Você está na página 1de 16

Concurso Público

018. Prova bjetiva

O
Orientador Social
(Assistência Social)

� Você recebeu sua folha de respostas e este caderno contendo 50 questões objetivas.

� Confira seu nome e número de inscrição impressos na capa deste caderno e na folha de respostas.

� Quando for permitido abrir o caderno, verifique se está completo ou se apresenta imperfeições. Caso haja algum

problema, informe ao fiscal da sala.
� Leia cuidadosamente todas as questões e escolha a resposta que você considera correta.

� Marque, na folha de respostas, com caneta de tinta azul ou preta, a letra correspondente à alternativa que você

escolheu.
� A duração da prova é de 3 horas, já incluído o tempo para o preenchimento da folha de respostas.

� Só será permitida a saída definitiva da sala e do prédio após transcorridos 75% do tempo de duração da prova.

� Ao sair, você entregará ao fiscal a folha de respostas e este caderno, podendo levar apenas o rascunho de gabarito,

localizado em sua carteira, para futura conferência.
� Até que você saia do prédio, todas as proibições e orientações continuam válidas.

guarde a ordem do fiscal ara abrir este caderno de questões.
A
p
16.11.2014 | tarde

www.pciconcursos.com.br
www.pciconcursos.com.br
conhecimentos gerais 01. De acordo com a autora,


(A) a hostilidade e o estresse existem no homem desde


a época das cavernas.
Língua Portuguesa
(B) o estresse da vida moderna justifica a existência de


grande parte da hostilidade.
Leia o texto para responder às questões de números 01 a 07.
(C) os gestos obscenos mostrados no trânsito são uma


Pós-modernos de tacape atitude desejada para combater o estresse.

Que somos homens das cavernas fantasiados de pós- (D) no trânsito, as trombadas ocorrem por distrações


-moderninhos, isso todo mundo sabe. Estamos em forma, vi- dos motoristas e são uma válvula de escape para o
sitamos os melhores resorts, temos vários cartões de crédito estresse.
e dívidas que se acumulam. Aí o cara das cavernas desperta, (E) o número de doentes mentais sem tratamento cresce


grunhe, ou ruge, e ataca. Pega a clava, o tacape – que pode a cada dia, o que leva as pessoas a se defenderem
ser de material sólido mesmo ou metafórico, feito de pala-
­
com agressividade.
vras, ou de atitudes –, e pau no outro.
A hostilidade deve andar de mãos dadas com o estresse,
que hoje desculpa quase tudo. No trânsito, o número de 02. Na opinião da autora,


loucos à solta cresce assustadoramente: costuras bizarras,
(A) a educação, no Brasil, tem sido tratada com prioridade,
para-choque do carro ameaçando uma trombada sem motivo,


nos últimos tempos.
gestos obscenos pela janela. No estacionamento, alguém te
amassa o para-lama ou risca a porta claramente com a chave (B) as pessoas precisam ser mais mansas, mesmo que


do seu carro: maldade, divertimento boçal, retardados cida- se comportem como trouxas.
dãos. Nos condomínios, nem sempre as coisas são pacíficas:
(C) o ato de queimar livros como forma de protesto lem-
onde tem gente reunida floresce vizinhança boa e amizade,

bra uma atitude adotada em outros tempos.
mas também muita insensatez, falta de compostura, de con-
sideração. Nas ruas, cotoveladas para abrir caminho; nos (D) os livros queimados representam uma forma digna

ônibus, senhoras em pé e preguiçosos atirados nos bancos; de protestar, dependendo da situação.
no cinema, comilança, conversa e arrotos; nas salas de aula,
(E) a atitude das pessoas que ficam deitadas nos bancos
celulares e outros a pleno vapor. Greves trancam a educação

e não dão lugar aos idosos se justifica porque traba-
já tão por baixo; agora deram para protestar queimando livros
lham e estudam com dificuldade.
(ouvi falar de alguém que fazia isso em outros tempos, cha-
mava-se Adolf...). E nós, cada vez mais irritados, agressivos.
Viver e conviver é difícil. Tem de sublimar para continuar cur-
03. Na fala da autora, os insultos e as pedradas em que são
tindo o seu canto e abrindo seu caminho sem pisar no outro.

transformados o ressentimento e o estresse
Confesso que eu queria que a gente fosse um pou-
co mais manso (trouxa, nunca). Queria que em vez de (A) são atos inconscientes dos jovens e, por isso, devem

hostis e agressivos fôssemos mais gentis e mais civiliza- ser suportados.
dos. Deixando de transformar o ressentimento em insulto,
(B) acabam por transformar em atitudes positivas o
o estresse em pedradas, usando esterco para sujar o que

esterco e a sujeira.
existe de positivo, e ainda cuspir em cima, assim, gratuita-
mente, sem fundamento que não a nossa errante agressivi- (C) representam atitudes gratuitas e positivas, mas sem

dade. Eu ando sem paciência. Fora da realidade, disse-me fundamento algum.
alguém. Pode ser. A idade tem suas chatices, mas pode nos (D) demonstram que tais atitudes independem da agres-
fazer mais tolerantes ou nos tornar mais alertas – porque,

sividade.
como diz o dito popular, o diabo não é esperto por ser diabo,
mas por ser velho. A gente entende que basta parar, con- (E) encontram fundamento na agressividade das pessoas.

