escri to em Ef. 4.22-24: “No senti do de que , quan to ao
tra to pas sa - do, vos despo je is do ve lho ho mem. .e vos re no ve is no es pí ri
to do vos so en ten di men to, e vos re vis ta is do novo ho mem, cri a do se gun
do Deus, em jus ti - ça e re ti dão pro ce den tes da ver da de.”
4) Em Lm. 5.21, O pro fe ta Je re mi as orou tam bém por re no va ção es pi ri
tual, di zen do: “Con verte-nos a ti, Se nhor, e se re mos con ver ti dos; re no va
os nos sos dias como dan tes”.

CONCLUSÃO : Apren de mos atra vés do pro ces so de re no va ção da águia,


que, o Se - nhor está pron to a re no var, tan to as nos sas for ças fí si cas, como
tam bém, as nos sas for ças es pi ri tu a is. O Se nhor “Faz for te ao can sa do e
mul ti plica as for ças ao que não tem ne nhum vi gor” (Is. 40.29). Ale lu ia!

Esbo ço 127 – Dia 06 de Maio


Tema: NÃO HÁ PORTA QUE DEUS NÃO ABRA

Ren dam gra ças ao Senhor por sua bon da de e por suas ma ra vi lhas para com
os fi lhos dos ho mens! Pois ar rom bou as por tas de bron ze e que brou as tran
cas de fer ro. SL. 107.15-16

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés deste tex to sa gra do, que, não
existe por ta fe cha da que o nosso Deus não pos sa abrir. O nor mal é que uma
por ta se abra com a cha ve. Po rém, exis tem por tas com a fe cha du ra tão dura,
e o ca de a do tão en - fer ru ja do, que, nem a cha ve mo lha da com óleo de pe
ro ba con se gue abrir. É nes ta hora que o ca de a do pre ci sa ser que bra do, e a
fe cha du ra rom pi da para que a por ta se abra. Qu an do o Se nhor quer, por tas
de bron ze se abrem au to ma ti ca men te (At.12.10). Po rém, o Se nhor tam bém
ar rom ba as por tas de bron ze e que bra as tran cas de fer ro, quan do for ne ces
sá rio.

1. DEUS ABRE PORTAS FECHADAS

1) O SL. 107.16, o sal mis ta afir ma que, Deus “ar rom bou as por tas de bron ze
e que brou as tran cas de fer ros”. O meio le gal de se abrir uma por ta, é, atra vés
das cha ves. Po rém, exis te por tas, cuja fe cha du ra se en con tra tão en fer ru ja
da, que, é ne ces sá rio ar rom bar as por tas. O nos so Deus faz isso por nós.

2) Em Is. 45.2-3, O Se nhor faz uma pro mes sa, di zen do: “Eu irei adi an te de
ti, en di re i ta rei os ca mi nhos tor tu o sos, que bra rei as por tas de bron ze e
des pe da - ça rei as tran cas de fer ro; dar-te-ei os te sou ros es con di dos e as ri
que zas en co ber tas, para que sa i bas que Eu Sou o Se nhor, o Deus de Isra el,
que te cha ma pelo teu nome”.

3) Em Mt. 16.18, Je sus disse que, as por tas do in fer no não pre va le ce rão con
tra a sua Igre ja.
4) No SL. 118.19, está es cri to que, o Se nhor abre as por tas da jus ti ça.
5) Em 1Co. 16.9, o Se nhor abriu uma por ta gran de e efi caz para Pa u lo.

2. DEUS TEM A CHAVE DE TODAS AS PORTAS

1) Em Ap. 3.7, está escri to que, o Se nhor tem a cha ve de Davi, “que abre, e nin
- guém fe cha rá, e que fe cha, e nin guém abri rá”.
2) Em At. 14.27, Deus abriu a por ta da fé aos gen ti os.

3) Em Ap. 3.8, Deus co lo cou di an te da Igre ja uma por ta aber ta, a qual nin
guém pode fe char.
4) Em CL. 4.3, é Deus que abre a por ta da Pa la vra.

5) Em Jo. 10.7, está es cri to que, o Se nhor mes mo é a Por ta.

CONCLUSÃO : De ve mos ter a cer te za que, o Se nhor tem a cha ve que abre
to das as por tas; e, ain da que não exis ta uma por ta, Ele mesmo abre uma por
ta, mes mo onde não tem por ta (SL. 118.20).

Esbo ço 128 – Dia 07 de Maio


Tema: ERGUIDO POR DEUS DO PÓ PARA O PODIUM

Quem há se me lhan te ao Se nhor, nos so Deus, cujo trono está nas al tu ras, que
se in cli na para ver o que se pas sa no céu e so bre a ter ra? Ele er gue do pó o
des va li do e do mon tu ro, o ne ces si ta do, para o as sen tar ao lado dos prín ci
pes, sim, com os prín ci pes do seu povo. SL. 113.5-8

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés deste tex to sa gra do, que, o
nos so Deus é es pe ci a lis ta em exal tar o hu mil de, e er guer o po bre do pó
para um lugar de hon ra en tre o seu povo. Deus tira do tro no os po de ro sos e
ele va os hu mil des. Deus hu mi lha os sober bos, e hon ra os hu mil des, Deus
aba te os arro gan tes, e exal ta os des pre za dos. Deus le van ta o que se en con
tra pros tra do, e o co lo ca de pé na sua pre - sen ça.

1. OS GRANDES HOMENS DE DEUS FORAM ERGUIDOS DOS LUGARES


MAIS DESPREZÍVEIS AOS OLHOS HUMANOS

1) Eli as, o mais elo quen te pro fe ta he breu de Tis be (2Rs. 1.8).
2) Me fi bo se te, foi er gui do da des pre zí vel na mesa do rei e mo rar jun to ao
pa lá cio do rei em Je ru sa lém (2Sm. 9.1-13).
3) Davi, o ma i or rei de Isra el, era ori un do da pe que na al de ia de Be lém
(1Sm. 16.1-18).

4) Je sus Cris to, o Rei dos Reis, tam bém nas ceu na pe que na ci da de de Be
lém, e foi cri ado na des pre zí vel e dis cri mi na da ci da de de Na za ré (Lc.
2.11 e Jo. 1.45-46).
era ori un do da des co nhe ci da ci da de

ci da de de Lo-De bar para se as sen tar


2. HOMENS E MULHERES FORAM ERGUIDOS POR DEUS DO PÓ PARA
O TRONO 1) José foi ergui do da prisão para go ver nar o Egi to (Gn. 41.14-41).
2) Davi foi er gui do de de trás do cur ral das ove lhas para o tro no de Isra el
(2Sm.

7.8-9).
3) Ester foi er gui da da con di ção de exi la da á ra i nha da Pérsia (Et. 2.1-17).

4) Mar do queu foi er gui do do pó da cal ça da do pa lá cio de Assu e ro para ser


o ho - mem mais hon ra do da Pér sia, de po is do rei Assu e ro (Et. 10.1-3).
CONCLUSÃO : O nosso Deus é Aquele que não faz acep ção de pesso as.
“Pelo con - trá rio, Deus es co lheu as co i sas loucas do mun do para en ver go
nhar os sá bi os e es co lheu as co i sas fra cas do mun do para en ver go nhar as
for tes; e Deus es co lheu as co i sas hu mil des do mun do, e as des pre za das, e
aque las que não são, para re du zir a nada as que são; a fim de que nin guém se
van glo rie na pre sen ça de Deus” (1Co. 1.26-29).

Esbo ço 129 – Dia 08 de Maio


Tema: AS PORTAS DA VITÓRIA

Abri-me as por tas da jus ti ça; en tra rei por elas e ren de rei gra ças ao Senhor.
Esta é a por ta do Se nhor; por ela en tra rão os jus tos. SL. 118.19-20

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés deste tex to sa gra do, que, o
nos so Deus é quem abre as por tas da vi tó ria que ne ces si ta mos. Ele abre por
ta onde não tem por ta, e cria cami nho onde não exis tem ca mi nho. Ele é o que
cria cami nho no meio do mar, e cons trói es tra da no meio do rio para o seu
povo pas sar.

1. DEUS ABRE MUITAS PORTAS DE VITÓRIA PARA O SEU POVO

1) Ele abre as Por tas da Jus ti ça (SL. 118.19).


2) Ele abre as Por tas da Ri que za (Is. 60.11).
3) Ele abre as Por tas do Lou vor (Is. 60.18).
4) Ele abre a Por ta da Espe ran ça (Os. 2.15).
5) Ele abre a Por ta das Ove lhas (Jo. 10.7).
6) Ele abre a Por ta da Sal va ção (Jo. 10.9)
7) Ele abre a Por ta da Fé (At. 14.27).
8) Ele abre uma Por ta Gran de e Eficaz (1Co. 16.9).
9. Ele abre a Por ta da Evan ge li za ção (2Co. 2.12).
10. Ele abre a Por ta da Pa la vra (CL. 4.3).
11. Ele abre a Por ta que nin guém pode fe char (Ap. 3.8).
12. Ele abre a Por ta do Céu (Ap. 4.1).

CONCLUSÃO : O Nos so Deus tem a chave que abre to das as Portas da Vi tó


ria. E, mes mo em meio às gran des difi cul da des, Ele sempre tem uma Por ta
de Esca pe e uma sa í da de eme gên cia (Jz. 15.18-19).

Esbo ço 130 – Dia 09 de Maio


Tema: OS SETE SÍMBOLOS DA PALAVRA DE DEUS Lâm pa da para os
meus pés é a tua pa la vra e luz, para os meus ca mi nhos. SL. 119.105

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés des te tex to sa gra do, que, a
Pa la vra de Deus pos sui di ver sos sím bo los que ilus tram o seu grande va lor
para as nos sas vi das. A Pa la vra de Deus é Lâm pa da, Luz, Pão, Escu do,
Fogo, Espa da, e Água. A Pa la vra de Deus é Lâm pa da que cla re ia; é Luz que
ilu mi na; é Pão que ali men ta; é Escu do que pro te ge; é Fogo que arde; é Espa
da que cor ta; e é Água que be be mos.

1. A PALAVRA DE DEUS É LÂMPADA

1) A “lâm pa da” é símbo lo de vida e de cla re za. Como “lâm pa da”, a Pa la vra
de Deus ilumi na os nos sos pés para não tro pe çar mos (SL. 119.105).
2) Em Pv. 6.23, Sa lo mão afir ma que: “O man da men to é lâm pa da, e a instru
ção, luz”.
3) Em Êx. 27.20, está es cri to que, a lâm pa da de ve ria per ma ne cer ace sa
con ti nu a - men te.

4) Em 2Sm. 22.29, Davi dis se: “Tu, Se nhor, és a mi nha Lâmpa da; o Se nhor
derra ma luz nas mi nhas tre vas”.
2. A PALAVRA DE DEUS É LUZ
1) A Pa la vra de Deus é luz que ilu mi na as nos sas vidas. A Pa la vra de Deus é
luz que ilu mi na os nos sos ca mi nhos (SL. 119.105).

2) Pe dro afir ma que a Pa la vra de Deus é uma Can de ia que brilha em lu gar te
ne - bro so (2Pd. 1.19).
3) Em Jo.1.5, está es cri to que: “A luz res plan de ce nas tre vas, e as tre vas não
pre - va le ce ram con tra ela”.
4) Em Jo. 8.12, o pró prio Je sus dis se: “Eu Sou a Luz do mun do; quem me se
gue não an da rá nas tre vas; pelo con trá rio, terá a luz da vida”.

3. A PALAVRA DE DEUS É PÃO


1) O pão é um ali men to uni ver sal. A Pa la vra de Deus é o ver da de i ro ali
men to do ho mem (Mt. 4.4).

2) A Pa la vra de Deus é tri go puro e sem mis tu ra (Jr. 23.28).


3) Em Jr. 15.16, o pro fe ta disse: “Acha das as tuas pa la vras, logo as comi; as
tuas pa la vras me fo ram gozo e ale gria para o co ra ção, pois pelo teu Nome
sou cha - ma do, ó Se nhor, Deus dos Exér ci tos”.
4) Em Jo. 6.48, o pró prio Je sus dis se: “Eu Sou o Pão da Vida”.
4. A PALAVRA DE DEUS É ESCUDO

1) O es cu do é a arma de de fe sa do sol da do. A Pa la vra de Deus é Escu do


que pro - te ge as nos sas vi das (Pv. 30.5).
2) Em Ef. 6.16, Pa u lo diz que de ve mos em bra çar “sem pre o es cu do da fé,
com o qual po de is apa gar to dos os dar dos in fla ma dos do Ma lig no.”
3) Em 2Sm. 22.31, está es cri to que: “O ca mi nho de Deus é per fe i to; a pa la
vra do Se nhor é pro va da; Ele é escu do para to dos os que Nele se re fu gi am”.
4) Em Gn. 15.1, o pró prio Se nhor dis se a Abraão: “Eu Sou o teu Escudo”.

5. A PALAVRA DE DEUS É FOGO

1) O fogo arde e que i ma tudo aqui lo que não presta. A Pa la vra de Deus é fogo
que arde em nos sos co ra ções e que i ma o pe ca do de nos sas vi das (Jr. 23.29
e Is. 6.6-7).

2) O Pro fe ta Je re mi as afir ma que, a Pa la vra de Deus foi como um fogo ar


den te em seu co ra ção (Jr. 20.9).
3) Em Jr. 5.14, o Se nhor pro me teu con ver ter em fogo as suas pa la vras na
boca do pro fe ta Je re mi as.
4) No SL. 39.3, está es cri to: “Esbra se ou-me no pe i to o co ra ção; en quan to
eu me - di ta va, ate ou-se o fogo”.

6. A PALAVRA DE DEUS É ESPADA


1) A es pa da, era a arma mais po de ro sa do sol da do na an ti gui da de, e a
mais te - mi da pelo ini mi go. A Pa la vra de Deus é a “Espa da do Espíri to”
(Ef. 6.17).

2) Em 2Co. 6.7, Pa u lo afir ma que de ve mos nos equi par: “Na pa la vra da ver
da - de, no po der de Deus, pe las ar mas da jus ti ça, quer ofen si vas, quer de
fen si vas”.

3) Em Hb. 4.12, está escri to: “Por que a pa la vra de Deus é viva, e eficaz, e
mais cor tan te do que qual quer es pa da de dois gu mes, e pe ne tra até ao pon
to de di - vi dir alma e es pí ri to, jun tas e me du las, e é apta para dis cer nir os
pen sa men - tos e pro pó sitos do co ra ção”.

4) Em Ap. 19.15, João con tem plou uma es pa da afi a da sa in do da boca do


Rei dos reis e Se nhor dos se nho res. É a po de ro sa Espa da do Espí ri to que
sai da boca de Nos so Se nhor Je sus Cris to.
7. A PALAVRA DE DEUS É ÁGUA
1) A água é uma subs tân cia vi tal para a so bre vi vên cia do ho mem. A Pa la
vra de Deus é essen ci al para a so bre vi vên cia da alma (SL. 119.25).

2) Em Ez. 36.25, o Se nhor diz: “Então, as per gi rei água pura so bre vós, e fi ca
re is pu ri fi ca dos; de to das as vos sas imun dí ci as e de to dos os vos sos ído
los vos pu ri fi carei”.

3) A Pa la vra de Deus é a água que puri fi ca, lava, e san ti fi ca a nos sa alma
(Ef. 5.25-27).
4) Je sus dis se: “Vós, já es ta is lim pos pela pala vra que vos tenho fala do” (Jo.
15.3).

CONCLUSÃO : A Pa la vra de Deus é Lâm pa da que ilu mi na os nos sos ca mi


nhos, é Luz que bri lha em lu gar es cu ro, é Pão que ali men ta a nos sa alma, é
Escu do que pro te ge as nos sas vi das, é Fogo que nos puri fi ca do pe ca do, é
Espa da que gol pe ia o Ini - mi go, e é Água que sa cia a nos sa sede e lim pa os
nos sos cora ções.

Esbo ço 131 – Dia 10 de Maio


Tema: O GUARDA FIEL DO SEU POVO

É cer to que não dor mi ta, nem dor me o guar da de Isra el. O Se nhor é quem te
guar da; o Se nhor é a tua som bra à tua di re i ta. De dia não te mo les ta rá o sol,
nem de no i te, à lua. O Se nhor te guar da rá de todo mal; guar da rá a tua alma.
O Se nhor guar da rá a tua sa í da e a tua en tra da, des de a gora e para sempre.
SL. 121.4-8

INTRODUÇÃO : Este tex tosa gra do não de i xa ne nhuma som bra de dú vi


da, de que o Se nhor é o Gu ar da Fiel do seu povo; e, Aque le que vela dia e no i
te pe las nos sas vi - das. Se o Se nhor não guar dar a ci da de, em vão vi gia o
sen ti ne la. To dos os sen ti ne - las e guar das no tur nos po dem co chi lar ou
dor mir; po rém, o nos so Deus não co chi la e nem dor me. Ele nos vigia e nos
pro te ge de dia e de no i te.

1. O SENHOR É O GUARDA QUE NÃO DORME

1) A ma i o ria dos guardas no tur nos, ou dor mem, ou pelo me nos co chi lam
em de - ter mi na do pe ríodo da no i te. E, até mes mo os guar das di u tur nos po
dem fi car dis tra í dos ou de sa per ce bi dos em de ter mi na dos mo men tos. Po
rém, o Nos so Deus é o Gu ar da Fiel que não dor me, não co chi la, e nem se
distrai. Ele está sem pre atento a tudo o que aconte ce em vol ta do mun do inte i
ro (SL. 121.1-8).

2) No SL. 127.1, está es cri to que: “Se o Se nhor não edifi car a casa, em vão tra
ba lham os que a edi fi cam; se o Se nhor não guar dar a ci da de, em vão vi gia a
sen - ti ne la”.

3) Em Is. 27.2-3, o Gu ar da Fiel faz uma pro mes sa ao seu povo, di zen do: “Na
que - le dia, dirá o Senhor: Can tai a vi nha de li ci o sa! Eu, o Se nhor, a vi gio e
a cada mo men to a re ga rei; para que nin guém lhe faça dano, de no i te e de dia
Eu cu i - da rei dela”.

4) Em 2Ts. 3.2, está es cri to que: “O Se nhor é Fiel; Ele vos con fir ma rá e guar
da rá do Ma lig no”.
2. O SENHOR É O GUARDA PERFEITO

1) Por mais que os ho mens re for cem a sua segu ran ça, ela aca ba fa lhan do
em deter mi na dos mo mentos. Po rém, a se gu ran ça do nos so Deus não fa lha
(SL. 91.7).

2) No SL. 91.10, está es cri to que: “Ne nhum mal te su ce de rá, pra ga ne nhu
ma che ga rá à tua ten da”.

3) Em 1Jo. 5.18, está escri to que: “Aque le que nas ceu de Deus o guar da, e o
Ma lig no não lhe toca”.
4) Em Lc. 21.17, Je sus pro me teu que: “Não se per de rá um só fio de ca be lo
da vos sa ca be ça”. So men te o Se nhor pode ofe re cer se gu ran ça per fe i ta.

CONCLUSÃO : De ve mos ter a cer te za de que a se gu ran ça de Deus é per fe


i ta, e não fa lha; pois, “O anjo do Se nhor acampa-se ao re dor dos que o te mem
e os li - vra” (SL. 34.7).

Esbo ço 132 – Dia 11 de Maio


Tema: CONFIANÇA INABALÁVEL

Os que con fi am no Se nhor são como o mon te Sião, que não se aba la, fir me
para sem pre. SL. 125.1

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der que, a fir me za
e a se gu - ran ça da Ci da de San ta ins pi rou o sal mis ta a can tar so bre a eter
na con fi an ça do cren te no Se nhor.

1. A CONFIANÇA EM DEUS CRIA UMA FIRMEZA INABALÁVEL NA


VIDA DO CRENTE

1) A for ta le za de Sião se en con tra va na par te ori en tal de Je ru sa lém, e era


a par - te mais for ti fi ca da da ci da de. Davi só con se guiu con quis tar a for ta
le za de Sião, cer ca de 400 anos após a con quis ta de Ca naã pe los fi lhos de
Isra el (2Sm. 5.6-7).

2) A for ta le za de Sião ga ran tiu a se gu ran ça dos je bu se us por cen te nas de


anos. A con fi an ça do cren te no Se nhor ga ran te a sua se gu ran ça eter na
(SL. 125.1 e GL. 4.26).

3) Em PV. 18.10, está escri to que: “Tor re For te é o Nome do Se nhor, à qual o
jus - to se aco lhe e está se gu ro”.
4) Em Is. 26.4, está es cri to: “Con fi ai no Se nhor per pe tu a men te, por que o
Se - nhor Deus é uma Ro cha Eter na”.

2. A CONFIANÇA NO SENHOR OFERECE SEGURANÇA INABALÁVEL


NA VIDA DO CRENTE

1) No SL. 23.4, Davi es ban jou uma con fi an ça ina ba lá vel no Se nhor, di zen
do: “Ain da que eu ande pelo vale da som bra da mor te, não te me rei mal ne
nhum, por que Tu es tás co mi go; o teu bor dão e o teu ca ja do me con so lam”.

2) No SL. 27.1, Davi mais uma vez mos trou ex tre ma con fi an ça no Se nhor,
dizen do: “O Se nhor é a mi nha luz e a minha sal va ção; de quem te rei medo?
O Se nhor é a for ta le za da mi nha vida; a quem te me rei? Qu an do mal fe i to
resme so bre vêm para me des tru ir, meus opres so res e ini mi gos, eles é que
tro pe çam e caem. Ain da que um exér ci to se acam pe con tra mim, não se ate
mo ri za rá o meu co ra ção; e, se es tou rar con tra mim a guer ra, ain da as sim
te rei con fi an ça”. Gló ri as a Deus! Isso é uma con fi an ça ina ba lá vel!

3) Em Jó 19.25, o Pa triar ca mos trou con fi an ça ina ba lá vel no Se nhor, di


zendo: “Por que eu sei que o meu Re den tor vive e por fim se le van ta rá so bre
a ter ra”.
4) Em 2Tm. 1.12, o Após to lo Pa u lo mos trou con fi an ça ina ba lá vel no Se
nhor, di - zen do: “Por que sei em quem te nho cri do e es tou cer to de que Ele é
Po de ro so para guar dar o meu de pó si to até aque le Dia”.

CONCLUSÃO: De ve mos ter a ple na con fi an ça no Se nhor “sem va ci lar,


pois quem fez a pro mes sa é Fiel” (Hb. 10.23).

Esbo ço 133 – Dia 12 de Maio


Tema: SORTE RESTAURADA
Res ta u ra, Se nhor, a nos sa sor te, como as tor ren tes no Ne gue be. SL. 126.4

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, o sal mis ta ora ao Se nhor para que
res ta u re a sor te do seu povo. O nos so Deus é re co nhe ci do nas Escritu ras
como o Deus da Res - ta u ra ção. Ele sem pre res ta u rou a sor te do seu povo,
nos mo men tos mais adver sos da sua his tó ria.

1. O SENHOR É O DEUS DA RESTAURAÇÃO.


1) As Escri tu ras mos tram o Se nhor sem pre pron to a res ta u rar, tan to a vida
in di vi - du al das pes so as, como a vida na ci o nal do seu povo (Ed. 9.9; Jó 8.6
e Is.

30.18).
2) Em Jó 42.10-17, Ele res ta u rou a sor te de Jó
3) Em Jr. 52.31-34, Ele res ta u rou a sor te de Jo a quim, rei de Judá. 4) Em Lc.
6.10, Ele res ta u rou a mão mir ra da de um ho mem.

2. O SENHOR FAZ PROMESSAS DE RESTAURAÇÃO.


1) O Se nhor faz mu i tas pro mes sas de res ta u ra ção atra vés da Escri tu ras
(Is.

49.8).
2) Em Jr. 30.17, Ele pro me te res ta u rar a sa ú de do seu povo.
3) Em Jr. 32.44, Ele pro me te res ta u rar a sor te do seu povo.
4) Em At. 3.21, Ele pro me teu atra vés dos seus pro fe tas a res ta u ra ção de to
das as

co i sas.

CONCLUSÃO : O Nos so Deus é o Deus da Res ta u ra ção. Ele res ta u ra a vis


ta aos ce - gos, Ele res ta u ra os pés dos co xos, Ele res ta u ra a lín gua dos mu
dos, Ele res ta u ra os ou vi dos dos sur dos, Ele res ta u ra a pele dos le pro sos,
Ele res ta u ra a sa ú de dos en fer - mos, Ele res ta u ra a pró pria vida dos mor
tos, Ele res ta u ra to das as co i sas.

Esbo ço 134 – Dia 13 de Maio


Tema: DUAS ARMAS INFALÍVEIS

Nos seus lá bi os es te jam os al tos lou vo res de Deus, nas suas mãos, es pa da
de dois gu mes. SL. 149.6

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre duas ar
mas in fa lí ve is na vida do cren te: O Lou vor ao Se nhor, e a Pa la vra de Deus.
O ver da de i ro lou vor deve es tar em nos sos lá bi os; e, a Espada de dois gu
mes, que é a pa la vra de Deus, deve es tar em nos sas mãos.

1. O LOUVOR AO SENHOR

1) O lou vor ao Se nhor é uma po de ro sa arma para ven cer mos os ini mi gos.
Em 2Cr. 20.21-23, está es cri to que, quando o povo co man da do pelo rei Jo sa
fá co - me çou a can tar e a dar lou vo res ao Se nhor, o pró prio Se nhor pôs em
bos ca das con tra os ini mi gos do seu povo.

2) O lou vor ao Se nhor afu gen ta o mal. Pois, em 1Sm. 16.22, está es cri to que,
to - das as ve zes que Saul fica va ator men ta do por um espí ri to mal, Davi lou
va va ao Se nhor com a sua har pa, e o es pí ri to mal se afu gen ta va da vida de
Saul.

3) No SL. 33.1, está es cri to que: “Aos re tos con vém o louvor”.
4) No SL. 34.1, Davi, um gran de cam peão, ven ceu mu i tas ba ta lhas lou van
do ao Se nhor, di zen do: “Lou va rei ao Se nhor em todo o tem po; o seu lou vor
esta rá con ti nu a mente na minha boca”.
5) Em Hb. 13.15, está es cri to que: “Por meio de Je sus, pois, ofe re ça mos a
Deus, sem pre, sa cri fi cio de lou vor, que é o fru to de lá bi os que con fes sam o
seu Nome”.

2. A PALAVRA DE DEUS

1) De acor do com este tex to do SL. 149.6, o Lou vor ao Se nhor é a arma que
deve es tar sem pre em nos sos lá bi os; e, a Espa da de dois gu mes, é a Pa la vra
viva de Deus que deve es tar em nos sas mãos e em nos sos co ra ções (Hb.
4.12).
2) Em Ef. 6.17, Pa u lo afir ma que de ve mos to mar “o Ca pa ce te da Sal va
ção e a Espa da do Espí ri to, que é a Pa la vra de Deus”.
3) Em Dt. 32.41, está es cri to que, o Se nhor pos sui uma Espa da afi a da e re lu
zen - te.
4) Em Js. 5.13-15, está escri to que Jo sué se en con trou com o Prín ci pe dos
Exér - ci tos do Se nhor com uma Espa da nua na mão, e re ce beu es tra té gi as
para ven - cer os seus ini mi gos.
5) Em Ap. 2.12, está es cri to que, o Se nhor Je sus é “Aque le que tem a es pa da
afi - a da de dois gu mes”.

CONCLUSÃO: Ten do os Altos Lou vo res do Se nhor nos nos sos lá bi os, e a
Espa da do Espíri to, a Bí blia Sa gra da em nos sas mãos, e a Pa la vra de Deus
im plan ta da em nos sosco ra ções, ven ce re mos to dos os nos sosini mi gos.

XX – ESBOÇOS EM PROVÉRBIOS
Esbo ço 135 – Dia 14 de Maio
Tema: O GRITO DA SABEDORIA

Gri ta na rua a Sa be do ria, nas pra ças, levan ta a voz; do alto dos mu ros cla
ma, à en tra da das por tas e nas cida des pro fe re as suas pa la vras. Pv. 1.20-21

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre a im por
tân cia da sa be do ria para as nos sas vi das, e o seu gri to aos ou vi dos dos ho
mens para que evi tem a in sen sa tez e si gam o ca mi nho da pru dên cia. O Gri
to da Sa be do ria, re ve la o cla mor de Deus aos ou vi dos dos ho mens, a fim de
livrá-los do mal.

1. O CONSELHO DA SABEDORIA

1) Sa lo mão, o ho mem mais sá bio do mun do an ti go, pin ta nes te tex to sa


gra do, um qua dro em que, a sa be do ria de for ma per so ni fi ca da, gri ta bem
alto aos ou vi dos das pes so as, con vi dan do-as, para que pos sam dar ou vi dos
os seus con se lhos.

2) Em Pv. 8.12, a Sa be do ria gri ta no va men te, di zen do: “Eu, a Sa be do ria,
ha bi to com a pru dên cia e dispo nho de co nhe cimen tos e de con se lhos”.
3) Em Pv. 8.14, a Sa be do ria gri ta ou tra vez, di zen do: “Meu é o con se lho e
a ver - da de i ra sa be do ria, eu sou o Enten dimen to, mi nha é a for ta le za”.
4) Em Pv. 24.5, está es cri to que: “Com a sa be do ria edifi ca-se a casa, e com a
in - te li gên cia ela se fir ma”.
5) Em Ec. 10.10, está escri to que, a sa be do ria re sol ve as co i sas com bom
êxi to.
6) Em Is. 28.29, está es cri to que, o Se nhor é “Ma ra vi lho so em con se lho e
gran de em sa be do ria”.
7) Em Ef. 1.8, está es cri to que, em Cristo “Deus der ra mou abun dan te men te
so - bre nós em toda sa be do ria e pru dên cia”.

2. O GRANDE VALOR DA SABEDORIA

1) A Sa be do ria pos sui um va lor ines ti má vel. Sa lo mão che ga a di zer que:
“Me - lhor é a sa be do ria do que jói as, e de tudo o que se de se ja, nada se pode
com - pa rar com ela” (Pv. 8.11).

2) Em Jó 28.13, está es cri to que, o ho mem não co nhe ce o va lor da sa be do


ria.
3) Em Jó 28.15-19, está es cri to que, o va lor da sa be do ria é su pe ri or ao va
lor da pra ta, do ouro, do pre ci o so ônix, da sa fi ra, do cris tal, dos co ra is, das
pé ro las, e do to pá zio.
4) Em Pv. 16.16, Sa lo mão afir ma que: “Me lhor é ad qui rir a sa be do ria do
que o ouro! E mais exce len te, ad qui rir a pru dên cia do que a pra ta!”.
5) Em CL. 2.3, está es cri to que, em Cris to “es tão es con di dos to dos os te sou
ros da sa be do ria e do co nhe cimen to”.
6) Em Rm. 11.33, Pa u lo afir ma que a Sa be do ria de Deus é pro fun da de ma
is para se en ten der.
7) Em 1Co. 1.24, Pa u lo afir ma que Cris to é a Sa be do ria de Deus. Daí se
expli ca o ines timá vel va lor da Sa be do ria.

CONCLUSÃO : O gri to da Sa be do ria é o pró prio grito de Cris to nos acon se


lhan do to dos os dias. A Sa be do ria é a pró pria Pa la vra de Cris to nos ori en
tan do a cada dia. A Sa be do ria per so ni fi ca da é o pró prio Cris to, a Sa be do
ria em Pes soa (Lc. 2.52 e CL. 2.2-3).

Esbo ço 136 – Dia 15 de Maio


Tema: AS FONTES DA VIDA

So bre tudo o que se deve guardar, guarda o co ra ção, por que dele pro ce dem
as fon tes da vida. Pv. 4.23
INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre as fon tes
da vida. A pa la vra de Deus nos en si na acer ca de al gu mas fon tes onde trans
bor da água viva para a nos sa sa ú de es pi ri tu al. E, para isso, a Sa be do ria Di
vi na nos acon se lha a guar - dar mos o nos so co ra ção.

1. GUARDANDO O NOSSO CORAÇÃO


1) O co ra ção é o cen tro da vida. É dele que pro ce dem as fon tes da vida; e é
nele tam bém que nas ce a fon te do mal (Pv. 4.23 e Mc. 7.21-23).

2) O nos so co ra ção deve ser guar da do pela pa la vra de Deus (SL. 119.11).
3) A pa la vra de Deus se tor na gozo e ale gria para o nos so co ra ção (Jr.
15.16).
4) A pa la vra de Deus discer ne os pen sa men tos e in tenções dos nos sos co ra
ções (Hb. 4.12).
5) O nos so co ra ção es tando che io de boas pa la vras, os nos sos lá bi os der ra
mam sa be do ria (SL. 49.3 e Lc. 6.45).

2. TIPOS DE FONTES QUE PRODUZ VIDA

1) A Bí blia nos en si na vá ri os ti pos de fon tes que pro du zem vida, e pro lon
ga os nos sos dias na ter ra.
2) Em Jr. 17.13, o Se nhor é a pri mor di al Fon te de Águas Vivas que de ve mos
be - ber to dos os dias.
3) Em Pv. 14.27, está es cri to que: “O te mor do Se nhor é fon te de vida para
evi - tar os la ços da mor te”.
4) Em Pv. 13.14, está es cri to que: o “Ensi no do sá bio é fon te de vida, para
que se evi tem os la ços da mor te”.
5) Em Is. 12.3, está es cri to que: “Vós, com ale gria, ti ra re is água das fon tes
da sal va ção”. As fon tes da sal va ção são fon tes de vida. As fon tes da sal va
ção são: A Pa la vra de Deus (1Co. 1.18); a Gra ça (Ef. 2.8); a Fé (Ef. 2.8); a
Espe ran ça (Rm. 8.24); e o Espí ri to (1Co. 12.13).

CONCLUSÃO : De ve mos be ber to dos os dias nas fon tes da vida. Cristo pro
me teu a fon te que jor ra para a vida eter na (Jo. 4.14), e to dos são con vi da dos
a be be rem de gra ça da Fon te da Água da Vida (Ap. 22.17).

Esbo ço 137 – Dia 16 de Maio


Tema: O PROGRESSO ESPIRITUAL DO CRENTE

Mas a ve re da dos jus tos é como a luz da au ro ra, que vai bri lhan do mais e
mais até ser dia per fe i to. Pv. 4.18

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre o pro gres
so espiri tu al do Cris tão. Da mes ma for ma que, o dia co me ça a cla re ar e o
sol a des pon - tar no ho ri zon te; as sim, a vida do cren te vai pro gre din do a
cada dia, até atin gir a per fe i ção em Cris to Je sus.

1. BUSCANDO O APERFEIÇOAMENTO
1) O sá bio Sa lo mão usa o exem plo do al vo res cer do dia, para ilus trar o aper
fe i - ço a men te que o cren te vai ad qui rin do no de cor rer de sua vida (Pv.
4.18).

2) Em Ef. 4.12-13, está es cri to que, Deus de se ja “o aper fe i ço a men to dos


san tos para o desem pe nho do seu servi ço, para a edi fi ca ção do cor po de
Cris to, até que to dos che gue mos a uni da de da fé e do pleno co nhe ci men to
do Fi lho de Deus, à per fe i ta va ro ni li da de, à me di da da es ta tu ra da ple ni
tu de de Cris to”.

3) Em Rm. 6.4, Pa u lo diz que, de ve mos an dar “em no vi da de de vida”.


Andar em no vi da de de vida é, pro cu rar o pro gres so es pi ri tu al a cada dia.
2. ATINGINDO A PERFEIÇÃO

1) O tex to de PV. 4.18, des cre ve o jus to pro gre din do, e, em fim, atin gin do a
sua per feição. Qu an to mais o dia cla re ia, as tre vas vão se dissi pan do, a luz
da au - ro ra bri lha de for ma mais in ten sa, e o dia ama nhe ce per fei ta men te.
Da mes ma for ma, o co nhe ci men to da pa la vra de Deus ilu mi na com ple ta
men te a vida do cren te, e a gló ria de Deus resplan de ce de for ma per fe i ta
em nos sas vi das (Is.60.1 e 2Co.4.6).

2) O de se jo de Cris to é que o jus to atin ja a per fe i ção. Em Mt. 5.48, Je sus


dis se: “Por tan to, sede vós per fe itos como per fe ito é o vos so pai ce les tial”.
3) Em 2Tm. 3.16-17, está es cri to que: “Toda a Escri tu ra é ins pi ra da por
Deus e útil para o en si no, para a re pre en são, para a cor re ção, para a edu ca
ção na

de Deus seja per fe i to e per fe i ta men te ha bi li ta - jus ti ça, a fim de que o ho


mem do para toda boa obra”. CONCLUSÃO: De ve mos pro cu rar o pro gres
so es pi ri tu al a cada dia, de i xan do a es - tag na ção es pi ri tu al, e pro cu
rando cres cer na gra ça e no co nhe cimen to de Nos so Se - nhor e Sal va dor Je
sus Cris to (2Pd. 3.18).
Esbo ço 138 – Dia 17 de Maio
Tema: AS SETE COLUNAS DA SABEDORIA A Sa be do ria edi fi cou a sua
casa, la vrou as suas sete co lu nas. Pv. 9.1

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre as Sete
Co lu nas da Sa be do ria. A Casa da Sa be do ria está sem pre bem so li di fi ca
da e fun da men ta da na Ro cha. Assim, o cris tão deve edi fi car com sa be do
ria e prudên cia a sua casa, dan do susten ta ção e es ta bi li da de a sua vida, e a
vida de sua fa mí lia.

1. A PRUDÊNCIA
1) A pri me i ra gran de co lu na que dá sus ten ta ção a Casa da Sa be do ria, é a
Pru dên cia. A Pru dên cia é a vir tu de prá ti ca da Sa be do ria (Mt. 7.24-25).

2) A Pru dên cia mora na Casa da Sa be do ria (Pv. 8.12).


3) Je sus nos acon se lhou a ser mos pru den tes (Mt. 10.16).
4) Pa u lo nos acon se lhou a cons truir mos com pru dên cia (1Co. 3.10).

2. O CONHECIMENTO
1) A se gun da co lu na que sus ten ta a Casa da Sa be do ria é o Co nhe cimen
to.O Co - nhe ci men to é a vir tu de teó ri ca e

2) O Co nhe ci mento sem pre apa re ce


sis te ma ti za da da Sa be do ria (Pv. 2.4-5).

men ci o na do após a Sa be do ria (Pv.2.10; Pv. 3.13 etc.).


3) Sa lo mão pe diu a Deus Sa be do ria e Co nhe ci mento (2Cr. 1.10-12). 4) O
Espí ri to San to distri bui o Dom da Pa la vra de Sa be do ria e da Pa la vra de
Co - nhe cimen to (1Co. 12.8).
3. O ENTENDIMENTO
1) A ter ce i ra co lu na que sus tenta a Casa da Sa be do ria é o Enten di men to.
O Enten di men to é a vir tu de in vesti ga tiva da Sa be do ria (Pv. 8.14). 2) O
Enten dimen to é si nô ni mo de Inte li gên cia, e a fon te de toda in te lec tu a li
da - de (Dn. 2.21).

3) Sa lo mão era do ta do de gran de pru dên cia e en ten di men to (2Cr. 2.12).
4) Deus deu lar ga Sa be do ria e mu i tis símo Enten di men to a Sa lo mão (1Rs.
4.29).
4. O CONSELHO
1) A quarta co lu na que sus ten ta a Casa da Sa be do ria é o Con se lho. O Con
se lho é a vir tu de di re ti va da Sa be do ria (Pv. 8.12).
2) De acor do com Pv. 24.6, é com con se lhos pru den tes que se ven ce uma ba
ta lha.

3) Em Is. 28.29, está es cri to que, o Se nhor é Ma ra vi lho so em Con se lho e


gran de em Sa be do ria.
4) Em Jó 12.13, está escri to que, o Se nhor dis põe de Sa be do ria e for ça, e de
Con se lho e Enten dimen to.

5. A FORTALEZA
5.1A For ta le za é a quin ta co lu na que sus tenta a Casa da Sa be dor ria. A For
ta le za é o ali cer ce da Sa be do ria (Pv. 8.14).
5.2 Em 2Sm. 22.33, Davi dis se: “Deus é a mi nha For ta le za e a mi nha for ça e
Ele per fe i ta men te de sem ba ra ça o meu ca mi nho”.
5.3 Em Pv. 10.29, Sa lo mão afir ma que: “O ca mi nho do Se nhor é for ta le za
para os ín - te gros”.
5.4 Em Mt. 7.24-25, Je sus mos tra que uma casa cons tru í da com pru dên cia, é
uma for ta le za con tra a tem pes ta de.
6. A JUSTIÇA
6.1 A sex ta co lu na que sus ten ta a Casa da Sa be do ria é a Justi ça. A Jus ti ça
é a vir - tu de mo ral da Sa be do ria (Pv. 8.15-16).
6.2 Em 1Rs. 3.28, está es cri to que, o povo re co nhe ceu que ha via em Sa lo
mão Sa be do ria para fa zer Jus tiça.
6.3 A Sa be do ria nos faz an dar pelo ca mi nho da Jus ti ça (Pv. 8.20). 6.4 O Se
nhor ama os que se guem a Jus ti ça (Pv. 15.9).
7. O TEMOR DO SENHOR
7.1 A sé ti ma co lu na que sus ten ta a Casa da Sabe do ria é o Te mor do Se
nhor. O Te mor do Se nhor é a Ver da de i ra Sa be do ria (Jó 28.28).
7.2 Em Pv. 9.10, está escri to que: “O te mor do Se nhor é o prin cí pio da Sa be
do ria, e o Co nhe cimen to do San to é pru dên cia”.
7.3 Em Ec. 7.18, está escri to que, quem teme a Deus es ca pa de todo mal.

7.4 Em Is. 33.6, está es cri to que: “Ha ve rá, ó Sião, es ta bi li da de nos teus tem
pos, abun dân cia de sal va ção, sa be do ria e co nhe cimen to; o te mor do Se
nhor será o teu te sou ro”.

CONCLUSÃO : De ve mos edi fi car a nos sa casa so bre a Rocha, e cons tru ir
os nos sos fun damen tos com Pru dên cia, Co nhe cimen to, Enten di men
to,Con se lho, For ta leza, Jus ti ça, e Te mor do Se nhor.

Esbo ço 139 – Dia 18 de Maio


Tema: O SEGREDO DA VERDADEIRA RIQUEZA A ben ção do Se nhor en ri
que ce, e, com ela, Ele não traz des gos to. Pv. 10.22

INTRODUÇÃO : Nes ta pas sa gem bí bli ca, o sá bio Sa lo mão de cla ra que a
ben ção do Se nhor é a fon te ori gi nal da ver da de i ra ri que za. A ver da de i ra
pros pe ri da de está em Deus. Ele é a fon te de toda boa dá di va. Mu i tos pen
sam de for ma equi vo ca da que, é o di nhe i ro que en ri que ce. O di nhe i ro é
ape nas um dos itens da ri que za. A ben ção do Se nhor é que traz a ver da de i
ra ri que za para o ho mem.

1. A BÊNÇÃO DO SENHOR É A FONTE DA VERDADEIRA RIQUEZA


1) Em Gn. 1.28, está es cri to que, Deus aben ço ou o ho mem e a mu lher.
2) Em Gn. 9.1, está escri to que, Deus aben ço ou a Noé e a seus fi lhos.

3) Em Gn. 12.1-3, está es cri to que, Deus pro me teu aben ço ar to das as fa mí li
as da ter ra, por meio de Abraão.
4) Em Gn. 26.12-13, está es cri to que, Isa que pros pe rou, fi cou ri quís si mo,
por - que o Se nhor o abenço a va.
5) Em GL. 3.9, está es cri to que, os que são da fé são tam bém aben ço a dos
com o cren te Abraão.

2. A PROSPERIDADE DE DEUS É COMPLETA

1) Exis te uma gran de di fe ren ça en tre ser rico e ser prós pe ro. Algu mas pes
so as são prós pe ras e não são ri cas; ou tras pes so as são ri cas e não são prós
pe ras. Os ri cos que não são prós pe ros, são aque les que tem di nhe i ro, mas
não tem sa ú de e nem Deus na vida (Ap. 3.17). Os prós pe ros que não são ri
cos, são aque les que não tem mu i to di nhe i ro, mas vi vem fe li zes com o ne
ces sário que re ce bem do Se nhor (Pv. 30.7-9 e 1Tm. 6.8).

2) A pros pe ri da de de Deus é com ple ta, por que, Ele nos aben çoa com sa ú
de fi si - ca, ma te ri al e es pi ri tu al (3 Jo. 1.2).
3) A Pros pe ri da de é dom de Deus. Pois, em Ec. 5.19, está es cri to: “Qu an to
ao ho mem a quem Deus con fe riu ri que zas e bens e lhe deu po der para de les
co mer, e re ce ber a sua por ção, e go zar do seu tra ba lho, isto é dom de Deus”.
4) No SL. 128.4, está es cri to: “Eis como será aben ço a do o ho mem que teme
ao Se nhor”.
5) Em 3 Jo. 1.2, está escri to: “Ama do, aci ma de tudo, faço vo tos por tua pros
pe ri da de e sa ú de, as sim como é prós pe ra a tua alma”.

CONCLUSÃO : Deus é quem efe tua em nós tan to o que rer como o re a li zar,
se gun - do a sua boa von ta de (Fp. 2.13), e “Toda boa dá di va e todo dom per
fe i to são lá do alto, des cen do do Pai das lu zes, em quem não pode exis tir va
ri a ção ou sombra de mu dança” (Tg. 1.17).

Esbo ço 140 – Dia 19 de Maio


Tema: OS QUATRO MAIORES PRINCÍPIOS DA BÍBLIA O te mor do Se nhor
é o prin cí pio da sa be do ria, e o co nhe ci men to do San to é pru dên cia. Pv.
9.10

INTRODUÇÃO : Nes ta pas sa gem bí bli ca, a pa la vra de Deus fala do “te
mor do Se - nhor” como o prin cí pio da Sa be do ria. O “prin cí pio” fala do co
me ço e da origem de al gu ma co i sa. Além, do “prin cípio da sa be do ria”, a Bí
blia fala de ou trosim portan tes prin cí pi os.

1. O PRINCÍPIO DA CRIAÇÃO

1) Foi o pró prio Deus quem ori gi nou o Uni ver so. O Uni ver so não sur giu
por uma obra do aca so, como ten tam expli car os ciên tis tas mo der nos atra
vés da te o ria do “Big Bam”. “No prin cí pio, cri ou Deus os céus e a ter ra”
(Gn. 1.1), é uma ver da de ab so lu ta, e pre ci sa ser cri da.

2) Em Hb. 1.10, está escri to que: “No prin cí pio, Se nhor, lan ças te os fun da
men - tos da ter ra, e os céus são obra das tuas mãos”.
3) Em Is. 41.4, o pró prio Deus faz uma per gun ta acer ca des te pri me i ro “prin
cí pio”, e Ele mes mo traz a res pos ta, di zen do: “Quem fez e exe cu tou tudo
isso? Aque le que des te o prin cí pio tem cha ma do as ge ra ções à exis tên cia;
Eu, o Se - nhor, o pri me i ro, e com os úl ti mos Eu mes mo”.

2. O PRINCÍPIO DA SABEDORIA

1) A Sa be do ria teve o seu prin cí pio e ori gem na Eter ni da de (Pv. 8.22-30).
2) No SL. 111.10, está es cri to que: “O te mor do Se nhor é o prin cí pio da sa be
do - ria; re ve lam pru dên cia to dos os que o pra ti cam. O seu lou vor per ma ne
ce para sem pre”. Este “prin cí pio da sa be do ria”, que a Bí blia fala aqui, e, em
ou - tros tex tos pa ra le los (Pv. 9.10, Jó 28.28 etc) é o prin cí pio da sa be do ria
na vida do ho mem.
3) Em Jr. 10.12, está es cri to que: “O Se nhor fez a ter ra pelo seu po der; es ta
be le ceu o mun do por sua sa be do ria e com a sua in te li gên cia es ten deu os
céus”.

3. O PRINCÍPIO DO EVANGELHO

1) Em Mc. 1.1, a Bí blia fala do “PRINCÍPIO do Evan ge lho de Je sus Cris to,
Filho de Deus”. O Evan ge lho sig ni fi ca Boas-No vas. E, Cris to é o pró prio
prin cí pio e ori gem do Evan ge lho; pois, a sua vin da a este mundo para sal var
o ho mem, foi a me lhor no ti cia que a hu ma nida de re ce beu (Lc. 2.10-11).

2) O Evan ge lho de Cris to é o po der de Deus para a sal va ção de todo aque le
que crê (Rm. 1.16).
3) Nós fo mos cha ma dos para anun ci ar “o Evan ge lho das in son dá ve is ri
que zas de Cristo” (Ef. 3.7).

4. O PRINCÍPIO DO VERBO

1) Em Jo. 1.1, está es cri to: “No prin cí pio era o Ver bo, e Ver bo es ta va com
Deus, e o Ver bo era Deus”. O “Ver bo”, a que o após to lo João se re fe re aqui,
é Cris to. Cris to é o pró prio Ver bo que deu ori gem a to das as co i sas (Jo. 1.3).

2) Em CL. 1.17, está escri to que: “Ele é an tes de to das as co i sas, e to das as
co i sas sub sis tem por Ele”.
3) Em Ap. 19.13, está es cri to que, Ele se cha ma “o Ver bo de Deus”.

CONCLUSÃO : Je sus Cris to é o PRINCÍPIO da Cri a ção, o PRINCÍPIO da


Sa be do ria, o PRINCÍPIO do Evan ge lho, e o PRINCÍPIO do Ver bo, que é a
Pa la vra de Deus. Ele é o Prin cí pio e ori gem de to das as coi sas!

Esbo ço 141 – Dia 20 de Maio


Tema: AS QUALIDADES DE UMA MULHER SÁBIA A mu lher sá bia edifi
ca a sua casa, mas a insen sa ta, com as pró pri as mãos, a der ri ba. Pv. 14.1

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre as qua li
da des de uma mu lher sá bia. A mu lher sá bia é o sím bo lo da mu lher vir tu o
sa que ad mi nis tra com sa bedoria o seu lar. A mu lher sábia, é o pró prio sím
bo lo da espo sa ide al e da mãe perfe i ta.

