Você está na página 1de 5

PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO PARA INVESTIGAÇÃO DE DISFAGIA OROFARÍNGEA EM ADULTOS

Dados de Identificação do paciente:

Nome:_______________________________________________________ Idade:_____________ Data de Nasc:________________

Pront: __________________ Leito:_____________________ Acompanhante:____________________________________________

Equipe:_____________________________________________________________________________________________________

Escala NIH: ________________________ Escala Rankin: _______________________ Escala Barthel: _________________________

Diagnóstico médico principal:___________________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________________________________

Diagnóstico médico secundário:_________________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________________________________

Data de Internação:__________________________ Data da Avaliação:___________________________ Horário:_______________

Avaliador:_________________________________ Motivo da avaliação: ________________________________________________

Parte I - Anamnese:

a. Problemas de deglutição anterior a esta internação:

b. Uso de sonda para alimentação anterior a esta internação e por quanto tempo:

c. Qual a dieta atual:

d. Se estiver recebendo via oral, acompanhante/paciente observa qual dificuldade para a alimentação por boca e em qual
consistência:

e. Observa engasgo, tosse, sufocamento com algum tipo de alimento:

f. Quanto tempo leva para se alimentar: - de ou = 20 min ( ) 30 min ( ) + de 30 min ( )

g. Alimenta-se sozinho: ( ) Sim ( ) Não Porque e quem auxilia:_________________________________________

h. Emagrecido ( ) Sim ( ) Não (peso: ____________________ ) ( ) desnutrido ( ) desidratado

i. Padrão respiratório: secreção, traqueostomia, necessita de aspiração, se foi intubado, investigar quanto tem ficou
intubação e em ventilação mecânica.

Observações:_______________________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________________________
PARTE II - AVALIAÇÃO SENSÓRIO MOTORA- ORAL protocolo baseado em Carrara-de Angelis,E – 2009- Tratado de Deglutição e
Disfagia. Versão Adaptada – Almeida, ST – 2012

LÁBIOS Não- alterado Alterado Comentários Não realiza


Vedamento em repouso Queda comissura
Protrusão Queda comissura
Retração Queda comissura

MOBILIDADE FORÇA
LÍNGUA Não-alterado Alterado Não-alterado força Alterado força Não realiza
mobilidade mobilidade
Protrusão Ponta empurra
Retração Desvio D E
Lateralização E Lateral empurra
Lateralização D
Língua na bochecha E Contra resistência
Língua na bochecha D Contra resistência
Elevação de ponta
Língua no lábio superior

Língua no lábio inferior


SENSIBILIDADE Não-alterado Alterado Não realiza
sensibilidade sensibilidade
Hemilíngua D
Hemilíngua E
Ponta
Meio
Parte superior

FACE Não-alterado Alterado Comentário Não realiza


Testa
Bochechas
Queixo

PALATO DURO Não- alterado Alterado Comentário Não realiza

PALATO MOLE Não-alterado Alterado Comentário Não realiza


Elevação
MANDÍBULA Não-alterado Alterado Não realiza
Abrir a boca Leve e restrito
Moderado e restrito
Grave e restrito

Lateralização Sem movimento D E


Movimento Reduzido D E

LARINGE Não-alterado Alterado Comentários Não realiza

Movimento à deglutição Reduzido


Técnica dos 4 dedos Incoordenado
(elevação laríngea não se verifica Dor
em pacientes com TQT)
Contar de 1 a 10 Lento Rápido Adequado

Altura vocal Grave


“i”agudo, “u”grave Aguda
Vogal prolongada / a/ presente ausente
fraca forte

DENTES ( )parcial ( )total ( )ausentes PRÓTESE ( )parcial ( )total ( )não usa HIGIENE ORAL ( )adequada ( )inadequada
COMUNICAÇÃO E ARTICULAÇÃO: _______________________________________________________________________________
AUDIÇÃO: __________________________________________________________________________________________________
SERÁ APLICADO PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO DE LINGUAGEM? ( ) SIM ( ) NÃO

Parte III - GUSS – Gugging Swallowing Screening - Trapl M et al. Stroke 2007;38:2948-2952 e BST – Bolus Swallow Test –
Schultheiss, C et al. Eur Arch Otorhinolaryngol (2011) 268:1837–1844 Versão Adaptada – Almeida, ST - 2012

1. Investigação Inicial – Teste de Deglutição Indireto

SIM NÃO
A. Estado de Consciência (mantém alerta por mais de 15 1 ( ) 0 ( )
minutos)
B. Tosse e/ou limpeza da garganta (tosse voluntária); 1 ( ) 0 ( )
(paciente consegue tossir e/ou limpar a garganta duas SOMA: ________ (5)
vezes)
C. Deglutição de saliva: 1-4: investigação Complementar

