Você está na página 1de 5

30/07/2019 Apneia obstrutiva do sono e distúrbios da linguagem oral

Página 1

+ Modelo
ARTIGO NA IMPRENSA
Braz J Otorhinolaryngol. 2016; xxx (xx) : xxx --- xxx

Revista Brasileira de

OTORRINOLARINGOLOGIA
www.bjorl.org

ARTIGO DE REVISÃO

Apneia obstrutiva do sono e distúrbios da linguagem oral


Camila de Castro Corrêa a , ∗ , Maria Gabriela Cavalheiro b , Luciana Paula Maximino b ,
Silke Anna Theresa Weber a

um Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista


Júlio de Mesquita Filho (FM-UNESP), Botucatu, SP, Brasil
b Departamento de Fonoaudiologia e Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo (FOB-USP),

Bauru, SP, Brasil

Recebido em 14 de junho de 2015; aceito em 10 de janeiro de 2016

PALAVRAS-CHAVE Resumo
Linguagem infantil; Introdução: Crianças e adolescentes com apneia obstrutiva do sono (AOS) podem ter conseqüências
Distúrbios de linguagem; quedas, como sonolência diurna e distúrbios de aprendizagem, memória e atenção, que podem
Fala, linguagem e interferir na linguagem oral.
ciências auditivas; Objetivo: Verificar, com base na literatura, se a AOS em crianças estava correlacionada com a via oral
Sono obstrutivo distúrbios de linguagem.
apnéia Métodos: Uma revisão de literatura foi realizada no Lilacs, PubMed, Scopus e Web of Science.
bases de dados utilizando os descritores '' Linguagem Infantil '' E '' Apneia Obstrutiva do Sono ''. Artigos
que não discutiu o tópico e incluiu crianças com outras comorbidades em vez de AOS
foram excluídos.
Resultados: No total, nenhum artigo foi encontrado na Lilacs, 37 na PubMed, 47 na Scopus e 38 na Web.
bases de dados da Science. Com base nos critérios de inclusão e exclusão, seis estudos foram selecionados,
todos publicados de 2004 a 2014. Quatro artigos demonstraram uma associação entre
ressonar / OSA e linguagem receptiva e quatro artigos mostraram associação com
língua. Vale ressaltar que os artigos utilizaram diferentes ferramentas e consideraram diferentes níveis
da linguagem.
Conclusão: O diagnóstico tardio e tratamento da apneia obstrutiva do sono está associado a
atraso na aquisição de habilidades verbais. Os profissionais que trabalham com crianças devem estar atentos,
a maioria dos sons fonéticos é adquirida durante as idades de 3 a 7 anos, o que também é o pico de
hipertrofia das amígdalas e AOS infantil.
© 2016 Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial. Publicados
por Elsevier Editora Ltda. Este é um artigo de acesso aberto sob a licença CC BY
(http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ ).

Por favor, cite este artigo como: de Castro Corrêa C, Cavalheiro MG, Maximino LP, Weber SAT. Apneia obstrutiva do sono e linguagem oral
distúrbios Braz J Otorhinolaryngol. 2016. http://dx.doi.org/10.1016/j.bjorl.2016.01.017
* Autor correspondente.

E-mail: camila.ccorrea@hotmail.com (C. de Castro Corrêa).

http://dx.doi.org/10.1016/j.bjorl.2016.01.017
1808-8694 / © 2016 Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial. Publicado por Elsevier Editora Ltda. Este é um aberto
artigo de acesso sob a licença CC BY ( http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ ).

BJORL-381; Nº de páginas 7

+ Modelo
Página 2
ARTIGO NA IMPRENSA
2 de Castro Corrêa C et al.

PALAVRAS-CHAVE Apneia obstrutiva do sono e alterações da linguagem oral


Linguagem infantil;
Resumo
Transtornos da
Introdução: Crianças e adolescentes com Apneia Obstrutiva do Sono (AOS) podem apresentar
linguagem;

