Você está na página 1de 8

(1.

1) <- 1: 1-> Paulo, {apóstolo, não dos homens, nem por meio da ação
humana] [[autoridade apostólica {começou} i com Paulo], mas através de
Jesus | [Krestus] | [Tertuliano-4,9]} S | <(e DEUS {o} Pai)> |, que se levantou [“Ele mesmo” é
confirmado por Orígenes (Orígenes. Comentário sobre Gálatas. PL 26 [1845] 313 A, 4-7). Paulo
não é um modalista, como alguns sugerem. Paulo falou de DEUS ter ressuscitado Cristo dentre
os mortos em 1 Coríntios 6:14, Romanos 8:11 e Efésios 1:20. Por que ele demonstraria o
modalismo tão explicitamente em Gálatas 1: 1 e não em outro lugar? A variação preposicional
é para persuasão retórica. No entanto, isso poderia ser uma demonstração do dualismo
marcionita: "Cristo" foi ressuscitado por Deus, mas "Jesus" se levantou; "Cristo" e "Jesus"
sendo duas pessoas separadas. Além disso, o texto aqui é incerto. Tertuliano saltou para citar
esta parte do versículo 1: 1 e recomeçou no versículo 1: 6 (Tertuliano-4,9,17,18)] para fora dos
mortos; (1.2) <- 1: 2-> e todos os irmãos que estão comigo,[Krestus] |; (1.4) <- 1: 4-> que se
entregou por nossos pecados, para que ele pudesse nos libertar deste presente ódio
perverso; ||: (1.5) <- 1: 5-> a quem {seja} a glória até o éon dos éons. Um homem. (1.6) <- 1: 6-
> {Fico maravilhado por ser tão logo removido daquele que o chamou à sua graça para um
evangelho diferente [Tertuliano-17,18]} S; (1.7) <- 1: 7-> {não que outro evangelho possa
existir [“Não que outro evangelho possa existir”: “aliud evangelium omnino non esset”]
[Tertuliano-19,20]} d; somente alguns podem confundir você e perverter o evangelho de
|[Krestus]. (1.8) <- 1: 8-> {Mas, embora nós, ou um anjo do céu [“Um anjo do céu” ”, faça
alusão a Jeová, o criador (Tertuliano-23). Mas porque esse anjo é um pregador de outro
evangelho, provavelmente se refere a outro messias, um de Jeová; que provavelmente seria
Peter], pregue qualquer outro evangelho, seja ele irremediavelmente amaldiçoado
[Tertuliano-21,22]} S. (1.9) <- 1: 9-> Como já dissemos antes, agora agora digo novamente: se
alguém te prega {qualquer} outro evangelho ||, que ele seja irremediavelmente
amaldiçoado. (1.10) <- 1: 10-> Pois eu sou || buscando o favor dos homens ou de DEUS? Ou
estou me esforçando para agradar aos homens? Se eu fosse || agradando a homens, eu não
seria o Cristo [Outra referência de Paulo sendo o Cristo! - traduzido incorretamente nas
versões mais modernas]. (1.11) <- 1: 11-> | Pois vos digo, irmãos, {a respeito] do evangelho
que foi pregado por mim, que não está de acordo com a ação humana i. | (1.12) <- 1: 12-> |
Porque nem o recebi de um homem, nem o ensinei, mas veio a mim pela revelação de
Jesus[Crista] () <- 1:13 -> () <- 1: 14-> (1.13) <- 1:15 -> Mas quando foi o bom prazer de DEUS,
que me separou, eu mesmo do ventre de minha mãe [Paulo alude a uma profecia messiânica
(Salmo 71: 6) que ele aplica a si mesmo ] e me chamou por sua graça (1.14) <- 1: 16-> para
revelar Seu filho em mim, || [Tertuliano-24]} S; Não consultei imediatamente carne e sangue:
(1.15) <- 1: 17-> | mas fui para a Arábia |; (1,16) <- 1: 18-> | (depois de três anos, subi a
Jerusalém para consultar Peter {sobre assuntos pessoais} i, permanecendo com ele por quinze
dias). (1.17) <- 1: 19-> Mas eu não vi nenhum dos outros[discípulos], exceto Jacó, [meu] irmão
| () <- 1: 20-> () <- 1:21 -> () <- 1: 22-> () <- 1: 23-> () <- 1: 24-> [Versículos 1: 17-24; BA-
Tertuliano] (2.1) <- 2: 1-> Então, {catorze anos depois, subi para Jerusalém [Tertuliano-27]}
S ; (2.2) <- 2: 2->; {para conversar com eles sobre a regra que segui no meu evangelho, para
que, por qualquer meio, eu devesse todos esses anos correr e continuar parado, em vão
[Tertuliano-27,32,34]} d. (2.3) <- 2: 3-> No entanto, {|| Tito (que estava comigo, sendo grego)
foi obrigado a ser circuncidado [Tertuliano-28,31]} S: (2.4) <- 2: 4-> {{mas isso aconteceu}
através de falsos irmãos secretamente apresentados, que tinha deslizado para espionar a
nossa liberdade que temos em Cristo, para que eles nos tornem escravos: (2.5) <- 2: 5-> a