templar o outro, curtir a natureza, a vida, para diminuir essa
irritação dos estressados. Pois o hostil, o agressivo, não se
manifesta a toda hora nem em toda parte; talvez nem seja a 04. No contexto em que se insere, a frase – ... o diabo não é

maioria sempre pronta a rosnar e atacar. Muito jovem estuda esperto por ser diabo, mas por ser velho. (3.º parágrafo)
e trabalha com grande dificuldade e é amoroso com a família. – transmite a ideia de que a idade torna as pessoas mais
Muito velho ainda curte afetos.
(A) irritadas.
Qualquer um pode escapar, de graça, para uma beira de

estrada com borboletas de um espantoso azul ou ter alguma (B) implicantes.

visão de beleza dentro da mais modesta casa. E vai se (C) atentas.
reconciliar com este hostil mundo nosso, da corrupção, da

impunidade, do endividamento, da miséria: não se consegue (D) antipáticas.

por todo o sempre, mas por algum tempinho. E já será bom. (E) impacientes.

(Lya Luft, Veja, 21 dez. 2011. Adaptado)

3 PEAT1301/018-OrientadorSocial-AssistSocial-Tarde

www.pciconcursos.com.br
05. De acordo com o texto, é correto afirmar que 08. Considerando a norma-padrão da língua portuguesa,



assinale a alternativa que completa, correta e respectiva-
(A) muitos jovens que estudam e trabalham com dificul- mente, as lacunas do texto a seguir.

dade não são, necessariamente, hostis e agressivos.
Eu queria que a gente um pouco mais constru-
(B) o sentimento hostil está presente em todos os mo- tivo, mais aberto possibilidades boas. Queria

mentos da vida das pessoas. que, em vez de hostilidade, mais gentilezas
e atos de civilidade.
(C) o sentimento agressivo está em toda parte, e mani-

festa-se a toda hora aos ataques. (A) fosse ... às ... houvessem


(B) fôssemos ... às ... houvessem
(D) a maioria das pessoas hostis curte a natureza e os



seres humanos para diminuir o estresse. (C) fosse ... as ... houvesse


(E) os idosos são dependentes de seus amores até o (D) fôssemos ... as ... houvesse



fim da vida. (E) fosse ... às ... houvesse


06. Considere o trecho seguinte: 09. Leia o seguinte texto:



No trânsito, o número de loucos à solta cresce A gente entende que basta indagar dentro
assustadoramente: costuras bizarras, para-choque do da gente mesmo, para diminuir essa irritação dos
carro ameaçando uma trombada sem motivo, gestos estressados.
obscenos pela janela. (2.º parágrafo)
Considerando a norma-padrão da língua portuguesa,
No trecho, os dois-pontos têm a função de introduzir substituindo-se a expressão “A gente” pelo pronome
“Nós”, as palavras em destaque assumem, correta e
(A) um esclarecimento. respectivamente, as seguintes formas:

(B) a fala de um interlocutor. (A) entendemos ... basta ... de nós mesmos


(C) uma citação. (B) entende ... basta ... de nós mesmo


(C) entendemos ... bastam ... de nós mesmos
(D) uma hesitação.


(D) entende ... bastam ... de nós mesmos
(E) o comentário de uma personagem.

(E) entendemos ... bastam ... de nós mesmo


07. Assinale a alternativa em que nas duas frases há pala- 10. Leia a tirinha.


vras ou expressões empregadas com sentido figurado.

(A) Aí o cara das cavernas desperta, grunhe, ou ruge,



e ataca. / No estacionamento, alguém te amassa o
para-lama ou risca a porta...

(B) Nos condomínios, nem sempre as coisas são pacífi-



cas: ... / ... onde tem gente reunida floresce vizinhan-
ça boa e amizade, ...

(C) Nas ruas, cotoveladas para abrir caminho, ... / Que-



ria que em vez de hostis e agressivos fôssemos mais
gentis e mais civilizados.

(D) A hostilidade deve andar de mãos dadas com o



estresse, ... / Tem de sublimar para continuar cur
­
tindo o seu canto e abrindo seu caminho sem pisar
no outro.
(André Dahmer. Folha de S.Paulo)
(E) Greves trancam a educação já tão por baixo, ... / Eu
Em cada quadrinho, as conjunções em destaque estabe-

ando sem paciência.
lecem, entre as orações, respectivamente, ideia de
(A) adição, condição e causa.

(B) condição, oposição e explicação.

(C) alternância, condição e explicação.

(D) conclusão, concessão e causa.

(E) alternância, conclusão e causa.