1. A SABEDORIA DA MULHER
) A sa be do ria e a pru dên cia são as gran des qua li da des da mãe sá bia e da
1
es po sa fiel que cu i da do seu lar (Pv. 14.1).

2) Em Pv. 31.26-27, está es cri to que, a mu lher vir tu o sa age com sa be do ria
e ad - mi nis tra de for ma pru den te o seu lar.
3) Em Pv. 24.3, está es cri to que: “Com a sa be do ria edifi ca-se a casa, e com a
in - te li gên cia ela se fir ma”.
4) Em Pv. 19.14, está es cri to que: “A casa e os bens vem como he ran ça dos
pais; mas do Se nhor, a es po sa pru den te”. A es po sa pru den te vem do Se
nhor.

5) Em Tt. 2.3-4, Pa u lo ins trui as mu lhe res no vas e ido sas, di zen do: “Qu an
to às mu lhe res ido sas, se me lhan te men te, que se jam sé ri as em seu pro ce
der, não ca lu ni a do ras, não es cra viza das a mu i to vi nho; se jam mes tras do
bem, a fim de ins tru í rem as jovens re cém-ca sa das a ama rem ao mari do e a
seus fi lhos”.

2. EXEMPLOS DE MULHERES SÁBIAS


1) Em 2Sm. 20.22, está es cri to que, uma mu lher, na sua sa be do ria li vrou
uma ci da de de ser des truí da.
2) Em 1Sm. 25.32-33, a Bí blia fala da pru dên cia de Abi ga il, que, li vrou a sua
casa de uma gran de tra gé dia, usan do di li gên cia e sa be do ria.
3) Em Jz. 4.4-5, a Bí blia men ci o na a gran de ca pa ci da de de Dé bo ra para
jul gar a Isra el.
4) Em 2Cr. 9.1-8, a Bí blia mos tra atra vés da ra i nha de Sabá, uma mu lher de
alta po si ção, em bus ca de sa be do ria.
5) Em Tg. 1.5, está es cri to que: “Se, po rém, al gum de vós ne ces si ta de sa be
do ria, peça a Deus, que a to dos dá libe ral men te e nada lhes im pro pe ra; e
ser-lhe-á con - ce di da”.

CONCLUSÃO: A mu lher sá bia edi fi ca a sua casa; e, ao lado de seu ma ri do


cons trói de for ma pru den te a sua casa so bre a Ro cha (Pv. 14.1 e Mt. 7.24-
25).

Esbo ço 142 – Dia 21 de Maio


Tema: A VITÓRIA VEM DO SENHOR
O ca va lo pre pa ra-se para o dia da ba ta lha, mas a vi tó ria vem do Senhor. Pv.
21.31
INTRODUÇÃO : Esta pas sa gem bí bli ca nos re ve la que, o Se nhor é a ori
gem de to - das as nos sas conquis tas e vi tó ri as. Todo o es for ço e apa ra to hu
ma no, por si só, não é su fi ci en te para ga rantir a vi tó ria. A nos sa vi tó ria
vem do Se nhor.

1. O CAVALO COMO SÍMBOLO DE BATALHA

1) Qu a se to dasas ve zesque o ca va lo é men cio na do na Bí blia, é sem pre as


so cia - do a ba ta lha, a guer ra e ao po de rio mi li tar (Jó 39.19-25).
2) No SL. 33.17, está es cri to que: “O ca va lo não ga ran te vi tó ria; a despe i to
de sua gran de for ça, a nin guém pode li vrar”.
3) No SL. 147.10, está es cri to que, o Se nhor “Não faz caso da for ça do ca va
lo, nem se com praz nos mús cu los do guer re i ro”.
4) No SL. 20.7, está es cri to que: “Uns con fi am em car ros, ou tros em ca va
los; nós, po rém, nos glo ri a re mos em o Nome do Se nhor nosso Deus”.

2. O SENHOR É A NOSSA VITÓRIA

1) Em Êx. 17.15, está es cri to que, após o Se nhor ter dado vitó ria a Isra el con
tra Ama le que, “Mo i sés edi fi cou um al tar e lhe cha mou: O Se nhor é Mi nha
Ban de i ra”. É o Se nhor que faz a Ban de i ra da Vi tó ria ser le van ta da em
nos sas vidas.

2) No SL. 20.5, está es cri to: “Ce le bra re mos com jú bi lo a tua vi tó ria e em
Nome do nos so Deus has te a re mos pen dões; sa tis fa ça o Se nhor to das as
tuas pe ti - ções”.

3) Em Is. 59.19, está es cri to: “Então, te me rão o Nome do Se nhor des de o po
en te e a sua gló ria, des de o nascen te do sol; vin do o ini mi go como uma cor
ren te de águas, o Espí ri to do Se nhor ar vo ra rá con tra ele a sua ban de i ra”.
Gló ri as a Deus!

4) 1Co. 15.57, está es cri to: “Mas gra ças a Deus, que nos dá a vi tó ria por Nos
so Se nhor Je sus Cris to”.
CONCLUSÃO: De ve mos sempre con fi ar no Se nhor, pois, é Dele que vem a
nos sa vi tó ria; e, é Ele que sem pre nos faz tri un far (2Co. 2.14).

Esbo ço 143 – Dia 22 de Maio


Tema: OS GRANDES VALORES DA MULHER VIRTUOSA Mu lher vir tu o
sa, quem acha rá? O seu va lor mu i to ex ce de o de fi nas jói as. Pv. 31.10
INTRODUÇÃO : Neste tex to sa gra do, o sá bio Sa lo mão co lo ca o va lor da
mu lher vir tu o sa bem aci ma das jóias mais pre ci o sas. A pa la vra de Deus
exal ta as vir tu des das mu lhe res que ser vem a Deus fi el men te. O gran de va
lor da mu lher vir tu o sa, não es tar nas jói as que ela usa ou pos sui; mas sim, no
seu ca rá ter. Os va lo res mo ra is e es pi ri tu a is de um ho mem ou de uma mu
lher, estão bem acima dos va lo res eco nô - mi cos ou fi nan ce i ros, que os mes
mos ve nham a pos su ir.

1. O VALOR DA SABEDORIA

1) O pri me iro va lor da mu lher vir tuo sa é a sa be do ria (Pv. 31.26). Ape nas
duas co i sas Sa lo mão exal tou aci ma das fi nas jói as ou dos ru bis em Pro vér
bi os: A sa be do ria (Pv. 8.11); e a mu lher vir tu o sa (Pv. 31.10).

2) Em Pv. 14.1, está es cri to que: “A mu lher sá bia edi fi ca a sua casa.”
3) Em 2Sm. 20.22, está es cri to que, uma mu lher na sua sa be do ria li vrou uma
ci - da de da des trui ção.
4) Em Pv. 24.3, está es cri to que: “Com a sa be do ria edifi ca-se a casa, e com a
in - te li gên cia ela se fri ma”.

2. O VALOR DA FIDELIDADE

1) O se gun do gran de va lor ma ri do con fia nela”, é o que diz a pa la vra do Se


nhor (Pv. 31.11)
2) A fi deli da de da mu lher vir tu o sa é exal ta da, tan to pe los seusfi lhos,
como pelo seu ma ri do: “Mu i tas mu lhe res pro ce dem vir tu o sa mente, mas
tu a to das so brepu jas” (Pv. 31.28-29).
3) Em Pv. 12.4, está es cri to que: “A mu lher vir tu o sa é a co roa do seu ma ri
do”.
4) Em Pv. 19.14, está es cri to que: “A es po sa pru den te vem do Se nhor”.

3. O VALOR DO AMOR

1) O se gun do gran de va lor da mu lher virtu o sa é o amor (Pv. 31.20). Ain da


hoje, mu i tas mu lhe res vir tu o sas re a li zam gran des obras so ci a is mo vi
das pelo amor ao pró xi mo. O amor ma ter no não per mi te que uma mãe se es
que ça do fi lho que ainda mama (Is. 49.15).

2) Em CL. 3.14, está escri to que: “O amor é o vín cu lo da per fe i ção”.


3) Em Tt. 2.4, está es cri to que, as mu lhe res de vem ama rem ao mari do e a
seus fi lhos.
4) Em Lc. 7.44-47, está es cri to que, Je sus elo gi ou e va lo ri zou o gran de
amor de - mons tra do por uma mu lher.

4. O VALOR DO TEMOR DO SENHOR

1) O ter ce i ro gran de va lor da mu lher vir tu o sa é o te mor do Se nhor. “A mu


lher que teme ao Se nhor, essa será lou va da”, é o que diz a pa la vra do Se nhor
(Pv. 31.30).
2) Em Is. 33.6, está es cri to que: “O te mor do Se nhor será o teu te sou ro”.
3) Em Pv. 9.10, está escri to que: “O te mor do Se nhor é o prin cí pio da sa be
do ria, e o co nhe cimen to do San to é pru dên cia”.
4) No SL. 128.1-6, a Bí blia exal ta o gran de va lor de uma fa mí lia in te i ra te
men do ao Se nhor.

CONCLUSÃO: A Bí blia exal ta o va lor de mu i tas mu lhe res vir tu o sas


como: Sara, Mi riã, Dé bo ra, Ester, Ma ria etc., e ain da hoje exis tem mu i tas
mu lhe res vir tu o sas que es tão fa zen do a di fe ren ça em nos sa so ci e da de.
da mu lher vir tuo sa é a fi de li da de. “O co ra ção do seu

XXI – ESBOÇOS EM ECLESIASTES


Esbo ço 144 – Dia 23 de Maio
Tema: DUAS COISAS QUE NUNCA PODEM FALTAR EM NÓS Em todo tem
po se jam al vas as tuas ves tes, e ja ma is fal te o óleo so bre a tua ca be ça. Ec.
9.8

INTRODUÇÃO : Neste tex to sa gra do, o sá bio Sa lo mão re ve la duas co i


sas im pres cin- dí ve is em nos sas vi das: as ves tes limpas, e o óleo so bre a nos
sa ca be ça. O Cris tão pre - ci sa ca mi nhar nes te mun do com as suas ves tes
lim pas, e com a un ção do Espí ri to San to so bre a sua vida.

1. AS VESTES LIMPAS

1) “Em todo tem po se jam al vas as tuas vestes” (Ec. 9.8). É o que diz a pa la
vra de Deus.
2) De acor do com Lv. 6.10-11, o sa cer do te de ve ria sem pre re no var as suas
ves - tes, a fim de man tê-las lim pas.
3) Em Zc. 3.1-5, está es cri to que, o Se nhor or de nou que o sumo sa cer do te
Jo sué subs ti tu ís se as ves tes su jas pe las ves tes lim pas para que o seu sa cer
dócio fos - se con fir ma do.
4) Em Ap. 22.14, está es cri to que, as vestes dos sal vos são la va das pelo san
gue do Cor de i ro de Deus (1Jo. 1.7).
5) As ves tes lim pasdo Cris tão lhe as se gura o seu bom re la ci o na men to e
co mu - nhão com Cris to (Ap. 3.4-5).

2. O ÓLEO SOBRE A CABEÇA


1) “E nun ca fal te o óleo so bre a tua ca be ça” (Ec. 9.8), é o que diz a pa la vra
de Deus.

2) O óleo cons tante so bre a nos sa ca be ça simbo li za a un ção per ma nen te


do Espí ri to Santo so bre as nos sas vi das (1SM. 16.13).
3) No SL. 133.2, a Bí blia re ve la o mo men to em que o óleo pre ci o so da sa
gra da un ção foi der ra ma do de for ma co pi o sa so bre a ca be ça do sumo sa
cer do te Arão.
4) No SL. 23.5, Davi ce le bra o mo men to em que o Se nhor ungiu com óleo a
sua ca be ça pe ran te os seus ini mi gos, até ao pon to de trans bor dar.
5) Em 2Co. 1.21-22, Pa u lo afir ma que, quem “nos un giu é Deus, que também
nos se lou e nos deu o pe nhor do Espíri to em nosso co ra ção”.

CONCLUSÃO : A pa la vra de Deus nos as se gu ra que nós te mos a Unção do


San to so bre as nos sas vi das (1Jo. 2.20), e, esta Unção que Dele re ce be mos, é
ver da de i ra e per ma nen te (1Jo. 2.27).

Esbo ço 145 – Dia 24 de Maio


Tema: LEMBRA-TE DO TEU CRIADOR

Lem bra-te do teu Cri a dor nos dias da tua mo ci da de, an tes que ve nham os
maus dias, e che guem os anos dos qua is di rás: Não te nho ne les pra zer. Ec.
12.1

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, o sá bio Sa lo mão, a esta al tu ra, já


com a ida - de avan ça da, após ter ex pe ri men ta do to das as prin ci pa is eta
pas da vida, acon se lha os jo vens a se lembra rem do seu Cri a dor nos dias da
sua mo ci da de.

1. AS TRÊS ETAPAS DA VIDA DE SALOMÃO

1) Os três li vrosque Sa lo mão de i xou es cri to: Cân ti co dos Cân ti cos, Pro
vér bi os,e sua vida.
ro mân tica da sua ju ven tu de

Ecle si as tes , re ve lam as três prin ci pa is eta pas de 2) Em Cân ti co dos Cân ti
cos, Sa lo mão re ve la a fase
(Ct. 1.1-3).
3) Em Pro vér bi os, Sa lo mão re ve la a fase adul ta e
pode en si nar os jo vens a se rem sá bi os e pru den tes (Pv. 1.1-4). 4) Em Ecle si
as tes, Sa lo mão re ve la a fase de re fle xão da sua ve lhi ce; e, nes ta fase
ex pe ri en te de sua vida, ele acon se lha os jo vens, dizen do: “Lem bra-te do
teu
Cri a dor nos dias da tua mo ci da de.” (Ec. 12.1).
5) A con clu são fi nal que Sa lo mão che gou foi esta: “Teme a Deus e guar da
os
seus man da men tos; por que isto é o de ver de todo o ho mem” (Ec. 12.13). ama
du re ci da da sua vida, e

2. JOVENS QUE SE LEMBRARAM DO SEU CRIADOR


1) A Bí blia re ve la a vida de mu i tos ho mens de Deus, que se lem bra ram do
seu Cri a dor des de a sua mo ci da de (SL. 71.5).

2) José, des de a sua mo ci da de te mia ao seu Cri a dor, e até a sua ve lhi ce per
ma - ne ceu fir me, e pôde desfru tar do cum pri men to de to das as pro mes sas
que o Se nhor lhe fez na sua ju ven tu de (Gn. 37.1-19 e Gn. 41.38-57 e 42.9).

3) Jo sué, ser via ao Se nhor des de a sua mo ci da de (Êx. 33.11), e foi es co lhi
do por Deus para su ce der o ma i or le gis la dor e pro fe ta do Anti go Tes ta
men to (Js. 1.1-9).

4) Davi, te mia ao Se nhor des de a sua moci da de (1Sm. 16.17-19), e foi es co


lhi do por Deus para ser o ma i or rei da His tó ria de Isra el (2Sm. 7.8-9).
5) Da ni el, se lem brou ain da jo vem do seu Cri a dor (Dn. 1.8-17), e teve um
mi nis - té rio lon go e prós pe ro até o fim da sua vida na pre sen ça do Se nhor
(Dn. 6.28 e 12.13).

CONCLUSÃO : Por mais que os jo vens ten tem pre en cher o seu va zio com
as fan ta - si as e de se jos que o mun do
ver da de i ra. Sa lo mão, após
ofe re ce, so men te em Deus o ho mem
ex pe ri men tar to dos os pra ze res que
en con tra sa tis fa ção a vida ofe re ce, des -

co briu que, é so men te em Deus, o Cri a dor, que o ho mem en con tra a ver da
de i ra fe li - ci da de para a sua vida (SL. 43.4).

Esbo ço 146 – Dia 25 de Maio


Tema: OS DOIS DEVERES UNIVERSAIS DO HOMEM

De tudo o que se tem ou vi do, a suma é: Teme a Deus e guar da os seus man da
men tos; por que isto é o de ver de todo ho mem. Ec. 12.13

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, Sa lo mão ele ge os dois de ve res uni
ver sa is do ho mem: Teme a Deus e Gu ar da os seus man da men tos. Sa lo mão
não diz que estes dois de ve res são ape nas des se ou da que le gru po re li gi o
so. Esses são os dois de ve res uni ver sa is do ho mem para com o seu Cri a dor.

1. TEME A DEUS

1) O pri me i ro de ver uni ver sal do ho mem é: “Teme a Deus.” (Ec. 12.13).
Embo ra, em nos sa lin gua por tu gue sa a pa la vra “te mor”, te nha o sen ti do
de “medo” ou “re ce io”. No caso do “te mor a Deus”, sig ni fi ca o re co nhe ci
men to de que Ele é um Deus San to, e que me re ce toda a nos sa hon ra e res pe
i to. Ou seja, se um fi lho deve temer a au to ri da de de seu pai ter re no, mu i to
mais de ve mos te mer o Pai dos espí ri tos de toda a car ne (Hb. 12.9).

2) O te mor do Se nhor é um dos man da men tos mais fre quen tes nas Escri tu
ras (Dt. 6.13; 10.20 etc.).
3) Por re pe ti das ve zes, as Escri tu ras en fa ti zam que, o “Te mor do Senhor é
o prin cí pio da Sa be do ria.” (Jó 28.28; SL. 111.10; Pv. 9.10 etc.). 1.4-Em Is.
8.13, está es cri to: “Ao Se nhor dos Exér ci tos, a Ele san ti fi cai; seja Ele o vos
so te mor, seja Ele o vos so es pan to”.

2. GUARDA OS SEUS MANDAMENTOS

1) O se gun do de ver uni ver sal do ho mem é: “Gu ar da os seus man da men
tos. .” (Ec. 12.13). Exis te uma gran de di fe ren ça en tre co nhe cer e guar dar os
man - da men tos do Se nhor. O Jo vem Rico que se en con trou com Je sus (Mt.
19.16-20), co nhe cia des de a in fân cia os man da men tos de Deus; po rém, Je
sus o en co ra jou
2) O vo cá bu lo:
a co lo car em prá tica os man da men tos de Deus.

“Gu ar dar”, sig ni fi ca, “vi gi ar”, “de fen der”, “me mo ri zar” e “pre - ser var”.
Por tan to, guar dar os man da men tos de Deus im pli ca em obe de cer - mos e
con ser var em nos sos co ra ções a pa la vra do Se nhor (SL. 119.9-11).

3) Em Pv. 4.4, está es cri to: “Re te nha as minhas pa la vras o teu co ra ção; guar
da os man da men tos e vive”.
4) Em Ec. 8.5, Há uma gran de pro mes sa para quem guar da os man da men
tos: “Quem guar da o man da men to não ex pe ri menta rá ne nhum mal; e o co
ra ção do sá bio dis cer ni rá o tempo e o modo”.

CONCLUSÃO : Te mer a Deus e guar dar os seus man da men tos são os dois
de ve res de todo o ho mem. Deus é o o nos so Pai e o nos so Cri a dor, e, a Ele
de ve mos te mer e obe de cer.
XXII – ESBOÇOS EM CANTARES DE SALOMÃO
Esbo ço 147 – Dia 26 de Maio
Tema: COISAS MELHORES DO QUE O VINHO Be i ja-me com os be i jos de
tua boca; por que me lhor é o teu amor do que o vi nho. Ct. 1.2

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, o gran de sá bio e po e ta Sa lo mão


des cre ve o amor como me lhor do que o vinho. Ba se a do nis to, po de mos
apontar mui tas outras co i sas me lho res do que o vi nho. Den tre tan tas co i sas
me lho res do que o vi nho, que ro des ta car duas: O Amor e a Ple ni tu de do
Espí ri to.

1. O AMOR É MELHOR DO QUE O VINHO

1) O vi nho é sem dú vi da, a be bi da mais apre ci a da pelo ho mem atra vés da


his tó - ria. Sa lo mão che gou a di zer que “o vi nho ale gra a vida” (Ec. 10.19).
Po rém, Sa lo mão des co briu que o amor do no i vo pela no i va é me lhor do
que o vinho (Ct. 1.2).

2) O amor é o senti men to mais su bli me que pode exis tir en tre um homem e
uma mu lher. O amor é o vín cu lo da per fe i ção (CL. 3.14).

3) O vi nho aca ba (Jo. 2.3). Po rém, “ O amor ja ma is aca ba.” (1Co. 13.8).
4) “O vi nho é es car ne ce dor” (Pv. 20.1). O amor “não se por ta com in de cên
cia” (1Co. 13.5).
5) O amor é a ma i or de to das as vir tu des (1Co. 13.13), pois, “Deus é Amor”
(1Jo. 4.8).

2. A PLENITUDE DO ESPÍRITO É MELHOR DO QUE O VINHO

1) Em Ef. 5.18, Pa u lo diz: “E não vos em bri a guez com vi nho, no qual há dis
so lu - ção, mas en chei-vos do Espí ri to”. Em Éfeso, ha via os fes ti va is do vi
nho em home na gem a Dio ni sio ou Baco, co nhe ci do como o “deus do vi
nho”. Entre tan to, Pa u lo ori en ta os cris tãos de Éfe so a ex pe rimen tarem
algo bem me lhor do que o vi nho: A Ple ni tu de do Espí ri to San to.

2) O vi nho ale gra a car ne (Os. 4.11). Po rém, a ple ni tu de do Espí ri to San to
nos trans mi te a ver da de i ra ale gria da alma e do es pí rito (Rm. 14.17).
3) O ho mem de Deus não pode ser dado ao vi nho (1Tm. 3.3); e sim, ao Espí ri
to San to (Ef. 3.16).
4) Em At. 2.13-18, Pe dro res pon de aos zom ba do res que, ele e os de ma is dis
cí pu - los, não es ta vam em bria ga doscom vi nho no Dia de Pen tecos tes; po
rém,che i - os da ple ni tu de do Espíri to San to que foi pro fe tiza da por Joel.
5) De acor do com 1Co. 12.13, “a to dos nós foi dado be ber de um só Espí ri
to”. A be bi da do Espíri to é bem me lhor do que o vinho.

CONCLUSÃO : O amor é me lhor do que o vinho, e quem ex pe ri men ta a ple


ni tu de do Espíri to, não pre ci sa an dar cam ba le an do como ébri os, e sim,
che io do Espíri to San to, e de mu i ta lu ci dez para anun ci ar com au to ri da
de a pa la vra de Deus (At. 2.14-41).

Esbo ço 148 – Dia 27 de Maio


Tema: A FORMOSURA DA NOIVA DE CRISTO

Quem é esta que apa re ce como a alva do dia, for mo sa como a lua, pura como
o sol, for mi dá vel como um exér ci to com ban de i ras? Ct. 6.10

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, o sá bio Sa lo mão uti liza qua tro co i
sasim portan - tes para ilus trara be le za e a for mo su ra da no i va ama da, cujo
sen ti do es pi ri tu al apon ta para a Igre ja como a for mo sa No i va de Je sus
Cris to: A alva, a lua, o sol, e um exérci to com ban de iras.

1. A ALVA DO DIA

1) “Quem é esta que apa re ce como a alva do dia.” (Ct. 6.10). A alva do dia se re
- fe re ao al vo res cer e ama nhe cer de um novo dia. O Arre ba ta men to da Igre
ja será o al vo res cer de um novo dia para a Igre ja de Cris to.

2) Em Pv. 4.18, está es cri to: “Mas a ve re da do jus to é como a luz da au ro ra,
que vai bri lhan do mais e mais até ser dia per fe i to”.
3) Em Ap. 2.28, Je sus pro me teu pre mi ar a Igre ja Ven ce do ra como a “Estre
la da Ma nhã”. A “es tre la da ma nhã” se re fe re a “es tre la da alva” que sempre
en xer - ga mos no ama nhe cer de um novo dia.
4) Em Ap. 22.16, o pró prio Je sus se iden ti fi ca para a sua No i va Ama da
como a “Raiz e a Ge ra ção de Davi, a res plan de cen te Estre la da Ma nhã”.

2. A LUA
1) “...for mo sa como a lua.” (Ct. 6.10). A lua sem pre é re tra ta da como um po
der se cun dá rio e sub mis so. A Igre ja é o Cor po Mís ti co de Cris to na ter ra,
e sub mis sa a Ca be ça, que é o pró prio Cris to (Ef. 5.23).

2) No so nho de José, o sol re pre sen ta o seu pai, a lua re pre sen ta a sua mãe, e
as onze es tre las re pre sen ta os seus onze ir mãos (Gn. 37.9). Nes te caso, a lua
apa re ce pela pri me i ra vez como sím bo lo de uma mu lher, a qual é a es po sa
de Jacó.

3) Em Ap. 12.1, numa vi são es ca to ló gi ca, João con templou uma mu lher ves
ti da do sol com a lua deba i xo dos seus pés e uma co roa de doze es tre las na ca
be ça. Para al guns teó lo gos, a mu lher aqui, re pre sen ta a na ção de Isra el
(Espo sa de Je o vácon for me Is. 54.5) ves ti da da au to rida de do Gran de Sol,
que simbo li za o pró prio Deus (SL. 84.11); ou, até mes mo, re pre sen ta a Igre
ja (Espo sa de Cris to con for me 2Co. 11.2); ves ti da da au to ri da de do Sol da
Jus ti ça, que simbo li za o pró prio Cris to (ML. 4.2 e Lc. 1.78-79).

4) Em 1Co. 15.41, Pa u lo uti li za a gló ria do sol, da lua, e das estre las para
identi - fi car a gló ria que há de ser reve la da nos cor pos glo ri fi ca dos dos san
tos que res sus ci tarão.

3. O SOL

1) “...pura como o sol. .” (1Co. 15.41). O sol é o gran de lu ze i ro da ter ra. Sa lo


mão usa a pu re za do sol para ilus trar a pu re za da no i va. A No i va de Cris to
será apre sen ta da como Vir gem Pura (2Co. 11.2 e Ef. 5.25-27).

2) Em Mt. 13.43, Je sus dis se que: “Os jus tos res plan de ce rão como o sol, no
re i no de seu Pai”.
3) Em Fp. 2.15, Pa u lo diz que, a Igre ja deve res plan de cer como “as tros no
mun - do”.
4) O sol é o gran de as tro que ilu mi na a ter ra. Cris to é o Gran de Astro que ilu
mi na o mun do (Jo. 8.12 ; ML. 4.2 e Lc. 1.78-79). A Igre ja tam bém bri lha nes
te mun do, por meio da luz que re ce be de seu Astro Ma i or, o Sol da Jus ti ça, o
qual é Cris to (Mt. 5.14-16 e Ap. 1.12-16).

4. UM EXÉRCITO COM BANDEIRAS

1) “...for mi dá vel como um exér ci to com ban de i ras.” (Ct. 6.10). Uma das co
i sas mais ad mi rá ve is nes te mun do, é um exér ci to bem far da do e mar chan
do com a ban de i ra do seu país nos seus pu nhos. Uma sim ples en tra da de ban
de i ras em nos sas fes ti vi da des, é mo ti vo de apreci a ção de todos nós. É as
sim que a no i va é com pa ra da.

2) Ima gi ne como será for mi dá vel o Exér ci to de Sal vos de to das as tribos,
línguas, po vos e na ções, to dos ves ti dos de ves tes bran cas e res plan de cen
tes di - an te do Tro no de Deus e do Cor de i ro (Ap. 7.9-10).

3) Em Is. 62.10, está es cri to: “Pas sai, pas sai pe las por tas; pre pa rai o ca mi
nho ao povo; apla nai, apla nai a es tra da, lim pai-a das pe dras; ar vo rai ban de
i ra aos po vos”.

4) Em Êx. 17.15, está es cri to que, após a vitó ria do Exér ci to de Isra el con tra
os ama - le qui tas, “Mo i sés edi fi cou um altar e cha mou o seu nome: O
Senhor é mi nha Ban de i ra”.

CONCLUSÃO : A Igre ja de Cris to apa re ceu na ter ra como a alva do dia, é


for mo sa como a lua, é pura como o sol, e é for mi dá vel como um Exér ci to
com Ban de i ras. A Igre ja iní ci ou a sua alva re ce ben do o bri lho de Cris to, a
Res plan de cen te Estre la da Ma nhã, ca mi nha sem pre for mo sa como a lua
che ia, e rece ben do a luz de Cristo, o Sol da Justi ça, mar cha em tri un fo como
um Exérci to com Ban de iras, re ce ben do a pro te ção do Se nhor dos Exér ci
tos (Mt. 16.18; Ap. 17.14 e Ap. 19.11-16).

Esbo ço 149 – Dia 28 de Maio


Tema: A FORÇA DO AMOR

Põe-me como selo so bre o teu co ra ção, como selo so bre o teu bra ço, por que
o amor é for te como a mor te.As mui tas águas não po de ri am apa gar o amor,
nem os rios, afo gá-lo; ain da que al guém des se to dos os bens da sua casa pelo
amor, se ria de todo des pre za do. Ct. 8.6-8

INTRODUÇÃO : Neste tex to sa gra do, o sá bio Sa lo mão nos re ve la a gran


de for ça que o amor pos sui. O amor é tão for te, que, é ca paz de ven cer e su pe
rar to das as di - fi cul da des hu ma nas. O amor ven ce o medo. O amor ven ce e
su pe ra to dos os de sa fi - os da vida.

1. O AMOR VENCE O MEDO

1) Em 1Jo. 4.18, está escri to que: “No amor não exis te medo; an tes, o per fe i
to amor lan ça fora o medo”.
2) Em Rm. 8.38-39, Pa u lo afir ma que: “Nem a mor te, nem a vida, nem os an
jos, nem os prin ci pa dos, nem as co i sas do pre sen te, nem do por vir, nem os
po de - res, nem a al tu ra, nem a pro fun di da de, nem qual quer ou tra cri a tu ra
po de rá se pa rar-nos do amor de Deus, que está em Cris to Je sus, nos so Se
nhor”.

3) Em 1Co. 13.7, está es cri to que, o amor “tudo so fre, tudo crê, tudo espe ra,
tudo su por ta”.
4) No SL. 23.3-4, Davi diz: “Guia-me pe las ve re das da jus ti ça por amor do
seu Nome. Ain da que eu ande pelo vale da som bra da mor te, não te me rei mal
ne - nhum, por que tu está co mi go; o teu ca ja do e o teu bor dão me con so
lam”.

2. O AMOR DE CRISTO É MAIS FORTE DO QUE TUDO

1) Em Jo. 15.13, Je sus disse: “Nin guém tem ma i or amor do que este: de dar al
guém a pró pria vida em fa vor dos seus ami gos”.
2) Em Rm. 5.8, está es cri to que: “Deus pro va o seu pró prio amor para co nos
co pelo fato de ter Cris to mor ri do por nós, sen do nós ain da pe ca do res”.
3) Em 2Co. 8.9, está es cri to “Co nhe ce is a gra ça de nos so Se nhor Je sus Cris
to, que, sen do rico, se fez po bre por amor de vós, para que, pela sua po bre za,
vos tor nás seis ri cos”.
4) Em Ef. 3.17-19, está es cri to que, de ve mos “Com pre en der com to dos os
san tos, qual é a lar gu ra, e o com pri men to, e a al tu ra, e a pro fun di da de e
co nhe - cer o amor de Cris to, que ex ce de todo en ten di men to, para que se ja
is to ma dos de toda a ple ni tu de de Deus”.

CONCLUSÃO : O amor é mais for te do que tudo. O amor ven ce o medo, ven
ce a mor te, ven ce as tri bu la ções, ven ce as di fi cul da des, e ven ce tudo, pois
“DEUS É AMOR” (1Jo. 4.8).

XXIII – ESBOÇOS EM ISAÍAS


Esbo ço 150 – Dia 29 de Maio
Tema: UM MENINO PRODÍGIO

Por que um me ni no nos nas ceu, um fi lho se nos deu; o go ver no está so bre os
seus om bros; e o seu Nome será: Ma ra vi lho so, Con se lhe i ro, Deus For te,
Pai da Eter ni da de, Prín ci pe da Paz. Is. 9.6

INTRODUÇÃO: Este tex to sa gra do de Is. 9.6, é um dos tex tos mais Mes siâ
ni cos das Escritu ras. Toda a Histó ria Sa gra da se re su me em Is. 9.6 e Jo.
3.16. To das as Escri tu ras gi ram em tor no do nas ci men to des te Me ni no
Deus e de sua Gran de Obra Re den to ra. Nes tes cin co No mes im por tan tes:
Ma ra vi lho so, Con se lhe i ro, Deus For - te, Pai da Eter ni da de e Prin ci pe da
Paz, es tão o re su mo de toda a Obra que este Me ni no Ma ra vi lho so se ria ca
paz de fa zer.

1. MARAVILHOSO

1) “E o seu Nome será: Ma ra vi lho so.” (Is. 9.6). Esta é sem dú vi da, uma das
pro - fe ci as Mes siâ ni cas mais glo ri o sas acer ca do Nas ci men toe Obra de
Je sus Cris - to, o Filho de Deus.

2) Em Jz. 13.18, em uma das suas mu i tas apa ri ções te o fâ ni cas, o Cris to
Pré-Exis - ten te já ha via se iden ti fi ca do a Ma noá (o pai de Sansão) com este
tí tu lo de “Ma ra vi lho so”.

3) Tudo na vida de Je sus foi Ma ravi lho so. Seu Nas ci men tofoi ma ra vi lho
so e sin gu lar na His tó ria (Lc. 1.26-37 e Lc. 2.1-20). Sua in fân cia foi Ma ra vi
lho sa (Lc. 2.41-47). Seu Mi nis té rio foi Ma ra vi lho so, por que, as pes so as fi
ca vam ma ra vi- lha das com os seus en si na men tos e com os seus mi la gres
(Mt. 7.28-29; Mt. 8.27; Mt. 13.54; Mc. 6.1-3 etc.). Sua obra Re den to ra é Ma ra
vi lho sa e Inex pli - cá vel (Jo. 10.11; 15.13; Ap. 1.5; 13.8; 22.14 etc.).

4) Em Is. 28.29, está es cri to que: “Ele é Ma ra vi lho so em Con se lho e Gran
de em obra”.
2. CONSELHEIRO

1) “...Con se lhe i ro.” (Is. 9.6). Con se lhe i ro, é al guém pos su i dor de mu i ta
sa be do - ria e in te li gên cia para dar con selhos. To dos os gran des mo nar cas
da His tó ria, tan to bí bli ca como se cu lar,go ver navam atra vés dos seuscon se
lhei ros (2Sm. 16.23; 1Cr. 27.32-34; Et. 1.13-14 etc.).

2) Je sus Cris to, o Fi lho de Deus, jun ta men te com Deus-Pai, for mu lou o
Gran de Con se lho da Re den ção da raça hu ma na, des de a eter ni da de (Ef.
1.3-12).
3) Em Jó 12.13, está escri to que: “Ele tem Con se lho e Enten di men to”.
4) Em Pv. 8.14, A Sa be do ria Per so ni fi ca da diz: “Meu é o Con se lho e a Ver
da de i - ra Sa be do ria, Eu sou o Enten di men to, mi nha é a for ta le za”. E, em
1Co. 1.24, está es cri to que Cris to é o “Po der de Deus e Sa be do ria de Deus”.
Je sus Cris to é a pró pria Sa be do ria e Inte li gên cia em Pes soa (CL. 2.3). Ele
é o Sá bio Con se - lhe i ro Di vi no.

3. DEUS FORTE

1) “...Deus For te.” (Is. 9.6). Je sus Cris to não é meio-Deus e nem vice-Deus.
Ele é 100% (cem por cen to) Deus e 100% (cem por cen to) Ho mem. Ele é o
Deus For te.

2) Je sus Cris to é chama do de Deus em vá ri as pas sa gens bí bli cas. Em Rm.


9.5, Pau lo, o cha ma de “Deus Ben di to Eter na men te”. Em 1Jo. 5.20, João, o
cha ma de “Ver da - de i ro Deus”.

3) Em Is. 10.21, está es cri to que, nos úl ti mos dias “Os restan tes se con ver te
rão ao Deus For te, sim, os res tan tes de Jacó”.
4) Em Jr. 50.34, está es cri to que: “O seu Re den tor é For te, Se nhor dos Exér
ci tos é o seu Nome”.

4. PAI DA ETERNIDADE

1) “...Pai da Eter ni da de.” (Is. 9.6). Sen do o Pai da Eter ni da de, Je sus Cris to
é o pró prio pro ge ni tor da eter ni da de. Nes ta qua li da de, Je sus Cris to é
“Aque le que é eter no no seu pró prio ser e que as sim, pode con ce der o dom
da vida eter na aos ou tros” (Rus sel Shedd) (Jo. 4.14; Jo. 5.21-25 etc.).

2) No SL. 90.2, Mo i sés dis se: “Antes que os mon tes nas ces sem e se for mas
sem a ter ra e o mun do, de eter ni da de a eter ni da de, tu és Deus”.
3) No SL. 102.25-27, está es cri to: “Em tem pos re mo tos, lan ças te os fun da
men - tos da ter ra; e os céus são obra das tuas mãos. Eles pe re ce rão, mas tu
per ma - ne ces; to dos eles en ve lhe ce rão como uma veste, como rou pa os
muda rás, e se rão mu da dos. Tu, po rém, és sem pre o mes mo, e os teus anos ja
ma is te rão fim”. Em Hb. 1.5-12, o Escri tor Sa gra do afir ma que, estas pas sa
gens bí bli cas se re fe rem a Je sus Cris to, o Fi lho de Deus.
4) Em Hb. 13.8, está escri to que: “Je sus Cris to é o mes mo on tem, e hoje, e
eter na - men te”.
5. PRÍNCIPE DA PAZ

5.1 “...Prín ci pe da Paz.” (Is. 9.6). O Deus da Bí blia é sem pre co nhe ci do
como o “Deus de paz” (Rm. 16.20; 2Co. 13.11; 1Ts. 5.23 etc.). Por isso, o seu Fi
lho Ama do, é o Prín ci pe da Paz. “Este será a nossa paz” (Mq. 5.2-5).

5.2 Em Jo. 14.27, o Pró prio Prín ci pe da Paz nos de i xou a sua Paz, di zen do:
“De i - xo-vos a minha paz, a mi nha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o
mun do. Não se tur be o vos so co ra ção, nem se ate mo ri ze”.

5.3 Em Rm. 5.1, está es cri to que: “Jus ti fi ca dos, pois, me di an te a fé, te mos
paz com Deus por meio de nos so Se nhor Je sus Cris to”.
5.4 Em 1Ts. 3.16, está es cri to que: “O Se nhor da Paz, Ele mesmo, vos dê con ti
nu - a men te a paz em to das as cir cuns tân ci as. O Se nhor seja com to dos
vós”.

CONCLUSÃO : Como Ho mem, o Me ni no Je sus nas ceu (Is. 9.6; Is. 7.14;
Mt.
1.18-23 e GL. 4.4); po rém, como Deus, Je sus Cris to é des de os tem pos eter
nos (Is.
9.6; Mq. 5.2; Jo. 8.58; Hb. 13.8 etc.). Je sus Cris to é Ma ra vi lho so, por que,
Ele faz ma ra vi lhas. Je sus Cris to é o Con selhe i ro, por que, Ele tem os me
lho res con selhos para o seu povo. Je sus Cris to é o Deus For te, por que, Ele é
gran de em for ça e for te em po der. Je sus Cris to é o Pai da Eter ni da de, por
que, Ele é de eter ni da de a eter ni - da de. Je sus Cristo é o Prín ci pe da Paz,
por que, Ele é a nos sa ver da de i ra paz.

Esbo ço 151 – Dia 30 de Maio


Tema: OS SETE ESPÍRITOS DE DEUS

Re pou sa rá so bre Ele o Espí ri to do Se nhor, o Espí ri to de Sa be do ria e de


Enten di men to, o Espí ri to de Con se lho e de For ta le za, o Espí ri to de Co
nhe ci men to e de Te mor do Se nhor. Is. 11.2

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre os sete
Espí ri tos de Deus, os qua is, re ve lam a Ple ni tu de do Espí ri to San to. Os
Sete Espíri tos de Deus simbo li zam a per fe i ção ab so lu ta do go ver no Di
vino so bre o mun do.

1. ESPÍRITO DO SENHOR
1) O Espí ri to do Senhor é o pri me i ro da lis ta, por que, Ele é a Raiz e o Tron
co Espi ri tu al, de onde pro ce dem: Sa be do ria, Enten dimen to, Con se lho,
For ta le za, Co nhe ci men to, e Te mor do Se nhor (Is. 11.2).

2) Em Ef. 4.4, está es cri to que: “Há so men te.um Espí ri to”. Por tan to, os sete
Espí ri tos de Deus re ve lam a mul ti for me ma ni fes ta ção do Espí ri to San to
de Deus (Ap. 4.5).

3) Este texto de Is. 11.2, re ve la que so bre o Mes si as, o qual é o Tron co, o Re
ben to, a Raiz, e o Re no vo de Jes sé, re pou sa rá es tes sete Espí ri tos. Em Lc.
4.18-19, Je sus re ve la o cum pri men to da pro fe cia de Isa ías, di zen do:“O
Espí rito do Se - nhor está so bre mim, pelo que me un giu para evan ge li zar os
po bres; en vi ou-me para pro cla mar li ber tação aos ca ti vos e res tau ra ção da
vista aos ce gos, para pôr em li ber da de os opri mi dos, e apre go ar o ano ace i
tá vel do Se nhor”.

4) Em Ap. 3.1, o pró prio Je sus se iden ti fi ca como: “Aque le que tem os sete
Espíri tos de Deus”.
2. ESPÍRITO DE SABEDORIA

1) A Sa be do ria é a ca pa ci da de de jul gar cor re ta men te as co i sas. O Espí


ri to San to é o gran de Agen te da Sa be do ria (Is. 40.13-14). É o Espí ri to San
to que dis tri - bui ás Igre jas o Dom da Pa la vra de Sa be do ria (1Co. 12.8).

2) Em Êx. 31.3, Deus en cheu a Be za lel do Espí ri to de Sa be do ria e de Enten


di men to.
3) Em Dt. 34.9, está es cri to que: “Jo sué, fi lho de Num, es ta va che io do Espí
ri to de Sa be do ria”.
4) Em Ef. 1.8, está es cri to que: “Deus der ra mou abun dan te men te so bre nós
em toda a sa be do ria e pru dên cia”.

3. O ESPÍRITO DE ENTENDIMENTO

1) O Enten dimen to é a ca pa ci da de sas. O Espí ri to San to é o gran de Agen


te do Enten di men to e do dis cer ni men to de to das as co i sas (1Co. 2.10).

2) Em Dn. 2.21, está escri to que, Deus é o que “dá sa be do ria aos sá bi os e en
ten - di men to aos in te li gen tes”.
3) Em Dn. 5.11-14, está es cri to que, até os pa gãos re co nhe ci am que Da ni el
pos su ia uma ca pa ci da de Di vi na e so bre na tu ral para en ten der, de ci frar,
des ven - dar, e in ter pre tar os enig mas mais di fi ce is que po de ria exis tir.
4) Em CL. 1.9, está escri to que, nós de ve mos tam bém trans bor dar do “Ple no
co nhe ci men to da sua von ta de, em toda a sa be do ria e en ten di men to es pí
ri tual”. in te lec tu al de en ten der per fe i ta men te as co i -

4. O ESPÍRITO DE CONSELHO

1) O Con se lho é o pa re cer cor re to e per fe i to so bre o que se deve fa zer. O


Espí ri to San to é o gran de Con se lhe i ro (Is. 40.13-14 e Jo. 12)6).
2) Em Jó 12.13, está escri to que: “Com Deus está a Sa be do ria e a For ça; Ele
tem Con se lho e Enten dimen to”.
3) No SL. 33.11, está es cri to que: “ O Con se lho do Se nhor dura para sempre;
os de síg ni os do seu co ra ção, por to das as ge ra ções”.
4) Em Is. 28.29, está es cri to que: “Ele é Ma ra vi lho so em Con se lho e gran
de em obra”.

5. O ESPÍRITO DE FORTALEZA

1) A For ta le za é um lu gar de se gu ran ça má xi ma e de pro te ção. O Espí ri


to San to é o Agen te da For ta le za e do Po der (Ef. 3.16).
2) Em Naum 1.7, está es cri to que: “O Se nhor é Bom, é For ta le za no dia da
an - gús tia e co nhe ce os que Nele confi am”.
3) Em Is. 59.19, está es cri to que: “Vin do o ini mi go como uma cor ren te de
águas, o Espí ri to do Se nhor ar vo ra rá con tra ele a sua Ban de i ra”.

4) Em 2Tm. 1.7, está escri to que: “Deus não nos tem dado es pí ri to de co var
dia, mas de for ta le za, e de amor, e de mo de ra ção”.
6. ESPÍRITO DE CONHECIMENTO

1) O Co nheci men to é a ca paci da de de co nhecer per fei ta men te as co i sas.


O Espí ri to San to é o gran de Agen te do Co nhe ci men to (Is. 40.13-14).
2) Em 1Co. 12.8, está es cri to que: “A cada um é dada, me di an te o Espí ri to, a
Pa - la vra da Sa be do ria; e a ou tro, segun do o mesmo Espí ri to, a Pa la vra do
Co nhe ci men to”.
3) Em CL. 1.10, está escri to que: de ve mos fru ti fi car em toda boa obra “e cres
cen do no ple no co nhe cimen to de Deus”.
4) Em 1Jo. 2.20, está escri to que: “Vós pos su is un ção que vem do San to e to
dos ten des co nhe ci men to”.

7. ESPÍRITO DO TEMOR DO SENHOR


1) O Te mor do Se nhor é si nô ni mo de re ve rê cia ao Se nhor, é apar tar-se do
mal, e, é tam bém, o prin cí pio da ver da de ira sa be do ria e in te li gên cia (Jó
28.28 e SL. 111.10).

2) Em 2Co. 7.1, está es cri to que, como de ten to res das glo ri o sas pro mes sas
Di vi - nas, de ve mos aper fe i ço ar “a nos sa san ti da de no te mor de Deus”. O
Espí rito do Te mor do Se nhor age geran do o Te mor do Se nhor em nos sos co
ra ções (Fp. 2.12).

3) Em Hb. 12.28, está es cri to que: “Por isso, re ce ben do nós um re i no ina ba
lá vel, re te nha mos a gra ça, pela qual sir va mos a Deus de modo agra dá vel,
com re ve - rên cia e san to te mor”.

4) Em Is. 33.6, está es cri to que: “O Te mor do Se nhor será o teu te sou ro”.
CONCLUSÃO: Os sete Espí ri tos de Deus apontam para a Pleni tu de do Espí
ri to de Deus ma ni fes ta da atra vés dos sé cu los San to na Igre ja, e a mul ti for
me Sa be do ria no meio do seu povo (Ef. 3.10 e Ap. 1.4).

Esbo ço 152 – Dia 31 de Maio


Tema: AS FONTES DE SALVAÇÃO
Vós, com ale gria, ti ra re is água das fon tes da salva ção. Is. 12.3

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre as fon tes
da sal - va ção. Existem mu i tas fon tes im por tan tes, que, po de mos ti rar água
para ma tar a nos sa sede es pi ri tu al, pois, suas águas são pu ras e cris ta li nas.
Assim, po de mos com ale gria bus car água nas fon tes da sal va ção.

1. FONTE DAS ÁGUAS VIVAS

1) Em Jr. 17.13, está es cri to que, o Se nhor é a “Fon te das Águas Vivas”. O Se
nhor é a nos sa fon te pri mor di al de sal va ção. “Ao Se nhor per ten ce a sal va
ção” (Jn. 2.9).
2) Em Jo. 7.37-38, o pró prio Se nhor da Sal va ção diz: “Se al guém tem sede,
ve - nha a mim e beba. Quem crer em mim, como diz a Escri tu ra, do seu in te ri
or flu i rão rios de água viva”.
3) Em Jo. 4.14, o Se nhor diz o se guin te a uma alma se den ta: “Aque le, po
rém, que be ber da água que Eu lhe der nun ca mais terá sede; pelo con trá rio, a
água que Eu lhe der será nele uma fon te a jor rar para a vida eter na”.
4) O Se nhor é a nos sa fon te primor di al de sal va ção, por que, Ele nos sal va,
tan to dos pe ri gos des ta vida, como tam bém nos sal va para a vida eter na (Êx.
15.2 e Is. 45.17).
5) Em At. 4.12, está es cri to: “E não há sal va ção em ne nhum ou tro; por que
aba i - xo do céu não exis te ne nhum ou tro nome, dado en tre os ho mens, pelo
qual im porta que se ja mos sal vos”.

2. FONTE DA GRAÇA

1) A se gun da fon te de sal va ção que po de mos be ber é a Fon te da Gra ça.
Em Ef. 2.8, está es cri to: “Pela gra ça sois sal vos, me di an te a fé; isto não vem
de vós; é dom de Deus”.

2) No SL. 6.4, Davi diz: “Vol ta-te, Se nhor, e li vra a minha alma; sal va-me por
tua gra ça”.
3) Em Tt. 2.11, está es cri to que: “A gra ça de Deus se há ma ni fes ta do, tra zen
do sal va ção a to dos os ho mens”.
4) Em Rm. 5.20, está es cri to que: “Onde abun dou o pe ca do, su pe ram bun
dou a gra ça”.
5) Em Rm. 3.24, está es cri to: “Sen do jus ti fica dos gra tu i ta men te, por sua
gra ça, me di an te a Re den ção que há em Cris to Je sus”.

3. FONTE DA ÁGUA DA VIDA

1) A ter ce i ra fon te de sal va ção que de ve mos ti rar água, é a Fon te da Vida.
De acor - do com Jo. 4.6-15, a mu lher Sa ma ri ta na se diri giu a fon te de Jacó
para bus car água, e aca bou se encon tran do com Je sus Cris to – A Fon te da
Vida (Jo. 14.6).