quem fizemos || rendimento em submissão no momento [Tertuliano-29,30,31,33]} S;. () <- 2:
6-> () <- 2: 7-> () <- 2: 8-> <(para aquele que efetivamente trabalhou no apostolado de Pedro
da circuncisão também trabalhou efetivamente para mim aos meus gentios).> [Versículos 2:
5b- 8; BA-Tertuliano] (2.6) < -2: 9-> Mas, ao perceber a graça que me foi dada, {Pedro, Jacó e
João [Tertullian-40]} S, [BA- Tertuliano], {me deu {a} mão direita da irmandade [Tertuliano-
35]} S, {que nós {deveríamos} eu | não seremos proibidos de | {vou} i para os gentios
[Tertuliano- 36]} S, {mas eles | se limitarão | à circuncisão [Tertuliano-40]} S; (2.7) <- 2:10 ->
apenas que devemos continuar a lembrar-nos dos pobres [Tertuliano-41]} S; coisa que eu
também era diligente em fazer. (2.8) <- 2: 11-> E, no entanto, quando Pedro chegou a
Antioquia, eu o resisti cara a cara [Tertullian-44]} S, porque {ele claramente era o culpado
[Tertullian-42]} S. (2.9) <- 2: 12-> Porque antes de certos que vieram de Jacó, ele comia junto
com os gentios; mas quando eles vieram, ele se afastou e se separou, temendo os que
estavam fora da circuncisão [Tertuliano-42,43]} S. (2.10) <- 2: 13-> O resto dos judeus se
juntou a ele, de modo que até Barnabé foi desviado por sua hipocrisia. (2,11) <- 2: 14-> Mas
quando vi que a conduta deles não estava de acordo com a verdade do evangelho, eu disse a
Pedro diante de todos, se você, sendo judeu, tem um estilo de vida que pertence aos gentios,
e não judeu, por que você está obrigando os gentios a viver como judeus? (2.12) <- 2: 15->
{Embora} nós somos judeus por natureza, e não somos pecadores dos i gentios, (2.13) <- 2: 16-
> ainda sabendo que {não se justifica de obras da lei, mas pela fé [Tertullian-45,48]} S || e
acreditávamos ||, para que sejamos justificados por fé ||, e não por obras de direito: porque
por obras de lei nenhuma carne será justificada. (2.14) <- 2: 17-> Mas se, enquanto
procuramos ser justificados em Cristo, também somos considerados pecadores, {isto faz} que
Cristo serve aos interesses do erro? Claro que não! [As corrupções no evangelho de Pedro
fazem as pessoas serem hipócritas. O evangelho de Pedro continha a verdadeira mensagem do
evangelho da justificação em Cristo, mas também ensinou que você deve ser circuncidado e
estar sob a lei; razão pela qual a corrupção é “nós mesmos também somos considerados
pecadores”. E se essa fosse a mensagem pura do evangelho, faria "Cristo servir aos interesses
do erro"; o que é claro que não é] (2,15) <- 2: 18-> Pois, se eu recompus as coisas que uma vez
derrubei [Tertuliano-46]} S, então demonstro ser um transgressor. (3.1) <- 2: 19-
>[Krestus]. Agora não sou mais eu quem vive, mas |[Krestus] quem mora em mim. E a vida que
agora vivo na carne, vivo pela fé do filho de DEUS [Somente a carne morta está livre da
lei. “Viver na carne pela fé” não significa necessariamente que a carne está viva. O contexto
dita claramente que a carne de Paulo está morta na cruz com Jesus. O "Corpo de Cristo" (a
igreja) é um corpo de carne morta que está na cruz. (Isso é uma coisa maravilhosa do ponto de
vista espiritual. Quem não gostaria de trocar seu corpo corrupto de carne por um incorruptível
espírito ?!) Acrescentar lei a essa apresentação é como circuncidar um cadáver. Paulo não
estava repreendendo Pedro, mas condenando a corrupção no evangelho de Pedro, que foi a
causa da hipocrisia de Pedro], que me amou e se entregou por mim. (3.3) <- 2: 21-> Não
repudio a graça de DEUS:[Krestus] morreu por nada. () <- 3: 1-> () <- 3: 2-> () <- 3: 3-> () <- 3: 4-
> () <- 3: 5-> [Versículos 3: 1-5; BA-Tertuliano] (3,4) <- 3: 6-> Assim como {Abraão creu em
Deus, e isso lhe foi imputado por justiça [Tertuliano-58]} S. (3.5) <- 3: 7-> {Aprenda {portanto}
que, “o homem justo viverá da sua fé” [Habacuque 2: 4] [Tertuliano-48,49,50,60; Epifânio-
100,108,109] } d [O versículo 3: 7 é o primeiro versículo de Gálatas citado por Epifânio],[SP-
57,60-Tertuliano, BA-Ephiphanius]. () <- 3: 8->[BA-Tertuliano; BA-Epifânio] () <- 3: 9-> [BA-