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 1/5
30/07/2019 Apneia obstrutiva do sono e distúrbios da linguagem oral
sonolência diurna, alterações de aprendizado, memória e atenção, que podem interferir na
Fonoaudiologia;
linguagem oral.
Apneia do sono tipo
Objetivo: Verificar, com base na literatura, se aOS apresentados com alterações da
obstrutiva
linguagem oral.
Método: Foi publicado em bases de dados Lilacs, Pubmed, Scopus e Web of
Ciência, a partir das palavras-chaves '' Linguagem Infantil '' E '' Apneia do Sono Tipo Obstrução
tiva ''. Os artigos que não são relacionados com a tema foram excluídos, bem como estudos com
crianças que apresentavam outras comorbidades, além da AOS.
Resultados: Foram encontrados 0 artigos na base Lilacs, 37 na Pubmed, 47 na Scopus e 38 na
Web of Science. A partir dos critérios de inclusão e exclusão, foram encontrados seis estudos,
Publicado em 2004 a 2014. Publicado em 2004 a 2014
do grupo com ronco primário / SAOS com uma Linguagem de Resposta e em quatro artigos a relação
dessa população com a Linguagem Expressiva. Ressalta-se que os artigos utilizaram instrumentos
diferentes e consideraram os níveis diversificados da Linguagem.
Conclusão: O diagnóstico e tratamento tardio da AOS resultou em mudanças significantes na
qualidade da aquisição verbal. Torna-se imprescindível a atenção dos profissionais que atuam
com uma população infantil para este aspecto, uma vez que grande parte dos filhos da fala são
adquiridos entre 3 --- 7 anos, que corresponde ao período de pico de ligação de hipertrofia
adenoamigdaliana e AOS na infância.
© 2016 Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial. Publicado
por Elsevier Editora Ltda. Este é um artigo Acesso Aberto sob a licença de CC BY
( http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/).

Introdução privilegiada para a aquisição e desenvolvimento de linguagem


e intensa neuroplasticidade do sistema nervoso central,
A apneia obstrutiva do sono (AOS) caracteriza-se por o que favorece a aprendizagem. 11 --- 14
e / ou obstrução completa das vias aéreas superiores durante o sono, Entre as consequências da AOS em crianças, as associações
associado ao aumento do esforço respiratório, fragmentado com atenção e déficits de memória devem ser considerados;
sono, e / ou anormalidades na troca gasosa. 1,2 1,2 tem que poderia prejudicar o processamento e o registro de informações,
diferenças no que é observado em adultos versus crianças diminuindo a capacidade de aprendizagem.15 a 17 A condição também
em relação à fisiopatologia, características clínicas e afeta o humor, habilidades expressivas de linguagem,
tratamento. 2 A fisiopatologia da SAOS em crianças é desempenho, habilidades cognitivas e percepção visual
associado a um padrão predominante de parcial e per- população.18 a 20
obstrução das vias aéreas superiores, resultando em hipercapnia Porque a freqüência relatada de AOS na literatura
hipóxia intermitente. 3Ronco, o principal sintoma de ocorre durante uma importante fase de desenvolvimento
OSA, está presente no quadro clínico de quase todas as crianças crianças pré-escolares eo efeito da OSA nas habilidades envolvidas na
dren com a alteração. Outros sinais e sintomas tais processo de aquisição da língua, aprendizagem e desempenho escolar
respiração bucal forçada com retrações costais, sono Por isso, é relevante avaliar o desenvolvimento de
andar, enurese e suores nocturnos, tosse, engasgos e linguagem nessas crianças. Há fortes evidências de OSA
agitação durante o sono também fazem parte do quadro clínico. associação com déficits neurocognitivos, 6,17,19mas estudos
é comum que essas crianças se movimentem que especificamente focado no desenvolvimento da linguagem
em busca de posições que facilitem a passagem do ar. 4 não foram recuperados da literatura.
O tratamento difere do dos adultos: adenotonsilectomia Para entender a linguagem oral nessa população,
é considerado o tratamento padrão-ouro e, quando habilidades colinguísticas devem ser amplamente investigadas, desde o
formada para as indicações adequadas, beneficia a criança linguagem receptiva, que é definida como a capacidade de
no que diz respeito à neuropsicologia, comportamental e qualifica- compreender a linguagem em diferentes aspectos, tais como
questões de vida; crianças obesas exibem uma menor taxa de de pé o tom da voz do outro durante a fala e
sucesso. 5,6 o significado das palavras, quando estas são usadas em
Estima-se que a prevalência de AOS em crianças saudáveis ent contextos e complexidades; para a linguagem expressiva,
sem outro quadro clínico associado varia de que se refere à capacidade de organizar a língua
0,7% a 3%.7 --- 10 A incidência é maior na pré-escola sistema, na programação do motor; e finalmente, no verbal
gama, uma idade em que há uma maior desproporção entre ização de uma sequência de símbolos e significados, no caso
hipertrofia das tonsilas palatinas e faríngeas e da linguagem oral, resultando na capacidade de expressar-se
dimensões das vias aéreas superiores. 5 Esse período também é reconhecido como verbalmente. 21 --- 23