PEAT1301/018-OrientadorSocial-AssistSocial-Tarde 4

www.pciconcursos.com.br
Mate ática U

m
RASC
NHO
11. Em uma empresa em que trabalham 200 funcionários,

40% deles fizeram somente um curso de atualização,
10% dos demais já fizeram dois cursos de atualização,
e o restante dos funcionários não fez curso algum. A por-
centagem mínima de funcionários com somente um curso
de atualização que precisariam fazer mais um curso de
atualização, de modo que essa empresa tenha 20% do
­
total de seus funcionários com dois cursos de atualiza-
ção, é

(A) 35%.

(B) 32%.

(C) 30%.

(D) 28%.

(E) 25%.

12. Em uma caixa, há 60 canetas e 80 lápis. Após serem reti

­
radas algumas canetas que não funcionavam e alguns
lápis com ponta quebrada, observou-se que a razão
entre o número de canetas e o número de lápis que per-
maneceram na caixa era . Sabendo que a razão entre o

número de canetas retiradas e o número de lápis retira-

dos era , pode-se concluir que o número de canetas

que não funcionavam era

(A) 6.

(B) 5.

(C) 4.

(D) 3.

(E) 2.

13. Uma pessoa foi a uma loja com uma quantia em dinheiro

que permitia comprar exatamente 16 canecas, todas de
mesmo valor. Ao chegar à loja, constatou que as canecas
que queria comprar entraram em promoção, e cada uma
delas teve seu preço reduzido em R$ 7,00, o que permitiu
que essa pessoa comprasse 14 canecas a mais, desse
mesmo tipo, com a mesma quantia em dinheiro que havia
levado. O valor de uma caneca, na promoção, era

(A) R$ 12,00.

(B) R$ 11,00.

(C) R$ 10,00.

(D) R$ 9,00.

(E) R$ 8,00.

5 PEAT1301/018-OrientadorSocial-AssistSocial-Tarde

www.pciconcursos.com.br
14. A tabela mostra o valor unitário de cada tipo de louça U

RASC
NHO
comprada por uma pessoa.
Preço unitário da
Tipo de louça Número de peças
peça
Prato de sobremesa 12 R$ 8,00
Prato fundo 6 R$ 11,00
Prato raso 8 R$ 9,00
Xícara com pires 4 ???

Considerando todas as peças compradas, o preço médio


de uma peça foi R$ 9,40. O preço de uma xícara com
pires é

(A) R$ 12,50.

(B) R$ 12,00.

(C) R$ 11,50.

(D) R$ 10,50.

(E) R$ 10,00.

15. José colocou R$ 2.000,00 em uma aplicação A, a juro

simples, com taxa de 1,2% ao mês, durante um certo pe-
ríodo, e colocou R$ 3.000,00 em uma aplicação B, tam-
bém a juro simples, com taxa de 1% ao mês, durante um
ano. Para que ambas as aplicações rendam o mesmo
juro, o tempo de duração da aplicação A deverá ser de

(A) 9 meses.

(B) 11 meses.

(C) 1 ano e 1 mês.

(D) 1 ano e 3 meses.

(E) 1 ano e 5 meses.

16. Um projeto foi dividido em três etapas, e, após sua fina-

lização, constatou-se que o número total de horas traba-
lhadas foi 72. Sabendo que na realização da 1.ª etapa
foram gastas 30 horas a mais do que na realização da
3.ª etapa e que o tempo utilizado na 2.ª etapa corresponde
a 80% do tempo utilizado na 3.ª etapa, então, o tempo,
em horas, utilizado na 1.ª etapa foi

(A) 45.

(B) 48.

(C) 51.

(D) 54.

(E) 57.

PEAT1301/018-OrientadorSocial-AssistSocial-Tarde 6

www.pciconcursos.com.br
17. Um clube de uma determinada cidade possui uma piscina U

RASC
NHO
na forma de um prisma reto de base retangular, com
medidas internas de 2,5 m de altura, 32 m de compri

­
mento e 30 m de largura, conforme mostra a figura.

Sabendo que as famílias dessa cidade consomem, em


média, 8 m3 de água por mês, então o número de famílias
que poderiam ser abastecidas, durante um ano, com a
água utilizada para encher completamente essa piscina,
é

(A) 23.

(B) 24.

(C) 25.

(D) 26.

(E) 27.

18. Dois amigos consumiram juntos 30% do volume total de

suco que estava em uma jarra, e do suco restante foi

consumido por três colegas, restando ainda 630 mL na


jarra. O volume de suco, em litros, que havia inicialmente
na jarra era

(A) 2,50.

(B) 2,25.

(C) 2,00.

(D) 1,75.

(E) 1,50.

19. As figuras mostram as medidas, em metros, de duas

salas, A e B, ambas retangulares e de mesmo perímetro.

A área da sala B, em relação à área da sala A, é

(A) a mesma.

(B) 1 m2 menor.

(C) 1 m2 maior.

(D) 2 m2 menor.

(E) 2 m2 maior.