Tertuliano; BA-Epifânio] (3.6) <- 3: 10-> {Por quantos forem sob a lei estão sob uma maldição
[Tertuliano-52; Epifânio-100,108,110]} g: [BA-Tertuliano; BA-Epifânio] () <- 3: 11-> [PR-
Tertuliano; BA-Epifânio] (3,7) <- 3: 12-> [BA-Tertuliano; BA-Epifânio]; {Pois: “Quem os fizer
viverá por eles” [Levítico 18: 5] [Epifânio 100.108]} l. (3,8) <- 3: 13-> Mas {|[Krestus] tornou-se
uma maldição para nós [Tertuliano-53; Epifânio-98]} g! Para, {"Maldito seja} todo aquele que
se pendura em uma árvore" [Deuteronômio 21:23] [Tertuliano-54; Epifânio-101,111]} l; (3.9) <-
3:14 ->[SP-Tertuliano (Bíblia Católica provavelmente citada)]; para que [possamos receber a
promessa do espírito pela fé [Tertuliano-55]} l. (4.1) <- 3: 15-> Irmãos, {para falar em termos
humanos: Embora uma aliança seja feita pelo homem,, ninguém pode colocá-lo de lado ou
adicionar algo a ele [Tertullian-64]} d. (4.2) <- 3: 16-> Agora {a Abraão foram feitas as
promessas e a sua Semente. Ele disse que não "às sementes", referindo-se a muitos; mas
referindo-se a um, "à sua Semente", que é Cristo [ES-Tertullian-65,66]} S. (4.3) <- 3: 17-> Agora
isto eu digo: Uma aliança previamente confirmada por Deus, a lei que veio quatrocentos e
trinta anos depois, não anula, de modo a não fazer a promessa de nenhum efeito. (4.4) <- 3:18
-> Porque, se a herança é i da lei, não é mais promessa; mas Deus a concedeu a Abraão por
promessa. (4.5) <- 3: 19-> O que é então a lei? Foi acrescentado por causa de transgressões,
até que a semente chegue a quem a promessa foi feita; e foi ordenado por meio de anjos pela
mão de um mediador. (4,6) <- 3: 20-> Agora, um mediador não é um mediador para apenas
uma parte; i; e deus é uma das duas partes. [Tertuliano, depois de citar o versículo 3:16,
implica fortemente que ele não estava citando o Apostolicon dizendo: “Mas, na verdade, é
supérfluo insistir no que ele apagou, quando pode ser. mais efetivamente refutado daquilo
que ele reteve ”(Tertuliano-66). Então, Tertuliano cita nada mais até o versículo 3:26. Isso leva
a concluir facilmente que os versículos 3: 16-25 são uma interpolação não incluída no
Apostolicon. No entanto, a prioridade número um de Tertuliano é vencer o argumento, e seu
argumento número um é provar que existe apenas um deus que é ao mesmo tempo o deus
justo e bom, tanto o criador do mundo quanto o criador do 'novo criação '(em Cristo), tanto o
doador da lei quanto aquele que acaba com a lei, oferecendo a Seu filho para resgatar os que
estão sob sua própria lei! Em vez de entrar no mundo de Jeová como um 'comprador' para nos
redimir de Jeová, Tertuliano deve assumir a posição de que Cristo, agindo em nome de Jeová,
nos redimiu de Jeová; fazendo a Jeová o comprador e o vendedor de uma mesma
transação! Se Tertuliano citou esses versículos, ele teria que lidar com essas
implicações. Defender sua posição seria ainda mais complicado ao lidar com os versículos 3:
19-20. Ao fazer isso, perder seu argumento seria inevitável. Essa é a verdadeira razão pela qual
Tertuliano começou a citar esses versículos e, em seguida, deu a entender, embora ele não
tenha dito explicitamente, que eles não estavam no Apostolicon, e depois prosseguiu para a
próxima seção. Nos versículos 3: 19-20, lemos: “O que então é a lei? Foi acrescentado por
causa de transgressões, até que a semente chegue a quem a promessa foi feita; e foi ordenado
por meio de anjos pela mão de um mediador. Agora, um mediador não é um mediador para
apenas uma parte; i; e deus é um dos dois partidos i ”. Vamos analisar esses versículos, assim
como Tertuliano teria feito se tivesse lidado com eles, para ver a que conclusões teríamos de
chegar. "Um mediador não é um mediador para um"; uma observação óbvia; não pode haver
apenas uma parte na mediação; um mediador deve ser um mediador para pelo menos duas
partes. É seguro inferir que o mediador aqui mencionado é Moisés. Quem são as duas partes
nessa mediação? "Ela [a lei] foi ordenada por meio de anjos": Tal declaração explícita exige