+ Modelo
Página 3
ARTIGO NA IMPRENSA
Apneia obstrutiva do sono e distúrbios da linguagem oral 3

A observação e medição de todos esses aspectos Resultados


níveis só podem ser alcançados através da aplicação de
protocolos desenvolvidos especificamente para a linguagem nativa do paciente. A pesquisa não encontrou artigos na Lilacs, 37 na PubMed, 47 in
guage que tem escores comparativos com dados normativos Scopus e 38 em bancos de dados da Web of Science.
para cada faixa etária. O único estudo detalhando esse aspecto é Após a primeira análise, lendo os títulos e resumos, oito
uma revisão sistemática dos seguintes testes usados para avaliar estudos foram selecionados. A localização em um ou mais bancos de dados
linguagem oral receptiva: o Vocabulário Peabody onde os artigos foram encontrados é mostrado na Fig. 1 .
Teste, Peabody Picture Vocabulary Test-Revised (PPVT-R), Para a inclusão final, todos os artigos foram lidos na íntegra,
Seleção de Comunicação Sueca aos 18 meses de lei exceto dois, cujas versões completas não estavam disponíveis e
(SCS18), Teste de Recepção de Gramática-2 (TROG-2), Reynell assim foram excluídos. Portanto, Tabela 1mostra os seis
Teste, Reynell Language Development Scales e Reynell são incluídos neste estudo, com informações sobre autoria,
Escalas de Linguagem do Desenvolvimento-II. Também enfatizou que ano, revista e banco de dados de onde foram recuperados,
existem poucas ferramentas e nem todas têm validade mostrado em ordem cronológica ascendente.
estudos.24 Tabela 2 s comos a análise dos artigos incluídos.
Portanto, este estudo teve como objetivo verificar se os
A causa da OSA está associada a uma possível linguagem oral
alterações. Discussão

Uma característica fundamental dos estudos atuais sobre AOS é uma abordagem interdisciplinar.
abordagem que reflicta as deficiências heterogêneas e variadas
que esta condição pode causar; o tratamento requer
Métodos uma visão holística do indivíduo para maior efetividade
ness.
Uma pesquisa bibliográfica foi realizada sem Durante essa busca, observamos que os artefatos selecionados
limitação, usando as palavras-chave '' Child Language '' AND cles em LINGUAGEM ORAL foram publicados apenas recentemente. o
'Apneia Obstrutiva do Sono', bem como a sua contra- o diagnóstico de AOS aumentou nos últimos anos,31 w hich pode

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 2/5
30/07/2019 Apneia obstrutiva do sono e distúrbios da linguagem oral
partes em português, '' Linguagem Infantil '' AND '' Apneia do explicar o aumento do número de crianças com AOS e
Sono Tipo Obstrutiva ''. A busca foi realizada em quatro o maior número de pesquisas científicas atuais que investigam
bases de dados: Lilacs, PubMed, Scopus e Web of Science. esses aspectos.
Os critérios de inclusão foram artigos escritos no A maioria dos estudos foi publicada em revistas pediátricas (quatro),
tópico central de crianças / adolescentes com AOS, com enfoque um em medicina do sono e um em neuropsicologia. isto
nas alterações da linguagem oral. Assim, os critérios de exclusão Vale ressaltar que não houve publicações na fala
incluiu: artigos que avaliaram outras medicações concomitantes
condições calóricas que justificassem alterações do sono ou da linguagem,
como lábio leporino e fenda palatina, síndromes genéticas (Down, cra-
niosinostose e síndrome velocardiofacial) e TDAH;
aqueles com foco em distúrbios da fala motora, como a fala
apraxia; e artigos de revisão de literatura. Vale ressaltar que Pubmed

a busca foi realizada utilizando a VPN (Virtual Private 1

Rede) e artigos que não estavam totalmente disponíveis


1 0
também foram excluídos. 1
0 4
A seleção de artigos foi realizada pela leitura dos títulos e
resumos. Posteriormente, os artigos foram analisados na íntegra, Web de
Scopus 1
após o qual eles foram definitivamente incluídos ou não no Ciência
Reveja. Os artigos incluídos na revisão foram analisados
quanto aos seus objetivos, métodos, resultados e conclusões
sões. Os resultados específicos das avaliações em relação à oralidade
linguagem, avaliou a especificação da linguagem oral figura 1 Descrição do banco de dados dos resumos considerados para
e / ou expressivos) também foram analisados, e as limitações a revisão, em números, mostrando também quando foram encontrados em
de cada estudo foram identificados. mais de um banco de dados.

tabela 1 Dados sobre autoria, ano, periódico e banco de dados dos artigos avaliados.