7 PEAT1301/018-OrientadorSocial-AssistSocial-Tarde

www.pciconcursos.com.br
20. Um aluno está colocando números em quadrados de tua idades

A
l
papelão que estão colados em uma parede da escola,
formando uma fileira. A sequência de quadrados inicia
com 3 quadrados na cor branca (B), seguidos por um
quadrado na cor verde (V) e um quadrado na cor amarela 21. A epidemia de ebola na África Ocidental já matou mais de


(A), conforme mostra a figura. 2 400 pessoas, de um total de 4 784 casos, segundo um



balanço anunciado nesta sexta-feira (12 de setembro)
pela diretora da Organização Mundial da Saúde (OMS),
Margaret Chan.
(G1, 12 set.14. Disponível em <http://goo.gl/3DQiFY>. Adaptado)
Sabendo que o número total de quadrados é 200 e que
essa sequência manterá sempre a mesma ordem de cores Os três países mais afetados inicialmente por essa doença
até o final, então o número que será escrito, no 30.º qua- foram
drado verde, será
(A) Libéria, Guiné e Serra Leoa.


(A) 136.
(B) Costa do Marfim, Camarões e Gabão.


(B) 143. (C) Nigéria, República do Congo e Togo.


(C) 145. (D) Marrocos, Cabo Verde e Mali.



(E) África do Sul, Angola e Moçambique.
(D) 149.



(E) 152.
22. Combatentes do Estado Islâmico (grupo anteriormente


conhecido como Isis) tomaram duas cidades, dois cam-
pos de produção de petróleo e atacaram uma represa
U estratégica no norte do Iraque no fim de semana.
RASC
NHO
(BBC Brasil, 5 ago.14. Disponível em <http://goo.gl/2eyOYg>. Adaptado)

Entre os principais objetivos desse grupo, está

(A) o estabelecimento de um califado entre o Iraque e



a Síria.

(B) a defesa do legado de Bashar al-Assad, presidente



sírio.

(C) a construção de uma aliança com o Irã.



(D) o combate à Al-Qaeda a serviço dos EUA.

(E) a invasão da Arábia Saudita para tomar a cidade de

Meca.

23. Polícia prende mais de 40 pessoas em



    
manifestação em Ferguson

Novos protestos ocorreram na cidade dos EUA, locali-
zada no estado de Missouri; manifestação foi a primeira
majoritariamente pacífica após vários distúrbios.
(G1, 20 ago.14. Disponível em <http://goo.gl/VTv4R4>. Adaptado)

O que motivou as manifestações em Ferguson foi

(A) a luta contra a participação dos EUA em guerras



como a da Síria.

(B) o movimento contra a extrema pobreza nas cidades



do sul dos EUA.

(C) o assassinato, por um policial branco, de um jovem



negro que estava desarmado.

(D) a reivindicação por moradia e melhores salários por



parte da população pobre.

(E) o desaparecimento de uma criança vítima de pedofi-



lia por autoridades públicas.
PEAT1301/018-OrientadorSocial-AssistSocial-Tarde 8

www.pciconcursos.com.br
24. São Paulo ameaça ir à Justiça em batalha oções de nfor ática

      
N
I
m
pela água do Rio Paraíba do Sul


(O Globo, 12 ago.14. Disponível em <http://goo.gl/pfl9lA>. Adaptado)
26. Observe a figura a seguir, extraída do MS-Word 2010, em


A “batalha” se deve sua configuração padrão. Ela apresenta parte dos ícones
das opções da ferramenta Quebras, do grupo Configurar
(A) às críticas que São Paulo recebeu do governo fede- Página, que pertence à guia Layout da Página. Os ícones

ral por desviar o curso do Rio Paraíba do Sul para a foram identificados e ordenados de 1 a 3.
geração de energia e irrigação e, com isso, impactar
o abastecimento humano em outros estados. 1 2 3
(B) aos questionamentos feitos por Minas Gerais, devido

ao receio de que a redução da vazão do Rio Paraíba
do Sul pudesse interferir no fornecimento de água do
norte de Minas e do Vale do Jequitinhonha.
(C) à disputa entre os estados de São Paulo e do Rio
Assinale a alternativa que apresenta, na ordem correta

de Janeiro pelo controle da vazão do Rio Paraíba do
Sul, fundamental na geração de energia e no abas- de 1 a 3, os nomes das quebras de página representadas
tecimento de água dos dois estados. pelos ícones.
(D) à preocupação do Paraná com a possível transposi- (A) Próxima Página, Contínuo e Coluna.

ção do Rio Paraíba do Sul, o que poderia ocasionar


estiagem e falta de água na região norte do estado, (B) Próxima Página, Coluna e Quebra Automática de
em que a agricultura depende da irrigação.


Texto.
(E) ao mau uso das águas por São Paulo, principalmente
(C) Próxima Página, Coluna e Contínuo.

no sistema Cantareira e adjacências, o que levou o

Ministério Público a questionar a utilização do volume
(D) Página, Contínuo e Coluna.
morto do Rio Paraíba do Sul.

(E) Página, Coluna e Quebra Automática de Texto.