Consegue deglutir saliva 1 ( ) 0 ( ) 5: continue parte 2


Consegue deglutir saliva somente com estímulo 1 ( ) 0 ( )
Sialorréia presente 0 ( ) 1 ( )
Alterações vocais (rouquidão, soprosidade, fraca) 0 ( ) 1 ( )
2. Teste Direto de Deglutição (água, alimento espessado – pastoso, pão, colher de sobremesa)

*A EMISSÃO DE VOGAL PROLONGADA “A” DEVE SER SOLICITADA ANTES E APÓS A DEGLUTIÇÃO DO ALIMENTO, EM TODAS AS OFERTAS DE
ALIMENTO, PARA VERIFICAR SE HOUVE MODIFICAÇÃO VOCAL
Ordem de realização 1. Pastoso* 2.Liquido** 3.Sólido***
DEGLUTIÇÃO
 Não consegue deglutir 0 ( ) 0 ( ) 0 ( )

 Deglutição lenta (>2seg.) (>10seg. sol.) 1 ( ) 1 ( ) 1 ( )

 Deglutição eficiente 2 ( ) 2 ( ) 2 ( )

TOSSE (Involutária; antes, durante ou após –até 3 min.- a deglutição)


 Sim 0 ( ) 0 ( ) 0 ( )

 Não 1 ( ) 1 ( ) 1 ( )

Sialorréia
* Sim 0 ( ) 0 ( ) 0 ( )
* Não 1 ( ) 1 ( ) 1 ( )
Modificação Vocal (solicitar vogal prolongada “a” antes e após a deglutição
do alimento)
* Sim
0 ( ) 0 ( ) 0 ( )
* Não
1 ( ) 1 ( ) 1 ( )

SOMA (5) (5) (5)

SOMA GERAL – Testes indireto e direto: 1-4: investigação 1-4: investigação 1-4: investigação
complementar complementar complementar
____________________________ (20)

5: manter pastosos 5: manter líquidos 5: normal

*Administrar de 1/3 e ½ colher de chá de alimento pastoso na consistência pudim. Caso não apareçam sintomas de incoordenação, oferecer
de 3 a 5 colheres cheias. Concluir a avaliação após a 5ª colher. Interromper avaliação na presença de sinais de incoordenação.
** 3, 5, 10, 20 ml de água em copo.Devem ser deglutidos em uma vez. Caso não apareçam sintomas de incoordenação, oferecer 50ml. Concluir
a avaliação e interrompê-la quando aparecer um sintoma de incoordenação.
*** oferecer pão seco 5 vezes.

3. AVALIAÇÃO FUNCIONAL DA DEGLUTIÇÃO – Ausculta Cervical Legenda: Antes ( A)/ Durante ( D) / Depois ( DP)

AUSCULTA CERVICAL Negativa Positiva NÃO REALIZADA POR USO DE TQT

Saliva

Pastoso

Líquido
Sólido

Escala FOIS (Crary ET AL. 2005): Inicial: _______ Final: ______

Provas terapêuticas:

Conclusão:

Conduta:

Planejamento terapêutico:
GUSS – Guia de Conclusão e Conduta

Score Resultados Conclusão Recomendação


20 Sucesso com pastoso Deglutição Normal ou  Dieta Normal
líquido e sólido Disfagia Leve sem ou com
 Controlar líquidos ou necessidade de
mínimo risco de aspiração
espessamento – supervisão de acompanhante,
enfermagem ou fonoaudiologia
 Reavaliação Fonoaudiológica pode
ser necessária
15-19 Sucesso em pastoso Disfagia Leve com baixo  Dieta com pastosos e líquidos
e líquido e alterações risco de aspiração
 Líquidos ingeridos com cuidado ou
com sólido
espessados
 Fonoterapia
 FESS ou VFD podem ser indicadas
10-14 Sucesso com Disfagia moderada com  Necessidade de via alternativa de
pastosos risco de aspiração alimentação
Alterações com  Todos os líquidos devem ser
líquidos e sólidos espessados
 Alimentação pastosa lisa
 Sem medicamentos líquidos e
comprimidos devem ser amassados e
misturados com liquido espessado ou
pastoso
 Indicação de VFD E/OU FESS
 Fonoterapia
0-9 Avaliação indireta Disfagia grave com alto  Sem indicação de alimentação por via
sem sucesso ou risco de aspiração oral
alteração com
 VFD e/ou FESS podem ser indicadas
pastoso
 Fonoterapia

Guia de Avaliação - FOIS – Functional Oral Intake Scale (Crary et al., 2005) – Adaptado

Nível 1: Nada por via oral

Nível 2: Dependente de via alternativa com mínima via oral de alimento ou líquido

Nível 3: Dependente de via alternativa com consistente via oral de alimento ou líquido

Nível 4: Via oral total de uma única consistência

Nível 5: Via oral total com múltiplas consistências, mas com necessidade de preparo especial ou compensações

Nível 6: Via oral total com múltiplas consistências, mas sem necessidade de preparo especial ou compensações,
porém com restrições para alguns alimentos

Nível 7: Via oral total sem restrições

Você também pode gostar