2) Em Ap. 7.17, está escri to que: “O Cor de i ro que se en con tra no meio do tro
no os apas cen ta rá e os gui a rá para as fon tes da água da vida. E Deus lhes en
xu - ga rá dos olhos toda lá gri ma”.

3) Em Ap. 21.6, está es cri to: “Eu Sou o Alfa e o Ôme ga, o Prin cí pio e o Fim.
Eu, a quem tem sede, da rei de graça da fon te da água da vida”.
4) Em Pv. 14.27, está es cri to que: “O te mor do Se nhor é fon te de vida para
evi - tar os la ços da mor te”.
5) De acor do com Jo. 10.10, Je sus Cris to é a Fon te da Vida Abun dan te.

CONCLUSÃO : De ve mos evi tar be ber em fon tes ro tas, que não re têm as
águas, e ti - rar água das fon tes da sal va ção; pois, o Se nhor é o Ver da de i ro
Ma nan ci al de Águas Vi vas (Jr. 2.13).
Esbo ço 153 – Dia 01 de Junho
Tema: O QUE DEUS DECIDIU ESTÁ DECIDIDO

Por que o Se nhor dos Exér ci tos o de ter mi nou; quem, pois, o in va li da rá? A
sua mão está es ten di da; quem, pois, a fará vol tar atrás? Is. 14.27

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre a so be ra
nia de Deus, e o seu gran de po der em de ter minar to das as co i sas se gun do o
be ne plá ci to da sua von ta de. Ne nhum dos seus propó si tos po dem ser im pe
di dos. Pois, o nos so Deus é So be ra no e Abso lu to.

1. A SOBERANIA DIVINA EM DETERMINAR AS COISAS

1) O Nos so Deus é um Deus de de ter mi na ção. Nin guém é ca paz de im pe dir


o seu agir (Is. 43.13).
2) Em Jó 42.2, está es cri to: “Bem sei que tudo po des, e ne nhum dos teus pla
nos pode ser frus tra do”.
2) Em Jó 9.12, está escri to: “Quem o pode impe dir? Quem lhe dirá: Que fa
zes?”.
4) Em Is. 40.14-15, está es cri to: “Com quem to mou Ele con se lho, para que
lhe des - se com pre en são? Quem
lhe mos trou o ca mi nho
o ins tru iu na ve re da do ju í zo, e lhe en si nou sa be do ria, e de en ten di
mento? Eis que as na ções são con si dera das por Ele como um pin go que cai de
um bal de e como grão de pó na ba lan ça; as ilhas são como um pó fino que se
le van ta”.

2. AS ÚNICAS COISAS QUE PODEM ALTERAR A DETERMINAÇÃO


DIVINA

1) O que nos faz mais admi rar em Nos so Deus, é que, ape sar de ser o dono ex
clu si vo do po der (SL. 62.11), Ele não age como um So be ra no déspo ta e infle
xí vel; mu ito pelo con trá rio, Ele não re siste um co ra ção que branta do e con
tri to (SL. 51.17 e Is. 57.15).

2) De acor do com 2Rs. 20.1-5, as lá gri mas e a hu mi lha ção do pi e do so rei


Eze - qui as, co mo veu tan to o co ra ção amo ro so do Se nhor Deus, que, o pró
prio Se - nhor al te rou a de termi nação Di vina so bre a mor te do rei Eze qui as.

3) De acor do com Jn. 3.1-10, o ar re pen di men to e a con ver são sin ce ra dos
ni ni - vi tas, le vou o pró prio Deus al te rar a sua de ter mina ção em des tru ir a
ci da de de Ní ni ve.

4) De acor do com Am. 7.1-6, a in ter ces são do pro fe ta le vou o pró prio Deus
al te - rar a sua deter mi na ção em cas ti gar a Isra el por mu i tas ve zes.

CONCLUSÃO : Nós apren de mos que, nin guém pode impe dir o agir e os pro
pó si tos de Deus em aben ço ar as nossas vi das; e, ape nas um co ra ção con tri
to, que bran ta do, ar re pen dido, con ver ti do e hu mil de pode al te rar as de ter
mi na ções con trá ri as e ju di - ci a is con tra as nos sas vi das.

Esbo ço 154 – Dia 02 de Junho


Tema: A QUE HORA ESTAMOS DA NOITE?

Sen ten ça contra Dumá. Gri tam-me de Seir: Gu ar da, a que hora es ta mos da
noi te? Guar da, a que ho ras?. Is. 21.11

INTRODUÇÃO : A cena des cri ta nes te ver sí cu lo, re ve la os sen ti ne las


que fi ca vam no mon te Seir, o mon te mais alto de Dumá, ou tro nome de
Edom, pre o cu pa dos; pois, a qual quer hora da no i te eles po de ri am ser sur
pre en di dos pe los seus ini mi gos. Tal pos si bi li da de, fa zi am com que eles
fi cas sem em es ta do de aler ta. Este fato nos en si na algu mas li ções
espirituais importantes acerca da vigilância.

1. DEVEMOS VIGIAR EM TODO O TEMPO

1) Uma pes soa que fica de hora em hora olhan do para o re ló gio, ou per gun ta
do as ho ras, é por que tem um com pro mis so mu i to sé rio, ou sabe que tem
uma hora mar ca da para se en con trar com al guém. Je sus nos acon se lhou o
seguin - te: “Vi gi ai, pois, por que não sabe is quan do virá o senhor da casa; se
à tar de, se à meia-no i te, se ao can tar do galo, se pela ma nhã” (Mc. 13.35).

2) Em Mc. 13.33, está es cri to: “Olhai,vigi ai e orai, por que não sa be is quan
do che ga rá o tem po”.
3) Em Rm. 13.12, Pa u lo diz: “Vai alta a no i te, e vem che gan do o dia. De i xe
mos, pois, as obras das ter vas e re vis ta mo-nos das ar mas da luz”.
4) Em Ef. 6.18, Pa u lo diz: “Oran do em todo o tem po no Espí ri to e para isto
vi gi - an do com toda ora ção e sú pli ca por to dos os san tos”.

2. ESTAMOS NA ÚLTIMA HORA


1) Em Is. 21.11, os sen ti ne las per gun tam: “Guar da, a que ho ras es ta mos da
no i - te?”. Em 1Jo. 2.18, vem a res pos ta: “Fi lhi nhos, já é a úl ti ma hora; e,
como ou - vis tes que vem o an ti cris to, tam bém, ago ra, mu i tos an ti cris tos
têm sur gi do; pelo que co nhe ce mos que é já a úl ti ma hora”.

2) Em Rm. 13.11, está escri to: “E digo isto a vós ou tros que co nhe ce is o tem
po: Já é hora de vos desper tar des do sono; por que a nos sa sal va ção está, ago
ra, mais per to do que quan do no prin cí pio cre mos”.

3) Em Mt. 25.6, está es cri to: “Mas, à meia-no i te, ou viu-se um gri to: Eis o no
i vo! Saí ao seu en con tro!”.
4) No SL. 85.9, está es cri to que: “Pró xi ma está á sua sal va ção dos que o
temem.”

CONCLUSÃO : De ve mos se guir a re co men da ção de Je sus e dos seus san


tos após - to los acer ca da vi gi lân cia, pois, Já es ta mos nos apro xi man do da
hora do ar re ba ta - men to da Igre ja do Se nhor (1Co. 15.51-52).

Esbo ço 155 – Dia 03 de Junho


Tema: O AVIVAMENTO VEM DO ALTO

Até que se der ra me so bre nós o Espí ri to lá do alto; en tão, o de ser to se tor na
rá em po mar, e o po mar terá sido por bos que. Is. 32.15

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der que, o ver da de
i ro avi - va men to vêm do Espí ri to derra ma do lá do alto so bre toda a car ne.
O Espí ri to San to é o Espí ri to do Avi va men to. O avi va men to vem do alto,
por que, o Espíri to San to veio do alto, veio di re ta men te do Pai Altís si mo.

1. O ESPÍRITO PROMETIDO

1) O Espi ri to San to é co nhe ci do por nós como o Espí ri to San to da Pro mes
sa (Ef. 1.13), por que, vá ri os pro fe tas va ti cina ram acer ca de sua vin da glo
ri o sa para ha bi tar co nos co.

2) O Pro fe ta Isa íasva ti cinou, di zen do: “Por que der ra ma rei água so bre o
se den - to e tor ren tes, so bre a ter ra seca; der ra ma rei o meu Espí ri to so bre
a tua pos te - ri da de e a mi nha ben ção, so bre os teus des cen den tes” (Is.
44.3).
3) O pro fe ta Eze qui el va ti ci nou, di zen do: “Então, as per gi rei água pura so
bre vós, e fi ca re is pu ri fi cados; de to das as vos sas imun dí ci as e de to dos
os vos sos ído los vos pu ri fi ca rei.Porei den tro de vós o meu Espí ri to e farei
que an de is nos meus es ta tu tos, guar de is os meus ju í zos e os ob ser ve is”
(Ez. 36.25,27).

4) O Pro fe ta Joel va ti ci nou,


meu Espí ri to so bre toda
di zen do: “E acon te ce rá, de po is, que der ra ma rei o

a car ne; vos sos fi lhos e vos sas fi lhas pro fe ti za rão, vos sos ve lhos sonha
rão, e os vos sos jo vens te rão vi sões; até sobre os ser vos e so bre as servas der
ra ma rei o meu Espí ri to na que les dias” (JL. 2.28-29).

2. A VINDA DO ESPÍRITO COMO CHUVA

1) O ce ná rio des te tex to de Isa ías 32.15, é um ce ná rio que descre ve a vinda
do Espí - ri to como chu va. A chu va é der ra ma da do alto. O Espíri to é tam
bém der ra ma do lá do alto.

2) De acor do com Is. 35.5-7, “Àguas ar re ben ta rão no de ser to, e ri be i ros no
ermo. A are ia es bra se a da se trans for ma rá em la gos, e a ter ra se den ta, em
ma - na ci a is de águas”. O der ra ma men to do Espí ri to como chu va, trans for
ma o de - ser to es pi ri tu al de nos sas vi das em um rio de água viva (Jo. 7.38).

3) Em Os. 14.5, está es cri to: “Se rei para Isra el como or va lho, ele flo res ce rá
como lí rio e lan ça rá as suas ra í zes como o ce dro do Lí ba no”.

4) Em Os. 6.3, está es cri to: “Co nhe ça mos e pros si ga mos em co nhe cer ao
Se nhor; como a alva, a sua vinda é certa; e Ele des ce rá so bre nós como a chu
va, como chu va se rô dia que rega a ter ra”.

CONCLUSÃO : So men te a Vin da do Espí ri to San to so bre as nos sas vi das,


é que pode trans for mar o nos so de ser to
que uma igre ja es te ja vi ven do um
es pi ri tu al em ma nan ci al de águas vi vas. Por mais de ser to es pi ri tu al;
quan do o Espí ri to lá do Alto é

der ra ma do, o de ser to flo res ce e dá fru tos (Ez. 39.1-14).


Esbo ço 156 – Dia 04 de Junho
Tema: A GLÓRIA DO SENHOR SE MANIFESTARÁ A gló ria do Se nhor se
ma ni fes ta rá, e toda a car ne a verá, pois a boca do Se nhor o disse.

Is. 40.5

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der que, a gló ria do
Se nhor se ma ni fes ta de vá ri as ma ne i ras. A gló ria de Deus se ma ni fes ta
de for ma vi sí vel, se ma ni fes taatra vés de um sím bo lo, se ma ni fes taatra
vés de um mi la gre, e se ma ni fes ta rá de for ma pes so al atra vés da Se gun da
Vin da de Je sus Cristo em Gló ria.

1. A MANIFESTAÇÃO VISÍVEL DA GLÓRIA DO SENHOR

1) A Bí blia re ve la a glória do Se nhor se ma ni fes tan do de vá ri as for mas vi


sí ve is (Êx. 24.10).
2) Em Êx. 24.16, a gló ria do Se nhor pousou de for ma visí vel so bre o mon te
Si -

3)
nai.
Em Ez. 43.1-2, a gló ria do Deus de Isra el en trou no Tem plo de for ma vi sí vel
pela por ta ori en tal.

4) To dos os ho mens que con tem pla ram de for ma visí vel a gló ria do Se nhor,
fica - ram es pan ta dos e pos su í dos de gran de te mor e re ve rên cia (Êx. 3.6;
Lv. 9.23-24; Ez. 1.26-28 etc.).

2. A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA DO SENHOR ATRAVÉS DE UM


SÍMBOLO

1) A gló ria do Se nhorse ma ni fes taatra vés de vá ri os sím bo los ilus tra ti vos
de seu po der. Em Êx. 16.10, a gló ria do Se nhor se ma ni fes ta atra vés de uma
nu vem.
2) Em Êx. 24.17, a gló ria do Se nhor se ma ni fes ta atra vés de um fogo con su
mi - dor.
3) Em Ez. 1.26-28, a gló ria do Se nhor se ma ni fes ta atra vés de um tro no mó
vel cer ca do de me ta is bri lhan tes de vá ri as co res.
4) A gló ria do Se nhor é mes mo bela e in des cri tí vel (Êx. 24.10 e Ap. 4.1-11).
“Ado rai o Se nhor na be le za da sua san ti da de” (SL. 29.2).
3. A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA DO SENHOR POR MEIO DE UM
MILAGRE

1) Cada ope ra ção de um mi la gre nas Escri tu ras, re fle tem a pró pria gló ria
do Se - nhor se ma ni festan do (Lc. 7.16).
2) Em Jo. 11.4, o pró prio Je sus re ve lou que, a en fer mi da de de Lá za ro iria
ser vir para a ma ni fes ta ção da gló ria de Deus.
3) Em Lc. 13.10-13, está es cri to que, a cura de uma mu lher en cur va da, le
vou ela a dar gló ria a Deus.
4) Os mi la gres pos su em sempre a fun ção de le var o povo a da rem gló ri as
ao Se nhor (Lc. 13.17; Lc. 9.43; Jo. 9.1-3 etc.).

4. A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA DO SENHOR ATRAVÉS DE JESUS


CRISTO

1) Je sus Cris to é a pró pria mani fes ta ção da Glória de Deus em Pes soa. Em
Jo. 1.14, está es cri to: “E o Ver bo se fez car ne e ha bi tou en tre nós, che io de
gra ça e de ver da de, e vi mos a sua gló ria, gló ria como do uni gê ni to do Pai”.

2) Em Hb. 1.3, está es cri to: “Ele, que é o resplen dor da gló ria e a ex pres são
exa - ta do seu Ser”.

3) Em 1Co. 2.8, Pa u lo diz que, Je sus Cris to é “O Se nhor da Gló ria”.


4) Em Tt. 2.13, está es cri to que de ve mos aguar dar “a Ben di ta Espe ran ça e
a ma ni fes ta ção da gló ria do nos so Gran de Deus e Sal va dor Cris to Je sus”.
5) Em Mt. 24.30, o pró prio Je sus afir mou que, o Filho do Ho mem virá so bre
as nu vens do céu “com po der e mu i ta gló ria”. Por tan to, a Se gun da Vin da
de Cris to em Gló ria será o mo men to da ma ni fes ta ção uni ver sal da gló ria
do Se - nhor (Hc. 2.14).

CONCLUSÃO: A glória do Senhor con ti nua se ma ni fes tan do em nos sos


dias, atra vés da pre sen ça do Espí ri to San to em nos so meio, e cul mi na rá
com a ma ni fes ta ção Pes so al de Je sus Cris to com mu ito po der e mu ita gló
ria.

Esbo ço 157 – Dia 05 de Junho


Tema: VITAMINA ESPIRITUAL PARA O FRACO Faz for te ao cansa do e
multi plica as for ças ao que não tem ne nhum vi gor. Is. 40.29

INTRODUÇÃO : Qu an do o nos so cor po está de bi lita do e fra co, pre ci sa


mos to mar al gu masvi ta mi nas para for ta le cero nos so siste ma imuno ló gi
co. Nós va mosapren - der atra vés des te tex to sa gra do que, so men te o Se
nhor pos sui a vi ta mi na es pi ri tual para a nos sa alma e o re vi go ra men to fí
si co e es pi ri tu al para as nos sas vi das.

1. ELE FAZ FORTE AO CANSADO

1) O nos so Deus faz for te ao can sa do. Em Mt. 11.28, Je sus dis se: “Vin de a
mim, to dos os que es ta is can sados e so brecar re ga dos, e Eu vos ali vi a rei”.
2) Em 1Rs. 19.4-8, está es cri to que, o pro fe ta Eli as, após es tar can sa do e es
go ta - do, tan to fi si ca men te, quan to es pi ri tual men te, o Se nhor lhe en vi
ou um pão tão vi ta mi na do, que, com a for ça da que le pão, ele ca mi nhou qua
ren ta dias e qua ren ta no i tes até Ho re be, o mon te de Deus.
3) Em Jz. 15.17-19, está es cri to que, San são, após es go tar to das as suas for
ças lu tan do con tra mil fi lis te us de uma só vez, cla mou ao Se nhor pelo re vi
go ra - men to das suas for ças, e “o Se nhor fen deu a ca vi da de da ro cha que
es ta va em Leí, e dela saiu água; ten do San são be bi do, re co brou alen to e re
vi veu”.
4) Em JL. 3.10, está es cri to: “Diga o fra co: Eu sou for te”.

2. ELE MULTIPLICA AS NOSSAS FORÇAS

1) O Se nhor é o que mul ti pli ca as nos sas forças; pois, “Os que es pe ram no
Se nhor re no vam as suas for ças, so bem com asas como águi as, cor rem e não
se can sam, ca mi nham e não se fa ti gam” (Is. 40.31).

2) Em Jó 17.9, está escri to que: “O jus to se gue o seu ca mi nho, e o puro de


mãos cres ce mais e mais em for ça”.

3) No SL. 84.7, está es cri to que, o ho mem cuja for ça está em Deus, vai “Indo
de for ça em for ça; cada um de les apa re ce di an te de Deus em Sião”.
4) Em Ef. 6.10, está es cri to: “No de ma is, ir mãos meus, for ta le cei-vos no Se
nhor e na for ça do seu po der”.

CONCLUSÃO : O Se nhor é Aque le que mul ti pli ca as nossas for ças e o


nosso vigor. O Se nhor é a for ta le za da nos sa vida. O Se nhor é a nos sa for ça
e o nos so cân ti co. E, as sim, po de mos di zer com au to rida de: “Pos so to
dasas co i sas Na que le que me for ta le ce”(Fp. 4.13).

Esbo ço 158 – Dia 06 de Junho


Tema: AGINDO DEUS QUEM IMPEDIRÁ?

Ain da an tes que hou ves se dia, Eu Sou; e nin guém há que pos sa fa zer es ca
par das mi nhas mãos; agin do Eu, quem o im pe di rá?. Is. 43.13.

INTRODUÇÃO : Este tex to sa gra do re ve la o gran de po der do Deus Oni po


ten te. Ele é o Eter no “EU SOU”, e nin
des pon tas se pela pri me i ra vez no
quem im pe di rá?
guém ja ma is pode impe dir o seu agir. Antes que o sol

ho ri zon te, o Se nhor já exis tia. E, ope ran do Deus


1. ELE É O DEUS PRÉ-EXISTENTE

1) “Antes que hou ves se dia, Eu Sou.” (Is. 43.13a). Antes que o sol des pon tas
se pela pri me i ra vez na his tó ria, o nos so Deus já exis tia. Antes que o ca len
dá rio da his tó ria uni ver sal co me ças se a re gis trar o pri me i ro dia, o nos so
Se nhor já exis tia.

2) No SL. 90.2, está es cri to: “Antes que os mon tes nas cess sem e se for mas
sem a ter ra e o mun do, de eter ni da de a eter ni da de, tu és Deus”.

3) Em Jo. 8.58, Je sus dis se: “Em ver da de, em ver da de Eu vos digo: Antes
que Abraão exis tis se, EU SOU”.
4) Em CL. 1.17, está escri to: “Ele é an tes de to das as co i sas. Nele, tudo sub
sis te”.

2. ELE É O DEUS ONIPOTENTE

1) “...nin guém há que pos sa fa zer es ca par das mi nhas mãos; agin do Eu,
quem im pe di rá?” (Is. 4 3.13b). Ninguém con se gue de ter a Mão Po de ro sa
do nos so Deus. Ele é o Deus Onipo ten te.

2) Em Jó 9.11-12, o pa tri ar ca Jó, ao se sen tir in ca paz de es ca par das suas


mãos, diz: “Eis que Ele pas sa por mim, e não o vejo; se gue pe ran te mim, e
não o per - ce bo. Eis que ar re ba ta a pre sa! Quem o pode impe dir? Quem lhe
dirá que fa zes?”.

3) Em Jó 42.2, está es cri to que, o pa tri ar ca Jó, já con so la do pelo Se nhor,


diz: “Bem sei que tudo po des, e ne nhum dos teus pla nos pode ser frus tra do”.
4) Em Is. 14.27, está es cri to: “Por que o Se nhor dos Exér ci tos o de ter mi
nou; quem, pois, o in va li da rá? A sua mão está es ten di da; quem, pois, a fará
vol tar atrás?”.

CONCLUSÃO : O nos so Deus é Oni po ten te, Oni pre sen te, e Onis ci en te.
Ele é Todo-Po de ro so. Ele está pre sen te em to dos os lu ga res ao mes mo tem
po, e Ele sabe de to das as co i sas. Por isso, nin guém con se gue im pe dir o seu
agir.

Esbo ço 159 – Dia 07 de Junho


Tema: SEDENTOS PELO AVIVAMENTO

Por que der ra ma rei água so bre o se den to e tor ren tes, so bre a ter ra seca; der
ra ma rei o meu Espí ri to so bre a tua pos te ri da de e a mi nha ben ção so bre os
teus des cen den tes. Is. 44.3

INTRODUÇÃO : Este texto sa gra do re ve la a pro mes sa de uma gran de efu


são do Espí ri to so bre os se den tos. A água é um dos gran des sím bo los do
Espí ri to Santo. E, Deus pro me te der ra mar o seu Espí ri to como uma chu va
tor ren ci al so bre a ter ra seca. É Deus aten den do a alma sedenta pelo
avivamento.

1. SOMENTE A ÁGUA ATENDE A NECESSIDADE DO SEDENTO

1) A água é o ele men to in dispen sá vel a so bre vi vên cia hu ma na. A água, re
pre - sen ta a pró pria vida der ra ma da so bre uma ter ra seca. Deus pro me te
der ra mar uma chu va tor ren ci al do seu Espíri to so bre a terrra que care ce de
vi gor es pi ri tu al (Is. 44.3).

2) Em Is. 21.14, está es cri to: “Saí, com água, ao en con tro dos se den tos”. De
ve - mos le var água ao en con tro do povo se den to. No SL. 42.1, o sal mista dis
se: “A mi nha alma tem sede de Deus”.

3) Em Is. 41.17-18, o Se nhor pro me te aten der ao povo se den to, di zen do:
“Os afli tos e ne ces si ta dos bus cam águas, e não as há, e a sua lún gua se seca
de sede; mas Eu, o Se nhor, os ou vi rei, Eu, o Deus de Isra el, não os de sam pa
ra rei. Abri rei rios nos al tos des nu dos e fon tes no meio dos va les; torna rei o
de ser to em açu des de águas e a terra seca, em ma na ci a is”.

4) Em Jo. 3.5, o pró prio Je sus es ta be le ceu uma co ne xão en tre a água e o
Espí ri to no pro ces so do novo nas ci men to.
2. A ÁGUA REPRESENTA A PRÓPRIA PUREZA ESPIRITUAL

1) A água tem a fun ção de la var, lim par e pu ri fi car. E, a água sempre apa re
ce as - so ci a da ao Espí ri to San to no pro ces so de pu re za es pi ri tu al. Em
Ez. 36.25, o Se nhor pro me te der ra mar água pura so bre o seu povo, e puri fi
cá-los dos seus pe ca dos.

2) Em Is. 4.4, o Se nhor pro me te la var a imun di cia das fi lhas de Sião com o
Espí ri to Pu ri fi ca dor.

3) Em Tt. 3.5, está escri to que, nós fo mos sal vos me di an te o la var re ge ne
ra dor e re no va dor do Espí ri to San to.
4) Em Hb. 10.22, está es cri to que, de ve mos nos apro xi mar de Deus “com sin
ce ro co ra ção, em ple na cer te za de fé, ten do o co ra ção pu ri fi ca do de má
cons ciên - cia e o cor po la va do com água pura”.

CONCLUSÃO: So men te a água mata a sede do se den to. Da mes ma for ma,
so men - te o der ra mar do Espí ri to San to con se gue ma tar a sede es pi ri tu al
de um povo se den to pelo avi va men to.

Esbo ço 160 – Dia 08 de Junho


Tema: O OLHAR DA SALVAÇÃO

Olhai para mim e sede sal vos, vós, to dos os li mi tes da ter ra; por que Eu sou
Deus, e não há ou tro. Is. 45.22

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do, o nos so Gran de Deus con vi da to das
as pes - so as a olha rem para o Sal va dor do mun do. O nosso olhar deve se fo
car no Sal va dor das nos sas al mas. Ja ma is de ve mos des vi ar Dele o nos so
olhar. Mu i tos es tão olhando ape nas para as fa lhas dos líde res da Igre ja. Va
mos diri gir o nos so olhar para o nos so Sal va dor.

1. OLHANDO PARA O SALVADOR

1) Em Hb. 12.2, o escri tor sa gra do re su miu bem Isa ías. 45.22, dizen do:
“Olhan - do para Je sus, Au tor e Con su ma dor da fé”.
2) Em Nm. 21.8-9, está es cri to: “Dis se o Se nhor a Mo i sés: Faze uma ser pen
te abra sa do ra, pôe-na so bre uma aste, e será que todo mor di do que a mi rar vi
- ve rá. Fez Mo i sés uma ser pen te de bron ze e a pôs so bre uma has te; sen do
al guém mor di do por al gu ma ser pen te, se olha va para a de bron ze, sa ra
va”.

3) Em Jo. 3.14-15, o pró prio Sal va dor do mun do ex pli cou a sim bo lo gia do
que acon te ceu com Isra el, no de ser to, dizen do: “E do modo por que Mo i sés
levan - tou a ser pen te no de ser to, as sim impor ta que o Fi lho do Ho mem seja
le van ta - do, para que todo o que nele crê te nha a vida eter na”.

4) Em Jo. 4.42, está es cri to que, quando os sa ma ri ta nos fo ca li za ram o seu


olhar em Jesus Cris to, a con clu são deles foi a se guin te: “Já ago ra não é pelo
que dis - ses te que nós cre mos; mas por que nós mes mos te mos ou vi do e sa
be mos que este é ver da de i ramente o Sal va dor do mun do”.

2. CONHECENDO O SALVADOR DO MUNDO

1) Tan to Deus-Pai como Deus-Fi lho são cha ma dos nas Escri tu ras de Sal va
dor. O pro ces so da sal va ção do pe ca dor foi ope ra do em con jun to (Jo.
3.16). Deus-Pai amou o mun do, e deu ao mundo o Sal va dor (Rm. 5.8). Deus-Fi
lho amou ao mun do, e deu ao mun do a sua pró pria vida (Mc.10.45 e Jo.
10.11).

2) Em Is. 45.15, Deus-Pai é o Sal va dor: “Ver da de i ra men te, tu és Deus mis
te rio so, ó Deus de Isra el, ó Sal va dor”. Em Tt. 3.6, Pa u lo fala de “Je sus Cris
to, nos so Sal va dor”.

3) Em Is. 45.21, está es cri to que Deus-Pai é o Úni co Sal va dor. Em At. 4.12,
está es cri to que Je sus Cris to é o Úni co Sal va dor. Não há ne nhuma con tra di
ção nis - to, pois, em Jo. 10.30, o pró prio Je sus afir mou: “Eu e o Pai so mos
um”.

4) Em 2Pd. 3.18, está es cri to: “Antes, cres cei na gra ça e no co nhe ci men to
de nos - so Se nhor e Sal va dor Jesus Cris to. A Ele seja a gló ria, tan to ago ra
como no dia eter no”.

CONCLUSÃO : Nun ca de ve mos des vi ar o nos so olhar do Sal va dor do


mun do. Pois, de acor do com as Escritu ras, ha ve rá um dia que “todo o olho o
verá, até os mes mos que o traspas sa ram; e to das as tri bos da ter ra se la men
ta rão so bre Ele. Sim! Amém!” (Ap. 1.7).

Esbo ço 161 – Dia 09 de Junho


Tema: O INCOMPARÁVEL

A quem me com pa ra re is para que Eu lhe seja igual? E que co i sa se me lhan


te con fron ta re is co mi go? Is. 46.5

INTRODUÇÃO : Este tex to sa gra do re ve la o Deus Incom pa rá vel. Exis


tem bi lhões de ra zões no Uni ver so e na His tó ria para se com pro var o po der
ini gua lá vel e in com - pa rá vel do nos so Deus. Não exis te ne nhum ou tro ser
no Uni ver so que se pos sa com pa rar ou con fron tar com o Se nhor. Ele é
simples men te Único, Exclusi vo e Incom pa rá vel.

1. INCOMPARÁVEL EM PODER
1) O nos so Deus é in com pa rá vel em po der. Ele é o Deus Todo-Po de ro so
(Gn. 17.1).

2) O po der per ten ce ex clu si va men te a Ele (SL. 62.11). To das as au to ri da


des, tan to hu ma nas como es pi ri tua is, não pos su em po der pró prio, ape nas
exer - cem o po der por per mis são Di vi na (Jo. 19.10-11; Rm. 13.1 e 2Ts. 2.7-
12).

3) Ele pos sui todo o po der no céu e na ter ra (Mt. 28.18).


4) Em Mt. 19.26, está es cri to: “Para Deus tudo é pos sí vel”.

5) No SL. 147.5, está es cri to: “Gran de é o Se nhor nos so e mui po de ro so; o
seu en ten di men to não se pode me dir”.
2. INCOMPARÁVEL EM GRANDEZA

1) Não há Deus tão gran de como o nos so Deus. Em Jr. 10.6, está escri to: “Nin
- guém há se me lhan te a ti, ó Se nhor; tu és gran de, e gran de é o po der do teu
Nome”.

2) Em Is. 64.4, está es cri to: “Por que des de a an ti gui da de não se ou viu, nem
com ou vi dos se per ce beu, nem com os olhos se viu Deus além de ti, que tra ba
lha para aque le que Nele espe ra”.

3) Em Is. 40.25, está es cri to: “A quem, pois, me com pa ra re is para que Eu lhe
seja igual? _ diz o San to”.
4) No SL. 136.2, está es cri to: “Ren dei gra ças ao Deus dos de u ses, por que a
sua mi se ri cór dia dura para sem pre”.
5) Em 2Sm. 7.22, está es cri to: “Por tan to, gran dis sí mo és, ó Se nhor Deus,
por quan to não há se me lhan te a ti, e não há ou tro Deus além de ti, se gun do
tudo o que nós mes mos te mos ouvi do”.

CONCLUSÃO : O Nos so Deus é Incom pa rá vel em po der, in com pa rá vel


em gló ria, in com pa rá vel em ma jes tade, in com pa rá vel em amor, in com pa
rá vel em mi se ri cór dia, e in com pa rá vel em gran de za (Leia so bre a gran de
za e o po der in com pa rá vel do nos so Deus em Is. 40.12-31).

Esbo ço 162 – Dia 10 de Junho


Tema: O REDENTOR DE ISRAEL

Assim diz o Se nhor, o teu Re den tor, o San to de Isra el: Eu sou o Se nhor, o teu
Deus, que te en si na o que é útil e te guia pelo ca mi nho em que de ves an dar.
Is. 48.17

INTRODUÇÃO : Este tex to sa gra do, re ve la o Se nhor como o Re den tor do


seu povo. O Se nhor Deus, é o Re den tor de Isra
Sal va dor, Li ber ta dor e Re mi dor, são tí tu los que ilus tram

Je sus Cris to.


el, e, de toda hu ma ni da de. Re den tor, a gran de obra re den to ra

re a li z a da pelo nos so Se nhor


1. REDIMINDO A ISRAEL

1) Obje ti van do a Re den ção den ção, ele gen do o povo de Isra el, e o res ga
tan do da es cra vi dão do Egi to (Êx. 3.6-10 e Êx. 15.1-18).

2) Em Jr. 31.11, está es cri to que: “O Se nhor re di miu a Jacó e o li vrou da mão
do que era mais for te do que ele”.
3) Em Jr. 14.8, está es cri to que o Se nhor é “Espe ran ça de Isra el e Re den tor
seu no tem po da an gús tia”.
4) Em Jr. 50.34, está es cri to que: “O seu Re den tor é For te, Se nhor dos Exér
ci tos é o seu Nome”.
5) No SL. 130.7-8, está es cri to: “Espe ra Isra el no Se nhor, por que no Se nhor
há mi se ri cór dia, e Nele há abun dan te re den ção, e Ele re mi rá a Isra el de to
das as suas ini qui da des”.O Se nhor re di miu a Isra el no pas sa do, e re di mi
rá tam bém a Isra el no fu tu ro (SL. 111.9; Is. 59.20 e Rm. 11.26).
2. REDIMINDO TODA HUMANIDADE

1) A Re den ção de Isra el da es cra vi dão do Egi to ilus tra a Re den ção da hu
ma nida - de. Isra el foi li ber to da opres são – a es cra vi dão do Egi to, e do
opres sor – Fa raó. Je sus Cris to veio para re di mir a hu ma ni da de da opres
são do pe ca do – a es cra vi dão do mun do, e do opressor – o Di a bo. (Jr. 31.11;
At. 10.38; At. 26.18; CL. 1.13 e 1Jo. 3.8).

2) O pri me i ro ho mem a ali men tar a sua espe ran ça em um Re den tor para a
raça hu ma na foi Jó, quan do disse: “Por que eu sei que o meu Re den tor vive, e
por fim se le van ta rá so bre a ter ra” (Jó 19.25). Em 1Co. 1.30, está escri to que,
Jesus Cris to “se nos tor nou, da par te de Deus, Sa be do ria, e Jus ti ça, e San ti
fi ca ção, e Re den ção”.

3) Em Rm. 3.24, está es cri to que: “Sen do jus ti fi ca dos gra tu i ta men te, por
sua gra ça, me di an te a re den ção que há em Cris to Je sus”.
4) Em 1Jo. 2.2, está escri to que: “Ele é a pro pi ci a ção pe los nos sos pe ca dos
e não so mente pe los nos sos pró pri os, mas ain da pe los do mun do in te iro”.
Por tanto, Je sus Cris to é o Re den tor de toda a hu ma ni da de.
5) Em Ef. 1.7, está es cri to que: “Te mos a re den ção, pelo seu san gue, a re mis
são dos pe ca dos, segun do a ri que za da sua gra ça”.

CONCLUSÃO : Je sus Cris to é o Re den tor de Isra el, por que é Ele quem re
di me a Isra el de to das as suas an gús ti as (SL. 25.22), e fará isso por oca sião
da sua Se gun da Vin da (Zc. 12.7-10; Rm. 11.26 e Ap. 1.7-8). Je sus Cristo é o
Re den tor da huma ni - da de, porque, Ele foi o Único que nos re di miu com o
seu pró prio san gue (Hb. 9.12-14 e Ap. 1.5).

de toda hu ma ni da de, Deus ini ciou o pro ces so da Re - Esbo ço 163 – Dia 11
de Junho

Tema: O DEUS QUE NÃO SE ESQUECE


Mas Sião diz: O Se nhor me de sam pa rou, o Se nhor se es que ceu de mim. Aca
so, pode uma mu lher es que cer-se do fi lho que ain da mama, de sor te que não se com pa de ça do fi
lho doseu ven tre? Mas inda que esta vi es se a se es que cer dele, Eu, to da via,

não me es que ce rei de ti. Is. 49.14-15


INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mosapren der so bre a for ma
amo ro sa como Deus se lem bra dos seus fi lhos. A Me mó ria do nos so Deus
não fa lha, e Ele ja - ma is se es que ce dos seus fi lhos. Por mais belo que seja o
amor ma ter no, ele pos sui fa lhas. Po rém, o amor de Deus por seus filhos é
perfeito.

1. DEUS É O NOSSO PAI E MÃE AO MESMO TEMPO

1) Neste texto sa gra do, o Se nhor real ça o símbo lo do amor ma ter no para ilus
trar o seu amor por nós (Is. 49.15). Uma mãe não se es que ce de ama men tar o
seu fi lhi nho; e, ain da que ela ve nha a se es que cer, o nos so Deus jama is se es
que ce dos seus fi lhos.

2) No SL. 103.13, está es cri to: “Como um pai se com pa de ce de seus fi lhos,
as sim o Se nhor se com pa de ce dos que o te mem”. Em Is. 49.15, o nos so
Deus é uma Mãe para nós; e, ago ra, no SL. 103.13, Ele é um Pai para nós. Por
tan to, o nos so Deus é Pai e Mãe ao mes mo tem po para os seus fi lhos.

3) No SL. 131.2, Davi re ve la a nos sa con di ção de filhos, di zen do: “Como a
crian - ça des ma ma da se aqui e ta nos bra ços de sua mãe, como essa cri an ça
é a mi - nha alma para co mi go”.

4) No SL. 27.10, está es cri to: “Por que, se meu pai e mi nha mãe me de sam pa
ra rem, o Se nhor me aco lhe rá”.
2. DEUS É UM PAI QUE SEMPRE SE LEMBRA DOS SEUS FILHOS

1) A Bí blia re ve la por di ver sas ve zes, Deus se lem bran do dos seus fi lhos, e
da sua Cri a ção. Em Gn. 8.1, está escri to que: “Lembrou-se Deus de Noé e de
to dos os ani ma is sel vá ti cos e de to dos os ani ma is do més ti cos que com ele
es ta vam na arca...”.

2) Em Gn. 19.29, está es cri to que: “Ao tempo que des tru ía as ci da des da
campi - na, lem brou-se Deus de Abraão e ti rou a Ló do meio das ru í nas...”.

3) Em Gn. 30.22, está escri to que: “Lembrou-se Deus de Ra quel, ou viu-a e a


fez fe cun da”.
4) Em Êx. 2.24-25, está escri to que: “Ou vin do Deus o seu ge mi do, lem brou-
se da sua ali an ça com Abraão, com Isa que, e com Jacó. E viu Deus os fi lhos
de Isra el e aten tou para a sua con di ção”. Gló ri as a Deus!
CONCLUSÃO : Deus jama is se es que ce dos seus fi lhos e da sua cri a ção.
Ele é o Deus que não se esque ce. Em Lc. 12.6, Je sus dis se que, nem mes mo
um se quer dos par da is fi cam em es que ci mento di an te de Deus, quan to
mais os seus fi lhi nhos ama dos (Lc. 12.7 e Hb. 6.10).

Esbo ço 164 – Dia 12 de Junho


Tema: CINCO VERDADES QUE OS
ARAUTOS DEVEM ANUNCIAR

Que for mo sos são so bre os mon tes os pés do que anun cia as boas-no vas, que
faz ou vir a paz, que anun cia co i sas boas, que faz ou vir a sal va ção, que diz a
Sião: O teu Deus re na. Is. 52.7
INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre cin co ver
da desim - por tan tes que os pre ga do res do Evan ge lho de vem anun ci ar: As
Boas-No vas, A Paz, as Co i sas Boas, A Sal va ção, O Re i no de Deus. Estes cin
co pi la res da pre ga ção, fa zem par te da es sên cia do ver da de i ro Evan ge
lho de Cris to.

1. AS BOAS-NOVAS
1)
“...anun cia boas-no vas...” (Is. 52.7). A pri me i ra gran de ver da de, que, os

ara u tos de vem anun ci ar, são as Boas-No vas. As Boas-No vas são o pró prio
anún cio do Evan ge lho de Cris to (Rm.1.16). A pa la vra “Evan ge lho”, sig ni
fica “boas-no vas”.

2) A Pri me i ra gran de boa-nova foi anun ci a da pelo pró prio Se nhor no Jar
dim do Éden (Gn. 3.15). Após a que da do ho mem, o Se nhor anun ci ou que o
“Des cen den te da mu lher” nas ce ria para

3) Em Is. 9.6, o pro fe ta Mes siâ ni co


es ma gar a ca be ça da ser pen te. va ti ci nou, di zen do: “Por que um me ni no
nos

nas ceu, um fi lho se nos deu; o go ver no está so bre os seus ombros; e o seu
nome será: Ma ra vi lho so, Con se lhe i ro, Deus For te, Pai da Eter ni da de,
Prín ci pe da Paz”. 4) Em Lc. 2.10-11, um anjo do Se nhor con fir mou as Boas-
No vas do Nas ci men to de Cris to, di zen do: “Não te ma is; eis aqui vos tra go
boa-nova de gran de ale gria, que o será para todo o povo: É que hoje vos nas
ceu, na cida de de Davi, o Sal va dor, que é Cris to, o Se nhor”.
5)
Em Mt. 4.23-25, Je sus Cris to, o Sal va dor do mun do, co me çou a per cor rer
as

ci da des anun ci an do as Boas-No vas da Re den ção ao povo.


2. A PAZ

1)
“...que faz ou vir a paz.” (Is. 52.7). A se gun da gran de ver da de que os ara u
tos

de vem anun ci ar é a Paz. Acom pa nha da com as Boas-No vas do Nas ci men
to de Cris to, o anjo do Se nhor e mais a mí li cia ce les ti al anun ci a ram a paz
aos ho mens, di zen do: “Gló ria a Deus nas ma i o res al tu ras, e paz na ter ra en
tre os ho mens, a quem Ele quer bem” (Lc. 2.14).

2) Em Jo. 14.27, Je sus Cris to, o Prin ci pe da Paz, nos anun ci ou a sua paz,
dizen - do: “De i xo-vos a paz, a mi nha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o
mun - do. Não se tur be o vos so co ra ção, nem se ate mo ri ze”.

3)
Em Rm. 5.1, está es cri to que: “Jus ti fi ca dos, pois, me di an te a fé, te mos paz

com Deus por meio de nos so Se nhor Je sus Cris to”.


4) Em Rm. 16.20, está es cri to que: “O Deus da paz, em bre ve, es ma ga rá de
ba i xo
dos vos sos pés a Sa ta nás. A gra ça de nos so Se nhor Je sus seja con vos co”. 5)
Em Ef. 6.15, está escri to: “Cal çai os pés com a pre pa ra ção do Evan ge lho da
paz”. 3. AS COISAS BOAS

1)
“...que anun cia co i sas boas.” (Is. 52.7). A ter ce i ra gran de ver da de que os

ara u tos de vem anun ci ar são as Co i sas Boas. Fi ca mos per ple xos, ao ver
mos al guns pre gado res anun ci an do tan tas co i sas ne ga ti vas, e tan tas mi sé
ri as que já fez no pas sa do, e de i xam de anun ci ar tan tas co i sas boas que
Deus fez no pas sa do, e ain da con ti nua fa zen do hoje (SL. 126.3).

2) Alguns pre gado res trans mi tem tan tos co nheci men tos ciên tí fi cos e fi
losó fi cos nos pú pi tos, e es que cem de anun ci ar as Co i sas Boas que Deus
faz. Em 1Co. 2.4, Pa u lo diz: “A mi nha pa la vra e a mi nha prega ção não con
sis ti ram em lin gua gem per su asi va de sa be doria hu ma na, mas na de mons
tração do Espí ri to e de po der”.

3) Em 1Co. 1.22-24, Pa u lo diz que os ju de us pe dem sina is, e os gre gos bus
cam sa be do ria “mas nós pre ga mosa Cris to cru ci fica do, es cân da lo para os
ju de us, lou cu ra para os gen ti os; mas para os que fo ram cha ma dos, tan to ju
de us como gre gos, pre ga mos a Cris to, po der de Deus e Sa be do ria de
Deus”.

4)
Em Lc. 4.18, Je sus anun cia as Co i sas Boas que Ele veio fa zer: Evan ge li zar
os po bres, pro cla mar li ber tação aos ca ti vos, res tau ra ção da vista aos ce
gos, pôr em li ber da de os opri mi dos, e apre go ar o ano ace i tá vel do Se nhor.

5) Em Fp. 4.8, está es cri to: “Fi nal men te, ir mãos, tudo o que é ver da de i ro,
tudo o que é res pe i tá vel, tudo o que é jus to, tudo o que é puro, tudo o que é
amá vel, tudo o que é de boa fama, se al gu ma vir tu de há e se al gum lou vor
exis te, seja isso o que ocupe o vosso pen sa men to”.

4. A SALVAÇÃO
1)
“...que faz ou vir a sal va ção.” (Is. 52.7). A quar ta gran de ver da de que os

ara u tos de vem anun ci ar é a sal va ção. Na casa de Za queu, Je sus anun ci ou
a sal va ção, dizen do: “Hoje, hou ve sal va ção nes ta casa, pois tam bém este é
fi lho de Abraão”.

2) Em Mc. 16.15-16, Je sus deu uma or dem impe ra ti va aos ara u tos do Evan
ge - lho, dizen do: “Ide por todo o mun do e pregai o Evan ge lho a toda cri a tu
ra. Quem crer e for ba ti za do será sal vo; quem, po rém, não crer será con de na
do”.

3)
Em At. 28.28, Pa u lo dis se: “To ma is, pois, co nhe ci men to de que esta sal va
ção

de Deus foi en vi a da aos gen ti os. E eles a ou vi rão”.


4) Em At. 4.12, após ser pro i bi do pe las au to ri da des de anun ci ar a sal va
ção em Je -
sus Cristo, Pe dro res pon deu: “E não há sal va ção em ne nhum ou tro; por que
aba i xo do céu não exis te ne nhum ou tro nome, dado en tre os ho mens, pelo
qual im por ta que se ja mos sal vos”.

5)
Em Ef. 1.13, Pa u lo afir ma que, o Evan ge lho que ou vi mos, é “O Evan ge lho
da

vos sa sal va ção”.


5. O REINO DE DEUS

1) “...que diz a Sião: O teu Deus re i na” (Is. 52.7). A quin ta gran de ver da de
que os ara u tos de vem anun ci ar é o Re i no de Deus. O anún cio do ara u to:
“O teu Deus re i na”, sig ni fi ca, a pro cla ma ção de que é che ga do o Re i no
de Deus en tre os ho mens (Mt. 4.17).

2)
Em Mt. 24.14, Je sus dis se que: “Será pre ga do este Evan ge lho do Re i no por

todo o mun do, para tes te mu nho a to das as na ções. Então, virá o fim”.
3) Em Lc. 17.21, Je sus dis se que, o Re i no de Deus já está den tro de nós.

4)
Em Mt. 6.33, Je sus dis se: “Mas bus cai pri me i ro o Re i no de Deus, e a sua
jus ti -

ça, e to das es sas co i sas vos se rão acres cen ta das”.


5) Em Mt. 6.10, Je sus nos en si na a orar pela vin da do Re i no de Deus, dizen
do:
“Ve nha o teu Re i no”. E, em Ap. 11.15, a ora ção fe i ta pe los cren tes de to dos
os
sé cu los é respon di da; pois, assim está escri to: “E to cou o sé ti mo anjo a trom
-
be ta, e hou ve no céu gran des vo zes, que di zi am: Os re i nos do mun do vi e
ram
a ser de nos so Se nhor e do seu Cristo, e Ele re i na rá para todo o sem pre”.

CONCLUSÃO : Os pre ga do res do Evan ge lho de vem se pre o cu par em


anun ci ar as Boas-No vas de Cristo, a Paz que Ele ofe re ce aos co ra ções, as Co
i sas Boas que Ele pro me te na sua Pa la vra, a Sal va ção efe re ci da a to dos os
ho mens, e uma dose de Esca to lo gia, que in cluio es ta be leci mento fi nal do
Re i no de Deus en tre os ho mens.

Esbo ço 165 – Dia 13 de Junho


Tema: A SUFICIÊNCIA DO SACRIFICIO DE CRISTO Cer ta men te, Ele to
mou so bre si as nos sas en fer mi da des e as nos sas do res le vou so bre si; enós
o re pu tá va mos por afli to, fe ri do de Deus e opri mi do. Mas Ele foi trans pas sa do pe las

nos sas trans gres sões e mo í do pe las nos sas ini qui da des; o cas ti go que nos
traz a paz es ta - va so bre Ele, e pe las suas pi sa du ras fo mos sa ra dos. To dos
nós an dá va mos des gar ra dos como ove lhas; cada um se des vi a va pelo ca
mi nho, mas o Se nhor fez cair so bre Ele a ini qui da de de nós to dos. Ele foi
opri mi do e hu mi lha do, mas não abriu a sua boca; como cor de i ro foi le va
do ao ma ta dou ro; e, como ove lha muda pe ran te os seus tos qui a do res, Ele
não abriu a boca.To da via, ao Se nhor agra dou moê-lo, fa zen do-o en fer mar,
quando der Ele a sua alma como ofer ta pelo pe ca do, verá a sua pos te ri da de e
pro lon ga rá os seus dias; e a von ta de do Se nhor prospe ra rá na suas mãos.
Ele verá o fru to do pe no so tra ba lho da sua alma e fi ca rá sa tis fe i to; o meu
Ser vo, o Jus to, com o seu co nhe ci men to, jus ti fi ca rá amu i tos, por que a ini qui da
de de les le va rá so bre si. Is. 53.4-7,10-11

INTRODUÇÃO: O ca pí tu lo 53 de Isa ías é uma vi são pro fé ti ca dos so fri


men tos do Mes si as, Je sus Cris to. Assim dis se um gran deteó lo go: “Pa rece
que foi es cri tode ba i xo da cruz, no Gol gó ta”. Mar ti nho Lu te ro, o gran de
re for ma dor cris tão, afir mou que to dosos cris tãos de ve ri amre ci tar de cor
este ca pí tulo. O Mes sias do ca pí tulo 53 de Isa ías, da ria a sua pró pria vida
em sa cri fi cio pelo povo de Isra el e por to das as na ções, cumprin do as sim, o
seu mi nis té rio de Sa cer do te (Hb. 9.23-26). Como Pro - fe ta en si na ria as na
ções (Is. 42.1-7; Is. 61.1-3 etc.), e como Rei re i na rá so bre todo o mun do (Is.
9.6-7; Is. 11.1-10; Is. 32.1 etc.).