25. Fortaleza sediou nesta semana a VI Conferência de

Cúpula do Brics, grupo de países formado por Brasil,
27. Observe a figura a seguir, extraída do MS-Word 2010 em
Rússia, Índia, China e África do Sul. O tema do encontro

sua configuração padrão.
neste ano foi crescimento com inclusão social e desen-
volvimento sustentável. Os chefes de Estado dos cinco
países iniciaram uma nova fase do Brics. 11

(G1, 16 jul.14. Disponível em <http://goo.gl/aDyDgd>. Adaptado)

A principal decisão do encontro foi a


(A) retirada de recursos dos cinco países depositados Assinale a alternativa que identifica, na ordem correta, os

no FMI e no Banco Mundial.
2
(B) elaboração de uma reivindicação favorável à reforma recursos de formatação associados aos ícones: ,

do Conselho de Segurança da ONU. abc e A .
(C) consolidação de um tratado que institui o livre comér-

cio entre os países signatários do acordo. (A) Subscrito, Sublinhado e Minúsculo.

(D) adoção de uma política externa comum contrária à
(B) Subscrito, Tachado e Reduzir Fonte.

hegemonia dos EUA e da União Europeia.

(E) criação de um fundo de reserva e de um banco de (C) Sobrescrito, Sublinhado e Reduzir Fonte.


investimentos para países em desenvolvimento.
(D) Subscrito, Tachado e Minúsculo.

(E) Sobrescrito, Tachado e Reduzir Fonte.

9 PEAT1301/018-OrientadorSocial-AssistSocial-Tarde

www.pciconcursos.com.br
28. Observe a planilha a seguir, extraída do MS-Excel 2010 30. Observe a figura a seguir, que apresenta parte da área de


em sua configuração padrão. Considere que o caracte- trabalho do MS-Windows 7, em sua configuração padrão.
re “;” (ponto e vírgula) está configurado como separador Considere que a pasta Geral é local, está vazia e que o
de argumentos das funções. botão primário do mouse está configurado para as fun-
ções básicas, tais como selecionar e arrastar.
D2

A
1
2
3 Lixeira Anotações
4
5

Assinale a alternativa que contém o valor da célula D5


depois que o usuário arrastar a alça de preenchimento da
célula D2 até a célula D5.
Geral
(A) R$ 750

(B) R$ 753

(C) R$ 3.000

(D) R$ 3.500 Quando o usuário arrasta o ícone do documento Anota-

ções pressionando o botão primário e solta sobre o ícone
(E) R$ 7.000
da pasta Geral,

(A) uma cópia de Anotações é enviada para a pasta Geral.
29. Observe as figuras a seguir, extraídas do MS-PowerPoint


2010 em sua configuração padrão. Elas apresentam
(B) um atalho para Anotações é criado na área de tra-
duas formas selecionadas, um quadrado e um círculo,

balho.
em dois momentos: antes e depois da utilização de uma
ferramenta de desenho, que pertence ao grupo Organi-
(C) Anotações é movido para a pasta Geral.
zar, da guia Ferramentas de Desenho > Formatar, que

aparece quando uma ou mais formas são selecionadas. (D) um atalho para Anotações é criado na pasta Geral.

Antes Depois
(E) uma cópia de Anotações é criada na área de tra

­
balho.

Assinale a alternativa que contém o ícone da ferramenta


utilizada entre os momentos das figuras, considerando
que, no momento antes, as duas formas eram tratadas
como objetos independentes, e depois, como se fossem
um único objeto.
(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

PEAT1301/018-OrientadorSocial-AssistSocial-Tarde 10

D
Nome Salário
Cargo
Bonus

www.pciconcursos.com.br
onhecimentos specíficos 34. Com a promulgação da Lei n.º 10.741, de 1.º de outubro


C
E
de 2003, inicia-se no Brasil um processo de reversão do
cenário de desatenção para com a população idosa. Com a
31. O Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA, Lei Federal vigência do Estatuto do Idoso, gradativamente esse cenário

n.º 8.069/90, é resultado do esforço conjunto de milhares vem se alterando, ainda que demande providências urgen-
de pessoas e comunidades empenhadas na defesa e na tes para assegurar a qualidade da atenção prestada a este
promoção da infância e adolescência brasileiras. O Estatuto importante segmento etário. Em termos da saúde do idoso,
tem por objetivo a prevê o Estatuto, no artigo 16, que àquele internado ou em
observação é assegurado o direito a acompanhante, deven-
(A) ampliação da faixa etária a ser protegida.
do o órgão de saúde proporcionar as condições adequadas

(B) proteção integral da criança e do adolescente. para a sua permanência em tempo integral, segundo o crité-

(C) preservação do pensamento conservador sobre o rio médico. Conforme determina o parágrafo único do referi-
do artigo, caberá ao profissional de saúde responsável pelo

comportamento do adolescente.
tratamento conceder autorização para o acompanhamento
(D) mudança de patamar legal para coibir má conduta. do idoso ou, no caso de impossibilidade,

(E) integração no mercado de trabalho de crianças, ado- (A) transferi-lo para unidade de atendimento que o faça.


lescentes e jovens.
(B) proceder à alta hospitalar.


(C) justificá-la por escrito.