Autores Ano Diário Base de dados

O'Brien et al.25 2004 Pediatria PubMed --- Web of science --- Scopus
Kurnatowski et al.26 2006 Int J Pediatr Otorhinolaryngol PubMed --- Web of science --- Scopus
Andreou e Agapitou27 2007 Arquivos de Neuropsicologia Clínica Teia da ciência
Landau et al.28 2012 Pneumologia Pediátrica PubMed
Liukkonen et al. 29 2012 Int J Pediatr Otorhinolaryngol PubMed --- Web of science --- Scopus
Yorbik et al.30 2014 Sono e ritmos biológicos Teia da ciência --- Scopus

Página 4

mesa 2 Informações sobre o objetivo, amostra, métodos e resultados (especificamente em relação à linguagem oral) dos artigos analisados.

Autor, ano Objetivo Amostra Métodos --- foco em n Resultados --- foco em Receptivo e / ou Limitação do estudo
linguagem oral Diagnóstico de OSA linguagem oral linguagem expressiva
critério
Design de estudo

O'Brien et al. Avaliar o 87 crianças com Usado o NEPSY Diagnóstico da Primária Idioma mostrou Receptivo e Não realizou
2004 25 associação de ronco primário e Ressonar pelo PSG, Significativamente menor linguagem expressiva testes para avaliar
Transversal ronco primário e 31 sujeitos saudáveis, considerando o resultados para o audição.
neurocomportamental com idade entre 5 e 7 anos. AI <1; IAH <5 e não ronco primário
déficits em crianças alterações anormais grupo quando
em troca de gás. comparado com o
grupo de controle

Kurnatowski et al. Analisar 221 crianças no total. Token Test (TT) --- para Diagnóstico da SAOS por Os grupos de Linguagem receptiva Não realizou
2006 26 neurocognitivo 117 crianças com avaliar o nível de PSG com AHI> 1, crianças com SAOS testes para avaliar
Transversal desordens SAOS: 87 anos 6 --- 9 sensorimotor oxigênio teve resultados abaixo audição.
(sensorial-motor anos e 34 anos integração, dessaturação <92%. aqueles encontrados em
coordenação, 10 --- 13 anos percepção e crianças saudáveis
percepção, memória, 104 crianças saudáveis. linguagem receptiva sobre Receptivo
Aprendendo, processos. Língua.
concentração,
atenção focada
e linguagem
recepção) em
crianças com OSA
devido a adenotonsillar
hipertrofia

Andreou e Para analisar se 40 adolescentes: 20 Dois padronizados Diagnóstico de OSA por A diferença foi Linguagem Expressiva Não realizou
Agapitou, 2007 27 OSA na infância com OSA e 20 testes de verbal PSG, com IAH> 10 observado no testes para avaliar
Transversal pode estar relacionado do controle fluência em grego, e / ou SaO 2 <95% fonológica e audição e
fluência verbal e grupo. Idade média: A respeito de por evento e coração aspectos semânticos conhecimento.
académico 18,41 anos semântico e taxa> 60 batimentos por quando comparando
desempenho. fonológico minuto crianças com e
aspectos. sem OSA. o
adolescentes com AOS
mostrou pior
resultados.