1. A COLUNA PRINCIPAL DO EVANGELHO

1) A co lu na prin ci pal do Evan ge lho está ba se a da na mor te e res sur re i


ção de Je - sus Cris to. Em Is. 53.1-3, o pro fe ta des cre ve de for ma pro fé ti ca
o mi nis té rio ár duo e tra ba lho so de Je sus na Pa les ti na. Em Is. 53.4-7, o pro
fe ta des cre ve de for ma real, e em co res vi vas os so fri men tos de Je sus no
Cal vá rio. Em Is. 53.7-12, o pro fe ta des cre ve
tra ba lho de in ter ces são que
de for ma pro fé ti ca
Je sus re a li za pe los
a sua mor te e res sur re i çao, e o pe ca do res, como Sumo Sa cer -

do te di an te de Deus (Hb. 2.17-18). 2) Em 1Co. 2.2, Pa u lo de i xa bem cla ro


que a ban de i ra prin ci pal de sua pre ga ção
con sis tia na cru cu fi ca ção de Je sus, di zen do: “Por que nada me pro pus sa
ber
en tre vós, se não a Je sus Cris to e este cru ci fi ca do”.
3) Em 1Co. 15.3-4, Pa u lo de i xa bem cla ro que o seu prin ci pal cre do era o se
guin te: “Por que pri me i ra men te vos en tre guei o que tam bém re ce bi: Que
Cris -
to mor reupe los nos sos pe ca dos, se gun do as Escritu ras, e que foi se pul ta
do, e
que res sus ci tou ao ter ce i ro dia, se gun do as Escri tu ras”.
4) Em GL. 6.14, Pa u lo dis se: “Mas lon ge es te ja de me glo ri ar-me, a não ser
na cruz
de nosso Se nhor Je sus Cris to, pela qual o mun do está cru ci fi ca do para mim
e
eu, para o mun do”.
5) Em At. 8.27-35, está escri to que, o Eunu co da Etío pia lia Isa ías 53, quando
o
Evan ge lis ta Fi li pe lhe anun ci ou Je sus.

2. A OBRA REALIZADA POR JESUS NA CRUZ FOI COMPLETA

1) O Sa cri ficio re a li za do por Cris to den ção do pe ca dor. As re li giões não


ser pro cla mar ao mun do a obra reden to ra re a li za da por Cris to na cruz do
Cal vá rio (Rm. 10.14-17).

2) Em CL. 2.14-15, Pa u lo re su me a obra re a li za da por Cris to na cruz, di


zen do: “Ten do can ce la do o es crí to de dí vi da, que era con tra nós e que cons
ta va de or de nan ças, o qual nos era pre ju di ci al, re mo veu-o in te i ra mente,
en cra van - do-o na cruz; e, des po jan do os prin ci pa dos e as po tes ta des, pu
bli ca men te os ex pôs ao des pre zo, tri un fan do de les na cruz”.

3) Em Hb. 10.11-12, o es cri tor sa gra do ex pli ca a su fi ciên cia do sa cri fi cio
de Cris - to, di zen do: “Ora, todo sa cer do te se apre sen ta, dia após dia, a exer
cer o ser vi - ço sa grado e a ofe re cer mu i tas ve zes os mes mos sa cri fí ci os,
que nun ca ja ma is po dem re mo ver pe ca dos; Je sus, po rém, ten do ofe re ci
do, para sem pre, um úni co sa cri fí cio pe los pe cados, as sen tou-se á Des tra
de Deus”.

4) Em Hb. 10.10, está es cri to que: “Nessa von ta de é que te mos sido san ti fi
ca dos, me di an te a ofer ta do cor po de Je sus Cris to, uma vez por to das”.
5) Em Hb. 9.12, está escri to que, Je sus Cris to “não por meio de san gue de bo
des e de be zer ros, mas pelo seu pró prio san gue, en trou no San to dos San tos,
uma vez por to das, ten do ob ti do eter na re denção”.
na cruz, foi com ple to e su fici en te para a re - não pre ci sam acres cen ta rem
mais nada, a

CONCLUSÃO : Não pre ci saa re li gião in ven tar ar ru da, sal gros so, re gres
são es pi ri tual, ses são cren dice ba ra ta para o povo re sol ver as suasma ze
lase con fli toses pi ri tua is. O Sa cri - fí cio de Je sus Cris to na cruz foi per fe i
to, com ple to e su fici en tepara a re denção hu - ma na. “Ele é a pro pi cia ção
pe los nos sos pe ca dos e não so mente pe los nos sos pró pri os, mas ain da pe
los do mun do in te i ro” (1Jo. 2.2).
in dul gênci as, su per ti ções, ga lhode do des car re go, ou qual quer ou tra

Esbo ço 166 – Dia 14 de Junho


Tema: AMPLIANDO AS FRONTEIRAS DA IGREJA DE CRISTO

Alar ga o es pa ço da tua ten da; es ten da-se o tol do da tua ha bi ta ção, e não o
im pe ças; alon ga as tuas cor das e fir ma bem as tuas es ta cas. Por que trans bor
da rás para a di re i ta e para a es quer da; a tua pos te ri da de pos su i rá as na
ções e fará que po vo em as cidades assoladas. Is. 54.2-3

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre as cin co
fi gu ras di fe ren tes que o Se nhor usa, para des cre ver o avan ço da sua Igre ja
na ter ra : Alar gar o es pa ço da tenda, Esten der o tol do da ha bi ta ção, Alon
gar as cor das, Fir mar bem as es ta cas, e Trans bor dar o seu cresci men to.

1. ALARGAR O ESPAÇO DA TENDA

1) “Alarga o es pa ço da tua ten da.” (Is. 54.2). Em Gn. 12.7-8, está es cri to
que, onde Abraão ar mou a sua ten da, o Se nhor lhe disse: “Da rei a tua descen
dên cia esta ter ra”.

2) Em Gn. 12.9, está es cri to que: “De po is, se guiu Abrão dali, indo sem pre
para o Ne gue be”. Dali Abraão foi alar gan do o es pa ço da sua tenda.
3) Em Gn. 13.17-18, o Se nhor disse a Abraão: “Le van ta-te, percor re essa ter
ra no seu com pri men to e na sua lar gu ra; por que Eu ta da rei. E Abrão, mu
dan do as suas ten das, foi habi tar nos car va lhos de Man re, que es tão junto a
He brom; e le van tou ali um al tar ao Se nhor”. Abraão foi alargan do o es pa ço
da sua ten da deba i xo da benção do Se nhor.

2. ESTENDER O TOLDO DA HABITAÇÃO

1) “...es ten da-se o tol do da tua ha bi ta ção.” (Is. 54.2). O tol do é uma espé
cie de lona es ten di da para abri gar-se da chu va ou do sol. Isso fala da ampli - a
ção do es pa ço fí si co e da pro te ção con tra a tem pes ta de e o ca lor.

2) No SL. 105.39, está es cri to que, o Se nhor es ten deu so bre o seu povo “uma
nu - vem que lhe ser vis se de tol do e um fogo para os alu mi ar de no i te”.

3) No SL. 121.5-8, está es cri to que: “O Se nhor é quem te guar da; o Se nhor é
a tua som bra à tua di re i ta. de dia não te mo les ta rá o sol, nem de no i te, a
lua. O Se nhor te guar da rá de todo mal; guar da rá a tua alma. O Se nhor te guar
da rá a tua sa í da e a tua en tra da, desde ago ra e para sempre”.

3. ALONGAR AS CORDAS

1) “...alonga as tuas cordas.” (Is. 54.2). Alon gar as cor das sig ni fi ca am pliar
o ter ri tó rio. Em 1Cr. 4.10, Ja bez in vo cou o Deus de Isra el, di zen do: “Se me
abenço ares mu i tís si mo e meus ter mos am pli fi ca res, e a tua mão for co mi
go, e fi ze res que do mal não seja afli to!.E Deus lhe con ce deu o que lhe tinha
pe di - do”.

2) Em Êx. 34.24, Deus fez uma pro mes sa ao seu povo, dizen do: “Alar ga rei o
teu ter ri tó rio; nin guém co bi ça rá a tua ter ra quan do su bi res para com pa re
cer na pre sen ça do Se nhor, teu Deus, três ve zes no ano”.

3) Em Js. 13.1, O Se nhor dis se a Jo sué que havia ain da mu i tís si ma ter ra
para pos su ir. Va mos alon gar as cor das e am pli ar mais ain da as nos sas
conquis tas em Nome do Se nhor Je sus Cris to.

4. FIRMAR BEM AS ESTACAS

1) “...firma bem as tuas es ta cas” (Is. 54.2). Fir mar bem as es ta cas, signi fi
ca, o for ta le ci men to das nos sas ba ses. Em 1Pd. 5.10, está es cri to que, o
Deus de toda a gra ça, que em Cris to nos cha mou á sua eter na gló ria, Ele mes
mo nos há de “aper fe i ço ar, fir mar, for ti fi car e fun da men tar”.

2) Em 1Rs. 7.21, está es cri to que, umas das duas prin ci pa is co lu nas do
Templo de Sa lo mão cha ma va-se
é quem nos es ta be le ce e
“Ja quim”, que sig ni fica “Ele es ta be le ce rá”. O Se nhor nos dá fir me za e es
ta bi li da de.

3) Em Is. 33.20, o Se nhor faz a se guin te pro mes sa: “Olha para Sião, a ci da
de das nos sas so le ni da des; os teus olhos ve rão a Je ru sa lém, ha bi ta ção
tran qui la, ten da que não será re mo vi da, cu jas
ben ta da ne nhu ma de suas cor das”.
es ta cas nun ca se rão ar ran ca das, nem re - Gló ri as a Deus!

5. TRANSBORDAR NO CRESCIMENTO

5.1 “Porque trans borda rás para 54.3). Transbor dar para a dire i ta e para a
es quer da, sig ni fi ca, cres cer em to - das as di re ções. Em Gn. 13.14-15, o Se
nhor dis se a Abraão: “Ergue os olhos e olha des de onde es tás para o nor te,
para o sul, para o ori en te e para o oci den - te; por que toda esta ter ra que vês,
Eu ta da rei, a ti e á tua des cen dên cia, para sem pre”.

5.2 Em Gn. 22.17, o Se nhor ha via fe i to uma pro mes sa a Abraão, dizen do:
“A tua des cen dência pos su i rá a ci da de dos seus ini mi gos”.
5.3 No SL. 23.5, Davi dis se: “Pre pa ras-me uma mesa na pre sen ça dos meus
adver sá ri os, un gesme a ca be ça com óleo; o meu cá li ce transbor da”.
a di re i ta e para a es quer da.” (Is.

CONCLUSÃO : O Se nhor está pron to a nos aben ço ar e am pli ar as nos sas


fron te i - ras. Pois, em Js. 1.3, Ele faz uma pro mes sa a Jo sué, dizen do: “Todo
lu gar que pi sar a plan ta do vos so pé, vo-lo te nho dado, como Eu pro me ti a
Mo i sés”. E, no SL. 147.13-14, está escri to que: “Ele re for çou as tran cas das
tuas por tas e aben ço ou os teus fi lhos den tro de ti; es ta be le ceu a paz nas
tuas fron te i ras e te far ta com o me lhor do tri go”. Gló ri as a Deus!

Esbo ço 167 – Dia 15 de Junho


Tema: O CREDIÁRIO DA SALVAÇÃO

Ó vós to dos os que ten des sede, vin de às águas, e vós que não ten des di nhe i ro, vin de,com prai e co
mei; sim, vin de e com prai, sem di nhe i ro e sem pre ço, vi nho e le i te. Is. 55.1

INTRODUÇÃO : O cre diá rio é um instru men to que as pes so as uti li zam
para efetu ar com pras, mes mo sem di nhe i ro. Po rém,se gundo as re gras do co
mér cio mo derno, só po dem ter cré di to quem tiver a fi cha ou nome lim po.
Entre tan to, nes te tex to sa gra do, o Se nhor abre o cre diá rio da sal va ção
para to das as pes so as, in de pen den te de sua ficha es ti ver suja ou não. E, se
por aca so a fi cha ou nome do pe ca dor esti ver sujo pelo pe ca do, o Se nhor já
pagou tudo na cruz, e “ten do can ce la do o es cri to de dí vi da que era con tra
nós e que cons ta va de or de nan ças, o qual nos era pre ju di ci al, re mo veu-o
in te i ra men te, en cra van do-o na cruz.” (CL. 2.14). Ele nos deu uma anis - tia
ge ral, e qui tou to das as nos sas dí vi das. Glóri as a Deus!

1. CREDIÁRIO PARA TODOS OS NECESSITADOS

1) O cre diá rio da sal va ção foi aber to para to dos os neces si ta dos. Em Mt.
11.28, Je sus con fir mou o con vi te de Isa ías, di zen do: “Vin de a mim, to dos
os que es ta is can sados e so brecar re ga dos, e Eu vos ali vi a rei.”

2) Em Jo. 7.37, Je sus dis se: “Se al guém tem sede, ve nha a mim e beba”. Je sus
dis se “Se al guém tem sede”. Não é só os po bres que tem sede; os ri cos tam -
bém tem sede (Lc. 19.1-10).

3) Em Ap. 21.6, o Se nhor mes mo dis se: “Eu, a quem tem sede, da rei de gra ça
da fon te da água da vida”. No cre diá ro co mer ci al, você compra sem di nhe i
ro, mas tem de pa gar de po is. Po rém, no cre diá rio da sal va ção, você é con vi
da do a com prar sem di nhe i ro, e não pre ci sa pa gar mais nada: “Vin de e com
prai, sem dinhe i ro e sem pre ço.” (Is. 55.1). O pre ço já foi pago por Je sus. Ale
lu ia!

2. OS PRODUTOS OFERECIDOS NO CREDIÁRIO DA SALVAÇÃO

1) “vin de e com prai, sem di nhe i ro e sem pre ço, vi nho e le i te.” (Is. 55.1).
Os pro - du tos ofere ci dos são: Vi nho e Le i te. O vi nho fala do Sangue de Je
sus que nos pu ri fi ca de todo o pe ca do (Mt. 26.27-28). O le i te fala da pa la
vra que sus ten ta e dá o cres ci men to es pi ri tu al ao novo con ver ti do (Hb.
5.13).

2) Em Hb. 9.14, está escri to que: “Mu i to mais o san gue de Cris to, que, pelo
Espí - ri to Eter no, a si mes mo se ofe re ceu sem má cu la a Deus, pu ri fi ca rá
a nos sa cons ciên cia de obras mor tas, para ser vi mos ao Deus Vivo!”.

3) Em 1Pd. 2.2, está es cri to: “De se jai ar den te men te, como cri an ças re
cém-nas ci - das, o ge nu í no le i te es pi ri tu al, para que, por ele, vos seja dado
cres ci men to para sal va ção”.

CONCLUSÃO : O con vi te da sal va ção é para to dos. Deus de se ja que to dos


os ho mens se jam sal vos e che guem ao ple no co nhe ci men to da ver da de
(1Tm. 2.4). E, em Ap. 22.17, o úl ti mo gran de con vi te da Bí blia diz: “O Espí
ri to e a No i va di zem: Vem! Aque le que ouve, diga: Vem! Aque le que tem
sede ve nha, e quem qui ser re ce ba de gra ça a água da vida”.

Esbo ço 168 – Dia 16 de Junho


Tema: O PODER DA MÃO DO SENHOR

Eis que a Mão do Se nhor não está en co lhi da, para que não pos sa sal var; nem
sur do o seu ou vi do, para não po der ou vir. Is. 59.1

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do nós va mos apren der so bre o po der
da Mão do Se nhor. A Mão do Se nhor é po de ro sa. A Mão do Se nhor está es
ten di da para aben ço ar, para pro te ger, e para sal var. A boa Mão do Se nhor é
so bre nós para nos aben ço ar e nos fa zer pros pe rar na sua Obra.

1. A BOA MÃO DO SENHOR TRABALHA PARA O NOSSO BEM

1) Em Ed. 8.22, está escri to que: “A boa mão do nosso Deus é so bre to dos os
que o bus cam, para o bem de les; mas a sua for ça e a sua ira, con tra to dos os
que o aban do nam”.

2) Em Ed. 7.28, o Sa cer do te Esdras exal tou o tra ba lhar de Deus em seu fa
vor, di - zen do: “Assim, me ani mei, se gun do a boa mão do Se nhor, meu
Deus, so bre mim, e ajun tei de Isra el al guns che fes para su bi rem co mi go”.

3) Em Ne. 2.8, está es cri to que, a Boa Mão do Se nhor es ta va com Ne e mi as.
4) Em 1Cr. 4.10, está es cri to que: “Ja bez cla mou ao Deus de Isra el, di zen do:
Oxa - lá que me aben ço es e ampli es o meu ter ri tó rio! Seja a tua mão co mi
go, e me pre ser ves do mal, de modo que eu seja li vre da dor. E Deus lhe con ce
deu o que lhe ti nha pe di do”.
2. A BOA MÃO DO SENHOR É SOBRE NÓS

1) Em 2Rs. 3.15, está es cri to que: “Enquan to o har pis ta to ca va, veio so bre
Eli seu a mão do Se nhor”.
2) Em Lc. 1.66, está escri to que, a mão do Se nhor es ta va com o me ni no João
Ba tis ta.
3) Em At. 11.21, está escri to que: “A mão do Se nhor es ta va com eles, e mu i
tos, cren do, se con ver te ram ao Se nhor”.
4) Em 1Pd. 5.6, está es cri to: “Hu mi lhai-vos, por tan to, sob a po de ro sa mão
de Deus, para que Ele, em tem po opor tu no, vos exal te”.

CONCLUSÃO : A Boa Mão do Se nhor é po de ro sa, e é so bre as nossas vi


das para nos aben ço ar. A Boa Mão do nos so Deus tra ba lhan do em nos so fa
vor, é o pró prio po der de Deus em ação no mun do para o be ne fí cio do seu
povo.

Esbo ço 169 – Dia 17 de Junho


Tema: LEVANTA-TE E RESPLANDECE Le van ta-te e Res plan de ce, por que
já vem a tua luz, e a gló ria do Se nhor vai nas cen do so -bre ti. Is. 60.1

INTRODUÇÃO : Neste tex to sa gra do, nós so moscon vida dos pelo Se nhor
para le - van tar e res plande cer. È de nos sa in cu bência, le van tar mos do nos
so co mo dis mo e res plan de cer mos nas trevas des te mun do, pois, Cris to já
nos cha mou das tre vas para a sua ma ra vi lho sa luz, a fim de anun ci ar mos as
suas vir tu des ao mun do per di - do (1Pd. 2.9).

1. LEVANTA-TE

1) “Le van ta-te.” (Is. 60.1). A prime i ra or dem do Se nhor é: Le van ta-te!
Deus sem pre quer nos ver le van ta dos. A von ta de de Deus é que es te ja mos
sem pre de pé. Para o pro fe ta Eze qui el, o Se nhor dis se: “Fi lho do Ho mem,
põe-te em pé, e fa la rei con ti go” (Ez. 2.1).

2) Ao pro fe ta Mi que ías, o Se nhor dis se: “Le van tai-vos e an dai, por que não
será aqui o vos so des can so.” (Mq. 2.10).
3) Ao pro fe ta Eli as, o Se nhor dis se: “Le van ta-te e come, por que mui com
pri do será o teu ca mi nho. Le van tou-se, pois, e co meu, e be beu, e, com a for
ça da que la co mi da, ca mi nhou qua ren ta dias e qua ren ta no i tes até Ho re
be, o mon te de Deus” (2Rs. 19.7-8).
4) Ao ho mem da mão mir ra da, o Se nhor dis se: “Le van ta-te e vem para o
meio; e ele, le van tan do-se, per ma ne ceu de pé” (Lc. 6.8). O se gre do é per
ma ne cer de pé (Lc. 21.36).

2. RESPLANDECE

1) “...res plan de ce.” (Is. 60.1). A se gun da or dem do Se nhor é: Res plan de
ce! O Se nhor de se ja que a nos sa luz bri lhe di an te dos ho mens (Mt. 5.16).
2) Em 2Co. 4.6, está es cri to que Deus dis se: “Das tre vas res plan de ceu a luz,
e Ele mes mo res plande ceu em nos so co ra ção, para ilu mi na ção do co nhe
cimen to da gló ria de Deus, na face de Cris to”.
3) Em 1Pd. 2.9, está es cri to que, de ve mos pro cla mar as virtu des Da que le
que nos cha mou das tre vas para a sua ma ra vi lho sa luz.
4) Fp. 2.15, Pa u lo afir ma que de ve mos nos tor nar “Irre pre en sí ve is e sin ce
ros, fi - lhos de Deus in cul pá ve is no meio de uma ge ra ção per ver ti da e cor
rup ta, na qual res plan de ce is como lu ze i ros no mun do”.

CONCLUSÃO : Je sus Cris to já nos ele geu como luz do mun do e sal da ter ra
(Mt. 5.13-14). Só nos res ta obe de cer mos a sua voz, e nos le van tar mos e res
plan de cer mos atra vés da sua ma ra vilho sa luz.

Esbo ço 170 – Dia 18 de Junho


Tema: AS PORTAS ESTARÃO ABERTAS PARA VOCÊ

As tuas por tas es ta rão aber tas de con ti nuo; nem de dia nem de no i te se fe
cha rão, para que te se jam tra zi das ri que zas das na ções, e, con du zi dos com
elas, os seus reis. Is. 60.11

INTRODUÇÃO: Este tex to sa gra do, faz par te de uma sé rie de pro mes sas
Di vi nas acer ca da res ta u ra ção fu tu ra
pos su i ammu ra lhas e gran des
de Je ru sa lém. Des de os tem pos an ti gos, as ci da des por tas, a fim de pro te
ge rem a ci da de da in va são de

ini mi gos. Nes ta pas sa gem bí bli ca, o Se nhorga rante que, as por tas de Je ru
sa lém es ta rão aber tas dia e no i te, para que se jam tra zi das as rique zas das
na ções. Em vez de ser ata ca da por na ções ini mi gas, Je ru sa lém se tor na rá
um cen tro mun di al de ado ra ção ao Se nhor; e, es tas na ções não apa re ce rão
de mãos va zi as pe ran te o Se nhor. As por tas de Je ru sa lém es ta rão aber tas
para to dos os que de se ja rem ado rar ao Se - nhor.
1. NÃO EXISTE PORTAS FECHADAS PARA QUEM BUSCA AO SENHOR

1) Para quem bus ca ao Se nhor, sempre ha ve rá uma por ta aber ta. Em Mt. 7.7-
8, Je sus dis se: “Pe dir, e dar-se-vos-á, bus cai e acha re is; ba tei, e abrir-se-vos-
á. Pois todo o que pede re ce be; o que bus ca en con tra; e, a quem bate, abrir-se-
lhe-á”.

2) Em Is. 62.10, está es cri to: “Pas sai, pas sai pe las por tas”. De ve mos pas sar
pe las por tas que o Se nhor nos abre.

3) No SL. 118.20, está es cri to: “Esta é a por ta do Se nhor; por ela entra rão os
jus tos”.
4) Em 2Co. 2.12, Pa u lo dis se: “Ora, quan do che guei a Trôa de para pre gar o
Evan ge lho de Cris to, e uma por ta se me abriu no Se nhor”. Sem pre o Se nhor
abre uma por ta para quem lhe bus ca.

2. DEUS NOS ABRE GRANDES PORTAS

1) Um Deus Gran de sem pre re a li za co i sas gran des. Em 1Co. 16.9, Pa u lo


diz: “Por - que uma por ta gran de e opor tu na para o tra ba lho se me abriu; e há
mui tos ad - ver sá ri os”.

2) Em At. 14.27, está escri to que, Pa u lo e Bar na bé, ao re gres sar da pri me i
ra vi a gem mis si o ná ria, re latou á Igre ja de Anti o quia “quan tas co i sas fi
ze ra Deus com eles e como abrira aos genti os a por ta da fé”. A Porta da Fé é o
ca mi nho aber to por Deus para a re a li za ção de gran des mila gres.

3) Uma ou tra gran de por ta que Deus quer nos abrir é a “Por ta da Pa la vra”
(CL. 4.3).

4) Em Ap. 3.8, o Se nhor nos res pon de, di zen do: “Co nhe ço as tuas obras –
eis que te nho pos to di an te de ti uma por ta aber ta, a qual nin guém pode fe
char – que tens pou ca for ça, en tre tan to, guar das te a mi nha pa la vra e não
ne gas te o meu Nome”.

CONCLUSÃO : As por tas sempre es ta rão aber tas para quem ora e busca ao
Se nhor. E, ain da que haja re sis tên cia de algu ma por ta que in sis ta em fi car
fe cha da, o Se nhor diz: “Eu irei adi an te de ti, en di re i tarei os ca mi nhos tor
tu osos, que brarei as por tas de bron ze e des pe da ça rei as trancas de fer ro”
(Is. 45.2).
Esbo ço 171 – Dia 19 de Junho
Tema: O ADORNO DA NOIVA DE CRISTO

Re go zi jar-me-ei mu i to no Se nhor, a mi nha alma se ale gra no meu Deus; por


que me co briu de ves tes de sal va ção e me en vol veu com o man to de jus ti
ça, como um no i vo que se ador na com ata vi os e como no i va que se en fe i ta
com as suas jói as. Is. 61.10

INTRODUÇÃO : Nes te texto sa gra do, nós va mos apren der so bre o adorno
da No i - va de Cris to. Ves te de Salva ção, Man to de Jus ti ça, Atavi os, e Jói as
são os ador nos apro pri a dos para a No i va se en con trar com o No i vo. No
caso da Igre ja, a No i va de Cris to,po de mos ex tra ir mu i tas li ções es pi ri tu
a is des tes ador nos des cri tos nes te tex to sa gra do.

1. VESTES DE SALVAÇÃO

1) “...por que me co briu com ves tes de sal va ção...” (Is. 61.10). Em Gn. 3.6,
está es cri to que, após o pe ca do, o ho
gue i ras para se ves ti rem. Entre tan to, es tas rou pas
eram as ves ti men tas apro pri a das para o am bi en te
mem e a mu lher usa ram fo lhas de fi -

de fo lhas de fi gue i ra, não do pa ra í so. Por isso, Deus pre pa rou ves ti men
tas de pe les para Adão e sua mu lher e os ves tiu (Gn. 3.21). As ves ti men tas de
pe les pre pa ra das por Deus, são as ves ti men tas da Re den - ção do Cor de i ro
de Deus, que, ace i tou mor rer por nós des de a fun da ção do mun do (Ap. 13.8
e Ap. 22.14).

2) Em 2Cr. 6.41, Sa lo mão orou ao Se nhor, di zen do: “Le van ta-te, pois, Se
nhor Deus, e en tra para o teu re pou so, tu e a arca do teu po der; os teus sa cer
do tes, ó Se nhor Deus, se re vis tam de sal va ção, e os teus san tos se ale grem
do bem”.

3) No SL. 132.16, está es cri to: “Ves ti rei de sal va ção os seus sa cer do tes, e
de jú bi - lo exul ta rão os seus fiéis”. Na Dis pen sa ção da Gra ça, todos nós
somos sa cer do tes para Deus (1Pd. 2.9 e Ap. 1.6).

4) Em CL. 3.12, está es cri to: “Re ves ti-vos, pois, como ele i tos de Deus, san
tos e ama dos.. ”. So men te os ele i tos de Deus é que po dem se ves tir das ves
tes de sal va ção.
2. MANTO DE JUSTIÇA

1) “...e me en vol veu com o man to de jus ti ça...” (Is. 61.10). O man to de jus
ti ça que o Se nhor nos ves tiu, não é o man to da nos sa pró pria jus ti ça; pois,
as nos sas jus ti ças não pas sa va de um tra po de imun dí cia (Is. 64.6). O Se
nhor nos ves tiu da jus ti ça de Cris to (2Co. 5.21). Ao esten der so bre nós o seu
manto de jus tiça, o Se nhor nos de cla rou jus tos e jus tifi ca dos (Rm. 5.1,18).

2) Em Is. 4.4, o Se nhor já ha via pro me ti do lim par a imundí cia do seu povo
com o Espí ri to de Jus ti ça.
3) Em Ef. 6.14, Pa u lo afir ma que, já po de mos nos ves tir da cou ra ça da jus ti
ça.
4) Em Ap. 19.8, está es cri to que, a No i va do Cor de i ro “Foi dado ves tir-se
de li nho fi nís si mo, res plan de cen te e puro.Por que o li nho fi nís si mo são
os atos de jus ti ça dos san tos”.

3. ATAVIOS

1) “...como no i vo que se ador na com ata vi os. ...” (Is. 61.10). Os ata vi os fa
lam dos com ple men tos das ves tes nup ci ais. Tur bantes, gri nal das e co ro as
fa - zem par te dos ata vi os.

2) Em Zc. 3.5, está es cri to que, o Se nhor or de nou que se co lo cas se um tur
ban te lim po so bre a ca be ça do sumo sa cer do te Jo sué. Em Jo. 15.3, Je sus
afir mou que já esta mos lim pos pela Pa la vra que Ele nos fa lou.

3) Em Ef. 5.26, está es cri to que, a Igre ja já foi san ti fi ca da e pu ri fi ca da


pela la va - gem da água pela Pa la vra de Deus.
4) Em Ap. 19.7, está escri to: “Ale gre mo-nos, exul te mos e de mos-lhe a gló
ria, por que são che ga das as Bo das do Cor de i ro, cuja es po sa a si mes ma já
se ata - vi ou”.

4. JÓIAS

1) “...como no i va que se en fe i ta com as suas jói as” (Is. 61.10). As jói as fa


lam do galar dão que a No i va de Cristo re ce be rá, de acor do com as suas
obras.

2) Em 1Co. 3.12, Pa u lo afir ma que, as nos sas boas obras po de rão ser bem
clas si - fi ca das como ouro, pra ta, ou pe dras pre ci o sas.
3) No SL. 45.13, está es cri to que, a fi lha do Rei, que é a Igre ja de Cris to, en
tra rá no in te ri or do pa lá cio do Rei com a sua vesti du ra re ca ma da de ouro.
4) Em Is. 62.5, está es cri to que: “Como o no i vo se ale gra da no i va, as sim de
ti se ale gra rá o teu Deus”.

CONCLUSÃO : A Igre ja do Se nhor está sen do ador na da e bem ata vi a da


pelo Espíri to Santo, a fim de ser apre sen ta da como uma Vir gem Pura ao No i
vo Ama do Je sus Cris to “Igre ja glo ri o sa, sem má cu la, nem ruga, nem co i
sa se me lhan te, po rém san ta e sem de fe i to” (Ef. 5.27).

XXIV – ESBOÇOS EM JEREMIAS


Esbo ço 172 – Dia 20 de Junho
Tema: A VISÃO DO HOMEM CHAMADO POR DEUS Veio ain da a pa la vra
do Se nhor, di zen do: Que vês tu, Je re mi as? Res pon di: Vejo uma vara de amen
do e i ra. Dis se o Se nhor: Vis te bem, por que Eu velo so bre a mi nha pa la vra para a

cum prir. Jr. 1.11-12

INTRODUÇÃO : Nes te texto sa gra do, nós va mos apren der so bre a visão do
ho mem cha ma do por Deus. O Se nhor per gun ta ao pro fe ta Je re mi as: “Que
vês tu, Je - re mi as?” Então, Je re mi as res pon deu ao Se nhor: “Vejo uma vara
de amen do e i ra. Dis se o Se nhor: Viste bem, por que Eu velo so bre a mi nha
pa la vra para a cum prir”. O ho mem cha ma do por Deus preci sa ter vi são das
co i sas de Deus. O Senhor elo gi ou a vi são de Je re mi as, di zen do: “Vis te
bem”. Que o Se nhor pos sa di zer o mes mo para os pro fe tas e lí de res do nos
so tem po.

1. HOMENS DE DEUS QUE TIVERAM VISÃO

1) To dos os ho mens cha ma dos por Deus ti ve ram vi são. Mo i sés teve a vi
são do Se nhor no meio de uma sar ça ar den te que não se con su mia (Êx. 3.1-
5).
2) O pro fe ta Isa ías teve a vi são do Senhor assen ta do so bre um alto e subli
me tro - no (Is. 6.1-5).
3) O pro fe ta Eze qui el foi um ho mem que teve gran des visões de Deus (Ez.
1.1).
4) O após to lo Pa u lo afir mou com au to ri da de ao rei Agri pa, que, não foi de
so be - di en te a vi são ce les ti al (At. 26.19).
5) O após to lo João, á exem plo dos gran des pro fe tas e vi den tes da Antiga
Ali an - ça, foi o gran de vi den te de Deus no Novo Tes ta men to, ao es cre ver
as gran des vi sões do Apo ca lip se (Ap. 1.9-17).

2. A VISÃO AMPLIADA DO HOMEM CHAMADO POR DEUS

1) Pre ci sa mos ter a nos sa vi são am pli a da. Em Gn. 13.14-15, Deus con vi
dou Abraão a ampli ar a sua vi são, di zen do: “Ergue os olhos e olha des de
onde es - tás para o nor te, para o sul, para o ori en te e para o oci den te; por que
toda esta ter ra que vês, Eu ta da rei a ti e á tua des cen dên cia, para sem pre”.

2) Em Jó 39.28-29, ao fa lar so bre a vi são da águia, o Se nhor dis se: “Ha bi ta


no pe nhas - co onde faz a sua mo ra da, so bre o cimo do pe nhas co, em lu gar
se gu ro. Dali, des co bre a pre sa; seus olhos a avis tam de lon ge”. Os olhos do
ho mem cha ma do por Deus pre ci sam avis tar lon ge.

3) Em Dt. 34.7, está es cri to que: “Ti nha Moi sés a ida de de cen to e vin te
anos quan do morreu; não se lhe es cu re ce ram os olhos, nem se lhe aba teu o vi
gor”. Mo i sés nun ca per deu a vi são, e nem a dis po si ção e o vi gor para fa zer
a obra do Se nhor.

4) Em Ef. 3.18, Pa u lo afir ma que, os san tos de vem com pre en der “a lar gu
ra, e o com pri men to, e a al tu ra, e a pro fun di da de”. A lar gu ra apon ta para
a vi são ho ri zon tal; o com pri men to apon ta para a vi são lon gi tu di nal; a al
tu ra apon ta para a vi são ver ti cal; e, a pro fun di da de apon ta para uma vi são
mais pro fun da das co i sas de Deus.

5) Em Ap. 3.18, o Se nhor Je sus Cris to acon se lhou o pastor e os cren tes de La
o di - céia a un gi rem os olhos com o co lí rio es pi ri tu al, a fim de am pli a rem
a vi são.

CONCLUSÃO: A vi são de que es ta mos fa lan do, não é sim ples men te o ho
mem de Deus ter al gu ma re ve la ção ou ex pe riên cia mís ti ca do mun do es pi
ri tu al, e sim, a vi - são do cres ci men to e am pli a ção do Rei no de Deus aqui
na ter ra, e com os olhos fitos no Rei, e no fu tu ro glo ri o so deste Re i no (Hb.
12.2).

Esbo ço 173 – Dia 21 de Junho Tema: PASTORES SEGUNDO O CORAÇÃO


DE DEU Dar-vos-ei pas to res in te li gên cia. Jr. 3.15 se gun do o meu co ra ção,
que vos apas cen tem com co nhe ci men to e com

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do, Deus pro me te dar ao seu povo pas to
res se - gun do o seu co ra ção. É o Se nhor quem co man da e orien ta o minis té
rio da sua ama - da Igre ja. Os dons minis te ri a is são con ce di dos á Igre ja
pelo pró prio Deus. É Deus quem le van ta os pas to res para apas cen tar o seu
Re ba nho.

1. OS PASTORES DO CORAÇÃO DE DEUS

1) Ao fa lar de pas to res se gun do o co ra ção de Deus, ime dia ta men te nos
vem a me mó ria, Davi – O ho mem se gun do o co ra ção de Deus (At. 13.22).
2) De acor do com 1Sm. 16.11, quan do o pro fe ta Sa mu el che gou na casa de
Jes - sé, Davi es ta va no cam po apas cen tan do as ove lhas de seu pai. Davi,
era, um pas tor de dica do e tra ba lha dor.
3) De acor do com 1Sm. 16.13, após a un ção que re ce beu do pro fe ta Sa mu
el, da - que le dia em di an te, o Espí ri to do Se nhor se apos sou da vida de
Davi. Por tan - to, Davi era um homem re ves ti do do Espí ri to Santo.
4) De acor do com 1Sm. 16.18, Davi era um ho mem for te e va len te, e ho mem
de guer ra. Por tan to, Davi era um ho mem pre pa ra do para ven cer as ba ta
lhas da vida.

5) De acor do com 1Sm. 16.18, Davi era si su do em pa la vras e, o Se nhor era


com ele. Por tan to, Davi era bom de ora tó ria, e des fru ta va da pre sen ça do
Se nhor na sua vida.

2. PASTORES COM CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA

1) Os pas to res se gundo o co ra ção de Deus, pos suem co nhe cimen to e in teli
gên - cia (SL. 37.30; ML. 2.7).
2) Em At. 20.27, Pa u lo afir ma aos obre i ros de Éfe so: “Por que ja ma is vos
de i xei de anun ci ar todo o con se lho de Deus”.
3) Em CL. 1.28, Pa u lo afir ma que o obre i ro deve en si nar a todo ho mem em
toda a sa be do ria, a fim de que apre sen te mos todo ho mem per fe i to em Cris
to.

4) Em CL. 1.9, está escri to que, nós de ve mos trans bor dar de ple no co nhe ci
men - to da von ta de de Deus, em toda a sa be do ria e in te li gên cia es pi ri tu
al.
5) Em 2Pd. 3.18, está escri to: “Antes, cres cei na gra ça e no co nhe ci men to de
nos so Se nhor e Sal va dor Jesus Cris to. A Ele seja a gló ria, tan to ago ra como
no dia eter - no”.

CONCLUSÃO : Os pas to res se gun do o co ra ção de Deus, são àque les que
apas cen - tam o re ba nho com co nhe cimen to e com in teli gên cia. São àque
les que en sinam ao povo com sa be do ria; são àque les que sa bem se condu zir
de for ma pruden te dian te de Deus e dos ho mens.

Esbo ço 174 – Dia 22 de Junho


Tema: DEUS PROCURA HOMENS PARA USAR

Daí volta ás ruas de Je ru sa lém, vede ago ra, pro cu rai sa ber, bus cai pelas suas
pra ças a ver se acha is al guém, se há um ho mem que pra ti que a jus ti ça ou
bus que a ver da de; e Eu lhe per do a rei a ela. Jr. 5.1

INTRODUÇÃO : Este tex to sa gra dore ve la um pe río dosom briona his tó ria
de Isra el, em que ha via uma gran de es cas sez de homens com pro me ti dos
com a jus ti ça e a ver da de. Então, o Se nhor Deus, faz um de sa fio ao pro fe ta
Je re mi as, para que ve ri fi que com mu i ta precisão, se por um aca so, exis te
em Je ru sa lém esta qua li da de de ho mens para Deus usar. Sen do as sim, gos
ta ria de desta car nes ta men sa gem, qua tro ti - pos de ho mens que Deus pro cu
ra para usar.

1. HOMENS FIÉIS

1) O pri me i ro tipo de ho mem que Deus pro cu ra para usar são: Ho mens fiéis.
No SL. 101.6, está es cri to: “Os meus olhos pro cu ra rão os fiéis da ter ra, para
que ha bi tem comi go; o que anda em reto ca mi nho, esse me ser vi rá”.

2) No SL. 12.1, re co nhe cen do a es cas sez de ho mens fiéis no seu tem po, o
sal mis ta diz: “So cor ro, Se nhor! Por que já não há ho mens pi e do sos; de sa
pa re - cem os fiéis en tre os fi lhos dos homens”.

3) Em Pv. 28.20, está es cri to que: “O ho mem fiel será cu mu la do de ben


çãos.” Por tan to, vale a pena ser fiel.
4) Em Dt. 7.9, está escri to: “Sa be rás, pois, que o Se nhor, teu Deus, é Deus, o
Deus Fiel, que guarda a ali an ça e a mi se ri cór dia até mil ge ra ções aos que o
amam e guar dam os seus man da men tos”. Sen do um Deus Fiel, o mí ni mo
que Ele exi ge dos seus ser vos é que se jam fiéis (1Co. 4.1-2).
2. ADORADORES VERDADEIROS

1) O se gun do tipo de ho mens que Deus pro cu ra para usar são: Ado ra do res
ver - da de i ros. Em Jo. 4.23, Je sus disse: “Vem a hora e já che gou, em que os
ver da - de i ros ado ra do res ado ra rão o Pai em es pí ri to e em ver da de; por
que são es tes que o Pai pro cu ra para seus ado ra do res”.

2) Em Jó 35.13, está es cri to que: “Só gritos va zi os Deus não ou vi rá, nem
aten ta - rá para eles o Todo-Po de ro so”.
3) No SL. 29.2, está es cri to: “Tribu tai ao Se nhor a gló ria de vi da ao seu
Nome, ado rai ao Se nhor na be le za da san ti da de”.
4) No SL. 27.4, está es cri to que, sen do um ado ra dor ver da de i ro, Davi dis
se: “Uma co i sa pedi ao Se nhor e a bus ca rei: Que pos sa mo rar na Casa do Se
nhor to dos os dias da mi nha vida, para con tem plar a for mo su ra do Se nhor e
apren der no seu Tem plo”.

3. HOMENS QUE PRATIQUEM A JUSTIÇA

1) O ter ce i ro tipo de ho mens que Deus pro cu ra para usar são: Ho mens que
pra - ti quem a jus ti ça. Em Jr. 5.1, o Se nhor diz: “Ver se acha is al guém ou se
há um ho mem que pra ti que a jus ti ça”.

2) Em Dt. 16.20, está es cri to: “A jus ti ça se gui rás, so men te a jus ti ça, para
que vivas e pos su as em he ran ça a ter ra que te dá o Se nhor, teu Deus”.
3) Em Pv. 15.9, está es cri to que, o Se nhor ama o que se gue a jus ti ça.
4) Em Mq. 6.9, está escri to: “Ele te de cla rou, ó ho mem, o que é bom; e que é
o que o Se nhor pede de ti, se não que pra ti ques a jus ti ça, e ames a mi se ri cór
dia, e an des hu mil de men te com o teu Deus?”

4. HOMENS QUE BUSQUEM A VERDADE

1) O quar to tipo de ho mens que Deus pro cu ra para usar são: Ho mens que
busquem a ver da de. Em Jr. 5.1, o Se nhor diz: “Ver se acha is al guém ou se há
um ho mem que pra ti que a jus ti ça ou bus que a ver da de; e Eu lhe per do a
rei”.

2) No SL. 15.2, está es cri to que, o ver da de i ro ci da dão dos céus é: “O que
vive com in te gri da de, e prá ti ca a jus ti ça, e, de co ra ção, fala a ver da de”.
3) Em Pv. 12.17, está es cri to que: “O que diz a ver da de ma ni fes ta a jus ti ça;
mas a tes te mu nha fal sa, a fra u de”.
4) Em Dt. 32.4, está es cri to que: “Deus é a Ver da de”. Em Jo. 14.6, está es cri
to que: “Je sus é a Ver da de”. Em Jo. 14.17, está es cri to que: “o Espí ri to San
to é o Espí ri to da Ver da de”. Em Jo. 17.17, está es cri to que: “a Pa la vra de
Deus é a Ver da de”. Em 1Tm. 3.15, está es cri to que: “a Igre ja do Deus Vivo é
a Co lu na e Fir me za
da de i ro,
da Ver da de”. Por tan to, um Deus Ver da de i ro, que tem um Fi lho Ver - um
Espí rito Ver da de iro, uma Pa la vra Ver da de ira e uma Igre ja Ver - da de i ra,
o mí ni mo que pode exi gir dos seus ser vos, é que tam bém se jam ver da de
iros. Ale lu ia!

CONCLUSÃO : No meio de uma ge ra ção cor rom pi da e per ver sa, Deus está
em nos - sos dias pro cu ran do para usar em suas mãos: Ho mens fiéis, Homens
que o adorem de for ma ver da de i ra , Ho mens que pra ti quem a jus ti ça, e Ho
mens que busquem a ver da de.

Esbo ço 175 – Dia 23 de Junho


Tema: AS TRÊS ÚNICAS RAZÕES PARA OS HOMENS SE GLORIAREM

Assim diz o Se nhor: Não se glo rie o sá bio na sua sa be do ria, nem o for te, na
sua for ça, nem o rico, nas suas ri que zas; mas o que se glo ri ar, glo rie-se nis
to: Em me co nhe cer e sa ber que Eu sou o Se nhor e faço mi se ri cór dia, ju í
zo e jus ti ça na ter ra; por que des tas co i sas me agra do, diz o Senhor. Jr. 9.23-
24

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der que, ne nhum ho
mem, por mais que seja, sá bio, for te, ou rico, pode se glo ri ar no que é, ou no
que tem. As três úni cas ra zões que a Bí blia apre sen ta para o ho mem se glo ri
ar é: 1) Em co nhe - cer ao Se nhor (Jr. 9.24); 2) Na es pe ran ça da gló ria de
Deus (Rm. 5.2); e, 3) Na cruz de Cris to (GL. 6.14).

1. EM CONHECER AO SENHOR

1) “Mas o que se glo ri ar, glo rie-se nis to: Em me co nhe cer e sa ber que Eu
Sou o Se nhor e faço mi se ri cór dia, ju í zo e jus ti ça na ter ra..” (Jr. 9.24). A pri
me i ra ra - zão para o ho mem se glo ri ar é, em co nhe cer ao Se nhor, e as co i
sas que Ele faz.

2) Qu an do o ho mem co nhe ce ao Se nhor, e se glo ria nas co i sas que o Se


nhor faz; ele está se ga ban do das co i sas que o Se nhor faz, e não no que o ho
mem faz. Pois, a gló ria é so men te do Se nhor (Is. 42.8).

3) Em Os. 6.3, está es cri to: “Co nhe ça mos e pros si ga mos em co nhe cer ao
Se nhor; como a alva, a sua vinda é certa; e Ele des ce rá so bre nós como a chu
va, como chu va se rô dia que rega a ter ra”.

2. NA ESPERANÇA DA GLÓRIA DE DEUS

1) “...E nos glo ri a mos na es pe ran ça da gló ria de Deus” (Rm. 5.2). A se gun
da ra - zão que a Bí blia apre sen ta para nos glo ri ar mos é; na es pe ran ça da
gló ria de Deus. A jus ti fi ca ção que re ce be mos me di an te a fé, e a paz com
Deus, por meio de Nos so Se nhor Je sus Cris to, são mo ti vos so be ja dos que
te mos para nos glo ri ar-nos na es pe ran ça da gló ria de Deus (Rm. 5.1).

2) Em Rm. 3.23-24, está es cri to que: “To dos pe ca ram e ca re cem da gló ria
de Deus, sen do jus ti fi ca dos gra tu i ta men te, por sua gra ça, me di an te a re
den ção que há em Cris to Je sus”. Ora, quem es ta va des ti tu í do e ca ren te da
gló ria de Deus, e, ago ra tem aces so a esta Gló ria gra tu i ta men te, tem mo ti
vos de so bra para se glo ri ar nes ta Espe ran ça Glo ri o sa.

3) Em 2Co. 4.6, está es cri to que Deus dis se: “Das tre vas res plan de ce rá a
luz, Ele mes mo res plande ceu em nos so co ra ção, para ilu mi na ção do co nhe
cimen to da gló ria de Deus, na face de Cris to”. Não fi ze mos nada. É Ele quem
faz tudo. Por isso, não te mos do que se glo ri ar, a não ser no pró prio Se nhor.

3. NA CRUZ DE CRISTO

1) “Mas lon ge es te ja de mim glo ri ar-me, se não na cruz de nos so Se nhor Je


sus Cris to, pela qual o mun do está cru ci fi ca do para mim, e eu, para o mun
do” (GL. 6.14). A ter ce i ra ra zão do ho mem se glo ri ar é; na cruz de Cris to.
Foi na cruz que Cristo mor reu pe los nos sos pe ca dos. Foi lá que Ele deu o bra
do de vi tó ria: “Está con su ma do” (Jo. 19.30). Foi na cruz que Ele fez tudo. O
que nos res ta fa zer, a não ser crer Nele? De que po de mos nos glo ri ar, a não
ser na sua cruz?

2) Na cruz, Je sus can ce lou “o es cri to de dí vi da que ha via contra nós e que
cons - ta va de or de nan ças, o qual nos era pre ju di ci al, re mo veu-o in te i ra
mente, en - cra van do-o na cruz” (CL. 2.14).

3) Na cruz, Je sus des po jou “os prin ci pa dos e as po tes ta des, pu bli ca men
te os ex - pôs ao des pre zo, tri un fan do de les na cruz”. Por tan to, é na cruz de
Cris to que de ve mos nos glo ri ar. É na cruz que o nos so “eu faço”, “eu posso”,
“eu te nho”, “eu sou” é cru ci fi ca do, e, pas sa mos a re co nhe cer que, Ele Faz,
Ele Pode, Ele Tem, e Ele É o Úni co “EU SOU” (Êx. 3.14 e Jo. 8.12 etc.). Por
tan to, é so men te no que o Se nhor é, e no que Ele faz, que nós de ve mos nos
glo ri ar-nos.

CONCLUSÃO: Sa lo mão não po dia se glo ri ar na sua sa be do ria; pois, ela vi


nha do Se nhor (l Rs. 5.12); San são não po dia se glo ri ar da sua for ça; pois, ela
vi nha do Se - nhor (Jz. 16.19-20,28); Jó não po dia se glo ri ar na sua rique za;
pois, ela vi nha do Se nhor (Jó 42.10). Por tan to, o ho mem não tem do que se
glo ri ar, a não ser em co - nhe cer ao Se nhor, em ter es pe ran ça na gló ria de
Deus, e na gran de sal va ção efe tu a da atra vés da cruz por Cris to.