32. O artigo 112 do ECA indica as medidas de caráter so- (D) comunicar o fato ao delegado de plantão.


cioeducativo e também protetivo, aplicadas aos adoles-
(E) denunciar as condições sub-humanas da unidade de
centes autores de atos infracionais. Por se tratar de um


atendimento.
conjunto taxativo e não simplesmente exemplificativo,
é a imposição de medidas diferentes das
previstas no citado artigo. Para o adolescente autor de 35. O Brasil avançou de forma significativa no enfrentamento
ato infracional, no contexto da proteção ,

da violência sexual contra crianças e adolescentes, com a
a proposta é de que ele receba medidas socioeduca- aprovação, em 2000, do Plano Nacional de Enfrentamento
tivas, tendentes a seu processo de de- da Violência Sexual Infantojuvenil pelo Conselho Nacional
senvolvimento, objetivando a melhor compreensão da dos Direitos da Criança e do Adolescente (CONANDA).
realidade e a efetiva social. Esse instrumento tornou-se referência e ofereceu uma
síntese metodológica para a estruturação de políticas,
Assinale a alternativa que preenche, correta e respectiva-
programas e serviços para o enfrentamento à violência
mente, as lacunas do texto.
sexual. Em 2003, iniciou-se um processo de atualização
(A) proibida … integral … interferir no … integração do Plano Nacional, e, no ano de 2010, o Brasil produ-

(B) possível … geral … direcionar o … adaptação ziu o Plano Decenal de Direitos Humanos de Crianças e
Adolescentes, com a previsão de se fazer interface direta

(C) permitida … social … influir no … acomodação

­
com as diretrizes do Plano Decenal. Assim, definiu-se

(D) aceita … global … monitorar o … participação como estratégico que as ações do novo Plano Nacional,

(E) razoável … universal … acompanhar o … posição até o ano de 2020, sejam

(A) avaliadas.

(B) sintetizadas.
33. A Lei n.º 11.340/2006, conhecida como Lei Maria da


Penha, surgiu como forma de combate à violência do- (C) monitoradas.

méstica e familiar contra a mulher e trouxe amparo legal (D) atualizadas.
para os casos de crimes dessa natureza; instituiu a cria-

ção de juizados especiais para os crimes nela previstos (E) implementadas.

e estabeleceu medidas de assistência e proteção às ví-
timas, além de assegurar a criação de políticas públicas 36. Ao tratar dos Programas de Privação da Liberdade, a Lei
para a garantia dos direitos da mulher. Conforme seu

n.º 12.594 – SINASE, de 18 de janeiro de 2012, no artigo
artigo 3.º, parágrafo 1.º, o desenvolvimento de políticas 17, prevê, para o exercício da função de dirigente de pro-
que visem garantir os direitos humanos das mulheres grama de atendimento em regime de semiliberdade ou
no âmbito das relações domésticas e familiares para de internação, além dos requisitos específicos previstos
resguardá-las de toda forma de negligência, discrimi- no respectivo programa de atendimento, a necessidade
nação, exploração, violência, crueldade e opressão é de: formação de nível superior compatível com a nature-
responsabilidade do za da função; reputação ilibada; comprovada experiência
(A) Conselho Municipal da Condição Feminina. no trabalho com adolescentes de, no mínimo,

(B) Movimento Social Feminino. (A) 1 ano.


(C) Órgão público municipal responsável pelo aten (B) 2 anos.


­
dimento à mulher. (C) 3 anos.

(D) Poder Público. (D) 4 anos.


(E) Serviço de Proteção à Mulher. (E) 5 anos.


11 PEAT1301/018-OrientadorSocial-AssistSocial-Tarde

www.pciconcursos.com.br
37. A Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada 40. O que é protagonismo juvenil? Como pode ser compre-


e proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas endido? A que se refere esse conceito? São vários os
em 10 de dezembro 1948, expressa, no artigo 1.º, que estudiosos que se debruçaram sobre esse tema e, de
todos os seres humanos nascem livres e iguais em dig- um modo geral, em que pesem as diferentes abordagens
nidade e direitos, são dotados de razão e consciência e propostas, a ideia de protagonismo do adolescente, do
devem agir em relação uns aos outros com espírito de jovem, implica, via de regra, a ideia de
fraternidade. Conforme estabelece o artigo 11, 1, todo ser
humano acusado de um ato tem o direito de (A) maturidade.


ser presumido até que a sua culpabilidade
(B) revolta.
tenha sido , de acordo com a lei, em julgamento


público no qual lhe tenham sido asseguradas todas as (C) participação.


garantias necessárias à sua .
(D) solidariedade.


Assinale a alternativa que preenche, correta e respectiva-
mente, as lacunas do texto. (E) receptividade.