Landau et al. Para analisar o 45 crianças com AOS O teste Kaufman Diagnóstico de OSA por Antes da cirurgia, o Linguagem expressiva Não realizou
2012 28 hipótese de que e 26 saudáveis Bateria de Avaliação PSG com AHI> 1 grupo com OSA testes para avaliar
Transversal comportamental e crianças de 2,5 a 5 anos para crianças (K-ABC) mostrou pior audição.
Funções cognitivas anos. foi aplicado desempenho em
de crianças pré-escolares fluência verbal e
com OSA são após a cirurgia, há
prejudicada quando foi uma melhoria
em comparação com saudável a respeito disso.
crianças. Verificar
se houve
melhoria depois
adenotonsilectomia

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 3/5
30/07/2019 Apneia obstrutiva do sono e distúrbios da linguagem oral

Página 5

mesa 2 ( Continuação )
Liukkonen et al. Para avaliar o 44 crianças com O NEPSY Diagnóstico da Primária O grupo de crianças Receptivo e Não realizou
2012 29 associação entre ronco primário e ferramenta de avaliação roncando pelo PSG, com com ronco primário linguagem expressiva testes para avaliar
Transversal desordem do sono 51 saudáveis, (compreensão de IAH <1. Hipopnéia obteve o menor audição.
respirando e com idade entre 1 e 6 anos. instruções, acelerada foi definido como um pontuações na linguagem
função cognitiva em nomeação e corpo volume de fluxo de ar funções
crianças nomeação de parte). redução de <50%, (compreensão de
Seguido por instruções, acelerada
despertar, nomeação).
oxihemoglobina
dessaturação> 2%.

Yorbik et al., 2014 30 Para investigar o 212 crianças, 37 com Peabody Imagem Através de um Crianças com Linguagem receptiva Não realizou
Transversal efeitos do ronco queixas de ronco Teste de vocabulário foi questionário queixas de ronco Avaliação PSG e
e fragmentado e 25 com usava. e com fragmentada não avaliou
durma no mental sono fragmentado o sono teve menor audição.
desenvolvimento em reclamações, com idade pontuações na linguagem
crianças pré-escolares 3,1 --- 6 anos.

PSG, polissonografia; IAH, índice de apneia-hipopneia; AI, índice de apneia.

+ Modelo
Página 6
ARTIGO NA IMPRENSA
6 de Castro Corrêa C et al.

revistas de terapia e audiologia, ou seja , aqueles profissionais Quanto à metodologia de análise de linguagem por meio de
responsável pela compreensão e terapia fonoaudiológica os diferentes testes usados para avaliar a linguagem oral (Kaufman,
aspectos da função auditiva periférica e central, Peabody, Token, NEPSY e um teste grego não especificado),
função vestibular, linguagem oral e escrita, voz, fluência não foi possível realizar uma comparação mais completa
articulação de fala e miofuncional, orofacial, filho dos desfechos, sugerindo a necessidade de estudos com
sistemas cervicais e de deglutição.32 a padronização desses protocolos, para fornecer uma melhor
Em geral, os estudos avaliados avaliaram comportamentos compreensão da correlação entre OSA e via oral
e funções neurocognitivas; um estudo analisou verbal guage. Contudo, apesar da ausência de índices estatísticos
fluência e desempenho acadêmico. Assim, não houve comparando os resultados da presente investigação, há
estudos que analisam exclusivamente a linguagem oral, mas evidência crescente de comprometimento da linguagem oral em casos de AOS.
tentou efetivamente entender a linguagem em todos os níveis. Para Entre os níveis de linguagem oral, os resultados do
compreensão da linguagem oral, as habilidades de expressão estudos supracitados mostraram dificuldades na
Língua Europeia e Receptiva deve ser considerada, isto é, níveis de fluência verbal, fonológica e verbal. Alguns autores
a organização do pensamento e expressão processa que, como tentaram explicar como o desempenho neurocognitivo
comportamento bem organizado, pode ser descrito pelos aspectos: de crianças pode ser afetada por alterações do sono. Pele-
fonológico (inventário de sons de uma língua e do Além disso, foi afirmado que déficits de linguagem e
binação de regras para formar unidades significativas); sintática (verbal fluência verbal pode ser explicada pelo efeito cumulativo
regras de produção como estrutura, tendo em conta as da interrupção da arquitetura do sono associada à
análise morfológica e gramatical); semântico período de maturação rológica, que durante um período de
de acordo com o repertório lexical e relacionado ao anos interfere no desenvolvimento da sinapse neuronal
significado das palavras e suas combinações); e pragmático redes, ocorrendo de forma rápida e intensiva em crianças. 19,39
(regras relacionadas à intencionalidade, contexto e função de Os déficits de fluência verbal também estão associados a
discurso).33 --- 36 disfunção do córtex.40,41
Além disso, considerando que o desenvolvimento da linguagem Portanto, o diagnóstico precoce e tratamento da AOS
ocorre gradualmente, respeitando o processo de maturação da criança deve ser enfatizado, não só por causa do possível
influenciado pelas associações estabelecidas com o meio ambiente implicações para a linguagem oral, como demonstrado no
onde a criança mora,32 t se alta variabilidade do estudos revisados, que tendem a se agravar como o cronológico
faixa etária dos sujeitos incluídos nos estudos analisados aumenta a idade, 27mas também para os benefícios em neurocognitivo
esta revisão foi um fator limitante, isso impediu comparações desempenho e qualidade de vida dessas crianças.18,42 --- 44
entre os estudos. Três estudos avaliaram crianças mais jovens
mais de 6 anos, 27,29,30 o n avaliaram crianças de 5 a 7 anos, 25