que incluamos “os anjos” como parte dessa mediação. Não é preciso dizer que a outra parte
dessa mediação são aqueles que foram os destinatários da lei, os filhos de Israel. Assim, temos
as duas partes envolvidas; mas espere, Deus também não faz parte dessa 'entrega da
lei'? Depois de afirmar que “um mediador não é um mediador para uma única festa”, ele
continua dizendo: “e Deus é um”. Muitos comentaristas tentaram interpretar essa afirmação
como algo semelhante à doutrina católica da Trindade. Fazer isso desconecta o verso de seu
contexto e, especialmente, a continuidade do verso diretamente diante dele. Isso não é
permitido no grego! A palavra “and” na frase “{and} i god is one” é a partícula conjuntiva grega
“de” (“de theos eimi heis”). Essa partícula conjuntiva marca a superadição de uma cláusula {na
continuação de} o que a precedeu. (Pode também servir para marcar a retomada de um
discurso interrompido.) Portanto, “deus é um” {devo} me relacionar com “um mediador não é
um mediador de uma única festa}”. Isso força o significado a ser: "deus é uma {das duas
partes} i". (A versão etíope tem esta tradução: “deus é um dos dois”.) Portanto, deixemos de
lado o preconceito dos tradutores trinitários para que possamos seguir o contexto e o
significado das escrituras! Agora, se deus é uma das duas partes, e não há indicação de que
haja mais partes envolvidas, apenas duas - nem mais nem menos - claramente, Deus está no
grupo dos “anjos”: Deus é um anjo! Tertuliano, temendo, antes deste versículo, quão difícil
pode ser refutar a doutrina marcionita usando as escrituras paulinas, comentando Gálatas 1: 8
disse: “Mas talvez, para evitar essa dificuldade, você dirá que ele acrescentou logo depois:“
Embora {um anjo} eu do céu pregue qualquer outro evangelho, seja amaldiçoado ”, porque ele
era ciente de que {o Criador} eu iria introduzir um evangelho! ... Ele disse "anjo" dessa
maneira, para mostrar quanto mais homens não devem acreditar, quando nem um anjo nem
um apóstolo deveriam ser; não que ele pretendesse {aplicar um anjo ao evangelho do Criador}
i ”(Tertuliano- 21,22,23). Em conclusão, os versículos 3: 16-25 de Gálatas são considerados
incluídos no cânon original do Apostolicon]. (4.7) <- 3:21 -> {É} a lei então contra as promessas
de Deus? Claro que não! Pois, se houvesse uma lei que pudesse dar vida, verdadeiramente a
justiça estaria fora da lei. (4.8) <- 3: 22->| pode ser dado àqueles que acreditam. (4.9) <- 3: 23-
> Mas, antes que a fé viesse, fomos mantidos em custódia sob a lei, encarcerados até que a fé
fosse revelada posteriormente. (4.10) <- 3:24 -> De modo que a lei {em vigor} eu vim para ser
nossa escolta; até Cristo, para que sejamos justificados pela fé. (4.11) <- 3: 25-> Mas agora que
a fé chegou, não estamos mais sob escolta. (4.12) <- 3: 26-> {Pois todos sois filhos de fé
[Tertuliano-56]} d, . (4.13) <- 3: 27-> Pois muitos de vocês que foram batizados em Cristo
vestiram | [Krestus]. (4.14) <- 3: 28-> Não pode haver judeu nem grego, não pode haver
vínculo nem liberdade, não pode haver homem e mulher; porque todos sois um em Cristo
|| (4.15) <- 3: 29-> E se sois i 'Cristo', então sois a 'Semente' de Abraão, herdeiros de acordo
com a promessa. (5.1) <- 4: 1-> Mas digo que, desde que o herdeiro seja filho, ele não difere
nada de escravo de escravos, embora seja o senhor de todos; (5.2) <- 4: 2-> mas permanece
sob tutores e mordomos até o dia designado pelo pai. (5.3) <- 4: 3-> E assim, {quando éramos
crianças, fomos colocados em cativeiro sob as forças espirituais rudimentares deste sistema
mundano [Tertuliano-63]} d: [Versos 3: 21b-28,4 : 1-2 estão relacionados com o versículo 4:
3. O versículo 3:29 está relacionado aos versículos 3: 15-25] (5.4) <- 4: 4-> {Mas quando chegou
a plenitude dos tempos, DEUS enviou seu filho [ES-Tertuliano-66,67]} l,[BA-Tertuliano], (5.5) <-
4: 5-> {para resgatar aqueles que estão sob lei [Tertuliano-68]} l, {para que possamos receber
{os Pais} a minha nomeação para ser filhos [Tertuliano-69 ]}eu. (5.6) <- 4: 6-> E[BA-Tertuliano],