Esbo ço 176 – Dia 24 de Junho


Tema: A MELHOR DE TODAS AS FONTES

Ó Se nhor, Espe ran ça de Isra el! To dos aque les que te de i xam se rão en ver
go nha dos; o nome dos que se apar tam de mim será es cri to no chão, por que
aban do nam o Se nhor, a Fon te das Águas Vi vas. Jr. 17.13

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der que o Se nhor é
a me - lhor de to das as fon tes que de ve mos be ber. Ele é a Fon te de Águas
Vivas. Em meio ao de ser to e a se qui dão, o que o vi a jan te can sa do e se den
to mais de se ja en con trar, é uma fon te de águas vi vas. Em meio ao de ser to e
a se qui dão es pi ri tu al des te mun - do, o Se nhor é a úni ca Fon te que pode re
sol ver o pro ble ma da sede es pi ri tu al do ho - mem.

1. ELE É A NOSSA FONTE DE ESPERANÇA

1) O Se nhor é a nos sa Fon te de Espe ran ça. Ele é cha ma do de “Espe ran ça
de Isra - el e Re den tor seu no tem po da an gús tia” (Jr. 14.8). Po de mos be ber
mu i ta es - pe ran ça nes ta Fon te.

2) No SL. 71.5, o Sal mis ta diz: “Pois tu és a mi nha es pe ran ça, Se nhor Deus,
tu és a mi nha con fi an ça des de a mi nha mo ci da de”.
3) Em Rm. 15.13, está es cri to que: “O Deus da Espe ran ça vos en cha de todo
o gozo e paz no vos so crer, para que se ja is ricos de es pe ran ça no po der do
Espíri to San to”. Nele não há de ses pe ro. Ele é uma Fon te ines go tá vel de
Espe ran - ça!
2. ELE É A NOSSA FONTE DE SALVAÇÃO
1) O Se nhor é a nos sa Fon te de Sal va ção. Em Is. 12.3, está es cri to que:
“Vós, com ale gria, ti ra re is água das fon tes da sal va ção”.
2) Em Jo. 7.38, está escri to que, a pró pria Fon te se le van tou em Pes soa, e dis
se: “Se al guém tem sede, ve nha a mim e beba”.

3) Je sus é a nos sa Fon te Gra tu i ta; pois, em Ap. 21.6, Ele dis se: “Eu, a quem
tem sede, da rei de gra ça da fon te da água da vida”. Para se be ber água mi ne
ral ex tra í da de qual quer fon te, é pre ci so pa gar. Po rém, Je sus Cris to é a
Fon te da Gra ça, Ele é a nos sa Fon te de Águas Vi vas (Jo. 7.37-38).

CONCLUSÃO : O Se nhor é a Fon te que nos lava e pu ri fi ca de todo o pe ca


do; e, tam bém, é a Fon te que re sol ve de fi ni ti va men te o pro ble ma da sede.
Ele é o Úni co que pode nos ofe re cer água viva (Jo. 4.10).

Esbo ço 177 – Dia 25 de Junho


Tema: OS PENSAMENTOS DE DEUS
Eu é que sei que pen sa men tos te nho a vos so res pe i to, diz o Se nhor; pen sa
men tos de paz enão de mal, para vos dar o fim que de se ja is. Jr. 29.11

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés des te tex to sa gra do que, os
pen sa - men tos de Deus, são sem pre su pe ri o res aos nos sos pen sa men tos.
Os nos sos pen sa - men tos são fi ni tos e li mi ta dos; en quan to, os pen sa
mentos de Deus são in fi ni tos e ili mi ta dos.

1. OS PENSAMENTOS DE DEUS SÃO MAIS ALTOS DO QUE OS NOSSOS

1) Em Is. 55.9, está escri to: “Por que, assim como os céus são mais al tos do que
a ter ra, as sim são os meus ca mi nhos mais altos do que os vos sos ca mi nhos,
e os meus pen sa men tos, mais altos do que os vos sos pen sa men tos”.

2) No SL. 92.5, está es cri to: “Quão gran de, Se nhor, são as tuas obras! Os teus
pen sa men tos, que pro fun dos!”.
3) No SL. 139.17, o Sal mis ta Davi se ren deu a gran di o si da de dos pen sa
men tos de Deus, di zen do: “Que pre ci o sos para mim, Ó Deus, são os teus pen
sa men - tos! E como é gran de a soma de les!”.
4) Em Rm. 11.33, Pa u lo fi cou tão vis lum bra do com os pen sa men tos da Sa
be do - ria Di vi na, que, ex cla mou, di zen do: “Ó pro fun di da de da ri que za,
tan to da Sa - be do ria como do co nhe cimen to de Deus! Quão in sondá ve is
são os seus ju í zos, e quão ines cru táve is, os seus ca mi nhos!”.

2. O SENHOR CONHECE OS NOSSOS PENSAMENTOS


1) No SL. 94.11, está es cri to que: “O Se nhor co nhe ce os pen sa men tos do ho
mem, que são pen sa men tos vãos”.

2) No SL. 139.1-2, está es cri to: “Se nhor, tu me son das e me co nhe ces. Sa bes
quan do me as sen to e quan do me le van to; de lon ge pe ne tras os meus pen sa
- men tos”.

3) Em Pv. 12.5, está es cri to que: “Os pen sa men tos do jus to são re tos, mas os
con se lhosdo per verso, en ga no”. Por tanto, os pen sa men tos do jus to são
bem di fe ren tesdos pen sa men tos do im pío.

4) Em Fp. 4.8, está es cri to que: “Tudo o que é ver da de i ro, tudo o que é res pe
i tá - vel, tudo o que é jus to, tudo o que é puro, tudo o que é amá vel, tudo o que
é de boa fama, se algu ma vir tu de há e se algum lou vor exis te, seja isso o que
ocu pe o vos so pen sa men to”.

CONCLUSÃO : Os pen sa men tos de Deus são sem pre os me lho res para as
nos sas vi das. Os pen sa men tos de Deus são tão pro fun dos, que, a nos sa men
te não con se gue aqui la tar a gran de za dos pen sa men tos do nos so Deus. Os
pen sa men tos de Deus são pen sa men tos de paz, e não de mal, para nos dar o
fi nal fe liz que de se ja mos.

Esbo ço 178 – Dia 26 de Junho


Tema: HÁ ESPERANÇA PARA O TEU FUTURO Há es pe ran ça para o teu fu
tu ro, diz o Se nhor, por que teus fi lhos volta rão para os teuster ri tó ri os. Jr. 31.17

INTRODUÇÃO : Uma das gran des pre o cu pa ções das pes so as nos dias mo
der nos,é com o seu fu tu ro. Po rém, so men te a Pa la vra de Deus as se gu ra
um fu tu ro de es pe - ran ça e de vitó ria para o povo de Deus. Quem de po si ta
em Deus a sua es pe ran ça tem a vitó ria ga ran ti da nes ta vida, e tam bém na
vida fu tu ra.

1. A NOSSA ESPERANÇA NÃO SERÁ FRUSTRADA


1) Quem es pe ra no Se nhor não fi ca rá frus tra do. Pois, em Pv. 23.18, está es
cri to que: “De ve ras ha ve rá bom fu tu ro; não será frus tra da a tua es pe ran
ça”. 2) Em Pv. 24.24, está es cri to que: “Assim é a sa be do ria para a tua alma;
se a acha res ha ve rá bom fu tu ro, e não será frus tra da a tua espe ran ça”. 3)
Em Is. 49.23, está es cri to que: “Sa be rás que Eu Sou o Se nhor e que os que es
- pe ram em mim não se rão en ver go nha dos”.
4) No SL. 119.116, está es cri to: “Ampa ra-me, se gun do a tua pro mes sa, para
que eu viva; não per mi tas que a minha es pe ran ça me en ver go nhe”.
2. A NOSSA ESPERANÇA NÃO SE LIMITA APENAS A ESTA VIDA

1) A nos sa es pe ran ça vai mu i to além ain da des ta vida. Em Pv. 14.32, está es
cri to que: “Pela sua ma lí cia é der ri ba do o per ver so, mas o jus to, ain da mor
ren do, tem es pe ran ça”.

2) Em 1Co. 15.19, está es cri to que: “Se a nos sa es pe ran ça em Cris to se li mi


ta ape nas a esta vida, so mos os mais in fe li zes de todos os ho mens”.

3) Em CL. 1.15, Pa u lo afir ma que, a nos sa es pe ran ça está pre ser va da nos
céus.
4) Em Tt. 2.13, está es cri to que de ve mos aguar dar “A ben di ta es pe ran ça e
a ma ni fes ta ção da gló ria do nos so gran de Deus e Sal va dor Cris to Je sus”.

CONCLUSÃO : A nos sa es pe ran ça é como ân co ra da alma, se gu ra e fir


me, e que pe ne tra além do véu (Hb. 6.18-19). Por tan to, há es pe ran ça para o
teu fu tu ro; pois, a nos sa es pe ran ça vai mui to além do véu.

Esbo ço 179 – Dia 27 de Junho


Tema: ALÉM DO QUE IMAGINAMOS

Cla ma a mim e res pon der-te-ei e anun ci ar-te-ei co i sas gran des e fir mes,
que não sa bes. Jr. 33.3

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, o Se nhor pro me te nos anun ci ar co


i sas gran des, ocul tas, e fir mes que não sa be mos. O Se nhor pro me te nos re
ve lar co i sas bem além do que ima gi na mos. O nos so Deus re ve la o ocul to e
o es con di do. Os se gre dos do Se nhor são para aque les que o bus cam de todo
o co ra ção.

1. DEUS REVELA O PROFUNDO E O ESCONDIDO

1) O nos so Deus, é um Deus Re ve la dor de misté ri os. Em Dn. 2.22, está es cri
to que: “Ele re ve la o pro fun do e o es con di do; co nhe ce o que está em tre
vas, e com Ele mora a luz”.
2) Em Dn. 2.47, está es cri to que, o pró prio rei Na bu co do no zor teve que re
co nhe cer isso, dizen do a Da ni el: “Cer ta men te, o vos so Deus é o Deus dos
de u - ses, e o Se nhor dos reis, e o Re ve la dor de mis té ri os, pois pu des te re
ve lar este mis té rio”.

3) Em Is. 45.2-3, o “Eu irei adi an te Se nhor pro me te nos re ve lar as de ti, en
di re i ta rei os ca mi nhos ri que zas en co ber tas, di zen do: tor tu o sos, que
brarei as por tas

de bron ze e des pe da ça rei as tran cas de fer ro; dar-teei os te sou ros es con di
dos e as ri que zas en co ber tas, para que sa i bas que Eu Sou o Se nhor, o Deus
de Isra el, que te cha ma pelo teu nome”.

2. DEUS FAZ ALÉM DO QUE IMAGINAMOS

1) O nos so Deus faz mu i to mais do que ima gi na mos. Em Ef. 3.20, está es cri
to que, Ele “é Po de ro so para fa zer in fi ni ta men te mais do que tudo quan to
pe di - mos ou pen sa mos, con for me o seu po der que ope ra em nós”.

2) Em 2Cr. 1.7-12, está escri to que, o Se nhor pro me teu fa zer na vida de Sa lo
mão, mu i to mais do que ele pediu e pen sou.
3) Em 2Sm. 7.9-17, o Se nhor pro me teu fa zer na vida de Davi e dos seus des
cen den tes, mu i to mais do que Davi sonhou, pen sou ou imagi nou.

CONCLUSÃO : Vale a pena cla mar mos ao Senhor; pois, Ele está pron to a nos
re ve - lar gran des co i sas. No SL. 25.14, está es cri to que: “O se gre do do Se
nhor é para os que o te mem; e Ele lhes fará sa ber a sua ali an ça”.
XXV – ESBOÇOS EM LAMENTAÇÕES DE
JEREMIAS
Esbo ço 180 – Dia 28 de Junho
Tema: A INESGOTÁVEL FONTE DA MISERICÓRDIA

As mi se ri cór di as do Se nhor são a cau sa de não sermos con su mi dos, por


que as suas mi - se ri cór di as não tem fim; re no vam-se cada ma nhã. Gran de é
a tua Fi de li da de. Lm. 3.22-23

INTRODUÇÃO : Este tex to sa gra do é, sem dú vi da, um dos tex tos mais im
por tan tes das Sa gradas Escri tu ras. A ciên cia já des co briu que to dos os re
cur sos na tu ra is po dem vir a se es go ta rem um dia. Po rém, as mi se ri cór di
as do Se nhor nun ca se es go tam. As mi se ri cór di as do Se nhor ja ma is aca
bam.

1. AS MISERICÓRDIAS DO SENHOR SÃO ETERNAS

1) As mis se ri cór di as do Se nhor não tem pra zo de va li da de e nem data de


ven ci - men to; elas ja ma is aca bam. No SL. 103.17, está escri to que: “A mi se
ri cór dia do Se nhor é de eter ni da de a eter ni da de, so bre os que o te mem, e a
sua justi ça so bre os fi lhos dos fi lhos”.

2) No SL. 25.6, Davi dis se: “Lem bra-te, Se nhor, das tuas mi se ri cór di as e
das tuas bon da des, que são des de a eter ni da de”.
3) Em Lc. 1.50, Ma ria dis se que: “A sua mi se ri cór dia vai de ge ra ção em ge
ra ção so bre os que o te mem”.
4) No SL. 136.1, está es cri to: “Ren dei gra ças ao Se nhor, por que Ele é bom,
por - que a sua mi se ri cór dia dura para sempre”.

2. AS MISERICÓRDIAS DO SENHOR CANCELAM O NOSSO CASTIGO

1) O pro feta Je re mi as dis se que: “As mi se ri córdi as do Se nhor são a ca u sa


de não ser mos con su mi dos. .” (Lm. 3.22). Por tanto, as mi se ri cór di as do Se
nhor anu - lam o nos so cas ti go.

2) Em Is. 60.10, o pró prio Se nhor diz: “No meu fu ror te cas ti guei, mas na
minha gra ça tive mi se ri cór dia de ti”.
3) Em Is. 30.18, está es cri to que: “O Se nhor es pe ra, para ter mi se ri cór dia
de vós, e se de tém, para se com pa de cer de vós, por que o Se nhor é Deus de
justi ça; bem-aven tura dos to dos os que Nele es pe ram”.
4) Em Sf. 3.15, está es cri to que: “O Se nhor afas tou as sen ten ças que eram
con tra ti e lan çou fora o teu ini mi go. O Rei de Isra el, o Se nhor, está no meio
de ti; tu já não ve rás mal al gum”. Gló ri as a Deus!

CONCLUSÃO: O pla no amo ro so de Deus para a hu ma ni da de, e a sua in fi


ni ta mi - se ri cór dia para com todos nós, en vi an do o seu Fi lho Amado Je sus
Cris to, para mor rer por to dos os ho mens, é o re su mo do que diz este tex to sa
gra do de Lm. 3.22-23: “As mi se ri córdi as
mi se ri cór di as não
do Se nhor são a ca u sa de não ser mos con su mi dos, por que as suas têm fim;
re no vam-se a cada ma nhã. Gran de é a tua Fi de li da de”

Esbo ço 181 – Dia 29 de Junho


Tema: TRÊS COISAS BOAS PARA O HOMEM NA AFLIÇÃO

Bom é o Se nhor para os que se atêm a Ele, e para a alma que o bus ca. Bom é
ter es pe ran - ça e aguar dar em silên cio a salva ção do Senhor.
Bom é para o ho mem su por tar o jugo na sua mo ci da de. Lm. 3.25-27

INTRODUÇÃO: Nes te ca pí tu lo 3 de La men ta ções de Je re mi as, o pro fe


ta apre sen ta três co i sas boas para o ho mem que es te ja pas san do por al gum
tipo de afli ção: 1) Bom é o Se nhor para os que se atêm a Ele; 2) Bom é ter espe
ran ça e aguar dar em silên cio a sal va ção do Se nhor; 3) Bom é para o ho mem
su por tar o jugo na sua mo ci da de.

1. BOM É O SENHOR PARA OS QUE SE ATÊM A ELE

1) Esta fra se: “Bom é o Se nhor para os que se atêm a Ele”, pode ser tra du zi da
como: “Bom é o Se nhor para os que es pe ram por Ele”. Nos mo men tos de afli
- ção, a me lhor al ter na ti va para o ho mem é bus car re fú gio no Se nhor (SL.
46.1).

2) No SL. 34.8, está es cri to: “Pro vai e vede que o Se nhor é Bom; bem-aven tu
ra do o ho mem que Nele con fia”.
3) Em Naum 1.7, está es cri to que: “O Se nhor é Bom, uma For ta le za no dia
da an gús tia e co nhe ce os que Nele se re fu gi am”.
2. BOM É TER ESPERANÇA E AGUARDAR EM SILÊNCIO A SUA
SALVAÇÃO

1) Bom é ter es pe ran ça; por que, a es pe ran ça ali via a afli ção, e ali men ta a
ex pec ta - ti va de vi tó ria so bre a di ficul da de.A es pe ran ça faz a se guin te
per gun ta ao afli - to: “Por que es tás aba ti da, ó mi nha alma? Por que te per tur
bas den tro de mim? Espe ra em Deus, pois ain da o lou va rei, a Ele, meu Auxí
lio e Deus meu” (SL.42.5).

2) No SL. 62.5, está es cri to: “So men te em Deus, ó minha alma, es pe ra si len
ci o sa, por que Dele vem a mi nha es pe ran ça”.
3) No SL. 40.1, ao fi nal da afli ção, você po de rá di zer: “Espe rei com pa ciên
cia no Se nhor, e Ele se in cli nou para mim, e ou viu o meu cla mor”.

3. BOM É PARA O HOMEM SUPORTAR O JUGO NA SUA MOCIDADE

1) Mu i tos jo vens se afli gem e acham insu por tá vel o jugo que pesa so bre os
seus om bros nes ta fase pri ma ve ril da sua vida. È um pe río do de es co lhas e
deci sões. De ci sões acer ca de qual car rei ra uni ver si tá ria deve op tar; de ci
sões so - bre a vida sen ti men tal, de ci sões quan to ao mi nis té rio mu si calou
da pa lavra, etc,. To da via, ser jo vem não é um jugo. Se você acha que o seu
jugo está pe sa - do, tro que seu jugo pelo jugo de Je sus, que é su a ve (Mt.
11.29-30).

2) Em Ec. 12.1, está es cri to: “Lem bra-te do teu Cria dor nos dias da tua mo ci
da de”.
3) Em Ez. 16.60, está escri to: “Mas Eu me lem bra rei da alian ça que fiz con ti
go nos dias da tua mo ci da de e es ta bele ce rei con ti go uma ali an ça eter na”.

CONCLUSÃO : Em to das as fa ses da sua vida, o ho mem en fren ta e su por ta


afli ções; seja na fase in fan til, seja na ado les cen cia, seja na ju ven tu de, seja
na fase adul - ta, seja na ve lhi ce, as pes so as en fren tam di fi cul da des pró pri
as da sua ida de. Po rém, em to das es tas co i sas “So mos mais que ven ce do
res, por meio Da que le que nos amou” (Rm. 8.37).

Esbo ço 182 – Dia 30 de Junho


Tema: AVIVAMENTO É RENOVAÇÃO ESPIRITUAL Con ver te-nos a ti, Se
nhor, e se re mos con ver ti dos; re no va os nos sos dias como dan tes. Lm.5.21

INTRODUÇÃO : Exi tem mu i tasde fi nições acer ca do que é “avi va men to”.
para o cé le bre ga nha dor de al mas Mo ody: “Aviva men to é um mo vimen to
do Espíri to San - to”. Para Da vid Mckie: “Avi va men to é uma série de no vos
co me ços”. To dos es tes con ce i tos são ver da de i ras de fi ni ções do que seja
“avi va men to”. Po rém, nes te tex to sa gra do de Lm. 5.21, te mos o re su mo
do que é “aviva men to”. Avivamento é conversão genuína, e renovo espiritual.

1. AVIVAMENTO É CONVERSÃO GENUÍNA

1) “Con ver te-nos a ti, Se nhor, e se re mos con ver ti dos. .” (Lm. 5.21). Avi
va men to é con ver são ge nu í na. Toda con ver são
da de ar re pen di men to ver da de iro. Em JL. 2.12-13,
ge nu í na vem acom pa nha - está es cri to: “Ain da as sim,

ago ra mesmo, diz o Se nhor: Con ver tei-vos a mim de todo o vos so co ra ção; e
isto com je juns, com cho ro e com pran to. Rasgai o vosso co ra ção, e não as
vos sas ves tes, e con ver tei-vos ao Se nhor, vos so Deus, por que Ele é mi se ri
cor di o so, e com pass si vo, e tar dio em irar-se, e gran de em be nig ni da de, e
se ar re pen de do mal”.

2) Em Jn. 3.10, nós va mos ver que, quan do há con ver são ge nu í na, o avi va
men to che ga, e o Se nhor des via de nós a sua ira. “Viu Deus o que fi ze ram,
como se con ver te ram do seu mau ca mi nho; e Deus se ar re pen deu do mal
que ti nha dito lhes fa ria e não fez”.

3) Em At. 3.19, o após to lo Pe dro tam bém re su miu bem o que sig ni fi ca
aviva men to, di zen do: “Arre pen dei-vos, pois, e con ver tei-vos, para que se
jam apa - ga dos os vos sos pe ca dos, e ve nham, as sim, os tempos de re fri gé
rio pela pre sen ça do Se nhor”.

2. AVIVAMENTO É RENOVO ESPIRITUAL

1) “...Re no va os nos sos dias como dan tes” (Lm. 5.21). Re no var os nos sos
dias como dan tes é, vol tar ao prime i ro amor. A Igre ja de Éfe so pre ci sa va
vol tar ao pri me iro amor (Ap. 2.4-5). Pre ci sa va vol tar a pra ti car às pri me
iras obras.

2) Em Zc. 6.12, está es cri to: “Eis aqui o ho mem cujo nome é Re no vo”. Esta
pro - fe cia fe i ta ao sumo sa cer do te Jo sué, ti nha uma co no ta ção pro fé tica
acer ca o Mes si as. Je sus Cris to é o Ho mem Re no vo! É Ele quem re no va os
nos sos dias como dantes.
3) Em Tt. 3.4, está es cri to que, nós fo mos sal vos “pelo la var re ge ne ra dor e
re no va dor do Espí ri to San to”. O Espíri to San to é o Re no va dor da Igre ja.

CONCLUSÃO : Aviva men to é con vic ção de pe ca do e ar re pen di mento sin


cero; in ti- mi da de com Deus, vida abun dan te de ora ção, sede da pa la vra de
Deus, vida de san - ti da de e te mor do Se nhor. Avi va men to é re no va ção es
pi ri tual cons tan te, re ves ti men to de po der e evan ge li za ção fer vo ro sa.

XXVI – ESBOÇOS EM EZEQUIEL


Esbo ço 183 – Dia 01 de Julho
Tema: A POSIÇÃO DO HOMEM QUE DEUS QUER USAR E dis se-me: Fi
lho do ho mem, põe-te em pé, e fa la rei con ti go. Ez. 2.1

INTRODUÇÃO: Exis te uma dita do que diz: “O cair é do ho mem, e o le van


tar é de Deus”. Embo ra, isso não es te ja na Bí blia, po de mos di zer que, isso é
uma ver da de. O de se jo de Deus é que o ho mem sem pre es te ja de pé. Esta é
a po si ção que Deus de se - ja que o ho mem es te ja. O ho mem foi cri a do para
an dar ere to e de ca be ça er gui da na pre sen ça do Se nhor.

1. LEVANTADO POR DEUS

1) “Põe-te em pé...” (Ez. 2.1). To das as ve zes que o Se nhor en con trou o ho
mem pros tra do, o Se nhor or de nou que o ho mem se le van tas se. Em Mq.
2.10, está es cri to: “Le van tai-vos e an dai, porque não será aqui o vos so des
can so”.

2) Em 1Rs. 19.7, está es cri to que, o anjo do Se nhor to cou, pela se gun da vez
em Eli as, e dis se: “Le van ta-te e come, por que mui cumpri do te será o ca mi
nho”.
3) Em Mc. 3.2, Je sus dis se ao homem que ti nha a mão mir ra da: “Le van ta-te
e vem para o meio”.
4) Em Is. 60.1, está es cri to: “Le van ta-te, res plan de ce, por que já vem a tua
luz, e a gló ria do Se nhor vai nascen do so bre ti”.

2. VOCACIONADO POR DEUS

1) “...E fa la rei con ti go” (Ez. 2.1). De po is que o pro fe ta fi cou de pé, Deus
o vo ca cionou para cum prir a sua mis são. Em Dn. 10.19, o Se nhor fa lou com
o pro - fe ta Da ni el: “Não temas, ho mem mui de se ja do! Paz seja con ti go!
Ani ma-te, sim, ani ma-te! E, fa lan do Ele co mi go, es for cei-me e disse: Fala,
meu Se nhor, por queme con for taste”.

2) Em Jr. 1.5, o Se nhor vo ca ci o nou a Je re mi as, e lhe dis se: “Antes que Eu
te for mas se no ven tre, Eu te co nhe ci; e, an tes que sa ís ses da ma dre, te san
ti fi quei e ás na ções te dei por pro fe ta”.

3) Em Is. 6.8, o Se nhor dis se a Isa ías: “Aquem en vi a rei, e quem há de ir por
nós? Então, dis se eu: Eis-me aqui, en via-me a mim”.
4) Em Ez. 3.17, o Se nhor disse a Eze qui el: “Fi lho do ho mem, Eu te dei por
ata la ia so bre a casa de Isra el; e tu da mi nha boca ou vi rás a pa la vra e os avi
sa rás da mi nha par te”.

CONCLUSÃO : Deus or de na que o ho mem se le van te para ou vir a sua voz.


Deus de - se ja que o ho mem es te ja sem pre de pé. Em Lc. 21.36, está es cri to:
“Vi gi ai, pois, em todo o tem po, oran do, para que se ja is ha vi dos por dig nos
de evi tar to das es sas co i - sas que hão de acon te cer e de es tar em pé di an te
do Fi lho do Ho mem”.

Esbo ço 184 – Dia 02 de Julho


Tema: A INFALIBILIDADE DA PALAVRA DE DEUS

Por tan to, dizelhes:Não será re tar da da ne nhuma das mi nhas pa la vras;e a pa
la vra que fa lei se cum pri rá, diz o Se nhor Deus. Ez. 12.28

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der que, a Pa la vra
de Deus é in fa lí vel. To das as pro mes sas do Se nhor se cum prem in fa li vel
men te. Ne nhu ma das suas boas pa la vras cai por ter ra. O Se nhor vela para
que a sua Pa la vra se cumpra.

1. AS PROMESSAS DO SENHOR SÃO INFALÍVEIS

1) Em Nm. 23.19, está es cri to que: “Deus não é ho mem, para que min ta; nem
fi - lho de ho mem, para que se ar re pen da. Por ven tu ra, ten do Ele pro me ti
do, não o fará? Ou, ten do fa la do, não o cum pri rá?”.

2) Em Js. 21.45, está es cri to que: “Ne nhu ma pro mes sa fa lhou de to das as
boas pa la vras que o Se nhor fa la ra à casa de Isra el; tudo se cum priu”.
3) Em l Rs. 8.56, está es cri to: “Ben di to seja o Se nhor, que deu re pou so ao
seu povo de Isra el, se gun do tudo o que pro me te ra; ne nhu ma só pa la vra fa
lhou de to das as suas boas pro mes sas, fe i tas por in ter mé dio de Moi sés, seu
servo”.
4) Em Lc. 1.37, está escri to: “Por que para Deus não há impos sí ve is em to das
as suas pro mes sas”.

2. O QUE DEUS FALOU ESTÁ FALADO

1) “...a pa la vra que fa lei se cum pri rá, diz o Se nhor Deus” (Ez. 12.28). O que
Deus fa lou está fa la do. A única co i sa que pode al te rar o que Deus fa lou de
mal acer ca de uma pes soa, ou de uma na ção, é o ar re pen di men to sin ce ro, e
às lá gri mas de um cren te fiel (2Rs. 20.1-6; Jr. 18.7-10; Ez. 18.20-21; Jn. 3.10
etc.).

2) Em Is. 14.27, está es cri to: “Por que o Se nhor dos Exér ci tos o de ter mi
nou; quem, pois, o in va li da rá? A sua mão está es ten di da; quem, pois, a fará
vol tar atrás?”.

3) Em Mt. 24.35, está es cri to: “Pas sa rá o céu e a ter ra, po rém as mi nhas pa
la vras não pas sa rão”.
4) Em 2Co. 1.20, está es cri to que, em Cris to “Qu an tas são as pro mes sas de
Deus, tan tas têm Nele o sim; por quan to tam bém por Ele é o amém para gló ria
de Deus, por nos so in ter mé dio”. Cris to é a ga ran tia ma i or do cum pri men
to das pro mes sas de Deus em nos sas vi das. Alelu ia!

CONCLUSÃO : As pro mes sas do Senhor são in fa lí ve is. Em Hb. 10.23, está
es cri to: “Gu ar de mos fir me a con fis são da es pe ran ça, sem va ci lar, pois
quem fez a pro mes sa é Fiel”.

Esbo ço 185 – Dia 03 de Julho


Tema: O AVIVAMENTO ACONTECE
ONDE NÃO IMAGINAMOS

Veio so bre mim mão do Se nhor; Ele me le vou pelo Espí ri to do Se nhor e me
de i xou no meio de um vale que es ta va che io de os sos, e me fez an dar ao re
dor de les; eram mui nu me ro sos na su per fí cie do vale e es ta vam se quís si
mos. Então, me per gun tou: Fi lho do ho mem, aca - so, po de rão re vi ver es tes
os sos? Res pon di: Se nhor Deus, tu o sa bes. Dis se-me Ele: pro fe ti - za a es
tes os sos e dize-lhes: Ossos se cos, ouvi a pa la vra do Se nhor. Assim diz o Se
nhor Deus a es tes os sos: Eis que fa rei en trar o es pí ri to em vós, e vi ve re is.
Po rei ten dões so bre vós, fa rei cres cer car ne so bre vós, so bre vós es ten de
rei pele e po rei em vós o es pí ri to, e vi ve - re is. E sa be re is que Eu sou o Se
nhor. Ez. 37.1-6

INTRODUÇÃO : Nes ta pas sa gem bí bli ca tão co nhe cida, onde se fala do fa
mo so “vale de os sos se cos”, nós va mos apren der que, o avi va men to acon te
ce onde não ima gi na mos. Qu an to mais gra ve for a si tu a ção es pi ri tu al de
um povo; é ai que exis te a real ne ces si da de de avi va men to. Pois, para Ja
mes Bu cha nan: “Um avi va men to da re li gião.con sis te em nova vida es pi ri
tu al trans mi ti da aos mor tos e de nova sa ú de es pi ri tu al trans mi ti da aos vi
vos”.

1. AVIVAMENTO É TRANSMISSÃO DE VIDA AOS MORTOS


ESPIRITUAIS

1) O vale de os sos se cos vis to por Eze qui el, re tra ta va a si tu a ção es pi ri tu
al e so ci al da na ção de Isra el. Nem o pro fe ta ima gi na va que, aque les os sos
pu des sem ain da re vi - ver (Ez. 37.3).

2) Deus man dou o pro fe ta pro fe tizar aos os sosse cos, di zendo: “Ossosse cos,
ouvi a pa la vra do Se nhor” (Ez. 37.4). Em Jo. 6.63, Je sus dis se que, as suas pa
la vras “são es pí ri to e são vida”. A pa la vra de Deus é fon te de vida e fon te
de aviva - men to (Hb. 4.12).

3) Após o pro fe ta pro fe ti zar, os ossos se cos re vi ve ram e se co lo ca ram de


pé, e se for ma ram um exér ci to nu me ro so (Ez. 37.7-10). Fale a pa la vra do
Se nhor, que, o avi va men to virá, e, os os sos se cos re vi ve rão.

4) Em Ef. 5.14, está es cri to: “Des per ta, ó tu que dor mes, le van ta-te den tre
os mor tos, e Cris to te ilu mi na rá”.
2. AVIVAMENTO É RESTAURAÇÃO COMPLETA

1) O avi va men to de um povo acon te ce atra vés de eta pas pro gres si vas, até
a sua resta u ra ção com ple ta. Em Ez. 37.8, está es cri to que, após o pro fe ta
pro fe ti zar a pri - me i ra vez, os os sos se cos re ce be ram ner vos, car nes, e pe
les; po rém, não ha via ne les o es pí ri to.

2) Em Ez. 37.9-10, está es cri to que, após o pro fe ta pro fe ti zar pela se gun da
vez, é que en trou ne les o es pí ri to. Pre ci sa mos con ti nu ar pro fe ti zan do,
para que o avi va men to tra ga res ta u ra ção fí si ca, so ci al e es pi ri tual ao
nos so povo.

3) No SL. 119.25, o Sal mis ta cla mou, dizen do: “A mi nha alma está ape ga da
ao pó; vi vi fi ca-me se gun do
res ta u ra ção com ple ta. A
a tua pa la vra”. A pa la vra do Se nhor vi vi fi ca e traz Pa la vra de Deus trans
mite vida es pi ri tu al aos mor -

tos, e sa ú de es pi ri tu al aos vi vos. 4) Em Is. 55.10-11, está es cri to: “Por que,
as sim como descem a chu va e a neve dos céus e para lá não tor nam, sem que
pri me i ro re guem a ter ra, e a fe cun dem, e a fa çam bro tar, para dar se men te
ao se me a dor e pão ao que come, as sim será a pa la vra que sair da mi nha
boca; não vol ta rá para mim va zia, mas fará o que me apraz e pros pe ra rá na
qui lo para que a de sig nei”. A Pa la vra do Se nhor pre - ga da, não vol ta rá va
zia; e tra rá res ta u ra ção com ple ta.

CONCLUSÃO : Por mais que a se qui dão es pi ri tu al te nha to ma do con ta


de uma Igre ja, de um in di ví duo, ou de uma na ção, Deus es ta rá sem pre pron
to a ope rar o avi va men to onde não ima gina mos que ele pos sa acon te cer.
Ain da que, a con dição es pi ri tual es te ja se me lhan te ao vale de os sos se cos
vis to pelo pro fe ta Eze qui el, pro fe ti ze e pre gue a pa la vra do Se nhor, que,
os os sos se cos re vi ve rão.

Esbo ço 186 – Dia 04 de Julho


Tema: O CAMINHO DA GLÓRIA DO SENHOR

Então, me le vou à por ta, à por ta que olha para o ca mi nho do ori en te. E eis
que a gló ria do Deus de Isra el vi nha do ca mi nho do ori en te; e a sua voz era
como a voz de mu i tas águas, e a ter ra res plan de ceu por ca u sa da sua gló ria.
Ez. 43.1-2

INTRODUÇÃO : O Ori en te é co nhe ci do como o cami nho do nas ci men to


do sol. Há um misté rio na Bí blia, que, sem pre en vol ve o lado do Ori en te. O
pro fe ta Eze qui el con tem plou que, a gló ria do Se nhor sem pre vinha do ca
mi nho do Ori en te. Como o sol se le van ta pri me i ro no Ori en te; as sim, a
gló ria do Senhor nas ce so bre as nos sas vi das, e ilu mi na os nos sos ca mi
nhos.

1. A IMPORTÂNCIA PROFÉTICA DO CAMINHO DO ORIENTE


1) A Bí blia re ve la mu i tos as pectos im por tan tes do ca mi nho do Ori en te.
Em Gn. 2.8, está es cri to que, o Jar dim do Éden foi plan ta do por Deus, na dire
ção do Ori en te.

2) Em Gn. 12.8, está es cri to que Abraão, quan do che gou em Ca naã, ar mou a
sua ten da à ban da do Orien te.
3) Em Êx. 14.21, está es cri to que, o ven to que Deus so prou para abrir o mar
Ver me lho, foi o ven to Ori en tal.
4) Em Lv. 16.14, está es cri to que, o san gue do no vi lho ofe re ci do no Dia da
Expi - a ção, de ve ria ser as per gi do sete ve zes para a ban da Ori en tal do Pro
pi ci a tó rio.

5) Em Lc. 1.78, está es cri to: “Gra ças a en tra nhá vel mi se ri cór dia de nos so
Deus, pela qual nos vi si ta rá o Ori en te do Alto”. O “ori en te do alto”, é uma
ex pres são que sig ni fi ca “sol nascen te”. Cris to é o “Orien te do Alto”, ou o
“Sol Nas cen te das Altu ras”. Por tan to, Cris to é o Sol da Jus ti ça que nas ceu
sobre as nos sas vi das. Ele é a Ver da de i ra Estre la do Ori en te, que, nos guia
e ilu mi na os nos sos ca mi nhos (ML. 4.2 e Mt. 2.1-9).

2. O NASCER DA GLÓRIA DO SENHOR

1) A gló ria do Se nhor vem pelo ca mi nho do Ori en te (Ez. 43.1). Isso re ve la
o nas - cer da gló ria do Senhor so bre as nos sas vi das.
2) Em Is. 60.1, está es cri to: “Le van ta-te, res plan de ce, por que já vem a tua
luz, e a gló ria do Se nhor vai nascen do so bre ti”.
3) Em Ez. 11.1, o pro fe ta Eze qui el afir ma que, o Espí ri to do Se nhor o le
vou à Por ta Ori en tal da Casa do Se nhor.
4) Em 2Co. 3.18, está es cri to que: “To dos nós, com o rosto desven da do, con
tem - plan do, como por es pe lho, a gló ria do Se nhor, so mos trans for ma dos
de gló - ria em gló ria, na sua própria ima gem, como pelo Se nhor, o Espí ri to”.
5) Em Mt. 24.27, está es cri to: “Por que, as sim como o re lâm pa go sai do Ori
en te e se mos tra até no Oci den te, as sim há de ser a vin da do Fi lho do Ho
mem”.

CONCLUSÃO: A Vol ta de Je susCris to re ve la rá a pró pria ma ni fes ta ção


da gló ria do Se nhor vin da do ca mi nho do Ori en te. Pois, deve mos aguar dar
a “Ben di ta es pe ran ça e a ma ni fes ta ção da gló ria do nos so Gran de Deus e
Sal va dor Je sus Cristo” (Tt. 2.13).
Esbo ço 187 – Dia 05 de Julho
Tema: AS ÁGUAS DO AVIVAMENTO

Então, me dis se: Estas águas saem para a re gião ori en tal, e des cem à cam pi
na, e en tram no mar Mor to, cu jas águas fi ca rão sa u dá ve is. Toda cri a tu ra
vi ven te que vive em en xa mes vi ve rá por onde quer que pas se este rio, e ha
ve rá mu i tís si mo pe i xe, e, aon de che ga rem es tas águas, torna rão sa u dá
ve is as do mar, e tudo vi ve rá por onde quer que pas se este rio. Ez. 47.8-9

INTRODUÇÃO : A água apa re ce nas Escritu ras, mu i to li ga da á obra do


aviva men - to. A água é sim bo lo de vida, re no vo, re vi go ra men to, lim pe
za, pu ri fi ca ção, e hi dra - ta ção fí sica e es pi ri tu al. E, nes tapas sa gem bí
bli ca, o pro fe ta Eze qui el foi con vida do a mer gu lhar nas águas do rio do avi
va men to.

1. AS ÁGUAS DO AVIVAMENTO SÃO PURIFICADORAS

1) Todo avi va men to é acom pa nhado tam bém de pu ri fi ca ção es pi ri tu al.


Em Ez. 16.9, o pro fe ta já ha via se re fe ri do as águas pu ri fi ca do ras, di zen
do: “Então, te la vei com água, e te en xu guei do teu san gue, e te ungi com
óleo”.

2) Em Ez. 36.25, o pro fe ta Eze quiel, do avi va men to, di zen do: “Então, ri fi
ca dos; de to das as vos sas imun dí ci as e de todos os vos sos ído los vos pu ri fi
ca rei”.

3) Em Êx. 30.17-21, está es cri to que, a “ba cia de bron ze”, ou, a “pia de co
bre”, ti nha a fi na li da de dos sa cer do tes se la va rem an tes de co me ça rem a
mi nistra ção di an te do Se nhor.

4) Em Ef. 5.26, está es cri to que, a Igre ja foi san ti fi ca da, e pu ri fi ca da, por
meio da la va gem da água, pela Pa la vra de Deus.
no va men te men ci o na as águas pu ri fi ca do ras as per gi rei água pura so bre
vós, e fi ca re is pu -

2. AS ÁGUAS DO AVIVAMENTO SÃO VIVIFICADORAS

1) “...tudo vive rá por onde quer que passe este rio” (Ez. 47.9). Por onde pas sa -
rem as águas do avi va men to, ha ve rá vida e sa ú de. As águas do avi va men to
tor nam sa u dá ve is até mes mo as águas mor tas do Mar Mor to (Ez. 47.8).
2) Em Is. 21.14, está es cri to: “Saí, com água, ao en con tro dos se den tos”. De
ve - mos le var ao mun do as águas pu ri fi ca do ras do avi va men to es pi ri tu
al.
3) Em Is. 44.3, está es cri to: “Por que der ra ma rei água so bre os se den tos e
rios, so bre a ter ra seca; der ra ma rei o meu Espí ri to so bre a tua pos te ri da
de, e a mi - nha ben ção, so bre os teus descen den tes”.
4) Em Jz. 15.18-19, está es cri to que: San são cla mou ao Se nhor, e o Se nhor
fen - deu a ca vi da de da ro cha que es ta va em Leí; e saiu dela água, ele be beu;
e o seu es pí ri to tor nou, e re vi veu. As águas que o Se nhor faz bro tar tra zem
vida.

CONCLUSÃO : De ve mos mer gu lhar nas águas pu ri fi ca do ras e vi vi fi ca


do rasdo avi - va men to. E as sim, nos ache gue mos di an te de Deus “Com ver
da de i ro co ra ção, em in te ira cer te za de fé; ten do o co ra ção pu ri fi ca do
da má cons ciên cia e o cor po la va do com água lim pa” (Hb. 10.23).

XXVII – ESBOÇOS EM DANIEL


Esbo ço 188 – Dia 06 de Julho
Tema: IMUNIDADE ESPIRITUAL

Re sol veu Da ni el, fir me men te, não con ta mi nar-se com as fi nas igua ri as
do rei, nem com o vi nho que ele be bia; en tão, pe diu ao che fe dos eu nu cos
que lhe per mi tis se não con ta mi nar-se. Dn. 1.8

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der que, Da ni el,
não quis se con ta mi nar com as igua ri as do rei. Quem não se conta mi na com
o ví rus do pe ca do, ad qui re imu ni da de es pi ri tual. Da ni el, con se guiu per
ma ne cer imu ne ao pe ca do, que tan to lhe ro de a va, na quela cor rom pida cor
te de Ba bi lô nia.

1. VACINADO CONTRA O PECADO

1) Toda imu nida de é ad quiri da atra vés de va ci na. Da ni el foi va ci na do


pela Pa la - vra de Deus. No SL. 119.11, está es cri to: “Escon di a tua pa la vra
no meu co ra ção, para eu não pe car con tra ti”. Da ni el, es con deu no seu co ra
ção, os man da men tos do Se nhor.

2) No SL. 119.9, está es cri to: “Como pu ri fi ca rá o jo vem o seu ca mi nho?


Obser - van doo con for me a tua pa la vra”.
3) No SL. 119.101, está es cri to: “Des vi ei os meus pés de todo ca mi nho mau,
para ob ser var a tua pa la vra”.

2. A DECISÃO DE NÃO SE CONTAMINAR COM O PECADO

1) O tex to sa gra do diz que: “Re sol veu Da ni el, fir me men te, não con ta mi
nar-se com as fi nas igua ri as do rei.” (Dn. 1.9). A de ci são de não se con ta mi
nar, par - tiu do pró prio co ra ção de Da ni el. Pre ci sa mos ter tam bém, a fir me
de ci são, de não se con ta mi nar com o peca do.

2) Em Fp. 2.15, está es cri to que, de ve mos ser “ir re pre en sí ve is e sin ce ros,
fi lhos de Deus in cul pá ve is no meio duma ge ra ção cor rom pi da e per ver sa,
en tre a qual res plan de ce is como as tros no mun do”.

3) Em Mt. 5.13-14, Je sus dis se que, nós so mos o sal da ter ra e a luz do mun
do. Qu an do o cren te toma a fir me deci são de não se con ta mi nar com o peca
do, ele se tor na o tempe ro cor
tre vas (Mt. 5.16).
re to da so ci e da de, e a luz que ilu mi na o mundo de

CONCLUSÃO: Se ti ver mos o fiel ao Se nhor no meio de uma imu ni da de es


pi ri tu al con tra o 12.2).
fir me pro pó sito em nos so co ra ção de per ma ne cer so ci e dade
pe cado, e
cor rom pi da; cer tamen te, va mos ad qui rir fa remos a di fe rença nes te mun
do (Rm.

Esbo ço 189 – Dia 07 de Julho


Tema: DEUS ABATE A SOBERBA

Ao cabo de doze me ses, pas se an do so bre o pa lá cio real da ci da de de Ba bi


lô nia, fa lou o rei e dis se: Não é esta a gran de Ba bi lô nia que eu edi fi quei
para a casa real, com o meu gran di o so po der e para a gló ria da mi nha ma jes
ta de? Fa la va ain da o rei quan do des ceu umavoz do céu: A ti se diz, ó rei Na bu co do no
zor: Já pas sou de ti o re i no. Se rás ex pul so de en tre

os ho mens, e a tua mo ra da será com os ani ma is do campo; e far-te-ão co mer


er vas como os bois, e pas sar-se-ão sete tem pos por cima de ti, até que apren
das que o Altís si mo tem do mí nio so bre o re i no dos ho mens e o dá a quem
quer . Dn. 4.29-32

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa grado, Na bu co do no zor, que, Deus abo mi


na o nos guar de des te gran depe ca do cha ma do so ber ba. A hu mil da de é o
an tí do to con - tra a sober ba. Pois, Deus resis te aos sober bos, mas dá gra ça
aos hu mil des.

1. A SOBERBA PRECEDE A RUÍNA DO HOMEM

1) Em Pv. 16.18, está es cri to que: “A so ber ba pre ce de a ru í na, e a al ti vez


de es pí - ri to, a que da”. A so ber ba é o pré-re qui si to pri mor di al para a ru í
na do ho mem. A so ber ba e a ar ro gân cia de Na bu co do no zor, abriu o gran
depre ce den te para a sua ru í na (Dn. 3.15).

2) Em 2Rs. 18.19-27, a so ber ba e a ar ro gân cia de Rab sa qué e seu se nhor Se


na - que ri be, abriu o pre ce den te da ru í na de todo o exér ci to da Assí ria
(2Rs. 19.35-37).

3) Em Êx. 5.1-2, a so ber ba e ar ro gân cia de Fa raó, abriu o pre ce den te para a
sua ru í na e que da (Êx. 14.17-31).
4) Em 2Cr. 26.16-21, a so ber ba do co ra ção do rei Uzi as, abriu o pre ce den te
para a sua pró pria ru í na.

2. A SOBERBA LEVA O HOMEM A QUERER GLÓRIA PARA SI

1) O pri me i ro sin to ma do so ber bo, é, que rer a gló ria para si. Na bu co do
no zor dis- se: “Não é esta a gran de Ba bi lô nia que eu edi fi quei para a casa
real, com o meu gran di o so po der e para a gló ria da mi nha ma jes ta de?.”
(Dn. 4.30). Na bu co do - no zor de i xou o “eu” pre va le cer, e pen sou que o po
der e a gló ria era dele.

2) Em Is. 42.8, o Se nhor diz: “Eu Sou o Se nhor, este é o meu Nome; a mi nha
gló ria, pois, não a da rei a ou trem, nem a mi nha hon ra, ás imagens de es cul tu
ra”. Na bu co do no zor quis a gló ria para si, e dava hon ras ás suas imagens de
es cul tu ra (Dn. 3.1-5).

3) Em At. 12.21-23, está es cri to que, He ro des, um outro mo nar ca, mor reu co
mi do de ver mes, por que não deu a gló ria de vi da ao Se nhor Deus, o Pai da
Gló ria (Ef. 1.17).
4) Em Mt. 6.13, no fi nal zi nho da Ora ção do Pai Nos so, Je sus nos ensi nou, e
de ve mos sem pre re pe tir isso: “Pois, teu é o Re i no, o Po der, e a Gló ria para
sem - pre. Amém!” Três co i sas são ex clu si va men te do Se nhor: “O Re i no,
o Po der, e a Gló ria para sem pre”. Na bu co do no zor cus tou en ten der isso
(Dn. 4.34-37).

CONCLUSÃO : Que o Se nhor nos guar de des te gran depe ca do cha ma do so


ber ba, e pos sa mos orar ao Se nhor como Davi, di zen do: “Tam bém da so ber
ba guar da o teu ser vo, que ela não me do mi ne;en tão, se rei ir re pre en sí vel e
fi ca rei li vre de gran de trans gressão” (SL. 19.13).
nós va mos aprender atra vés da his tó ria de pe ca do da so ber ba. Por tanto, que
o Se nhor

Esbo ço 190 – Dia 08 de Julho


Tema: CRUZANDO A LINHA DE CHEGADA

Tu, po rém, se gue o teu ca mi nho até ao fim; pois des can sa rás e, ao fim dos
dias, te le van - ta rás para re ce ber a tua he ran ça. Dn. 12.13

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der que, o ho mem
de Deus não pode pa rar no meio do ca mi nho; an tes, deve con ti nu ar a sua ca
mi nha da até o fim. Até cru zar a li nha de che ga da, a fim de re ce ber o seu tro
féu. O se gre do da vitó - ria é perseverar até o fim.

1. VAI ATÉ O FIM


1) Para cruzar a li nha de che ga da, o atle ta pre ci sa con clu ir com su ces so a
sua ra do atle ta para iden ti fi car cor ri da. Em 2Tm. 4.7, o após to lo Pa u lo usa
a fi gu a sua cor ri da vi to rio sa que es ta va che gan do ao fim.