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 4/5
30/07/2019 Apneia obstrutiva do sono e distúrbios da linguagem oral
outro avaliou crianças de 6 a 13 anos,26 um nd um estudo Conflitos de interesse
avaliaram adolescentes.28
O desenvolvimento da linguagem é caracterizado pela Os autores declaram não haver conflitos de interesse.
presença de alguns marcadores, um dos quais tem idade de 4 a
7 anos, quando a criança gradualmente começa a produzir mais
sons complexos, começando com a produção apropriada de Referências
palavras mais simples progredindo para palavras mais longas.35 R egarding o
amostras avaliadas nos estudos, a idade máxima de 7 anos 1. Academia Americana de Medicina do Sono. O manual da AASM para o
foi observado em quatro deles, e os outros dois consideraram pontuação de sono e eventos associados: regras, terminologia e
crianças que eram mais velhas do que a idade esperada para o especificações técnicas . 1ª ed. Westchester: Illinois; 2007.
capacidade do sistema fonológico. Embora não seja possível 2. Katz ES, D'Ambrosio CM. Síndrome da apneia obstrutiva do sono pediátrica

estabelecer associações entre as amostras em relação ao drome. Clin Chest Med. 2010; 31: 221 --- 34.
3. Marcus CL. Fisiopatologia do sono obstrutivo na infância
desenvolvimento fonológico devido à faixa etária,
apneia: conceitos atuais. Resp Physiol. 2000; 119: 143-54.
Note-se que o período entre 3 e 7 anos é o pico
4. Academia Americana de Pediatria. Diretriz de prática clínica
de hipertrofia de adenóide em crianças com OSA, 37 um nd também é
diagnóstico e tratamento da apneia obstrutiva do sono na infância
quando a maioria dos sons da fala é adquirida. 35 síndrome. Pediatria. 2002; 109: 704 --- 12.
Os estudos também diferem quanto às características do sono 5. Marcus CL, Brooks LJ, Draper KA, Gozal D, Halbower AC, Jones
ticos, enquanto três deles analisaram crianças com AOS J , et al. Diagnóstico e tratamento de obstrutiva da infância
por polissonografia (PSG), duas crianças analisadas síndrome da apneia do sono. Pediatria. 2012; 130: 1 --- 9.
mary ronco, e um estudo não incluiu PSG entre 6. Marcus CL, Moore RH, Rosen CL, Giordani B, Garetz SL, Tay-
seus métodos de avaliação, caracterizando apenas a amostra lor HG et al. Um estudo randomizado de adenotonsilectomia para

através de questionários. A definição do diagnóstico de AOS por apneia do sono na infância . N Engl J Med. 2013; 368: 2366 --- 76.
7. americano Sociedade Torácica. Estudos do sono cardiorrespiratório em
PSG e seu grau, é necessário para permitir a correlação
crianças. Am J Respir Crit Care Med. 1999; 160: 1381 --- 7.
de mudanças na linguagem oral com a avaliação de
8. Brunetti L., Rana S, Lospalluti ML, Pietrafesa A, Francavilla R,
comprometimento iológico.38 Além disso, dos cinco estudos que
Fanelli M, et al. Prevalência de sintomas de apneia obstrutiva do sono
incluiu o PSG entre seus métodos de avaliação, o critério drome em uma coorte de 1207 crianças do sul da Itália. Peito.
ria / parâmetros utilizados para considerar OSA também foram diferentes 2001; 120: 1930 - -5.
(com AHI variando de> 1 a> 10). Assim, é difícil 9. Sogut A, Altin R, Uzun L., Ugur MB, Tomac M., Acun C, et al.
pare os estudos incluídos e considerando que todos eles P revalescência da síndrome da apneia obstrutiva do sono e
teve um desenho transversal, seu nível de evidência é um sintomas em crianças turcas de 3 a 11 anos de idade. Pediatr Pulmonol.
intermediário. 2005; 39: 251-6 .