{ele enviou Seu espírito em nossos corações, gritando: 'Abba, pai' [Tertullian-70]} d. () <- 4: 7-
>[BA-Tertuliano] (5,7) <- 4: 8-> {Anteriormente, , serviis àqueles que, em essência, não são
DEUSES [Tertuliano-73]} g: (5.8) <- 4: 9-> mas agora que conhecemos a DEUS (ou melhor, a
sermos conhecidos por DEUS) como de volta {aos rudimentos fracos e espiritualmente
inferiores [Tertullian-71]} l? Como você pode desejar estar novamente em cativeiro com
eles? (5.9) <- 4: 10-> {Observais dias, meses, estações e anos [Tertuliano- 74]} l. (5.10) <- 4: 11-
> Tenho medo de você, para que, de qualquer maneira, lhe tenha dado trabalho em vão. (5.11)
<- 4:12 -> Peço-lhes, irmãos, que se tornem como eu sou, porque também eu sou como
sou. Não me fizeste mal: (5.12) <- 4: 13-> mas sabes que, por causa de uma enfermidade da
carne, preguei o evangelho pela primeira vez: (5.13) <- 4: 14-> e aquilo que Em minha carne fui
uma tentação para vós que não desprezastes nem rejeitastes; mas vós me recebestes como
anjo de Deus; como Cristo [Paulo nunca negou o título de "Cristo"] ||! (5.14) <- 4:15 -> Onde
então estou sua felicidade? Pois eu testemunho que, se possível, vocês arrancariam seus olhos
e me dariam. (5.15) <- 4:16 -> Então, eu me tornei seu inimigo, dizendo a verdade? (5.16) <-
4:17 -> Eles buscam você zelosamente, mas não para qualquer propósito ideal; mas eles
querem te calar para que você os procure. (5.17) <- 4:18 -> No entanto, é bom ser
zelosamente procurado por um ideal, e não apenas quando estou presente com você. (5.18) <-
4: 19-> Meus filhinhos, dos quais estou de novo em trabalho de parto até que Cristo seja
formado em você, (5.19) <- 4: 20-> mas eu gostaria de estar presente com você agora, e mudar
meu tom; pois estou perplexo com você. (6.1) <- 4: 21-> Diga-me, vocês que desejam estar
debaixo da lei, não ouvem a lei? (6.2) <- 4: 22-> {Para{Abraham [“Abraham”; ES-Tertullian-75]}
tive dois filhos, um por uma serva de escravos, o outro por uma mulher livre [Tertullian-76]}
l; (6.3) <- 4: 23-> {mas quem nasceu depois da carne era da serva [Tertuliano-76]} l, {mas quem
é promissor é pela mulher livre [Tertuliano-76; Epifânio -101.111]} l: (6.4) <- 4: 24-> {que coisas
são {assim} alegorizadas [Tertullian-76]} g: {Estas são as duas Ostensões [“Ostensões”: a
palavra usada por Paulo para os dois campos separados de apresentações vocacionais, que
correspondem aos dois poderes no céu] [Tertullian-77]} d, {o único {Ostension} i se refere à
sinagoga dos judeus, que de acordo com a lei (do Monte Sinai) , gera para a escravidão
[Tertuliano-78]} d,[BA-Tertuliano] () <- 4: 25-> [BA-Tertuliano] (6,5) <- 4: 26-> [BA-Tertullian] {a
outra {Ostensão} que eu engendro {para a liberdade, sendo elevado} eu muito acima de todas
as divindades arquônicas, soberania e domínio espiritual, e todo nome que é nomeado, não
apenas neste éon, mas no um por vir; qual é a mãe de todos nós; em que nós também temos a
promessa da santa igreja [A Ostensão superior (aquela que “é a própria mãe de todos nós”) se
relaciona com a promessa da Igreja, porque aqueles que são de essa Ostensão constitui o
“Pneumaticon” (aqueles que pelo batismo são um em Cristo, ou seja, um no Apóstolo;
portanto, eles poderiam ser chamados de 'Apóstolos', porque, embora haja apenas um
Apóstolo, ainda assim, todos são um, o apóstolo); ou, no contexto da igreja, o presbitério. Não
havia "ordenação ao sacerdócio" na Igreja Marcionita; mas esse conceito na Igreja Católica
evoluiu do entendimento marcionita, no qual todos os que alcançam a ressurreição dentre os
mortos pelo batismo são chamados a ministrar aos da primeira Ostensão - aqueles que são do
corpo de Cristo: a Igreja. Em outras palavras, a segunda Ostensão fornece bispos para a Igreja]
[Tertuliano-78]} d. [Os redatores mudaram a maior parte deste versículo para Efésios /
Laodicéia 1:21. Você pode esperar que, se um redator movesse um verso, ele seria movido
para dentro da mesma epístola, não de uma epístola para outra! E Gálatas reconstruídos é
muito semelhante no estilo de escrita aos Laodicenses reconstruídos. E o 'prólogo' para os