2) O Se nhor or de nou a Da ni el que pros se guis se a sua ter ra até ao fim (Dn.
12.13).
3) Em 1Cr. 29.28, está es cri to que Davi: “Mor reu em dito sa ve lhi ce, che io
de dias, ri que zas e gló ria; e Sa lo mão, seu fi lho, re i nou em seu lu gar”. Davi
cru - zou a li nha de che ga da de for ma vi to ri o sa.
4) Em Jó 42.16-17, está es cri to que: “De po is dis to, vi veu Jó cen to e qua ren
ta anos; e viu a seus fi lhos e aos fi lhos de seus fi lhos, até à quar ta ge ra ção.
Então, mor reu Jó, ve lho e far to de dias”.
5) No SL. 37.37, está es cri to: “Nota o ho mem since ro e con si de ra o que é
reto, por que o fu tu ro des se ho mem será de paz”.
2. A PERSEVERANÇA É O SEGREDO DOS QUE VÃO ATÉ O FIM

1) A per se ve ran ça é, sem dú vida, o gran de se gre do dos atle tas que con se
guem cru a za rem a li nha de che gada de for ma vi to ri o sa. Em Mt. 24.13, Je
sus dis se: “Mas aque le que per se ve rar até ao fim será sal vo”.

2) Em Lc. 21.19, Je sus dis se que: “É na per se ve ran ça que ga nha re is a vos
sa alma”.

3) Em Tg. 5.11, está es cri to que: “Te mos por fe li zes os que per se ve ra ram
fir mes. Ten des ou vi do da pa ciên cia de Jó e vis tes que fim o Se nhor lhe deu;
por que o Se nhor é che io de ter na mi se ri cór dia e com pas si vo”.

4) Em Ap. 3.10, Je sus pro me teu pro te ção para os que guar dam a pa la vra da
sua per se ve ran ça.
5) Em Ap. 22.12, Je sus pro me te o prê mio da vitó ria para os que vão até o
fim, di zen do: “E eis que ve nho sem de mo ra, e co mi go está o ga lar dão que
te nho para re tri bu ir a cada um se gun do as suas obras”.

CONCLUSÃO : para Je sus, o impor tan te é com pe tir a boa com pe ti ção da
sua obra, e che gar até o fim. Não im por ta se vai chegar em pri me i ro, ou em
se gun do; pois, no Re i no de Je sus Cris to, nem sem pre os que che gam pri me
i ro tem ga ran tia do troféu (Mt. 21.30). Para o Se nhor Je sus, o im por tan te é
se guir até o fim (Dn. 12.13). To dos que con se gui remcru zar a li nhade che ga
da re ce be rão a he ran ça eter na. ca mi nha da vi to ri o sa na

XXVIII – ESBOÇOS EM OSÉIAS


Esbo ço 191 – Dia 09 de Julho
Tema: TRÊS COISAS QUE FALTAM NA TERRA

Ouvi a pa la vra do Se nhor, vós, fi lhos de Isra el, por que o Se nhor tem uma
con ten da com os ha bi tan tes da ter ra, por que nela não há ver da de, nem
amor, nem co nhe ci men to de Deus. Os. 4.1

INTRODUÇÃO : Nos dias do profe ta Oséi as, o Se nhor noti fi cou aos fi lhos
de Israel, três co i sas es sen ci ais que fal tavam en tre
nhe ci men to de Deus. Acre di to que, esta
os ha bi tan tes da ter ra: ver da de, amor e co
pa la vra po der ser con tex tu a li za da para os nos sos dias; e, base a do nis to,
nós vamos apren der so bre es tas três coi sas que faltam em nos sos dias.

1. O AMOR

1) A pri me i ra co i sa que fal ta na ter ra é o amor. O amor é con si de ra do a


ma i or de to das as vir tu des (1Co. 13.13). Qu an do per ce be mos em nos sos
dias, fi lhos ma tan do pais, pais ma tan do fi lhos, pes so as ti ran do a vida das
ou tras por ca u - sa de co i sas tão pe que nas e ba na is; a fal ta de amor passa a
se tor nar algo bem per ce bí vel e mu i to gra ve nes te mun do.

2) Em Jo. 5.42, o pró prio Je sus acu sou a gran de fal ta de amor nos seus dias,
di - zen do: “Sei, en tre tan to, que não ten des em vós o amor de Deus”.

3) Em Jo. 13.35, Je sus dis se: “Nis to conhe ce rão todos que sois meus dis cí pu
los; se ti ver des amor uns aos ou tros”.
4) Em Rm. 13.10, está es cri to que: “O amor não prá ti ca o mal con tra o pró xi
mo; de sor te que o cum pri men to da lei é o amor”. E, “Deus é Amor” (1Jo.
4.8).

2. A VERDADE

1) A se gun da co i sa que fal ta na ter ra é a ver da de. A ver da de é si nô ni mo


de trans pa rên cia e exa ti dão dos fa tos. Em 2Co. 13.8, está es cri to que: “Nada
po - de mos con tra a ver da de,se não em fa vor da pró pria ver da de”. Qu an do
per ce - be mos a fal ta de ver da de e de transpa rên cia das pes so as em nos sos
dias, che ga mos a con clu são de que fal ta mesmo a ver da de na ter ra.

2) Em Pv. 23.23, está es cri to: “Com pra a ver da de e não a vendas; compra a sa
- be do ria, a ins tru ção e o en ten di men to”.
3) Em Dt. 32.4, está escri to que: “Deus é Ver da de e não há Nele in jus ti ça”.

4) Em Jo. 14.6, Je sus é a Ver da de. Em Jo. 14.17, o Espi rí to San to é o Espí ri
to da Ver da de. Em Jo. 17.17, a Pa la vra de Deus é a Ver da de. Em 1Tm. 3.15,
a Igre ja do Deus Vivo é a Co lu na e Fir me za da Ver da de.

3. O CONHECIMENTO DE DEUS
1) A ter ce i ra co i sa que fal ta na ter ra é o Co nhe ci men to de Deus. Em Mt.
22.29,
Je sus dis se: “Erra is, não co nhe cen do as Escri tu ras nem o po der de Deus”.
Qu - an do per ce be mos a ex ces si va bus ca pelo co, fi lo só fico, ci ber né ti
co, e tan tosou tros co nhe cimen to ciên tífi co, tec no ló gi - co nhe cimen
tosavan ça dos, e me nos

in te res se pelo Co nhe cimen to das co i sas de Deus, che ga mosa con clu são
que fal ta o Ver da de iro Co nhe cimen to nas pes so as.
2) Em Os. 4.6, está es cri to: “O meu povo está sen do des tru í do, por que lhe
fal ta o co nhe cimen to”.

3) Em Rm. 1.28, está es cri to que: “Por ha ve rem des pre za do o co nhe ci men
to de Deus, o pró prio Deus os en tre gou a uma dis po si ção men tal re pro vá
vel, para pra ti ca rem co i sas in con veni en tes”.

4) Em CL. 1.9, está es cri to que, de ve mostrans bor dar do ple no co nhe ci men
to da sua von ta de, em toda a sa be do ria e en ten di men to es pi ri tu al.

CONCLUSÃO : Ain da que fal te tan to amor nas pesso as, Deus amou o mun
do de uma ma ne i ra enex pli cá vel (Jo. 3.16). Ain da que fal te ver da de nas
pes so as, Je sus é a Ver da de de Deus re ve la da ao mun do (Jo. 14.6). Ain da
que fal te o Co nhe ci men to de Deus nas pes so as, Cris to veio
ho mem da ig no rân cia es pi ri tu al
re ve lar o Ver da de iro Co nhe ci men to que li ber ta o (Jo. 8.32).

Esbo ço 192 – Dia 10 de Julho Tema: DUAS COISAS QUE DEUS QUER DO
SEU POVO Pois mi se ri cór dia que ro, e tos. Os. 6.6

INTRODUÇÃO : Nes te Deus quer do seu povo: Mi se ri cór dia e o Co nhe ci


men to de Deus. Nós que ser vi mos um Deus que usa de gran de mi se ri cór dia
para conos co, de ve mos usar da mes ma mi se ri córdia para com os nos sos se
me lhantes. Alguns afir mam ser im pos sí vel o ho mem co nhe cer ple na men
te a Deus; po rém, a Pa la vra do Se nhor sem pre nos es ti mu la a bus car o co
nhe cimen to de Deus.

não sa cri fí ci os, e o co nhe ci men to de Deus, mais do que ho lo ca us -


tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre duas co i sas que
1. “MISERICÓRDIA QUERO”

1) A pri me i ra co i sa que Deus exi ge do seu povo nes te tex to sa gra do é: Mi


se ri cór dia (Os. 6.6). A mi se ri cór dia é um sen ti men to do lo ro so ca u sa do
pela de ou trem; ou seja, ter mi se ri cór dia sig ni fi ca “sen tir com pai xão pela
mi sé ria mi sé ria

dos ou tros”. E, é isso que o Se nhor exi ge de cada um de nós. os mi se ri cor di


o sos, por que al can - 2) Em Mt. 5.7, Je sus dis se:“Bem-aven tura dos ça rão mi
se ri cór dia”.

3) Em Mt. 23.23, Je sus cen su rou os es cri bas jus ti ça, a mi se ri cór dia e a fé,
os três pre ce i tos mais im por tan tes da Lei. A mise ri cór dia é o pró prio amor
de Deus em exer cí cio.

4) Em Mq. 6.8, está escri to: “Ele te de cla rou, ó ho mem, o que é bom e o que é
o que o Se nhor pede de ti; que pra ti ques a jus ti ça, e ames a mi se ri cór dia, e
an - des hu mil de men te com o teu Deus”.
e fa ri se us, por ne gli gen ci a rem a

2. “ O CONHECIMENTO DE DEUS, MAIS DO QUE HOLOCAUSTOS”

1) A se gun da co i sa que Deus exi ge do seu povo é: O co nhe ci men to de


Deus (Os. 6.6). O co nhe ci men to de Deus é o apro fun da men to das re la ções
en tre o ho - mem e Deus. O co nhe ci men to de Deus é su pe ri or a qual quer
ou tro cam po do co nhe cimen to hu ma no, ciên tí fi co, tec no ló gico, fi lo só
fico etc.

2) Qu al quer ciên tis ta ou as trô no mo que se diz co nhe ce dor dos misté ri os
do Uni - ver so, e des co nhe ce a Deus, po de mos di zer que, ele não sabe nada.
Pois “Os céus pro cla mam a gló ria de Deus, e o fir ma men to anun cia as obras
das suas mãos” (SL. 19.1).

3) Em Rm. 1.21, Pa u lo afir ma que, tais ho mens “ten do o co nhe ci men to de


Deus, não o glo ri fi ca ram como Deus, nem lhes de ram gra ças; an tes, se tor
na ram nu - los em seus pró pri os ra ci o cí ni os, obs cu re cen dose-lhes o co ra
ção in sen sa to”.

4) Em Os. 6.3, está es cri to: “Co nhe ça mos e pros si ga mos em co nhe cer ao
Se nhor; como a alva, a sua vinda é certa; e Ele des ce rá so bre nós como a chu
va, como chu va se rô dia que rega a ter ra”.

CONCLUSÃO : De ve mos ser mi se ri cordi o sos, por que “A mi se ri córdia


tri un fa so bre o ju í zo” (Tg. 2.13). De ve mos fruti fi car em toda boa obra “e
cres cen do no ple no co - nhe ci men to de Deus” (CL. 1.10).

Esbo ço 193 – Dia 11 de Julho


Tema: É TEMPO DE BUSCAR AO SENHOR

Então, Eu dis se: Se me ai para vós ou tros em jus ti ça, ce i fai se gun do a mi se
ri cór dia; arai o cam po de pou sio; por que é tem po de bus car ao Se nhor, até
que Ele ve nha, e cho va a jus ti - ça so bre vós. Os. 10.12

INTRODUÇÃO: Nós va mos apren der atra vés deste tex to sa gra do, que, em
to das as épocas da his tó ria, sem pre houve a ne ces si da de do ho mem bus car
ao Se nhor. Po rém, a me di da que nos apro xi ma mos do tem po do fim, e os
dias são maus, a ne ces si da de do ho mem bus car a Deus se tor na mais acen tu
a da ain da. Por tan to, é tem po de bus car ao Se nhor.

1. BUSCAR AO SENHOR É UMA QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA

1) Nes tes tem pos tra balho sos e di fí ce is em que es ta mos vi ven do, bus car
ao Se - nhor pas sou a ser uma ques tão de so bre vi vên cia. Em Am. 5.4, o Se
nhor pro - cla mou ao povo de Isra el, dizen do: “Bus cai-me e vivei”.

2) Em Am. 5.6, pela se gun da vez o Se nhor ad ver te Isra el atra vés do pro fe ta
Amós, dizen do: “Bus cai ao Se nhor e vivei, para que não ir rom pa na casa de
José como um fogo que a con su ma, e não haja em Be tel quem o apa gue”.

3) Em 2Cr. 15.2, o Se nhor dis se ao rei Asa, e ao povo, atra vés do pro fe ta Aza
ri - as: “O Se nhor está con vos co, en quan to vós es ta is com Ele, se o bus car
des, Ele se de i xa rá achar; po rém, se o de i xar des, vos de i xa rá”.

4) Em 2Cr. 15.12, está es cri to que: “Entra ram em alian ça de bus ca rem ao Se
nhor, Deus de seus pais, de todo o co ra ção e de toda a alma”. 2. BUSCAR AO
SENHOR DEVE SER PRIORIDADE EM NOSSA VIDA

1) Nun ca de ve mos es tar tão ocu pa dos, a pon to de não ter mos tempo para
bus - car ao Se nhor. Em Mt. 6.33, Je sus dis se: “Mas bus cai pri me i ro o Rei
no de Deus, e a sua jus ti ça, e to das es sas co i sas vos se rão acres cen ta das”.

2) Em Is. 55.6, está es cri to: “Bus cai ao Se nhor en quan to se pode achar, in vo
cai-o en quan to está perto”.
3) Em Jr. 29.13, está es cri to: “E bus car-me-eis e me acha re is quan do me bus
car des de todo o vos so co ra ção”.
4) No SL. 34.4, está es cri to: “Bus quei ao Se nhor, e Ele me res pon deu; li
vrou-me de to dos os meus te mo res”.

CONCLUSÃO: De ve mos bus car ao Se nhor em todo o tem po. Bus car em
oração, bus car em je jum,bus car me ditan do na sua pa la vra,
co ra ção sin cero. De ve mos bus cálo de todo o nos so
bus car com ati tu des cor re tase co ra ção.

XXIX – ESBOÇOS EM JOEL


Esbo ço 194 – Dia 12 de Julho
Tema: A TROMBETA DO AVIVAMENTO

To cai a trom be ta em Sião, pro mulgai um san to je jum, pro cla mai uma as
sem ble ia so le ne. Con gre gai o povo, san ti fi cai a con gre ga ção, ajun tai os
an ciãos, re u ni os fi lhi nhos e os que ma mam; saia o no i vo da sua re câ ma
ra, e a no i va, do seu apo sen to. Cho rem os sa cer do tes mi nis tros do Se nhor,
en tre o pór ti co e o al tar, e orem: Pou pa o teu povo, ó Se nhor, e não en tre
gues a tua he ran ça ao opró brio, para que as na ções fa çam escár nio dele. Por
que hão de di zer en tre os po vos: Onde está o seu Deus? Então, o Se nhor se
mos trou ze lo so da sua ter ra, com pa de ceu-se do seu povo. JL. 2.15-18

INTRODUÇÃO : Ao ler mos o ca pí tu lo 2 do li vro do pro fe ta Joel, nós


vamos des co brir que, ele fala de dois ti pos de trom be ta: A trom be ta que ad
ver te o povo para a vin da do Se nhor (JL. 2.1); e, a trom be ta que con vo ca o
povo para um ajun ta men to es pi ri tu al (JL. 2.15). Po de mos en ten der que,
an tes que acon te ça o to que da Trombe ta do Arre ba ta mento, Deus pro cla
ma ao seu povo a Trom beta do Aviva men to. Acre dito que, o Se nhor ope ra rá
um gran de avi va men to mun dial an tes do ar re ba ta men to da sua Igre ja.

1. O CHAMADO PARA O AVIVAMENTO

1) Em Joel 2.15, o Senhor convo ca o povo para um gran de ajun ta men to es pi


ri tu al, acom pa nha do de je jum e de pro fun do que bran ta men to por par te
de to das as pes - so as. Este ajun ta men to so le ne deve en vol ver des de cri an
ças, jo vens, e an çiãos. To - das as fa i xas etá ri as são con vo ca das para par ti
ci pa remde um gran de avi va men to.
2) Em 2Cr. 7.14, o Se nhor nos dá a re ce i ta do avi va men to, di zen do: “E se o
meu povo, que se cha ma pelo meu Nome, se hu mi lhar, e orar, e bus car a mi
nha face, e se con ver ter dos seus maus ca mi nhos, en tão, Eu ou vi rei dos céus,
e per do a rei os seus pe ca dos, e sa ra rei a sua ter ra”.

3) Em Hc. 3.2, o pro fe ta Ha ba cu que aten de ao ape lo do Se nhor, e ora, di


zen do: “Ouvi, Se nhor, a tua pa la vra e temi; avi va, ó Se nhor, a tua obra no
meio dos anos, no meio dos anos a no ti fi ca; na ira lem bra-te da mise ri cór
dia”.

2. ATENDENDO AO TOQUE DA TROMBETA DO AVIVAMENTO

1) A Bí blia re gis tra o povo aten den do ao to que da trom be ta do avi va men
to, em vá - ri os pe río dos da his tó ria. Em Jn. 3.10, está es cri to que, os ni ní vi
tas aten de ram ao ape lo do pro fe ta Jo nas, e “Viu Deus o que fi ze ram, como
se con ver te ram do seu mau ca mi nho; e Deus se ar re pen deu do mal que ti
nha dito lhes fa ria e não fez”.

2) De acor do com JL. 2.17-18, após os sa cer do tes e mi nis tros de Deus cho ra
rem pe din do ao Se nhor que pou pas se o povo, “Então, o Se nhor se mos trou
ze lo so da sua ter ra, e com pa de ceu-se do seu povo”.

3) Em Lm. 5.21, o pro fe ta Je re mi as aten deu ao to que da trom be ta do avi va


men - to, e orou ao Se nhor pelo avi va men to es pi ri tu al do povo, di zen do:
“Conver te-nos a ti, Se nhor, e se re mos conver ti dos; re no va os nos sos dias
como dan tes”.

CONCLUSÃO : De ve mos aten der ao cha ma do do Se nhor para o avi va men


to, tan to pes so al, como co le ti vo, e se guir mos a sua re ce i ta es pi ri tu al
para o avi va men to, a qual se ca rac te ri za por: Qu e bran ta men to es pi ritu
al, hu milha ção na pre sen ça do Se - nhor, ora ção in ces san te, ar re pen di men
to sin ce ro, con ver são ge nu í na, e re no va ção do nos so amor para com o Se
nhor.

Esbo ço 195 – Dia 13 de Julho


Tema: RESTITUIÇÃO DOS ANOS PERDIDOS Res ti tu ir-vos-ei os anos que
fo ram con su mi dos pelo ga fa nho to mi gra dor, pelo des tru i dor epelo cor ta dor,
o meu gran de exér ci to que en vi ei con tra vós ou tros. JL. 2.25

INTRODUÇÃO: Nes te tex to sa gra do, o Se nhor pro me te res ti tu ir os anos


per di dos da nos sa vida. Anos per di dos, po dem ser con si de ra dos, àque les
anos que se pas sa ram, e, por uma di fi cul da de ou ou tra, não pu de ram ser me
lhor apro ve i ta dos.Mes mo que o Se nhor per mi ta o seu povo pas sar por um
pe río do de pro va ção, Ele é Po de ro so para res titu ir todo o tem po per dido
na pro va.

1. CUMPRINDO A SUA PROMESSA

1) O Se nhor é Fiel no cum pri men to das suas pro mes sas. Ele vela para que a
sua pa la vra se cum pra (Jr. 1.12). Em Lv. 25.8-55, o Se nhor ins ti tu iu o Ano
do Ju - bi leu, para que o povo re cu pe ras se to das a suas per das, e fos se res ti
tu í da a li - ber da de, os bens e o cré di to das pes so as.

2) Em Is. 63.4, o Se nhor diz: “O ano dos meus re di mi dos é che ga do”.
3) No SL. 65.11, está es cri to que, o Se nhor co roa o ano da sua bon da de, e as
suas pe ga das des tilam far tu ra.
4) No SL. 90.15, o Sal mis ta ora ao Se nhor, dizen do: “Ale gra-nos por tan tos
dias quan tos nos tens afli gi do, por tan tos anos quan tos su por tamos a ad ver
si da - de”.

2. PESSOAS QUE TIVERAM RESTITUÍDO OS ANOS PERDIDOS

2.1 Em Jz. 3.14,30, está escri to que, após Isra el per der de zo i to anos de ba i
xo da opres são dos mo a bi tas, o Senhor resti tu iu oiten ta anos de paz ao seu
povo.
2) Em 2Rs. 8.1-6, está es cri to que, após o pe río do de sete anos de fome que a
ter ra en fren tou, o Se nhor res ti tu iu to dos os bens que a Su na mi ta ha via
per di - do ou de i xou de ga nhar du ran te àque le tem po.
3) Em Mt. 9.19-22, está es cri to que, após to car em Je sus, a mu lher do flu xo
de san gue re cu pe rou os doze anos perdi dos da sua vida.
4) Em Jo. 5.1-9, está es cri to que, após ser cu ra do por Je sus, o pa ra li ti co do
tan que de Be tes da re cu pe rou to dos os trin ta e oito anos per di dos da sua
vida.

CONCLUSÃO : O Se nhor é Pode ro so para res ti tu ir to dos os anos per di


dos da nos sa vida. Ele fez isso no pas sa do, e con ti nua fa zen do ainda hoje.
Ele fez isso com a mu - lher que vi via en cur va da (Lc. 13.12-16); Ele fez isso
com o pa ra li ti co da por ta do Tem plo (At. 3.1-8 e 4.22); Ele fez isso com
Enéias (At. 9.33-34), e con tu a rá res ti - tu in do os anos per di dos da nossa
vida. Ale lu ia!

Esbo ço 196 – Dia 14 de Julho


Tema: A HORA DA DECISÃO

Mul ti dões, mul ti dões no vale da De ci são! Por que o Dia do Se nhor está per
to, no vale da De ci são. JL. 3.14

INTRODUÇÃO : Este tex to sa gra do apre sen ta a hora da de ci são. Há mo


men tos em nos sa vida, que, é pre ci so to mar mos uma de ci são. O Se nhor
deu li vre-ar bí trio ao ho mem, e, tem co i sas que Deus não de ci de por nós; so
mos nós que de ve mos de ci dir. Entre tan to, po de mos con tar com a ori en ta
ção Di vi na para a nos sa vida (Rm. 8.14).

1. NA HORA DA DECISÃO NÃO PODEMOS COXEAR ENTRE DOIS


PENSAMENTOS

1) A hora da de ci são, exi ge fir me za na to ma da de uma po si ção. Nes ta


hora, não po de mos co xe ar en tre
do Car me lo, o pro fe ta
dois pen sa men tos. Em 1Rs. 18.21, no fa mo so de sa fio Eli as exor tou o povo,
di zendo: “Até quan do co xe a re is

en tre dois pen sa men tos? Se o Se nhor é Deus, se gui-o; se é Baal, se gui-o”.
De - ve mos op tar pela es co lha cer ta.

2) Em Mt. 6.24, Je sus dis se: “Não po de is ser vir a dois se nho res, por que ou
há de odi ar um e amar o outro ou se de di ca rá a um e despre za rá o ou tro. Não
po de - is ser vir a Deus e a Ma mom”.

3) Em Js. 24.15, após to mar pos se da Ter ra Pro me ti da, Jo sué man dou o
povo to - mar a se guin te de ci são: “Porém, se vos pa re ce mal ser vir ao Se
nhor, es co lhei, hoje, a quem sir va is: se aos de u ses a quem servi ram vos sos
pais que es ta vam além do Eu fra tes ou aos deu ses dos amor re us em cuja ter
ra ha bi ta is. Eu e a mi nha casa ser vi re mos ao Se nhor”.

4) Em Tg. 4.7-8, está es cri to: “Su je i tai-vos, por tan to, a Deus; mas re sis ti ao
di a bo, e ele fu gi rá de vós. Che gai-vos a Deus, e Ele se che ga rá a vós ou tros.
Pu ri - fi cai as mãos, pe ca do res; e vós que sois de âni mo do bre, limpai o co
ra ção”.
2. O SENHOR PODE NOS ORIENTAR NA HORA DE QUALQUER
DECISÃO

1) O Se nhor está pron to para nos ori en tar e nos gui ar na to ma da de nos sas
de ci sões. No SL. 143.10, o sal mis ta pe diu a di re ção do Se nhor, dizen do:
“Ensi na-me a fa zer a tua von ta de, pois tu és o meu Deus; guie-me o teu Bom
Espí ri to por ter re no pla no”.

2) No SL. 25.12, está es cri to que: “Ao ho mem que teme ao Se nhor, Ele o ins
tru i - rá no ca mi nho que deve es co lher”.
3) Em Is. 48.17, o Se nhor nos faz uma pro mes sa for ta le ce do ra, di zen do:
“Assim diz o Se nhor, o teu Re den tor, o San to de Isra el: Eu Sou o Se nhor, o
teu Deus, que te en si na o que é útil e te guia pelo ca mi nho em que de ves an
dar”.
4) Em Is. 55.12, está es cri to: “Sa i re is com ale gria e em paz se re is gui a dos;
os mon tes e os ou te i ros rompe rão em cânti cos dian te de vós, e to das as ár
vo res do cam po ba te rão pal mas”. Ale lu ia!

CONCLUSÃO : De ve mos pe dir a ori en ta ção do Se nhor para to mar mos to


das as de - ci sões da nos sa vida; “Pois todos os que são gui a dos pelo Espí ri to
de Deus são fi lhos de Deus” (Rm. 8.14).

XXX – ESBOÇOS EM AMÓS


Esbo ço 197 – Dia 15 de Julho
Tema: PREPARANDO-SE PARA O ARREBATAMENTO Por tan to, as sim te
fa rei, ó Isra el! E, por que isso te fa rei, pre pa ra-te, ó Isra el, para te en con tra res
com o teu Deus. Am. 4.12

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, o pro fe ta Amós ad ver te ao povo de


Isra el que se pre pa re para o en con tro com Deus. De acor do com GL. 6.16, a
Igre ja é o “Isra el de Deus”. Sen do, o Isra el de Deus, a Igre ja pre ci sa es tar
pre pa ra da para o en con tro com o Se nhor nos ares.

1. A NECESSIDADE DO PREPARO DO POVO DE DEUS

1) O pre pa ro dos sal vos para se encon trar com Deus, sem pre foi um dos te
mas mais abor da dos pelo pró prio Se nhor Je sus Cris to. Em Mt. 25.1-13, o Se
nhor Je sus, ao fa lar so bre o pre pa ro da Igre ja para o en con tro com o Se
nhor, usou a fi gu ra do encon tro da no i va com o no i vo; e, a dili gên cia que
de ve mos ter para par ti ci par mos da ma i or Bo das de toda a Histó ria do
Univer so – O Ca sa - men to da Igre ja com Cris to (2Co. 11.2).

2) Em Lc. 12.35, Je sus dis se: “Cin gi do es te ja o vos so cor po, e ace sas, as
vos sas can de i as”. Veja o bom exem plo das vir gens pru den tes (Mt. 25.4).

3) De acor do com Ap. 19.7-8, no dia da Fes ta, a No i va já deve se en con trar
pron ta, ata vi a da, e bem ves tida.
4) Em Ap. 3.11, o pró prio No i vo manda um re ca do a sua No i va, di zen do:
“Ve nho sem de mo ra. Con ser va o que tens, para que nin guém tome a tua co
roa”.

2. O ENCONTRO DO ISRAEL DE DEUS

1) O en con tro do Isra el de Deus com o Se nhor se dará nos ares; pois, em 1Ts.
4.16-17, está escri to que: “O Se nhor mes mo, dada a sua pa la vra de or dem,
ou vi da a voz do ar can jo, e resso a da a trom be ta de Deus, des ce rá dos céus,
e os mor tos em Cris to res sus ci tarão pri me i ro; de po is, nós, os vi vos, os
que fi car mos, se re mos ar re ba ta dos jun ta men te com eles, en tre nu vens,
para o en - con tro do Se nhor nos ares, e as sim, es ta re mos para sem pre com o
Se nhor”.

2) Em CL. 4.3, está escri to que: “Qu an do Cris to, que é a nos sa vida, se ma ni
fes - tar, en tão, vós tam bém se re is ma ni fes ta dos com Ele, em gló ria”.
3) Em 2Co. 11.2, está es cri to: “Por que zelo por vós com zelo de Deus; vis to
que vos te nho pre pa ra do para vos apre sen tar como vir gem pura a um só
Espo so, que é Cris to”.
4) Em Ef. 5.27, está es cri to que a Igre ja será apre sen ta da como “Igre ja glo ri
o sa, sem má cu la, nem ruga, nem co i sa se me lhan te, po rém san ta e sem de
fe i to”.

CONCLUSÃO : O to que da Trom be ta será tão re pen ti no, que, não ha ve rá


tem po para se apron tar em cima da hora; a Igre ja do Se nhor deve es tar a todo
tempo pre pa ra da e pron ta para o en con tro com o No i vo (Mt. 25.6).

Esbo ço 198 – Dia 16 de Julho


Tema: AVIVAMENTO É UMA QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA

Bus cai ao Senhor e vi vei, para que não ir rom pa na casa de José como um fogo
que a con su ma, e não haja em Be tel quem o apa gue. Am. 5.6

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, o pro fe ta Amós in sis te que, bus car
ao Se nhor é uma ques tão de so bre vi vên cia para a na ção de Isra el. O avi va
men to in di vi - du al e cole ti vo cons ti tuí-se numa ques tão ur gen te e
necessária para todos nós.

1. BUSCAR AO SENHOR TRAZ VIDA A TODOS NÓS

1) “Bus cai ao Se nhor e vi vei.” (Am. 5.6), esse é o cla mor do pro fe ta ao povo
de Isra el. A so bre vi vên cia da na ção de Isra el de pen dia des ta ati tu de.
2) Em ou tros perío dos da his tó ria de Israel, a na ção re ce beu vida e vi gor es
pi ri tu al, sem pre que bus cou ao Se nhor de todo o seu co ra ção (2Cr. 15.3-4).
3) Bus car ao Se nhor traz vida e paz para a na ção. Pois, em 2Cr. 15.15, está es
cri - to que, Judá “de toda a boa von ta de, bus ca ram ao Se nhor, e por eles foi
acha do. O Se nhor lhe deu paz por toda par te”.
4) Bus car ao Se nhor traz pros pe ri da de ao povo. Pois, em 2Cr. 26.5, está es
cri to que, o rei Uzi as “nos dias em que bus cou ao Se nhor, Deus o fez pros pe
rar”.

2. BUSCAR AO SENHOR DEVE SER PRIMORDIAL EM NOSSAS VIDAS

1) Nada em nossa vida deve ser tão prio ri tá rio, como bus car ao Se nhor. Em
Mt. 6.33, Je sus nos en si nou esta ver da de,di zen do:“Mas bus cai pri me i ro o
Re i no de Deus, e a sua jus ti ça, e to das es sas co i sas vos se rão acres cen ta
das”.

2) Em Sf. 2.3, está es cri to: “Bus cai ao Se nhor, vós to dos os man sos da ter ra,
que cum pris o seu ju í zo; buscai a justi ça, bus cai a mansi dão”.
3) No SL. 27.8, está es cri to que: “Ao meu co ra ção me ocor re: Bus cai a mi
nha pre sen ça; bus ca rei, pois, Se nhor, a tua pre sen ça”.

4) Em 2Cr. 31.21, está es cri to que Eze qui as: “Em toda a obra que co me çou
no ser vi ço da Casa de Deus, na Lei e nos man da men tos, para bus car a seu
Deus, de todo o co ra ção o fez e prospe rou”.

CONCLUSÃO: Bus car ao Se nhor é uma ques tãode so brevi vên cia es pi ri tu
al para o cren te. Bus car ao Se nhor deve ser a prio ri da de nú me ro um do cren
te (CL. 3.1-2).
XXXI – ESBOÇOS EM OBADIAS
Esbo ço 199 – Dia 17 de Julho
Tema: O SALVADOR DE SIÃO

Sal va do res hão de su bir ao mon te Sião, para jul ga rem o mon te de Esaú; e o
re i no será do Se nhor. Ob. 1.21

INTRODUÇÃO : Je sus Cris to é o grande Sal va dor do Mon te Sião; e, aque


les que es ta rão com Ele re i nando, são tam bémcha ma dos de sal va do res.
Este tex to sa gra do se re fe re ao Mi lê nio, quan do, Isra el será o ca be ça das
na ções, e to das as na ções opo si to ras serão julgadas pelo Senhor.

1. JESUS É O SALVADOR DE SIÃO

1) Sião é o nome dado a uma das co li nas de Je ru sa lém, mu i tas ve zes toma
da como si nô ni mo da pró pria ci da de de Je ru sa lém. Foi Davi quem con quis
tou a for ta le za de Sião; e, desde en tão, Je ru sa lém pas sou a ser a ci da de
sede do

e sím bo lo es pi ri tu al da Ci da de do Gran de Rei ma i or rei da his tó ria de


Isra el, Eter no (2Sm. 5.7 e Mt. 5.35).

2) Em Zc. 9.9, o pro fe ta Za ca ri as de Sião, di zen do: “Ale gra-te mu i to, ó fi


lha de Sião; exul ta, ó fi lha de Je ru sa - lém: Eis aí te vem o teu Rei, jus to e Sal
va dor, hu mil de, mon ta do em ju men to, num ju men ti nho, cria de ju men ta”.

3) Em Mt. 21.1-11, Je sus Cris to, o Rei e Sal va dor de Sião cum pre a pro fe
cia, e en tra de for ma tri un fal em Je ru sa lém.
4) Em Ap. 14.1, o Cor de i ro de Deus se en con tra em pé, re i nan do com os
seus re - di mi dos no Mon te Sião.
5) Em Is. 12.6, está es cri to: “Exul ta e ju bi la, ó ha bi tan te de Sião, por que
gran de é o San to de Isra el no meio de ti”.
2. JESUS É O SALVADOR DO MUNDO

1) Je sus Cris to é o Sal va dor de Sião, e tam bém do mun do. Em Jo. 4.42, a con
clu - são dos pró pri os sa ma ri ta nos, é que Je sus“é ver da de i ra men te o Sa
la va dor do mun do”.
2) Em 1Jo. 4.14, João, o ami go do pe i to de Je sus afir mou: “E nós temos vis to
e tes te mu nha mos que o Pai en vi ou o seu Fi lho como Sal va dor do mun do”.
3) Em Fp. 3.20, está es cri to que: “A nos sa pá tria está nos céus, de onde tam
bém aguar da mos o Sal va dor, o Se nhor Je sus Cris to”.
4) Em At. 13.23, está escri to que, da des cen dên cia de Davi “con for me a pro
mes - sa, trou xe Deus a Isra el o Sal va dor, que é Je sus”.

5) Em 2Pd. 3.18, está es cri to: “Antes, cres cei na gra ça e no co nhe ci men to
de nos so Se nhor e Sal va dor Jesus Cris to. A Ele seja a gló ria, tan to ago ra
como no dia eter no”.

CONCLUSÃO: Je sus Cristo é o Sal va dor de Sião, Sal va dor de Isra el, Sal va
dor da Igre ja, Sal va dor do mun do, e Sal va dor de todos nós.
va ti cinou a en tra da tri un fal do Rei e Sal va dor

XXXII – ESBOÇOS EM JONAS


Esbo ço 200 – Dia 18 de Julho
Tema: O SUCESSO DA PREGAÇÃO DE JONAS
Co me çou Jo nas a per cor rer a ci da de ca mi nho de um dia, e prega va, e di zia: Ainda qua
ren ta dias,
e Ní ni ve será sub ver ti da. Os ni ni vi tas cre ram em Deus, e pro cla ma ram
um je - jum, e ves ti ram-se de pano de saco, des de o ma i or até o me nor. Jn.
3.4-5

INTRODUÇÃO: A his tó ria do pro fe ta Jo nas, re ve la a gran de mi se ri cór


dia do Se nhor, tan to para com o pre ga dor, como para os seus ou vin tes. Deus
po de ria de sis tir de Jo nas, e en vi ar um ou tro pre ga dor. Po rém, Deus sa bia
que o povo se ria re ce pi ti - vo a men sa gem de Jo nas, e o pro pó si to fi nal de
Deus foi cum pri do, e a pre ga ção de Jo nas foi um gran de su ces so para a gló
ria do Se nhor.

1. DEUS TEM O HOMEM CERTO PARA O LUGAR CERTO

1) Deus co nhe ce o per fil de cada pre ga dor, e de cada povo. Por isso, Ele tem
o pre ga dor ide al para cado au di tó rio, e o pas tor ide al para cada Igre ja. Jo
nas era o pre ga dor ide al para Ní ni ve (Jn. 3.1-2).

2) De acor do com At. 11.22-26, Bar na bé foi o ho mem cer to para for ta le cer
o tra ba lho do Se nhor na ci da de de Anti o quia da Sí ria.

3) De acor do com Tt. 1.5, Tito foi o ho mem cer to para or ga ni zar ás Igre jas
do Se nhor na Ilha de Cre ta, na Gré cia.
4) De acor do com 1Tm. 1.3, Ti mó teo era o ho mem cer to para ins tru ir e dou
tri - nar a Igre ja de Éfe so.

2. DEUS TEM A MENSAGEM CERTA PARA O LUGAR CERTO

1) Assim como Deus tem o pre ga dor cer to para o even to cer to; Deus tem a
men - sa gem cer ta para o mo men to cer to. A cru el da de da Assí ria era mu i
to co nhe ci - da na his tó ria; e, aque le povo pre ci sa va de uma men sa gem cur
ta e di re ta: “Ain da qua ren ta dias, e Ní nive será sub verti da” (Jn. 3.4).

2) A men sa gem de Jo nas atin giu o co ra ção da que le povo, e to dos se ar re


pen de - ram no pó e na cin za, sur tin do um efe i to tão po de ro so, que, tal vez,
nem Jo - nas es pe ras se isso (Jn. 3.5-10).

3) A men sa gem de Fi li pe im pac toua ci da de de Sa ma ria (At. 8.4-8). 4) A


men sa gem de Pa u lo im pac tou a Ci da de de Éfe so (At. 19.8-20).

CONCLUSÃO: Deus está pron to a aben ço ar o mi nis té rio dos seus ser vos,
nos tor nan do pre ga do res bem suce di dos em nossa men sa gem. Ape sar de
toda a sua re lu - tân cia, Jonas se tor nou um dos pre ga do res mais bem su ce di
dos de toda a his tó ria. A sua men sa gem atin giu o co ra ção de cem por cen to
dos seus ou vintes.
XXXIII – ESBOÇOS EM MIQUÉIAS
Esbo ço 201 – Dia 19 de Julho
Tema: AS CARACTERISTICAS DO VERDADEIRO PROFETA Eu, po rém, es
tou che io do po der do Espí ri to do Se nhor, che io de ju í zo e de for ça, para de
cla rara Jacó a sua transgres são e a Isra el, o seu pe ca do. Mq. 3.8

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre as ca rac
te rís ti cas do ver da de iro pro fe ta. Ao con templar a obra dos fal sos pro fe
tas, Mi quéi as pro cla - ma as ca rac te rís ticas do ver da de iro pro fe ta:Che io
do po der do Espíri to do Se nhor; che io de juí zo e de for ça para denun ci ar o
pe ca do da na ção.

1. CHEIO DO PODER DO ESPÍRITO DO SENHOR

1) Ser che io do po der do Espí rito do Se nhor, foi a pri me i ra ca rac te rís ti ca
re ve la - da na vida do pro fe ta Mi quéi as. Esta, tem sido a gran de ca rac te rís
ti ca do ver - da de iro pro fe ta (2Pd. 1.21).

2) Em Ed. 5.1, está es cri to que, o Espíri to de Deus es ta va so bre os pro fe tas
Ageu e Za ca ri as para pro fe ti zar.
3) Em Is. 61.1, o pro fe ta Isa ías dis se: “O Espí ri to do Se nhor Deus está so
bre mim”.
4) Em Zc. 4.6, está es cri to: “Não por for ça e nem vi o lên cia, mas pelo meu
Espí ri - to, diz o Se nhor dos Exér ci tos”.

2. CHEIO DE JUÍZO

1) Ser che io de ju í zo, foi a se gun da quéi as. Ser che io de ju í zo, não sig ni fi
ca que o pro fe ta deve pre gar ape nas uma men sa gem de ju í zo. O ju í zo aqui,
fala da ver da de que está con ti da nos pre ce i - tos, es ta tu tos e man da men
tos da Lei do Se nhor (SL. 19.7-9). Sig ni fi ca, anun - ci ar toda a ver da de di vi
na.

2) Em Jr. 23.28, está es cri to: “O pro fe ta que tem so nho con te-o como ape nas
so - nho; mas aque le em quem está a minha pa la vra fale a mi nha pa la vra com
verda de. Que tem a pa lha com o tri go? – diz o Se nhor”.
3) Em At. 20.27, Pa u lo diz: “Por que nun ca de i xei de vos anun ci ar todo o
con se lho de Deus”.
4) No SL. 119.66, o sal mis ta ora ao Se nhor, dizen do: “Ensi na-me bom juí zo
e co nhe cimen to, pois cre io nos teus man da men tos”.

3. CHEIO DE FORÇA

1) Ser che io de for ça , foi a ter ce i ra ca rac te rís tica re ve la da na vida do pro
fe ta Mi - quéi as. O pro fe ta de Deus pre ci sa es tar che io de for ça e de âni mo
para pro cla mar a men sa gem de Deus (Is. 50.4).

2) Em 1Rs. 19.7, o anjo do Se nhor ani mou o de sa ni ma do pro fe ta Eli as, di


zen do: “Le van ta-te e come, por que mui com pri do te será o ca mi nho”.
3) Em At. 18.9-10, o Se nhor for ta le ceu a Pa u lo, di zen do: “Não te mas; pelo
con - trá rio, fala e não te ca les; por quan to Eu Estou con ti go, e ni ni guém
ousa rá fa - zer-te mal, pois te nho mui to povo nes ta ci da de”.
4) O pro fe ta che io de for ça não teme de nun ci ar o pe ca do e a trans gres são
da na - ção (Mq. 3.8; Mt. 3.7-10).

CONCLUSÃO : O ver da de i ro pro fe ta pos sui o po der do Espí rito do Se


nhor, pre ga com ver da de a pa la vra do Se nhor, e é for ta le cido e en co ra ja
do pelo Se nhor para pro cla mar a sua men sa gem (Jr. 1.18-19).
ca rac te rís tica re ve la da na vida do pro fe ta Mi -

Esbo ço 202 – Dia 20 de Julho


Tema: O ILÚSTRE CIDADÃO DE BELÉM

E tu, Belém-Efra ta, pe que na de ma is para fi gu rar como gru po de milha res
de Judá, de ti sa i rá o que há de re i nar em Isra el, e cu jas ori gens são des de os
tem pos an ti gos, des de os dias da eter ni da de. Mq. 5.2

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, se en con traa pre visão pro fé tica do
lo cal do nas ci men to de Je sus Cris to. 700 anos an tes do nas ci men to de Cris
to, o pro fe ta Mi quéias de for ma bem ex plí cita in di ca Be lémEfra ta, como o
lu gar do nas cimen to do mais ilús tre de todos os homens que já pi sou nes ta
ter ra. O Ilus tre Ci da dão de Be lém.

1. O SIGNIFICADO PROFÉTICO DE BELÉM-EFRATA

1) “Efra ta”, era o an ti go nome de Be lém. “Efra ta” é um nome ara ma i co, e
“Be lém”, um nome he bra i co. Ambos os no mes sig ni fi ca “Casa de Pão”. Era
cha - ma da de “Be lém-Efra ta”, para dis tin gui-la de uma ou tra ci da de em Ze
bu lom que ti nha o mes mo nome, e, de po is pas sou a ser co nhe ci da como
“Be lém de Judá” (Gn. 35.19 e Jz. 17.7 etc.).

2) A ci da de de Be lém fi ca va na re gião mon ta nho sa de Judá, e dis ta va cer


ca de 9 km ao sul de Je ru sa lém. Foi lá que nas ceu Davi, o mais im por tan te
dos reis de Judá e de Isra el, e onde ha ve ria de nas cer o Mes si as Pro me ti do
(Mt. 2.4-6).

3) Be lém sig ni fi ca “Casa de Pão”, e, foi lá que nasceu o “Pão da Vida”, que
veio ao mun do para sal var a hu ma ni da de (Jo. 6.48).
4) Ape sar de ser pe que na, Be lém se tor nou a ter ra na tal do Sal va dor do
mun do (Lc. 2.11). Pois, “Deus es co lheu as co i sas hu mil des do mun do, e as
des pre za das, e aque las que não são, para re du zir a nada as que são” (1Co.
1.28).

2. O MAIS IMPORTANTE NASCIMENTO DA HISTÓRIA

1) To das as aten ções do Uni ver so e da Ter ra es ta vam vol ta das para a pe
que na ci da de de Be lém naque le dia. O Nas ci men to de Je sus Cris to foi o
mais im por tan te de toda a His tó ria Uni ver sal. A pró pria His tó ria é di vi di
da en tre o an tes ou o de po is de Je sus Cris to (a.C ou d.C).

2) Ma gos, Ciên tis tas e Astro nô mosfo ram con duzi dos a Be lém por uma
Estre la Guia que avista ram no Ori en te (Mt. 2.1-2,9).
3) Até o enig má tico pro fe ta Ba laão já ha via avis ta do o des pon tar da “Estre
la de Jacó” cer ca de 15 sé cu losan tes des te acon te cimen to (Nm. 24.17).
4) Je sus Cris to é a Raiz e a Ge ra ção de Davi, a Res plan de cen te Estre la da
Ma nhã (Ap. 22.16). Por tan
Be lém.
to, em Be lém nas ceu Je sus Cris to, o Ilús tre Ci da dão de

CONCLUSÃO : Je sus Cris to no de cri a ção (foi cri a do em Ce les ti al por ter
vin do do céu, Hu ma no por ter nas ci do Ho mem, e Di vi no por ser Fi - lho do
Deus Vivo Todo-Po de ro so!
é Be le mi ta de nas ci men to (nas ceu em Be lém), Na za re - Na za ré), Ju deu
de san gue, Isra e li ta por na ci o na li da de,
XXXIV – ESBOÇOS EM NAUM
Esbo ço 203 – Dia 21 de Ju lho
Tema: CALÇADOS PELO EVANGELHO DA PAZ Eis so bre os mon tes os pés
do que anun cia boas-no vas, do que anun cia a paz!. Na. 1.15

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés des te tex to sa gra do que, os
por ta do - res das boas-novas do Evan ge lho de Cris to são, os ver da de i ros
men sa gei ros da paz de nosso Se nhor e Sal va dor Je sus Cris to. Os pés do pre
ga dor do Evan ge lho ca mi - nham anun ci an do a paz, que, so men te Cris to
pode ofe re cer, e, Ele já nos de i xou esta paz como um le ga do per pé tuo (Jo.
14.27).

1. A CONEXÃO DOS PÉS DO PREGADOR COM A PAZ

1) Atra vés das Escri tu ras, per ce be mos uma gran de co ne xão que exis te en
tre os pés do pre ga dor com a paz. Em Is. 52.7, o pro fe ta Isa ías já ha via dito:
“Que for mo sos são so bre os mon tes os pés do que anun cia as boas no vas,
que faz ou vir a paz, que anun cia co i sas boas, que faz ou vir a sal va ção, que
diz a Sião: O teu Deus re i na!”

2) Em Mt. 10.11-14, Je sus tam bém es ta be le ceu uma co ne xão en tre os pés
do pre ga dor e a paz, di zen do: “E, em qual quer ci da de ou po vo a do em que
en trar des, in da gai quem ne les é dig no.Ao en trar des na casa, sa u dai-a; se,
com efe i to a casa for dig na, ve nha so bre ela a vos sa paz; se, po rém, não o
for, tor ne para vós ou tros a vos sa paz. Se al guém não vos re ce ber, nem ou vir
as vossas pa la vras, ao sa ir des da que la casa ou da que la ci da de, sa cu di o
pó dos vos sos pés”.

3) Na ci da de de Anti o quia da Psí dia, após a reje i ção do Evan ge lho, Pa u lo


e Bar na bé cum priu o en si no de Cris to “sa cu din do con tra aque les o pó dos
pés” (At. 13.51).

4) Em Rm. 10.15, Pa u lo cita a pro fe cia de Isa ías, dizen do: “Quão for mo sos
são os pés do que anun cia coi sas-boas!”
5) Em Ef. 6.15, está es cri to: “Cal çai os pés com a pre pa ra ção do Evan ge lho
da paz”.
2. SOMOS EMBAIXADORES DA PAZ DE CRISTO
1) Pa u lo afir ma em 2Co. 5.20, que: “So mos em ba i xa do res em Nome de
Cristo, como se Deus exor tas se por nos so in ter mé dio”. O em ba i xa dor su
ge re a ide ia de al guém que é en vi a do no lu gar do seu se nhor ou rei e auto ri
za do com a mes ma au to ri da de de quem o en vi ou.

2) Como em ba ixa do res de Cris to, nós so mos en via dos a ho mens re bel des,
no lu - gar de nos so Se nhor e Rei Je sus Cris to, para ofe re cer-lhes as condi
ções de paz. Qu an do os re bel des não ace i tam as con di ções de paz, só lhes
restam o ju í zo (Mt. 10.15). Daí o ri tu al do pre ga dor sa cu dir o pó dos pés,
em tes te mu - nho con tra aque les que não querem a paz ofere ci da pelo Evan
ge lho de Cris to (2Ts. 2.7-9).