(A) delituoso … inocente … provada … defesa

(B) consencioso … culpado … observada … situação
41. Os Conselhos de Assistência Social surgem com a Lei


(C) humanitário … alienado … identificada … compro- Orgânica de Assistência Social (1993), a exemplo de

vação muitos outros que surgiram a partir da Constituição Fe-
(D) exploratório … inofensivo … demonstrada … culpa deral (1988). Todos esses conselhos, quando criados,
encontraram não apenas o sistema político tradicional

(E) suspeito … responsável … analisada … isenção

­
em pleno funcionamento, como também a sociedade

civil mais organizada e um conjunto de instituições par-
38. São dez os princípios orientadores da Declaração ticipativas atuando intensamente. Tantas instituições e
atores políticos colocam vários desafios para os Conse-

Universal dos Direitos das Crianças. A exemplo da
­
lhos de Assistência Social, dentre os quais destaca-se
­
Declaração Universal dos Direitos Humanos, explici-
­
­
ta um padrão que deve ser expectativa de todos. Aos (A) a definição clara de seus objetivos.
­
pais, a cada indivíduo, às organizações voluntárias,

­
às autoridades locais e aos governos, a todos, enfim, (B) a remuneração de seus membros.
­

apela-se no sentido de
(C) o monitoramento dos projetos sob sua responsa-
(A) relevar todo e qualquer comportamento inadequado da

bilidade.

criança, entendendo tratar-se de uma fase de desen-
volvimento. (D) a consolidação de sua estrutura centralizada.

(B) aceitar que, desde o nascimento, toda criança terá (E) a interação com os demais conselhos.

direito a um nome e a uma nacionalidade.

(C) rejeitar qualquer tutela à criança incapacitada, uma

vez que ela tem autonomia, que deve ser incentivada. 42. A Politica Nacional de Assistência Social interpreta a

(D) reconhecer os direitos e as liberdades enunciados Constituição Federal de 1988 e a Lei Orgânica da As-

e que todos se empenhem por sua concretização e sistência Social de 1993. Isto confere, ao campo da
observância. assistência social, a característica de ampliação da
proteção social dos brasileiros e do alcance do direito
(E) aderir, apesar de toda a violência social praticada, ao
de cidadania, superando a leitura da proteção social

entendimento de que toda criança gozará de proteção
limitada somente ao campo da legislação do trabalho.
especial.
É correto afirmar, conforme o artigo 6.º - A da LOAS,


que a assistência social organiza-se pelos tipos de pro-
39. A Política Nacional de Assistência Social (PNAS) con- teção social

cretiza e dá materialidade aos pressupostos e previ-
sões contidas na Lei Orgânica da Assistência Social, (A) elementar e plural.

Lei n.º 8.742, de dezembro de 1993. A PNAS realiza-se (B) usual e genérica.
de forma integrada às políticas setoriais, considerando

as desigualdades socioterritoriais, visando seu enfren- (C) complementar e emergencial.

tamento, à garantia de mínimos sociais, ao provimento
de condições para atender contingências sociais e à (D) básica e especial.

(A) terceirização dos serviços sociais. (E) individual e singular.


(B) universalização dos direitos sociais.

(C) focalização nos programas emergenciais.

(D) objetivação de dados avaliativos de sua implemen-

tação.
(E) unificação dos projetos em um só comando.

PEAT1301/018-OrientadorSocial-AssistSocial-Tarde 12

www.pciconcursos.com.br
43. Os benefícios eventuais constituem um direito social 46. A Lei n.º 11.343, de 23 de agosto de 2006, prescreve


legalmente assegurado aos cidadãos brasileiros no medidas para prevenção do uso indevido de drogas,
­
­
âmbito da proteção social básica, conforme preconiza
­
atenção e reinserção social de seus usuários e depen-
o Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Previs- dentes; estabelece normas para repressão à produção
tos desde 1993 pela Lei Orgânica de Assistência Social não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas e define cri-

­
(LOAS), inscrevem-se no rol de provisão procedente mes. De acordo com o artigo 16 da referida Lei, as insti-
da gestão municipal e estadual da política de assistên- tuições com atuação nas áreas da atenção à saúde e da
cia social, cuja responsabilidade de sua regulação ficou assistência social, que atendam usuários ou dependen-
­
a cargo dos respectivos conselhos. Instituídos histori tes de drogas, devem comunicar ao órgão competente do

­
camente pela política previdenciária e ampliados a partir respectivo sistema municipal de saúde os casos atendi-
da LOAS, destacam-se, como objeto de regulamentação dos e os óbitos ocorridos,
e provisão,
(A) respeitando os direitos fundamentais do usuário,


(A) as próteses e as órteses. quanto à sua autonomia e liberdade.

(B) a cesta básica e o vale-transporte. (B) preservando a identidade das pessoas, conforme


(C) o auxílio-natalidade e o auxílio-funeral. orientações emanadas da União.

(D) o auxílio-gás e o programa luz para todos. (C) promovendo os valores éticos, como fator de prote-


ção para o uso indevido de drogas.

(E) os programas bolsa-escola e bolsa-família.