Laodiceianos é perdido, descartado ou nunca foi escrito.[BA-Tertuliano] () <- 4: 28-> [BA-
Tertuliano] () <- 4: 29-> [BA-Tertuliano] () <- 4: 30-> [BA- Tertuliano] (6,6) <- 4: 31-> {Então,
irmãos, não somos filhos da mulher do vínculo, mas da livre [Tertuliano-79]} l. (6.7) <- 5: 1->
Portanto, permaneça {na liberdade com que |[Krestus] nos libertou [Tertullian-80]} l, e não se
enreda novamente no jugo da escravidão [Tertullian-80]} l. (7.1) <- 5: 2-> Eis que eu vos digo
que, se você receber a circuncisão, Cristo não terá nenhum benefício para você. (7.2) <- 5: 3->
{Testifico novamente que um homem que recebe a circuncisão é um devedor de cumprir toda
a lei [Epifânio-102.112]} l. (7.3) <- 5: 4-> Vocês são separados de Cristo, vocês que seriam
justificados pela lei; vós caímos da graça. (7.4) <- 5: 5-> Porque nós, através de pneuma,
esperamos pela esperança da justiça. (7.5) <- 5: 6-> Para {em Cristonem a circuncisão
aproveita nada, nem a incircuncisão [Reiteração de Gálatas 3: 28a] [Tertuliano-83]} l; mas {fé
trabalhando através do amor [Tertuliano-84]} l. (7.6) <- 5: 7-> Vós estavam correndo
bem; quem te impediu de não obedecer à verdade? (7.7) <- 5: 8-> Essa persuasão não veio
dAquele que te chama. (7.8) <- 5: 9-> {Um pouco de fermento corrompe toda a massa
[Epiphanius-103,113]} d. (7.9) <- 5: 10-> Tenho confiança para com você no i Senhor, para que
não se preocupe de outra maneira: {mas quem o perturbar terá que {suportar} seu julgamento
[Tertuliano-85] } eu, quem quer que seja. (7.10) <- 5: 11-> Mas eu, irmãos, se eu || pregar a
circuncisão, por que eu sou | | perseguido? Então a pedra de tropeço da cruz foi
eliminada. (7.11) <- 5: 12-> Desejo que aqueles que o perturbam sejam castrados ["Seja
castrado": um pré-requisito para o rito de redenção (2º batismo) na fé marcionita. Paulo
mostra um certo respeito por Pedro, implicando apenas indiretamente nele, e no evangelho
de Pedro, como a razão do distúrbio na Galácia. (A referência a “a pedra de tropeço” (versículo
5:11) também implica “Pedro”, cujo nome pode ser entendido como “uma pedra de
tropeço”). Este respeito é devido porque Pedro já foi Cefas, ou Caifás, o sumo sacerdote em
Jerusalém. Paulo revela aqui que Pedro não foi castrado e, portanto, não teve o rito de
redenção, e, portanto, é evidente que Pedro permanece no campo da primeira Ostensão
inferior]! (7.12) <- 5: 13-> Pois vós, irmãos, foram chamados à liberdade; somente {não} utilizo
sua liberdade para uma ocasião para a carne, mas pelo amor sejamos escravos um do
outro. (7.13) <- 5: 14-> {Pois toda a lei é cumprida por você {naquele} i: “Amarás o teu próximo
como a ti mesmo” [Tertuliano-86,87; Epifânio-104,114]} d. (7.14) <- 5: 15-> Mas se você
morder e devorar um ao outro, observe que não será consumido um pelo outro. (7.15) <- 5:16
-> Mas eu digo: ande em espírito, e não cumprireis os maus desejos da carne. (7.16) <- 5:17 ->
Pois os maus desejos da carne são contra o espírito, e o espírito contra a carne; pois estes são
contrários um ao outro; para que não façais o que quereis. (7.17) <- 5: 18-> Mas se sois
guiados pelo espírito, não estais debaixo da lei. (7.18) <- 5: 19-> {Agora as obras da carne são
manifestas, | fornicação, impureza, lascívia, (7.19) <- 5: 20-> idolatria, feitiçaria, ódio,
contenda, ciúme, ira, facções, divisões, seitas, (7,20) <- 5: 21-> inveja, embriaguez, folias, ; dos
quais eu lhes digo, como também já lhes disse antes, que aqueles que praticam tais coisas não
herdarão o reino de Deus [Epifânio-105.115]} l. (7.21) <- 5: 22-> Mas o fruto do espírito é
amor, alegria, paz, longanimidade, bondade, bondade, fidelidade, (7.22) <- 5: 23-> mansidão,
autocontrole; Contra tal não há lei. (7.23) <- 5: 24-> E os que são eu Cristocrucificamos a carne
{com} as paixões e os maus desejos [Epifânio-106.118]} l. (7.24) <- 5: 25-> Se vivemos pelo
espírito, pelo espírito também andemos. (7,25) <- 5: 26-> Não nos tornemos vaidosos,
provocando um ao outro, invejando um ao outro. (8.1) <- 6: 1-> Irmãos, se alguém for