3) Em Lc. 14.31-32, Je sus ci tou o exem plo de uma emba i xa da en vi a da por


um rei que pede con di ções de paz, e se sub me te ao ou tro rei mais for te.
Como em ba i - xa do res da paz de Cristo, de ve mos pri me i ro ofe re cer a paz
de Cris to aos co ra - ções (Rm. 12.18).

4) Em GL. 6.16, está es cri to que: “A to dos quan tos an da rem de con for mi da
de com esta re gra, paz e mi se ri cór dia se jam so bre eles e so bre o Isra el de
Deus”. 5) Em Rm. 16.20, está es cri to que: “O Deus da paz, em bre ve, es ma ga
rá de ba i xo dos vos sos pés a Sa ta nás. A gra ça de nos so Se nhor Je sus seja
con vos co”.

CONCLUSÃO : Deus nos en tre gou o Mi nisté rio da Re con cili a ção, a fim
de ofer cer - mos as con di ções de paz ofe re ci das por Cristo a huma ni da de,
para que o ho mem res ta be le ça a sua paz com Deus (Rm. 5.1). Po rém, caso a
hu ma ni da de re cu se esta paz, os ho mens que de so be de cem ao Evan ge lho
de Cris to se rão ba ni dos da pre sen - ça do Se nhor (2Ts. 1.7-8); e, a paz de
Cristo será es ta be le ci da de for ma uni ver sal, atra vés do po der e da for ça de
Cristo (Zc. 9.10 e Ap. 19.11-16).

XXXV – ESBOÇOS EM HABACUQUE


Esbo ço 204 – Dia 22 de Julho
Tema: QUATRO SEGREDOS DE UM AVIVAMENTO

Ora ção do pro fe ta Ha ba cu que sob a for ma de canto. Ouvi, Se nhor, a tua pa
la vra e temi; avi va, ó Se nhor, a tua obra no meio dos anos, no meio dos anos a
no ti fi ca; na ira lembra-te da mi se ricór dia. Hc. 3.1-2

INTRODUÇÃO: Nes te tex to bí bli co, en con tramos os qua tro se gre dos de
um avi - va men to. Cada aviva men to que o povo de Deus tem ex pe ri men ta
do atra vés da his - tó ria, é Deus ou vin do a ora ção do seu povo. A pa la vra de
Deus é fon te ge ra do ra de avi va men to. O te mor do Se nhor ge ra do no co ra
ção das pes so as pela pa la vra de Deus, pro vo ca o iní cio de um avi va men to.
E, o avi va men to é sem pre uma obra da mi se ricór dia de Deus. Por tan to, ora
ção, pa la vra, te mor de Deus, e mi se ricór dia Di - vi na, são os qua tro se gre
dos do avi va men to.

1. “ORAÇÃO DO PROFETA HABACUQUE”


1) O pri me i ro

2) Os gran des ria cris tã, co me ça ram sem pre pela ora ção.

3) O pri me i ro avi va men to re gis trado após a que da do ho mem, se deu quan
do um des cen den te de Adão, cha ma do Enos, co me çou a in vo car o Nome
do Se nhor (Gn. 4.26).

4) O avi va men to no monte Car me lo, só se deu após o pro fe ta Elias orar ao
Senhor (1Rs. 18.30-39).
5) O ma i or avi va men to da his tó ria se deu no Dia de Pen te cos tes, após in
ten sa cam pa nha de ora ção (At. 1.14 e 2.1-4). Por tan to, a ora ção é o pri me i
ro gran - de se gre do para o avi va men to.
se gre do do avi va men to é sem pre a ora ção (2Cr. 7.14). avi va men tos des cri
tos na Bí blia e do cu men tados atra vés da his tó

2. “OUVI, SENHOR, A TUA PALAVRA”


1) O se gun do se gre do do avi va men to é a pa la vra do Se nhor (Hb. 3.2).

2) Não pode exis tir avi va men to ge nu í no e du ra dou ro, se este não for ori gi
na do pela pa la vra de Deus (At. 19.20)
3) O avi va men to de Judá nos dias do rei Jo si as, só se deu de po is que o sa cer
do te Hil qui as anun ci ou: “Achei o Li vro da Lei na Casa do Se nhor”. 4) O avi
va men to nos dias de Esdras e Ne e mi as se deu atra vés da le i tu ra ex po si ti
va da pa la vra do Se nhor (Ne. 8.1-12).

5) Os grandes avi va men tos re gis tra dos nos Atos dos Após to los e atra vés da
His tó ria Cris tã, sem pre se deu atra vés do po der da pa la vra de Deus (At. 6.7;
12.24 e 19.20).

3. “ E TEMI”
1) O te mor do Se nhor pro vo ca do no co ra ção das pes so as pela pre ga ção da
pa la - vra do Se nhor, é a por ta de en tra da para o avi va men to in divi du al e
co le ti vo (SL. 119.25).
2) O te mor do Se nhor que veio so bre os ni ni vi tas, le van do eles ao ar re pen
di men - to no pó e na cin za, se deu após eles te rem ou vi do a pre ga ção do pro
fe ta Jo nas (Jn. 3.1-10).
4) O te mor do Se nhor é a sa be do ria, e apar tar-se do mal é a in te li gên cia
(Jó 28.28). Ter um co ra ção sá bio e apar tar-se do mal, são si na is cla ros de um
avi - va men to pes so al.
5) Em Êx. 20.18, está es cri to que, após o povo ou vir as pa la vras do Se nhor
no Mon te Si nai em chamas, o arra i al se es tre me ceu, e Mo i sés dis se ao
povo: “Não te ma is; Deus veio para vos pro var e para que o seu te mor es te ja
di an te de vós, a fim de que não pe que is”.
4. “NA IRA LEMBRA-TE DA MISERICÓRDIA”
1) A mi se ri cór dia de Deus é o quar to se gre do de um avi va men to (Lm.
3.22).
2) Todo avi va men to ocor ri do atra vés da his tó ria é obra da mi se ri cór dia
Di vi na. Em 2Cr. 30.9, o pró prio rei Eze qui as re co nhe ceu isso, dizen do:
“Por que, em vos con ver ten do ao Se nhor, vos sos ir mãos e vos sos fi lhos
acha rão mi se ri cór dia pe ran te os que os le va ram ca ti vos e tor na rão a esta
ter ra; por que o Se - nhor, vos so Deus, é pi e do so e mi se ri cordi o so e não
des vi a rá de vós o ros to, se vos conver ter des a Ele”.
3) O pró prio avi va men to em Ní ni ve, foi uma obra da mi se ri cór dia e com
pai xão Di vi na (Jn. 3.10 e 4.10-11).
4) Avi va men to, é o trans bor dar da mi se ri córdia di vi na so bre nos sas vi
das, pois, o avi va men to sempre acon te ce, quando o povo está na sua pior con
di ção es - pi ri tu al (Lm. 5.21).
5) Em JL. 2.13, está es cri to: “Ras gai o vos so cora ção, e não as vos sas ves
tes, e con ver tei-vos ao Se nhor, vos so Deus, por queEle é mi se ri cor di o so, e
com pas - si vo, e tar dio em irar-se, e gran de em be nig ni da de, e se ar re pen
de do mal”.

CONCLUSÃO: Para o teó lo go Ja mesBu cha nan: “Um avi va men to da re li


gião, con - sis te em nova vida es pi ri tu al trans mi ti da aos mor tos e de nova
sa ú de es pi ri tu al trans mi ti da aos vi vos”.
Esbo ço 205 – Dia 23 de Julho
Tema: ANDANDO NAS ALTURAS

O Se nhor Deus é a mi nha for ta le za, e faz os meus pés como os da cor ça, e
me fará an dar so bre as minhas altu ras. Hc. 3.19

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, o pro fe ta Ha ba cu que de cla ra o Se


nhor como a sua For ta le za, e usa a fi gu ra da cor ça para iden ti fi car a fir me
za dos seus pés em an dar so bre a ro cha, e so bre os al tos mon tes. Assim, o Se
nhor fir ma os nos sos pés so bre a ro cha, e não nos de i xa tro pe çar. O Se nhor
nos faz ca mi nhar nos mais al - tos pi cos da nos sa vida so ci al, fa mi li ar,
financeira, ministerial e espiritual.

1. AS LIÇÕES ESPIRITUAIS DA CORÇA

1) A cor ça ou cer va, é uma es pé cie de an tí lo pe que, se tornou co nhe ci da


nas Escri tu ras, como um ani mal ver sá til e de mu i ta ha bi li da de nos pés
para ca mi nhar so bre a ro cha, e pode es ca lar os mais al tos picos das mon ta
nhas com fir - me za, e sem tro pe ça rem os seus pés.

2) Em 2Sm. 22.34, Davi dis se: “Ele deu a meus pés a li ge i re za das cor ças e
me fir mou nas mi nhas al tu ras”.

3) Em Hc. 3.19, o pro fe ta Ha ba cu que re pe te o exem plo de Davi, dizen do:


“O Se - nhor é a mi nha For ta le za, e faz os meus pés como os da cor ça, e me
fará an - dar so bre as mi nhas al tu ras”.

4) No SL. 42.1, está es cri to: “Como sus pi ra a cor ça pe las cor ren te das
águas, as - sim, por ti, ó Deus, sus pi ra a mi nha alma”.
2. A FIRMEZA QUE DEVEMOS TER NOS NOSSOS PÉS

1) O gran de exem plo da cor ça é a fir me za dos seus pés. No SL. 31.8, Davi
agra - de ceu ao Se nhor, di zen do: “E não me en tre gas te nas mão do ini mi
go; fir mas - te os meus pés em lu gar es pa ço so”.

2) No SL. 121.3, está es cri to: “Ele não per mi ti rá que os teus pés va ci lem;
não dor mi ta rá Aque le que te guar da”.
3) No SL. 66.9, está es cri to que o Se nhor “Pre ser va com vida a nos sa alma e
não per mi te que nos res va lem os pés”.
4) No SL. 119.105, está es cri to: “Lâm pa da para os meus pés é a tua Pa la vra e
luz, para os meus ca mi nhos”.

CONCLUSÃO : Por mais alta que seja a po si ção que o Senhor nos co lo car, ja
ma is de ve mos de i xar o or gu lho to mar con ta do nos so co ra ção. Pois,se as
sim fi zer mos, o Se nhor fir ma rá os nos sos pés na Ro cha, e nos fará an dar
com fir me za nos de gra us mais ele va dos da nos sa vida ter re na (SL. 60.12).

XXXVI – ESBOÇOS EM SOFONIAS


Esbo ço 206 – Dia 24 de Julho
Tema: O GRANDE DIA DO SENHOR
Está per to o gran de dia do Se nhor; está per to e mu i to se apres sa. Aten ção!
O Dia do Se nhor é amar go, e nele cla ma até o ho mem po de ro so. Sf. 1.14

INTRODUÇÃO : A descri ção que o pro fe ta So fo ni as faz do Dia do Se nhor,


é sem dú vi da, uma das des cri ções pro fé ti cas mais ater rado ras dos pro fe tas
do Anti go Tes ta men to. A ma i o riados pro fe tas li te rá rios da Anti ga Ali an
ça, se em pe nha ram for te - men te em anun ci ar o Gran de Dia do Se nhor. E,
So fo ni as des cre ve em vivas co res este gran de e ter rí vel Dia.

1. O DIA “D” DA HISTÓRIA MUNDIAL

1) Os his to ri a do res de ram o nome de dia “D”, o dia em que hou ve a ex plo
são da bom ba atô mi ca em Hi ros hima e Na ga za ki (Ja pão), por oca sião da
Se gun da Gu er ra Mun di al. Po rém, o gran de Dia “D” da His tó ria Uni ver
sal, será o Gran de e Ter rí vel Dia do Se nhor.

2) O pro fe ta Isa ías dis se que: “A ar ro gân cia do ho mem será aba ti da, e a
sua al ti - vez será hu mi lha da; só o Se nhor será exal ta do na que le dia” (Is.
2.17).

3) O pro fe ta Joel dis se que: “O Dia do Se nhor vem, já está pró xi mo” (JL.
2.1).
4) O pro fe ta Oba di as disse que: “O Dia do Se nhor está pres tes a vir so bre to
das as na ções.” (Ob.1.15).
5) O pro fe ta Ma la qui as cha ma este Dia de: “O gran de e ter rí vel Dia do Se
nhor” (ML. 4.5).
2. O DIA DE CRISTO E O DIA DE DEUS

1) Alguns teó lo gos afir mam que, o Dia do Se nhor, tan to pode se re fe rir a um
gran depe río do es ca to ló gico sem tem po de ter mi na do; como pode se re fe
rir a um dia da His tó ria Uni ver sal que será pro lon ga do, a fim de que os ju í
zos Di vi - nos se jam con su ma dos (Zc. 14.6-7).

2) Em Fp. 1.6, Pa u lo se re fe re ao “Dia de Cris to Je sus”. E, em Fp. 1.10, ele


vol ta a se re fe ir ao “Dia de Cris to”. Em 2Pd. 3.12, Pe dro se re fe re ao “Dia
de Deus”. Para al guns es tu di o sos, o “Dia de Cris to”, pode se re fe rir ao Dia
do Arre ba ta - men to da Igre ja (l Ts. 4.16); e, o “Dia de Deus”, pode se re fe rir
ao gran de “Dia de Juí zo” (2Pd. 2.4,9; Jd.1.6 e Ap. 20.11-15).

3) Em Ap. 16.14, O após to lo João fala do “gran de Dia do Deus Todo-Po de ro


so”.

4) O pro fe ta Amós afir ma que, o Dia do Se nhor “É dia de trevas e não de luz”
(Am.5.18). Para os ím pi os será dia de tre vas; po rém, para os jus tos será dia
de luz.

5) Em 1Ts. 5.5, Pa u lo afir ma que, nós so mos “filhos da luz e fi lhos do dia;
nós não so mos da no i te, nem das tre vas”. Ale lu ia!

CONCLUSÃO : Pre ci sa mos an dar nes te mun do em cons tan te vi gi lân cia;
pois, a pa la vra de Deus traz um gran de aler ta aos pró pri os sal vos, dizen do:
“Mas vós, ir mãos, não es te ja is em tre vas, para que esse Dia como la drão vos
apa nhe de sur pre sa” (1Ts. 5.4). Que o Se nhor nos guar de!

Esbo ço 207 – Dia 25 de Julho


Tema: SETE PRIORIDADES QUE DEVEMOS BUSCAR Bus cai o Se nhor,
vós to dos os man sos da ter ra, que cum pris o seu ju í zo; bus cai a jus ti ça, bus
-cai a mansi dão; por ven tu ra, lo gra re is es con der-vos no dia da ira do Se nhor. Sf. 2.3

INTRODUÇÃO: A Bí blia es ta bele ce al gu mas pri o ri da des em nos sas vi


das. O pró prio Je sus es ta be le ceu uma es ca la de va lo res que
vida co ti di a na. Por isso, gos ta ria de nu me rar, pelo
de vem ser pro ri tá ri os em nos sa me nos, sete pri o ri da des que de -

ve mos bus car: O Re i no de Deus, a Jus ti ça, a Man si dão, a Paz, o Li vro do
Senhor, o Bem, e as Coisas que são do Alto.
1. BUSCAI O REINO DE DEUS

1) Na lis ta de nos sas pri o ri da des, o Re i no de Deus deve es tar em pri me i


ro lu gar. Pois, o pró prio Je sus afir mou: “Mas bus cai pri me i ro o Rei no de
Deus, e a sua jus ti ça, e to das es sas co i sas vos se rão acres cen ta das” (Mt.
6.33).

2) Bus car o Re i no de Deus, sig ni fi ca bus car o pró prio Se nhor. Ele é o Se
nhor do Re i no que bus ca mos. O Se nhor deve sem pre ocu par o pri me i ro lu
gar em nos - sas vi das. Aqui neste tex to de Sf. 2.3, bus car ao Se nhor apa re ce
em pri me i ro lu gar.

3) Em Is. 55.6, está es cri to: “Bus cai ao Se nhor en quan to se pode achar, in vo
cai-o en quan to está perto”.
2. BUSCAI A JUSTIÇA

1) A se gun da pri o ri dade é a Jus ti ça. A Jus ti ça, como tudo aqui lo que é jus
to, cor re to, di re i to pro cu rar fa zer as co i sas que são jus tas, cor re tas, e ver
da de iras. Em Dt. 16.20, está es cri to: “A jus ti ça se gui rás, so men te a jus ti
ça, para que vi vas e pos su as em he ran ça a ter ra que te dá o Se nhor, teu
Deus”.

2) Nes te tex to de Sf. 2.3, bus car a jus ti ça apa re ce em se gun do lu gar, na lis
ta de nos sas pri o ri da des.

3) Em Pv. 15.9, está es cri to que, o Se nhor “ama o que se gue a jus ti ça”. no
con ce i to bí bli co, é de fi ni da e ver da de i ro. De ve mos sem pre

3. BUSCAI A MANSIDÃO

1) A ter cei ra pri o ri dade é a Man si dão. A man si dão (GL. 5.22). A man si
dão pode ser de fi ni da como: do le pa cí fi ca. Uma pes soa que pri o ri za a
man si dão, não anda no meio de con - fu são, e pro cu ra sem pre vi ver de modo
pa cí fi co.

2) Em Mt. 11.29, Je sus nos con vi da a apren der mos a man si dão, di zen do:
“Apren dei de mim, por que sou man so e hu mil de de co ra ção; e acha re is des
- can so para a vossa alma”.

3) Em CL. 3.10, está escri to que de ve mos nos re ves tir “como ele i tos de
Deus, de bon da de, de hu mil da - san tos e ama dos, de ter nos afe tos de mi se
ri cór dia,

de, de man si dão, de longa ni mi da de”.


4. BUSCAI A PAZ

1) A quar ta pri o ri da de é a Paz. A paz é si nô ni mo de ple ni tu de e fir me za.


É a sen sa ção de tran qui li da de é um dos fru tos do Espí ri to Bran du ra, se re
ni da de, e ín -

tran qui li da de, har mô nia, e har mô nia no re la ci o na - men to com Deus e
com os ho mens. Em 1Pd. 3.11, está es cri to: “Apar te-se do mal e faça o bem;
bus que a paz e siga-a”.

2) Em Rm. 12.18, está es cri to: “Se pos sí vel, quan do de pen der de vós, ten de
paz com to dos os ho mens”.
3) Em Hb. 12.14, está es cri to: “Se gui a paz com to dos e a san ti fi ca ção, sem
a qual nin guém verá o Se nhor”.

5. BUSCAI O LIVRO DO SENHOR


1) A quin ta pri o ri da de é o Li vro do Se nhor. Em Is. 34.16, está es cri to: “Bus
cai no Li -

vro do Se nhor e lede”. O Li vro do Se nhor é a sua pró pria Pa la vra Escri ta
(1Jo. 5.7).

2) Em Js. 1.8, está es cri to: “Não ces ses de fa lar do Li vro da Lei; an tes, me di
ta nele dia e no i te, para que te nhas cu i da do de fa zer se gun do tudo quan to
nele está es cri to; en tão, fa rás pros pe rar o teu ca mi nho e se rás bem su ce di
do”.

3) Em Jo. 5.39, Je sus dis se: “Exa mi nai as Escri tu ras, por que jul ga is ter ne
las a vida eter na, e são elas mes mas que tes ti fi cam de mim”.
6. BUSCAI O BEM
1) A sex ta pri o ri da de é o Bem. Em Am. 5.14, está es cri to: “Bus cai o bem e
não o mal, para que vi va is; e, as sim, o Se nhor, o Deus dos Exér ci tos, es ta rá
con vos - co, como di ze is”. O bem re pre sen ta tudo aquilo que é bom e mo ral.
2) No SL. 34.14, está es cri to: “Apar ta-te do mal e prá ti ca o que é bom; pro cu
ra a paz e em pe nha-te por al can çá-la”.
3) Em GL. 6.9, está es cri to: “E não nos can se mos de fa zer o bem, por que a
seu tem po ce i fa re mos, se não des fa le cer mos”.

7. BUSCAI AS COISAS LÁ DO ALTO

1) A sé ti ma prio ri da de são as co i sas lá do alto. Em CL. 3.1, Pa u lo nos acon


se lha, di zen do: “Bus cai as co i sas lá do alto, onde Cris to vive, as sen ta do á
di re i ta de Deus”. O fato de re la ci o nar mos es tas sete pri o ri da des, não sig
ni fi ca que, de - ve mos obe de cer mos esta or dem. Na es ca la de pri o ri da
des, Je sus ci tou ape nas as duas prin ci pa is pri o ri da des: O Re i no de Deus e
a Jus ti ça (Mt. 6.33). Após es tas duas pri o ri da des; as de ma is obe de ce rão a
or dem que o pre ga dor es ta - be le cer para pre gar.

2) Em Lc. 10.38-42, Je sus ob ser vou duas mu lhe res: Mar ta e Ma ria. Duas
men - tes, duas pre o cu pa ções: Ma ria apren den do aos pés de Cris to, e pre o
cu pa da com as co i sas do céu; e, Mar ta, ex tre ma men te ocu pa da com os afa
ze res ma - te ri a is, e pre o cu pa da com as co i sas ter re nas.

3) Em CL. 3.2, está es cri to: “Pen sai nas co i sas lá do alto, não nas que são
aqui da ter ra”. Na re a li da de, a Igre ja do Se nhor ca mi nha com duas per nas:
uma per - na es pi ri tual, e ou tra per na ma te ri al. Não de ve mos ra di ca li zar,
nem uma e nem a outra. Há tem po para todo o pro pó si to de ba i xo do céu (Ec.
3.1).

CONCLUSÃO : O ho mempos sui o li vre-ar bítrio para es ta be lecer a es ca la


de va lo - res que ele quiser em sua vida; não es que cen do que, o Re i no de
Deus e a sua Jus ti ça de vem sem pre ocu par a pri ma zia na sua vida. Quem
bus ca ao Se nhor e a sua Jus ti - ça, já es ta rá bus can do di re ta e in di re ta
men te, a Man si dão, a Paz, o Li vro do Se nhor, o Bem, e as Coisas lá do Alto.
Buscai ao Senhor!

XXXVII – ESBOÇOS EM AGEU


Esbo ço 208 – Dia 26 de Julho
Tema: A GLÓRIA DA ÚLTIMA CASA

A gló ria des ta úl ti ma casa será ma i or do que a da pri me i ra, diz o Se nhor
dos Exér ci tos; e, nes te lu gar, da rei a paz, diz o Se nhor dos Exér ci tos. Ag.
2.9
INTRODUÇÃO: O pro fe ta Ageu vi veuno pe río do pós-ca ti ve iro, em que
os Ju de us co me ça ram a re gres sar para Je ru sa lém; e, cou be a ele in cen ti
var o povo na re cons tru ção do Tem plo do Se nhor. Alguns Ju de us, ao ve rem
a in fe ri o ri da de do se gun do Tem plo em re la ção ao pri me i ro Tem plo, se
en tris te ce ram. Po rém, o Se nhor lhes fez esta pro mes sa que, a gló ria da úl ti
ma casa será ma i or do que a da pri me i ra.

1. O MELHOR DE DEUS AINDA ESTÁ POR VIR

1) Deus tem sem pre o me lhor para o seu povo. O povo ha via fi ca do tris te por
ca u sa da in fe ri o rida de da se gun da casa, com pa ra da a be lis sí ma Casa
cons tru í - da por Sa lo mão (2Cr. 2.5). Entre tan to, o Se nhor tran qui li zou ao
povo que, o me lhor ain da es ta va por vir. A gló ria da últi ma Casa se ria bem
ma i or do que a que Sa lo mão cons truiu (2Co. 3.8).

2) Em Jó 8.7, está escri to que: “O teu prime i ro es ta do, na ver da de, terá sido
pe que no, mas o teu úl ti mo cre ce rá so bre ma ne i ra”.
3) Em Is. 1.19, está es cri to: “Se qui ser des e me ou vir des, co me re is o me
lhor des - ta ter ra”.
4) Em Ec. 7.8, está es cri to que: “Me lhor é o fim das co i sas do que o seu prin
cí - pio”.

2. DEUS DESEJA O PROGRESSO DO SEU POVO

1) Deus sem pre fica con ten te com o pro gres so do seu povo. No SL. 35.27,
está es cri to: “Glo ri fi ca do seja o Se nhor, que se ser vo!” Deus é glo ri fi ca
do, quan do os seus com praz na pros pe ri da de do seu ser vos pro gri dem e
pros pe ram.

2) Em Jó 17.9, está escri to que: “O jus to se gue o seu ca mi nho, e o puro de


mãos cres ce mais e mais em for ça”.
3) No SL. 84.7, está es cri to que: “Vão indo de for ça em for ça; cada um de les
apa - re ce di an te de Deus em Sião”.
4) Em Pv. 4.18, está escri to que: “A ve re da dos jus tos é como a luz da au ro ra,
que vai bri lhan do mais e mais até ser dia per fe i to”. Gló ri as a Deus!

CONCLUSÃO: A gló ria da úl ti ma casa será ma i or do que a da prime i ra,


por que, o nos so Deus “é Po de ro so para fa zer tudo mu ito maisabun dan te
men te além da qui lo que pe di mos ou pen sa mos, se gun do o po der que em
nós ope ra” (Ef. 3.20). Ale lu ia!
XXXVIII – ESBOÇOS EM ZACARIAS
Esbo ço 209 – Dia 27 de Julho
Tema: O SENHOR REJEITA A ACUSAÇÃO DO DIABO

Mas o Se nhor dis se a Sa ta nás: O Se nhor te re pre en de, ó Sa ta nás; sim, o Se


nhor, que es - co lheu a Je ru sa lém, te re pre en de; não é este um ti ção ti ra do
do fogo? Zc. 3.2

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der que, o Se nhor
não ace i - ta e nem ad mi te a acu sa ção di fa ma do ra de Sa ta nás. O
um ele i to do Se nhor den tre os re ma nes cen tes tra zi dos
sumo sa cer do te Jo sué era de vol ta da Ba bi lô nia; ou

seja, um ti ção ti ra do do fogo do ca ti ve i ro. Assim tam bém, o Se nhor pro te


ge e de - fen de os seus ser vos fiéis que já ex pe ri men ta ram o fogo da pro va
ção, e ga ran te a sua vi tó ria con tra o Ini mi go acu sa dor.

1. O SENHOR É A NOSSA DEFESA CONTRA O INIMIGO

1) De acor do com este tex to de Zc. 3.1-2, Sa ta nás apa re ceu para acu sar o
sumo sa - cer do te Jo sué. O Di a bo é co nhe cido nas Escritu ras como o acu sa
dor dos ir mãos (Ap. 12.10). Po rém, o Se nhor não ace i tou a acu sa ção de Sa
ta nás, e o re pre en deu.

2) Ape sar de Sa ta nás ser o pro mo tor de acu sa ções con tra os ser vos de
Deus, ele não con se gue ne nhuma li minar con tra nós, pois “Te mos um Advo
ga do para com o Pai, Je sus Cris to, o Jus to” (1Jo. 2.1).

3) Em Zc. 2.5, o Se nhor já ha via pro me ti do ser um muro de fogo em re dor


do seu povo.
4) Em Ap. 12.10, está es cri to que: “Foi ex pul so o acu sa dor de nos sos ir
mãos, o mes mo que os acu sa de dia e de no i te”.
5) Em Is. 59.19, está es cri to que: “vin do o ini mi go como uma cor ren te de
águas, o Espí ri to do Se nhor ar vo ra rá con tra ele a sua ban de i ra”. Ale lu ia!

2. O SENHOR JESUS CRISTO É O NOSSO INTERCESSOR

1) Je sus Cris to é o nosso Advo ga do por Exce lên cia. Ele é o nos so Grande
Inter ces - sor. Em Lc. 22.31-32, Je sus dis se a Si mão Pe dro: “Si mão, Si mão,
eis que Sa ta nás vos re cla mou para vos pe ne i rar como o tri go! Eu, po rém,
ro guei por ti, para que a tua fé não des fa le ça; tu, pois, quan do te con ver te
res, for ta le ce os teus ir mãos”.

2) Em Hb. 4.14-16, está es cri to que, te mos a Je sus Cris to como Gran de
Sumo Sa cer do te que se com pa de ce de nós, e pode sem pre nos ga ran tir o so
cor ro em tem po opor tu no.
3) Em Tg. 4.7, está es cri to: “Su je i tai-vos, por tan to, a Deus; mas re sis ti ao
di a bo, e ele fu gi rá de vós”.
4) Em 1Jo. 5.18, está escri to que: “Todo aque le que é nas ci do de Deus não
vive em pe ca do; an tes, Aque le que nas ceu de Deus o guar da, e o Ma lig no
não lhe toca”.
5) Em Rm. 8.33-34, está escri to: “Quem in ten ta rá acu sa ção con tra os ele i
tos de Deus? É Deus quem os jus ti fi ca. Quem os con de na rá? É Cris to Je sus
quem mor reu ou, antes, quem res sus ci tou, o qual está á di re i ta de Deus e
tam bém in ter ce de por nós”.

CONCLUSÃO : Em 2Sm. 22.1-3, está es cri to que, no dia em que o Se nhor o


li vrou da mãos de to dos os seus ini mi gos e das mãos de Saul, Davi agra de
ceu ao Se nhor, di zen do: “O Se nhor é o meu Ro che do, e o meu Lu gar For te,
e o meu Li ber ta dor. Deus é o meu Ro che do, e nele con fi a rei; o meu Escu
do, e a For ça da mi nha sal va - ção, e o meu Alto Re ti ro, e o meu Re fú gio. Ó
meu Sal va dor, de vio lên cia me sal vas - te”. O Se nhor é a nos sa For te De fe
sa contra os nos sos ini mi gos.

XXXIX – ESBOÇOS EM MALAQUAIS


Esbo ço 210 – Dia 28 de Julho
Tema: DIFERENTE PARA FAZER A DIFERENÇA Então, ve re is ou tra vez a
di fe ren ça en tre o jus to e o ím pio; en tre o que ser ve a Deus e o quenão o ser ve.
ML. 3.18

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der que, nós fo mos
cha ma - dos, para fa zer mos a di fe ren ça no meio de uma ge ra ção cor rom pi
da e per ver sa. Pois, é o pró prio Se nhor que es ta be le ce a di fe ren ça que exis
te en tre o jus to e o im - pío; en tre o que ser ve a Deus e o que não o ser ve.
1. O POVO DE DEUS É DIFERENTE DO POVO DO MUNDO
1) Na Anti ga Ali an ça, o Se nhor esco lheu o povo de Isra el para ser di fe ren
te dos

de ma is po vos da ter ra (Êx. 19.4-6). Na Nova Alian ça, o Se nhor es co lheu a


sua Igre ja, a qual é cons ti tu í da de to dos os po vos, ra ças, lín guas e nações
que crê em em Je sus Cris to como o Fi lho de Deus, para fa ze rem a di fe ren ça
como luz do mundo e sal da ter ra (Mt. 5.13-16 e GL. 3.26-29 e 1Pd. 2.9-10).

2) Em Êx. 8.23, o pró prio Se nhor de i xou cla ro a Fa raó que, o seu povo é di
fe ren te do povo pa gão, dizen do: “Fa rei dis tin ção en tre o meu povo e o teu
povo”.
3) Na Nova Alian ça, a Igreja do Se nhor é reco nhe ci da pe las Escri tu ras
como o “Isra el de Deus” (GL. 6.16).
4) Em Tt. 2.14, está es cri to que, a Igre ja do Se nhor é um povo ex clu si va
men te seu, es pe ci al, e ze lo so de boas obras.
5) Nós também, fo mos cha ma dos para fa zer mos a dife ren ça em meio a ge ra
ção per ver sa e cor rom pi da em que vi ve mos, onde de ve mos res plan de cer
como as tros no mun do (Fp. 2.15).
6) Em 1Pd. 2.9-10, está es cri to que, nós so mos uma ge ra ção ele i ta, sa cer dó
cio real, na ção san ta, povo de pro pri e da de ex clu si va de Deus, a fim de pro
cla mar mos as vir tu des Da que le que nos cha mou das tre vas para a sua ma ra
vi lho sa luz.
2. HOMENS QUE FIZERAM A DIFERENÇA EM SUA GERAÇÃO
1) Eno que, fez a di fe ren ça em sua ge ra ção, por que an da va com Deus (Gn.
5.22-24). Eno que sim bo li za a Igre ja que anda com Deus, e será ar re ba ta da
ao en con tro do Se nhor.
2) José, fa zia a di fe ren ça em qual quer am bi en te que vi via, por que era um
ho - mem sá bio e aju i za do, que ti nha o Espí ri to de Deus, e o Se nhor era
com ele (Gn. 39.1-23 e Gn. 41.38-39).
3) Sa mu el, fez a di fe ren ça no meio de sua ge ra ção, por que era um ho mem
ho - nes to, e nin guém ti nha do que lhe acu sar (1Sm. 12.1-5).
4) Jó, era um ho mem sin ce ro, reto, te men te a Deus e que se des vi a va do
mal, e fez a di fe ren ça no meio de sua ge ra ção (Jó 1.1 e 42.7-10).
5) Da ni el,fez a di feren ça no meio da ge ra ção cor rom pida da Ba bi lô nia,
por queti - nha no seu co ra ção o pro pó si to bem de fi ni do de ser vir so men te
ao seu Deus (Dn. 1.8 e 6.1-5).
6) Algum tem po de po is, o pró prio Deus tes te mu nhou da di fe ren ça que es
tes três ho mens: Noé, Da ni el e Jó, fi ze ram em meio a ge ra ção que vi ve ram
(Ez. 14.14).
CONCLUSÃO : Um cer to pas tor nos contou que o cren te, em cer to sen ti do,
deve ser como as gar ças, que, ape sar de es ta rem pi san do na lama, suas pe nas
per ma ne - cem bran cas. Cal ça dos com os sa pa tos da pre pa ra ção do Evan
ge lho da paz, po de re - mos ca mi nhar nes te mun do sem se con ta mi nar com
ele (Ef. 6.15). Por isso, o Se nhor sem pre exi ge que o seu povo seja dife ren te
do mun do (2Co. 6.14-18).

XL – ESBOÇOS EM MATEUS
Esbo ço 211 – Dia 29 de Julho
Tema: O PRIMEIRO PASSO PARA SER CIDADÃO DO REINO DE DEUS
Arre pen dei-vos, por que está pró xi mo o re i no dos céus. Mt. 3.2

INTRODUÇÃO : O ar re pen di men to é o pri me i ro pas so para o ho mem se


tor nar um ci da dão do Re i no de Deus. O ar re pen di men to é a men sa gem
ini ci al do Novo Tes ta men to. João Ba tis ta, foi le van ta do por Deus para in
ter rom per o si lên cio pro fé ti co de cer ca de 400 (qua tro cen tos) anos, e eco
ou a sua voz no de ser to da Ju déia, di zen do: “Arre pen dei-vos, porque está
próximo o reino dos céus” (Mt. 3.2).

1 A NECESSIDADE DO ARREPENDIMENTO

1) To dos nós ne ces si ta mos de ar re pen di mento. O ho mem já nas ce com a


na tu - re za pe ca mi no sa her da da do pri me iro an ces tral da raça hu ma na;
e, por isso, quan do cres ce e atin ge a ida de da ra zão, pas sa a ne ces si tar de ar
re pen di men - to (SL. 51.5; Rm. 3.23; Rm. 5.12-21 etc.).

2) Em Mt. 4.17, o Se nhor Je sus Cris to deu se quên cia a men sa gem de ar re
pen di - men to pre ga da por João Ba tis ta, e pas sou a pre gar, di zen do: “Arre
pen dei-vos, por que está pró xi mo o re i no dos céus”.

3) Em Lc. 13.3, Je sus ad ver tiu a to dos, di zen do: “Eu vo-lo afi mo; se, po
rém, não vos ar re pen der des, to dos igual men te pe re ce re is”.
4) Em At. 3.19, o após to lo Pe dro pre gou com au to rida de, di zendo: “Arre
pen- dei-vos, pois, e con ver tei-vos, para que se jam apa ga dos os vos sos pe ca
dos, e ve nham, as sim, os tem pos do re fri gé rio pela pre sen ça do Se nhor”.

2. O ARREPENDIMENTO ABRE O CAMINHO PARA O PERDÃO DIVINO


1) O ar re pen dimen to é uma ati tu de fun da men tal para o dão Di vi no. O ar
re pen di men to é aque le sen ti men to de ter co me ti do pe ca do con tra Deus.
Po rém, Pa u lo afir ma Deus pro duz ar re pen di men to para a sal va ção, que a
nin guém traz pe sar. .” (2Co. 7.10).

2) O ar re pen di men to sin ce ro, vem sem pre acom pa nha do de que bran ta
men to es pi ri tu al, con ver são ge nu í na, e abre o ca mi nho para o per dão e a
mi se ri cór - dia Divi na (JL. 2.12-13).

3) Em 2Pd. 3.9, está escri to que o Se nhor “é longâ ni mo para convos co, não
que - ren do que ne nhum pe re ça, se não que to dos che guem ao ar re pen di
men to”.
4) O ar re pen di men to sin ce ro, e acom pa nha do de con ver são ge nu í na,
des via a ira Di vi na; e, atrai a com pa i xão do Se nhor (JL. 2.17-18 e Jn. 3.5-
10).

CONCLUSÃO : O ar re pen di men to é o pri me i ro pas so para o ho mem se


tor nar ci da dão do Re i no de Deus. E, o de se jo de Deus é que “to dos os ho
mens se jam sal vos e che guem ao ple no co nhe ci men to da ver da de” (1Tm.
2.4).
ho mem al can çar o per - tris te za e con vic ção por que “a tris te za se gun do

Esbo ço 212 – Dia 30 de Julho


Tema: A ARMA QUE JESUS USOU PARA VENCER O DIABO

A se guir, foi Je sus le va do pelo Espí ri to ao de ser to, para ser ten ta do pelo di
a bo. E, de po is de je ju ar qua ren ta dias e qua ren ta no i tes, teve fome. Então,
o ten ta dor, apro xi man do-se, lhe dis se: Se és Fi lho de Deus, man da que es
tas pe dras se trans for mem em pães. Je sus, po rém, res pon deu: Está es cri to:
Não só de pão vi ve rá o ho mem, mas de toda pa la vra que procede da boca de
Deus. Mt. 4.1-4

INTRODUÇÃO: A arma que Je sus usou para ven cer o Di a bo foi a Pa la vra
de Deus. As três ci ta ções bí bli cas que Jesus usou para ven cer o Ten ta dor,
foram ex tra í das do li vro de De u te ro nô mio (Dt. 8.3; Dt. 6.16 e Dt. 6.13). Je
sus desfe riu três gol pes no Ini mi go, usan do a “Espa da do Espí ri to, que é a
Pa la vra de Deus” (Ef. 6.17).

1. A PALAVRA DE DEUS É A ESPADA DO ESPÍRITO


1) Den tre as pe ças que com põe a ar ma du ra de Deus, a “Espa da do Espíri to,
que é a Pa la vra de Deus”, é a nossa arma de ata que con tra o Di a bo (Ef. 6.11-
17).
2) Em Dt. 32.41, o Se nhor mes mo diz: “Se Eu afi ar a mi nha es pa da re lu zen
te, e a mi nha mão exer ci tar o ju í zo, to ma rei vin gan ça con tra os meus ad
ver sá ri os e re tri bu i rei aos que me ode i am”.
3) Em Hb. 4.12, está es cri to que: “A Pa la vra de Deus é viva e efi caz, e mais
cor tan te do que qual quer es pa da de dois gu mes.”
4) Em Ap. 1.16, está es cri to que, da boca de Je sus Cristo “Saí-lhe uma afi a da
es - pa da de dois gu mes”.

2. DEVEMOS USAR A MESMA ARMA QUE JESUS USOU

1) Je sus usou a Espa da do Espí ri to, que é a Pa la vra de Deus, para ven cer o
Di a bo. Nós tam bém, de ve mos usar a Pa la vra de Deus para ven cer o Ma lig
no; pois, em 1Jo. 2.14, está escri to: “Jo vens, eu vos es cre vi, por que sois for
tes, e a Pa la vra de Deus per ma ne ce em vós, e ten des ven ci do o Ma lig no”.

2) No SL. 149.6, está es cri to: “Nos seus lá bi os es te jam os al tos lou vo res de
Deus, nas suas mãos, es pa da de dois gu mes”.
3) Em 2Co. 6.7, está es cri to que, de ve mos nos equipar: “Na pa la vra da ver da
de, no po der de Deus, pe las ar mas da jus ti ça, quer ofen si vas, quer de fen si
vas”.
4) Em 2Co. 10.4, está es cri to: “Por que as ar mas da nos sa mi lí cia não são car
na is, e sim po de ro sas em Deus, para des tru ir for ta le zas, anu lan do nós so
fis mas e toda al ti vez que se le van te con tra o co nhe cimen to de Deus, e le
van do ca ti vo todo pen sa men to à obe diên cia de Cris to”.

CONCLUSÃO : De ve mos nos re ves tir de toda ar ma du ra de Deus, para que


pos sa - mos re sis tir no dia mau e, de po is de ter mos ven ci do tudo, per ma ne
cer mos ina ba lá - ve is (Ef. 6.13).

Esbo ço 213 – Dia 31 de Julho Tema: O PARADOXO DA FELICIDADE

Ven do Je sus as mul ti dões, su biu ao Mon te, e, como seus dis cí pu los; e Ele
pas sou a en si na-los, di zen do: es pí ri to, por que de les é o re i no dos céus.
Bem-aven tu ra dos os que cho ram, por que se rão con so la dos. Bemaven tu ra
dos os man sos, por que her da rão a ter ra. Bemaven tu ra dos os que tem fome e
sede de jus ti ça, por que se rão far tos. Bem-aven tu ra dos os mi se ri cor di o
sos, por que al can ça rão mi se ricór dia. Bemaven tu ra dos os lim pos de co ra
ção, por que ve rão a Deus. Bem-aven tu ra dos os pa ci fi ca do res,
Bem-aven tu ra dos os per se gui dos por ca u sa
por que se rão cha ma dos fi lhos de Deus. da jus ti ça, por que de les é o re i no
dos céus.

Bem-aven tu ra dos sois quan do, por mi nha ca u sa, vos in ju ri a rem, e vos per
se gui rem, e, men tin do, dis se rem todo mal con tra vós. Re go zi jai-vos e exul
tai, por que é gran de o vos so ga lar dão nos céus; pois as sim per se gui ram os
pro fe tas que vi ve ram an tes de vós. Mt. 5.1-12

INTRODUÇÃO : O Ser mão das Bem-Aven tu ran ças, é, sem dú vi da, o mais
fa mo so ser mão de Je sus. Este fa mo so ser mão pro fe ri do do Mon te das Oli
ve i ras, é tam bém co nhe cido como o “Ser mão do Mon te”. Nes te ser mão, Je
sus es ta be lece o ver da de i- ro pa ra do xo da fe li ci da de. O ter mo “Bem-
aventu ra do”, sig ni fica “fe liz” ou “aben ço a do”. O pa ra do xo está no fato de
Je sus afir mar que, bem-aven tu ra dos ou fe li zes, são os que cho ram, os per se
gui dos por ca u sa da jus ti ça,e os in ju ri a dos e ca lu ni a dos in jus ta men te
(Mt. 5.4,10-11). So men te Je sus, pode tor nar o ho mem fe liz, em face das ad
ver si da des da vida.

1. O SIGNIFICADO DE CADA BEM-AVENTURADO


1) Nes te fa mo so Ser mão do Mon te, Je sus pro fe riu nove bem-aven turan ça;
e, cada uma des tasbem-aven tu ran ças nos en si namli ções es pi ri tu a is pro
fun das.

2) “Bem-aven tura dos os hu mil des de es pí ri to...” (Mt. 5.3). Os hu mil des de
es pí - ri to não são, ape nas as pes so as des pro vi das de bens mate ri a is; mas
sim, a hu mil da de que bro ta do co ra ção. É possí vel uma pes soa não ter mu i
tas posses, e ser ar ro gan te e so ber ba; e, tam bém, é pos sí vel al guém pos su
ir mu i tos re cur - sos e ser hu mil de de es pí ri to.

3) “Bem-aven tu ra dos os que cho ram...” (Mt. 5.4). Prin ci pal men te os que
cho - ram la men tan do os seus pró pri os pe ca dos (JL. 2.12-13 e 2.17-18).
Após o cho ro, sem pre vem a ale gria (SL. 30.5).

4) “Bem-aven tu ra dos os man sos...” (Mt. 5.5). Os man sos são os que
aprendem com Je sus e se sub me tem a von ta de de Deus (Mt. 11.29). Os man
sos sem pre re ce bem a pro mes sa de vida lon ga na ter ra (SL. 37.11).
5) “Bem-aven tu ra dos os que tem fome e sede de jus ti ça...” (Mt. 5.6). Os que
tem fome e sede de jus ti ça, não po dem ser confun di dos com as pes so as que
tem sede de vin ga ça, e gos tam de fa zer jus ti ça com as pró pri as mãos. Os
que tem fome e sede de jus ti ça, são; as pes so as que abo mi nam a in jus ti ça e
gos tam de fa zer o que é reto di an te dos olhos de Deus.

5)
se as sen tas se, apro xi ma ram-se os Bem-aven tu ra dos os hu mil des de

“Bem-ave n tu ra dos os mi se ri cordi o sos...” (Mt. 5.7). Os mi se ri cordi o sos


são pes so as sen sí ve is ao so fri men to dos ou tros, e que se com pa de cem
dos me nos favo re cidos.

6) “Bem-aven tu ra dos os lim pos de co ra ção...” (Mt. 5.8). Os limpos de co ra


ção, são as pes so as que de fen dem a san ti da de no seu ínti mo. São pu ras no
seu in te ri or, e se quer sus pe i tam mal das ou tras pes so as.

7) “Bem-aventu ra dosos pa ci fi ca do res...” (Mt. 5.9). Os pa ci fi ca do resnun


ca apa - re cem me ti do no meio de con fu são; eles des fru tam a paz de Cris to,
e ain da se me i am esta paz por onde pas sam.

8) “Bem-aven tu ra dos
se gui dos por ca u sa
os per se gui dos por ca u sa da jus ti ça...” (Mt. 5.10). Os per - da jus ti ça,são as
pes so as in de se ja das pe los que gos tam de

ser er ra dos. Qu an do você não ace i ta en trar no es que ma sujo das pesso as
de - so nestas, você co me ça a ser per se gui do por ca u sa da jus tiça.

9) “Bem-aven tura dos sois quan do, por mi nha ca u sa, vos in ju ri a rem, e vos
per se - gui rem, e, men tin do, dis se rem todo mal con tra vós” (Mt. 5.11). Os
per se gui - dos por ca u sa de Cristo, são as pes so as que so frem qual quer sa
cri fí cio para per ma ne cer den tro da von ta de de Deus. As pes so as que es tão
er ra das, gos - tam de ca lu ni ar os que tem vida lim pa, numa tenta ti va frus tra
da de se auto-jus ti fi car. Entre tan to, o jus to sem pre tri un fa ao fi nal de tudo
(SL. 37.29-40).

2. A FELICIDADE DOS QUE SERVEM AO SENHOR


1) Vale a pena ser vir com fi de li da de ao Se nhor. Pois, as pro mes sas de fe li
ci da de, são para as pes so as que ser vem a Deus com fide li da de.
) No SL. 128.1-6, está es cri to: “Bem-aven tu ra dos aque le que teme ao Se
2
nhor e anda nos seus ca mi nhos!.fe liz se rás, e tudo te irá bem”.
3) Em Pv. 29.18, está es cri to que: “O que guar da a lei, esse é fe liz”. 4) Em Pv.
3.13, está es cri to: “Fe liz o ho mem que acha a sa be do ria, e o ho mem que ad
qui re o co nhe ci men to”.

5) Em Pv. 14.21, está es cri to que: “O que se com pa de ce dos po bres esse é fe
liz”.
6) Em Pv. 28.14, está es cri to: “Fe liz o ho mem cons tan te no te mor de Deus”.
7) Em Pv. 8.34, está es cri to: “Fe liz o ho mem que me dá ou vi dos.. ”.

8) SL. 33.12, está es cri to: “Fe liz a na ção cujo Deus é o Se nhor, e o povo que
Ele es co lheu para sua he ran ça”.
9) Em ML. 3.12, está es cri to que: “To das as na ções vos cha ma rão fe li zes,
por que vós se re is uma ter ra de le i to sa, diz o Se nhor dos Exér ci tos”.

CONCLUSÃO : O pa ra do xo da fe li ci da de, sig ni fi ca, ser fe liz, mes mo


em meio as ad ver si da des,lu tas e per se gui ções so fri das nes ta vida. Pois, a
ver da de i ra fe li ci da de sem pre está no ho mem co nhe cer a Deus, e pro var
que “O Se nhor é Bom; bem-aven - tu ra do o ho mem que Nele se re fu gia”
(SL. 34.8).

Esbo ço 214 – Dia 01 de Agos to


Tema: O CRISTÃO SAL E LUZ

Vós sois o sal da ter ra. Vós sois a luz do mun do. Assim bri lhe tam bém a vos
sa luz di an te dos ho mens, para que ve jam as vos sas boas obras e glo ri fi
quem a vos so Pai que está nos céus. Mt. 5.13-16

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre a im por
tân cia do pa - pel do Cristão nes te mun do, como sal da ter ra e luz do mun do.
O sal é símbo lo de con - ser va ção e pre ser va ção. O sal é que dá sa bor aos ali
men tos. Este mun do ain da é pre ser va do, por ca u sa da Igre ja de Cristo na
ter ra. A luz é sím bo lo de vida, de escla re - ci men to, e o an tí do to con tra a
es cu ri dão, e as tre vas. A Igre ja bri lha nes te mun do de tre vas. A luz de
Cristo que se re fle te na sua Igre ja, se tor na um fa rol que ilu mi na o mun do in
te i ro.