+ Modelo
Página 7
ARTIGO NA IMPRENSA
Apneia obstrutiva do sono e distúrbios da linguagem oral 7

10. Bixler EO, Vgontzas AN, Lin HM, Liao D., Calhoun S, Vela-Bueno A, 27. Andreou G, Agapitou P. Redução das habilidades de linguagem em
et al. Distúrbios respiratórios do sono em crianças em uma população geral centavos que roncam. Arch Clin Neuropsychol. 2007; 22: 225 - 9.
ção da amostra: prevalência e fatores de risco. Dormir. 2009; 32: 731 --- 6. 28. Landau YE, Bar-Yishay Greenberg-Dotan S, Goldbart AD, Tara-
11. Zorzi JL. A intervenção fonoaudiológica nas alterações de lin- siuk A, Tal A. Função comportamental e neurocognitiva prejudicada
guagem infantil. Rio de Janeiro: Revinter; 2002. em crianças pré-escolares com apneia obstrutiva do sono. Pediatr Pulmonar
12. Nelson HD, Nygren P, Walker M, Panoscha R. monol. 2012; 47: 180 --- 8.
atraso na fala e na linguagem em crianças pré-escolares: 29. Liukkonen K, Virkkula P, Haavisto A, Suomalainen A, Aronen
revisão de evidências para a Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA. Pedi- ET , Pitkranta A, et al. Sintomas em apresentação em crianças
atrics . 2006; 117: 298 --- 310. com distúrbios relacionados ao sono. Int J Pediatr Otorrinolaringol.
13. Oliveira CEN, Salina ME, Annunciato NF. Fatores ambientais que 2012; 76: 327-33.
influenciam a plasticidade do SNC. Acta Fisiátrica. 2001; 8: 6 --- 13. 30. Y orbik O, Mutlu C, Koc D e Mutluer T. Possíveis efeitos negativos
14. Anderson V, Spencer-Smith M, Wood A. As crianças realmente de ronco e aumento da fragmentação do sono no desenvolvimento
recuperar melhor? Plasticidade neurocomportamental após o início do cérebro status de crianças pré-escolares. Ritmos do sono Biol. 2014; 12: 30-6.
insulto . Cérebro. 2011; 134: 2197 --- 221. 31. V alera FCP, Demarco RC e Anselmo-Lima WT. Síndrome da apnéia
15. Owens J, Spirito A, Marcotte A, McGuinn M, Berkelhammer e da hipopnéia obstrutivas do sono (SAHOS) em crianças. Rev
L. Neuropsicológicos e correlatos comportamentais de obstrutiva Bras Otorrinolaringol. 2004; 70: 232 - 7.
Síndrome da apneia do sono em crianças: um estudo preliminar. Dormir 32. Conselho Federal de Fonoaudiologia. Exercício profissional
Respiração. 2000; 4: 67 --- 78. do fonoaudiólogo 2002. Brasília (DF): CFF; 2002. [citou 21
16. Blunden S, Lushington K, Kennedy D, Martin J, Dawson D. Behav- Mar 2015]. Disponível em: http://www.fonoaudiologia.org.br/
ior e desempenho neurocognitivo em crianças de 5 --- 10 anos publicacoes / epdo1.pdf
quem ronca comparado aos controles. J Clin Exp Neuropsychol. 33. Hage SRV, Resegue MM, Viveiros DCS, Pacheco EF. Análise do per-
2000; 22: 554-68. fil das Habilidades pragmáticas em Crianças Pequenas Normais.
17. K ennedy JD, Blunden S, Hirte C, Parsons DW, Martin AJ, Crowe P ró-Fono RevAcão Científica. 2007; 19: 49-58.
E, et al. Neurociência reduzida em crianças que roncam. Pediatra 34. Boone DR, Plante E. A comunicação humana e seus distúrbios.
Pulmonol 2004; 37: 330 --- 7. P orto Alegre: Artes Médicas; 1983.
18. Gozal D. Distúrbios respiratórios do sono e desempenho escolar em 35. Nós rtzner HF. Fonologia: desenvolvimento e alterações. Inferir-
crianças. Pediatria. 1998; 102 3 Pt 1: 616 --- 20. Reira LP, Befi-Lopes DM, Limongi SCO, editores. Tratado de