dominado por alguma ofensa, vocês que são pneumáticos, restaurem tal pessoa em espírito
de mansidão; considere-se também, para não ser tentado. (8.2) <- 6: 2-> {Carregai os encargos
uns dos outros e, assim, cumprimos a lei de Cristo [Tertuliano-88]} l. (8.3) <- 6: 3-> Porque, se
alguém se supõe ser algo que não é, engana a si mesmo. (8.4) <- 6: 4-> Mas que cada um prove
sua própria obra, e então se gloriará apenas em relação a si mesmo, e não em relação a
outro. (8.5) <- 6: 5-> Pois cada um deve assumir sua própria responsabilidade. (8.6) <- 6: 6->
Deixe que quem é instruído na palavra compartilhe todas as coisas boas com o instrutor. (8.7)
<- 6: 7-> {Vós estais enganados; Deus não se zomba [Tertullian-89]} d: {para quem semeia, isso
também ceifará [Tertullian-90]} l. (8.8) <- 6: 8-> Porque quem semeia na sua própria carne, da
carne ceifará corrupção; mas quem semeia no pneuma colherá da vida eterna. (8.9) <- 6: 9-> E
não nos cansemos de fazer o bem [Tertuliano-91]} l: pois {no devido tempo colheremos
[Tertuliano-93]} l, se não desmaiarmos. (8.10) <- 6: 10-> Então, como temos oportunidade,
façamos o bem [Tertuliano-92]} l para com todos, e especialmente com os que são da família
da fé. (8.11) <- 6: 11-> Veja com que letras grandes escrevo para você com minha própria
mão. (8.12) <- 6: 12-> Todos quantos desejam fazer uma demonstração justa na carne,
obrigam você a ser circuncidado; apenas para que eles não sejam perseguidos pela cruz de
Cristo. (8.13) <- 6: 13-> {Pois nem os que recebem a circuncisão cumprem a lei [Epifânio-
107.120]} l; mas eles desejam que você seja circuncidado, para que se gloriem na sua
carne. (8.14) <- 6: 14-> Mas, quanto a mim, não me gloriarei, exceto na cruz [Visto que Paulo
disse que alguém deveria "se gabar apenas de si mesmo e não de outro" (versículo 6): O
trabalho de Paulo tinha que ser o da cruz!] | {Pois nem os que recebem a circuncisão cumprem
a lei [Epifânio-107.120]} l; mas eles desejam que você seja circuncidado, para que se gloriem
na sua carne. (8.14) <- 6: 14-> Mas, quanto a mim, não me gloriarei, exceto na cruz [Visto que
Paulo disse que alguém deveria "se gabar apenas de si mesmo e não de outro" (versículo 6): O
trabalho de Paulo tinha que ser o da cruz!] | {Pois nem os que recebem a circuncisão cumprem
a lei [Epifânio-107.120]} l; mas eles desejam que você seja circuncidado, para que se gloriem
na sua carne. (8.14) <- 6: 14-> Mas, quanto a mim, não me gloriarei, exceto na cruz [Visto que
Paulo disse que alguém deveria "se gabar apenas de si mesmo e não de outro" (versículo 6): O
trabalho de Paulo tinha que ser o da cruz!] ||, através do qual o mundo é crucificado para mim
e eu para o mundo [Tertullian- 94]} l. (8.15) <- 6: 15-> Porque a circuncisão não é nada, nem a
incircuncisão, mas uma nova criatura. (8.16) <- 6: 16-> E todos quantos viverem por esse
princípio fundamental, que a paz esteja com eles, com misericórdia e com o Israel de DEUS [O
Israel de DEUS é aquele que luta contra as hostes espirituais iníquas nos céus (Efésios /
Laodicéia 6:12); como Jacó (Israel) também fez (Gênesis 32: 24-30). No entanto, há outro
significado que sai do contexto de Gálatas. Isaque é o filho da mulher livre (Gálatas 4:22), e
Isaque representa o Cristo (porque ele deveria ser sacrificado por Abraão (que representa
Jeová - os demiurgos), mas em seu lugar um "cordeiro de deus" (representando Jesus ) tomou
o seu lugar, salvando Isaque de ser sacrificado). O filho de Isaque é Jacó, que depois de lutar
com os demiurgos recebeu o nome de "Israel". O verdadeiro Cristo (a quem Isaque
representava) era Paulo. Paulo disse aos gálatas: “Meus filhinhos, dos quais estou de novo em
trabalho de parto até que Cristo seja formado em vocês” (Gálatas 4:19), porque a verdadeira
salvação é um processo de nascer pneumaticamente de novo. Paulo estava trabalhando, na
esperança de gerar Gálatas nascidos de novo, e é Cristo quem deu à luz a Cristo, daí a frase:
"Cristo seja formado em você". É claro que Paulo é espiritualmente feminino nesse contexto,