1. A IMPORTÂNCIA DO SAL NAS ESCRITURAS


1) Re co nhe cen do a im portân cia do sal para dá sa bor aos ali mentos, o pa
triar ca Jó , faz a se guin te per gun ta: “Co mer-se-á sem sal o que é in sí pi do?
Ou ha ve rá sa bor na cla ra do ovo?” (Jó 6.6). Ouvi al guém dizer de de ter mi
na da pes soa, o se guin te: “fu la no não tem sal e nem açu car”; ou seja, é uma
pes soa que não é sal ga da e nem doce. É uma espé cie de pes soa in sí pi da,
que não tem sa bor e nem graça. Po rém, o Cris tão pre ci sa ser sal ver da de i ro
e de boa qua li da de.

2) Em Lv. 2.13, está escri to: “Toda ofer ta dos teus man ja res tem pe ra rás com
sal; á tua ofer ta de man ja res não de i xa rás de fal tar o sal da ali an ça do teu
Deus; em to das as tuas ofer tas apli ca rás sal”. Por três ve zes, é re co men da
do o sal nas ofer tas dos fi lhos de Israel ao Se nhor.

3) Em Nm. 18.19, a Bí blia fala de “ali an ça per pé tua de sal pe ran te o Se


nhor”. Os ori en ta is ti nham por cos tu mera ti fi car as suas pro mes sas e ali
anças, por meio de pre sen tes de sal. Para eles, o sal é o em ble ma da pre ser va
ção, da cons tân - cia e da fi de li da de. Uma ali an ça fe i ta, não po dia em hi pó
te seal gu ma ser que - bra da.

4) Em 2Cr. 13.5, Abi as, rei de Judá afir mou que, a ali an ça fe i ta en tre o Se
nhor e Davi, e a sua des cen dên cia, era uma “alian ça de sal”. O “sal”, aqui, tem
o sen ti do de per pe tu i da de.

5) Em Mc. 9.50, Jesus dis se: “Ten de sal em vós mes mos e paz uns com os ou
tros”.
6) Em CL. 4.6, está es cri to: “A vos sa pa la vra seja sem pre agra dá vel, tem pe
ra da com sal, para sa ber des como de ve is res pon der a cada um”.

2. A IMPORTÂNCIA DA LUZ NAS ESCRITURAS

1) A Bí blia é o Li vro da Luz. Do Gê ne sis ao Apo ca lip se, as Escri tu ras Sa


gra das des ta cam a gran de im por tân cia da luz. Em Jo. 8.12, Jesus dis se: “Eu
sou a luz do mun do; quem me se gue não an da rá nas tre vas; pelo con trá rio,
terá a luz da vida”. O que Je sus dis se ser, é o mes mo que Ele de se ja que, a sua
Igre ja seja (Mt. 5.14 e Jo. 8.12).

2) Em Jo. 9.5, Jesus vol tou a di zer: “Enquanto es tou no mun do, Sou a luz do
mun do”. Enquan to a Igre ja do Se nhor es ti ver na ter ra, ela con ti nu a rá bri -
lhan do como luz do mun do (Ef. 5.8).
3) A Igre ja do Se nhor é o Casti çal de Ouro, que, bri lha e ilumi na este mun do
de tre vas (Ap. 1.20).

4) Em Fp. 2.15, Pa u lo afir ma que, de ve mos ser “ir re pre en sí ve is e sin ce


ros, fi lhos de Deus in cul pá ve is no meio de uma ge ra ção per ver ti da e cor
rup ta, na qual res plan de ce is como lu ze i ros no mun do”.

5) Em 1Ts. 5.5, Pa u lo es cre ve, di zen do: “Por quan to vós to dos sois filhos da
luz e fi lhos do dia; nós não so mos da no i te, nem das tre vas”.

6) Em 1Pd. 2.9, está es cri to: “Vós, po rém, sois raça ele i ta, sa cer dó cio real,
na ção san ta, povo de pro pri e da de ex clu si va de Deus, a fim de pro cla mar
des as vir - tu des da que le que vos cha mou das tre vas para a sua ma ra vi lho
sa luz”.

CONCLUSÃO : A Igre ja nun ca deve se es que cer de re pre sen tar bem a Cris
to nes ta ter ra. Ele nos con fi ou a respon sa bi li da de de ser mos sal da ter ra e
luz do mun do. O pe ca dor pre ci sa en con trar sa bor na Igre ja de Cris to, e per
ce ber a for te in fluên cia da sua luz.

Esbo ço 215 – Dia 02 de Agos to


Tema: OS TRÊS SEGREDOS DE UMA ORAÇÃO EFICAZ Pedi, e dar-se-vos-
à; bus cai e acha re is; ba tei, e abrir-se-vos-à. Pois todo o que pede re ce be; o que
bus ca en con tra; e, a quem bate, abrir-se-lhe-à. Mt. 7.7-8

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, Je sus nos en si nou os três se gre dos
de uma ora ção efi caz: Pe dir, Bus car, e Ba ter. Pre ci sa mos apren der a con ju
gar es tes três ver - bos na ora ção. Pe dir, fala de ne ces si da de. Só pede quem
ne ces si ta de al gu ma co i sa. Bus car, fala do es for ço para se al can çar o ob
je ti vo. Bus car, é mais do que pe dir; é você cor rer atrás do seu ob je ti vo. Ba
ter, fala de in sis tên cia, e per se ve ran ça. Ba ter, é mais ain da do que pe dir, e
bus car. Ba ter, é lu tar pelo ob je ti vo até o fim. Ba ter, é nun ca de sis tir dos
seus so nhos.

1. O SEGREDO DE PEDIR

1) O pri me i ro se gre do de uma ora ção efi caz, é pe dir. Em Jo. 16.24, Je sus
dis se: “Até ago ra nada ten des pe di do em meu Nome; pedi e re ce be re is,
para que a vos sa ale gria seja com ple ta”.
2) Em Tg. 4.2, Tia go diz: “Nada ten des, por que não pe dis.. ”. Tia go ain da
nos diz, que, os nos sos pe di dos de vem ser fe i tos com sa be do ria, e em nada
du vi dan do (Tg. 1.5-6).

3) Em 1Jo. 5.14, está escri to: “E esta é a con fi an ça que te mos para com Ele:
que, se pe dir mos al gu ma co i sa se gun do a sua von tade, Ele nos ouve”. 2. O
SEGREDO DE BUSCAR

1) O se gun do se gre do de uma ora ção efi caz, é bus car. Em Lc. 18.1, Je sus
nos en - si nou so bre o de ver de orar sem pre e nun ca es mo re cer. O re ca do
de Je sus, é que de ve mos bus car in ces san te men te.

2) Em 1Ts. 5.17, Pa u lo nos acon se lhou, dizen do: “Orai sem ces sar”.
3) Em Jr. 29.13, o pró prio Se nhor nos re ve lou o se gre do da vi tó ria, di zen
do: “Bus car-me-eis e me acha re is quan do me bus car des de todo o vos so co
ra ção”.

3. O SEGREDO DE BATER

1) O ter ce i ro se gre do de uma ora ção efi caz, é ba ter. Em Lc. 11.5-8, Je sus
nos en si - nou atra vés da Pa rá bo la do Ami go Importu no so bre a im portân
ciade se in sis tir e ba ter. O ami go im por tu no in sis tiu, per se ve rou, e ba teu,
até a por ta se abrir. Gló ri as a Deus!

2) Em Rm. 12.12, Pa u lo diz: “Re go zi jai-vos na es pe ran ça, sede pa ci en tes


na tri - bu la ção, na ora ção, per se ve ran tes”.
3) Em CL. 4.2, Mas uma vez Pa u lo nos acon se lha, di zen do: “Per se ve rai na
ora ção, vigi an do com ações de gra ças”.

CONCLUSÃO : A res pos ta de pe dir, é re ce ber. A res pos ta de bus car, é


achar. A res - pos ta de ba ter, é se abrir. Por tan to, peça, bus que, bata, in sis ta,
não es mo re ça, e seja per se ve ran te. Pois, a vi tó ria cer ta men te virá.

Esbo ço 216 – Dia 03 de Agos to


Tema: QUE HOMEM É ESTE?

E aque les ho mens se ma ra vi lha ram, di zen do: Que ho mem é este, que até os
ven tos e o mar lhe obe de cem?. Mt. 8.27

INTRODUÇÃO : Este texto sa gra do, re ve la o mo men to, em que, Je sus ia


atra ves - san do o mar da Ga li léia, sa in do de Ca far na um e indo para Ga da
ra, num per cur so de cer ca de 10 Km (dez qui lô me tros). Enquan to Je sus dor
mia, exa us to de tan to tra ba lho, o bar co de Je sus e seus dis cí pu los, fo ram
sur pre en di dos por uma gran de tem - pes ta de. Entre tan to, ao ser des per ta
do pe los seus apa vo ra dos dis cí pulos, Je sus acal mou a tem pes ta de pelo po
der da sua Pa la vra; e, de i xou to dos os seus dis cí pu los ad mi ra dos, di zen
do: “Que Ho mem é este, que até os ven tos e o mar lhe obe de cem?”

1. O PODER DO HOMEM CHAMADO JESUS

1) Ape sar dos dis cí pu los pre senci a rem Je sus re a li zan do mi la gres di a ri
a mente, este cha mou a aten ção de les; pois, ao dar uma or dem ex pres sa aos
ven tos, e ao mar, Je sus mos trou o seu gran de po der so bre a na tu re za. Por
tan to, por mais que ve nha mos pre senci ar cos tu mei ra men te os mi la gres
que Deus re a li za fre quen te men te em nos so meio, o po der do Ho mem cha
ma do Je sus, sempre irá nos ca u sar es pan to e ad mi ra ção (Lc. 5.26).

2) De acor do com Jo. 9.1-11, após o cego de nas cen ça ser cu ra do por Je sus,
em Je ru sa lém, as mul ti dões fi ca ram tão ad mi ra das, que, até mes mo du vi
da ram que o ho mem nas ci do cego fôra mesmo cu ra do. E, ao per gun tar a
ele, como lhe foi aber to os olhos, ele respon deu: “O ho mem cha ma do Je sus
fez lodo, un tou-me os olhos e dis se-me: Vai ao tan que de Si loé e lava-te.
Então, fui, la vei-me e es tou ven do”. Ale lu ia!

3) Em Mt. 13.54, está es cri to que, após Je sus en si nar na si na go ga, e ope rar
mu i - tos mi la gres, as
be do ria e es tes
pes so as se ma ra vi lhavam, di zen do: “Don de lhe vêm esta Sa - po de res mi
ra cu lo sos?”

4) Em Zc. 6.12, o pro fe ta Za ca ri as, já ha via pro fe ti za do “Que ho mem é


este”, di - zen do: “Assim diz o Se nhor dos Exér ci tos: Eis aqui o ho mem cujo
nome é Re - no vo”. Je sus é o Re no vo que bro tou de Davi (Jr. 23.5 e Ap.
22.16).

5) Em Jo. 7.45-46, está es cri to que, os pró pri os guar das que fo ram pren der
Je - sus, re gres sa ram aos prin ci pa is sa cerdo tes e fa ri seus, im pres si ona
dos e ad mi ra dos com o Ho mem cha ma do Je sus, di zendo: “Ja ma is al guém
fa lou como este Ho mem”. Gló ri as a Deus!
2. JESUS CAUSA ESPANTO E ADMIRAÇÃO A TODOS OS HOMENS

1) Até hoje, Je sus é ad mi ra do pe los seus se gui do res, e de i xa os ho mens cé


ti cos es pan ta dos. Ernest Re nan, um fa mo so in fi el fran cês, re co nhe ceu a
su pe ri o ri - da de de Je sus so bre os de ma is ho mens, di zen do: “Se jam qua
is fo rem as sur pre sas do fu tu ro, Je sus nun ca será ul tra pas sa do”.

2) Lord Byrom, um co nhe ci do po e ta de vas so, dis se: “Se al gu ma vez o ho


mem foi Deus, ou Deus foi ho mem, Je sus foi am bos”.
3) Pe ca ut, ou tro in fi el fran cês, dis se acer ca de ral de Cris to ele vouse in
com pa ra vel men te Je sus, o se guin te: “O ca rá ter mo - aci ma do de qual
quer ou tro ho - mem da an ti gui da de. Ne nhum ou tro foi tão me i go, tão hu
mil de e tão bon do so como Ele.Sua vida mo ral está to tal men te im preg na da
de Deus”.
4) Na po leão Bo na par te, o gran de im pe ra dor fran cês, deu
acer ca de Je sus Cris to: “Pen so que com pre endo um pou co
a se guin te opi nião da na tu re za hu ma - na, e digo-te que to dos es ses he róis
da anti gui da de fo ram ho mens, como eu tam bém o sou, mas não como Je sus
Cris to. Este era mais que Ho mem”. Por - tan to, Je sus Cris to é mes mo Incom
pa rá vel! Je sus Cris to foi o ma i or Ho mem que já pi sou nes ta ter ra.
5) Je sus Cris to ama tan to os ho mens que, o tí tu lo pre di le to que Ele gos ta
va de se cha mar a si mes mo, era “Filho do Ho mem” (Mt. 24.27,30; Lc. 19.10
etc.). Je - sus Cris to cha mou-se “Filho do Ho mem” pelo me nos oi ten ta ve zes
nos Evan - ge lhos. Ao fa zer isso, Je sus se iden ti fi ca com os fi lhos dos
homens. Enquan to pri o ri za mos cha má-lo de Fi lho de Deus, o que de fato,
Ele é (Mt. 16.16-17), Ele faz ques tão de se iden ti fi car com to dos nós, cha
man do a si mes mo de “Fi - lho do Ho mem” (Lc. 19.10). Ale lu ia! Gló ri as e
Hon ras ao Fi lho do Deus Eter - no! Je sus Cris to!

CONCLUSÃO : Que Ho mem é Este? É uma men sa gem que nos leva a re fle
tir so bre a nos sa co mu nhão com Je sus Cris to. Que Ho mem é Este? É uma
men sa gem que nos leva a amar mais e mais a Je sus Cris to, e a nos apro fun
dar no co nhe ci men to de Sua Pes soa Eter na e Glo ri osa! Je sus Cris to é Ma
ravi lho so,Con selhe i ro, Deus For te, Pai da Eter ni da de e Prin ci pe da Paz
(Is. 9.6). Je sus Cris to é Advo ga do por Exce lên cia, Ami go Fiel e Ver da de i
ro! Os nos sos ad je ti vos são pou cos para ex pres sar mos tudo aqui lo que o
Ho mem Je sus Cris to é. Ele é sim ples men te Incom pa rá vel e Ini gua lá vel!

Esbo ço 217 – Dia 04 de Agos to


Tema: O MAIOR DOS MAIORES

Ni ni vi tas se le van ta rão, no Ju í zo, com esta ge ra ção e a con de na rão; por
que se ar re pen de ram com a pre ga ção de Jo nas. E eis aqui está quem é ma i
or do que Jo nas. A ra i nha do Sul se le van ta rá, no Ju í zo, com esta ge ra ção e
a con de na rá; por que veio dos con fins da ter ra para ou vir a sa be do ria de Sa
lo mão. E eis aqui está quem é ma i or do que Sa lo mão. Mt. 12.41-42

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, Je sus de cla rou ser ma i or do que Jo
nas, e ma i or do que Sa lo mão. Jesus Cris to é o ma i or dos ma i o res. Ele é ma
i or do que to dos os pa tri - ar cas, mai or do que to dos os pro fe tas, ma i or do
que to dos os mo nar cas, mai or do que to dos os sá bi os, mai or do que to dos
os fi ló so fos, mai or do que to dos os ci en tistas, e ma - i or do que qualquer ou
tro ser hu ma no que já nas ceu, ou ain da vai nas cer nes ta ter ra.

1. JESUS CRISTO É SUPERIOR A TODOS OS HOMENS

1) Um dos en si nos mais per ni ci o sos que os re li gi osos do nos so tem po es


tão dis - se mi nan do en tre as pes so as em nos so dias, é o que afir ma que,
Jesus foi ape nas um gran de li der re li gi o so, um gran de pro fe ta, ou mes mo
um gran de ava tar como: Buda,Con fú cio, Ma o mé, Zo ro astro, e tan tos ou
troslí deres que se des ta caram na his tó ria.

2) Je sus Cris to não pode ser compa ra do com outras pes so as. Jesus Cris to é o
Incompa rá vel. Ele está tão aci ma dos ho mens, como os céus estão bem aci ma
da ter ra.

3) Em Mt. 12.6, Je sus dis se: “Aqui está quem é ma i or do que o tem plo”. Je
sus Cris to é ma i or do que o tem plo, ma i or do que o céu, ma i or do que a ter
ra, ma - i or do que o mar, ma i or do que o sol, ma i or do que a lua, ma i or do
que os plane tas, e ma i or do que qual quer es tru tu ra fí si ca e hu ma na na ter
ra.

4) Je sus Cris to é su pe ri or a to dos os ho mens, por que “Deus o exal tou so


bre ma - ne i ra e lhe deu o Nome que está aci ma de todo o nome, para que ao
Nome de Je sus se do bre todo jo e lho, nos céus, na ter ra e de ba i xo da ter ra, e
toda lín gua con fes se que Je sus Cris to é Se nhor, para gló ria de Deus Pai”
(Fp. 2.9-11).

2. RAZÕES DA SUPERIORIDADE DE JESUS EM RELAÇÃO AOS DEMAIS


HOMENS

1) Se hou ves se es pa ço, po de ria apre sen tar mi lha res de ra zões para pro var
a su - pe ri o ri da de de Je sus
las, já são su fi ci en tes
em re la ção a to dos os ho mens. Po rém, ape nas três de - e in con tes tá ve is
por qual quer sá bio que seja.

2) PRIMEIRO – Nin guém na his tó ria re a li zou os mi la gres que Jesus Cris
to re a li zou. De sa fio qual quer pes soa à apre sen tar ou tro ho mem que já pi
sou nes ta ter ra, que ali men tou cin co mil ho mens, fora mu lhe res e cri an ças,
com ape nas cin co pães e dois pe i xi nhos (Mt. 15.13-21). De sa fio qual quer
pes soa à apre sen tar um re la to ver da de iro que, Ma o mé, Buda, Con fú cio,
ou ou tro li der re li - gi o so, que te nha res sus ci ta do um de fun to en ter ra do
a qua tro dias (Jo. 11.1-45). E, se fa lar mos de tan tos ou tros mila gres? (Leia
João 20.30-31). 3) SEGUNDO – Nin guém na his tó ria fez as de cla ra ções que
Je sus fez. Quem jama is na his tó ria, se atre veu a di zer: “Eu Sou a Res sur re i
ção e a Vida. Quem crê em mim, ain da que morra, vi ve rá” (Jo. 11.25). Quem ja
ma is ou sou di zer: “Eu Sou o Ca mi nho, e a Ver da de, e a Vida; nin guém vem
ao Pai se não por mim” (Jo. 14.6). Quem jama is ou sou di zer: “Quem dentre
vós me con ven ce de pe ca do?” (Jo. 8.46). E, tan tas ou tras de cla ra ções for
tes que Je sus fez (Jo. 6.48; Jo. 8.12; Jo. 10.7; Jo. 10.9; Jo. 10.11; Jo. 14.1-3; Jo.
15.1 etc.).

4) TERCEIRO – Nin guém exerceu tanta in fluência no mun do como Je sus


Cris to. Je sus Cris to é a fi gu ra cen tral da his tó ria do mun do. A His tó ria
está di vi di - da en tre o “Antes” de Cris to (a.C), e o “De po is” de Cris to (d.C).
Omiti-lo da His tó ria,se ria como omi tir da as tro nômia as es tre las ou da bo tâ
ni ca as flo res. A Pes soa de Je sus Cris to não so men te está
hu ma na e gra va da nas pá gi nas aber tas das
fir me mente en gasta da na his tó ria Escri tu ras Sa gra das, mas tam bém

é ex pe ri men tal men te ma te ri a li za da ça da no te ci do de toda a ci vili za


ção nas vi dasde bi lhões de cren tes e en tre la - Cris tã dig na des se Nome.

CONCLUSÃO : Je sus Cris to é o mai or dos ma i o ra is. Ele é mai or do que to


dos os ho mens que já pi sa ram nes ta ter ra. “Je sus Cris to é o mes mo on tem,
e hoje e eter na men te” (Hb. 13.8).
Esbo ço 218 – Dia 05 de Agos to
Tema: OS QUATRO TIPOS DE SOLO
DO CORAÇÃO HUMANO
E de mu i tas co i sas lhes fa lou por pa rá bo las e di zia: Eis que o se me a dor
saiu a se me ar. E,ao se me ar, uma par te caiu à be i ra do ca mi nho, e, vin do as aves, a co me ram.
Ou tra par te

caiu em solo ro cho so, onde a ter ra era pou ca, e logo nas ceu, vis to não ser pro
fun da a ter ra. Sa in do, po rém, o sol, a que i mou; e, por que não ti nha raiz, se
cou-se. Ou tra caiu en tre os es pi nhos, e os es pi nhos cres ce ram e a su fo ca
ram. Ou tra, en fim, caiu em boa ter ra edeu fru to: a cem, a ses sen ta e a trin ta por um. Mt.
13.3-8

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés deste tex to sa gra do, que, Je
sus com - pa rou o co ra ção a um cam po ou ter re no, em que a se men te é lan
ça da; e, os fru tos que pro du zi rá, de pen de rá do tipo de solo que for o co ra
ção. Je sus fa lou do ter re no á be i ra do ca mi nho; do ter re no ro cho so, do ter
re no cer ca do de es pi nhos, e do ter re - no fér til.

1. O SOLO Á BEIRA DO CAMINHO

1) O solo á be i ra do ca mi nho, re pre sen ta um co ra ção di vi di do, que não


está in - te i ra men te no ca mi nho (Mt. 13.19). Em 1Rs. 18.21, o pro fe ta Eli as
fez uma per gun ta ao povo: “Até quan do co xe a re is en tre dois pen sa men
tos? Se o Se - nhor é Deus, se gui-o; se é Baal, se gui-o. Po rém o povo não lhe
res pon deu”. Não po de mos ter o co ração di vi di do; pre ci sa mos ser vir in te
i ramen te ao Se - nhor.

2) De acor do com Mc. 10.46-52, o cego Bar ti meu vivia á be i ra do ca mi nho;


en - tre tan to, após ter um en con tro com Je sus, e ter os seus olhos aber tos, ele
pas - sou a se guir a Je sus no cami nho.

3) Em Jo. 14.6, Je sus dis se: “Eu sou o ca mi nho, e a ver da de, e a vida; nin
guém vem ao Pai se não por mim”. Não pode mos vi ver á margem do ca mi
nho; preci sa mos an dar no pró prio Ca mi nho.

2. O SOLO ROCHOSO

1) O solo ro cho so ou pe dre go so, re pre sen ta um co ra ção en dure ci do. São
pes so - as que acre di tam apenas em co i sas su per fi ci a is; pois, não há solo
fér til para as ra í zes pene tra rem (Mt. 13.20-21). De acor do com Mt. 13.15, Je
sus en con trou um povo com o co ra ção tão en du re ci do que, Ele citou o
cumpri men to da pro fe cia de Isa ías, di zendo: “Por que o co ra ção des te povo
está en dure ci do, de mau gra do ou vi ram com os ou vi dos e fe cha ram os
olhos; para não su ce der que ve jam com os olhos, ouçam com os ou vi dos, en
ten dam com o co ra ção, se con - ver tam e se jam por mim cu ra dos”.

2) De acor do com 1Sm. 25.37, Na bal era um ho mem mu i to rico; po rém, o


seu co ra ção era tão in sen sí vel para com as ne ces si da des das pes so as que,
ao fi nal de sua vida, o seu co ra ção fi cou como pe dra.

3) Em Ez. 11.19-20, o Se nhor pro me te fa zer um ver da de i ro trans plan te es


pi ri - tu al no co ra ção de pe dra das pesso as, di zen do: “Dar-lhes-ei um só co
ra ção, es pí ri to novo po rei den tro deles; ti ra rei da sua carne o co ra ção de pe
dra e lhes da rei co ra ção de car ne; para que an dem nos meus es ta tu tos, e
guar dem os meus ju í zos, e os exe cu tem; eles se rão o meu povo, e Eu se rei o
seu Deus”.

3. SOLO CERCADO DE ESPINHOS

1) O solo cer ca do de es pi nhos, ções des te mun do (Mt. 13.22). Os espi nhos
ten tam em ba ra çar as plan tas, para que não cres çam e se de sen vol vam. Em
Hb. 12.1, está es cri to que, de ve - mos nos de sem ba ra çar de todo peso e do
pe ca do que te naz men te nos as se - dia, e cor rer com per se ve ran ça, a car re
i ra que nos está pro pos ta.

2) Em 2Tm. 2.4, Pa u lo afir ma que, o Cris tão como sol da do que é, não deve
vi ver em ba ra ça do com os ne gó ci os des ta vida.

3) Em Lc. 21.34, Je sus ad ver tiu a to dos nós, di zen do: “Aca u te lai-vos por
vós mes mos, para que nun ca vos su ce da que o vos so co ra ção fi que so bre
car re ga - do com as con se quên ci as da or gia, da em bria guez e das pre o cu
pa ções des te mun do, e para que aque le dia não ve nha so bre vós re pen ti na
men te, como um laço”.
re pre sen ta um co ra ção su fo ca do pe las pre o cu pa -

4. SOLO FÉRTIL

1) O solo fér til, re pre sen ta um co ra ção pre pa ra do e sen sí vel á pa la vra de
Deus. Um co ra ção que possui um solo fértil, é um co ra ção fru tí fe ro e abun
dan te (Mt. 13.23). Um co ra ção com solo fértil, é como aque le pre ci o so cam
po che io de len ti lhas, que Samá de fen deu (2Sm. 23.11-12). Pre ci sa mos de
fen der o nos so co ra ção de todo ata que do ini mi go.

2) No SL. 119.11, o sal mis ta disse: “Escon di a tua pa la vra no meu co ra ção,
para eu não pe car con tra ti”.
3) Em Lc. 6.45, Jesus dis se que: “O ho mem bom do bom te sou ro do co ra ção
tira o bem, e o mau do mau te sou ro tira o mal; por que a boca fala do que está
che io o co ra ção”. Que o Se nhor guarde o nos so co ra ção, e o nos so co ra ção
seja um de pó si to das ben çãos do Senhor (Fp. 4.7).

CONCLUSÃO : Em Pv. 4.23, Sa lo mão nos deu um sá bio con se lho, dizen
do: “So bre tudo o que se deve guar dar, guar da o co ra ção, por que dele pro ce
dem as fon tes da vida”.

Esbo ço 219 – Dia 06 de Agos to


Tema: CRISTO – O TESOURO ESCONDIDO

O re i no dos céus é se me lhan te a um te sou ro ocul to no cam po, o qual cer to


ho mem, ten do-o acha do, es con deu. E, trans bor dan te de ale gria, vai, ven de
tudo o que tem e compra aque le cam po. Mt. 13.44

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés deste tex to sa gra do, so bre a
im por tân cia do te sou ro nas Escri tu ras. O te sou ro pode ser de fi ni do como
algo mu i to pre - ci o so e va li o so. Je sus Cris to é o gran de te souro, que está
es con di do den tro do co ra ção de cada Cristão que o ama sin ce ra men te.

1. O TESOURO OCULTO ACHADO

1) De acor do com os es tudi o sos, en ter rar te souros em al gum cam po, era co
mum an tes de existir rede ban cá ria. Ás ve zes o primi ti vo dono do cam po
mor ria e o te sou ro fi ca va per di do, até que al guém o achasse por aca so (Mt.
13.44).

2) Em Is. 45.3, O Se nhor nos faz uma pro mes sa, di zen do: “Dar-te-ei os te sou
ros es con di dos e as ri que zas en co ber tas, para que sa i bas que Eu sou o Se
nhor, o Deus de Isra el, que te cha ma pelo teu nome”.

3) Em Pv. 21.20, está es cri to que: “Te sou ro de se já vel e aze i te há na casa do
sá - bio”.
4) Em Dt. 28.12, está es cri to que: “O Se nhor te abri rá o seu bom te sou ro, o
céu, para dar chu va à tua ter ra no seu tempo e para aben ço ar toda obra das
tuas mãos, em pres ta rás a mu i tas gen tes, po rém tu não to ma rás em pres ta
do”.

2. CRISTO É O NOSSO GRANDE TESOURO

1) Em 2Co. 4.7, Pa u lo afir ma: “Te mos, po rém, este te sou ro em va sos de bar
ro, para que a ex ce lên cia do po der seja de Deus e não de nós”. Na an ti gui da
de, os te sou ros eram guar da dos em va sos de bar ro. Ape sar de ser mos fe i
tos do bar - ro (Gn. 2.7), o con te ú do que está den tro de nós é pre ci o sís si mo.

2) Em Hb. 11.26, está es cri to que Mo i sés “consi de rou o opró brio de Cris to
por ma i o res ri que zas do que os te souros do Egi to, por que con templa va o
ga lar - dão”.

3) Em Pv. 15.6, está es cri to que: “Na casa do jus to há gran de te sou ro”.
4) Em CL. 2.3, está escri to que, em Je sus Cris to “es tão es con di dos to dos os
te sou ros da sa be do ria e do co nhe cimen to”.

CONCLUSÃO : Je sus Cris to é o nos so te sou ro de gran de va lor. Em Mt.


6.21, o pró prio Je sus dis se: “Por que, onde está o teu te sou ro, aí es ta rá tam
bém o teu co ra ção” (Mt. 6.21). O nosso te sou ro es tan do em Cris to, o nos so
co ra ção es ta rá che io de Cris to.

Esbo ço 220 – Dia 07 de Agos to


Tema: A PÉROLA DE GRANDE VALOR

O re i no dos céus é tam bém se me lhan te a um que ne go cia e pro cu ra boas


pé ro las; e, ten - do acha do uma pé ro la de gran de va lor, ven de tudo o que
pos sui e a com pra. Mt. 13.45

INTRODUÇÃO: O ca pí tu lo 13 do Evan ge lho de São Ma te us, é co nhe ci


do como o “ca pí tulo das Pa rá bo las”. Após, in tro du zir uma su quên cia de pa
rá bo las acer ca da agri cul tu ra (Mt. 13.3-33); Je sus muda a lin gua gem do
campo, para a lin gua gem da ci da de; e, pas sa a usar a fi gu ra dos ban que i ros
e ne go ci an tes de pe dras pre ci o sas, para en si nar ver da des es pi ri tu a is
acer ca do Re i no de Deus (Mt. 13.44-46). Após fa lar de um gran de te sou ro
es con di do, Je sus fala de uma pé ro la de gran de va lor.
1. A IMPORTÂNCIA DAS PÉROLAS

1) De cor po re don do, duro, e de cor bran ca le ve men te pra te a da, que se for
ma na con cha de al guns mo lus cos, a pé ro la é co nhe ci da como uma das jói
as mais pre ci o sas que exis te.

2) De acor do com os es tudi o sos, o va lor das pé ro las mul tipli ca-se, de acor
do com o seu ta ma nho. Uma pé ro la do ta ma nho de um ovo de ve ria va ler
cen te - nas de pé ro las de ta ma nho re gu lar, o que se ria um es to que in te i ro
de um ne - go ci an te de pé ro las, o qual exer cia o pa pel tí pi co de um ban que
i ro da épo ca. Por tanto, Je sus usou uma lin guagem co mer cial bem mo der na,
para re ve lar o va lor in com pa rá vel do Re i no de Deus (Mt. 13.45-46).

3) Em Mt. 7.6, re co nhe cen do a gran de im por tân cia das pé ro las, Je sus nos
acon - se lhou, di zen do: “Não deis aos cães o que é san to, nem lan çe is ante os
por cos as vos sas pé ro las, para que não a pi sem com os pés e, vol tan do-se,
vos di la ce rem”. A pé ro la era a ma i or pre ci osi da de que exis tia para os ori
en tais.

4) Em Ap. 21.21, está es cri to que, as doze por tas da Nova Je ru sa lém “São
doze pé ro las, e cada uma dessas por tas, de uma só pé ro la. A pra ça da ci da de
é de ouro puro, como vi dro trans pa ren te”. Ale lu ia!

2. MELHOR DO QUE AS PÉROLAS

1) De acor do com Jó 28.18, “A aqui si ção da sabe do ria é me lhor do que as


péro - las”.
2) Em Pv. 3.15, Sa lo mão tam bém afir ma que, a Sa be do ria: “Mais pre ci o sa
é do que pé ro las, e tudo que po des de se jar nada é com pa rá vel a ela”.
3) Em 1Co. 1.24, Pa u lo afir ma que: “para os que fo ram cha ma dos, tan to ju
de us como gre gos, pre ga mos a Cris to, po der de Deus e Sa be do ria de
Deus”. Sen do a Sa be do ria de Deus, Je sus Cris to é me lhor do que as pé ro
las.
4) Em Ef. 3.8-10, está es cri to que, a nós foi anun ci a do o “Evange lho das
inson dá - ve is ri que zas de Cris to..para que, pela igre ja,
se tor ne co nhe ci da, ago ra, dos prin ci pa dos e
se gun do o eter no pro pó si to que es ta be le ceu
a mul ti for me sa be do ria de Deus, po tes ta des nos lu ga res ce les ti a is, em
Cris to Je sus, nos so Se nhor”. As in son dá ve is ri que zas de Cris to é bem su
pe ri orao va lor das pé ro las!

CONCLUSÃO : De acor do com esta pa rá bo la, o rico banque i ro, ao en con


trar uma pé ro la de gran de va lor, ele ven deu todo o seu es to que de pé ro las
de me nor va lor, para ad qui rir uma pé ro la de gran de va lor. O Jo vem Rico
teve esta opor tu ni da de, e não apro ve i tou (Lc. 18.18-30). O Rico Za queu en
con trou a Pé ro la de Gran de Va lor, e sou be apro ve i tar a opor tu ni da de (Lc.
19.1-10). Je sus Cris to é a Pé ro la de Gran de Va lor, que o ho mem pro cu ra va
a tan to tempo.

Esbo ço 221 – Dia 08 de Agos to


Tema: AS LIÇÕES ESPIRITUAIS DA MULHER CANANÉIA

Então, lhe dis se Je sus: Ó mu lher, gran de é a tua fé! Faça-se con ti go como
que res. E, des de aque le mo men to, sua fi lha fi cou sã. Mt. 15.28

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés des te tex to sa gra do, so bre
al gu mas li ções es pi ri tu ais ex tra í das da his tó ria da Mu lher Ca nanéia. A li
ção da de ter mi nação, da per se ve ran ça, da hu mil da de, e da fé, são pon tos
fun da men ta is na vida de quem de se ja al can çar al gum ob je ti vo na vida.

1. A LIÇÃO DA DETERMINAÇÃO

1) A pri me i ra li ção que po de mos apren der com a Mu lher Ca na néia, é a sua
de - ter mi na ção. Pes so as de te mi na das a ven cer, sa bem apro ve i tar bem
as opor tu - ni da des. Numa rara vez em que os Evan ge lhos regis tram Je sus vi
si tan do um ter ri tó rio fora da Ter ra San ta, a Mu lher Ca na néia sou be apro
ve i tara vi sita de Je sus às re giões de Tiro e Sidom (Mt. 15.21-22).

2) Em Mt. 9.19-22, a fa mo sa mu lher do flu xo de san gue, tam bém mos trou
mu i - ta de ter mi na ção na opor tu ni da de que teve de se en con trar com Je
sus, ao mos trar-se de ter mina da con si go mes ma, di zen do:“Se eu ape nas lhe
to car a ves te, fi ca rei cu ra da”.

3) Em CL. 4.5, está es cri to: “Por tai-vos com sa be do ria., apro ve i tai as opor
tu ni - da des”.
2. A LIÇÃO DA PERSEVERANÇA

1) A se gun da li ção que po de mos apren der com a Mu lher Ca na néia, é a sua
per - se ve ran ça.
afir mando
A per se ve ran ça é
que, a pri o ri dade
a gran de vir tu de dos ven ce do res. Mes mo Je sus da sua mis são na que le mo
men to era as ove lhas

per di das da Casa de Isra el (Mt. 15.24), ain da as sim, àque la mu lher in sis tiu,
di zen do: “Se nhor, so cor re-me!” (Mt. 15.25).
2) Em Lc. 21.19, Je sus dis se: “É na vos sa per se ve ran ça que ga nha re is a
vossa alma”. 3) Em Tg. 5.11, está escri to: “Eis que te mos por fe li zes os que
per se ve ra ram fir mes”. 3. A LIÇÃO DA HUMILDADE

1) A ter ce i ra li ção que po de mos apren der com a Mu lher Ca na néia, é a sua
hu - mil da de. As pes so as que es tão dis pos tas a se hu mi lha remna pre sen ça
do Se - nhor, es ta rão dan do um gran de pas so para ob ter a vi tó ria. Mes mo
Je sus in sis tin do que, a sua mis são na que le mo men to era ali men tar os fi
lhos (Isra el), e não os ca chor ri nhos (po vos ca na ne us e pa gãos), a Mu lher
Ca na néia se hu mi lhou, di zen do: “Sim, Se nhor, po rém os ca chor ri nhos co
mem das mi ga - lhas que caem da mesa dos seus do nos” (Mt. 15.26-27).

2) Em Lc. 18.14, Je sus disse: “Por que todo o que se exal ta será hu mi lha do;
mas o que se hu mi lha será exal ta do”.
3) Em Tg. 4.10, está es cri to: “Hu mi lhai-vos na pre sen ça do Se nhor, e Ele
vos exal - ta rá”.

4. A LIÇÃO DA FÉ

1) A quar ta li ção que po de mos apren der com a Mu lher Ca na néia, é a sua
gran de fé. As pes so as ven ce doras
do al gu mas ob je ções para
pre ci sam acre di tar até
tes tar a sua fé, àque la
o fim. Mes mo Je sus co lo canmu lher con ti nu ou acre di tan -

do nas mi se ri cór di as do Se nhor; e, por fim, Je sus se ren deu a gran de fé de


monstra da pela Mu lher Ca na néia, e or de nou a sua vi tó ria, di zen do “Ó mu
- lher, gran de é a tua fé! Faça-se con ti go como que res. E, desde aque le mo
men - to, sua filha fi cou sã” (Mt. 15.28).

2) Em Mc. 9.23, Je sus dis se: “Tudo é pos sí vel ao que crê!”.
3) Em GL. 3.9, está es cri to que: “Os da fé são aben ço a dos com o cren te
Abraão”. Por ca u sa de sua gran de fé de mons tra da, a Mu lher Ca na néia foi
aben ço a da como se fos se uma ver da de i ra fi lha de Abraão (Mt. 3.9 e GL.
3.7).

CONCLUSÃO : Com de ter mina ção, per se ve ran ça, hu mil da de, e fé, po de
mos al can çar os nos sos ob jeti vos. Algu mas pes so as não con seguem os seus
ob jeti vos, por que de sis tem fa cilmen te. A Mu lher Ca na néia não pen sou em
de sis ti ir em ne nhum mo men to. Por tanto, nun ca de sis ta dos seus so nhos!

Esbo ço 222 – Dia 09 de Agos to


Tema: A PEDRA FUNDAMENTAL DA IGREJA

Res pon den do Si mão Pe dro, dis se: Tu és o Cris to, o Fi lho do Deus Vivo.
Então, Je sus lhe afir mou: Bem-aventu ra do és, Si mão Bar jo nas, por que não
foi car ne e sangue que to re ve la ram, mas meu Pai, que está nos céus. Tam bém
Eu te digo que tu és Pe dro, e so bre esta pe dra edi fica rei a mi nha Igre ja, e as
por tas do in fer no não pre va lece rão con tra ela. Mt. 16.16-18

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés des te tex to sa gra do, que, Je
sus Cris - to é a Pe dra Fun da men tal da Igre ja. A decla ra ção que Je sus faz
nes te texto bí bli co, tem sus ci ta do va ri a das in ter preta ções te o lógi cas
atra vés da his tó ria Cris tã. Entre tan to, o exa me acu ra do do con tex to sa gra
do, cor ri ge qual quer tipo de in terpre ta - ção er rô nea, e mos tra de for ma cla
ra e ob je ti va, que, Je sus Cris to é a Pe dra Fun da men tal da Igre ja.

1. SOBRE ESTA PEDRA EDIFICAREI A MINHA IGREJA

1) Afi nal de con tas, so bre qual pe dra a igre ja está edifi ca da? Uma parte da
Cristan da de pen sam que, pelo fato de Je sus usar um tro ca di lho de pa la vras
en tre “Pe dro”, que sig ni fica “frag men to de ro cha”, e “Pe dra”, que sig ni
fica “ro cha ma ci ça”, a Igre ja es te ja edi fi ca da so bre Pe dro. Po rém, o pró
prio Pe dro pro cu - rou logo cedo es cla re cer esta con fu são, di zendo: “Este Je
sus é pe dra re je i tada por vós, os cons tru to res, a qual se tor nou a Pe dra
Angu lar” (At. 4.11).

2) “Pe dro”, que sig ni fi ca “frag men to de ro cha”, res pon deu a Je sus: “Tu és
o Cris - to, o Fi lho do Deus Vivo” (Mt. 16.16). Em se gui da Je sus lhe dis se:
“Tam bém Eu te digo que tu és Pe dro, e so bre esta pe dra edi fi ca rei a mi nha
Igre ja, e as por tas do in fer no não pre va le ce rão con tra ela” (Mt. 16.18).
Qual pe dra? “Tu és o Cris to, o Fi lho do Deus Vivo”. Jesus só prome teu edi fi
car a sua Igre ja após esta pre sen te de cla ra ção.

3) Em 1Co. 3.11, o apósto lo Pa u lo diz: “Por que nin guém pode lan çar ou tro
fun - da men to, além do que foi posto, o qual é Je sus Cris to”.
4) Em 1Pd. 2.4, o após to lo Pe dro con ti nua apon tan do Cristo como a Pe dra
Fun - da men tal da Igre ja, di zen do: “Che gan do-vos para Ele, a Pe dra que
vive, re je i - ta da, sim, pe los ho mens, mas para com Deus ele i ta e pre ci o
sa”.

2. JESUS CRISTO É A PEDRA ELEITA E PRECIOSA

1) Vá ri os es cri tores sa grados, além do pró prio Je sus, se re fe ri ram a uma pe


dra que os cons tru to res ha vi am re je i ta do, a qual, veio a se tor nar a prin ci
pal pe dra an gu lar (SL. 118.22; Mt. 24)2; 1Pd. 2.7-8). Afi nal de con tas, que pe
dra mis te ri o sa é esta?

2) Se gun do os rabi nos, as pe dras usa das na cons tru ção do Tem plo de Sa lo
mão já vi nham cor ta das sob me di da das mon ta nhas. Po rém, en tre as pe
dras, apa - re ceu uma com me di da di fe ren te, e por isso, foi re je i ta da pe los
ho mens que cons tru íam o Tem plo. To da via, ao ter mi na rem de en ca i xar to
das as pe dras, fi cou uma bre cha na es qui na onde acon te cia a jun ção das
duas pa re des prin - ci pa is do edi fi cio. Então, al guém se lem brou da que la
pe dra de me di da anor - mal que os cons tru to res ha viam re je i ta do, e ao co
lo cá-la so bre a bre cha exis ten te nas duas pa re des, a pe dra re je i ta da se en
ca i xou per fe i ta men te, e veio a se tor nar a prin ci pal pe dra de es qui na.
Assim acon te ceu com Je sus. Ele foi re je i ta do pe los cons tru to res (os Ju de
us), e se en ca i xou per fe i ta men te no pro pó si to de Deus para sal var a hu
ma ni da de, e veio a se tor nar a prin ci pal Pe dra de Esquina (Jo. 1.10-12 e At.
4.11).

3) Em Is. 28.16, está es cri to: “Por tan to, as sim diz o Se nhor: Eis que Eu as
sen tei em Sião uma pe dra, pe dra já pro va da, pe dra pre ci o sa, an gu lar, so li
da men te as sen tada; aque le que crê não será con fun dido”.

4) Em Ef. 2.20-21, está es cri to: “Edifi ca dos so bre o fun da mento dos após to
los e pro fe tas, sen do Ele mes mo, Cris to Je sus, a Pe dra Angu lar; no qual
todo o edi - fí cio, bem ajus ta do, cres ce para san tuá rio de di ca do ao Se
nhor”.
CONCLUSÃO : A Igre ja está edi fi ca da so bre Je sus Cris to, a Pe dra Angu
lar, a Pe dra Ele i ta, a Pe dra Pre ci o sa, a Pe dra Prin ci pal, a Pe dra de Esqui
na, a Pe dra de Isra el, a Ro cha Eter na, a Ro cha da nos sa Sal va ção, a Pe dra
de Tro pe ço para os in cré du los, e a Pe dra Espi ri tu al para os cren tes (1Co.
10.4).

Esbo ço 223 – Dia 10 de Agos to


Tema: FÉ QUE REMOVE MONTANHAS

E Ele lhes res pon deu: Por ca u sa da pe que nez da vos sa fé. Pois em ver da de
vos digo que, se ti ver des fé como um grão de mos tar da, di re is a este mon te:
Pas sa aqui para aco lá, e elepas sa rá. Nada vos será im pos sí vel. Mt. 17.20

INTRODUÇÃO : Nes te tex to sa gra do, nós va mos apren der so bre o gran de
po der da fé. Je sus en si nou que a fé pode, até mesmo re mo ver mon ta nhas.
Fé é acre di tar no im pos sí vel. A fé é sur da para o de sâ ni mo e cega para as
im pos si bi li da des. A fé não en xer ga di ficul da des e sem pre acre dita na so
lu ção de to dosos pro ble mas.

1. REMOVEDORES DE MONTANHAS

1) “Se ti ver des fé como um grão de mos tar da, dire is a este mon te: Passa aqui
para aco lá, e ele pas sa rá. Nada vos será impos sí vel” (Mt. 17.20). Numa de ter
mi na - da igre ja, um ir mão co lo cou numa fo lha de pe di do de ora ção, que
que ria re ce - ber a fé do ta ma nho de um ca ro ço de aba ca te. O pastor sor riu
e lhe per gun tou: “Por que o ir mão está pe dindo a fé do tam nho de um ca ro ço
de aba ca te? O ir - mão res pon deu: Um pre ga dor dis se que se ti ver fé do ta
ma nho de um grão de mos tar da, a me nor se men te, eu pos so trans por tar
mon tes, quan to mais do ta - ma nho de um ca ro ço de aba ca te”. Pa re ce en
gra ça do esta histó ria; po rém, Je - sus não se re fe riu a fé do ta ma nho de um
grão de mos tar da, mas a fé como um grão de mos tar da. Je sus não fa lou no
sen ti do quan ti ta ti vo, e sim, no sen ti do qua li ta ti vo. Je sus não se re fe riu
ao ta ma nho da fé, mas, a efi ciên cia da fé.

2) Se gun do al guns es tu di o sos, a pe que na se men te de mos tar da pode ge


rar uma ár vo re de até qua tro me tros de al tu ra (Mt. 13.31-32). Por tan to, se a
tua fé for efi ci en te como um grão de mos tar da, pode lan çar a mão de gran
des pro je tos; por que, vai prospe rar e vai dar cer to em Nome de Je sus Cris to.
3) Se gun dos al guns ra bi nos, quan do al guém le va va um gran de pro ble ma
para o ra bi no re sol ver, e ele con se guis se re sol ver, era ape li da do de “re
mo ve dor de mon ta nhas”. Je sus quer nos trans for mar em ro mo ve do res de
mon ta nhas por meio da fé (Lc. 17.5-6).

4) Em 1Co. 13.2, Pa u lo afir ma que, é pos sí vel sim, al guém pos su ir uma fé,
a pon to de trans por tar mon tes.
2. A FÉ É UMA GRANDE ÂNCORA DA VIDA CRISTÃ

1) Em 1Co. 13.13,está es cri to que: “Ago ra, pois, per ma ne cem a fé, a es pe
ran ça e o amor, es tes três; po rém o ma i or des tes é o amor”. A fé é a ân co ra
per ma nen te que sus ten ta a vida cris tã.

2) Em Mc. 11.22, Je sus dis se aos discí pu los: “Ten de fé em Deus”.


3) Em Rm. 1.17, está es cri to que: “A jus ti ça de Deus se re ve la no evan ge
lho, de fé em fé, como está es cri to: O jus to vi ve rá por fé”.
4) Em Hb. 11.1, está es cri to que: “A fé é a cer te za de co i sas que se espe ram,
a con vic - ção de fa tos que se não vêem”. Agos ti nho, o gran de teó lo go da
Patristí ca, es cre veu o se guin te so bre fé: “Fé é acre di tar mos na qui lo que
não ve mos, e a re com pen sa de acre ditar mosna quilo que não ve mos, é ver
mos aquilo que acre dita mos”.

CONCLUSÃO : A fé é, sem dú vi da, o ma i or pa tri mônio da re li gi o si da de


hu ma na. Nunca foi en con tra do na His tó ria Uni ver sal po vos ate us. Qu al
quer povo, raça, na - ção, ou língua pos sui a cren ça em al gu ma divinda de. E,
Deus le van tou os des cen - den tes de Abraão para re ve lar ao mun do o Deus
Vivo, Úni co e Ver da de i ro; e, a Je sus Cris to, o Sal va dor do mun do (Jo.
17.3).

Esbo ço 224 – Dia 11 de Agos to


Tema: DEUS FAZ O IMPOSSÍVEL

Je sus, fi tan do ne les o olhar, dis se-lhes: Isto é im pos sí vel aos ho mens, mas
para Deus tudo é pos sí vel. Mt. 19.26

INTRODUÇÃO : Nós va mos apren der atra vés deste tex to sa gra do que, o
Deus re - ve la do nas Escritu ras, é o Deus que faz o im pos sí vel acon te cer. O
nos so Deus é es - pe ci alis ta em ca u sas im pos sí ve is. O ho mem só con
segue fa zer o que é pos sí vel; po rém, o nos so Deus faz o que é im pos sí vel
aos ho mens fa zer.
1. DEUS DESCONHECE O IMPOSSÍVEL

1) Uma das gran des ver da des re ve la das nas Escri turas, é que, Deus des co
nhe ce o im pos sí vel. Em Gn. 18.14, Ele faz uma per gun ta a Sara: “Aca so,
para o Se - nhor há co i sa de ma si a da men te di fí cil?”