(D) criando consensos nacionais, como estratégias de


ação das áreas envolvidas.
44. Cada uma das situações de fragilidade enfrentadas pelos (E) sensibilizando para a responsibilidade compartilhada

cidadãos deve receber um tipo de atenção diferenciada,


entre Estado e Sociedade.
de acordo com as necessidades de cada um. Em razão
disso, foram aprovados pelo Conselho Nacional de As-
sistência Social (CNAS) quatro serviços de convivência
e fortalecimento de vínculos. Eles são organizados por 47. De acordo com o artigo 1.º (parágrafo único), da

faixa etária e têm como objetivo prevenir possíveis situa- Lei n.º 11.343/2006, consideram-se como drogas as
ções de risco da população em geral, visando à melhoria substâncias ou os produtos capazes de causar depen-

­
da qualidade de vida. Para crianças de até seis anos, dência, assim especificados em lei ou relacionados em
esse serviço tem por foco o desenvolvimento de ativida- listas atualizadas periodicamente pelo Poder Execu-

­
des com as próprias crianças, familiares e comunidade, tivo da União. A referida Lei estabelece princípios e

­
para fortalecer vínculos e prevenir ocorrência de situa- diretrizes para o desenvolvimento de atividades de
­
­
ções de exclusão social e de risco, em especial prevenção do uso indevido, atenção e reinserção de
usuários e dependentes de drogas. De acordo com seu
(A) a violência doméstica e o trabalho infantil. artigo 19 (parágrafo único), as atividades de preven-

(B) o comportamento agressivo e o uso de drogas. ção do uso indevido de drogas dirigidas à criança e
ao adolescente deverão estar em consonância com as

(C) a evasão escolar e a vivência nas ruas. diretrizes emanadas

(D) o abandono intencional e o abrigamento. (A) pelo Ministério da Saúde – MS.


(E) o ato infracional e o bulling.
(B) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária –


ANVISA.

45. O Serviço de Acolhimento Institucional é o acolhimento (C) pela Organização Mundial de Saúde – OMS.


em diferentes tipos de equipamentos, destinado a famí-
(D) pelo Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas –
lias e/ou indivíduos com vínculos familiares rompidos ou

CONAD.
fragilizados, a fim de garantir proteção integral. De acor-
do com as orientações técnicas do Ministério do Desen- (E) pelo Conselho Nacional dos Direitos da Criança e

volvimento Social – MDS, quando se trata de acolhimen- do Adolescente – CONANDA.
to provisório para adultos e famílias, esse serviço deve
ter estrutura para acolher, com privacidade, pessoas do
mesmo sexo ou grupo familiar. É previsto para população
de rua e desabrigo por abandono e em situações de

(A) alcoolismo e desemprego.



(B) migração e ausência de residência.

(C) convalescência e doença psiquiátrica.

(D) trabalho precarizado e deficiência.

(E) conflitos familiares e uso de drogas.

13 PEAT1301/018-OrientadorSocial-AssistSocial-Tarde

www.pciconcursos.com.br
48. A Liberdade Assistida é uma medida socioeducativa a

ser cumprida em meio aberto, isto é, sem que o ado-
lescente tenha privação de sua liberdade. Prevista no
Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei n.º 8.069/90),
­
é aplicável aos adolescentes autores de atos infracionais.
Trata-se de medida judicialmente imposta, de cumpri-
mento obrigatório. Na aplicação da medida de Liberdade
Assistida, conforme artigo 118 (parágrafo 1.º) do ECA, a
autoridade designará pessoa capacitada para acom

­
panhar o caso, a qual poderá ser
(A) selecionada pelo Conselho dos Direitos da Criança

e do Adolescente.
(B) avaliada pela equipe técnica do Fórum.

(C) monitorada pelo Conselho Tutelar.

(D) recomendada por entidade ou programa de aten

­
dimento.
(E) contratada pelo órgão gestor da assistência social

local.

49. As penas alternativas, na forma como são previstas na



legislação e aplicadas pelo Poder Judiciário brasileiro,
não têm por objetivo desocupar os presídios, pois, em
geral, o perfil dos indivíduos sentenciados a penas restri-
tivas de direito não se identifica com aquele da população
carcerária. Nesses casos, a pena de prisão é substituída
por uma ou mais restritivas de direitos, também conheci-
das como penas alternativas/substitutivas, que mantêm
os condenados em liberdade, como a denominada
(A) Atenção às Crianças Asiladas (ACA).

(B) Prontidão Emergencial de Caráter Comunitário (PEC).

(C) Prestação de Serviços à Comunidade (PSC).

(D) Otimização de Defesa Civil (ODC).

(E) Valorização de Ajuda Humanitária (VAH).

50. A partir da comprovação do ato infracional, são aplicadas

ao adolescente medidas socioeducativas previstas no
artigo 112 do ECA. Essas medidas são aplicadas visando
garantir que o adolescente seja responsabilizado pelos
seus atos e, reconhecendo sua condição de pessoa em
situação peculiar de desenvolvimento, garantir também
que lhe sejam oferecidas condições para a sua
(A) ascensão familiar.

(B) integração institucional.

(C) orientação política.

(D) reinserção social.

(E) progressão funcional.

PEAT1301/018-OrientadorSocial-AssistSocial-Tarde 14

www.pciconcursos.com.br
15 PEAT1301/018-OrientadorSocial-AssistSocial-Tarde

www.pciconcursos.com.br
www.pciconcursos.com.br