porque ele é a personificação da Ostensão superior, como ele disse: “a outra {Ostensão} que
eu engendro {a liberdade} i ... qual {Ostensão} eu sou a {muito} i Mãe de todos nós; em que
também temos a promessa da santa igreja ”(Gálatas reconstruídos 4:26). Paulo fala de
"Israel", no contexto de sua carta aos gálatas, estão os filhos de Paulo, os gálatas
pneumaticamente nascidos de novo]. (8.17) <- 6: 17-> De agora em diante, ninguém me
assedie; pois carrego em meu corpo as marcas [“Marcas” (estigmas) eram as marcas reais da
crucificação, significando que Paulo foi marcado como escravo de Jesus, e um sinal de que
Paulo era o Cristo. Ele também sugere o nome / título real de Paulo, que é 'Marcos'. Não há
registro de nenhum hebraico que tenha o nome "Marcos" em toda a antiguidade até o nome
'Marcus Julius Agrippa' (que o pesquisador Stephan Huller mantém era o mesmo que o
apóstolo Paulo), o último rei da Judéia. Em aramaico, 'Mark' pode ser considerado um nome
ou um título, dependendo do contexto. De 'Mark' são derivados os termos 'Marcion' e
'Marcionites'. Em aramaico, 'Marcion' é 'Marqiyônê', e significa 'os seguidores de
Marcos'. Assim como o nome / título “Israel”, no versículo anterior, era entendido como 'o
primeiro a lutar com a arcanidade Jeová', Paulo aqui implica que ele é o primeiro a realmente
se triunfar sobre ele. a arqueologia Jeová na cruz com Jesus. Os estigmas de Paulo são
declarados como um fato literal, não como um 'milagre'. Paulo certamente não sugeriu que
fosse um milagre, pois o fenômeno dos estigmas como um milagre era tardio (São Francisco de
Assis, agosto † 1224) e apenas na Igreja Romana. Não há registro de tal 'milagre' ocorrendo no
Oriente. Todas as igrejas ortodoxas orientais negam, ou pelo menos questionam, a
legitimidade do fenômeno dos estigmas como um milagre]. foi entendido como o 'primeiro a
lutar com a arcondição de Jeová', Paulo aqui implica que ele é o primeiro a realmente triunfar
sobre a arca de Jeová na cruz com Jesus. Os estigmas de Paulo são declarados como um fato
literal, não como um 'milagre'. Paulo certamente não sugeriu que fosse um milagre, pois o
fenômeno dos estigmas como um milagre era tardio (São Francisco de Assis, agosto † 1224) e
apenas na Igreja Romana. Não há registro de tal 'milagre' ocorrendo no Oriente. Todas as
igrejas ortodoxas orientais negam, ou pelo menos questionam, a legitimidade do fenômeno
dos estigmas como um milagre]. foi entendido como o 'primeiro a lutar com a condição de
Jeová', Paulo aqui implica que ele é o primeiro a realmente triunfar sobre a arca de Jeová na
cruz com Jesus. Os estigmas de Paulo são declarados como um fato literal, não como um
'milagre'. Paulo certamente não sugeriu que fosse um milagre, pois o fenômeno dos estigmas
como um milagre era tardio (São Francisco de Assis, agosto † 1224) e apenas na Igreja
Romana. Não há registro de tal 'milagre' ocorrendo no Oriente. Todas as igrejas ortodoxas
orientais negam, ou pelo menos questionam, a legitimidade do fenômeno dos estigmas como
um milagre]. Os estigmas de Paulo são declarados como um fato literal, não como um
'milagre'. Paulo certamente não sugeriu que fosse um milagre, pois o fenômeno dos estigmas
como um milagre era tardio (São Francisco de Assis, agosto † 1224) e apenas na Igreja
Romana. Não há registro de tal 'milagre' ocorrendo no Oriente. Todas as igrejas ortodoxas
orientais negam, ou pelo menos questionam, a legitimidade do fenômeno dos estigmas como
um milagre]. Os estigmas de Paulo são declarados como um fato literal, não como um
'milagre'. Paulo certamente não sugeriu que fosse um milagre, pois o fenômeno dos estigmas
como um milagre era tardio (São Francisco de Assis, agosto † 1224) e apenas na Igreja
Romana. Não há registro de tal 'milagre' ocorrendo no Oriente. Todas as igrejas ortodoxas
orientais negam, ou pelo menos questionam, a legitimidade do fenômeno dos estigmas como
um milagre].Cristo [Tertuliano-95]} l. (8.18) <- 6: 18-> A graça de nosso Senhor Jesus
|[Krestus] {be} i com seu pneuma, irmãos. Um homem.