Você está na página 1de 2

Olá Estudantes Unopar precisam de ajuda para montagem do

seu portfólio? Entre em contato, será um grande prazer


ajudá-l(a)o

Não perca tempo, faça contato através do


zap 31 99732-0837, vamos bater um papo.
Simpatia, Compromisso e
responsabilidade
O portfolio se encontra bem formatado e todos os
dados foram CORRIGIDOS POR PROFESSORES,
tenham a absoluta certeza que tudo está certinho. .
Tenho exatamente o que você precisa. Vamos fazer um
teste?

PAGAMENTO FACILITADO cartão, boleto,


transferências, depósito bancário, etc...
O ENVIO DO MATERIAL É FEITO VIA EMAIL.
Prezados alunos,
Sejam bem-vindos a este semestre!
A proposta da Produção Textual Interdisciplinar em Grupo (PTG) terá como temática os
Desafios e possibilidades da igualdade de gênero no espaço escolar.
Escolhemos esta temática para possibilitar a aprendizagem interdisciplinar dos conteúdos
desenvolvidos nas disciplinas desse semestre e, também, para que possam consolidar uma
consciência sobre igualdade de gênero no espaço escolar.
A história da sociedade brasileira é marcada pela diversidade, mas também pelas
desigualdades. As discussões sobre direitos ganharam espaço no final do século XX, com a
promulgação da Constituição Federal de 1988, a qual marca o processo de democratização
do país.

O primeiro artigo da Constituição apresenta que a realidade brasileira é constituída por


um Estado Democrático de Direito que se encontra alicerçado em fundamentos que
garantem a diversidade e as liberdades. No artigo III é apresentado o compromisso com o
bem-estar de todos e a eliminação de qualquer espécie de discriminação, inclusive de
gênero.
Apesar do direito à igualdade de gênero ser assegurado na legislação ainda é preciso
avançar para que homens e mulheres tenham as mesmas oportunidades e condições de
atuação na sociedade. Isso se dá, pois, aspectos sociais e ideológicos perpassam a forma
de enxergar os papéis e participação na realidade. Ainda se encontram no país
disparidades de salário, de oportunidade de inserção e permanência no mercado de
trabalho, de acesso à educação e, até mesmo, ao lazer e participação em práticas
esportivas.

A luta em prol dos direitos e igualdade de gênero é marcada pela resistência dos grupos
sociais. Ela perpassa todos os espaços e dentre eles, o esporte. Podemos tomar como
exemplo a participação feminina em esportes como o futebol. A estreia tardia das
mulheres nos campos de futebol e nas competições oficiais deveu-se às discriminações e
recriminações sofridas por elas em vários países do mundo. No Brasil, por exemplo, de
1941 a 1979 as mulheres poderiam ser presas, caso fossem vistas jogando futebol. Em
países como a Inglaterra e a Alemanha, até a década de 70, as mulheres também foram
proibidas de se envolver com esse esporte.
No entanto, em meio a luta pelo reconhecimento da igualdade de gênero, as mulheres
conquistaram os gramados. Atualmente são realizados importantes campeonatos de
futebol feminino, sendo a Copa do Mundo o principal deles. Percebe-se que a cada ano, o
número de espectadores desses eventos tem aumentado, bem como a audiência nas
diferentes mídias. Porém, as premiações permanecem discrepantes, visto que os valores
destinados às seleções masculinas têm sido muito maiores do que os que são repassados
às seleções femininas.
Apesar deste cenário, as mulheres vêm buscando ampliar sua representatividade no
esporte e em outras esferas da vida social. Nesta lógica, a educação escolar é uma via
importante para sensibilizar e conscientizar acerca da igualdade de gênero, possibilizando
que ela se efetive na realidade, pois a partir do conhecimento científico os cidadãos
problematizam, refletem e atuam de forma consciente.