19. Beebe DW, Gozal D. Apnéia do sono obstrutiva e o pré-frontal Fonoaudiologia 1º ed São Paulo: Roca; 2004. p. 772-86.
córtex: para um modelo abrangente ligando a parte superior noturna 36. P BF ennington, Bishop DV. Relações entre fala, linguagem,
obstrução das vias aéreas a déficits cognitivos e comportamentais diurnos. e distúrbios de leitura. Rev Psychol. 2009; 60: 283 --- 306.
J Sleep Res. 2002; 11: 1-16. 37. Greenfeld M, Tauman R, DeRowe A, Sivan Y. Sono obstrutivo
20. Uema SFH, Pignatari SSN, Fujita RR, Moreira GA, Pradella- Síndrome da apnéia por hipertrofia adenotonsilar em lactentes.
Hallinan M, Weckx L. Avaliação da função cognitiva da Int J Pediatr Otorrinolaringol. 2003; 67: 1055 --- 60.
aprendizagem em Crianças com Distúrbios obstrutivos do Sono. 38. Ryan CM, Bradley TD. Patogênese da apneia obstrutiva do sono.
R ev Bras Otorrinolaringol. 2007; 73: 315 --- 20. J Appl Physiol. 2005; 99: 2440 --- 50.
21. Feldman HM, Campbell TF, Kurs-Lasky M, Rockette. Concorrente 39. O'Brien LM, Gozal D. Implicações comportamentais e neurocognitivas
e validade preditiva dos relatos dos pais sobre a linguagem infantil em de ronco e apneia obstrutiva do sono em crianças: fatos e
com idades entre 2 e 3 anos. Criança Dev. 2005; 76: 856-68. teoria. Respiração Pediátrica Rev. 2002; 3: 3-9.
22. R Ondal JA, Esperet E, Gombert JE, Thibault JP, A. Comblain 40. Desmond J, Fiez J. Estudos de neuroimagem do cerebelo
Desenvolvimento da linguagem oral. Em: Puyuelo M, Rondal JA, lum: linguagem, aprendizagem e memória. Tendências Cogn Sci. 1998; 2:
editores . Manual de desenvolvimento e notas da linguagem 355-62 .
na criança e no adulto. São Paulo: Artmed; 2007. p. 17 --- 86. 41. Janowski JS, Shimamura AP, Squire LR. Danos na memória de origem
23. Smeeken S, Riksen-Walraven JM e van Bakel HJA. Perfis de mento em doentes com lesões do lobo frontal. Neuropsychologia.
competência e adaptação em pré-escolares em relação ao 1989; 27: 1043-56.
qualidade da interação pai-filho. J Res Pers. 2008; 42: 1490 --- 9. 42. Goldstein NA, Post JC, Rosenfeld RM, Campbell TF. Impacto
24. LG Gurgel , Plentz RDM, Joly MCRA, Reppold CT. Instrumentos de amigdalectomia e adenoidectomia no comportamento infantil. Arco
de avaliação da compreensão da linguagem oral em crianças e Cabeça de Otorrinolaringologia Neck Surg. 2000; 126: 494 --- 9.
adolescentes: uma revisão sistemática da literatura. Rev Neu- 43. Friedman BC, Hendeles-Amitai A., Kozminsky E, Leiberman A,
ropsicol Latinoamericana. 2010; 2: 1 --- 10. Friger M, Tarasiuk A, et al. A adenotonsilectomia melhora a neu-
25. O'Brien LM, Mervis CB, Holbrook CR, Bruner JL, Klaus CJ, função rocognitiva em crianças com apneia obstrutiva do sono
R utherford J, et al. Implicações neurocomportamentais do habitual síndrome. Dormir. 2003; 26: 999 --- 1005.
ronco em crianças. Pediatria. 2004, 114: 44 --- 9. 44. Balbani APS, Weber SAT, Montovani JC, Carvalho LR. Pediatras
26. K urnowski P, Putynski L, Lapienis M, Kowalska B. Neurocognição e os distúrbios respiratórios do sono na criança. Rev Assoc Med
tiva habilidades em crianças com hipertrofia adenoamigdaliana. Int J Bras. 2005; 51: 80 --- 6.
P ediatr Otorhinolaryngol. 2006; 70: 419 --- 24.

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 5/5